SlideShare uma empresa Scribd logo
APONTAMENTOS SOBRE A PROPOSTA
                PEDAGÓGICA DA SEE
A Secretaria da Educação descreve a atual proposta curricular implantada na rede
desde 2008 como um projeto para os níveis de ensino fundamental e médio, sob
coordenação da professora Maria Inês Fini, da assessoria da pasta de educação.
A professora Maria Inês Fini é aposentada do departamento de educação da Unicamp,
já ocupou cargos no MEC e foi uma das responsáveis pela implantação do ENEM,
sendo muito próxima de Maria Helena Guimarães de Castro, atual secretaria de
educação, e de Guiomar Namo de Mello, comungando das idéias centrais defendidas
por ambas, ancoradas em uma conceituação inovadora de currículo e avaliação, de
construção coletiva e autônoma da proposta pedagógica, de respeito às diferenças etc,
mas com tratamento de mão de ferro aos professores, que buscam responsabilizar
pelas mazelas da educação.

Na apresentação da proposta definem-se três conjuntos de documentos, a saber: 1.
Documento básico com princípios orientadores; 2. Documento de orientações para a
gestão do currículo na escola; 3. Os cadernos do professor.

1. APRESENTAÇÃO

DOIS DOCUMENTOS – Básico
                - Orientações para a Gestão do Currículo na Escola
Objetivos:
   Propor um currículo para os níveis de ensino fundamental II e médio
   Melhoria da qualidade das aprendizagens de seus alunos
   Realizar amplo levantamento do acervo documental e técnico pedagógico existente
   Iniciar um processo de consulta á escola e aos professores
   Ser mais do que uma declaração de intenções
   Garant ir a todos uma base co mum de conhecimentos e competências

DOCUEMENTO BÁSICO – Gestão

      Promover competências indispensáveis ao enfrentamento dos desafios sociais, culturais e
       profissio nais do mundo contemporâneo.
      Aborda: - principais características da sociedade do conhecimento
                  - pressões que a contemporaneidade exerce sobre os jovens cidadãos
                  - preparar os alunos para esse novo tempo
                  - priorizar competências de leitura e escrita

Definição de escola – Espaço de Cultura e de articulação de competências e conteúdos disciplinares

DOCUMENTO 2 - – Orientações para a Gestão do Currículo na escola

      Finalidade específica – o gestor deve ser um líder e animador na implementação da proposta
                          - Disponibilizar outros programas e materiais sobre o tema gestão para:
      Assegurar aprendizagens dos conteúdos e constituição das competências previstas na
       proposta curricular
      Estímulo à vida cultural da esco la e do fortalecimento de suas relações com a comunidade
   Educação continuada para professores

O que complementa a proposta
    Cadernos do professor por bimestre e disciplina
    Situações de aprendizagens para orientar o professor nos conteúdos, habilidades e
      competências.
    Gestão da sala de aula, avaliação, recuperação, sugestões de métodos, estratégias do trabalho
      nas aulas, atividades extraclasse e estudos disciplinares.



2. Educação para a altura dos desafios contemporâneos

Caracterização da Sociedade do Século XXI
Mundo
    O uso intensivo do conhecimento para trabalhar, conviver, exercer cidadania e cuidar do
      ambiente.
    A sociedade do século XXI é produto da revolução tecnológica
    Processos políticos redesenharam relações mundiais gerando um novo tipo de exclusão (a
      das tecnologias e comunicação que mediam acesso ao conhecimento e bens culturais)
    Exclusão – Bens materiais, conhecimentos e bens culturais.

Brasil – Educação
    Democratização do acesso, mas é indispensável à universalização da relevância da
       aprendizagem.
    Valorização das características cognitivas e afetivas
    Capacidades de resolver problemas, trabalhar em grupo, resolver problemas, ser cooperativo
       e continuar aprendendo.
    O diferencial na competitividade será dado pela qualidade da educação recebida
       (competências constituídas na vida escolar)
    A população mais pobre acorre à qualidade para inserção no mundo do trabalho produtivo e
       solidário
    Atender a adolescência precoce com ingresso tardio no trabalho
    Ampliar a importância da escola como espaço privilegiado para o desenvolvimento do
       pensamento autônomo - para formar autonomia responsável
    Ser estudante significa aprender a ser livre e ao mesmo tempo respeitar as diferenças e as
       regras de convivência
    Acentuar diferenças culturais, sociais e econômicas. Só uma educação de qualidade para
       todos pode evitar que essas diferenças constituam mais um fator de exclusão.
    Desenvolvimento pessoal – aprimorar capacidades de agir, pensar, atuar, atribuir
       significados e ser percebido e significado pelos outros.
    Educação a serviço do desenvolvimento, da construção da identidade da autonomia e da
       liberdade.
    Educação articuladora que transite entre o local e o mundial de forma cooperativa e
       solidária, uma síntese dos saberes produzidos pela humanidade.
    Tal síntese é uma das condições para acessar o conhecimento necessário ao exercício da
       cidadania em dimensão mundial
    Aprender a aprender – autonomia para gerenciar a própria aprendizagem – aprender a fazer
       e a conviver – resultado da autonomia em intervenções solidárias é a base para a
       continuidade da produção cultural e das práticas sociais.
    Preparar indivíduos para manter o equilíbrio da produção cultural num tempo em que a
       duração se caracteriza não pela permanência, mas pela mudança constante (o inusitado,
       incerto, e o urgente constituem a regra e não a exceção).
   Apropriar-se ou não desses conhecimentos, pode ser um instrumento da ampliação das
       liberdades ou mais um fator de exclusão.

