SlideShare uma empresa Scribd logo
•  Com este trabalho o nosso grupo pretende definir e explicar em que consiste a prática do
doping, os vários métodos, técnicas e drogas usadas, explicando o que fazem, que
capacidades físicas é que melhoram e quais os problemas que podem provocar a saúde
dos desportistas. Pretendemos também falar sobre certos casos famosos de doping,
assim como reflectir um pouco sobre o que leva aos desportistas a tal prática, assim
como porque é que não é correcto utilizar técnicas dopantes.
02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
2
•  O doping (ou dopagem) não é mais que um termo inglês que designa o uso de drogas ou
substâncias que aumentam as capacidades físicas de atletas desportivos. O doping
pode também ser considerado o uso de certas técnicas ou métodos que alteram o
estado físico do desportista para aumentar o seu rendimento desportivo (não devemos
no entanto confundir doping com treino físico rigoroso). Também é considerado doping o
uso de substâncias que disfarçam outras substâncias dopantes, como é o caso dos
diuréticos.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
3
•  A prática de doping já é bastante antiga, tendo pelo menos mais de um século.
•  Em 1904 Thomas Hicks ganhou a maratona recorrendo a doses enormes de conhaque e
estricnina, para conseguir aguentar o desgaste físico da corrida. Como resultado,
desmaiou assim que ganhou a maratona, tendo sido necessário várias horas para que
ele fosse reanimado e recuperasse os sentidos. Pensa-se que esta prática começou-se
a desenvolver intensamente a partir do momento em que começaram a haver grandes
eventos desportivos, onde vários países competiam entre si. Por volta de 1936 pensa-se
que os atletas da Alemanha Nazi já usavam os primeiros esteróides à base de
testosterona. Em 1954 houve rumores que durante o campeonato do Mundo de
levantamento de pesos os desportistas soviéticos usavam injecções de testosterona (o
que é certo é que nesse ano vários recordes mundiais foram batidos pelos soviéticos).
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
4
•  Mas só foi por volta de 1960 é que se iniciou a era moderna do doping, quando o ciclista
dinamarquês Knud Jensen morreu durante o Giro de Itália, uma das mais importantes
provas de ciclismo do mundo. Depois deste acontecimento o Comité Olímpico
Internacional decidiu adoptar medidas antidoping em todas as provas oficiais e
principalmente nos Jogos Olímpicos. Desde então tanto as técnicas como os meios de
procura de doping têm evoluído, ainda que as técnicas dopantes estejam a evoluir mais
rapidamente que os testes antidoping. Infelizmente até testes surpresa não são assim
tão surpreendentes uma vez que os atletas conhecem bem os procedimentos antidoping.
•  A prática de doping pode assumir muitas formas e existem inúmeras maneiras de
aumentar as várias capacidades físicas humanas, dependendo do desporto em causa.
Para quem não sabe, hoje em dia já existem práticas de dopagem para desportos como
o xadrez e outro desportos mentalmente muito exigentes.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
5
•  De entre todas as drogas e substâncias dopantes que encontrámos podemos dividi-las
em vários grupos e classes, sendo estes:
•  - Esteróides anabolizantes
•  - Estimulantes
•  - Analgésicos
•  - Beta-bloqueantes
•  - Hormonas peptídicas
•  - Agentes mascarantes
•  - Beta-agonistas
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
6
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
7
Esteróides anabolizantes Estimulantes Analgésicos
Beta-bloqueantes Hormonas peptídicas
Agentes mascarantes
Beta-agonistas
•  Os esteróides anabolizantes são as drogas mais utilizadas no desporto de alta
competição, especialmente nos desportos que necessitam grande força física e
consequentemente, grande força muscular.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
8
  Como podem observar na imagem acima mostrada,
os esteróides anabolizantes desenvolvem a massa
muscular. Obviamente e como podem com certeza
perceber, esta imagem é um caso extremo de uso
de anabolizantes. De facto, se tal homem com tais
músculos existir, duvidamos que ele não tenha um
ataque cardíaco muito em breve.
•  Estimulantes são substâncias que estimulam e aceleram a actividade cerebral, o que faz com
que a resposta nervosa seja mais rápida, aumento a actividade dos atletas e diminuindo o
seu cansaço.
•  O uso de estimulantes é muito frequente entre os atletas (é o mais frequente a seguir ao
consumo de esteróides) que tomam drogas como anfetaminas, estricnina, cafeína ou até
mesmo cocaína, para reduzirem o cansaço e aumentarem a sua resposta cerebral. Os
estimulantes podem ser tomados por via oral, em pó, através da inspiração nasal, injecções e
podem mesmo ser fumados.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
9
•  Analgésicos são droga calmantes muito frequentemente usadas em quase todos os desportos
fisicamente exigentes e que viam diminuir a dor. Podem ter como efeito, por exemplo, reduzir a dor
de certas lesões ou actividades, fazendo com que o atleta aguente mais tempo e que aguente mais
dor, aumentando a sua resistência natural, sendo por isso muito utilizados em desportos como a
maratona e o triatlo (fisicamente muito exigentes).
•  Exemplos de analgésicos: morfina, metadona, petidina, entre outras.
•  Os analgésicos apresentam alguns perigos para o organismo pois o seu uso, visto reduzir a dor
sentida, pode fazer com que um atleta agrave uma lesão, podem levar também à perda de
