SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
DOPAGEM
RISCOS DE VIDA E/OU SAÚDE
Trabalho de Educação Física
Modulo 15
Trabalho elaborado por João Moreira
SJU – 3º 2023 /2024
Conteúdo
Introdução
Doping: substâncias e métodos Riscos da dopagem
Controlo anti-doping
Conclusão
Bibliografia
Introdução
Desde os primeiros Jogos Olímpicos da Antiguidade (realizados na Grécia em 776 a.C.) são utilizadas
substâncias para melhorar as performances dos atletas. Se na Antiguidade eram utilizadas coisas como sangue
de cabra e ervas para fazer os atletas melhorarem o seu desempenho, hoje em dia são usadas substâncias
como esteroides e anabolizantes e esta prática é ilegal e tem nome: doping.
Mas o que é o doping? A dopagem, ou doping (palavra com origem em doop, termo usado desde o tempo dos
gregos e que significa um sumo extraído do ópio) está sempre a evoluir conforme a ciência avança. É definida
pela OMS como o “uso de qualquer substância exógena (não produzida pelo organismo), proibida pela
regulamentação desportiva, tendo por objetivo melhorar o desempenho físico e/ou mental, por meios
artificiais”.
No desenvolvimento deste trabalho, irei abordar as várias áreas deste tema tão abrangente: Dopagem e
riscos de vida e/ou saúde; focando-me essencialmente nos seguintes tópicos: as várias substâncias utilizadas
para a dopagem; as técnicas e os métodos proibidos no desporto; os riscos que pode causar na saúde humana
e o controlo anti doping.
Doping: substâncias e métodos
Para melhorar as performances dos atletas de competição, são utilizadas substâncias como:
 Esteroides anabolizantes: formas sintéticas (artificiais) da testosterona, que são usadas para aumentar o tamanho
dos músculos.
 Estimulantes: substâncias que têm um efeito direto sobre o Sistema Nervoso Central, porque aumentam a
estimulação do sistema cardíaco e metabólico. Os estimulantes mais disseminados no desporto são as
anfetaminas, cocaína, efedrina e cafeína.
 Narcóticos: substâncias representadas pela morfina, petilina e substâncias análogas. São compostos derivados do
ópio e que atuam no sistema nervoso central diminuindo a sensação de dor, sendo esse efeito o motivo pelo qual
são utilizados por atletas, principalmente em desportos de bastante resistência.
 Diuréticos: drogas que aumentam a formação e a excreção da urina. Os principais exemplos de diuréticos são
otriantereno e a furosemida, sendo estas substâncias utilizadas porque podem provocar perda de peso e mascar
o doping.
Existem também métodos e técnicas que são também proibidas no desporto pelo mesmo motivo que as
substâncias referidas acima. Entre elas está o aumento do transporte de oxigénio no sangue,
conseguido através de transfusões de sangue previamente retirado do atleta e enriquecido em glóbulos
vermelhos. A manipulação física e química de amostras usadas nos testes anti doping é também uma
pratica frequente onde se alteram, por exemplo, as amostras de urina dos atletas de maneira a que
estas não acusem que houve dopagem. Por fim, uma técnica de doping que ainda se encontra em
desenvolvimento é o doping genético, que consiste no uso de genes/células que tenham a capacidade de
aumentar o rendimento desportivo do atleta
Riscos da dopagem
Os riscos associados ao doping variam consoante a substância consumida, a frequência e o tempo de
consumo e o sexo e a idade de quem consome.
Cada substância tem os seus riscos associados: os estimulantes causam doenças cardiovasculares graves,
podem levar a enfartes e, claro, à dependência química das substâncias;
já os narcóticos não só causam dependência química como a deterioração física e psíquica;
os esteroides são as substâncias que têm a maior lista de riscos, sendo alguns deles a perda de cabelo e
dores de cabeça, no caso dos indivíduos do sexo masculino o crescimento da próstata, o aumento do risco
de lesões musculares e nos ligamentos, doenças renais e ainda perda potencial de crescimento ósseo;
por fim, os diuréticos podem causar desidratação abrupta e problemas cardíacos e renais.
O processo de aumento de oxigénio no sangue também pode ter também consequências graves para a
saúde de quem o pratica, já que o aumento de glóbulos vermelhos no sangue aumenta a viscosidade do
sangue e, consequentemente, a probabilidade da ocorrência de ataques cardíacos.
Todas estas substâncias e práticas podem levar á morte do atleta.
Controlo anti-doping
Os testes são realizados através da urina, dado que a urina é a responsável por transportar todas as
impurezas do nosso corpo, o que inclui drogas que eventualmente tenham sido tomadas. Os atletas que
participam em competições desportivas oficiais ou de âmbito internacional ficam obrigados a submeter-
se ao controlo anti doping mesmo não estando em competição, isto é, em períodos de treino. Os atletas são
selecionados através de um sorteio. Com o controlo pretende-se: preservar a ética desportiva; salvaguardar a
saúde física e mental dos atletas; assegurar a igualdade entre todos os atletas em cada evento
desportivo. Os atletas que se recusem a comparecer a um controlo anti doping, assim como os atletas que
apresentem níveis de substâncias proibidas acima dos limites estipulados por lei, estão a violar as regras,
logo, estão sujeitos a penas de suspensão e multa
Conclusão
Em suma, a dopagem é uma prática proibida, antiética e muito prejudicial à saúde e até mesmo à vida dos
atléticas que a usam. Existem várias formas de doping, todas com elevados riscos associados.
O controlo anti doping é uma área muito importante, uma vez que o desporto é um fenómeno que move
milhões de pessoas. A prática do desporto deve implicar honestidade e igualdade e competir não deve
significar ser melhor a qualquer custo, mas sim significar esforço, dedicação e verdade.
Com este trabalho, aumentei e aprofundei o meu conhecimento acerca deste assunto tão importante
Bibliografia
• http://www.quimica.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?cont
eudo=172
•https://www.sicad.pt/PT/Cidadao/Tualinhas/PelaTuaSaude/Paginas/detalhe.aspx?itemId=3&lista=Doen
ca&b
kUrl=/BK/Cidadao/Tu-alinhas/PelaTuaSaude
• https://www.slideshare.net/Luci93/doping-10530289
• Imagens: Google Imagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
Violência No Desporto
Violência No DesportoViolência No Desporto
Violência No Desporto
SNM
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
mauro dinis
 

