SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL ANTÔNIO CARLOS DE BRITO - PONTES E LACERDA – MT
EXERCÍCIO DE PLANEJAMENTO DAS ÀREAS DE CONHECIMENTO DE LINGUAGEM
DOCENTES: ANA MARIA , ANDREIA ANGELA , ISMAILDA , SOLANGE E CAMILA
2º CICLO
1ª E 2ª FASE -
4º E 5º ANO
MATUTINO E VESPERTINO
2015
INSTITUIÇÕES PARCEIRAS: CEFAPRO
EIXO ARTICULADOR DA ÁREA DE LINGUAGENS
Linguagens e processos de interação, representação, leitura e prática.
CAPACIDADES DESCRITORES CONTEÚDOS NAS
DISCIPLINAS
ESTRATÉGIAS/
PROCEDIMENTOS
METODOLOGICOS
RECURSOS
DIDÁTICOS
AVALIAÇÃO
Fazer uso das
linguagens
como
elementos
integradores
dos sistemas
de comuni-
cação;
Expõe opiniões e
apresenta
argumentos em
situações
dialógicas;
Conhece formas
artísticas
culturais em seus
diferentes
produtos/obras/
manifestações
nas linguagens;
PORTUGUÊS
Leitura de
imagem
Leitura de
legenda
Compreensão do
texto
Interpretação do
texto
Gramática:
artigo definido e
artigo indefinido.
Palavras comas
iniciais comH
Pesquisa no
dicionário
Apresentar as
imagens, ou seja, as
pinturas de: “Uma
grande artista
brasileira” – Tarsila
do Amaral.
Fazer leitura oral e
escrita
Exposição dos
trabalhos no
coletivo.
Leitura da legenda.
Giz e lousa;
Textos xerocados
Utilização de data
show
Leitura,
explicação oral
dos textos.
Leitura e
interpretação de
textos
Produção de
texto.
Livro didático.
Pesquisa na
internet.
Espera-se que os
alunos saibam
fazer uso das
linguagens como
elementos
integradores dos
sistemas de
comunicação como
ler, compreender e
construir diferentes
textos assimcomo
ler, compreender e
construir diferentes
textos e as diversas
práticas de
linguagens;
ARTES
Cores quentes e
frias
Pintar alguma
arte da Tarsila do
Amaral
Espera-se que os
alunos saibam
desenvolver
habilidades,
criatividade usando
as cores quente e
frias para pintar
uma das artes de
Tarsila do Amaral.
RESPONDA AS QUESTÕES:
1) Os quadros chamados naturezas – mortas apresentam , em geral, frutas, flores e objetos
relacionados com alimentação.
A)Que objetos são comuns aos dois quadros?
R: A GARRAFA E O COPO
B) Que objetos do segundo quadro não aparecem no primeiro?
R: RELÓGIOS E UM LIVRO
2) Observe a posição dos objetos nos dois quadros. O que lhe chama a atenção quanto a posição
deles? R: NO PRIMEIRO QUADRO, OS OBJETOS ESTÃO EMLUGARES ONDE ESPERAMOS VÊ-LOS: UM
AO LADO DO OUTRO, EM CIMA DE UMA MESA. O SEGUNDO QUADRO MOSTRA OBJETOS
ARRUMADOS DE FORMA NÃO ESPERDA: ELES ESTÃO DESARRUMADOS E ORA APRESENTAM CERTA
TRANSFERÊNCIA, ORA FICA OCULTOS POR ÁREAS DE COR.
3) Observe as formas dadas aos objetos no segundo quadro: toalha , relógios e outros . O que lhe
chama a atenção com relação á forma das figuras? TARCILA USA FORMAS GEOMETRICAS EM SUAS
FIGURAS: RETÂNGULOS, CÍCULOS E QUADRADOS.
SITUANDO
NO FINAL DE 1922, TARSILA VIAJOU PELA SEGUNDA VEZ PARA PARIS, NA FRANÇA , PARA
ESTUDAR. NESSE PERIODO, ESTUDOU COMARTISTAS FAMOSOS E CONHECEU PICASSO. SUAS PINTURAS
PASSARAM A TER MUITAS FORMAS GEOMETRICAS, LEMBRANDO O MOVIMENTO ARTÍSTICO DE QUE
PICASSO FAZIA PARTE, O CUBISMO.
CRIADAS NO MESMO ANO, AS DUAS NATUREZAS-MORTAS QUE VOCÊ VIU SÃO TÃO DIFERENTES!
O SEGUNDO QUADRO TEMINFLUÊNCIA DE CUBISMO
CORES QUENTES OU FRIAS?
A sua cor preferida é fria ou quente? Não sabe? Então pense em coisas que tenham sua cor
favorita. Agora responda: essas coisas são frias ou são quentes? Assimfica fácil descobrir... Veja só:
uma brasa quando está queimando é bem vermelha. Conforme vai perdendo o calor, fica laranja,
depois amarela, até apagar. Então: – vermelho, laranja e amarelo são cores quentes.
Agora imagine que você está nadando nas águas azuis de uma cachoeira no meio do verde da
floresta. Se não fizer sol, você vai tremer de frio. – azul e verde são cores frias.
Conhecendo essa diferença, os pintores conseguem transmitir sensações de calor e de frio aos
seus quadros. Um dia de verão, com muito sol, tem sempre bastante tinta laranja e amarela. Já uma
cidade no inverno ganha mais tons de azul e de verde.
Agora que você aprendeu o segredo, é só usar nos seus desenhos...
As cores quentes são consideradas excitantes e as cores frias calmantes.
As cores quentes são associadas ao sol e ao fogo: amarelo, laranja e vermelho.
São aquelas que nos transmitem a sensação de calor.
As cores frias são associadas à água, ao gelo, ao céu, e às arvores: violeta, azul e verde.
São aquelas que nos transmitem a sensação de frio.
Cores primarias e segundarias
Quantas cores existem? Já parou para contar? Impossível dizer... Tem tantas diferentes por aí
