SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO EDUCACIONAL GUARANY
ENFERMAGEM EM SAÚDE
COLETIVA
Prof. Tatianna da Silva Pereira
POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA
NO BRASIL
PROGRAMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE
POLÍTICA PÚBLICA
 “ Podemos dizer que política pública é a
materialização da ação do Estado.”
(Figueiredo, 2005)
 No caso da saúde, temos políticas públicas
que se materializam na forma de Programas
de Atenção à Saúde.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 PAISA – Programa de Atenção Integral à
Saúde do Adulto (priorização de agravos
específicos como hipertensão arterial,
diabetes mellitus, tuberculose).
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 PAISM – Programa de Atenção à Saúde da
Mulher através de atividades de assistência
clínico-ginecológica, assistência pré-natal e
assistência ao parto e puerpério imediato.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 PAISC – Programa de Atenção Integral à Saúde da
Criança com enfoque nas ações básicas de saúde de alto
custo-efetividade – acompanhamento do crescimento e
desenvolvimento, aleitamento materno e orientação para
o desmame, controle de doenças diarréicas, de infecções
respiratórias agudas e de doenças que se podem prevenir
por imunização
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 PROSAD – Programa de Atenção à Saúde do
Adolescente, fundamentado em áreas prioritárias
como o acompanhamento do crescimento e do
desenvolvimento, a sexualidade, a saúde bucal, a
saúde mental, a saúde reprodutiva, a saúde do
escolar adolescente, a prevenção de acidentes, o
trabalho cultural, o lazer e o esporte.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 PAST – Programa de Atenção à Saúde do
Trabalhador estruturado em ações que
objetivam a promoção, proteção, recuperação
e reabilitação de todos os trabalhadores
submetidos aos riscos e agravos advindos das
condições de trabalho.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 PAISI – Programa de Assistência Integral à Saúde
do Idoso, cujo objetivo fundamental é “conseguir a
manutenção de um estado de saúde com a finalidade
de atingir um máximo de vida ativa, na comunidade,
junto à família, com o maior grau possível de
independência funcional e autonomia” (MS, 2001).
Envolve um conjunto de ações voltadas para
promoção, prevenção e recuperação da saúde ou
manutenção de uma qualidade de vida.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
PROGRAMAS E PROJETOS
DESENVOLVIDOS RECENTEMENTE
PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE
 BRASIL SORRIDENTE – Programa cujas ações
têm por objetivo melhorar as condições de saúde
bucal da população brasileira.
 FARMÁCIA POPULAR – visa ampliar o acesso
da população aos medicamentos considerados
essenciais.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de
Urgência)-consiste em um atendimento pré-
hospitalar com assistência prestada em um
primeiro nível de atenção, fora do ambiente
hospitalar.
 PROGRAMA NACIONAL DE COMBATE À
DENGUE – visa diminuir a incidência do número
de casos de dengue no país.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE – objetiva
facilitar o atendimento ao usuário (marcação de
consultas, realização de exames).
 PROGRAMA DE VOLTA PARA CASA-
Programa de reintegração social de pessoas
acometidas de transtornos mentais egressas de
longas internações. Tem como parte integrante o
pagamento do auxílio-reabilitação psicossocial.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 PROGRAMA DE CONTROLE DO
TABAGISMO E OUTROS FATORES DE
RISCO DE CÂNCER
Tem como objetivo a prevenção de doenças na
população através de ações que estimulem a
adoção de comportamentos de estilos de vida
saudáveis e que contribuam para a redução da
incidência e mortalidade por câncer e doenças
tabaco-relacionadas no país.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 HUMANIZASUS – proposta de uma nova
relação entre o usuário, os profissionais que o
atendem e à comunidade. Visa agilizar o
atendimento e melhorar a qualidade dos serviços.
 QUALISUS – conjunto de mudanças que visa
proporcionar maior conforto para o usuário,
atendimento de acordo com o grau de risco,
atenção mais efetiva pelos profissionais de saúde e
menor tempo de permanência no hospital.
PROGRAMAS DO MINISTÉRIO
DA SAÚDE
 MULTIPLICASUS
Seu objetivo é proporcionar a discussão
sobre o SUS entre trabalhadores, ampliar o
conhecimento em saúde e formar sujeitos
responsáveis pelo seu processo de trabalho.
CONCEITOS
 ATENÇÃO BÁSICA: “A Atenção Básica
caracteriza-se por um conjunto de ações de
saúde, no âmbito individual e coletivo, que
abrangem a promoção e a proteção da
saúde, a prevenção de agravos, o
diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a
manutenção da saúde” (MS, 2007)
 Estratégia de Saúde da Família: visa a
reorientação do modelo assistencial, operacionalizada
mediante a implantação de equipes multiprofissionais em
UBS. Atuam com ações de promoção da saúde, prevenção,
