SlideShare uma empresa Scribd logo
Leis de Incentivo – O
funcionamento das leis de incentivo
mais utilizadas no país
Jornada Projetos Culturais - CEMEC
Mecanismos de Financiamento à
Cultura
RECURSOS
PÚBLICOS
INCENTIVO
FISCAL
-Lei Rouanet - Mecenato (Lei nº 8.313/91)
-Lei Mendonça – SP (Lei nº 10.923/90)
-Lei Estadual de São Paulo – ProAC (Lei nº
12.268/06)
- FNC (Lei nº
8.313/91)
-Subvenções
do Poder
Público
- Programas
públicos em
geral
ETAPAS GERAIS DE UM PROJETO
Propositura do projeto
(apresentação)
Propositura do projeto
(apresentação)
Exame
documental
Exame
documental
Análise do
projeto
Análise do
projeto
Reunião de
aprovação
Reunião de
aprovação
Publicação de
aprovação
(Portaria, Certificado
ou Deliberação)
Publicação de
aprovação
(Portaria, Certificado
ou Deliberação)
Captação de
recursos
Captação de
recursos
Gestão de recursos
Incentivados
(execução do projeto)
Gestão de recursos
Incentivados
(execução do projeto)
Prestação de ContasPrestação de Contas
PC aprovada
(arquivamento)
PC aprovada
(arquivamento)
PC não aprovada:
encaminhamento para
TCU ( Tribunal de Contas
da União) ou respectivo
PC não aprovada:
encaminhamento para
TCU ( Tribunal de Contas
da União) ou respectivo
MECANISMOS DISPONÍVEIS
• Mecanismos de Patrocínio ou Doação - interesse no retorno de marketing, no
1º caso e sem retorno de marketing no 2º (Rouanet, Leis Estaduais e
Municipais);
• Mecanismos de Investimento – o investidor tem interesse comercial
(resultado) no projeto incentivado (Lei Municipal), além da exposição da
marca;
• Mecanismos de aporte direto pelo Poder Público – recursos exclusivos do
“Estado” (Fundo Nacional de Cultura, Editais Públicos).
LIMITES DE APORTE E PERCENTUAIS DE
ABATIMENTO
• Lei Rouanet (Lei Federal 8.313/91) – 4% Pessoa Jurídica e 6% Pessoa Física – IR devido.
Para projetos enquadrados no artigo 18, o abatimento é de 100% do aporte, limitado a 4% do IR devido para pessoas
jurídicas e 6% do IR devido para pessoas físicas.
Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa jurídica, o abatimento é de 40% para doação e
de 30% para patrocínio, do total do aporte.
----------------------------------------------------------
- Apenas no artigo 26 é permitido o lançamento, pela pessoa jurídica, do valor total do aporte como despesa
operacional.
- A dedução como despesa operacional REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do ADICIONAL DE IR. O que acarreta
um abatimento até de 64% para o patrocínio e 74% para doação.
----------------------------------------------------------
Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa física, o abatimento é de 80% para doação e 60%
para patrocínio, do total de aporte.
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------
• Lei Estadual – Proac (Lei 12.268/06) – tabela progressiva para estabelecer limite de abatimento (apenas pessoa
jurídica) – ICMS do período de apuração.
Os incentivadores (patrocinadores) que apoiarem o projeto terão o total do valor desembolsado deduzido do imposto
devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação tributária.
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
• Lei Municipal – Mendonça (10.923/90) – até 20% para Pessoa jurídica e física – IPTU ou ISS do período de
apuração.
O contribuinte poderá utilizar 70% do valor de seu certificado para pagamento de até 20% do imposto devido (IPTU ou
ISS), sendo que os 30% restantes deverão ser contemplados com recursos próprios.
PERÍODO DE PROPOSITURA DE PROJETOS
LEI ROUANET
•1º de fevereiro a 30 de setembro – Plano Anual de Atividades
•1º de fevereiro a 30 de novembro – demais projetos
PROAC
•Inscrição conjunta de proponente e projetos: 1º de janeiro a 1º de
novembro.
