SlideShare uma empresa Scribd logo
Caderno silo
2
Ficha técnica
UmapublicaçãodaAssociaçãodeEstudos,OrientaçãoeAssistênciaRural-ASSESOAR
Av. General Osório, 500 • Caixa Postal 124
85604-240 • Francisco Beltrão • PR • Fone 0 XX 46 3524 2488
assesoar@assesoar.org.br • http://www.assesoar.org.br
Diretoria Executiva e Conselho Diretor e Fiscal da Assesoar
Ivete Bianchini (Presidenta), Paulo de Souza (Tesoureiro), André Duarte (Se-
cretário), Edival Korb, Loeri Paza, Marcos Roberto Cigolini, Tiburcio José
dos Santos, Paulo Roberto Czekalski, Rosemari Machado Dapont, Luiz Osó-
rio Felix da Silva, Julio Nuernberg, Claudioney Daleffe Wastchuk, Gelsi Dutra,
Marlene Graauw, Nelcindo Hoffnann, Jandir Rodrigues, Ari Silvestro, Santa
Terezinha dos Santos Sukenski, Marilene Maria Sotoriva.
Equipe da Assesoar
Amaro Korb Rabelo, Andreia F. Vansetto Soares, Claidy Antônia Guancino,
Felipe Fontoura Grisa, Geneci Marques dos Santos Gomes, Janete Rosane
Fabro, Katia Teresinha Paloschi, Lunéia Catiane de Souza, Rogéria Pereira
Alba, Suzana Gotardo de Meira, Valdir Pereira Duarte, Valéria Korb, Ivone-
te Zanini Zulion, Vilma Favero Marchiori, Alvarina do Carmo Sangalli, Nair
Mawieski Pinto, Derli Guancino.
Técnicos que atuaram no Projeto Tecnologias Ecológicas
Aline M. Hartmann, Edsomar Rippel, José Joacir Antonioli, Evaldo Korb Ra-
belo, Everton Dobner, André Duarte, Lucas Daniel Felizardo, Paulo Cezar
Crestani.
Textos
Amaro Korb Rabelo, Janete Rosane Fabro, Felipe Grisa
Fotos e Imagens
Arquivos da ASSESOAR
Revisão e Coordenação
Lunéia Catiane de Souza e Vanderlei Dambros
Diagramação
Carlos Norberto Romanino
Impressão
Calgan Editora Gráica / BERZON - Francisco Beltrão - PR
Catalogação na Publicação (CIP)
Sistema de Bibliotecas - UNIOESTE – Campus Francisco Beltrão
Sudoeste do Paraná – Brasil – Fevereiro de 2014
ZS585 Silo secador e armazenador de cereais: secagem e armazenamento de
grãos na agricultura familiar e camponesa. / Associação de Estudos, Orientação
e Assistência Rural. – Francisco Beltrão: ASSESOAR, 2014.
12 p. (Coleção Tecnologias Ecológicas) V.2
ISBN: 978-85-99732-38-0
1. Agroecologia. 2. Silos. 3. Ecologia - Tecnologias. 4. Grãos - Armazenamento.
I. Título.
CDD – 631.23
3
SILO SECADOR E ARMAZENADOR DE CEREAIS
secagem e armazenamento de grãos na agricultura familiar e camponesa
Vida Familiar - UPVFs. Apesar das iniciativas locais e nacionais
que se contrapõem a essa lógica, ela continua predominante.
Assim, crescem as áreas de monocultura exportadora em pre-
juízo das práticas de gestão sustentável dos recursos naturais
e de produção de alimentos.
Nas UPVF’s brasileiras, a secagem e o armazenamento
da produção de grãos é um problema que ainda se encontra
longe de uma solução deinitiva. Enquanto que a capacidade
de armazenamento dos agricultores em países como França,
Argentina e Estados Unidos varia de 30 a 60% da safra, no
Brasil este índice é de, aproximadamente, 5%¹ . No Brasil, o
armazenamento da produção agrícola é monopolizado por co-
operativas e empresas privadas.
A solução para este problema pode ser mais fácil do que
se pensa. Se, por um lado, os modelos de silos disponíveis
no mercado são de alto custo e necessitam de mão de obra
especializada para construção, operação e manutenção e,
portanto, longe do alcance dos agricultores familiares e cam-
poneses, por outro lado, existe hoje tecnologias adaptadas e
de baixo custo que, através de uma política pública, poderá
estar ao alcance desses agricultores e camponeses.
A secagem e o armazenamento de cereais é um fator que
limita o desenvolvimento da agricultura familiar. Grande parte
dos agricultores familiares e camponeses não dispõe de estru-
tura de secagem e armazenamento de grãos (principalmente
o milho), tendo que pagar um preço alto, para isto, ou vender
a produção e comprá-la mais tarde, para suprir as necessi-
dades da família e da criação de animais. Nesse processo de
secagem e armazenamento fora da Unidade de Produção e
Vida Familiar - UPVF, os agricultores/as acabam perdendo o
controle sobre sua produção ecológica, misturando-a com a
produção convencional.
Além disso, o atual modelo de desenvolvimento agrícola,
centrado na monocultura, é causador de um processo acele-
rado de destruição da biodiversidade nas UPVFs. Muitas es-
pécies vegetais e animais estão sendo perdidas, o que coloca
