SlideShare uma empresa Scribd logo
Metro, Ritmo e Rima
• Metro: é o nome que se dá à extensão da linha poética. Pela contagem de
sílabas de um verso, podemos estabelecer seu padrão métrico e suas unidades
rítmicas.
• Escansão é a contagem das sílabas de um verso. A seguir, as regrinhas para
se escandir versos:
1) Na contagem das sílabas métricas, contamos até a última sílaba tônica e
desprezamos a
sílaba ou sílabas átonas finais. Diante disso, ao encontrarmos um vocábulo
paroxítono não
contamos a última sílaba (en/ con/ tro). Nas proparoxítonas, desprezamos, para
efeito de
contagem, as duas últimas sílabas (cá/ lido).
2) Quando houver encontro de vogais (vogal no fim de uma palavra e outra
vogal no início
do vocábulo seguinte), formando um ditongo, conta-se apenas uma sílaba
métrica:


3) Ditongos crescentes forma uma única sílaba métrica: ma/ li/ cia; tê/ nue.
4) Os hiatos permanecem com suas vogais separadas - e estas constituem
sílabas métricas: cru/ el ; vô/ o.


Classificação do verso quanto ao número de sílabas:
• monossílabos                • dissílabos        • trissílabos    • tetrassílabos
• pentassílabos (ou redondilha menor/medida velha)
• hexassílabos (heroico quebrado)
• heptassílabos (redondilha maior/medida velha)
• octossílabos                • eneassílabos      • decassílabos (medida nova)
• hendecassílabos             • dodecassílabos (ou alexandrinos)
Além de 12 sílabas métricas, temos versos bárbaros.

QUANTO À DISPOSIÇÃO DAS RIMAS NA ESTROFE/ESTÂNCIA, TEMOS:

Emparelhadas ou paralelas- AABB

Rima intercaladas, opostas ou interpoladas - ABBA

Rima cruzadas, entrecruzadas ou alternadas - ABAB

Rima misturadas – ABCBA

Rimas encadeadas: rima o final do verso com o interior do verso seguinte.
Ex.:   Quanto, ó Ninfa, é venturosa
       Essa rosa delicada!
       Invejada no teu peito,
       Satisfeito a vê o Amor.


QUANTO AO SEU VALOR/QUALIDADE:

Rima rica - as palavras que rimam são de diferentes classes gramaticais:

Ex.: atento/ pensamento (adjetivo e substantivo)




Rima pobre - as palavras que rimam pertencem à mesma classe gramatical:

Ex.: fazer/ dever (verbo e verbo);          canto/pranto. (Subst. e substantivo)

Porém, se num terceiro verso se acrescentar uma rima de outra classe

gramatical, o conjunto das rimas se torna rico: canto/ pranto/ tanto.




Rima preciosa — extirpe/ estirpe; há-de/ saudade; estrela/ vê-la.


QUANTO À TONICIDADE OS VERSOS PODEM SER:

a) agudos/masculinos, terminados em palavra oxítona (em que a sílaba tônica
é a última). Exemplo: "seria uma rima, não seria uma solução." (Drummond)
b) graves/femininos, terminados em palavra paroxítona (em que a sílaba
tônica é a penúltima).
Exemplo: "Aonde viessem pousar os passarinhos!" (Mário Quintana)
O verso grave é o mais comum na língua portuguesa, uma vez que a maioria das
palavras do nosso vernáculo é paroxítona.
c) esdrúxulos, terminados em palavra proparoxítona (em que a sílaba tônica é a
antepenúltima). Exemplo: "Vou-me embora pra Pasárgada" (Manuel Bandeira)



FORMA ESPECIAL DE RIMA -

Aliteração - consoantes de som idêntico que se repetem:

Rara, rubra, risonha, regia rosa. (Felix Pacheco)
Assonância - vogais que se repetem: É um pássaro, é uma rosa, É o mar que

me acorda? (Eugênio de Andrade)

ESCANSÃO/EXEMPLO

Es / tou / te / es / pe / RAN / do – 6 (Sílabas. Gramaticais)


Es / tou / te-es / pe / RAN / do – 5 (Sílabas poéticas.)


 Mesmo número de sílabas métricas/poéticas = versos regulares/tradicionais.

 Número diferente de sílabas métricas/poéticas = versos irregulares ou livres.

 Quando não ocorre rima entre os versos de um poema, diz-se que são brancos.
QUANTO À QUANTIDADE DE VERSOS FORMADORES NA ESTROFE, TEMOS:



1)     Estrofe de Verso Único ou Monóstico.
2)    Estrofe Dístico – Estrofe com dois versos.
3)    Estrofe Terceto – Contendo três versos.
4)    Estrofe Quadra/quarteto – Possui quatro versos.
5)    Estrofe Quintilha – Possui cinco versos.
6)    Estrofe Sextilha – Contendo seis versos.
7)    Estrofe Sétima – Estrofe com sete versos.
8)    Estrofe Oitava – Contém oito versos.
9)    Estrofe Nona – É feita com nove versos.
10)   Estrofe Décima – Contendo dez versos.
11)   Estrofe Livre ou Estrofe Polimétrica – Estrofe que apresenta mais de 10
versos. Estrofe irregular.


