SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
VIII Congresso
                 Brasileiro de Sistemas
                     Agroflorestais
PRODUÇÃO DE SERRAPILHEIRA E TEOR DE MAGNÉSIO
       NO SOLO DE UM SISTEMA SILVIPASTORIL SOB
        DIFERENTES ESPAÇAMENTOS DE EUCALIPTO

Murilo Veloso Gomes1; Omar Daniel2; Igor Murilo Bumbieris Nogueira3; Flávia Araujo Matos4;
             Thais Cremon5; Michele Lopes Yoshiy6; Rafael Peloso de Carvalho7




                                                               Apoio:
Problema  MS = 36 milhões de ha
(63%  Pastagens + 16% Florestas naturais)
  9 milhões de ha de pastagens degradadas
Degradação - Causas

• Manejo equivocado da éspecie forrageira;
• Superpastejo;
• Estabelecimento inadequado;
• Escolha inadequada da espécie ou cultivar forrageira;
• Fertilidade do solo impróprios;
• Não reposição dos nutrientes;
• Compactação do solo por máquinas e animais;
• Presença de pragas;
• etc.
INTEGRANDO OS COMPONENTES DE UM
      SISTEMA SILVIPASTORIL


 Adequar a distribuição espacial das
        árvores no terreno:

         TER SEMPRE EM MENTE:

   1- Conservação de solo e água

      2- Trânsito de máquinas

   3- Comportamento do rebanho

      4- Finalidade da madeira
APORTE DE BIOMASSA VIA
SERRAPILHEIRA E NUTRIENTES
         NO SOLO.
OBJETIVO

Avaliar a interação entre a produção de
serrapilheira e os teores de magnésio no
 solo em um sistema silvipastoril com E
urophylla e B. decumbens sob diferentes
              espaçamentos
METODOLOGIA

       • O trabalho foi conduzido na
         Fazenda Campo Belo,
         localizada no Município de
         Dourados – MS, sobre um
         Latossolo Vermelho
         distroférrico, de textura
         argilosa e topografia plana
         coberto por Brachiaria
         decumbens.
METODOLOGIA
      • Em janeiro de 2010, foi
        realizada a locação dos
        pontos de coleta de solo e
        serrapilheira da árvore na
        área a partir de uma grade
        de 8 m x 8 m, de modo que
        as amostras foram
        coletadas a 2,5 m de
        distância das linhas de
        árvores.
•   Amostras de solo: obtidas a partir
    de oito sub-amostras por ponto, na
    profundidade de 0-5 cm e 5-20 cm,
    com auxílio de trado tipo holandês.


•   Serrapilheira:           quadrado
    delimitador (0,5 m x 0,5 m), onde
    foram coletadas: folhas, galhos
    com diâmetro < 2 cm, cascas,
    restos florais e frutos oriunda das
    árvores.
METODOLOGIA

• Os teores de Mg foram quantificados a partir de
  extração com KCl 1,0 mol L-1 e determinados
  por espectrofotometria de absorção atômica,
  segundo metodologia proposta por Embrapa
  (1997).
• As amostras de serrapilheira foram submetidas
  ao secamento em estufa de ventilação forçada a
  65ºC durante 72 horas, para estimativa de
  matéria seca.
RESULTADOS E DISCUSSÃO




Acúmulo de serrapilheira de Eucalyptus urophylla na superfície do solo, coletados a 2,5
metros de distância das linhas das árvores, em sistema silvipastoril, Dourados – MS
RESULTADOS E DISCUSSÃO




Concentrações de magnésio no solo em duas profundidades (0-5 cm e 5-20 cm), coletados
a 2,5 metros de distância das linhas das árvores em função de diferentes espaçamentos,
em sistema silvipastoril, Dourados – MS.
CONCLUSÕES
1. A redução no espaçamento entre árvores e
conseqüente aumento da densidade populacional
arbórea resulta em maior acúmulo de
serrapilheira.

