SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 121
Baixar para ler offline
DANÇAS TÍPICAS DO BRASIL
AMAZONAS
AMAZONAS
CAMALEÃO
Essa dança utiliza pares separados, que fazem uma
coreografia com passos distintos, chamados de jornadas.
São duas fileiras de mulheres e homens, realizando
diversos passos, os quais terminam no passo inicial. As
roupas também são importantes; os homens usam fraque
de abas, colete, meias longas, gravata e sapato preto. Já
para as mulheres, a vestimenta é composta por saias
longas, meias brancas, sapatos e blusas folgadas. A música
que embala os dançarinos utiliza o violão, cavaquinho e
rabeca.
AMAZONAS
DANÇA DO MAÇARICO
Essa dança é constituída de dançarinos em duplas
que fazem cinco movimentos durante a Dança do
Maçarico: Charola, Roca-roca, Repinico, Maçaricado e
'Geleia de Mocotó'. Os passos variam entre lentos e
ligeiros e a umbigada. As músicas que embalam os
dançarinos são tocadas com a ajuda da viola,
tambores, rabeca e sanfonas.
AMAZONAS
DESFEITERA
Essa dança é constituída de pares que dançam
de forma livre e os dançarinos devem apenas passar
pelo menos uma vez na frente do grupo musical. Caso
a banda encerre a música no momento em que um
casal estiver passando, é feita a escolha do homem ou
da mulher para que declame versos. Caso ele não
consiga esse feito, a pessoa será vaiada e terá que
pagar uma prenda, ou seja, será 'desfeitado'.
PARÁ
PARÁ
CARIMBÓ
O nome da dança é de origem indígena com os nomes Curi, que
significa pau oco, e M'bó, que significa furado. Os homens devem
trajar uma calça curta no estilo pescador e uma camisa que contenha
estampas. As mulheres utilizam uma saia rodada e com estampas,
uma blusa, colares e flores presas aos cabelos. Os dançarinos a
executam com os pés no chão.
Os homens batem palmas para as dançarinas e isso é o indício de que
elas estão sendo chamadas para dançar também. Em forma de roda, as
mulheres balançam a saia para que ela atinja a cabeça de seu parceiro.
O ato é realizado no intuito de humilhar o homem para que ele saia
da dança. Um dos momentos mais importantes ocorre quando cada
casal vai para o centro da roda e o homem deve apanhar um lenço
com a boca, que foi jogado no chão pelo seu par. Se o feito for
satisfatório, ele recebe aplausos. Caso ele não consiga, a mulher joga a
saia em seu rosto e ele deve sair da dança.
PARÁ
PARÁ
MARAMBIRÉ
Essa dança é considerada uma representante da
alegria dos negros no Brasil após a Abolição da
Escravidão. Ela é caracterizada por uma marcha que
mescla a religião e o profano. Ela é realizada por
duplas e sempre aparece durante os festivais no
estado.
PARÁ
LUNDU MARAJOARA
Tem origem africana e é muito sensual, pois a intenção
dela é mostrar o convite do homem para ter um encontro
sexual com a mulher. Primeiro, há uma recusa; porém, ele
insiste e ela aceita. A Lundu Marajoara mostra o ato com o
passo da umbigada, quando acontecem movimentos
de dança mais sensuais. As mulheres utilizam saias
coloridas e blusas rendadas. Já os homens vestem calças de
preferência na cor branca. Essa dança também recebe a
ajuda de instrumentos como o banjo, cavaquinho e
clarinete.
PARÁ
MARUJADA
A dança é uma homenagem a São Benedito e
acontece em três ocasiões: Natal, dia de São Benedito
e no dia 1º de janeiro. Os homens e mulheres que
participam recebem o nome de marujos e marujas.
Eles bailam pela cidade, reproduzindo o gesto de um
barco na água. As mulheres ordenam a dança e os
homens participam com os instrumentos musicais,
como tambores e violinos.
PARÁ
ALAGOAS, BAHIA, CEARÁ, MARANHÃO, PARAÍBA,
PERNAMBUCO, PIAUI, RIO GRANDE DO NORTE,
SERGIPE
NORDESTE
FORRÓ
O forró é um estilo de dança e gênero
musical influenciado por africanos e europeus, fruto
de ritmos musicais tais como baião, xote e xaxado. É
uma das danças típicas mais populares do Brasil,
relacionada à região nordeste que extraiu e espalhou
para o país os embalos de um ritmo ora lento, ora
rápido, recheado de instrumentos como o triângulo, a
sanfona e a zabumba. Comemora-se o Dia
Nacional do Forró em 13 de dezembro com festas
relacionadas à data.
NORDESTE
QUADRILHA
Esta é uma dança típica da época de festa junina, onde um
animador vai anunciando frases, e marcando os momentos
da dança, e os casais de dançarinos, vestem roupas típicas
da cultura caipira, como camisas e vestido xadrez,
e chapéu de palha. Os dançarinos realizam uma
coreografia especial, e muito animada, com muitos
movimentos coreografados, e as músicas de festa junina
são parecidas com marchinhas, mas nada semelhante com
as marchinhas de carnaval. As mais conhecidas são:
Capelinha de Melão, Pula Fogueira e Cai, Cai balão.
NORDESTE
NORDESTE
BUMBA MEU BOI
Bumba-meu-boi, Boi-bumbá ou Pavulagem é uma
dança do folclore popular brasileiro, com personagens
humanos e animais fantásticos, que gira em torno da
morte e ressurreição de um boi. Como dança
dramática, o bumba-meu-boi adquiriu, com a
passagem dos anos algumas cateterísticas dos
autos medievais, o que lhe dá o caráter de veículo de
comunicação.
NORDESTE
NORDESTE
XAXADO
Xaxado é uma dança popular brasileira originada nas
regiões do agreste e do sertão nordestino. Era muito
praticada pelos cangaceiros da região, quase sempre,
em celebração às suas vitórias. O nome é derivado ao
barulho das sandálias dos cangaceiros contra a areia
do sertão. Xaxado é uma dança de guerra e de
entretenimento, criada pelos cangaceiros de Lampião.
NORDESTE
NORDESTE
COCO
Também pode ser chamada de pagode, bambelô e
zambê. Os homens e mulheres que participam fazem
uma roda e apenas uma pessoa fica no centro. A
dança utiliza instrumentos musicais como os ganzás,
pandeiros e caixas. Os dançarinos realizam passos
ritmados e utilizam batidas e umbigadas durante a
dança. As pessoas dançam e cantam músicas como
as emboladas e as sextilhas.
NORDESTE
BAHIA
BAHIA
MACULELÊ
Dança executada por homens que dançam e cantam
sob o comando de um mestre chamado ”macota”.
Surgiu no período colonial para comemorar a boa fase
de colheita. Essa dança também usa bastão e os
instrumentos utilizados são os atabaques, pandeiros e
violas. As músicas começam com o mestre e os outros
respondem em coro.
BAHIA
CAPOEIRA
A Capoeira chegou no século XVI ao Brasil, com
os escravos africanos. Sua prática era aplicada com os
pés e a cabeça para defenderem-se dos europeus,
lutavam com as mãos, tanto para o ataque quanto
para defesa. A capoeira foi camuflada na forma de
pantomimas mímicas e danças, para evitar a repressão
dos senhores de escravos e da polícia. Sempre ao som
da música de berimbaus, da boca e das palmas, sua
prática tornou-se popular em todo o país.
BAHIA
CAPOEIRA
BAHIA
SAMBA
O samba é uma dança e gênero musical trazido pelos
negros para o Brasil. Inicialmente, ele chegou à
Bahia e depois ganhou mais espaço e reconhecimento
em outros estados brasileiros e, principalmente, no
Rio de Janeiro.
BAHIA
SAMBA DE RODA
Surgiu na Bahia e é uma das vertentes do samba. Os
dançarinos ficam em uma roda e entoam cantos e
batem palmas. São usados instrumentos como o
berimbau, atabaques, chocalhos e pandeiros.
BAHIA
SAMBA DE RODA
O samba teria surgido por inspiração, sobretudo, de
um ritmo africano, o semba, e teria sido formado a
partir de referências dos mais diversos ritmos tribais
africanos. O Samba de Roda, no Recôncavo Baiano,
designa uma mistura de música, dança, poesia e festa.
Presente em todo o Estado da Bahia, o Samba de Roda
é praticado, principalmente, na região do Recôncavo.
BAHIA
SERGIPE
SERGIPE
FOLGUEDO
SÃO GONÇALO
O folguedo tem origem portuguesa o que é percebido na
fé, no ritual e no tema. Porém a influência africana é
visível na musicalidade e coreografia, marcada com os pés,
além dos volteios, avanços e recuos ritmicamente
cadenciados pela batucada sincopada. Essa influência
étnica nos mostra que, embora de origem portuguesa, no
Brasil o folguedo foi dançado por negros, como é possível
constatar sua existência com marcante domínio
quilombola, remanescentes dos escravos refugiados no
quilombo da Mussuca, comunidade de
Laranjeiras/Sergipe.
SERGIPE
SERGIPE
FOLGUEDO
CACUBIM MIRIM
Folguedo popular típico de ciclo natalino. É uma
variante de “autos” e “bailados” como a Congada e o
Reisado. É uma manifestação coreográfica de bailado
rico e brejeiro. O objetivo do folguedo é a louvação
aos Santos padroeiros dos africanos: São Benedito e
Nossa Senhora do Rosário.O folguedo que
conhecemos em Sergipe por Cacumbi é chamado de
Ticumbi no Espírito Santo (Conceição da Barra).
SERGIPE
SERGIPE
BACAMARTEIROS
Dança popular de origem africana, com influência
indígena. É tipicamente resultante da necessidade de
diversão por parte dos escravos, nas noites de São
João. Embora mantidos no cativeiro, os escravos
ficavam de folga nos momentos festivos da casa