recuperação, reabilitação de doenças e agravos mais
freqüentes, e na manutenção da saúde. A responsabilidade
pelo acompanhamento das famílias coloca para as equipes
de saúde da família a necessidade de ultrapassar os limites
classicamente definidos para a atenção básica,
especialmente no contexto do SUS.
CONCEITOS
CONCEITOS
 PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA
Surgiu como um programa do MS em
1994, em virtude das propostas de
descentralização e municipalização dos
serviços de saúde do SUS.
O PROGRAMA DE SAÚDE DA
FAMÍLIA
O PSF valoriza os princípios de:
 Vinculação com a população;
 Garantia de integridade na atenção;
 Trabalho em equipe com enfoque
interdisciplinar;
 Ênfase na promoção da saúde com
fortalecimento das ações inter-setoriais;
 Estímulo à participação da comunidade.
O PROGRAMA DE SAÚDE DA
FAMÍLIA
Composição mínima de equipe de Unidade
de Saúde da Família (USF):
 01 médico de família;
 01 enfermeiro;
 01 auxiliar ou técnico de enfermagem;
 06 agentes comunitários de saúde.
O PROGRAMA DE SAÚDE DA
FAMÍLIA
 Equipe de PSF ampliada
Toda a equipe mínima mais 01 dentista, 01
auxiliar de consultório dentário e 01 técnico
em higiene dental
O PROGRAMA DE SAÚDE DA
FAMÍLIA
Responsabilidades do PSF
 Acompanhamento de saúde de cerca de 3
mil a 4,5 mil pessoas ou mil famílias de
uma determinada área;
 Atuar além do contexto da Unidade de
Saúde nas residências e junto à comunidade
O PROGRAMA DE SAÚDE DA
FAMÍLIA
Responsabilidades do PSF
 Estabelecer vínculos de compromisso com a
população através do estímulo a
organização das comunidades para exercer
o controle social das ações e serviços de
saúde.
O PROGRAMA DE SAÚDE DA
FAMÍLIA
 Desenvolver, em sua rotina de trabalho, atividades
com grupos nas diferentes fases da vida e conforme
demanda da população local, dentre os quais
podemos citar: saúde da mulher, saúde da criança,
ações de vigilância epidemiológica, atenção
domiciliar e atividades educativas com idosos,
adolescentes, hipertensos, diabéticos e desnutridos.
O PROGRAMA DE SAÚDE DA
FAMÍLIA
GESTÃO
 Departamento de Atenção Básica (DAB):
estrutura vinculada a Secretaria de Atenção
à Saúde, do MS, com função institucional
de operacionalizar a Política de Saúde da
Família no âmbito da gestão federal do
SUS. A execução dessa política é
compartilhada por estados e municípios.
NÚMEROS DA SAÚDE DA
FAMÍLIA
RESULTADOS ALCANÇADOS EM 2005
(FÍSICO E FINANCEIRO)
Equipes de Saúde da Família
Total de Equipes de Saúde da Família implantadas: 24.600
Total de municípios: 4.986
Cobertura populacional: cobrindo 44,4% da população
brasileira, o que corresponde a cerca de 78,6 milhões
de pessoas
NÚMEROS DA SAÚDE DA
FAMÍLIA
RESULTADOS ALCANÇADOS EM 2005
(FÍSICO E FINANCEIRO)
Equipes de Saúde Bucal
Total de Equipes de Saúde Bucal implantadas: 12,6 mil
Total de municípios: 3,9 mil municípios
Cobertura populacional: 34,9% da população brasileira, o que
corresponde a cerca de 61,8 milhões de pessoas.
NÚMEROS DA SAÚDE DA
FAMÍLIA
NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA
(FÍSICO E FINANCEIRO)
Agentes Comunitários de Saúde
Total de Agentes Comunitários de Saúde: 208 mil
Total de municípios: 5,2 mil municípios
Cobertura populacional: 58,4% da população brasileira, o
que corresponde a cerca de 103,5 milhões de pessoas.
NÚMEROS DA SAÚDE DA
FAMÍLIA
NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA
(FÍSICO E FINANCEIRO)
EM 2005 FORAM INVESTIDOS NA
ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA
R$ 2.679,27 MILHÕES
NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA
Evolução do Número de Municípios com Equipes de
Saúde da Família Implantadas
BRASIL - 1994 – FEVEREIRO/2007
NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA
Evolução da População Coberta por Equipes de Saúde da
Família Implantadas
BRASIL - 1994 – FEVEREIRO/2007
NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA
Evolução do Número de Municípios com Agentes
Comunitários de Saúde Implantados
BRASIL - 1994 - FEVEREIRO/2007
NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA
Evolução do Número de Equipes de Saúde Bucal
BRASIL - 2001 - FEVEREIRO/2007
NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA
Evolução dos Recursos Financeiros da Atenção Básica
BRASIL - 2000 - 2006
BIBLIOGRAFIA
 FIGUEIREDO, Nébia Maria Almeida de (Org.).
Ensinando a cuidar em Saúde Pública. São Caetano do Sul:
Difusão Enfermagem, 2004, p. 255 – 339.
 MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Atenção
Básica (DAB). Atenção Básica Saúde da Família.
Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/dab/atencaobasica.php.
Acesso em: 03 de abril de 2007.
BIBLIOGRAFIA
 SILVA, Pâmela Migliorini Claudino da. Educação
Permanente como estratégia para humanização
na saúde de Guará/SP. 2005, 133 f. Trabalho de
Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social)
– Faculdade de História, Direito, Serviço Social e
Relações Internacionais, Universidade Estadual
Paulista, Franca, 2005.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt

COMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptx
COMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptxCOMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptx
COMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptx
CELEYCOELHODESOUZA
 
Caderno de Atenção Básica nº 22
Caderno de Atenção Básica nº 22Caderno de Atenção Básica nº 22
Caderno de Atenção Básica nº 22
Tâmara Lessa
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Giza Carla Nitz
 
AULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptxAULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptx
CarlaAlves362153
 
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
CarlaAlves362153
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
MarianeBarbosa26
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
ItauanaAlmeida1
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
ItauanaAlmeida1
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
Eduardo Júnior
 
Serviços
ServiçosServiços
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
Juliana Braga
 
Abcad12
Abcad12Abcad12
Atencao obesidade
Atencao obesidadeAtencao obesidade
Atencao obesidade
Roselle Matos
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
Bi_Oliveira
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
JessiellyGuimares
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
bel_c
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Laíz Coutinho
 
auxiliar de saúde bucal.pdf
auxiliar de saúde bucal.pdfauxiliar de saúde bucal.pdf
auxiliar de saúde bucal.pdf
sumaya Sobrenome
 
Apostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[ude
Apostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[udeApostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[ude
Apostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[ude
WaldsonNunes
 
Epidemiology Control Center by Slidesgo.pptx
Epidemiology Control Center by Slidesgo.pptxEpidemiology Control Center by Slidesgo.pptx
Epidemiology Control Center by Slidesgo.pptx
MarcelinoAraujo3
 

Semelhante a 3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt (20)

COMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptx
COMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptxCOMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptx
COMPOSIÇÃO ubs ^Jesf (1).pptx
 
Caderno de Atenção Básica nº 22
Caderno de Atenção Básica nº 22Caderno de Atenção Básica nº 22
Caderno de Atenção Básica nº 22
 
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdfAula 14 - SAUDE COLETIVA -  Programa Saúde da Família.pdf
Aula 14 - SAUDE COLETIVA - Programa Saúde da Família.pdf
 
AULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptxAULA 2 - PNAB.pptx
AULA 2 - PNAB.pptx
 
