SlideShare uma empresa Scribd logo
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO 
Antonio Marcos de Oliveira 
Marco Antônio Villa
ORIGENS DA LITERATURA BRASILEIRA E 
CONCEITOS BÁSICOS DE LITERATURA 
• 1500  Achamento do Brasil. 
• Brasil selvagem surge na literatura através da 
• cosmovisão lusitana: a Carta de Pero Vaz de Caminha. 
• O desvelar do Brasil selvagem afeta o conceito de mundo 
• dos europeus. 
• Mas... Por que a carta foi considerada uma obra da 
• literatura? 
• Gênero textual X Tipo textual
Nem crônicas, nem memórias, pois não 
resultavam de nenhuma intenção literária: 
os escritos dos cronistas e viajantes eram uma 
tentativa de descrever e catalogar 
a terra e o povo recém-descobertos. Entretanto, 
permeava-os a fantasia de seus autores, 
exploradores europeus que filtravam fatos e 
dados, acrescentando-lhes elementos 
mágicos e características muitas vezes fantásticas.
LITERATURA DE INFORMAÇÃO 
• Literatura de 
Informação, de 
Expansão, Quinhentismo; 
• cultivada por Portugal 
na época das grandes 
navegações; 
• narrar e descrever as 
viagens e os primeiros 
contatos com a terra 
brasileira e seus nativos; 
• 
• pouco valor literário, 
muito valor histórico; 
• registram o choque das 
culturas.
Carta de achamento do Brasil 
Pero Vaz de Caminha 
• Gênero: Carta • Relatando ao rei de 
Portugal o 
descobrimento, o 
escrivão da armada de 
Cabral descreve, 
deslumbrado, a terra e 
seus habitantes, 
registrando as emoções 
do primeiro contato 
com os índios.
Diário de Navegação 
Pero Lopes de Sousa 
• Gênero: Crônica 
(Relato) 
• Verdadeira crônica dos 
primeiros fatos da 
história do Brasil, 
escrita no calor da hora, 
este texto documenta o 
dia a dia da expedição 
comandada por Martim 
Afonso de Sousa, de 
quem o autor era 
irmão.
Carta e diálogo sobre a convenção do 
gentio 
Manuel da Nóbrega 
• Gênero: Carta e Diálogo 
• Na primeira carta que 
escreve do Brasil, o 
jesuíta relata o trabalho 
dos padres da 
Companhia, dando 
assistência religiosa aos 
colonizadores e buscando 
catequizar os índios. 
• Em forma de diálogo, 
Nóbrega discute aspectos 
práticos, morais e 
religiosos da relação 
entre os colonizadores e 
os índios, defendendo a 
tese de que estes não 
devem ser escravizados, 
pois têm alma como os 
cristãos.
Viagem ao Brasil 
Hans Staden 
• Gênero: Relato • Narra a chegada do 
viajante ao país e sua 
captura pelos índios, 
descrevendo, com 
precisão etnográfica, os 
nativos e seu modo de 
vida.
“A Santa Inês” e Carta 
José de Anchieta 
• Gênero: poema e carta 
• Os textos poéticos têm a 
simplicidade de um autor 
que pretende transmitir 
sua fé, utilizando a poesia 
como recurso didático. 
Inês foi uma jovem 
romana, decapitada por 
ter se recusado a perder a 
virgindade. Símbolo e 
guardiã da castidade 
cristã. 
• Riquíssima fonte de 
informações sobre o 
trabalho dos jesuítas no 
Brasil, as cartas de 
Anchieta primam pela 
objetividade e pela 
abrangência dos aspectos 
da vida colonial que 
apresentam.
História da província de Santa Cruz 
Pero de Magalhães Gândavo 
• Estudioso de gramática e amigo de Camões, 
foi o primeiro historiador do Brasil. Sua obra 
apresenta um abrangente panorama da vida 
na Colônia, que expõe com empenho 
propagandista.
Tratados da terra e gente do Brasil 
Fernão Cardim 
• Gênero: Tratado • Em verbetes 
informativos sobre a 
fauna, a flora e os 
habitantes do Brasil, os 
tratados desse jesuíta 
revelam planejamento e 
organização 
metodológica para 
traçar um painel 
completo da Colônia.
Tratado descritivo do Brasil em 1587 
Gabriel Soares de Sousa 
• Gênero: Tratado • Para alertar o rei de 
Portugal sobre as diversas 
possibilidades 
econômicas da Colônia, o 
autor redige um texto de 
caráter enciclopédico, 
focalizando desde 
aspectos políticos e 
administrativos, até a 
exuberância da natureza e 
dos nativos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