grande. Aí então eles podiam fazer sua própria festa e,
para isso, recorriam ao saber acumulado
SERGIPE
ALAGOAS
ALAGOAS
PASTORIL
É o mais conhecido e difundido folguedo de Alagoas.
É uma fragmentação do presépio, sem os textos
declamados e sem diálogos, constituídos apenas por
jornadas soltas, canções e danças religiosas ou
profanas de épocas e estilos variados.
Como os presépios, origina se de autos portugueses
antigos, guardando a estrutura dos Noéis de
Provença, França.
ALAGOAS
PIAUI
PIAUI
MARUJADA
A dança representa uma história onde uma nau fica
perdida e consegue ser encontrada com a ajuda de
Nossa Senhora. Além disso, aparecem na Marajuda
informações sobre a Península Ibérica. São dois
cordões de dançarinos que seguem o ritmo como se
estivessem no balanço do mar e durante a quebra das
ondas. Todos se vestem de marinheiro e batem em
uma espécie de lata enquanto dançam.
PIAUI
REISADO
Dança típica de todo o estado do Piauí, é festejada a
partir do Natal até o dia de Reis. São cerca de seis
pessoas mascaradas que deixam a dança
mais animada e alegre. Todos cantam ao som de
uma música para chegada e despedida. São vários
personagens como a Caipora, o Jaraguá, a Burrinha e a
Cigana que vão dançando e se apresentado durante o
Reisado. Além disso, ela é acompanhada de
instrumentos (violão, sanfona, banjos, etc.).
PIAUI
PIAUI
CAVALO PIANCÓ
É realizada com casais que ficam em círculos para
imitar o trote do cavalo. São diversos passos que
alternam a velocidade entre moderado e rápido.
Como as músicas podem ser improvisadas, a
coreografia pode ser alterada por isso.
CEARÁ
CEARÁ
TORÉM
É uma dança de origem indígena, composta por 20
pessoas, homens e mulheres, que se movimentam sob
o ritmo aguaim. É designado também um chefe para o
grupo.
CEARÁ
CANINHA VERDE
Com origem em Portugal, esse ritmo chegou ao Brasil
no período dos engenhos de açúcar. Essa dança é
muito comum nas colônias de pescadores e tem entre
seus passos a figura do casamento dos sertanejos, os
cordões e os mestres.
CEARÁ
CANINHA VERDE
Consta de uma roda de homens e mulheres que
cantam e dançam permutando de lugares e formando
pares. Os textos cantados são tradicionais
e circunstanciais, acompanhados por viola, violão e
pandeiro.
CEARÁ
CEARÁ
MANEIRO-PAU
Essa dança surgiu no interior do Ceará,
provavelmente por influência dos cangaceiros. Os
dançarinos portam pedaços de madeira que são
batidos no chão seguindo o ritmo das músicas que são
cantadas pelos participantes.
MARANHÃO
MARANHÃO
BAMBAÊ DE CAIXA
Essa dança é mais encontrada nas cidades de Guimarães,
São Bento, Cajapió e Penalva. Acredita-se que ela exista
desde a época da escravidão, atualmente, ela é executada
durante a festa do Divino Espírito Santo e para
pagamentos de promessas. Na dança, há casais de
dançarinas, de preferência 12 casais, que fazem uma roda
com um deles dançando no meio. A dança pode ser
executada por meio de vários passos e ritmos. Além disso,
há passos conhecidos como siriri, mariquinha e catarina.
Os casais podem estar de frente para o outro ou de costas.
MARANHÃO
CACURIÁ
Essa dança surgiu nas comemorações do Divino
Espírito Santo. Em duplas, é feita a formação de um
círculo e são acrescentados instrumentos chamados
caixas do Divino (pequenos tambores). A música é
feita com versos improvisados no ritmo do carimbó
do Maranhão. Além das caixas, a dança utiliza outros
instrumentos como a flauta, o violão e o clarinete.
MARANHÃO
TAMBOR DE CRIOLA
Essa dança é de origem africana e é realizada em prol de
São Benedito, que é um santo bastante popular entre os
negros. Os passos são descontraídos e além da devoção ao
santo, a dança pode ser feita para comemorar uma festa de
aniversário, a chegada de parentes, reunião de pessoas e
nascimento de um bebê. Ela pode ser executada ao ar livre
e os grupos têm passado a dançar o tambor de
criola principalmente durante o Carnaval no Brasil e as
festas juninas. As dançarinas buscam estar de saias
rodadas e coloridas, blusas rendadas e com decotes e
colares e pulseiras coloridas. Já os homens utilizam
camisas com estampas e calça mais escura.
MARANHÃO
DANÇA DO CAROÇO
Essa dança é de origem indígena e se concentra
no Delta do Parnaíba. Pode ser realizada por qualquer
pessoa e é acompanhada com tambores, cuícas e
cabaça. Há os cantores e os dançarinos participam
cantando o refrão. Os componentes do grupo dançam
em forma de cordão e as mulheres utilizam vestidos
brancos.
PERNAMBUCO
PERNAMBUCO
CAVALO MARINHO
É uma dança de descendência portuguesa, que
representa nos seus passos o cotidiano e os problemas
enfrentados pelos trabalhadores dos engenhos de
açúcar no Pernambuco e na Paraíba. Ela é realizada
com a ajuda de instrumentos musicais como o
pandeiro, a rabeca e o ganzá.
PERNAMBUCO
CABOCLINHOS
Muito tradicional no estado,Caboclinhos é de origem
indígena e há indícios de que é dançada desde o
século XV. A música que acompanha os dançarinos é
leve com o uso de instrumentos como o ganzá. Os
passos de dança exigem rapidez, pois são bem
elaborados e representam caçadas e colheitas.
PERNAMBUCO
MARACATU RURAL
Outra dança de origem indígena que surgiu em
engenhos de açúcar e canaviais. Ela representa os
homens que plantam açúcar com a mistura de vários
ritmos. Eles usam uma fantasia pesada e antes de
começarem tomam uma bebida para animá-los que
leva pólvora, cachaça e limão. As músicas entoadas
durante a dança são improvisadas muitas vezes.
PERNAMBUCO
PERNAMBUCO
MAMULENGO
Influenciada pela religião católica e pelos costumes
europeus, essa dança buscava representar os
personagens do presépio. Utiliza bonecos vazios por
dentro sem a utilização de cordas, como acontece nos
bonecos mais comuns. Como ele é movimentado com
a mão recebeu o nome de mamulengo.
PERNAMBUCO
FREVO
Essa dança pode ser encontrada em muitos
estados do nordeste; porém, é mais significante em
Pernambuco. O frevo surgiu da união de vários estilos
brasileiros como a quadrilha, o maxixe e o galope. Ele
pode ser executado por qualquer pessoa de idades
distintas. As coreografias são variadas e exigem que o
dançarino execute passinhos, rodopios, malabarismos
e gingados. As mais executadas são: tesoura,
dobradiça, pernada, carrossel, parafuso, dentre outras.
O frevo é considerado Patrimônio Nacional Imaterial.
PERNAMBUCO
RIO GRANDE DO NORTE
RIO GRANDE DO NORTE
ESPONTÃO
Dança executada por homens que utilizam lanças e
fazem uma coreografia que lembra as guerras. São
utilizados tambores marciais, responsáveis pela
musicalidade do Espontão. As coreografias mais
usadas são recuos de defesa, saltos de ataque, acenos
de guerreiro e ainda há os passos improvisados.
PARAÍBA
PARAÍBA
CIRANDA
Dança desenvolvida por homens, mulheres e crianças. Os
dançarinos formam uma grande roda e dão passos para
dentro e para fora do círculo, provocando ainda um
deslocamento do mesmo no sentido anti-horário. A
música é executada por um grupo denominado “terno”,
colocado no centro da roda, tocando instrumentos de
percussão – bumbo, tarol, caixa, ganzá – e de sopro –
pistons e trombone. As canções, tiradas pelo mestre-
cirandeiro e respondidas pelo coro dos demais, têm
temáticas que refletem a experiência de vida
GOIÁS
GOIÁS
CATIRA
É uma dança brasileira de origem desconhecida. Ela é
realizada por homens que, estando em frente um para o
outro, sapateiam e batem palmas no ritmo da viola.
Primeiramente, o violeiro começa a dança e os homens
que vão dançar fazem um passo que consiste em bater o
pé e a mão e depois dar seis pulos. O violeiro passa a
entoar a moda de viola e os homens continuam a executar
os passos da dança, que recebem o nome de “Serra Abaixo”
e “Serra Acima”. A Catira termina quando eles executam o
passo chamado Recortado e as duas fileiras mudam de
lugar, sendo que o violeiro passa de uma extremidade a
outra.
GOIÁS
GOIÁS
VILÃO
Nessa dança, há uma divisão entre os dançarinos: há
os batedores, balizadores, músicos, regente e o chefe
do grupo. Os batedores são responsáveis por utilizar
um bastão de madeira que são usados para bater no
bastão dos outros dançarinos. A dança é realizada
conforme o ritmo da música e o apito do regente. São
diversas coreografias, finalizadas por movimentos
bem rápidos.
GOIÁS
TAMBOR
Os dançarinos formam uma roda e fica apenas uma
pessoa no centro. Todos cantam e seguem o ritmo
com a ajuda de um tambor. Os passos mais
executados por eles são a Jiquiaia, o Serrador e Negro
Velho. Os dançarinos vão trocando de posição para
que todos possam passar pelo centro da roda.
MATO GROSSO
MATO GROSSO
SIRIRI
É uma das danças mais antigas do estado e pode ser
dançada por homens e mulheres. São duplas que
dançam em rodas ou fileiras e bailam com a ajuda de
instrumentos como o mocho, o ganzá e o cocho.
Primeiramente, os homens cantam o “baixão” e os
outros batem palmas. Em fileiras, os participantes
