SlideShare uma empresa Scribd logo
Surdez
A Educação dos Surdos
Conceituação
Segundo o MEC, deficiência auditiva é “a
diminuição da capacidade de percepção normal
dos sons, sendo considerado surdo o indivíduo
cuja audição não é funcional na vida comum, e
parcialmente surdo, aquele cuja audição, ainda
que deficiente, é funcional com ou sem prótese
auditiva.”
Causas da Deficiência Auditiva
• Pré-natais: herança genética, toxoplasmose,
rubéola;
• Peri-natais: anoxia, traumatismos;
• Pós-natais: infecções, febres eruptivas,
caxumba, meningite, otites, intoxicações,
traumatismos por acidentes e perda por ruído.
Diagnóstico e Prognóstico:
• O diagnóstico e prognóstico das deficiências
auditivas podem ser feitos através de testes
objetivos (eletrofisiológicos) e subjetivos que
podem ser realizados desde o nascimento:
- Emissões otoacústicas.
- Impedanciometria.
- Bera (audiometria do tronco cerebral).
- Audiometria (o resultado do teste audiométrico
pode ser observado através de um gráfico)
Classificação da Perda Auditiva
• Surdez leve: perda auditiva de até 40 decibéis;
não impede aquisição normal da linguagem, mas
poderá ser causa de algum problema
articulátorio ou dificuldade na leitura e/ou
escrita.
• Surdez moderada: perda auditiva de até 70
decibéis; é freqüente o atraso de linguagem e as
alterações articulatórias, havendo, em alguns,
problemas lingüísticos. Com orientação
adequada a criança terá grandes possibilidades
de se desenvolver.
• Surdez severa: perda auditiva de até 90
decibéis; poderá perceber apenas a voz forte,
chegando até 4 ou 5 anos sem aprender a falar.
• Surdez profunda: perda auditiva acima de 90
decibéis; a construção da linguagem oral é uma
tarefa longa e bastante complexa, envolvendo
aquisições como: aprender a usar todas as vias
receptivas que podem complementar a audição,
perceber e conservar a necessidade de
comunicação e expressão, compreender a
linguagem e aprender a expressar-se.
AASI
Aparelho de Amplificação Sonora Individual
BILINGUISMO
(L1- LIBRAS e L2 – Português)
> Proposta de educação valorizando
aprendizado de conteúdo e
desenvolvimento do aluno.
Decreto 5.626/05:
Que profissionais são essenciais
para construir uma educação
bilíngue para os alunos surdos?
Capítulo IV / Art. 14 - § 1o
• III - prover as escolas com:
a) professor de Libras ou instrutor de
Libras;
b) tradutor e intérprete de Libras -
Língua Portuguesa;
c) professor para o ensino de Língua
Portuguesa como segunda língua para
pessoas surdas; e
d) professor regente de classe com
conhecimento acerca da singularidade
lingüística manifestada pelos alunos
surdos;
• IV - garantir o atendimento às necessidades
educacionais especiais de alunos surdos, desde a
educação infantil, nas salas de aula e, também, em
salas de recursos, em turno contrário ao da
escolarização;
• V - apoiar, na comunidade escolar, o uso e a
difusão de Libras entre professores, alunos,
funcionários, direção da escola e familiares, inclusive
por meio da oferta de cursos;
• VI - adotar mecanismos de avaliação coerentes
com aprendizado de segunda língua, na correção
das provas escritas, valorizando o aspecto semântico
e reconhecendo a singularidade lingüística
manifestada no aspecto formal da Língua
Portuguesa;
• VII- desenvolver e adotar mecanismos
alternativos para a avaliação de conhecimentos
expressos em Libras, desde que devidamente
registrados em vídeo ou em outros meios eletrônicos
e tecnológicos;
• Art. 15. Para complementar o currículo da
base nacional comum, o ensino de Libras e o
ensino da modalidade escrita da Língua
Portuguesa, como segunda língua para alunos
surdos, devem ser ministrados em uma
perspectiva dialógica, funcional e
instrumental, como:
• I - atividades ou complementação curricular
específica na educação infantil e anos iniciais do
ensino fundamental; e
• II - áreas de conhecimento, como disciplinas
curriculares, nos anos finais do ensino
fundamental, no ensino médio e na educação
superior.
DA GARANTIA DO DIREITO À
