SlideShare uma empresa Scribd logo
Gabriel Marcel e
o existencialismo
Apresentação sobre Gabriel Marcel,
e sua relação com o existencialismo.
Gabriel Marcel
Gabriel-Honoré Marcel (1889-1973) foi filósofo, dramaturgo e compositor
francês, tendo influenciado as tendências existencialistas e fenomenológicas.
Em sua filosofia, pode ser descrita como um neo-socrático, contrário ao
racionalismo e rejeitando o cientificismo que tenta explicar o homem como coisa
e a teocracia que toma o homem como objeto.
Marcel se converteu ao catolicismo em 1929. Ele escolheu a religião católica,
entendendo como uma fé universal, mas ainda continuou como um filósofo
independente, nunca um teólogo apologista ou porta voz do catolicismo.
ex-isto
Marcel e o existencialismo
O termo “existencialismo” foi utilizado por Gabriel Marcel, por volta de 1940,
para descrever as filosofias de Jean-Paul Sartre, Albert Camus e Simone de
Beauvoir que tinham como foco a existência humana, ao invés da metafísica,
buscando superar o estado de alienação entre as pessoas.
Para Marcel, a existência tem uma urgência de transcendência. Sua obra
filosófica, apesar de pouco conhecida, trata sobre introspecção e auto reflexão,
fazendo parte de uma geração de pensadores franceses que possuem como
fonte de sua reflexão suas experiências interiores.
ex-isto
Gabriel Marcel (1889-1973)ex-isto
Influências em sua filosofia
● Blaise Pascal (1623-1662)
● Samuel Coleridge (1772-1834)
● Friedrich Schelling (1775-1854)
● Sören Kierkegaard (1813-1855)
● Francis Bradley (1846-1924)
● Henri Bergson (1859-1941)
● Edmund Husserl (1859-1938)
● Rainer Maria Rilke (1875-1926)
● Karl Jaspers (1883-1969)
ex-isto
Filosofia de Gabriel Marcel
A filosofia de Marcel defende a singularidade irrepetível de cada existente,
contrário ao racionalismo que reduz a existência à dados e explicações.
Marcel reconhece a falta de objetividade como algo fundamental em cada
pessoa, entende que a existência corresponde ao corpo. Cada pessoa é seu
corpo, que corresponde a matéria visível e a intimidade, que segue para a
concretização do eu, tornando-se uma existência singular.
Para ele, o homem busca um sentido para a vida, que é sempre único e pessoal.
Os que recusam encontrar o sentido de suas vidas acabam por renunciar sua
identidade própria e se dissolve no ter, ao invés de ser.
ex-isto
Sentido existencial
O sentido existencial do indivíduo, em sua vida corporal e psíquica, é tratado por
Gabriel Marcel, propondo a expressão para se opor ao pensamento, referindo-se
a experiência imediata e irredutível da existência de um ser existente.
A partir do uso de Marcel, o termo "existencial" passou a ser difundido na
linguagem corrente. O que antes era tido como psicológico ou moral, passou a
ser tido como "existencial", correspondendo a diversas situações, como o
conteúdo de uma emoção, a um mal-estar, mas em especial a um modo de
engajamento.
ex-isto
Ser “itinerante”
Segundo Marcel, o ser humano é itinerante, a caminho do sentido para a vida. A
esperança representa a abertura deste ser a contestar tudo o que existe.
Sua filosofia é focada no Ser e no mistério, contrária à racionalidade e
objetividade, características da filosofia ocidental de seu tempo. Sua filosofia
