SlideShare uma empresa Scribd logo
Prefeitura Municipal de Uruaçu
                        SEMED
     Setor de Apoio à Inclusão

                    Equipe Multiprofissional:
            Dalila Mesquita – Fonoaudióloga
                 Daniela Helena – Pedagoga
                Leonardo Teles Lima - TILSP
Oração...
DINÂMICA
Chegou um aluno Surdo
   na minha escola.
      E agora?!
Surdez
      (deficiência auditiva)

   O que é Surdez?

Denomina-se      deficiência  auditiva    a
diminuição da capacidade de percepção
normal dos sons, sendo considerado surdo
o indivíduo cuja audição não é funcional na
vida comum.
Surdo Mudo
   De acordo com o Decreto 5.626/05:

        Art. 2o    Para os fins deste Decreto, considera-se
pessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreende
e interage com o mundo por meio de experiências visuais,
manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Língua
Brasileira de Sinais - Libras.

      Parágrafo único. Considera-se deficiência auditiva a
perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis
(dB) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de
500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz.
Aparelho Auditivo

   Funções:

    ◦ Manter     o    equilíbrio possibilitando
      estabilidade e locomoção;

    ◦ Audição possibilitando a comunicação
      oral.
Grau de comprometimento
    Normal          0 – 15 dB
    Mínima         16 – 25 dB
     Leve          26 – 40 dB
   Moderada        41 – 55 dB
 Moderadamente     56 – 70 dB
     severa
    Severa         71 – 90 dB
   Profunda      Maior que 91 dB
Identificação
 da Surdez
   Ausência ou interrupção do balbucio a
    partir do oitavo mês;
   Ausência de reações a ruídos;
   Cabeça virada para ouvir melhor;
   Olhar dirigido para os lábios de quem fala
    e não para os olhos;
   Frases não estruturadas.
   LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais;

   Língua visual espacial;

   Lei 10.436/02 e Decreto 5.626/05;
Lei 10.436 de 24 de abril de 2002

      Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras
                                                        providências.


      O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o
Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

       Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação
e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros
recursos de expressão a ela associados.
Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro
              de 2005.


            Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de
            abril de 2002, que dispõe sobre a
            Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o
            art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de
            dezembro de 2000.
Vamos aprender alguns
                sinais?!
   Oi
Vamos aprender alguns sinais?!
 Boa tarde!
Vamos aprender alguns sinais?!
 Querer/Quero/Quer
Vamos aprender alguns sinais?!
 Por favor
Vamos aprender alguns sinais?!
 Desculpe
Vamos aprender alguns sinais?!
 Onde
Vamos aprender alguns sinais?!
 Qual
Vamos aprender alguns sinais?!
 Quem
Filosofias Educacionais

                      Oralismo

   Integração do surdo na comunidade ouvinte;

   Surdez   como   deficiência       que   deve   ser
    minimizada, normalizada;

   Língua de sinais é prejudicial;
Filosofias Educacionais
            Comunicação Total
• Também se preocupa com o aprendizado da
  língua oral mas que não deve se sobrepor aos
  aspectos cognitivos, emocionais e sociais;

• Recursos espaço-visuais como facilitadores;

• Não vê a surdez como patologia;

• Interação e comunicação, e não apenas a
  língua;
Filosofias Educacionais
           Comunicação Total
• Apenas a língua oral não assegura o pleno
  desenvolvimento do surdo;

• Critica o Oralismo e o Bilinguismo:
   • Tenta igualar a criança surda ao padrão
     ouvinte
   • Tenta igualar a família ouvinte ao padrão
     surdo
Filosofias Educacionais
                 Bilinguismo
• O surdo deve ser bilingue: LM – Libras e L2 –
  Português escrito;

• Comunidade Surda – Língua e Cultura próprias;

• Não nega a importância da língua oral;

• Não prioriza os aspectos biológicos da surdez e
  sim os aspectos linguísticos e culturais;
Filosofias Educacionais
                 Bilinguismo
• Aquisição da língua de sinais preferencialmente
  com o convívio com surdos mais velhos
  fluentes;

• É importante a família saber língua de sinais;
Profissional Intérprete
Lei 12.319/10

   Art. 6o      São atribuições do tradutor e
    intérprete, no exercício de suas competências:

   I - efetuar comunicação entre surdos e
    ouvintes, surdos e surdos, surdos e surdos-
    cegos, surdos-cegos e ouvintes, por meio da
    Libras para a língua oral e vice-versa;
Profissional Intérprete
   II - interpretar, em Língua Brasileira de Sinais -
    Língua Portuguesa, as atividades didático-
    pedagógicas e culturais desenvolvidas nas
    instituições de ensino nos níveis fundamental,
    médio e superior, de forma a viabilizar o acesso
    aos conteúdos curriculares;
Profissional Intérprete
 Intérpretesnão são os únicos responsáveis
por ensinar aos alunos surdos;

 Código de Ética:
Profissional Intérprete

 Flexibilização do Plano de Aula;

 Sugestão   de atividades e ações didáticas;

 Disseminação   da LIBRAS;
AEE

O que é?
    É um complemento e um suplemento à
    formação do estudante;
    Não substitui a formação oferecida pela
    Rede Comum.




       É obrigatório?
 Não.Apenas o Ensino Fundamental é
 obrigatório.




 Qual o objetivo?
Decreto nº 7.611
      de 17 de novembro de 2011

   Art. 2o A educação especial deve garantir
    os serviços de apoio especializado voltado
    a eliminar as barreiras que possam
    obstruir o processo de escolarização de
    estudantes com deficiência, transtornos
    globais do desenvolvimento e altas
    habilidades ou superdotação.
   Propiciar acesso e permanência do aluno
    na escola;
   Buscar o sucesso escolar do aluno
    eliminando barreiras de aprendizagem;




    Onde acontece?
    Preferencialmente na Rede Comum de
    Ensino.




    Quando acontece?
   No contraturno. Não deve impedir a
    permanência do aluno na Rede Comum.




A partir de que idade o
  aluno pode receber
          AEE?
    Pode começar a frequentar durante o seu
    primeiro ano de vida.




Quais os pré-requisitos
para que o aluno possa
  frequentar o AEE?
   Precisa estar matriculado na Rede Comum
    de Ensino;
   Passar     por    triagem   pela   Equipe
    Multiprofissional;
Centro de Atendimento
Educacional Especializado - AEE

 Ensino de LIBRAS;

 Ensino de Língua Portuguesa     como L2;

 Ciclo de Estudos   para os profissionais.
Então, o que fazer?
"Quando eu aceito a língua de outra pessoa, eu aceito a
                            pessoa.
  Quando eu rejeito a língua, eu rejeitei a pessoa porque a
                língua é parte de nós mesmos.
  Quando eu aceito a língua de sinais, eu aceito o surdo, e é
importante ter sempre em mente que o surdo tem o direito de
 ser surdo. Nós não devemos mudá-los, devemos ensiná-los,
     ajudá-los, mas temos que permitir-lhes ser surdo."

                                           Terje Basilier
Obrigado pela participação!
Contato:
http://inclusaosemecuruacu.blogspot.com.br/

inclusaopmu@gmail.com

leolibras90@hotmail.com


Facebook:
Setor de Apoio à Inclusão
Referências:
BRASIL. Lei 10436, de 24 abril de 2002. Dispõe sobre a LIBRAS.
Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10436.htm.

_____. Decreto nº 5626, 22 de dezembro de 2005. Regulamenta Lei
Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2005/decreto/
d5626.htm.

GOIÁS. Governo do Estado de. Secretaria de Estado da Educação
Coordenadoria de Ensino Especial. Centro de Capacitação de
Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez
(CAS). Apostila de Libras I Goiânia 2009

QUADROS, Ronice Muller e SCHMIEDT, Magali L. P. Ideias para
ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaFonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andrea
andrea giovanella
 
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Libras
LibrasLibras
Apostia libras basico
Apostia libras basicoApostia libras basico
Apostia libras basico
mjlibras
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
Maryanne Monteiro
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
dilaina maria araujo maria
 
Bilinguismo - LIBRAS
Bilinguismo - LIBRASBilinguismo - LIBRAS
Bilinguismo - LIBRAS
Júnior Maidana
 
Pronomes Pessoais Na Libras. Slides
Pronomes Pessoais Na Libras. SlidesPronomes Pessoais Na Libras. Slides
Pronomes Pessoais Na Libras. Slides
TAIITA
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
Vanessa Dagostim
 