2 a relação entre textos
2 a relação entre textos2 a relação entre textos
2 a relação entre textos
Elenir Duarte Dias
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
Eliane Sapiraim Durão
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
martinsramon
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
ProfMario De Mori
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
GernciadeProduodeMat
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
Fernando Henning
 
Cordel
CordelCordel
Atividade avaliativa sobre o filme Mãos Talentosas
Atividade avaliativa sobre o filme Mãos TalentosasAtividade avaliativa sobre o filme Mãos Talentosas
Atividade avaliativa sobre o filme Mãos Talentosas
Alex Santos
 
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
Paula Meyer Piagentini
 
Humor e ironia
Humor e ironiaHumor e ironia
Humor e ironia
ATAIDE Sampaio
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
Denise
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
Roberto Carlos Sena
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
eeepadrianonobre
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
Kátia Silva da Costa
 
Oficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhosOficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhos
Aldean
 
O povo brasileiro imigação
O povo brasileiro   imigaçãoO povo brasileiro   imigação
O povo brasileiro imigação
André Moraes
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Josie Ubiali
 
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Pibid-Letras Córdula
 

Mais procurados (20)

2 a relação entre textos
2 a relação entre textos2 a relação entre textos
2 a relação entre textos
 
Slides sobre reportagem
Slides sobre reportagemSlides sobre reportagem
Slides sobre reportagem
 
Origem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesaOrigem da língua portuguesa
Origem da língua portuguesa
 
Romantismo No Brasil
Romantismo No BrasilRomantismo No Brasil
Romantismo No Brasil
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Multiculturalismo
MulticulturalismoMulticulturalismo
Multiculturalismo
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
LÍNGUA PORTUGUESA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP04) D4
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Cordel
CordelCordel
Cordel
 
Atividade avaliativa sobre o filme Mãos Talentosas
Atividade avaliativa sobre o filme Mãos TalentosasAtividade avaliativa sobre o filme Mãos Talentosas
Atividade avaliativa sobre o filme Mãos Talentosas
 
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
"Se Eu Fosse Eu" - Clarice Lispector (Questões)
 
Humor e ironia
Humor e ironiaHumor e ironia
Humor e ironia
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULADIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
DIVERSIDADE LINGUÍSTICA NA SALA DE AULA
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
 
Artigo de opinião
Artigo de opiniãoArtigo de opinião
Artigo de opinião
 
Oficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhosOficina de histórias em quadrinhos
Oficina de histórias em quadrinhos
 
O povo brasileiro imigação
O povo brasileiro   imigaçãoO povo brasileiro   imigação
O povo brasileiro imigação
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
Sequência Didática: Ôxente! Isso Aqui é Nordeste: Um passeio entre a Literatu...
 

Destaque

CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte I
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte ICRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte I
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte I
Pretextus
 
Cronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimentoCronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimento
ProfaJosi
 
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte III
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte IIICRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte III
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte III
Pretextus
 
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte II
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte IICRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte II
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte II
Pretextus
 
Pip divisao geografica do brasil
Pip divisao geografica do brasilPip divisao geografica do brasil
Pip divisao geografica do brasil
Atividades Diversas Cláudia
 
Música aquarela do brasil
Música   aquarela do brasilMúsica   aquarela do brasil
Música aquarela do brasil
silviacerqueira1
 
As tarjas do Aécio
As tarjas do AécioAs tarjas do Aécio
As tarjas do Aécio
Luiz Carlos Azenha
 
A ciência geográfica -1 ano -
A ciência geográfica -1 ano - A ciência geográfica -1 ano -
A ciência geográfica -1 ano -
leila Cardoso
 
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrâniaFloresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Divino Carvalho
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do BrasilDescobrimento Do Brasil
Descobrimento Do Brasil
eloisa_cardoso
 
Interpretação de música
Interpretação de músicaInterpretação de música
Interpretação de música
Marlene Cunhada
 
Atividade com a música aquarela ufam simone drumond
Atividade com a música aquarela ufam simone drumondAtividade com a música aquarela ufam simone drumond
Atividade com a música aquarela ufam simone drumond
SimoneHelenDrumond
 
Ciencia geografica
Ciencia geograficaCiencia geografica
Ciencia geografica
profleofonseca
 
Descobrimento do brasil andréa lemos
Descobrimento do brasil    andréa lemosDescobrimento do brasil    andréa lemos
Descobrimento do brasil andréa lemos
Andrea Lemos
 
A Carta De Pero Vaz De Caminha
A Carta De Pero Vaz De CaminhaA Carta De Pero Vaz De Caminha
A Carta De Pero Vaz De Caminha
guest88249c
 