Princípios centrais:
    A escola que aprende
    O currículo como espaço de cultura
    As competências como eixo da aprendizagem
    Prioridade da competência da leitura e da escrita
    A articulação das competências para aprender
    Contextualização no mundo do trabalho
3 - Princípios - Currículo

A - Escola que também aprende
     A escola deixa de ser instituição que ensina e passa a ser a que aprende a ensinar
     A capacidade de aprender se ampliará dos alunos para a própria escola
     A tecnologia facilita a viabilização da “comunidade aprendente” porque imprime ritmo sem
       precedentes ao acúmulo de conhecimentos
     A escola deve aprender que o conhecimento coletivo é maior do que a somo dos
       conhecimentos individuais

B – Papel da Equipe Gestora
    A equipe gestora é responsável pela formação dos professores e esses, em conjunto com o
      grupo gestor são responsáveis pela problematização e significação dos conhecimentos.
    Os gestores como agentes formadores devem aplicar como professores tudo aquilo que
      recomendar que apliquem aos alunos
    Construção coletiva da proposta pedagógica por meio da reflexão e prática compartilhadas.

C - Currículo como espaço de cultura

ANTES – Plano de trabalho indicava o que seria ensinado ao aluno
HOJE – O foco foi dirigido para a aprendizagem, não mais a liberdade de ensino mais o direito de
aprender.
     Todas as atividades da escola são curriculares. É preciso conectar o currículo à vida com
       aprendizagens relevantes para os alunos.
     O conhecimento como instrumento mobilizador em competências reforça o sentido cultural
       da aprendizagem
     Numa escola com vida cultural ativa, o conhecimento torna-se um prazer e pode ser
       aprendido ao se aprender a aprender.
     O professor é o parceiro de fazeres culturais
     O Projeto pedagógico tem como prioridade a cidadania cultural e o currículo é a referencia
       para ampliar, localizar e contextualizar os conhecimentos.

D - Competências como referencia
     Articular as disciplinas com aquilo que se espera que os alunos aprendam
     Atuação do professor, conteúdos, metodologia e aprendizagens têm funções específicas, mas
      são indissociáveis e se complementam.
     Articular as disciplinas com as competências e habilidades dos alunos para que esses façam
      a leitura crítica do mundo, enfrentem problemas e ajam de forma coerente em favor das
      múltiplas possibilidades de solução.
     Competência caracteriza modos de ser raciocinar e interagir, que podem ser desprendidos
      das ações e das tomadas de decisão em contextos de problemas, tarefas ou atividades.

E – Caracterização dos alunos
   Alunos de 11 a 18 anos estão em momento complexo e contraditório, o que deve orientar
       nossa proposta sobre o papel da escola nessa fase da vida.
      Ponderar aspectos curriculares, recursos cognitivos, afetivos e sociais que os alunos
       dispõem.
      Analisar como o professor mobiliza conteúdos visando desenvolver competências em
       adolescentes

TRIADE SOBRE QUAIS COMPETENCIAS E HABILIDADES SÃO DESENVOLVIDAS
    O adolescente e suas características de ações e pensamentos
    O professor e suas características e a qualidade de suas mediações
    Conteúdos e metodologias para seu ensino e aprendizagem
Motivo – democratização da escola e equidade é tarefa coletiva tendo a frente o gestor para
capacitar o professor em seu dia a dia. A unidade não é obtida no ensino, mas na igualdade de
oportunidades, na diversidade, para garantir a todos uma base comum.

   4. Prioridade - Competência de leitura e escrita

      O ser humano constitui-se num ser de linguagem e disso decorre todo o restante
      É na adolescência que a linguagem torna-se instrumento para compreender e agir sobre o
       mundo real.
      Importante não apenas o domínio da língua mais de todas as outras linguagens. As
       linguagens são sistemas simbólicos
      Na sociedade atual as linguagens e os códigos se multiplicam: os meios de comunicação
       estão repletos de gráficos, esquemas, diagramas, fotografias e desenhos.
      Para acompanhar tal contexto, a competência de leitura e escrita vai além da linguagem
       verbal vernácula, refere-se a sistemas simbólicos, tendo como base o pensamento
       antecipatório, combinatório e probabilístico.

   Antecipatório – Antecipar as conseqüências de uma ação sem precisar realizá-la
   Combinatório – Fazer combinações e analisar hipóteses sem precisar conferi-las de antemão
   Probabilístico – Estabelecer relações de relações – imaginar um objeto e agir sobre ele
   decidindo se vale a pena ou não interagir com ele ou em outro plano.

   Criança – Realiza e compreende o falar, pensar ou sentir, mas não o sabem como forma de
   linguagem.
   Adolescente – É possível transformar o ser humano em um ser de linguagem, em sua expressão
   mais radical – uma forma de compreensão e ação sobre o mundo.

      A cultura da linguagem, do ponto de vista, social e afetivo, possibilita ao adolescente
       aprender, pouco a pouco, a considerar suas escolhas em uma escala de valores.
      É em virtude da centralidade da linguagem. No desenvolvimento da Criança e do
       adolescente que se prioriza, como objetivo de todas as disciplinas, a competência leitora e
       escritora e só por meio dela será possível constituir as demais competências.
      A Responsabilidade pela aprendizagem e avaliação cabe a todos os professores
      O domínio das linguagens é um dos elementos de conquista e autonomia.