em risco a soberania alimentar das populações locais e a pro-
dução de alimentos para o consumo da população brasileira.
As políticas governamentais, o crédito e a pesquisa, nas
últimas décadas, têm valorizado mais as ações direcionadas
ao crescimento econômico e menos as ações que assegu-
ram uma gestão mais sustentável das Unidades de Produção e
1- Prof. Marisa A.B. Regitano d’Arce, do Departamento Agroindústria, Alimentos e Nutrição ESALQ/USP, em http://www. esalq.usp.br/departamentos/lan/pdf/Armazenamentodegraos.pdf, acessado
em julho de 2012.
4
Características e funcionamento do silo ecológico
Trata-se de uma estrutura cilíndrica de alvenaria, construí-
da nas dimensões desejadas de acordo com a necessidade de
armazenamento e o espaço disponível.
Para maior segurança, algumas dimensões devem ser
respeitadas (máximo de 5 metros de diâmetro e 5 de altura
(com 4 de aproveitamento). Ele funciona pela injeção forçada
de ar em temperatura ambiente. Uma turbina acoplada a um
motor é adaptada ao silo, de forma que o ar seja coletado do
ambiente e injetado para dentro, sob o lastro de madeira. O
ar injetado sobe, passando pela massa de grãos, retirando a
umidade.
A uma altura de 25 cm do fundo do cilindro de alvenaria,
coloca-se um lastro de madeira, feito com ripas sobre vigas,
deixando frestas para permitir a passagem do ar.
Sobre o lastro, é colocada uma tela plástica ou sombrite,
para evitar que os grãos passem através das frestas. A colo-
cação das vigas deve ser no mesmo sentido da entrada de
ar, facilitando sua circulação no interior do silo. O silo deve
ter saídas (canos) com tampa (uma ou duas) logo acima do
lastro de madeira para retirada dos grãos.
É necessário fazer uma cobertura ou utilizar um telhado
já existente, já que o silo deve ser totalmente aberto, na parte
superior, para facilitar a passagem do ar.
Vantagens do Silo Ecológico
Redução de custos com transporte, armazenamento e se-
cagem; controle dos agricultores sobre sua produção ecológi-
ca; possibilidade de ser subdividido, armazenando vários tipos
de cereais; custo de investimento relativamente baixo; domínio
da tecnologia de construção, operação e manutenção pelos
agricultores; minimização de perdas em quantidade e quali-
dade; melhoria da qualidade dos grãos que permanecem na
UPVF; praticidade e adaptabilidade podendo ser localizado e
dimensionado conforme a necessidade, com aproveitamento
de estruturas já existentes.
A Construção do Silo:
Material utilizado para a construção: areia média, ci-
mento, cal, tijolos, arame liso, vigas e ripas de madeira para
assoalho, pregos, sombrite, um motor acoplado a uma turbina
ou um ventilador axial, tubo de PVC de 150mm, material para
andaime, materiais de pedreiro e carpinteiro.
Cálculo da capacidade de um silo secador:
Para calcular a capacidade de armazenamento de um silo
cilíndrico, a fórmula é (r2 x π x h x d), sendo que “r” é o raio;
“π” é a constante matemática utilizada para cálculo de circun-
ferências – cuja pronúncia é pi e seu valor é 3,14; “h” é a altura
e “d” é a densidade do cereal.
5
A densidade da cevada é de 580 kg/m3, do milho 780 a
840 kg/m3, do trigo 780 a 790 kg/m3, da soja 800 kg/m3 e do
arroz em casca 600 kg/m3.
Exemplo: para saber qual a capacidade (para milho em
grão) de um silo secador de 1,1 m de raio e de 2 m de altura
para milho, calcula-se: 1,1 x 1,1 x 3,14 x 2 x 800 = 6.079
quilos de milho. Aproximadamente, 101 sacos de milho.
Passos da construção:
1. Preparo do local: alguns cuidados devem ser tomados
no momento da escolha onde será construído o silo:
1.1 O silo precisa de uma cobertura para abrigar a cons-
trução de alvenaria. Pode-se utilizar um galpão já existente ou
construir uma cobertura própria para o silo;
1.2 Fazer a limpeza para eliminar resíduos orgânicos, ni-
velar e compactar terreno onde o silo será construído. (Fig.1)
1.3 Com o terreno nivelado e compactado, marca-se um
círculo com o diâmetro desejado para o silo. (Fig.2)
2. Construção da base:
No local preparado, espalha-se uma camada de pedra
brita; coloca-se a malha de ferro soldado (4.2 mm) sobre a bri-
Fig.1
Fig. 2
6
ta; concreta-se a base com uma massa no traço 1:3:1, (uma
medida de cimento, três de areia e uma de pedra brita). (Fig.
3 e 4)
3. Construção das paredes:
3.1 Depois do concreto seco, assenta-se três iadas
