SlideShare uma empresa Scribd logo
O Currículo
do Ensino Médio
Etapa I - Caderno 3
Heber Odahyr de Oliveira Mello
O Currículo
do Ensino Médio, seus
sujeitos e o Desafio da
Formação Humana
Integral
Como queremos
nossa Educação !?!?!?!
Curriculo_Heber_Sônia
Teremos que
buscar novos
horizontes!?!?!?!
Curriculo_Heber_Sônia
Curriculo_Heber_Sônia
Curriculo_Heber_Sônia
Curriculo_Heber_Sônia
SENSIBILIZAÇÃO
• Vídeo:
– “Sete vidas eu tivesse...”
– (A experiência inovadora do ensino vocacional na rede pública de São
Paulo nos anos 60, interrompida de modo brutal pelo regime militar em
1969. Documentário realizado pelos alunos da turma de 1963 do
Ginásio Estadual Vocacional Osvaldo Aranha (GEVOA). Direção, roteiro
e montagem: José Maurício de Oliveira. Versão integral, 25 minutos.)
CONSTRUÇÃO DE CURRÍCULO
Vídeo: “Macro-Mundos”
 Em sentido amplo o currículo escolar
abrange todas as experiências escolares
(Samuel Rocha Barros);
 É a totalidade das experiências de
aprendizagem planejadas e patrocinadas
pela escola (Jameson-Hicks);
 São todas as experiências dos estudantes,
que são aceitas pela escola como
responsabilidade própria (Ragan);
 São todas as atividades através das quais
o estudante aprende (Hounston).
O QUE É CURRÍCULO ESCOLAR?
O QUE É CURRÍCULO ESCOLAR?
 Em sentido restrito currículo escolar é o conjunto de
matérias a serem ministradas em determinado curso ou grau
de ensino. Neste sentido, o currículo abrange dois outros
conceitos importantes:
Plano de
Estudos
Programa
de Ensino
Plano de estudos
 Plano de estudos é a lista de matérias
que devem ser ensinadas em cada grau ou
ano escolar, com indicação do tempo de
cada uma, expressa geralmente em horas e
semanas.
Programa de ensino
 É a "relação dos conteúdos
correspondentes a cada matéria do plano de
estudos, em geral, e em cada ano ou grau,
com indicação dos objetivos, dos
rendimentos desejados e das atividades
sugeridas ao professor para melhor
desenvolvimento do programa e outras
instruções metodológicas" (OEA-UNESCO).
O QUE É CURRÍCULO
ESCOLAR?
“[...] o currículo como o projeto que preside as atividades
educativas escolares, define suas intenções e
proporciona guias de ações adequadas e úteis para os
professores, que são diretamente responsáveis por sua
execução. Para isso, o currículo proporciona informações
concretas sobre o que ensinar, quando ensinar, como
ensinar e que, como e quando avaliar”.
(Psicologia e currículo, São Paulo, Ática, 1996, p. 43-5).
O QUE É PPP?
No sentido etimológico, o termo projeto vem do latim
projectu, particípio passado do verbo projicere, que
significa lançar para diante. Plano, intento, desígnio.
Empresa, empreendimento. Redação provisória de lei.
Plano geral de edificação (Ferreira, 1975, p.144).
Nessa perspectiva, o Projeto Político-Pedagógico vai
além de um simples agrupamento de planos de ensino e
de atividades diversas. O projeto não é algo que é
construído e em seguida arquivado ou encaminhado às
autoridades educacionais como prova do cumprimento
de tarefas burocráticas. Ele é construído e vivenciado em
todos os momentos, por todos os envolvidos com o
processo educativo da escola.
O QUE É PDDE - ÁGUA?
Objetivo:
Destinar recursos financeiros de custeio e de capital às
escolas do campo e quilombolas, garantindo as
adequações necessárias ao abastecimento de água em
condições apropriadas para consumo e o esgotamento
sanitário nas unidades escolares que tenham declarado
no Censo a inexistência de abastecimento de água ou de
esgotamento sanitário e ainda não tenham sido
beneficiadas com essa assistência pecuniária.
- Vídeo: “Truques com a água”
O QUE É PDDE - ÁGUA?
Ação:
Os recursos financeiros devem ser empregados na
aquisição de equipamentos, instalações hidráulicas e
contratação de mão de obra, necessários à construção
de poços, cisternas, fossa séptica e outras formas que
assegurem provimento contínuo de água adequada ao
consumo humano e esgotamento sanitário. Os
recursos são liberados às escolas, conforme os critérios
estabelecidos em Resolução a partir do número de
matrículas, sendo que de 4 a 50 matrículas; de 51 a 150
matrículas e com mais de 150 matrículas.
Ideias importantes sobre
Currículo
O currículo é um projeto. Não se trata de algo pronto e
acabado, mas de algo a ser construído permanentemente no
dia-a-dia da escola, com a participação ativa de todos os
interessados na atividade educacional, particularmente
daqueles que atuam diretamente no estabelecimento escolar,
como educadores e educandos, mas também dos membros da
comunidade em que se situa a escola.
1
O currículo situa-se entre as intenções, princípios e
orientações gerais e a prática pedagógica. Mais do que
apenas evitar a distância e o hiato entre esses dois polos do
processo educacional - as intenções e as práticas - o currículo
deve estabelecer uma vinculação coerente entre eles, deve
constituir um eficaz instrumento que favoreça a realização das
intenções, princípios e orientações numa ação prática efetiva
com vistas ao desenvolvimento dos educandos.
2
O currículo é abrangente, não compreende apenas as
matérias ou os conteúdos do conhecimento, mas
também sua organização e sequência adequadas, bem como os
métodos que permitem um melhor desenvolvimento dos
mesmos e o próprio processo de avaliação, incluindo questões
como o que, como e quando avaliar.
3
O currículo é um guia, um instrumento útil para
orientar a prática pedagógica, uma ajuda para o
professor. Por isso mesmo, na medida em que atrapalhar o
processo de ensino-aprendizagem, deverá ser imediatamente
modificado. O professor precisa estar atento, por exemplo, à
extensão do conteúdo - se excessivamente extenso deve ser
reduzido para facilitar a efetiva aprendizagem do mesmo; ao
método com que o mesmo é ensinado - um método pode ser
eficaz em alguns casos e ineficaz em outros; à eficácia do
processo de avaliação no sentido de não prejudicar mas
favorecer o desenvolvimento contínuo dos estudantes; e assim
por diante.
4
Para que cumpra tais funções, o currículo deve levar
em conta as reais condições nas quais vai se
concretizar: as condições do professor, as condições dos
alunos, as condições do ambiente escolar, as condições da
comunidade, as características dos materiais didáticos
disponíveis, etc.
5
O currículo não substitui o professor, mas é um
instrumento a seu serviço. Cabe ao professor orientar
e dirigir o processo de ensino-aprendizagem, inclusive
modificando o próprio currículo de acordo com as