que a gente nem sabe o nome de todas. O mais curioso é que todas as cores do mundo (até as de
burro quando foge) são feitas com a mistura de apenas três: vermelho, amarelo e azul – as chamadas
cores primárias. Não acredita? Então, experimente misturar:
Vermelho com amarelo dá... Laranja.
Azul com vermelho dá... Roxo.
Amarelo com azul dá... Verde.
Viu só? Misturando as três cores primárias a gente descobre mais três, as cores secundárias. E
se a gente continuar combinando umas com as outras vai encontrar cada vez mais cores diferentes.
Difícil é inventar um nome para cada uma delas...
Cores primárias: vermelho amarelo e azul.
São as cores mais puras que existem. Com a mistura delas, a gente pode criar qualquer cor. Toda
pintura que você faz, sempre tem alguma das cores primárias (nem que sejam misturadas).
Cores secundárias: verde, roxo e laranja.
São formadas pela mistura de duas cores primárias. O verde vem da mistura de azul com
amarelo. O roxo, de vermelho com azul. E o laranja, de amarelo com vermelho.
TEXTO 3 Estudo do texto
Observe agora outro quadro de Tarsila do Amaral.
1) O quadro que você observa agora representa a fase pau – Brasil do trabalho de Tarsila do Amaral.
Nessa fase, suas pinturas davamo valor á natureza tropical brasileira. Que nome Tarsila deu a esse
quadro?
R: MORRO DA FAVELA
2) Que cores são mais frequentes nesse quadro: as frias ou as quentes? Se você tiver dúvida, releia a
seção “situando”, no slide anterior.
3) O quadro é composto de várias figuras: casas, plantas , pessoas, animais. Como são marcados os
limites de cada figura?
R: AS FIGURAS SÃO DELIMITADAS PELAS PRÓPRIAS CORES.
Com base no que você já leu, ouviu ou conhece, compare as favelas de hoje com a mostrada no quadro
morro da favela. ( respostas pessoais por que as imagens são semelhantes a do Bairro onde nossos
alunos moraam)
A) Que diferenças você pode perceber com relação á presença do verde?
B) que diferenças você pode perceber com relação ao espaço ocupado pelas casas?
R:
Operários ( 1933) , de Tarsila do Amaral.
( acervo artístico cultural dos palácios do governo do estado de São Paulo .)
Texto: 4 Observe o quadro e leia as informações que estão na legenda.
Estudo do texto:
1) Qual o nome do quadro, o ano em que foi feito e o local onde está?
R: Operários ( 1933) , de Tarsila do Amaral.
( acervo artístico cultural dos palácios do governo do estado de São Paulo .)
2) que sentimento está sendo mostrado no rosto das pessoas nesse quadro?
R: O SENTIMENTO DE TRISTEZA E SOFRIMENTO: OSROSTOS PINTADOSESTÃO SÉRIOS, NÃO HÁ UMSÓ SORRISO
3) o que você pode dizer sobre as cores utilizadas nesse quadro?
R: TARSILA DO AMARAL USA CORES FRIAS, APAGAGADAS, TRISTES. A COR CINZA- VIOLÁCEA FAZ O FUNDO DO
QUADRO
4)os rostos são diferentes uns dos outros. Que interpretação você pode dar a isso?
R: APESAR DE O SOFRIMENTO SER COMUM A TODOS OS OPERÁRIOS, CADA UM DELES É UMA PESSOAS
ÚNICA, INDIVIDUALIZADA E ORIGINAL.
PRODUÇÃO DE TEXTO
Fazer uma pintura ou desenho bem colorido, no estilo de um dos quadros de Tarsila do Amaral
vistos nesta aula.
Você pode escolher pintar:
Uma natureza – morta ( mostrando flores, frutas, alimentos , garrafas, copos etc.);
Uma cena tipicamente brasileira ( casas, uma paisagem, uma festa regional...);
Uma cena que mostre um problema social brasileiro.
Antes de começar, porém, pegue um papel e faça com lápis grafite um rascunho do que vai
pintar ou desenhar efetivamente. Use borracha, faça com calma, apague e refaça até ficar satisfeito
com o seu trabalho. Só depois comece a pintar ou colorir. Você é o artista! Use a imaginação e crie á
vontade!
ALUNOS DO 5º B
Trabalho da turma 5º b
RELATO DA AULA COM TEMA DE LINGUAGEM NÃO VERBAL
Docentes: Ana Maria, Andreia Angela , Ismailda , Solange e Camila
“OBRAS DE TARSILA DO AMARAL”
Eixo articulador da área de Linguagens e processos de interação, representação, leitura e prática.
Trabalhamos com as Obras de Tarsila do Amaral em sala de aula foi gratificante e interessante,
porque através das obras despertou sensações, emoções e sentimentos do que a artista transmite
através de suas obras e a interação com os colegas através da linguagem não verbal da percepção de
cada um o olhar diferenciado questionamentos e o amadurecimento de suas ideias do que foi
retratado , e por que foi retratado neste ou aquele momento .Percebemos a importância de focar em
uma sequência de gênero de texto como o não verbal e de destrinchar ou seja detalhar em vários
exercícios, leituras, atividades e até mesmo multidisciplinar para melhor entendimento em fim os
