SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 16 - Número 2 - 2º Semestre 2016
COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGICA DO COMPONENTE ARBÓREO
DA RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) ENGENHO
GARGAÚ, SANTA RITA – PB.
Camila Andrade Feitoza1
; Lígia Maria de Medeiros Silva2
; Alberto Alves Sabino3
RESUMO
Este estudo teve por objetivo analisar os aspectos da estrutura, fitossociologia e composição
florística do estrato arbóreo da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) - Engenho
Gargaú, no Município de Santa Rita, Estado da Paraíba. Foram amostrados 560 indivíduos,
distribuídos em 29 espécies arbóreas, 23 gêneros e 19 famílias botânicas. As famílias mais bem
representadas na área estudada ficaram assim distribuídas: Anarcadiaceae, Moraceae e
Lecythidaceaenosae. As famílias Areacaceae, Fabaceae, Annonaceae e Lauraceae foram
representadas com duas espécies e as demais famílias ficaram todas representadas por uma única
espécie. O índice de diversidade de Shannon (H') foi baixo, 1,71 nats/indivíduos, quando
comparado com outros levantamentos em área de Mata Atlântica. O Quociente de Mistura foi de
1:19, trata-se de um valor baixo. A espécie Schweileira ovato apresentou maior IVI em decorrência
do maior número de indivíduos e maior porte arbóreo. Diante dos dados apresentados pode-se dizer
que a área se encontra em estágio médio de sucessão florestal
Palavras-chaves: Fitossociologia, Diversidade florística, Sucessão florestal.
FLORISTIC AND PHYTOSOCIOLOGY OF THE TREE COMPONENT OF THE
PRIVATE RESERVE OF NATURAL HERITAGE (PRNP) GARGAÚ ENGENHO, SANTA
RITA – PB
ABSTRACT
This study aimed to analyze the floristic composition and phytosociological structure of tree species
from Atlantic Forest in the area in question, in order to characterize its structure using
phytosociological methods, with the intuit to verify their relationships abundance, dominance,
sociability, and environmental quality in such species are included and obviously contribute to the
knowledge of the floristic diversity of species. We sampled 560 individuals, distributed in 29 tree
species, 23 genera and 19 botanical families. The families best represented in the study area were
distributed as follows: Anarcadiaceae, and Moraceae Lecythidaceaenosae. Areacaceae families,
Fabaceae, Annonaceae and Lauraceae are represented with two species and all the other families
were represented by a single species. The Shannon diversity index (H ') was down 1.71 nats /
individuals when compared with other surveys in the Atlantic Forest. The Quotiente de mistura was
1:19, it is a low value. The species Schweileira ovata had higher IVI and CVI due to the greater
number of individuals and larger tree. From the data presented it can be said that the area is in the
intermediate stage of succession.
Keywords: Phytosociology, Floristic diversity, Forest succession.
26
INTRODUÇÃO
No conceito de Strang (1983), a mata
atlântica é uma grande província natural com
aproximadamente um milhão de quilômetros
quadrados, que abarca vários ecossistemas
florestais, com enclaves e interpenetrações de
outros ecossistemas não florestais
correspondendo ao domínio morfoclimático dos
mares de morros florestados de acordo com Ab’
Saber (1977). Em função da latitude, relevo e
clima geral, este bioma apresenta variações nas
formações fitogeográficas que permitem
caracterizá-lo. Esta formação ocupa no Sul e
Sudeste do país as encostas das serras litorâneas,
que apresenta fisionomia geral similar; no
Nordeste, a mata atlântica ocupa principalmente
a formação dos tabuleiros costeiros, estendendo-
se desde a parte oriental do Rio Grande do
Norte, até o Sul da Bahia.
Na Paraíba as florestas costeiras foram
quase totalmente devastadas, restando hoje
apenas pequenas manchas dispersas no litoral.
Além disto, todos os remanescentes apresentam
sinais de retirada de madeira (LINS e
MEDEIROS, 1994). Este se encontra bastante
antropizado, com cerca de 65% do total de área
desta forma, segundo levantamento feito pelo
IBAMA (1990), apresentando apenas um total
próximo a 0,34% do percentual do Estado e uma
área de 196,4 Km² com vegetação de Mata
Atlântica (Paraíba, 2006).
A Mata Atlântica por sua grande
diversidade e quantidade de espécies endêmicas,
requerem a necessidade dos estudos florísticos e
fitossociológicos (ANDRADE et al, 2006).
Desta forma, torna-se inquestionável que para a
preservação deste bioma, necessita-se primeiro
conhecer a comunidade florística e suas relações
entre si, sendo estes estudos primordiais para
estes fins, pois além da riqueza de espécies que
este bioma possui muito já se foi devastado com
o crescimento das cidades e suas atividades
subsequentes (COSTA JÚNIOR et al, 2007).
Hargreaves (2008) aponta que a
fitossociologia pretende destrinchar e classificar
as comunidades florísticas a partir de sua
estrutura e composição, e que no Brasil o
método mais utilizado para o estudo é o
levantamento de espécies arbóreas
predominantes.
O estudo fitossociológico é a
caracterização, classificação e estudo das
relações e distribuição das comunidades
vegetais. Este estudo auxilia no conhecimento
de espécies vegetais de uma área, fundamental
para preservar espécies endêmicas dos biomas
mais importantes. É utilizado para caracterizar
as relações entre espécies e a dinâmica das
populações, o que nos dá uma pista de como
essas espécies se modificaram com o passar do
tempo e como reagem às condições climáticas,
pedológicas, geológicas, dentre outras (PORTO,
2008).
Diante do exposto objetivou-se neste
estudo analisar a composição florística e a
estrutura fitossociológica de espécies arbóreas
de Mata Atlântica da Reserva Particular do
Patrimônio Natural (RPPN) Engenho Gargaú,
no sentido de verificar suas relações de
abundância, dominância, sociabilidade e a
qualidade do meio em que tais espécies se
inserem.
MATERIAL E MÉTODOS
A área de estudo está localizada na
Reserva Particular do Patrimônio Natural
(RPPN) – ENGENHO GARGAÚ, nos domínios
da Usina Japungu Agroindustrial, situada no
município de Santa Rita no Estado da Paraíba.
Possui área de 1.058,6237 hectares. Criada por
meio de PORTARIA Nº 64-N, de 14 de junho
de 1994.
A área da RPPN há mais de 25 anos não
sofre ação antrópica. Antes havia a exploração
de madeira e culturas agrícolas.
A amostragem para identificação das
espécies e obtenção de dados para determinação
dos parâmetros fitossociológicos foi feita pelo
método de parcelas fixas, respeitando à
suficiência amostral baseada na curva
espécie/área. Para compreender como se dá o
acréscimo do número de espécies à medida que
se aumenta o número de amostras realizadas em
campo, utilizou-se o método de curva do coletor
(MUELLER-DUMBOIS e ELLENBERG,
1974; MAGURRAN, 1988).
Foi considerada para efeito do estudo
uma área de aproximadamente quatro hectares,
onde foram identificados e medidos os
diâmetros de todos os indivíduos arbóreos com
DAP (diâmetro a 1,30 m da superfície do solo)
mínimo de 9,9 cm, dentro de cada parcela
amostrada. Para coleta de materiais e dados da
composição florística, foram alocadas doze
parcelas de 10m x 15m (150 m2
), segundo
procedimento de amostragem sistemática
preconizado por Rodal et. al. (1992), de forma a
cobrir as condições e variabilidade da área
estudada. Para alocação e demarcação das
parcelas foi utilizada uma trilha já existente que
corta a área no sentido norte-sul e, portanto, o
procedimento de amostragem consistiu em um
transecto ao longo da extensão da reserva, na
qual foram alocadas as parcelas amostrais,
distanciadas no mínimo 100 metros.
Os parâmetros fitossociológicos
calculados foram: freqüência absoluta e relativa,
densidade absoluta e relativa; dominância
absoluta e relativa; valor de importância e valor
de cobertura, segundo Mueller-Dombois e
Ellemberg (1974) e Braun Blanquet (1932).
Para a análise da heterogeneidade, calculou-se o
índice de diversidade de Shannon (H’), a
eqüitabilidade (J) de Pielou e o Quociente de
Mistura de Jansen, conforme Mueller-Dombois
e Ellemberg (1974; Finol (1971) e Longhi
(1980).
O processamento e as análises dos dados
foram realizados por meio do software MATA
NATIVA 2 (2006).
A partir dos dados levantados nas
parcelas amostrais as mesmas foram
classificadas segundo o estágio de sucessão
ecológica, tomando por base os critérios
constantes da Resolução CONAMA nº 391/07,
que estabelece parâmetros para a análise dos
estágios de sucessão ecológica.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Verifica-se na curva do coletor (figura
1), que o número de espécies amostradas
apresentou tendência de incremento
inicialmente e, à medida que a área amostrada
aumentou, tenderam a se estabilizar. A curva
tendeu a se estabilizar com 1200 m2
(correspondente a oito parcelas amostrais) de
área amostrada, indicando amostragem
satisfatória das espécies na área experimental,
no entanto, para efeito de segurança foram
amostradas mais quatro parcelas, totalizando
uma área amostral de 1800 m2
. Portanto as doze
parcelas foram suficientes para representar a
composição florística da área estudada.
0
5
10
15
20
25
30
0 5 10 15
Número de parcelas amostrais (150m2
)
Númeroacumuladodeespécies
.
Figura 1. Suficiência amostral (curva do coletor) para a
área amostrada.
No levantamento fitossociológico foram
amostrados 560 indivíduos, distribuídos em 29
espécies arbóreas, 23 gêneros e 19 famílias
botânicas, as quais poderão ser observadas na
Tabela 1, por ordem alfabética de espécie, com
seus respectivos nomes populares. Apenas
quatro táxons não foram identificados quanto à
espécie e gênero.
Em termos de diversidade de espécies, as
famílias mais bem representadas na área
estudada ficaram assim distribuídas:
Anarcadiaceae (quatro espécies), Anonaceae e
Moraceae (duas espécies, cada) e
Lecythidaceaenosae (três espécies). As famílias
Areacaceae, Fabaceae e Lauraceae foram
representadas com duas espécies e as demais
