SlideShare uma empresa Scribd logo
Construção das Fronteiras da Terra de Santa Cruz - Brasil
Éderson Dias de Oliveira
MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia Histórica do Brasil: capitalismo, território e
periferia. São Paulo: Annablume, 2011.
MORAES, A.C.R. O que é território? In SANTOS, M. et. al. Território - Globalização e
Fragmentação.São Paulo: Hucitec, 1994.
SANTOS, M. e SILVEIRA, M.L. O Brasil – sociedade e território no início do séc. XXI. Rio de
Janeiro: Record, 2001.
A Construção do Território no Brasil: um esboço
• O BR ocupa mais de 8,5 milhões de km² na porção centro-
oriental da A. do Sul, fazendo fronteira com maior parte dos
países do sub-continente;
• O seu território atual é fruto dos projetos expansionista da
“América Portuguesa, instaladas no “Novo Mundo”;
• Um particularidade da construção do espaço do BR, reside no
fato do seu território ser mantido sob a órbita de uma mesma
autoridade política após a independência;
• País continente: multiplicidade de biomas; de relevo; de bacias
hidrográficas; multiculturalidade;
• Com relação aos aspectos pop. cerca de 90% reside em meios
citadinos – mais da metade vive em aglomerações
metropolitanas, com destaque para a core área do país;
Síntese da formação territorial
• Como não podia deixar de ser
num movimento colonizador de
origem marítima, a colonização
do BR ocorreu no sendo do
litoral para o interior;
• Em face do custo do empreendi-
mento colonizador, em 1534 a
coroa dividiu a zona costeira do
litoral em regiões dispostas num
padrão latitudinal;
• Ao fim do séc. XVI, a colônia já apresentava 18 vilas
polarizadas por 4 regiões: Olinda, Salvador, Rio de Janeiro e
São Vicente;
• Nos anos Seicentos predominou a agroindústria canavieira,
com: tabaco, pecuária e cultivos de subsistência como
atividades periféricas;
• Da porção meridional partiram expedições que adentraram o
interior espanhol – Bandeiras de apressamento;
• Nos anos Setecentos a descoberta de Minas no interior,
constituiu importante fator pra formação do atual território
- houve o direcionamento de fluxos pop. no sentido litoral-
interior;
• Houve a demanda do
surgimento de novas
atividades regionais
para abastecer a
região mineira –
consolidação de
núcleos urbanos
interioranos –
articulação de áreas
isoladas;
• Grande parte desses
povos foram
dizimados por:
doenças exógenas,
escravização e
conflitos.
• Estima-se que em
1500 havia algo em
torno de 2 a 5
milhões de indígenas.
• Hoje, eles somam uma
população de cerca de
345 mil pessoas
apenas.
• O processo de ocupação resultou em um verdadeiro genocídio
contra os povos indígenas que viviam no Brasil colônia.
• Quando os colonos chegaram para ocupar a América
portuguesa, eles se organizaram em torno de núcleos de
povoamento, denominados de arraiais;
• À medida que se aumentava a economia e a pop. e conseguiam
se emancipar, passavam, então, à categoria de freguesias
(paróquias). Com a elevação à categoria de freguesia;
• O povoado passava a ter um território delimitado, um cartório
eclesiástico e um padre permanente;
• A organização administrativa do povoado se completava ao ser
elevado à categoria de vila, quando era criada e instalada a
câmara municipal.
• Já quando a vila era elevada à categoria de cidade havia pouca
ou nenhuma mudança em sua organização administrativa.
• A vila ou a cidade podiam ainda, dependendo de seu tamanho
populacional, abarcar uma comarca, que podiam coincidir com
os limites de uma vila ou englobar várias vilas pequenas.
• As vilas do Brasil, no início do Século XVI, podem ser
caracterizadas como “ilhas de povoamento”, dado seu
isolamento;
• Com sede na BA, o poder Central não conseguia dar
assistência em tempo hábil a todas as regiões da colônia.
• Suas áreas interiores eram desconhecidas e habitadas por
indígenas que faziam grande resistência à ocupação
portuguesa.
• Em decorrên-
cia desses fa-
tores, em 1621
a América por-
tuguesa foi
dividida em
dois estados:
• Estado do MA
e Grão-Pará,
que abarcavam
as capitanias
localizadas ao
norte do cabo
de São Roque
até a
Amazônia;
• e o Estado do
Brasil,
abrangendo as
capitanias ao
sul do RN
(JANCSÓ,
1994).
• Nesse período surgiram
as bandeiras que
partiram de SP em busca
de metais preciosos e
escravos indígenas o que
propiciou a ocupação de
áreas no interior.
• A descoberta de ouro
atraiu paulistas e
forasteiros para a região
que ficou conhecida como
“das minas gerais”.
• Essas descobertas geraram conflitos (Guerras dos
Emboabas), sendo que para dar fim a essas disputas
territoriais, foi criada, em 1709, a Capitania de São Paulo e
Minas e, em 1711, ocorreu a elevação da vila de São Paulo à
categoria de cidade (HOLANDA, 1960).
• No contexto dos conflitos de 1708-1709, os paulistas
