SlideShare uma empresa Scribd logo
MONITORESMONITORES
Equipe da FEBEquipe da FEB
FUNDAMENTAL I 2008 TURMA DFUNDAMENTAL I 2008 TURMA D
Federação Espírita BrasileiraFederação Espírita Brasileira
Estudo Sistematizado da Doutrina EspíritaEstudo Sistematizado da Doutrina Espírita
Programa Fundamental – Tomo IPrograma Fundamental – Tomo I
MóduloMódulo
II
Introdução ao Estudo doIntrodução ao Estudo do
Espiritismo.Espiritismo.
Propiciar conhecimentos geraisPropiciar conhecimentos gerais
sobre a Doutrina Espírita.sobre a Doutrina Espírita.
Objetivo GeralObjetivo Geral
1.1. O contexto histórico do século XIXO contexto histórico do século XIX
na Europa.na Europa.
2.2. Espiritismo ou Doutrina Espírita:Espiritismo ou Doutrina Espírita:
conceito e objeto.conceito e objeto.
3.3. Tríplice aspecto da Doutrina Espírita.Tríplice aspecto da Doutrina Espírita.
4.4. Pontos principais da Doutrina Espírita.Pontos principais da Doutrina Espírita.
Programa Fundamental – Tomo I -Programa Fundamental – Tomo I - MóduloMódulo II
RoteirosRoteiros
RoteiroRoteiro 1 : O contexto histórico do1 : O contexto histórico do
século XIX na Europa.século XIX na Europa.
Objetivo específico do estudoObjetivo específico do estudo
Identificar o contexto histórico doIdentificar o contexto histórico do
século XIX na Europa, por ocasiãoséculo XIX na Europa, por ocasião
do surgimento da Doutrina Espírita.do surgimento da Doutrina Espírita.
O progresso do Espírito se dáO progresso do Espírito se dá
em dois campos do conhecimento:em dois campos do conhecimento:
IntroduçãoIntrodução
intelectualintelectual
moralmoral
Quando o Espírito encarnado estáQuando o Espírito encarnado está
em condições de receber novosem condições de receber novos
ensinamentos, o Plano Espiritualensinamentos, o Plano Espiritual
envia Espíritos mais evoluídos, nosenvia Espíritos mais evoluídos, nos
dois campos do conhecimento,dois campos do conhecimento,
para ajudá-lo no seu progresso.para ajudá-lo no seu progresso.
Introdução (cont.)Introdução (cont.)
O Século XIX foi um dessesO Século XIX foi um desses
momentos em que a humanidade foimomentos em que a humanidade foi
agraciada com um grande númeroagraciada com um grande número
dede Espíritos iluminadosEspíritos iluminados que vieramque vieram
efetuar profundas transformaçõesefetuar profundas transformações
na conjuntura política, social,na conjuntura política, social,
científica, cultural e econômicacientífica, cultural e econômica
daquela época.daquela época.
http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/
Poeta, ensaísta, dramaturgo,Poeta, ensaísta, dramaturgo,
filósofo, historiador, responsávelfilósofo, historiador, responsável
por várias reformas na Françapor várias reformas na França
(liberdade de imprensa, tolerância(liberdade de imprensa, tolerância
religiosa, tributação proporcional).religiosa, tributação proporcional).Voltaire
Político, filósofo e escritorPolítico, filósofo e escritor
francês. Famoso pela sua Teoriafrancês. Famoso pela sua Teoria
da Separação dos Poderes.da Separação dos Poderes.
Montesquieu
Alguns desses pensadores importantes da época
http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/
Filósofo suíço, escritor, teóricoFilósofo suíço, escritor, teórico
político e um compositor musicalpolítico e um compositor musical
autodidata. Defendia um Estadoautodidata. Defendia um Estado
social legítimo.social legítimo.Rousseau
Economista francês. Criou aEconomista francês. Criou a
idéia da “oferta-procura”,idéia da “oferta-procura”,
fundamento da economiafundamento da economia
moderna. Defendia a agriculturamoderna. Defendia a agricultura
como a principal atividadecomo a principal atividade
criadora de riqueza.criadora de riqueza.
Quesnay
http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/
Filósofo e escritor francês. Era umFilósofo e escritor francês. Era um
crítico ferrenho do absolutismo ecrítico ferrenho do absolutismo e
do clero. Editor da “Encyclopédie”.do clero. Editor da “Encyclopédie”.
Sua edição, em 28 volumes,Sua edição, em 28 volumes,
demorou 21 anos.demorou 21 anos.
Diderot
Filósofo, matemático e físicoFilósofo, matemático e físico
francês. Participou na edição dafrancês. Participou na edição da
“Encyclopédie”. Foi um expoente no“Encyclopédie”. Foi um expoente no
desenvolvimento teórico da física edesenvolvimento teórico da física e
da matemática.da matemática.AlembertAlembert
http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/
Rei francês, criou o Estado-Geral, aboliuRei francês, criou o Estado-Geral, aboliu
o feudalismo e a tortura, reduziu ao feudalismo e a tortura, reduziu a
força da Igreja, mas não desenvolveuforça da Igreja, mas não desenvolveu
todas as reformas prometidas,todas as reformas prometidas,
provocando a revolução francesa.provocando a revolução francesa.Louis XVI
Imperador da França por 15 anos. FezImperador da França por 15 anos. Fez
grandes reformas em prol da liberdadegrandes reformas em prol da liberdade
individual, igualdade perante a lei,individual, igualdade perante a lei,
direito à propriedade, entre outras.direito à propriedade, entre outras.
NapoleãoNapoleão
Outros personagens importantes da época
Wagner Beethoven
Chopin Rossini
Bellini
MúsicosMúsicos
Manet
Renoir Monet
PintoresPintores
Victor Hugo
EscritoresEscritores
Zola
Stendhal
Goethe
Lamartine
Louis Pasteur
CientistasCientistas
Pierre e Marie
Curie
Darwin
Apoiados, principalmente, nas idéiasApoiados, principalmente, nas idéias
renovadoras divulgadas pelos Espíritosrenovadoras divulgadas pelos Espíritos
reformadores, denominados iluministasreformadores, denominados iluministas
e enciclopedistas,dão-se:e enciclopedistas,dão-se:
 a queda do absolutismo.a queda do absolutismo.
os grandes movimentos sociaisos grandes movimentos sociais
europeus;europeus;
As Grandes Transformações ...As Grandes Transformações ...
Os Estados Unidos foram a primeiraOs Estados Unidos foram a primeira
nação a absorver o pensamentonação a absorver o pensamento
renovador dos iluministas, advindo,renovador dos iluministas, advindo,
como consequências:como consequências:
 a Constituição de Filadélfia – modeloa Constituição de Filadélfia – modelo