Descobrimento do brasil
Descobrimento do brasilDescobrimento do brasil
Descobrimento do brasil
Marco Santos
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
Alex Ferreira dos Santos
 
Descobrimento do brasil
Descobrimento do brasilDescobrimento do brasil
Descobrimento do brasil
Lilian Larroca
 
A chegada dos portugueses e o encontro com os indígenas
A chegada dos portugueses e o encontro com os indígenasA chegada dos portugueses e o encontro com os indígenas
A chegada dos portugueses e o encontro com os indígenas
profdu
 
Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.
Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.
Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.
Dalton Lopes Reis Jr.
 

Destaque (20)

CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte I
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte ICRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte I
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte I
 
Cronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimentoCronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimento
 
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte III
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte IIICRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte III
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte III
 
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte II
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte IICRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte II
CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Parte II
 
Pip divisao geografica do brasil
Pip divisao geografica do brasilPip divisao geografica do brasil
Pip divisao geografica do brasil
 
Música aquarela do brasil
Música   aquarela do brasilMúsica   aquarela do brasil
Música aquarela do brasil
 
As tarjas do Aécio
As tarjas do AécioAs tarjas do Aécio
As tarjas do Aécio
 
A ciência geográfica -1 ano -
A ciência geográfica -1 ano - A ciência geográfica -1 ano -
A ciência geográfica -1 ano -
 
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrâniaFloresta temperada e vegetação mediterrânia
Floresta temperada e vegetação mediterrânia
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do BrasilDescobrimento Do Brasil
Descobrimento Do Brasil
 
Interpretação de música
Interpretação de músicaInterpretação de música
Interpretação de música
 
Atividade com a música aquarela ufam simone drumond
Atividade com a música aquarela ufam simone drumondAtividade com a música aquarela ufam simone drumond
Atividade com a música aquarela ufam simone drumond
 
Ciencia geografica
Ciencia geograficaCiencia geografica
Ciencia geografica
 
Descobrimento do brasil andréa lemos
Descobrimento do brasil    andréa lemosDescobrimento do brasil    andréa lemos
Descobrimento do brasil andréa lemos
 
A Carta De Pero Vaz De Caminha
A Carta De Pero Vaz De CaminhaA Carta De Pero Vaz De Caminha
A Carta De Pero Vaz De Caminha
 
Descobrimento do brasil
Descobrimento do brasilDescobrimento do brasil
Descobrimento do brasil
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
 
Descobrimento do brasil
Descobrimento do brasilDescobrimento do brasil
Descobrimento do brasil
 
A chegada dos portugueses e o encontro com os indígenas
A chegada dos portugueses e o encontro com os indígenasA chegada dos portugueses e o encontro com os indígenas
A chegada dos portugueses e o encontro com os indígenas
 
Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.
Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.
Os portugueses e os primeiros contatos com os indígenas.
 

Semelhante a Cronistas do Descobrimento

quinhentismo no brasil.pptx
quinhentismo no brasil.pptxquinhentismo no brasil.pptx
quinhentismo no brasil.pptx
Maria192272
 
Literatura informativa Província de Santa Cruz
Literatura informativa Província de Santa CruzLiteratura informativa Província de Santa Cruz
Literatura informativa Província de Santa Cruz
Daniel Leitão
 
Jornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasilJornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasil
1960RobertoNicolato
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
whybells
 
Quinhetismo
QuinhetismoQuinhetismo
O Quinhentismo
O QuinhentismoO Quinhentismo
O Quinhentismo
hsjval
 
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é ConsideradoPêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
guestc974ab
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
ProfCharlesChristie
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Estampa Cia
 
Apresentação i fcina_cronistas
Apresentação i fcina_cronistasApresentação i fcina_cronistas
Apresentação i fcina_cronistas
PortuguesIFSC
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
colveromachado
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
Colégio Santa Luzia
 
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
Italo Delavechia
 
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuíticaApresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Gabriel Alves
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
Sebastião Herodes
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica
Gabriel Alves
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
jasonrplima
 
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
PRISCILA LIMA
 

Semelhante a Cronistas do Descobrimento (20)

quinhentismo no brasil.pptx
quinhentismo no brasil.pptxquinhentismo no brasil.pptx
quinhentismo no brasil.pptx
 
Literatura informativa Província de Santa Cruz
Literatura informativa Província de Santa CruzLiteratura informativa Província de Santa Cruz
Literatura informativa Província de Santa Cruz
 
Jornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasilJornalismo literário no brasil
Jornalismo literário no brasil
 