equilíbrio e coordenação, náuseas e vómitos, insónias e depressão, diminuição da frequência
cardíaca e ritmo respiratório e diminuição da capacidade de concentração.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
10
•  Os beta-bloqueantes são utilizados no desporto de uma forma semelhante aos analgésico pois
também eles ajudam a combater o nervosismo, stress e ansiedade. Estas drogas actuam
nomeadamente no coração, diminuindo o ritmo cardíaco.
•  Esta função é altamente proveitosa para certos desportos de alta precisão, sendo por isso
altamente proibida em desportos com o tiro ao alvo, tiro com arco, bilhar, xadrez, natação
sincronizada... Exemplos de beta-bloqueantes: acebutolol, alprenolol, atenolol, labetolol,
metipranolol, pindolol.
•  O consumo de beta-bloqueantes é perigosos pois a diminuição do ritmo cardíaco pode provar
hipotensão (tensão arterial baixa) e pode mesmo provocar paragens cardíacas. Pode também
provocar asma, hipoglicémia (falta de glicose no sangue), insónias e impotência sexual.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
11
•  As hormonas Peptídicas possuem diversas funções. Uma das suas principais funções é a fixação
Peptídica, isto é, estas hormonas ajudam os músculos nas suas reacções anabólicas, ajudando a
fixar os aminoácidos necessários para a construção destes. Existem vários tipos de hormonas
Peptídicas, e com diversas funções, de entre as quais se destacam:
•  Eritropoietina, também denominada de EPO. Esta hormona, que existe no nosso organismo,
estimula a produção de glóbulos vermelhos, aumentando assim a resistência do atleta (pois os
músculos são fornecidos com uma maior quantidade de oxigénio). A Eritropoietina está assim
associada a um tipo de doping especifico, o incremento do transporte do oxigénio, que falaremos
mais à frente.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
12
•  HCG, uma hormona produzida pelo feto durante a gravidez, é também usada pelos homens para
aumentar a produção de esteróides no organismo. Existem também mulheres que engravidam,
pois a HCG faz aumentar as concentrações de hormonas femininas e com tais concentrações ditas
“naturais” muitas outras drogas dopantes que podem existir em certas concentrações são
disfarçadas. Depois do teste de controlo, as atletas abortam.
•  HC, hormona do crescimento, hormona essa que tal como o nome indica é produzida em grande
quantidade durante a puberdade e permite o crescimento dos indivíduos, é também usada na
construção e recuperação de tecidos musculares.
•  LH, hormona que existe naturalmente no nosso organismo, é usada para estimular a produção de
testosterona nos testículos.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
13
•  O uso destas drogas pode provocar deformações ósseas, distúrbios hormonais, miopia,
hipertensão, coágulos sanguíneos, diabetes, doenças articulares.
•  A utilização de hormonas não Peptídicas está também proibido quando apresentam estrutura e
função semelhante as estas.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
14
•  Os diuréticos, ou substâncias Mascarantes, são outro grande grupo de substâncias proibidas. Este
tipo de substâncias tem como função aumentar a quantidade de urina produzida, o que leva a
alterações no controlo desta visto a maior parte das substâncias ser ilegal quando detectada em
concentrações elevadas.
•  Ao aumentar a quantidade de urina, as concentrações de substâncias dopantes vão diminuir, não
podendo por isso serem consideradas dopantes abaixo de certos níveis. Além desta função, os
diuréticos são também usados para perda de peso, nomeadamente em desportos divididos por
categorias de peso ou até mesmo de forma a que certas substâncias (nomeadamente dopantes)
sejam expulsas rapidamente do organismo. Os principais diuréticos usados são o Triantereno e a
Furosemida.
•  Como efeitos secundários prejudiciais, os diuréticos podem causar desidratação, caibras, doenças
renais, perda de sais minerais, alterações no volume do sangue e no ritmo cardíaco. Se os
problemas cardíacos e renais tornarem-se muito graves, podem mesmo levar à morte do atleta.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
15
•  Este é o último grande grupo de drogas dopantes. Os beta-agonistas são drogas que se destinam a
aumentar a massa muscular e diminuir a massa gorda. Uma droga beta-agonista muito conhecida é a
adrenalina, que existe naturalmente no nosso organismo e que é libertada quando estamos sujeitos a
situações de grande tensão (é por isso que, quando ameaçados ou em perigo, o homem consegue
faz certas proezas ou utilizar certa força que normalmente não conseguiria usar). Este grupo de
drogas é conhecido pela sua capacidade de controlar a distribuição de fibras musculares e de
aumentar o ritmo cardíaco, aumentando o fluxo de sangue para músculos e cérebro.
•  Como efeitos secundários prejudiciais temos o aparecimento de insónias, agressividade, tremores e
náuseas, falta de concentração, distúrbios psíquicos, aumento da pressão arterial, problemas
cardiovasculares...
•  Como substâncias proibidas nas competições internacionais temos ainda o álcool, todo o tipo de
narcóticos estupefacientes e ainda drogas anti-estrogénicas, drogas que se destinam a inibir a
produção destas hormonas. Este tipo de drogas é proibido pois está geralmente associado ao
consumo de esteróides anabolizantes (são utilizadas devido ao efeito aromatizante dos esteróides).
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
16