FORMAS FIXAS:
    Soneto: poema formado por dois quartetos e dois tercetos, geralmente
      composto por versos decassílabos e de conteúdo lírico;
      Balada: poema formado por três oitavas e uma quadra;
      Rondel: poema formado por duas quadras e uma quintilha;
      Rondó: poema com estrofação uniforme de quadras;
      Sextina: poema formado por seis sextilhas e um terceto;
      Indriso: poema formado por dois tercetos e dois monóstico.
      Trova: poema monostrófico de quatro versos heptassilábicos.
      Haicai: poema monostrófico com três versos: dois pentassilábicos e um
      heptassilábico (o segundo).
ANÁLISE DO POEMA (ESTRUTURA E CONTEÚDO)


MOTIVO (Cecília Meireles)




Eu canto porque o instante existe       Se desmorono ou se edifico,

e a minha vida está completa.           se permaneço ou me desfaço,

Não sou alegre nem sou triste:          - não sei, não sei. Não sei se fico

sou poeta.                              ou passo.


Irmão das coisas fugidias,              Sei /que/ can/to. E a /can/ção/ é /tu/(do).

não sinto gozo nem tormento.            Tem/ san/gue e/ter/no a a/as/ rit/ma/(da).

Atravesso noites e dias                 E um/ di/a/ sei /que es/ta/rei/ mu/(do):

no vento.                               - mais/ na/(da).

   A estrutura do poema mostra que cada estrofe possui 3 primeiros versos
com 8 sílabas e o final com duas. Isso acontece em todas elas. Assim:

      (1)     Eu /can/to/ por/que-o-ins/tan/te-e/xis/te – 8 A

      (2)     e-a/ mi/nha/ vi/da-es/tá/ com/ple/ta. – 8 B

      (3)     Não/ sou/ a/le/gre/ nem/ sou/ tris/te: – 8 A

      (4)     sou/ poe/ta. – 2 B

     A estrofe é irregular, pois há número diferente de sílabas
poéticas no último verso.
     Oito sílabas métricas = denominado verso octossílabo.
     Quanto à disposição das rimas (ABAB), são denominadas
cruzadas.
     A= Rica (verbo+adjetivo) e feminina/grave (paroxítona).
     B= Rica (adjetivo +substantivo) e feminina/grave
(paroxítona).
     Verso irregular o quarto e regulares os três primeiros. Temos
um quarteto.
ANÁLISE DO POEMA (conteúdo e estrutura)



       Logo que iniciamos a leitura do poema, notamos que é todo elaborado
em primeira pessoa, trata-se do ―eu‖ lírico, que se refere à subjetividade, ao
íntimo, à descrição dos sentimentos. Observemos este exemplo.
Eu canto porque o instante existe

E a minha vida está completa

       Notamos também a presença de vários predicativos do sujeito,
referindo-se à subjetividade do ―eu‖ lírico. Exemplificando:

Não sou alegre nem sou triste:

Sou poeta.
       No poema, como um todo, percebemos logo de início algumas das
principais características da poesia de Cecília Meireles, tais como leveza e a
delicadeza com que tematiza a passagem do tempo, a transitoriedade da
vida e a fugacidade dos objetos, que parecem intocáveis em seus poemas, com
uma linguagem altamente feminina, intuitiva e sensorial, decorrendo assim,
um certo tom melancólico dos mesmos.

Exemplo:

Irmão de coisas fugidias

Atravesso noites e dias no vento



      No último terceto do soneto, primeiro verso, há aliteração, o que sugere o
ritmo da batida do coração, quando eterniza a música, a canção, enquanto a
assonância da vogal /a/ sugere um sentimento de alegria do ―eu‖ lírico.

       Na primeira estrofe, o ―eu‖ lírico dá importância ao tempo presente, à
criação do seu poema. Afirma que o poeta declara os sentimentos para as
pessoas, mas o poeta é imparcial.

       No terceiro verso desta estrofe há uma antítese entre “alegre” X
“triste”.

       O ―eu‖ lírico se contenta em ser apenas poeta, como afirma no quarto
verso deste quarteto, apesar de a sua existência ser triste.

      Outra ocorrência importante e recorrente na obra de Cecília é o uso dos
verbos ―existir‖ e ―ser‖, que sugerindo o tom existencialista de Cecília
Meireles.
       Na segunda estrofe, chama a atenção ao valor que se dá às coisas
passageiras, para que não nos prendamos a elas, pois passam como o
vento. Deve -se agir como o poeta, que é livre, como o vento. Logo, não
sente ―gozo‖ nem ―tormento‖.

      Em seu primeiro verso há assonância dos fonemas /a/, /i/, /o/ e a
presença do fonema /s/, ocorrendo uma aliteração, que lembra a passagem do
tempo, de forma rápida, com um vento, como diz o ―eu‖ lírico.
Na terceira estrofe, percebemos um conflito interior, uma dúvida do ―eu‖
lírico, que não sabe qual decisão tomar: a de parar ou a de continuar. A
dúvida com relação a sua existência permanece na repetição da expressão ―Não
sei‖. Ocorre uma antítese entre as formas verbais ―fico‖ (terceiro verso) e
―passo‖ (quarto verso), pois a transitoriedade da vida mais uma vez é
questionada. As formas “fico” (terceiro verso) e “edifico” (primeiro verso)
estão rimando e nós podemos pensar que, enquanto vivemos, edificamos algo
na terra, de ordem espiritual ou material, mas quando ―passamos‖, tudo se
desfaz, como observamos na rima que acontece no segundo e no quarto versos.
       Na quarta estrofe, o ―eu‖ lírico reafirma a importância dada ao
presente, ao tempo do ―agora‖, inicia- do na primeira estrofe, pois o poeta
continua a cantar e diz que a canção é tudo, assim como o poema, porque
são eternizados com o passar do tempo, assim como o voo ritmado das asas
dos pássaros (comparação), enquanto que ele e nós somos finitos - um dia,
ficaremos mudos e não seremos mais nada. A música, que muitos consideram
desnecessária, será e é eterna, como o espírito.

