SlideShare uma empresa Scribd logo
São Paulo, 22 de Maio de 2013.
Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda
Departamento de Economia e
Programa de Estudos Pós-graduados em Economia Política da PUC-SP
A nova economia – o que a crise tem a ver com ética ?
Agroética
Encontro Nacional de Ética no Agronegócio
Fonte: ACLacerda
 Expansão dos Fluxos de Capitais
Liquidez
 Volatilidade
FINANCEIRA
Globalização Econômica
 Disseminação de Novas Tecnologias
 Investimentos Externos e Comércio
Exterior
 Mudança no Paradigma Produtivo
 Diminuição dos Custos de Transação
 Aumento da Competitividade
PRODUTIVA
Economia Internacional
Características pós anos 1980
Fonte: FMI / McKinsey / Elaboração: ACLacerda /1 preços correntes
(*) Não incluem aplicações financeiras (derivativos, swaps, garantias etc.)
Valor global dos ativos financeiros e o
PIB Mundial (em US$ trilhões)/1
10,0
21,5
29,4 32,2 32,0 33,3
37,4
42,1
45,6
49,4
55,7
61,2 58,0
62,0
71,9
12,0
54,0
72,0
114,0
92,0
96,0
117,0
134,0
155,0
179,0
202,0
175,0
201,0
212,0
200,0
1980 1990 1995 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011
PIB Mundial Depósitos bancários, títulos e ações(*)
Impactos da crise internacional
Ciclo vicioso da crise
Crise na Europa
• Recessão
• Desemprego
• Queda nos salários
Turbulência
• Queda commodities
• Aversão ao risco/
Fuga para a qualidade
Volatilidade
• Câmbio
• Bolsas e outros ativos
• Nível de atividades
Demanda
• Queda nas exportações
• Menor ingresso de capitais
• Adiamento de investimentos
Fonte: ACLacerda
Economia internacional: taxas de juros de curto prazo
(% a.a.)*
Fonte: FED, BCE, BoJ e BoE / Elaboração: ACLacerda
5,58
0,45
4,27
1,10
-1,00
0,00
1,00
2,00
3,00
4,00
5,00
6,00
mar-03
jun-03
set-03
dez-03
mar-04
jun-04
set-04
dez-04
mar-05
jun-05
set-05
dez-05
mar-06
jun-06
set-06
dez-06
mar-07
jun-07
set-07
dez-07
mar-08
jun-08
set-08
dez-08
mar-09
jun-09
set-09
dez-09
mar-10
jun-10
set-10
dez-10
mar-11
jun-11
set-11
dez-11
mar-12
jun-12
set-12
dez-12
mar-13
Reino Unido EUA Europa Japão
Fonte e Prognósticos (*): FMI / Elaboração: ACLacerda Atualizado: Março/2013.
Região / País
Efetivo Prognósticos*
2009 2010 2011 2012 2013 2014
Mundo -0,7 +5,1 +3,9 +3,2 +3,5 +4,1
Países Desenvolvidos -3,7 +3,0 +1,6 +1,3 +1,4 +2,2
EUA -3,5 +2,4 +1,8 +2,3 +2,0 +3,0
Zona do Euro -4,3 +2,0 +1,4 -0,4 -0,2 +1,0
Alemanha -5,1 +4,0 +3,1 +0,9 +0,6 +1,4
Espanha -3,7 -0,3 +0,4 -1,4 -1,5 +0,8
Japão -6,3 +4,5 -0,6 +2,0 +1,2 +0,7
Países em Desenvolvimento +2,8 +7,4 +6,3 +5,1 +5,5 +5,9
Brasil -0,3 +7,5 +2,7 +0,9 +3,5 +4,0
Rússia -7,8 +4,3 +4,3 +3,6 +3,7 +3,8
Índia +6,8 +10,1 +7,9 +4,5 +5,9 +6,4
China +9,2 +10,4 +9,3 +7,8 +8,2 +8,5
África do Sul -1,5 +2,9 +3,5 +2,3 +2,8 +4,1
Argentina +0,8 +9,2 +8,9 +2,6 +3,0 +3,8
Chile -0,9 +6,1 +5,9 +5,0 +4,4 +4,6
México -6,2 +5,6 +3,9 +3,8 +3,5 +3,5
Um novo ciclo de crescimento deve se iniciar a partir de 2013 …
Economia mundial: perspectivas, a partir da crise
Fonte: ACLacerda
• Países desenvolvidos: recessão na Europa, baixo crescimento nos
EUA (que se reindustrializa):
• Políticas anticíclicas contra os efeitos da crise;
• Relativamente longo período de taxas de juros reais
baixas/negativas.
• Volatilidade dos preços das commodities;
• Guerra cambial, guerra comercial e disputas:
• Papel do FMI, Banco Mundial, G-20 e OMC;
• US$ segue sendo a referência mundial.
• Emergentes, especialmente BRICS, ganham relevância para a
recuperação da economia internacional;
• Ética como um valor em si, na nova economia !
Fonte: International Business Report – Grant Thornton / Elaboração: ACLacerda
Planos de expansão das empresas multinacionais apontam
para uma grande importância dos países emergentes em 2013.
- Expectativas das empresas multinacionais para os países emergentes em 2013:
• 79% esperam crescimento do faturamento (35% - países avançados).
• 68% preveem maiores lucros (19% - países avançados).
• 41% pretendem aumentar os gastos em P&D.
Principais destinos dos investimentos planejados por país/região (%)