•  Por fim, e a apesar de não serem propriamente drogas dopantes, existem também técnicas e
métodos proibidos no desporto.
• 
• 
• 
• 
São eles:
- aumento do transporte de oxigénio: esta técnica consiste no uso de substâncias (como o EPO)
para aumentarem o número de glóbulos vermelhos ou a transfusão de sangue previamente
retirado e enriquecido com glóbulos vermelhos. Este método é perigoso pois maior número de
glóbulos vermelhos significa sangue mais viscoso, e como tal há um maior risco de ataque
cardíaco.
- manipulação química e física: conjunto de técnicas que visa alterar a validade e a integridade das
amostras de urina e sangue usadas nos controlos antidoping. Entre elas destacamos a alteração
das amostras de urina, a inibição da excreção renal, cateterização e o uso de substâncias
mascarantes.
- doping genético: a dopagem genética é definida como o uso não terapêutico de genes, elementos
genéticos ou células que tenham a capacidade de aumentar o rendimento desportivo. Este tipo de
doping está ainda em desenvolvimento e ainda não é muito viável, mas poderá ser uma realidade
num futuro bem próximo. Esse tipo de doping é usado com recurso a vírus ou bactérias que
alteram certos genes em certos músculo do organismo, tornando-o mais adaptado à actividade que
pratica.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
17
•  Será que utilizar o doping como meio de obtenção de resultados é correcto? Esta é a questão, e a
resposta é pura e simplesmente NÃO. O nosso grupo é unânime em considerar que a prática do
doping não deve ser utilizada, e isto deve-se essencialmente devido a dois problemas que levanta:
• 
• 
O doping vai contra a máxima do desporto que é “o mais importante é participar, não é ganhar”. O
doping visa apenas o resultado, ignorando completamente a ética do desporto. Além disso, todos
os atletas devem partir em iguais condições para todos as competições. O uso de doping dá uma
vantagem injusta a quem o utiliza, até porque o que se quer avaliar numa competição desportiva
não é qual o atleta com mais dopantes, mas sim o melhor atleta numa determinada disciplina...
O doping é uma prática altamente perigosa. Infelizmente (ou não) quase todas as técnicas
dopantes apresentam perigos para saúde humana, o que só por si devia ser suficiente para
dissuadir os desportistas de a usar.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
18
•  Outro problema que se levanta muitas vezes é o facto de os desportistas serem quase “obrigados” a
usar doping. Muitas vezes um atleta, mesmo sabendo que é o melhor no desporto que pratica, tem
demasiadas pressões sobre ele: pode ser um atleta novo que precisa de ganhar uma determinada
competição para obter um contracto, um atleta em fim de carreira que já não consegue as proezas
físicas de quando era mais jovem, um atleta que vem duma lesão grave... Enfim, muitas vezes
acontece que é a necessidade e a pressão que levam certos atletas a usar técnicas dopantes, e a
necessidade é algo muito difícil de combater.
•  De qualquer forma, nos deixamos aqui o nosso apelo antidoping, devido às razões acima
mencionadas. Gostávamos também de salientar que o doping e os métodos antidopantes estão em
constante progressão. Hoje em dia já existem técnicas de detecção de dopantes avançadas, mas
visto estas técnicas serem sempre em resposta ao aparecimento de certas substâncias, quando tais
procedimentos são adoptados, já a substância dopante foi largamente utilizada. Destacamos por
exemplo o DMT, um esteróide sintético que o corredor dos 100 e 200 metros Kelli White admitiu
utilizar e sobre o qual não existem medidas antidoping.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
19
•  Este trabalho foi realizado com empenho e pensamos que cumprimos os objectivos propostos à
partida.
•  Com este trabalho, nós pretendemos informar e alertar todos sobre o prática do doping e dos seus
verdadeiros perigos, e pensamos que depois de lerem o nosso trabalho compreenderam melhor o
que é o doping, como é utilizado e principalmente quais os perigos que acarreta para a saúde
humana.
•  Como comentários finais, gostaríamos de acrescentar que gostámos de realizar este relatório pois
adquirimos muita informação nova sobre o doping um dos temas mais importantes e actuais da
realidade desportiva.
•  Esperamos que gostem.
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
20
•  http://en.wikipedia.org/wiki/Doping_(sport)
•  http://www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/Nandrolona/Doping.htm
•  http://xlandxs.wordpress.com/2006/09/08/os-perigos-do-doping/
•  http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1218008&idCanal=13
•  http://dn.sapo.pt/2005/06/13/temas/as_super_hormonas_escapam_doping.html
•  http://www.saudenainternet.com.br/corporesano/corporesano_17.shtml
•  http://www.saudenarede.com.br/?p=av&id=Doping
•  http://www.saude.inf.br/cebrid/cestero.htm
•  http://www.unifesp.br/dpsicobio/cebrid/quest_drogas/esteroides_anabolizantes.htm
•  http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922003000100004&script=sci_arttext
•  http://www.omundodacorrida.com/epo.htm
•  http://www.saudelar.com/edicoes/2001/setembro/principal.asp?send=saude.htm
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
21
02/04/14
Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16,
Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE
22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aptidão física
Aptidão físicaAptidão física
Aptidão física
sirgmoraes
 