EDUCAÇÃO DAS PESSOAS SURDAS
OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA
• Art. 22. As instituições federais de ensino
responsáveis pela educação básica devem
garantir a inclusão de alunos surdos ou
com deficiência auditiva, por meio da
organização de:
• II - escolas bilíngües ou escolas comuns da
rede regular de ensino, abertas a alunos
surdos e ouvintes, para os anos finais do
ensino fundamental, ensino médio ou
educação profissional, com docentes das
diferentes áreas do conhecimento, cientes
da singularidade lingüística dos alunos
surdos, bem como com a presença de
tradutores e intérpretes de Libras -
Língua Portuguesa.
•§ 1o São denominadas escolas
ou classes de educação
bilíngue aquelas em que a Libras
e a modalidade escrita da Língua
Portuguesa sejam línguas de
instrução utilizadas no
desenvolvimento de todo o
processo educativo.
Aspectos Práticos da Educação
para Surdos na Escola Comum
Posicionamento do Aluno Surdo
em Sala de Aula Comum
Atitudes dos Educadores e
Profissionais Afins
• Os professores e os demais profissionais que
atuam junto ao aluno surdo na escola regular e
no âmbito extracurricular devem ser informados
de que, embora ele possa não ter uma
linguagem claramente expressa, poderá ter mais
chances de integrar-se, se os mesmos estiverem
atentos para os seguintes itens:
• Aceitar o aluno surdo;
• Ajudar o aluno surdo a pensar e a raciocinar;
• Não superproteger; tratar o aluno surdo como
qualquer outro;
• Não ficar de costas para o aluno, nem de lado,
quando estiver falando;
• Preparar os colegas para recebê-lo
naturalmente;
• Ao falar, dirigir-se diretamente ao aluno surdo,
usando frases curtas, porém com estrutura
completa e com apoio da escrita;
• Falar com o aluno mais pausadamente, porém
sem excesso e sem escandir as sílabas. O falar
deve ser claro, num tom de voz normal, com
boa pronúncia;
• Chamar sua atenção por meio de um gesto
convencional ou de um sinal;
• Utilizar todos os recursos que facilitem sua
compreensão;
• Utilizar a língua escrita e se possível a língua
brasileira de sinais;
• Estimular o aluno a se expressar
oralmente, por escrito e por sinais;
• Interrogar e pedir sua ajuda para que ele
possa sentir-se um membro ativo e
participante;
• Utilizar se necessário o serviço de
intérpretes.
Como Identificar Alunos com
Possíveis Problemas de Audição
• Não se assusta com estímulos sonoros intensos ,
por exemplo, batida de porta, fogos de artifício.
• Não apresenta mudança de comportamento
frente a estímulos sonoros significativos.
• Aproxima a orelha ou aumenta o volume de
fontes sonoras como TV e rádio.
• Mãos em concha, para ouvir melhor.
• Só responde a chamados ou ordens quando a
pessoa fala de frente para ela.
• Pede para que repitam o que lhe foi dito,
perguntando o quê? como?
• Apresenta problemas de concentração.
• Ora responde, ora não responde a estímulos
sonoros.
• Apresenta atraso no desenvolvimento de
linguagem.
• Pode apresentar problemas comportamentais
como isolar-se, e demonstrar irritabilidade.
Conclusão sobre a educação
de surdos
Primeiramente:
• Para construção de uma educação
bilíngue, há necessidade do
reconhecimento do aluno surdo como
sujeito que faz parte de um grupo cultural
diverso do ouvinte. Isto significa
reconhecer a cultura surda e as
identidades surdas no espaço da escola.
- A questão linguística é a problemática na educação de
surdos.
- O surdo aprende a escrita da Língua Portuguesa como um
estrangeiro.
- Há a necessidade de métodos específicos (linguísticos e
culturais) para letramento de sujeitos surdos. Considerando
o letramento em libras e em língua portuguesa.
- Com relação ao português, experiência pouco proveitosa
com gêneros textuais, isto é, não é suficiente para incluir o
surdo no mundo da leitura, havendo a necessidade de
trabalhá-los, mostrando suas funções e o modo em que a
língua está disposta para a construção do gênero em
questão.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Deficiência Auditiva.ppt

Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdezAtendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Simônica Salgado
 
Palestra: Surdez, Língua e Educação
Palestra: Surdez, Língua e EducaçãoPalestra: Surdez, Língua e Educação
Palestra: Surdez, Língua e Educação
Leonardo Lima
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
marlene350
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
marlene350
 
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Elciene Oliveira
 
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Andréa Alessandra Lédo
 
Surdez Profunda
Surdez Profunda Surdez Profunda
Surdez Profunda
Lucilene Amorim
 
Folder Cultura Inglesa
Folder Cultura InglesaFolder Cultura Inglesa
Folder Cultura Inglesa
murilofranca
 
IdéIas Para Ensinar Português para alunos Surdos
IdéIas Para Ensinar Português para alunos SurdosIdéIas Para Ensinar Português para alunos Surdos
IdéIas Para Ensinar Português para alunos Surdos
asustecnologia
 
Lingua portuguesa para surdos
Lingua portuguesa para surdosLingua portuguesa para surdos
Lingua portuguesa para surdos
eneidecunha
 
Português para surdos
Português para surdosPortuguês para surdos
Português para surdos
LIVIA L.LAGE
 
Ideais para ensino do portugues aos surdos
Ideais para ensino do portugues aos surdosIdeais para ensino do portugues aos surdos
Ideais para ensino do portugues aos surdos
asustecnologia
 
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue
Tânia Sampaio
 
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdosPrograma inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptxSlide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
laianebispo148
 
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
Valeria de Oliveira
 
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Fernanda Rezende Pedroza
 
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
Maria Freire
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
Cris-Pasquali
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
Cris-Pasquali
 

Semelhante a Deficiência Auditiva.ppt (20)

Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdezAtendimento educacional especializado à pessoa com surdez
Atendimento educacional especializado à pessoa com surdez
 
Palestra: Surdez, Língua e Educação
Palestra: Surdez, Língua e EducaçãoPalestra: Surdez, Língua e Educação
Palestra: Surdez, Língua e Educação
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
 
Atendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com SurdezAtendimento ao aluno com Surdez
Atendimento ao aluno com Surdez
 
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
 
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
Atendimentoeducacionalespecializadopessoacomsurdez 111025163331-phpapp02
 
Surdez Profunda
Surdez Profunda Surdez Profunda
Surdez Profunda
 
Folder Cultura Inglesa
Folder Cultura InglesaFolder Cultura Inglesa
Folder Cultura Inglesa
 
IdéIas Para Ensinar Português para alunos Surdos
IdéIas Para Ensinar Português para alunos SurdosIdéIas Para Ensinar Português para alunos Surdos
IdéIas Para Ensinar Português para alunos Surdos
 
Lingua portuguesa para surdos
Lingua portuguesa para surdosLingua portuguesa para surdos
Lingua portuguesa para surdos
 
Português para surdos
Português para surdosPortuguês para surdos
Português para surdos
 
Ideais para ensino do portugues aos surdos
Ideais para ensino do portugues aos surdosIdeais para ensino do portugues aos surdos
Ideais para ensino do portugues aos surdos
 
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue
 
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdosPrograma inclusivo bilíngue para educação de surdos
Programa inclusivo bilíngue para educação de surdos
 
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptxSlide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
 
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...Elaboração e utilização de materiais didáticos   para o ensino de Português c...
Elaboração e utilização de materiais didáticos para o ensino de Português c...
 
