SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 69
PRÉ-SOCRÁTICOS
Os primeiros filósofos
Por Bruno Carrasco,
psicoterapeuta existencial e professor
Surgimento da
Filosofia
A partir do século V a.C., os gregos
tiveram novas experiências que
modificaram suas formas de vida,
como a convivência em espaço
público, o desenvolvimento do
comércio e as viagens comerciais.
Neste período, as cidade se constituía
da união de seus membros para uma
vida coletiva.
O surgimento da filosofia como forma
de pensamento é fruto do espanto e da
admiração.
ex-isto www.ex-isto.com
“Foi por conta do espanto e
do assombro que os homens
começaram a filosofar e,
pelo mesmo objetivo,
filosofam até hoje.”
(Aristóteles, em ‘Metafísica’)
ex-isto www.ex-isto.com
Surgimento da
Filosofia
Essas novas experiências
possibilitaram questionamentos sobre
a veracidade dos mitos.
Aquilo que todos consideravam
verdadeiro foi colocado em dúvida, as
crenças tradicionais foram
questionadas.
A filosofia não aceita passivamente as
imposições do mundo sem antes
investigá-las e questioná-las.
ex-isto www.ex-isto.com
Surgimento da
Filosofia
A filosofia se inicia quando algo nos
espanta, que nos parece estranho e
gera curiosidade, direcionando nossa
atenção para perguntas do tipo:
-O que é isso?
-Como é isso?
-Por que isso é assim?
Trata-se de uma possibilidade de nos
interrogar sobre o que temos por
“realidade”, nos colocando na posição
de buscar um entendimento.
ex-isto www.ex-isto.com
“Os diferentes povos da Antiguidade –
assírios e babilônios, chineses e
indianos, egípcios, persas e hebreus –,
todos tiveram visões próprias da
natureza e maneiras diversas de
explicar os fenômenos e processos
naturais. Só os gregos, entretanto,
fizeram ciência, e é na cultura grega
que podemos identificar o princípio
deste tipo de pensamento que podemos
denominar, nesta sua fase inicial, de
filosófico-científico.”
(Danilo Marcondes, em ‘Iniciação
à História da Filosofia’, 2008)
ex-isto www.ex-isto.com
Filosofia Antiga
(Séc. VII a.C. - V d.C.)
Filosofia Antiga
A filosofia antiga influenciou grande parte
do modo de pensar e de investigar a
natureza e o ser humano no ocidente.
A filosofia antiga se inicia com a
transição do pensamento mítico ao
pensamento filosófico no ocidente,
quando se passa fazer o uso da razão
como forma de conhecimento na
Grécia Antiga, iniciando com os
filósofos pré-socráticos, depois os
sofistas e o período áureo da filosofia,
com Sócrates, Platão e Aristóteles, se
encerrando após o período Helenístico,
com o Epicurismo, Estoicismo,
Ceticismo e Ecletismo.
ex-isto www.ex-isto.com
Períodos da
Filosofia Antiga
Pré-socrático (séc. VII ao V a.C.):
busca da origem das coisas e do
mundo, estudo da natureza e da
geometria, entendimento do cosmos.
Socrático (séc. V ao IV a.C.):
seres humanos, essência, valores,
busca pela verdade e desenvolvimento
do pensamento metafísico;
Helenístico (séc. III a.C ao III d.C.):
questões morais e éticas sobre como
viver bem e evitar o mal,
questionamento sobre as verdades.
ex-isto www.ex-isto.com
Os primeiros filósofos
Pré-socráticos
Pré-socráticos: os
primeiros filósofos
Foram chamados pré-socráticos
aqueles que antecederam a Sócrates,
também chamados filósofos da
natureza (physis).
O termo grego “physis” vem de
“phyein”, que significa emergir, nascer,
crescer, fazer nascer ou fazer crescer,
correspondendo a tudo o que brota,
cresce, surge, vem a ser. Na mitologia
grega era chamada de “Prôtogéneia”,
sendo a divindade primordial da
natureza, sendo chamada na mitologia
romana de “Natura”.
ex-isto www.ex-isto.com
Pré-socráticos: os
primeiros filósofos
Eles buscavam entender os
fenômenos da natureza e a origem das
coisas, porém não mais por meio de
histórias fantásticas, e sim por meio da
razão e da observação.
Entendiam a natureza como uma
realidade primeira, originária e
fundamental. Por conta disso
pretendiam encontrar o que era
originário, primário, fundamental e
persistente, em oposição ao que fosse
secundário, derivado e transitório.
ex-isto www.ex-isto.com
“Durante todo o século VI, foi
sobre a physis, o mundo
natural, que se exerceu
sobretudo a especulação
racional dos gregos.
A filosofia nasceu como física,
e os primeiros filósofos foram,
acertadamente, também
chamados físicos.”
(Antônio Rezende, em ‘Curso de Filosofia’)
ex-isto www.ex-isto.com
A busca da arché Eles buscaram elaborar uma
cosmologia, uma explicação racional e
sistemática do funcionamento e das
características do universo, que
substituísse a antiga cosmogonia, a
explicação sobre a origem do universo
baseada nos mitos.
Com base na razão e não na mitologia,
os primeiros filósofos gregos tentaram
encontrar o princípio substancial ou
substância primordial, a “arché”, em
grego, que fosse existente em todos os
seres.
ex-isto www.ex-isto.com
A busca da arché Essa substância primordial seria esta a
“matéria-prima” de que todas as
coisas seriam feitas.
O princípio teria o papel de um
fundamento, pelo qual todas as outras
coisas seriam derivadas, sendo ele
próprio não derivado nem resultante de
nada. Este entendimento chegou a ser
usado tanto para a física, quanto para
a ética, a lógica e qualquer outra área
do saber, influenciando uma tendência
de se fazer filosofia.
ex-isto www.ex-isto.com
Primeiras escolas
de filosofia
Escola Jônica:
Interessados em teorias sobre a physis
Filósofos: Tales, Anaximandro,
Anaxímenes, Xenófanes e Heráclito.
Escola Italiana:
Mais abstrata, lógica e metafísica
Filósofos: Pitágoras, Alcmeon, Filolau,
Parmênides, Zenão, Melisso.
Escola Pluralista:
Visão da realidade plural e complexa
Filósofos: Anaxágoras, Leucipo,
Demócrito e Empédocles.
ex-isto www.ex-isto.com
Início da filosofia
ocidental
A filosofia ocidental teve como berço a
cidade de Mileto (atualmente Turquia),
caracterizada por múltiplas influências
culturais e por um rico comércio, de
onde surgiram os primeiros
pensadores da história ocidental a
quem atribuímos a denominação
filósofos.
São eles: Tales, Anaximandro e
Anaxímenes, que formam a chamada
“Escola de Mileto”.
ex-isto www.ex-isto.com
Tales de Mileto
(624-546 a.C.)
Tales é considerado primeiro filósofo
do ocidente, mas também foi
matemático, astrônomo e político.
Veio de uma família de pais ricos e
nobres e acreditava que a água era o
elemento que formava todas as coisas;
Segundo ele, encontramos água em
todos os lugares, ao furar o solo, no
tronco das árvores, nas nascentes dos
rios. Se a água está em tudo, então é
porque ela forma tudo.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
“A água é o princípio de
todas as coisas.”
(Tales de Mileto)
ex-isto www.ex-isto.com
Tales de Mileto
(624-546 a.C.)
Observou que a natureza possuía
padrões similares, e que suas leis não
eram regidas pelos deuses, mas que
poderiam ser estudadas e utilizadas
em nosso benefício.
Foi a primeira pessoa na história a
prever um eclipse solar, em 585 a.C.,
além disso trabalhou como
comerciante de sal e de azeite de oliva.
Numa época ele previu uma boa safra
de azeitona, comprou muitas prensas,
sua previsão funcionou e ele ganhou