está em defesa do homem e de sua dignidade. Ele não rejeita a razão, mas rejeita
o abuso do racionalismo.
A filosofia é tida como uma expressão da experiência, na ordem do vivido e
experimentado.
ex-isto
“A esperança é o estofo de que nossa
alma é feita; é um outro nome da
exigência de transcendência, pois é a
mola secreta do homem itinerante.”
(Gabriel Marcel)
Sou meu corpo
Para Marcel, o existente não pode se separar de seu corpo, mas só pode existir e
pensar como ser encarnado. O corpo é a base de todas as possibilidades de ter o
que quer que seja.
Não apenas temos um corpo, mas somos nosso corpo, assim como somos nossa
história, nossa situação, em nossa participação. O reconhecimento de si
acontece a partir de seu próprio corpo concreto, e não somente por meio de
pensamentos e abstrações.
ex-isto
O Ser e o Ter
Marcel tratou sobre uma distinção fundamental sobre a existência de cada
pessoa, chamou de tensão entre o Ser e o Ter.
Ter corresponde à coisas que estão externas ao indivíduo e que não dependem
dele, onde a pessoa se coloca como proprietária delas. Os que se apegam ao Ter
acabam deixando de lado o Ser, os objetos que possuem os absorvem.
Já o Ser é aquele que tem primazia sobre o Ter, que define suas relações com o
Ter. Vivemos numa tensão dialética entre Ser e o Ter, porém devemos sempre
tentar orientar o Ser, para que não seja absorvido pelo Ter.
ex-isto
Fidelidade
O Ser se faz presente na fidelidade, que não é finalidade em si mesmo, mas do
Ser para com os outros.
Cada pessoa tem a possibilidade de escolher por si mesmo o que deseja para si.
Se uma pessoa escolhe fazer certa escolha, e em outro momento pode mudar
sua escolha, porém a escolha foi feita por ela mesma, sua fidelidade implica numa
postura que vá além de sua vida e as situações.
Trata-se de uma escolha fiel a si mesmo.
ex-isto
“Se cumpro minha promessa,
torno-me inautêntico para com o
outro. Por outro lado, se se negasse
todo o engajamento, todo o
compromisso, tornar-se-ia impossível
a vida em comunidade.”
(Gabriel Marcel)
O Ser verdadeiro é o ser disponível, que se abre para participar do mundo e para
estar com os outros. Trata-se de uma postura esperançosa e amorosa para com a
vida e as experiências.
Quando a pessoa se ocupa unicamente de si mesma, ela fica fechada para os
outros, tornando-se inquieta e insegura.
Marcel relaciona essa postura com a desesperança, que faz com que a pessoa
fique com medo, se feche de si mesmo e não espera nada mais de ninguém.
Segundo ele, o ser indisponível é a raiz do pessimismo.
Disponibilidade
ex-isto
“O homem depende, em grande parte,
da ideia que faz de si mesmo.”
(Gabriel Marcel)
O mistério do Ser
Mistério é uma condição em que o próprio Ser está implicado e comprometido.
Os mistérios interessam a filosofia, porém estão fora do alcance do
conhecimento objetivo.
O problema é algo que encontramos diante de nossa existência, que podemos
delimitar ou reduzir. Diante do problema somos espectadores, já o mistério não
está inteiramente ante o ser.
Apesar dos esforços do iluminismo racionalista de eliminar o mistério da religião
na vida e no mundo, Marcel retoma o mistério no centro da experiência.
ex-isto
A Fé autêntica
Segundo Marcel, toda fé autêntica está enraizada no ser e no mistério. O ser só