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
 
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015Apresentação educação bilingue criança  surda mjfreire_julho_2015
Apresentação educação bilingue criança surda mjfreire_julho_2015
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 

Mais de ValquiriaFernandesOl2

Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptxAnálise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
indicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptx
indicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptxindicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptx
indicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
ppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptx
ppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptxppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptx
ppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
Rose Piaget 1 (1).pdf
Rose Piaget 1 (1).pdfRose Piaget 1 (1).pdf
Rose Piaget 1 (1).pdf
ValquiriaFernandesOl2
 
Psicomotricidade Relacional 2.ppt
Psicomotricidade Relacional 2.pptPsicomotricidade Relacional 2.ppt
Psicomotricidade Relacional 2.ppt
ValquiriaFernandesOl2
 
Aula I.pptx
Aula I.pptxAula I.pptx
A sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptx
A sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptxA sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptx
A sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
Formação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptx
Formação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptxFormação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptx
Formação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....
Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....
Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....
ValquiriaFernandesOl2
 
Análise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptxAnálise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
SLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptx
SLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptxSLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptx
SLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).pptppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ValquiriaFernandesOl2
 
EDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdf
EDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdfEDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdf
EDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdf
ValquiriaFernandesOl2
 
15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx
15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx
15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx
ValquiriaFernandesOl2
 
Aula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.ppt
Aula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.pptAula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.ppt
Aula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.ppt
ValquiriaFernandesOl2
 

Mais de ValquiriaFernandesOl2 (15)

Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptxAnálise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
Análise do Comportamento nas Organizações e na Saúde.pptx
 
indicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptx
indicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptxindicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptx
indicadoresdequalidadenaeducaoinfantil-120725212718-phpapp01.pptx
 
ppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptx
ppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptxppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptx
ppt-2-avaliac3a7c3a3o-e-flexibilizac3a7c3a3o-curricular (3).pptx
 
Rose Piaget 1 (1).pdf
Rose Piaget 1 (1).pdfRose Piaget 1 (1).pdf
Rose Piaget 1 (1).pdf
 
Psicomotricidade Relacional 2.ppt
Psicomotricidade Relacional 2.pptPsicomotricidade Relacional 2.ppt
Psicomotricidade Relacional 2.ppt
 
Aula I.pptx
Aula I.pptxAula I.pptx
Aula I.pptx
 
A sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptx
A sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptxA sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptx
A sexualidade na vida da pessoa com deficiência.pptx
 
Formação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptx
Formação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptxFormação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptx
Formação Pacto - Módulo 01 - Professores - 2023 dayanne(1).pptx
 
Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....
Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....
Slide da Web - Estágio Curricular Supervisionado de Áreas Específicas - Prof....
 
Análise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptxAnálise do Desenho Infantil.pptx
Análise do Desenho Infantil.pptx
 
SLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptx
SLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptxSLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptx
SLIDE_DO_PROJETO_SS_NA_ESCOLA.pptx
 
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).pptppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
ppt-formao-educao-especial-2 (5).ppt
 
EDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdf
EDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdfEDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdf
EDITAL REFORMA ESCOLA VITORINO FREIRE.pdf
 
15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx
15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx
15_setembro_Angela_SESC_ENEM.pptx
 
Aula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.ppt
Aula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.pptAula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.ppt
Aula I - Impacto da pandemia na perspectiva de educação inclusiva.ppt
 

Último

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
WelberMerlinCardoso
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert EinsteinA Evolução da história da Física - Albert Einstein
A Evolução da história da Física - Albert Einstein
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 