5. ARTICULAÇÃO DAS COMPETENCIAS PARA APRENDER

      A aprendizagem é o centro da atividade escolar
      Papel do Professor: que é o profissional da aprendizagem e não tanto do ensino: Apresentar
       e explicar os conteúdos, organizar situações para a aprendizagem de conceitos, métodos,
       formas de agir e pensar, promover conhecimentos que se mobilizados em competências e
habilidades, que instrumentalizem os alunos para enfrentar os problemas do mundo real
       (educar para á vida).
      Papel da Escola: que não é a única detentora do conhecimento e da informação:
       preparar o aluno para viver em sociedade que não exigem maior quantidade de ensino e sim
       melhor qualidade da aprendizagem.Mais que os conteúdos isolados as competências são
       guias eficazes para a vida. É exatamente a possibilidade de variar os conteúdos no tempo e
       no espaço que legitima a iniciativa dos diferentes sistemas públicos de ensino.




A proposta curricular adota como competências para aprender as formuladas
pelo referencial teórico do ENEM voltado para a competência do ler e escrever:

I – Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática,
artística e científica:
LER: é interpretar (atribuir sentido ou significado)
ESCREVER: é assumir uma autoria individual ou coletiva (tornar-se responsável por uma ação e
suas conseqüências)

II – Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de
fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das
manifestações artísticas.
LER: modo de compreender, assimilar experiências ou conteúdos disciplinares (e os modos de sua
produção).
ESCREVER: Expressar sua construção ou reconstrução com sentido

III – Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de
diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema.
LER: Antecipar, de forma comprometida, a ação para intervir no fenômeno e resolver os problemas
decorrentes deles.
ESCREVER: Dominar os muitos formatos que a solução do problema comporta

IV - Relacionar informações representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis
em situações concretas, para construir argumentação consistente.
LER: Sintetizar a capacidade de escutar, supor, informar-se, relacionar, comparar, etc.
ESCREVER: dominar os códigos que expressam a defesa ou a reconstrução de argumentos

V – Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaborar propostas de
intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a
diversidade sócio-cultural.
LER: Antecipação de uma intervenção sobre o fenômeno, com tomada de decisões a partir de uma
escala de valores.
ESCREVER: Formular um plano para a intervenção, levantar hipóteses sobre os meios eficientes
para garantir resultados.

SÍNTESE: REALIZAÇÃO DE PROJETOS ESCOLARES QUE OS ALUNOS PARENDEM A
CRITICAR, RESPEITAR E PROPOR PROJETOS VALIOSOS PARA TODA A SOCIEDADE.


6. ARTICULAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO

      A legislação estabelece que no ensino básico não se trata de formar especialistas nem
       profissionais, mas preparar para assumir plenamente a cidadania o que passa pela
alfabetização científica, humanista, lingüística, artística e técnica, para que sua cidadania
      tenha qualidade. O prazo para isso é todo o Ensino Básico.
     - Que limitações e potenciais têm os enfoques próprios das áreas
     - Que práticas humanas, das mais simples às mais complexas, têm fundamento ou inspiração
      nessa ciência, arte ou área de conhecimento?
     - Quais as grandes polêmicas nas várias disciplinas ou áreas de conhecimento?




A RELAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA EM CADA DISCIPLINA DO CURRÍCULO

     Compreender como a teoria se aplica em contextos reais ou simulados, pois parte dos
      problemas de qualidade do ensino decorre da dificuldade em destacar a dimensão prática do
      conhecimento, tornando-o verbalista e abstrato.
  Exemplos:
  1. Reproduzir a indagação de origem – a necessidade que levou a construção do conhecimento.
  2. História é considerada teórica, mas nada é tão prático quanto entender a origem de uma
  cidade e as razões da configuração urbana
  3. Química é considerada mais prática por envolver atividades em laboratório, mas nada é mais
  teórico do que o estudo da tabela de elementos químicos.
  Não é preciso ser químico para escolher o que se vai comer.

   Os cidadãos plenos devem adquirir discernimento e conhecimentos pertinentes para tomar
  decisões em diversos momentos, em relação à escolha de alimentos, uso da eletricidade
  consumo de água, seleção de programas de TV ou escolha do candidato a um cargo político.

  AS RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA
  A lei determina que deva se associar o currículo a “compreensão dos fundamentos científicos
  dos processos produtivos” e detalha nas Diretrizes Curriculares Nacionais que o aluno deve
  demonstrar ao final da Educação Básica, o “domínio dos princípios científicos e tecnológicos da
  produção moderna”.

  1. Alfabetização tecnológica- entender as tecnologias da história humana como elementos da
  cultura, como parte das práticas sociais, culturais e produtivas com o sentido de preparar para
  viver e conviver em um mundo no qual a tecnologia está cada vez mais presente em qualquer
  situação sócio econômica: tarja magnética, celular, código de barras etc.
  2. Compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos da produção – A tecnologia é a
  chave para relacionar o currículo ao mundo da produção de bens e serviços, mas deve se evitar a
  existência de disciplinas “tecnológicas” isoladas dos conhecimentos que lhe fundamentam.

  PRIORIDADE PARA O CONTEXTO DO TRABALHO
   O trabalho enquanto produção de bens e serviços revela-se como a prática humana mais
    importante para conectar os conteúdos do currículo com a realidade.
   O valor do trabalho incide em toda a vida escolar desde a valorização dos trabalhadores da
    escola e da família, até o respeito aos trabalhadores da comunidade, o conhecimento do
    trabalho como produtor da riqueza e o reconhecimento de que um dos fundamentos da
    desigualdade social é a remuneração injusta do trabalho.
   O trabalho deve aparecer contextualizado nos conteúdos escolares
   O currículo não pode deixar de incluir os tipos de trabalho e as carreiras profissionais aos
    quais se aplicam os conhecimentos das áreas ou disciplinas curriculares.