famílias ficaram todas representadas por uma
única espécie.
As espécies que apresentaram maior
número de indivíduos na área foi a
Lecythidaceae (325 indivíduos) seguida da
Sapindaceae (82 indivíduos) e Euphorbiaceae
(35 indivíduos).
A análise da estrutura de tamanho das
populações revela que a espécie Schweileira
ovata foi a de maior IVI, destacada pelo alto
valor de DRe (56,14%), seguido de DoRe
(21,520%) e FRe (10,26). O segundo lugar de
IVI foi o da Cupania racemosa, espécie que
também se destacou pela maior DRe(12,18)
seguido da FRe (10,26%) e DoRe (6,245%) em
terceiro lugar o destaque foi para a espécie
Pogonophora schamburkiana, estes parâmetros
estão descritos na Tabela 2.
Tabela 1. Listagem das espécies arbóreas amostradas na área da Reserva Particular do Patrimônio Natural Engenho
Gargaú, Santa Rita-PB.
Nome Científico Nome Vulgar Família
Acrocomia intumescens Drude Macaíba Areacaceae
Altalea oleifera Barb. Rodr Palmeira pindola Areacaceae
Annona glabra L. Pana
Apuleia leiocarpa (Vog) Mart. Jitai Caesalpinaceae
Brosimum discolor Schott Quiri Moraceae
Bowdichia Virgiliodes H.b & Kunth. Sucupira Fabaceae
Buchenavia capitata (Vahl.) Eichler Imbiridiba Annonaceae
Byrsonima sericea DC. Murici Malphighiaceae
Campomanesia xanthocarpa Mart Guabiraba Myrtaceae
Cupania racemosa (Vell.) Radlk Caboatã Sapindaceae
Cupania revoluta Rolfe Caboatã do rego Sapindaceae
Eschweilera apiculata (Miers) A.C. SM. Imbiriba branca Lecythidaceae
Eschweilera ovata (Cambess.)Miers. Imbiriba Lecythidaceae
Eschweilera alvimii Mori Imbiriba preta Lecythidaceae
Hymenaea courbaril L. Jatobá Fabaceae
Ingá fagifolia G.Don. Ingá Mimosaceae
Manikara triflora Fr. Allemão. Goiti Sapotaceae
Nectandra cuspidata (nees et. Mart.)Nees. Louro Lauraceae
Ocotea gardneri (Meisn.) Mez Leiteira Lauraceae
Paypayrola blanchetiana Tul. Jaquinha da mata Violaceae
Protium giganteum Engl. Amescla Burseraceae
Pogonophora schomburgkiana Miers Cocão Euphorbiaceae
Schefflera morototoni (Aubl.) M. S. & Frodin Sambaquim Araliaceae
Simarouba Amara Aubl. Praíba Simaroubaceae
Tapirira guianensis Aubl. Cupiúba Anacardiaceae
Tapirira SP Cupiúba branca Anarcadiaceae
Thyrsodium spruceanum S.. Ex Benth. Caboatã-de-leite Anacardiaceae
Xylopia frutescens Aubl. Imbira-semente Annonaceae
Indeterminada 1 Indeterminada Moraceae
Indeterminada 2 Indeterminada Marantaceae
Indeterminada 3 Indeterminada Anarcadiaceae
Indeterminada 4 Indeterminada Poaceae
O maior IVI para as três espécies se deu
em decorrência do grande número de
indivíduos, juntas representam 79% do total de
indivíduos amostrados. De acordo com Leitão
Filho (1987), as famílias floristicamente mais
abundantes de uma região são as que respondem
pelos principais parâmetros fitossociológicos.
A densidade total do levantamento foi de
7.725,926 indivíduos/ha e o valor obtido para a
área basal foi de 7,8336 m²/ha.
Com relação à densidade relativa, as
famílias que apresentaram maiores valores
foram: Lecythidaceae (60,07%), Sapindaceae
(12,9) e Euphorbiaceae (8,53%),
correspondendo a 78,7% do total. Com relação à
dominância relativa compareceram
Lecythidaceae (35,54%), Annonaceae (15,68%),
Anardiaceae (9,70%) e Araliaceae (9,09%),
totalizando 70,01%.
A espécie Eschweileira ovato destacou-
se no IVI que apresentou o maior número de
indivíduos e maior porte arbóreo, seguido das
espécies Cupania racemosa, Pogonophora
shomburgkiana, Buchenavia capitada e
Eschweilera alvimii.
Tabela 2. Valores dos parâmetros fitossociológicos na RPPN Engenho Gargaú considerando
em ordem decrescente do Índice de valor de importância.
ESPÉCIES Ni Ab(m²) Dre(%) Fre(%) DoRe(%) IVI(%)
Eschweilera ovata 325 1,9961 56,14 10,26 21,52 29,31
Cupania racemosa 82 0,5531 12,18 10,26 4,93 9,12
Pogonophora shomburgkiana 35 0,3916 8,53 8,9 7,33 8,28
Buchenavia capitada 6 0,9068 1,68 3,85 15,63 7,05
Eschweilera alvimii 9 0,591 3,4 3,85 13,38 6,88
Schefflera morototoni 6 0,6733 1,58 3,85 9,09 4,84
Protium giganteum 18 0,5728 1,73 7,69 3,35 4,25
Tapirira guianensis 13 0,4341 2,78 5,13 3,37 3,76
Tapirira sp 9 0,3016 2,54 2,56 6,14 4,75
Camponesia xanthocarpa 6 0,1771 1,34 5,13 2,96 3,14
Altalea oleífera 3 0,1998 1,82 1,28 5,24 2,78
Bowdichia Virgiliodes 4 0,3416 0,38 3,85 2 2,08
Indeterminada 1 8 0,1069 1,1 3,85 1,21 2,05
Simarouba Amara 3 0,1136 0,62 3,85 0,96 1,81
Ocotea gardneri 5 0,0758 0,81 3,85 0,46 1,71
Thyrsodium spruceanum 3 0,015 0,62 2,56 0,15 1,11
Annona glabra 4 0,0226 0,38 2,56 0,13 1,03
Eschweilera apiculata 2 0,1021 0,53 1,28 0,64 0,82
Apuleia leiocarpa 4 0,0562 0,38 1,28 0,33 0,66
Byesonima sericea 3 0,0493 0,29 1,28 0,29 0,62
Indeterminada 2 1 0,0436 0,1 1,28 0,25 0,54
Manikara triflora 2 0,0245 0,19 1,28 0,14 0,54
Brosimum discolor 2 0,0173 0,19 1,28 0,1 0,53
Hymenaea courbarl 1 0,0326 0,1 1,28 0,19 0,52
Intederminada 3 1 0,0176 0,1 1,28 0,1 0,49
Acromia intumescens 1 0,0035 0,1 1,28 0,02 0,47
nectandra cuspidata 1 0,0067 0,1 1,28 0,04 0,47
Cupania revoluta 1 0,0023 0,1 1,28 0,01 0,46
Indeterminada 4 1 0,0029 0,1 1,28 0,02 0,46
Xylopia frutences 1 0,002 0,1 1,28 0,01 0,46
Total 560 7,8336 100 100 100 100
N°= Número de indivíduos, AB= área basal, DR=Densidade relativa; FR= Freqüência relativa;
DoR= Dominância relativa e IVI=Indice de valor de importância e Vc= valor de cobertura.
O índice de diversidade de Shannon (H')
foi baixo, 1,71 nats/indivíduos quando
comparado com outros levantamentos em área
de Mata Atlântica. Como Xavier (2009) para
Mata Atlântica no Município de D. Inês/PB
(Mata da Caboclo, 3,54 nats/ind. e Mata do
Seró, 3,53). Andrade et al., (2006) em Mata do
Pau do Ferro no Município de Areia/PB, 2,99
nats/ind. Cestaro e Andrade (2004) no
município de Macaína/RN, 3,19 nats/ind.
Farias e Castro (2004) no Município de Campo
Maior/PI, 3,09 nats/ind. Isso, provavelmente,
resulta da distribuição não homogênea de
espécies na área, devido à abundância de
algumas poucas espécies, como a E. ovata e C.
racemosa. Outro fator a considerar é que a área
em questão sofreu forte pressão antrópicas no
passado pela exploração de madeira e abertura
de áreas para cultivos agrícolas e isso
certamente afetou a abundância de algumas
espécies, determinando o baixo valor de H’.
Em relação à riqueza, foram amostradas
30 espécies. Trata-se de um número considerado
baixo, se comparado com trabalhos realizados
em áreas de Mata atlântica, como o de Melo e
Mantovani (1994) obteve um total de 157
espécies, Silva (1989) apresentou em seu
trabalho 195 espécies e Xavier (2009), 520
espécies. De acordo com Brown (1988) a
diversidade de uma comunidade vegetal
expressa à variação espacial na abundância e na
distribuição das espécies. Como regiões
distintas podem diferir tanto no número de
espécies bem como na densidade relativa das
populações amostradas, o emprego de índices de
diversidade visa combinar estas duas variáveis,
através de fórmulas que utilizam a riqueza e a
eqüabilidade obtidas numa determinada área
(MELO E MANTOVANI 1994).
Com relação à eqüabilidade, o grau
estimado foi 0,51, o que sugere baixa
uniformidade na distribuição dos indivíduos
dentro da comunidade vegetal, constatação
esperada, pois a equitabilidade é diretamente
proporcional à diversidade e, antagônico à
dominância (UHL e MURPHY, 1981).
Tabela 3. Comparação do Quociente de mistura (QMJ) e
valores de eqüabilidade (J) obtidos na Mata da RPPN
Engenho Gargaú em Santa Rita, PB, com outros
levantamentos também realizados em área de Mata
Atlântica.
Teoricamente, esse valor indica que seria
necessário o incremento de mais 50% de
espécies para atingir a diversidade máxima da
comunidade vegetal, segundo Brower et al.,
(1998). Se comparado com outros resultados
para áreas de Floresta Atlântica, (Tabela 3),
verifica-se um índice muito baixo, pois esse
valor tem se mantido 0,83 a 0,91 (Mantovani
1993; Mantovani et al., 1990; Sanchez 1994).
Isto significa que na comunidade analisada
existem muitas populações contribuindo
desigualmente para a elaboração do índice de
diversidade. Algo semelhante foi encontrado por
Melo e Mantovani (1994) para a Ilha do
Cardoso onde a baixa eqüabilidade (J=0,721) foi
justificada pelo critério de inclusão adotado
(indivíduos com diâmetro ≥ 2,5cm), o que
acabou por favorecer a inclusão de populações
numerosas, típicas do sobosque.
Observa-se na Tabela 3, que o Quociente
de Mistura de Jansen foi de 1:18, indicando ser
necessário amostrar 18 indivíduos para
encontrar uma espécie diferente das já
amostradas. Trata-se de um valor baixo em
relação aos valores de outras áreas de Floresta
de Mata Atlântica apresentados por Mantovani
(1993), que apresentaram QMJ bastante alto
(acima de 1:6). Já o trabalho realizado na Ilha
do Cardoso (Melo e Mantovani 1994)
apresentou baixo valor de QMJ (QMJ= 1:16),
atribuído pelos autores à amostragem excessiva
do subosque. O Quociente de Mistura (QM)
relaciona de forma quantitativa os indivíduos e
as espécies, apresentando uma média em uma
determinada área estudada, a diversidade da
população é maior quanto mais próximo de um
(SILVA JÚNIOR et al., 2008).
O baixo valor de QMJ indica uma baixa
heterogeneidade, isso pode ser verificado pelo
baixo número de espécie amostrada, apenas 31,
no entanto, temos também que considerar que o
estudo florístico foi realizado utilizando apenas
as espécies arbóreas adultas, já que o critério de
inclusão foi o diâmetro a altura do peito (DAP)
de 9,9 cm.
Quanto ao padrão de distribuição
espacial foi possível observar sete espécies com
tendência ao agrupamento, onze com padrão
uniforme e doze com tendência ao agrupamento.
Segundo Arruda e Daniel (2007), por meio do
índice de agregação de espécies é possível
visualizar a distribuição espacial das espécies
dentro da comunidade, característica de extrema
importância para o planejamento de medidas de
manejo e conservação das comunidades
florestais.
De maneira geral, pode-se observar
grande participação de espécies vegetais com
tendência à agregação. Esse resultado pode ser