resultados foram satisfatórios e vamos para os momentos em que a forma deste foi planejamento
executados pelas professoras na escola em ministram as suas aulas.
1º e 2º momento:
Leitura de imagem, leitura de legenda e pesquisa na internet das imagens como as pinturas de :
Uma grande artista brasileira – Tarsila do Amaral e fizemos leitura oral e escrita , começando pela
história de vida da artista e suas obras. Chamando atenção para a obra mais importante “O
abaporu” alémdesta imagemfoi visto: Auto retrato, Morro da favela onde conversamos sobre a
semelhança do bairro onde os alunos moram e a imagem “ Os operários “ que retrata a tristeza e
sofrimento nos rostos , foi pintado no período de 1933 , nesta época ela retratou a fase social.
Compreensão ou interpretação do texto.
3º momento:
Gramática: artigo definido e indefinido, palavras com as iniciais com a letra H e pesquisa no
dicionário.
4º momento:
Trabalhamos com Natureza Morta e a utilização das formas geométricas e as cores quentes e
frias, primarias e secundarias neste momento os alunos fizeram suas pinturas colocando em
prática os seus conhecimentos e talentos sentindo artista de suas própria obra.
5º momento:
Finalizamos com imagens xerocadas e a utilização de data show para servir de modelo e pintar as
obras de Tarsila do Amaral e cada um fez sua releitura usando cores para expressar suas
sensações e criatividade e ainda mostrar suas habilidades.
Eu Ana Maria de Paula e Silva particularmente percebi que ao colocar em pratica este gênero
textual as crianças tinham consigo um proposito único e finalidades parecidas de desvendar, preencher e
realizar atividades de igual para igual, um momento de prazer onde envolvia a arte de se expressar
através das cores se reconhecerem como um leitor mesmo não sabendo ler, pois aquele momento eu não
estava lhes cobrando as formas escritas ou símbolos . Geralmente nós trabalhamos com leituras e
costumamos a ler o texto e responder algumas perguntas relacionadas a eles como: quem são os
personagens, onde estão se gostou ou não, legendas, autores e entre outras perguntas.
É neste momento que ensinar a ler é uma questão de compartilhamento dos objetivos, compartilhar
tarefas, compartilhar significados e a construção de um trabalho independente das suas diversidades.
É inevitável as observações, adaptações, as intervenções e utilizações de materiais didáticos
diferenciados e que sejam capazes de se adaptar á diversidade, dentro da sala de aula. Ter um dia da
semana aulas onde os outros alunos que já sabem ler bem ou muito bem de interagir com materiais
adaptados aos seus colegas que ainda não chegaram ou alcançaram os mesmos é de suma importância
para se sentirem de fato incluso.
Particularmente gosto bastante deste tipo de inclusão de aula onde todos se sentem iguais e com
matérias didáticos iguais , onde eles possam trocar de ideias, informações conseguidas através do seu
entender ou identificar algo onde os que sabem ler não visualizou , enfim a linguagem não verbal abre
se uma cortina única e onde os alunos que ainda não leem percebem que reconhecem as propagandas,
as marcas dos produtos, os endereços através das escritas grandes e destacadas como nos mercados e
lojas e até mesmo escolhas de filmes através das figuras ou legendas das capas e compram o que querem
sozinhos.
Então penso que a combinação de arte com figuras atrativas e os desenhos criados por eles para
mostrar sua releitura e a oralidades acompanhadas dos mesmos é que os guiem a leitura. Colocar esses
alunos em necessidades de ler algo aqui outro lá nos seus desenhos e em suas casas pedir aos familiares
ler sempre e escrever bilhetes ao invés de ligar para passar algumas instruções ou recados ajuda muito.
Todos os dias realizo com os meus alunos leitura em voz alta e peço aos mesmos que leem e digo
aos mesmos que não há contra indicação de ler e ler ao momento que lemos colocamos em pratica o
empostamento de voz ou seja colocamos certa pessoas com voz doce ,brava ,triste , alegre e de
voz de pessoas velhas, jovens, crianças ou imitar animais e até mesmo quando necessário
cantar.
Acredito que o uso da leitura é o melhor instrumento de aprendizagem seja ele verbal ou
não verbal. Mas ainda temos muito a ensinar, como ler e compreender e ler para aprender e
aprender as instruções de uma boa leitura.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015
Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015
Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015
Denilson Parreira Dos Reis
 