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicasFatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Soraya Filipa
 
Atividade Física
Atividade FísicaAtividade Física
Atividade Física
Mário Ribeiro
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
Adriano Jesus
 
A corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportivaA corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportiva
Davide Ferreira
 
Fatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicas
Fatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicasFatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicas
Fatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicas
Flávia Marques
 
As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...
As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...
As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...
Escola Básica e Secundária Matilde Rosa Araújo
 
Aptidão física e saúde
Aptidão física e saúdeAptidão física e saúde
Aptidão física e saúde
JMPG .
 
Doping
DopingDoping
Doping
monicatuka
 
Especialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisicaEspecialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisica
Daniela Costa
 
Violência No Desporto
Violência No DesportoViolência No Desporto
Violência No Desporto
SNM
 
Corrupçao vs verdade desportiva
Corrupçao vs verdade desportivaCorrupçao vs verdade desportiva
Corrupçao vs verdade desportiva
Fabio Rocha
 
Atividade fisica, aptidão física e saúde
Atividade fisica, aptidão física e saúdeAtividade fisica, aptidão física e saúde
Atividade fisica, aptidão física e saúde
washington carlos vieira
 
Atletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimentoAtletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimento
Escola Secundaria Moura
 
A Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na SaúdeA Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na Saúde
educacaoraquetes
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Jorge Fernandes
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
Patrícia Morais
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
guestde10d2
 
A Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no DesportoA Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no Desporto
ProfCidadania1
 
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativasCapacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
JoanaMartins7
 

Mais procurados (20)

Aptidão física
Aptidão físicaAptidão física
Aptidão física
 
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicasFatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
Fatores de risco associados ã  prã¡tica das atividades fisicas
 
Atividade Física
Atividade FísicaAtividade Física
Atividade Física
 
Sedentarismo
SedentarismoSedentarismo
Sedentarismo
 
A corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportivaA corrupção vs verdade desportiva
A corrupção vs verdade desportiva
 
Fatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicas
Fatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicasFatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicas
Fatores de saúde e riscos associados à prática das actividades físicas
 
As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...
As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...
As capacidades motoras e a sua importância para a melhoria da condição física...
 
Aptidão física e saúde
Aptidão física e saúdeAptidão física e saúde
Aptidão física e saúde
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Especialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisicaEspecialização precoce - educação fisica
Especialização precoce - educação fisica
 
Violência No Desporto
Violência No DesportoViolência No Desporto
Violência No Desporto
 
Corrupçao vs verdade desportiva
Corrupçao vs verdade desportivaCorrupçao vs verdade desportiva
Corrupçao vs verdade desportiva
 
Atividade fisica, aptidão física e saúde
Atividade fisica, aptidão física e saúdeAtividade fisica, aptidão física e saúde
Atividade fisica, aptidão física e saúde
 
Atletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimentoAtletismo saltos altura_comprimento
Atletismo saltos altura_comprimento
 
A Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na SaúdeA Importância do Desporto na Saúde
A Importância do Desporto na Saúde
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Atletismo
AtletismoAtletismo
Atletismo
 
Ricardo Reis
Ricardo ReisRicardo Reis
Ricardo Reis
 
A Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no DesportoA Desigualdade de Género no Desporto
A Desigualdade de Género no Desporto
 
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativasCapacidades motoras: condicionais e coordenativas
Capacidades motoras: condicionais e coordenativas
 

Semelhante a Doping

Doping no esporte 8ª série
Doping no esporte   8ª sérieDoping no esporte   8ª série
Doping no esporte 8ª série
aluisiobraga
 
Doping no desporto.pptx
Doping no desporto.pptxDoping no desporto.pptx
Doping no desporto.pptx
JoaoFrancisco Moreira
 
DOPING NO ESPORTE
DOPING NO  ESPORTEDOPING NO  ESPORTE
DOPING NO ESPORTE
freitas57
 
Dopin nos esporte
Dopin nos esporteDopin nos esporte
Dopin nos esporte
freitas57
 
Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016
Gisele A. Barbosa
 
10 de fevereiro dia do atleta profissional
10 de fevereiro dia do atleta profissional10 de fevereiro dia do atleta profissional
10 de fevereiro dia do atleta profissional
Atividades Diversas Cláudia
 
