SlideShare uma empresa Scribd logo
FILO ARTHROPODA
Subfilo Trilobitomorpha (Trilobitas – extintos)
Subfilo Crustacea (caranguejos, lagostas,
tatuzinho-de –jardim)
Subfilo Hexapoda (insetos)
Subfilo Myriapoda (lacraias, piolho-de-cobra)
Subfilo Cheliceriformes (aranhas, escorpiões,
ácaros, aranhas-do-mar)
• Os artrópodes e anelídeos juntamente com os
onicóforos e tardígrades, têm sido, há um longo
tempo, considerados como grupos que compartilham
laços evolutivos íntimos;
• E a maior parte das evidências sugere que
esses 4 filos constituem um clado derivado de
um ancestral segmentado comum originado
no Pré-cambriano.
• As similaridades entre anelídeos e artrópodes
estão refletidas mais notavelmente na:
–metamerização do corpo,
–no desenvolvimento embrionário e
–na arquitetura geral do sistema nervoso.
• As principais diferenças entre esses 2 filos
(anelídeos e artrópodes) derivam
amplamente da invenção de:
• Um exoesqueleto rígido nos artrópodes;
–levou ao aparecimento de uma hemocele e
de apêndices articulados.
• ARTROPÓDES SEGMENTADOS
 tendência redução segmentação de muitos grupos
– ácaros desapareceu;
 perda segmentação ocorreu 3 maneiras:
desaparecimento, fusão, transformação em
apêndices (diferenciados);
• SISTEMA NERVOSO
 cérebro anterior dorsal com cordão nervoso
ventral, gânglios (segmentos);
• GRANDE SUCESSO DOS ARTRÓPODES
• Relacionado a evolução dos apêndices;
• Especialização funcional dos apêndices – adaptação
para muitas funções além da locomoção;
• Músculos estriados transversais pareados com os
apêndices rígidos – movimentação mais rápida;
• Mudas do exoesqueleto;
• Metamorfose.
• Características:
– Bilaterais;
triploblásticos;
protostômios;
– Corpo segmentado
(interna e externa);
– Corpo formado:
• 2 regiões: cefalotórax e
abdome (aracnídeos);
• 3 regiões: cabeça, tórax
e abdome (insetos).
– Patas articuladas.
• Parede do corpo
• Cavidade do corpo é uma hemocele aberta;
• Órgãos são banhados pelo líquido hemocelomático, ou
sangue ou hemolinfa (água e compostos orgânicos)
• Parede do corpo composta por cutícula disposta em
camadas e secretada pela epiderme;
• Cada segmento do corpo está “encaixotado” por placas
esqueléticas – os escleritos;
– Esclerito dorsal – TERGITO e esclerito ventral – ESTERNITO.
• Regiões laterais ou PLEURAS – são áreas não-esclerotizadas
flexíveis.
• Pernas e asas articulam-se nas pleuras.
• Feixes da musculatura
estão presos a pontos
nos quais as
superfícies internas
dos escleritos
projetam-se para
dentro na forma de
cristas ou tubérculos
– os apódemas
• Cutícula é composta por quitina e proteínas e formada pela:
• Epicutícula apresenta múltiplas camadas;
• Procutícula (proteína e quitina) mais espessa:
exocutícula e endocutícula
(cuticulina)
• Epicutícula apresenta múltiplas camadas:
– Camada externa é lipoprotéica protetora - camada
de cimento;
– Camada de cera – desenvolvida em aracnídeos e
insetos – evitam a perda de água e proteção contra
invasão de bactérias;
– Camada interna – de cuticulina (proteínas) bem
desenvolvida nos insetos envolvida no
endurecimento do exoesqueleto;
– Desenvolvimento da epicutícula foi crítico para
invasão dos ambientes terrestre e de água-doce.
• COR - deposição de melanina (colorida) da cutícula;
– cromatóforos
• EXOESQUELETO – características distinguível dos
artrópodes
• esqueleto quitinoso ou cutícula – recobre o corpo
– cutícula - fina e flexível (larvas insetos)
– cutícula – espessa e rígida (maioria)
• Movimento é possível – pelo exoesqueleto estar
dividido em placas que se conectam por membrana fina
