SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Ciências Naturais
8ªano
1.1 - Interacções seres vivos – factores abióticos
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Dinâmica dos ecossistemas
• Num ecossistema, os seres vivos estabelecem, inevitavelmente, relações entre si -
factores bióticos. Mas, os seres vivos também são influenciados pelo meio -
factores abióticos.
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
1.2 - Interacções seres vivos – factores abióticos
Do ambiente fazem parte não só
as condições físico-químicas, mas
também todos os factores que
interactuam com os seres vivos
em causa -factores abióticos e
bióticos.
• Características do ambiente físico-químico (biótopo) que influenciam os seres
vivos:
– Luz
– Temperatura
– Humidade
– Tipo de solo
Factores climáticos
Factores edáficos
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Factores abióticos
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Factores abióticos
-A distribuição
-As características
-A quantidade
-O crescimento
-A reprodução
-A actividade
-A morfologia
Dos seres vivos de um ecossistema
INFLUENCIAM:
Não actuam
sozinhos
Num dado ecossistema, os
factores abióticos relacionam-
se com o CLIMA (Temperatura,
luz, humidade) …
Mas também com o tipo de
SOLO
FACTOR LIMITANTE = Factor cujo valor (alto ou baixo) impede o desenvolvimento
de uma espécie
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
Temperatura
Factor de grande importância para os seres vivos e influencia:
– Período de actividade
– Características morfológicas
– Comportamento
No ambiente terrestre, os seres vivos são sujeitos a regimes de temperaturas variáveis.
Para cada espécie existe:
Temperatura óptima
Intervalo de tolerância
Limite Máximo de
tolerância
Limite mínimo de
tolerância
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
Temperatura
• Seres estenotérmicos
Espécies que sobrevivem entre estreitos
limites de temperatura (pequena amplitude
térmica)
Ex: Lagartixa
• Seres euritérmicos
Espécies que resistem a grandes variações
de temperatura (grande amplitude térmica)
Ex: Lobo, homem
Temperatura e actividade dos seres vivos
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
Temperatura
Temperatura e actividade dos seres vivos
Animais homeotérmicos.
(ver Manual adoptado)
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
Temperatura
Temperatura e actividade dos seres vivos
São animais poiquilotérmicos ou
ectotérmicos. Ex: Répteis, o caracol, o
ouriço - cacheiro
(ver Manual adoptado)
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
Temperatura
Adaptações morfológicas que permitem aos animais resistir às condições de
temperatura:
Regiões frias
• Pêlos mais densos e compridos –
raposas e urso polar
• Grande teor de gordura - pinguins
• Extremidades mais curtas (focinho,
orelhas)
Estas características fazem com que
a perda de calor seja mínima,
permitindo assim a sobrevivência.
Regiões quentes
• Pêlos menos densos e mais curtos
• Menos gordura
• Maior superfície corporal em
contacto com o exterior
Estas características facilitam a perda
de calor para o meio e evitam o
sobreaquecimento.
Temperatura e o comportamento dos seres vivos
Comportamento dos seres vivos:
• Migram
– Os flamingos
– Cegonha negra
– Andorinhas
• Reduzem as suas actividades vitais para valores mínimos, ficando num
estado de vida latente
– Hibernam – Se ocorrer na estação fria
ex.: ouriço-cacheiro; marmota; reptéis
– Estivam - Se ocorrer na estação quente
Ex.: crocodilo; caracóis
• Abrigam-se durante parte do dia
Diversidade na Biosfera
Biologia 10ºano António Pinheiro
2009/2010
Factores abióticos
Temperatura e as características morfológicas dos seres vivos
Adaptações que permitem aos animais resistir às condições de temperatura:
• Quantidade de gordura
• Tamanho e densidade dos pêlos
• Tamanho das orelhas e focinho
• Alteração de aspecto nas plantas.
• Algumas árvores perdem a folhagem
na estação desfavorável
» Ex.: Freixos e carvalhos
• Algumas plantas perdem o caule e até
a raíz – sobrevivem sob a forma de sementes, bolbos
» Ex: Papoila, lírios
Diversidade na Biosfera
Biologia 10ºano António Pinheiro
2009/2010
Factores abióticos
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
Temperatura
QUAL A INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NAS PLANTAS?
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
Temperatura
QUAL A INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NAS PLANTAS?
Nas regiões em que neva, as árvores e arbustos de folha persistente – em que as
folhas duram mais que um ano – têm, geralmente, forma cónica, para que a neve
possa escorregar sem partir os ramos
Nas árvores e arbustos de folha caduca (Exs: Carvalho, Freixo), as folhas caem nas
estações mais frias …