com tijolos deitados, seguindo o diâmetro do silo. A massa
deve ser no traço 1:5 (uma medida de cimento e cinco medi-
das de areia).
3.2 Ao assentar as três primeiras iadas, deve-se deixar
o espaço para a construção dos pilares de concreto (com 40
a 45 cm de altura) que servirão de apoio para as vigas (Fig. 5).
Nessas primeiras iadas de tijolos, deve-se, também, colocar
um cano de 150 mm para a entrada de ar da turbina.
3.3 Com as três primeiras iadas de tijolos e os pilares
já secos, coloca-se as vigas (10x15 cm) que servirão de apoio
Fig. 3
Fig. 4
Fig. 5
7
para o estrado de madeira que será o assoalho do silo. Sob
as vigas, coloca-se tijolos preenchidos com argamassa que
servirão de sustentação do peso. (Fig. 6).
3.4 Após a terceira iada, os tijolos podem ser assenta-
Fig. 6
Fig. 7
dos de cutelo (de pé) até a altura desejada. (Fig. 7).
3.5 Enquanto a parede é levantada, faz-se a construção
do lastro com ripas (2,5 x 5 cm), facilitando a sua colocação.
Depois das paredes estarem prontas, na altura desejada torna-
se mais difícil. (Fig. 7).
8
3.6 Imediatamente, acima das ripas do estrado, na pa-
rede, coloca-se um pedaço de cano de PVC de 150 mm, com
desnível para fora, por onde serão retirados os grãos de dentro
do silo. (Fig. 8)
de 10 cm para cada lado da parede, formando uma escada
externa e interna. (Fig. 9).
Cano de entrada de ar da
turbina - 150mm
Fig. 9
Fig. 8
3.7 Para facilitar o acesso ao interior do silo, coloca-se,
a cada quarenta centímetros, um ferro de meia polegada, no
formato de um retângulo (40 por 30 cm), deixando uma sobra
3.8 Com a parede pronta, na altura desejada e seca, co-
locar, a cada iada de tijolo, um arame galvanizado para refor-
çar a resistência. Depois do arame ixo em cada iada de tijolo,
9
uni-los verticalmente a cada metro, formando uma grade para
melhorar a estabilidade da parede do silo. (Fig. 10).
de umidade e calor dos cereais com a parede. (Fig.s 11 e 12)
Fig. 10
Fig. 11
Fig. 12
3.9 Depois da parede pronta e reforçada com os ara-
mes, fazer o reboco da parte externa. A parte interna não é re-
bocada, pois com o tijolo exposto tem-se um aumento na troca
10
4. Finalizações:
Antes de colocar os grãos para secagem e armazena-
gem, estender duas camadas de sombrite sobre as ripas do
estrado e instalar a turbina injetora de ar. O sombrite impede
que os grãos passem pela grade e permite a passagem do ar.
(Fig. 13)
Fig. 13
Os grãos armazenados no silo deverão receber a in-
jeção do ar, imediatamente, para que a qualidade não seja
comprometida. Por isso, é necessário que a turbina já esteja
instalada ao depositar os primeiros grãos no silo. (Fig. 14).
11
Fig. 14
Armazenamento e secagem:
A secagem depende da temperatura, umidade relativa e
vazão do ar de secagem. Estes três fatores devem ser consi-
derados para que a secagem seja completada sem a deteriora-
ção do produto. Para isso, convém escolher períodos em que
o ar esteja mais frio e seco, facilitando o processo e diminuin-
do o tempo para que o cereal atinja a temperatura e umidade
ideal de armazenamento.
Deve-se injetar ar desde o momento em que o cereal é
armazenado no silo até a sua completa secagem. De acordo
com informações de agricultores que já utilizam essa tecnolo-
gia, pode-se armazenar cereais com umidade diversa. Reco-
menda- se, porém, que a umidade não seja superior a 22%. De
qualquer forma, quanto maior a umidade, maior será o tempo
de secagem e maiores os riscos de aquecimento e fermenta-
ção.
Para uma boa secagem, são necessárias, em média, 6
horas de ventilação forçada por dia, até a secagem ideal. Por
im, para manutenção dos grãos nas condições desejadas e
protegidos, uma hora de ventilação por semana é suiciente.
Um bom monitoramento da temperatura, no processo
de secagem, é fundamental. Existem formas soisticadas e ca-
ras de controle de temperatura para os silos convencionais.
No caso do silo ecológico, pode-se fazer uso de formas sim-
ples, como: introduzir tubos perfurados no meio da massa de
grãos, por onde coloca-se um termômetro, ou ainda, introduzir
uma haste metálica na massa de cereais, deixando-a por uns
15 minutos e, ao retirá-la, veriicar se está aquecida.
Caderno silo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Milho Crioulo
O Milho CriouloO Milho Crioulo
O Milho Crioulo
Emanuel Fraca
 