       Esse poema é todo elaborado em antíteses, o que se pode observar
em: ―alegre‖ # ―triste‖; ―noite‖ # ―dia‖; ―desmorono‖ # ―edifico‖; ―permaneço‖ #
―defaço‖; ―fico‖ # ―passo‖.

       Percebemos, então, que o poema é uma metáfora que representa a
fugacidade da vida e como as pessoas a deixam passar, sem dar o real
valor ao que realmente importa, também notamos a existência de um eufemismo
nos terceiro e quarto versos da última estrofe, pois se evita a palavra morte,
substituindo-a por uma expressão menos desagradável.

Vejamos:

E um dia sei que estarei mudo:

- Mais nada.



       No segundo verso da quarta estrofe, aparece o hipérbato, que resulta
da inversão na ordem natural das palavras relacionadas entre si, realçando a
eternidade do espírito.

Analisemos:

Tem sangue eterno a asa ritmada



       Na primeira estrofe, há a rima do primeiro e terceiro versos e do segundo
e do quarto versos (cruzadas). Na segunda estrofe ocorre o mesmo esquema:
primeiro e terceiro versos e segundo e quarto versos. Na terceira estrofe:
primeiro e terceiro versos. Na quarta estrofe: primeiro e terceiro versos e do
segundo e quarto versos.

        Observamos, também, a existência da rima rica, ou seja, rimas entre
palavras de classes gramaticais diferentes, na primeira estrofe, o primeiro e
terceiro versos e segundo e quarto versos. Também, na segunda estrofe, o
primeiro e terceiro versos. No restante do poema, constata-se a presença da
rima pobre, isto é, rimas com palavras de classes gramaticais semelhantes.
Notamos a existência do cavalgamento em duas partes do poema, ou
seja, o sentido de um verso é interrompido no final do mesmo e vai completar-se
no próximo:
Não sou poeta nem sou triste:

Sou poeta.

Atravesso noites e dias

no vento.
Se permaneço ou me desfaço

- Não sei, não sei. Não sei se fico

ou passo.

E um dia sei que estarei mudo:

- mais nada.



       Ocorre a crase, ou seja, a fusão de sons semelhantes em:

Eu canto porque o instante existe

Se desmorono ou se edifico,

se permaneço ou me desfaço

Tem sangue eterno a asa ritmada.

E uma dia sei que estarei mudo:



O título Motivo pode significar uma esperança que o ―eu‖ lírico sente para poder
continuar vivendo, apesar de conscientemente saber que ela, a vida, é uma
passagem para um outro plano desconhecido.




EXERCÍCIO DE ESCANSÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RIMAS

Escansão: Contagem de sílabas poéticas. Possui duas regras:
1. Contam-se as sílabas até a última sílaba tônica do verso.

2. No encontro entre vogais pode ocorrer crase ou ditongação.

Rimas:    podem      ser      classificadas   quanto     à    disposição,     quanto     à
acentuação/tonicidade e quanto à classe gramatical (qualidade).


Exercício: faça a escansão de todos os poemas abaixo e classifique as rimas (de
acordo com a disposição, acentuação e classe gramatical dos poemas (qualidade)
1, 2, 5, 7, 9, 10, 11 e 12.




1. Gregório de Matos
Discreta e formosíssima Maria                        2. Fernando Pessoa
Enquanto estamos vendo                               O poeta é um fingidor
claramente                                           Finge tão completamente
Na vossa ardente vista o sol                         Que chega a fingir que é dor
ardente                                              A dor que deveras sente.
E na rosada face a Aurora fria.                      Rimas:_____________________
Rimas:_____________________
3. Gonçalves Dias                             4. Construção (Chico Buarque)
Esta noite – era a lua já morta -
Anhangá me vedava sonhar;                     Amou daquela vez como se fosse a última
Eis na horrível caverna, que                  Beijou sua mulher como se fosse a última

habito,                                       E cada filho seu como se fosse o único

Rouca voz começou-me a                        E atravessou a rua com seu passo tímido
                                              Subiu a construção como se fosse máquina
chamar.
                                              Ergueu no patamar quatro paredes sólidas
                                              Tijolo com tijolo num desenho mágico.
Rimas:_____________________



                                                     Rimas: ____________________




5. Luís Vaz de Camões
Mas um velho de aspecto venerando,
Que ficava nas praias, entre a gente,
  Postos em nós os olhos, meneando
  Três vezes a cabeça, descontente,
  A voz pesada um pouco alevantando
  Que nós no mar ouvimos claramente
  C’um saber só de experiências feito,
  Tais palavras tirou do esperto peito:    Rimas:__________________________