Rússia: 18%
China: 31%
Índia: 24%
Brasil: 21%
México: 15%
Brasil: vendas totais do varejo* e produção industrial** (Índice Média 2004 = 100)
Brasil: o comércio continua a se expandir de forma mais
acelerada do que a produção industrial
* inclui o comércio varejista e as vendas de automóveis e de materiais de construção.
** inclui produção da indústria extrativa e da manufatura.
Fonte: IBGE / Elaboração: ACLacerda
147
190
108
116
90
100
110
120
130
140
150
160
170
180
190
2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012
Vendas Totais do Varejo
Produção Industrial Total
País
Ranking
2010-
2011
2011-
2012
2012-
2013
Coréia do
Sul
22 24 19
China 27 26 29
Turquia 61 59 43
Brasil 58 53 48
Indonésia 44 46 50
África do
Sul
54 50 52
México 66 58 53
Índia 51 56 59
Rússia 63 66 67
Competitividade Global - WEF*
 Tamanho Mercado
 Solidez dos Bancos
 Custos Agrícolas
 Serviços Financeiros
 Sofisticação-Produtos
Vantagens Brasileiras*
 Ambiente de Negócios
(Instituições***)
 Infraestrutura
 Educação
 Eficiência-Trabalho
 Inovação
Principais Desafios – Brasil**
# 79
# 70
# 66
# 69
# 49
# 9
# 14
# 17
# 26
# 33
* Posição brasileira por cada fator do ranking mundial, cujo fator ultrapassa outros países em desenvolvimento.
** Posição brasileira por cada fator do ranking mundial.
*** especialmente burocracia.
Fonte: WEF – The Global Competitiveness Report 2012-2013 / Elaboração: ACLacerda.
Atratividade: Brasil tem melhorado sua posição relativa,
mas ainda está distante das melhores posições no ranking mundial
Emergentes x Brasil: indústria de transformação (% PIB)Mundo x Brasil: produção industrial total (Var. % a.a.)
Indicadores da indústria brasileira denotam um
enfraquecimento do setor em comparação internacional
Fonte: FIESP, Banco Mundial, BEA, IBGE e LCA / Prognósticos (p): McKinsey / Elaboração: ACLacerda
6,1
2,7
9,6
5,8
2,7
6,0
3,1
10,5
0,4
2007 2008 2009 2010 2011 2012
-10,0
-5,0
0,0
5,0
10,0
15,0
-7,7 -7,4
-2,5
Mundo (média) Brasil
Brasil
Coréia
do Sul
China
Índia
Alemanha
30,5
39,0
37,0
32,0
33,9 34,5
14,0
20,5
25,5 26,0
27,9 28,0
12,0
13,0 13,4 13,3
15,9
15,0
27,0
33,2
32,4
16,1
14,6 14,0
45,0
41,0
38,0
35,0
30,0
25,0
1960* 1970* 1980* 1990* 2011 2012
* Considera o último ano de cada década.
Brasil: saldo da balança comercial, total e por setores (US$ bi., a.a.)
A balança comercial de produtos manufaturados tem
apresentado crescente déficit.
Fonte: Funcex, MDIC, LCA / Elaboração e Prognósticos (p): ACLacerda
20,3
55,2
31,5
-66,4
29,8
90,4
31,9
-92,5
19,4
74,3
45,1
-100,0
25,0
80,0
50,0
-105,0
Total Básicos Semimanufaturados Manufaturados
2010 2011 2012 2013(p)
A reprimarização das exportações acentuou-se nos anos 2000 …
Fonte: Funcex / Elaboração: ACLacerda
Brasil: composição das exportações
18%
49%
15%
65%
36%
0%
10%
20%
30%
40%
50%
60%
70%
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013(p)
Produtos Básicos Produtos Semimanufaturados Produtos Manufaturados
Balança Comercial por intensidade tecnológica (em US$ bi)*
Balança comercial brasileira de produtos de maior
valor agregado fortemente deficitária…..
Fonte: SECEX/MDIC/ABINEE/IBGE / Elaboração e estimativa (e): ACLacerda * preços correntes
-1
3 13
25
34
45 46
40
25 20
30
19,4
25
-25
-51
-41
-65
-90
-95
50
44
34
45 42,4 50
26
51
65 67 70
-100
-90
-80
-70
-60
-50
-40
-30
-20
-10
0
10
20
30
40
50
60
70
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012(e) 2013(p)
Total Industria de alta e média -alta tecnologia (II)
Industria de média -baixa e baixa tecnologia (I) Produtos não industriais
-80
…com isso, há uma tendência para um déficit crônico
em transações correntes que precisa ser revertido.
Brasil: transações correntes (US$ bi* e % PIB)
Fonte e estimativa (e): BCB / Elaboração e Prognóstico (p): ACLacerda * preços correntes
-24,2 -23,2
-7,6
4,2
11,7
14,0 13,6
1,6
-28,2
-24,3
-47,3
-52,6
-54,2
-65,0
-80,0
-70,0
-60,0
-50,0
-40,0
-30,0
-20,0
-10,0
0,0
10,0
20,0
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013(p)
País