e flexível;
• Fusão segmentos – corpo constituído em regiões ou
TAGMOS .
• EX. abelha – cabeça, tórax e abdome
SUSTENTAÇÃO E LOCOMOÇÃO
– Camadas musculares não funcionam na presença de
exoesqueleto;
– Músculos estão organizados em feixes curtos que se
estendem entre um segmento do corpo e outro ou através
das articulações dos apêndices.
– Extensão e flexão – contração muscular e cutícula agem
juntas – sistema de alavanca;
• Articulações entre o corpo e os apêndices dos
segmentos ocorrem através de pontes formadas por:
– áreas de cutícula muito fina e flexível, a procuticula é
muito reduzida e não-endurecida = membranas
artrodiais ou articulares
• Esqueleto cuticular dos apêndices e do corpo dividido:
– partes tubulares conectadas entre si por membranas
articulares criando uma articulação – daí nome arthropoda
(pés articulados);
• EXOESQUELETO PROBLEMA DURANTE CRESCIMENTO
• Solução evoluída – eliminação periódica do esqueleto – MUDA
ou ECDISE ;
• Estágio entre as mudas chamado INSTARES;
• Animal mais velho - comprimento instares maior ;
• Lagostas e camarões mudam toda vida;
• Copépodes e caranguejos crescimento cessa num
determinado ponto;
• Inseto muda está associada a metamorfose – adultos não
sofrem mudas;
• Aranhas – nº instares fixo – último atingido ma maturidade
sexual .
Crescimento tecido animal preenche
envoltório do exoesqueleto animal entra
estado de PRÉ-MUDA;
Glândulas da epiderme secretam ENZIMAS
que digerem a ENDOCUTÍCULA antiga 
separando exoesqueleto da epiderme;
Em muitos crustáceos parte cálcio é removida
e armazenada para ser redepositada;
Cutícula mais solta e fina  epiderme começa
secretar NOVA CUTÍCULA.
Animal descarta a velha  que se abre na
linhas do corpo;
Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais
PERÍODO DE MUDA OU ECDISE (crustáceos e
hexápodes)
É controlada por um hormônio denominado
ECDISONA.
Nos crustáceos a ECDISONA é secretada pelo
ÓRGÃO Y (glândula endócrina) localizada na
base das antenas ou próxima as peças bucais.
Atividade do ÓRGÃO Y é controlada por um
mecanismo neurossecretor localizado
próximo ao olho.
PERÍODO DE INTERMUDA
Hormônio inibidor de muda (MIH) produzido por
células neurossecretoras do ÓRGÃO X localizado
na região do nervo do pedúnculo ocular.
MIH é transportado por axônios até uma área de
armazenamento denominado glândula do seio a
qual parece controlar a liberação de MIH no
sangue.
Enquanto níveis suficientes de MIH estiveram
presentes no sangue, a produção de ecdisona
pelo ÓRGÃO Y é inibida.
• Pré-muda é ativada e as demais fases de muda
são iniciadas por uma entrada sensorial no
sistema nervoso central.
• Estímulo externo em lagostin –
comprimento do dia ou fotoperíodo;
• Estímulo interno em certos caranguejos -
crescimento dos tecidos internos;
• Estímulos externos são transmitidos através do
sistema nervoso central até a medulla terminalis
(órgão X).
• Estímulos apropriados inibem a produção do MIH
resultando na produção da ecdisona e no início de
um novo ciclo de mudas.
Estruturas circulatórias associadas as trocas gasosas.
Arranjo dos seios hemocelomáticos;
Comprimento e números de vasos;
Número de óstios;
Forma e tamanho do coração;
As diferenças dependem do tamanho e da forma do corpo e incluem:
Complexidade do SISTEMA CIRCULATÓRIO varia muito entre os artrópodes.
• CIRCULAÇÃO - Sistema de
hemocele aberta;
• Coração musculoso;
• Sangue é impulsionado da câmara
do coração através de vasos curtos
até a hemocele onde banha os
órgãos.
• Sangue retorna ao coração através