Aula 4 e 9
Aula 4 e 9Aula 4 e 9
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
Ana Lúcia Lemes Nunes Silva
 
Apostila Libras
Apostila LibrasApostila Libras
Apostila Libras
Hudson Augusto
 
Educação de Surdos
Educação de SurdosEducação de Surdos
Educação de Surdos
Vanessa Dagostim
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
LiseteLima
 
História dos Surdos
História dos SurdosHistória dos Surdos
História dos Surdos
joaoribau
 
introdução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRASintrodução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRAS
Suenia Souza
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
Janaina Martins
 
Educação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdosEducação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdos
Rosi Whindson
 
LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2
Ana Lúcia Lemes Nunes Silva
 
Apostila Libras Intermediario
Apostila Libras IntermediarioApostila Libras Intermediario
Apostila Libras Intermediario
asustecnologia
 

Mais procurados (20)

Fonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andreaFonologia de libras - andrea
Fonologia de libras - andrea
 
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
5.12.2013 "História da língua de sinais e o letramento:um novo olhar sobre as...
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
Apostia libras basico
Apostia libras basicoApostia libras basico
Apostia libras basico
 
A educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundoA educação de surdos no mundo
A educação de surdos no mundo
 
Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos. Historia da Educação dos Surdos.
Historia da Educação dos Surdos.
 
Bilinguismo - LIBRAS
Bilinguismo - LIBRASBilinguismo - LIBRAS
Bilinguismo - LIBRAS
 
Pronomes Pessoais Na Libras. Slides
Pronomes Pessoais Na Libras. SlidesPronomes Pessoais Na Libras. Slides
Pronomes Pessoais Na Libras. Slides
 
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L1ª Oficina Para Professores Cap V&L
1ª Oficina Para Professores Cap V&L
 
Aula 4 e 9
Aula 4 e 9Aula 4 e 9
Aula 4 e 9
 
Eliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüEEliane EducaçãO BilingüE
Eliane EducaçãO BilingüE
 
Apostila Libras
Apostila LibrasApostila Libras
Apostila Libras
 
Educação de Surdos
Educação de SurdosEducação de Surdos
Educação de Surdos
 
Apostila libras reformulada completa
Apostila libras reformulada  completaApostila libras reformulada  completa
Apostila libras reformulada completa
 
História dos Surdos
História dos SurdosHistória dos Surdos
História dos Surdos
 
introdução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRASintrodução a língua de sinais LIBRAS
introdução a língua de sinais LIBRAS
 
Slides. libras.
Slides. libras.Slides. libras.
Slides. libras.
 
Educação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdosEducação bilíngue para surdos
Educação bilíngue para surdos
 
LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2LIBRAS - AULA 1 e 2
LIBRAS - AULA 1 e 2
 
Apostila Libras Intermediario
Apostila Libras IntermediarioApostila Libras Intermediario
Apostila Libras Intermediario
 

Destaque

Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
AneKarla
 
Apresentação de Libras
Apresentação de LibrasApresentação de Libras
Apresentação de Libras
Simone Costa
 
Andréia cristina de lima
Andréia cristina de limaAndréia cristina de lima
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Valdemar Júnior
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
Lene Reis
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Universidade Estadual de Londrina - UEL
 
Informações povo kayapó
Informações povo kayapóInformações povo kayapó
Informações povo kayapó
Jucelaine Rodrigues
 
Nossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapóNossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapó
miauq
 
Curso de LIBRAS
Curso de LIBRASCurso de LIBRAS
Curso de LIBRAS
FAIFASocial
 
Adorno
AdornoAdorno
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditivaAlteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Ana Vogeley
 
Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...
Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...
Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...
Gilda Marie
 
Características sobressalentes da lggm e fala em crianças com tea
Características sobressalentes da lggm e fala em crianças com teaCaracterísticas sobressalentes da lggm e fala em crianças com tea
Características sobressalentes da lggm e fala em crianças com tea
craeditgd
 
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Elciene Oliveira
 
Arte Indígena de MS
 Arte Indígena de MS Arte Indígena de MS
Arte Indígena de MS
Neiva Valadares
 
Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
Carolyne Mensen
 
Dialogo de Frances.
Dialogo de Frances.Dialogo de Frances.
Dialogo de Frances.gueste1ee10
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1
David Santos
 
Diálogos libras
Diálogos librasDiálogos libras
Diálogos libras
Mirlene Marinho
 

Destaque (20)

Apostila libras
Apostila librasApostila libras
Apostila libras
 
Apresentação de Libras
Apresentação de LibrasApresentação de Libras
Apresentação de Libras
 
Andréia cristina de lima
Andréia cristina de limaAndréia cristina de lima
Andréia cristina de lima
 
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
Metodologia Voltada para a Educação de Surdos
 
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdoPráticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
Práticas Pedagógicas Inclusivas: Refletindo sobre o aluno surdo
 
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de SinaisLIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
LIBRAS - Língua Brasileira de Sinais
 
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos LinguísticosLíngua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS - Aspectos Linguísticos
 
Informações povo kayapó
Informações povo kayapóInformações povo kayapó
Informações povo kayapó
 
Nossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapóNossos povos, nossos kayapó
Nossos povos, nossos kayapó
 
Curso de LIBRAS
Curso de LIBRASCurso de LIBRAS
Curso de LIBRAS
 
Adorno
AdornoAdorno
Adorno
 
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditivaAlteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
Alteração de linguagem secundária à deficiência auditiva
 
Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...
Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...
Adequaesdemateriaisparadidticoscapacitaofevereiro2013tema2surdez 130225152715...
 
Características sobressalentes da lggm e fala em crianças com tea
Características sobressalentes da lggm e fala em crianças com teaCaracterísticas sobressalentes da lggm e fala em crianças com tea
Características sobressalentes da lggm e fala em crianças com tea
 
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
Grupo E - Surdez Profunda-BA_01
 
Arte Indígena de MS
 Arte Indígena de MS Arte Indígena de MS
Arte Indígena de MS
 
Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
 
Dialogo de Frances.
Dialogo de Frances.Dialogo de Frances.
Dialogo de Frances.
 
Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1Curso de libras – aula 1
Curso de libras – aula 1
 
Diálogos libras
Diálogos librasDiálogos libras
Diálogos libras
 

Semelhante a Palestra: Surdez, Língua e Educação

Ouvir no Silêncio
Ouvir no SilêncioOuvir no Silêncio
Ouvir no Silêncio
latife
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
Fatima Marins
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
Cris-Pasquali
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
Cris-Pasquali
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
Cris-Pasquali
 
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.pptaspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
profzacviana
 
Surdez
SurdezSurdez
Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2
Prof. Noe Assunção
 
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptxSlide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
laianebispo148
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
dilaina maria araujo maria
 
Sensibilização multimédia
Sensibilização multimédiaSensibilização multimédia
Sensibilização multimédia
hipopotama
 
Libras .pptx
Libras .pptxLibras .pptx
Libras .pptx
TharykBatatinha
 
Ouvir No Silencio Slide
Ouvir No Silencio SlideOuvir No Silencio Slide
Ouvir No Silencio Slide
ebezerraf
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
claudio valiatti passabon
 
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue
Tânia Sampaio
 
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Fernanda Rezende Pedroza
 
Libras
LibrasLibras
Libras
cepmaio
 
Libras
LibrasLibras
Libras
cepmaio
 
Libras
LibrasLibras
Libras
cepmaio
 
10 coisas sobre libras academia de libras
10 coisas sobre libras   academia de libras10 coisas sobre libras   academia de libras
10 coisas sobre libras academia de libras
Autonoma
 

Semelhante a Palestra: Surdez, Língua e Educação (20)

Ouvir no Silêncio
Ouvir no SilêncioOuvir no Silêncio
Ouvir no Silêncio
 
Pesquisa
PesquisaPesquisa
Pesquisa
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 
Apresentação surdez
Apresentação surdezApresentação surdez
Apresentação surdez
 
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.pptaspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
aspectos_teoricos__linguisticos_da_libras.ppt
 
Surdez
SurdezSurdez
Surdez
 
Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2Ah ubm izabel 2
Ah ubm izabel 2
 
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptxSlide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
Slide_3_Aquisio_da_linguagem_leitura_e_escrita_ta_segunda_lingua.pptx
 
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
Mitos e verdades em relação a Libras e seu usuário surdo.
 