aptidões, os interesses e as características culturais dos
educandos.
6
O currículo não possui neutralidade. Todo o fazer
pedagógico, do planejamento à avaliação, é um fazer político e
é um processo eminentemente coletivo.
Quando se faz o PPP (Projeto Político Pedagógico), deve-se
atentar para o diagnóstico que pode se tornar um profundo
processo coletivo de avaliação de como a escola tem-se
organizado, das dificuldades que tem encontrado, das
possibilidades de superação dessas dificuldades e do avanço
em direção a uma melhor qualidade da educação.
7
O planejamento curricular ultrapassa o caráter
instrumental e meramente técnico. Dessa forma, ele
adquire a condição de conferir materialidade às ações
politicamente definidas pelos sujeitos da escola, os quais são
representados pelos estudantes, professores, coordenadores
pedagógicos, gestores.
O planejamento deve partir da realidade concreta e estar
voltado para atingir as finalidades da educação básica
definidas pelo coletivo da escola.
8
Interdisciplinaridade
Perspectivas do Currículo
• No início do século XX, o planejamento curricular estava
pautado na transferência de técnicas de organização do
trabalho fabril para a escola.
• Em seu livro The Curriculum, F. Bobbit defendia os
princípios para o trabalho em geral.
• Segundo Ralph Tyler (1976), o currículo deveria ser
orientado a partir de quatro questões básicas, a saber:
1- Que objetivos educacionais a escola deve procurar atingir?
2- Que experiências educacionais podem ser oferecidas que
tenham probabilidade de alcançar esses propósitos?
3- Como organizar eficientemente essas experiências
educacionais?
4- Como podemos ter a certeza de que esses objetivos estão
sendo buscados?
Baseados no que foi proposto por Silva, M. R. (2000, 2007),
podemos então concluir que, o currículo compreende a seleção
de conhecimentos e de práticas sociais historicamente
acumulados, considerados relevantes de um dado contexto
histórico e definidos tendo por base o projeto de sociedade e
de formação humana que a ela se articula.
É expressa por meio de uma proposta pedagógica definida
coletivamente e na qual se explicitam as intenções de
formação, em como as práticas escolares as quais deseja
realizar com vistas a dar materialidade a essa proposta.
Aplicação da Proposta
do Projeto REM na Escola
Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho: os homens se libertam em
comunhão.
Paulo Freire (1987, p. 52)
Divulgação do Projeto
FORMAÇÃO EDUCATIVA CIDADÃ CONSCIENTE,
SUSTENTÁVEL, ATIVA E COLETIVAO projeto Reinventando ancora-se em três princípios fundamentais, os quais
circunscrevem a sua natureza: significação/identidade, empregabilidade e qualificação
acadêmica.
Por significação/identidade entendemos, inicialmente, a necessidade de que
esse ciclo e estudos venham a ser percebidos pelos estudantes como a oferta de um
conjunto de Recursos simbólicos capaz de favorecer a inserção no mundo e a
compreensão dos processos sociais.
A importância de adicionar um fator de qualificação para o trabalho à
formação propiciada pelo ensino médio pode ser atestada, por exemplo, pela consulta
aos dados referentes a crescimento salarial, conforme indica o quadro a seguir, que
retrata os problemas associados á relação atual entre a formação propiciada pelo
Ensino Médio e o crescimento salarial.
Em se tratando das áreas de empregabilidade, observa-se, em todas as
propostas de currículo, a flexibilização como um dos princípios básicos, que busca
incentivar a participação ativa dos nossos estudantes, estimulando-os a serem
protagonistas da ação educativa.
MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS
Capacitação voltada para tecnologias associadas à melhoria de qualidade de vida, à
preservação, conservação e utilização da natureza e difusão de atitudes e
comportamentos sustentáveis, promovendo a formação de uma cidadania mais
coerente, participativa e politicamente correta.
EMPREENDEDORISMO E GESTÃO
Capacitação voltada para o desenvolvimento do potencial criativo, capaz de transformar
conhecimentos e bens em novos produtos inovadores e para a gestão de negócios, com
significação/identidade,
empregabilidade e qualificação
acadêmica.
Heber Odahyr®
Referência Bibliográfica
• ANDRADE Jr, H.; SOUZA, M. A.; BROCHIER, J. I. Representação Social da Educação Ambiental e
da Educação em Saúde em Universitários. Psicologia: Reflexão e Crítica. v. 17, n. 1, p. 43-50, 2004.
• ARROYO, Miguel G. As relações sociais na escola e a formação do trabalhador. In: Trabalho,
formação e currículo: para onde vai a escola? São Paulo: Xamã, 1999.
• BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais
Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de
Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Ensino Médio. Disponível em:
<http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992:diretrizes-para-a-educacao-
basica>. Acessado em: 16 abr. 2014.
• COLL, César. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre, Artmed, 1994.
• DUARTE, Bárbara Regina Gonçalves Vaz. Reestruturação produtiva, formação e identidade: o
Projeto Escola de Fábrica e a constituição identitária de jovens trabalhadores. 154 f. 2008.
Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Pelotas. Pelotas-RS, 2008.
Disponível em: < http://www2.ufpel.edu.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=524>. Acesso em:
16 abr. 2014.
• FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e
Terra, 1996.
• FREIRE. P. Pedagogia do Oprimido. 38ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
• GRAMSCI, Antônio. Cadernos do cárcere. vol. 2. 6. ed. Tradução: Carlos Nelson Coutinho.
Civilização Brasileira, 2011.
• SAUVÉ, L; ORELLANA, I. A. Formação continuada de professores em Educação Ambiental: a
proposta EDAMAZ. In: SANTOS, J. E; SATO, M. A. Contribuição da Educação Ambiental à
Esperança de Pandora. São Carlos: RIMA, 2001.
• SILVA, M. R. Perspectivas curriculares contemporâneas. Curitiba: IBPEX, 2012.
• SILVA, T. T. Teorias do Currículo. Uma introdução. Porto: Porto Editora, 2000.
• TYLER, Ralph W. Princípios básicos de currículo e ensino. Editora Globo - Edição/Ano: 3ª edição,
OBRIGADO !!!
hebermello2001@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 historia ideias_supervisao_slideshare
1 historia  ideias_supervisao_slideshare1 historia  ideias_supervisao_slideshare
1 historia ideias_supervisao_slideshare
klivianunes
 