  6. Carlos Drummond de Andrade
  Com a chave na mão                                  7.      Sílvia Araújo Mota
  Quer abrir a porta,
  Não existe porta;
                                                      Amadurecimento?
  Quer morrer no mar,
                                                      Da lei, a aplicação?
  Mas o mar secou;                                    Riqueza, crescimento?
  Quer ir para Minas,                                 Progresso da Nação?
  Minas não há mais,
  José, e agora.
                                                 Rimas:_____________________
  Rimas:____________________

  8. João Cabral de Melo Neto             9. Gonçalves Dias
  Um ferrageiro de Carmona,               Já silva, já ruge do vento o pegão;

  que me informava de um balcão:          Estorcem-se os leques dos verdes palmares,
                                          Volteiam, rebramam, doudejam nos ares,
  “Aquilo? É de ferro fundido,
                                          Até que lascados baqueiam no chão.
  foi a forma que fez, não a mão.


                                          Rimas:________________________
  Rimas:_______________________


 10. Alberto de Oliveira                     ―Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
 Estranho mimo aquele vaso! Vi-o,            Perdeste o senso!‖ E eu vos direi, no
 Casualmente, uma vez, de um perfumado       entanto,
 Contador sobre o mármor luzidio,            Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto
 Entre um leque e o começo de um bordado. E abro as janelas, pálido de espanto…
  Rimas:________________________             Rimas:________________________


11. Olavo Bilac
 12.     Augusto dos Anjos
Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão – esta pantera –
Foi tua companheira inseparável!
Rimas:____________________________________________________

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Linguagem lingua e código
Linguagem lingua  e códigoLinguagem lingua  e código
Linguagem lingua e código
Paulinha Iacks
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
estudosacademicospedag
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
paula nery
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
CDIM Daniel
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória Literária
Ketheley Freire
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a Literatura
Glauco Duarte
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
Cláudia Heloísa
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literárias
Renally Arruda
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Explicação sobre texto poético para Fundamental
Explicação sobre texto poético para FundamentalExplicação sobre texto poético para Fundamental
Explicação sobre texto poético para Fundamental
Aline França Russo
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
Ajudar Pessoas
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
ISJ
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
Eliete Sampaio Farneda
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
Flavio Maia Custodio
 
Charge, Cartum, Caricatura
Charge, Cartum, CaricaturaCharge, Cartum, Caricatura
Charge, Cartum, Caricatura
projetoassis
 

Mais procurados (20)

Linguagem lingua e código
Linguagem lingua  e códigoLinguagem lingua  e código
Linguagem lingua e código
 
Slide generos literarios
Slide generos literariosSlide generos literarios
Slide generos literarios
 
Aula Figuras de Linguagem
Aula    Figuras de Linguagem Aula    Figuras de Linguagem
Aula Figuras de Linguagem
 
Figuras de linguagem completo
Figuras de linguagem completoFiguras de linguagem completo
Figuras de linguagem completo
 
Gênero - Memória Literária
Gênero - Memória LiteráriaGênero - Memória Literária
Gênero - Memória Literária
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
I   Juca Pirama - Gonçalves DiasI   Juca Pirama - Gonçalves Dias
I Juca Pirama - Gonçalves Dias
 
Introdução a Literatura
Introdução a LiteraturaIntrodução a Literatura
Introdução a Literatura
 
Processos de formação de palavras
Processos de formação de palavrasProcessos de formação de palavras
Processos de formação de palavras
 
Gênero memórias literárias
Gênero memórias literáriasGênero memórias literárias
Gênero memórias literárias
 
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisãoElementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
Elementos da narrativa-conto-de-enigma-e-relato-pessoal-revisão
 
Explicação sobre texto poético para Fundamental
Explicação sobre texto poético para FundamentalExplicação sobre texto poético para Fundamental
Explicação sobre texto poético para Fundamental
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.Resumo das escola literárias.
Resumo das escola literárias.
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
Poesias rima e metrica
Poesias rima e metricaPoesias rima e metrica
Poesias rima e metrica
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Charge, Cartum, Caricatura
Charge, Cartum, CaricaturaCharge, Cartum, Caricatura
Charge, Cartum, Caricatura
 

Destaque

Nota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemasNota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemas
Péricles Penuel
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
Péricles Penuel
 
Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
Péricles Penuel
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Péricles Penuel
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
Péricles Penuel
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
Péricles Penuel
 
Análise do poema cecília meireles
Análise do poema  cecília meirelesAnálise do poema  cecília meireles
Análise do poema cecília meireles
Paula Angelo
 
Shall we play a game?
Shall we play a game?Shall we play a game?
Shall we play a game?
Maciej Lasyk
 

Destaque (8)

Nota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemasNota iii escansão poemas
Nota iii escansão poemas
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Análise do poema cecília meireles
Análise do poema  cecília meirelesAnálise do poema  cecília meireles
Análise do poema cecília meireles
 
Shall we play a game?
Shall we play a game?Shall we play a game?
Shall we play a game?
 