Sensibilização multimédia
Sensibilização multimédiaSensibilização multimédia
Sensibilização multimédia
 
Libras .pptx
Libras .pptxLibras .pptx
Libras .pptx
 
Ouvir No Silencio Slide
Ouvir No Silencio SlideOuvir No Silencio Slide
Ouvir No Silencio Slide
 
Curso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_gracieleCurso de libras_-_graciele
Curso de libras_-_graciele
 
Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue Eliane-educação_bilingue
Eliane-educação_bilingue
 
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
Educação especial e biologia possibilidades e perspectivas ii – deficiência a...
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
Libras
LibrasLibras
Libras
 
10 coisas sobre libras academia de libras
10 coisas sobre libras   academia de libras10 coisas sobre libras   academia de libras
10 coisas sobre libras academia de libras
 

Último

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
ALEXANDRODECASTRODOS
 

Último (20)

Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
6_201___6o_ano_aula_01_2024_RESUMO_1_5.pptx
 

Palestra: Surdez, Língua e Educação

  • 1. Prefeitura Municipal de Uruaçu SEMED Setor de Apoio à Inclusão Equipe Multiprofissional: Dalila Mesquita – Fonoaudióloga Daniela Helena – Pedagoga Leonardo Teles Lima - TILSP
  • 2.
  • 5. Chegou um aluno Surdo na minha escola. E agora?!
  • 6. Surdez (deficiência auditiva)  O que é Surdez? Denomina-se deficiência auditiva a diminuição da capacidade de percepção normal dos sons, sendo considerado surdo o indivíduo cuja audição não é funcional na vida comum.
  • 7. Surdo Mudo  De acordo com o Decreto 5.626/05: Art. 2o Para os fins deste Decreto, considera-se pessoa surda aquela que, por ter perda auditiva, compreende e interage com o mundo por meio de experiências visuais, manifestando sua cultura principalmente pelo uso da Língua Brasileira de Sinais - Libras. Parágrafo único. Considera-se deficiência auditiva a perda bilateral, parcial ou total, de quarenta e um decibéis (dB) ou mais, aferida por audiograma nas frequências de 500Hz, 1.000Hz, 2.000Hz e 3.000Hz.
  • 8. Aparelho Auditivo  Funções: ◦ Manter o equilíbrio possibilitando estabilidade e locomoção; ◦ Audição possibilitando a comunicação oral.
  • 9. Grau de comprometimento Normal 0 – 15 dB Mínima 16 – 25 dB Leve 26 – 40 dB Moderada 41 – 55 dB Moderadamente 56 – 70 dB severa Severa 71 – 90 dB Profunda Maior que 91 dB
  • 11. Ausência ou interrupção do balbucio a partir do oitavo mês;  Ausência de reações a ruídos;  Cabeça virada para ouvir melhor;  Olhar dirigido para os lábios de quem fala e não para os olhos;  Frases não estruturadas.
  • 12.
  • 13.
  • 14. LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais;  Língua visual espacial;  Lei 10.436/02 e Decreto 5.626/05;
  • 15. Lei 10.436 de 24 de abril de 2002 Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados.
  • 16. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.
  • 17. Vamos aprender alguns sinais?!  Oi
  • 18. Vamos aprender alguns sinais?!  Boa tarde!
  • 19. Vamos aprender alguns sinais?!  Querer/Quero/Quer
  • 20. Vamos aprender alguns sinais?!  Por favor
  • 21. Vamos aprender alguns sinais?!  Desculpe
  • 22. Vamos aprender alguns sinais?!  Onde
  • 23. Vamos aprender alguns sinais?!  Qual
  • 24. Vamos aprender alguns sinais?!  Quem
  • 25.
  • 26. Filosofias Educacionais Oralismo  Integração do surdo na comunidade ouvinte;  Surdez como deficiência que deve ser minimizada, normalizada;  Língua de sinais é prejudicial;
  • 27. Filosofias Educacionais Comunicação Total • Também se preocupa com o aprendizado da língua oral mas que não deve se sobrepor aos aspectos cognitivos, emocionais e sociais; • Recursos espaço-visuais como facilitadores; • Não vê a surdez como patologia; • Interação e comunicação, e não apenas a língua;