Epamig braquiaria
Epamig braquiariaEpamig braquiaria
Epamig braquiaria
Carla Tatiana
 
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
Alexandre Panerai
 
01 módulo armazenamento_de_grãos
01 módulo armazenamento_de_grãos01 módulo armazenamento_de_grãos
01 módulo armazenamento_de_grãos
Marcio Claro de Oliveira
 
Agroeco aplicada
Agroeco aplicadaAgroeco aplicada
Agroeco aplicada
mvezzone
 
Agroecologia para suinos
Agroecologia para suinosAgroecologia para suinos
Agroecologia para suinos
Kátia P. G. Morinigo
 
Info Wolf n°10
Info Wolf n°10 Info Wolf n°10
USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE
USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUEUSO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE
USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Relatório Céleres
Relatório CéleresRelatório Céleres
Relatório Céleres
Portal Canal Rural
 
Feira do conhecimento científico interdisciplinar
Feira do conhecimento científico interdisciplinarFeira do conhecimento científico interdisciplinar
Feira do conhecimento científico interdisciplinar
Matheus Enck
 
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
WandercleysonSilva1
 
Desmistificando o aproveitamento dos pastos
Desmistificando o aproveitamento dos pastosDesmistificando o aproveitamento dos pastos
Desmistificando o aproveitamento dos pastos
vitorvm
 
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as EmpresasEmpresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
Empresa Verde Consultoria em Sustentabilidade Empresarial
 
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Rural Pecuária
 
Cemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudas
Cemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudasCemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudas
Cemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudas
1962laura
 
Cartilha agrobiodiversidade
Cartilha agrobiodiversidadeCartilha agrobiodiversidade
Cartilha agrobiodiversidade
Karlla Costa
 
Agriculturas abr2014
Agriculturas abr2014Agriculturas abr2014
Agriculturas abr2014
Fábio Borrajo
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
claudioagroecologia
 

Mais procurados (18)

O Milho Crioulo
O Milho CriouloO Milho Crioulo
O Milho Crioulo
 
Epamig braquiaria
Epamig braquiariaEpamig braquiaria
Epamig braquiaria
 
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
 
01 módulo armazenamento_de_grãos
01 módulo armazenamento_de_grãos01 módulo armazenamento_de_grãos
01 módulo armazenamento_de_grãos
 
Agroeco aplicada
Agroeco aplicadaAgroeco aplicada
Agroeco aplicada
 
Agroecologia para suinos
Agroecologia para suinosAgroecologia para suinos
Agroecologia para suinos
 
Info Wolf n°10
Info Wolf n°10 Info Wolf n°10
Info Wolf n°10
 
USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE
USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUEUSO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE
USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE
 
Relatório Céleres
Relatório CéleresRelatório Céleres
Relatório Céleres
 
Feira do conhecimento científico interdisciplinar
Feira do conhecimento científico interdisciplinarFeira do conhecimento científico interdisciplinar
Feira do conhecimento científico interdisciplinar
 
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
 
Desmistificando o aproveitamento dos pastos
Desmistificando o aproveitamento dos pastosDesmistificando o aproveitamento dos pastos
Desmistificando o aproveitamento dos pastos
 
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as EmpresasEmpresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
Empresa Verde - Palestra Sustentabilidade na prática para as Empresas
 
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejoPastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
Pastejo rotacionado 2: pontos críticos no manejo
 
Cemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudas
Cemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudasCemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudas
Cemig cbau 2014-produçãoe distribuição de mudas
 
Cartilha agrobiodiversidade
Cartilha agrobiodiversidadeCartilha agrobiodiversidade
Cartilha agrobiodiversidade
 
Agriculturas abr2014
Agriculturas abr2014Agriculturas abr2014
Agriculturas abr2014
 