considerado como conseqüência do estágio em
que se encontra a área (sucessão secundária),
onde foi verificada uma acentuada participação
de árvores e arvoretas de pequeno porte,
Autores Índice de
Quociente
de Mistura
(QMJ)
Índice de
eqüabilidade
(J’)
Dados da Pesquisa 1:18 0,51
Ivanauskas (1997) 1:7 0,827
Azevedo (2010) 1:6 0,78
Oliveira et al., 2001 1:9 0,74
DAP (diâmetro a 1,30 m da superfície do solo)
mínimo de 9,9 cm, dentro de cada parcela
amostrada. Para coleta de materiais e dados da
composição florística, foram alocadas doze
parcelas de 10m x 15m (150 m2
), segundo
procedimento de amostragem sistemática
preconizado por Rodal et. al. (1992), de forma a
cobrir as condições e variabilidade da área
estudada. Para alocação e demarcação das
parcelas foi utilizada uma trilha já existente que
corta a área no sentido norte-sul e, portanto, o
procedimento de amostragem consistiu em um
transecto ao longo da extensão da reserva, na
qual foram alocadas as parcelas amostrais,
distanciadas no mínimo 100 metros.
Os parâmetros fitossociológicos
calculados foram: freqüência absoluta e relativa,
densidade absoluta e relativa; dominância
absoluta e relativa; valor de importância e valor
de cobertura, segundo Mueller-Dombois e
Ellemberg (1974) e Braun Blanquet (1932).
Para a análise da heterogeneidade, calculou-se o
índice de diversidade de Shannon (H’), a
eqüitabilidade (J) de Pielou e o Quociente de
Mistura de Jansen, conforme Mueller-Dombois
e Ellemberg (1974; Finol (1971) e Longhi
(1980).
O processamento e as análises dos dados
foram realizados por meio do software MATA
NATIVA 2 (2006).
A partir dos dados levantados nas
parcelas amostrais as mesmas foram
classificadas segundo o estágio de sucessão
ecológica, tomando por base os critérios
constantes da Resolução CONAMA nº 391/07,
que estabelece parâmetros para a análise dos
estágios de sucessão ecológica.
RESULTADOS E DISCUSSÃO
Verifica-se na curva do coletor (figura
1), que o número de espécies amostradas
apresentou tendência de incremento
inicialmente e, à medida que a área amostrada
aumentou, tenderam a se estabilizar. A curva
tendeu a se estabilizar com 1200 m2
(correspondente a oito parcelas amostrais) de
área amostrada, indicando amostragem
satisfatória das espécies na área experimental,
no entanto, para efeito de segurança foram
amostradas mais quatro parcelas, totalizando
uma área amostral de 1800 m2
. Portanto as doze
parcelas foram suficientes para representar a
composição florística da área estudada.
0
5
10
15
20
25
30
0 5 10 15
Número de parcelas amostrais (150m2
)
Númeroacumuladodeespécies
.
Figura 1. Suficiência amostral (curva do coletor) para a
área amostrada.
No levantamento fitossociológico foram
amostrados 560 indivíduos, distribuídos em 29
espécies arbóreas, 23 gêneros e 19 famílias
botânicas, as quais poderão ser observadas na
Tabela 1, por ordem alfabética de espécie, com
seus respectivos nomes populares. Apenas
quatro táxons não foram identificados quanto à
espécie e gênero.
Em termos de diversidade de espécies, as
famílias mais bem representadas na área
estudada ficaram assim distribuídas:
Anarcadiaceae (quatro espécies), Anonaceae e
Moraceae (duas espécies, cada) e
Lecythidaceaenosae (três espécies). As famílias
Areacaceae, Fabaceae e Lauraceae foram
representadas com duas espécies e as demais
famílias ficaram todas representadas por uma
única espécie.
As espécies que apresentaram maior
número de indivíduos na área foi a
Lecythidaceae (325 indivíduos) seguida da
Sapindaceae (82 indivíduos) e Euphorbiaceae
(35 indivíduos).
A análise da estrutura de tamanho das
populações revela que a espécie Schweileira
ovata foi a de maior IVI, destacada pelo alto
valor de DRe (56,14%), seguido de DoRe
(21,520%) e FRe (10,26). O segundo lugar de
IVI foi o da Cupania racemosa, espécie que
também se destacou pela maior DRe(12,18)
seguido da FRe (10,26%) e DoRe (6,245%) em
terceiro lugar o destaque foi para a espécie
ARRUDA, L.; DANIEL, O. Florística e
diversidade em um fragmento de floresta
estacional semidecidual aluvial em Dourados-
MS. Floresta, Curitiba, v. 37, n. 2, p. 189-199,
2007.
BRASIL - MINISTÉRIO DO MEIO
AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS –
CONSELHO NACIONAL DO MEIO
AMBIENTE. Resolução CONAMA n°. 10.
Brasília, 1993.
BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO D
EMEIO AMBIENTE (IBAMA). Ecossistemas
Brasileiros, 1990. Disponível em
www.ibama.gov.br. Acesso em maio de 2011.
BROWER, J.E.; ZAR, J.H.; VAN ENDE, C.N.
Field and laboratory methods for general
ecology. WCB/McGraw, New York. 273p.
1998.
BROWN, J.H. Species diversity. In: MIERS,
N. & GILLER, P.S. (eds.). Analytical
Biogeography. London, Chapmam & Hall. p.56-
89. 1988.
CESTARO, L. A.; SOARES, J. J. Variações
florística e estrutural e relações fitogeográficas
de um fragmento de floresta decídua no Rio
Grande do Norte, Brasil. Acta Botânica
Brasílica, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 203-218,
2004
COSTA JÚNIOR, R.F.C.; FERREIRA, R.L.C.;
RODAL, M.J.N.; FELICIANO, A.L.P.;
MARANGON, L.C. Florística arbórea de um
fragmento de floresta atlântica em Catende,
Pernambuco-Nordeste do Brasil. Revista
Brasileira de Ciências Agrárias, v.2, n.4, p.297-
302, out.-dez. 2007.
FARIAS, R. R. S.; CASTRO, A. A. J. F.
Fitossociologia de trechos da vegetação do
Complexo de Campo Maior, Campo Maior, PI,
Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v.
18, n. 4, p. 949-963, 2004.
FINOL, U. H. Nuevos parámetros a
considerarse en el análisis estrutural de las
selvas virgens tropicales. Revista Forestal
Venezuela. Merida, v. 14, n.21, p.29-42, 1971.
HARGREAVES, P. Phytosociology in Brazil.
The Americas Journal of Plant Science and
Biotechnology. Departamento de Ciências
Florestais, Universidade Federal de Lavras.
Lavras, MG, 2008.
IVANAUSKAS, N.M. Caracterização
Florística e Fisionômica da Floresta Atlântica
sobre a Formação Pariquera-Açu, na Zona
da Morraria Costeira do Estado de São
Paulo. Dissertação de Mestrado. UNICAMP.
1997.
LEITÃO FILHO, H. F. Considerações sobre a
florística de florestas tropicais e sub-tropicais do
Brasil. IPEF, v. 35, p. 41-46, 1987.
LINS, J.R.P.; MEDEIROS, A.N. Mapeamento
da cobertura florestal nativa lenhosa do Estado
da Paraíba. João Pessoa,PNUD/FAO/Governo
da Paraíba. 1994.
LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta
natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O.
Ktze no sul do Brasil. Dissertação (Mestrado
em Ciências Florestais) – Setor de Ciências
Agrárias, Universidade Federal do Paraná. 198
p. Curitiba, 1980.
MAGURAN, A.E. Ecological diversity and its
measurement. London: Croom Helm,1988.
179p.
MANTOVANI, W. Estrutura e Dinâmica da
Floresta Atlântica na Juréia, Iguape-SP. Tese
de Livre-Docência. Instituto de Biociências,
Universidade de São Paulo. 126p. 1993.
MANTOVANI, W.; RODRIGUES, R.R.;
ROSSI,L.; ROMANIUC-NETO, S.;
CATHARINO; E.L.M.; CORDEIRO, I. 1990. A
vegetação na Serra do Mar em Salesópolis, SP.
In: Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e
Sudeste Brasileira: estrutura, função e manejo,
2, Águas de Lindóia. Anais... São Paulo,
ACIESP. p 348-384.
MELO, M.M.R. F.; MANTOVANI.
Composição florística e estrutura de trecho de
mata atlântica de encosta, na Ilha do Cardoso
(Cananéia, SP, Brasil). Boletim do Instituto de
Botânica 9:107-158.1994.
MÜELLER-DOMBOIS, D.; ELLEMBERG, H.
. Aims and methods vegetation ecology. New
York, Wiley. 547.p.1974.
OLIVEIRA, Z.L.; SANTOS JÚNIOR, R.C.B.;
FELICIANO, A.L.P.; MARANGON, L.C.;
CARVALHO, A.J.E. Levantamento florístico e
fitossociológico de um trecho de Mata Atlântica
na estação Florestal Experimental de Nísia
Floresta- RN. Revista Brasil Florestal, nº 71,
2001, p.22-29.
PARAÍBA. Plano Estadual de Recursos
Hídricos: caracterização da cobertura vegetal e
uso do solo. 2006.
Disponível.www.aesa.pb.gov.br/perh. Acesso
em agosto de 2011.
PORTO, M. L. Comunidades Vegetais e
Fitossociologia: fundamentos para avaliação e
manejo de ecossistemas. Porto Alegre: Editora
da UFRGS. Cap. 11, 2008. p. 66 - 68.
RODAL, M.J.N.; SAMPAIO, E.V.S.B.;
FIGUEIREDO, M.A. Manual sobre métodos de
estudo florístico e fitossociológico –
ecossistema caatinga. Brasilia: Sociedade
Botanica do Brasil/Secao Regional de
Pernambuco. 1992. 24p.
SANCHES, M. Florística e fitossociologia da
vegetação arbórea nas margens do rio da
Fazenda (P.E.S.M.), Ubatuba, São Paulo.
Dissertação de mestrado, UNESP, Rio
Claro.1994.
SILVA, A.F. Composição florística e estrutura
fitossociológica do estrato arbóreo da Reserva
Florestal Professor Augusto Ruschi, São José
dos Campos, SP. Tese de Doutorado. Instituto
de Biologia, Universidade Estadual de
Campinas.163p. 1989.
SILVA, V.S.M. Manejo de Florestas Nativas:
Planejamento, Implantação e
Monitoramento. UFMG. Mato Grosso: Cuiabá,
2006
SILVA JÚNIOR, J.F; MARANGON, L.C.;
FERREIRA, R.L.C.;FELICIANO, A.L.P ;
BRANDÃO,F.L.S; ALVES JÚNIOR, F.T.
Fitossociologia do componente arbóreo em um
remanescente de Floresta Atlântica no
Município do Cabo de Santo Agostinho, PE.
Revista Brasileira de Ciência Agrárias.
Recife, UFRPE, v.3, n.3, p.276-282, jul.-set.,
2008.
STRANG, H.E. Mata atlântica. B. FBCN, Rio
de janeiro, 18: 24-25. 1983.
UHL, C.; MURPHY, P.G. Composition,
structure, and regeneration of a tierra firme
forest in the Amazon Basin of Venezuela.
Tropical Ecology, 22(2): 219-237. 1981.
XAVIER, K.R.F. Análise Florística e
Fitossociológica em dois Fragmentos de
Floresta Serrana no Município de Dona Inês,
Paraíba. 2009. 60f. (dissertação de Mestrado),
Universidade Federal da Paraíba, Areia.
_______________________________________
1 Engenheira Ambiental. Trainee na LDC-
SEV.Bioenergia/Usina Estivas.Natal-RN.
2 Doutora em Agronomia. Eng. Florestal.
INCRA/PB.Rua Desportista Aurélio Rocha,
592. CEP: 58000-031 E-mail:
ligiamms@hotmail.com.
3 Engenheiro Ambiental. Diretor de
Minimização de Desastres da Defesa Civil de
João Pessoa. Praça Pedro Américo, 70, 1º andar
– Centro – João Pessoa/PB – 58010-970.
34

