SlideShare uma empresa Scribd logo
HERMENEUTICA BÍBLICA
Pr. Juscelino Freitas Email: juscelinofreitas799@gmail.com
O QUE É HERMENEUTICA
 Vem do grego”hemeneuein” e significa :explicar
,traduzir ou explicar
 Pode ser definida como arte pois tenta descobrir o
que o texto significava para o autor
 Pode ser definida como ciência pois utiliza se de
formas técnicas de interpretação
ORIGEM DA HERMENEUTICA
 O primeiro a utilizar este termo foi Platão (440-399
a.c)
 O termo remete a Hermes "deus GREGO DA
COMUNICAÇÃO
 Depois passou a ser utilizado para interpretação
dos textos sagrados
A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA
 Ela se faz necessária e
importante devido
aos “abismos “ que se
interpõem entre o
leitor e o texto bíblico
QUAIS SÃO ESTES “ABISMOS”?
1-ABISMO HISTÓRICO:
O fato de estarmos largamente separados no tempo dos
escritores da bíblia.
2-ABISMO CULTURAL:
Grande diferença separa nos dos tempos bíblicos.
:
3-ABISMO LINGUÍSTICO:
As línguas em que a bíblia foi escrita varia da nossa tanto
em estrutura como em expressão idiomática
A bíblia foi escrita em hebraico, aramaico e grego.
Ex: Esdras fazendo hermenêutica para o povo depois do
cativeiro.
4-ABISMO FILOSÓFICO:
É a lacuna das opiniões acerca da vida ,das circunstancias
e da natureza que variam de acordo com a cultura de quem
a escreveu.
A IMPORTÂNCIA DA HERMENEUTICA
 Dá –se pela razão da bíblia ser escrita de
formas diferenciadas e a interpretação
correta evita distorções do texto ,diminuindo
as confusões ..
 A linguagem bíblica pode ser:
Literal ,figurada ou simbólica
INTERPRETAÇÃO DA BIBLIA
 Ainda que o leitor não disponha de tempo e
recursos para estudar as línguas originais
existem alguns materiais que podem ajudar
a ter alguma noção dos textos originais
FERRAMENTAS AUXILIARES PARA NOÇÕES DOS
ORIGINAIS
INTERPRETAÇÃO DA BIBLIA
 Para uma melhor compreensão da bíblia é
bom que o estudante estude as suas línguas
originais, não que a falta deste conhecimento
impedirá o entendimento correto, mas
aprofundará sua percepção do autor..
EXEGESE
 Uma ciência coirmã da hermenêutica
é a exegese, palavra grega que
significa “extrair” “tirar para fora”, assim
faz um bom leitor das escrituras, extrai
a verdade do texto, ao contraio da
“eisegese” que significa “para dentro”
A IMPORTÂNCIA DA HERMENÊUTICA
 Ela é importante pois estabelece regras para elucidar
o texto
 “Sendo a bíblia divina ,precisamos da iluminação do
espirito para entendê-la, sendo livro precisamos de
obedecer as regras para interpretá-la.”
REGRAS PARA INTERPRETAÇÃO DA BIBLIA
Antes de tomar as conclusões verifique
seu contexto, ele pode ser:
 a- IMEDIATO = Aquilo que está bem próximo
do texto
 b- REMOTO = Pode ser o capitulo(s)
anterior(es) ou posterior(es)
(Lembre–se: texto fora do contexto vira pretexto
para heresia, ou para obrigar a bíblia dizer o
que não está dizendo.
OS VÁRIOS TIPOS DE CONTEXTO
 Além do já mencionado iremos verificar
outros tipos de contextos, os quais o leitor
deve considerar para uma real
compreensão do texto:
CONTEXTO LITERÁRIO
 O contexto literário de qualquer versículo é o
parágrafo do qual faz parte, a seção do
qual o parágrafo é parte e o livro do qual a
seção é parte, o contexto definitivo de todo
texto é a bíblia.
CONTEXTO HISTÓRICO
 Quando fato está acontecendo?
Onde na história a passagem se
encaixa? O que está acontecendo na
mesma época? Quais são as
influencias sociais e politicas neste
tempo?
CONTEXTO CULTURAL
 A cultura tem poderosa influencia sobre
todas formas de comunicação, as culturas
dos tempos bíblicos tiveram influencia na
criação da bíblia;
 Estude-as e então terás maior informação
do que se tem a princípio numa primeira
leitura.
SUGESTÃO DE LIVROS
CONTEXTO GEOGRÁFICO
 A investigação deste contexto responderá
muitas perguntas e ampliará a visão do que
o texto está afirmando.
 Ex: Como era o terreno? Quais eram as
distancias? De que lugar o autor está
falando? Como era a cidade? Seu
tamanho? E etc..
SUGESTAO DE LIVROS
SUGESTÃO DE LIVROS
CONTEXTO TEOLÓGICO
 Onde a passagem se encaixa com o resto
das escrituras;
 Coerência teológica.
MAIS REGRAS
 “Estude a bíblia partindo do pressuposto
que ela é a autoridade máxima em
questão de religiao,fé e doutrina”
 “Não se esqueça de que a bíblia interpreta
a própria bíblia”
 “Os exemplos bíblicos só tem
autoridade prática quando
amparados por uma ordem que os
faça universal.”
 “Os princípios e propósitos das escrituras é
mudar as nossas vida s e não aumentar nosso
conhecimento”
 “Você precisa compreender
gramaticalmente a bíblia antes de
compreendê-la teologicamente”
 Entenda que embora toda escritura seja útil,
nem toda a escritura é uma doutrina ou
mandamento para si.
ERROS GERALMENTE COMETIDOS
 Por desconsiderarem alguns princípios,
algumas pessoas cometem erros ao se
depararem com alguma dificuldade bíblica.
 VEJAMOS :
ASSUMIR QUE O QUE NÃO FOI
EXPLICADO SEJA INEXPLICAVEL
 Nenhuma pessoa instruída alegaria ser
capaz de explicar completamente
todas as dificuldades bíblicas.
Contudo, é um erro o crítico pressupor
que o que não foi ainda explicado
nunca o será.
PRESUMIR QUE A BÍBLIA É CULPADA ATÉ
QUE HAJA PROVA EM CONTRARIO
 Muitos críticos presumem que a Bíblia
está errada, até que algo venha
provar que ela está certa. Contudo,
como acontece com qualquer
cidadão acusado de um crime, a
Bíblia deve ser tida como "inocente",
até que haja a prova da culpa
CONFUNDIR NOSSA FALÍVEIS
INTERPRETAÇÕES COM A INFALÍVEL
REVELAÇÃO DE DEUS
 Jesus afirmou que "a escritura não pode falhar" (Jo
10:35). Sendo um livro infalível, a bíblia é também
irrevogável. Jesus declarou: "porque em verdade vos
digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um
til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra" (Mt
5:18, cf. Lc 16:17). As escrituras têm ainda a autoridade
final, sendo a última palavra acerca de tudo que ela
aborda. Jesus valeu-se da bíblia para resistir ao
tentador (Mt 4:4,7,10); para resolver discussões
doutrinárias (Mt 21:42); e para sustentar a sua
autoridade (Mc 11:17).
FALHAR NA COMPREENSÃO DO
CONTEXTO DA PASSAGEM
 Talvez o erro mais comum dos críticos seja o
de tirar um texto de seu próprio contexto.
Como diz o adágio: "um texto fora de
contexto é simplesmente um pretexto". Tudo
se pode provar, a partir da bíblia, por meio
desse procedimento errôneo.
 Ex: “Dá a quem te pede" (Mt 5:42)
DEIXAR DE INTERPRETAR AS PASSAGENS
DIFÍCEIS A LUZ DAS QUE SÃO CLARAS
 Algumas passagens das Escrituras são de
difícil compreensão. Às vezes a dificuldade é
por serem obscuras. Outras vezes a
dificuldade está em que uma passagem
parece estar ensinando algo contrário ao
que uma outra parte da Escritura ensina
com clareza .
ESQUECER SE QUE A BIBLIA É UM LIVRO
HUMANO COM CARACTERÍSTICAS
HUMANAS
 Exceto pequenas seções, tal como os dez
mandamentos, que foram escritos "pelo dedo
de Deus" (Ex 31:18), a bíblia não foi
verbalmente ditada. Seus escritores não
foram secretários do Espírito Santo. Eles foram
autores humanos, que empregaram estilos
literários próprios. EX: JS 1.15
ASSUMIR QUE DIFERENTES NARRAÇÕES
SEJAM FALSAS
 Pelo simples fato de divergirem entre si duas ou
mais narrações do mesmo acontecimento, isso
não significa que elas sejam mutuamente