Apostila suinocultura
Apostila suinoculturaApostila suinocultura
Apostila suinocultura
 

Semelhante a Caderno silo

Hortas verticais
Hortas verticaisHortas verticais
Hortas verticais
acbaptista
 
Instalaçoes corte
Instalaçoes corteInstalaçoes corte
Instalaçoes corte
Igor Magalhães
 
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicaçõesSilagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Rural Pecuária
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
HailtonBarbosadosSan
 
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTASINTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
RAIMUNDAMARIADOSSANT3
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
mvezzone
 
Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
pauloweimann
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
Lenildo Araujo
 
Projeto de Planejamento-Hailton.docx
Projeto de Planejamento-Hailton.docxProjeto de Planejamento-Hailton.docx
Projeto de Planejamento-Hailton.docx
HailtonBarbosadosSan
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
claudioagroecologia
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
Desireé Alvarez
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Rural Pecuária
 
Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia
Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia
Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia
Rural Pecuária
 
Instalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinosInstalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinos
mmaob
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
leneschabbach
 
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Instituto Besc
 
Inst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apresInst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apres
Cristina Marino de Souza
 

Semelhante a Caderno silo (20)

Hortas verticais
Hortas verticaisHortas verticais
Hortas verticais
 
Instalaçoes corte
Instalaçoes corteInstalaçoes corte
Instalaçoes corte
 
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicaçõesSilagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
Silagem de milho: Ponto ideal de colheita e suas implicações
 
Planejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptxPlanejamento Agronômico.pptx
Planejamento Agronômico.pptx
 
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTASINTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
INTRODUÇÃO A RECOMPOSIÇÃO COM ÊNFASE NAS FLORESTAS
 
Manejo frangos corte
Manejo frangos corteManejo frangos corte
Manejo frangos corte
 
Abc umbuzeiro
Abc umbuzeiroAbc umbuzeiro
Abc umbuzeiro
 
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seuABC Umbuzeiro valorize o que e seu
ABC Umbuzeiro valorize o que e seu
 
Projeto de Planejamento-Hailton.docx
Projeto de Planejamento-Hailton.docxProjeto de Planejamento-Hailton.docx
Projeto de Planejamento-Hailton.docx
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Cartilhaeucaliptoneo
CartilhaeucaliptoneoCartilhaeucaliptoneo
Cartilhaeucaliptoneo
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
 
Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia
Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia
Novos Negócios: Cultivo de Agrião em Sistema de Hidroponia
 
Instalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinosInstalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinos
 
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes ticsApresentação do projeto sabores e saberes tics
Apresentação do projeto sabores e saberes tics
 
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
Mesa 2 – conservação da biodiversidade renato2012
 
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
Potenciais de crescimento da silvicultura, agrossilvicultura e competitividad...
 
Inst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apresInst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apres
 

Mais de Guilherme MartinsCosta

Calibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizadorCalibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizador
Guilherme MartinsCosta
 
Folder 29
Folder 29Folder 29
Manual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_iiManual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_ii
Guilherme MartinsCosta
 
Instrumento para calibragem
Instrumento para calibragemInstrumento para calibragem
Instrumento para calibragem
Guilherme MartinsCosta
 
Tm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_systemTm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_system
Guilherme MartinsCosta
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
Guilherme MartinsCosta
 
Estação mip
Estação mipEstação mip
Estação mip
Guilherme MartinsCosta
 
Fotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio ruralFotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio rural
Guilherme MartinsCosta
 
269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial
Guilherme MartinsCosta
 

Mais de Guilherme MartinsCosta (9)

Calibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizadorCalibrar un pulverizador
Calibrar un pulverizador
 
Folder 29
Folder 29Folder 29
Folder 29
 
Manual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_iiManual orientacao agricultura_ii
Manual orientacao agricultura_ii
 
Instrumento para calibragem
Instrumento para calibragemInstrumento para calibragem
Instrumento para calibragem
 
Tm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_systemTm410 br optimizing-your_spray_system
Tm410 br optimizing-your_spray_system
 
Producao de-feno
Producao de-fenoProducao de-feno
Producao de-feno
 
Estação mip
Estação mipEstação mip
Estação mip
 
Fotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio ruralFotovoltaica no meio rural
Fotovoltaica no meio rural
 
269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial269 armazenater-v1-tutorial
269 armazenater-v1-tutorial
 