um bom dinheiro com isso.
ex-isto www.ex-isto.com
Tales de Mileto
(624-546 a.C.)
Com isso, ele provou que o
conhecimento teórico e filosófico tinha
um valor prático, fazendo da filosofia
uma atividade respeitada.
Tales é considerado também o pai da
geometria, ele media a altura das
pirâmides por meio da relação
estabelecida com o tamanho de
sombra projetada.
ex-isto www.ex-isto.com
(Teorema de Tales)
ex-isto www.ex-isto.com
“A filosofia grega parece começar com uma ideia
extravagante: a tese segundo a qual a água seria
a origem e a matriz de todas as coisas. Será
mesmo necessário levá-la a sério? Certamente, e
por três razões: em primeiro lugar, porque esse
enunciado trata de alguma maneira da origem
das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem
imagem e sem fabulação; e, finalmente, em
terceiro lugar nela, porque contém, embora em
estado de crisálida, o pensamento de que tudo é
um. A razão citada em primeiro lugar deixa Tales
ainda em comunidade com os religiosos e
supersticiosos; mas a segunda o exclui dessa
sociedade e se mostra a nós sob o semblante de
pensador da natureza; e a terceira razão faz dele
o primeiro filósofo grego.”
(Friedrich Nietzsche, em ‘A Filosofia na Época Trágica dos Gregos’)
Anaximandro de
Mileto
(610-547 a.C.)
Anaximandro foi discípulo de Tales,
aprofundou seus conhecimentos,
desenvolveu diversos estudos e
trabalhos nas áreas de geometria,
geografia e astronomia;
Ele elaborou um mapa celeste e um
mapa terrestre das regiões habitadas,
entendendo que a Terra era cilíndrica e
estaria no centro do universo.
Introduziu o relógio de sol, gnomon, na
Grécia Antiga.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
O indeterminado
(ápeiron)
Anaximandro pensou que deveria
haver alguma substância diferente,
ilimitada e indeterminada, e que dela
nascesse o céu e todos os mundos
nele contidos.
Foi assim que o filósofo chegou à
conclusão de que a arché é algo que
transcende os limites do observável,
ou seja, que não se situa em uma
realidade ao alcance dos sentidos,
como a água para Tales. Trata-se de
uma explicação mais abstrata sobre o
real.
ex-isto www.ex-isto.com
O indeterminado
(ápeiron)
Por isso, denominou por apeiron, termo
grego que significa “o infinito” ou “o
indeterminado”.
O apeiron, segundo Anaximandro, seria
a “massa geradora” dos seres e do
cosmo, contendo em si todos os
elementos opostos.
Por meio dos processos naturais de
diferenciação entre contrários e de
evaporação teriam surgido o céu e a
terra, bem como os animais, em uma
sucessão evolutiva.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
“O ilimitado é eterno.”
(Anaximandro)
ex-isto www.ex-isto.com
Anaxímenes de
Mileto
(588-524 a.C.)
Anaxímenes foi discípulo de
Anaximandro, concordava que a
origem de todas as coisas era
indeterminada, mas para ele a
substância primordial não poderia ser
um elemento situado fora dos limites
da observação e da experiência.
Ele propôs o ar como princípio de
todas as coisas, por ser quase
inobservável e mais sutil que a água,
mas que ao mesmo tempo nos anima
e nos dá vida, como testemunha nossa
respiração.
ex-isto www.ex-isto.com
Anaxímenes de
Mileto
(588-524 a.C.)
Para Anaxímenes, o ar é infinito e
ilimitado, pois penetra em todos os
vazios do universo, sendo também um
princípio ativo, gerador de movimento,
como no caso dos ventos.
ex-isto www.ex-isto.com
“Como nossa alma, que
é ar, soberanamente nos
mantém unidos, assim
também todo o cosmo
sopro e ar o mantêm.”
(Anaxímenes de Mileto)
ex-isto www.ex-isto.com
Pitágoras de Samos
(570-490 a.C.)
Pitágoras foi um profundo estudioso
da matemática, e defendeu a tese de
que todas as coisas são números.
Percebeu que há uma harmonia dos
acordes musicais que correspondiam
a proporções aritméticas, com isso
supôs que as mesmas relações se
encontrariam na natureza. O filósofo
levou essa suposição para a
astronomia, calculando o
deslocamento dos astros, concebendo
a ideia de um cosmo harmônico,
regido por relações matemáticas.
ex-isto www.ex-isto.com
(Série Harmônica)
ex-isto www.ex-isto.com
Escola Pitagórica Pitágoras fundou uma comunidade
denominada pitagórica. Influenciando
fortemente o pensamento da
antiguidade, inclusive o cristianismo, e
ainda hoje continua a inspirar algumas
organizações de cunho místico.
Ele viajou muito, indo ao Egito e às
distantes regiões dos sábios caldeus e
dos magos da Pérsia, tornando-se um
transportador de conhecimentos,
introduzindo no Ocidente
particularidades trazidas do Oriente,
mistérios e ritos de purificação.
ex-isto www.ex-isto.com
Escola Pitagórica A escola pitagórica foi uma espécie de
seita religiosa que defendia a crença
na imortalidade da alma e na
metempsicose, teoria da
transmigração das almas.
Eles estudavam a matemática com o
intuito de promover a harmonia da
alma com o cosmo, realizando assim
uma purificação e libertação da alma
do ciclo das reencarnações, pois
entendiam o corpo como a prisão da
alma.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
Desconfiança pelo
corpo e o mundo
sensível
Esse desprezo e desconfiança para
com o corpo e a tudo o que faz parte
do mundo sensível, dando maior
importância para a alma, ao espiritual
e ao inteligível, vai influenciar
fortemente o pensamento filosófico
ocidental, exercendo grande influência
especialmente em Platão e tantos
outros filósofos posteriores a ele.
Especula-se uma possível influência
egípcia no pensamento de Pitágoras,
sobretudo sobre a crença na
imortalidade da alma.
ex-isto www.ex-isto.com
“Reflita antes de agir,
para que não leves a
cabo coisas insensatas.”
(Pitágoras de Samos)
ex-isto www.ex-isto.com
Números A tese principal do racionalismo
pitagórico é a dos números,
apresentados como elementos
constitutivos das coisas. Logo depois
adverte que estes números contêm o
caráter de obedecer a arquétipos
correspondentes, como exemplares
universais das coisas individuais.
Segundo Pitágoras, o número era o
elemento básico e explicativo da
realidade, de modo que era possível
constatar proporções numéricas em
todo o cosmo.
ex-isto www.ex-isto.com
“Essa mesma concepção, que busca
um princípio geométrico de proporção
como representante da harmonia
cósmica, encontra-se na arquitetura
grega, de linhas fortemente
geométricas, na escultura do período
clássico em que o corpo humano é
representado de acordo com princípios
que estabelecem uma proporção ideal
entre a cabeça, o tronco e os
membros.”
(Danilo Marcondes, em ‘Iniciação à História da Filosofia’)
ex-isto www.ex-isto.com
Heráclito de Éfeso
(535-475 a.C.)
Heráclito nasceu no seio da nobreza
governante de Éfeso, também
conhecido como o “obscuro”,
desenvolveu um pensamento
assistemático e polêmico.
Escreveu sob a forma de aforismos,
frases curtas e marcantes, muitas
vezes de sentido simbólico. Ele
propunha que a matéria básica do
Universo era o fogo. Acreditava que a
mudança constante, ou o fluxo, seria a
característica mais elementar da
natureza.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
Tudo flui
(“panta rei”)
Heráclito observou que a realidade