… Estas espécies mantêm-se em estado latente durante o Inverno e, quando a
temperatura sobe, desabrocham em folhas ou flores
Outras plantas, resistem às baixas temperaturas, ficando reduzidas aos órgãos
subterrâneos - rizomas, tubérculos, bolbos – ou a sementes
• A luz influencia principalmente:
– Período de actividade
– Comportamento
– Distribuição geográfica
• Fotoperíodo – período de luz (nº de horas) em cada 24 horas do dia
• Os animais e as plantas apresentam fotoperiodismo, isto é, capacidade de reagir à
duração da luminosidade diária a que estão submetidos.
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
A Luz e o Comportamento dos Seres Vivos
LUZ
Fototropismo
O movimento que as plantas efectuam em
direcção a uma fonte de luz, ou no sentido
contrário, designa-se fototropismo.
-Fototropismo positivo
-Fototropismo negativo
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
A Luz e as plantas
LUZ
• As plantas terrestres não necessitam de igual
quantidade de luz para se desenvolverem
– Heliófilas ou “plantas de sol”-
desenvolvem-se em locais bem iluminados
Ex: girassol, carvalhos
– Umbrófilas ou “plantas de sombra” –
preferem locais com menor luminosidade
Ex: fetos, avencas, musgos
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
LUZ
A Luz e as plantas
• De acordo com a floração temos:
– Plantas de dia longo
• centeio, ervilheira, milho
– Plantas de dia curto
• macieira, crisântemos,
morangueiro
– Plantas indiferentes
• cravo, sardinheira,
malmequeres
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
LUZ
A Luz e as plantas
Em certas plantas, a germinação das sementes
e a floração estão relacionadas com a duração
do dia e da noite a que a planta foi sujeita.
• Manifesta-se essencialmente no comportamento, actividade e reprodução.
• Quanto à actividade:
– Diurnos, se a sua actividade ocorre mais durante o dia;
– Nocturnos, se estão mais activos durante a noite
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
LUZ
Influência da luz sobre os animais
• Quanto ao habitat:
– Fototaxia positiva, se procuram locais
bem iluminados
• Ex: borboletas, cobras, insectos
– Fototaxia negativa, se fogem à luz,
• Ex: morcego, minhocas, toupeiras
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
LUZ
Influência da luz sobre os animais
• Mudança de pelagem:
– Lebre-do-ártico tem pelagem castanha
no Verão e branca no Inverno
• Migrações:
– Andorinhas passam o Inverno no pólo sul
• Reprodução:
– Trutas desovam no mês de Novembro, altura do
ano em que os dias são curtos e as noites são
longas
Bioluminescência –devido à escuridão existente
nas profundidades dos oceanos, alguns animais
são capazes de emitir luz através de órgãos
apropriados.
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S
Pinheiro
LUZ
Influência da luz sobre os animais
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Água
Sendo a origem da vida, servindo de habitat a muitos seres vivos e sendo o
principal constituinte dos organismos, é um factor importantíssimo.
Humidade atmosférica
Pluviosidade
Retenção de água nos solos
Permitem que a água
atinja os diferentes
ambientes
Hidrófilos
Higrófilos
Mesófilos
Xerófilos
Necessidades em água
Esteno-hídricos
Euri-hídricos
Necessidades em água e limites de tolerância
Classificação dos organismos consoante:
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Água
AQUÁTICOS
vivem em lugares húmidosHIGRÓFILOS
têm necessidades moderadas de águaMESÓFILOS
habitam lugares secos e resistem à falta de
água
XERÓFILOS
vivem na água
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Água
Adaptações à falta de água:
-Revestimento impermeável
-Ausência de transpiração
-Excreção de pouca água na urina e fezes
-Utilização da gordura corporal para
produzir água
-Estivação
Água e Animais
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Solo
• Os solos são diferentes dependendo
dos elementos que os constituem.
• Os solos diferem na
permeabilidade, porosidade e
quantidade de sais minerais e
matéria orgânica.
Solo
Ciências Naturais 8ºano 2010/2011
A/S Pinheiro
Solo
• O solo desempenha 4 funções essenciais:
 Suporta o crescimento vegetal,
proporcionando o meio para o
desenvolvimento das raízes e fornecendo água
e nutrientes para as plantas
 Recicla resíduos e tecidos mortos, animais e
vegetais, tornando de novo disponíveis os
elementos constituintes
 Fornece nichos ecológicos onde vivem milhões
de seres vivos, desde pequenos mamíferos a
fungos e bactérias
 Controla o movimento e q qualidade de água
nas bacias hidrográficas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Zoologia o estudo dos animais
Zoologia   o estudo dos animaisZoologia   o estudo dos animais
Zoologia o estudo dos animais
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
 