2. O aumento da serrapilheira promove o
aumento no teor de magnésio no solo, em maior
proporção na camada superficial.
Muito obrigado!




                  www.do.ufgd.edu.br/gesaf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
itgfiles
 
Material E MéTodo Jenni
Material E MéTodo JenniMaterial E MéTodo Jenni
Material E MéTodo Jenni
guesta1d26c
 

Mais procurados (19)

Fruteiras 4 citros
Fruteiras 4 citrosFruteiras 4 citros
Fruteiras 4 citros
 
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
 
Artigo bioterra v16_n2_08
Artigo bioterra v16_n2_08Artigo bioterra v16_n2_08
Artigo bioterra v16_n2_08
 
Café. análise química do solo
Café. análise química do soloCafé. análise química do solo
Café. análise química do solo
 
Amostragem de Solo
Amostragem de SoloAmostragem de Solo
Amostragem de Solo
 
Artigo bioterra v16_n2_05
Artigo bioterra v16_n2_05Artigo bioterra v16_n2_05
Artigo bioterra v16_n2_05
 
Fertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiroFertilização do morangueiro
Fertilização do morangueiro
 
Artigo bioterra v15_n2_06
Artigo bioterra v15_n2_06Artigo bioterra v15_n2_06
Artigo bioterra v15_n2_06
 
Rotacao de culturas
Rotacao de culturasRotacao de culturas
Rotacao de culturas
 
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de soloCol.agro 10 coleta de amostra de solo
Col.agro 10 coleta de amostra de solo
 
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
COBERTURA DO SOLO COM MATERIAL ORGÂNICO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DE SORGO F...
 
Ce cartilhaadequacao ambiental
Ce cartilhaadequacao ambientalCe cartilhaadequacao ambiental
Ce cartilhaadequacao ambiental
 
Ambiente terrestre
Ambiente terrestre Ambiente terrestre
Ambiente terrestre
 
Material E MéTodo Jenni
Material E MéTodo JenniMaterial E MéTodo Jenni
Material E MéTodo Jenni
 
Ec
EcEc
Ec
 
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização06   propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
06 propriedades fisicas do solo ligadas a mecanização
 
Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.Coleta e amostragem de solo.
Coleta e amostragem de solo.
 

Destaque

Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuáriaSustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Marília Gomes
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Paulo Adami
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
AgroTalento
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Josmar Almeida Junior
 

Destaque (12)

Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuáriaSustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
Sustentabilidade á pasto, degradação de pastagem, integração lavoura-pecuária
 
Sistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastorilSistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastoril
 
Relatório visita em Manejo de Pastagens.
Relatório visita em Manejo de Pastagens.Relatório visita em Manejo de Pastagens.
Relatório visita em Manejo de Pastagens.
 
Programa ABC - Recuperação de Pastagens no Programa ABC: análise preliminar
Programa ABC - Recuperação de Pastagens no Programa ABC: análise preliminarPrograma ABC - Recuperação de Pastagens no Programa ABC: análise preliminar
Programa ABC - Recuperação de Pastagens no Programa ABC: análise preliminar
 
Qualidade total em manejo de pastagens
Qualidade total em manejo de pastagensQualidade total em manejo de pastagens
Qualidade total em manejo de pastagens
 
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
Ensino Online - Integração Lavoura Pecuária intensificação sustentável
 
Avaliacao de pastagens_colina_12_1
Avaliacao de pastagens_colina_12_1Avaliacao de pastagens_colina_12_1
Avaliacao de pastagens_colina_12_1
 
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
Integração Lavoura-Pecuária-Floresta(ILPF)
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
 
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
[Palestra] Armindo Kichel: Manejo de Pastangem
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
 
Manual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de PastagemManual de Formação de Pastagem
Manual de Formação de Pastagem
 

Semelhante a Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversificados no Mato Grosso do Sul - Rafael Carvalho

Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
Tayza Taveira
 
Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)
Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)
Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)
eremjacob
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
itgfiles
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
itgfiles
 
Experimento soja
Experimento sojaExperimento soja
Experimento soja
Rogger Wins
 

Semelhante a Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversificados no Mato Grosso do Sul - Rafael Carvalho (20)

CULTURAS HORTÍCOLAS EM SUBSTRATO DE LÃ DE ROCHA
CULTURAS HORTÍCOLAS EM SUBSTRATO DE LÃ DE ROCHACULTURAS HORTÍCOLAS EM SUBSTRATO DE LÃ DE ROCHA
CULTURAS HORTÍCOLAS EM SUBSTRATO DE LÃ DE ROCHA
 