procuraram novas áreas de exploração e acabaram
descobrindo ouro no CO, ampliando sua área de influência.
• Dessa forma, até 1720
a Capitania de São
Paulo abrangia
praticamente todo o
território sul da
América portuguesa
(PEREGALLI, 1950).
• Em 1720, Dom
João V emancipou
a Capitania de
Minas Gerais.
• Também foi criada,
em 1744, a
Capitania de Goiás
e logo depois, em
1748, a Capitania
de Mato Grosso.
• Para estabelecer a ocupação na região do rio da Prata, foi
fundada, em 1680, a Colônia do Santíssimo Sacramento.
• Esta foi sitiada quatro vezes pela Espanha nos períodos de
1704 a 1777, e ocupada três vezes, entre 1705 e 1763 e,
finalmente, a partir de 1777, ficou para a Espanha - Tratado
de Santo Ildefonso (HOLANDA, 1960).
• Na tentativa
de garantir
posses em
direção ao sul
da colônia, em
1737, a região
de SC foi ele-
vada à catego-
ria de capita-
nia e, em 1760,
foi criada a
Capitania do
Rio Grande de
São Pedro sob
a jurisdição do
Rio de Janeiro
(VIANNA,
1948).
• Tratado de Utrecht -
(1713 e 1715); França (Rio
Oiapoque) e Espanha
(Portugal ficou com a Colônia
de Sacramento;
• Portugal e Espanha cada um a seu modo procurou se
territorializar a partir de tratados entre si;
• Bula Intercoera – 1493;
• Tratado de Tordesilhas
– 1494;
• Tratado de Madri (1750) – Portugal e Espanha tentaram
acabar com as disputas territoriais celebrando, na cidade de
Madri, um acordo de fronteiras, (VIANNA, 1948).
• Na tentativa de consolidar as fronteiras, houve uma maior
integração da região do rio Preto sendo criado, em 1755, a
Capitania de São José do Javari, posteriormente denominada
Capitania do Rio Negro.
• Nesse tratado a
Colônia do
Sacramento ficou
pertencendo aos
espanhóis e a região
dos Sete Povos das
Missões aos
portugueses.
• O Tratado de Madri foi feito partindo de dois princípios,
sendo eles:
• o uti possidetis, segundo o qual cada nação conservaria as
terras que já tivessem efetivamente ocupado;
• e o outro era a tentativa de coincidir os limites com
acidentes geográficos mais notáveis como montes ou
grandes rios.
• Outra mudança na configuração territorial foi a mudança, em
1763, da capital de Salvador para o RJ.
• Isso ocorreu no mesmo ano em que o Brasil foi elevado à
categoria de Vice-Reinado;
• Em 1772 foi extinto o Estado do Grão-Pará e Maranhão,
separando-se em Maranhão e Piauí do Pará.
• Por outro lado, uniram-se Pará e Rio Negro para formar o
Estado do Grão-Pará e São José do Rio Negro, com capital em
Belém e diretamente subordinado à Lisboa (JANCSÓ, 1994).
• Mais disputas pelas fronteiras das colônias lusitanas e
espanholas levaram em 1777 na cidade de Santo Ildefonso, a
mais um tratado.
• Tratado de Santo
Ildelfonso (1777) – os
espanhóis ficariam com a
Colônia do Sacramento e a
região dos Sete Povos das
Missões, mas desenvolveram
aos portugueses terras que
haviam ocupado no atual
estado do RS.
• Porém, novo conflito
(1801), trouxe para os
domínios portugueses a
região dos Sete Povos
das Missões, que foi
definitivamente
incorporado ao
território do RS.
• Com isso mais outro
tratado foi assinado;
• Tratado de Badajós
(1801) – a região dos
Sete Povos das
Missões ficaria com os
portugueses e a
Colônia do Sacramento,
com os espanhóis.
• Outras mudanças na configuração do Brasil, foram:
 a separação da Capitania do Piauí da Capitania do
Maranhão, em 1811;
 a transferência da região do Triângulo Mineiro de Goiás
para Minas Gerais, em 1816;
 a criação da Capitania de Alagoas, em 1817, desmembrada
da Capitania de Pernambuco;
 a separação da Capitania de Sergipe da Capitania da Bahia,
em 1820;
 e a transferência da Comarca do Rio São Francisco para a
Bahia, em 1827, (ESCOBAR, [entre 1936 e 1946]).
• Com a independência (1822), as antigas capitanias reais
foram transformadas em províncias do Império do Brasil,
assumindo basicamente os mesmos contornos daquelas.
• Algumas das capitanias reais haviam se fundido para formar
uma capitania maior, como foi o caso da Capitania da Bahia.
• Essa surgiu a partir da junção de cinco capitanias: Porto
Seguro, Ilhéus, Baía de Todos os Santos, Itaparica e
Recôncavo da Baía.
• Outras surgiram a partir da elevação de comarcas em novas
capitanias, como pode ser visto no mapa a seguir.
• À época de
seu nascimen-
to, o Império
do Brasil
contava com
18 províncias:
AL; BA, CE,
ES, GO, MA,
MT, MG, PA,
PB, PE, PI,
RJ, RN, SC,
SP, SE e São
Pedro do Rio
Grande do
Sul.
• Durante todo o período Imperial, a divisão administrativa do
Brasil mudou apenas com a criação da Província do Amazonas,
em 1850, desmembrada da Província do Pará;
• Em 1853 há também com a elevação da Comarca de Curitiba à
Província Independente, com o nome de Província do Paraná
(ESCOBAR, [entre 1936 e 1946]).
• Em 1889, com a
Proclamação da
República, as anti-
gas províncias bra-
