SlideShare uma empresa Scribd logo
Paulo Freire
e
Infância:
amorosidade e
construção da Paz
Franciele Clara Peloso
franciele_clara@yahoo.com.br
Paulo Freire
A antropologia freiriana
• Inacabamento, inconclusão do humano;
• Historicidade: se constrói na história, que é aberta;
• Curiosidade que pode se fazer epistemológica;
• Nasce, vive e desenvolve-se na diferença (o outro);
• Capaz de ler, pensar e dizer o mundo;
• Capaz de humanização e desumanização;
• Capaz de autonomia e autoria;
• Ser político e produtor de cultura;
• Permanentemente provocado para SER MAIS;
• Dialogicidade.
A dialogicidade
• Amor (compromisso com os homens);
• Humildade;
• Fé nos homens;
• Esperança (fruto do inacabamento);
• Pensar crítico.
O desafio da amorosidade:
“Porque é um ato de coragem, nunca de medo, o amor é
compromisso com os homens. Onde quer que estejam estes,
oprimidos, o ato de amor está em comprometer-se com sua
causa (...) Como ato de valentia, não pode ser piegas: como
ato de libertação, não pode ser pretexto para a
manipulação, senão gerador de outros atos de liberdade. A
não ser assim, não é amor”.
(Paulo Freire em Pedagogia do Oprimido)
“O amor é uma tarefa do sujeito (...). O amor é uma intercomunicação
íntima de duas consciências que se respeitam. Cada um tem o outro,
como sujeito do seu amor. Não se trata de apropriar-se do outro. Nesta
sociedade há uma ânsia de impor-se aos demais numa espécie de
chantagem de amor. Isto é uma distorção do amor (...). Ama-se na
medida em que se busca comunicação, integração a partir da
comunicação com os demais. Não há educação sem amor. O amor implica
luta contra o egoísmo. Quem não é capaz de amar os seres inacabados
não pode educar. Não há educação imposta, como não há amor imposto.
Quem não ama não compreende o próximo, não o respeita. Não há
educação do medo. Nada se pode temer da educação quando se ama”.
(Paulo Freire em Educação e Mudança)
Educação da
Infância
Implicações da
antropologia
freiriana na
• Paulo Freire não elaborou uma teoria específica sobre infância: elaborou sim uma
teoria revolucionária sobre educação, sobre pedagogia. Evidentemente nesta
concepção de educação está a criança e a infância contextualizadas.
• Educar exige dialogo com o mundo e com os outros, quaisquer que sejam, onde nos
pomos, nos contrapomos e nos libertamos de qualquer forma de opressão.
• Esta perspectiva de educação na relação com o mundo e os outros exige
consciência do inacabamento. O reconhecimento de sermos historicamente
condicionados a busca de autonomia, o sentir-se existencialmente solidário, a
humildade, tolerância e a não desistência da luta pelos direitos das pessoas, a
apreensão da realidade desvelando suas contradições exige alegria, esperança e
amorosidade.
• Exige a convicção de que esta realidade poderá ser diferente no limite de nossa
força e de nosso comprometimento, contribuindo para a construção da Paz.
• Concepção de infância (como condição da experiência
humana);
• Entendimento de criança como alguém que é está sendo (o
ser humano como uma “inteireza”, que faz a História e ao
mesmo tempo se refaz, assim o que ocorre é a superação
de uma fase geracional por outra, o que não elimina a
continuidade da História no interior da mudança);
• Nessa direção é possível afirmar que a infância institui,
juntamente com o ser criança, a base de um projeto de
constituição da humanidade do ser humano.
• O projeto educativo proposto por Freire é anunciador do ser humano
plural. Nesse sentido, seus pressupostos podem ser utilizados em
diversos contextos educativos, principalmente naqueles onde os
mecanismos de opressão, de exclusão, de preconceito, de subordinação,
de miséria, dentre outros, se fazem presentes e impedem a vocação de
ser mais dos seres humanos: a humanização.
• Nesse entender as crianças, inseridas em um projeto educativo
freiriano, poderiam constituir e ser constituídas por meio de suas
subjetividades. A partir dessa compreensão seriam autoras de suas
histórias, fundadas na autonomia, na amorosidade e na esperança,
seriam anunciadoras da construção da paz e da possibilidade de
transformação do mundo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pensadores da Educação.
Pensadores da Educação.Pensadores da Educação.
Ppt avaliação
Ppt avaliaçãoPpt avaliação
Ppt avaliação
Editora Moderna
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica grécia
Lílian Reis
 