das futuras constituiçõesdas futuras constituições
democráticas.democráticas.
 proclamação da sua independênciaproclamação da sua independência
(04/07/1776);(04/07/1776);
A independência americanaA independência americana
repercutiu intensamente narepercutiu intensamente na
França, acendendo a fagulha queFrança, acendendo a fagulha que
levaria o povo francês à Revoluçãolevaria o povo francês à Revolução
Francesa (1789), marco queFrancesa (1789), marco que
separa a Idade Moderna da Idadesepara a Idade Moderna da Idade
Contemporânea.Contemporânea.
A Revolução Francesa fezA Revolução Francesa fez
desencadear sucessivos progressosdesencadear sucessivos progressos
culturais, fazendo o século XIXculturais, fazendo o século XIX
entrar para a história como oentrar para a história como o
Século da RazãoSéculo da Razão..
Outra revolução diferente marcou,Outra revolução diferente marcou,
também, esse período: atambém, esse período: a revoluçãorevolução
moralmoral proposta pelo espiritismo.proposta pelo espiritismo.
Em 31 de março de 1848, numa toscaEm 31 de março de 1848, numa tosca
cabana, residência da família Foxcabana, residência da família Fox
(EUA), cria-se um código para(EUA), cria-se um código para
conversar com espíritos e inicia-se oconversar com espíritos e inicia-se o
diálogo com o Plano Espiritual.diálogo com o Plano Espiritual.
““Foi nesse contexto histórico queFoi nesse contexto histórico que
surgiu o Espiritismo, como umsurgiu o Espiritismo, como um
conjunto de leis e princípiosconjunto de leis e princípios
destinados à Humanidade, a qual jádestinados à Humanidade, a qual já
se encontravase encontrava amadurecida parapara
receber o Consolador, a novareceber o Consolador, a nova
revelação prometida por Jesus”revelação prometida por Jesus”
TORCHI, CHRISTIANO. Espiritismo passo a passo com Kardec. Rio de Janeiro:TORCHI, CHRISTIANO. Espiritismo passo a passo com Kardec. Rio de Janeiro:
Federação Espírita Brasileira, 2007. p.47.Federação Espírita Brasileira, 2007. p.47.
Em que aspectos essasEm que aspectos essas
manifestações filosóficas, políticas,manifestações filosóficas, políticas,
religiosas, científicas e sociais, quereligiosas, científicas e sociais, que
tiveram o poder de influenciar astiveram o poder de influenciar as
gerações posteriores, contribuíramgerações posteriores, contribuíram
para tornar o ambiente propício aopara tornar o ambiente propício ao
advento do Espiritismo?advento do Espiritismo?
Questão para nossa reflexão ...Questão para nossa reflexão ...
AtividadesAtividades
Em 5Em 5
GruposGrupos
TarefasTarefas
a)a) Ler os subsídios do Roteiro 1 “Contexto histórico do séculoLer os subsídios do Roteiro 1 “Contexto histórico do século
XIX na Europa”, do Módulo I “Introdução ao Estudo doXIX na Europa”, do Módulo I “Introdução ao Estudo do
Espiritismo”;Espiritismo”;
b)b) Analisar, responder e comentar a questão proposta para oAnalisar, responder e comentar a questão proposta para o
grupo.grupo.
c)c) Grupo 1 – Questão:Grupo 1 – Questão:
Grupo 2 – Questão:Grupo 2 – Questão:
Grupo 3 – Questão:Grupo 3 – Questão:
ResultadosResultados
do estudodo estudo
1. Em que aspectos a “1. Em que aspectos a “Revolução FrancesaRevolução Francesa e suase suas
conseqüências” tornaram o ambiente do séculoconseqüências” tornaram o ambiente do século
XIX propício ao surgimento do Espiritismo?XIX propício ao surgimento do Espiritismo?
Com a difusão dos conceitos de liberdade,Com a difusão dos conceitos de liberdade,
fraternidade e igualdade entre os homens e afraternidade e igualdade entre os homens e a
separação entre o estado e a igreja, aseparação entre o estado e a igreja, a
sociedade francesa ficou mais tolerante esociedade francesa ficou mais tolerante e
madura, tornando, assim, o ambiente político-madura, tornando, assim, o ambiente político-
social propício ao advento do Espiritismo.social propício ao advento do Espiritismo.
G.1ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1.
Federação Espírita Brasileira, 2007. p.15-17.
2. Em que aspectos a2. Em que aspectos a Revolução IndustrialRevolução Industrial ee
suas repercussões contribuíram para tornar osuas repercussões contribuíram para tornar o
ambiente do século XIX propício ao surgimentoambiente do século XIX propício ao surgimento
do Espiritismo?do Espiritismo?
O progresso tecnológico pela invenção deO progresso tecnológico pela invenção de
máquinas e equipamentos propiciou omáquinas e equipamentos propiciou o
desenvolvimento das relações internacionais,desenvolvimento das relações internacionais,
especialmente nas áreas econômicas,especialmente nas áreas econômicas,
comerciais e políticas, transformando o mundocomerciais e políticas, transformando o mundo
numa aldeia global, tornando, assim, o ambientenuma aldeia global, tornando, assim, o ambiente
político-social propício ao surgimento dopolítico-social propício ao surgimento do
Espiritismo.Espiritismo.
G.2ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1.
Federação Espírita Brasileira, 2007. p.17-18.
3. Em que aspectos as3. Em que aspectos as manifestações artísticas emanifestações artísticas e
culturaisculturais do século XIX contribuíram para tornar odo século XIX contribuíram para tornar o
ambiente propício ao surgimento do Espiritismo?ambiente propício ao surgimento do Espiritismo?
As atividades artísticas e culturais, inspiradasAs atividades artísticas e culturais, inspiradas
nos ideais de liberdade, igualdade enos ideais de liberdade, igualdade e
fraternidade, procuravam retratar no âmbitofraternidade, procuravam retratar no âmbito
da literatura, da música e da pintura ada literatura, da música e da pintura a
realidade das lutas políticas e sociais da época,realidade das lutas políticas e sociais da época,
enaltecendo as manifestações antielitista eenaltecendo as manifestações antielitista e
antiaristocrática da sociedade, contribuindoantiaristocrática da sociedade, contribuindo
para tornar o ambiente daquela época propíciopara tornar o ambiente daquela época propício
ao advento do Espiritismo.ao advento do Espiritismo.
G.3ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1.
Federação Espírita Brasileira, 2007. p.18-19.