LEI MENDONÇA
•20 de março de 2012 a 31 de agosto de 2012 – Edital 2012
QUANTIDADE DE PROJETOS POR
PROPONENTE
LEI ROUANET
•Pessoa Física: até 2 projetos e, no caso de, ao menos, 1 dos projetos já ter captação de, no mínimo, 20%, até 4
projetos.
•Pessoa Jurídica – Microempreendedor Individual (MEI): até 2 projetos e, no caso de, ao menos, 1 dos projetos já ter
captação de, no mínimo, 20%, até 4 projetos.
•Pessoa Jurídica: até 5 projetos e, no caso de, ao menos, 2 projetos já terem captação de, no mínimo, 20%, até 10
projetos.
* Admite exceção: seleção pública, comprovada garantia de patrocínio e cooperativas que possuam no mínimo vinte
pessoas físicas cooperadas e dois anos de atividades.
PROAC
•Pessoa Física: 1 projeto
•Pessoa Jurídica: 2 projetos
* Não admite exceção
LEI MENDONÇA
•06 projetos.
* Exceto no caso de cooperativas, quando representarem seus associados.
PROPONENTE
LEI ROUANET
•Pessoa física com atuação na área cultural
•Pessoa jurídica de direito público ou privado, com ou sem fins lucrativos, cujo ato constitutivo ou instrumento
congênere disponha expressamente sobre sua finalidade cultural.
* Exige-se também a comprovação da capacidade técnico-financeira do proponente para execução do projeto
apresentado.
PROAC
•Pessoa física, o próprio artista ou detentor de direitos sobre o seu conteúdo;
•Pessoa física vinculada a cooperativa artística;
•Pessoa jurídica que tenha como objeto atividades artísticas e culturais;
•Instituições culturais sem fins lucrativos.
* Para qualquer das modalidades, o proponente, deverá ter sua sede ou residência no Estado de São Paulo, há no
mínimo 2 (dois) anos.
LEI MENDONÇA
• Pessoa física
•Pessoa jurídica de direito privado,
* Estabelecida no Município de São Paulo há pelo menos 2 (dois) anos, com objetivo e atuação prioritariamente
culturais, diretamente responsável pela promoção e execução de projeto artístico-cultural a ser beneficiado pelo
incentivo.
FORMATAÇÃO DO PROJETO
LEI ROUANET (digital)
•Formulário (conteúdo do projeto)
•Orçamento (elaborado de acordo com itens previamente definidos pelo MinC)
•Documentos (gerais – todos os projetos e específicos – variam de acordo com a área
cultural)
PROAC (digital/física)
•Formulário (conteúdo do projeto)
•Orçamento (deverá respeitar os tetos estipulados pela Resolução SC nº 50/12)
•Documentos (gerais – todos os projetos e específicos – variam de acordo com a área
cultural)
LEI MENDONÇA (física)
•Formulário (conteúdo do projeto)
•Orçamento (deverá respeitar os tetos estipulados no Edital 2012 )
•Documentos (gerais – todos os projetos e específicos – variam de acordo com a área
cultural)
ORÇAMENTO
Para formatação de projetos, seguimos uma tabela orçamentária do Ministério da Cultura, que
se divide basicamente em 6 itens:
•1. Pré-Produção/Preparação - todas as despesas necessárias e preparatórias do projeto, como
por exemplo pesquisas, produtor, serviços preliminares, etc;
•2. Produção/Execução - todas as despesas relativas à execução do projeto propriamente dito.
Ex: músicos, aluguel de estúdio de gravação e outros;
•3. Divulgação/Comercialização - as peças de divulgação do projeto. Ex: mídia impressa, folder,
convite, etc. - limite de 20%;
•4. Custos Administrativos - Itens de administração para realização do projeto. Ex: contador,
assessoria administrativa, jurídica, correios, coordenador do projeto, etc. - limite de 15%;
•5. Impostos/Recolhimentos – Apenas INSS. Os demais impostos devem estar embutidos dentro
das próprias rubricas;
•6. Elaboração e Agenciamento - 10% da somatória dos itens de 1 a 5, até o limite de R$
100.000,00.