Transações Correntes:
2013p (% PIB)
Brasil -2,7%
México -1,5%
Chile -3,0%
Índia -3,2%
China -2,5%
EUA -3,2%
Japão -2,5%
Alemanha -4,5%
Grécia -3,0%
-2,7%
+1,8%
-3,8%
- desvalorização cambial;
- tributação sobre fluxos de capitais externos de curto prazo (IOF);
- redução de juros;
- ampliação de linhas de financiamento a custos reduzidos;
- elevação de alíquotas de importações;
- desoneração tributária;
- desoneração de encargos sobre folha de pagamentos;
- incentivos à inovação e P&D;
- preferência nas compras governamentais.
Fonte: ACLacerda
Brasil: principais medidas adotadas pelo governo
Todas as medidas visam fomentar a localização de produção e
inovação para gerar emprego e renda, além
de receita tributária.
25,0
16,5
17,8 18,0
13,3
11,3
13,8
8,8
10,8 11,0
7,3 7,3
12,5
9,3
7,6
5,7
3,1
4,5
5,9
4,3
5,9
6,5
5,8 6,0
11,1
6,6
9,4
11,6
9,8
6,5
7,4
4,3 4,6 4,2
1,4 1,2
0,0
5,0
10,0
15,0
20,0
25,0
30,0
2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013(p)
Juros Nominal Inflação Juros Reais
Brasil: a taxa de juros real atingiu o nível histórico
mais baixo (%, p.a.)*
Fonte: BCB / Elaboração e Prognóstico (p): ACLacerda
* Taxa de juros real = taxa nominal de juros, descontada a inflação (ex-post até 2012, 2013 ex-ante).
Maior taxa de crescimento do PIB nos próximos anos (Var. % a.a.) …
… com melhor distribuição de renda*
Fonte e Prognósticos (p) ACLacerda * % da renda total, em milhões
1,7
4,0
2,7
0,9
2011 2012 2013-2018(p)1999-2002 2003-2010
E
D
C
A/B
17% (33)
20% (39)
54% (105)
9% (18)
12% (24)
18% (37)
58% (119)
12% (24)
28% (49)
27% (47)
38% (66)
7% (13)
175’ 195’ 205’
ClassesdeRenda
2003 2011 2018(p)
População
Brasil: crescimento do PIB e distribuição de renda no
longo prazo
4,0
Competitividade – fatores chave
>>>> Ética e sustentabilidade são basilares !
MacroMacro
MesoMeso
MicroMicro
Competitividade
Sistêmica
Atuação
Empresarial
-Políticas Macroeconômicas:
- Fiscal
- Monetária
- Cambial
-Políticas Macroeconômicas:
- Fiscal
- Monetária
- Cambial
-Políticas de Competitividade:
•Industrial/Comercial
•Tecnológica-Inovacional
-Infraestrutura/ Regulação
-Ambiente institucional
-Educação
-Políticas de Competitividade:
•Industrial/Comercial
•Tecnológica-Inovacional
-Infraestrutura/ Regulação
-Ambiente institucional
-Educação
-Inovação
-Gestão
-Produtividade
-Qualificação e treinamento
-Inovação
-Gestão
-Produtividade
-Qualificação e treinamento
Fonte: ACLacerda
BIBLIOGRAFIA - ALGUMAS REFERÊNCIAS:
Material de responsabilidade do professor Antonio Corrêa de Lacerda
LIVROS E ARTIGOS
Do autor:
LACERDA, A.C. Globalização e investimento estrangeiro no Brasil. 2a Edição. São
Paulo: Saraiva, 2005.
LACERDA, A.C. (org.) Desnacionalização: mitos riscos e desafios. São Paulo:
Contexto, 2000. (Prêmio Jabuti 2001 – Economia)
LACERDA, A.C. (org.) Crise e oportunidade: o Brasil e o cenário internacional. São
Paulo: Lazuli, 2000.
LACERDA, A.C. et. al. Economia brasileira. 4a Edição. São Paulo: Saraiva, 2010.
LACERDA, A.C. O Estado de S. Paulo – Caderno Economia e Negócios (Opinião).
De outros autores:
CHANG, Ha-Joon. Chutando a escada: a estratégia de desenvolvimento em perspectiva.
São Paulo: Editora da Unesp, 2004.
EICHENGREEN, B. Privilégio exorbitante: a ascensão e queda do dólar e o futuro do
sistema monetário internacional. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2011.
STIGLITZ, J. Globalização: como fazer dar certo. São Paulo: Cia das Letras, 2008.
UNCTAD. World investment report. New York: United Nations, Vários números.
UNCTAD. Trade and development report. Genebra: United Nations Conference on Trade
and Development, Vários números.
A nova economia – o que a crise tem a ver com ética ?
Obrigado !
Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda
Departamento de Economia e
Programa de Estudos Pós-graduados em Economia Política da PUC-SP
e-mail: aclacerda@pucsp.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação 1 t10
Apresentação 1 t10Apresentação 1 t10
Apresentação 1 t10
Cia Hering RI
 