4. Em que aspectos as4. Em que aspectos as manifestações filosóficas,manifestações filosóficas,
políticas, religiosas, sociais e científicaspolíticas, religiosas, sociais e científicas do séculodo século
XIX contribuíram para tornar esse ambienteXIX contribuíram para tornar esse ambiente
propício ao advento do Espiritismo?propício ao advento do Espiritismo?
Naquela época, a sociedade estava dominada peloNaquela época, a sociedade estava dominada pelo
racionalismo, que negava tudo que não pudesse serracionalismo, que negava tudo que não pudesse ser
comprovado cientificamente. A filosofia tornou-secomprovado cientificamente. A filosofia tornou-se
eminentemente positivista; os movimentoseminentemente positivista; os movimentos
políticos e sociais procuravam formas de governopolíticos e sociais procuravam formas de governo
mais liberais; os movimentos religiososmais liberais; os movimentos religiosos
contestavam o papel desempenhado pela Igreja; acontestavam o papel desempenhado pela Igreja; a
ciência progredia rapidamente. Tudo isso criava umciência progredia rapidamente. Tudo isso criava um
cenário propício para o advento do Espiritismo.cenário propício para o advento do Espiritismo.
G.4ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1.
Federação Espírita Brasileira, 2007. p.19-22.
5. Em geral, que5. Em geral, que fatores principaisfatores principais, resultantes dos, resultantes dos
avanços no conhecimento do século XIX, podemosavanços no conhecimento do século XIX, podemos
destacar como fundamentais para tornar odestacar como fundamentais para tornar o
ambiente propício ao advento do Espiritismo?ambiente propício ao advento do Espiritismo?
 A expansão do livro e da imprensa;A expansão do livro e da imprensa;
 A expansão dos meios de comunicação;A expansão dos meios de comunicação;
 A eclosão da era industrial;A eclosão da era industrial;
 O desenvolvimento da educação;O desenvolvimento da educação;
 Vulgarização da cultura;Vulgarização da cultura;
 Ascensão e domínio da burguesia;Ascensão e domínio da burguesia;
 Aumento considerável do proletariado urbano.Aumento considerável do proletariado urbano.
G.5ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1.
Federação Espírita Brasileira, 2007. p.19-22.
ConclusõesConclusões
do estudodo estudo
O século XIX representou uma épocaO século XIX representou uma época
de profundas transformações para ade profundas transformações para a
humanidade, em vários campos:humanidade, em vários campos:
 FILOSOFIAFILOSOFIA  POLÍTICAPOLÍTICA
 RELIGIÃORELIGIÃO CIÊNCIASCIÊNCIAS
 ESPIRITISMOESPIRITISMO
 O ascendente dos dogmas absurdos da IgrejaO ascendente dos dogmas absurdos da Igreja
nas ciências da alma são rejeitados;nas ciências da alma são rejeitados;
 Suas manifestações seguem os mesmosSuas manifestações seguem os mesmos
princípios da ciência racional e materialistaprincípios da ciência racional e materialista
(negativismo transcendente);(negativismo transcendente);
No campo da Filosofia...No campo da Filosofia...
 O estado teológico e o metafísico são superadosO estado teológico e o metafísico são superados
pelopelo positivismopositivismo (certeza racional e científica);(certeza racional e científica);
 AA fé na ciência passa ser a verdadeira fé,fé na ciência passa ser a verdadeira fé,
tornando inúteis a religião e a metafísicatornando inúteis a religião e a metafísica..
AnarquismoAnarquismo – sociedade estruturada sem a– sociedade estruturada sem a
presença do Estado, a força coercitiva quepresença do Estado, a força coercitiva que
impedia os indivíduos de usufruir liberdade plena;impedia os indivíduos de usufruir liberdade plena;
No campo da Política...No campo da Política...
ColetivismoColetivismo – defendia a revolução universal pelos– defendia a revolução universal pelos
camponeses com a destruição do sistema socialcamponeses com a destruição do sistema social
existente;existente;
MarxismoMarxismo – abolição de todas as formas de– abolição de todas as formas de
governo, em favor de uma sociedade regulada pelagoverno, em favor de uma sociedade regulada pela
cooperação mútua dos indivíduos;cooperação mútua dos indivíduos;
ComunismoComunismo – sociedade, sem divisão de classes e– sociedade, sem divisão de classes e
sem a presença de um Estado coercitivo.sem a presença de um Estado coercitivo.
Astronomia - descoberta do planeta Netuno;Astronomia - descoberta do planeta Netuno;
Microbiologia - trabalhos de Pasteur;Microbiologia - trabalhos de Pasteur;
Física - estudos de Pierre e Marie Curie sobreFísica - estudos de Pierre e Marie Curie sobre
energias emitidas pelo rádio;energias emitidas pelo rádio;
Biologia - teoria da evolução das espécies, deBiologia - teoria da evolução das espécies, de
Darwin;Darwin;
Física - os meios de transporte, pela máquinaFísica - os meios de transporte, pela máquina
à vapor;à vapor;
Social - a ascensão da burguesia rica,Social - a ascensão da burguesia rica,
tornando-se classe dominante (força política).tornando-se classe dominante (força política).
No campo das Ciências – vários avanços...No campo das Ciências – vários avanços...
Os movimentos políticos confrontamOs movimentos políticos confrontam
as práticas religiosas da Igrejaas práticas religiosas da Igreja
católica, ligada, em demasia, àcatólica, ligada, em demasia, à
nobreza governante, abrindonobreza governante, abrindo
espaço à expansão das igrejasespaço à expansão das igrejas
reformadas (Protestantismo).reformadas (Protestantismo).
No campo da Religião...No campo da Religião...
É nesse cenário de transformações, queÉ nesse cenário de transformações, que
surgesurge Allan KardecAllan Kardec com sua missão decom sua missão de
esclarecimentos e de consolação,esclarecimentos e de consolação,
lançando as bases da Doutrina Espírita elançando as bases da Doutrina Espírita e
promovendo uma verdadeirapromovendo uma verdadeira revoluçãorevolução
moralmoral para o progresso da humanidade.para o progresso da humanidade.
Surgimento do Espiritismo ...Surgimento do Espiritismo ...
Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nazismo
NazismoNazismo
Fundamentos nazifascistas
Fundamentos nazifascistasFundamentos nazifascistas
Fundamentos nazifascistas
Edenilson Morais
 