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

832 3044-1-pb
832 3044-1-pb832 3044-1-pb
832 3044-1-pb
Bruno Rodrigues
 
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
Marcos Paulo Machado Thome
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
Bruno Rodrigues
 
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJManual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Urialisson Queiroz
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
Bruno Rodrigues
 
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
Ana Aguiar
 
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
apaitupararanga
 
Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Itapua formigas artigo
Itapua formigas artigoItapua formigas artigo
Itapua formigas artigo
avisaassociacao
 
255 762-1-pb
255 762-1-pb255 762-1-pb
255 762-1-pb
Rilson Gomes
 
Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...
Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...
Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...
AcessoMacauba
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2 Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2
mvezzone
 
05
0505
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
Label-ha
 
Diversidade da familia coleoptera
Diversidade da familia coleopteraDiversidade da familia coleoptera
Diversidade da familia coleoptera
Carlos Alberto Monteiro
 
Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Capim limão orgânico
Capim limão orgânicoCapim limão orgânico
Capim limão orgânico
Fabio Morais
 

Mais procurados (19)

832 3044-1-pb
832 3044-1-pb832 3044-1-pb
832 3044-1-pb
 
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08Artigo bioterra v1_n1_2019_08
Artigo bioterra v1_n1_2019_08
 
11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb11628 37607-1-pb
11628 37607-1-pb
 
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJManual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
Manual Técnico de Restauração de Áreas Degradadas RJ
 
Eapt 2012-903
Eapt 2012-903Eapt 2012-903
Eapt 2012-903
 
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
FERTILIDADE DO SOLO CULTIVADO COM GENÓTIPOS DE MARACUJAZEIRO AMARELO SOB DOSE...
 
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
 
Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03Artigo bioterra v21_n2_03
Artigo bioterra v21_n2_03
 
Itapua formigas artigo
Itapua formigas artigoItapua formigas artigo
Itapua formigas artigo
 
255 762-1-pb
255 762-1-pb255 762-1-pb
255 762-1-pb
 
Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...
Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...
Eficiência do uso da luz em acessos de macaúba de diferentes origens, submeti...
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N2 2011
 
Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2 Rotacao de culturas 2
Rotacao de culturas 2
 
05
0505
05
 
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
 
Diversidade da familia coleoptera
Diversidade da familia coleopteraDiversidade da familia coleoptera
Diversidade da familia coleoptera
 
Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04Artigo bioterra v21_n1_04
Artigo bioterra v21_n1_04
 
Capim limão orgânico
Capim limão orgânicoCapim limão orgânico
Capim limão orgânico
 

Destaque

Etude Google Ropo France
Etude Google Ropo FranceEtude Google Ropo France
Etude Google Ropo France
Nicolas Prigent
 
Avui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisa
Avui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisaAvui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisa
Avui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisa
Berta Allo
 
Artigo bioterra v14_n2_08
Artigo bioterra v14_n2_08Artigo bioterra v14_n2_08
Artigo bioterra v14_n2_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
10 Steps to Product/Market Fit
10 Steps to Product/Market Fit10 Steps to Product/Market Fit
10 Steps to Product/Market Fit
Ash Maurya
 

Destaque (14)

Etude Google Ropo France
Etude Google Ropo FranceEtude Google Ropo France
Etude Google Ropo France
 
Avui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisa
Avui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisaAvui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisa
Avui a2012m4d26p12scultura26abril2012 ferran aisa
 
Artigo bioterra v14_n2_08
Artigo bioterra v14_n2_08Artigo bioterra v14_n2_08
Artigo bioterra v14_n2_08
 
Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08
 
Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03
 
Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04
 
Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04
 
Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
 
Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02
 
Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04
 
Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10
 
Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09
 
10 Steps to Product/Market Fit
10 Steps to Product/Market Fit10 Steps to Product/Market Fit
10 Steps to Product/Market Fit
 

Semelhante a Artigo bioterra v16_n2_05

Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Écio Diniz
 
Artigo fitopac
Artigo fitopacArtigo fitopac
Artigo fitopac
Jorge Miguel Masetto
 
Itapua abelhas artigo
Itapua abelhas artigoItapua abelhas artigo
Itapua abelhas artigo
avisaassociacao
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
Filipe de Oliveira
 
Artigo bioterra v21_n1_08
Artigo bioterra v21_n1_08Artigo bioterra v21_n1_08
Artigo bioterra v21_n1_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodosEstudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Bruno Eduardo Ferreira de Paiva
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_01
Artigo_Bioterra_V23_N2_01Artigo_Bioterra_V23_N2_01
Artigo_Bioterra_V23_N2_01
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Label-ha
 
Artigo_Bioterra_V22_N1_08
Artigo_Bioterra_V22_N1_08Artigo_Bioterra_V22_N1_08
Artigo_Bioterra_V22_N1_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Fitossociologia ibitipoca
Fitossociologia ibitipocaFitossociologia ibitipoca
Fitossociologia ibitipoca
Cassiano Fonseca
 
Composição florística da vegetação de restinga da apa rio capivara
Composição florística da vegetação de restinga da apa rio capivaraComposição florística da vegetação de restinga da apa rio capivara
Composição florística da vegetação de restinga da apa rio capivara
Paranapiacaba
 
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Label-ha
 
Artigo bioterra v17_n1_04
Artigo bioterra v17_n1_04Artigo bioterra v17_n1_04
Artigo bioterra v17_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestaisEstrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
Ernane Nogueira Nunes
 
Artigo bioterra v18_n1_06
Artigo bioterra v18_n1_06Artigo bioterra v18_n1_06
Artigo bioterra v18_n1_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Comparações morfológicas e morfométricas de Pterogyne
Comparações morfológicas e morfométricas de PterogyneComparações morfológicas e morfométricas de Pterogyne
Comparações morfológicas e morfométricas de Pterogyne
Michele Soares de Lima
 
Briófitas PARNA 7Cidades
Briófitas PARNA 7CidadesBriófitas PARNA 7Cidades
Briófitas PARNA 7Cidades
Alberto Jorge
 
Familia myrtacea
Familia myrtaceaFamilia myrtacea
Familia myrtacea
Alexandre Panerai
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_04
Artigo bioterra v1_n1_2019_04Artigo bioterra v1_n1_2019_04
Artigo bioterra v1_n1_2019_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...
A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...
A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...
Label-ha
 

Semelhante a Artigo bioterra v16_n2_05 (20)

Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
Estrutura populacional de Lychnophora pinaster Mart. em um trecho de Campo Ru...
 
Artigo fitopac
Artigo fitopacArtigo fitopac
Artigo fitopac
 
Itapua abelhas artigo
Itapua abelhas artigoItapua abelhas artigo
Itapua abelhas artigo
 
Biogeografia
BiogeografiaBiogeografia
Biogeografia
 
Artigo bioterra v21_n1_08
Artigo bioterra v21_n1_08Artigo bioterra v21_n1_08
Artigo bioterra v21_n1_08
 
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodosEstudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
Estudo levantamento-fauna-respectivos-metodos
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_01
Artigo_Bioterra_V23_N2_01Artigo_Bioterra_V23_N2_01
Artigo_Bioterra_V23_N2_01
 
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
Abelhas nativas (Hymenoptera: Apidae) em Floresta Ombrófila Densa Submontana ...
 
Artigo_Bioterra_V22_N1_08
Artigo_Bioterra_V22_N1_08Artigo_Bioterra_V22_N1_08
Artigo_Bioterra_V22_N1_08
 
Fitossociologia ibitipoca
Fitossociologia ibitipocaFitossociologia ibitipoca
Fitossociologia ibitipoca
 
Composição florística da vegetação de restinga da apa rio capivara
Composição florística da vegetação de restinga da apa rio capivaraComposição florística da vegetação de restinga da apa rio capivara
Composição florística da vegetação de restinga da apa rio capivara
 
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
 
Artigo bioterra v17_n1_04
Artigo bioterra v17_n1_04Artigo bioterra v17_n1_04
Artigo bioterra v17_n1_04
 
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestaisEstrutura e florística de quintais agroflorestais
Estrutura e florística de quintais agroflorestais
 
Artigo bioterra v18_n1_06
Artigo bioterra v18_n1_06Artigo bioterra v18_n1_06
Artigo bioterra v18_n1_06
 
Comparações morfológicas e morfométricas de Pterogyne
Comparações morfológicas e morfométricas de PterogyneComparações morfológicas e morfométricas de Pterogyne
Comparações morfológicas e morfométricas de Pterogyne
 
Briófitas PARNA 7Cidades
Briófitas PARNA 7CidadesBriófitas PARNA 7Cidades
Briófitas PARNA 7Cidades
 
Familia myrtacea
Familia myrtaceaFamilia myrtacea
Familia myrtacea
 
Artigo bioterra v1_n1_2019_04
Artigo bioterra v1_n1_2019_04Artigo bioterra v1_n1_2019_04
Artigo bioterra v1_n1_2019_04
 
A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...
A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...
A comunidade de abelhas e seus recursos tróficos em área de clima temperado n...
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v16_n2_05