exclusivas. Por exemplo, Mateus (28:5) diz que
havia um anjo junto ao túmulo de Jesus depois
da ressurreição, ao passo que João nos
informa de que havia dois (20:12). Não há,
porém, nenhuma contradição. De fato, há
uma infalível regra matemática que facilmente
explica este problema: onde quer que haja
dois, sempre há um - e nisso não existe erro!
Mateus não diz que havia apenas um anjo
OUTRO EXEMPLO
 De igual forma, Mateus (27:5) nos informa de
que judas enforcou-se. Mas Lucas diz que
judas, "precipitando-se, rompeu-se pelo meio,
e todas as suas entranhas se derramaram" (At
1:18). Uma vez mais, estes dois relatos diferem
entre si, mas não são mutuamente exclusivos.
Se judas enforcou-se numa árvore à beira de
um penhasco, e se o seu corpo caiu em
pontudas rochas embaixo, então suas
entranhas se derramaram para fora, da
maneira como tão bem Lucas descreve.
PRESUMIR QUE A BIBLIA APROVA TUDO
QUE REGISTRA
 É um erro admitir que tudo o que a bíblia contém seja
recomendado por ela. Toda a bíblia é verdadeira (Jo
17:17), mas ela registra algumas mentiras, como por
exemplo as de satanás (Gn 3:4; conforme Jo 8:44) e a
de Raabe (Js 2:4). A inspiração está sobre toda a
bíblia de forma tão completa e abrangente que ela
registra com exatidão e verdade até mesmo as
mentiras e os erros dos que pecaram. A verdade, na
bíblia, encontra-se no que ela revela, não em tudo
que ela registra. Sem que se faça esta distinção,
pode-se concluir de maneira errada que a bíblia
ensina imoralidade, porque ela narra o pecado de
Davi (2 Sm 11:4); ou que ela promove a poligamia,
porque registra o caso de Salomão (1 Rs 11:3)
CONFUNDIR AFIRMAÇOES GERAIS COM
UNIVERSAIS
 O livro de Provérbios é um bom exemplo de
casos assim. Dizeres proverbiais, por sua própria
natureza, dão-nos apenas uma direção, e não
uma certeza aplicável a todos os casos. São
regras para a vida, mas regras que admitem
exceções , Outro exemplo de uma verdade
geral é Provérbios 22:6: "Ensina a criança no
caminho em que deve andar, e ainda quando
for velho não se desviará dele". Entretanto,
outras passagens da Bíblia nos mostram que isto
nem sempre é verdade. De fato, alguns
homens piedosos na Bíblia (inclusive Jó, Elí e
Davi) tiveram filhos perversos
FRASE DE LUTERO
 “Quando encontro
alguma contradição
na bíblia, chego a
seguinte conclusão:
ou é um erro do
copista, ou tradução
mal feita do original
ou eu mesmo que não
consigo entender”
SIMBOLISMOS E TIPOLOGIAS DA BIBLIA
 Os símbolos: a bíblia é riquíssima deles, é
muito importante o leitor da bíblia
familiarizar-se com os tais, pois quando eles
aparecem no texto trazem verdades
profundas.
 Ex: Serpente, pomba, águia, arco-íris, agua,
fogo, vento e etc...
TIPOLOGIA
 O QUE É :
 Objeto que serve de modelo, figura, exemplo, sinal
ou sombra.
 A palavra grega tupos no NT aparece pela primeira
vez no texto de João 20.2.5 como sinal, "disseram-lhe,
então, os outros discípulos: vimos o senhor. Mas ele
respondeu: se eu não vir nas suas mãos o sinal dos
cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão
no seu lado, de modo algum acreditarei". Aqui a
palavra sinal é tupos (tipo).
Um tipo deve indicar algo divinal. Como tal deve servir de
semelhança ao antítipo. Tanto o tipo quanto o antítipo são
preordenados como partes do programa da redenção. Só
Deus pode apontar os tipos.
Um tipo sempre prefigura algo do futuro. Um tipo bíblico
predito numa profecia possui a mesma substância e difere
somente na forma. E deve ser distinguido entre um símbolo
e um tipo. Um símbolo pode representar uma coisa do
presente ou do passado, e também do futuro.
Por exemplo: Os símbolos envolvidos na santa ceia
apontam para o passado, para o presente e para o futuro.
Um tipo sempre aponta para o futuro e deve conter um
elemento profético ou preditivo em si.
EXEMPLOS:
Serpente, pomba, águia, arco-íris, água, fogo,
vento e etc...
TIPOLOGIA BIBLIA
 Tipo-Objeto que serve de modelo, figura, exemplo,
sinal ou sombra.
1) A palavra grega tupos no NT aparece pela primeira vez no texto
de João 20.2.5 como sinal, "Disseram-lhe, então, os outros
discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas
suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a
mão no seu lado, de modo algum acreditarei". Aqui a palavra sinal
é tupos (tipo).
2) Aparece como exemplos em 1 Coríntios 10.6 onde diz: "Ora, estas
coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não
cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram".
Quais Os Sentidos De Um Tipo?
Para que seja um tipo verdadeiro, devem-se buscar três qualidades essenciais:
Primeiro. Tem de ser um retrato fiel da pessoa ou coisa daquilo que representa ou
prefigura. Um tipo é o rascunho ou bosquejo da redenção, e deve ser bastante
claro para se assemelhar ao antítipo. Por exemplo, Arão é um tipo obscuro do
sumo sacerdote que aponta para o grande sumo sacerdote, Cristo, e o dia da
expiação em Israel uma figura ou retrato da obra expiatória de Cristo (Lv 16).
Segundo. Um tipo deve indicar algo divinal. Como tal deve servir de semelhança ao
antítipo. Tanto o tipo quanto o antítipo são preordenados como partes do
programa da redenção. Só Deus pode apontar os tipos.
Terceiro. Um tipo sempre prefigura algo do futuro. Um tipo bíblico predito numa
profecia possui a mesma substância e difere somente na forma. E deve ser
distinguido entre um símbolo e um tipo. Um símbolo pode representar uma coisa
do presente ou do passado, e também do futuro.
TIPOS HUMANOS DE CRISTO
 Adão
 Abel
 Melquisedeque
 Isaque
 Sansao
 Moises
 José
 Jonas
TIPOS NÃO HUMANOS DE CRISTO
 Arca de Noé
 A rocha de Horebe
 Todo o tabernáculo
 Todo o sistema levítico de culto
 Serpente de metal
 Pão e vinho...
 Etc....
 Obs: além dos tipos de cristo existem outros
tipos, Ex: da igreja, do espirito santo e etc...
NUMEROLOGIA BIBLICA
 A bíblia é farta na citação de números,
 Existe um livro com este nome para mostrar
que são importantes.
 Eles revelam algo sobre a sabedoria de Deus.
 Obs: não reconhecemos nenhum misticismo a
respeito deste assunto, apenas servem de
significância espiritual em nosso entender.
ALGUNS NUMEROS E SEUS SIGNIFICADOS:
 UM. Trata de Unidade (Ef 4.4-6) e começo. As
primeiras ocorrências de palavras ou expressões
mostram sua essência espiritual quando
interpretados.
 DOIS. Diferença. Quando duas pessoas totalmente
diferentes concordam e testificam sobre algo e
decisivo numa decisão. Do contrario, dois implica em
oposição, inimizade e divisão.
TRÊS. Completude, como três linhas que se completam e formam uma
figura geométrica. Assim, três fala da Importância da perfeição e
completudes divina.
O numero três fala também de testemunho ■ abundante.
1) Três definições sobre Deus: Deus e Espírito; Deus e luz; Deus e amor.
2) Três divisões do tabernáculo : O átrio, o santuário e o santo dos santos.
3) Três minerais usados na construção do tabernáculo: Ouro, prata e
bronze. O ouro representa o que e divino, puro, santo. A prata era usada
como moeda de compra, de redenção, e o bronze ou cobre fala do
juízo, que pode resistir ao fogo (Ap 1.15).
4) Três cores são mencionadas juntas: O azul, o púrpura e o vermelho.
5) Três acessos ao tabernáculo: O portão, a cortina da porta e o véu do
santuário.