Construção da modernidade europeia
Construção da modernidade europeiaConstrução da modernidade europeia
Construção da modernidade europeia
Inês Miranda
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Renascimento
RenascimentoRenascimento
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
Vítor Santos
 

Mais procurados (6)

Nazismo
NazismoNazismo
Nazismo
 
Fundamentos nazifascistas
Fundamentos nazifascistasFundamentos nazifascistas
Fundamentos nazifascistas
 
Construção da modernidade europeia
Construção da modernidade europeiaConstrução da modernidade europeia
Construção da modernidade europeia
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 

Semelhante a Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio

Módulo I - Aula I - Mansão Espírita
Módulo I - Aula I - Mansão EspíritaMódulo I - Aula I - Mansão Espírita
Módulo I - Aula I - Mansão Espírita
brunoquadros
 
_inutbr).pptodnução
_inutbr).pptodnução_inutbr).pptodnução
_inutbr).pptodnução
RicardoAfonso43
 
Escolástica
EscolásticaEscolástica
Escolástica
Gabriel de Campos
 
18 abril 1857
18 abril 185718 abril 1857
18 abril 1857
Graça Maciel
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
FRANCISCO PALOSQUE
 
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parteRoteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Bruno Cechinel Filho
 
FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...
FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...
FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...
RbsonBatista
 
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Alan Santos
 
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - GovernantesContexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
Denise Aguiar
 
Montesquieu2
Montesquieu2Montesquieu2
Montesquieu2
Ana Beatriz Mangueira
 
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
fabiopombo
 
R3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdf
R3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdfR3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdf
R3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdf
lucianofl77
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
Dismael Sagás
 
A monarquia de julho
A monarquia de julhoA monarquia de julho
A monarquia de julho
Kerol Brombal
 
Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016
Denise Aguiar
 
Etapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptx
Etapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptxEtapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptx
Etapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptx
ssuser772059
 
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptxMutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Pedro Silva
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
stcnsaidjv
 
Paul Ricoeur
Paul RicoeurPaul Ricoeur
Paul Ricoeur
Jorge Barbosa
 
Aula I Parte I Histórico
Aula I   Parte I   HistóricoAula I   Parte I   Histórico
Aula I Parte I Histórico
Erika Zuza
 

Semelhante a Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio (20)

Módulo I - Aula I - Mansão Espírita
Módulo I - Aula I - Mansão EspíritaMódulo I - Aula I - Mansão Espírita
Módulo I - Aula I - Mansão Espírita
 
_inutbr).pptodnução
_inutbr).pptodnução_inutbr).pptodnução
_inutbr).pptodnução
 
Escolástica
EscolásticaEscolástica
Escolástica
 
18 abril 1857
18 abril 185718 abril 1857
18 abril 1857
 
Conceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismoConceito de modernidade eurocentrismo
Conceito de modernidade eurocentrismo
 
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parteRoteiro 1   contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
Roteiro 1 contexto hist. século xix - europa - 1ª parte
 
FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...
FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...
FOUCAULT - Ditos e Escritos I - A Problematização do sujeito. Psicologia, Psi...
 
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
Filosofia contemporânea-pensamento-do-século-xx-3ª-série1
 
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - GovernantesContexto histórico - Espiritismo - Governantes
Contexto histórico - Espiritismo - Governantes
 
Montesquieu2
Montesquieu2Montesquieu2
Montesquieu2
 
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á EuropaA cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
A cultura e o iluminismo em portugal face á Europa
 
R3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdf
R3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdfR3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdf
R3.Fund-I-M02-R1-Contexto_Historico_Seculo_XIX_EMF.pdf
 
Iluminismo
Iluminismo Iluminismo
Iluminismo
 
A monarquia de julho
A monarquia de julhoA monarquia de julho
A monarquia de julho
 
Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016Esdei 01.01 parte i_2016
Esdei 01.01 parte i_2016
 
Etapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptx
Etapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptxEtapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptx
Etapa Processo Seletivo - Professor(a) Tutor(a) UNISUAM (1).pptx
 
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptxMutacoes_comp_Cultura.pptx
Mutacoes_comp_Cultura.pptx
 
As causas da revolução francesa
As causas da revolução francesaAs causas da revolução francesa
As causas da revolução francesa
 
Paul Ricoeur
Paul RicoeurPaul Ricoeur
Paul Ricoeur
 
Aula I Parte I Histórico
Aula I   Parte I   HistóricoAula I   Parte I   Histórico
Aula I Parte I Histórico
 

Mais de Guto Ovsky

Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporalFund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
Guto Ovsky
 
Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4
Guto Ovsky
 
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldoFund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Guto Ovsky
 
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebioFund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebioFund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilsonFund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Guto Ovsky
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]gutoFund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]gutoFund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thaisFund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]gutoFund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Guto Ovsky
 
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebioFund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Guto Ovsky
 

Mais de Guto Ovsky (20)

Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]gutoFund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
Fund1Mod07Rot3e5-[2012]guto
 
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporalFund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
Fund1Mod06Rot4-Retorno à vida corporal
 
Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3Fund1Mod06Rot3
Fund1Mod06Rot3
 
Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2Fund1Mod06Rot2
Fund1Mod06Rot2
 
Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1Fund1Mod06Rot1
Fund1Mod06Rot1
 
Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4Fund1Mod06Rot4
Fund1Mod06Rot4
 
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldoFund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
Fund1Mod05Rot2e3-[2012]geraldo
 
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebioFund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
Fund1Mod05Rot1-[2007]euzebio
 
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod04Rot3e4-[2012]guto
 
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebioFund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod04Rot2-[2007]euzebio
 
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebioFund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
Fund1Mod04Rot1-[2009]euzebio
 
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]gutoFund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
Fund1Mod03Rot3e4-[2012]guto
 
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilsonFund1Mod03Rot1-[2008]nilson
Fund1Mod03Rot1-[2008]nilson
 
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebioFund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
Fund1Mod03Rot2-[2008]euzebio
 
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
Fund1Mod02Rot2-[2006 e 2007]
 
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]gutoFund1Mod02Rot1-[2012]guto
Fund1Mod02Rot1-[2012]guto
 