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptxAULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
AULA 3- Programas-de-Saúde.pptx
 
Aula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptxAula Saude da família.pptx
Aula Saude da família.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
SAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptxSAÚDE COLETIVA.pptx
SAÚDE COLETIVA.pptx
 
Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)Atencao basica-psf (1)
Atencao basica-psf (1)
 
Serviços
ServiçosServiços
Serviços
 
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
1 - Atencao Nutricional SUS_SC_nov._2017.pdf
 
Abcad12
Abcad12Abcad12
Abcad12
 
Atencao obesidade
Atencao obesidadeAtencao obesidade
Atencao obesidade
 
Trabalho plano municipal
Trabalho plano municipalTrabalho plano municipal
Trabalho plano municipal
 
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, avPOLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
POLÍTICAS DE SAÚDE NO BRASIL historia, av
 
Bases legais na saúde pública
Bases legais na saúde públicaBases legais na saúde pública
Bases legais na saúde pública
 
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º períodoSeminário saúde coletiva enfermagem 8º período
Seminário saúde coletiva enfermagem 8º período
 
auxiliar de saúde bucal.pdf
auxiliar de saúde bucal.pdfauxiliar de saúde bucal.pdf
auxiliar de saúde bucal.pdf
 
Apostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[ude
Apostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[udeApostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[ude
Apostila Auxiliar de Saúde Bucal a sa[ude
 
Epidemiology Control Center by Slidesgo.pptx
Epidemiology Control Center by Slidesgo.pptxEpidemiology Control Center by Slidesgo.pptx
Epidemiology Control Center by Slidesgo.pptx
 

Mais de Gladys126266

TEMA-8-APENDICITIS.ppt
TEMA-8-APENDICITIS.pptTEMA-8-APENDICITIS.ppt
TEMA-8-APENDICITIS.ppt
Gladys126266
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
Gladys126266
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
Gladys126266
 
FILE000.PPTX
FILE000.PPTXFILE000.PPTX
FILE000.PPTX
Gladys126266
 
2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx
2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx
2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx
Gladys126266
 
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.pptDOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
Gladys126266
 

Mais de Gladys126266 (6)

TEMA-8-APENDICITIS.ppt
TEMA-8-APENDICITIS.pptTEMA-8-APENDICITIS.ppt
TEMA-8-APENDICITIS.ppt
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
 
Aula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdfAula Períodos Clínicos.pdf
Aula Períodos Clínicos.pdf
 
FILE000.PPTX
FILE000.PPTXFILE000.PPTX
FILE000.PPTX
 
2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx
2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx
2da aula ENFERMAGEM SAUDE COLETIVA.pptx
 
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.pptDOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
DOENÇAS INFECCIOSAS E PARASITÁRIAS.ppt
 

Último

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 

Último (8)

Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 

3. PROGRAMAS DE SAÚDE.ppt

  • 1. CENTRO EDUCACIONAL GUARANY ENFERMAGEM EM SAÚDE COLETIVA Prof. Tatianna da Silva Pereira
  • 2. POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL PROGRAMAS DE ATENÇÃO À SAÚDE
  • 3. POLÍTICA PÚBLICA  “ Podemos dizer que política pública é a materialização da ação do Estado.” (Figueiredo, 2005)  No caso da saúde, temos políticas públicas que se materializam na forma de Programas de Atenção à Saúde.
  • 4. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  PAISA – Programa de Atenção Integral à Saúde do Adulto (priorização de agravos específicos como hipertensão arterial, diabetes mellitus, tuberculose).
  • 5. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  PAISM – Programa de Atenção à Saúde da Mulher através de atividades de assistência clínico-ginecológica, assistência pré-natal e assistência ao parto e puerpério imediato.
  • 6. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  PAISC – Programa de Atenção Integral à Saúde da Criança com enfoque nas ações básicas de saúde de alto custo-efetividade – acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, aleitamento materno e orientação para o desmame, controle de doenças diarréicas, de infecções respiratórias agudas e de doenças que se podem prevenir por imunização
  • 7. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  PROSAD – Programa de Atenção à Saúde do Adolescente, fundamentado em áreas prioritárias como o acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento, a sexualidade, a saúde bucal, a saúde mental, a saúde reprodutiva, a saúde do escolar adolescente, a prevenção de acidentes, o trabalho cultural, o lazer e o esporte.
  • 8. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  PAST – Programa de Atenção à Saúde do Trabalhador estruturado em ações que objetivam a promoção, proteção, recuperação e reabilitação de todos os trabalhadores submetidos aos riscos e agravos advindos das condições de trabalho.
  • 9. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  PAISI – Programa de Assistência Integral à Saúde do Idoso, cujo objetivo fundamental é “conseguir a manutenção de um estado de saúde com a finalidade de atingir um máximo de vida ativa, na comunidade, junto à família, com o maior grau possível de independência funcional e autonomia” (MS, 2001). Envolve um conjunto de ações voltadas para promoção, prevenção e recuperação da saúde ou manutenção de uma qualidade de vida.
  • 10. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE PROGRAMAS E PROJETOS DESENVOLVIDOS RECENTEMENTE PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE  BRASIL SORRIDENTE – Programa cujas ações têm por objetivo melhorar as condições de saúde bucal da população brasileira.  FARMÁCIA POPULAR – visa ampliar o acesso da população aos medicamentos considerados essenciais.
  • 11. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência)-consiste em um atendimento pré- hospitalar com assistência prestada em um primeiro nível de atenção, fora do ambiente hospitalar.  PROGRAMA NACIONAL DE COMBATE À DENGUE – visa diminuir a incidência do número de casos de dengue no país.
  • 12. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  CARTÃO NACIONAL DE SAÚDE – objetiva facilitar o atendimento ao usuário (marcação de consultas, realização de exames).  PROGRAMA DE VOLTA PARA CASA- Programa de reintegração social de pessoas acometidas de transtornos mentais egressas de longas internações. Tem como parte integrante o pagamento do auxílio-reabilitação psicossocial.
  • 13. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  PROGRAMA DE CONTROLE DO TABAGISMO E OUTROS FATORES DE RISCO DE CÂNCER Tem como objetivo a prevenção de doenças na população através de ações que estimulem a adoção de comportamentos de estilos de vida saudáveis e que contribuam para a redução da incidência e mortalidade por câncer e doenças tabaco-relacionadas no país.
  • 14. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  HUMANIZASUS – proposta de uma nova relação entre o usuário, os profissionais que o atendem e à comunidade. Visa agilizar o atendimento e melhorar a qualidade dos serviços.  QUALISUS – conjunto de mudanças que visa proporcionar maior conforto para o usuário, atendimento de acordo com o grau de risco, atenção mais efetiva pelos profissionais de saúde e menor tempo de permanência no hospital.
  • 15. PROGRAMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE  MULTIPLICASUS Seu objetivo é proporcionar a discussão sobre o SUS entre trabalhadores, ampliar o conhecimento em saúde e formar sujeitos responsáveis pelo seu processo de trabalho.
  • 16.
  • 17. CONCEITOS  ATENÇÃO BÁSICA: “A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que abrangem a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico, o tratamento, a reabilitação e a manutenção da saúde” (MS, 2007)