2013 04 12_expo money curitiba
2013 04 12_expo money curitiba2013 04 12_expo money curitiba
2013 04 12_expo money curitiba
Providência
 
Apresentação 1 t12
Apresentação 1 t12Apresentação 1 t12
Apresentação 1 t12
Cia Hering RI
 
Cc 2 t16_por
Cc 2 t16_porCc 2 t16_por
Cc 2 t16_por
Kianne Paganini
 
Cc 4 t15 por
Cc 4 t15 porCc 4 t15 por
Cc 4 t15 por
Kianne Paganini
 
Relatório anual brf 2013
Relatório anual brf 2013Relatório anual brf 2013
Relatório anual brf 2013
Gerson Rower
 
Apresentação 3T09
Apresentação 3T09Apresentação 3T09
Apresentação 3T09
RiRossi
 
26112014 apimec 2014
26112014 apimec 201426112014 apimec 2014
26112014 apimec 2014
Providência
 
Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16
Kianne Paganini
 
3t11
3t113t11
3t11
hering_ri
 
3T14
3T143T14
3T14
Arezzori
 
Apresentação institucional 4T15
Apresentação institucional 4T15Apresentação institucional 4T15
Apresentação institucional 4T15
Kianne Paganini
 
Apresentação 2 t13 v5
Apresentação 2 t13 v5Apresentação 2 t13 v5
Apresentação 2 t13 v5
Cia Hering RI
 
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
Arezzori
 
Cc 3 t15_por
Cc 3 t15_porCc 3 t15_por
Cc 3 t15_por
Kianne Paganini
 
Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.
Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.
Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.
MRVRI
 
Teleconferência 1_T15 - português
Teleconferência 1_T15 - portuguêsTeleconferência 1_T15 - português
Teleconferência 1_T15 - português
Kianne Paganini
 
AREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PT
AREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PTAREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PT
AREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PT
Arezzori
 
Apresentação 3T12
Apresentação 3T12Apresentação 3T12
Apresentação 3T12
Cia Hering RI
 
Apresentação de resultados 4 t12
Apresentação de resultados 4 t12Apresentação de resultados 4 t12
Apresentação de resultados 4 t12
brpharma
 

Mais procurados (20)

Apresentação 1 t10
Apresentação 1 t10Apresentação 1 t10
Apresentação 1 t10
 
2013 04 12_expo money curitiba
2013 04 12_expo money curitiba2013 04 12_expo money curitiba
2013 04 12_expo money curitiba
 
Apresentação 1 t12
Apresentação 1 t12Apresentação 1 t12
Apresentação 1 t12
 
Cc 2 t16_por
Cc 2 t16_porCc 2 t16_por
Cc 2 t16_por
 
Cc 4 t15 por
Cc 4 t15 porCc 4 t15 por
Cc 4 t15 por
 
Relatório anual brf 2013
Relatório anual brf 2013Relatório anual brf 2013
Relatório anual brf 2013
 
Apresentação 3T09
Apresentação 3T09Apresentação 3T09
Apresentação 3T09
 
26112014 apimec 2014
26112014 apimec 201426112014 apimec 2014
26112014 apimec 2014
 
Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16Apresentação institucional 2T16
Apresentação institucional 2T16
 
3t11
3t113t11
3t11
 
3T14
3T143T14
3T14
 
Apresentação institucional 4T15
Apresentação institucional 4T15Apresentação institucional 4T15
Apresentação institucional 4T15
 
Apresentação 2 t13 v5
Apresentação 2 t13 v5Apresentação 2 t13 v5
Apresentação 2 t13 v5
 
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port4 t15 arezzo_apresentacao_call port
4 t15 arezzo_apresentacao_call port
 
Cc 3 t15_por
Cc 3 t15_porCc 3 t15_por
Cc 3 t15_por
 
Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.
Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.
Apresentação dos Resultados do Primeiro Trimestre de 2010.
 
Teleconferência 1_T15 - português
Teleconferência 1_T15 - portuguêsTeleconferência 1_T15 - português
Teleconferência 1_T15 - português
 
AREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PT
AREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PTAREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PT
AREZZO 1T17 APRESENTAÇÃO PT
 
Apresentação 3T12
Apresentação 3T12Apresentação 3T12
Apresentação 3T12
 
Apresentação de resultados 4 t12
Apresentação de resultados 4 t12Apresentação de resultados 4 t12
Apresentação de resultados 4 t12
 

Destaque

Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...
Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...
Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
Comunicação e Transparência no Agronegócio
Comunicação e Transparência no AgronegócioComunicação e Transparência no Agronegócio
Comunicação e Transparência no Agronegócio
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...
Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...
Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance
CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance
CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
CASE Sebrae
CASE SebraeCASE Sebrae
O Perfil do CEO Sustentável
O Perfil do CEO SustentávelO Perfil do CEO Sustentável
O Perfil do CEO Sustentável
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013
Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013
Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
Responsabilidade Social no Agronegôcio
Responsabilidade Social no AgronegôcioResponsabilidade Social no Agronegôcio
Responsabilidade Social no Agronegôcio
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...
“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...
“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
CASE Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios
CASE Instituto Brasileiro de Ética nos NegóciosCASE Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios
CASE Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
O Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no Agronegócio
O Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no AgronegócioO Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no Agronegócio
O Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no Agronegócio
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
CASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de Valor
CASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de ValorCASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de Valor
CASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de Valor
Instituto Brasileiro de Ética nos Negocios
 
5 Ética e Economia
5 Ética e Economia5 Ética e Economia
5 Ética e Economia
Marcel Gois
 
ética e moral introdução
ética e moral introdução ética e moral introdução
ética e moral introdução
João Paulo Rodrigues
 
Trabalho Sociedade Capitalista
Trabalho Sociedade CapitalistaTrabalho Sociedade Capitalista
Trabalho Sociedade Capitalista
M. Martins
 

Destaque (15)

Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...
Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...
Ética no Agronegócio: Transformando a ética no melhor e maior valor para os n...
 