passam a fazer reverências, alternando entre homens
e mulheres.
MATO GROSSO
MATO GROSSO
CURURU
É uma dança realizada por homens que dançam para
homenagear os santos e citam passagens bíblicas.
Além disso, eles comentam acontecimentos
políticos e cumprimentam a população enquanto
dançam.
MATO GROSSO
MATO GROSSO
BOI-À-SERRA
Dança realizada no interior do estado durante festas e
o carnaval. O boi é feito pelos populares com o uso de
arames, tecidos, dentre outros. A pessoa que
representa o boi, o leva nas costas e sai pelas ruas
brincando e dançando.
MATO GROSSO
DANÇA DE SÃO GONÇALO
Essa dança é principalmente realizada na cidade de
São Gonçalo Beira Rio. O santo é considerado o
protetor dos curandeiros e responsável procurar
doenças nos ossos. Quando os pedidos dos fiéis são
atendidos, eles dançam em fileiras de homens e
mulheres que marcam passos com pés e mãos. Pode
vir acompanhada de instrumentos musicais como
o cocho e o ganzá.
MATO GROSSO DO SUL
MATO GROSSO DO SUL
ENGENHO DE MAROMBA
Essa dança lembra um valseado e imita os passos
dados no engenho de cana. Há fileiras de homens e
mulheres que ficam rodando em sentido contrário. Os
versos cantados durante as coreografias são mais
tristes e, por isso, ela costuma ser executada no fim
das festas.
MATO GROSSO DO SUL
SARANDI
Também chamada de Cirandinha, essa dança é
caracterizada por pares que dão voltas e vão trocando
de duplas. A dança acaba quando todos os versos são
cantados por todos os homens da roda.
MATO GROSSO DO SUL
CHUPIM
Essa dança é realizada com três pares e utiliza o ritmo
das danças paraguaias devido à proximidade com esse
país. O movimento feito pelo homem imita as asas do
pássaro, que tem o mesmo nome da dança, quando
ele tenta conquistar sua fêmea. São
utilizadas castanholas para dar o ritmo da dança que
utiliza os movimentos de tourear o par, dançar e
rodar.
MATO GROSSO DO SUL
PALOMITA
São casais que se revezam enquanto dançam músicas
de polca paraguaia ou chamamé.
MATO GROSSO DO SUL
POLCA DE CARÃO
É uma dança de salão que tem uma brincadeira
inserida no contexto. Cada um dos dançarinos deve
levar um carão, ou seja, ser esnobado pelo seu par. A
dança continua até todos eles terem passado por essa
situação.
BRASILIA
BRASILIA
QUADRILHA
Uma das danças mais comuns da capital do país são
as quadrilhas. A cidade não tem muitas raízes na
dança, pois grande parte de sua população nasceu em
outros estados. Com tanta diversidade, Brasília recebe
influências de vários ritmos. O forró, o bumba-meu-
boi e o samba também animam que vive no Distrito
Federal.
BRASILIA
RIO DE JANEIRO
RIO DE JANEIRO
SAMBA
O samba é uma dança e gênero musical trazido pelos
negros para o Brasil. Inicialmente, ele chegou à
Bahia e depois ganhou mais espaço e reconhecimento
em outros estados brasileiros e, principalmente, no
Rio de Janeiro. Foi nessa localidade que ele passou a
agregar outras danças em suas características como o
maxixe, a polca e o xote.
RIO DE JANEIRO
XIBA
A xiba é executada com o uso de tamancos específicos
e há a formação de círculo duplo formado por homens
e mulheres. As mulheres cantam repentes e os
homens batem os tamancos que fazem muito
barulho.
RIO DE JANEIRO
ESPIRITO SANTO
ESPIRITO SANTO
DANÇA DO TAMANDUÁ
Homens e mulheres formam uma roda com uma
pessoa no centro e realizam coreografias de acordo
com o que é executado por quem está no meio. As
músicas que embalam os dançarinos são improvisadas
e começam com um cantador.
ESPIRITO SANTO
MINAS GERAIS
MINAS GERAIS
CAXAMBU
Essa dança é realizada por homens e mulheres que
não necessitam estar em duplas. É formada uma roda
e uma pessoa fica no centro executando coreografias.
São diversos cantos entoados com a ajuda de
tambores feitos com troncos de árvores.
MINAS GERAIS
MINEIRO-PAU
É realizada por homens de todas as idades que
usam bastões de madeira. Os dançarinos alternam
entre círculos e fileiras e dançam ao som das batidas
no chão. Essas batidas recebem o nome de 'batida de
quatro', 'batida no alto', 'batida embaixo, dentre
outras.
MINAS GERAIS
SÃO PAULO
SÃO PAULO
JONGO
Essa dança é uma herança dos negros e é marcada por
formar uma roda de homens e mulheres. Um solista
canta uma canção e as outras pessoas batem palmas e
fazem movimentos. Os instrumentos
musicais utilizados são tambores e chocalhos.
SÃO PAULO
PARANÁ
PARANÁ
PAU-DE-FITAS
O pau-de-fitas foi trazido pelos alemães que
aportaram na região sul do Brasil. Um mastro de
aproximadamente três metros é fincado no chão com
diversas fitas coloridas atreladas a ele. Os dançarinos
devem estar em número par e cada um segura uma
fita para girar ao redor do mastro. No decorrer dos
passos da dança, vão se formando desenhos com as
tranças das fitas. A dança é acompanhada por músicas
provenientes de instrumentos como o cavaquinho,
pandeiro, acordeão e violão.
PARANÁ
PARANÁ
FANDANGO
Esse estilo de dança tem origem ibérica e foi trazida
pelos portugueses para as regiões de litoral do Paraná.
No Brasil, recebeu influências dos índios e o fandango
também pode ser encontrado nos estados
de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. São
utilizados instrumentos como violas, pandeiro e uma
rabeca enquanto a letra é improvisada. Os dançarinos
fazem uma roda e dançam com passos valsados e o
ritmo é seguido com palmas e com as batidas dos pés.
PARANÁ
RIO GRANDE DO SUL
RIO GRANDE DO SUL
CHIMARRITA
Dança típica de Portugal, foi trazida por eles para o
Brasil durante o século XIX. Inicialmente, a dança era
realizada com os casais juntos dançando algo parecido
com as valsas. Depois, as duplas passaram a dançar
em várias direções e mais separados. Em algumas
partes, eles dançam juntos no passo bem conhecido
que é o dois pra lá e dois pra cá. A partir de alguns
movimentos, o homem, chamado de peão, e a mulher,
que recebe o nome de prenda, podem flexionar
levemente os joelhos durante os passos.
RIO GRANDE DO SUL
RIO GRANDE DO SUL
MILONGA
Essa dança também é popular na Argentina e no
Uruguai. No Rio Grande do Sul, ela recebe a
companhia da viola e de outros instrumentos
musicais. A milonga gaúcha lembra os passos do
tango e é bem mais lenta e romântica. Ela pode ser
dançada de três formas: havaneirada (seguindo os
passos da vaneira), tangueada (dança no ritmo de
marcha) e riograndense (dança com passos dois e um.
RIO GRANDE DO SUL
VANEIRÃO/VANEIRA/VANEIRINHA
É um ritmo bastante comum no estado e tem suas
origens na cidade de Havana, em Cuba. Sua influência
incidiu não só sobre o Rio Grande do Sul como
também nos sambas do Rio de Janeiro. O nome da
dança se altera conforme o ritmo, pois se ele for lento
recebe o nome de Vaneirinha, rápido, Vaneirão e
moderado, Vaneira. Os passos são realizados com dois
pra lá e dois pra cá, sendo que são alternados com
quatro movimentos de cada lado.
RIO GRANDE DO SUL
RIO GRANDE DO SUL
CHULA
Dança que é praticada só por homens e representa
um desafio. Uma lança é colocada no chão e três
homens em suas extremidades. Eles sapateiam de
diversas formas e, após realizar uma sequência de
passos, outro dançarino vai executar os movimentos e
deve realizar de forma mais difícil que o anterior.
Tudo isso acontece sob a música de uma gaita gaúcha.
O dançarino que vence o desafio é aquele que realiza
uma coreografia mais difícil que os companheiros,
quando encosta na vara ou quando por algum motivo
perde o ritmo
RIO GRANDE DO SUL
RIO GRANDE DO SUL
PEZINHO
O Pezinho tem origens portuguesas e conseguiu
atrair adeptos no Rio Grande do Sul e em Santa
Catarina. Além de dançar, os dançarinos devem
cantar no ritmo da música que acompanha os passos.
A coreografia se altera entre passos ritmados pelos pés
e as duplas que rodam em torno de si.
SANTA CATARINA
SANTA CATARINA
BOI DE MAMÃO
Essa dança também é conhecida como bumba-meu-
boi, boi-bumbá, boi-de-cara-preta, dentre outros. Em
Santa Catarina, a dança apresentada durante a
encenação é mais alegre e brincalhona do que as que
são apresentadas na região norte e região nordeste.
SANTA CATARINA
DANÇA DO VILÃO
É uma das danças que faz parte do folclore de Santa
Catarina. São diversos componentes, balizadores,
batedores e músicos, ou seja, muito semelhante a que
é dançada no estado de Goiás. Com os bastões, os
integrantes realizam batidas e giram entre si. O
movimento proporcionado pelo vai e vem
dos bastões deixa a coreografia mais bonita.
SANTA CATARINA
BALAINHA
Também recebe o nome de Arcos Floridos ou
Jardineira e os casais seguram um arco florido. É
formada uma fila e as duplas vão passando os arcos
por cima e por baixo dos demais casais. Depois, são
executados outros passos com formação de grupos
com quatro pares e eles fazem uma roda para cruzar
seus arcos e formar as ”balainhas”.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a danasbrasileiras0-170415153903.pdf