O Docente da Educação Superior Brasileira
O Docente da Educação Superior BrasileiraO Docente da Educação Superior Brasileira
O Docente da Educação Superior Brasileira
revistas - UEPG
 
Formação de professores
Formação de professores Formação de professores
Formação de professores
Jose Rodriguez
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
UNICEP
 
Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática
Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática
Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática
Vyeyra Santos
 
O que é currículo
O que é currículoO que é currículo
O que é currículo
Jussara Bridi
 
Slide aula otp
Slide aula otpSlide aula otp
Slide aula otp
IsisRA1
 
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel   portifólio estágio supervisionado iiGabriel   portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
familiaestagio
 
Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1
mjcborges30
 
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Jorge Purgly
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
Bia Bernardino
 
Sequencia didática eja sem. diagnóstica
Sequencia didática   eja sem. diagnósticaSequencia didática   eja sem. diagnóstica
Sequencia didática eja sem. diagnóstica
josivaldopassos
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
Maryanne Monteiro
 
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
Marcelo Gomes
 
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superiorO estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
diagoprof
 
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckmanDiretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Jesus Borges
 
ExpressãO Oral E Escrita I I
ExpressãO Oral E Escrita  I IExpressãO Oral E Escrita  I I
ExpressãO Oral E Escrita I I
georgescheller
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionado
Marcelo Rony
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?
Elicio Lima
 
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professorFormação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Cristiana Campos
 

Mais procurados (20)

1 historia ideias_supervisao_slideshare
1 historia  ideias_supervisao_slideshare1 historia  ideias_supervisao_slideshare
1 historia ideias_supervisao_slideshare
 
O Docente da Educação Superior Brasileira
O Docente da Educação Superior BrasileiraO Docente da Educação Superior Brasileira
O Docente da Educação Superior Brasileira
 