Semelhante a Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba

Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificação
Deia1975
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Brenda Tacchelli
 
O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)
Belmira Baptista
 
Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Noções de versificação 2
Noções de versificação 2
Rosa Maria Mendes
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
Claudia Lazarini
 
Teoria da literatura II
Teoria da literatura IITeoria da literatura II
Teoria da literatura II
Maria Eduarda Souza Gonçalves
 
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemasAnálise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Péricles Penuel
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
Susana Sobrenome
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
Juliana Lannes
 
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptxLITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
Leidimarabatista
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Características do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º anoCaracterísticas do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º ano
Ilda Oliveira
 
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Ilda Oliveira
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificação
José Luís
 
Texto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de VersificaçãoTexto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de Versificação
Cristina Seiça
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Cristina Ramos
 
Poesia lírica
Poesia líricaPoesia lírica
Poesia lírica
RuiPelicano
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
luisprista
 
Texto lírico
Texto líricoTexto lírico
Texto lírico
Teresa Rocha
 
Nota ii separação e profundamente ok
Nota ii separação e profundamente okNota ii separação e profundamente ok
Nota ii separação e profundamente ok
Péricles Penuel
 

Semelhante a Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba (20)

Normas de versificação
Normas de versificaçãoNormas de versificação
Normas de versificação
 
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E RimaPara Estudar Metro Ritmo E Rima
Para Estudar Metro Ritmo E Rima
 
O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)O texto poetico2 (1)
O texto poetico2 (1)
 
Noções de versificação 2
Noções de versificação 2 Noções de versificação 2
Noções de versificação 2
 
Noesdeversificao2
Noesdeversificao2Noesdeversificao2
Noesdeversificao2
 
Teoria da literatura II
Teoria da literatura IITeoria da literatura II
Teoria da literatura II
 
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemasAnálise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
 
Texto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificaçãoTexto poético - Noções de versificação
Texto poético - Noções de versificação
 
Versificação
VersificaçãoVersificação
Versificação
 
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptxLITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
LITERATURA - 1º ANO - VERSIFICAÇÃO E ESCANSÃO.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Características do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º anoCaracterísticas do texto poético 7º ano
Características do texto poético 7º ano
 
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
Características%20do%20texto%20poético%208º%20ano[1]
 
O texto lírico - noções de versificação
O texto lírico  - noções de versificaçãoO texto lírico  - noções de versificação
O texto lírico - noções de versificação
 
Texto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de VersificaçãoTexto Lírico - Nocões de Versificação
Texto Lírico - Nocões de Versificação
 
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
Versos e seus recursos musicais (1º ano do Ensino Médio)
 
Poesia lírica
Poesia líricaPoesia lírica
Poesia lírica
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
 
Texto lírico
Texto líricoTexto lírico
Texto lírico
 
Nota ii separação e profundamente ok
Nota ii separação e profundamente okNota ii separação e profundamente ok
Nota ii separação e profundamente ok
 

Mais de Péricles Penuel

Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
Péricles Penuel
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
Péricles Penuel
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Péricles Penuel
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
Péricles Penuel
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
Péricles Penuel
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
Péricles Penuel
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
Péricles Penuel
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
Péricles Penuel
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Péricles Penuel
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
Péricles Penuel
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
Péricles Penuel
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
Péricles Penuel
 
Imagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmpImagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmp
Péricles Penuel
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
Péricles Penuel
 
Cilindros (1)
Cilindros (1)Cilindros (1)
Cilindros (1)
Péricles Penuel
 
Brasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmpBrasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmp
Péricles Penuel
 

Mais de Péricles Penuel (20)

Arte egípicia
Arte egípiciaArte egípicia
Arte egípicia
 
éTica capitulo 6
éTica capitulo 6éTica capitulo 6
éTica capitulo 6
 
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
Cultura e ideologia unidade 6 capitulo 18
 
3 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 20133 revolução industrial 2013
3 revolução industrial 2013
 
1 diversidade da vida
1 diversidade da vida1 diversidade da vida
1 diversidade da vida
 
Lista 1 2013 escalas termométricas
Lista 1 2013   escalas termométricasLista 1 2013   escalas termométricas
Lista 1 2013 escalas termométricas
 
Aula 2 população
Aula 2   populaçãoAula 2   população
Aula 2 população
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico1absolutismo monárquico
1absolutismo monárquico
 
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano   frente 2 - procariontesBiologia 2º ano   frente 2 - procariontes
Biologia 2º ano frente 2 - procariontes
 
Aula de matrizes
Aula de matrizesAula de matrizes
Aula de matrizes
 
Aula 1 o brasil
Aula 1   o brasilAula 1   o brasil
Aula 1 o brasil
 
Plano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmpPlano ins. pernambucana tmp
Plano ins. pernambucana tmp
 
Imagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmpImagens invvasão holandesa tmp
Imagens invvasão holandesa tmp
 
Expansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmpExpansão territorial e t. de limites tmp
Expansão territorial e t. de limites tmp
 
Cilindros (1)
Cilindros (1)Cilindros (1)
Cilindros (1)
 
Brasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmpBrasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmp
 