Cap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismoCap06 quinhentismo
Cap06 quinhentismo
 
Quinhetismo
QuinhetismoQuinhetismo
Quinhetismo
 
O Quinhentismo
O QuinhentismoO Quinhentismo
O Quinhentismo
 
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é ConsideradoPêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
PêRo Vaz De Caminha Escreveu Um Texto Que é Considerado
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Apresentação i fcina_cronistas
Apresentação i fcina_cronistasApresentação i fcina_cronistas
Apresentação i fcina_cronistas
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
 
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
 
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuíticaApresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
Apresentação 1º ano d literatura informativa e jesuítica
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
 
1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica1D - Literatura informativa e jesuitica
1D - Literatura informativa e jesuitica
 
Quinhentismo
QuinhentismoQuinhentismo
Quinhentismo
 
Quinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILPQuinhentismo - CILP
Quinhentismo - CILP
 
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
Quinhentismo 140730131250-phpapp01 (1)
 

Mais de Laboratório de Informática

Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1
Laboratório de Informática
 
20160923140733760
2016092314073376020160923140733760
20160923140733760
Laboratório de Informática
 
20160923140733760
2016092314073376020160923140733760
20160923140733760
Laboratório de Informática
 
Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1
Laboratório de Informática
 
Regência Verbal e Nominal
Regência Verbal e NominalRegência Verbal e Nominal
Regência Verbal e Nominal
Laboratório de Informática
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
Laboratório de Informática
 
Apostila Língua Portuguesa
Apostila Língua PortuguesaApostila Língua Portuguesa
Apostila Língua Portuguesa
Laboratório de Informática
 
A vanguarda europeia
A vanguarda europeiaA vanguarda europeia
A vanguarda europeia
Laboratório de Informática
 
Pr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª LisandraPr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª Lisandra
Laboratório de Informática
 
Romantismo em Portugal - Profª Lisandra
Romantismo em Portugal - Profª LisandraRomantismo em Portugal - Profª Lisandra
Romantismo em Portugal - Profª Lisandra
Laboratório de Informática
 
A cartomante 2
A cartomante 2A cartomante 2
Juiz de paz na roça
Juiz de paz na roçaJuiz de paz na roça
Juiz de paz na roça
Laboratório de Informática
 
Estilo de época
Estilo de épocaEstilo de época
Estilo de época
Estilo de épocaEstilo de época
Cronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimentoCronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimento
Laboratório de Informática
 
Carta de pero vaz de caminha
Carta de pero vaz de caminhaCarta de pero vaz de caminha
Carta de pero vaz de caminha
Laboratório de Informática
 
A caixa de pandora
A caixa de pandora A caixa de pandora
A caixa de pandora
Laboratório de Informática
 
Genêros Literários
Genêros LiteráriosGenêros Literários
Genêros Literários
Laboratório de Informática
 
Gêneros Literários - Professora Lizandra
Gêneros Literários - Professora LizandraGêneros Literários - Professora Lizandra
Gêneros Literários - Professora Lizandra
Laboratório de Informática
 

Mais de Laboratório de Informática (20)

Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1
 
20160923140733760
2016092314073376020160923140733760
20160923140733760
 
20160923140733760
2016092314073376020160923140733760
20160923140733760
 
Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1Concordância Verbal - parte 1
Concordância Verbal - parte 1
 
Regência Verbal e Nominal
Regência Verbal e NominalRegência Verbal e Nominal
Regência Verbal e Nominal
 
Gêneros Literários
Gêneros LiteráriosGêneros Literários
Gêneros Literários
 
Apostila Língua Portuguesa
Apostila Língua PortuguesaApostila Língua Portuguesa
Apostila Língua Portuguesa
 
A vanguarda europeia
A vanguarda europeiaA vanguarda europeia
A vanguarda europeia
 
Pr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª LisandraPr modernismo-Profª Lisandra
Pr modernismo-Profª Lisandra
 
Romantismo em Portugal - Profª Lisandra
Romantismo em Portugal - Profª LisandraRomantismo em Portugal - Profª Lisandra
Romantismo em Portugal - Profª Lisandra
 
A cartomante 2
A cartomante 2A cartomante 2
A cartomante 2
 
Juiz de paz na roça
Juiz de paz na roçaJuiz de paz na roça
Juiz de paz na roça
 
Estilo de época
Estilo de épocaEstilo de época
Estilo de época
 
Estilo de época
Estilo de épocaEstilo de época
Estilo de época
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Cronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimentoCronistas do descobrimento
Cronistas do descobrimento
 