de seio pericárdico e de
perfurações da parede do coração
– os óstios;
• Através de um gradiente
decrescente de pressão resultante
da pressão mais baixa que ocorre
no seio pericárdico quando o
coração se contrai.
• Sangue ou hemolinfa serve para:
– Transporte de nutrientes, resíduos e gases;
– Apresentam tipos de amebócitos – agentes de
coagulação;
– Sangue de muitos artrópodes é incolor – apenas
transportam gases;
– As formas maiores contém hemocianina
(pigmento azulado que contêm cobre) e poucos
contém hemoglobina dissolvidos na hemolinfa.
• Troca Gasosa
• Sistema Traqueal – mecanismo
de respiração + eficaz dos
invertebrados terrestres;
• Formado por evaginações
tubulares da epiderme (túbulos
ramificados) no interior do
corpo;
• Se abrem para meio externo
por meio de espiráculos (poros)
que conduzem ar direto para
tecidos e células;
• Brânquias – aquáticos;
– Forma de evaginações ramificadas ou dobradas
da parede da cutícula fornecendo áreas maiores.
– Parece fina preenchidas por hemolinfa.
• Pulmões foliáceos – terrestres – aracnídeos
– Compostos por bolsas com paredes finas e muito
dobradas, denominadas lamelas que se abrem
nos espiráculos.
• ÓRGÃOS EXCRETORES
• TÚBULOS DE MALPIGHI – invaginações tubulares cegas
do intestino que repousam dentro de hemocele (espaço
preenchido por sangue) – Insetos e aracnídeos;
Extremidade livre do tubo é
fechada e está mergulhada
na hemocele, ocorrendo a
filtração através da parede.
Células da parede do
tubo transportam ácido
úrico da hemolinfa para
o seu interior e recolhe a
água.
Filtrado é conduzido ao
reto onde são
reabsorvidos parte dos
sais;
Ácido úrico restante precipita
devido à diferença de pH ao
longo do tubo;
Eliminado com as fezes, pasta semi-seca,
muito eficiente do ponto de vista de
regulação hídrica em meio seco.
• SÁCULOS CEGOS (nefrídios) pareados que se abrem
por meio de ductos para lado externo do corpo
adjacente ao apêndice. Animais aquáticos.
• Crustáceos adultos – um par de nefrídios persiste
associados a segmentos particulares da cabeça
(glândulas antenais ou maxilares).
• Aracnídeos – podem existir 4 pares de nefrídios que
se abrem na base das patas (glândulas coxais).
• TRATO DIGESTIVO - completo
• intestino anterior (estomodeu - revestido de quitina) –
ingestão, trituração e armazenamento – partes modificadas
dependendo da dieta
• intestino médio – produção, digestão e absorção de enzimas
• área aumentada por evaginações formando glândulas
digestivas;
• intestino posterior – absorção de água e formação de fezes
(proctodeu revestido de quitina).
• CÉREBRO
• alto grau de cefalização;
• órgãos sensoriais bem desenvolvidos (olhos , antenas);
• cérebro consiste 3 regiões: PROTOCÉREBRO (gânglio
anterior), DEUTOROCÉREBRO (gânglio médio)
TRITOCÉREBRO (gânglio posterior);
• Protocérebro – nervos ópticos;
• Deuterocérebro – nervos das antenas;
• Tritocérebro – nervos do lábio, das quelíceras
trato digestivo, da 2.ª antena dos crustáceos;
• ÓRGÃOS SENSORIAIS
• SENSILO (cerdas ou pêlos ou mais formas)–
recepção estímulos ambientais além da luz;
• Ocelos simples, ocelos complexos, olhos
compostos – recepção da luz
• REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO
• Quase todos dióicos;
• cópula comum – utilizam apêndices modificados
para troca de esperma;
• fertilização interna (terrestres) e externa (aquáticas)
seguidas de algum tipo de cuidado parental;
• Desenvolvimento indireto na maioria, porém alguns
grupos com desenvolvimento direto.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais

Tecido conjuntivo e epitelial 2o a
Tecido conjuntivo e epitelial 2o aTecido conjuntivo e epitelial 2o a
Tecido conjuntivo e epitelial 2o a
SESI 422 - Americana
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
marlyrauber
 
Diversidade animal
Diversidade animalDiversidade animal
Diversidade animal
Janis Rodrigues
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Janaina Luciane Fraga
 
Reino animal invertebrados
Reino animal   invertebradosReino animal   invertebrados
Reino animal invertebrados
Caroline Angeli Sancio
 
7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados
ISJ
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia Mello
Thiago Vieira
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
letyap
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
letyap
 
Platelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeosPlatelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeos
Nóh Lopez
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
Annalu Jannuzzi
 
Zoo introdução
Zoo introduçãoZoo introdução
Zoo introdução
Marcos Albuquerque
 
Zoo introdução
Zoo introduçãoZoo introdução
Zoo introdução
Marcos Albuquerque
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Bio
 
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
2,0 eq.7 84,88,89,95,111,112
2,0 eq.7  84,88,89,95,111,1122,0 eq.7  84,88,89,95,111,112
2,0 eq.7 84,88,89,95,111,112
Ionara Urrutia Moura
 
123 gd de entomologia12
123 gd de entomologia12123 gd de entomologia12
123 gd de entomologia12
Alinne Barreto
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Laguat
 
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintosMoluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
supertrabalhos4
 

Semelhante a Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais (20)

Tecido conjuntivo e epitelial 2o a
Tecido conjuntivo e epitelial 2o aTecido conjuntivo e epitelial 2o a
Tecido conjuntivo e epitelial 2o a
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Diversidade animal
Diversidade animalDiversidade animal
Diversidade animal
 
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago SouzaTrabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
Trabalho de ciências de Marcos Fraga e Iago Souza
 
Reino animal invertebrados
Reino animal   invertebradosReino animal   invertebrados
Reino animal invertebrados
 
7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados7º ano cap 14 porferos e celenterados
7º ano cap 14 porferos e celenterados
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia Mello
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Moluscos
MoluscosMoluscos
Moluscos
 
Platelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeosPlatelmintos & nematodeos
Platelmintos & nematodeos
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidárioswww.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia -  Poríferos e Cnidários
www.EquarparaEnsinoMedio.com.br - Biologia - Poríferos e Cnidários
 
Zoo introdução
Zoo introduçãoZoo introdução
Zoo introdução
 
Zoo introdução
Zoo introduçãoZoo introdução
Zoo introdução
 
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
Aula de Zoologia - Invertebrados (Power Point)
 
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
Zoologiainvertebrados 131019203941-phpapp02
 
2,0 eq.7 84,88,89,95,111,112
2,0 eq.7  84,88,89,95,111,1122,0 eq.7  84,88,89,95,111,112
2,0 eq.7 84,88,89,95,111,112
 
123 gd de entomologia12
123 gd de entomologia12123 gd de entomologia12
123 gd de entomologia12
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
 
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintosMoluscos, anelídeos e nematelmintos
Moluscos, anelídeos e nematelmintos
 

Último

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
Geagra UFG
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 

