SlideShare uma empresa Scribd logo
FACTORES ABIÓTICOS
Temperatura
Escola Básica e Secundária do Porto Moniz
Sandra Côrte
8ºA
Nº19
2013 / 2014
Varia com:
-Altitude ou profundidade
-Latitude
-Estação do ano
Temperatura
Medida da quantidade de calor existente num dado
ambiente.
Está associada à luz, uma vez que a luz solar tem uma
componente luminosa e uma componente calorífica.
Influência:
-Período de atividade
-Caraterísticas morfológicas
-Comportamento
Temperatura
Fator de grande importância para os seres vivos.
Existem seres vivos que:
Não toleram grandes variações
térmicas.
Estenotérmicos
Toleram grandes variações
térmicas.
Euritérmicos
Temperatura
Euritérmicos
Estenotérmicos
Temperatura
Espécies Estenotérmicos
Espécies que sobrevivem entre estreitos limites de
temperatura.
(pequena amplitude térmica)
Ex: Lagartixa.
Espécies Euritérmicos
Espécies que resistem a grandes variações de
temperatura.
(grande amplitude térmica)
Ex: Lobo, homem.
Temperatura
Temperatura ótima
Temperaturas consentidas
Limite máximo de existência
Limite mínimo de existência
Temperatura
Para cada espécie existe:
Animais de temperatura constante
(Homeotérmicos)
Temperatura corporal não varia com a
temperatura ambiente.
Ex: aves e mamíferos
Temperatura
De acordo com a temperatura corporal:
Animais de temperatura variável
(Poiquilotérmicos)
Temperatura corporal varia com a
temperatura ambiente.
Ex: peixes, répteis, anfíbios
Migração
Percorrem as mais variadas distâncias, em busca de um
local para reprodução ou melhores condições climáticas
e abundância de alimentos.
Ex: flamingos, cegonha negra, andorinhas
Temperatura
Adaptações às temperaturas desfavoráveis:
Redução das atividades vitais para valores mínimos,
ficando num estado de vida latente.
Temperatura
Adaptações às temperaturas desfavoráveis:
Hibernação
Se ocorrer na estação fria.
Ex.: ouriço-cacheiro
Estivação
Se ocorrer na estação quente.
Ex.: caracóis; crocodilo
Abrigam-se durante parte do dia
Temperatura
Adaptações às temperaturas desfavoráveis:
-Quantidade de gordura subcutânea
-Tamanho e densidade dos pêlos
-Tamanho das orelhas e focinho
Temperatura
Adaptações morfológicasAdaptações morfológicas que permitem aos animais
resistir a temperaturas desfavoráveis:
• Pêlos mais densos/compridos – raposas e urso polar
• Grande teor de gordura - pinguins
• Extremidades mais curtas (focinho, orelhas)
Temperatura
Adaptações morfológicas que permitem aos animais
resistir às temperaturas frias:
Estas características fazem com que a perda
de calor seja mínima, permitindo assim a sobrevivência.
• Pêlos menos densos e mais curtos
• Menos gordura
• Maior superfície corporal em
contato com o exterior
(orelhas grandes)
Temperatura
Adaptações morfológicas que permitem aos animais
resistir às temperaturas quentes:
Estas características facilitam a perda de
calor para o meio e evitam o sobreaquecimento.
Raposa feneco
Temperatura
Adaptações das plantas às baixas temperaturas:
Existem
•Plantas anuais
•Plantas bienais
•Plantas vivazes ou perenes
• Plantas anuais
• Não conseguem suportar o frio
deixando as sementes para germinar
no ano seguinte.
Ex.: feijoeiro.
Temperatura
Adaptações das plantas às baixas temperaturas:
• Plantas bienais
• Perdem a sua parte aérea mas
mantêm a parte subterrânea.
Ex.: lírio.
• Plantas vivazes ou perenes
• Mantêm a sua estrutura todo o ano, apesar de algumas
serem de folha caduca.
Temperatura
Adaptações das plantas às baixas temperaturas:
Árvores com copa em Δ, folhas
pequenas cobertas por uma cutícula.
Árvores que deixam cair as folhas
e ficam em estado latente.
Fatores Abióticos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
sepb
 
Factores Abióticos: Temperatura
 Factores Abióticos: Temperatura Factores Abióticos: Temperatura
Factores Abióticos: Temperatura
erbserbs
 
Influencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do MeioInfluencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do Meio
Rute Guilherme
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
Sérgio Luiz
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
Ana Reis
 