Mais procurados (20)

Corrupção desportiva
Corrupção desportivaCorrupção desportiva
Corrupção desportiva
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Os Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo VOs Maias - Capítulo V
Os Maias - Capítulo V
 
Violência No Desporto
Violência No DesportoViolência No Desporto
Violência No Desporto
 
Corrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os MaiasCorrida De Cavalos - Os Maias
Corrida De Cavalos - Os Maias
 
Doping1
Doping1Doping1
Doping1
 
Educação Física
Educação Física   Educação Física
Educação Física
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição p...
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição   p...Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição   p...
Meios e Métodos de Treinamento ao Longo das Diversas Etapas de Competição p...
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
Auto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil VicenteAuto da Feira de Gil Vicente
Auto da Feira de Gil Vicente
 
Danças Sociais
Danças SociaisDanças Sociais
Danças Sociais
 
Atividade Física
Atividade FísicaAtividade Física
Atividade Física
 

Semelhante a Doping no desporto.pptx

Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas   O DopingConsumo De SubstâNcias Psicoactivas   O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
guest3540020
 
Dopin nos esporte
Dopin nos esporteDopin nos esporte
Dopin nos esporte
freitas57
 
Doping no esporte 8ª série
Doping no esporte   8ª sérieDoping no esporte   8ª série
Doping no esporte 8ª série
aluisiobraga
 
trabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaa
trabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaatrabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaa
trabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Danilo Lima
 
A Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na SaúdeA Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na Saúde
educacaoraquetes
 

Semelhante a Doping no desporto.pptx (20)

Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas   O DopingConsumo De SubstâNcias Psicoactivas   O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
 
Doping no esporte x qualidade de vida.
Doping no esporte x qualidade de vida.Doping no esporte x qualidade de vida.
Doping no esporte x qualidade de vida.
 