Anabolizantes e como é feito o seu uso
Anabolizantes e como é feito o seu usoAnabolizantes e como é feito o seu uso
Anabolizantes e como é feito o seu uso
Vitor Morais
 
Doping
DopingDoping
Esteroidesanabolizantes
EsteroidesanabolizantesEsteroidesanabolizantes
Esteroidesanabolizantes
Reniton Oliveira Santos
 
Anabolizantes
Anabolizantes Anabolizantes
Anabolizantes
joell07
 
Trabalho de ed.fis
Trabalho de ed.fisTrabalho de ed.fis
Trabalho de ed.fis
César Augusto Vilela
 
Anabolizantes- 1D
Anabolizantes- 1DAnabolizantes- 1D
Anabolizantes- 1D
Maria Teresa Iannaco Grego
 
A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...
A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...
A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...
ericnalanhouse2
 
Capa
CapaCapa
Anabolizantes
AnabolizantesAnabolizantes
Anabolizantes
iecarloschagas
 
Anabolizantes
AnabolizantesAnabolizantes
Anabolizantes
Samuel Souza
 
Esteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes textoEsteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes texto
vaidarocu
 
Trabalho de biologia 2º verde
Trabalho de biologia 2º verdeTrabalho de biologia 2º verde
Trabalho de biologia 2º verde
danielskillet
 
Anfetaminas e anabolizantes
Anfetaminas e anabolizantesAnfetaminas e anabolizantes
Anfetaminas e anabolizantes
Leticia Santos
 
Esteróides anabolizantes
Esteróides anabolizantesEsteróides anabolizantes
Esteróides anabolizantes
Reniton Oliveira Santos
 

Semelhante a Doping (20)

Doping no esporte 8ª série
Doping no esporte   8ª sérieDoping no esporte   8ª série
Doping no esporte 8ª série
 
Doping no desporto.pptx
Doping no desporto.pptxDoping no desporto.pptx
Doping no desporto.pptx
 
DOPING NO ESPORTE
DOPING NO  ESPORTEDOPING NO  ESPORTE
DOPING NO ESPORTE
 
Dopin nos esporte
Dopin nos esporteDopin nos esporte
Dopin nos esporte
 
Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016Doping.cegrs.2016
Doping.cegrs.2016
 
10 de fevereiro dia do atleta profissional
10 de fevereiro dia do atleta profissional10 de fevereiro dia do atleta profissional
10 de fevereiro dia do atleta profissional
 
Anabolizantes e como é feito o seu uso
Anabolizantes e como é feito o seu usoAnabolizantes e como é feito o seu uso
Anabolizantes e como é feito o seu uso
 
Doping
DopingDoping
Doping
 
Esteroidesanabolizantes
EsteroidesanabolizantesEsteroidesanabolizantes
Esteroidesanabolizantes
 
Anabolizantes
Anabolizantes Anabolizantes
Anabolizantes
 
Trabalho de ed.fis
Trabalho de ed.fisTrabalho de ed.fis
Trabalho de ed.fis
 
Anabolizantes- 1D
Anabolizantes- 1DAnabolizantes- 1D
Anabolizantes- 1D
 
A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...
A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...
A cura do hipotireoidismo e a cura do hipertireoidismo 1ed - Eric Campos Bast...
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Anabolizantes
AnabolizantesAnabolizantes
Anabolizantes
 
Anabolizantes
AnabolizantesAnabolizantes
Anabolizantes
 
Esteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes textoEsteroides anabolizantes texto
Esteroides anabolizantes texto
 
Trabalho de biologia 2º verde
Trabalho de biologia 2º verdeTrabalho de biologia 2º verde
Trabalho de biologia 2º verde
 
Anfetaminas e anabolizantes
Anfetaminas e anabolizantesAnfetaminas e anabolizantes
Anfetaminas e anabolizantes
 
Esteróides anabolizantes
Esteróides anabolizantesEsteróides anabolizantes
Esteróides anabolizantes
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 