Atividade de Arte - Música
Atividade de Arte  - MúsicaAtividade de Arte  - Música
Atividade de Arte - Música
Mary Alvarenga
 
AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º ano
Mary Alvarenga
 
As cores II
As cores IIAs cores II
As cores II
Claudia Ramos
 
Cores secundárias
Cores  secundáriasCores  secundárias
Cores secundárias
Mary Alvarenga
 
Sequencia didatica arte
Sequencia didatica arteSequencia didatica arte
Sequencia didatica arte
Emanoel Jackson Lisboa
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
Francisco Antonio Machado Araujo
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
SimoneHelenDrumond
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
Assis Queiroz
 
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamentalConteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
josivaldopassos
 
ProjetFábula: Projeto fábulas
ProjetFábula: Projeto  fábulas ProjetFábula: Projeto  fábulas
ProjetFábula: Projeto fábulas
Salomé Rocha
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Fabiola Oliveira
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Angela Maria
 
Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )
graduartes
 
Guia de aprendizagem arte
Guia de aprendizagem   arteGuia de aprendizagem   arte
Guia de aprendizagem arte
LANCIATIAGO
 
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Fabiola Oliveira
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
Geo Honório
 
Avaliação de artes 6° ano
Avaliação de artes 6° anoAvaliação de artes 6° ano
Avaliação de artes 6° ano
Sônia De Medeiros Damaceno
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e Atividades
Geo Honório
 

Mais procurados (20)

Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015
Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015
Avaliação bimestral de artes 1º bimestre 2015
 
Atividade de Arte - Música
Atividade de Arte  - MúsicaAtividade de Arte  - Música
Atividade de Arte - Música
 
AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE
AVALIAÇÃO DE ARTES - 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 - 1º BIMESTRE
 
Plano de curso arte 5º ano
Plano de curso arte   5º anoPlano de curso arte   5º ano
Plano de curso arte 5º ano
 
As cores II
As cores IIAs cores II
As cores II
 
Cores secundárias
Cores  secundáriasCores  secundárias
Cores secundárias
 
Sequencia didatica arte
Sequencia didatica arteSequencia didatica arte
Sequencia didatica arte
 
PROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENAPROVA DE ARTE INDIGENA
PROVA DE ARTE INDIGENA
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamentalConteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
Conteúdos d arte e ed. f[isica para o 1º e 2º ano do ensino fundamental
 
ProjetFábula: Projeto fábulas
ProjetFábula: Projeto  fábulas ProjetFábula: Projeto  fábulas
ProjetFábula: Projeto fábulas
 
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
Avaliação diagnóstica arte 6 e 7 anos 2013
 
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
Avaliação de Ciências Escola Edite Porto 2013
 
Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )Linguagens da artes (conteudos )
Linguagens da artes (conteudos )
 
Guia de aprendizagem arte
Guia de aprendizagem   arteGuia de aprendizagem   arte
Guia de aprendizagem arte
 
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
Avaliação diagnóstica arte 8 ano 2013
 
Prova Artes 6° ano
Prova Artes 6° anoProva Artes 6° ano
Prova Artes 6° ano
 
Avaliação de artes 6° ano
Avaliação de artes 6° anoAvaliação de artes 6° ano
Avaliação de artes 6° ano
 
Artes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e AtividadesArtes O Teatro e Atividades
Artes O Teatro e Atividades
 

Destaque

Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
Adriana Alves
 
Diagnostica geografia 6ano (111)
Diagnostica geografia 6ano  (111)Diagnostica geografia 6ano  (111)
Diagnostica geografia 6ano (111)
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova pip 6 ano
Prova pip 6 anoProva pip 6 ano
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
Emef Madalena
 
A importância da escrita
A importância da escritaA importância da escrita
A importância da escrita
Emef Madalena
 
Projeto tarsila
Projeto tarsilaProjeto tarsila
Projeto tarsila
sandramirandan
 
Artes 5 serie paralela
Artes 5 serie paralelaArtes 5 serie paralela
Artes 5 serie paralela
Denize Cristina Paiva
 
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalBaixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Augusto Bertotto
 
Gabarito questoes de arte da bebete
Gabarito questoes de arte da bebeteGabarito questoes de arte da bebete
Gabarito questoes de arte da bebete
Atividades Diversas Cláudia
 