Caderno silo

  • 2. 2 Ficha técnica UmapublicaçãodaAssociaçãodeEstudos,OrientaçãoeAssistênciaRural-ASSESOAR Av. General Osório, 500 • Caixa Postal 124 85604-240 • Francisco Beltrão • PR • Fone 0 XX 46 3524 2488 assesoar@assesoar.org.br • http://www.assesoar.org.br Diretoria Executiva e Conselho Diretor e Fiscal da Assesoar Ivete Bianchini (Presidenta), Paulo de Souza (Tesoureiro), André Duarte (Se- cretário), Edival Korb, Loeri Paza, Marcos Roberto Cigolini, Tiburcio José dos Santos, Paulo Roberto Czekalski, Rosemari Machado Dapont, Luiz Osó- rio Felix da Silva, Julio Nuernberg, Claudioney Daleffe Wastchuk, Gelsi Dutra, Marlene Graauw, Nelcindo Hoffnann, Jandir Rodrigues, Ari Silvestro, Santa Terezinha dos Santos Sukenski, Marilene Maria Sotoriva. Equipe da Assesoar Amaro Korb Rabelo, Andreia F. Vansetto Soares, Claidy Antônia Guancino, Felipe Fontoura Grisa, Geneci Marques dos Santos Gomes, Janete Rosane Fabro, Katia Teresinha Paloschi, Lunéia Catiane de Souza, Rogéria Pereira Alba, Suzana Gotardo de Meira, Valdir Pereira Duarte, Valéria Korb, Ivone- te Zanini Zulion, Vilma Favero Marchiori, Alvarina do Carmo Sangalli, Nair Mawieski Pinto, Derli Guancino. Técnicos que atuaram no Projeto Tecnologias Ecológicas Aline M. Hartmann, Edsomar Rippel, José Joacir Antonioli, Evaldo Korb Ra- belo, Everton Dobner, André Duarte, Lucas Daniel Felizardo, Paulo Cezar Crestani. Textos Amaro Korb Rabelo, Janete Rosane Fabro, Felipe Grisa Fotos e Imagens Arquivos da ASSESOAR Revisão e Coordenação Lunéia Catiane de Souza e Vanderlei Dambros Diagramação Carlos Norberto Romanino Impressão Calgan Editora Gráica / BERZON - Francisco Beltrão - PR Catalogação na Publicação (CIP) Sistema de Bibliotecas - UNIOESTE – Campus Francisco Beltrão Sudoeste do Paraná – Brasil – Fevereiro de 2014 ZS585 Silo secador e armazenador de cereais: secagem e armazenamento de grãos na agricultura familiar e camponesa. / Associação de Estudos, Orientação e Assistência Rural. – Francisco Beltrão: ASSESOAR, 2014. 12 p. (Coleção Tecnologias Ecológicas) V.2 ISBN: 978-85-99732-38-0 1. Agroecologia. 2. Silos. 3. Ecologia - Tecnologias. 4. Grãos - Armazenamento. I. Título. CDD – 631.23
  • 3. 3 SILO SECADOR E ARMAZENADOR DE CEREAIS secagem e armazenamento de grãos na agricultura familiar e camponesa Vida Familiar - UPVFs. Apesar das iniciativas locais e nacionais que se contrapõem a essa lógica, ela continua predominante. Assim, crescem as áreas de monocultura exportadora em pre- juízo das práticas de gestão sustentável dos recursos naturais e de produção de alimentos. Nas UPVF’s brasileiras, a secagem e o armazenamento da produção de grãos é um problema que ainda se encontra longe de uma solução deinitiva. Enquanto que a capacidade de armazenamento dos agricultores em países como França, Argentina e Estados Unidos varia de 30 a 60% da safra, no Brasil este índice é de, aproximadamente, 5%¹ . No Brasil, o armazenamento da produção agrícola é monopolizado por co- operativas e empresas privadas. A solução para este problema pode ser mais fácil do que se pensa. Se, por um lado, os modelos de silos disponíveis no mercado são de alto custo e necessitam de mão de obra especializada para construção, operação e manutenção e, portanto, longe do alcance dos agricultores familiares e cam- poneses, por outro lado, existe hoje tecnologias adaptadas e de baixo custo que, através de uma política pública, poderá estar ao alcance desses agricultores e camponeses. A secagem e o armazenamento de cereais é um fator que limita o desenvolvimento da agricultura familiar. Grande parte dos agricultores familiares e camponeses não dispõe de estru- tura de secagem e armazenamento de grãos (principalmente o milho), tendo que pagar um preço alto, para isto, ou vender a produção e comprá-la mais tarde, para suprir as necessi- dades da família e da criação de animais. Nesse processo de secagem e armazenamento fora da Unidade de Produção e Vida Familiar - UPVF, os agricultores/as acabam perdendo o controle sobre sua produção ecológica, misturando-a com a produção convencional. Além disso, o atual modelo de desenvolvimento agrícola, centrado na monocultura, é causador de um processo acele- rado de destruição da biodiversidade nas UPVFs. Muitas es- pécies vegetais e animais estão sendo perdidas, o que coloca em risco a soberania alimentar das populações locais e a pro- dução de alimentos para o consumo da população brasileira. As políticas governamentais, o crédito e a pesquisa, nas últimas décadas, têm valorizado mais as ações direcionadas ao crescimento econômico e menos as ações que assegu- ram uma gestão mais sustentável das Unidades de Produção e 1- Prof. Marisa A.B. Regitano d’Arce, do Departamento Agroindústria, Alimentos e Nutrição ESALQ/USP, em http://www. esalq.usp.br/departamentos/lan/pdf/Armazenamentodegraos.pdf, acessado em julho de 2012.