O CONTEXTO DO TRABALHO NO ENSINO MÉDIO
   O mundo do trabalho passa por transformações profundas
      Lei 5692/71 – tenta unir o ensino profissional e o propedêutico, mas descaracteriza a
       formação geral, sem ganhos significativos para o profissional.
      A preparação deve prever a flexibilidade a novas condições de ocupação ou
       aperfeiçoamento posteriores
      Ênfases curriculares diferentes – autonomia para eleger as disciplinas específicas e suas
       respectivas cargas horárias dentro das três grandes áreas instituídas pelas DCNs, trabalhando
       conteúdos para constituir competências básicas que sejam pré-requisitos para a formação
       profissional, o que pode ser realizada em disciplinas de formação básica do Ensino Médio.

Elaborado por Luiz Freitas e Silvio de Souza – Oposição Alternativa - Itaquera

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
juroanny
 
Te e curriculo
Te e curriculo Te e curriculo
Te e curriculo
profsimone2010
 
Docência do Ensino Superior
Docência do Ensino SuperiorDocência do Ensino Superior
Integracao Curricular
Integracao CurricularIntegracao Curricular
Integracao Curricular
RBE Algarve
 
Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1
Cleangela
 
2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...
2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...
2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...
Paulo Lima
 
A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...
A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...
A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...
cefaprodematupa
 
Currículo i
Currículo iCurrículo i
Currículo i
Ananda Lima
 
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXIO PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
Mauricio Martinho
 
As tecnologias da informação e comunicação e a prática docente
As tecnologias da informação e comunicação e a prática docenteAs tecnologias da informação e comunicação e a prática docente
As tecnologias da informação e comunicação e a prática docente
Zeneide Cordeiro
 
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Jorge Purgly
 
Ba01 grupoa-is-doc-proposta
Ba01 grupoa-is-doc-propostaBa01 grupoa-is-doc-proposta
Ba01 grupoa-is-doc-proposta
Anguera Online
 
A Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de Professores
A Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de ProfessoresA Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de Professores
A Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de Professores
cidacandine
 
Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadeCurrículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
Daniela Menezes
 
Saberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humanaSaberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humana
tvf
 
Temáticas inclusivas
Temáticas inclusivasTemáticas inclusivas
Temáticas inclusivas
Universidade de Lisboa
 
TCE - Pesce - O professor em foco
TCE - Pesce - O professor em focoTCE - Pesce - O professor em foco
TCE - Pesce - O professor em foco
Lucila Pesce
 
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes RomeiroSantana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
CursoTICs
 
5 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-09
5 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-095 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-09
5 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-09
Ana Vanessa Paim
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
escolabeatriz
 

Mais procurados (20)

Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parceriasDesign didático construindo um caminhar desvelando parcerias
Design didático construindo um caminhar desvelando parcerias
 
Te e curriculo
Te e curriculo Te e curriculo
Te e curriculo
 
Docência do Ensino Superior
Docência do Ensino SuperiorDocência do Ensino Superior
Docência do Ensino Superior
 
Integracao Curricular
Integracao CurricularIntegracao Curricular
Integracao Curricular
 
Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1Ce05 grupo b-is-docproposta1
Ce05 grupo b-is-docproposta1
 
2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...
2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...
2. Relações entre atividades meio e atividades-fim na gestão escolar - Prof. ...
 
A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...
A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...
A IMPORTANCIA DA APRENDIZAGEM E A UTILIZAÇÃO DOS MEIOS TECNOLOGICOS NA FORMAÇ...
 
Currículo i
Currículo iCurrículo i
Currículo i
 
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXIO PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
O PERFIL DO PROFESSOR DO SÉCULO XXI
 
As tecnologias da informação e comunicação e a prática docente
As tecnologias da informação e comunicação e a prática docenteAs tecnologias da informação e comunicação e a prática docente
As tecnologias da informação e comunicação e a prática docente
 
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
Unicesumar Docência Universitária Especialização TCC Minuta Jorge Purgly 2013
 
Ba01 grupoa-is-doc-proposta
Ba01 grupoa-is-doc-propostaBa01 grupoa-is-doc-proposta
Ba01 grupoa-is-doc-proposta
 
A Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de Professores
A Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de ProfessoresA Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de Professores
A Sociedade Conectada - Caminhos para Formação de Professores
 
Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidadeCurrículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
Currículo na perspectiva da inclusão e da diversidade
 
Saberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humanaSaberes docentes,capacitação e formação humana
Saberes docentes,capacitação e formação humana
 
Temáticas inclusivas
Temáticas inclusivasTemáticas inclusivas
Temáticas inclusivas
 
TCE - Pesce - O professor em foco
TCE - Pesce - O professor em focoTCE - Pesce - O professor em foco
TCE - Pesce - O professor em foco
 
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes RomeiroSantana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
Santana do Livramento - Ana Gládis Fernandes Romeiro
 
5 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-09
5 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-095 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-09
5 docencia competencias_para_ensinar ppt 15-09-09
 
Resumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integralResumo da proposta de tempo integral
Resumo da proposta de tempo integral
 

Semelhante a 1 proposta curricular geral

PCN
PCNPCN
6.proposta curricular
6.proposta curricular6.proposta curricular
6.proposta curricular
Ulisses Vakirtzis
 
Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]
Edson Mamprin
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
♥Marcinhatinelli♥
 
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocpropostaIzabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Secretaria Municipal de Educação de Dona Inês/PB
 
Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)
Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)
Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)
IvanDias28
 