Características de crescimento capim braquiarao
Características de crescimento capim braquiaraoCaracterísticas de crescimento capim braquiarao
Características de crescimento capim braquiarao
 
Apresentação alho
Apresentação alhoApresentação alho
Apresentação alho
 
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRAPalestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
Palestra - análise de solo ÊNFASE EM MORANGO E BANANEIRA
 
Trabalho determinaçao testura e extrutura solos
Trabalho determinaçao testura e extrutura solosTrabalho determinaçao testura e extrutura solos
Trabalho determinaçao testura e extrutura solos
 
PERDAS DE SOLO E AGUA NOS NUTRIENTES PPT
PERDAS DE SOLO E AGUA NOS NUTRIENTES PPTPERDAS DE SOLO E AGUA NOS NUTRIENTES PPT
PERDAS DE SOLO E AGUA NOS NUTRIENTES PPT
 
A15v30n1
A15v30n1A15v30n1
A15v30n1
 
Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04
 
1. cana tese neivaldo
1. cana tese neivaldo1. cana tese neivaldo
1. cana tese neivaldo
 
Resumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produçãoResumo de métodos de produção
Resumo de métodos de produção
 
Cultivo de alface pronto
Cultivo de alface prontoCultivo de alface pronto
Cultivo de alface pronto
 
Cultivo de alface
Cultivo de alface Cultivo de alface
Cultivo de alface
 
Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)
Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)
Cromatografia na agrofloresta 09 08 12 v3 (1)
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
 
Experimento soja
Experimento sojaExperimento soja
Experimento soja
 
Adubação feijão
Adubação feijãoAdubação feijão
Adubação feijão
 
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz finalMacauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
Macauba em sistema consorciado com braquiaria sob pastejo domingos queiroz final
 
Adubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloAdubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do solo
 
Sistema agroflorestal
Sistema agroflorestalSistema agroflorestal
Sistema agroflorestal
 

Mais de cbsaf

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
cbsaf
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
cbsaf
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma
cbsaf
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater
cbsaf
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb
cbsaf
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda
cbsaf
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
cbsaf
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
cbsaf
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
cbsaf
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
cbsaf
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde
cbsaf
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha
cbsaf
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan
cbsaf
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavares
cbsaf
 
24casemiro
24casemiro24casemiro
24casemiro
cbsaf
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalves
cbsaf
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosorice
cbsaf
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1
cbsaf
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1
cbsaf
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
cbsaf
 

Mais de cbsaf (20)

Cbsaf reduzido
Cbsaf reduzidoCbsaf reduzido
Cbsaf reduzido
 
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
22 metodoseproedimentosdelevantamentodecampopara
 
Paulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mmaPaulo guilherme cabral mma
Paulo guilherme cabral mma
 
Paulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato ematerPaulo augusto lobato emater
Paulo augusto lobato emater
 
Sergio aparecido bb
Sergio aparecido bbSergio aparecido bb
Sergio aparecido bb
 
Joao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mdaJoao luis guadagnin mda
Joao luis guadagnin mda
 
22iidamir
22iidamir22iidamir
22iidamir
 
22robertmiller
22robertmiller22robertmiller
22robertmiller
 
24zaresoares
24zaresoares24zaresoares
24zaresoares
 
24ricardoscoles
24ricardoscoles24ricardoscoles
24ricardoscoles
 
24marceloarcoverde
24marceloarcoverde24marceloarcoverde
24marceloarcoverde
 
24lucianarocha
24lucianarocha24lucianarocha
24lucianarocha
 
24jorgevivan
24jorgevivan24jorgevivan
24jorgevivan
 
24cleidetavares
24cleidetavares24cleidetavares
24cleidetavares
 
24casemiro
24casemiro24casemiro
24casemiro
 
24andregolcalves
24andregolcalves24andregolcalves
24andregolcalves
 
23leonardosorice
23leonardosorice23leonardosorice
23leonardosorice
 
Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1Robert miller simposio 3.1
Robert miller simposio 3.1
 
Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1Helio umemura simposio 2.1
Helio umemura simposio 2.1
 