  • 4. 4 Características e funcionamento do silo ecológico Trata-se de uma estrutura cilíndrica de alvenaria, construí- da nas dimensões desejadas de acordo com a necessidade de armazenamento e o espaço disponível. Para maior segurança, algumas dimensões devem ser respeitadas (máximo de 5 metros de diâmetro e 5 de altura (com 4 de aproveitamento). Ele funciona pela injeção forçada de ar em temperatura ambiente. Uma turbina acoplada a um motor é adaptada ao silo, de forma que o ar seja coletado do ambiente e injetado para dentro, sob o lastro de madeira. O ar injetado sobe, passando pela massa de grãos, retirando a umidade. A uma altura de 25 cm do fundo do cilindro de alvenaria, coloca-se um lastro de madeira, feito com ripas sobre vigas, deixando frestas para permitir a passagem do ar. Sobre o lastro, é colocada uma tela plástica ou sombrite, para evitar que os grãos passem através das frestas. A colo- cação das vigas deve ser no mesmo sentido da entrada de ar, facilitando sua circulação no interior do silo. O silo deve ter saídas (canos) com tampa (uma ou duas) logo acima do lastro de madeira para retirada dos grãos. É necessário fazer uma cobertura ou utilizar um telhado já existente, já que o silo deve ser totalmente aberto, na parte superior, para facilitar a passagem do ar. Vantagens do Silo Ecológico Redução de custos com transporte, armazenamento e se- cagem; controle dos agricultores sobre sua produção ecológi- ca; possibilidade de ser subdividido, armazenando vários tipos de cereais; custo de investimento relativamente baixo; domínio da tecnologia de construção, operação e manutenção pelos agricultores; minimização de perdas em quantidade e quali- dade; melhoria da qualidade dos grãos que permanecem na UPVF; praticidade e adaptabilidade podendo ser localizado e dimensionado conforme a necessidade, com aproveitamento de estruturas já existentes. A Construção do Silo: Material utilizado para a construção: areia média, ci- mento, cal, tijolos, arame liso, vigas e ripas de madeira para assoalho, pregos, sombrite, um motor acoplado a uma turbina ou um ventilador axial, tubo de PVC de 150mm, material para andaime, materiais de pedreiro e carpinteiro. Cálculo da capacidade de um silo secador: Para calcular a capacidade de armazenamento de um silo cilíndrico, a fórmula é (r2 x π x h x d), sendo que “r” é o raio; “π” é a constante matemática utilizada para cálculo de circun- ferências – cuja pronúncia é pi e seu valor é 3,14; “h” é a altura e “d” é a densidade do cereal.
  • 5. 5 A densidade da cevada é de 580 kg/m3, do milho 780 a 840 kg/m3, do trigo 780 a 790 kg/m3, da soja 800 kg/m3 e do arroz em casca 600 kg/m3. Exemplo: para saber qual a capacidade (para milho em grão) de um silo secador de 1,1 m de raio e de 2 m de altura para milho, calcula-se: 1,1 x 1,1 x 3,14 x 2 x 800 = 6.079 quilos de milho. Aproximadamente, 101 sacos de milho. Passos da construção: 1. Preparo do local: alguns cuidados devem ser tomados no momento da escolha onde será construído o silo: 1.1 O silo precisa de uma cobertura para abrigar a cons- trução de alvenaria. Pode-se utilizar um galpão já existente ou construir uma cobertura própria para o silo; 1.2 Fazer a limpeza para eliminar resíduos orgânicos, ni- velar e compactar terreno onde o silo será construído. (Fig.1) 1.3 Com o terreno nivelado e compactado, marca-se um círculo com o diâmetro desejado para o silo. (Fig.2) 2. Construção da base: No local preparado, espalha-se uma camada de pedra brita; coloca-se a malha de ferro soldado (4.2 mm) sobre a bri- Fig.1 Fig. 2