sileiras passaram à
categoria de
estados, mantendo
as mesmas
fronteiras.
• O Império
do Brasil
passou a
denominar-
se Estados
Unidos do
Brasil,
seguindo o
modelo
americano
de governo
(ANDRADE;
ANDRADE,
2003).
• A federação brasileira nasceu, então, com 20 estados mais o
Distrito Federal.
• Desde o ano de 1834, a cidade do Rio de Janeiro havia sido
desligada da província de mesmo nome e passado a abrigar a
Corte, sob a forma de município neutro.
• A administração da província passou a ser sediada na cidade
de Niterói.
• Com a Proclamação da República, o município neutro foi
transformado na pessoa jurídica do Distrito Federal, capital
do Brasil (CASTANHA, 2006).
• Em 1956, Juscelino Kubitschek, deu início à construção de
uma nova sede para o Distrito Federal.
• Em 1960, fruto de antigas reivindicações, a sede do governo
foi transferida para o CO onde foi construída Brasília.
• Ademais, para
que o Brasil
tivesse a
conformação
territorial
atual, algumas
mudanças
ocorreram no
decorrer do
séc. XX.
• Uma delas foi a anexação do Acre, em 1903, através do
Tratado de Petrópolis.
• Nesse o Brasil ficava com o Acre mediante uma indenização
de dois milhões de libras esterlinas e a construção da ferrovia
Madeira-Mamoré, afim de escoar pelo Amazonas, os produtos
bolivianos (ESCOBAR, [entre 1936 e 1946]).
• Na década de 1940, no contexto da SGM e com a necessidade
crescente de exploração da borracha na Amazônia, Getúlio
Vargas criou cinco Territórios Federais, a partir do
desmembramento dos Estados do Amazonas e Pará, sendo
eles: Guaporé, Amapá, Ponta Porã, Iguassú e Rio Branco.
• Desses, dois foram extintos em 1946: Ponta Porã e Iguassú.
• A intervenção federal nos estados foi explicada pela
necessidade da segurança das fronteiras, localizadas em
regiões remotas onde o poder público estadual encontrava
dificuldades em administrar.
• A Constituição Federal de 1988 transformou todos os
Territórios Federais existentes em estados.
• Então, a partir de 1988, somaram-se mais três estados à
federação brasileira. Foram eles, os Estados: do Amapá; de
Rondônia, antigo Território de Guaporé; e de Roraima, antigo
Território do Rio Branco.
• Além desses, outros dois estados ainda foram fundados. Em
1977, Geisel criava o MS, do desmembramento do MT e, em
1988, foi criado o TO desmembrado de GO.
• Novas propostas de alteração da divisão política estadual
continuam, contudo, a ser feitas e analisadas no âmbito do
Congresso Nacional no momento atual.
As Unidades da Federação
• O período aqui aborda a partir de 1872 quando ocorreu o
primeiro recenseamento do país.
• Nesse período, ocorreram algumas mudanças de nomes e de
grafias, mas poucas alterações de limites territoriais.
• Algumas unidades foram criadas a partir do desmembramento
de outras, principalmente na Região Norte.
• A única exceção é o AC, cujas terras pertenciam à Bolívia e,
em 1903, foi anexado ao Brasil pelo Tratado de Petrópolis
como TF, sendo elevado em 1962, à condição de Estado.
• Em 1943, foram criados, cinco TFs: Guaporé desmembrado
dos Estados de MT e AM; Rio Branco com área do AM; AP,
oriundo do Estado do PA; Ponta Porã desmembrado de MG; e
Iguassú constituído com terras do PR.
• Esses territórios visavam atender à política nacional de
defesa das fronteiras nacionais em pontos vulneráveis.
• O TF de Guaporé teve sua denominação alterada para
Rondônia em 1956 e em 1982 foi elevado à categoria de
estado.
• O TF de Rio Branco passou a denominar-se Roraima em 1962,
até 1988 quando virou Estado de Roraima.
• O TF do Amapá permaneceu até 1988 quando foi
transformado em estado.
• Os territórios de Ponta Porã e Iguassú tiveram curta duração
tendo sido extintos pela Constituição Federal de 1946.
• O arquipélago de Fernando de Noronha, em 1988 foi condido à
situação singular de distrito estadual de Pernambuco.
• A capital do Brasil durante o Império situava-se na atual
cidade do Rio de Janeiro que à época localizava-se no
Município Neutro.
• Com o advento da República, em 1889, este foi transformado
em Distrito Federal constituído para abrigar a capital do País.
• Essa situação permaneceu até 1960 quando foi transferido
para o Planalto Central com a criação da cidade de Brasília.
• O até então Distrito Federal foi transformado em Estado da
Guanabara, em 1960, e existiu apenas até 1975 quando sofreu
a fusão com o RJ.
• A mesma área, que fora capital do país, foi transformada no
município do Rio de Janeiro, capital do estado, retirando de
Niterói as funções como capital estadual.
• O MT foi dividido em 1977, originando os atuais estados de
MT e MS.
• Em 1988 GO foi dividido para dar lugar aos estados de GO e
TO.
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL
CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIII
Lú Carvalho
 
Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!
Marcelo Caetano
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
Edenilson Morais
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
PPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial BrasileiraPPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial Brasileira
josafaslima
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
Geová da Silva
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
Daniel Alves Bronstrup
 
A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
Marilia Pimentel
 
Capitanias hereditarias
Capitanias hereditariasCapitanias hereditarias
Capitanias hereditarias
Lilian Larroca
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
Edenilson Morais
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
A transição para o trabalho livre e assalariado
A transição para o trabalho livre e assalariadoA transição para o trabalho livre e assalariado
A transição para o trabalho livre e assalariado
Edenilson Morais
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
Nefer19
 
Unidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do SulUnidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do Sul
Christie Freitas
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
Alex Ferreira dos Santos
 
Oceania
Oceania Oceania
Oceania
Camila Brito
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
Lucas Reis
 

Mais procurados (20)

Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIII
 
Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!Formação do território brasileiro!
Formação do território brasileiro!
 
Expansão territorial
Expansão territorialExpansão territorial
Expansão territorial
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
PPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial BrasileiraPPT - Expansão Territorial Brasileira
PPT - Expansão Territorial Brasileira
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
 
A mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonialA mineração no brasil colonial
A mineração no brasil colonial
 
Capitanias hereditarias
Capitanias hereditariasCapitanias hereditarias
Capitanias hereditarias
 
Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)Segundo Reinado (1840-1889)
Segundo Reinado (1840-1889)
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
A transição para o trabalho livre e assalariado
A transição para o trabalho livre e assalariadoA transição para o trabalho livre e assalariado
A transição para o trabalho livre e assalariado
 
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
A Formação do Território Brasileiro - 7º Ano (2017)
 
Unidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do SulUnidade 7 8º ano- América do Sul
Unidade 7 8º ano- América do Sul
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Descobrimento Do Brasil
Descobrimento Do  BrasilDescobrimento Do  Brasil
Descobrimento Do Brasil
 
Oceania
Oceania Oceania
Oceania
 
Brasil expansão territorial
Brasil expansão territorialBrasil expansão territorial
Brasil expansão territorial
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
Ciclo do açúcar
Ciclo do açúcarCiclo do açúcar
Ciclo do açúcar
 

Destaque

A genese das fronteiras brasileiras
A genese das fronteiras brasileiras   A genese das fronteiras brasileiras
A genese das fronteiras brasileiras
Professora Camila Geografia
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Professor
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
DANUBIA ZANOTELLI
 
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1
Tiago Rafael
 
As Fronteiras do Brasil
As Fronteiras do BrasilAs Fronteiras do Brasil
As Fronteiras do Brasil
paulotmo
 
Limites e Fronteiras
Limites e FronteirasLimites e Fronteiras
Limites e Fronteiras
Diabzie
 
Qual é a diferença limite fronteira 1
Qual é a diferença limite fronteira 1Qual é a diferença limite fronteira 1
Qual é a diferença limite fronteira 1
Atividades Diversas Cláudia
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
Ione Rocha
 
Brasil conflitos e cooperação na bacia platina
Brasil   conflitos e cooperação na bacia platinaBrasil   conflitos e cooperação na bacia platina
Brasil conflitos e cooperação na bacia platina
flaviocosac
 
2002ed d1 his
2002ed d1 his2002ed d1 his
2002ed d1 his
Marcio Cicchelli
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
Patrícia Éderson Dias
 
O Brasil Além Das Fronteiras
O Brasil Além Das FronteirasO Brasil Além Das Fronteiras
O Brasil Além Das Fronteiras
Nelson Pelegrino
 
A estrutura da onu turma 8.3 prof. nelma
A estrutura da onu turma 8.3 prof. nelmaA estrutura da onu turma 8.3 prof. nelma
A estrutura da onu turma 8.3 prof. nelma
salainformatizada01hl
 
A substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileiros
A substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileirosA substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileiros
A substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileiros
Patrícia Éderson Dias
 
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiroAntecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Patrícia Éderson Dias
 
Integração dos lugares do mundo globalizado
Integração dos lugares do mundo globalizadoIntegração dos lugares do mundo globalizado
Integração dos lugares do mundo globalizado
Gerson Francisco de Moraes
 
Gt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao finalGt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao final
Procambiental
 
Aspectos Naturais da America Central
Aspectos Naturais da America CentralAspectos Naturais da America Central
Aspectos Naturais da America Central
Patrícia Éderson Dias
 
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela GeografiaAbordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Patrícia Éderson Dias
 

Destaque (20)

A genese das fronteiras brasileiras
A genese das fronteiras brasileiras   A genese das fronteiras brasileiras
A genese das fronteiras brasileiras
 
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
Brasil territorio e fronteiras   7º anoBrasil territorio e fronteiras   7º ano
Brasil territorio e fronteiras 7º ano
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIROLOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
LOCALIZAÇÃO E FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO
 
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1
SLIDES DA SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 2 - 2º ANO VOL.1
 
As Fronteiras do Brasil
As Fronteiras do BrasilAs Fronteiras do Brasil
As Fronteiras do Brasil
 
Limites e Fronteiras
Limites e FronteirasLimites e Fronteiras
Limites e Fronteiras
 
Qual é a diferença limite fronteira 1
Qual é a diferença limite fronteira 1Qual é a diferença limite fronteira 1
Qual é a diferença limite fronteira 1
 
Formação do território brasileiro
Formação do território brasileiroFormação do território brasileiro
Formação do território brasileiro
 
Brasil conflitos e cooperação na bacia platina
Brasil   conflitos e cooperação na bacia platinaBrasil   conflitos e cooperação na bacia platina
Brasil conflitos e cooperação na bacia platina
 
2002ed d1 his
2002ed d1 his2002ed d1 his
2002ed d1 his
 
Divisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da HistóriaDivisão dos períodos da História
Divisão dos períodos da História
 
O Brasil Além Das Fronteiras
O Brasil Além Das FronteirasO Brasil Além Das Fronteiras
O Brasil Além Das Fronteiras
 