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfplano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
EduardoAparecidoAmbr
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Cesar Eduardo
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aula
Edison Paulo
 
8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf
8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf
8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf
SimoneHelenDrumond
 
Aula+9
Aula+9Aula+9
cp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptxcp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptx
LUIZFELIPEVIEIRAFERR1
 
UFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptx
UFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptxUFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptx
UFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptx
analaco
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
maria152302
 
Gestão da Aprendizagem
Gestão da AprendizagemGestão da Aprendizagem
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
Ana Silva
 
A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência
Andreia Branco
 
Um olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicional
Um olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicionalUm olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicional
Um olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicional
Alecris0505
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
renatalguterres
 
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidadeUnidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
SimoneHelenDrumond
 

Semelhante a 1 proposta curricular geral (20)

PCN
PCNPCN
PCN
 
6.proposta curricular
6.proposta curricular6.proposta curricular
6.proposta curricular
 
Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]Proposta curriculargeral internet[1]
Proposta curriculargeral internet[1]
 
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2Políticas pedagógicas curriculares  contexto, diretrizes e açõesparte 2
Políticas pedagógicas curriculares contexto, diretrizes e açõesparte 2
 
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocpropostaIzabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
Izabel pb01-grupo ab-is-consolidacaodocproposta
 
Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)
Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)
Curso Docente (Curso de Tecnicas Inicias de Docente)
 
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdfplano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
plano-de-acao-escolas-pei-oficial.pdf
 
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PAApresentação currículo para o curso PAA e PA
Apresentação currículo para o curso PAA e PA
 
O uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aulaO uso responsável do celular na sala de aula
O uso responsável do celular na sala de aula
 
8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf
8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf
8 ARTIGO TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO.pdf
 
Aula+9
Aula+9Aula+9
Aula+9
 
cp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptxcp2019tatiana.pptx
cp2019tatiana.pptx
 
UFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptx
UFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptxUFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptx
UFCD_10379_intervencao_socioeducativa.pptx
 
Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402Arq idvol 28-1391209402
Arq idvol 28-1391209402
 
Gestão da Aprendizagem
Gestão da AprendizagemGestão da Aprendizagem
Gestão da Aprendizagem
 
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de TaguatingaPPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
PPP 2013 Escola Classe 29 de Taguatinga
 
A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência A inclusão e a multideficiência
A inclusão e a multideficiência
 
Um olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicional
Um olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicionalUm olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicional
Um olhar sobre a abordagem conservadora ou tradicional
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidadeUnidade 1   a construção histórica do conceito de transversalidade
Unidade 1 a construção histórica do conceito de transversalidade
 

Mais de Eduardo Lopes

1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
Eduardo Lopes
 
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Tardif   o trabalho docente resumido (1)Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Eduardo Lopes
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Eduardo Lopes
 
Aula questões dissertativas
Aula   questões dissertativasAula   questões dissertativas
Aula questões dissertativas
Eduardo Lopes
 
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
Eduardo Lopes
 
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência IntelectualPROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência Intelectual
Eduardo Lopes
 
Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)
Eduardo Lopes
 
Seed1301 305 006325
Seed1301 305 006325Seed1301 305 006325
Seed1301 305 006325
Eduardo Lopes
 
Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)
Eduardo Lopes
 
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, IIPROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
Eduardo Lopes
 
prova
provaprova
prova especifica
prova especificaprova especifica
prova especifica
Eduardo Lopes
 
gab2
gab2gab2
gab1
gab1gab1
prova gerais
prova geraisprova gerais
prova gerais
Eduardo Lopes
 
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
Eduardo Lopes
 
Plano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - ResumidoPlano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - Resumido
Eduardo Lopes
 

Mais de Eduardo Lopes (20)

1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
1.9 quadro sintese das tendências pedagógicas (1)
 
Tardif o trabalho docente resumido (1)
Tardif   o trabalho docente resumido (1)Tardif   o trabalho docente resumido (1)
Tardif o trabalho docente resumido (1)
 
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelenteQuadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
Quadro resumo conhecimentos pedagógicos excelente
 
Aula questões dissertativas
Aula   questões dissertativasAula   questões dissertativas
Aula questões dissertativas
 
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas  Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
Conhecimentos pedagógicos- 500 questões comentadas
 
Gabarito
GabaritoGabarito
Gabarito
 
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência IntelectualPROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA  II-  Educação Especial /Deficiência Intelectual
PROVA OBJETIVA EDUCAÇÃO BÁSICA II- Educação Especial /Deficiência Intelectual
 
Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)Seed1301 305 006325 (1)
Seed1301 305 006325 (1)
 
Seed1301 305 006325
Seed1301 305 006325Seed1301 305 006325
Seed1301 305 006325
 
Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)Seed1301 305 006343 (1)
Seed1301 305 006343 (1)
 
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, IIPROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
PROVA OBJETIVA PROFESSOR EDUCAÇÃO BÁSICA I, II
 
gabarito
gabaritogabarito
gabarito
 
prova
provaprova
prova
 
prova especifica
prova especificaprova especifica
prova especifica
 
gab2
gab2gab2
gab2
 
gab1
gab1gab1
gab1
 
prova gerais
prova geraisprova gerais
prova gerais
 
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
28678406 prova-pedagogia-concurso-pedagogo-gratis
 
Atividades diversas
Atividades diversasAtividades diversas
Atividades diversas
 
Plano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - ResumidoPlano Nacional Primeira Infância - Resumido
Plano Nacional Primeira Infância - Resumido
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