Deficiência Auditiva.ppt

  • 2. Conceituação Segundo o MEC, deficiência auditiva é “a diminuição da capacidade de percepção normal dos sons, sendo considerado surdo o indivíduo cuja audição não é funcional na vida comum, e parcialmente surdo, aquele cuja audição, ainda que deficiente, é funcional com ou sem prótese auditiva.”
  • 3. Causas da Deficiência Auditiva • Pré-natais: herança genética, toxoplasmose, rubéola; • Peri-natais: anoxia, traumatismos; • Pós-natais: infecções, febres eruptivas, caxumba, meningite, otites, intoxicações, traumatismos por acidentes e perda por ruído.
  • 4. Diagnóstico e Prognóstico: • O diagnóstico e prognóstico das deficiências auditivas podem ser feitos através de testes objetivos (eletrofisiológicos) e subjetivos que podem ser realizados desde o nascimento: - Emissões otoacústicas. - Impedanciometria. - Bera (audiometria do tronco cerebral). - Audiometria (o resultado do teste audiométrico pode ser observado através de um gráfico)
  • 5. Classificação da Perda Auditiva • Surdez leve: perda auditiva de até 40 decibéis; não impede aquisição normal da linguagem, mas poderá ser causa de algum problema articulátorio ou dificuldade na leitura e/ou escrita. • Surdez moderada: perda auditiva de até 70 decibéis; é freqüente o atraso de linguagem e as alterações articulatórias, havendo, em alguns, problemas lingüísticos. Com orientação adequada a criança terá grandes possibilidades de se desenvolver.
  • 6. • Surdez severa: perda auditiva de até 90 decibéis; poderá perceber apenas a voz forte, chegando até 4 ou 5 anos sem aprender a falar. • Surdez profunda: perda auditiva acima de 90 decibéis; a construção da linguagem oral é uma tarefa longa e bastante complexa, envolvendo aquisições como: aprender a usar todas as vias receptivas que podem complementar a audição, perceber e conservar a necessidade de comunicação e expressão, compreender a linguagem e aprender a expressar-se.
  • 8. BILINGUISMO (L1- LIBRAS e L2 – Português) > Proposta de educação valorizando aprendizado de conteúdo e desenvolvimento do aluno.
  • 9. Decreto 5.626/05: Que profissionais são essenciais para construir uma educação bilíngue para os alunos surdos?
  • 10. Capítulo IV / Art. 14 - § 1o • III - prover as escolas com: a) professor de Libras ou instrutor de Libras; b) tradutor e intérprete de Libras - Língua Portuguesa; c) professor para o ensino de Língua Portuguesa como segunda língua para pessoas surdas; e d) professor regente de classe com conhecimento acerca da singularidade lingüística manifestada pelos alunos surdos;
  • 11. • IV - garantir o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos, desde a educação infantil, nas salas de aula e, também, em salas de recursos, em turno contrário ao da escolarização; • V - apoiar, na comunidade escolar, o uso e a difusão de Libras entre professores, alunos, funcionários, direção da escola e familiares, inclusive por meio da oferta de cursos; • VI - adotar mecanismos de avaliação coerentes com aprendizado de segunda língua, na correção das provas escritas, valorizando o aspecto semântico e reconhecendo a singularidade lingüística manifestada no aspecto formal da Língua Portuguesa; • VII- desenvolver e adotar mecanismos alternativos para a avaliação de conhecimentos expressos em Libras, desde que devidamente registrados em vídeo ou em outros meios eletrônicos e tecnológicos;
  • 12. • Art. 15. Para complementar o currículo da base nacional comum, o ensino de Libras e o ensino da modalidade escrita da Língua Portuguesa, como segunda língua para alunos surdos, devem ser ministrados em uma perspectiva dialógica, funcional e instrumental, como: • I - atividades ou complementação curricular específica na educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental; e • II - áreas de conhecimento, como disciplinas curriculares, nos anos finais do ensino fundamental, no ensino médio e na educação superior.