A estrutura da onu turma 8.3 prof. nelma
A estrutura da onu turma 8.3 prof. nelmaA estrutura da onu turma 8.3 prof. nelma
A estrutura da onu turma 8.3 prof. nelma
 
A substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileiros
A substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileirosA substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileiros
A substituição dos espaços geográficos indígenas pelos dos luso brasileiros
 
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiroAntecedentes da produção do espaço brasileiro
Antecedentes da produção do espaço brasileiro
 
Integração dos lugares do mundo globalizado
Integração dos lugares do mundo globalizadoIntegração dos lugares do mundo globalizado
Integração dos lugares do mundo globalizado
 
Gt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao finalGt4 apresentacao final
Gt4 apresentacao final
 
Aspectos Naturais da America Central
Aspectos Naturais da America CentralAspectos Naturais da America Central
Aspectos Naturais da America Central
 
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela GeografiaAbordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
Abordagem da bacia hidrográfica pela Geografia
 

Semelhante a CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL

Imersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - HistóriaImersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - História
Valeria Kosicki
 
A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil
joannabaptistadoamaral
 
Seminário de história
Seminário de históriaSeminário de história
Seminário de história
Cleriane Cardozo
 
Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)
Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)
Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)
Hely Rodrigues
 
FORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptx
FORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptxFORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptx
FORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptx
Alice Nicacio
 
Geopolítica da instalação portuguesa na américa
Geopolítica da instalação portuguesa na américaGeopolítica da instalação portuguesa na américa
Geopolítica da instalação portuguesa na américa
Patrícia Éderson Dias
 
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroUE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
Silvio Araujo de Sousa
 
3 breve historia-do_brasil
3 breve historia-do_brasil3 breve historia-do_brasil
3 breve historia-do_brasil
Lucas Cechinel
 
História de ms povoamento
História de ms   povoamentoHistória de ms   povoamento
História de ms povoamento
Nelia Salles Nantes
 
Brasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmpBrasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmp
Péricles Penuel
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
IsadoraPaulino2
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
Gregorio Neto
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
Jonatas Carlos
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
Professora Natália de Oliveira
 
Brasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIIIBrasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIII
Bruno E Geyse Ornelas
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
Paticx
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
Patrícia Sanches
 

Semelhante a CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL (20)

Imersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - HistóriaImersão nos vestibulares do Sul - História
Imersão nos vestibulares do Sul - História
 
A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil A formaçao territoral do Brasil
A formaçao territoral do Brasil
 
Seminário de história
Seminário de históriaSeminário de história
Seminário de história
 
Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)
Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)
Breve historico da_configuracao_politico_administrativa_brasileira (1)
 
FORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptx
FORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptxFORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptx
FORMAÇÃO TERRITORIAL DO RIO GRANDE DO NORTE.pptx
 
Geopolítica da instalação portuguesa na américa
Geopolítica da instalação portuguesa na américaGeopolítica da instalação portuguesa na américa
Geopolítica da instalação portuguesa na américa
 
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território BrasileiroUE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
UE5 - Gênese Geoeconômica do Território Brasileiro
 
3 breve historia-do_brasil
3 breve historia-do_brasil3 breve historia-do_brasil
3 breve historia-do_brasil
 
História de ms povoamento
História de ms   povoamentoHistória de ms   povoamento
História de ms povoamento
 
Brasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmpBrasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmp
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
Aula 12 crise no sistema colonial
Aula 12   crise no sistema colonialAula 12   crise no sistema colonial
Aula 12 crise no sistema colonial
 
Expansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesaExpansão colonial na américa portuguesa
Expansão colonial na américa portuguesa
 
Brasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIIIBrasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIII
 
OcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato GrossoOcupaçãO De Mato Grosso
OcupaçãO De Mato Grosso
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 

Mais de Patrícia Éderson Dias

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Patrícia Éderson Dias
 
Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
Patrícia Éderson Dias
 
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico iConhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
Patrícia Éderson Dias
 
Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
Patrícia Éderson Dias
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
Patrícia Éderson Dias
 
Cartografia ii
Cartografia iiCartografia ii
Cartografia ii
Patrícia Éderson Dias
 
Cartografia i
Cartografia iCartografia i
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Patrícia Éderson Dias
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
Patrícia Éderson Dias
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Patrícia Éderson Dias
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
Patrícia Éderson Dias
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
Patrícia Éderson Dias
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
Patrícia Éderson Dias
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Patrícia Éderson Dias
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
Patrícia Éderson Dias
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
Patrícia Éderson Dias
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Patrícia Éderson Dias
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
Patrícia Éderson Dias
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
Patrícia Éderson Dias
 

Mais de Patrícia Éderson Dias (20)

Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos RefugiadosProcessos Migratórios e a Crise dos Refugiados
Processos Migratórios e a Crise dos Refugiados
 
Geografia economica i
Geografia economica iGeografia economica i
Geografia economica i
 
Conhecimento geografico i
Conhecimento geografico iConhecimento geografico i
Conhecimento geografico i
 
Climatologia ii
Climatologia iiClimatologia ii
Climatologia ii
 
Climatologia i
Climatologia iClimatologia i
Climatologia i
 
Cartografia ii
Cartografia iiCartografia ii
Cartografia ii
 
Cartografia i
Cartografia iCartografia i
Cartografia i
 
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação  interlocuções e possibilidadesPsicologia e educação  interlocuções e possibilidades
Psicologia e educação interlocuções e possibilidades
 
Política educacional
Política educacional Política educacional
Política educacional
 