6) Três lâmpadas: (a) A luz natural sobre o átrio; (b) a luz que vinha do
candelabro no santuário e (c) a luz da gloria shekinah no santo dos
santos.
7) Três grandes festas dos judeus: Páscoa, Pentecostes e
Tabernáculos.
8) Três líquidos usados no Tabernáculo: Sangue; água e
azeite.
9) Três tipos de sacrifícios eram oferecidos: (a) O touro; (b)
ovelhas ou carneiros; (c) pombas e rolinhas.
10) Três locais onde o sangue era aspergido: (a) O altar de
bronze que fala da cruz; (b) Sobre o altar de ouro (sua
intercessão); (c) O propiciatório (o trono de Deus).
11) Três vezes o Jordão foi dividido poderosamente: (a)
Quando Israel entrou em Canaã; (b) Quando Elias o
atravessou; (c) Quando Eliseu o atravessou.
12) Jonas ficou no ventre do peixe três dias (Jo 1.17).
13) Jesus esteve três dias no tumulo (Mt 12.40).
14) Os evangelhos registram Deus falando dos céus três
vezes: (a) No batismo de Jesus (Mt 3.17); (b) Na
transfiguração (Mt 17.5); (c) Antes da Páscoa (Jo
12.28).
15) Jesus ressuscitou três pessoas de entre os mortos: (a)
A filha de Jairo (Mc 5.22); o filho da viúva de Naim (Lc
7.14); (c) Lazaro (Jo 11.43).
16) Cristo foi crucificado na terceira hora (M 15.25).
17) A acusação contra Jesus foi escrita em três idiomas:
Hebraico; grego e latim (Lc 23.38; Jo 19.20).
18) As três partes de uma pessoa: Espirito, alma e corpo (1
Ts 5.23; Hb4.12).
 QUATRO:
Numero do governo do mundo
-Quatro pontos cardeais
-Quatro estações do ano
-Quatro canto da terra
-Quatro ventos
-Quatro governos munidas na bíblia: babilônio, medo –
persa, grego e romano
 CINCO:
Representa a graça de deus
-compõem a primeira categoria de livros da bíblia
-Davi apanhou cinco pedras
-cinco talentos
-cinco pães
-Cinco eram as virgens prudentes
 SEIS. É o número do homem. Fala da imperfeição.
- 0 homem foi criado no sexto dia; e a primeira
ocorrência do número faz dele e de seus múltiplos o
ponto alto de tudo o que diz respeito ao homem. O
homem trabalha seis dias.
-O homem foi feito ao sexto dia
- O número do Anticristo é este número três vezes..666
 SETE. Fala de perfeição .
-É o número de Deus
-Deus completou sua obra e descansou neste dia
-O sangue oferecido pelos pecados era
aspergido sobre o propiciatório sete vezes no
dia da expiação (Lv 16.14-15).
- Sete vezes Jesus falou de seu retorno no livro de
Apocalipse: 2.25; 3.3,11; 16.15; 22.7, 12,20.
- Existem sete bênçãos em Apocalipse (Ap 1.3;
14.13;
16.15; 20.6; 22.7,14).
-Isaias 11.2-3 mostra os sete aspectos do Espírito
Santo
- O livro de Apocalipse contem muitos setes. Estes são:
- Sete Espíritos diante do trono
-Sete estrelas na mão direita de Cristo
-Jesus anda no meio dos sete candelabros
-Sete cartas às sete igrejas da Ásia
-O livro estava selado com sete selos
-Sete anjos estão diante do trono
- Sete trombetas
-Sete juízos
- Sete trovões
 O número sete aparece aproximadamente 600 vezes
por toda a Bíblia.
 OITO. Fala de ressurreição e de regeneração:
-De um novo começo. O número oito é o novo
primeiro.
-É o número que tem a ver com o Senhor, que
ressuscitou no oitavo, ou no novo "primeiro dia".
 NOVE. Fala do objetivo ou finalidade dos
julgamentos.
- É a multiplicação de 3x3, a soma ou
resultado da completude divina.
-O nove com seus fatores e múltiplos é visto
nos casos em que estão em pauta os juízos.
- São nove bem-aventuranças (Mt 5.3-11)
- Nove virtudes (2 Pe 1.5-7)
-Nove exemplos de paciência (2 Co 6.4-5)
-Nove tipos de fruto do Espírito (Gl 5.22-23)
-Nove dons ou manifestações do Espírito (1 Co
12.8-10
 DEZ. Fala de perfeição ordinal, quando um novo
"primeiro" aparece depois do número nove,
indicando uma nova numeração.
-São os dedos das mãos
-São os mandamentos
-etc..
 ONZE. Fala de desordem ou desorganização,
-Por ser um número a menos do que o doze que
veremos a seguir.
 DOZE. O doze fala de perfeição governamental .
-É número ou fator ligado a governo, seja pelas doze tribos,
pelos doze apóstolos, ou na medida de tempo, e coisas que
têm a ver com o governo dos céus ou da terra.
- 12 portas
-12 anjos
-12 tribos
-12 fundamentos
-12 apóstolos do cordeiro
 TREZE. Fala de rebelião, apostasia, defecção, desintegração e
de revolução.
-É um a mais no governo,
-Aparece a primeira vez com aspecto de
Rebelião:
“ Doze anos haviam servido a Quedorlaomer, mas ao décimo
terceiro ano rebelaram-se “ GN 14.4
QUARENTA: PROVAÇÃO
-Choveu quarenta dias e noites no diluvio
-Israel ficou este tempo no deserto
-Era a quantidade de açoites permitidas
-Foram os dias que jesus ficou no deserto
-O salmo 40 fala de um momento de prova
SETENTA: TEMPO DO JUIZO SOBRE A HUMANIDADE
-Setenta foram os anciãos de Moisés, tambem de jesus
-Israel passou este tempo no cativeiro
-Tambem são as semanas de Daniel
FIGURAS DE LINGUAGEM
 A figura de linguagem é uma forma de expressão em
que as palavras usadas comunicam um sentido não
literal. É uma representação legítima que pretende
comunicar mais clara e graficamente uma ideia literal.
 Dá vida e cor a uma passagem
 Chamar a atenção
 Tornar idéias abstratas mais completas
METÁFORA
 Uma semelhança entre dois objetos ou fatos,
caracterizando-se um com o que é próprio do
outro. A metáfora é uma comparação mais forte
que o símile, pelo fato de que há equivalência
direta posta entre os dois objeto .
 João 15:1 Mateus 5:13 João 10:9 João 14:6 Jeremias
50:6 Gênesis 49:9
SINÉDOQUE
 É tomar a parte pelo todo ou o todo pela parte, o
plural pelo singular, o gênero pela espécie, ou vice-
versa. Ela trata mais de idéias e conceitos
 Salmo 16:9 Atos 24:5 Gênesis 6:12 Romanos 1:16
METOMÍNIA
 É o emprego de um nome por outro com o qual
tem relação. É empregar a causa pelo efeito, ou o
sinal ou símbolo pela realidade que indica o
símbolo
Lucas 16:29 João 13:8 1 João 1:7
1 Coríntios 10:21 Hebreus 13: 4
PROSOPOPÉIA
 É a personificação das coisas inanimadas,
atribuindo-se lhes os feitos e ações das pessoas.
Isaías 55:12 Salmo 85:10-11
IRONIA
 É a expressão do contrário do que se quer dizer,
porém sempre de tal modo que se faz ressaltar o
sentido verdadeiro.
 1 Reis 18:27 Jó 12:2
HIPÉRBOLE
 É um exagero para dar ênfase, representando uma
coisa com muito maior ou menor grau do que em
realidade é, para apresentá-la viva à imaginação
Números 13:33 Deuteronômio 1:28 João 21:25
Mateus 5:29,30
PERSONIFICAÇÃO
 É atribuir características humanas a coisas, idéias ou
animais.
Gênesis 4.10 Números 22.30
ZOOMORFISMO
 É atribuir características animais a homens ou a Deus
 Salmo 91.4
ANTROPOMORFISMO
 É atribuir características humanas a Deus
 Salmo 8:3 2 Crônicas 16:9
ANTROPOPATISMO
 É atribuir sentimentos humanos a Deus.
Gênesis 6:6
METÁFORA
 Consiste num termo usado para designar o sentido
natural de uma palavra para substituir outra, em
relação de semelhança
 - "Judá (é) um leãozinho" (Gn 49.9)
 - "Vós (sois) o sal da terra..." (Mt 5.13)
 - "Vós (sois) a luz do mundo..." (Mt 5.14)
 - "Eu (sou) o pão da vida..." (Jo 6.35)
 - "Eu (sou) a luz do mundo..." (Jo 8.12)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3 aula bibliologia teologia sistemática
3 aula bibliologia teologia sistemática3 aula bibliologia teologia sistemática
3 aula bibliologia teologia sistemáticaRODRIGO FERREIRA
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaMarcos Aurélio
 
Métodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíbliaMétodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíbliaAntonio Filho
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêuticaRODRIGO FERREIRA
 
História das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aulaHistória das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aulaPaulo Dias Nogueira
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamentofaculdadeteologica
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraGesiel Oliveira
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSAntonio Marcos
 
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIAFORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIAWebExecutivo1
 
Lição 4 como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...
Lição 4   como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...Lição 4   como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...
Lição 4 como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...Sergio Silva
 

Mais procurados (20)

3 aula bibliologia teologia sistemática
3 aula bibliologia teologia sistemática3 aula bibliologia teologia sistemática
3 aula bibliologia teologia sistemática
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Métodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíbliaMétodos de estudos da bíblia
Métodos de estudos da bíblia
 
Aula hermenêutica
Aula hermenêuticaAula hermenêutica
Aula hermenêutica
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
05 homiletica
05 homiletica05 homiletica
05 homiletica
 
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
 
História das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aulaHistória das Missões - ppt da aula
História das Missões - ppt da aula
 
Homilética lição - 01
Homilética   lição - 01Homilética   lição - 01
Homilética lição - 01
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
 
Disciplina de Bibliologia
Disciplina de BibliologiaDisciplina de Bibliologia
Disciplina de Bibliologia
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
 
Profetas menores lição 1
Profetas menores   lição 1 Profetas menores   lição 1
Profetas menores lição 1
 
Interpretação bíblica método oica
Interpretação bíblica   método oicaInterpretação bíblica   método oica
Interpretação bíblica método oica
 
Hermenêutica x Exegese
Hermenêutica x ExegeseHermenêutica x Exegese
Hermenêutica x Exegese
 
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIAFORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
 
Lição 4 como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...
Lição 4   como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...Lição 4   como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...
Lição 4 como interpretar a bíblia parte 1 - examinai as escrituras - ed. cr...
 

Semelhante a Hermeneutica bíblica cópia

Alguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamente
Alguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamenteAlguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamente
Alguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamenteclaudia13011974
 
Augustus Nicodemos princípios de interpretação da bíblia
Augustus Nicodemos   princípios de interpretação da bíbliaAugustus Nicodemos   princípios de interpretação da bíblia
Augustus Nicodemos princípios de interpretação da bíbliaWalber Michellon
 
Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***
Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***
Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***Carlos Cirleno Neves
 
004 princípios de interpretação
004 princípios de interpretação004 princípios de interpretação
004 princípios de interpretaçãoCassia Calderaro
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaAlberto Simonton
 
Interpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemosInterpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemosisraelfaifa
 
Seleções de Sabedoria - Pauloaz.pdf
Seleções de Sabedoria - Pauloaz.pdfSeleções de Sabedoria - Pauloaz.pdf
Seleções de Sabedoria - Pauloaz.pdfchico90
 
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02Ourofino
 
Como Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as EscriturasComo Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as EscriturasIgreja Nazareno
 
Ebook estudo está escrito
Ebook estudo está escritoEbook estudo está escrito
Ebook estudo está escritojb1955
 
11 a interpretação das escrituras
11   a interpretação das escrituras11   a interpretação das escrituras
11 a interpretação das escriturasJoao Franca
 
Curso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuitoCurso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuitoCristiane Farias
 

Semelhante a Hermeneutica bíblica cópia (20)

Alguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamente
Alguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamenteAlguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamente
Alguns conselhos sobre como ler a bíblia corretamente
 
Augustus Nicodemos princípios de interpretação da bíblia
Augustus Nicodemos   princípios de interpretação da bíbliaAugustus Nicodemos   princípios de interpretação da bíblia
Augustus Nicodemos princípios de interpretação da bíblia
 
Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***
Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***
Interpretando as escrituras modulo ***Teologia Inclusiva***
 
escola sabatina 02
escola sabatina 02escola sabatina 02
escola sabatina 02
 
004 princípios de interpretação
004 princípios de interpretação004 princípios de interpretação
004 princípios de interpretação
 