Carta de pero vaz de caminha
Carta de pero vaz de caminhaCarta de pero vaz de caminha
Carta de pero vaz de caminha
 
A caixa de pandora
A caixa de pandora A caixa de pandora
A caixa de pandora
 
Genêros Literários
Genêros LiteráriosGenêros Literários
Genêros Literários
 
Gêneros Literários - Professora Lizandra
Gêneros Literários - Professora LizandraGêneros Literários - Professora Lizandra
Gêneros Literários - Professora Lizandra
 

Cronistas do Descobrimento

  • 1. CRONISTAS DO DESCOBRIMENTO Antonio Marcos de Oliveira Marco Antônio Villa
  • 2. ORIGENS DA LITERATURA BRASILEIRA E CONCEITOS BÁSICOS DE LITERATURA • 1500  Achamento do Brasil. • Brasil selvagem surge na literatura através da • cosmovisão lusitana: a Carta de Pero Vaz de Caminha. • O desvelar do Brasil selvagem afeta o conceito de mundo • dos europeus. • Mas... Por que a carta foi considerada uma obra da • literatura? • Gênero textual X Tipo textual
  • 3. Nem crônicas, nem memórias, pois não resultavam de nenhuma intenção literária: os escritos dos cronistas e viajantes eram uma tentativa de descrever e catalogar a terra e o povo recém-descobertos. Entretanto, permeava-os a fantasia de seus autores, exploradores europeus que filtravam fatos e dados, acrescentando-lhes elementos mágicos e características muitas vezes fantásticas.
  • 4. LITERATURA DE INFORMAÇÃO • Literatura de Informação, de Expansão, Quinhentismo; • cultivada por Portugal na época das grandes navegações; • narrar e descrever as viagens e os primeiros contatos com a terra brasileira e seus nativos; • • pouco valor literário, muito valor histórico; • registram o choque das culturas.
  • 5. Carta de achamento do Brasil Pero Vaz de Caminha • Gênero: Carta • Relatando ao rei de Portugal o descobrimento, o escrivão da armada de Cabral descreve, deslumbrado, a terra e seus habitantes, registrando as emoções do primeiro contato com os índios.
  • 6. Diário de Navegação Pero Lopes de Sousa • Gênero: Crônica (Relato) • Verdadeira crônica dos primeiros fatos da história do Brasil, escrita no calor da hora, este texto documenta o dia a dia da expedição comandada por Martim Afonso de Sousa, de quem o autor era irmão.
  • 7. Carta e diálogo sobre a convenção do gentio Manuel da Nóbrega • Gênero: Carta e Diálogo • Na primeira carta que escreve do Brasil, o jesuíta relata o trabalho dos padres da Companhia, dando assistência religiosa aos colonizadores e buscando catequizar os índios. • Em forma de diálogo, Nóbrega discute aspectos práticos, morais e religiosos da relação entre os colonizadores e os índios, defendendo a tese de que estes não devem ser escravizados, pois têm alma como os cristãos.
  • 8. Viagem ao Brasil Hans Staden • Gênero: Relato • Narra a chegada do viajante ao país e sua captura pelos índios, descrevendo, com precisão etnográfica, os nativos e seu modo de vida.
  • 9. “A Santa Inês” e Carta José de Anchieta • Gênero: poema e carta • Os textos poéticos têm a simplicidade de um autor que pretende transmitir sua fé, utilizando a poesia como recurso didático. Inês foi uma jovem romana, decapitada por ter se recusado a perder a virgindade. Símbolo e guardiã da castidade cristã. • Riquíssima fonte de informações sobre o trabalho dos jesuítas no Brasil, as cartas de Anchieta primam pela objetividade e pela abrangência dos aspectos da vida colonial que apresentam.
  • 10. História da província de Santa Cruz Pero de Magalhães Gândavo • Estudioso de gramática e amigo de Camões, foi o primeiro historiador do Brasil. Sua obra apresenta um abrangente panorama da vida na Colônia, que expõe com empenho propagandista.
  • 11. Tratados da terra e gente do Brasil Fernão Cardim • Gênero: Tratado • Em verbetes informativos sobre a fauna, a flora e os habitantes do Brasil, os tratados desse jesuíta revelam planejamento e organização metodológica para traçar um painel completo da Colônia.
  • 12. Tratado descritivo do Brasil em 1587 Gabriel Soares de Sousa • Gênero: Tratado • Para alertar o rei de Portugal sobre as diversas possibilidades econômicas da Colônia, o autor redige um texto de caráter enciclopédico, focalizando desde aspectos políticos e administrativos, até a exuberância da natureza e dos nativos.