SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
DOPING – De quem é a
culpa?
Marya Fernanda Neves do Carmo
Roullien da Silva Moreira
Saimon Pinheiro Soares
Viviane Azevedo Porto
CONCEITOS
>É qualquer substância que ministrada ao organismo
aumente artificialmente o seu rendimento ou performance
em competições.
>Administração ou uso de substâncias estranhas ao corpo,
ou substâncias fisiológicas em doses anormais e com
metodologias anormais em pessoas saudáveis com
intenção de melhorar a performance em competições de
maneira artificial e injusta.
>Uso de medicamentos com fins terapêuticos que
promovam capacidade além do nível normal.
História do Doping
> Csaky menciona que o primeiro caso de doping ocorreu no Paraíso
"Relatos oficiais, mesmo não sendo pesquisas mais sérias,
indicam que o problema de doping no esporte é um problema
quase tão antigo como o próprio esporte".
Prof. Elenor Kunz
> Em 1896, foi organizado os primeiros Jogos Olímpicos da Idade
Moderna, na cidade de Atenas, onde os atletas já conheciam a
COCAINA, EFEDRINA, e a ESTRIQUININA.
Surge assim o termo “usar bola”.
> 1896 a 1932: Nesse período ainda se pregava a participação, e não
a competição.
> 1936: Adolf Hitler – inclusão dos
ideais políticos
Jesse Owens – promove a “Coca-Cola”,
incluindo o comercialismo.
“Dessa maneira, os Jogos
Olímpicos estavam
irremediavelmente
contaminados.”
Comitê Olímpico – “Informações sobre o uso de medicamentos no esporte – 2010”
> Após a Segunda Guerra Mundial:
Prisioneiros de Guerra X Soldados Combatentes
ANABOLICOS ESTEROIDE X ANFETAMINA
> Primeiro Caso Detectado em Laboratório:
-1960: Jogos Olímpicos de Roma - Morre o Ciclista Kurt Jansen
por overdose de ANFETAMINA
> 1964: Uso massivo de ESTEROIDES ANABOLIZANTES em Tóquio
> 1967: Comitê Olímpico Internacional estabelece uma Comissão
Médica
> 1968: Primeiro Controle Anti-Doping, na cidade do México
Métodos
DOPAGEM FISICA:
Estimulação muscular por eletrodos, muito dificil de provar
Riscos: ruptura muscular.
DOPAGEM BIOQUIMICA:
Retira-se de 0,5 e 1L de sangue cerca de 30 dias antes da
competição e o reinjeta na véspera.
Riscos: Mau armazenamento do sangue pode gerar
contaminações, além do risco de embolia.
DOPAGEM QUIMICA:
Uso de substâncias sintetizadas, pré - existentes ou não no
corpo humano, com objetivo de otimizar uma função
específica.
Riscos: Inúmeros.
DOPAGEM GENÉTICA:
Ainda em fase de estudo, prevê a manipulação do DNA
afim de aumentar as secreções hormonais normais do ser
humano com objetivo de melhorar o rendimento do atleta.
GESTAÇÃO PROGRAMADA:
Inoculação de espermatozódeis em mulheres tres meses
antes da prova principal, fazendo com que a atleta
competisse ao terceiro mes de gestação, aproveitando-se
do fato de que ela teria uma maior quantidade de glóbulos
vermelhos no sangue.
Após a competição era realizado o aborto.
Substâncias Dopantes
Estimulantes:
Efeitos: diminuição da sensação de fadiga, aumento do estado de
alerta e euforia;
Utilizados em esportes coletivos, tais como futebol, volei e basquete e
em provas de longa duração, como maratonas;
Efeitos colaterais: hipertensão, taquicardia, hepatopatias, alterações
renais, dependência física, convulsões, ansiedade e alterações na
termorregulação.
Substâncias e concentrações proibidas:
Efedrina – Maior que 10 μg/mL
Cafeína - Maior que 12 μg/mL = 36 COPOS DE CAFÉ
Fenilpropanolamina – Maior que 25 μg/mL
Narcóticos Analgésicos:
Efeitos: Alívio da dor
Utilizados em quase todos os esportes
Exemplos de Substâncias proibidas:
Morfina – Maior que 0,1 micrograma/mL
Heroína;
Metadona.
Diuréticos:
Usados para perder peso ou mascarar o doping, aumentando o volume
da urina
Utilizados, na maioria, em esportes onde há divisão de peso ( boxe,
judô, levantamento de peso)
Exemplos de substâncias proibidas encontradas em remédios
específicos:
Hidroclorotiazida;
Clortalidona;
Bumetanida.
Efeitos colaterais : Fadiga, Cefaléia, fraqueza, mal estar, vomitos.
Esteróides Anabolizantes
Grupo de hormônios ja existentes no corpo humano, como
Testosterona, Estradiol, Progesterona
Exemplos: Nandrolona, Stanozolol
Usados com o objetivo de aumentar a massa muscular do
atleta
Esportes que são mais utilizados: Esportes que exigem
força, velocidade e explosão.
Efeitos colaterais: Hipertensão, infertilidade, maior
probabilidade de ataque cardíaco, disfunção hepática,
câncer, disfunção nos sitemas reprodutor masculino e
feminino, entre outros.
Hôrmonios Peptídicos:
São substâncias naturais cuja molécula é formada por dois
aminoácidos ligados (um peptídeo).
Sua função principal é a fixação de proteínas no organismo
Objetivo de aumentar a massa muscular
Usados em esportes de potência e força pura, como arremesso de
disco, levantamento de peso, ciclismo.
Exemplos de substâncias:
Gonadotrofina coriônica humana (HCG),