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]gutoFund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
Fund1Mod02Rot3e4-[2013]guto
 
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thaisFund1Mod01Rot4-[2007]thais
Fund1Mod01Rot4-[2007]thais
 
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]gutoFund1Mod01Rot2-[2013]guto
Fund1Mod01Rot2-[2013]guto
 
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebioFund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
Fund1Mod01Rot2-[2007]euzebio
 

Último

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
NEDIONOSSOMUNDO
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 

Último (14)

15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptxPalestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
Palestra ECC - A Fé nos Reverses da Vida.pptx
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 

Fund1Mod01Rot1-[2008]euzebio

  • 1. MONITORESMONITORES Equipe da FEBEquipe da FEB FUNDAMENTAL I 2008 TURMA DFUNDAMENTAL I 2008 TURMA D
  • 2. Federação Espírita BrasileiraFederação Espírita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina EspíritaEstudo Sistematizado da Doutrina Espírita Programa Fundamental – Tomo IPrograma Fundamental – Tomo I MóduloMódulo II Introdução ao Estudo doIntrodução ao Estudo do Espiritismo.Espiritismo. Propiciar conhecimentos geraisPropiciar conhecimentos gerais sobre a Doutrina Espírita.sobre a Doutrina Espírita. Objetivo GeralObjetivo Geral
  • 3. 1.1. O contexto histórico do século XIXO contexto histórico do século XIX na Europa.na Europa. 2.2. Espiritismo ou Doutrina Espírita:Espiritismo ou Doutrina Espírita: conceito e objeto.conceito e objeto. 3.3. Tríplice aspecto da Doutrina Espírita.Tríplice aspecto da Doutrina Espírita. 4.4. Pontos principais da Doutrina Espírita.Pontos principais da Doutrina Espírita. Programa Fundamental – Tomo I -Programa Fundamental – Tomo I - MóduloMódulo II RoteirosRoteiros
  • 4. RoteiroRoteiro 1 : O contexto histórico do1 : O contexto histórico do século XIX na Europa.século XIX na Europa. Objetivo específico do estudoObjetivo específico do estudo Identificar o contexto histórico doIdentificar o contexto histórico do século XIX na Europa, por ocasiãoséculo XIX na Europa, por ocasião do surgimento da Doutrina Espírita.do surgimento da Doutrina Espírita.
  • 5. O progresso do Espírito se dáO progresso do Espírito se dá em dois campos do conhecimento:em dois campos do conhecimento: IntroduçãoIntrodução intelectualintelectual moralmoral
  • 6. Quando o Espírito encarnado estáQuando o Espírito encarnado está em condições de receber novosem condições de receber novos ensinamentos, o Plano Espiritualensinamentos, o Plano Espiritual envia Espíritos mais evoluídos, nosenvia Espíritos mais evoluídos, nos dois campos do conhecimento,dois campos do conhecimento, para ajudá-lo no seu progresso.para ajudá-lo no seu progresso. Introdução (cont.)Introdução (cont.)
  • 7. O Século XIX foi um dessesO Século XIX foi um desses momentos em que a humanidade foimomentos em que a humanidade foi agraciada com um grande númeroagraciada com um grande número dede Espíritos iluminadosEspíritos iluminados que vieramque vieram efetuar profundas transformaçõesefetuar profundas transformações na conjuntura política, social,na conjuntura política, social, científica, cultural e econômicacientífica, cultural e econômica daquela época.daquela época.
  • 8. http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/ Poeta, ensaísta, dramaturgo,Poeta, ensaísta, dramaturgo, filósofo, historiador, responsávelfilósofo, historiador, responsável por várias reformas na Françapor várias reformas na França (liberdade de imprensa, tolerância(liberdade de imprensa, tolerância religiosa, tributação proporcional).religiosa, tributação proporcional).Voltaire Político, filósofo e escritorPolítico, filósofo e escritor francês. Famoso pela sua Teoriafrancês. Famoso pela sua Teoria da Separação dos Poderes.da Separação dos Poderes. Montesquieu Alguns desses pensadores importantes da época
  • 9. http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/ Filósofo suíço, escritor, teóricoFilósofo suíço, escritor, teórico político e um compositor musicalpolítico e um compositor musical autodidata. Defendia um Estadoautodidata. Defendia um Estado social legítimo.social legítimo.Rousseau Economista francês. Criou aEconomista francês. Criou a idéia da “oferta-procura”,idéia da “oferta-procura”, fundamento da economiafundamento da economia moderna. Defendia a agriculturamoderna. Defendia a agricultura como a principal atividadecomo a principal atividade criadora de riqueza.criadora de riqueza. Quesnay
  • 10. http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/ Filósofo e escritor francês. Era umFilósofo e escritor francês. Era um crítico ferrenho do absolutismo ecrítico ferrenho do absolutismo e do clero. Editor da “Encyclopédie”.do clero. Editor da “Encyclopédie”. Sua edição, em 28 volumes,Sua edição, em 28 volumes, demorou 21 anos.demorou 21 anos. Diderot Filósofo, matemático e físicoFilósofo, matemático e físico francês. Participou na edição dafrancês. Participou na edição da “Encyclopédie”. Foi um expoente no“Encyclopédie”. Foi um expoente no desenvolvimento teórico da física edesenvolvimento teórico da física e da matemática.da matemática.AlembertAlembert
  • 11. http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/http://pt.wikipedia.org/wiki/ Rei francês, criou o Estado-Geral, aboliuRei francês, criou o Estado-Geral, aboliu o feudalismo e a tortura, reduziu ao feudalismo e a tortura, reduziu a força da Igreja, mas não desenvolveuforça da Igreja, mas não desenvolveu todas as reformas prometidas,todas as reformas prometidas, provocando a revolução francesa.provocando a revolução francesa.Louis XVI Imperador da França por 15 anos. FezImperador da França por 15 anos. Fez grandes reformas em prol da liberdadegrandes reformas em prol da liberdade individual, igualdade perante a lei,individual, igualdade perante a lei, direito à propriedade, entre outras.direito à propriedade, entre outras. NapoleãoNapoleão
  • 12. Outros personagens importantes da época Wagner Beethoven Chopin Rossini Bellini MúsicosMúsicos