Formação de professores
Formação de professores Formação de professores
Formação de professores
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática
Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática
Relatório de Estágio Supervisionado IV em Matemática
 
O que é currículo
O que é currículoO que é currículo
O que é currículo
 
Slide aula otp
Slide aula otpSlide aula otp
Slide aula otp
 
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel   portifólio estágio supervisionado iiGabriel   portifólio estágio supervisionado ii
Gabriel portifólio estágio supervisionado ii
 
Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1Planodemelhoriadaescola1
Planodemelhoriadaescola1
 
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
 
Slide pronto
Slide prontoSlide pronto
Slide pronto
 
Sequencia didática eja sem. diagnóstica
Sequencia didática   eja sem. diagnósticaSequencia didática   eja sem. diagnóstica
Sequencia didática eja sem. diagnóstica
 
Relatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolarRelatório de gestão escolar
Relatório de gestão escolar
 
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...A importância  do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas   li...
A importância do estágio supervisionado no curso de ciências biológicas li...
 
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superiorO estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
O estagio-curricular-e-sua-eficacia-na-educacao-superior
 
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckmanDiretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
Diretrizes curriculares centro de ensino manoel beckman
 
ExpressãO Oral E Escrita I I
ExpressãO Oral E Escrita  I IExpressãO Oral E Escrita  I I
ExpressãO Oral E Escrita I I
 
Estágio supervisionado
Estágio supervisionadoEstágio supervisionado
Estágio supervisionado
 
Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?Formação de professores:O que é formação?
Formação de professores:O que é formação?
 
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professorFormação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
Formação continuada em serviço: um estudo sobre o projeto sala de professor
 

Destaque

Olavo de carvalho o minimo que voce precisa saber
Olavo de carvalho  o minimo que voce precisa saberOlavo de carvalho  o minimo que voce precisa saber
Olavo de carvalho o minimo que voce precisa saber
Luiz Roberto Brandao Pires
 
Clase semana 1 bases filio y cient
Clase semana 1 bases filio y cientClase semana 1 bases filio y cient
Clase semana 1 bases filio y cient
margothaguilar
 
Mercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentos
Mercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentosMercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentos
Mercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentos
Gabriel Pereira
 
55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO
55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO
55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO
MeuSadruga
 
O que é Blog?
O que é Blog?O que é Blog?
O que é Blog?
RafaellaMBarcelos
 
3 lecciones-aprendidas
3 lecciones-aprendidas3 lecciones-aprendidas
3 lecciones-aprendidas
Luis Mojica
 
Autoestima presentación bryan lópez navas-
Autoestima presentación  bryan lópez navas-Autoestima presentación  bryan lópez navas-
Autoestima presentación bryan lópez navas-
Bryan Navas
 
Instrucciones
InstruccionesInstrucciones
Torneo eje corporativo
Torneo eje corporativoTorneo eje corporativo
Torneo eje corporativo
Agrupando Ideas
 
Torres de hanoi
Torres de hanoiTorres de hanoi
Torres de hanoi
estfermin
 
Cusum e mmep
Cusum e mmepCusum e mmep
Cusum e mmep
Luan_Soares
 
MOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constante
MOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constanteMOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constante
MOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constante
Motorola Solutions LatAm
 
Silabo ingenieria de software
Silabo  ingenieria de software Silabo  ingenieria de software
Silabo ingenieria de software
Jose Mera
 
Carros eletricos
Carros eletricosCarros eletricos
Carros eletricos
Jean Carlo
 
Ensayo diseño de software
Ensayo diseño de softwareEnsayo diseño de software
Ensayo diseño de software
cesarzd15
 
Blog
BlogBlog
ItapeMapa Apresentação ao Público
ItapeMapa Apresentação ao PúblicoItapeMapa Apresentação ao Público
ItapeMapa Apresentação ao Público
F5 Sites
 
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
1sested
 
UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |
UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |
UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |
Porto Imóveis Rio
 

Destaque (20)

Olavo de carvalho o minimo que voce precisa saber
Olavo de carvalho  o minimo que voce precisa saberOlavo de carvalho  o minimo que voce precisa saber
Olavo de carvalho o minimo que voce precisa saber
 
Clase semana 1 bases filio y cient
Clase semana 1 bases filio y cientClase semana 1 bases filio y cient
Clase semana 1 bases filio y cient
 
Mercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentos
Mercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentosMercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentos
Mercado de trabalho e relações de trabalho na cana de açúcar_alguns apontamentos
 
55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO
55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO
55 LIÇÕES TIRADAS DO LIVRO - O JOGO
 
O que é Blog?
O que é Blog?O que é Blog?
O que é Blog?
 