História da educação
História da educaçãoHistória da educação
História da educação
Joemio Freire
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
Sunia Regina
 
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
Alexandre Salvador
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
NILLMELLINE
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Processo de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escritaProcesso de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escrita
equipeanosiniciais
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
Gisele Boucherville
 
Adorno
AdornoAdorno
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Tais Valéria Angelo
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
Euza Raquel
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
UNICEP
 
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Thomaz Edson Veloso da Silva
 
Trabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médioTrabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médio
WANDERSON JONER
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Grasiela Dourado
 
Estágio: diferentes concepções
Estágio: diferentes concepções Estágio: diferentes concepções
Estágio: diferentes concepções
Lílian Reis
 
Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
Universidade Federal do Ceará
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Ralf Siebiger
 

Mais procurados (20)

Pensadores da Educação.
Pensadores da Educação.Pensadores da Educação.
Pensadores da Educação.
 
Ppt avaliação
Ppt avaliaçãoPpt avaliação
Ppt avaliação
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica grécia
 
História da educação
História da educaçãoHistória da educação
História da educação
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
 
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...A educação na antiguidade -  Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
A educação na antiguidade - Mesopotâmia, Egito, Inca, Asteca, Maia, Chinesa,...
 
Pedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimidoPedagogia do oprimido
Pedagogia do oprimido
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Processo de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escritaProcesso de aquisição da leitura e escrita
Processo de aquisição da leitura e escrita
 
Power point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçaoPower point da filosofia da educaçao
Power point da filosofia da educaçao
 
Adorno
AdornoAdorno
Adorno
 
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
Fundamentos teoricos e metodológicos de história e geografia (aula 1)
 
Filosofia I - 3º ano
Filosofia I -   3º anoFilosofia I -   3º ano
Filosofia I - 3º ano
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
Metodologias Ativas: O que queremos com elas?
 
Trabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médioTrabalho de filosofia ensino médio
Trabalho de filosofia ensino médio
 
Desenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionaisDesenvolvimento de competências socioemocionais
Desenvolvimento de competências socioemocionais
 
Estágio: diferentes concepções
Estágio: diferentes concepções Estágio: diferentes concepções
Estágio: diferentes concepções
 
Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno Relação Professor Aluno
Relação Professor Aluno
 
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na EducaçãoEstado, Governo e Políticas Públicas na Educação
Estado, Governo e Políticas Públicas na Educação
 

Semelhante a Dialogicidade

Teoria freiriana
Teoria freirianaTeoria freiriana
Paulo freire final
Paulo freire   finalPaulo freire   final
Paulo freire final
Priscila Aristimunha
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
Liberty Ensino
 
Freire, paulo a sombra desta mangueira
Freire, paulo   a sombra desta mangueiraFreire, paulo   a sombra desta mangueira
Freire, paulo a sombra desta mangueira
marcaocampos
 
Educação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdf
Educação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdfEducação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdf
Educação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdf
Fabio Batalha M Barros
 
Conceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no BrasilConceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no Brasil
Livia Rodrigues
 
Paulo Freire e suas contribuições para a didática
Paulo Freire e suas contribuições para a didáticaPaulo Freire e suas contribuições para a didática
Paulo Freire e suas contribuições para a didática
andreapaula2014
 
Educação paulo freire
 Educação paulo freire Educação paulo freire
Educação paulo freire
Arielli Targino
 
Apresentacaofreire
ApresentacaofreireApresentacaofreire
Apresentacaofreire
Gisele Lima
 
Paulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educaçãoPaulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educação
AkMuner1
 