1 proposta curricular geral

  • 1. APONTAMENTOS SOBRE A PROPOSTA PEDAGÓGICA DA SEE A Secretaria da Educação descreve a atual proposta curricular implantada na rede desde 2008 como um projeto para os níveis de ensino fundamental e médio, sob coordenação da professora Maria Inês Fini, da assessoria da pasta de educação. A professora Maria Inês Fini é aposentada do departamento de educação da Unicamp, já ocupou cargos no MEC e foi uma das responsáveis pela implantação do ENEM, sendo muito próxima de Maria Helena Guimarães de Castro, atual secretaria de educação, e de Guiomar Namo de Mello, comungando das idéias centrais defendidas por ambas, ancoradas em uma conceituação inovadora de currículo e avaliação, de construção coletiva e autônoma da proposta pedagógica, de respeito às diferenças etc, mas com tratamento de mão de ferro aos professores, que buscam responsabilizar pelas mazelas da educação. Na apresentação da proposta definem-se três conjuntos de documentos, a saber: 1. Documento básico com princípios orientadores; 2. Documento de orientações para a gestão do currículo na escola; 3. Os cadernos do professor. 1. APRESENTAÇÃO DOIS DOCUMENTOS – Básico - Orientações para a Gestão do Currículo na Escola Objetivos:  Propor um currículo para os níveis de ensino fundamental II e médio  Melhoria da qualidade das aprendizagens de seus alunos  Realizar amplo levantamento do acervo documental e técnico pedagógico existente  Iniciar um processo de consulta á escola e aos professores  Ser mais do que uma declaração de intenções  Garant ir a todos uma base co mum de conhecimentos e competências DOCUEMENTO BÁSICO – Gestão  Promover competências indispensáveis ao enfrentamento dos desafios sociais, culturais e profissio nais do mundo contemporâneo.  Aborda: - principais características da sociedade do conhecimento - pressões que a contemporaneidade exerce sobre os jovens cidadãos - preparar os alunos para esse novo tempo - priorizar competências de leitura e escrita Definição de escola – Espaço de Cultura e de articulação de competências e conteúdos disciplinares DOCUMENTO 2 - – Orientações para a Gestão do Currículo na escola  Finalidade específica – o gestor deve ser um líder e animador na implementação da proposta - Disponibilizar outros programas e materiais sobre o tema gestão para:  Assegurar aprendizagens dos conteúdos e constituição das competências previstas na proposta curricular  Estímulo à vida cultural da esco la e do fortalecimento de suas relações com a comunidade
  • 2. Educação continuada para professores O que complementa a proposta  Cadernos do professor por bimestre e disciplina  Situações de aprendizagens para orientar o professor nos conteúdos, habilidades e competências.  Gestão da sala de aula, avaliação, recuperação, sugestões de métodos, estratégias do trabalho nas aulas, atividades extraclasse e estudos disciplinares. 2. Educação para a altura dos desafios contemporâneos Caracterização da Sociedade do Século XXI Mundo  O uso intensivo do conhecimento para trabalhar, conviver, exercer cidadania e cuidar do ambiente.  A sociedade do século XXI é produto da revolução tecnológica  Processos políticos redesenharam relações mundiais gerando um novo tipo de exclusão (a das tecnologias e comunicação que mediam acesso ao conhecimento e bens culturais)  Exclusão – Bens materiais, conhecimentos e bens culturais. Brasil – Educação  Democratização do acesso, mas é indispensável à universalização da relevância da aprendizagem.  Valorização das características cognitivas e afetivas  Capacidades de resolver problemas, trabalhar em grupo, resolver problemas, ser cooperativo e continuar aprendendo.  O diferencial na competitividade será dado pela qualidade da educação recebida (competências constituídas na vida escolar)  A população mais pobre acorre à qualidade para inserção no mundo do trabalho produtivo e solidário  Atender a adolescência precoce com ingresso tardio no trabalho  Ampliar a importância da escola como espaço privilegiado para o desenvolvimento do pensamento autônomo - para formar autonomia responsável  Ser estudante significa aprender a ser livre e ao mesmo tempo respeitar as diferenças e as regras de convivência  Acentuar diferenças culturais, sociais e econômicas. Só uma educação de qualidade para todos pode evitar que essas diferenças constituam mais um fator de exclusão.  Desenvolvimento pessoal – aprimorar capacidades de agir, pensar, atuar, atribuir significados e ser percebido e significado pelos outros.  Educação a serviço do desenvolvimento, da construção da identidade da autonomia e da liberdade.  Educação articuladora que transite entre o local e o mundial de forma cooperativa e solidária, uma síntese dos saberes produzidos pela humanidade.  Tal síntese é uma das condições para acessar o conhecimento necessário ao exercício da cidadania em dimensão mundial  Aprender a aprender – autonomia para gerenciar a própria aprendizagem – aprender a fazer e a conviver – resultado da autonomia em intervenções solidárias é a base para a continuidade da produção cultural e das práticas sociais.  Preparar indivíduos para manter o equilíbrio da produção cultural num tempo em que a duração se caracteriza não pela permanência, mas pela mudança constante (o inusitado, incerto, e o urgente constituem a regra e não a exceção).