dinâmica, onde a vida está em
constante transformação, decidiu
focar sua reflexão sobre o que muda.
Para ele, tudo flui, nada persiste nem
permanece o mesmo. O ser não é mais
que o vir a ser. Há uma luta de forças
contrárias que é geradora de todas as
coisas: a ordem e a desordem, o bem e
o mal, o belo e o feio, a construção e a
destruição, a justiça e a injustiça, o
racional e o irracional, a alegria e a
tristeza etc.
ex-isto www.ex-isto.com
Tudo flui
(“panta rei”)
É por meio da luta das forças opostas
que o mundo se modifica e evolui.
Por essa razão, Heráclito imaginou
que, se devia haver um elemento
primordial da natureza, este teria que
ser o fogo, que está sempre em
movimento.
ex-isto www.ex-isto.com
“Nunca nos banhamos
nos mesmos rios.”
(Heráclito de Éfeso)
ex-isto www.ex-isto.com
Parmênides de Eléia
(510-470 a.C.)
Parmênides também nasceu numa
família nobre, suas reflexões sobre o
ser constituíram os primeiros passos
da ontologia e da lógica.
Entendia que o equívoco das pessoas
e dos pensadores era conceder muita
importância aos dados fornecidos
pelos sentidos. Para ele, deveriam
optar por escutar o que lhe dizia a
razão – e não os sentidos, que o
faziam sentir a mudança – e
proclamou que o ser existe, e não é
concebível sua não existência.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
Ontologia lógica Segundo ele, o “não ser” se
identificaria com a mudança, pois
mudar é justamente não ser mais
aquilo que era, nem ser ainda o que é.
Parmênides expôs que dois caminhos
para a compreensão da realidade têm
sido trilhados: o primeiro seria o da
verdade, da razão, da essência, e o
segundo seria da opinião, da aparência
enganosa, que ele considerava a via de
Heráclito.
ex-isto www.ex-isto.com
Ontologia lógica Para ele o ser “é”, e não há como “não
ser”. Esse ser lógico e cosmológico
não é acessado pelos sentidos, pois
para Parmênides eles não são
instrumentos adequados para ir em
direção do conhecimento verdadeiro.
Negando o valor dos sentidos para o
entendimento do ser, e adotando uma
postura estritamente lógica e racional,
o filósofo entende o ser como algo
racional e inteligível.
ex-isto www.ex-isto.com
Razão x aparência Quando a realidade é pensada pelo
caminho da aparência, tudo se
confunde em movimento, pluralidade e
devir.
De acordo com Parmênides, essa via
precisaria ser evitada para não termos
de concluir que “o ser e o não ser são e
não são a mesma coisa”, o que seria
um contrassenso, uma formulação
ilógica, se pensada racionalmente.
ex-isto www.ex-isto.com
“O ser é e o não ser não é.”
(Parmênides de Eléia)
ex-isto www.ex-isto.com
Empédocles de
Agrigento
(490-430 a.C.)
Empédocles foi filósofo, médico,
professor, místico e poeta. Além de
defensor da democracia, foi um teórico
da evolução dos seres vivos e é
considerado o primeiro sanitarista da
história.
Buscou conciliar as concepções de
Parmênides e Heráclito, aceitando a
existência e permanência do ser,
tentando encontrar uma maneira de
tornar racionais também os dados
captados por nossos sentidos.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
Quatro elementos:
fogo, terra, água, ar
Defendeu a existência de quatro
elementos primordiais, que constituem
as raízes de todas as coisas
percebidas: o fogo, a terra, a água e o
ar.
Esses elementos seriam movidos e
misturados de diferentes maneiras em
função de dois princípios universais
opostos: o amor e o ódio. Para ele,
todas as coisas existentes na
realidade estão submetidas às forças
cíclicas desses dois princípios.
ex-isto www.ex-isto.com
Amor e ódio ● Amor (philia, em grego):
responsável pela força de atração
e união e pelo movimento de
crescente harmonização das
coisas;
● Ódio (neikos, em grego):
responsável pela força de
repulsão e desagregação e pelo
movimento de decadência,
dissolução e separação das
coisas.
ex-isto www.ex-isto.com
“Quatro raízes
de todas as coisas:
fogo, ar, água e terra.”
(Empédocles de Agrigento)
ex-isto www.ex-isto.com
Demócrito de
Abdera
(460-370 a.C.)
Ele foi o responsável, junto com seu
mestre Leucipo, pelo desenvolvimento
de uma doutrina que ficou conhecida
pelo nome de atomismo.
Segundo Demócrito, todas as coisas
que formam a realidade são
constituídas por minúsculas partículas
invisíveis e indivisíveis, denominadas
por átomos – palavra de origem grega
que significa “não divisível”, onde “a”
vem de negação e “tomo” de parte ou
divisão.
ex-isto www.ex-isto.com
O “não ser” tem
existência
Para Demócrito, o “não ser”, tal como
o vazio, possuem tanta existência
quanto os seres.
Os seres são entendidos enquanto
átomos, infinitos em número e em
forma, mas cada um deles com as
propriedades do ser único: eternidade,
indestrutibilidade, homogeneidade,
indivisibilidade, etc.
A geração e a destruição das coisas
são explicadas por associação e
dissociação dos átomos.
ex-isto www.ex-isto.com
ex-isto www.ex-isto.com
Vazio, acaso e
necessidade
Toda a realidade é composta também
do vazio, que representa a ausência de
ser, ou o “não ser”. É o vazio que torna
possível o movimento do ser, que é o
movimento dos átomos. Sem espaço
vazio, nada poderia se mover.
O atomismo explica tudo a partir da
matéria e de seus movimentos, onde a
sucessão dos acontecimentos é
natural, necessária e ocorre ao acaso,
pois não possui projeto ou finalidade.
As coisas acontecem de acordo com
as leis físicas.
ex-isto www.ex-isto.com
“Tudo o que existe no
universo nasce do acaso
ou da necessidade.”
(Demócrito de Abdera)
ex-isto www.ex-isto.com
Referências
Bibliográficas
BOTELHO, José F. A Odisséia da Filosofia: uma
breve história do pensamento ocidental. São
Paulo: Abril, 2016.
COTRIM, Gilberto; FERNANDES, Mirna.
Fundamentos da Filosofia. São Paulo: Saraiva,
2013.
MARCONDES, Danilo. Iniciação à História da
Filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. 12
ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
NIETZSCHE, Friedrich. A Filosofia na Época
Trágica dos Gregos. São Paulo: Escala, 2008.
REZENDE, Antonio. Curso de Filosofia. Rio de
Janeiro: Zahar, 2016.
Por Bruno Carrasco Psicoterapeuta existencial e professor.
Graduado em Psicologia, licenciado em
Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em
Ensino de Filosofia e Psicologia
Existencial Humanista e
Fenomenológica, possui especialização
em Psicoterapia Fenomenológico
Existencial, formação em Arteterapia,
Educação Popular e Educação
Participativa.
www.brunopsiexistencial.tk
www.fb.com/brunopsiexistencial
www.instagram.com/brunopsiexistencial
ex-isto Ex-isto é um projeto dedicado ao estudo
e pesquisa sobre o existencialismo e
suas relações com a psicologia, filosofia,
psicoterapia, fenomenologia, literatura e
artes, iniciado no final de 2016.
Tem como intuito oferecer conteúdos
que facilitem a compreensão sobre os
temas pesquisados, por meio de textos,
vídeos, cursos ou livros, optando por
utilizar uma linguagem acessível, de
modo a promover reflexões sobre a
subjetividade, a condição humana e suas
possibilidades.
ex-isto
www.ex-isto.com
www.fb.com/existocom
www.youtube.com/existo
www.instagram.com/existocom
2020