Teórico paulo freire
Teórico   paulo freireTeórico   paulo freire
Teórico paulo freire
Espaco_Pedagogia
 
P. Freire
P. FreireP. Freire
Educação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_pr
Educação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_prEducação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_pr
Educação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_pr
Natalino das Neves Neves
 
Educação Cristã libertadora apostila natalino das neves
Educação Cristã libertadora apostila natalino das nevesEducação Cristã libertadora apostila natalino das neves
Educação Cristã libertadora apostila natalino das neves
Natalino das Neves Neves
 
Educação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das neves
Educação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das nevesEducação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das neves
Educação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das neves
Natalino das Neves Neves
 
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
Kualo Kala
 
Educar para o humanismo solidario (afonso murad)
Educar para o humanismo solidario (afonso murad)Educar para o humanismo solidario (afonso murad)
Educar para o humanismo solidario (afonso murad)
Afonso Murad (FAJE)
 
Freire, paulo pedagogia da indignação
Freire, paulo   pedagogia da indignaçãoFreire, paulo   pedagogia da indignação
Freire, paulo pedagogia da indignação
marcaocampos
 
Educação bancária e educação freireana
Educação bancária e educação freireanaEducação bancária e educação freireana
Educação bancária e educação freireana
EnaireSousa
 
O SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdf
O SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdfO SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdf
O SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdf
LeonardoSouzaUnespar
 

Semelhante a Dialogicidade (20)

Teoria freiriana
Teoria freirianaTeoria freiriana
Teoria freiriana
 
Paulo freire final
Paulo freire   finalPaulo freire   final
Paulo freire final
 
Educação Inclusiva
Educação InclusivaEducação Inclusiva
Educação Inclusiva
 
Freire, paulo a sombra desta mangueira
Freire, paulo   a sombra desta mangueiraFreire, paulo   a sombra desta mangueira
Freire, paulo a sombra desta mangueira
 
Educação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdf
Educação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdfEducação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdf
Educação Digital Humanizada - por uma aprendizagem com sentido para a vida.pdf
 
Conceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no BrasilConceituação da Educação Popular no Brasil
Conceituação da Educação Popular no Brasil
 
Paulo Freire e suas contribuições para a didática
Paulo Freire e suas contribuições para a didáticaPaulo Freire e suas contribuições para a didática
Paulo Freire e suas contribuições para a didática
 
Educação paulo freire
 Educação paulo freire Educação paulo freire
Educação paulo freire
 
Apresentacaofreire
ApresentacaofreireApresentacaofreire
Apresentacaofreire
 
Paulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educaçãoPaulo Freire política-e-educação
Paulo Freire política-e-educação
 
Teórico paulo freire
Teórico   paulo freireTeórico   paulo freire
Teórico paulo freire
 
P. Freire
P. FreireP. Freire
P. Freire
 
Educação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_pr
Educação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_prEducação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_pr
Educação cristã libertadora natalino das neves sec colombo_pr
 
Educação Cristã libertadora apostila natalino das neves
Educação Cristã libertadora apostila natalino das nevesEducação Cristã libertadora apostila natalino das neves
Educação Cristã libertadora apostila natalino das neves
 
Educação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das neves
Educação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das nevesEducação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das neves
Educação Cristã Libertadora_Apostila_Natalino das neves
 
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
41915 teoricos paulo_freire_e_freinet_ana_vital
 
Educar para o humanismo solidario (afonso murad)
Educar para o humanismo solidario (afonso murad)Educar para o humanismo solidario (afonso murad)
Educar para o humanismo solidario (afonso murad)
 
Freire, paulo pedagogia da indignação
Freire, paulo   pedagogia da indignaçãoFreire, paulo   pedagogia da indignação
Freire, paulo pedagogia da indignação
 
Educação bancária e educação freireana
Educação bancária e educação freireanaEducação bancária e educação freireana
Educação bancária e educação freireana
 
O SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdf
O SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdfO SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdf
O SUJEITO DO DIREITO- EDUCAÇÃO E POLÍTICA PARA PAULO FREIRE.pdf
 