Hormônio de Crescimento (HGH, somatotrofina).
Efeitos Colaterais: Diabetes, reações alérgicas, falta de ÉTICA.
Substâncias Sujeitas a
Restrições
>Álcool - Seu controle pode ser solicitado por Federações
Internacionais e os resultados sujeitos a sanções;
>Maconha – está formalmente proibida uma concentração
maior de 15 nanogramas/mL de 11-nor-delta 9-
tetrahydrocannabinol-9-carboxylic acid (carboxy-THC) a urina do
atleta;
>Anestésicos locais – uso apenas com justificação médica
>Glicocorticóides – classe de hormônios esteróidicos que
bloqueiam o processo de inflamação e inibem o processo de
crescimento
>Betabloqueadores – os principais efeitos são a diminuição da
ansiedade, bradicardia e redução do tremor. Proibido em
esportes de tiro e arco e flecha.
Tipos de Controle Antidoping
Este controle pode ser realizado através de
exames de sangue ou de urina e é dividido
em:
a) em competição, controle realizado
imediatamente após o término de uma
competição esportiva; e,
b) fora de competição, efetuado a qualquer
momento, durante um treinamento, na
residência do atleta ou até mesmo antes ou
depois de uma competição.
O material colhido é separado em prova e
contraprova e numerado, sendo encaminhado
para análise.
O resultado é enviado lacrado para o Comitê
Antidopagem, único conhecedor da relação de
atletas por numeração.
Em caso de resultado positivo, é feita a análise da
contraprova, que confirmando o resultado positivo
culmina na divulgação do nome do atleta pelo
próprio réu.
No Brasil, muitos são os exemplos de caso de
dopagem.
# Salviano Domingues – 1986, o velocista foi
acusado quando disputava o Meeting
Internacional de Atletismo de São Paulo;
# Sueli Pereira dos Santos – 1994, quando se
posiciona entra as 10 melhores lançadoras de
dardo;
# Hugo Duppré – 1997, 100m borboleta, alegou
não ter sido informado por seu médico que as
infiltrações no joelho continham a substância;
...entre outros.
“O halterofilista russo Kaarlo Kangasniemi,
medalha de ouro, na Olimpíada de 1968,
sofreu um grave acidente. Ao erguer uma barra
de 160 quilos, um dos músculos de suas
costas, inchado por uso de anabolizantes,
rompeu pelo uso dos alteres. A barra caiu
sobre a sua nuca, quebrou uma das vértebras
e ele ficou paralisado pelo resto da vida”.
“A nadadora Kristiane Knacke, medalha de bronze
nos 100 metros borboleta, levou oito anos para
perder quinze quilos de musculatura geradas por
anabolizantes. Sua filha nascida dois anos depois
que ela deixou as piscinas, apresenta graves
problemas hormonais”.
Afinal, de quem é a culpa?
Atletas
Comitês Organizadores
Mídia
Profissionais Envolvidos
Todos Nós?
Governos Federais
Para a sociedade grega
helênica,
os vitoriosos seriam todos
aqueles que superassem
seus limites físicos e morais.
Hoje, a superação de marcas é
um feito grandioso,
merecedor de ampla divulgação
pelos meios de
comunicação de massa para
todo o mundo.
Some-se a isso a retribuição financeira,
em forma de bonificações dos clubes e
patrocínios, aumentando a sua
condição econômica, favorecendo a
inserção e manutenção em espaços
sociais desejados desde muito, o que
para alguns atletas se constitui como
real sentido de vida.
Calderon afirma que o motivo da prática do
doping ter-se generalizado entre os atletas se
deve a
que no esporte-espetáculo somente há
vencedores e vencidos,
o que produz uma grande tensão. Ninguém quer
pertencer à
segunda categoria, ninguém quer ser um
perdedor, pois a
sociedade somente valoriza os ganhadores.
Nos dias atuais, tem se visto uma intensa
proposta de controle nacional e
internacional.
O objetivo dessa atuação visa evitar uma
vantagem desleal de um competidor sobre
os demais, além de preservar os aspectos
éticos e morais do esporte, sobretudo, a
SAÚDE DOS ATLETAS.
Comitê Olímpico
Medalhas Sujas
Revista Veja: 21/01/98
Durante duas décadas, a antiga Alemanha
Oriental foi uma potência esportiva com força
desproporcional ao tamanho de sua
população e ao poderio de sua economia.
Depois da queda do Muro de Berlim, em
1989, descobriu-se que tanto vigor estava
baseado mais em fórmulas químicas do que
em destreza física.
Na natação, por exemplo, o Brasil teria uma medalha de bronze transformada em
prata e um quarto lugar viraria bronze.
Estão sob suspeita antigos fenômenos do esporte, como a corredora Marita Koch,
ainda hoje recordista mundial dos 400 metros rasos, e a nadadora Kristin Otto,
ganhadora de seis medalhas de ouro nas Olimpíadas de Seul, em 1988, a última
com participação da Alemanha Oriental.
“A impunidade em casos de
doping, como o da Alemanha
Oriental, tem contribuído para
que o mal continue fora de
controle.”
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Esteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anosEsteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anos
aluisiobraga
 