Semelhante a danasbrasileiras0-170415153903.pdf (20)

AULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdfAULA SOBRE O SAMBA.pdf
AULA SOBRE O SAMBA.pdf
 
Carimbó
CarimbóCarimbó
Carimbó
 
Danças da região norte
Danças da região norte Danças da região norte
Danças da região norte
 
Danças regionais
Danças regionaisDanças regionais
Danças regionais
 
Samba fernanda e_larissa
Samba fernanda e_larissaSamba fernanda e_larissa
Samba fernanda e_larissa
 
Regiao norte 172 5
Regiao norte 172 5Regiao norte 172 5
Regiao norte 172 5
 
Danças Nordestinas - Kellyson Yalan
Danças Nordestinas - Kellyson YalanDanças Nordestinas - Kellyson Yalan
Danças Nordestinas - Kellyson Yalan
 
Dancas folcloricas
Dancas folcloricasDancas folcloricas
Dancas folcloricas
 
Danças existentes no brasil
Danças existentes no brasilDanças existentes no brasil
Danças existentes no brasil
 
Dancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasilDancas folcloricas do brasil
Dancas folcloricas do brasil
 
Carimbó
CarimbóCarimbó
Carimbó
 
Danças tradicionalistas do sul
Danças tradicionalistas do sulDanças tradicionalistas do sul
Danças tradicionalistas do sul
 
O som do nordeste
O som do nordesteO som do nordeste
O som do nordeste
 
21182.pptx
21182.pptx21182.pptx
21182.pptx
 
Dança
DançaDança
Dança
 
Dança
DançaDança
Dança
 
DANCAS
DANCASDANCAS
DANCAS
 
Trabalho de artes
Trabalho de artesTrabalho de artes
Trabalho de artes
 
DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRASDANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
DANÇAS FOLCLÓRICAS BRASILEIRAS
 
Herança cultural de Mato Grosso do Sul
Herança cultural de Mato Grosso do SulHerança cultural de Mato Grosso do Sul
Herança cultural de Mato Grosso do Sul
 

Mais de WeslleyDias8

PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdfWeslleyDias8
 
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdfWeslleyDias8
 
P21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdf
P21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdfP21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdf
P21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdfWeslleyDias8
 
2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdf
2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdf2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdf
2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdfWeslleyDias8
 
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfWeslleyDias8
 
DANÇA CONTEMPORÂNEA.pdf
DANÇA CONTEMPORÂNEA.pdfDANÇA CONTEMPORÂNEA.pdf
DANÇA CONTEMPORÂNEA.pdfWeslleyDias8
 