Comunicação e Transparência no Agronegócio
Comunicação e Transparência no AgronegócioComunicação e Transparência no Agronegócio
Comunicação e Transparência no Agronegócio
 
Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...
Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...
Agronegócio Ético e Sustentável:A convergência entre a gestão ética e a sócio...
 
CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance
CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance
CASE Siemens - Tema: Ética e Compliance
 
CASE Sebrae
CASE SebraeCASE Sebrae
CASE Sebrae
 
O Perfil do CEO Sustentável
O Perfil do CEO SustentávelO Perfil do CEO Sustentável
O Perfil do CEO Sustentável
 
Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013
Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013
Divulgação dos Resultados da Pesquisa Código de Ética Corporativo 2013
 
Responsabilidade Social no Agronegôcio
Responsabilidade Social no AgronegôcioResponsabilidade Social no Agronegôcio
Responsabilidade Social no Agronegôcio
 
“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...
“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...
“Melhores Práticas” na cadeia produtiva do Agronegócio. Tendências globais pa...
 
CASE Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios
CASE Instituto Brasileiro de Ética nos NegóciosCASE Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios
CASE Instituto Brasileiro de Ética nos Negócios
 
O Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no Agronegócio
O Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no AgronegócioO Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no Agronegócio
O Impacto do Aquecimento Global e das Mudanças Climáticas no Agronegócio
 
CASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de Valor
CASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de ValorCASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de Valor
CASE Souza Cruz: Sustentabilidade na Cadeia de Valor
 
5 Ética e Economia
5 Ética e Economia5 Ética e Economia
5 Ética e Economia
 
ética e moral introdução
ética e moral introdução ética e moral introdução
ética e moral introdução
 
Trabalho Sociedade Capitalista
Trabalho Sociedade CapitalistaTrabalho Sociedade Capitalista
Trabalho Sociedade Capitalista
 

Semelhante a Economia Ética: A “Nova Economia” para enfrentar os desafios deste novo século.

Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...
Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...
Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...
FecomercioSP
 
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
FecomercioSP
 
Teleconferência 2 t13
Teleconferência 2 t13Teleconferência 2 t13
Teleconferência 2 t13
Eternit S.A.
 
Luiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e Tecnologia
Luiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e TecnologiaLuiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e Tecnologia
Luiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e Tecnologia
Brasscom
 
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
BNDES
 
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Fundação de Economia e Estatística
 
Perspectivas Econômicas - Itaú
Perspectivas Econômicas - ItaúPerspectivas Econômicas - Itaú
Perspectivas Econômicas - Itaú
Cámara de Comercio Paraguay Brasil
 
Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13
Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13
Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13
CPFL RI
 
Ciclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked inCiclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked in
FbioEuzebio
 
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_portAbc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_port
BancoABCRI
 
Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)
Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)
Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)
Fundação de Economia e Estatística
 
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Confederação Nacional da Indústria
 
Apresentação de Maurício Borges
Apresentação de Maurício BorgesApresentação de Maurício Borges
Apresentação de Maurício Borges
CartaCapital
 
Conference call 3_t10
Conference call 3_t10Conference call 3_t10
Conference call 3_t10
Marcopolo
 
Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13
BancoABCRI
 
Raio-X dos investimentos Junho/2015
Raio-X dos investimentos Junho/2015 Raio-X dos investimentos Junho/2015
Raio-X dos investimentos Junho/2015
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdf_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdf
ssuser28273b
 
Apimec 2006
Apimec 2006Apimec 2006
Apimec 2006
Cia Hering RI
 
A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014
A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014
A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014
Roberto Dias Duarte
 
Mercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica Industrial
Mercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica IndustrialMercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica Industrial
Mercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica Industrial
tadsrn
 

Semelhante a Economia Ética: A “Nova Economia” para enfrentar os desafios deste novo século. (20)

Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...
Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...
Competitividade: o calcanhar de Aquiles do Brasil - Fragilidade e superação, ...
 
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
Multilatinas: internacionalização e inovação - relatório de conectividade da ...
 
Teleconferência 2 t13
Teleconferência 2 t13Teleconferência 2 t13
Teleconferência 2 t13
 
Luiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e Tecnologia
Luiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e TecnologiaLuiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e Tecnologia
Luiz Fauth - Políticas do MCTI para Ciência e Tecnologia
 
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
Apresentação BNDES - Senado (20/09/2017)
 
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
Tendências do comércio e do investimento direto estrangeiro depois da crise f...
 