Atividade física e saúde na infância e adolescência
Atividade física e saúde na infância e adolescênciaAtividade física e saúde na infância e adolescência
Atividade física e saúde na infância e adolescência
Silvia Arrelaro
 
Doping no esporte 8ª série
Doping no esporte   8ª sérieDoping no esporte   8ª série
Doping no esporte 8ª série
aluisiobraga
 

Mais procurados (20)

Esteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anosEsteróides anabolizantes 1ºs anos
Esteróides anabolizantes 1ºs anos
 
Ginástica
GinásticaGinástica
Ginástica
 
Atividade física e saúde na infância e adolescência
Atividade física e saúde na infância e adolescênciaAtividade física e saúde na infância e adolescência
Atividade física e saúde na infância e adolescência
 
lutas do mundo.pptx
lutas do mundo.pptxlutas do mundo.pptx
lutas do mundo.pptx
 
Educação física adaptada
Educação física adaptadaEducação física adaptada
Educação física adaptada
 
Doping no esporte 8ª série
Doping no esporte   8ª sérieDoping no esporte   8ª série
Doping no esporte 8ª série
 
Musculação
MusculaçãoMusculação
Musculação
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
8º arremesso de peso
8º arremesso de peso8º arremesso de peso
8º arremesso de peso
 
Atividade física adaptada
Atividade física adaptadaAtividade física adaptada
Atividade física adaptada
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
O Esporte na escola e da escola
O Esporte na escola e da escolaO Esporte na escola e da escola
O Esporte na escola e da escola
 
Esteróides anabolizantes
Esteróides anabolizantesEsteróides anabolizantes
Esteróides anabolizantes
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
 
Historico do tênis
Historico do tênisHistorico do tênis
Historico do tênis
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Salto em distância
Salto em distânciaSalto em distância
Salto em distância
 
seminário sobre Voleibol
seminário sobre Voleibol seminário sobre Voleibol
seminário sobre Voleibol
 