Destaque (9)

Tarsila do amaral
Tarsila do amaralTarsila do amaral
Tarsila do amaral
 
Diagnostica geografia 6ano (111)
Diagnostica geografia 6ano  (111)Diagnostica geografia 6ano  (111)
Diagnostica geografia 6ano (111)
 
Prova pip 6 ano
Prova pip 6 anoProva pip 6 ano
Prova pip 6 ano
 
Índios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígenaÍndios- Cultura indígena
Índios- Cultura indígena
 
A importância da escrita
A importância da escritaA importância da escrita
A importância da escrita
 
Projeto tarsila
Projeto tarsilaProjeto tarsila
Projeto tarsila
 
Artes 5 serie paralela
Artes 5 serie paralelaArtes 5 serie paralela
Artes 5 serie paralela
 
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino FundamentalBaixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
Baixe em PDF - Atividades de Português para 3º ano do Ensino Fundamental
 
Gabarito questoes de arte da bebete
Gabarito questoes de arte da bebeteGabarito questoes de arte da bebete
Gabarito questoes de arte da bebete
 

Semelhante a Plano de Aula Tarsila do Amaral

Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de BritoEscola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
weleslima
 
Material de divulgação do troca troca 2010
Material de divulgação do troca troca  2010Material de divulgação do troca troca  2010
Material de divulgação do troca troca 2010
scarabelot1
 
3ºano
3ºano3ºano
Formação 3º ano
Formação 3º anoFormação 3º ano
Formação 3º ano
labitinerante
 
RECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIA
RECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIARECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIA
RECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIA
Andreakochsantos
 
6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf
6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf
6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf
ssuser80ae40
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
Daniel Comparini
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
Daniel Comparini
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
Eduardo Lopes
 
Tudo Sobre Poetas
Tudo Sobre PoetasTudo Sobre Poetas
Tudo Sobre Poetas
Gustavo Teles
 
Apostila cor 6o ano 2019
Apostila cor 6o ano 2019Apostila cor 6o ano 2019
Apostila cor 6o ano 2019
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014
Colégio Pedro II - Campus Centro
 
0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf
0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf
0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf
paulo viana
 
Projeto Arco iris
Projeto Arco irisProjeto Arco iris
Projeto Arco iris
Luzia de Fatima LayolaNunes
 
ATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdf
ATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdfATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdf
ATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdf
NinaFrasnelli
 
Atividade1
Atividade1Atividade1
Atividade1
Delziene Jesus
 
Tem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemasTem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemas
linguaefala
 
Portugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_textoPortugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_texto
avelelinha
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Nuno Quaresma
 
Projeto Jorge Amado
Projeto Jorge AmadoProjeto Jorge Amado
Projeto Jorge Amado
Sandra Campelo
 

Semelhante a Plano de Aula Tarsila do Amaral (20)

Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de BritoEscola Estadual Antonio Carlos de Brito
Escola Estadual Antonio Carlos de Brito
 
Material de divulgação do troca troca 2010
Material de divulgação do troca troca  2010Material de divulgação do troca troca  2010
Material de divulgação do troca troca 2010
 
3ºano
3ºano3ºano
3ºano
 
Formação 3º ano
Formação 3º anoFormação 3º ano
Formação 3º ano
 
RECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIA
RECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIARECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIA
RECUPERACAO 8ANO ARTE - CORES E SIMETRIA
 
6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf
6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf
6º ANO APOSTILA DE ARTE 1º BIMESTRE 2022 (1).pdf
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
 
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
3351572 artes-apostila-de-arte-tarsila
 
Tudo Sobre Poetas
Tudo Sobre PoetasTudo Sobre Poetas
Tudo Sobre Poetas
 
Apostila cor 6o ano 2019
Apostila cor 6o ano 2019Apostila cor 6o ano 2019
Apostila cor 6o ano 2019
 
Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014Apostila cor 6o ano 2014
Apostila cor 6o ano 2014
 
0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf
0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf
0216P21013-MULT-LING-PORT-MT-EM-VU-MANUAL-001-416-PNLD22.pdf
 
Projeto Arco iris
Projeto Arco irisProjeto Arco iris
Projeto Arco iris
 
ATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdf
ATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdfATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdf
ATIVIDADE DO CEJA 3° e 4° TERMO.pdf
 
Atividade1
Atividade1Atividade1
Atividade1
 
Tem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemasTem gato na tuba e outros poemas
Tem gato na tuba e outros poemas
 
Portugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_textoPortugues 13 tipos_texto
Portugues 13 tipos_texto
 
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
Proposta fanzine articentro cabe na cabeça edição 00
 
Projeto Jorge Amado
Projeto Jorge AmadoProjeto Jorge Amado
Projeto Jorge Amado
 

Último

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
nunesly
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 

Último (20)

Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
A importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino MédioA importância das conjunções- Ensino Médio
A importância das conjunções- Ensino Médio
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 