Relatorio de desempenho EJA.docx
Relatorio de desempenho EJA.docxRelatorio de desempenho EJA.docx
Relatorio de desempenho EJA.docxWeslleyDias8
 
PLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docx
PLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docxPLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docx
PLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docxWeslleyDias8
 
PORTFÓLIO ARTE 1.docx
PORTFÓLIO ARTE 1.docxPORTFÓLIO ARTE 1.docx
PORTFÓLIO ARTE 1.docxWeslleyDias8
 
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdfApostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdfWeslleyDias8
 
A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...
A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...
A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...WeslleyDias8
 
PLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docx
PLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docxPLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docx
PLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docxWeslleyDias8
 
ppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptx
ppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptxppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptx
ppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptxWeslleyDias8
 
Plan. 6º ANO - 2023.docx
Plan. 6º ANO - 2023.docxPlan. 6º ANO - 2023.docx
Plan. 6º ANO - 2023.docxWeslleyDias8
 
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docx
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docxPLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docx
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docxWeslleyDias8
 
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docxPLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docxWeslleyDias8
 
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfWeslleyDias8
 
ADAPTADA ELIENE 7.docx
ADAPTADA ELIENE 7.docxADAPTADA ELIENE 7.docx
ADAPTADA ELIENE 7.docxWeslleyDias8
 
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdf
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdfPLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdf
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdfWeslleyDias8
 

Mais de WeslleyDias8 (20)

PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_LINGUA_PORTUGUESA.pdf
 
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdfPLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdf
PLANO_DE_CURSO_2022_ANOS_FINAIS_MATEMATICA.pdf
 
P21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdf
P21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdfP21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdf
P21_LPORTUGUESA_Miolo_001-416-falhas-corrigidas-.pdf
 
2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdf
2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdf2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdf
2_ANO_EM_CI_NATUREZA_PLANO_DE_CURSO_2024_ENSINO_MEDIO.pdf
 
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdfARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
ARTE AFRICANA 7º ANO (1).pdf
 
DANÇA CONTEMPORÂNEA.pdf
DANÇA CONTEMPORÂNEA.pdfDANÇA CONTEMPORÂNEA.pdf
DANÇA CONTEMPORÂNEA.pdf
 
Relatorio de desempenho EJA.docx
Relatorio de desempenho EJA.docxRelatorio de desempenho EJA.docx
Relatorio de desempenho EJA.docx
 
PLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docx
PLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docxPLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docx
PLANO INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA - ARTE.docx
 
PORTFÓLIO ARTE 1.docx
PORTFÓLIO ARTE 1.docxPORTFÓLIO ARTE 1.docx
PORTFÓLIO ARTE 1.docx
 
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdfApostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
Apostila Praticar a Arte - Volume 7 - Caça-palavras (2).pdf
 
A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...
A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...
A Arte Pré-Histórica - Coleção Praticar a Arte - Professor Fabrício Secchin -...
 
PLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docx
PLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docxPLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docx
PLAN SEQU DIDÁTICA ARTE 2º B 2023.docx
 
ppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptx
ppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptxppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptx
ppt-saucc81de-da-populaccca7acc83o-negra.pptx
 
Plan. 6º ANO - 2023.docx
Plan. 6º ANO - 2023.docxPlan. 6º ANO - 2023.docx
Plan. 6º ANO - 2023.docx
 
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docx
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docxPLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docx
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 - PRONTO 22222.docx
 
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docxPLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
PLANEJAMENTO DE ARTE 2023.docx
 
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdfhistriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
histriadoteatro-130412130611-phpapp02.pdf
 
PLANO BNCC 3.pdf
PLANO BNCC 3.pdfPLANO BNCC 3.pdf
PLANO BNCC 3.pdf
 
ADAPTADA ELIENE 7.docx
ADAPTADA ELIENE 7.docxADAPTADA ELIENE 7.docx
ADAPTADA ELIENE 7.docx
 
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdf
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdfPLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdf
PLANEJAMENTO SEMANAL 6º ANO 2023 -.pdf
 