  • 16. Apoiados, principalmente, nas idéiasApoiados, principalmente, nas idéias renovadoras divulgadas pelos Espíritosrenovadoras divulgadas pelos Espíritos reformadores, denominados iluministasreformadores, denominados iluministas e enciclopedistas,dão-se:e enciclopedistas,dão-se:  a queda do absolutismo.a queda do absolutismo. os grandes movimentos sociaisos grandes movimentos sociais europeus;europeus; As Grandes Transformações ...As Grandes Transformações ...
  • 17. Os Estados Unidos foram a primeiraOs Estados Unidos foram a primeira nação a absorver o pensamentonação a absorver o pensamento renovador dos iluministas, advindo,renovador dos iluministas, advindo, como consequências:como consequências:  a Constituição de Filadélfia – modeloa Constituição de Filadélfia – modelo das futuras constituiçõesdas futuras constituições democráticas.democráticas.  proclamação da sua independênciaproclamação da sua independência (04/07/1776);(04/07/1776);
  • 18. A independência americanaA independência americana repercutiu intensamente narepercutiu intensamente na França, acendendo a fagulha queFrança, acendendo a fagulha que levaria o povo francês à Revoluçãolevaria o povo francês à Revolução Francesa (1789), marco queFrancesa (1789), marco que separa a Idade Moderna da Idadesepara a Idade Moderna da Idade Contemporânea.Contemporânea.
  • 19. A Revolução Francesa fezA Revolução Francesa fez desencadear sucessivos progressosdesencadear sucessivos progressos culturais, fazendo o século XIXculturais, fazendo o século XIX entrar para a história como oentrar para a história como o Século da RazãoSéculo da Razão..
  • 20. Outra revolução diferente marcou,Outra revolução diferente marcou, também, esse período: atambém, esse período: a revoluçãorevolução moralmoral proposta pelo espiritismo.proposta pelo espiritismo. Em 31 de março de 1848, numa toscaEm 31 de março de 1848, numa tosca cabana, residência da família Foxcabana, residência da família Fox (EUA), cria-se um código para(EUA), cria-se um código para conversar com espíritos e inicia-se oconversar com espíritos e inicia-se o diálogo com o Plano Espiritual.diálogo com o Plano Espiritual.
  • 21. ““Foi nesse contexto histórico queFoi nesse contexto histórico que surgiu o Espiritismo, como umsurgiu o Espiritismo, como um conjunto de leis e princípiosconjunto de leis e princípios destinados à Humanidade, a qual jádestinados à Humanidade, a qual já se encontravase encontrava amadurecida parapara receber o Consolador, a novareceber o Consolador, a nova revelação prometida por Jesus”revelação prometida por Jesus” TORCHI, CHRISTIANO. Espiritismo passo a passo com Kardec. Rio de Janeiro:TORCHI, CHRISTIANO. Espiritismo passo a passo com Kardec. Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2007. p.47.Federação Espírita Brasileira, 2007. p.47.
  • 22. Em que aspectos essasEm que aspectos essas manifestações filosóficas, políticas,manifestações filosóficas, políticas, religiosas, científicas e sociais, quereligiosas, científicas e sociais, que tiveram o poder de influenciar astiveram o poder de influenciar as gerações posteriores, contribuíramgerações posteriores, contribuíram para tornar o ambiente propício aopara tornar o ambiente propício ao advento do Espiritismo?advento do Espiritismo? Questão para nossa reflexão ...Questão para nossa reflexão ...
  • 24. TarefasTarefas a)a) Ler os subsídios do Roteiro 1 “Contexto histórico do séculoLer os subsídios do Roteiro 1 “Contexto histórico do século XIX na Europa”, do Módulo I “Introdução ao Estudo doXIX na Europa”, do Módulo I “Introdução ao Estudo do Espiritismo”;Espiritismo”; b)b) Analisar, responder e comentar a questão proposta para oAnalisar, responder e comentar a questão proposta para o grupo.grupo. c)c) Grupo 1 – Questão:Grupo 1 – Questão: Grupo 2 – Questão:Grupo 2 – Questão: Grupo 3 – Questão:Grupo 3 – Questão:
  • 26. 1. Em que aspectos a “1. Em que aspectos a “Revolução FrancesaRevolução Francesa e suase suas conseqüências” tornaram o ambiente do séculoconseqüências” tornaram o ambiente do século XIX propício ao surgimento do Espiritismo?XIX propício ao surgimento do Espiritismo? Com a difusão dos conceitos de liberdade,Com a difusão dos conceitos de liberdade, fraternidade e igualdade entre os homens e afraternidade e igualdade entre os homens e a separação entre o estado e a igreja, aseparação entre o estado e a igreja, a sociedade francesa ficou mais tolerante esociedade francesa ficou mais tolerante e madura, tornando, assim, o ambiente político-madura, tornando, assim, o ambiente político- social propício ao advento do Espiritismo.social propício ao advento do Espiritismo. G.1ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.15-17.
  • 27. 2. Em que aspectos a2. Em que aspectos a Revolução IndustrialRevolução Industrial ee suas repercussões contribuíram para tornar osuas repercussões contribuíram para tornar o ambiente do século XIX propício ao surgimentoambiente do século XIX propício ao surgimento do Espiritismo?do Espiritismo? O progresso tecnológico pela invenção deO progresso tecnológico pela invenção de máquinas e equipamentos propiciou omáquinas e equipamentos propiciou o desenvolvimento das relações internacionais,desenvolvimento das relações internacionais, especialmente nas áreas econômicas,especialmente nas áreas econômicas, comerciais e políticas, transformando o mundocomerciais e políticas, transformando o mundo numa aldeia global, tornando, assim, o ambientenuma aldeia global, tornando, assim, o ambiente político-social propício ao surgimento dopolítico-social propício ao surgimento do Espiritismo.Espiritismo. G.2ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.17-18.
  • 28. 3. Em que aspectos as3. Em que aspectos as manifestações artísticas emanifestações artísticas e culturaisculturais do século XIX contribuíram para tornar odo século XIX contribuíram para tornar o ambiente propício ao surgimento do Espiritismo?ambiente propício ao surgimento do Espiritismo? As atividades artísticas e culturais, inspiradasAs atividades artísticas e culturais, inspiradas nos ideais de liberdade, igualdade enos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade, procuravam retratar no âmbitofraternidade, procuravam retratar no âmbito da literatura, da música e da pintura ada literatura, da música e da pintura a realidade das lutas políticas e sociais da época,realidade das lutas políticas e sociais da época, enaltecendo as manifestações antielitista eenaltecendo as manifestações antielitista e antiaristocrática da sociedade, contribuindoantiaristocrática da sociedade, contribuindo para tornar o ambiente daquela época propíciopara tornar o ambiente daquela época propício ao advento do Espiritismo.ao advento do Espiritismo. G.3ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.18-19.