3 lecciones-aprendidas
3 lecciones-aprendidas3 lecciones-aprendidas
3 lecciones-aprendidas
 
Autoestima presentación bryan lópez navas-
Autoestima presentación  bryan lópez navas-Autoestima presentación  bryan lópez navas-
Autoestima presentación bryan lópez navas-
 
Instrucciones
InstruccionesInstrucciones
Instrucciones
 
Torneo eje corporativo
Torneo eje corporativoTorneo eje corporativo
Torneo eje corporativo
 
Torres de hanoi
Torres de hanoiTorres de hanoi
Torres de hanoi
 
Cusum e mmep
Cusum e mmepCusum e mmep
Cusum e mmep
 
MOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constante
MOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constanteMOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constante
MOTOTRBO - Torne as entregas no horário uma realidade constante
 
Silabo ingenieria de software
Silabo  ingenieria de software Silabo  ingenieria de software
Silabo ingenieria de software
 
Carros eletricos
Carros eletricosCarros eletricos
Carros eletricos
 
Ensayo diseño de software
Ensayo diseño de softwareEnsayo diseño de software
Ensayo diseño de software
 
Limpa Tudo Pelotas
Limpa Tudo PelotasLimpa Tudo Pelotas
Limpa Tudo Pelotas
 
Blog
BlogBlog
Blog
 
ItapeMapa Apresentação ao Público
ItapeMapa Apresentação ao PúblicoItapeMapa Apresentação ao Público
ItapeMapa Apresentação ao Público
 
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
ASPECTOS SOCIAIS E EDUCACIONAIS NO MEIO AMBIENTE: UM ESTUDO DE CASO DA ARACRU...
 
UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |
UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |
UNIQUE RESIDENCIAL APARTAMENTOS DE 2 E 3 QUARTOS ROCHA/SÃO FRANCISCO XAVIER |
 

Semelhante a Curriculo_Heber_Sônia

Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
renatalguterres
 
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclosEstratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Márcia Castilho de Sales
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
MellitaLobenweinBras
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
Rosinara Azeredo
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Geo 4 not plan
Geo 4 not planGeo 4 not plan
Geo 4 not plan
Fernando Pimentel
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
Beatriz
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
Beatriz
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
Ulisses Vakirtzis
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Simone Mendes Dos Santos
 
Ciclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagensCiclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagens
Márcia Castilho de Sales
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
Natalia384006
 
1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadores1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadores
Rosemary Batista
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Simone Mendes Dos Santos
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
bucarbio
 

Semelhante a Curriculo_Heber_Sônia (20)

Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclosEstratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
Estratégias Didático-pedagógicas e Avaliação nos ciclos
 
Apresentação.pptx
Apresentação.pptxApresentação.pptx
Apresentação.pptx
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Geo 4 not plan
Geo 4 not planGeo 4 not plan
Geo 4 not plan
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Currículo escolar
Currículo escolarCurrículo escolar
Currículo escolar
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
programa mais educação sp
programa mais educação spprograma mais educação sp
programa mais educação sp
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
Áreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogoÁreas de atuação do pedagogo
Áreas de atuação do pedagogo
 
1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp1. programa mais educação sp
1. programa mais educação sp
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando (1)
 
Ciclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagensCiclos progressivos de aprendizagens
Ciclos progressivos de aprendizagens
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
 
1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadores1ª reunião com os coordenadores
1ª reunião com os coordenadores
 
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomandoPed 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
Ped 8 1-coordenação pedagógica-aula 8-un 8-rev3_retomando
 
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucarUnid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
Unid4 ativ3 conceitos_decurriculostic_silvaniabucar
 

Mais de pactoensinomedioufu

Material rem apoio para os oe[1]
Material   rem apoio para os oe[1]Material   rem apoio para os oe[1]
Material rem apoio para os oe[1]
pactoensinomedioufu
 
Caderno 1- otpem-final
Caderno 1- otpem-finalCaderno 1- otpem-final
Caderno 1- otpem-final
pactoensinomedioufu
 
Trabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusosTrabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusos
pactoensinomedioufu
 
Texto sobre rocas e fusos
Texto sobre rocas e fusosTexto sobre rocas e fusos
Texto sobre rocas e fusos
pactoensinomedioufu
 
Texto apólogo branca de neve
Texto apólogo branca de neveTexto apólogo branca de neve
Texto apólogo branca de neve
pactoensinomedioufu
 
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6
pactoensinomedioufu
 
Sugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presenteSugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presente
pactoensinomedioufu
 
Reflexões caderno 6
Reflexões caderno 6Reflexões caderno 6
Reflexões caderno 6
pactoensinomedioufu
 
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medioMariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
pactoensinomedioufu
 
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x
Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x
pactoensinomedioufu
 
Integração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o remIntegração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o rem
pactoensinomedioufu
 
Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5
pactoensinomedioufu
 
Discussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticuladoDiscussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticulado
pactoensinomedioufu
 
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdoDesenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
pactoensinomedioufu
 
Comandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticuladoComandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticulado
pactoensinomedioufu
 
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escolaAtividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
pactoensinomedioufu
 
Texto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integraçãoTexto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integração
pactoensinomedioufu
 
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade  a natureza da educaçãoTexto para estudo ou atividade  a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
pactoensinomedioufu
 
Texto 4 bullying na escola
Texto 4 bullying na escolaTexto 4 bullying na escola
Texto 4 bullying na escola
pactoensinomedioufu
 