Perspectivas Econômicas - Itaú
Perspectivas Econômicas - ItaúPerspectivas Econômicas - Itaú
Perspectivas Econômicas - Itaú
 
Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13
Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13
Apresentação ri cpfl energia_apimec sul_jun13
 
Ciclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked inCiclo 2018 linked in
Ciclo 2018 linked in
 
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_portAbc brasil apresentacao_institucional2t13_port
Abc brasil apresentacao_institucional2t13_port
 
Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)
Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)
Os desafios do RS na era dos emergentes (Luciano D'Andrea)
 
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
Apresentação | Relatório dos Investimentos Brasileiros no Exterior | 16/01/2014
 
Apresentação de Maurício Borges
Apresentação de Maurício BorgesApresentação de Maurício Borges
Apresentação de Maurício Borges
 
Conference call 3_t10
Conference call 3_t10Conference call 3_t10
Conference call 3_t10
 
Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13Apresentação institucional do 2 t13
Apresentação institucional do 2 t13
 
Raio-X dos investimentos Junho/2015
Raio-X dos investimentos Junho/2015 Raio-X dos investimentos Junho/2015
Raio-X dos investimentos Junho/2015
 
_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdf_Download da apresentação.pdf
_Download da apresentação.pdf
 
Apimec 2006
Apimec 2006Apimec 2006
Apimec 2006
 
A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014
A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014
A TRAGÉDIA INDUSTRIAL por Antonio Delfim Netto - setembro de 2014
 
Mercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica Industrial
Mercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica IndustrialMercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica Industrial
Mercado De Ti Em Natal, No Brasil E No Mundo E A PolíTica Industrial
 

Economia Ética: A “Nova Economia” para enfrentar os desafios deste novo século.