Doping

  • 1.
  • 2. •  Com este trabalho o nosso grupo pretende definir e explicar em que consiste a prática do doping, os vários métodos, técnicas e drogas usadas, explicando o que fazem, que capacidades físicas é que melhoram e quais os problemas que podem provocar a saúde dos desportistas. Pretendemos também falar sobre certos casos famosos de doping, assim como reflectir um pouco sobre o que leva aos desportistas a tal prática, assim como porque é que não é correcto utilizar técnicas dopantes. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 2
  • 3. •  O doping (ou dopagem) não é mais que um termo inglês que designa o uso de drogas ou substâncias que aumentam as capacidades físicas de atletas desportivos. O doping pode também ser considerado o uso de certas técnicas ou métodos que alteram o estado físico do desportista para aumentar o seu rendimento desportivo (não devemos no entanto confundir doping com treino físico rigoroso). Também é considerado doping o uso de substâncias que disfarçam outras substâncias dopantes, como é o caso dos diuréticos. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 3
  • 4. •  A prática de doping já é bastante antiga, tendo pelo menos mais de um século. •  Em 1904 Thomas Hicks ganhou a maratona recorrendo a doses enormes de conhaque e estricnina, para conseguir aguentar o desgaste físico da corrida. Como resultado, desmaiou assim que ganhou a maratona, tendo sido necessário várias horas para que ele fosse reanimado e recuperasse os sentidos. Pensa-se que esta prática começou-se a desenvolver intensamente a partir do momento em que começaram a haver grandes eventos desportivos, onde vários países competiam entre si. Por volta de 1936 pensa-se que os atletas da Alemanha Nazi já usavam os primeiros esteróides à base de testosterona. Em 1954 houve rumores que durante o campeonato do Mundo de levantamento de pesos os desportistas soviéticos usavam injecções de testosterona (o que é certo é que nesse ano vários recordes mundiais foram batidos pelos soviéticos). 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 4
  • 5. •  Mas só foi por volta de 1960 é que se iniciou a era moderna do doping, quando o ciclista dinamarquês Knud Jensen morreu durante o Giro de Itália, uma das mais importantes provas de ciclismo do mundo. Depois deste acontecimento o Comité Olímpico Internacional decidiu adoptar medidas antidoping em todas as provas oficiais e principalmente nos Jogos Olímpicos. Desde então tanto as técnicas como os meios de procura de doping têm evoluído, ainda que as técnicas dopantes estejam a evoluir mais rapidamente que os testes antidoping. Infelizmente até testes surpresa não são assim tão surpreendentes uma vez que os atletas conhecem bem os procedimentos antidoping. •  A prática de doping pode assumir muitas formas e existem inúmeras maneiras de aumentar as várias capacidades físicas humanas, dependendo do desporto em causa. Para quem não sabe, hoje em dia já existem práticas de dopagem para desportos como o xadrez e outro desportos mentalmente muito exigentes. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 5
  • 6. •  De entre todas as drogas e substâncias dopantes que encontrámos podemos dividi-las em vários grupos e classes, sendo estes: •  - Esteróides anabolizantes •  - Estimulantes •  - Analgésicos •  - Beta-bloqueantes •  - Hormonas peptídicas •  - Agentes mascarantes •  - Beta-agonistas 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 6
  • 7. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 7 Esteróides anabolizantes Estimulantes Analgésicos Beta-bloqueantes Hormonas peptídicas Agentes mascarantes Beta-agonistas
  • 8. •  Os esteróides anabolizantes são as drogas mais utilizadas no desporto de alta competição, especialmente nos desportos que necessitam grande força física e consequentemente, grande força muscular. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 8   Como podem observar na imagem acima mostrada, os esteróides anabolizantes desenvolvem a massa muscular. Obviamente e como podem com certeza perceber, esta imagem é um caso extremo de uso de anabolizantes. De facto, se tal homem com tais músculos existir, duvidamos que ele não tenha um ataque cardíaco muito em breve.
  • 9. •  Estimulantes são substâncias que estimulam e aceleram a actividade cerebral, o que faz com que a resposta nervosa seja mais rápida, aumento a actividade dos atletas e diminuindo o seu cansaço. •  O uso de estimulantes é muito frequente entre os atletas (é o mais frequente a seguir ao consumo de esteróides) que tomam drogas como anfetaminas, estricnina, cafeína ou até mesmo cocaína, para reduzirem o cansaço e aumentarem a sua resposta cerebral. Os estimulantes podem ser tomados por via oral, em pó, através da inspiração nasal, injecções e podem mesmo ser fumados. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 9
  • 10. •  Analgésicos são droga calmantes muito frequentemente usadas em quase todos os desportos fisicamente exigentes e que viam diminuir a dor. Podem ter como efeito, por exemplo, reduzir a dor de certas lesões ou actividades, fazendo com que o atleta aguente mais tempo e que aguente mais dor, aumentando a sua resistência natural, sendo por isso muito utilizados em desportos como a maratona e o triatlo (fisicamente muito exigentes). •  Exemplos de analgésicos: morfina, metadona, petidina, entre outras. •  Os analgésicos apresentam alguns perigos para o organismo pois o seu uso, visto reduzir a dor sentida, pode fazer com que um atleta agrave uma lesão, podem levar também à perda de equilíbrio e coordenação, náuseas e vómitos, insónias e depressão, diminuição da frequência cardíaca e ritmo respiratório e diminuição da capacidade de concentração. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 10