se realiza quando reafirma sua condição de criatura de Deus.
A fé é um ato de dar sentido à própria existência, de modo mais significativo e
transcendente. Entende assim Deus como presença absoluta na adoração.
Crer é sentir-se como no interior de Deus, o ato de fé supõe mais que a
subjetividade mas entender Deus como uma relação absolutamente de fé, que
constrói a realidade espiritual e a realidade a partir da divindade. Corresponde a
intimidade, de ser possuído com plenitude, ligação, vínculo, afeto e comunhão.
ex-isto
“Eu sou mais quanto mais Deus é para
mim. A crença em Deus é um modo de
ser e não opinião sobre a existência de
uma pessoa.”
(Gabriel Marcel)
Relação com cristianismo
Gabriel Marcel faz parte de um grupo de renovadores do pensamento sobre o
cristianismo. Podemos citar entre eles Santo Agostinho, Blaise Pascal e Sören
Kierkegaard.
Sua obra possui uma originalidade por analisar a existência como uma expressão
do testemunho, da fidelidade, do amor e da esperança, vinculando a existência
ao Ser e partindo da realidade concreta do homem em relação a comunhão
íntima e pessoal com a transcendência.
ex-isto
Principais obras
● Ser e ter (1935)
● Homo Viator: prolegômenos para uma filosofia da esperança (1944)
● Posição e aproximações concretas do mistério ontológico (1949)
● O mistério do Ser (1951)
● O homem problemático (1955)
● Presença e imortalidade (1959)
● A dignidade humana e suas bases existenciais (1964)
● Para uma sabedoria trágica (1968)
ex-isto
● Jean Wahl (1888-1974)
● Emmanuel Lévinas (1906-1995)
● Paul Ricoeur (1913-2005)
Gabriel Marcel influenciou:
ex-isto
por Bruno Carrasco
Psicoterapeuta existencial e professor. Graduado em Psicologia, licenciado em
Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino de Filosofia e Psicologia
Existencial Humanista e Fenomenológica, possui especialização em Psicoterapia
Fenomenológico-Existencial.
Em seu trabalho busca valorizar cada pessoa em seu modo de ser singular,
colaborando para lidar com suas dificuldades e ampliar suas possibilidades de
escolha perante a vida. Acredita na liberdade de fazer escolhas saudáveis e
refazer os rumos de nossa vida, potencializando nossa existência.
www.brunopsiexistencial.tk
ex-isto | existencialismo e psicologia
Ex-isto é um projeto dedicado ao estudo e pesquisa sobre o existencialismo
e suas relações com a psicologia, filosofia, psicoterapia, fenomenologia,
literatura e artes.
Tem como intuito oferecer conteúdos que facilitem a compreensão sobre os
temas pesquisados, por meio de textos, vídeos, cursos ou livros, optando por
utilizar uma linguagem acessível, de modo a promover reflexões sobre a
subjetividade, a condição humana e suas possibilidades.
www.ex-isto.com
www.fb.com/existocom
Referências
ZILLES, U. Gabriel Marcel e o existencialismo. Acadêmica/PUC: Porto Alegre, 1988.
SILVA, C.A.F. Gabriel Marcel, 40 anos depois. Edunioeste: Cascavel, 2013.
COLETTE, J. Existencialismo. L&PM: Porto Alegre, 2009.
JAPIASSÚ, H., MARCONDES, D. Dicionário de Filosofia. Jorge Zahar: Rio de Janeiro,
2005.
PENHA, João da. O que é existencialismo. Brasiliense: São Paulo, 2014.
REYNOLDS, Jack. Existencialismo. 1 ed. Vozes: Rio de Janeiro, 2013.
ex-isto
www.ex-isto.com
www.fb.com/existocom
www.youtube.com/existo
www.instagram.com/existocom
2017