Ciclos de vida
Ciclos de vidaCiclos de vida
Ciclos de vida
 
Reino Plantas
Reino PlantasReino Plantas
Reino Plantas
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Reino plantae resumo
Reino plantae resumoReino plantae resumo
Reino plantae resumo
 
Filogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da VidaFilogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da Vida
 
Abertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomasAbertura e fecho dos estomas
Abertura e fecho dos estomas
 
A história do telefone
A história do telefoneA história do telefone
A história do telefone
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Aves
AvesAves
Aves
 
DNA -estrutura e função
DNA -estrutura e funçãoDNA -estrutura e função
DNA -estrutura e função
 
Neodarwinismo Biologia 11o
Neodarwinismo Biologia 11oNeodarwinismo Biologia 11o
Neodarwinismo Biologia 11o
 
Biologia (lamarckismo e darwinismo)
Biologia  (lamarckismo e darwinismo)Biologia  (lamarckismo e darwinismo)
Biologia (lamarckismo e darwinismo)
 
11) fotossíntese
11) fotossíntese11) fotossíntese
11) fotossíntese
 
Reinoplantae powerpoint-090726184322-phpapp02 (2)
Reinoplantae powerpoint-090726184322-phpapp02 (2)Reinoplantae powerpoint-090726184322-phpapp02 (2)
Reinoplantae powerpoint-090726184322-phpapp02 (2)
 
Transporte Nas Plantas
Transporte Nas PlantasTransporte Nas Plantas
Transporte Nas Plantas
 
Adaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivosAdaptação dos seres vivos
Adaptação dos seres vivos
 
Ciclo Celular
Ciclo CelularCiclo Celular
Ciclo Celular
 

Semelhante a Factores abióticos influenciam seres vivos

Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaJoão Rodrigues
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosCristina Vitória
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasinessalgado
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Sara Catarina
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptxCarlaSilva639671
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioStéphanie Lima
 
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptxae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptxmariagrave
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasGabriela Bruno
 
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa   Ecossistemas E Factores AbioticosFicha Informativa   Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores AbioticosRui Jorge
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptxIsabel Guedes
 
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdfFatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdfSandra Semedo
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasLeonardo Alves
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasInês Mota
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticosruiricardobg
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314Sandra Soares
 
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdfAula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdfSimoneBragaTerra
 

Semelhante a Factores abióticos influenciam seres vivos (20)

Fatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoriaFatores abioticos teoria
Fatores abioticos teoria
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticos
 
ecossistemas2.ppt
ecossistemas2.pptecossistemas2.ppt
ecossistemas2.ppt
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes Interacções seres vivos-ambientes
Interacções seres vivos-ambientes
 
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptxResumos - power point  - Interacao entre os seres vivos.pptx
Resumos - power point - Interacao entre os seres vivos.pptx
 
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abioResumo ecossistemas fatores bioticos abio
Resumo ecossistemas fatores bioticos abio
 