Último

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 

danasbrasileiras0-170415153903.pdf

  • 3. AMAZONAS CAMALEÃO Essa dança utiliza pares separados, que fazem uma coreografia com passos distintos, chamados de jornadas. São duas fileiras de mulheres e homens, realizando diversos passos, os quais terminam no passo inicial. As roupas também são importantes; os homens usam fraque de abas, colete, meias longas, gravata e sapato preto. Já para as mulheres, a vestimenta é composta por saias longas, meias brancas, sapatos e blusas folgadas. A música que embala os dançarinos utiliza o violão, cavaquinho e rabeca.
  • 4. AMAZONAS DANÇA DO MAÇARICO Essa dança é constituída de dançarinos em duplas que fazem cinco movimentos durante a Dança do Maçarico: Charola, Roca-roca, Repinico, Maçaricado e 'Geleia de Mocotó'. Os passos variam entre lentos e ligeiros e a umbigada. As músicas que embalam os dançarinos são tocadas com a ajuda da viola, tambores, rabeca e sanfonas.
  • 5. AMAZONAS DESFEITERA Essa dança é constituída de pares que dançam de forma livre e os dançarinos devem apenas passar pelo menos uma vez na frente do grupo musical. Caso a banda encerre a música no momento em que um casal estiver passando, é feita a escolha do homem ou da mulher para que declame versos. Caso ele não consiga esse feito, a pessoa será vaiada e terá que pagar uma prenda, ou seja, será 'desfeitado'.
  • 7. PARÁ CARIMBÓ O nome da dança é de origem indígena com os nomes Curi, que significa pau oco, e M'bó, que significa furado. Os homens devem trajar uma calça curta no estilo pescador e uma camisa que contenha estampas. As mulheres utilizam uma saia rodada e com estampas, uma blusa, colares e flores presas aos cabelos. Os dançarinos a executam com os pés no chão. Os homens batem palmas para as dançarinas e isso é o indício de que elas estão sendo chamadas para dançar também. Em forma de roda, as mulheres balançam a saia para que ela atinja a cabeça de seu parceiro. O ato é realizado no intuito de humilhar o homem para que ele saia da dança. Um dos momentos mais importantes ocorre quando cada casal vai para o centro da roda e o homem deve apanhar um lenço com a boca, que foi jogado no chão pelo seu par. Se o feito for satisfatório, ele recebe aplausos. Caso ele não consiga, a mulher joga a saia em seu rosto e ele deve sair da dança.
  • 9. PARÁ MARAMBIRÉ Essa dança é considerada uma representante da alegria dos negros no Brasil após a Abolição da Escravidão. Ela é caracterizada por uma marcha que mescla a religião e o profano. Ela é realizada por duplas e sempre aparece durante os festivais no estado.
  • 10. PARÁ LUNDU MARAJOARA Tem origem africana e é muito sensual, pois a intenção dela é mostrar o convite do homem para ter um encontro sexual com a mulher. Primeiro, há uma recusa; porém, ele insiste e ela aceita. A Lundu Marajoara mostra o ato com o passo da umbigada, quando acontecem movimentos de dança mais sensuais. As mulheres utilizam saias coloridas e blusas rendadas. Já os homens vestem calças de preferência na cor branca. Essa dança também recebe a ajuda de instrumentos como o banjo, cavaquinho e clarinete.
  • 11. PARÁ MARUJADA A dança é uma homenagem a São Benedito e acontece em três ocasiões: Natal, dia de São Benedito e no dia 1º de janeiro. Os homens e mulheres que participam recebem o nome de marujos e marujas. Eles bailam pela cidade, reproduzindo o gesto de um barco na água. As mulheres ordenam a dança e os homens participam com os instrumentos musicais, como tambores e violinos.
  • 12. PARÁ
  • 13. ALAGOAS, BAHIA, CEARÁ, MARANHÃO, PARAÍBA, PERNAMBUCO, PIAUI, RIO GRANDE DO NORTE, SERGIPE
  • 14. NORDESTE FORRÓ O forró é um estilo de dança e gênero musical influenciado por africanos e europeus, fruto de ritmos musicais tais como baião, xote e xaxado. É uma das danças típicas mais populares do Brasil, relacionada à região nordeste que extraiu e espalhou para o país os embalos de um ritmo ora lento, ora rápido, recheado de instrumentos como o triângulo, a sanfona e a zabumba. Comemora-se o Dia Nacional do Forró em 13 de dezembro com festas relacionadas à data.
  • 15. NORDESTE QUADRILHA Esta é uma dança típica da época de festa junina, onde um animador vai anunciando frases, e marcando os momentos da dança, e os casais de dançarinos, vestem roupas típicas da cultura caipira, como camisas e vestido xadrez, e chapéu de palha. Os dançarinos realizam uma coreografia especial, e muito animada, com muitos movimentos coreografados, e as músicas de festa junina são parecidas com marchinhas, mas nada semelhante com as marchinhas de carnaval. As mais conhecidas são: Capelinha de Melão, Pula Fogueira e Cai, Cai balão.
  • 17. NORDESTE BUMBA MEU BOI Bumba-meu-boi, Boi-bumbá ou Pavulagem é uma dança do folclore popular brasileiro, com personagens humanos e animais fantásticos, que gira em torno da morte e ressurreição de um boi. Como dança dramática, o bumba-meu-boi adquiriu, com a passagem dos anos algumas cateterísticas dos autos medievais, o que lhe dá o caráter de veículo de comunicação.
  • 19. NORDESTE XAXADO Xaxado é uma dança popular brasileira originada nas regiões do agreste e do sertão nordestino. Era muito praticada pelos cangaceiros da região, quase sempre, em celebração às suas vitórias. O nome é derivado ao barulho das sandálias dos cangaceiros contra a areia do sertão. Xaxado é uma dança de guerra e de entretenimento, criada pelos cangaceiros de Lampião.
  • 21. NORDESTE COCO Também pode ser chamada de pagode, bambelô e zambê. Os homens e mulheres que participam fazem uma roda e apenas uma pessoa fica no centro. A dança utiliza instrumentos musicais como os ganzás, pandeiros e caixas. Os dançarinos realizam passos ritmados e utilizam batidas e umbigadas durante a dança. As pessoas dançam e cantam músicas como as emboladas e as sextilhas.
  • 23. BAHIA
  • 24. BAHIA MACULELÊ Dança executada por homens que dançam e cantam sob o comando de um mestre chamado ”macota”. Surgiu no período colonial para comemorar a boa fase de colheita. Essa dança também usa bastão e os instrumentos utilizados são os atabaques, pandeiros e violas. As músicas começam com o mestre e os outros respondem em coro.
  • 25. BAHIA CAPOEIRA A Capoeira chegou no século XVI ao Brasil, com os escravos africanos. Sua prática era aplicada com os pés e a cabeça para defenderem-se dos europeus, lutavam com as mãos, tanto para o ataque quanto para defesa. A capoeira foi camuflada na forma de pantomimas mímicas e danças, para evitar a repressão dos senhores de escravos e da polícia. Sempre ao som da música de berimbaus, da boca e das palmas, sua prática tornou-se popular em todo o país.
  • 27. BAHIA SAMBA O samba é uma dança e gênero musical trazido pelos negros para o Brasil. Inicialmente, ele chegou à Bahia e depois ganhou mais espaço e reconhecimento em outros estados brasileiros e, principalmente, no Rio de Janeiro.
  • 28. BAHIA SAMBA DE RODA Surgiu na Bahia e é uma das vertentes do samba. Os dançarinos ficam em uma roda e entoam cantos e batem palmas. São usados instrumentos como o berimbau, atabaques, chocalhos e pandeiros.
  • 29. BAHIA SAMBA DE RODA O samba teria surgido por inspiração, sobretudo, de um ritmo africano, o semba, e teria sido formado a partir de referências dos mais diversos ritmos tribais africanos. O Samba de Roda, no Recôncavo Baiano, designa uma mistura de música, dança, poesia e festa. Presente em todo o Estado da Bahia, o Samba de Roda é praticado, principalmente, na região do Recôncavo.
  • 30. BAHIA
  • 32. SERGIPE FOLGUEDO SÃO GONÇALO O folguedo tem origem portuguesa o que é percebido na fé, no ritual e no tema. Porém a influência africana é visível na musicalidade e coreografia, marcada com os pés, além dos volteios, avanços e recuos ritmicamente cadenciados pela batucada sincopada. Essa influência étnica nos mostra que, embora de origem portuguesa, no Brasil o folguedo foi dançado por negros, como é possível constatar sua existência com marcante domínio quilombola, remanescentes dos escravos refugiados no quilombo da Mussuca, comunidade de Laranjeiras/Sergipe.
  • 34. SERGIPE FOLGUEDO CACUBIM MIRIM Folguedo popular típico de ciclo natalino. É uma variante de “autos” e “bailados” como a Congada e o Reisado. É uma manifestação coreográfica de bailado rico e brejeiro. O objetivo do folguedo é a louvação aos Santos padroeiros dos africanos: São Benedito e Nossa Senhora do Rosário.O folguedo que conhecemos em Sergipe por Cacumbi é chamado de Ticumbi no Espírito Santo (Conceição da Barra).
  • 36. SERGIPE BACAMARTEIROS Dança popular de origem africana, com influência indígena. É tipicamente resultante da necessidade de diversão por parte dos escravos, nas noites de São João. Embora mantidos no cativeiro, os escravos ficavam de folga nos momentos festivos da casa grande. Aí então eles podiam fazer sua própria festa e, para isso, recorriam ao saber acumulado