Plano de Aula Tarsila do Amaral

  • 1. ESCOLA ESTADUAL ANTÔNIO CARLOS DE BRITO - PONTES E LACERDA – MT EXERCÍCIO DE PLANEJAMENTO DAS ÀREAS DE CONHECIMENTO DE LINGUAGEM DOCENTES: ANA MARIA , ANDREIA ANGELA , ISMAILDA , SOLANGE E CAMILA 2º CICLO 1ª E 2ª FASE - 4º E 5º ANO MATUTINO E VESPERTINO 2015 INSTITUIÇÕES PARCEIRAS: CEFAPRO EIXO ARTICULADOR DA ÁREA DE LINGUAGENS Linguagens e processos de interação, representação, leitura e prática. CAPACIDADES DESCRITORES CONTEÚDOS NAS DISCIPLINAS ESTRATÉGIAS/ PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS RECURSOS DIDÁTICOS AVALIAÇÃO Fazer uso das linguagens como elementos integradores dos sistemas de comuni- cação; Expõe opiniões e apresenta argumentos em situações dialógicas; Conhece formas artísticas culturais em seus diferentes produtos/obras/ manifestações nas linguagens; PORTUGUÊS Leitura de imagem Leitura de legenda Compreensão do texto Interpretação do texto Gramática: artigo definido e artigo indefinido. Palavras comas iniciais comH Pesquisa no dicionário Apresentar as imagens, ou seja, as pinturas de: “Uma grande artista brasileira” – Tarsila do Amaral. Fazer leitura oral e escrita Exposição dos trabalhos no coletivo. Leitura da legenda. Giz e lousa; Textos xerocados Utilização de data show Leitura, explicação oral dos textos. Leitura e interpretação de textos Produção de texto. Livro didático. Pesquisa na internet. Espera-se que os alunos saibam fazer uso das linguagens como elementos integradores dos sistemas de comunicação como ler, compreender e construir diferentes textos assimcomo ler, compreender e construir diferentes textos e as diversas práticas de linguagens; ARTES Cores quentes e frias Pintar alguma arte da Tarsila do Amaral Espera-se que os alunos saibam desenvolver habilidades, criatividade usando as cores quente e frias para pintar uma das artes de Tarsila do Amaral.
  • 2. RESPONDA AS QUESTÕES: 1) Os quadros chamados naturezas – mortas apresentam , em geral, frutas, flores e objetos relacionados com alimentação. A)Que objetos são comuns aos dois quadros? R: A GARRAFA E O COPO B) Que objetos do segundo quadro não aparecem no primeiro? R: RELÓGIOS E UM LIVRO 2) Observe a posição dos objetos nos dois quadros. O que lhe chama a atenção quanto a posição deles? R: NO PRIMEIRO QUADRO, OS OBJETOS ESTÃO EMLUGARES ONDE ESPERAMOS VÊ-LOS: UM AO LADO DO OUTRO, EM CIMA DE UMA MESA. O SEGUNDO QUADRO MOSTRA OBJETOS ARRUMADOS DE FORMA NÃO ESPERDA: ELES ESTÃO DESARRUMADOS E ORA APRESENTAM CERTA TRANSFERÊNCIA, ORA FICA OCULTOS POR ÁREAS DE COR. 3) Observe as formas dadas aos objetos no segundo quadro: toalha , relógios e outros . O que lhe chama a atenção com relação á forma das figuras? TARCILA USA FORMAS GEOMETRICAS EM SUAS FIGURAS: RETÂNGULOS, CÍCULOS E QUADRADOS. SITUANDO NO FINAL DE 1922, TARSILA VIAJOU PELA SEGUNDA VEZ PARA PARIS, NA FRANÇA , PARA ESTUDAR. NESSE PERIODO, ESTUDOU COMARTISTAS FAMOSOS E CONHECEU PICASSO. SUAS PINTURAS PASSARAM A TER MUITAS FORMAS GEOMETRICAS, LEMBRANDO O MOVIMENTO ARTÍSTICO DE QUE PICASSO FAZIA PARTE, O CUBISMO. CRIADAS NO MESMO ANO, AS DUAS NATUREZAS-MORTAS QUE VOCÊ VIU SÃO TÃO DIFERENTES! O SEGUNDO QUADRO TEMINFLUÊNCIA DE CUBISMO
  • 3. CORES QUENTES OU FRIAS? A sua cor preferida é fria ou quente? Não sabe? Então pense em coisas que tenham sua cor favorita. Agora responda: essas coisas são frias ou são quentes? Assimfica fácil descobrir... Veja só: uma brasa quando está queimando é bem vermelha. Conforme vai perdendo o calor, fica laranja, depois amarela, até apagar. Então: – vermelho, laranja e amarelo são cores quentes. Agora imagine que você está nadando nas águas azuis de uma cachoeira no meio do verde da floresta. Se não fizer sol, você vai tremer de frio. – azul e verde são cores frias. Conhecendo essa diferença, os pintores conseguem transmitir sensações de calor e de frio aos seus quadros. Um dia de verão, com muito sol, tem sempre bastante tinta laranja e amarela. Já uma cidade no inverno ganha mais tons de azul e de verde. Agora que você aprendeu o segredo, é só usar nos seus desenhos... As cores quentes são consideradas excitantes e as cores frias calmantes. As cores quentes são associadas ao sol e ao fogo: amarelo, laranja e vermelho. São aquelas que nos transmitem a sensação de calor. As cores frias são associadas à água, ao gelo, ao céu, e às arvores: violeta, azul e verde. São aquelas que nos transmitem a sensação de frio. Cores primarias e segundarias Quantas cores existem? Já parou para contar? Impossível dizer... Tem tantas diferentes por aí que a gente nem sabe o nome de todas. O mais curioso é que todas as cores do mundo (até as de burro quando foge) são feitas com a mistura de apenas três: vermelho, amarelo e azul – as chamadas cores primárias. Não acredita? Então, experimente misturar: Vermelho com amarelo dá... Laranja.