Ciências naturais factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...
Ciências naturais   factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...Ciências naturais   factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...
Ciências naturais factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...
Nuno Correia
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
Clara Abegão
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Jean Dos Santos Souza
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
Patrícia Silva
 
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos AnimaisInfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
Tânia Reis
 
01 infl fact_meio_ani=cm
01 infl fact_meio_ani=cm01 infl fact_meio_ani=cm
01 infl fact_meio_ani=cm
Tasia Ferreira
 
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animaisInfluência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
MariaJoão Agualuza
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
MINEDU
 
Factores do meio
Factores do meioFactores do meio
Factores do meio
isildamanuela
 
1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio
Pelo Siro
 
05 variação dos fatores do meio – influência no
05 variação dos fatores do meio – influência no05 variação dos fatores do meio – influência no
05 variação dos fatores do meio – influência no
Carla Gomes
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
Tânia Reis
 
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animalInfluência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
MariaJoão Agualuza
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
Ana Reis
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
James Pinho Ladislau Pinho
 

Mais procurados (20)

A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
A influência da temperatura nos seres vivos (2) (v)
 
Factores Abióticos: Temperatura
 Factores Abióticos: Temperatura Factores Abióticos: Temperatura
Factores Abióticos: Temperatura
 
Influencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do MeioInfluencia Factores Do Meio
Influencia Factores Do Meio
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(20039
 
Ciências naturais factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...
Ciências naturais   factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...Ciências naturais   factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...
Ciências naturais factores abióticos (temperatura e humidade) - hibernação,...
 
Influência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores AbióticosInfluência dos Factores Abióticos
Influência dos Factores Abióticos
 
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8anoDinâmica dos ecossistemas   factores abióticos parte2-cn8ano
Dinâmica dos ecossistemas factores abióticos parte2-cn8ano
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
 
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos AnimaisInfluêNcia Do Meio Nos Animais
InfluêNcia Do Meio Nos Animais
 
01 infl fact_meio_ani=cm
01 infl fact_meio_ani=cm01 infl fact_meio_ani=cm
01 infl fact_meio_ani=cm
 
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animaisInfluência dos fatores do meio no comportamento dos animais
Influência dos fatores do meio no comportamento dos animais
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
 
Factores do meio
Factores do meioFactores do meio
Factores do meio
 
1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio1201271912 influencia fact_meio
1201271912 influencia fact_meio
 
05 variação dos fatores do meio – influência no
05 variação dos fatores do meio – influência no05 variação dos fatores do meio – influência no
05 variação dos fatores do meio – influência no
 
Factores abióticos
Factores abióticosFactores abióticos
Factores abióticos
 
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animalInfluência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
Influência dos fatores abióticos na morfologia e comportamento animal
 
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
InfluêNcia Da Temperaturanosseresvivos(2003)
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 

Semelhante a Fatores Abióticos

Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
Catir
 
Factores AbióTicos Temperatura
Factores AbióTicos   TemperaturaFactores AbióTicos   Temperatura
Factores AbióTicos Temperatura
catarina_iph
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
Sónia Vieira
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
Gabriela Bruno
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
erbserbs
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
Isabel Guedes
 
Ciências ecossistemas
Ciências ecossistemasCiências ecossistemas
Ciências ecossistemas
rafaelabaptista1
 
Factores abioticos
Factores abioticosFactores abioticos
Factores abioticos
Rita Pereira
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
MINEDU
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
Joana Faria
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
mariagrave
 
ecossistemas2.ppt
ecossistemas2.pptecossistemas2.ppt
ecossistemas2.ppt
fagnerlopes11
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
Flavio Mendes
 
Interações biologicas.pptx
Interações biologicas.pptxInterações biologicas.pptx
Interações biologicas.pptx
HenriqueMoraismeneze
 
cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdf
Sónia Cardador
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
CarlaSilva639671
 
Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoria
João Rodrigues
 
8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos
silvia_lfr
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
Teresa Cardoso
 
8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos
silvia_lfr
 

Semelhante a Fatores Abióticos (20)

Factores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - TemperaturaFactores Abióticos - Temperatura
Factores Abióticos - Temperatura
 
Factores AbióTicos Temperatura
Factores AbióTicos   TemperaturaFactores AbióTicos   Temperatura
Factores AbióTicos Temperatura
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
 
Ciências ecossistemas
Ciências ecossistemasCiências ecossistemas
Ciências ecossistemas
 