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiuttiCompressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
Compressed cbsa fs-acai_silas_mochiutti
 

Dia 3 Apresentações Orais - Sistemas agroflorestais silvipastoris e diversificados no Mato Grosso do Sul - Rafael Carvalho

  • 1. VIII Congresso Brasileiro de Sistemas Agroflorestais PRODUÇÃO DE SERRAPILHEIRA E TEOR DE MAGNÉSIO NO SOLO DE UM SISTEMA SILVIPASTORIL SOB DIFERENTES ESPAÇAMENTOS DE EUCALIPTO Murilo Veloso Gomes1; Omar Daniel2; Igor Murilo Bumbieris Nogueira3; Flávia Araujo Matos4; Thais Cremon5; Michele Lopes Yoshiy6; Rafael Peloso de Carvalho7 Apoio:
  • 2. Problema  MS = 36 milhões de ha (63%  Pastagens + 16% Florestas naturais) 9 milhões de ha de pastagens degradadas
  • 3. Degradação - Causas • Manejo equivocado da éspecie forrageira; • Superpastejo; • Estabelecimento inadequado; • Escolha inadequada da espécie ou cultivar forrageira; • Fertilidade do solo impróprios; • Não reposição dos nutrientes; • Compactação do solo por máquinas e animais; • Presença de pragas; • etc.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8. INTEGRANDO OS COMPONENTES DE UM SISTEMA SILVIPASTORIL  Adequar a distribuição espacial das árvores no terreno: TER SEMPRE EM MENTE: 1- Conservação de solo e água 2- Trânsito de máquinas 3- Comportamento do rebanho 4- Finalidade da madeira
  • 9. APORTE DE BIOMASSA VIA SERRAPILHEIRA E NUTRIENTES NO SOLO.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. OBJETIVO Avaliar a interação entre a produção de serrapilheira e os teores de magnésio no solo em um sistema silvipastoril com E urophylla e B. decumbens sob diferentes espaçamentos
  • 16. METODOLOGIA • O trabalho foi conduzido na Fazenda Campo Belo, localizada no Município de Dourados – MS, sobre um Latossolo Vermelho distroférrico, de textura argilosa e topografia plana coberto por Brachiaria decumbens.
  • 17.
  • 18. METODOLOGIA • Em janeiro de 2010, foi realizada a locação dos pontos de coleta de solo e serrapilheira da árvore na área a partir de uma grade de 8 m x 8 m, de modo que as amostras foram coletadas a 2,5 m de distância das linhas de árvores.
  • 19.
  • 20. Amostras de solo: obtidas a partir de oito sub-amostras por ponto, na profundidade de 0-5 cm e 5-20 cm, com auxílio de trado tipo holandês. • Serrapilheira: quadrado delimitador (0,5 m x 0,5 m), onde foram coletadas: folhas, galhos com diâmetro < 2 cm, cascas, restos florais e frutos oriunda das árvores.
  • 21. METODOLOGIA • Os teores de Mg foram quantificados a partir de extração com KCl 1,0 mol L-1 e determinados por espectrofotometria de absorção atômica, segundo metodologia proposta por Embrapa (1997). • As amostras de serrapilheira foram submetidas ao secamento em estufa de ventilação forçada a 65ºC durante 72 horas, para estimativa de matéria seca.
  • 22. RESULTADOS E DISCUSSÃO Acúmulo de serrapilheira de Eucalyptus urophylla na superfície do solo, coletados a 2,5 metros de distância das linhas das árvores, em sistema silvipastoril, Dourados – MS
  • 23. RESULTADOS E DISCUSSÃO Concentrações de magnésio no solo em duas profundidades (0-5 cm e 5-20 cm), coletados a 2,5 metros de distância das linhas das árvores em função de diferentes espaçamentos, em sistema silvipastoril, Dourados – MS.
  • 24. CONCLUSÕES 1. A redução no espaçamento entre árvores e conseqüente aumento da densidade populacional arbórea resulta em maior acúmulo de serrapilheira. 2. O aumento da serrapilheira promove o aumento no teor de magnésio no solo, em maior proporção na camada superficial.
  • 25. Muito obrigado! www.do.ufgd.edu.br/gesaf