Ginastica historia
Ginastica historiaGinastica historia
Ginastica historia
 

Destaque

drogas no desporto
drogas no desportodrogas no desporto
drogas no desporto
MarioeVasco
 
Dopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentesDopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentes
Alemo Lopes
 
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas   O DopingConsumo De SubstâNcias Psicoactivas   O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
guest3540020
 
Projeto Escolinha de Futebol FM
Projeto Escolinha de Futebol FM Projeto Escolinha de Futebol FM
Projeto Escolinha de Futebol FM
FM Supply Multi IT Services
 
Escola de ciclismo giro livre oficial (2)
Escola de ciclismo giro livre oficial (2)Escola de ciclismo giro livre oficial (2)
Escola de ciclismo giro livre oficial (2)
ADFacex
 
Projeto social: Associação Geraldo Felix Rebouças
Projeto social: Associação Geraldo Felix RebouçasProjeto social: Associação Geraldo Felix Rebouças
Projeto social: Associação Geraldo Felix Rebouças
G Reis Junior
 

Destaque (20)

Drogas no esporte
Drogas no esporteDrogas no esporte
Drogas no esporte
 
drogas no desporto
drogas no desportodrogas no desporto
drogas no desporto
 
Dopping - Tô Fora
Dopping - Tô ForaDopping - Tô Fora
Dopping - Tô Fora
 
Dopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentesDopping, decepçoes e acidentes
Dopping, decepçoes e acidentes
 
Pid joão oliveira
Pid   joão oliveiraPid   joão oliveira
Pid joão oliveira
 
Doping
Doping Doping
Doping
 
Campeonato rural e jogos intercolegiais, em Cruz das Almas,BA
Campeonato rural e jogos intercolegiais,  em Cruz das Almas,BACampeonato rural e jogos intercolegiais,  em Cruz das Almas,BA
Campeonato rural e jogos intercolegiais, em Cruz das Almas,BA
 
Doping no esporte x qualidade de vida.
Doping no esporte x qualidade de vida.Doping no esporte x qualidade de vida.
Doping no esporte x qualidade de vida.
 
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas   O DopingConsumo De SubstâNcias Psicoactivas   O Doping
Consumo De SubstâNcias Psicoactivas O Doping
 
DOPING NO ESPORTE
DOPING NO  ESPORTEDOPING NO  ESPORTE
DOPING NO ESPORTE
 
Projeto taça trindade de futebol society 1
Projeto taça trindade de futebol society 1Projeto taça trindade de futebol society 1
Projeto taça trindade de futebol society 1
 
Palestra 3 - Captação de Recursos
Palestra 3 -  Captação de RecursosPalestra 3 -  Captação de Recursos
Palestra 3 - Captação de Recursos
 
Astros Projeto Social
Astros Projeto SocialAstros Projeto Social
Astros Projeto Social
 
Conhecendo a Lei de Incentivo ao Esporte
Conhecendo a Lei de Incentivo ao EsporteConhecendo a Lei de Incentivo ao Esporte
Conhecendo a Lei de Incentivo ao Esporte
 
Educação integral
Educação integralEducação integral
Educação integral
 
Projeto Escolinha de Futebol FM
Projeto Escolinha de Futebol FM Projeto Escolinha de Futebol FM
Projeto Escolinha de Futebol FM
 
Projeto Fábrica de Campeões
Projeto Fábrica de CampeõesProjeto Fábrica de Campeões
Projeto Fábrica de Campeões
 
Escola de ciclismo giro livre oficial (2)
Escola de ciclismo giro livre oficial (2)Escola de ciclismo giro livre oficial (2)
Escola de ciclismo giro livre oficial (2)
 
Aj projeto aprovado_completo (1)
Aj projeto aprovado_completo (1)Aj projeto aprovado_completo (1)
Aj projeto aprovado_completo (1)
 
Projeto social: Associação Geraldo Felix Rebouças
Projeto social: Associação Geraldo Felix RebouçasProjeto social: Associação Geraldo Felix Rebouças
Projeto social: Associação Geraldo Felix Rebouças
 

Semelhante a Doping - De quem é a culpa?