Filo dos Artrópodes - FILO ARTHROPODA - Características Gerais

  • 1. FILO ARTHROPODA Subfilo Trilobitomorpha (Trilobitas – extintos) Subfilo Crustacea (caranguejos, lagostas, tatuzinho-de –jardim) Subfilo Hexapoda (insetos) Subfilo Myriapoda (lacraias, piolho-de-cobra) Subfilo Cheliceriformes (aranhas, escorpiões, ácaros, aranhas-do-mar)
  • 2. • Os artrópodes e anelídeos juntamente com os onicóforos e tardígrades, têm sido, há um longo tempo, considerados como grupos que compartilham laços evolutivos íntimos;
  • 3. • E a maior parte das evidências sugere que esses 4 filos constituem um clado derivado de um ancestral segmentado comum originado no Pré-cambriano. • As similaridades entre anelídeos e artrópodes estão refletidas mais notavelmente na: –metamerização do corpo, –no desenvolvimento embrionário e –na arquitetura geral do sistema nervoso.
  • 4. • As principais diferenças entre esses 2 filos (anelídeos e artrópodes) derivam amplamente da invenção de: • Um exoesqueleto rígido nos artrópodes; –levou ao aparecimento de uma hemocele e de apêndices articulados.
  • 5. • ARTROPÓDES SEGMENTADOS  tendência redução segmentação de muitos grupos – ácaros desapareceu;  perda segmentação ocorreu 3 maneiras: desaparecimento, fusão, transformação em apêndices (diferenciados); • SISTEMA NERVOSO  cérebro anterior dorsal com cordão nervoso ventral, gânglios (segmentos);
  • 6. • GRANDE SUCESSO DOS ARTRÓPODES • Relacionado a evolução dos apêndices; • Especialização funcional dos apêndices – adaptação para muitas funções além da locomoção; • Músculos estriados transversais pareados com os apêndices rígidos – movimentação mais rápida; • Mudas do exoesqueleto; • Metamorfose.
  • 7. • Características: – Bilaterais; triploblásticos; protostômios; – Corpo segmentado (interna e externa); – Corpo formado: • 2 regiões: cefalotórax e abdome (aracnídeos); • 3 regiões: cabeça, tórax e abdome (insetos). – Patas articuladas.
  • 8. • Parede do corpo • Cavidade do corpo é uma hemocele aberta; • Órgãos são banhados pelo líquido hemocelomático, ou sangue ou hemolinfa (água e compostos orgânicos) • Parede do corpo composta por cutícula disposta em camadas e secretada pela epiderme;
  • 9. • Cada segmento do corpo está “encaixotado” por placas esqueléticas – os escleritos; – Esclerito dorsal – TERGITO e esclerito ventral – ESTERNITO. • Regiões laterais ou PLEURAS – são áreas não-esclerotizadas flexíveis. • Pernas e asas articulam-se nas pleuras.
  • 10. • Feixes da musculatura estão presos a pontos nos quais as superfícies internas dos escleritos projetam-se para dentro na forma de cristas ou tubérculos – os apódemas
  • 11. • Cutícula é composta por quitina e proteínas e formada pela: • Epicutícula apresenta múltiplas camadas; • Procutícula (proteína e quitina) mais espessa: exocutícula e endocutícula (cuticulina)
  • 12. • Epicutícula apresenta múltiplas camadas: – Camada externa é lipoprotéica protetora - camada de cimento; – Camada de cera – desenvolvida em aracnídeos e insetos – evitam a perda de água e proteção contra invasão de bactérias; – Camada interna – de cuticulina (proteínas) bem desenvolvida nos insetos envolvida no endurecimento do exoesqueleto; – Desenvolvimento da epicutícula foi crítico para invasão dos ambientes terrestre e de água-doce. • COR - deposição de melanina (colorida) da cutícula; – cromatóforos
  • 13. • EXOESQUELETO – características distinguível dos artrópodes • esqueleto quitinoso ou cutícula – recobre o corpo – cutícula - fina e flexível (larvas insetos) – cutícula – espessa e rígida (maioria) • Movimento é possível – pelo exoesqueleto estar dividido em placas que se conectam por membrana fina e flexível; • Fusão segmentos – corpo constituído em regiões ou TAGMOS . • EX. abelha – cabeça, tórax e abdome