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptxae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
ae_mamb8_ppt_fatores_abioticos.pptx
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa   Ecossistemas E Factores AbioticosFicha Informativa   Ecossistemas E Factores Abioticos
Ficha Informativa Ecossistemas E Factores Abioticos
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdfFatores abióticos.docx · versão 1.pdf
Fatores abióticos.docx · versão 1.pdf
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
 
04.fatores abióticos
04.fatores abióticos04.fatores abióticos
04.fatores abióticos
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
 
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdfAula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
Aula 4 - Fitogeografia - Parte 1.pdf
 
Ecologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicosEcologia - conceitos básicos
Ecologia - conceitos básicos
 

Mais de MINEDU

Jan julh
Jan julhJan julh
Jan julhMINEDU
 
Vulcões
VulcõesVulcões
VulcõesMINEDU
 
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
Teste 2   deriva continental e tectónica de placasTeste 2   deriva continental e tectónica de placas
Teste 2 deriva continental e tectónica de placasMINEDU
 
Identificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasIdentificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasMINEDU
 
Fósseis
FósseisFósseis
FósseisMINEDU
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalMINEDU
 
Génese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasGénese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasMINEDU
 
Nº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresNº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresMINEDU
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseisMINEDU
 
Sismologia
SismologiaSismologia
SismologiaMINEDU
 
Nº 2 rochas e minerais
Nº 2   rochas e mineraisNº 2   rochas e minerais
Nº 2 rochas e mineraisMINEDU
 
Uma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaUma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaMINEDU
 
Escrita magica
Escrita magicaEscrita magica
Escrita magicaMINEDU
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)MINEDU
 
Vulcanismo e sismologia 7º ano
Vulcanismo e sismologia   7º anoVulcanismo e sismologia   7º ano
Vulcanismo e sismologia 7º anoMINEDU
 
2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)MINEDU
 
Exercícios sobre células
Exercícios sobre célulasExercícios sobre células
Exercícios sobre célulasMINEDU
 
Direito ao intervalo
Direito ao intervaloDireito ao intervalo
Direito ao intervaloMINEDU
 
Estrutura interna terra
Estrutura interna terraEstrutura interna terra
Estrutura interna terraMINEDU
 

Mais de MINEDU (20)

Meu
MeuMeu
Meu
 
Jan julh
Jan julhJan julh
Jan julh
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
Teste 2   deriva continental e tectónica de placasTeste 2   deriva continental e tectónica de placas
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
 
Identificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasIdentificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticas
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continental
 
Génese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasGénese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochas
 
Nº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresNº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentares
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Nº 2 rochas e minerais
Nº 2   rochas e mineraisNº 2   rochas e minerais
Nº 2 rochas e minerais
 
Uma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaUma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutua
 
Escrita magica
Escrita magicaEscrita magica
Escrita magica
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)
 
Vulcanismo e sismologia 7º ano
Vulcanismo e sismologia   7º anoVulcanismo e sismologia   7º ano
Vulcanismo e sismologia 7º ano
 
2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)
 
Exercícios sobre células
Exercícios sobre célulasExercícios sobre células
Exercícios sobre células
 
Direito ao intervalo
Direito ao intervaloDireito ao intervalo
Direito ao intervalo
 
Estrutura interna terra
Estrutura interna terraEstrutura interna terra
Estrutura interna terra
 

Último

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfAnaGonalves804156
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 

Último (20)

HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdfPPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
PPT _ Módulo 3_Direito Comercial_2023_2024.pdf
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 