A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTO
A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTOA CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTO
A CRENÇA NA IMORTALIDADE DA ALMA NO NOVO TESTAMENTO
 
Introdução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica BíblicaIntrodução à Hermenêutica Bíblica
Introdução à Hermenêutica Bíblica
 
Aula 04 – a escritura completa
Aula 04 – a escritura completaAula 04 – a escritura completa
Aula 04 – a escritura completa
 
Interpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemosInterpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemos
 
Seleções de Sabedoria - Pauloaz.pdf
Seleções de Sabedoria - Pauloaz.pdfSeleções de Sabedoria - Pauloaz.pdf
Seleções de Sabedoria - Pauloaz.pdf
 
Trabalho hermeneutica
Trabalho hermeneutica  Trabalho hermeneutica
Trabalho hermeneutica
 
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
Hugohoffmann comointerpretarabblia-110730231757-phpapp02
 
Como Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as EscriturasComo Interpretar as Escrituras
Como Interpretar as Escrituras
 
Ebook estudo está escrito
Ebook estudo está escritoEbook estudo está escrito
Ebook estudo está escrito
 
Hemenêutica curso
Hemenêutica   cursoHemenêutica   curso
Hemenêutica curso
 
Hermeneutica.pptx
Hermeneutica.pptxHermeneutica.pptx
Hermeneutica.pptx
 
Apostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamidApostila hermeneutica seamid
Apostila hermeneutica seamid
 
11 a interpretação das escrituras
11   a interpretação das escrituras11   a interpretação das escrituras
11 a interpretação das escrituras
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
Curso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuitoCurso internacional de teologia ebook gratuito
Curso internacional de teologia ebook gratuito
 

Mais de Pastor Juscelino Freitas

Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhorSer criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhorPastor Juscelino Freitas
 
As características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaAs características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaPastor Juscelino Freitas
 
Culto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edileneCulto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edilenePastor Juscelino Freitas
 

Mais de Pastor Juscelino Freitas (20)

O verdadeiro arrependimento
O verdadeiro arrependimentoO verdadeiro arrependimento
O verdadeiro arrependimento
 
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhorSer criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
Ser criança é bom de mais. ser adulto é muito melhor
 
Curso Lealdade e Deslealdade
Curso Lealdade e DeslealdadeCurso Lealdade e Deslealdade
Curso Lealdade e Deslealdade
 
Que é uma liderança
Que é uma liderançaQue é uma liderança
Que é uma liderança
 
As características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igrejaAs características do Obreiro Coluna na igreja
As características do Obreiro Coluna na igreja
 
Conselhos simples para ser um Bom Obreiro
Conselhos simples para ser um Bom ObreiroConselhos simples para ser um Bom Obreiro
Conselhos simples para ser um Bom Obreiro
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
As crises dentro da familia
As crises dentro da familiaAs crises dentro da familia
As crises dentro da familia
 
I seminário para jovens 2017
I seminário para jovens 2017I seminário para jovens 2017
I seminário para jovens 2017
 
Panorama do novo e antigo testamento
Panorama do novo e antigo testamentoPanorama do novo e antigo testamento
Panorama do novo e antigo testamento
 
Figuras de linguagem biblica
Figuras de linguagem biblicaFiguras de linguagem biblica
Figuras de linguagem biblica
 
Material composição da bíblia
Material composição da bíbliaMaterial composição da bíblia
Material composição da bíblia
 
Como interpretar a bíblia
Como interpretar a bíbliaComo interpretar a bíblia
Como interpretar a bíblia
 
Culto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edileneCulto de ação de graça... juscelino e edilene
Culto de ação de graça... juscelino e edilene
 
Dia internacional da mulher
Dia internacional da mulherDia internacional da mulher
Dia internacional da mulher
 
Secretaria de missões
Secretaria de missõesSecretaria de missões
Secretaria de missões
 
O que é e o que não ebd
O que é e o que não ebdO que é e o que não ebd
O que é e o que não ebd
 
A importancia da ebd
A importancia da ebdA importancia da ebd
A importancia da ebd
 
Compromisso, fidelidade e honra ao senhor
Compromisso, fidelidade e honra ao senhorCompromisso, fidelidade e honra ao senhor
Compromisso, fidelidade e honra ao senhor
 
Aperfeiçoamento de liderança cristã
Aperfeiçoamento de liderança cristãAperfeiçoamento de liderança cristã
Aperfeiçoamento de liderança cristã
 

Último

Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosbiancaborges0906
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxEduardaMedeiros18
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 

Último (20)

Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docxCONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
CONTO-3º-4º-E-5ºANO-A-PRINCESA-E-A-ERVILHA[1] (1).docx
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 