Factores abioticos
Factores abioticosFactores abioticos
Factores abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
 
ecossistemas2.ppt
ecossistemas2.pptecossistemas2.ppt
ecossistemas2.ppt
 
Relacoes abioticas
Relacoes abioticasRelacoes abioticas
Relacoes abioticas
 
Interações biologicas.pptx
Interações biologicas.pptxInterações biologicas.pptx
Interações biologicas.pptx
 
cn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdfcn_8_factores_abioticos.pdf
cn_8_factores_abioticos.pdf
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
 
Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoria
 
8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos
 

Mais de Piedade Alves

Tipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleraçãoTipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleração
Piedade Alves
 
Condução em segurança
Condução em segurançaCondução em segurança
Condução em segurança
Piedade Alves
 
Rapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médiasRapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médias
Piedade Alves
 
O apanhador do campo de centeio
O apanhador do campo de centeio O apanhador do campo de centeio
O apanhador do campo de centeio
Piedade Alves
 
Design
Design Design
Design
Piedade Alves
 
Normalização da folha A3
Normalização da folha A3Normalização da folha A3
Normalização da folha A3
Piedade Alves
 
Artistas
Artistas Artistas
Artistas
Piedade Alves
 
Google
Google Google
Google
Piedade Alves
 
Luz e Cor
Luz e CorLuz e Cor
Luz e Cor
Piedade Alves
 
Espelhos
Espelhos Espelhos
Espelhos
Piedade Alves
 
Propriedades do som
Propriedades do somPropriedades do som
Propriedades do som
Piedade Alves
 
Luz
Luz Luz
O Som
O SomO Som
Velocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicasVelocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicas
Piedade Alves
 
Reações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisierReações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisier
Piedade Alves
 
ÁTomos e moléculas
ÁTomos e moléculasÁTomos e moléculas
ÁTomos e moléculas
Piedade Alves
 
Refração da luz e reflexão total
Refração da luz e reflexão totalRefração da luz e reflexão total
Refração da luz e reflexão total
Piedade Alves
 
Distribuição da População
Distribuição da PopulaçãoDistribuição da População
Distribuição da População
Piedade Alves
 
A evolução dos computadores
A evolução dos computadoresA evolução dos computadores
A evolução dos computadores
Piedade Alves
 

Mais de Piedade Alves (20)

Tipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleraçãoTipos de movimento e aceleração
Tipos de movimento e aceleração
 
Condução em segurança
Condução em segurançaCondução em segurança
Condução em segurança
 
Rapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médiasRapidez e velocidade médias
Rapidez e velocidade médias
 
O apanhador do campo de centeio
O apanhador do campo de centeio O apanhador do campo de centeio
O apanhador do campo de centeio
 
Design
Design Design
Design
 
Normalização da folha A3
Normalização da folha A3Normalização da folha A3
Normalização da folha A3
 
Artistas
Artistas Artistas
Artistas
 
Google
Google Google
Google
 
Luz e Cor
Luz e CorLuz e Cor
Luz e Cor
 
Espelhos
Espelhos Espelhos
Espelhos
 
Propriedades do som
Propriedades do somPropriedades do som
Propriedades do som
 
Luz
Luz Luz
Luz
 
O Som
O SomO Som
O Som
 
Velocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicasVelocidade das reações químicas
Velocidade das reações químicas
 
Reações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisierReações químicas lei de lavoisier
Reações químicas lei de lavoisier
 
ÁTomos e moléculas
ÁTomos e moléculasÁTomos e moléculas
ÁTomos e moléculas
 
Refração da luz e reflexão total
Refração da luz e reflexão totalRefração da luz e reflexão total
Refração da luz e reflexão total
 
Distribuição da População
Distribuição da PopulaçãoDistribuição da População
Distribuição da População
 
A evolução dos computadores
A evolução dos computadoresA evolução dos computadores
A evolução dos computadores
 
A lua de joana
A lua de joanaA lua de joana
A lua de joana
 

Último

gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
Maria das Graças Machado Rodrigues
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 

Último (20)

Elogio da Saudade .
Elogio da Saudade                          .Elogio da Saudade                          .
Elogio da Saudade .
 