  • 14. SUSTENTAÇÃO E LOCOMOÇÃO – Camadas musculares não funcionam na presença de exoesqueleto; – Músculos estão organizados em feixes curtos que se estendem entre um segmento do corpo e outro ou através das articulações dos apêndices. – Extensão e flexão – contração muscular e cutícula agem juntas – sistema de alavanca;
  • 15. • Articulações entre o corpo e os apêndices dos segmentos ocorrem através de pontes formadas por: – áreas de cutícula muito fina e flexível, a procuticula é muito reduzida e não-endurecida = membranas artrodiais ou articulares • Esqueleto cuticular dos apêndices e do corpo dividido: – partes tubulares conectadas entre si por membranas articulares criando uma articulação – daí nome arthropoda (pés articulados);
  • 16. • EXOESQUELETO PROBLEMA DURANTE CRESCIMENTO • Solução evoluída – eliminação periódica do esqueleto – MUDA ou ECDISE ; • Estágio entre as mudas chamado INSTARES; • Animal mais velho - comprimento instares maior ; • Lagostas e camarões mudam toda vida; • Copépodes e caranguejos crescimento cessa num determinado ponto; • Inseto muda está associada a metamorfose – adultos não sofrem mudas; • Aranhas – nº instares fixo – último atingido ma maturidade sexual .
  • 17. Crescimento tecido animal preenche envoltório do exoesqueleto animal entra estado de PRÉ-MUDA; Glândulas da epiderme secretam ENZIMAS que digerem a ENDOCUTÍCULA antiga  separando exoesqueleto da epiderme; Em muitos crustáceos parte cálcio é removida e armazenada para ser redepositada; Cutícula mais solta e fina  epiderme começa secretar NOVA CUTÍCULA. Animal descarta a velha  que se abre na linhas do corpo;
  • 19. PERÍODO DE MUDA OU ECDISE (crustáceos e hexápodes) É controlada por um hormônio denominado ECDISONA. Nos crustáceos a ECDISONA é secretada pelo ÓRGÃO Y (glândula endócrina) localizada na base das antenas ou próxima as peças bucais. Atividade do ÓRGÃO Y é controlada por um mecanismo neurossecretor localizado próximo ao olho.
  • 20. PERÍODO DE INTERMUDA Hormônio inibidor de muda (MIH) produzido por células neurossecretoras do ÓRGÃO X localizado na região do nervo do pedúnculo ocular. MIH é transportado por axônios até uma área de armazenamento denominado glândula do seio a qual parece controlar a liberação de MIH no sangue. Enquanto níveis suficientes de MIH estiveram presentes no sangue, a produção de ecdisona pelo ÓRGÃO Y é inibida.
  • 21. • Pré-muda é ativada e as demais fases de muda são iniciadas por uma entrada sensorial no sistema nervoso central. • Estímulo externo em lagostin – comprimento do dia ou fotoperíodo; • Estímulo interno em certos caranguejos - crescimento dos tecidos internos;
  • 22. • Estímulos externos são transmitidos através do sistema nervoso central até a medulla terminalis (órgão X). • Estímulos apropriados inibem a produção do MIH resultando na produção da ecdisona e no início de um novo ciclo de mudas.
  • 23. Estruturas circulatórias associadas as trocas gasosas. Arranjo dos seios hemocelomáticos; Comprimento e números de vasos; Número de óstios; Forma e tamanho do coração; As diferenças dependem do tamanho e da forma do corpo e incluem: Complexidade do SISTEMA CIRCULATÓRIO varia muito entre os artrópodes.