Texto 3 racismo é burrice
Texto 3  racismo é burriceTexto 3  racismo é burrice
Texto 3 racismo é burrice
pactoensinomedioufu
 

Mais de pactoensinomedioufu (20)

Material rem apoio para os oe[1]
Material   rem apoio para os oe[1]Material   rem apoio para os oe[1]
Material rem apoio para os oe[1]
 
Caderno 1- otpem-final
Caderno 1- otpem-finalCaderno 1- otpem-final
Caderno 1- otpem-final
 
Trabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusosTrabalho em grupo sobre rocas e fusos
Trabalho em grupo sobre rocas e fusos
 
Texto sobre rocas e fusos
Texto sobre rocas e fusosTexto sobre rocas e fusos
Texto sobre rocas e fusos
 
Texto apólogo branca de neve
Texto apólogo branca de neveTexto apólogo branca de neve
Texto apólogo branca de neve
 
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6Sugestão atividade em grupo  apólogo branca de neve_ caderno 6
Sugestão atividade em grupo apólogo branca de neve_ caderno 6
 
Sugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presenteSugestão de dinâmica caixas de presente
Sugestão de dinâmica caixas de presente
 
Reflexões caderno 6
Reflexões caderno 6Reflexões caderno 6
Reflexões caderno 6
 
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medioMariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
Mariana fechamento teórico avaliação no ensino medio
 
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x
Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x Atividade em grupo  apólogo branca de neve  módulo x
Atividade em grupo apólogo branca de neve módulo x
 
Integração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o remIntegração caderno 5 pacto e o rem
Integração caderno 5 pacto e o rem
 
Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5Fechamento teórico oficina caderno 5
Fechamento teórico oficina caderno 5
 
Discussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticuladoDiscussões dinâmica boneco_desarticulado
Discussões dinâmica boneco_desarticulado
 
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdoDesenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
Desenvolvimento dinâmica boneco_desarticualdo
 
Comandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticuladoComandos dinâmica boneco_desarticulado
Comandos dinâmica boneco_desarticulado
 
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escolaAtividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
Atividade proposta em grupo refletindo sobre a gestão da escola
 
Texto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integraçãoTexto para estudo ou atividade a ciência da integração
Texto para estudo ou atividade a ciência da integração
 
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade  a natureza da educaçãoTexto para estudo ou atividade  a natureza da educação
Texto para estudo ou atividade a natureza da educação
 
Texto 4 bullying na escola
Texto 4 bullying na escolaTexto 4 bullying na escola
Texto 4 bullying na escola
 
Texto 3 racismo é burrice
Texto 3  racismo é burriceTexto 3  racismo é burrice
Texto 3 racismo é burrice
 

Último

Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
luggio9854
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LEDPlano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
Plano_Aula_01_Introdução_com_Circuito_Piscar_LED
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 