Último

karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 

Último (20)

karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 

Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba

  • 1. Metro, Ritmo e Rima • Metro: é o nome que se dá à extensão da linha poética. Pela contagem de sílabas de um verso, podemos estabelecer seu padrão métrico e suas unidades rítmicas. • Escansão é a contagem das sílabas de um verso. A seguir, as regrinhas para se escandir versos: 1) Na contagem das sílabas métricas, contamos até a última sílaba tônica e desprezamos a sílaba ou sílabas átonas finais. Diante disso, ao encontrarmos um vocábulo paroxítono não contamos a última sílaba (en/ con/ tro). Nas proparoxítonas, desprezamos, para efeito de contagem, as duas últimas sílabas (cá/ lido). 2) Quando houver encontro de vogais (vogal no fim de uma palavra e outra vogal no início do vocábulo seguinte), formando um ditongo, conta-se apenas uma sílaba métrica: 3) Ditongos crescentes forma uma única sílaba métrica: ma/ li/ cia; tê/ nue. 4) Os hiatos permanecem com suas vogais separadas - e estas constituem sílabas métricas: cru/ el ; vô/ o. Classificação do verso quanto ao número de sílabas: • monossílabos • dissílabos • trissílabos • tetrassílabos • pentassílabos (ou redondilha menor/medida velha) • hexassílabos (heroico quebrado) • heptassílabos (redondilha maior/medida velha) • octossílabos • eneassílabos • decassílabos (medida nova) • hendecassílabos • dodecassílabos (ou alexandrinos) Além de 12 sílabas métricas, temos versos bárbaros. QUANTO À DISPOSIÇÃO DAS RIMAS NA ESTROFE/ESTÂNCIA, TEMOS: Emparelhadas ou paralelas- AABB Rima intercaladas, opostas ou interpoladas - ABBA Rima cruzadas, entrecruzadas ou alternadas - ABAB Rima misturadas – ABCBA Rimas encadeadas: rima o final do verso com o interior do verso seguinte.
  • 2. Ex.: Quanto, ó Ninfa, é venturosa Essa rosa delicada! Invejada no teu peito, Satisfeito a vê o Amor. QUANTO AO SEU VALOR/QUALIDADE: Rima rica - as palavras que rimam são de diferentes classes gramaticais: Ex.: atento/ pensamento (adjetivo e substantivo) Rima pobre - as palavras que rimam pertencem à mesma classe gramatical: Ex.: fazer/ dever (verbo e verbo); canto/pranto. (Subst. e substantivo) Porém, se num terceiro verso se acrescentar uma rima de outra classe gramatical, o conjunto das rimas se torna rico: canto/ pranto/ tanto. Rima preciosa — extirpe/ estirpe; há-de/ saudade; estrela/ vê-la. QUANTO À TONICIDADE OS VERSOS PODEM SER: a) agudos/masculinos, terminados em palavra oxítona (em que a sílaba tônica é a última). Exemplo: "seria uma rima, não seria uma solução." (Drummond) b) graves/femininos, terminados em palavra paroxítona (em que a sílaba tônica é a penúltima). Exemplo: "Aonde viessem pousar os passarinhos!" (Mário Quintana) O verso grave é o mais comum na língua portuguesa, uma vez que a maioria das palavras do nosso vernáculo é paroxítona. c) esdrúxulos, terminados em palavra proparoxítona (em que a sílaba tônica é a antepenúltima). Exemplo: "Vou-me embora pra Pasárgada" (Manuel Bandeira) FORMA ESPECIAL DE RIMA - Aliteração - consoantes de som idêntico que se repetem: Rara, rubra, risonha, regia rosa. (Felix Pacheco)
  • 3. Assonância - vogais que se repetem: É um pássaro, é uma rosa, É o mar que me acorda? (Eugênio de Andrade) ESCANSÃO/EXEMPLO Es / tou / te / es / pe / RAN / do – 6 (Sílabas. Gramaticais) Es / tou / te-es / pe / RAN / do – 5 (Sílabas poéticas.) Mesmo número de sílabas métricas/poéticas = versos regulares/tradicionais. Número diferente de sílabas métricas/poéticas = versos irregulares ou livres. Quando não ocorre rima entre os versos de um poema, diz-se que são brancos. QUANTO À QUANTIDADE DE VERSOS FORMADORES NA ESTROFE, TEMOS: 1) Estrofe de Verso Único ou Monóstico. 2) Estrofe Dístico – Estrofe com dois versos. 3) Estrofe Terceto – Contendo três versos. 4) Estrofe Quadra/quarteto – Possui quatro versos. 5) Estrofe Quintilha – Possui cinco versos. 6) Estrofe Sextilha – Contendo seis versos. 7) Estrofe Sétima – Estrofe com sete versos. 8) Estrofe Oitava – Contém oito versos. 9) Estrofe Nona – É feita com nove versos. 10) Estrofe Décima – Contendo dez versos. 11) Estrofe Livre ou Estrofe Polimétrica – Estrofe que apresenta mais de 10 versos. Estrofe irregular. FORMAS FIXAS: Soneto: poema formado por dois quartetos e dois tercetos, geralmente composto por versos decassílabos e de conteúdo lírico; Balada: poema formado por três oitavas e uma quadra; Rondel: poema formado por duas quadras e uma quintilha; Rondó: poema com estrofação uniforme de quadras; Sextina: poema formado por seis sextilhas e um terceto; Indriso: poema formado por dois tercetos e dois monóstico. Trova: poema monostrófico de quatro versos heptassilábicos. Haicai: poema monostrófico com três versos: dois pentassilábicos e um heptassilábico (o segundo).