  • 24. • CIRCULAÇÃO - Sistema de hemocele aberta; • Coração musculoso; • Sangue é impulsionado da câmara do coração através de vasos curtos até a hemocele onde banha os órgãos. • Sangue retorna ao coração através de seio pericárdico e de perfurações da parede do coração – os óstios; • Através de um gradiente decrescente de pressão resultante da pressão mais baixa que ocorre no seio pericárdico quando o coração se contrai.
  • 25. • Sangue ou hemolinfa serve para: – Transporte de nutrientes, resíduos e gases; – Apresentam tipos de amebócitos – agentes de coagulação; – Sangue de muitos artrópodes é incolor – apenas transportam gases; – As formas maiores contém hemocianina (pigmento azulado que contêm cobre) e poucos contém hemoglobina dissolvidos na hemolinfa.
  • 26. • Troca Gasosa • Sistema Traqueal – mecanismo de respiração + eficaz dos invertebrados terrestres; • Formado por evaginações tubulares da epiderme (túbulos ramificados) no interior do corpo; • Se abrem para meio externo por meio de espiráculos (poros) que conduzem ar direto para tecidos e células;
  • 27. • Brânquias – aquáticos; – Forma de evaginações ramificadas ou dobradas da parede da cutícula fornecendo áreas maiores. – Parece fina preenchidas por hemolinfa. • Pulmões foliáceos – terrestres – aracnídeos – Compostos por bolsas com paredes finas e muito dobradas, denominadas lamelas que se abrem nos espiráculos.
  • 28. • ÓRGÃOS EXCRETORES • TÚBULOS DE MALPIGHI – invaginações tubulares cegas do intestino que repousam dentro de hemocele (espaço preenchido por sangue) – Insetos e aracnídeos;
  • 29. Extremidade livre do tubo é fechada e está mergulhada na hemocele, ocorrendo a filtração através da parede. Células da parede do tubo transportam ácido úrico da hemolinfa para o seu interior e recolhe a água. Filtrado é conduzido ao reto onde são reabsorvidos parte dos sais; Ácido úrico restante precipita devido à diferença de pH ao longo do tubo; Eliminado com as fezes, pasta semi-seca, muito eficiente do ponto de vista de regulação hídrica em meio seco.
  • 30. • SÁCULOS CEGOS (nefrídios) pareados que se abrem por meio de ductos para lado externo do corpo adjacente ao apêndice. Animais aquáticos. • Crustáceos adultos – um par de nefrídios persiste associados a segmentos particulares da cabeça (glândulas antenais ou maxilares). • Aracnídeos – podem existir 4 pares de nefrídios que se abrem na base das patas (glândulas coxais).
  • 31. • TRATO DIGESTIVO - completo • intestino anterior (estomodeu - revestido de quitina) – ingestão, trituração e armazenamento – partes modificadas dependendo da dieta • intestino médio – produção, digestão e absorção de enzimas • área aumentada por evaginações formando glândulas digestivas; • intestino posterior – absorção de água e formação de fezes (proctodeu revestido de quitina).
  • 32. • CÉREBRO • alto grau de cefalização; • órgãos sensoriais bem desenvolvidos (olhos , antenas); • cérebro consiste 3 regiões: PROTOCÉREBRO (gânglio anterior), DEUTOROCÉREBRO (gânglio médio) TRITOCÉREBRO (gânglio posterior);
  • 33. • Protocérebro – nervos ópticos; • Deuterocérebro – nervos das antenas; • Tritocérebro – nervos do lábio, das quelíceras trato digestivo, da 2.ª antena dos crustáceos;
  • 34. • ÓRGÃOS SENSORIAIS • SENSILO (cerdas ou pêlos ou mais formas)– recepção estímulos ambientais além da luz; • Ocelos simples, ocelos complexos, olhos compostos – recepção da luz
  • 35. • REPRODUÇÃO E DESENVOLVIMENTO • Quase todos dióicos; • cópula comum – utilizam apêndices modificados para troca de esperma; • fertilização interna (terrestres) e externa (aquáticas) seguidas de algum tipo de cuidado parental; • Desenvolvimento indireto na maioria, porém alguns grupos com desenvolvimento direto.