  • 13. DA GARANTIA DO DIREITO À EDUCAÇÃO DAS PESSOAS SURDAS OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA
  • 14. • Art. 22. As instituições federais de ensino responsáveis pela educação básica devem garantir a inclusão de alunos surdos ou com deficiência auditiva, por meio da organização de: • II - escolas bilíngües ou escolas comuns da rede regular de ensino, abertas a alunos surdos e ouvintes, para os anos finais do ensino fundamental, ensino médio ou educação profissional, com docentes das diferentes áreas do conhecimento, cientes da singularidade lingüística dos alunos surdos, bem como com a presença de tradutores e intérpretes de Libras - Língua Portuguesa.
  • 15. •§ 1o São denominadas escolas ou classes de educação bilíngue aquelas em que a Libras e a modalidade escrita da Língua Portuguesa sejam línguas de instrução utilizadas no desenvolvimento de todo o processo educativo.
  • 16. Aspectos Práticos da Educação para Surdos na Escola Comum
  • 17. Posicionamento do Aluno Surdo em Sala de Aula Comum
  • 18. Atitudes dos Educadores e Profissionais Afins • Os professores e os demais profissionais que atuam junto ao aluno surdo na escola regular e no âmbito extracurricular devem ser informados de que, embora ele possa não ter uma linguagem claramente expressa, poderá ter mais chances de integrar-se, se os mesmos estiverem atentos para os seguintes itens:
  • 19. • Aceitar o aluno surdo; • Ajudar o aluno surdo a pensar e a raciocinar; • Não superproteger; tratar o aluno surdo como qualquer outro; • Não ficar de costas para o aluno, nem de lado, quando estiver falando; • Preparar os colegas para recebê-lo naturalmente; • Ao falar, dirigir-se diretamente ao aluno surdo, usando frases curtas, porém com estrutura completa e com apoio da escrita;
  • 20. • Falar com o aluno mais pausadamente, porém sem excesso e sem escandir as sílabas. O falar deve ser claro, num tom de voz normal, com boa pronúncia; • Chamar sua atenção por meio de um gesto convencional ou de um sinal; • Utilizar todos os recursos que facilitem sua compreensão; • Utilizar a língua escrita e se possível a língua brasileira de sinais;
  • 21. • Estimular o aluno a se expressar oralmente, por escrito e por sinais; • Interrogar e pedir sua ajuda para que ele possa sentir-se um membro ativo e participante; • Utilizar se necessário o serviço de intérpretes.
  • 22. Como Identificar Alunos com Possíveis Problemas de Audição • Não se assusta com estímulos sonoros intensos , por exemplo, batida de porta, fogos de artifício. • Não apresenta mudança de comportamento frente a estímulos sonoros significativos. • Aproxima a orelha ou aumenta o volume de fontes sonoras como TV e rádio. • Mãos em concha, para ouvir melhor. • Só responde a chamados ou ordens quando a pessoa fala de frente para ela.
  • 23. • Pede para que repitam o que lhe foi dito, perguntando o quê? como? • Apresenta problemas de concentração. • Ora responde, ora não responde a estímulos sonoros. • Apresenta atraso no desenvolvimento de linguagem. • Pode apresentar problemas comportamentais como isolar-se, e demonstrar irritabilidade.
  • 24. Conclusão sobre a educação de surdos
  • 25. Primeiramente: • Para construção de uma educação bilíngue, há necessidade do reconhecimento do aluno surdo como sujeito que faz parte de um grupo cultural diverso do ouvinte. Isto significa reconhecer a cultura surda e as identidades surdas no espaço da escola.
  • 26. - A questão linguística é a problemática na educação de surdos. - O surdo aprende a escrita da Língua Portuguesa como um estrangeiro. - Há a necessidade de métodos específicos (linguísticos e culturais) para letramento de sujeitos surdos. Considerando o letramento em libras e em língua portuguesa. - Com relação ao português, experiência pouco proveitosa com gêneros textuais, isto é, não é suficiente para incluir o surdo no mundo da leitura, havendo a necessidade de trabalhá-los, mostrando suas funções e o modo em que a língua está disposta para a construção do gênero em questão.