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdfgestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
gestão_de_conflitos_no_ambiente_escolar.pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 

Fatores Abióticos

  • 1. FACTORES ABIÓTICOS Temperatura Escola Básica e Secundária do Porto Moniz Sandra Côrte 8ºA Nº19 2013 / 2014
  • 2. Varia com: -Altitude ou profundidade -Latitude -Estação do ano Temperatura Medida da quantidade de calor existente num dado ambiente. Está associada à luz, uma vez que a luz solar tem uma componente luminosa e uma componente calorífica.
  • 3. Influência: -Período de atividade -Caraterísticas morfológicas -Comportamento Temperatura Fator de grande importância para os seres vivos.
  • 4. Existem seres vivos que: Não toleram grandes variações térmicas. Estenotérmicos Toleram grandes variações térmicas. Euritérmicos Temperatura Euritérmicos Estenotérmicos Temperatura
  • 5. Espécies Estenotérmicos Espécies que sobrevivem entre estreitos limites de temperatura. (pequena amplitude térmica) Ex: Lagartixa. Espécies Euritérmicos Espécies que resistem a grandes variações de temperatura. (grande amplitude térmica) Ex: Lobo, homem. Temperatura
  • 6. Temperatura ótima Temperaturas consentidas Limite máximo de existência Limite mínimo de existência Temperatura Para cada espécie existe:
  • 7. Animais de temperatura constante (Homeotérmicos) Temperatura corporal não varia com a temperatura ambiente. Ex: aves e mamíferos Temperatura De acordo com a temperatura corporal: Animais de temperatura variável (Poiquilotérmicos) Temperatura corporal varia com a temperatura ambiente. Ex: peixes, répteis, anfíbios
  • 8. Migração Percorrem as mais variadas distâncias, em busca de um local para reprodução ou melhores condições climáticas e abundância de alimentos. Ex: flamingos, cegonha negra, andorinhas Temperatura Adaptações às temperaturas desfavoráveis:
  • 9. Redução das atividades vitais para valores mínimos, ficando num estado de vida latente. Temperatura Adaptações às temperaturas desfavoráveis: Hibernação Se ocorrer na estação fria. Ex.: ouriço-cacheiro Estivação Se ocorrer na estação quente. Ex.: caracóis; crocodilo
  • 10. Abrigam-se durante parte do dia Temperatura Adaptações às temperaturas desfavoráveis:
  • 11. -Quantidade de gordura subcutânea -Tamanho e densidade dos pêlos -Tamanho das orelhas e focinho Temperatura Adaptações morfológicasAdaptações morfológicas que permitem aos animais resistir a temperaturas desfavoráveis:
  • 12. • Pêlos mais densos/compridos – raposas e urso polar • Grande teor de gordura - pinguins • Extremidades mais curtas (focinho, orelhas) Temperatura Adaptações morfológicas que permitem aos animais resistir às temperaturas frias: Estas características fazem com que a perda de calor seja mínima, permitindo assim a sobrevivência.
  • 13. • Pêlos menos densos e mais curtos • Menos gordura • Maior superfície corporal em contato com o exterior (orelhas grandes) Temperatura Adaptações morfológicas que permitem aos animais resistir às temperaturas quentes: Estas características facilitam a perda de calor para o meio e evitam o sobreaquecimento. Raposa feneco
  • 14. Temperatura Adaptações das plantas às baixas temperaturas: Existem •Plantas anuais •Plantas bienais •Plantas vivazes ou perenes
  • 15. • Plantas anuais • Não conseguem suportar o frio deixando as sementes para germinar no ano seguinte. Ex.: feijoeiro. Temperatura Adaptações das plantas às baixas temperaturas: • Plantas bienais • Perdem a sua parte aérea mas mantêm a parte subterrânea. Ex.: lírio.
  • 16. • Plantas vivazes ou perenes • Mantêm a sua estrutura todo o ano, apesar de algumas serem de folha caduca. Temperatura Adaptações das plantas às baixas temperaturas: Árvores com copa em Δ, folhas pequenas cobertas por uma cutícula. Árvores que deixam cair as folhas e ficam em estado latente.