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 16 - Número 2 - 2º Semestre 2016 COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGICA DO COMPONENTE ARBÓREO DA RESERVA PARTICULAR DO PATRIMÔNIO NATURAL (RPPN) ENGENHO GARGAÚ, SANTA RITA – PB. Camila Andrade Feitoza1 ; Lígia Maria de Medeiros Silva2 ; Alberto Alves Sabino3 RESUMO Este estudo teve por objetivo analisar os aspectos da estrutura, fitossociologia e composição florística do estrato arbóreo da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) - Engenho Gargaú, no Município de Santa Rita, Estado da Paraíba. Foram amostrados 560 indivíduos, distribuídos em 29 espécies arbóreas, 23 gêneros e 19 famílias botânicas. As famílias mais bem representadas na área estudada ficaram assim distribuídas: Anarcadiaceae, Moraceae e Lecythidaceaenosae. As famílias Areacaceae, Fabaceae, Annonaceae e Lauraceae foram representadas com duas espécies e as demais famílias ficaram todas representadas por uma única espécie. O índice de diversidade de Shannon (H') foi baixo, 1,71 nats/indivíduos, quando comparado com outros levantamentos em área de Mata Atlântica. O Quociente de Mistura foi de 1:19, trata-se de um valor baixo. A espécie Schweileira ovato apresentou maior IVI em decorrência do maior número de indivíduos e maior porte arbóreo. Diante dos dados apresentados pode-se dizer que a área se encontra em estágio médio de sucessão florestal Palavras-chaves: Fitossociologia, Diversidade florística, Sucessão florestal. FLORISTIC AND PHYTOSOCIOLOGY OF THE TREE COMPONENT OF THE PRIVATE RESERVE OF NATURAL HERITAGE (PRNP) GARGAÚ ENGENHO, SANTA RITA – PB ABSTRACT This study aimed to analyze the floristic composition and phytosociological structure of tree species from Atlantic Forest in the area in question, in order to characterize its structure using phytosociological methods, with the intuit to verify their relationships abundance, dominance, sociability, and environmental quality in such species are included and obviously contribute to the knowledge of the floristic diversity of species. We sampled 560 individuals, distributed in 29 tree species, 23 genera and 19 botanical families. The families best represented in the study area were distributed as follows: Anarcadiaceae, and Moraceae Lecythidaceaenosae. Areacaceae families, Fabaceae, Annonaceae and Lauraceae are represented with two species and all the other families were represented by a single species. The Shannon diversity index (H ') was down 1.71 nats / individuals when compared with other surveys in the Atlantic Forest. The Quotiente de mistura was 1:19, it is a low value. The species Schweileira ovata had higher IVI and CVI due to the greater number of individuals and larger tree. From the data presented it can be said that the area is in the intermediate stage of succession. Keywords: Phytosociology, Floristic diversity, Forest succession. 26
  • 2. INTRODUÇÃO No conceito de Strang (1983), a mata atlântica é uma grande província natural com aproximadamente um milhão de quilômetros quadrados, que abarca vários ecossistemas florestais, com enclaves e interpenetrações de outros ecossistemas não florestais correspondendo ao domínio morfoclimático dos mares de morros florestados de acordo com Ab’ Saber (1977). Em função da latitude, relevo e clima geral, este bioma apresenta variações nas formações fitogeográficas que permitem caracterizá-lo. Esta formação ocupa no Sul e Sudeste do país as encostas das serras litorâneas, que apresenta fisionomia geral similar; no Nordeste, a mata atlântica ocupa principalmente a formação dos tabuleiros costeiros, estendendo- se desde a parte oriental do Rio Grande do Norte, até o Sul da Bahia. Na Paraíba as florestas costeiras foram quase totalmente devastadas, restando hoje apenas pequenas manchas dispersas no litoral. Além disto, todos os remanescentes apresentam sinais de retirada de madeira (LINS e MEDEIROS, 1994). Este se encontra bastante antropizado, com cerca de 65% do total de área desta forma, segundo levantamento feito pelo IBAMA (1990), apresentando apenas um total próximo a 0,34% do percentual do Estado e uma área de 196,4 Km² com vegetação de Mata Atlântica (Paraíba, 2006). A Mata Atlântica por sua grande diversidade e quantidade de espécies endêmicas, requerem a necessidade dos estudos florísticos e fitossociológicos (ANDRADE et al, 2006). Desta forma, torna-se inquestionável que para a preservação deste bioma, necessita-se primeiro conhecer a comunidade florística e suas relações entre si, sendo estes estudos primordiais para estes fins, pois além da riqueza de espécies que este bioma possui muito já se foi devastado com o crescimento das cidades e suas atividades subsequentes (COSTA JÚNIOR et al, 2007). Hargreaves (2008) aponta que a fitossociologia pretende destrinchar e classificar as comunidades florísticas a partir de sua estrutura e composição, e que no Brasil o método mais utilizado para o estudo é o levantamento de espécies arbóreas predominantes. O estudo fitossociológico é a caracterização, classificação e estudo das relações e distribuição das comunidades vegetais. Este estudo auxilia no conhecimento de espécies vegetais de uma área, fundamental para preservar espécies endêmicas dos biomas mais importantes. É utilizado para caracterizar as relações entre espécies e a dinâmica das populações, o que nos dá uma pista de como essas espécies se modificaram com o passar do tempo e como reagem às condições climáticas, pedológicas, geológicas, dentre outras (PORTO, 2008). Diante do exposto objetivou-se neste estudo analisar a composição florística e a estrutura fitossociológica de espécies arbóreas de Mata Atlântica da Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) Engenho Gargaú, no sentido de verificar suas relações de abundância, dominância, sociabilidade e a qualidade do meio em que tais espécies se inserem. MATERIAL E MÉTODOS A área de estudo está localizada na Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) – ENGENHO GARGAÚ, nos domínios da Usina Japungu Agroindustrial, situada no município de Santa Rita no Estado da Paraíba. Possui área de 1.058,6237 hectares. Criada por meio de PORTARIA Nº 64-N, de 14 de junho de 1994. A área da RPPN há mais de 25 anos não sofre ação antrópica. Antes havia a exploração de madeira e culturas agrícolas. A amostragem para identificação das espécies e obtenção de dados para determinação dos parâmetros fitossociológicos foi feita pelo método de parcelas fixas, respeitando à suficiência amostral baseada na curva espécie/área. Para compreender como se dá o acréscimo do número de espécies à medida que se aumenta o número de amostras realizadas em campo, utilizou-se o método de curva do coletor (MUELLER-DUMBOIS e ELLENBERG, 1974; MAGURRAN, 1988). Foi considerada para efeito do estudo uma área de aproximadamente quatro hectares, onde foram identificados e medidos os diâmetros de todos os indivíduos arbóreos com
  • 3. DAP (diâmetro a 1,30 m da superfície do solo) mínimo de 9,9 cm, dentro de cada parcela amostrada. Para coleta de materiais e dados da composição florística, foram alocadas doze parcelas de 10m x 15m (150 m2 ), segundo procedimento de amostragem sistemática preconizado por Rodal et. al. (1992), de forma a cobrir as condições e variabilidade da área estudada. Para alocação e demarcação das parcelas foi utilizada uma trilha já existente que corta a área no sentido norte-sul e, portanto, o procedimento de amostragem consistiu em um transecto ao longo da extensão da reserva, na qual foram alocadas as parcelas amostrais, distanciadas no mínimo 100 metros. Os parâmetros fitossociológicos calculados foram: freqüência absoluta e relativa, densidade absoluta e relativa; dominância absoluta e relativa; valor de importância e valor de cobertura, segundo Mueller-Dombois e Ellemberg (1974) e Braun Blanquet (1932). Para a análise da heterogeneidade, calculou-se o índice de diversidade de Shannon (H’), a eqüitabilidade (J) de Pielou e o Quociente de Mistura de Jansen, conforme Mueller-Dombois e Ellemberg (1974; Finol (1971) e Longhi (1980). O processamento e as análises dos dados foram realizados por meio do software MATA NATIVA 2 (2006). A partir dos dados levantados nas parcelas amostrais as mesmas foram classificadas segundo o estágio de sucessão ecológica, tomando por base os critérios constantes da Resolução CONAMA nº 391/07, que estabelece parâmetros para a análise dos estágios de sucessão ecológica. RESULTADOS E DISCUSSÃO Verifica-se na curva do coletor (figura 1), que o número de espécies amostradas apresentou tendência de incremento inicialmente e, à medida que a área amostrada aumentou, tenderam a se estabilizar. A curva tendeu a se estabilizar com 1200 m2 (correspondente a oito parcelas amostrais) de área amostrada, indicando amostragem satisfatória das espécies na área experimental, no entanto, para efeito de segurança foram amostradas mais quatro parcelas, totalizando uma área amostral de 1800 m2 . Portanto as doze parcelas foram suficientes para representar a composição florística da área estudada. 0 5 10 15 20 25 30 0 5 10 15 Número de parcelas amostrais (150m2 ) Númeroacumuladodeespécies . Figura 1. Suficiência amostral (curva do coletor) para a área amostrada. No levantamento fitossociológico foram amostrados 560 indivíduos, distribuídos em 29 espécies arbóreas, 23 gêneros e 19 famílias botânicas, as quais poderão ser observadas na Tabela 1, por ordem alfabética de espécie, com seus respectivos nomes populares. Apenas quatro táxons não foram identificados quanto à espécie e gênero. Em termos de diversidade de espécies, as famílias mais bem representadas na área estudada ficaram assim distribuídas: Anarcadiaceae (quatro espécies), Anonaceae e Moraceae (duas espécies, cada) e Lecythidaceaenosae (três espécies). As famílias Areacaceae, Fabaceae e Lauraceae foram representadas com duas espécies e as demais famílias ficaram todas representadas por uma única espécie. As espécies que apresentaram maior número de indivíduos na área foi a Lecythidaceae (325 indivíduos) seguida da Sapindaceae (82 indivíduos) e Euphorbiaceae (35 indivíduos). A análise da estrutura de tamanho das populações revela que a espécie Schweileira ovata foi a de maior IVI, destacada pelo alto valor de DRe (56,14%), seguido de DoRe (21,520%) e FRe (10,26). O segundo lugar de IVI foi o da Cupania racemosa, espécie que também se destacou pela maior DRe(12,18) seguido da FRe (10,26%) e DoRe (6,245%) em terceiro lugar o destaque foi para a espécie