  • 39. ALAGOAS PASTORIL É o mais conhecido e difundido folguedo de Alagoas. É uma fragmentação do presépio, sem os textos declamados e sem diálogos, constituídos apenas por jornadas soltas, canções e danças religiosas ou profanas de épocas e estilos variados. Como os presépios, origina se de autos portugueses antigos, guardando a estrutura dos Noéis de Provença, França.
  • 41. PIAUI
  • 42. PIAUI MARUJADA A dança representa uma história onde uma nau fica perdida e consegue ser encontrada com a ajuda de Nossa Senhora. Além disso, aparecem na Marajuda informações sobre a Península Ibérica. São dois cordões de dançarinos que seguem o ritmo como se estivessem no balanço do mar e durante a quebra das ondas. Todos se vestem de marinheiro e batem em uma espécie de lata enquanto dançam.
  • 43. PIAUI REISADO Dança típica de todo o estado do Piauí, é festejada a partir do Natal até o dia de Reis. São cerca de seis pessoas mascaradas que deixam a dança mais animada e alegre. Todos cantam ao som de uma música para chegada e despedida. São vários personagens como a Caipora, o Jaraguá, a Burrinha e a Cigana que vão dançando e se apresentado durante o Reisado. Além disso, ela é acompanhada de instrumentos (violão, sanfona, banjos, etc.).
  • 44. PIAUI
  • 45. PIAUI CAVALO PIANCÓ É realizada com casais que ficam em círculos para imitar o trote do cavalo. São diversos passos que alternam a velocidade entre moderado e rápido. Como as músicas podem ser improvisadas, a coreografia pode ser alterada por isso.
  • 47. CEARÁ TORÉM É uma dança de origem indígena, composta por 20 pessoas, homens e mulheres, que se movimentam sob o ritmo aguaim. É designado também um chefe para o grupo.
  • 48. CEARÁ CANINHA VERDE Com origem em Portugal, esse ritmo chegou ao Brasil no período dos engenhos de açúcar. Essa dança é muito comum nas colônias de pescadores e tem entre seus passos a figura do casamento dos sertanejos, os cordões e os mestres.
  • 49. CEARÁ CANINHA VERDE Consta de uma roda de homens e mulheres que cantam e dançam permutando de lugares e formando pares. Os textos cantados são tradicionais e circunstanciais, acompanhados por viola, violão e pandeiro.
  • 51. CEARÁ MANEIRO-PAU Essa dança surgiu no interior do Ceará, provavelmente por influência dos cangaceiros. Os dançarinos portam pedaços de madeira que são batidos no chão seguindo o ritmo das músicas que são cantadas pelos participantes.
  • 53. MARANHÃO BAMBAÊ DE CAIXA Essa dança é mais encontrada nas cidades de Guimarães, São Bento, Cajapió e Penalva. Acredita-se que ela exista desde a época da escravidão, atualmente, ela é executada durante a festa do Divino Espírito Santo e para pagamentos de promessas. Na dança, há casais de dançarinas, de preferência 12 casais, que fazem uma roda com um deles dançando no meio. A dança pode ser executada por meio de vários passos e ritmos. Além disso, há passos conhecidos como siriri, mariquinha e catarina. Os casais podem estar de frente para o outro ou de costas.
  • 54. MARANHÃO CACURIÁ Essa dança surgiu nas comemorações do Divino Espírito Santo. Em duplas, é feita a formação de um círculo e são acrescentados instrumentos chamados caixas do Divino (pequenos tambores). A música é feita com versos improvisados no ritmo do carimbó do Maranhão. Além das caixas, a dança utiliza outros instrumentos como a flauta, o violão e o clarinete.
  • 55. MARANHÃO TAMBOR DE CRIOLA Essa dança é de origem africana e é realizada em prol de São Benedito, que é um santo bastante popular entre os negros. Os passos são descontraídos e além da devoção ao santo, a dança pode ser feita para comemorar uma festa de aniversário, a chegada de parentes, reunião de pessoas e nascimento de um bebê. Ela pode ser executada ao ar livre e os grupos têm passado a dançar o tambor de criola principalmente durante o Carnaval no Brasil e as festas juninas. As dançarinas buscam estar de saias rodadas e coloridas, blusas rendadas e com decotes e colares e pulseiras coloridas. Já os homens utilizam camisas com estampas e calça mais escura.
  • 56. MARANHÃO DANÇA DO CAROÇO Essa dança é de origem indígena e se concentra no Delta do Parnaíba. Pode ser realizada por qualquer pessoa e é acompanhada com tambores, cuícas e cabaça. Há os cantores e os dançarinos participam cantando o refrão. Os componentes do grupo dançam em forma de cordão e as mulheres utilizam vestidos brancos.
  • 58. PERNAMBUCO CAVALO MARINHO É uma dança de descendência portuguesa, que representa nos seus passos o cotidiano e os problemas enfrentados pelos trabalhadores dos engenhos de açúcar no Pernambuco e na Paraíba. Ela é realizada com a ajuda de instrumentos musicais como o pandeiro, a rabeca e o ganzá.
  • 59. PERNAMBUCO CABOCLINHOS Muito tradicional no estado,Caboclinhos é de origem indígena e há indícios de que é dançada desde o século XV. A música que acompanha os dançarinos é leve com o uso de instrumentos como o ganzá. Os passos de dança exigem rapidez, pois são bem elaborados e representam caçadas e colheitas.
  • 60. PERNAMBUCO MARACATU RURAL Outra dança de origem indígena que surgiu em engenhos de açúcar e canaviais. Ela representa os homens que plantam açúcar com a mistura de vários ritmos. Eles usam uma fantasia pesada e antes de começarem tomam uma bebida para animá-los que leva pólvora, cachaça e limão. As músicas entoadas durante a dança são improvisadas muitas vezes.
  • 62. PERNAMBUCO MAMULENGO Influenciada pela religião católica e pelos costumes europeus, essa dança buscava representar os personagens do presépio. Utiliza bonecos vazios por dentro sem a utilização de cordas, como acontece nos bonecos mais comuns. Como ele é movimentado com a mão recebeu o nome de mamulengo.
  • 63. PERNAMBUCO FREVO Essa dança pode ser encontrada em muitos estados do nordeste; porém, é mais significante em Pernambuco. O frevo surgiu da união de vários estilos brasileiros como a quadrilha, o maxixe e o galope. Ele pode ser executado por qualquer pessoa de idades distintas. As coreografias são variadas e exigem que o dançarino execute passinhos, rodopios, malabarismos e gingados. As mais executadas são: tesoura, dobradiça, pernada, carrossel, parafuso, dentre outras. O frevo é considerado Patrimônio Nacional Imaterial.
  • 65. RIO GRANDE DO NORTE
  • 66. RIO GRANDE DO NORTE ESPONTÃO Dança executada por homens que utilizam lanças e fazem uma coreografia que lembra as guerras. São utilizados tambores marciais, responsáveis pela musicalidade do Espontão. As coreografias mais usadas são recuos de defesa, saltos de ataque, acenos de guerreiro e ainda há os passos improvisados.
  • 68. PARAÍBA CIRANDA Dança desenvolvida por homens, mulheres e crianças. Os dançarinos formam uma grande roda e dão passos para dentro e para fora do círculo, provocando ainda um deslocamento do mesmo no sentido anti-horário. A música é executada por um grupo denominado “terno”, colocado no centro da roda, tocando instrumentos de percussão – bumbo, tarol, caixa, ganzá – e de sopro – pistons e trombone. As canções, tiradas pelo mestre- cirandeiro e respondidas pelo coro dos demais, têm temáticas que refletem a experiência de vida
  • 70. GOIÁS CATIRA É uma dança brasileira de origem desconhecida. Ela é realizada por homens que, estando em frente um para o outro, sapateiam e batem palmas no ritmo da viola. Primeiramente, o violeiro começa a dança e os homens que vão dançar fazem um passo que consiste em bater o pé e a mão e depois dar seis pulos. O violeiro passa a entoar a moda de viola e os homens continuam a executar os passos da dança, que recebem o nome de “Serra Abaixo” e “Serra Acima”. A Catira termina quando eles executam o passo chamado Recortado e as duas fileiras mudam de lugar, sendo que o violeiro passa de uma extremidade a outra.
  • 72. GOIÁS VILÃO Nessa dança, há uma divisão entre os dançarinos: há os batedores, balizadores, músicos, regente e o chefe do grupo. Os batedores são responsáveis por utilizar um bastão de madeira que são usados para bater no bastão dos outros dançarinos. A dança é realizada conforme o ritmo da música e o apito do regente. São diversas coreografias, finalizadas por movimentos bem rápidos.
  • 73. GOIÁS TAMBOR Os dançarinos formam uma roda e fica apenas uma pessoa no centro. Todos cantam e seguem o ritmo com a ajuda de um tambor. Os passos mais executados por eles são a Jiquiaia, o Serrador e Negro Velho. Os dançarinos vão trocando de posição para que todos possam passar pelo centro da roda.