Hermeneutica bíblica cópia

  • 1. HERMENEUTICA BÍBLICA Pr. Juscelino Freitas Email: juscelinofreitas799@gmail.com
  • 2. O QUE É HERMENEUTICA  Vem do grego”hemeneuein” e significa :explicar ,traduzir ou explicar  Pode ser definida como arte pois tenta descobrir o que o texto significava para o autor  Pode ser definida como ciência pois utiliza se de formas técnicas de interpretação
  • 3. ORIGEM DA HERMENEUTICA  O primeiro a utilizar este termo foi Platão (440-399 a.c)  O termo remete a Hermes "deus GREGO DA COMUNICAÇÃO  Depois passou a ser utilizado para interpretação dos textos sagrados
  • 4. A NECESSIDADE DA HERMENEUTICA  Ela se faz necessária e importante devido aos “abismos “ que se interpõem entre o leitor e o texto bíblico
  • 5. QUAIS SÃO ESTES “ABISMOS”? 1-ABISMO HISTÓRICO: O fato de estarmos largamente separados no tempo dos escritores da bíblia. 2-ABISMO CULTURAL: Grande diferença separa nos dos tempos bíblicos.
  • 6. : 3-ABISMO LINGUÍSTICO: As línguas em que a bíblia foi escrita varia da nossa tanto em estrutura como em expressão idiomática A bíblia foi escrita em hebraico, aramaico e grego. Ex: Esdras fazendo hermenêutica para o povo depois do cativeiro. 4-ABISMO FILOSÓFICO: É a lacuna das opiniões acerca da vida ,das circunstancias e da natureza que variam de acordo com a cultura de quem a escreveu.
  • 7. A IMPORTÂNCIA DA HERMENEUTICA  Dá –se pela razão da bíblia ser escrita de formas diferenciadas e a interpretação correta evita distorções do texto ,diminuindo as confusões ..  A linguagem bíblica pode ser: Literal ,figurada ou simbólica
  • 8. INTERPRETAÇÃO DA BIBLIA  Ainda que o leitor não disponha de tempo e recursos para estudar as línguas originais existem alguns materiais que podem ajudar a ter alguma noção dos textos originais
  • 9. FERRAMENTAS AUXILIARES PARA NOÇÕES DOS ORIGINAIS
  • 10. INTERPRETAÇÃO DA BIBLIA  Para uma melhor compreensão da bíblia é bom que o estudante estude as suas línguas originais, não que a falta deste conhecimento impedirá o entendimento correto, mas aprofundará sua percepção do autor..
  • 11. EXEGESE  Uma ciência coirmã da hermenêutica é a exegese, palavra grega que significa “extrair” “tirar para fora”, assim faz um bom leitor das escrituras, extrai a verdade do texto, ao contraio da “eisegese” que significa “para dentro”
  • 12. A IMPORTÂNCIA DA HERMENÊUTICA  Ela é importante pois estabelece regras para elucidar o texto  “Sendo a bíblia divina ,precisamos da iluminação do espirito para entendê-la, sendo livro precisamos de obedecer as regras para interpretá-la.”
  • 13. REGRAS PARA INTERPRETAÇÃO DA BIBLIA Antes de tomar as conclusões verifique seu contexto, ele pode ser:  a- IMEDIATO = Aquilo que está bem próximo do texto  b- REMOTO = Pode ser o capitulo(s) anterior(es) ou posterior(es) (Lembre–se: texto fora do contexto vira pretexto para heresia, ou para obrigar a bíblia dizer o que não está dizendo.
  • 14. OS VÁRIOS TIPOS DE CONTEXTO  Além do já mencionado iremos verificar outros tipos de contextos, os quais o leitor deve considerar para uma real compreensão do texto:
  • 15. CONTEXTO LITERÁRIO  O contexto literário de qualquer versículo é o parágrafo do qual faz parte, a seção do qual o parágrafo é parte e o livro do qual a seção é parte, o contexto definitivo de todo texto é a bíblia.
  • 16. CONTEXTO HISTÓRICO  Quando fato está acontecendo? Onde na história a passagem se encaixa? O que está acontecendo na mesma época? Quais são as influencias sociais e politicas neste tempo?
  • 17. CONTEXTO CULTURAL  A cultura tem poderosa influencia sobre todas formas de comunicação, as culturas dos tempos bíblicos tiveram influencia na criação da bíblia;  Estude-as e então terás maior informação do que se tem a princípio numa primeira leitura.
  • 19. CONTEXTO GEOGRÁFICO  A investigação deste contexto responderá muitas perguntas e ampliará a visão do que o texto está afirmando.  Ex: Como era o terreno? Quais eram as distancias? De que lugar o autor está falando? Como era a cidade? Seu tamanho? E etc..
  • 21. CONTEXTO TEOLÓGICO  Onde a passagem se encaixa com o resto das escrituras;  Coerência teológica.
  • 22. MAIS REGRAS  “Estude a bíblia partindo do pressuposto que ela é a autoridade máxima em questão de religiao,fé e doutrina”  “Não se esqueça de que a bíblia interpreta a própria bíblia”
  • 23.  “Os exemplos bíblicos só tem autoridade prática quando amparados por uma ordem que os faça universal.”  “Os princípios e propósitos das escrituras é mudar as nossas vida s e não aumentar nosso conhecimento”
  • 24.  “Você precisa compreender gramaticalmente a bíblia antes de compreendê-la teologicamente”  Entenda que embora toda escritura seja útil, nem toda a escritura é uma doutrina ou mandamento para si.
  • 25. ERROS GERALMENTE COMETIDOS  Por desconsiderarem alguns princípios, algumas pessoas cometem erros ao se depararem com alguma dificuldade bíblica.  VEJAMOS :
  • 26. ASSUMIR QUE O QUE NÃO FOI EXPLICADO SEJA INEXPLICAVEL  Nenhuma pessoa instruída alegaria ser capaz de explicar completamente todas as dificuldades bíblicas. Contudo, é um erro o crítico pressupor que o que não foi ainda explicado nunca o será.
  • 27. PRESUMIR QUE A BÍBLIA É CULPADA ATÉ QUE HAJA PROVA EM CONTRARIO  Muitos críticos presumem que a Bíblia está errada, até que algo venha provar que ela está certa. Contudo, como acontece com qualquer cidadão acusado de um crime, a Bíblia deve ser tida como "inocente", até que haja a prova da culpa
  • 28. CONFUNDIR NOSSA FALÍVEIS INTERPRETAÇÕES COM A INFALÍVEL REVELAÇÃO DE DEUS  Jesus afirmou que "a escritura não pode falhar" (Jo 10:35). Sendo um livro infalível, a bíblia é também irrevogável. Jesus declarou: "porque em verdade vos digo: até que o céu e a terra passem, nem um i ou um til jamais passará da lei, até que tudo se cumpra" (Mt 5:18, cf. Lc 16:17). As escrituras têm ainda a autoridade final, sendo a última palavra acerca de tudo que ela aborda. Jesus valeu-se da bíblia para resistir ao tentador (Mt 4:4,7,10); para resolver discussões doutrinárias (Mt 21:42); e para sustentar a sua autoridade (Mc 11:17).
  • 29. FALHAR NA COMPREENSÃO DO CONTEXTO DA PASSAGEM  Talvez o erro mais comum dos críticos seja o de tirar um texto de seu próprio contexto. Como diz o adágio: "um texto fora de contexto é simplesmente um pretexto". Tudo se pode provar, a partir da bíblia, por meio desse procedimento errôneo.  Ex: “Dá a quem te pede" (Mt 5:42)
  • 30. DEIXAR DE INTERPRETAR AS PASSAGENS DIFÍCEIS A LUZ DAS QUE SÃO CLARAS  Algumas passagens das Escrituras são de difícil compreensão. Às vezes a dificuldade é por serem obscuras. Outras vezes a dificuldade está em que uma passagem parece estar ensinando algo contrário ao que uma outra parte da Escritura ensina com clareza .
  • 31. ESQUECER SE QUE A BIBLIA É UM LIVRO HUMANO COM CARACTERÍSTICAS HUMANAS  Exceto pequenas seções, tal como os dez mandamentos, que foram escritos "pelo dedo de Deus" (Ex 31:18), a bíblia não foi verbalmente ditada. Seus escritores não foram secretários do Espírito Santo. Eles foram autores humanos, que empregaram estilos literários próprios. EX: JS 1.15