  • 28. Filosofias Educacionais Comunicação Total • Apenas a língua oral não assegura o pleno desenvolvimento do surdo; • Critica o Oralismo e o Bilinguismo: • Tenta igualar a criança surda ao padrão ouvinte • Tenta igualar a família ouvinte ao padrão surdo
  • 29. Filosofias Educacionais Bilinguismo • O surdo deve ser bilingue: LM – Libras e L2 – Português escrito; • Comunidade Surda – Língua e Cultura próprias; • Não nega a importância da língua oral; • Não prioriza os aspectos biológicos da surdez e sim os aspectos linguísticos e culturais;
  • 30. Filosofias Educacionais Bilinguismo • Aquisição da língua de sinais preferencialmente com o convívio com surdos mais velhos fluentes; • É importante a família saber língua de sinais;
  • 31. Profissional Intérprete Lei 12.319/10  Art. 6o São atribuições do tradutor e intérprete, no exercício de suas competências:  I - efetuar comunicação entre surdos e ouvintes, surdos e surdos, surdos e surdos- cegos, surdos-cegos e ouvintes, por meio da Libras para a língua oral e vice-versa;
  • 32. Profissional Intérprete  II - interpretar, em Língua Brasileira de Sinais - Língua Portuguesa, as atividades didático- pedagógicas e culturais desenvolvidas nas instituições de ensino nos níveis fundamental, médio e superior, de forma a viabilizar o acesso aos conteúdos curriculares;
  • 33. Profissional Intérprete  Intérpretesnão são os únicos responsáveis por ensinar aos alunos surdos;  Código de Ética:
  • 34. Profissional Intérprete  Flexibilização do Plano de Aula;  Sugestão de atividades e ações didáticas;  Disseminação da LIBRAS;
  • 36. É um complemento e um suplemento à formação do estudante;  Não substitui a formação oferecida pela Rede Comum. É obrigatório?
  • 37.  Não.Apenas o Ensino Fundamental é obrigatório. Qual o objetivo?
  • 38. Decreto nº 7.611 de 17 de novembro de 2011  Art. 2o A educação especial deve garantir os serviços de apoio especializado voltado a eliminar as barreiras que possam obstruir o processo de escolarização de estudantes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação.
  • 39. Propiciar acesso e permanência do aluno na escola;  Buscar o sucesso escolar do aluno eliminando barreiras de aprendizagem; Onde acontece?
  • 40. Preferencialmente na Rede Comum de Ensino. Quando acontece?
  • 41. No contraturno. Não deve impedir a permanência do aluno na Rede Comum. A partir de que idade o aluno pode receber AEE?
  • 42. Pode começar a frequentar durante o seu primeiro ano de vida. Quais os pré-requisitos para que o aluno possa frequentar o AEE?
  • 43. Precisa estar matriculado na Rede Comum de Ensino;  Passar por triagem pela Equipe Multiprofissional;
  • 44. Centro de Atendimento Educacional Especializado - AEE  Ensino de LIBRAS;  Ensino de Língua Portuguesa como L2;  Ciclo de Estudos para os profissionais.
  • 45. Então, o que fazer?
  • 46. "Quando eu aceito a língua de outra pessoa, eu aceito a pessoa. Quando eu rejeito a língua, eu rejeitei a pessoa porque a língua é parte de nós mesmos. Quando eu aceito a língua de sinais, eu aceito o surdo, e é importante ter sempre em mente que o surdo tem o direito de ser surdo. Nós não devemos mudá-los, devemos ensiná-los, ajudá-los, mas temos que permitir-lhes ser surdo." Terje Basilier
  • 48. Referências: BRASIL. Lei 10436, de 24 abril de 2002. Dispõe sobre a LIBRAS. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/2002/L10436.htm. _____. Decreto nº 5626, 22 de dezembro de 2005. Regulamenta Lei Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2005/decreto/ d5626.htm. GOIÁS. Governo do Estado de. Secretaria de Estado da Educação Coordenadoria de Ensino Especial. Centro de Capacitação de Profissionais da Educação e de Atendimento às Pessoas com Surdez (CAS). Apostila de Libras I Goiânia 2009 QUADROS, Ronice Muller e SCHMIEDT, Magali L. P. Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006.