  • 29. 4. Em que aspectos as4. Em que aspectos as manifestações filosóficas,manifestações filosóficas, políticas, religiosas, sociais e científicaspolíticas, religiosas, sociais e científicas do séculodo século XIX contribuíram para tornar esse ambienteXIX contribuíram para tornar esse ambiente propício ao advento do Espiritismo?propício ao advento do Espiritismo? Naquela época, a sociedade estava dominada peloNaquela época, a sociedade estava dominada pelo racionalismo, que negava tudo que não pudesse serracionalismo, que negava tudo que não pudesse ser comprovado cientificamente. A filosofia tornou-secomprovado cientificamente. A filosofia tornou-se eminentemente positivista; os movimentoseminentemente positivista; os movimentos políticos e sociais procuravam formas de governopolíticos e sociais procuravam formas de governo mais liberais; os movimentos religiososmais liberais; os movimentos religiosos contestavam o papel desempenhado pela Igreja; acontestavam o papel desempenhado pela Igreja; a ciência progredia rapidamente. Tudo isso criava umciência progredia rapidamente. Tudo isso criava um cenário propício para o advento do Espiritismo.cenário propício para o advento do Espiritismo. G.4ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.19-22.
  • 30. 5. Em geral, que5. Em geral, que fatores principaisfatores principais, resultantes dos, resultantes dos avanços no conhecimento do século XIX, podemosavanços no conhecimento do século XIX, podemos destacar como fundamentais para tornar odestacar como fundamentais para tornar o ambiente propício ao advento do Espiritismo?ambiente propício ao advento do Espiritismo?  A expansão do livro e da imprensa;A expansão do livro e da imprensa;  A expansão dos meios de comunicação;A expansão dos meios de comunicação;  A eclosão da era industrial;A eclosão da era industrial;  O desenvolvimento da educação;O desenvolvimento da educação;  Vulgarização da cultura;Vulgarização da cultura;  Ascensão e domínio da burguesia;Ascensão e domínio da burguesia;  Aumento considerável do proletariado urbano.Aumento considerável do proletariado urbano. G.5ROCHA, C. Estudo sistematizado da doutrina espírita: programa fundamental v. 1. Federação Espírita Brasileira, 2007. p.19-22.
  • 32. O século XIX representou uma épocaO século XIX representou uma época de profundas transformações para ade profundas transformações para a humanidade, em vários campos:humanidade, em vários campos:  FILOSOFIAFILOSOFIA  POLÍTICAPOLÍTICA  RELIGIÃORELIGIÃO CIÊNCIASCIÊNCIAS  ESPIRITISMOESPIRITISMO
  • 33.  O ascendente dos dogmas absurdos da IgrejaO ascendente dos dogmas absurdos da Igreja nas ciências da alma são rejeitados;nas ciências da alma são rejeitados;  Suas manifestações seguem os mesmosSuas manifestações seguem os mesmos princípios da ciência racional e materialistaprincípios da ciência racional e materialista (negativismo transcendente);(negativismo transcendente); No campo da Filosofia...No campo da Filosofia...  O estado teológico e o metafísico são superadosO estado teológico e o metafísico são superados pelopelo positivismopositivismo (certeza racional e científica);(certeza racional e científica);  AA fé na ciência passa ser a verdadeira fé,fé na ciência passa ser a verdadeira fé, tornando inúteis a religião e a metafísicatornando inúteis a religião e a metafísica..
  • 34. AnarquismoAnarquismo – sociedade estruturada sem a– sociedade estruturada sem a presença do Estado, a força coercitiva quepresença do Estado, a força coercitiva que impedia os indivíduos de usufruir liberdade plena;impedia os indivíduos de usufruir liberdade plena; No campo da Política...No campo da Política... ColetivismoColetivismo – defendia a revolução universal pelos– defendia a revolução universal pelos camponeses com a destruição do sistema socialcamponeses com a destruição do sistema social existente;existente; MarxismoMarxismo – abolição de todas as formas de– abolição de todas as formas de governo, em favor de uma sociedade regulada pelagoverno, em favor de uma sociedade regulada pela cooperação mútua dos indivíduos;cooperação mútua dos indivíduos; ComunismoComunismo – sociedade, sem divisão de classes e– sociedade, sem divisão de classes e sem a presença de um Estado coercitivo.sem a presença de um Estado coercitivo.
  • 35. Astronomia - descoberta do planeta Netuno;Astronomia - descoberta do planeta Netuno; Microbiologia - trabalhos de Pasteur;Microbiologia - trabalhos de Pasteur; Física - estudos de Pierre e Marie Curie sobreFísica - estudos de Pierre e Marie Curie sobre energias emitidas pelo rádio;energias emitidas pelo rádio; Biologia - teoria da evolução das espécies, deBiologia - teoria da evolução das espécies, de Darwin;Darwin; Física - os meios de transporte, pela máquinaFísica - os meios de transporte, pela máquina à vapor;à vapor; Social - a ascensão da burguesia rica,Social - a ascensão da burguesia rica, tornando-se classe dominante (força política).tornando-se classe dominante (força política). No campo das Ciências – vários avanços...No campo das Ciências – vários avanços...
  • 36. Os movimentos políticos confrontamOs movimentos políticos confrontam as práticas religiosas da Igrejaas práticas religiosas da Igreja católica, ligada, em demasia, àcatólica, ligada, em demasia, à nobreza governante, abrindonobreza governante, abrindo espaço à expansão das igrejasespaço à expansão das igrejas reformadas (Protestantismo).reformadas (Protestantismo). No campo da Religião...No campo da Religião...
  • 37. É nesse cenário de transformações, queÉ nesse cenário de transformações, que surgesurge Allan KardecAllan Kardec com sua missão decom sua missão de esclarecimentos e de consolação,esclarecimentos e de consolação, lançando as bases da Doutrina Espírita elançando as bases da Doutrina Espírita e promovendo uma verdadeirapromovendo uma verdadeira revoluçãorevolução moralmoral para o progresso da humanidade.para o progresso da humanidade. Surgimento do Espiritismo ...Surgimento do Espiritismo ...