Notas do Editor

  1. Os animais poiquilotérmicos são animais de “sangue-frio”, ou também designados por exotérmicos. Estes não têm mecanismo de controlo da temperatura interna do seu corpo, assim o seu metabolismo dependente do meio externo. Para conseguirem manter a sua temperatura corporal estável adoptam certos mecanismos de comportamento ao longo do dia.Os animais poiquilotérmicos incluem todos os animais excepto as aves e mamíferos. Alguns tipos de comportamentos demonstrados pelos animais poiquilotérmicos são: entrar e sair da água, exposição ao sol ou procura de sombra, mudança de profundidade nas águas, etc. As cobras (e lagartos) que tomam banhos de sol sobre pedras. Os peixes que se colocam a diferentes níveis de profundidade nas colunas de água, de forma a encontrar a temperatura ideal. Animais, no deserto, que se enterram debaixo da areia durante o dia. Insetos que esquentam seus músculos de vôo vibrando-os no mesmo lugar. Os animais endotérmicos são aqueles a que nós chamamos de “sangue quente” ou também designados por homeotérmicos. Ao contrário dos poiquilotérmicos, estes animais possuem mecanismos internos que regulam a temperatura corporal.A termorregulação é o nome a que se dá a esta capacidade de regular a temperatura interna. Nos animais poiquilotérmicos, esta termorregulação é efectuada através dos tais padrões de comportamento que permitem absorver ou perder calor, enquanto nos animais endotérmicos, esta já depende da taxa metabólica destes mesmos seres.Os mecanismos internos dos animais endotérmicos funcionam como um termóstato ou seja, o organismo vai corrigir a diferença de temperatura entre o interior e o exterior do corpo através de uma série de processos.
  2. Há animais que hibernam durante parte ou todo o Inverno. Trata-se de um sono especial, muito profundo. A temperatura de corpo do animal cai e os seus ritmos cardíacos e respiratório baixam. Consomem  muito pouca energia. No Outono, estes animais preparam-se para o Inverno ingerindo comida extra e armazenando-a, no corpo, sob a forma de gordura e usam-na para obterem energia enquanto hibernam. Alguns também armazenam comida como nozes ou bolotas para comerem depois durante a estação fria.       Exemplos de animais que hibernam são os ursos, as doninhas fedorentas, os esquilos, e alguns morcegos. Animais de sangue frio como peixes, rãs, serpentes e tartarugas não têm nenhum modo de se manterem quentes durante o Inverno. Serpentes e muitos outros répteis encontram abrigo em buracos ou covas, e passam o Inverno inactivos, ou dormentes. É um estado semelhante à hibernação. A água é um bom refúgio para muitos animais. Quando o tempo se põe frio, eles movem-se para o fundo dos lagos e lagoas. Aí, rãs, tartarugas e muitos peixes escondem-se debaixo de pedras, troncos ou folhas caídas. Até se podem enterrar mesmo na lama. Ficam dormentes. A água fria fixa mais oxigénio do que água morna, e as rãs e tartarugas podem absorvê-lo através da pele. De Inverno, os insectos procuram abrigo em buracos no solo, debaixo da casca de árvores, em troncos apodrecidos ou em qualquer pequena fenda. Muitos passam o Inverno dormentes, que é semelhante à hibernação, em que o crescimento e desenvolvimento param. Os ritmos do coração e da respiração do insecto baixam, assim como a sua temperatura. Alguns insectos passam o Inverno sob a forma de larva. Outros sob a forma de ninfa. (é nesta altura que muitos deles passam de uma forma a outra). Outros morrem, no Outono, depois de porem ovos que, na Primavera dão lugar a novos insectos e então, por todo o lado, tudo começa de novo. Hibernação Quando chega o Inverno evitamos abrir com frequência as janelas de casa, ligamos o aquecimento e vamos buscar ao fundo do armário os camisolões mais quentes. Na Natureza, a vida dos animais não está tão facilitada. Miguel Monteiro Os animais de sangue-frio (poiquilotérmicos) adoptam a temperatura ambiente e quando esta sofre reduções acentuadas vêem-se incapazes de realizar as suas funções básicas. Assim, cobras, lagartos, cágados e rãs hibernam com a chegada do Inverno.A baixas temperaturas, os animais endotérmicos - com capacidade de regular a sua temperatura - precisam de mais energia para manter o seu metabolismo. Os de menores dimensões, com uma taxa metabólica mais elevada, perdem calor corporal mais rapidamente e, em consequência, têm uma maior necessidade de ingerir alimentos. Neste grupo encontram-se, por exemplo, os insectívoros, como o ouriço, e particularmente os morcegos, que com os meses mais frios ficam privados da sua principal fonte de alimento. A hibernação é uma resposta dos indivíduos às condições adversas do ambiente. O momento de