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)Introducao à filosofia (aula 1)
Introducao à filosofia (aula 1)
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Filosofia Grécia
Filosofia GréciaFilosofia Grécia
Filosofia Grécia
 
Os Filósofos Pré-Socráticos - Prof. Altair Aguilar.
Os Filósofos Pré-Socráticos - Prof. Altair Aguilar.Os Filósofos Pré-Socráticos - Prof. Altair Aguilar.
Os Filósofos Pré-Socráticos - Prof. Altair Aguilar.
 
História da filosofia antiga
História da filosofia antigaHistória da filosofia antiga
História da filosofia antiga
 
Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
 
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantianoImmanuel Kant e o criticismo kantiano
Immanuel Kant e o criticismo kantiano
 
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
FILOSOFIA E CIÊNCIA - 2 ANO
 
ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA ORIGEM DA FILOSOFIA
ORIGEM DA FILOSOFIA
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
História da Filosofia
História da FilosofiaHistória da Filosofia
História da Filosofia
 
2 filosofia antiga e medieval filosofia
2 filosofia antiga e medieval   filosofia2 filosofia antiga e medieval   filosofia
2 filosofia antiga e medieval filosofia
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
O nascimento da filosofia
O nascimento da filosofiaO nascimento da filosofia
O nascimento da filosofia
 

Semelhante a Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos

Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antigasuperuzer
 
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docxA ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docxAlynne Souto
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaIuri Guedes
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaLeandro Amorim
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaPSIFCA
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptxjosuelsilva19
 
História da universidade
História da universidadeHistória da universidade
História da universidadeLuci Bonini
 
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Pedro Freitas
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofiakaio19
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofiakaio19
 
37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdf
37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdf37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdf
37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdfAndersonVinicius16
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)AidaCunha73
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)Aida Cunha
 