  • 32. ASSUMIR QUE DIFERENTES NARRAÇÕES SEJAM FALSAS  Pelo simples fato de divergirem entre si duas ou mais narrações do mesmo acontecimento, isso não significa que elas sejam mutuamente exclusivas. Por exemplo, Mateus (28:5) diz que havia um anjo junto ao túmulo de Jesus depois da ressurreição, ao passo que João nos informa de que havia dois (20:12). Não há, porém, nenhuma contradição. De fato, há uma infalível regra matemática que facilmente explica este problema: onde quer que haja dois, sempre há um - e nisso não existe erro! Mateus não diz que havia apenas um anjo
  • 33. OUTRO EXEMPLO  De igual forma, Mateus (27:5) nos informa de que judas enforcou-se. Mas Lucas diz que judas, "precipitando-se, rompeu-se pelo meio, e todas as suas entranhas se derramaram" (At 1:18). Uma vez mais, estes dois relatos diferem entre si, mas não são mutuamente exclusivos. Se judas enforcou-se numa árvore à beira de um penhasco, e se o seu corpo caiu em pontudas rochas embaixo, então suas entranhas se derramaram para fora, da maneira como tão bem Lucas descreve.
  • 34. PRESUMIR QUE A BIBLIA APROVA TUDO QUE REGISTRA  É um erro admitir que tudo o que a bíblia contém seja recomendado por ela. Toda a bíblia é verdadeira (Jo 17:17), mas ela registra algumas mentiras, como por exemplo as de satanás (Gn 3:4; conforme Jo 8:44) e a de Raabe (Js 2:4). A inspiração está sobre toda a bíblia de forma tão completa e abrangente que ela registra com exatidão e verdade até mesmo as mentiras e os erros dos que pecaram. A verdade, na bíblia, encontra-se no que ela revela, não em tudo que ela registra. Sem que se faça esta distinção, pode-se concluir de maneira errada que a bíblia ensina imoralidade, porque ela narra o pecado de Davi (2 Sm 11:4); ou que ela promove a poligamia, porque registra o caso de Salomão (1 Rs 11:3)
  • 35. CONFUNDIR AFIRMAÇOES GERAIS COM UNIVERSAIS  O livro de Provérbios é um bom exemplo de casos assim. Dizeres proverbiais, por sua própria natureza, dão-nos apenas uma direção, e não uma certeza aplicável a todos os casos. São regras para a vida, mas regras que admitem exceções , Outro exemplo de uma verdade geral é Provérbios 22:6: "Ensina a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velho não se desviará dele". Entretanto, outras passagens da Bíblia nos mostram que isto nem sempre é verdade. De fato, alguns homens piedosos na Bíblia (inclusive Jó, Elí e Davi) tiveram filhos perversos
  • 36. FRASE DE LUTERO  “Quando encontro alguma contradição na bíblia, chego a seguinte conclusão: ou é um erro do copista, ou tradução mal feita do original ou eu mesmo que não consigo entender”
  • 37. SIMBOLISMOS E TIPOLOGIAS DA BIBLIA  Os símbolos: a bíblia é riquíssima deles, é muito importante o leitor da bíblia familiarizar-se com os tais, pois quando eles aparecem no texto trazem verdades profundas.  Ex: Serpente, pomba, águia, arco-íris, agua, fogo, vento e etc...
  • 38. TIPOLOGIA  O QUE É :  Objeto que serve de modelo, figura, exemplo, sinal ou sombra.  A palavra grega tupos no NT aparece pela primeira vez no texto de João 20.2.5 como sinal, "disseram-lhe, então, os outros discípulos: vimos o senhor. Mas ele respondeu: se eu não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei". Aqui a palavra sinal é tupos (tipo).
  • 39. Um tipo deve indicar algo divinal. Como tal deve servir de semelhança ao antítipo. Tanto o tipo quanto o antítipo são preordenados como partes do programa da redenção. Só Deus pode apontar os tipos. Um tipo sempre prefigura algo do futuro. Um tipo bíblico predito numa profecia possui a mesma substância e difere somente na forma. E deve ser distinguido entre um símbolo e um tipo. Um símbolo pode representar uma coisa do presente ou do passado, e também do futuro. Por exemplo: Os símbolos envolvidos na santa ceia apontam para o passado, para o presente e para o futuro. Um tipo sempre aponta para o futuro e deve conter um elemento profético ou preditivo em si.
  • 40. EXEMPLOS: Serpente, pomba, águia, arco-íris, água, fogo, vento e etc...
  • 41. TIPOLOGIA BIBLIA  Tipo-Objeto que serve de modelo, figura, exemplo, sinal ou sombra. 1) A palavra grega tupos no NT aparece pela primeira vez no texto de João 20.2.5 como sinal, "Disseram-lhe, então, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no seu lado, de modo algum acreditarei". Aqui a palavra sinal é tupos (tipo). 2) Aparece como exemplos em 1 Coríntios 10.6 onde diz: "Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós, a fim de que não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram".
  • 42. Quais Os Sentidos De Um Tipo? Para que seja um tipo verdadeiro, devem-se buscar três qualidades essenciais: Primeiro. Tem de ser um retrato fiel da pessoa ou coisa daquilo que representa ou prefigura. Um tipo é o rascunho ou bosquejo da redenção, e deve ser bastante claro para se assemelhar ao antítipo. Por exemplo, Arão é um tipo obscuro do sumo sacerdote que aponta para o grande sumo sacerdote, Cristo, e o dia da expiação em Israel uma figura ou retrato da obra expiatória de Cristo (Lv 16). Segundo. Um tipo deve indicar algo divinal. Como tal deve servir de semelhança ao antítipo. Tanto o tipo quanto o antítipo são preordenados como partes do programa da redenção. Só Deus pode apontar os tipos. Terceiro. Um tipo sempre prefigura algo do futuro. Um tipo bíblico predito numa profecia possui a mesma substância e difere somente na forma. E deve ser distinguido entre um símbolo e um tipo. Um símbolo pode representar uma coisa do presente ou do passado, e também do futuro.
  • 43. TIPOS HUMANOS DE CRISTO  Adão  Abel  Melquisedeque  Isaque  Sansao  Moises  José  Jonas
  • 44. TIPOS NÃO HUMANOS DE CRISTO  Arca de Noé  A rocha de Horebe  Todo o tabernáculo  Todo o sistema levítico de culto  Serpente de metal  Pão e vinho...  Etc....  Obs: além dos tipos de cristo existem outros tipos, Ex: da igreja, do espirito santo e etc...
  • 45. NUMEROLOGIA BIBLICA  A bíblia é farta na citação de números,  Existe um livro com este nome para mostrar que são importantes.  Eles revelam algo sobre a sabedoria de Deus.  Obs: não reconhecemos nenhum misticismo a respeito deste assunto, apenas servem de significância espiritual em nosso entender.
  • 46. ALGUNS NUMEROS E SEUS SIGNIFICADOS:  UM. Trata de Unidade (Ef 4.4-6) e começo. As primeiras ocorrências de palavras ou expressões mostram sua essência espiritual quando interpretados.  DOIS. Diferença. Quando duas pessoas totalmente diferentes concordam e testificam sobre algo e decisivo numa decisão. Do contrario, dois implica em oposição, inimizade e divisão.
  • 47. TRÊS. Completude, como três linhas que se completam e formam uma figura geométrica. Assim, três fala da Importância da perfeição e completudes divina. O numero três fala também de testemunho ■ abundante. 1) Três definições sobre Deus: Deus e Espírito; Deus e luz; Deus e amor. 2) Três divisões do tabernáculo : O átrio, o santuário e o santo dos santos. 3) Três minerais usados na construção do tabernáculo: Ouro, prata e bronze. O ouro representa o que e divino, puro, santo. A prata era usada como moeda de compra, de redenção, e o bronze ou cobre fala do juízo, que pode resistir ao fogo (Ap 1.15). 4) Três cores são mencionadas juntas: O azul, o púrpura e o vermelho. 5) Três acessos ao tabernáculo: O portão, a cortina da porta e o véu do santuário. 6) Três lâmpadas: (a) A luz natural sobre o átrio; (b) a luz que vinha do candelabro no santuário e (c) a luz da gloria shekinah no santo dos santos.