  • 18.  Estratégia de Saúde da Família: visa a reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes multiprofissionais em UBS. Atuam com ações de promoção da saúde, prevenção, recuperação, reabilitação de doenças e agravos mais freqüentes, e na manutenção da saúde. A responsabilidade pelo acompanhamento das famílias coloca para as equipes de saúde da família a necessidade de ultrapassar os limites classicamente definidos para a atenção básica, especialmente no contexto do SUS. CONCEITOS
  • 19. CONCEITOS  PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Surgiu como um programa do MS em 1994, em virtude das propostas de descentralização e municipalização dos serviços de saúde do SUS.
  • 20. O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA O PSF valoriza os princípios de:  Vinculação com a população;  Garantia de integridade na atenção;  Trabalho em equipe com enfoque interdisciplinar;  Ênfase na promoção da saúde com fortalecimento das ações inter-setoriais;  Estímulo à participação da comunidade.
  • 21. O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Composição mínima de equipe de Unidade de Saúde da Família (USF):  01 médico de família;  01 enfermeiro;  01 auxiliar ou técnico de enfermagem;  06 agentes comunitários de saúde.
  • 22. O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA  Equipe de PSF ampliada Toda a equipe mínima mais 01 dentista, 01 auxiliar de consultório dentário e 01 técnico em higiene dental
  • 23. O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Responsabilidades do PSF  Acompanhamento de saúde de cerca de 3 mil a 4,5 mil pessoas ou mil famílias de uma determinada área;  Atuar além do contexto da Unidade de Saúde nas residências e junto à comunidade
  • 24. O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Responsabilidades do PSF  Estabelecer vínculos de compromisso com a população através do estímulo a organização das comunidades para exercer o controle social das ações e serviços de saúde.
  • 25. O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA  Desenvolver, em sua rotina de trabalho, atividades com grupos nas diferentes fases da vida e conforme demanda da população local, dentre os quais podemos citar: saúde da mulher, saúde da criança, ações de vigilância epidemiológica, atenção domiciliar e atividades educativas com idosos, adolescentes, hipertensos, diabéticos e desnutridos.
  • 26. O PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA GESTÃO  Departamento de Atenção Básica (DAB): estrutura vinculada a Secretaria de Atenção à Saúde, do MS, com função institucional de operacionalizar a Política de Saúde da Família no âmbito da gestão federal do SUS. A execução dessa política é compartilhada por estados e municípios.
  • 27. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA RESULTADOS ALCANÇADOS EM 2005 (FÍSICO E FINANCEIRO) Equipes de Saúde da Família Total de Equipes de Saúde da Família implantadas: 24.600 Total de municípios: 4.986 Cobertura populacional: cobrindo 44,4% da população brasileira, o que corresponde a cerca de 78,6 milhões de pessoas
  • 28. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA RESULTADOS ALCANÇADOS EM 2005 (FÍSICO E FINANCEIRO) Equipes de Saúde Bucal Total de Equipes de Saúde Bucal implantadas: 12,6 mil Total de municípios: 3,9 mil municípios Cobertura populacional: 34,9% da população brasileira, o que corresponde a cerca de 61,8 milhões de pessoas.
  • 29. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA (FÍSICO E FINANCEIRO) Agentes Comunitários de Saúde Total de Agentes Comunitários de Saúde: 208 mil Total de municípios: 5,2 mil municípios Cobertura populacional: 58,4% da população brasileira, o que corresponde a cerca de 103,5 milhões de pessoas.
  • 30. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA (FÍSICO E FINANCEIRO) EM 2005 FORAM INVESTIDOS NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA R$ 2.679,27 MILHÕES
  • 31. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA Evolução do Número de Municípios com Equipes de Saúde da Família Implantadas BRASIL - 1994 – FEVEREIRO/2007
  • 32. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA Evolução da População Coberta por Equipes de Saúde da Família Implantadas BRASIL - 1994 – FEVEREIRO/2007
  • 33. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA Evolução do Número de Municípios com Agentes Comunitários de Saúde Implantados BRASIL - 1994 - FEVEREIRO/2007
  • 34. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA Evolução do Número de Equipes de Saúde Bucal BRASIL - 2001 - FEVEREIRO/2007
  • 35. NÚMEROS DA SAÚDE DA FAMÍLIA Evolução dos Recursos Financeiros da Atenção Básica BRASIL - 2000 - 2006
  • 36. BIBLIOGRAFIA  FIGUEIREDO, Nébia Maria Almeida de (Org.). Ensinando a cuidar em Saúde Pública. São Caetano do Sul: Difusão Enfermagem, 2004, p. 255 – 339.  MINISTÉRIO DA SAÚDE. Departamento de Atenção Básica (DAB). Atenção Básica Saúde da Família. Disponível em: http://dtr2004.saude.gov.br/dab/atencaobasica.php. Acesso em: 03 de abril de 2007.
  • 37. BIBLIOGRAFIA  SILVA, Pâmela Migliorini Claudino da. Educação Permanente como estratégia para humanização na saúde de Guará/SP. 2005, 133 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) – Faculdade de História, Direito, Serviço Social e Relações Internacionais, Universidade Estadual Paulista, Franca, 2005.