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal
O mecanismo de incentivo fiscal é uma forma de estimular o apoio da
iniciativa privada ao setor cultural. O proponente apresenta uma
proposta cultural ao Ministério da Cultura (MinC) (de 1º de fevereiro a
30 de novembro de cada ano) e, caso seja aprovada, é autorizado a
captar recursos junto a pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda
(IR) ou empresas tributadas com base no lucro real visando à execução
do projeto.
Os incentivadores (doadores ou patrocinadores) que apoiarem o
projeto poderão ter o total ou parte do valor desembolsado deduzido
do imposto devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação
tributária.
Proponente: pessoa física ou jurídica, com ou sem fins lucrativos.
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Aprovação de Projetos
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Mecanismos
A Lei Rouanet, através do mecenato, é mecanismo de patrocínio (aplica-se recurso para
retorno de marketing) ou doação (filantropia) e possui dois formatos de abatimento
distintos, a depender da área cultural do projeto:
1.Em linhas gerais o enquadramento é o do ART. 25 – abatimento parcial (ART. 26);
2.Para alguns casos específicos o enquadramento é o do ART. 18 – abatimento integral
(artes cênicas; livros de valor artístico, literário ou humanístico; música erudita ou
instrumental; exposições de artes visuais; doações de acervos para bibliotecas públicas,
museus, arquivos públicos e cinematecas, bem como treinamento de pessoal e aquisição de
equipamentos para a manutenção desses acervos; produção de obras cinematográficas e
videofonográficas de curta e média metragem e preservação e difusão do acervo
audiovisual; preservação do patrimônio cultural material e imaterial; construção e
manutenção de salas de cinema e teatro, que poderão funcionar também como centros
culturais comunitários, em Municípios com menos de 100.000 (cem mil) habitantes.)
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Abatimento
• Para projetos enquadrados no artigo 18, o abatimento é de 100% do aporte,
limitado a 4% do IR devido para pessoas jurídicas e 6% do IR devido para pessoas
físicas.
• Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa jurídica, o
abatimento é de 40% para doação e de 30% para patrocínio, do total do aporte.
----------------------------------------------------------
- Apenas no artigo 26 é permitido o lançamento, pela pessoa jurídica, do valor total
do aporte como despesa operacional.
- A dedução como despesa operacional REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do
ADICIONAL DE IR. O que acarreta um abatimento até de 64% para o patrocínio e
74% para doação.
----------------------------------------------------------
• Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa física, o
abatimento é de 80% para doação e 60% para patrocínio, do total de aporte.
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 18 – Pessoa Jurídica
ABATIMENTO - DOAÇÃO OU
PATROCÍNIO
Com apoio à
cultura – em reais
(R$)
Sem apoio à
cultura – em
reais (R$)
1) Lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00
2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00
3) Novo lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00
4) contribuição social (9% de 3) 900.000,00 900.000,00
5) IR devido (15% de 3) 1.500.000,00 1.500.000,00
6) adicional de IR (10% de 3 – R$ 240 mil) 976.000,00 976.000,00
7) dedução permitida pelo art. 18 da Lei
Rouanet (100% de 2)
50.000,00 0,00
8) IR a ser pago (5+6-7) 2.426.000,00 2.476.000,00
9) total de impostos a ser pago (4+8) 3.326.000,00 3.376.000,00
CONCLUSÃO: Verifica-se que ao aplicar R$ 50.000,00 no projeto, a empresa tem
redução tributária de 3.376.000,00 - 3.326.000,00 = R$ 50.000,00 . Ou seja, a
empresa caba aplicando no projeto exclusivamente impostos, obtendo
recuperação de 100% do valor do patrocínio ou da doação.