  • 4. ANÁLISE DO POEMA (ESTRUTURA E CONTEÚDO) MOTIVO (Cecília Meireles) Eu canto porque o instante existe Se desmorono ou se edifico, e a minha vida está completa. se permaneço ou me desfaço, Não sou alegre nem sou triste: - não sei, não sei. Não sei se fico sou poeta. ou passo. Irmão das coisas fugidias, Sei /que/ can/to. E a /can/ção/ é /tu/(do). não sinto gozo nem tormento. Tem/ san/gue e/ter/no a a/as/ rit/ma/(da). Atravesso noites e dias E um/ di/a/ sei /que es/ta/rei/ mu/(do): no vento. - mais/ na/(da).  A estrutura do poema mostra que cada estrofe possui 3 primeiros versos com 8 sílabas e o final com duas. Isso acontece em todas elas. Assim: (1) Eu /can/to/ por/que-o-ins/tan/te-e/xis/te – 8 A (2) e-a/ mi/nha/ vi/da-es/tá/ com/ple/ta. – 8 B (3) Não/ sou/ a/le/gre/ nem/ sou/ tris/te: – 8 A (4) sou/ poe/ta. – 2 B  A estrofe é irregular, pois há número diferente de sílabas poéticas no último verso.  Oito sílabas métricas = denominado verso octossílabo.  Quanto à disposição das rimas (ABAB), são denominadas cruzadas.  A= Rica (verbo+adjetivo) e feminina/grave (paroxítona).  B= Rica (adjetivo +substantivo) e feminina/grave (paroxítona).  Verso irregular o quarto e regulares os três primeiros. Temos um quarteto.
  • 5. ANÁLISE DO POEMA (conteúdo e estrutura) Logo que iniciamos a leitura do poema, notamos que é todo elaborado em primeira pessoa, trata-se do ―eu‖ lírico, que se refere à subjetividade, ao íntimo, à descrição dos sentimentos. Observemos este exemplo. Eu canto porque o instante existe E a minha vida está completa Notamos também a presença de vários predicativos do sujeito, referindo-se à subjetividade do ―eu‖ lírico. Exemplificando: Não sou alegre nem sou triste: Sou poeta. No poema, como um todo, percebemos logo de início algumas das principais características da poesia de Cecília Meireles, tais como leveza e a delicadeza com que tematiza a passagem do tempo, a transitoriedade da vida e a fugacidade dos objetos, que parecem intocáveis em seus poemas, com uma linguagem altamente feminina, intuitiva e sensorial, decorrendo assim, um certo tom melancólico dos mesmos. Exemplo: Irmão de coisas fugidias Atravesso noites e dias no vento No último terceto do soneto, primeiro verso, há aliteração, o que sugere o ritmo da batida do coração, quando eterniza a música, a canção, enquanto a assonância da vogal /a/ sugere um sentimento de alegria do ―eu‖ lírico. Na primeira estrofe, o ―eu‖ lírico dá importância ao tempo presente, à criação do seu poema. Afirma que o poeta declara os sentimentos para as pessoas, mas o poeta é imparcial. No terceiro verso desta estrofe há uma antítese entre “alegre” X “triste”. O ―eu‖ lírico se contenta em ser apenas poeta, como afirma no quarto verso deste quarteto, apesar de a sua existência ser triste. Outra ocorrência importante e recorrente na obra de Cecília é o uso dos verbos ―existir‖ e ―ser‖, que sugerindo o tom existencialista de Cecília Meireles. Na segunda estrofe, chama a atenção ao valor que se dá às coisas passageiras, para que não nos prendamos a elas, pois passam como o vento. Deve -se agir como o poeta, que é livre, como o vento. Logo, não sente ―gozo‖ nem ―tormento‖. Em seu primeiro verso há assonância dos fonemas /a/, /i/, /o/ e a presença do fonema /s/, ocorrendo uma aliteração, que lembra a passagem do tempo, de forma rápida, com um vento, como diz o ―eu‖ lírico.
  • 6. Na terceira estrofe, percebemos um conflito interior, uma dúvida do ―eu‖ lírico, que não sabe qual decisão tomar: a de parar ou a de continuar. A dúvida com relação a sua existência permanece na repetição da expressão ―Não sei‖. Ocorre uma antítese entre as formas verbais ―fico‖ (terceiro verso) e ―passo‖ (quarto verso), pois a transitoriedade da vida mais uma vez é questionada. As formas “fico” (terceiro verso) e “edifico” (primeiro verso) estão rimando e nós podemos pensar que, enquanto vivemos, edificamos algo na terra, de ordem espiritual ou material, mas quando ―passamos‖, tudo se desfaz, como observamos na rima que acontece no segundo e no quarto versos. Na quarta estrofe, o ―eu‖ lírico reafirma a importância dada ao presente, ao tempo do ―agora‖, inicia- do na primeira estrofe, pois o poeta continua a cantar e diz que a canção é tudo, assim como o poema, porque são eternizados com o passar do tempo, assim como o voo ritmado das asas dos pássaros (comparação), enquanto que ele e nós somos finitos - um dia, ficaremos mudos e não seremos mais nada. A música, que muitos consideram desnecessária, será e é eterna, como o espírito. Esse poema é todo elaborado em antíteses, o que se pode observar em: ―alegre‖ # ―triste‖; ―noite‖ # ―dia‖; ―desmorono‖ # ―edifico‖; ―permaneço‖ # ―defaço‖; ―fico‖ # ―passo‖. Percebemos, então, que o poema é uma metáfora que representa a fugacidade da vida e como as pessoas a deixam passar, sem dar o real valor ao que realmente importa, também notamos a existência de um eufemismo nos terceiro e quarto versos da última