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesExistencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Bruno Carrasco
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
Bruno Carrasco
 
Heidegger - Breves reflexões iniciais
Heidegger - Breves reflexões iniciaisHeidegger - Breves reflexões iniciais
Heidegger - Breves reflexões iniciais
Vítor Vieira
 
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica   apresentação e plano de aulaOntologia e metafísica   apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Tiago Machado
 
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, SartreExistencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
Bruno Carrasco
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Bruno Carrasco
 
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
Jorge Dutra
 
Heidegger
HeideggerHeidegger
Heidegger
Douglas Barreto
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
William Ananias
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Sara Campagnaro
 
História da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em PeríodosHistória da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em Períodos
Bruno Carrasco
 
Mapa conceitual - Pré-socráticos
Mapa conceitual  - Pré-socráticosMapa conceitual  - Pré-socráticos
Mapa conceitual - Pré-socráticos
Gilberto Cotrim
 
Friedrich nietzsche
Friedrich  nietzscheFriedrich  nietzsche
Friedrich nietzsche
Milton Fabiano Silva
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
Carolina Pacheco
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
Luci Bonini
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdfAULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
DANIELLEDEALMEIDAMEL1
 
Mapa conceitual - Estética
Mapa conceitual - EstéticaMapa conceitual - Estética
Mapa conceitual - Estética
Gilberto Cotrim
 

Mais procurados (20)

Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesExistencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
 
Fenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introduçãoFenomenologia - uma breve introdução
Fenomenologia - uma breve introdução
 
Heidegger - Breves reflexões iniciais
Heidegger - Breves reflexões iniciaisHeidegger - Breves reflexões iniciais
Heidegger - Breves reflexões iniciais
 
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica   apresentação e plano de aulaOntologia e metafísica   apresentação e plano de aula
Ontologia e metafísica apresentação e plano de aula
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, SartreExistencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
Existencialismo: Kierkegaard, Nietzsche, Sartre
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
 
Slide fenomenologia
Slide fenomenologiaSlide fenomenologia
Slide fenomenologia
 
Heidegger
HeideggerHeidegger
Heidegger
 
Aula02 - Metafísica
Aula02 - MetafísicaAula02 - Metafísica
Aula02 - Metafísica
 
Psicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-ExistencialPsicologia Fenomenológico-Existencial
Psicologia Fenomenológico-Existencial
 
História da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em PeríodosHistória da Filosofia em Períodos
História da Filosofia em Períodos
 
Mapa conceitual - Pré-socráticos
Mapa conceitual  - Pré-socráticosMapa conceitual  - Pré-socráticos
Mapa conceitual - Pré-socráticos
 
Friedrich nietzsche
Friedrich  nietzscheFriedrich  nietzsche
Friedrich nietzsche
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
 
Aula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O EmpirismoAula 08 - O Empirismo
Aula 08 - O Empirismo
 
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdfAULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
AULA PDE - INATISMO E EMPIRISMO.pdf
 
Mapa conceitual - Estética
Mapa conceitual - EstéticaMapa conceitual - Estética
Mapa conceitual - Estética
 

Semelhante a Gabriel Marcel e o existencialismo

Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
Clínica Evolução vida
 
Sentido da existência humana
Sentido da existência humanaSentido da existência humana
Sentido da existência humana
mluisavalente
 
A Psico Existent.pptx
A Psico Existent.pptxA Psico Existent.pptx
A Psico Existent.pptx
CristvoRodrigues4
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao Existencialismo
Bruno Carrasco
 
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Existencial- Humanista.pdf
Existencial- Humanista.pdfExistencial- Humanista.pdf
Existencial- Humanista.pdf
TATYANA CRISTINA CARDOSO XAVIER
 
Karl jaspers
Karl jaspersKarl jaspers
Karl jaspers
Luiz Costa Junior
 
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológicoA angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
Simone Cristina
 
O que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o ExistencialismoO que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o Existencialismo
Bruno Carrasco
 
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeuticaJardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Érika Renata
 
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Biblioterapia_Módulo 2
Biblioterapia_Módulo 2Biblioterapia_Módulo 2
Biblioterapia_Módulo 2
marinanogueiraf
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimo
Silvia Cintra
 
Resumofilo3
Resumofilo3Resumofilo3
Resumofilo3
Natan Camacho
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitos
Bruno Carrasco
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismo
Bruno Carrasco
 
Emmanuel Levinas (etica e infinito)
 Emmanuel Levinas (etica e infinito) Emmanuel Levinas (etica e infinito)
Emmanuel Levinas (etica e infinito)
Cleyton Diego
 
Lebensphilosophy
LebensphilosophyLebensphilosophy
Imagina8
Imagina8Imagina8
Imagina8
renatotf
 