  • 4. Azul com vermelho dá... Roxo. Amarelo com azul dá... Verde. Viu só? Misturando as três cores primárias a gente descobre mais três, as cores secundárias. E se a gente continuar combinando umas com as outras vai encontrar cada vez mais cores diferentes. Difícil é inventar um nome para cada uma delas... Cores primárias: vermelho amarelo e azul. São as cores mais puras que existem. Com a mistura delas, a gente pode criar qualquer cor. Toda pintura que você faz, sempre tem alguma das cores primárias (nem que sejam misturadas). Cores secundárias: verde, roxo e laranja. São formadas pela mistura de duas cores primárias. O verde vem da mistura de azul com amarelo. O roxo, de vermelho com azul. E o laranja, de amarelo com vermelho. TEXTO 3 Estudo do texto Observe agora outro quadro de Tarsila do Amaral. 1) O quadro que você observa agora representa a fase pau – Brasil do trabalho de Tarsila do Amaral. Nessa fase, suas pinturas davamo valor á natureza tropical brasileira. Que nome Tarsila deu a esse quadro? R: MORRO DA FAVELA 2) Que cores são mais frequentes nesse quadro: as frias ou as quentes? Se você tiver dúvida, releia a seção “situando”, no slide anterior. 3) O quadro é composto de várias figuras: casas, plantas , pessoas, animais. Como são marcados os limites de cada figura? R: AS FIGURAS SÃO DELIMITADAS PELAS PRÓPRIAS CORES. Com base no que você já leu, ouviu ou conhece, compare as favelas de hoje com a mostrada no quadro morro da favela. ( respostas pessoais por que as imagens são semelhantes a do Bairro onde nossos alunos moraam) A) Que diferenças você pode perceber com relação á presença do verde?
  • 5. B) que diferenças você pode perceber com relação ao espaço ocupado pelas casas? R: Operários ( 1933) , de Tarsila do Amaral. ( acervo artístico cultural dos palácios do governo do estado de São Paulo .) Texto: 4 Observe o quadro e leia as informações que estão na legenda. Estudo do texto: 1) Qual o nome do quadro, o ano em que foi feito e o local onde está? R: Operários ( 1933) , de Tarsila do Amaral. ( acervo artístico cultural dos palácios do governo do estado de São Paulo .) 2) que sentimento está sendo mostrado no rosto das pessoas nesse quadro? R: O SENTIMENTO DE TRISTEZA E SOFRIMENTO: OSROSTOS PINTADOSESTÃO SÉRIOS, NÃO HÁ UMSÓ SORRISO 3) o que você pode dizer sobre as cores utilizadas nesse quadro? R: TARSILA DO AMARAL USA CORES FRIAS, APAGAGADAS, TRISTES. A COR CINZA- VIOLÁCEA FAZ O FUNDO DO QUADRO 4)os rostos são diferentes uns dos outros. Que interpretação você pode dar a isso? R: APESAR DE O SOFRIMENTO SER COMUM A TODOS OS OPERÁRIOS, CADA UM DELES É UMA PESSOAS ÚNICA, INDIVIDUALIZADA E ORIGINAL. PRODUÇÃO DE TEXTO Fazer uma pintura ou desenho bem colorido, no estilo de um dos quadros de Tarsila do Amaral vistos nesta aula. Você pode escolher pintar: Uma natureza – morta ( mostrando flores, frutas, alimentos , garrafas, copos etc.); Uma cena tipicamente brasileira ( casas, uma paisagem, uma festa regional...); Uma cena que mostre um problema social brasileiro. Antes de começar, porém, pegue um papel e faça com lápis grafite um rascunho do que vai pintar ou desenhar efetivamente. Use borracha, faça com calma, apague e refaça até ficar satisfeito com o seu trabalho. Só depois comece a pintar ou colorir. Você é o artista! Use a imaginação e crie á vontade!
  • 6.
  • 9. RELATO DA AULA COM TEMA DE LINGUAGEM NÃO VERBAL Docentes: Ana Maria, Andreia Angela , Ismailda , Solange e Camila “OBRAS DE TARSILA DO AMARAL” Eixo articulador da área de Linguagens e processos de interação, representação, leitura e prática. Trabalhamos com as Obras de Tarsila do Amaral em sala de aula foi gratificante e interessante, porque através das obras despertou sensações, emoções e sentimentos do que a artista transmite através de suas obras e a interação com os colegas através da linguagem não verbal da percepção de cada um o olhar diferenciado questionamentos e o amadurecimento de suas ideias do que foi