  • 75. MATO GROSSO SIRIRI É uma das danças mais antigas do estado e pode ser dançada por homens e mulheres. São duplas que dançam em rodas ou fileiras e bailam com a ajuda de instrumentos como o mocho, o ganzá e o cocho. Primeiramente, os homens cantam o “baixão” e os outros batem palmas. Em fileiras, os participantes passam a fazer reverências, alternando entre homens e mulheres.
  • 77. MATO GROSSO CURURU É uma dança realizada por homens que dançam para homenagear os santos e citam passagens bíblicas. Além disso, eles comentam acontecimentos políticos e cumprimentam a população enquanto dançam.
  • 79. MATO GROSSO BOI-À-SERRA Dança realizada no interior do estado durante festas e o carnaval. O boi é feito pelos populares com o uso de arames, tecidos, dentre outros. A pessoa que representa o boi, o leva nas costas e sai pelas ruas brincando e dançando.
  • 80. MATO GROSSO DANÇA DE SÃO GONÇALO Essa dança é principalmente realizada na cidade de São Gonçalo Beira Rio. O santo é considerado o protetor dos curandeiros e responsável procurar doenças nos ossos. Quando os pedidos dos fiéis são atendidos, eles dançam em fileiras de homens e mulheres que marcam passos com pés e mãos. Pode vir acompanhada de instrumentos musicais como o cocho e o ganzá.
  • 82. MATO GROSSO DO SUL ENGENHO DE MAROMBA Essa dança lembra um valseado e imita os passos dados no engenho de cana. Há fileiras de homens e mulheres que ficam rodando em sentido contrário. Os versos cantados durante as coreografias são mais tristes e, por isso, ela costuma ser executada no fim das festas.
  • 83. MATO GROSSO DO SUL SARANDI Também chamada de Cirandinha, essa dança é caracterizada por pares que dão voltas e vão trocando de duplas. A dança acaba quando todos os versos são cantados por todos os homens da roda.
  • 84. MATO GROSSO DO SUL CHUPIM Essa dança é realizada com três pares e utiliza o ritmo das danças paraguaias devido à proximidade com esse país. O movimento feito pelo homem imita as asas do pássaro, que tem o mesmo nome da dança, quando ele tenta conquistar sua fêmea. São utilizadas castanholas para dar o ritmo da dança que utiliza os movimentos de tourear o par, dançar e rodar.
  • 85. MATO GROSSO DO SUL PALOMITA São casais que se revezam enquanto dançam músicas de polca paraguaia ou chamamé.
  • 86. MATO GROSSO DO SUL POLCA DE CARÃO É uma dança de salão que tem uma brincadeira inserida no contexto. Cada um dos dançarinos deve levar um carão, ou seja, ser esnobado pelo seu par. A dança continua até todos eles terem passado por essa situação.
  • 88. BRASILIA QUADRILHA Uma das danças mais comuns da capital do país são as quadrilhas. A cidade não tem muitas raízes na dança, pois grande parte de sua população nasceu em outros estados. Com tanta diversidade, Brasília recebe influências de vários ritmos. O forró, o bumba-meu- boi e o samba também animam que vive no Distrito Federal.
  • 91. RIO DE JANEIRO SAMBA O samba é uma dança e gênero musical trazido pelos negros para o Brasil. Inicialmente, ele chegou à Bahia e depois ganhou mais espaço e reconhecimento em outros estados brasileiros e, principalmente, no Rio de Janeiro. Foi nessa localidade que ele passou a agregar outras danças em suas características como o maxixe, a polca e o xote.
  • 92. RIO DE JANEIRO XIBA A xiba é executada com o uso de tamancos específicos e há a formação de círculo duplo formado por homens e mulheres. As mulheres cantam repentes e os homens batem os tamancos que fazem muito barulho.
  • 95. ESPIRITO SANTO DANÇA DO TAMANDUÁ Homens e mulheres formam uma roda com uma pessoa no centro e realizam coreografias de acordo com o que é executado por quem está no meio. As músicas que embalam os dançarinos são improvisadas e começam com um cantador.
  • 98. MINAS GERAIS CAXAMBU Essa dança é realizada por homens e mulheres que não necessitam estar em duplas. É formada uma roda e uma pessoa fica no centro executando coreografias. São diversos cantos entoados com a ajuda de tambores feitos com troncos de árvores.
  • 99. MINAS GERAIS MINEIRO-PAU É realizada por homens de todas as idades que usam bastões de madeira. Os dançarinos alternam entre círculos e fileiras e dançam ao som das batidas no chão. Essas batidas recebem o nome de 'batida de quatro', 'batida no alto', 'batida embaixo, dentre outras.
  • 102. SÃO PAULO JONGO Essa dança é uma herança dos negros e é marcada por formar uma roda de homens e mulheres. Um solista canta uma canção e as outras pessoas batem palmas e fazem movimentos. Os instrumentos musicais utilizados são tambores e chocalhos.
  • 105. PARANÁ PAU-DE-FITAS O pau-de-fitas foi trazido pelos alemães que aportaram na região sul do Brasil. Um mastro de aproximadamente três metros é fincado no chão com diversas fitas coloridas atreladas a ele. Os dançarinos devem estar em número par e cada um segura uma fita para girar ao redor do mastro. No decorrer dos passos da dança, vão se formando desenhos com as tranças das fitas. A dança é acompanhada por músicas provenientes de instrumentos como o cavaquinho, pandeiro, acordeão e violão.
  • 107. PARANÁ FANDANGO Esse estilo de dança tem origem ibérica e foi trazida pelos portugueses para as regiões de litoral do Paraná. No Brasil, recebeu influências dos índios e o fandango também pode ser encontrado nos estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul e São Paulo. São utilizados instrumentos como violas, pandeiro e uma rabeca enquanto a letra é improvisada. Os dançarinos fazem uma roda e dançam com passos valsados e o ritmo é seguido com palmas e com as batidas dos pés.
  • 110. RIO GRANDE DO SUL CHIMARRITA Dança típica de Portugal, foi trazida por eles para o Brasil durante o século XIX. Inicialmente, a dança era realizada com os casais juntos dançando algo parecido com as valsas. Depois, as duplas passaram a dançar em várias direções e mais separados. Em algumas partes, eles dançam juntos no passo bem conhecido que é o dois pra lá e dois pra cá. A partir de alguns movimentos, o homem, chamado de peão, e a mulher, que recebe o nome de prenda, podem flexionar levemente os joelhos durante os passos.
  • 112. RIO GRANDE DO SUL MILONGA Essa dança também é popular na Argentina e no Uruguai. No Rio Grande do Sul, ela recebe a companhia da viola e de outros instrumentos musicais. A milonga gaúcha lembra os passos do tango e é bem mais lenta e romântica. Ela pode ser dançada de três formas: havaneirada (seguindo os passos da vaneira), tangueada (dança no ritmo de marcha) e riograndense (dança com passos dois e um.
  • 113. RIO GRANDE DO SUL VANEIRÃO/VANEIRA/VANEIRINHA É um ritmo bastante comum no estado e tem suas origens na cidade de Havana, em Cuba. Sua influência incidiu não só sobre o Rio Grande do Sul como também nos sambas do Rio de Janeiro. O nome da dança se altera conforme o ritmo, pois se ele for lento recebe o nome de Vaneirinha, rápido, Vaneirão e moderado, Vaneira. Os passos são realizados com dois pra lá e dois pra cá, sendo que são alternados com quatro movimentos de cada lado.
  • 115. RIO GRANDE DO SUL CHULA Dança que é praticada só por homens e representa um desafio. Uma lança é colocada no chão e três homens em suas extremidades. Eles sapateiam de diversas formas e, após realizar uma sequência de passos, outro dançarino vai executar os movimentos e deve realizar de forma mais difícil que o anterior. Tudo isso acontece sob a música de uma gaita gaúcha. O dançarino que vence o desafio é aquele que realiza uma coreografia mais difícil que os companheiros, quando encosta na vara ou quando por algum motivo perde o ritmo
  • 117. RIO GRANDE DO SUL PEZINHO O Pezinho tem origens portuguesas e conseguiu atrair adeptos no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Além de dançar, os dançarinos devem cantar no ritmo da música que acompanha os passos. A coreografia se altera entre passos ritmados pelos pés e as duplas que rodam em torno de si.
  • 119. SANTA CATARINA BOI DE MAMÃO Essa dança também é conhecida como bumba-meu- boi, boi-bumbá, boi-de-cara-preta, dentre outros. Em Santa Catarina, a dança apresentada durante a encenação é mais alegre e brincalhona do que as que são apresentadas na região norte e região nordeste.
  • 120. SANTA CATARINA DANÇA DO VILÃO É uma das danças que faz parte do folclore de Santa Catarina. São diversos componentes, balizadores, batedores e músicos, ou seja, muito semelhante a que é dançada no estado de Goiás. Com os bastões, os integrantes realizam batidas e giram entre si. O movimento proporcionado pelo vai e vem dos bastões deixa a coreografia mais bonita.
  • 121. SANTA CATARINA BALAINHA Também recebe o nome de Arcos Floridos ou Jardineira e os casais seguram um arco florido. É formada uma fila e as duplas vão passando os arcos por cima e por baixo dos demais casais. Depois, são executados outros passos com formação de grupos com quatro pares e eles fazem uma roda para cruzar seus arcos e formar as ”balainhas”.