Existencialismo de Jean Paul Sartre
Existencialismo de Jean Paul SartreExistencialismo de Jean Paul Sartre
Existencialismo de Jean Paul Sartre
Kleber Saraiva
 

Semelhante a Gabriel Marcel e o existencialismo (20)

Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Sentido da existência humana
Sentido da existência humanaSentido da existência humana
Sentido da existência humana
 
A Psico Existent.pptx
A Psico Existent.pptxA Psico Existent.pptx
A Psico Existent.pptx
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao Existencialismo
 
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno CarrascoFundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
Fundamentos da Psicoterapia Fenomenológico Existencial - Bruno Carrasco
 
Existencial- Humanista.pdf
Existencial- Humanista.pdfExistencial- Humanista.pdf
Existencial- Humanista.pdf
 
Karl jaspers
Karl jaspersKarl jaspers
Karl jaspers
 
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológicoA angústia e o desespero como fundamento ontológico
A angústia e o desespero como fundamento ontológico
 
O que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o ExistencialismoO que tem relação com o Existencialismo
O que tem relação com o Existencialismo
 
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeuticaJardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
Jardim, le. a preocupação liberadora no contexto da prática terapeutica
 
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
JUNG E A PSICOLOGIA ESPÍRITA
 
Biblioterapia_Módulo 2
Biblioterapia_Módulo 2Biblioterapia_Módulo 2
Biblioterapia_Módulo 2
 
Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimo
 
Resumofilo3
Resumofilo3Resumofilo3
Resumofilo3
 
Sartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitosSartre - principais conceitos
Sartre - principais conceitos
 
Sartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismoSartre e o existencialismo
Sartre e o existencialismo
 
Emmanuel Levinas (etica e infinito)
 Emmanuel Levinas (etica e infinito) Emmanuel Levinas (etica e infinito)
Emmanuel Levinas (etica e infinito)
 
Lebensphilosophy
LebensphilosophyLebensphilosophy
Lebensphilosophy
 
Imagina8
Imagina8Imagina8
Imagina8
 
Existencialismo de Jean Paul Sartre
Existencialismo de Jean Paul SartreExistencialismo de Jean Paul Sartre
Existencialismo de Jean Paul Sartre
 

Mais de Bruno Carrasco

Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1
Bruno Carrasco
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Bruno Carrasco
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitos
Bruno Carrasco
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
Bruno Carrasco
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
Bruno Carrasco
 
Filósofos Sofistas
Filósofos SofistasFilósofos Sofistas
Filósofos Sofistas
Bruno Carrasco
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Bruno Carrasco
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
Bruno Carrasco
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
Bruno Carrasco
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafios
Bruno Carrasco
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
Bruno Carrasco
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologia
Bruno Carrasco
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introdução
Bruno Carrasco
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismo
Bruno Carrasco
 
Psicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introduçãoPsicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introdução
Bruno Carrasco
 
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Bruno Carrasco
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
Bruno Carrasco
 
Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?
Bruno Carrasco
 
Autoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalAutoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoal
Bruno Carrasco
 

Mais de Bruno Carrasco (20)

Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1Revista ex-isto - no. 1
Revista ex-isto - no. 1
 
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno CarrascoO uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
O uso do conceito de cultura como exercício de poder - Bruno Carrasco
 
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno CarrascoAlienação na Escola - Bruno Carrasco
Alienação na Escola - Bruno Carrasco
 
Nietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitosNietzsche - alguns conceitos
Nietzsche - alguns conceitos
 
Filosofias no Helenismo
Filosofias no HelenismoFilosofias no Helenismo
Filosofias no Helenismo
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filósofos Sofistas
Filósofos SofistasFilósofos Sofistas
Filósofos Sofistas
 
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros FilósofosPré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
Pré-Socráticos - Os Primeiros Filósofos
 
Foucault e a História da Loucura
Foucault e a História da LoucuraFoucault e a História da Loucura
Foucault e a História da Loucura
 
Heráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devirHeráclito - o filósofo do devir
Heráclito - o filósofo do devir
 
Adolescência e desafios
Adolescência e desafiosAdolescência e desafios
Adolescência e desafios
 
Foucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeitoFoucault - o poder e o sujeito
Foucault - o poder e o sujeito
 
Sugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologiaSugestões para o estudo da psicologia
Sugestões para o estudo da psicologia
 
Arteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introduçãoArteterapia, uma breve introdução
Arteterapia, uma breve introdução
 
Nietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismoNietzsche e o existencialismo
Nietzsche e o existencialismo
 
Psicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introduçãoPsicologia, uma (nova) introdução
Psicologia, uma (nova) introdução
 
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo FreirePedagogia da Autonomia - Paulo Freire
Pedagogia da Autonomia - Paulo Freire
 
Dicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocionalDicas para a saúde emocional
Dicas para a saúde emocional
 
Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?Ansiedade - como reduzir?
Ansiedade - como reduzir?
 
Autoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoalAutoconhecimento e realização pessoal
Autoconhecimento e realização pessoal
 

Último

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 

Último (20)

Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 

Gabriel Marcel e o existencialismo

  • 1. Gabriel Marcel e o existencialismo Apresentação sobre Gabriel Marcel, e sua relação com o existencialismo.
  • 2. Gabriel Marcel Gabriel-Honoré Marcel (1889-1973) foi filósofo, dramaturgo e compositor francês, tendo influenciado as tendências existencialistas e fenomenológicas. Em sua filosofia, pode ser descrita como um neo-socrático, contrário ao racionalismo e rejeitando o cientificismo que tenta explicar o homem como coisa e a teocracia que toma o homem como objeto. Marcel se converteu ao catolicismo em 1929. Ele escolheu a religião católica, entendendo como uma fé universal, mas ainda continuou como um filósofo independente, nunca um teólogo apologista ou porta voz do catolicismo. ex-isto
  • 3. Marcel e o existencialismo O termo “existencialismo” foi utilizado por Gabriel Marcel, por volta de 1940, para descrever as filosofias de Jean-Paul Sartre, Albert Camus e Simone de Beauvoir que tinham como foco a existência humana, ao invés da metafísica, buscando superar o estado de alienação entre as pessoas. Para Marcel, a existência tem uma urgência de transcendência. Sua obra filosófica, apesar de pouco conhecida, trata sobre introspecção e auto reflexão, fazendo parte de uma geração de pensadores franceses que possuem como fonte de sua reflexão suas experiências interiores. ex-isto
  • 5. Influências em sua filosofia ● Blaise Pascal (1623-1662) ● Samuel Coleridge (1772-1834) ● Friedrich Schelling (1775-1854) ● Sören Kierkegaard (1813-1855) ● Francis Bradley (1846-1924) ● Henri Bergson (1859-1941) ● Edmund Husserl (1859-1938) ● Rainer Maria Rilke (1875-1926) ● Karl Jaspers (1883-1969) ex-isto
  • 6. Filosofia de Gabriel Marcel A filosofia de Marcel defende a singularidade irrepetível de cada existente, contrário ao racionalismo que reduz a existência à dados e explicações. Marcel reconhece a falta de objetividade como algo fundamental em cada pessoa, entende que a existência corresponde ao corpo. Cada pessoa é seu corpo, que corresponde a matéria visível e a intimidade, que segue para a concretização do eu, tornando-se uma existência singular. Para ele, o homem busca um sentido para a vida, que é sempre único e pessoal. Os que recusam encontrar o sentido de suas vidas acabam por renunciar sua identidade própria e se dissolve no ter, ao invés de ser. ex-isto