Factores abióticos influenciam seres vivos

  • 1. Ciências Naturais 8ªano 1.1 - Interacções seres vivos – factores abióticos Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro
  • 2. Dinâmica dos ecossistemas • Num ecossistema, os seres vivos estabelecem, inevitavelmente, relações entre si - factores bióticos. Mas, os seres vivos também são influenciados pelo meio - factores abióticos. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro 1.2 - Interacções seres vivos – factores abióticos Do ambiente fazem parte não só as condições físico-químicas, mas também todos os factores que interactuam com os seres vivos em causa -factores abióticos e bióticos.
  • 3. • Características do ambiente físico-químico (biótopo) que influenciam os seres vivos: – Luz – Temperatura – Humidade – Tipo de solo Factores climáticos Factores edáficos Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Factores abióticos
  • 4. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Factores abióticos -A distribuição -As características -A quantidade -O crescimento -A reprodução -A actividade -A morfologia Dos seres vivos de um ecossistema INFLUENCIAM: Não actuam sozinhos Num dado ecossistema, os factores abióticos relacionam- se com o CLIMA (Temperatura, luz, humidade) … Mas também com o tipo de SOLO FACTOR LIMITANTE = Factor cujo valor (alto ou baixo) impede o desenvolvimento de uma espécie
  • 5. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Temperatura Factor de grande importância para os seres vivos e influencia: – Período de actividade – Características morfológicas – Comportamento No ambiente terrestre, os seres vivos são sujeitos a regimes de temperaturas variáveis. Para cada espécie existe: Temperatura óptima Intervalo de tolerância Limite Máximo de tolerância Limite mínimo de tolerância
  • 6. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Temperatura • Seres estenotérmicos Espécies que sobrevivem entre estreitos limites de temperatura (pequena amplitude térmica) Ex: Lagartixa • Seres euritérmicos Espécies que resistem a grandes variações de temperatura (grande amplitude térmica) Ex: Lobo, homem Temperatura e actividade dos seres vivos
  • 7. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Temperatura Temperatura e actividade dos seres vivos Animais homeotérmicos. (ver Manual adoptado)
  • 8. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Temperatura Temperatura e actividade dos seres vivos São animais poiquilotérmicos ou ectotérmicos. Ex: Répteis, o caracol, o ouriço - cacheiro (ver Manual adoptado)
  • 9. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Temperatura Adaptações morfológicas que permitem aos animais resistir às condições de temperatura: Regiões frias • Pêlos mais densos e compridos – raposas e urso polar • Grande teor de gordura - pinguins • Extremidades mais curtas (focinho, orelhas) Estas características fazem com que a perda de calor seja mínima, permitindo assim a sobrevivência. Regiões quentes • Pêlos menos densos e mais curtos • Menos gordura • Maior superfície corporal em contacto com o exterior Estas características facilitam a perda de calor para o meio e evitam o sobreaquecimento.
  • 10. Temperatura e o comportamento dos seres vivos Comportamento dos seres vivos: • Migram – Os flamingos – Cegonha negra – Andorinhas • Reduzem as suas actividades vitais para valores mínimos, ficando num estado de vida latente – Hibernam – Se ocorrer na estação fria ex.: ouriço-cacheiro; marmota; reptéis – Estivam - Se ocorrer na estação quente Ex.: crocodilo; caracóis • Abrigam-se durante parte do dia Diversidade na Biosfera Biologia 10ºano António Pinheiro 2009/2010 Factores abióticos
  • 11. Temperatura e as características morfológicas dos seres vivos Adaptações que permitem aos animais resistir às condições de temperatura: • Quantidade de gordura • Tamanho e densidade dos pêlos • Tamanho das orelhas e focinho • Alteração de aspecto nas plantas. • Algumas árvores perdem a folhagem na estação desfavorável » Ex.: Freixos e carvalhos • Algumas plantas perdem o caule e até a raíz – sobrevivem sob a forma de sementes, bolbos » Ex: Papoila, lírios Diversidade na Biosfera Biologia 10ºano António Pinheiro 2009/2010 Factores abióticos
  • 12. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Temperatura QUAL A INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NAS PLANTAS?