hibernar é despoletado através de indicações externas, como a falta de alimento, a temperatura ou o facto de os dias ficarem mais curtos. Ao nível interno, ciclos sazonais de hormonas, aminoácidos e neurotransmissores podem ser os responsáveis pelo despoletar do período de dormência, particularmente nos répteis.Dentro do que geralmente é catalogado de “hibernação” existem diferentes situações a considerar. Na verdadeira hibernação, o metabolismo é drasticamente diminuído. A digestão cessa, a circulação é reduzida, o sistema imunitário deixa de funcionar e as capacidades sensoriais dos indivíduos sofrem uma quebra. Em consequência, há uma diminuição dos gastos energéticos, podendo o animal sobreviver com a gordura que armazenou no período pré-hibernação. A taxa metabólica regista valores até 1% do normal, a temperatura do corpo pode ficar apenas 1ºC acima da temperatura ambiente, os batimentos cardíacos atingem os 5-10 por minuto e a respiração sofre um abrandamento, podendo existir períodos de apneia de cerca de 1 hora. Dois períodos são cruciais para os hibernantes: o “adormecer” e o acordar. O adormecimento é um processo geralmente lento, com episódios espaçados de dormência. Animais que não tenham adquirido reservas de gordura suficiente não sobreviverão ao Inverno. Por outro lado, se estiverem com problemas de saúde (doenças ou feridas), estes irão agravar-se, pois a redução do consumo de oxigénio altera o pH - levando à inactividade de algumas enzimas - e, a curto prazo, o sistema imunitário ficará inoperante. Quando acordam, a maioria dos animais necessita rapidamente de encontrar água (e de excretar). Os que pesam menos de 10 g recuperam a temperatura ao ritmo máximo de 1ºC por minuto, enquanto que os com mais de 5 kg conseguem um máximo de 0,1ºC/min.. O aumento da temperatura é feito à custa da contracção alternada de músculos antagónicos, que permite a produção de calor (e não de movimento). As mitocôndrias da gordura castanha, como não sintetizam ATP, vão dissipar a energia da oxidação sob a forma de calor, contribuindo também para o aquecimento do corpo. Em ambos os períodos o animal move-se meio adormecido, de forma mais ou menos descoordenada, encontrando-se assim mais vulnerável aos seus predadores. Alguns animais passam por um tipo de dormência que pode durar apenas um dia ou umas horas. Neste estado, a temperatura do corpo, a taxa metabólica e outras funções fisiológicas do animal decrescem, mas não atingem os valores da verdadeira hibernação. Este “sono” é despoletado em qualquer altura de escassez de alimento ou quando o nível de reservas de gordura do organismo é baixo. É comum em noitibós, algumas espécies de texugos, répteis e andorinhas.Quando as temperaturas são muito elevadas e a água é escassa, alguns animais têm forçosamente que conservar a água do corpo. Para tal, diminuem o ritmo respiratório e o metabolismo durante os meses mais quentes do Verão (por exemplo, em regiões desérticas). A este tipo de dormência chama-se “estivação” e ocorre nalguns insectos, anfíbios, répteis e gastrópodes.O urso, ao contrário do que se possa pensar, não é um verdadeiro hibernante. A temperatura do corpo desce apenas 5 a 9 ºC em relação ao normal e os batimentos cardíacos descem de 60-90 bpm (batimentos por minuto) para 8-40 bpm. Para resistir ao frio, tem que procurar um abrigo (e.g. buracos em árvores ou cavernas) com temperatura mais amena, dormindo enrolado de forma a conservar o calor. A cabeça e o torso são mantidos a temperaturas altas, de modo a que o animal possa reagir a eventuais perigos e, no caso das fêmeas, permite-lhes inclusive cuidar das crias. Durante a hibernação os ursos podem perder entre 15 e 40% do peso do seu corpo. Outros animais (como o esquilo), que não sofrem as alterações profundas dos verdadeiros hibernantes, além das reservas de gordura que adquirem, acumulam igualmente alimentos no seu abrigo. Estes serão consumidos nos períodos em que o animal desperta, por exemplo, para excretar ou devido a uma subida pontual da temperatura ambiente. Entre os animais de companhia que hibernam, os mais comuns são as tartarugas e os cágados. Depois de confirmada a origem da espécie e que de facto é uma tartaruga hibernante, antes da entrada no período de dormência deve-se examinar os indivíduos e certificar-se que: o nariz está seco; os olhos estão limpos e as pálpebras não estão inchadas; há acumulação de gordura nos ombros e patas; não existem feridas recentes nas patas, cabeça ou pescoço; não há áreas descoloradas ou moles na carapaça nem manchas de outras cores na pele. Caso não se verifique uma destas situações é provável que o animal não esteja em condições de hibernar.