  • 11. •  Os beta-bloqueantes são utilizados no desporto de uma forma semelhante aos analgésico pois também eles ajudam a combater o nervosismo, stress e ansiedade. Estas drogas actuam nomeadamente no coração, diminuindo o ritmo cardíaco. •  Esta função é altamente proveitosa para certos desportos de alta precisão, sendo por isso altamente proibida em desportos com o tiro ao alvo, tiro com arco, bilhar, xadrez, natação sincronizada... Exemplos de beta-bloqueantes: acebutolol, alprenolol, atenolol, labetolol, metipranolol, pindolol. •  O consumo de beta-bloqueantes é perigosos pois a diminuição do ritmo cardíaco pode provar hipotensão (tensão arterial baixa) e pode mesmo provocar paragens cardíacas. Pode também provocar asma, hipoglicémia (falta de glicose no sangue), insónias e impotência sexual. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 11
  • 12. •  As hormonas Peptídicas possuem diversas funções. Uma das suas principais funções é a fixação Peptídica, isto é, estas hormonas ajudam os músculos nas suas reacções anabólicas, ajudando a fixar os aminoácidos necessários para a construção destes. Existem vários tipos de hormonas Peptídicas, e com diversas funções, de entre as quais se destacam: •  Eritropoietina, também denominada de EPO. Esta hormona, que existe no nosso organismo, estimula a produção de glóbulos vermelhos, aumentando assim a resistência do atleta (pois os músculos são fornecidos com uma maior quantidade de oxigénio). A Eritropoietina está assim associada a um tipo de doping especifico, o incremento do transporte do oxigénio, que falaremos mais à frente. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 12
  • 13. •  HCG, uma hormona produzida pelo feto durante a gravidez, é também usada pelos homens para aumentar a produção de esteróides no organismo. Existem também mulheres que engravidam, pois a HCG faz aumentar as concentrações de hormonas femininas e com tais concentrações ditas “naturais” muitas outras drogas dopantes que podem existir em certas concentrações são disfarçadas. Depois do teste de controlo, as atletas abortam. •  HC, hormona do crescimento, hormona essa que tal como o nome indica é produzida em grande quantidade durante a puberdade e permite o crescimento dos indivíduos, é também usada na construção e recuperação de tecidos musculares. •  LH, hormona que existe naturalmente no nosso organismo, é usada para estimular a produção de testosterona nos testículos. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 13
  • 14. •  O uso destas drogas pode provocar deformações ósseas, distúrbios hormonais, miopia, hipertensão, coágulos sanguíneos, diabetes, doenças articulares. •  A utilização de hormonas não Peptídicas está também proibido quando apresentam estrutura e função semelhante as estas. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 14
  • 15. •  Os diuréticos, ou substâncias Mascarantes, são outro grande grupo de substâncias proibidas. Este tipo de substâncias tem como função aumentar a quantidade de urina produzida, o que leva a alterações no controlo desta visto a maior parte das substâncias ser ilegal quando detectada em concentrações elevadas. •  Ao aumentar a quantidade de urina, as concentrações de substâncias dopantes vão diminuir, não podendo por isso serem consideradas dopantes abaixo de certos níveis. Além desta função, os diuréticos são também usados para perda de peso, nomeadamente em desportos divididos por categorias de peso ou até mesmo de forma a que certas substâncias (nomeadamente dopantes) sejam expulsas rapidamente do organismo. Os principais diuréticos usados são o Triantereno e a Furosemida. •  Como efeitos secundários prejudiciais, os diuréticos podem causar desidratação, caibras, doenças renais, perda de sais minerais, alterações no volume do sangue e no ritmo cardíaco. Se os problemas cardíacos e renais tornarem-se muito graves, podem mesmo levar à morte do atleta. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 15
  • 16. •  Este é o último grande grupo de drogas dopantes. Os beta-agonistas são drogas que se destinam a aumentar a massa muscular e diminuir a massa gorda. Uma droga beta-agonista muito conhecida é a adrenalina, que existe naturalmente no nosso organismo e que é libertada quando estamos sujeitos a situações de grande tensão (é por isso que, quando ameaçados ou em perigo, o homem consegue faz certas proezas ou utilizar certa força que normalmente não conseguiria usar). Este grupo de drogas é conhecido pela sua capacidade de controlar a distribuição de fibras musculares e de aumentar o ritmo cardíaco, aumentando o fluxo de sangue para músculos e cérebro. •  Como efeitos secundários prejudiciais temos o aparecimento de insónias, agressividade, tremores e náuseas, falta de concentração, distúrbios psíquicos, aumento da pressão arterial, problemas cardiovasculares... •  Como substâncias proibidas nas competições internacionais temos ainda o álcool, todo o tipo de narcóticos estupefacientes e ainda drogas anti-estrogénicas, drogas que se destinam a inibir a produção destas hormonas. Este tipo de drogas é proibido pois está geralmente associado ao consumo de esteróides anabolizantes (são utilizadas devido ao efeito aromatizante dos esteróides). 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 16