Curriculo_Heber_Sônia

  • 1. O Currículo do Ensino Médio Etapa I - Caderno 3 Heber Odahyr de Oliveira Mello
  • 2. O Currículo do Ensino Médio, seus sujeitos e o Desafio da Formação Humana Integral
  • 10. SENSIBILIZAÇÃO • Vídeo: – “Sete vidas eu tivesse...” – (A experiência inovadora do ensino vocacional na rede pública de São Paulo nos anos 60, interrompida de modo brutal pelo regime militar em 1969. Documentário realizado pelos alunos da turma de 1963 do Ginásio Estadual Vocacional Osvaldo Aranha (GEVOA). Direção, roteiro e montagem: José Maurício de Oliveira. Versão integral, 25 minutos.)
  • 13.  Em sentido amplo o currículo escolar abrange todas as experiências escolares (Samuel Rocha Barros);  É a totalidade das experiências de aprendizagem planejadas e patrocinadas pela escola (Jameson-Hicks);  São todas as experiências dos estudantes, que são aceitas pela escola como responsabilidade própria (Ragan);  São todas as atividades através das quais o estudante aprende (Hounston). O QUE É CURRÍCULO ESCOLAR?
  • 14. O QUE É CURRÍCULO ESCOLAR?  Em sentido restrito currículo escolar é o conjunto de matérias a serem ministradas em determinado curso ou grau de ensino. Neste sentido, o currículo abrange dois outros conceitos importantes: Plano de Estudos Programa de Ensino
  • 15. Plano de estudos  Plano de estudos é a lista de matérias que devem ser ensinadas em cada grau ou ano escolar, com indicação do tempo de cada uma, expressa geralmente em horas e semanas.
  • 16. Programa de ensino  É a "relação dos conteúdos correspondentes a cada matéria do plano de estudos, em geral, e em cada ano ou grau, com indicação dos objetivos, dos rendimentos desejados e das atividades sugeridas ao professor para melhor desenvolvimento do programa e outras instruções metodológicas" (OEA-UNESCO).
  • 17. O QUE É CURRÍCULO ESCOLAR? “[...] o currículo como o projeto que preside as atividades educativas escolares, define suas intenções e proporciona guias de ações adequadas e úteis para os professores, que são diretamente responsáveis por sua execução. Para isso, o currículo proporciona informações concretas sobre o que ensinar, quando ensinar, como ensinar e que, como e quando avaliar”. (Psicologia e currículo, São Paulo, Ática, 1996, p. 43-5).
  • 18. O QUE É PPP? No sentido etimológico, o termo projeto vem do latim projectu, particípio passado do verbo projicere, que significa lançar para diante. Plano, intento, desígnio. Empresa, empreendimento. Redação provisória de lei. Plano geral de edificação (Ferreira, 1975, p.144). Nessa perspectiva, o Projeto Político-Pedagógico vai além de um simples agrupamento de planos de ensino e de atividades diversas. O projeto não é algo que é construído e em seguida arquivado ou encaminhado às autoridades educacionais como prova do cumprimento de tarefas burocráticas. Ele é construído e vivenciado em todos os momentos, por todos os envolvidos com o processo educativo da escola.
  • 19. O QUE É PDDE - ÁGUA? Objetivo: Destinar recursos financeiros de custeio e de capital às escolas do campo e quilombolas, garantindo as adequações necessárias ao abastecimento de água em condições apropriadas para consumo e o esgotamento sanitário nas unidades escolares que tenham declarado no Censo a inexistência de abastecimento de água ou de esgotamento sanitário e ainda não tenham sido beneficiadas com essa assistência pecuniária. - Vídeo: “Truques com a água”
  • 20. O QUE É PDDE - ÁGUA? Ação: Os recursos financeiros devem ser empregados na aquisição de equipamentos, instalações hidráulicas e contratação de mão de obra, necessários à construção de poços, cisternas, fossa séptica e outras formas que assegurem provimento contínuo de água adequada ao consumo humano e esgotamento sanitário. Os recursos são liberados às escolas, conforme os critérios estabelecidos em Resolução a partir do número de matrículas, sendo que de 4 a 50 matrículas; de 51 a 150 matrículas e com mais de 150 matrículas.
  • 22. O currículo é um projeto. Não se trata de algo pronto e acabado, mas de algo a ser construído permanentemente no dia-a-dia da escola, com a participação ativa de todos os interessados na atividade educacional, particularmente daqueles que atuam diretamente no estabelecimento escolar, como educadores e educandos, mas também dos membros da comunidade em que se situa a escola. 1
  • 23. O currículo situa-se entre as intenções, princípios e orientações gerais e a prática pedagógica. Mais do que apenas evitar a distância e o hiato entre esses dois polos do processo educacional - as intenções e as práticas - o currículo deve estabelecer uma vinculação coerente entre eles, deve constituir um eficaz instrumento que favoreça a realização das intenções, princípios e orientações numa ação prática efetiva com vistas ao desenvolvimento dos educandos. 2
  • 24. O currículo é abrangente, não compreende apenas as matérias ou os conteúdos do conhecimento, mas também sua organização e sequência adequadas, bem como os métodos que permitem um melhor desenvolvimento dos mesmos e o próprio processo de avaliação, incluindo questões como o que, como e quando avaliar. 3
  • 25. O currículo é um guia, um instrumento útil para orientar a prática pedagógica, uma ajuda para o professor. Por isso mesmo, na medida em que atrapalhar o processo de ensino-aprendizagem, deverá ser imediatamente modificado. O professor precisa estar atento, por exemplo, à extensão do conteúdo - se excessivamente extenso deve ser reduzido para facilitar a efetiva aprendizagem do mesmo; ao método com que o mesmo é ensinado - um método pode ser eficaz em alguns casos e ineficaz em outros; à eficácia do processo de avaliação no sentido de não prejudicar mas favorecer o desenvolvimento contínuo dos estudantes; e assim por diante. 4
  • 26. Para que cumpra tais funções, o currículo deve levar em conta as reais condições nas quais vai se concretizar: as condições do professor, as condições dos alunos, as condições do ambiente escolar, as condições da comunidade, as características dos materiais didáticos disponíveis, etc. 5
  • 27. O currículo não substitui o professor, mas é um instrumento a seu serviço. Cabe ao professor orientar e dirigir o processo de ensino-aprendizagem, inclusive modificando o próprio currículo de acordo com as aptidões, os interesses e as características culturais dos educandos. 6