Selma julia
Selma juliaSelma julia
Selma julia
selmuxa
 
Luara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãO
Luara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãOLuara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãO
Luara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãO
Luara Abreu
 

Semelhante a Doping - De quem é a culpa? (20)

Doping 2010
Doping 2010Doping 2010
Doping 2010
 
Doping no desporto.pptx
Doping no desporto.pptxDoping no desporto.pptx
Doping no desporto.pptx
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Selma julia
Selma juliaSelma julia
Selma julia
 
Ética e Fairplay.
Ética e Fairplay.Ética e Fairplay.
Ética e Fairplay.
 
doping.pptx
doping.pptxdoping.pptx
doping.pptx
 
A Dopagem e os riscos de vida e saúde
A Dopagem e os riscos de vida e saúdeA Dopagem e os riscos de vida e saúde
A Dopagem e os riscos de vida e saúde
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Doping e Suas consquencias
Doping e Suas consquencias Doping e Suas consquencias
Doping e Suas consquencias
 
Esteroidesanabolizantes
EsteroidesanabolizantesEsteroidesanabolizantes
Esteroidesanabolizantes
 
Luara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãO
Luara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãOLuara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãO
Luara Da Cunha Abreu Olimpiadas ApresentaçãO
 
Uma visão mais próxima do doping
Uma visão mais próxima do dopingUma visão mais próxima do doping
Uma visão mais próxima do doping
 
Anabolizantes
AnabolizantesAnabolizantes
Anabolizantes
 
Dopping sanguineo..legal
Dopping sanguineo..legalDopping sanguineo..legal
Dopping sanguineo..legal
 
Anabolizantes
Anabolizantes Anabolizantes
Anabolizantes
 
Anabolizantes
AnabolizantesAnabolizantes
Anabolizantes
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Suplementos
SuplementosSuplementos
Suplementos
 
O uso indiscriminado das drogas otimizadoras de performance
O uso indiscriminado das drogas otimizadoras de performanceO uso indiscriminado das drogas otimizadoras de performance
O uso indiscriminado das drogas otimizadoras de performance
 
Rabdomiólise Ruptura do tecido muscular que libera uma proteína nociva no san...
Rabdomiólise Ruptura do tecido muscular que libera uma proteína nociva no san...Rabdomiólise Ruptura do tecido muscular que libera uma proteína nociva no san...
Rabdomiólise Ruptura do tecido muscular que libera uma proteína nociva no san...
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

Doping - De quem é a culpa?