  • 3. Apropriar-se ou não desses conhecimentos, pode ser um instrumento da ampliação das liberdades ou mais um fator de exclusão. Princípios centrais:  A escola que aprende  O currículo como espaço de cultura  As competências como eixo da aprendizagem  Prioridade da competência da leitura e da escrita  A articulação das competências para aprender  Contextualização no mundo do trabalho 3 - Princípios - Currículo A - Escola que também aprende  A escola deixa de ser instituição que ensina e passa a ser a que aprende a ensinar  A capacidade de aprender se ampliará dos alunos para a própria escola  A tecnologia facilita a viabilização da “comunidade aprendente” porque imprime ritmo sem precedentes ao acúmulo de conhecimentos  A escola deve aprender que o conhecimento coletivo é maior do que a somo dos conhecimentos individuais B – Papel da Equipe Gestora  A equipe gestora é responsável pela formação dos professores e esses, em conjunto com o grupo gestor são responsáveis pela problematização e significação dos conhecimentos.  Os gestores como agentes formadores devem aplicar como professores tudo aquilo que recomendar que apliquem aos alunos  Construção coletiva da proposta pedagógica por meio da reflexão e prática compartilhadas. C - Currículo como espaço de cultura ANTES – Plano de trabalho indicava o que seria ensinado ao aluno HOJE – O foco foi dirigido para a aprendizagem, não mais a liberdade de ensino mais o direito de aprender.  Todas as atividades da escola são curriculares. É preciso conectar o currículo à vida com aprendizagens relevantes para os alunos.  O conhecimento como instrumento mobilizador em competências reforça o sentido cultural da aprendizagem  Numa escola com vida cultural ativa, o conhecimento torna-se um prazer e pode ser aprendido ao se aprender a aprender.  O professor é o parceiro de fazeres culturais  O Projeto pedagógico tem como prioridade a cidadania cultural e o currículo é a referencia para ampliar, localizar e contextualizar os conhecimentos. D - Competências como referencia  Articular as disciplinas com aquilo que se espera que os alunos aprendam  Atuação do professor, conteúdos, metodologia e aprendizagens têm funções específicas, mas são indissociáveis e se complementam.  Articular as disciplinas com as competências e habilidades dos alunos para que esses façam a leitura crítica do mundo, enfrentem problemas e ajam de forma coerente em favor das múltiplas possibilidades de solução.  Competência caracteriza modos de ser raciocinar e interagir, que podem ser desprendidos das ações e das tomadas de decisão em contextos de problemas, tarefas ou atividades. E – Caracterização dos alunos
  • 4. Alunos de 11 a 18 anos estão em momento complexo e contraditório, o que deve orientar nossa proposta sobre o papel da escola nessa fase da vida.  Ponderar aspectos curriculares, recursos cognitivos, afetivos e sociais que os alunos dispõem.  Analisar como o professor mobiliza conteúdos visando desenvolver competências em adolescentes TRIADE SOBRE QUAIS COMPETENCIAS E HABILIDADES SÃO DESENVOLVIDAS  O adolescente e suas características de ações e pensamentos  O professor e suas características e a qualidade de suas mediações  Conteúdos e metodologias para seu ensino e aprendizagem Motivo – democratização da escola e equidade é tarefa coletiva tendo a frente o gestor para capacitar o professor em seu dia a dia. A unidade não é obtida no ensino, mas na igualdade de oportunidades, na diversidade, para garantir a todos uma base comum. 4. Prioridade - Competência de leitura e escrita  O ser humano constitui-se num ser de linguagem e disso decorre todo o restante  É na adolescência que a linguagem torna-se instrumento para compreender e agir sobre o mundo real.  Importante não apenas o domínio da língua mais de todas as outras linguagens. As linguagens são sistemas simbólicos  Na sociedade atual as linguagens e os códigos se multiplicam: os meios de comunicação estão repletos de gráficos, esquemas, diagramas, fotografias e desenhos.  Para acompanhar tal contexto, a competência de leitura e escrita vai além da linguagem verbal vernácula, refere-se a sistemas simbólicos, tendo como base o pensamento antecipatório, combinatório e probabilístico. Antecipatório – Antecipar as conseqüências de uma ação sem precisar realizá-la Combinatório – Fazer combinações e analisar hipóteses sem precisar conferi-las de antemão Probabilístico – Estabelecer relações de relações – imaginar um objeto e agir sobre ele decidindo se vale a pena ou não interagir com ele ou em outro plano. Criança – Realiza e compreende o falar, pensar ou sentir, mas não o sabem como forma de linguagem. Adolescente – É possível transformar o ser humano em um ser de linguagem, em sua expressão mais radical – uma forma de compreensão e ação sobre o mundo.  A cultura da linguagem, do ponto de vista, social e afetivo, possibilita ao adolescente aprender, pouco a pouco, a considerar suas escolhas em uma escala de valores.  É em virtude da centralidade da linguagem. No desenvolvimento da Criança e do adolescente que se prioriza, como objetivo de todas as disciplinas, a competência leitora e escritora e só por meio dela será possível constituir as demais competências.  A Responsabilidade pela aprendizagem e avaliação cabe a todos os professores  O domínio das linguagens é um dos elementos de conquista e autonomia. 5. ARTICULAÇÃO DAS COMPETENCIAS PARA APRENDER  A aprendizagem é o centro da atividade escolar  Papel do Professor: que é o profissional da aprendizagem e não tanto do ensino: Apresentar e explicar os conteúdos, organizar situações para a aprendizagem de conceitos, métodos, formas de agir e pensar, promover conhecimentos que se mobilizados em competências e