Uma visão mais próxima do doping
Uma visão mais próxima do dopingUma visão mais próxima do doping
Uma visão mais próxima do doping
 
Doping e Suas consquencias
Doping e Suas consquencias Doping e Suas consquencias
Doping e Suas consquencias
 
Ética e Fairplay.
Ética e Fairplay.Ética e Fairplay.
Ética e Fairplay.
 
DOPING NO ESPORTE
DOPING NO  ESPORTEDOPING NO  ESPORTE
DOPING NO ESPORTE
 
Dopin nos esporte
Dopin nos esporteDopin nos esporte
Dopin nos esporte
 
Doping - De quem é a culpa?
Doping  -  De quem é a culpa? Doping  -  De quem é a culpa?
Doping - De quem é a culpa?
 
Doping 2010
Doping 2010Doping 2010
Doping 2010
 
Esteroidesanabolizantes
EsteroidesanabolizantesEsteroidesanabolizantes
Esteroidesanabolizantes
 
Doping no esporte 8ª série
Doping no esporte   8ª sérieDoping no esporte   8ª série
Doping no esporte 8ª série
 
Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Doping 9º ano
Doping   9º anoDoping   9º ano
Doping 9º ano
 
O.que.precisa.saber.sobre.doping
O.que.precisa.saber.sobre.dopingO.que.precisa.saber.sobre.doping
O.que.precisa.saber.sobre.doping
 
Anabolizantes
Anabolizantes Anabolizantes
Anabolizantes
 
trabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaa
trabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaatrabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaa
trabalho chato de educação fisicaaaaaaaaaaaaaaaaaa
 
A Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na SaúdeA Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na Saúde
 
Anabolizantes.ppt
Anabolizantes.pptAnabolizantes.ppt
Anabolizantes.ppt
 
doping.pptx
doping.pptxdoping.pptx
doping.pptx
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (11)