  • 48. 7) Três grandes festas dos judeus: Páscoa, Pentecostes e Tabernáculos. 8) Três líquidos usados no Tabernáculo: Sangue; água e azeite. 9) Três tipos de sacrifícios eram oferecidos: (a) O touro; (b) ovelhas ou carneiros; (c) pombas e rolinhas. 10) Três locais onde o sangue era aspergido: (a) O altar de bronze que fala da cruz; (b) Sobre o altar de ouro (sua intercessão); (c) O propiciatório (o trono de Deus). 11) Três vezes o Jordão foi dividido poderosamente: (a) Quando Israel entrou em Canaã; (b) Quando Elias o atravessou; (c) Quando Eliseu o atravessou. 12) Jonas ficou no ventre do peixe três dias (Jo 1.17).
  • 49. 13) Jesus esteve três dias no tumulo (Mt 12.40). 14) Os evangelhos registram Deus falando dos céus três vezes: (a) No batismo de Jesus (Mt 3.17); (b) Na transfiguração (Mt 17.5); (c) Antes da Páscoa (Jo 12.28). 15) Jesus ressuscitou três pessoas de entre os mortos: (a) A filha de Jairo (Mc 5.22); o filho da viúva de Naim (Lc 7.14); (c) Lazaro (Jo 11.43). 16) Cristo foi crucificado na terceira hora (M 15.25). 17) A acusação contra Jesus foi escrita em três idiomas: Hebraico; grego e latim (Lc 23.38; Jo 19.20). 18) As três partes de uma pessoa: Espirito, alma e corpo (1 Ts 5.23; Hb4.12).
  • 50.  QUATRO: Numero do governo do mundo -Quatro pontos cardeais -Quatro estações do ano -Quatro canto da terra -Quatro ventos -Quatro governos munidas na bíblia: babilônio, medo – persa, grego e romano
  • 51.  CINCO: Representa a graça de deus -compõem a primeira categoria de livros da bíblia -Davi apanhou cinco pedras -cinco talentos -cinco pães -Cinco eram as virgens prudentes
  • 52.  SEIS. É o número do homem. Fala da imperfeição. - 0 homem foi criado no sexto dia; e a primeira ocorrência do número faz dele e de seus múltiplos o ponto alto de tudo o que diz respeito ao homem. O homem trabalha seis dias. -O homem foi feito ao sexto dia - O número do Anticristo é este número três vezes..666
  • 53.  SETE. Fala de perfeição . -É o número de Deus -Deus completou sua obra e descansou neste dia -O sangue oferecido pelos pecados era aspergido sobre o propiciatório sete vezes no dia da expiação (Lv 16.14-15). - Sete vezes Jesus falou de seu retorno no livro de Apocalipse: 2.25; 3.3,11; 16.15; 22.7, 12,20. - Existem sete bênçãos em Apocalipse (Ap 1.3; 14.13; 16.15; 20.6; 22.7,14). -Isaias 11.2-3 mostra os sete aspectos do Espírito Santo
  • 54. - O livro de Apocalipse contem muitos setes. Estes são: - Sete Espíritos diante do trono -Sete estrelas na mão direita de Cristo -Jesus anda no meio dos sete candelabros -Sete cartas às sete igrejas da Ásia -O livro estava selado com sete selos -Sete anjos estão diante do trono - Sete trombetas -Sete juízos - Sete trovões  O número sete aparece aproximadamente 600 vezes por toda a Bíblia.
  • 55.  OITO. Fala de ressurreição e de regeneração: -De um novo começo. O número oito é o novo primeiro. -É o número que tem a ver com o Senhor, que ressuscitou no oitavo, ou no novo "primeiro dia".
  • 56.  NOVE. Fala do objetivo ou finalidade dos julgamentos. - É a multiplicação de 3x3, a soma ou resultado da completude divina. -O nove com seus fatores e múltiplos é visto nos casos em que estão em pauta os juízos. - São nove bem-aventuranças (Mt 5.3-11) - Nove virtudes (2 Pe 1.5-7) -Nove exemplos de paciência (2 Co 6.4-5) -Nove tipos de fruto do Espírito (Gl 5.22-23) -Nove dons ou manifestações do Espírito (1 Co 12.8-10
  • 57.  DEZ. Fala de perfeição ordinal, quando um novo "primeiro" aparece depois do número nove, indicando uma nova numeração. -São os dedos das mãos -São os mandamentos -etc..  ONZE. Fala de desordem ou desorganização, -Por ser um número a menos do que o doze que veremos a seguir.
  • 58.  DOZE. O doze fala de perfeição governamental . -É número ou fator ligado a governo, seja pelas doze tribos, pelos doze apóstolos, ou na medida de tempo, e coisas que têm a ver com o governo dos céus ou da terra. - 12 portas -12 anjos -12 tribos -12 fundamentos -12 apóstolos do cordeiro
  • 59.  TREZE. Fala de rebelião, apostasia, defecção, desintegração e de revolução. -É um a mais no governo, -Aparece a primeira vez com aspecto de Rebelião: “ Doze anos haviam servido a Quedorlaomer, mas ao décimo terceiro ano rebelaram-se “ GN 14.4
  • 60. QUARENTA: PROVAÇÃO -Choveu quarenta dias e noites no diluvio -Israel ficou este tempo no deserto -Era a quantidade de açoites permitidas -Foram os dias que jesus ficou no deserto -O salmo 40 fala de um momento de prova SETENTA: TEMPO DO JUIZO SOBRE A HUMANIDADE -Setenta foram os anciãos de Moisés, tambem de jesus -Israel passou este tempo no cativeiro -Tambem são as semanas de Daniel
  • 61. FIGURAS DE LINGUAGEM  A figura de linguagem é uma forma de expressão em que as palavras usadas comunicam um sentido não literal. É uma representação legítima que pretende comunicar mais clara e graficamente uma ideia literal.  Dá vida e cor a uma passagem  Chamar a atenção  Tornar idéias abstratas mais completas
  • 62. METÁFORA  Uma semelhança entre dois objetos ou fatos, caracterizando-se um com o que é próprio do outro. A metáfora é uma comparação mais forte que o símile, pelo fato de que há equivalência direta posta entre os dois objeto .  João 15:1 Mateus 5:13 João 10:9 João 14:6 Jeremias 50:6 Gênesis 49:9
  • 63. SINÉDOQUE  É tomar a parte pelo todo ou o todo pela parte, o plural pelo singular, o gênero pela espécie, ou vice- versa. Ela trata mais de idéias e conceitos  Salmo 16:9 Atos 24:5 Gênesis 6:12 Romanos 1:16
  • 64. METOMÍNIA  É o emprego de um nome por outro com o qual tem relação. É empregar a causa pelo efeito, ou o sinal ou símbolo pela realidade que indica o símbolo Lucas 16:29 João 13:8 1 João 1:7 1 Coríntios 10:21 Hebreus 13: 4
  • 65. PROSOPOPÉIA  É a personificação das coisas inanimadas, atribuindo-se lhes os feitos e ações das pessoas. Isaías 55:12 Salmo 85:10-11
  • 66. IRONIA  É a expressão do contrário do que se quer dizer, porém sempre de tal modo que se faz ressaltar o sentido verdadeiro.  1 Reis 18:27 Jó 12:2
  • 67. HIPÉRBOLE  É um exagero para dar ênfase, representando uma coisa com muito maior ou menor grau do que em realidade é, para apresentá-la viva à imaginação Números 13:33 Deuteronômio 1:28 João 21:25 Mateus 5:29,30
  • 68. PERSONIFICAÇÃO  É atribuir características humanas a coisas, idéias ou animais. Gênesis 4.10 Números 22.30
  • 69. ZOOMORFISMO  É atribuir características animais a homens ou a Deus  Salmo 91.4
  • 70. ANTROPOMORFISMO  É atribuir características humanas a Deus  Salmo 8:3 2 Crônicas 16:9
  • 71. ANTROPOPATISMO  É atribuir sentimentos humanos a Deus. Gênesis 6:6
  • 72. METÁFORA  Consiste num termo usado para designar o sentido natural de uma palavra para substituir outra, em relação de semelhança  - "Judá (é) um leãozinho" (Gn 49.9)  - "Vós (sois) o sal da terra..." (Mt 5.13)  - "Vós (sois) a luz do mundo..." (Mt 5.14)  - "Eu (sou) o pão da vida..." (Jo 6.35)  - "Eu (sou) a luz do mundo..." (Jo 8.12)