  • 5. habilidades, que instrumentalizem os alunos para enfrentar os problemas do mundo real (educar para á vida).  Papel da Escola: que não é a única detentora do conhecimento e da informação: preparar o aluno para viver em sociedade que não exigem maior quantidade de ensino e sim melhor qualidade da aprendizagem.Mais que os conteúdos isolados as competências são guias eficazes para a vida. É exatamente a possibilidade de variar os conteúdos no tempo e no espaço que legitima a iniciativa dos diferentes sistemas públicos de ensino. A proposta curricular adota como competências para aprender as formuladas pelo referencial teórico do ENEM voltado para a competência do ler e escrever: I – Dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica: LER: é interpretar (atribuir sentido ou significado) ESCREVER: é assumir uma autoria individual ou coletiva (tornar-se responsável por uma ação e suas conseqüências) II – Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas. LER: modo de compreender, assimilar experiências ou conteúdos disciplinares (e os modos de sua produção). ESCREVER: Expressar sua construção ou reconstrução com sentido III – Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema. LER: Antecipar, de forma comprometida, a ação para intervir no fenômeno e resolver os problemas decorrentes deles. ESCREVER: Dominar os muitos formatos que a solução do problema comporta IV - Relacionar informações representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente. LER: Sintetizar a capacidade de escutar, supor, informar-se, relacionar, comparar, etc. ESCREVER: dominar os códigos que expressam a defesa ou a reconstrução de argumentos V – Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaborar propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sócio-cultural. LER: Antecipação de uma intervenção sobre o fenômeno, com tomada de decisões a partir de uma escala de valores. ESCREVER: Formular um plano para a intervenção, levantar hipóteses sobre os meios eficientes para garantir resultados. SÍNTESE: REALIZAÇÃO DE PROJETOS ESCOLARES QUE OS ALUNOS PARENDEM A CRITICAR, RESPEITAR E PROPOR PROJETOS VALIOSOS PARA TODA A SOCIEDADE. 6. ARTICULAÇÃO COM O MUNDO DO TRABALHO  A legislação estabelece que no ensino básico não se trata de formar especialistas nem profissionais, mas preparar para assumir plenamente a cidadania o que passa pela
  • 6. alfabetização científica, humanista, lingüística, artística e técnica, para que sua cidadania tenha qualidade. O prazo para isso é todo o Ensino Básico.  - Que limitações e potenciais têm os enfoques próprios das áreas  - Que práticas humanas, das mais simples às mais complexas, têm fundamento ou inspiração nessa ciência, arte ou área de conhecimento?  - Quais as grandes polêmicas nas várias disciplinas ou áreas de conhecimento? A RELAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA EM CADA DISCIPLINA DO CURRÍCULO  Compreender como a teoria se aplica em contextos reais ou simulados, pois parte dos problemas de qualidade do ensino decorre da dificuldade em destacar a dimensão prática do conhecimento, tornando-o verbalista e abstrato. Exemplos: 1. Reproduzir a indagação de origem – a necessidade que levou a construção do conhecimento. 2. História é considerada teórica, mas nada é tão prático quanto entender a origem de uma cidade e as razões da configuração urbana 3. Química é considerada mais prática por envolver atividades em laboratório, mas nada é mais teórico do que o estudo da tabela de elementos químicos. Não é preciso ser químico para escolher o que se vai comer. Os cidadãos plenos devem adquirir discernimento e conhecimentos pertinentes para tomar decisões em diversos momentos, em relação à escolha de alimentos, uso da eletricidade consumo de água, seleção de programas de TV ou escolha do candidato a um cargo político. AS RELAÇÕES ENTRE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA A lei determina que deva se associar o currículo a “compreensão dos fundamentos científicos dos processos produtivos” e detalha nas Diretrizes Curriculares Nacionais que o aluno deve demonstrar ao final da Educação Básica, o “domínio dos princípios científicos e tecnológicos da produção moderna”. 1. Alfabetização tecnológica- entender as tecnologias da história humana como elementos da cultura, como parte das práticas sociais, culturais e produtivas com o sentido de preparar para viver e conviver em um mundo no qual a tecnologia está cada vez mais presente em qualquer situação sócio econômica: tarja magnética, celular, código de barras etc. 2. Compreensão dos fundamentos científicos e tecnológicos da produção – A tecnologia é a chave para relacionar o currículo ao mundo da produção de bens e serviços, mas deve se evitar a existência de disciplinas “tecnológicas” isoladas dos conhecimentos que lhe fundamentam. PRIORIDADE PARA O CONTEXTO DO TRABALHO  O trabalho enquanto produção de bens e serviços revela-se como a prática humana mais importante para conectar os conteúdos do currículo com a realidade.  O valor do trabalho incide em toda a vida escolar desde a valorização dos trabalhadores da escola e da família, até o respeito aos trabalhadores da comunidade, o conhecimento do trabalho como produtor da riqueza e o reconhecimento de que um dos fundamentos da desigualdade social é a remuneração injusta do trabalho.  O trabalho deve aparecer contextualizado nos conteúdos escolares  O currículo não pode deixar de incluir os tipos de trabalho e as carreiras profissionais aos quais se aplicam os conhecimentos das áreas ou disciplinas curriculares. O CONTEXTO DO TRABALHO NO ENSINO MÉDIO
  • 7. O mundo do trabalho passa por transformações profundas  Lei 5692/71 – tenta unir o ensino profissional e o propedêutico, mas descaracteriza a formação geral, sem ganhos significativos para o profissional.  A preparação deve prever a flexibilidade a novas condições de ocupação ou aperfeiçoamento posteriores  Ênfases curriculares diferentes – autonomia para eleger as disciplinas específicas e suas respectivas cargas horárias dentro das três grandes áreas instituídas pelas DCNs, trabalhando conteúdos para constituir competências básicas que sejam pré-requisitos para a formação profissional, o que pode ser realizada em disciplinas de formação básica do Ensino Médio. Elaborado por Luiz Freitas e Silvio de Souza – Oposição Alternativa - Itaquera