  • 6. 6 ta; concreta-se a base com uma massa no traço 1:3:1, (uma medida de cimento, três de areia e uma de pedra brita). (Fig. 3 e 4) 3. Construção das paredes: 3.1 Depois do concreto seco, assenta-se três iadas com tijolos deitados, seguindo o diâmetro do silo. A massa deve ser no traço 1:5 (uma medida de cimento e cinco medi- das de areia). 3.2 Ao assentar as três primeiras iadas, deve-se deixar o espaço para a construção dos pilares de concreto (com 40 a 45 cm de altura) que servirão de apoio para as vigas (Fig. 5). Nessas primeiras iadas de tijolos, deve-se, também, colocar um cano de 150 mm para a entrada de ar da turbina. 3.3 Com as três primeiras iadas de tijolos e os pilares já secos, coloca-se as vigas (10x15 cm) que servirão de apoio Fig. 3 Fig. 4 Fig. 5
  • 7. 7 para o estrado de madeira que será o assoalho do silo. Sob as vigas, coloca-se tijolos preenchidos com argamassa que servirão de sustentação do peso. (Fig. 6). 3.4 Após a terceira iada, os tijolos podem ser assenta- Fig. 6 Fig. 7 dos de cutelo (de pé) até a altura desejada. (Fig. 7). 3.5 Enquanto a parede é levantada, faz-se a construção do lastro com ripas (2,5 x 5 cm), facilitando a sua colocação. Depois das paredes estarem prontas, na altura desejada torna- se mais difícil. (Fig. 7).
  • 8. 8 3.6 Imediatamente, acima das ripas do estrado, na pa- rede, coloca-se um pedaço de cano de PVC de 150 mm, com desnível para fora, por onde serão retirados os grãos de dentro do silo. (Fig. 8) de 10 cm para cada lado da parede, formando uma escada externa e interna. (Fig. 9). Cano de entrada de ar da turbina - 150mm Fig. 9 Fig. 8 3.7 Para facilitar o acesso ao interior do silo, coloca-se, a cada quarenta centímetros, um ferro de meia polegada, no formato de um retângulo (40 por 30 cm), deixando uma sobra 3.8 Com a parede pronta, na altura desejada e seca, co- locar, a cada iada de tijolo, um arame galvanizado para refor- çar a resistência. Depois do arame ixo em cada iada de tijolo,
  • 9. 9 uni-los verticalmente a cada metro, formando uma grade para melhorar a estabilidade da parede do silo. (Fig. 10). de umidade e calor dos cereais com a parede. (Fig.s 11 e 12) Fig. 10 Fig. 11 Fig. 12 3.9 Depois da parede pronta e reforçada com os ara- mes, fazer o reboco da parte externa. A parte interna não é re- bocada, pois com o tijolo exposto tem-se um aumento na troca
  • 10. 10 4. Finalizações: Antes de colocar os grãos para secagem e armazena- gem, estender duas camadas de sombrite sobre as ripas do estrado e instalar a turbina injetora de ar. O sombrite impede que os grãos passem pela grade e permite a passagem do ar. (Fig. 13) Fig. 13 Os grãos armazenados no silo deverão receber a in- jeção do ar, imediatamente, para que a qualidade não seja comprometida. Por isso, é necessário que a turbina já esteja instalada ao depositar os primeiros grãos no silo. (Fig. 14).
  • 11. 11 Fig. 14 Armazenamento e secagem: A secagem depende da temperatura, umidade relativa e vazão do ar de secagem. Estes três fatores devem ser consi- derados para que a secagem seja completada sem a deteriora- ção do produto. Para isso, convém escolher períodos em que o ar esteja mais frio e seco, facilitando o processo e diminuin- do o tempo para que o cereal atinja a temperatura e umidade ideal de armazenamento. Deve-se injetar ar desde o momento em que o cereal é armazenado no silo até a sua completa secagem. De acordo com informações de agricultores que já utilizam essa tecnolo- gia, pode-se armazenar cereais com umidade diversa. Reco- menda- se, porém, que a umidade não seja superior a 22%. De qualquer forma, quanto maior a umidade, maior será o tempo de secagem e maiores os riscos de aquecimento e fermenta- ção. Para uma boa secagem, são necessárias, em média, 6 horas de ventilação forçada por dia, até a secagem ideal. Por im, para manutenção dos grãos nas condições desejadas e protegidos, uma hora de ventilação por semana é suiciente. Um bom monitoramento da temperatura, no processo de secagem, é fundamental. Existem formas soisticadas e ca- ras de controle de temperatura para os silos convencionais. No caso do silo ecológico, pode-se fazer uso de formas sim- ples, como: introduzir tubos perfurados no meio da massa de grãos, por onde coloca-se um termômetro, ou ainda, introduzir uma haste metálica na massa de cereais, deixando-a por uns 15 minutos e, ao retirá-la, veriicar se está aquecida.