  • 1. DOPING – De quem é a culpa? Marya Fernanda Neves do Carmo Roullien da Silva Moreira Saimon Pinheiro Soares Viviane Azevedo Porto
  • 2. CONCEITOS >É qualquer substância que ministrada ao organismo aumente artificialmente o seu rendimento ou performance em competições. >Administração ou uso de substâncias estranhas ao corpo, ou substâncias fisiológicas em doses anormais e com metodologias anormais em pessoas saudáveis com intenção de melhorar a performance em competições de maneira artificial e injusta. >Uso de medicamentos com fins terapêuticos que promovam capacidade além do nível normal.
  • 4. > Csaky menciona que o primeiro caso de doping ocorreu no Paraíso "Relatos oficiais, mesmo não sendo pesquisas mais sérias, indicam que o problema de doping no esporte é um problema quase tão antigo como o próprio esporte". Prof. Elenor Kunz > Em 1896, foi organizado os primeiros Jogos Olímpicos da Idade Moderna, na cidade de Atenas, onde os atletas já conheciam a COCAINA, EFEDRINA, e a ESTRIQUININA. Surge assim o termo “usar bola”. > 1896 a 1932: Nesse período ainda se pregava a participação, e não a competição. > 1936: Adolf Hitler – inclusão dos ideais políticos Jesse Owens – promove a “Coca-Cola”, incluindo o comercialismo.
  • 5. “Dessa maneira, os Jogos Olímpicos estavam irremediavelmente contaminados.” Comitê Olímpico – “Informações sobre o uso de medicamentos no esporte – 2010”
  • 6. > Após a Segunda Guerra Mundial: Prisioneiros de Guerra X Soldados Combatentes ANABOLICOS ESTEROIDE X ANFETAMINA > Primeiro Caso Detectado em Laboratório: -1960: Jogos Olímpicos de Roma - Morre o Ciclista Kurt Jansen por overdose de ANFETAMINA > 1964: Uso massivo de ESTEROIDES ANABOLIZANTES em Tóquio > 1967: Comitê Olímpico Internacional estabelece uma Comissão Médica > 1968: Primeiro Controle Anti-Doping, na cidade do México
  • 8. DOPAGEM FISICA: Estimulação muscular por eletrodos, muito dificil de provar Riscos: ruptura muscular. DOPAGEM BIOQUIMICA: Retira-se de 0,5 e 1L de sangue cerca de 30 dias antes da competição e o reinjeta na véspera. Riscos: Mau armazenamento do sangue pode gerar contaminações, além do risco de embolia. DOPAGEM QUIMICA: Uso de substâncias sintetizadas, pré - existentes ou não no corpo humano, com objetivo de otimizar uma função específica. Riscos: Inúmeros.
  • 9. DOPAGEM GENÉTICA: Ainda em fase de estudo, prevê a manipulação do DNA afim de aumentar as secreções hormonais normais do ser humano com objetivo de melhorar o rendimento do atleta. GESTAÇÃO PROGRAMADA: Inoculação de espermatozódeis em mulheres tres meses antes da prova principal, fazendo com que a atleta competisse ao terceiro mes de gestação, aproveitando-se do fato de que ela teria uma maior quantidade de glóbulos vermelhos no sangue. Após a competição era realizado o aborto.
  • 11. Estimulantes: Efeitos: diminuição da sensação de fadiga, aumento do estado de alerta e euforia; Utilizados em esportes coletivos, tais como futebol, volei e basquete e em provas de longa duração, como maratonas; Efeitos colaterais: hipertensão, taquicardia, hepatopatias, alterações renais, dependência física, convulsões, ansiedade e alterações na termorregulação. Substâncias e concentrações proibidas: Efedrina – Maior que 10 μg/mL Cafeína - Maior que 12 μg/mL = 36 COPOS DE CAFÉ Fenilpropanolamina – Maior que 25 μg/mL
  • 12. Narcóticos Analgésicos: Efeitos: Alívio da dor Utilizados em quase todos os esportes Exemplos de Substâncias proibidas: Morfina – Maior que 0,1 micrograma/mL Heroína; Metadona.
  • 13. Diuréticos: Usados para perder peso ou mascarar o doping, aumentando o volume da urina Utilizados, na maioria, em esportes onde há divisão de peso ( boxe, judô, levantamento de peso) Exemplos de substâncias proibidas encontradas em remédios específicos: Hidroclorotiazida; Clortalidona; Bumetanida. Efeitos colaterais : Fadiga, Cefaléia, fraqueza, mal estar, vomitos.
  • 14. Esteróides Anabolizantes Grupo de hormônios ja existentes no corpo humano, como Testosterona, Estradiol, Progesterona Exemplos: Nandrolona, Stanozolol Usados com o objetivo de aumentar a massa muscular do atleta Esportes que são mais utilizados: Esportes que exigem força, velocidade e explosão. Efeitos colaterais: Hipertensão, infertilidade, maior probabilidade de ataque cardíaco, disfunção hepática, câncer, disfunção nos sitemas reprodutor masculino e feminino, entre outros.
  • 15. Hôrmonios Peptídicos: São substâncias naturais cuja molécula é formada por dois aminoácidos ligados (um peptídeo). Sua função principal é a fixação de proteínas no organismo Objetivo de aumentar a massa muscular Usados em esportes de potência e força pura, como arremesso de disco, levantamento de peso, ciclismo. Exemplos de substâncias: Gonadotrofina coriônica humana (HCG), Hormônio de Crescimento (HGH, somatotrofina). Efeitos Colaterais: Diabetes, reações alérgicas, falta de ÉTICA.