  • 10. retratado , e por que foi retratado neste ou aquele momento .Percebemos a importância de focar em uma sequência de gênero de texto como o não verbal e de destrinchar ou seja detalhar em vários exercícios, leituras, atividades e até mesmo multidisciplinar para melhor entendimento em fim os resultados foram satisfatórios e vamos para os momentos em que a forma deste foi planejamento executados pelas professoras na escola em ministram as suas aulas. 1º e 2º momento: Leitura de imagem, leitura de legenda e pesquisa na internet das imagens como as pinturas de : Uma grande artista brasileira – Tarsila do Amaral e fizemos leitura oral e escrita , começando pela história de vida da artista e suas obras. Chamando atenção para a obra mais importante “O abaporu” alémdesta imagemfoi visto: Auto retrato, Morro da favela onde conversamos sobre a semelhança do bairro onde os alunos moram e a imagem “ Os operários “ que retrata a tristeza e sofrimento nos rostos , foi pintado no período de 1933 , nesta época ela retratou a fase social. Compreensão ou interpretação do texto. 3º momento: Gramática: artigo definido e indefinido, palavras com as iniciais com a letra H e pesquisa no dicionário. 4º momento: Trabalhamos com Natureza Morta e a utilização das formas geométricas e as cores quentes e frias, primarias e secundarias neste momento os alunos fizeram suas pinturas colocando em prática os seus conhecimentos e talentos sentindo artista de suas própria obra. 5º momento: Finalizamos com imagens xerocadas e a utilização de data show para servir de modelo e pintar as obras de Tarsila do Amaral e cada um fez sua releitura usando cores para expressar suas sensações e criatividade e ainda mostrar suas habilidades. Eu Ana Maria de Paula e Silva particularmente percebi que ao colocar em pratica este gênero textual as crianças tinham consigo um proposito único e finalidades parecidas de desvendar, preencher e realizar atividades de igual para igual, um momento de prazer onde envolvia a arte de se expressar através das cores se reconhecerem como um leitor mesmo não sabendo ler, pois aquele momento eu não estava lhes cobrando as formas escritas ou símbolos . Geralmente nós trabalhamos com leituras e costumamos a ler o texto e responder algumas perguntas relacionadas a eles como: quem são os personagens, onde estão se gostou ou não, legendas, autores e entre outras perguntas. É neste momento que ensinar a ler é uma questão de compartilhamento dos objetivos, compartilhar tarefas, compartilhar significados e a construção de um trabalho independente das suas diversidades.
  • 11. É inevitável as observações, adaptações, as intervenções e utilizações de materiais didáticos diferenciados e que sejam capazes de se adaptar á diversidade, dentro da sala de aula. Ter um dia da semana aulas onde os outros alunos que já sabem ler bem ou muito bem de interagir com materiais adaptados aos seus colegas que ainda não chegaram ou alcançaram os mesmos é de suma importância para se sentirem de fato incluso. Particularmente gosto bastante deste tipo de inclusão de aula onde todos se sentem iguais e com matérias didáticos iguais , onde eles possam trocar de ideias, informações conseguidas através do seu entender ou identificar algo onde os que sabem ler não visualizou , enfim a linguagem não verbal abre se uma cortina única e onde os alunos que ainda não leem percebem que reconhecem as propagandas, as marcas dos produtos, os endereços através das escritas grandes e destacadas como nos mercados e lojas e até mesmo escolhas de filmes através das figuras ou legendas das capas e compram o que querem sozinhos. Então penso que a combinação de arte com figuras atrativas e os desenhos criados por eles para mostrar sua releitura e a oralidades acompanhadas dos mesmos é que os guiem a leitura. Colocar esses alunos em necessidades de ler algo aqui outro lá nos seus desenhos e em suas casas pedir aos familiares ler sempre e escrever bilhetes ao invés de ligar para passar algumas instruções ou recados ajuda muito. Todos os dias realizo com os meus alunos leitura em voz alta e peço aos mesmos que leem e digo aos mesmos que não há contra indicação de ler e ler ao momento que lemos colocamos em pratica o empostamento de voz ou seja colocamos certa pessoas com voz doce ,brava ,triste , alegre e de voz de pessoas velhas, jovens, crianças ou imitar animais e até mesmo quando necessário cantar. Acredito que o uso da leitura é o melhor instrumento de aprendizagem seja ele verbal ou não verbal. Mas ainda temos muito a ensinar, como ler e compreender e ler para aprender e aprender as instruções de uma boa leitura.