  • 7. Sentido existencial O sentido existencial do indivíduo, em sua vida corporal e psíquica, é tratado por Gabriel Marcel, propondo a expressão para se opor ao pensamento, referindo-se a experiência imediata e irredutível da existência de um ser existente. A partir do uso de Marcel, o termo "existencial" passou a ser difundido na linguagem corrente. O que antes era tido como psicológico ou moral, passou a ser tido como "existencial", correspondendo a diversas situações, como o conteúdo de uma emoção, a um mal-estar, mas em especial a um modo de engajamento. ex-isto
  • 8. Ser “itinerante” Segundo Marcel, o ser humano é itinerante, a caminho do sentido para a vida. A esperança representa a abertura deste ser a contestar tudo o que existe. Sua filosofia é focada no Ser e no mistério, contrária à racionalidade e objetividade, características da filosofia ocidental de seu tempo. Sua filosofia está em defesa do homem e de sua dignidade. Ele não rejeita a razão, mas rejeita o abuso do racionalismo. A filosofia é tida como uma expressão da experiência, na ordem do vivido e experimentado. ex-isto
  • 9. “A esperança é o estofo de que nossa alma é feita; é um outro nome da exigência de transcendência, pois é a mola secreta do homem itinerante.” (Gabriel Marcel)
  • 10. Sou meu corpo Para Marcel, o existente não pode se separar de seu corpo, mas só pode existir e pensar como ser encarnado. O corpo é a base de todas as possibilidades de ter o que quer que seja. Não apenas temos um corpo, mas somos nosso corpo, assim como somos nossa história, nossa situação, em nossa participação. O reconhecimento de si acontece a partir de seu próprio corpo concreto, e não somente por meio de pensamentos e abstrações. ex-isto
  • 11. O Ser e o Ter Marcel tratou sobre uma distinção fundamental sobre a existência de cada pessoa, chamou de tensão entre o Ser e o Ter. Ter corresponde à coisas que estão externas ao indivíduo e que não dependem dele, onde a pessoa se coloca como proprietária delas. Os que se apegam ao Ter acabam deixando de lado o Ser, os objetos que possuem os absorvem. Já o Ser é aquele que tem primazia sobre o Ter, que define suas relações com o Ter. Vivemos numa tensão dialética entre Ser e o Ter, porém devemos sempre tentar orientar o Ser, para que não seja absorvido pelo Ter. ex-isto
  • 12. Fidelidade O Ser se faz presente na fidelidade, que não é finalidade em si mesmo, mas do Ser para com os outros. Cada pessoa tem a possibilidade de escolher por si mesmo o que deseja para si. Se uma pessoa escolhe fazer certa escolha, e em outro momento pode mudar sua escolha, porém a escolha foi feita por ela mesma, sua fidelidade implica numa postura que vá além de sua vida e as situações. Trata-se de uma escolha fiel a si mesmo. ex-isto
  • 13. “Se cumpro minha promessa, torno-me inautêntico para com o outro. Por outro lado, se se negasse todo o engajamento, todo o compromisso, tornar-se-ia impossível a vida em comunidade.” (Gabriel Marcel)
  • 14. O Ser verdadeiro é o ser disponível, que se abre para participar do mundo e para estar com os outros. Trata-se de uma postura esperançosa e amorosa para com a vida e as experiências. Quando a pessoa se ocupa unicamente de si mesma, ela fica fechada para os outros, tornando-se inquieta e insegura. Marcel relaciona essa postura com a desesperança, que faz com que a pessoa fique com medo, se feche de si mesmo e não espera nada mais de ninguém. Segundo ele, o ser indisponível é a raiz do pessimismo. Disponibilidade ex-isto
  • 15. “O homem depende, em grande parte, da ideia que faz de si mesmo.” (Gabriel Marcel)