O que é filosofia?
O que é filosofia?O que é filosofia?
O que é filosofia?Renan Torres
 

Semelhante a Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos (20)

Filosofia antiga
Filosofia antigaFilosofia antiga
Filosofia antiga
 
Tales de Mileto
Tales de MiletoTales de Mileto
Tales de Mileto
 
Origem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofiaOrigem e divisão da filosofia
Origem e divisão da filosofia
 
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docxA ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
A ORIGEM DA FILOSOFIA - resumo.docx
 
rogério
rogériorogério
rogério
 
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição HumanaEvolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
Evolução Histórica da Reflexão sobre a Condição Humana
 
Apresentação de Filosofia
Apresentação de FilosofiaApresentação de Filosofia
Apresentação de Filosofia
 
Trabalho de antropologia
Trabalho de antropologiaTrabalho de antropologia
Trabalho de antropologia
 
1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx1 aula - fil. impressão.pptx
1 aula - fil. impressão.pptx
 
Periodos da filosofia
Periodos da filosofiaPeriodos da filosofia
Periodos da filosofia
 
História da universidade
História da universidadeHistória da universidade
História da universidade
 
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)Trabalho de Filosofia (2° Ano)
Trabalho de Filosofia (2° Ano)
 
Aula 1 fls em
Aula 1 fls emAula 1 fls em
Aula 1 fls em
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
Trabalho de filosofia
Trabalho de filosofiaTrabalho de filosofia
Trabalho de filosofia
 
37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdf
37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdf37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdf
37869_872da47bdc6d22172a3eaa3a59548276.pdf
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
 
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)I   definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
I definição de filosofia, breve contextualização e disciplinas (3)
 
VisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da FilosofiaVisãO Geral da Filosofia
VisãO Geral da Filosofia
 
O que é filosofia?
O que é filosofia?O que é filosofia?
O que é filosofia?
 

Mais de Bruno Carrasco

Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoBruno Carrasco
 
Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Bruno Carrasco
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoBruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoBruno Carrasco
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialBruno Carrasco
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosBruno Carrasco
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosBruno Carrasco
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoBruno Carrasco
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesBruno Carrasco
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraBruno Carrasco
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirBruno Carrasco
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafiosBruno Carrasco
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoBruno Carrasco
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaBruno Carrasco
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoBruno Carrasco
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoBruno Carrasco
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoBruno Carrasco
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoBruno Carrasco
 
Kierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoKierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoBruno Carrasco
 

Mais de Bruno Carrasco (20)

Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
 
Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitos
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitos
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filósofos Sofistas
Filósofos SofistasFilósofos Sofistas
Filósofos Sofistas
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafios
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologia
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introdução
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismo
 
Gabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismoGabriel Marcel e o existencialismo
Gabriel Marcel e o existencialismo
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismo
 
Kierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismoKierkegaard e o existencialismo
Kierkegaard e o existencialismo
 

Último

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAbdLuxemBourg
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...GisellySobral
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 

Último (20)

Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 

Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos

  • 1. PRÉ-SOCRÁTICOS Os primeiros filósofos Por Bruno Carrasco, psicoterapeuta existencial e professor
  • 2. Surgimento da Filosofia A partir do século V a.C., os gregos tiveram novas experiências que modificaram suas formas de vida, como a convivência em espaço público, o desenvolvimento do comércio e as viagens comerciais. Neste período, as cidade se constituía da união de seus membros para uma vida coletiva. O surgimento da filosofia como forma de pensamento é fruto do espanto e da admiração. ex-isto www.ex-isto.com
  • 3. “Foi por conta do espanto e do assombro que os homens começaram a filosofar e, pelo mesmo objetivo, filosofam até hoje.” (Aristóteles, em ‘Metafísica’) ex-isto www.ex-isto.com
  • 4. Surgimento da Filosofia Essas novas experiências possibilitaram questionamentos sobre a veracidade dos mitos. Aquilo que todos consideravam verdadeiro foi colocado em dúvida, as crenças tradicionais foram questionadas. A filosofia não aceita passivamente as imposições do mundo sem antes investigá-las e questioná-las. ex-isto www.ex-isto.com
  • 5.
  • 6. Surgimento da Filosofia A filosofia se inicia quando algo nos espanta, que nos parece estranho e gera curiosidade, direcionando nossa atenção para perguntas do tipo: -O que é isso? -Como é isso? -Por que isso é assim? Trata-se de uma possibilidade de nos interrogar sobre o que temos por “realidade”, nos colocando na posição de buscar um entendimento. ex-isto www.ex-isto.com
  • 7. “Os diferentes povos da Antiguidade – assírios e babilônios, chineses e indianos, egípcios, persas e hebreus –, todos tiveram visões próprias da natureza e maneiras diversas de explicar os fenômenos e processos naturais. Só os gregos, entretanto, fizeram ciência, e é na cultura grega que podemos identificar o princípio deste tipo de pensamento que podemos denominar, nesta sua fase inicial, de filosófico-científico.” (Danilo Marcondes, em ‘Iniciação à História da Filosofia’, 2008) ex-isto www.ex-isto.com
  • 9. Filosofia Antiga A filosofia antiga influenciou grande parte do modo de pensar e de investigar a natureza e o ser humano no ocidente. A filosofia antiga se inicia com a transição do pensamento mítico ao pensamento filosófico no ocidente, quando se passa fazer o uso da razão como forma de conhecimento na Grécia Antiga, iniciando com os filósofos pré-socráticos, depois os sofistas e o período áureo da filosofia, com Sócrates, Platão e Aristóteles, se encerrando após o período Helenístico, com o Epicurismo, Estoicismo, Ceticismo e Ecletismo. ex-isto www.ex-isto.com
  • 10. Períodos da Filosofia Antiga Pré-socrático (séc. VII ao V a.C.): busca da origem das coisas e do mundo, estudo da natureza e da geometria, entendimento do cosmos. Socrático (séc. V ao IV a.C.): seres humanos, essência, valores, busca pela verdade e desenvolvimento do pensamento metafísico; Helenístico (séc. III a.C ao III d.C.): questões morais e éticas sobre como viver bem e evitar o mal, questionamento sobre as verdades. ex-isto www.ex-isto.com
  • 12. Pré-socráticos: os primeiros filósofos Foram chamados pré-socráticos aqueles que antecederam a Sócrates, também chamados filósofos da natureza (physis). O termo grego “physis” vem de “phyein”, que significa emergir, nascer, crescer, fazer nascer ou fazer crescer, correspondendo a tudo o que brota, cresce, surge, vem a ser. Na mitologia grega era chamada de “Prôtogéneia”, sendo a divindade primordial da natureza, sendo chamada na mitologia romana de “Natura”. ex-isto www.ex-isto.com
  • 13. Pré-socráticos: os primeiros filósofos Eles buscavam entender os fenômenos da natureza e a origem das coisas, porém não mais por meio de histórias fantásticas, e sim por meio da razão e da observação. Entendiam a natureza como uma realidade primeira, originária e fundamental. Por conta disso pretendiam encontrar o que era originário, primário, fundamental e persistente, em oposição ao que fosse secundário, derivado e transitório. ex-isto www.ex-isto.com
  • 14. “Durante todo o século VI, foi sobre a physis, o mundo natural, que se exerceu sobretudo a especulação racional dos gregos. A filosofia nasceu como física, e os primeiros filósofos foram, acertadamente, também chamados físicos.” (Antônio Rezende, em ‘Curso de Filosofia’) ex-isto www.ex-isto.com
  • 15. A busca da arché Eles buscaram elaborar uma cosmologia, uma explicação racional e sistemática do funcionamento e das características do universo, que substituísse a antiga cosmogonia, a explicação sobre a origem do universo baseada nos mitos. Com base na razão e não na mitologia, os primeiros filósofos gregos tentaram encontrar o princípio substancial ou substância primordial, a “arché”, em grego, que fosse existente em todos os seres. ex-isto www.ex-isto.com
  • 16. A busca da arché Essa substância primordial seria esta a “matéria-prima” de que todas as coisas seriam feitas. O princípio teria o papel de um fundamento, pelo qual todas as outras coisas seriam derivadas, sendo ele próprio não derivado nem resultante de nada. Este entendimento chegou a ser usado tanto para a física, quanto para a ética, a lógica e qualquer outra área do saber, influenciando uma tendência de se fazer filosofia. ex-isto www.ex-isto.com
  • 17. Primeiras escolas de filosofia Escola Jônica: Interessados em teorias sobre a physis Filósofos: Tales, Anaximandro, Anaxímenes, Xenófanes e Heráclito. Escola Italiana: Mais abstrata, lógica e metafísica Filósofos: Pitágoras, Alcmeon, Filolau, Parmênides, Zenão, Melisso. Escola Pluralista: Visão da realidade plural e complexa Filósofos: Anaxágoras, Leucipo, Demócrito e Empédocles. ex-isto www.ex-isto.com
  • 18. Início da filosofia ocidental A filosofia ocidental teve como berço a cidade de Mileto (atualmente Turquia), caracterizada por múltiplas influências culturais e por um rico comércio, de onde surgiram os primeiros pensadores da história ocidental a quem atribuímos a denominação filósofos. São eles: Tales, Anaximandro e Anaxímenes, que formam a chamada “Escola de Mileto”. ex-isto www.ex-isto.com
  • 19. Tales de Mileto (624-546 a.C.) Tales é considerado primeiro filósofo do ocidente, mas também foi matemático, astrônomo e político. Veio de uma família de pais ricos e nobres e acreditava que a água era o elemento que formava todas as coisas; Segundo ele, encontramos água em todos os lugares, ao furar o solo, no tronco das árvores, nas nascentes dos rios. Se a água está em tudo, então é porque ela forma tudo. ex-isto www.ex-isto.com
  • 21. “A água é o princípio de todas as coisas.” (Tales de Mileto) ex-isto www.ex-isto.com
  • 22. Tales de Mileto (624-546 a.C.) Observou que a natureza possuía padrões similares, e que suas leis não eram regidas pelos deuses, mas que poderiam ser estudadas e utilizadas em nosso benefício. Foi a primeira pessoa na história a prever um eclipse solar, em 585 a.C., além disso trabalhou como comerciante de sal e de azeite de oliva. Numa época ele previu uma boa safra de azeitona, comprou muitas prensas, sua previsão funcionou e ele ganhou um bom dinheiro com isso. ex-isto www.ex-isto.com