  • 4. Pogonophora schamburkiana, estes parâmetros estão descritos na Tabela 2. Tabela 1. Listagem das espécies arbóreas amostradas na área da Reserva Particular do Patrimônio Natural Engenho Gargaú, Santa Rita-PB. Nome Científico Nome Vulgar Família Acrocomia intumescens Drude Macaíba Areacaceae Altalea oleifera Barb. Rodr Palmeira pindola Areacaceae Annona glabra L. Pana Apuleia leiocarpa (Vog) Mart. Jitai Caesalpinaceae Brosimum discolor Schott Quiri Moraceae Bowdichia Virgiliodes H.b & Kunth. Sucupira Fabaceae Buchenavia capitata (Vahl.) Eichler Imbiridiba Annonaceae Byrsonima sericea DC. Murici Malphighiaceae Campomanesia xanthocarpa Mart Guabiraba Myrtaceae Cupania racemosa (Vell.) Radlk Caboatã Sapindaceae Cupania revoluta Rolfe Caboatã do rego Sapindaceae Eschweilera apiculata (Miers) A.C. SM. Imbiriba branca Lecythidaceae Eschweilera ovata (Cambess.)Miers. Imbiriba Lecythidaceae Eschweilera alvimii Mori Imbiriba preta Lecythidaceae Hymenaea courbaril L. Jatobá Fabaceae Ingá fagifolia G.Don. Ingá Mimosaceae Manikara triflora Fr. Allemão. Goiti Sapotaceae Nectandra cuspidata (nees et. Mart.)Nees. Louro Lauraceae Ocotea gardneri (Meisn.) Mez Leiteira Lauraceae Paypayrola blanchetiana Tul. Jaquinha da mata Violaceae Protium giganteum Engl. Amescla Burseraceae Pogonophora schomburgkiana Miers Cocão Euphorbiaceae Schefflera morototoni (Aubl.) M. S. & Frodin Sambaquim Araliaceae Simarouba Amara Aubl. Praíba Simaroubaceae Tapirira guianensis Aubl. Cupiúba Anacardiaceae Tapirira SP Cupiúba branca Anarcadiaceae Thyrsodium spruceanum S.. Ex Benth. Caboatã-de-leite Anacardiaceae Xylopia frutescens Aubl. Imbira-semente Annonaceae Indeterminada 1 Indeterminada Moraceae Indeterminada 2 Indeterminada Marantaceae Indeterminada 3 Indeterminada Anarcadiaceae Indeterminada 4 Indeterminada Poaceae O maior IVI para as três espécies se deu em decorrência do grande número de indivíduos, juntas representam 79% do total de indivíduos amostrados. De acordo com Leitão Filho (1987), as famílias floristicamente mais abundantes de uma região são as que respondem pelos principais parâmetros fitossociológicos. A densidade total do levantamento foi de 7.725,926 indivíduos/ha e o valor obtido para a área basal foi de 7,8336 m²/ha. Com relação à densidade relativa, as famílias que apresentaram maiores valores foram: Lecythidaceae (60,07%), Sapindaceae (12,9) e Euphorbiaceae (8,53%), correspondendo a 78,7% do total. Com relação à dominância relativa compareceram Lecythidaceae (35,54%), Annonaceae (15,68%), Anardiaceae (9,70%) e Araliaceae (9,09%), totalizando 70,01%. A espécie Eschweileira ovato destacou- se no IVI que apresentou o maior número de indivíduos e maior porte arbóreo, seguido das espécies Cupania racemosa, Pogonophora shomburgkiana, Buchenavia capitada e Eschweilera alvimii.
  • 5. Tabela 2. Valores dos parâmetros fitossociológicos na RPPN Engenho Gargaú considerando em ordem decrescente do Índice de valor de importância. ESPÉCIES Ni Ab(m²) Dre(%) Fre(%) DoRe(%) IVI(%) Eschweilera ovata 325 1,9961 56,14 10,26 21,52 29,31 Cupania racemosa 82 0,5531 12,18 10,26 4,93 9,12 Pogonophora shomburgkiana 35 0,3916 8,53 8,9 7,33 8,28 Buchenavia capitada 6 0,9068 1,68 3,85 15,63 7,05 Eschweilera alvimii 9 0,591 3,4 3,85 13,38 6,88 Schefflera morototoni 6 0,6733 1,58 3,85 9,09 4,84 Protium giganteum 18 0,5728 1,73 7,69 3,35 4,25 Tapirira guianensis 13 0,4341 2,78 5,13 3,37 3,76 Tapirira sp 9 0,3016 2,54 2,56 6,14 4,75 Camponesia xanthocarpa 6 0,1771 1,34 5,13 2,96 3,14 Altalea oleífera 3 0,1998 1,82 1,28 5,24 2,78 Bowdichia Virgiliodes 4 0,3416 0,38 3,85 2 2,08 Indeterminada 1 8 0,1069 1,1 3,85 1,21 2,05 Simarouba Amara 3 0,1136 0,62 3,85 0,96 1,81 Ocotea gardneri 5 0,0758 0,81 3,85 0,46 1,71 Thyrsodium spruceanum 3 0,015 0,62 2,56 0,15 1,11 Annona glabra 4 0,0226 0,38 2,56 0,13 1,03 Eschweilera apiculata 2 0,1021 0,53 1,28 0,64 0,82 Apuleia leiocarpa 4 0,0562 0,38 1,28 0,33 0,66 Byesonima sericea 3 0,0493 0,29 1,28 0,29 0,62 Indeterminada 2 1 0,0436 0,1 1,28 0,25 0,54 Manikara triflora 2 0,0245 0,19 1,28 0,14 0,54 Brosimum discolor 2 0,0173 0,19 1,28 0,1 0,53 Hymenaea courbarl 1 0,0326 0,1 1,28 0,19 0,52 Intederminada 3 1 0,0176 0,1 1,28 0,1 0,49 Acromia intumescens 1 0,0035 0,1 1,28 0,02 0,47 nectandra cuspidata 1 0,0067 0,1 1,28 0,04 0,47 Cupania revoluta 1 0,0023 0,1 1,28 0,01 0,46 Indeterminada 4 1 0,0029 0,1 1,28 0,02 0,46 Xylopia frutences 1 0,002 0,1 1,28 0,01 0,46 Total 560 7,8336 100 100 100 100 N°= Número de indivíduos, AB= área basal, DR=Densidade relativa; FR= Freqüência relativa; DoR= Dominância relativa e IVI=Indice de valor de importância e Vc= valor de cobertura. O índice de diversidade de Shannon (H') foi baixo, 1,71 nats/indivíduos quando comparado com outros levantamentos em área de Mata Atlântica. Como Xavier (2009) para Mata Atlântica no Município de D. Inês/PB (Mata da Caboclo, 3,54 nats/ind. e Mata do Seró, 3,53). Andrade et al., (2006) em Mata do Pau do Ferro no Município de Areia/PB, 2,99 nats/ind. Cestaro e Andrade (2004) no município de Macaína/RN, 3,19 nats/ind. Farias e Castro (2004) no Município de Campo Maior/PI, 3,09 nats/ind. Isso, provavelmente, resulta da distribuição não homogênea de espécies na área, devido à abundância de algumas poucas espécies, como a E. ovata e C. racemosa. Outro fator a considerar é que a área em questão sofreu forte pressão antrópicas no passado pela exploração de madeira e abertura de áreas para cultivos agrícolas e isso certamente afetou a abundância de algumas espécies, determinando o baixo valor de H’.
  • 6. Em relação à riqueza, foram amostradas 30 espécies. Trata-se de um número considerado baixo, se comparado com trabalhos realizados em áreas de Mata atlântica, como o de Melo e Mantovani (1994) obteve um total de 157 espécies, Silva (1989) apresentou em seu trabalho 195 espécies e Xavier (2009), 520 espécies. De acordo com Brown (1988) a diversidade de uma comunidade vegetal expressa à variação espacial na abundância e na distribuição das espécies. Como regiões distintas podem diferir tanto no número de espécies bem como na densidade relativa das populações amostradas, o emprego de índices de diversidade visa combinar estas duas variáveis, através de fórmulas que utilizam a riqueza e a eqüabilidade obtidas numa determinada área (MELO E MANTOVANI 1994). Com relação à eqüabilidade, o grau estimado foi 0,51, o que sugere baixa uniformidade na distribuição dos indivíduos dentro da comunidade vegetal, constatação esperada, pois a equitabilidade é diretamente proporcional à diversidade e, antagônico à dominância (UHL e MURPHY, 1981). Tabela 3. Comparação do Quociente de mistura (QMJ) e valores de eqüabilidade (J) obtidos na Mata da RPPN Engenho Gargaú em Santa Rita, PB, com outros levantamentos também realizados em área de Mata Atlântica. Teoricamente, esse valor indica que seria necessário o incremento de mais 50% de espécies para atingir a diversidade máxima da comunidade vegetal, segundo Brower et al., (1998). Se comparado com outros resultados para áreas de Floresta Atlântica, (Tabela 3), verifica-se um índice muito baixo, pois esse valor tem se mantido 0,83 a 0,91 (Mantovani 1993; Mantovani et al., 1990; Sanchez 1994). Isto significa que na comunidade analisada existem muitas populações contribuindo desigualmente para a elaboração do índice de diversidade. Algo semelhante foi encontrado por Melo e Mantovani (1994) para a Ilha do Cardoso onde a baixa eqüabilidade (J=0,721) foi justificada pelo critério de inclusão adotado (indivíduos com diâmetro ≥ 2,5cm), o que acabou por favorecer a inclusão de populações numerosas, típicas do sobosque. Observa-se na Tabela 3, que o Quociente de Mistura de Jansen foi de 1:18, indicando ser necessário amostrar 18 indivíduos para encontrar uma espécie diferente das já amostradas. Trata-se de um valor baixo em relação aos valores de outras áreas de Floresta de Mata Atlântica apresentados por Mantovani (1993), que apresentaram QMJ bastante alto (acima de 1:6). Já o trabalho realizado na Ilha do Cardoso (Melo e Mantovani 1994) apresentou baixo valor de QMJ (QMJ= 1:16), atribuído pelos autores à amostragem excessiva do subosque. O Quociente de Mistura (QM) relaciona de forma quantitativa os indivíduos e as espécies, apresentando uma média em uma determinada área estudada, a diversidade da população é maior quanto mais próximo de um (SILVA JÚNIOR et al., 2008). O baixo valor de QMJ indica uma baixa heterogeneidade, isso pode ser verificado pelo baixo número de espécie amostrada, apenas 31, no entanto, temos também que considerar que o estudo florístico foi realizado utilizando apenas as espécies arbóreas adultas, já que o critério de inclusão foi o diâmetro a altura do peito (DAP) de 9,9 cm. Quanto ao padrão de distribuição espacial foi possível observar sete espécies com tendência ao agrupamento, onze com padrão uniforme e doze com tendência ao agrupamento. Segundo Arruda e Daniel (2007), por meio do índice de agregação de espécies é possível visualizar a distribuição espacial das espécies dentro da comunidade, característica de extrema importância para o planejamento de medidas de manejo e conservação das comunidades florestais. De maneira geral, pode-se observar grande participação de espécies vegetais com tendência à agregação. Esse resultado pode ser considerado como conseqüência do estágio em que se encontra a área (sucessão secundária), onde foi verificada uma acentuada participação de árvores e arvoretas de pequeno porte, Autores Índice de Quociente de Mistura (QMJ) Índice de eqüabilidade (J’) Dados da Pesquisa 1:18 0,51 Ivanauskas (1997) 1:7 0,827 Azevedo (2010) 1:6 0,78 Oliveira et al., 2001 1:9 0,74