  • 1. São Paulo, 22 de Maio de 2013. Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Departamento de Economia e Programa de Estudos Pós-graduados em Economia Política da PUC-SP A nova economia – o que a crise tem a ver com ética ? Agroética Encontro Nacional de Ética no Agronegócio
  • 2. Fonte: ACLacerda  Expansão dos Fluxos de Capitais Liquidez  Volatilidade FINANCEIRA Globalização Econômica  Disseminação de Novas Tecnologias  Investimentos Externos e Comércio Exterior  Mudança no Paradigma Produtivo  Diminuição dos Custos de Transação  Aumento da Competitividade PRODUTIVA Economia Internacional Características pós anos 1980
  • 3. Fonte: FMI / McKinsey / Elaboração: ACLacerda /1 preços correntes (*) Não incluem aplicações financeiras (derivativos, swaps, garantias etc.) Valor global dos ativos financeiros e o PIB Mundial (em US$ trilhões)/1 10,0 21,5 29,4 32,2 32,0 33,3 37,4 42,1 45,6 49,4 55,7 61,2 58,0 62,0 71,9 12,0 54,0 72,0 114,0 92,0 96,0 117,0 134,0 155,0 179,0 202,0 175,0 201,0 212,0 200,0 1980 1990 1995 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 PIB Mundial Depósitos bancários, títulos e ações(*)
  • 4. Impactos da crise internacional Ciclo vicioso da crise Crise na Europa • Recessão • Desemprego • Queda nos salários Turbulência • Queda commodities • Aversão ao risco/ Fuga para a qualidade Volatilidade • Câmbio • Bolsas e outros ativos • Nível de atividades Demanda • Queda nas exportações • Menor ingresso de capitais • Adiamento de investimentos Fonte: ACLacerda
  • 5. Economia internacional: taxas de juros de curto prazo (% a.a.)* Fonte: FED, BCE, BoJ e BoE / Elaboração: ACLacerda 5,58 0,45 4,27 1,10 -1,00 0,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 6,00 mar-03 jun-03 set-03 dez-03 mar-04 jun-04 set-04 dez-04 mar-05 jun-05 set-05 dez-05 mar-06 jun-06 set-06 dez-06 mar-07 jun-07 set-07 dez-07 mar-08 jun-08 set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09 dez-09 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 Reino Unido EUA Europa Japão
  • 6. Fonte e Prognósticos (*): FMI / Elaboração: ACLacerda Atualizado: Março/2013. Região / País Efetivo Prognósticos* 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Mundo -0,7 +5,1 +3,9 +3,2 +3,5 +4,1 Países Desenvolvidos -3,7 +3,0 +1,6 +1,3 +1,4 +2,2 EUA -3,5 +2,4 +1,8 +2,3 +2,0 +3,0 Zona do Euro -4,3 +2,0 +1,4 -0,4 -0,2 +1,0 Alemanha -5,1 +4,0 +3,1 +0,9 +0,6 +1,4 Espanha -3,7 -0,3 +0,4 -1,4 -1,5 +0,8 Japão -6,3 +4,5 -0,6 +2,0 +1,2 +0,7 Países em Desenvolvimento +2,8 +7,4 +6,3 +5,1 +5,5 +5,9 Brasil -0,3 +7,5 +2,7 +0,9 +3,5 +4,0 Rússia -7,8 +4,3 +4,3 +3,6 +3,7 +3,8 Índia +6,8 +10,1 +7,9 +4,5 +5,9 +6,4 China +9,2 +10,4 +9,3 +7,8 +8,2 +8,5 África do Sul -1,5 +2,9 +3,5 +2,3 +2,8 +4,1 Argentina +0,8 +9,2 +8,9 +2,6 +3,0 +3,8 Chile -0,9 +6,1 +5,9 +5,0 +4,4 +4,6 México -6,2 +5,6 +3,9 +3,8 +3,5 +3,5 Um novo ciclo de crescimento deve se iniciar a partir de 2013 …
  • 7. Economia mundial: perspectivas, a partir da crise Fonte: ACLacerda • Países desenvolvidos: recessão na Europa, baixo crescimento nos EUA (que se reindustrializa): • Políticas anticíclicas contra os efeitos da crise; • Relativamente longo período de taxas de juros reais baixas/negativas. • Volatilidade dos preços das commodities; • Guerra cambial, guerra comercial e disputas: • Papel do FMI, Banco Mundial, G-20 e OMC; • US$ segue sendo a referência mundial. • Emergentes, especialmente BRICS, ganham relevância para a recuperação da economia internacional; • Ética como um valor em si, na nova economia !
  • 8. Fonte: International Business Report – Grant Thornton / Elaboração: ACLacerda Planos de expansão das empresas multinacionais apontam para uma grande importância dos países emergentes em 2013. - Expectativas das empresas multinacionais para os países emergentes em 2013: • 79% esperam crescimento do faturamento (35% - países avançados). • 68% preveem maiores lucros (19% - países avançados). • 41% pretendem aumentar os gastos em P&D. Principais destinos dos investimentos planejados por país/região (%) Rússia: 18% China: 31% Índia: 24% Brasil: 21% México: 15%
  • 9. Brasil: vendas totais do varejo* e produção industrial** (Índice Média 2004 = 100) Brasil: o comércio continua a se expandir de forma mais acelerada do que a produção industrial * inclui o comércio varejista e as vendas de automóveis e de materiais de construção. ** inclui produção da indústria extrativa e da manufatura. Fonte: IBGE / Elaboração: ACLacerda 147 190 108 116 90 100 110 120 130 140 150 160 170 180 190 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Vendas Totais do Varejo Produção Industrial Total
  • 10. País Ranking 2010- 2011 2011- 2012 2012- 2013 Coréia do Sul 22 24 19 China 27 26 29 Turquia 61 59 43 Brasil 58 53 48 Indonésia 44 46 50 África do Sul 54 50 52 México 66 58 53 Índia 51 56 59 Rússia 63 66 67 Competitividade Global - WEF*  Tamanho Mercado  Solidez dos Bancos  Custos Agrícolas  Serviços Financeiros  Sofisticação-Produtos Vantagens Brasileiras*  Ambiente de Negócios (Instituições***)  Infraestrutura  Educação  Eficiência-Trabalho  Inovação Principais Desafios – Brasil** # 79 # 70 # 66 # 69 # 49 # 9 # 14 # 17 # 26 # 33 * Posição brasileira por cada fator do ranking mundial, cujo fator ultrapassa outros países em desenvolvimento. ** Posição brasileira por cada fator do ranking mundial. *** especialmente burocracia. Fonte: WEF – The Global Competitiveness Report 2012-2013 / Elaboração: ACLacerda. Atratividade: Brasil tem melhorado sua posição relativa, mas ainda está distante das melhores posições no ranking mundial
  • 11. Emergentes x Brasil: indústria de transformação (% PIB)Mundo x Brasil: produção industrial total (Var. % a.a.) Indicadores da indústria brasileira denotam um enfraquecimento do setor em comparação internacional Fonte: FIESP, Banco Mundial, BEA, IBGE e LCA / Prognósticos (p): McKinsey / Elaboração: ACLacerda 6,1 2,7 9,6 5,8 2,7 6,0 3,1 10,5 0,4 2007 2008 2009 2010 2011 2012 -10,0 -5,0 0,0 5,0 10,0 15,0 -7,7 -7,4 -2,5 Mundo (média) Brasil Brasil Coréia do Sul China Índia Alemanha 30,5 39,0 37,0 32,0 33,9 34,5 14,0 20,5 25,5 26,0 27,9 28,0 12,0 13,0 13,4 13,3 15,9 15,0 27,0 33,2 32,4 16,1 14,6 14,0 45,0 41,0 38,0 35,0 30,0 25,0 1960* 1970* 1980* 1990* 2011 2012 * Considera o último ano de cada década.