  • 16.
  • 18. >Álcool - Seu controle pode ser solicitado por Federações Internacionais e os resultados sujeitos a sanções; >Maconha – está formalmente proibida uma concentração maior de 15 nanogramas/mL de 11-nor-delta 9- tetrahydrocannabinol-9-carboxylic acid (carboxy-THC) a urina do atleta; >Anestésicos locais – uso apenas com justificação médica >Glicocorticóides – classe de hormônios esteróidicos que bloqueiam o processo de inflamação e inibem o processo de crescimento >Betabloqueadores – os principais efeitos são a diminuição da ansiedade, bradicardia e redução do tremor. Proibido em esportes de tiro e arco e flecha.
  • 19. Tipos de Controle Antidoping
  • 20. Este controle pode ser realizado através de exames de sangue ou de urina e é dividido em: a) em competição, controle realizado imediatamente após o término de uma competição esportiva; e, b) fora de competição, efetuado a qualquer momento, durante um treinamento, na residência do atleta ou até mesmo antes ou depois de uma competição.
  • 21. O material colhido é separado em prova e contraprova e numerado, sendo encaminhado para análise. O resultado é enviado lacrado para o Comitê Antidopagem, único conhecedor da relação de atletas por numeração. Em caso de resultado positivo, é feita a análise da contraprova, que confirmando o resultado positivo culmina na divulgação do nome do atleta pelo próprio réu.
  • 22. No Brasil, muitos são os exemplos de caso de dopagem. # Salviano Domingues – 1986, o velocista foi acusado quando disputava o Meeting Internacional de Atletismo de São Paulo; # Sueli Pereira dos Santos – 1994, quando se posiciona entra as 10 melhores lançadoras de dardo; # Hugo Duppré – 1997, 100m borboleta, alegou não ter sido informado por seu médico que as infiltrações no joelho continham a substância; ...entre outros.
  • 23. “O halterofilista russo Kaarlo Kangasniemi, medalha de ouro, na Olimpíada de 1968, sofreu um grave acidente. Ao erguer uma barra de 160 quilos, um dos músculos de suas costas, inchado por uso de anabolizantes, rompeu pelo uso dos alteres. A barra caiu sobre a sua nuca, quebrou uma das vértebras e ele ficou paralisado pelo resto da vida”.
  • 24. “A nadadora Kristiane Knacke, medalha de bronze nos 100 metros borboleta, levou oito anos para perder quinze quilos de musculatura geradas por anabolizantes. Sua filha nascida dois anos depois que ela deixou as piscinas, apresenta graves problemas hormonais”.
  • 25. Afinal, de quem é a culpa? Atletas Comitês Organizadores Mídia Profissionais Envolvidos Todos Nós? Governos Federais
  • 26. Para a sociedade grega helênica, os vitoriosos seriam todos aqueles que superassem seus limites físicos e morais.
  • 27. Hoje, a superação de marcas é um feito grandioso, merecedor de ampla divulgação pelos meios de comunicação de massa para todo o mundo.
  • 28. Some-se a isso a retribuição financeira, em forma de bonificações dos clubes e patrocínios, aumentando a sua condição econômica, favorecendo a inserção e manutenção em espaços sociais desejados desde muito, o que para alguns atletas se constitui como real sentido de vida.
  • 29. Calderon afirma que o motivo da prática do doping ter-se generalizado entre os atletas se deve a que no esporte-espetáculo somente há vencedores e vencidos, o que produz uma grande tensão. Ninguém quer pertencer à segunda categoria, ninguém quer ser um perdedor, pois a sociedade somente valoriza os ganhadores.
  • 30. Nos dias atuais, tem se visto uma intensa proposta de controle nacional e internacional. O objetivo dessa atuação visa evitar uma vantagem desleal de um competidor sobre os demais, além de preservar os aspectos éticos e morais do esporte, sobretudo, a SAÚDE DOS ATLETAS. Comitê Olímpico
  • 31. Medalhas Sujas Revista Veja: 21/01/98 Durante duas décadas, a antiga Alemanha Oriental foi uma potência esportiva com força desproporcional ao tamanho de sua população e ao poderio de sua economia. Depois da queda do Muro de Berlim, em 1989, descobriu-se que tanto vigor estava baseado mais em fórmulas químicas do que em destreza física. Na natação, por exemplo, o Brasil teria uma medalha de bronze transformada em prata e um quarto lugar viraria bronze. Estão sob suspeita antigos fenômenos do esporte, como a corredora Marita Koch, ainda hoje recordista mundial dos 400 metros rasos, e a nadadora Kristin Otto, ganhadora de seis medalhas de ouro nas Olimpíadas de Seul, em 1988, a última com participação da Alemanha Oriental.
  • 32. “A impunidade em casos de doping, como o da Alemanha Oriental, tem contribuído para que o mal continue fora de controle.”

Notas do Editor

  1. <number>