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

Doping no desporto.pptx

  • 1. DOPAGEM RISCOS DE VIDA E/OU SAÚDE Trabalho de Educação Física Modulo 15 Trabalho elaborado por João Moreira SJU – 3º 2023 /2024
  • 2. Conteúdo Introdução Doping: substâncias e métodos Riscos da dopagem Controlo anti-doping Conclusão Bibliografia
  • 3. Introdução Desde os primeiros Jogos Olímpicos da Antiguidade (realizados na Grécia em 776 a.C.) são utilizadas substâncias para melhorar as performances dos atletas. Se na Antiguidade eram utilizadas coisas como sangue de cabra e ervas para fazer os atletas melhorarem o seu desempenho, hoje em dia são usadas substâncias como esteroides e anabolizantes e esta prática é ilegal e tem nome: doping. Mas o que é o doping? A dopagem, ou doping (palavra com origem em doop, termo usado desde o tempo dos gregos e que significa um sumo extraído do ópio) está sempre a evoluir conforme a ciência avança. É definida pela OMS como o “uso de qualquer substância exógena (não produzida pelo organismo), proibida pela regulamentação desportiva, tendo por objetivo melhorar o desempenho físico e/ou mental, por meios artificiais”. No desenvolvimento deste trabalho, irei abordar as várias áreas deste tema tão abrangente: Dopagem e riscos de vida e/ou saúde; focando-me essencialmente nos seguintes tópicos: as várias substâncias utilizadas para a dopagem; as técnicas e os métodos proibidos no desporto; os riscos que pode causar na saúde humana e o controlo anti doping.
  • 4. Doping: substâncias e métodos Para melhorar as performances dos atletas de competição, são utilizadas substâncias como:  Esteroides anabolizantes: formas sintéticas (artificiais) da testosterona, que são usadas para aumentar o tamanho dos músculos.  Estimulantes: substâncias que têm um efeito direto sobre o Sistema Nervoso Central, porque aumentam a estimulação do sistema cardíaco e metabólico. Os estimulantes mais disseminados no desporto são as anfetaminas, cocaína, efedrina e cafeína.  Narcóticos: substâncias representadas pela morfina, petilina e substâncias análogas. São compostos derivados do ópio e que atuam no sistema nervoso central diminuindo a sensação de dor, sendo esse efeito o motivo pelo qual são utilizados por atletas, principalmente em desportos de bastante resistência.  Diuréticos: drogas que aumentam a formação e a excreção da urina. Os principais exemplos de diuréticos são otriantereno e a furosemida, sendo estas substâncias utilizadas porque podem provocar perda de peso e mascar o doping.
  • 5. Existem também métodos e técnicas que são também proibidas no desporto pelo mesmo motivo que as substâncias referidas acima. Entre elas está o aumento do transporte de oxigénio no sangue, conseguido através de transfusões de sangue previamente retirado do atleta e enriquecido em glóbulos vermelhos. A manipulação física e química de amostras usadas nos testes anti doping é também uma pratica frequente onde se alteram, por exemplo, as amostras de urina dos atletas de maneira a que estas não acusem que houve dopagem. Por fim, uma técnica de doping que ainda se encontra em desenvolvimento é o doping genético, que consiste no uso de genes/células que tenham a capacidade de aumentar o rendimento desportivo do atleta
  • 6. Riscos da dopagem Os riscos associados ao doping variam consoante a substância consumida, a frequência e o tempo de consumo e o sexo e a idade de quem consome. Cada substância tem os seus riscos associados: os estimulantes causam doenças cardiovasculares graves, podem levar a enfartes e, claro, à dependência química das substâncias; já os narcóticos não só causam dependência química como a deterioração física e psíquica; os esteroides são as substâncias que têm a maior lista de riscos, sendo alguns deles a perda de cabelo e dores de cabeça, no caso dos indivíduos do sexo masculino o crescimento da próstata, o aumento do risco de lesões musculares e nos ligamentos, doenças renais e ainda perda potencial de crescimento ósseo; por fim, os diuréticos podem causar desidratação abrupta e problemas cardíacos e renais. O processo de aumento de oxigénio no sangue também pode ter também consequências graves para a saúde de quem o pratica, já que o aumento de glóbulos vermelhos no sangue aumenta a viscosidade do sangue e, consequentemente, a probabilidade da ocorrência de ataques cardíacos. Todas estas substâncias e práticas podem levar á morte do atleta.
  • 7. Controlo anti-doping Os testes são realizados através da urina, dado que a urina é a responsável por transportar todas as impurezas do nosso corpo, o que inclui drogas que eventualmente tenham sido tomadas. Os atletas que participam em competições desportivas oficiais ou de âmbito internacional ficam obrigados a submeter- se ao controlo anti doping mesmo não estando em competição, isto é, em períodos de treino. Os atletas são selecionados através de um sorteio. Com o controlo pretende-se: preservar a ética desportiva; salvaguardar a saúde física e mental dos atletas; assegurar a igualdade entre todos os atletas em cada evento desportivo. Os atletas que se recusem a comparecer a um controlo anti doping, assim como os atletas que apresentem níveis de substâncias proibidas acima dos limites estipulados por lei, estão a violar as regras, logo, estão sujeitos a penas de suspensão e multa
  • 8. Conclusão Em suma, a dopagem é uma prática proibida, antiética e muito prejudicial à saúde e até mesmo à vida dos atléticas que a usam. Existem várias formas de doping, todas com elevados riscos associados. O controlo anti doping é uma área muito importante, uma vez que o desporto é um fenómeno que move milhões de pessoas. A prática do desporto deve implicar honestidade e igualdade e competir não deve significar ser melhor a qualquer custo, mas sim significar esforço, dedicação e verdade. Com este trabalho, aumentei e aprofundei o meu conhecimento acerca deste assunto tão importante