Notas do Editor

  1. Introduziu várias reformas na França: liberdade de imprensa; um sistema imparcial de justiça criminal; tolerância religiosa; tributação proporcional; redução dos privilégios da nobreza e do clero.
  2. Quesnay: Somente a agricultura era criadora de riqueza, já que a indústria limitava-se a transformar a matéria; Os indivíduos mais úteis à sociedade eram os grandes proprietários e os fazendeiros; Era contrário às teorias mercantilistas; Criou a idéia de “oferta-procura”, fundamento da economia moderna. A Fisiocracia destaca a agricultura como sendo a fonte de riquezas da nação, conceito contrário ao Mercantilismo inglês que primava pelo desenvolvimento da indústria e do comércio exterior.
  3. Diderot: Foi o editor da Encyclopédie (1750-1772) onde escreveu toda o conhecimento que a humanidade havia produzido até então. Demorou 21 anos para ser editada, e é composta por 28 volumes.
  4. Rei francês (1774-1792) nascido em Versalhes, que criou (1789) o Estado-Geral ( Louis XVI o conseguiu chamando o Estado-Geral para o governo, em maio 1789. Este era formado por um grupo de pares de deputados das cidades e províncias francesas. O Estado-Geral não era utilizado pelos governos desde 1614. Colocado originalmente ao mesmo nível do rei, Louis XVI teve que aprovar todas as leis que lhe passaram, inclusive remover as direitas dos nobres sobre os escravos e os camponeses. Uma outra lei reduziu a potência da Igreja. Dando força ao Estado-Geral, Louis XVI começou a usar as idéias do povo no governo francês) , mas não desenvolveu as reformas prometidas o que provocou a revolução, um dos acontecimentos mais importantes da idade moderna. Ele e sua rainha, Marie Antonieta, foram executados na guilhotina (1793) na Place de la Révolution, depois Place de la Concorde, em Paris. Filho de Luís XV e de Maria Josefa da Saxônia, tornou-se delfim, herdeiro do trono (1765), com a morte do pai. Cinco anos depois, casou-se com a arquiduquesa austríaca Maria Antonieta de Habsburgo, filha da imperatriz Maria Teresa da Áustria. Assumiu o trono (1774), após a morte de seu avô Luís XV. Reconhecido como um rei de caráter fraco, perdeu sua força de governo para o Parlamento, dominado pela aristocracia, o que levou o reino à beira da falência.   Devido à condições climáticas (1788), a produção de alimentos baixou, os preços aumentaram e houve fome, gerando descontentamento. Incumbiu o ministro Turgot de realizar uma reforma tributária, mas este sofreu forte oposição dos nobres e demitiu-se. Em busca de salvar a corte deixou-se dominar pelas facções mais reacionárias lideradas por seu irmão, o conde de Artois, e pela rainha Antonieta. O novo ministro Necker convenceu o rei a convocar a Assembléia dos Estados Gerais, que se reuniram em maio (1789) em Versalhes. O que se queria é que o Terceiro Estado pagasse os impostos que ambos clero e nobreza recusavam-se. A estratégia era que a votação fosse feita por Estado e não por indivíduos. Em 17 de junho daquele ano o Terceiro Estado reuniu-se em separado e proclamou a Assembléia Nacional, que em 9 de julho tornou-se Assembléia Nacional Constituinte. No dia 26 de agosto foi aprovada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Diante da criação da Assembléia Nacional e da recusa do rei em aprová-la e a massa parisiense invadiu Versalhes, a família real tentou fugir do país, mas foi capturada, e obriganda a morar em Paris. Tentou então fugir do Palácio das Tulherias (1791) para comandar do exterior a contra-revolução, porém foi reconhecido e preso em Varennes. Sua última esperança estava na Áustria, terra natal da rainha Maria Antonieta. O exército austro-prussiano invadiu a França, mas foi derrotado em setembro (1792) e, então, foi proclamada a República. O rei e a rainha julgados por traição, condenados à morte na guilhotina, a monarquia abolida (1792) e ele executado em 21 de janeiro (1793). Napoleão Bonaparte , em francês Napoléon Bonaparte , nascido Napoleone di Buonaparte , ( Ajaccio , Córsega , 15 de Agosto de 1769 — Santa Helena , 5 de Maio de 1821 ) foi o dirigente efectivo da França a partir de 1799 e adotando o nome de Napoleão I foi Imperador da França de 18 de Maio de 1804 a 6 de Abril de 1814 , posição que voltou a ocupar rapidamente de 20 de março a 22 de junho de 1815. Além disso, conquistou e governou grande parte da Europa central e ocidental. Napoleão nomeou muitos membros da família Bonaparte para monarcas, mas eles, em geral, não sobreviveram à sua queda. Foi um dos chamados "monarcas iluminados", que tentaram aplicar à política as idéias do movimento filosófico chamado Iluminismo ou Aufklärung. Napoleão Bonaparte tornou-se uma figura importante no cenário político mundial da época, já que esteve no poder da França durante 15 anos e nesse tempo conquistou grandes partes do continente europeu. Os biógrafos afirmam que seu sucesso deu-se devido ao seu talento como estrategista, ao seu talento para empolgar os soldados com promessas de riqueza e glória após vencidas as batalhas, além do seu espírito de liderança. O governo do Diretório foi derrubado na França sob o comando de Napoleão Bonaparte, que, junto com a burguesia, instituiu o consulado, primeira fase do governo de Napoleão. Este golpe ficou conhecido como ' Golpe 18 de Brumário' (data que corresponde ao calendário estabelecido pela Revolução Francesa e equivale a 9 de novembro do calendário gregoriano) em 1799. Muitos historiadores alegam que Napoleão fez questão de evitar que camadas inferiores da população subissem ao poder.
  5. Escritores que se engajaram na luta política e social na França.
  6. O iluminismo ou esclarecimento é uma atitude geral de pensamento e ação que se caracteriza pela confiança no progresso e na razão, pelo desafio à tradição e à autoridade e pelo incentivo à liberdade de pensamento. O positivismo representou um sistema filosófico que tinha por objetivo o estudo da natureza pelos sentidos, pela observação, pela análise e pela experimentação, sem cogitar, entretanto, do lado espiritual das coisas.
  7. Inserir texto aqui.
  8. Inserir texto aqui.
  9. Inserir texto aqui.
  10. Anarquismo considera o Estado uma força coercitiva que impede os indivíduos de usufruir liberdade plena. A sociedade deve estruturar sua produção e seu consumo em pequenas associações baseadas no auxílio mútuo.