Mais de Magda Aparecida Lombardi Ferreira

Vieira filho do dialogo freireano2
Vieira filho   do dialogo freireano2Vieira filho   do dialogo freireano2
Vieira filho do dialogo freireano2
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
Dialogicidade na educação
Dialogicidade na educaçãoDialogicidade na educação
Dialogicidade na educação
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
Contribuições da dialogicidade
Contribuições da dialogicidadeContribuições da dialogicidade
Contribuições da dialogicidade
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...
A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...
A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A educação e dialogicidade
A educação e dialogicidadeA educação e dialogicidade
A educação e dialogicidade
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A dialogicidade em paulo freire
A dialogicidade em paulo freireA dialogicidade em paulo freire
A dialogicidade em paulo freire
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A escola e a formação do leitor crítico da mídia
A escola e a formação do leitor crítico da mídiaA escola e a formação do leitor crítico da mídia
A escola e a formação do leitor crítico da mídia
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A crise da leitura na formação docente
A crise da leitura na formação docenteA crise da leitura na formação docente
A crise da leitura na formação docente
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A constituição do professor leitor
A constituição do professor leitorA constituição do professor leitor
A constituição do professor leitor
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A constituição de sujeitos leitores
A constituição de sujeitos leitoresA constituição de sujeitos leitores
A constituição de sujeitos leitores
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...
A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...
A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
Concepções de leitura e implicações pedagógicas
Concepções de leitura e implicações pedagógicasConcepções de leitura e implicações pedagógicas
Concepções de leitura e implicações pedagógicas
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramento
A reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramentoA reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramento
A reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramento
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 
A crise da leitura e da escrita na escola
A  crise da leitura e da escrita na escolaA  crise da leitura e da escrita na escola
A crise da leitura e da escrita na escola
Magda Aparecida Lombardi Ferreira
 

Mais de Magda Aparecida Lombardi Ferreira (15)

Vieira filho do dialogo freireano2
Vieira filho   do dialogo freireano2Vieira filho   do dialogo freireano2
Vieira filho do dialogo freireano2
 
Dialogicidade na educação
Dialogicidade na educaçãoDialogicidade na educação
Dialogicidade na educação
 
Contribuições da dialogicidade
Contribuições da dialogicidadeContribuições da dialogicidade
Contribuições da dialogicidade
 
A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...
A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...
A dialogicidade-de-freire-na-construcao-do-dialogo-igualitario-e-suas-relacoe...
 
A educação e dialogicidade
A educação e dialogicidadeA educação e dialogicidade
A educação e dialogicidade
 
A dialogicidade em paulo freire
A dialogicidade em paulo freireA dialogicidade em paulo freire
A dialogicidade em paulo freire
 
A escola e a formação do leitor crítico da mídia
A escola e a formação do leitor crítico da mídiaA escola e a formação do leitor crítico da mídia
A escola e a formação do leitor crítico da mídia
 
A crise da leitura na formação docente
A crise da leitura na formação docenteA crise da leitura na formação docente
A crise da leitura na formação docente
 
A constituição do professor leitor
A constituição do professor leitorA constituição do professor leitor
A constituição do professor leitor
 
A constituição de sujeitos leitores
A constituição de sujeitos leitoresA constituição de sujeitos leitores
A constituição de sujeitos leitores
 
A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...
A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...
A teoria socio interacionista de m bakhtin e suas implicações para a avaliaçã...
 
Concepções de leitura e implicações pedagógicas
Concepções de leitura e implicações pedagógicasConcepções de leitura e implicações pedagógicas
Concepções de leitura e implicações pedagógicas
 
A reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramento
A reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramentoA reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramento
A reescrita-de-fabulas-no-ensino-fundamental-uma-proposta-de-letramento
 
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
A prática da leitura e da escrita como instrumento de formação e transformaçã...
 