  • 23. Tales de Mileto (624-546 a.C.) Com isso, ele provou que o conhecimento teórico e filosófico tinha um valor prático, fazendo da filosofia uma atividade respeitada. Tales é considerado também o pai da geometria, ele media a altura das pirâmides por meio da relação estabelecida com o tamanho de sombra projetada. ex-isto www.ex-isto.com
  • 24. (Teorema de Tales) ex-isto www.ex-isto.com
  • 25. “A filosofia grega parece começar com uma ideia extravagante: a tese segundo a qual a água seria a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário levá-la a sério? Certamente, e por três razões: em primeiro lugar, porque esse enunciado trata de alguma maneira da origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e sem fabulação; e, finalmente, em terceiro lugar nela, porque contém, embora em estado de crisálida, o pensamento de que tudo é um. A razão citada em primeiro lugar deixa Tales ainda em comunidade com os religiosos e supersticiosos; mas a segunda o exclui dessa sociedade e se mostra a nós sob o semblante de pensador da natureza; e a terceira razão faz dele o primeiro filósofo grego.” (Friedrich Nietzsche, em ‘A Filosofia na Época Trágica dos Gregos’)
  • 26. Anaximandro de Mileto (610-547 a.C.) Anaximandro foi discípulo de Tales, aprofundou seus conhecimentos, desenvolveu diversos estudos e trabalhos nas áreas de geometria, geografia e astronomia; Ele elaborou um mapa celeste e um mapa terrestre das regiões habitadas, entendendo que a Terra era cilíndrica e estaria no centro do universo. Introduziu o relógio de sol, gnomon, na Grécia Antiga. ex-isto www.ex-isto.com
  • 28. O indeterminado (ápeiron) Anaximandro pensou que deveria haver alguma substância diferente, ilimitada e indeterminada, e que dela nascesse o céu e todos os mundos nele contidos. Foi assim que o filósofo chegou à conclusão de que a arché é algo que transcende os limites do observável, ou seja, que não se situa em uma realidade ao alcance dos sentidos, como a água para Tales. Trata-se de uma explicação mais abstrata sobre o real. ex-isto www.ex-isto.com
  • 29. O indeterminado (ápeiron) Por isso, denominou por apeiron, termo grego que significa “o infinito” ou “o indeterminado”. O apeiron, segundo Anaximandro, seria a “massa geradora” dos seres e do cosmo, contendo em si todos os elementos opostos. Por meio dos processos naturais de diferenciação entre contrários e de evaporação teriam surgido o céu e a terra, bem como os animais, em uma sucessão evolutiva. ex-isto www.ex-isto.com
  • 31. “O ilimitado é eterno.” (Anaximandro) ex-isto www.ex-isto.com
  • 32. Anaxímenes de Mileto (588-524 a.C.) Anaxímenes foi discípulo de Anaximandro, concordava que a origem de todas as coisas era indeterminada, mas para ele a substância primordial não poderia ser um elemento situado fora dos limites da observação e da experiência. Ele propôs o ar como princípio de todas as coisas, por ser quase inobservável e mais sutil que a água, mas que ao mesmo tempo nos anima e nos dá vida, como testemunha nossa respiração. ex-isto www.ex-isto.com
  • 33. Anaxímenes de Mileto (588-524 a.C.) Para Anaxímenes, o ar é infinito e ilimitado, pois penetra em todos os vazios do universo, sendo também um princípio ativo, gerador de movimento, como no caso dos ventos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 34. “Como nossa alma, que é ar, soberanamente nos mantém unidos, assim também todo o cosmo sopro e ar o mantêm.” (Anaxímenes de Mileto) ex-isto www.ex-isto.com
  • 35. Pitágoras de Samos (570-490 a.C.) Pitágoras foi um profundo estudioso da matemática, e defendeu a tese de que todas as coisas são números. Percebeu que há uma harmonia dos acordes musicais que correspondiam a proporções aritméticas, com isso supôs que as mesmas relações se encontrariam na natureza. O filósofo levou essa suposição para a astronomia, calculando o deslocamento dos astros, concebendo a ideia de um cosmo harmônico, regido por relações matemáticas. ex-isto www.ex-isto.com
  • 37. Escola Pitagórica Pitágoras fundou uma comunidade denominada pitagórica. Influenciando fortemente o pensamento da antiguidade, inclusive o cristianismo, e ainda hoje continua a inspirar algumas organizações de cunho místico. Ele viajou muito, indo ao Egito e às distantes regiões dos sábios caldeus e dos magos da Pérsia, tornando-se um transportador de conhecimentos, introduzindo no Ocidente particularidades trazidas do Oriente, mistérios e ritos de purificação. ex-isto www.ex-isto.com
  • 38. Escola Pitagórica A escola pitagórica foi uma espécie de seita religiosa que defendia a crença na imortalidade da alma e na metempsicose, teoria da transmigração das almas. Eles estudavam a matemática com o intuito de promover a harmonia da alma com o cosmo, realizando assim uma purificação e libertação da alma do ciclo das reencarnações, pois entendiam o corpo como a prisão da alma. ex-isto www.ex-isto.com
  • 40. Desconfiança pelo corpo e o mundo sensível Esse desprezo e desconfiança para com o corpo e a tudo o que faz parte do mundo sensível, dando maior importância para a alma, ao espiritual e ao inteligível, vai influenciar fortemente o pensamento filosófico ocidental, exercendo grande influência especialmente em Platão e tantos outros filósofos posteriores a ele. Especula-se uma possível influência egípcia no pensamento de Pitágoras, sobretudo sobre a crença na imortalidade da alma. ex-isto www.ex-isto.com
  • 41. “Reflita antes de agir, para que não leves a cabo coisas insensatas.” (Pitágoras de Samos) ex-isto www.ex-isto.com
  • 42. Números A tese principal do racionalismo pitagórico é a dos números, apresentados como elementos constitutivos das coisas. Logo depois adverte que estes números contêm o caráter de obedecer a arquétipos correspondentes, como exemplares universais das coisas individuais. Segundo Pitágoras, o número era o elemento básico e explicativo da realidade, de modo que era possível constatar proporções numéricas em todo o cosmo. ex-isto www.ex-isto.com
  • 43. “Essa mesma concepção, que busca um princípio geométrico de proporção como representante da harmonia cósmica, encontra-se na arquitetura grega, de linhas fortemente geométricas, na escultura do período clássico em que o corpo humano é representado de acordo com princípios que estabelecem uma proporção ideal entre a cabeça, o tronco e os membros.” (Danilo Marcondes, em ‘Iniciação à História da Filosofia’) ex-isto www.ex-isto.com
  • 44. Heráclito de Éfeso (535-475 a.C.) Heráclito nasceu no seio da nobreza governante de Éfeso, também conhecido como o “obscuro”, desenvolveu um pensamento assistemático e polêmico. Escreveu sob a forma de aforismos, frases curtas e marcantes, muitas vezes de sentido simbólico. Ele propunha que a matéria básica do Universo era o fogo. Acreditava que a mudança constante, ou o fluxo, seria a característica mais elementar da natureza. ex-isto www.ex-isto.com