  • 12. Brasil: saldo da balança comercial, total e por setores (US$ bi., a.a.) A balança comercial de produtos manufaturados tem apresentado crescente déficit. Fonte: Funcex, MDIC, LCA / Elaboração e Prognósticos (p): ACLacerda 20,3 55,2 31,5 -66,4 29,8 90,4 31,9 -92,5 19,4 74,3 45,1 -100,0 25,0 80,0 50,0 -105,0 Total Básicos Semimanufaturados Manufaturados 2010 2011 2012 2013(p)
  • 13. A reprimarização das exportações acentuou-se nos anos 2000 … Fonte: Funcex / Elaboração: ACLacerda Brasil: composição das exportações 18% 49% 15% 65% 36% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013(p) Produtos Básicos Produtos Semimanufaturados Produtos Manufaturados
  • 14. Balança Comercial por intensidade tecnológica (em US$ bi)* Balança comercial brasileira de produtos de maior valor agregado fortemente deficitária….. Fonte: SECEX/MDIC/ABINEE/IBGE / Elaboração e estimativa (e): ACLacerda * preços correntes -1 3 13 25 34 45 46 40 25 20 30 19,4 25 -25 -51 -41 -65 -90 -95 50 44 34 45 42,4 50 26 51 65 67 70 -100 -90 -80 -70 -60 -50 -40 -30 -20 -10 0 10 20 30 40 50 60 70 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012(e) 2013(p) Total Industria de alta e média -alta tecnologia (II) Industria de média -baixa e baixa tecnologia (I) Produtos não industriais -80
  • 15. …com isso, há uma tendência para um déficit crônico em transações correntes que precisa ser revertido. Brasil: transações correntes (US$ bi* e % PIB) Fonte e estimativa (e): BCB / Elaboração e Prognóstico (p): ACLacerda * preços correntes -24,2 -23,2 -7,6 4,2 11,7 14,0 13,6 1,6 -28,2 -24,3 -47,3 -52,6 -54,2 -65,0 -80,0 -70,0 -60,0 -50,0 -40,0 -30,0 -20,0 -10,0 0,0 10,0 20,0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013(p) País Transações Correntes: 2013p (% PIB) Brasil -2,7% México -1,5% Chile -3,0% Índia -3,2% China -2,5% EUA -3,2% Japão -2,5% Alemanha -4,5% Grécia -3,0% -2,7% +1,8% -3,8%
  • 16. - desvalorização cambial; - tributação sobre fluxos de capitais externos de curto prazo (IOF); - redução de juros; - ampliação de linhas de financiamento a custos reduzidos; - elevação de alíquotas de importações; - desoneração tributária; - desoneração de encargos sobre folha de pagamentos; - incentivos à inovação e P&D; - preferência nas compras governamentais. Fonte: ACLacerda Brasil: principais medidas adotadas pelo governo Todas as medidas visam fomentar a localização de produção e inovação para gerar emprego e renda, além de receita tributária.
  • 17. 25,0 16,5 17,8 18,0 13,3 11,3 13,8 8,8 10,8 11,0 7,3 7,3 12,5 9,3 7,6 5,7 3,1 4,5 5,9 4,3 5,9 6,5 5,8 6,0 11,1 6,6 9,4 11,6 9,8 6,5 7,4 4,3 4,6 4,2 1,4 1,2 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013(p) Juros Nominal Inflação Juros Reais Brasil: a taxa de juros real atingiu o nível histórico mais baixo (%, p.a.)* Fonte: BCB / Elaboração e Prognóstico (p): ACLacerda * Taxa de juros real = taxa nominal de juros, descontada a inflação (ex-post até 2012, 2013 ex-ante).
  • 18. Maior taxa de crescimento do PIB nos próximos anos (Var. % a.a.) … … com melhor distribuição de renda* Fonte e Prognósticos (p) ACLacerda * % da renda total, em milhões 1,7 4,0 2,7 0,9 2011 2012 2013-2018(p)1999-2002 2003-2010 E D C A/B 17% (33) 20% (39) 54% (105) 9% (18) 12% (24) 18% (37) 58% (119) 12% (24) 28% (49) 27% (47) 38% (66) 7% (13) 175’ 195’ 205’ ClassesdeRenda 2003 2011 2018(p) População Brasil: crescimento do PIB e distribuição de renda no longo prazo 4,0
  • 19. Competitividade – fatores chave >>>> Ética e sustentabilidade são basilares ! MacroMacro MesoMeso MicroMicro Competitividade Sistêmica Atuação Empresarial -Políticas Macroeconômicas: - Fiscal - Monetária - Cambial -Políticas Macroeconômicas: - Fiscal - Monetária - Cambial -Políticas de Competitividade: •Industrial/Comercial •Tecnológica-Inovacional -Infraestrutura/ Regulação -Ambiente institucional -Educação -Políticas de Competitividade: •Industrial/Comercial •Tecnológica-Inovacional -Infraestrutura/ Regulação -Ambiente institucional -Educação -Inovação -Gestão -Produtividade -Qualificação e treinamento -Inovação -Gestão -Produtividade -Qualificação e treinamento Fonte: ACLacerda
  • 20. BIBLIOGRAFIA - ALGUMAS REFERÊNCIAS: Material de responsabilidade do professor Antonio Corrêa de Lacerda LIVROS E ARTIGOS Do autor: LACERDA, A.C. Globalização e investimento estrangeiro no Brasil. 2a Edição. São Paulo: Saraiva, 2005. LACERDA, A.C. (org.) Desnacionalização: mitos riscos e desafios. São Paulo: Contexto, 2000. (Prêmio Jabuti 2001 – Economia) LACERDA, A.C. (org.) Crise e oportunidade: o Brasil e o cenário internacional. São Paulo: Lazuli, 2000. LACERDA, A.C. et. al. Economia brasileira. 4a Edição. São Paulo: Saraiva, 2010. LACERDA, A.C. O Estado de S. Paulo – Caderno Economia e Negócios (Opinião). De outros autores: CHANG, Ha-Joon. Chutando a escada: a estratégia de desenvolvimento em perspectiva. São Paulo: Editora da Unesp, 2004. EICHENGREEN, B. Privilégio exorbitante: a ascensão e queda do dólar e o futuro do sistema monetário internacional. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, 2011. STIGLITZ, J. Globalização: como fazer dar certo. São Paulo: Cia das Letras, 2008. UNCTAD. World investment report. New York: United Nations, Vários números. UNCTAD. Trade and development report. Genebra: United Nations Conference on Trade and Development, Vários números.
  • 21. A nova economia – o que a crise tem a ver com ética ? Obrigado ! Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda Departamento de Economia e Programa de Estudos Pós-graduados em Economia Política da PUC-SP e-mail: aclacerda@pucsp.br