estrofe, pois se evita a palavra morte, substituindo-a por uma expressão menos desagradável. Vejamos: E um dia sei que estarei mudo: - Mais nada. No segundo verso da quarta estrofe, aparece o hipérbato, que resulta da inversão na ordem natural das palavras relacionadas entre si, realçando a eternidade do espírito. Analisemos: Tem sangue eterno a asa ritmada Na primeira estrofe, há a rima do primeiro e terceiro versos e do segundo e do quarto versos (cruzadas). Na segunda estrofe ocorre o mesmo esquema: primeiro e terceiro versos e segundo e quarto versos. Na terceira estrofe: primeiro e terceiro versos. Na quarta estrofe: primeiro e terceiro versos e do segundo e quarto versos. Observamos, também, a existência da rima rica, ou seja, rimas entre palavras de classes gramaticais diferentes, na primeira estrofe, o primeiro e terceiro versos e segundo e quarto versos. Também, na segunda estrofe, o primeiro e terceiro versos. No restante do poema, constata-se a presença da rima pobre, isto é, rimas com palavras de classes gramaticais semelhantes.
  • 7. Notamos a existência do cavalgamento em duas partes do poema, ou seja, o sentido de um verso é interrompido no final do mesmo e vai completar-se no próximo: Não sou poeta nem sou triste: Sou poeta. Atravesso noites e dias no vento. Se permaneço ou me desfaço - Não sei, não sei. Não sei se fico ou passo. E um dia sei que estarei mudo: - mais nada. Ocorre a crase, ou seja, a fusão de sons semelhantes em: Eu canto porque o instante existe Se desmorono ou se edifico, se permaneço ou me desfaço Tem sangue eterno a asa ritmada. E uma dia sei que estarei mudo: O título Motivo pode significar uma esperança que o ―eu‖ lírico sente para poder continuar vivendo, apesar de conscientemente saber que ela, a vida, é uma passagem para um outro plano desconhecido. EXERCÍCIO DE ESCANSÃO E CLASSIFICAÇÃO DE RIMAS Escansão: Contagem de sílabas poéticas. Possui duas regras:
  • 8. 1. Contam-se as sílabas até a última sílaba tônica do verso. 2. No encontro entre vogais pode ocorrer crase ou ditongação. Rimas: podem ser classificadas quanto à disposição, quanto à acentuação/tonicidade e quanto à classe gramatical (qualidade). Exercício: faça a escansão de todos os poemas abaixo e classifique as rimas (de acordo com a disposição, acentuação e classe gramatical dos poemas (qualidade) 1, 2, 5, 7, 9, 10, 11 e 12. 1. Gregório de Matos Discreta e formosíssima Maria 2. Fernando Pessoa Enquanto estamos vendo O poeta é um fingidor claramente Finge tão completamente Na vossa ardente vista o sol Que chega a fingir que é dor ardente A dor que deveras sente. E na rosada face a Aurora fria. Rimas:_____________________ Rimas:_____________________ 3. Gonçalves Dias 4. Construção (Chico Buarque) Esta noite – era a lua já morta - Anhangá me vedava sonhar; Amou daquela vez como se fosse a última Eis na horrível caverna, que Beijou sua mulher como se fosse a última habito, E cada filho seu como se fosse o único Rouca voz começou-me a E atravessou a rua com seu passo tímido Subiu a construção como se fosse máquina chamar. Ergueu no patamar quatro paredes sólidas Tijolo com tijolo num desenho mágico. Rimas:_____________________ Rimas: ____________________ 5. Luís Vaz de Camões Mas um velho de aspecto venerando,
  • 9. Que ficava nas praias, entre a gente, Postos em nós os olhos, meneando Três vezes a cabeça, descontente, A voz pesada um pouco alevantando Que nós no mar ouvimos claramente C’um saber só de experiências feito, Tais palavras tirou do esperto peito: Rimas:__________________________ 6. Carlos Drummond de Andrade Com a chave na mão 7. Sílvia Araújo Mota Quer abrir a porta, Não existe porta; Amadurecimento? Quer morrer no mar, Da lei, a aplicação? Mas o mar secou; Riqueza, crescimento? Quer ir para Minas, Progresso da Nação? Minas não há mais, José, e agora. Rimas:_____________________ Rimas:____________________ 8. João Cabral de Melo Neto 9. Gonçalves Dias Um ferrageiro de Carmona, Já silva, já ruge do vento o pegão; que me informava de um balcão: Estorcem-se os leques dos verdes palmares, Volteiam, rebramam, doudejam nos ares, “Aquilo? É de ferro fundido, Até que lascados baqueiam no chão. foi a forma que fez, não a mão. Rimas:________________________ Rimas:_______________________ 10. Alberto de Oliveira ―Ora (direis) ouvir estrelas! Certo Estranho mimo aquele vaso! Vi-o, Perdeste o senso!‖ E eu vos direi, no Casualmente, uma vez, de um perfumado entanto, Contador sobre o mármor luzidio, Que, para ouvi-Ias, muita vez desperto Entre um leque e o começo de um bordado. E abro as janelas, pálido de espanto… Rimas:________________________ Rimas:________________________ 11. Olavo Bilac 12. Augusto dos Anjos
  • 10. Vês! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última quimera. Somente a Ingratidão – esta pantera – Foi tua companheira inseparável! Rimas:____________________________________________________