  • 7. DAP (diâmetro a 1,30 m da superfície do solo) mínimo de 9,9 cm, dentro de cada parcela amostrada. Para coleta de materiais e dados da composição florística, foram alocadas doze parcelas de 10m x 15m (150 m2 ), segundo procedimento de amostragem sistemática preconizado por Rodal et. al. (1992), de forma a cobrir as condições e variabilidade da área estudada. Para alocação e demarcação das parcelas foi utilizada uma trilha já existente que corta a área no sentido norte-sul e, portanto, o procedimento de amostragem consistiu em um transecto ao longo da extensão da reserva, na qual foram alocadas as parcelas amostrais, distanciadas no mínimo 100 metros. Os parâmetros fitossociológicos calculados foram: freqüência absoluta e relativa, densidade absoluta e relativa; dominância absoluta e relativa; valor de importância e valor de cobertura, segundo Mueller-Dombois e Ellemberg (1974) e Braun Blanquet (1932). Para a análise da heterogeneidade, calculou-se o índice de diversidade de Shannon (H’), a eqüitabilidade (J) de Pielou e o Quociente de Mistura de Jansen, conforme Mueller-Dombois e Ellemberg (1974; Finol (1971) e Longhi (1980). O processamento e as análises dos dados foram realizados por meio do software MATA NATIVA 2 (2006). A partir dos dados levantados nas parcelas amostrais as mesmas foram classificadas segundo o estágio de sucessão ecológica, tomando por base os critérios constantes da Resolução CONAMA nº 391/07, que estabelece parâmetros para a análise dos estágios de sucessão ecológica. RESULTADOS E DISCUSSÃO Verifica-se na curva do coletor (figura 1), que o número de espécies amostradas apresentou tendência de incremento inicialmente e, à medida que a área amostrada aumentou, tenderam a se estabilizar. A curva tendeu a se estabilizar com 1200 m2 (correspondente a oito parcelas amostrais) de área amostrada, indicando amostragem satisfatória das espécies na área experimental, no entanto, para efeito de segurança foram amostradas mais quatro parcelas, totalizando uma área amostral de 1800 m2 . Portanto as doze parcelas foram suficientes para representar a composição florística da área estudada. 0 5 10 15 20 25 30 0 5 10 15 Número de parcelas amostrais (150m2 ) Númeroacumuladodeespécies . Figura 1. Suficiência amostral (curva do coletor) para a área amostrada. No levantamento fitossociológico foram amostrados 560 indivíduos, distribuídos em 29 espécies arbóreas, 23 gêneros e 19 famílias botânicas, as quais poderão ser observadas na Tabela 1, por ordem alfabética de espécie, com seus respectivos nomes populares. Apenas quatro táxons não foram identificados quanto à espécie e gênero. Em termos de diversidade de espécies, as famílias mais bem representadas na área estudada ficaram assim distribuídas: Anarcadiaceae (quatro espécies), Anonaceae e Moraceae (duas espécies, cada) e Lecythidaceaenosae (três espécies). As famílias Areacaceae, Fabaceae e Lauraceae foram representadas com duas espécies e as demais famílias ficaram todas representadas por uma única espécie. As espécies que apresentaram maior número de indivíduos na área foi a Lecythidaceae (325 indivíduos) seguida da Sapindaceae (82 indivíduos) e Euphorbiaceae (35 indivíduos). A análise da estrutura de tamanho das populações revela que a espécie Schweileira ovata foi a de maior IVI, destacada pelo alto valor de DRe (56,14%), seguido de DoRe (21,520%) e FRe (10,26). O segundo lugar de IVI foi o da Cupania racemosa, espécie que também se destacou pela maior DRe(12,18) seguido da FRe (10,26%) e DoRe (6,245%) em terceiro lugar o destaque foi para a espécie
  • 8. ARRUDA, L.; DANIEL, O. Florística e diversidade em um fragmento de floresta estacional semidecidual aluvial em Dourados- MS. Floresta, Curitiba, v. 37, n. 2, p. 189-199, 2007. BRASIL - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS – CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA n°. 10. Brasília, 1993. BRASIL. INSTITUTO BRASILEIRO D EMEIO AMBIENTE (IBAMA). Ecossistemas Brasileiros, 1990. Disponível em www.ibama.gov.br. Acesso em maio de 2011. BROWER, J.E.; ZAR, J.H.; VAN ENDE, C.N. Field and laboratory methods for general ecology. WCB/McGraw, New York. 273p. 1998. BROWN, J.H. Species diversity. In: MIERS, N. & GILLER, P.S. (eds.). Analytical Biogeography. London, Chapmam & Hall. p.56- 89. 1988. CESTARO, L. A.; SOARES, J. J. Variações florística e estrutural e relações fitogeográficas de um fragmento de floresta decídua no Rio Grande do Norte, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 203-218, 2004 COSTA JÚNIOR, R.F.C.; FERREIRA, R.L.C.; RODAL, M.J.N.; FELICIANO, A.L.P.; MARANGON, L.C. Florística arbórea de um fragmento de floresta atlântica em Catende, Pernambuco-Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.2, n.4, p.297- 302, out.-dez. 2007. FARIAS, R. R. S.; CASTRO, A. A. J. F. Fitossociologia de trechos da vegetação do Complexo de Campo Maior, Campo Maior, PI, Brasil. Acta Botânica Brasílica, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 949-963, 2004. FINOL, U. H. Nuevos parámetros a considerarse en el análisis estrutural de las selvas virgens tropicales. Revista Forestal Venezuela. Merida, v. 14, n.21, p.29-42, 1971. HARGREAVES, P. Phytosociology in Brazil. The Americas Journal of Plant Science and Biotechnology. Departamento de Ciências Florestais, Universidade Federal de Lavras. Lavras, MG, 2008. IVANAUSKAS, N.M. Caracterização Florística e Fisionômica da Floresta Atlântica sobre a Formação Pariquera-Açu, na Zona da Morraria Costeira do Estado de São Paulo. Dissertação de Mestrado. UNICAMP. 1997. LEITÃO FILHO, H. F. Considerações sobre a florística de florestas tropicais e sub-tropicais do Brasil. IPEF, v. 35, p. 41-46, 1987. LINS, J.R.P.; MEDEIROS, A.N. Mapeamento da cobertura florestal nativa lenhosa do Estado da Paraíba. João Pessoa,PNUD/FAO/Governo da Paraíba. 1994. LONGHI, S. J. A estrutura de uma floresta natural de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze no sul do Brasil. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná. 198 p. Curitiba, 1980. MAGURAN, A.E. Ecological diversity and its measurement. London: Croom Helm,1988. 179p. MANTOVANI, W. Estrutura e Dinâmica da Floresta Atlântica na Juréia, Iguape-SP. Tese de Livre-Docência. Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo. 126p. 1993. MANTOVANI, W.; RODRIGUES, R.R.; ROSSI,L.; ROMANIUC-NETO, S.; CATHARINO; E.L.M.; CORDEIRO, I. 1990. A vegetação na Serra do Mar em Salesópolis, SP. In: Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira: estrutura, função e manejo, 2, Águas de Lindóia. Anais... São Paulo, ACIESP. p 348-384. MELO, M.M.R. F.; MANTOVANI. Composição florística e estrutura de trecho de mata atlântica de encosta, na Ilha do Cardoso
  • 9. (Cananéia, SP, Brasil). Boletim do Instituto de Botânica 9:107-158.1994. MÜELLER-DOMBOIS, D.; ELLEMBERG, H. . Aims and methods vegetation ecology. New York, Wiley. 547.p.1974. OLIVEIRA, Z.L.; SANTOS JÚNIOR, R.C.B.; FELICIANO, A.L.P.; MARANGON, L.C.; CARVALHO, A.J.E. Levantamento florístico e fitossociológico de um trecho de Mata Atlântica na estação Florestal Experimental de Nísia Floresta- RN. Revista Brasil Florestal, nº 71, 2001, p.22-29. PARAÍBA. Plano Estadual de Recursos Hídricos: caracterização da cobertura vegetal e uso do solo. 2006. Disponível.www.aesa.pb.gov.br/perh. Acesso em agosto de 2011. PORTO, M. L. Comunidades Vegetais e Fitossociologia: fundamentos para avaliação e manejo de ecossistemas. Porto Alegre: Editora da UFRGS. Cap. 11, 2008. p. 66 - 68. RODAL, M.J.N.; SAMPAIO, E.V.S.B.; FIGUEIREDO, M.A. Manual sobre métodos de estudo florístico e fitossociológico – ecossistema caatinga. Brasilia: Sociedade Botanica do Brasil/Secao Regional de Pernambuco. 1992. 24p. SANCHES, M. Florística e fitossociologia da vegetação arbórea nas margens do rio da Fazenda (P.E.S.M.), Ubatuba, São Paulo. Dissertação de mestrado, UNESP, Rio Claro.1994. SILVA, A.F. Composição florística e estrutura fitossociológica do estrato arbóreo da Reserva Florestal Professor Augusto Ruschi, São José dos Campos, SP. Tese de Doutorado. Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas.163p. 1989. SILVA, V.S.M. Manejo de Florestas Nativas: Planejamento, Implantação e Monitoramento. UFMG. Mato Grosso: Cuiabá, 2006 SILVA JÚNIOR, J.F; MARANGON, L.C.; FERREIRA, R.L.C.;FELICIANO, A.L.P ; BRANDÃO,F.L.S; ALVES JÚNIOR, F.T. Fitossociologia do componente arbóreo em um remanescente de Floresta Atlântica no Município do Cabo de Santo Agostinho, PE. Revista Brasileira de Ciência Agrárias. Recife, UFRPE, v.3, n.3, p.276-282, jul.-set., 2008. STRANG, H.E. Mata atlântica. B. FBCN, Rio de janeiro, 18: 24-25. 1983. UHL, C.; MURPHY, P.G. Composition, structure, and regeneration of a tierra firme forest in the Amazon Basin of Venezuela. Tropical Ecology, 22(2): 219-237. 1981. XAVIER, K.R.F. Análise Florística e Fitossociológica em dois Fragmentos de Floresta Serrana no Município de Dona Inês, Paraíba. 2009. 60f. (dissertação de Mestrado), Universidade Federal da Paraíba, Areia. _______________________________________ 1 Engenheira Ambiental. Trainee na LDC- SEV.Bioenergia/Usina Estivas.Natal-RN. 2 Doutora em Agronomia. Eng. Florestal. INCRA/PB.Rua Desportista Aurélio Rocha, 592. CEP: 58000-031 E-mail: ligiamms@hotmail.com. 3 Engenheiro Ambiental. Diretor de Minimização de Desastres da Defesa Civil de João Pessoa. Praça Pedro Américo, 70, 1º andar – Centro – João Pessoa/PB – 58010-970. 34