  • 16. O mistério do Ser Mistério é uma condição em que o próprio Ser está implicado e comprometido. Os mistérios interessam a filosofia, porém estão fora do alcance do conhecimento objetivo. O problema é algo que encontramos diante de nossa existência, que podemos delimitar ou reduzir. Diante do problema somos espectadores, já o mistério não está inteiramente ante o ser. Apesar dos esforços do iluminismo racionalista de eliminar o mistério da religião na vida e no mundo, Marcel retoma o mistério no centro da experiência. ex-isto
  • 17. A Fé autêntica Segundo Marcel, toda fé autêntica está enraizada no ser e no mistério. O ser só se realiza quando reafirma sua condição de criatura de Deus. A fé é um ato de dar sentido à própria existência, de modo mais significativo e transcendente. Entende assim Deus como presença absoluta na adoração. Crer é sentir-se como no interior de Deus, o ato de fé supõe mais que a subjetividade mas entender Deus como uma relação absolutamente de fé, que constrói a realidade espiritual e a realidade a partir da divindade. Corresponde a intimidade, de ser possuído com plenitude, ligação, vínculo, afeto e comunhão. ex-isto
  • 18. “Eu sou mais quanto mais Deus é para mim. A crença em Deus é um modo de ser e não opinião sobre a existência de uma pessoa.” (Gabriel Marcel)
  • 19. Relação com cristianismo Gabriel Marcel faz parte de um grupo de renovadores do pensamento sobre o cristianismo. Podemos citar entre eles Santo Agostinho, Blaise Pascal e Sören Kierkegaard. Sua obra possui uma originalidade por analisar a existência como uma expressão do testemunho, da fidelidade, do amor e da esperança, vinculando a existência ao Ser e partindo da realidade concreta do homem em relação a comunhão íntima e pessoal com a transcendência. ex-isto
  • 20. Principais obras ● Ser e ter (1935) ● Homo Viator: prolegômenos para uma filosofia da esperança (1944) ● Posição e aproximações concretas do mistério ontológico (1949) ● O mistério do Ser (1951) ● O homem problemático (1955) ● Presença e imortalidade (1959) ● A dignidade humana e suas bases existenciais (1964) ● Para uma sabedoria trágica (1968) ex-isto
  • 21. ● Jean Wahl (1888-1974) ● Emmanuel Lévinas (1906-1995) ● Paul Ricoeur (1913-2005) Gabriel Marcel influenciou: ex-isto
  • 22. por Bruno Carrasco Psicoterapeuta existencial e professor. Graduado em Psicologia, licenciado em Filosofia e Pedagogia, pós-graduado em Ensino de Filosofia e Psicologia Existencial Humanista e Fenomenológica, possui especialização em Psicoterapia Fenomenológico-Existencial. Em seu trabalho busca valorizar cada pessoa em seu modo de ser singular, colaborando para lidar com suas dificuldades e ampliar suas possibilidades de escolha perante a vida. Acredita na liberdade de fazer escolhas saudáveis e refazer os rumos de nossa vida, potencializando nossa existência. www.brunopsiexistencial.tk
  • 23. ex-isto | existencialismo e psicologia Ex-isto é um projeto dedicado ao estudo e pesquisa sobre o existencialismo e suas relações com a psicologia, filosofia, psicoterapia, fenomenologia, literatura e artes. Tem como intuito oferecer conteúdos que facilitem a compreensão sobre os temas pesquisados, por meio de textos, vídeos, cursos ou livros, optando por utilizar uma linguagem acessível, de modo a promover reflexões sobre a subjetividade, a condição humana e suas possibilidades. www.ex-isto.com www.fb.com/existocom
  • 24. Referências ZILLES, U. Gabriel Marcel e o existencialismo. Acadêmica/PUC: Porto Alegre, 1988. SILVA, C.A.F. Gabriel Marcel, 40 anos depois. Edunioeste: Cascavel, 2013. COLETTE, J. Existencialismo. L&PM: Porto Alegre, 2009. JAPIASSÚ, H., MARCONDES, D. Dicionário de Filosofia. Jorge Zahar: Rio de Janeiro, 2005. PENHA, João da. O que é existencialismo. Brasiliense: São Paulo, 2014. REYNOLDS, Jack. Existencialismo. 1 ed. Vozes: Rio de Janeiro, 2013.