A crise da leitura e da escrita na escola
A  crise da leitura e da escrita na escolaA  crise da leitura e da escrita na escola
A crise da leitura e da escrita na escola
 

Último

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 

Último (20)

A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 

Dialogicidade

  • 1. Paulo Freire e Infância: amorosidade e construção da Paz Franciele Clara Peloso franciele_clara@yahoo.com.br
  • 3. A antropologia freiriana • Inacabamento, inconclusão do humano; • Historicidade: se constrói na história, que é aberta; • Curiosidade que pode se fazer epistemológica; • Nasce, vive e desenvolve-se na diferença (o outro); • Capaz de ler, pensar e dizer o mundo; • Capaz de humanização e desumanização; • Capaz de autonomia e autoria; • Ser político e produtor de cultura; • Permanentemente provocado para SER MAIS; • Dialogicidade.
  • 4. A dialogicidade • Amor (compromisso com os homens); • Humildade; • Fé nos homens; • Esperança (fruto do inacabamento); • Pensar crítico.
  • 5. O desafio da amorosidade: “Porque é um ato de coragem, nunca de medo, o amor é compromisso com os homens. Onde quer que estejam estes, oprimidos, o ato de amor está em comprometer-se com sua causa (...) Como ato de valentia, não pode ser piegas: como ato de libertação, não pode ser pretexto para a manipulação, senão gerador de outros atos de liberdade. A não ser assim, não é amor”. (Paulo Freire em Pedagogia do Oprimido)
  • 6. “O amor é uma tarefa do sujeito (...). O amor é uma intercomunicação íntima de duas consciências que se respeitam. Cada um tem o outro, como sujeito do seu amor. Não se trata de apropriar-se do outro. Nesta sociedade há uma ânsia de impor-se aos demais numa espécie de chantagem de amor. Isto é uma distorção do amor (...). Ama-se na medida em que se busca comunicação, integração a partir da comunicação com os demais. Não há educação sem amor. O amor implica luta contra o egoísmo. Quem não é capaz de amar os seres inacabados não pode educar. Não há educação imposta, como não há amor imposto. Quem não ama não compreende o próximo, não o respeita. Não há educação do medo. Nada se pode temer da educação quando se ama”. (Paulo Freire em Educação e Mudança)
  • 8. • Paulo Freire não elaborou uma teoria específica sobre infância: elaborou sim uma teoria revolucionária sobre educação, sobre pedagogia. Evidentemente nesta concepção de educação está a criança e a infância contextualizadas. • Educar exige dialogo com o mundo e com os outros, quaisquer que sejam, onde nos pomos, nos contrapomos e nos libertamos de qualquer forma de opressão. • Esta perspectiva de educação na relação com o mundo e os outros exige consciência do inacabamento. O reconhecimento de sermos historicamente condicionados a busca de autonomia, o sentir-se existencialmente solidário, a humildade, tolerância e a não desistência da luta pelos direitos das pessoas, a apreensão da realidade desvelando suas contradições exige alegria, esperança e amorosidade. • Exige a convicção de que esta realidade poderá ser diferente no limite de nossa força e de nosso comprometimento, contribuindo para a construção da Paz.
  • 9. • Concepção de infância (como condição da experiência humana); • Entendimento de criança como alguém que é está sendo (o ser humano como uma “inteireza”, que faz a História e ao mesmo tempo se refaz, assim o que ocorre é a superação de uma fase geracional por outra, o que não elimina a continuidade da História no interior da mudança); • Nessa direção é possível afirmar que a infância institui, juntamente com o ser criança, a base de um projeto de constituição da humanidade do ser humano.
  • 10. • O projeto educativo proposto por Freire é anunciador do ser humano plural. Nesse sentido, seus pressupostos podem ser utilizados em diversos contextos educativos, principalmente naqueles onde os mecanismos de opressão, de exclusão, de preconceito, de subordinação, de miséria, dentre outros, se fazem presentes e impedem a vocação de ser mais dos seres humanos: a humanização. • Nesse entender as crianças, inseridas em um projeto educativo freiriano, poderiam constituir e ser constituídas por meio de suas subjetividades. A partir dessa compreensão seriam autoras de suas histórias, fundadas na autonomia, na amorosidade e na esperança, seriam anunciadoras da construção da paz e da possibilidade de transformação do mundo.