  • 28. O currículo não possui neutralidade. Todo o fazer pedagógico, do planejamento à avaliação, é um fazer político e é um processo eminentemente coletivo. Quando se faz o PPP (Projeto Político Pedagógico), deve-se atentar para o diagnóstico que pode se tornar um profundo processo coletivo de avaliação de como a escola tem-se organizado, das dificuldades que tem encontrado, das possibilidades de superação dessas dificuldades e do avanço em direção a uma melhor qualidade da educação. 7
  • 29. O planejamento curricular ultrapassa o caráter instrumental e meramente técnico. Dessa forma, ele adquire a condição de conferir materialidade às ações politicamente definidas pelos sujeitos da escola, os quais são representados pelos estudantes, professores, coordenadores pedagógicos, gestores. O planejamento deve partir da realidade concreta e estar voltado para atingir as finalidades da educação básica definidas pelo coletivo da escola. 8
  • 31. Perspectivas do Currículo • No início do século XX, o planejamento curricular estava pautado na transferência de técnicas de organização do trabalho fabril para a escola. • Em seu livro The Curriculum, F. Bobbit defendia os princípios para o trabalho em geral. • Segundo Ralph Tyler (1976), o currículo deveria ser orientado a partir de quatro questões básicas, a saber:
  • 32. 1- Que objetivos educacionais a escola deve procurar atingir? 2- Que experiências educacionais podem ser oferecidas que tenham probabilidade de alcançar esses propósitos? 3- Como organizar eficientemente essas experiências educacionais? 4- Como podemos ter a certeza de que esses objetivos estão sendo buscados?
  • 33. Baseados no que foi proposto por Silva, M. R. (2000, 2007), podemos então concluir que, o currículo compreende a seleção de conhecimentos e de práticas sociais historicamente acumulados, considerados relevantes de um dado contexto histórico e definidos tendo por base o projeto de sociedade e de formação humana que a ela se articula. É expressa por meio de uma proposta pedagógica definida coletivamente e na qual se explicitam as intenções de formação, em como as práticas escolares as quais deseja realizar com vistas a dar materialidade a essa proposta.
  • 34. Aplicação da Proposta do Projeto REM na Escola Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho: os homens se libertam em comunhão. Paulo Freire (1987, p. 52)
  • 36. FORMAÇÃO EDUCATIVA CIDADÃ CONSCIENTE, SUSTENTÁVEL, ATIVA E COLETIVAO projeto Reinventando ancora-se em três princípios fundamentais, os quais circunscrevem a sua natureza: significação/identidade, empregabilidade e qualificação acadêmica. Por significação/identidade entendemos, inicialmente, a necessidade de que esse ciclo e estudos venham a ser percebidos pelos estudantes como a oferta de um conjunto de Recursos simbólicos capaz de favorecer a inserção no mundo e a compreensão dos processos sociais. A importância de adicionar um fator de qualificação para o trabalho à formação propiciada pelo ensino médio pode ser atestada, por exemplo, pela consulta aos dados referentes a crescimento salarial, conforme indica o quadro a seguir, que retrata os problemas associados á relação atual entre a formação propiciada pelo Ensino Médio e o crescimento salarial. Em se tratando das áreas de empregabilidade, observa-se, em todas as propostas de currículo, a flexibilização como um dos princípios básicos, que busca incentivar a participação ativa dos nossos estudantes, estimulando-os a serem protagonistas da ação educativa. MEIO AMBIENTE E RECURSOS NATURAIS Capacitação voltada para tecnologias associadas à melhoria de qualidade de vida, à preservação, conservação e utilização da natureza e difusão de atitudes e comportamentos sustentáveis, promovendo a formação de uma cidadania mais coerente, participativa e politicamente correta. EMPREENDEDORISMO E GESTÃO Capacitação voltada para o desenvolvimento do potencial criativo, capaz de transformar conhecimentos e bens em novos produtos inovadores e para a gestão de negócios, com significação/identidade, empregabilidade e qualificação acadêmica.
  • 38. Referência Bibliográfica • ANDRADE Jr, H.; SOUZA, M. A.; BROCHIER, J. I. Representação Social da Educação Ambiental e da Educação em Saúde em Universitários. Psicologia: Reflexão e Crítica. v. 17, n. 1, p. 43-50, 2004. • ARROYO, Miguel G. As relações sociais na escola e a formação do trabalhador. In: Trabalho, formação e currículo: para onde vai a escola? São Paulo: Xamã, 1999. • BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica/ Ministério da Educação. Secretária de Educação Básica. Diretoria de Currículos e Educação Integral. – Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Ensino Médio. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&id=12992:diretrizes-para-a-educacao- basica>. Acessado em: 16 abr. 2014. • COLL, César. Aprendizagem escolar e construção do conhecimento. Porto Alegre, Artmed, 1994. • DUARTE, Bárbara Regina Gonçalves Vaz. Reestruturação produtiva, formação e identidade: o Projeto Escola de Fábrica e a constituição identitária de jovens trabalhadores. 154 f. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Pelotas. Pelotas-RS, 2008. Disponível em: < http://www2.ufpel.edu.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=524>. Acesso em: 16 abr. 2014. • FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. • FREIRE. P. Pedagogia do Oprimido. 38ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987. • GRAMSCI, Antônio. Cadernos do cárcere. vol. 2. 6. ed. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. Civilização Brasileira, 2011. • SAUVÉ, L; ORELLANA, I. A. Formação continuada de professores em Educação Ambiental: a proposta EDAMAZ. In: SANTOS, J. E; SATO, M. A. Contribuição da Educação Ambiental à Esperança de Pandora. São Carlos: RIMA, 2001. • SILVA, M. R. Perspectivas curriculares contemporâneas. Curitiba: IBPEX, 2012. • SILVA, T. T. Teorias do Currículo. Uma introdução. Porto: Porto Editora, 2000. • TYLER, Ralph W. Princípios básicos de currículo e ensino. Editora Globo - Edição/Ano: 3ª edição,