  • 46. Tudo flui (“panta rei”) Heráclito observou que a realidade dinâmica, onde a vida está em constante transformação, decidiu focar sua reflexão sobre o que muda. Para ele, tudo flui, nada persiste nem permanece o mesmo. O ser não é mais que o vir a ser. Há uma luta de forças contrárias que é geradora de todas as coisas: a ordem e a desordem, o bem e o mal, o belo e o feio, a construção e a destruição, a justiça e a injustiça, o racional e o irracional, a alegria e a tristeza etc. ex-isto www.ex-isto.com
  • 47. Tudo flui (“panta rei”) É por meio da luta das forças opostas que o mundo se modifica e evolui. Por essa razão, Heráclito imaginou que, se devia haver um elemento primordial da natureza, este teria que ser o fogo, que está sempre em movimento. ex-isto www.ex-isto.com
  • 48. “Nunca nos banhamos nos mesmos rios.” (Heráclito de Éfeso) ex-isto www.ex-isto.com
  • 49. Parmênides de Eléia (510-470 a.C.) Parmênides também nasceu numa família nobre, suas reflexões sobre o ser constituíram os primeiros passos da ontologia e da lógica. Entendia que o equívoco das pessoas e dos pensadores era conceder muita importância aos dados fornecidos pelos sentidos. Para ele, deveriam optar por escutar o que lhe dizia a razão – e não os sentidos, que o faziam sentir a mudança – e proclamou que o ser existe, e não é concebível sua não existência. ex-isto www.ex-isto.com
  • 51. Ontologia lógica Segundo ele, o “não ser” se identificaria com a mudança, pois mudar é justamente não ser mais aquilo que era, nem ser ainda o que é. Parmênides expôs que dois caminhos para a compreensão da realidade têm sido trilhados: o primeiro seria o da verdade, da razão, da essência, e o segundo seria da opinião, da aparência enganosa, que ele considerava a via de Heráclito. ex-isto www.ex-isto.com
  • 52. Ontologia lógica Para ele o ser “é”, e não há como “não ser”. Esse ser lógico e cosmológico não é acessado pelos sentidos, pois para Parmênides eles não são instrumentos adequados para ir em direção do conhecimento verdadeiro. Negando o valor dos sentidos para o entendimento do ser, e adotando uma postura estritamente lógica e racional, o filósofo entende o ser como algo racional e inteligível. ex-isto www.ex-isto.com
  • 53. Razão x aparência Quando a realidade é pensada pelo caminho da aparência, tudo se confunde em movimento, pluralidade e devir. De acordo com Parmênides, essa via precisaria ser evitada para não termos de concluir que “o ser e o não ser são e não são a mesma coisa”, o que seria um contrassenso, uma formulação ilógica, se pensada racionalmente. ex-isto www.ex-isto.com
  • 54. “O ser é e o não ser não é.” (Parmênides de Eléia) ex-isto www.ex-isto.com
  • 55. Empédocles de Agrigento (490-430 a.C.) Empédocles foi filósofo, médico, professor, místico e poeta. Além de defensor da democracia, foi um teórico da evolução dos seres vivos e é considerado o primeiro sanitarista da história. Buscou conciliar as concepções de Parmênides e Heráclito, aceitando a existência e permanência do ser, tentando encontrar uma maneira de tornar racionais também os dados captados por nossos sentidos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 57. Quatro elementos: fogo, terra, água, ar Defendeu a existência de quatro elementos primordiais, que constituem as raízes de todas as coisas percebidas: o fogo, a terra, a água e o ar. Esses elementos seriam movidos e misturados de diferentes maneiras em função de dois princípios universais opostos: o amor e o ódio. Para ele, todas as coisas existentes na realidade estão submetidas às forças cíclicas desses dois princípios. ex-isto www.ex-isto.com
  • 58. Amor e ódio ● Amor (philia, em grego): responsável pela força de atração e união e pelo movimento de crescente harmonização das coisas; ● Ódio (neikos, em grego): responsável pela força de repulsão e desagregação e pelo movimento de decadência, dissolução e separação das coisas. ex-isto www.ex-isto.com
  • 59. “Quatro raízes de todas as coisas: fogo, ar, água e terra.” (Empédocles de Agrigento) ex-isto www.ex-isto.com
  • 60. Demócrito de Abdera (460-370 a.C.) Ele foi o responsável, junto com seu mestre Leucipo, pelo desenvolvimento de uma doutrina que ficou conhecida pelo nome de atomismo. Segundo Demócrito, todas as coisas que formam a realidade são constituídas por minúsculas partículas invisíveis e indivisíveis, denominadas por átomos – palavra de origem grega que significa “não divisível”, onde “a” vem de negação e “tomo” de parte ou divisão. ex-isto www.ex-isto.com
  • 61. O “não ser” tem existência Para Demócrito, o “não ser”, tal como o vazio, possuem tanta existência quanto os seres. Os seres são entendidos enquanto átomos, infinitos em número e em forma, mas cada um deles com as propriedades do ser único: eternidade, indestrutibilidade, homogeneidade, indivisibilidade, etc. A geração e a destruição das coisas são explicadas por associação e dissociação dos átomos. ex-isto www.ex-isto.com
  • 63. Vazio, acaso e necessidade Toda a realidade é composta também do vazio, que representa a ausência de ser, ou o “não ser”. É o vazio que torna possível o movimento do ser, que é o movimento dos átomos. Sem espaço vazio, nada poderia se mover. O atomismo explica tudo a partir da matéria e de seus movimentos, onde a sucessão dos acontecimentos é natural, necessária e ocorre ao acaso, pois não possui projeto ou finalidade. As coisas acontecem de acordo com as leis físicas. ex-isto www.ex-isto.com
  • 64. “Tudo o que existe no universo nasce do acaso ou da necessidade.” (Demócrito de Abdera) ex-isto www.ex-isto.com
  • 65.
  • 66. Referências Bibliográficas BOTELHO, José F. A Odisséia da Filosofia: uma breve história do pensamento ocidental. São Paulo: Abril, 2016. COTRIM, Gilberto; FERNANDES, Mirna. Fundamentos da Filosofia. São Paulo: Saraiva, 2013. MARCONDES, Danilo. Iniciação à História da Filosofia: dos pré-socráticos a Wittgenstein. 12 ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008. NIETZSCHE, Friedrich. A Filosofia na Época Trágica dos Gregos. São Paulo: Escala, 2008. REZENDE, Antonio. Curso de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.
  • 67. Por Bruno Carrasco Psicoterapeuta existencial e professor. Graduado em Psicologia, licenciado em Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino de Filosofia e Psicologia Existencial Humanista e Fenomenológica, possui especialização em Psicoterapia Fenomenológico Existencial, formação em Arteterapia, Educação Popular e Educação Participativa. www.brunopsiexistencial.tk www.fb.com/brunopsiexistencial www.instagram.com/brunopsiexistencial
  • 68. ex-isto Ex-isto é um projeto dedicado ao estudo e pesquisa sobre o existencialismo e suas relações com a psicologia, filosofia, psicoterapia, fenomenologia, literatura e artes, iniciado no final de 2016. Tem como intuito oferecer conteúdos que facilitem a compreensão sobre os temas pesquisados, por meio de textos, vídeos, cursos ou livros, optando por utilizar uma linguagem acessível, de modo a promover reflexões sobre a subjetividade, a condição humana e suas possibilidades.