  • 13. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Temperatura QUAL A INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA NAS PLANTAS? Nas regiões em que neva, as árvores e arbustos de folha persistente – em que as folhas duram mais que um ano – têm, geralmente, forma cónica, para que a neve possa escorregar sem partir os ramos Nas árvores e arbustos de folha caduca (Exs: Carvalho, Freixo), as folhas caem nas estações mais frias … … Estas espécies mantêm-se em estado latente durante o Inverno e, quando a temperatura sobe, desabrocham em folhas ou flores Outras plantas, resistem às baixas temperaturas, ficando reduzidas aos órgãos subterrâneos - rizomas, tubérculos, bolbos – ou a sementes
  • 14. • A luz influencia principalmente: – Período de actividade – Comportamento – Distribuição geográfica • Fotoperíodo – período de luz (nº de horas) em cada 24 horas do dia • Os animais e as plantas apresentam fotoperiodismo, isto é, capacidade de reagir à duração da luminosidade diária a que estão submetidos. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro A Luz e o Comportamento dos Seres Vivos LUZ
  • 15. Fototropismo O movimento que as plantas efectuam em direcção a uma fonte de luz, ou no sentido contrário, designa-se fototropismo. -Fototropismo positivo -Fototropismo negativo Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro A Luz e as plantas LUZ
  • 16. • As plantas terrestres não necessitam de igual quantidade de luz para se desenvolverem – Heliófilas ou “plantas de sol”- desenvolvem-se em locais bem iluminados Ex: girassol, carvalhos – Umbrófilas ou “plantas de sombra” – preferem locais com menor luminosidade Ex: fetos, avencas, musgos Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro LUZ A Luz e as plantas
  • 17. • De acordo com a floração temos: – Plantas de dia longo • centeio, ervilheira, milho – Plantas de dia curto • macieira, crisântemos, morangueiro – Plantas indiferentes • cravo, sardinheira, malmequeres Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro LUZ A Luz e as plantas Em certas plantas, a germinação das sementes e a floração estão relacionadas com a duração do dia e da noite a que a planta foi sujeita.
  • 18. • Manifesta-se essencialmente no comportamento, actividade e reprodução. • Quanto à actividade: – Diurnos, se a sua actividade ocorre mais durante o dia; – Nocturnos, se estão mais activos durante a noite Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro LUZ Influência da luz sobre os animais
  • 19. • Quanto ao habitat: – Fototaxia positiva, se procuram locais bem iluminados • Ex: borboletas, cobras, insectos – Fototaxia negativa, se fogem à luz, • Ex: morcego, minhocas, toupeiras Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro LUZ Influência da luz sobre os animais
  • 20. • Mudança de pelagem: – Lebre-do-ártico tem pelagem castanha no Verão e branca no Inverno • Migrações: – Andorinhas passam o Inverno no pólo sul • Reprodução: – Trutas desovam no mês de Novembro, altura do ano em que os dias são curtos e as noites são longas Bioluminescência –devido à escuridão existente nas profundidades dos oceanos, alguns animais são capazes de emitir luz através de órgãos apropriados. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro LUZ Influência da luz sobre os animais
  • 21. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Água Sendo a origem da vida, servindo de habitat a muitos seres vivos e sendo o principal constituinte dos organismos, é um factor importantíssimo. Humidade atmosférica Pluviosidade Retenção de água nos solos Permitem que a água atinja os diferentes ambientes Hidrófilos Higrófilos Mesófilos Xerófilos Necessidades em água Esteno-hídricos Euri-hídricos Necessidades em água e limites de tolerância Classificação dos organismos consoante:
  • 22. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Água AQUÁTICOS vivem em lugares húmidosHIGRÓFILOS têm necessidades moderadas de águaMESÓFILOS habitam lugares secos e resistem à falta de água XERÓFILOS vivem na água
  • 23. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Água Adaptações à falta de água: -Revestimento impermeável -Ausência de transpiração -Excreção de pouca água na urina e fezes -Utilização da gordura corporal para produzir água -Estivação Água e Animais
  • 24. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Solo • Os solos são diferentes dependendo dos elementos que os constituem. • Os solos diferem na permeabilidade, porosidade e quantidade de sais minerais e matéria orgânica. Solo
  • 25. Ciências Naturais 8ºano 2010/2011 A/S Pinheiro Solo • O solo desempenha 4 funções essenciais:  Suporta o crescimento vegetal, proporcionando o meio para o desenvolvimento das raízes e fornecendo água e nutrientes para as plantas  Recicla resíduos e tecidos mortos, animais e vegetais, tornando de novo disponíveis os elementos constituintes  Fornece nichos ecológicos onde vivem milhões de seres vivos, desde pequenos mamíferos a fungos e bactérias  Controla o movimento e q qualidade de água nas bacias hidrográficas