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação Metodologia da pesquisa em ciências da educação
Metodologia da pesquisa em ciências da educação
 
Literatura infantil
Literatura infantilLiteratura infantil
Literatura infantil
 
Linguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetizaçãoLinguagem e alfabetização
Linguagem e alfabetização
 
Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto Leitura e produção de texto
Leitura e produção de texto
 
Historia da Educação Brasileira
Historia da Educação BrasileiraHistoria da Educação Brasileira
Historia da Educação Brasileira
 
Livro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação InfantilLivro Fundamentos da Educação Infantil
Livro Fundamentos da Educação Infantil
 
Fosolofia na Educação
Fosolofia na EducaçãoFosolofia na Educação
Fosolofia na Educação
 
Livro de Didatica
Livro de DidaticaLivro de Didatica
Livro de Didatica
 
Tendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de históriaTendencias e perspectivas do ensino de história
Tendencias e perspectivas do ensino de história
 
Introdução ao estudo da história
Introdução ao estudo da históriaIntrodução ao estudo da história
Introdução ao estudo da história
 
Ética moral e valores
Ética moral e valoresÉtica moral e valores
Ética moral e valores
 

Último

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

CONNSTRUÇÃO DAS FRONTEIRAS DO BRASIL

  • 1. Construção das Fronteiras da Terra de Santa Cruz - Brasil Éderson Dias de Oliveira MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia Histórica do Brasil: capitalismo, território e periferia. São Paulo: Annablume, 2011. MORAES, A.C.R. O que é território? In SANTOS, M. et. al. Território - Globalização e Fragmentação.São Paulo: Hucitec, 1994. SANTOS, M. e SILVEIRA, M.L. O Brasil – sociedade e território no início do séc. XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001.
  • 2. A Construção do Território no Brasil: um esboço • O BR ocupa mais de 8,5 milhões de km² na porção centro- oriental da A. do Sul, fazendo fronteira com maior parte dos países do sub-continente; • O seu território atual é fruto dos projetos expansionista da “América Portuguesa, instaladas no “Novo Mundo”; • Um particularidade da construção do espaço do BR, reside no fato do seu território ser mantido sob a órbita de uma mesma autoridade política após a independência; • País continente: multiplicidade de biomas; de relevo; de bacias hidrográficas; multiculturalidade; • Com relação aos aspectos pop. cerca de 90% reside em meios citadinos – mais da metade vive em aglomerações metropolitanas, com destaque para a core área do país;
  • 3.
  • 4. Síntese da formação territorial • Como não podia deixar de ser num movimento colonizador de origem marítima, a colonização do BR ocorreu no sendo do litoral para o interior; • Em face do custo do empreendi- mento colonizador, em 1534 a coroa dividiu a zona costeira do litoral em regiões dispostas num padrão latitudinal; • Ao fim do séc. XVI, a colônia já apresentava 18 vilas polarizadas por 4 regiões: Olinda, Salvador, Rio de Janeiro e São Vicente; • Nos anos Seicentos predominou a agroindústria canavieira, com: tabaco, pecuária e cultivos de subsistência como atividades periféricas;
  • 5. • Da porção meridional partiram expedições que adentraram o interior espanhol – Bandeiras de apressamento; • Nos anos Setecentos a descoberta de Minas no interior, constituiu importante fator pra formação do atual território - houve o direcionamento de fluxos pop. no sentido litoral- interior; • Houve a demanda do surgimento de novas atividades regionais para abastecer a região mineira – consolidação de núcleos urbanos interioranos – articulação de áreas isoladas;
  • 6. • Grande parte desses povos foram dizimados por: doenças exógenas, escravização e conflitos. • Estima-se que em 1500 havia algo em torno de 2 a 5 milhões de indígenas. • Hoje, eles somam uma população de cerca de 345 mil pessoas apenas. • O processo de ocupação resultou em um verdadeiro genocídio contra os povos indígenas que viviam no Brasil colônia.
  • 7. • Quando os colonos chegaram para ocupar a América portuguesa, eles se organizaram em torno de núcleos de povoamento, denominados de arraiais; • À medida que se aumentava a economia e a pop. e conseguiam se emancipar, passavam, então, à categoria de freguesias (paróquias). Com a elevação à categoria de freguesia; • O povoado passava a ter um território delimitado, um cartório eclesiástico e um padre permanente; • A organização administrativa do povoado se completava ao ser elevado à categoria de vila, quando era criada e instalada a câmara municipal. • Já quando a vila era elevada à categoria de cidade havia pouca ou nenhuma mudança em sua organização administrativa. • A vila ou a cidade podiam ainda, dependendo de seu tamanho populacional, abarcar uma comarca, que podiam coincidir com os limites de uma vila ou englobar várias vilas pequenas.
  • 8. • As vilas do Brasil, no início do Século XVI, podem ser caracterizadas como “ilhas de povoamento”, dado seu isolamento; • Com sede na BA, o poder Central não conseguia dar assistência em tempo hábil a todas as regiões da colônia. • Suas áreas interiores eram desconhecidas e habitadas por indígenas que faziam grande resistência à ocupação portuguesa. • Em decorrên- cia desses fa- tores, em 1621 a América por- tuguesa foi dividida em dois estados:
  • 9. • Estado do MA e Grão-Pará, que abarcavam as capitanias localizadas ao norte do cabo de São Roque até a Amazônia; • e o Estado do Brasil, abrangendo as capitanias ao sul do RN (JANCSÓ, 1994).
  • 10. • Nesse período surgiram as bandeiras que partiram de SP em busca de metais preciosos e escravos indígenas o que propiciou a ocupação de áreas no interior. • A descoberta de ouro atraiu paulistas e forasteiros para a região que ficou conhecida como “das minas gerais”. • Essas descobertas geraram conflitos (Guerras dos Emboabas), sendo que para dar fim a essas disputas territoriais, foi criada, em 1709, a Capitania de São Paulo e Minas e, em 1711, ocorreu a elevação da vila de São Paulo à categoria de cidade (HOLANDA, 1960).
  • 11. • No contexto dos conflitos de 1708-1709, os paulistas procuraram novas áreas de exploração e acabaram descobrindo ouro no CO, ampliando sua área de influência. • Dessa forma, até 1720 a Capitania de São Paulo abrangia praticamente todo o território sul da América portuguesa (PEREGALLI, 1950).
  • 12. • Em 1720, Dom João V emancipou a Capitania de Minas Gerais. • Também foi criada, em 1744, a Capitania de Goiás e logo depois, em 1748, a Capitania de Mato Grosso. • Para estabelecer a ocupação na região do rio da Prata, foi fundada, em 1680, a Colônia do Santíssimo Sacramento. • Esta foi sitiada quatro vezes pela Espanha nos períodos de 1704 a 1777, e ocupada três vezes, entre 1705 e 1763 e, finalmente, a partir de 1777, ficou para a Espanha - Tratado de Santo Ildefonso (HOLANDA, 1960).
  • 13. • Na tentativa de garantir posses em direção ao sul da colônia, em 1737, a região de SC foi ele- vada à catego- ria de capita- nia e, em 1760, foi criada a Capitania do Rio Grande de São Pedro sob a jurisdição do Rio de Janeiro (VIANNA, 1948).
  • 14. • Tratado de Utrecht - (1713 e 1715); França (Rio Oiapoque) e Espanha (Portugal ficou com a Colônia de Sacramento; • Portugal e Espanha cada um a seu modo procurou se territorializar a partir de tratados entre si; • Bula Intercoera – 1493; • Tratado de Tordesilhas – 1494;
  • 15. • Tratado de Madri (1750) – Portugal e Espanha tentaram acabar com as disputas territoriais celebrando, na cidade de Madri, um acordo de fronteiras, (VIANNA, 1948). • Na tentativa de consolidar as fronteiras, houve uma maior integração da região do rio Preto sendo criado, em 1755, a Capitania de São José do Javari, posteriormente denominada Capitania do Rio Negro. • Nesse tratado a Colônia do Sacramento ficou pertencendo aos espanhóis e a região dos Sete Povos das Missões aos portugueses.
  • 16. • O Tratado de Madri foi feito partindo de dois princípios, sendo eles: • o uti possidetis, segundo o qual cada nação conservaria as terras que já tivessem efetivamente ocupado; • e o outro era a tentativa de coincidir os limites com acidentes geográficos mais notáveis como montes ou grandes rios. • Outra mudança na configuração territorial foi a mudança, em 1763, da capital de Salvador para o RJ. • Isso ocorreu no mesmo ano em que o Brasil foi elevado à categoria de Vice-Reinado; • Em 1772 foi extinto o Estado do Grão-Pará e Maranhão, separando-se em Maranhão e Piauí do Pará.
  • 17. • Por outro lado, uniram-se Pará e Rio Negro para formar o Estado do Grão-Pará e São José do Rio Negro, com capital em Belém e diretamente subordinado à Lisboa (JANCSÓ, 1994). • Mais disputas pelas fronteiras das colônias lusitanas e espanholas levaram em 1777 na cidade de Santo Ildefonso, a mais um tratado. • Tratado de Santo Ildelfonso (1777) – os espanhóis ficariam com a Colônia do Sacramento e a região dos Sete Povos das Missões, mas desenvolveram aos portugueses terras que haviam ocupado no atual estado do RS.
  • 18. • Porém, novo conflito (1801), trouxe para os domínios portugueses a região dos Sete Povos das Missões, que foi definitivamente incorporado ao território do RS. • Com isso mais outro tratado foi assinado; • Tratado de Badajós (1801) – a região dos Sete Povos das Missões ficaria com os portugueses e a Colônia do Sacramento, com os espanhóis.
  • 19.
  • 20. • Outras mudanças na configuração do Brasil, foram:  a separação da Capitania do Piauí da Capitania do Maranhão, em 1811;  a transferência da região do Triângulo Mineiro de Goiás para Minas Gerais, em 1816;  a criação da Capitania de Alagoas, em 1817, desmembrada da Capitania de Pernambuco;  a separação da Capitania de Sergipe da Capitania da Bahia, em 1820;  e a transferência da Comarca do Rio São Francisco para a Bahia, em 1827, (ESCOBAR, [entre 1936 e 1946]).
  • 21. • Com a independência (1822), as antigas capitanias reais foram transformadas em províncias do Império do Brasil, assumindo basicamente os mesmos contornos daquelas. • Algumas das capitanias reais haviam se fundido para formar uma capitania maior, como foi o caso da Capitania da Bahia. • Essa surgiu a partir da junção de cinco capitanias: Porto Seguro, Ilhéus, Baía de Todos os Santos, Itaparica e Recôncavo da Baía. • Outras surgiram a partir da elevação de comarcas em novas capitanias, como pode ser visto no mapa a seguir.