  • 17. •  Por fim, e a apesar de não serem propriamente drogas dopantes, existem também técnicas e métodos proibidos no desporto. •  •  •  •  São eles: - aumento do transporte de oxigénio: esta técnica consiste no uso de substâncias (como o EPO) para aumentarem o número de glóbulos vermelhos ou a transfusão de sangue previamente retirado e enriquecido com glóbulos vermelhos. Este método é perigoso pois maior número de glóbulos vermelhos significa sangue mais viscoso, e como tal há um maior risco de ataque cardíaco. - manipulação química e física: conjunto de técnicas que visa alterar a validade e a integridade das amostras de urina e sangue usadas nos controlos antidoping. Entre elas destacamos a alteração das amostras de urina, a inibição da excreção renal, cateterização e o uso de substâncias mascarantes. - doping genético: a dopagem genética é definida como o uso não terapêutico de genes, elementos genéticos ou células que tenham a capacidade de aumentar o rendimento desportivo. Este tipo de doping está ainda em desenvolvimento e ainda não é muito viável, mas poderá ser uma realidade num futuro bem próximo. Esse tipo de doping é usado com recurso a vírus ou bactérias que alteram certos genes em certos músculo do organismo, tornando-o mais adaptado à actividade que pratica. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 17
  • 18. •  Será que utilizar o doping como meio de obtenção de resultados é correcto? Esta é a questão, e a resposta é pura e simplesmente NÃO. O nosso grupo é unânime em considerar que a prática do doping não deve ser utilizada, e isto deve-se essencialmente devido a dois problemas que levanta: •  •  O doping vai contra a máxima do desporto que é “o mais importante é participar, não é ganhar”. O doping visa apenas o resultado, ignorando completamente a ética do desporto. Além disso, todos os atletas devem partir em iguais condições para todos as competições. O uso de doping dá uma vantagem injusta a quem o utiliza, até porque o que se quer avaliar numa competição desportiva não é qual o atleta com mais dopantes, mas sim o melhor atleta numa determinada disciplina... O doping é uma prática altamente perigosa. Infelizmente (ou não) quase todas as técnicas dopantes apresentam perigos para saúde humana, o que só por si devia ser suficiente para dissuadir os desportistas de a usar. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 18
  • 19. •  Outro problema que se levanta muitas vezes é o facto de os desportistas serem quase “obrigados” a usar doping. Muitas vezes um atleta, mesmo sabendo que é o melhor no desporto que pratica, tem demasiadas pressões sobre ele: pode ser um atleta novo que precisa de ganhar uma determinada competição para obter um contracto, um atleta em fim de carreira que já não consegue as proezas físicas de quando era mais jovem, um atleta que vem duma lesão grave... Enfim, muitas vezes acontece que é a necessidade e a pressão que levam certos atletas a usar técnicas dopantes, e a necessidade é algo muito difícil de combater. •  De qualquer forma, nos deixamos aqui o nosso apelo antidoping, devido às razões acima mencionadas. Gostávamos também de salientar que o doping e os métodos antidopantes estão em constante progressão. Hoje em dia já existem técnicas de detecção de dopantes avançadas, mas visto estas técnicas serem sempre em resposta ao aparecimento de certas substâncias, quando tais procedimentos são adoptados, já a substância dopante foi largamente utilizada. Destacamos por exemplo o DMT, um esteróide sintético que o corredor dos 100 e 200 metros Kelli White admitiu utilizar e sobre o qual não existem medidas antidoping. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 19
  • 20. •  Este trabalho foi realizado com empenho e pensamos que cumprimos os objectivos propostos à partida. •  Com este trabalho, nós pretendemos informar e alertar todos sobre o prática do doping e dos seus verdadeiros perigos, e pensamos que depois de lerem o nosso trabalho compreenderam melhor o que é o doping, como é utilizado e principalmente quais os perigos que acarreta para a saúde humana. •  Como comentários finais, gostaríamos de acrescentar que gostámos de realizar este relatório pois adquirimos muita informação nova sobre o doping um dos temas mais importantes e actuais da realidade desportiva. •  Esperamos que gostem. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 20
  • 21. •  http://en.wikipedia.org/wiki/Doping_(sport) •  http://www.ff.up.pt/toxicologia/monografias/ano0405/Nandrolona/Doping.htm •  http://xlandxs.wordpress.com/2006/09/08/os-perigos-do-doping/ •  http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1218008&idCanal=13 •  http://dn.sapo.pt/2005/06/13/temas/as_super_hormonas_escapam_doping.html •  http://www.saudenainternet.com.br/corporesano/corporesano_17.shtml •  http://www.saudenarede.com.br/?p=av&id=Doping •  http://www.saude.inf.br/cebrid/cestero.htm •  http://www.unifesp.br/dpsicobio/cebrid/quest_drogas/esteroides_anabolizantes.htm •  http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1517-86922003000100004&script=sci_arttext •  http://www.omundodacorrida.com/epo.htm •  http://www.saudelar.com/edicoes/2001/setembro/principal.asp?send=saude.htm 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 21
  • 22. 02/04/14 Sérgio Sousa nº18, Tiago Teixeira nº20, Pedro Silva nº16, Bruno Quintelas nº 7 : 7ºE 22