  • 22. • À época de seu nascimen- to, o Império do Brasil contava com 18 províncias: AL; BA, CE, ES, GO, MA, MT, MG, PA, PB, PE, PI, RJ, RN, SC, SP, SE e São Pedro do Rio Grande do Sul.
  • 23. • Durante todo o período Imperial, a divisão administrativa do Brasil mudou apenas com a criação da Província do Amazonas, em 1850, desmembrada da Província do Pará; • Em 1853 há também com a elevação da Comarca de Curitiba à Província Independente, com o nome de Província do Paraná (ESCOBAR, [entre 1936 e 1946]). • Em 1889, com a Proclamação da República, as anti- gas províncias bra- sileiras passaram à categoria de estados, mantendo as mesmas fronteiras.
  • 24. • O Império do Brasil passou a denominar- se Estados Unidos do Brasil, seguindo o modelo americano de governo (ANDRADE; ANDRADE, 2003).
  • 25. • A federação brasileira nasceu, então, com 20 estados mais o Distrito Federal. • Desde o ano de 1834, a cidade do Rio de Janeiro havia sido desligada da província de mesmo nome e passado a abrigar a Corte, sob a forma de município neutro. • A administração da província passou a ser sediada na cidade de Niterói. • Com a Proclamação da República, o município neutro foi transformado na pessoa jurídica do Distrito Federal, capital do Brasil (CASTANHA, 2006). • Em 1956, Juscelino Kubitschek, deu início à construção de uma nova sede para o Distrito Federal. • Em 1960, fruto de antigas reivindicações, a sede do governo foi transferida para o CO onde foi construída Brasília.
  • 26. • Ademais, para que o Brasil tivesse a conformação territorial atual, algumas mudanças ocorreram no decorrer do séc. XX. • Uma delas foi a anexação do Acre, em 1903, através do Tratado de Petrópolis. • Nesse o Brasil ficava com o Acre mediante uma indenização de dois milhões de libras esterlinas e a construção da ferrovia Madeira-Mamoré, afim de escoar pelo Amazonas, os produtos bolivianos (ESCOBAR, [entre 1936 e 1946]).
  • 27.
  • 28.
  • 29. • Na década de 1940, no contexto da SGM e com a necessidade crescente de exploração da borracha na Amazônia, Getúlio Vargas criou cinco Territórios Federais, a partir do desmembramento dos Estados do Amazonas e Pará, sendo eles: Guaporé, Amapá, Ponta Porã, Iguassú e Rio Branco. • Desses, dois foram extintos em 1946: Ponta Porã e Iguassú.
  • 30. • A intervenção federal nos estados foi explicada pela necessidade da segurança das fronteiras, localizadas em regiões remotas onde o poder público estadual encontrava dificuldades em administrar. • A Constituição Federal de 1988 transformou todos os Territórios Federais existentes em estados. • Então, a partir de 1988, somaram-se mais três estados à federação brasileira. Foram eles, os Estados: do Amapá; de Rondônia, antigo Território de Guaporé; e de Roraima, antigo Território do Rio Branco. • Além desses, outros dois estados ainda foram fundados. Em 1977, Geisel criava o MS, do desmembramento do MT e, em 1988, foi criado o TO desmembrado de GO. • Novas propostas de alteração da divisão política estadual continuam, contudo, a ser feitas e analisadas no âmbito do Congresso Nacional no momento atual.
  • 31. As Unidades da Federação • O período aqui aborda a partir de 1872 quando ocorreu o primeiro recenseamento do país. • Nesse período, ocorreram algumas mudanças de nomes e de grafias, mas poucas alterações de limites territoriais. • Algumas unidades foram criadas a partir do desmembramento de outras, principalmente na Região Norte. • A única exceção é o AC, cujas terras pertenciam à Bolívia e, em 1903, foi anexado ao Brasil pelo Tratado de Petrópolis como TF, sendo elevado em 1962, à condição de Estado. • Em 1943, foram criados, cinco TFs: Guaporé desmembrado dos Estados de MT e AM; Rio Branco com área do AM; AP, oriundo do Estado do PA; Ponta Porã desmembrado de MG; e Iguassú constituído com terras do PR. • Esses territórios visavam atender à política nacional de defesa das fronteiras nacionais em pontos vulneráveis.
  • 32. • O TF de Guaporé teve sua denominação alterada para Rondônia em 1956 e em 1982 foi elevado à categoria de estado. • O TF de Rio Branco passou a denominar-se Roraima em 1962, até 1988 quando virou Estado de Roraima. • O TF do Amapá permaneceu até 1988 quando foi transformado em estado. • Os territórios de Ponta Porã e Iguassú tiveram curta duração tendo sido extintos pela Constituição Federal de 1946. • O arquipélago de Fernando de Noronha, em 1988 foi condido à situação singular de distrito estadual de Pernambuco. • A capital do Brasil durante o Império situava-se na atual cidade do Rio de Janeiro que à época localizava-se no Município Neutro.
  • 33. • Com o advento da República, em 1889, este foi transformado em Distrito Federal constituído para abrigar a capital do País. • Essa situação permaneceu até 1960 quando foi transferido para o Planalto Central com a criação da cidade de Brasília. • O até então Distrito Federal foi transformado em Estado da Guanabara, em 1960, e existiu apenas até 1975 quando sofreu a fusão com o RJ. • A mesma área, que fora capital do país, foi transformada no município do Rio de Janeiro, capital do estado, retirando de Niterói as funções como capital estadual. • O MT foi dividido em 1977, originando os atuais estados de MT e MS. • Em 1988 GO foi dividido para dar lugar aos estados de GO e TO.