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 18 – Pessoa Física
ABATIMENTO - DOAÇÃO OU
PATROCÍNIO
Com apoio à
cultura – em reais
(R$)
Sem apoio à
cultura – em
reais (R$)
1) Imposto de renda devido 1.000.000,00 1.000.000,00
2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00
3) dedução permitida pelo art. 18 da Lei
Rouanet (100% de 2)
50.000,00 0,00
4) Novo imposto a pagar 950.000,00 1.000.000,00
CONCLUSÃO: Verifica-se que ao aplicar R$ 50.000,00 no projeto a pessoa tem redução tributária
de R$ 1.000.000,00 – R$ 950.000,00 = R$ 50.000,00, de modo que aplica no projeto
exclusivamente impostos, obtendo recuperação de 100% do valor do patrocínio ou da doação.
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Patrocínio
ABATIMENTO - PATROCÍNIO Com apoio à
cultura – em reais
(R$)
Sem apoio à
cultura – em
reais (R$)
1) Lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00
2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00
3) Novo lucro líquido (*) 9.950.000,00 10.000.000,00
4) contribuição social (9% de 3) (**) 895.500,00 900.000,00
5) IR devido (15% de 3) 1.492.500,00 1.500.000,00
6) adicional de IR (10% de 3 – R$ 240 mil) (***) 971.000,00 976.000,00
7) dedução permitida pelo art. 26 da Lei
Rouanet (30% de 2)
15.000,00 0,00
8) IR a ser pago (5+6-7) 2.448.500,00 2.476.000,00
9) total de impostos a ser pago (4+8) 3.344.000,00 3.376.000,00
(*) Abatimento como despesa operacional.
(**) No caso de empresas financeiras (bancos, por exemplo) 15% de 3
(***) A alíquota de IR que incide sobre o Lucro Real é de 15%. O valor de
Lucro Real que excede a R$ 240 mil sofre uma incidência adicional de 10%.
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Patrocínio
CONCLUSÕES:
- Verifica-se assim que o empresário, na modalidade
patrocínio, ao patrocinar R$ 50.000,00, teve uma redução
tributária, de 3.376.000,00 – 3.344.000,00 = R$ 32.000,00. Em
resumo, o empresário usou no seu marketing cultural R$
32.000,00 de recursos de Impostos (64% do valor do
patrocínio).
- A dedução do valor patrocínio como despesa operacional da
pessoa jurídica REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do
ADICIONAL DE IR, fato que resulta em abatimento de 64% do
total patrocinado (em não de apenas 30%).
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Doação
ABATIMENTO - DOAÇÃO Com apoio à
cultura – em reais
(R$)
Sem apoio à
cultura – em
reais (R$)
1) Lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00
2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00
3) Novo lucro líquido (*) 9.950.000,00 10.000.000,00
4) contribuição social (9% de 3) (**) 895.500,00 900.000,00
5) IR devido (15% de 3) 1.492.500,00 1.500.000,00
6) adicional de IR (10% de 3 – R$ 240 mil) (***) 971.000,00 976.000,00
7) dedução permitida pelo art. 26 da Lei
Rouanet (40% de 2)
20.000,00 0,00
8) IR a ser pago (5+6-7) 2.443.500,00 2.476.000,00
9) total de impostos a ser pago (4+8) 3.339.000,00 3.376.000,00
(*) Abatimento como despesa operacional.
(**) No caso de empresas financeiras (bancos, por exemplo) 15% de 3
(***) A alíquota de IR que incide sobre o Lucro Real é de 15%. O valor de
Lucro Real que excede a R$ 240 mil sofre uma incidência adicional de 10%.
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Doação
CONCLUSÕES:
- Verifica-se assim que o empresário, na modalidade doação,
ao doar R$ 50.000,00, teve uma redução tributária de
3.376.000,00 – 3.339.000,00 = R$ 37.000,00. Em resumo, o
empresário utilizou R$ 37 mil de recursos de impostos (74 %
do valor da doação).
- A dedução do valor da doação como despesa operaciona da
pessoa jurídica REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do
ADICIONAL DE IR, fato que resulta em abatimento de 74% do
total doado (e não de apenas 40%).
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Física - Patrocínio
ABATIMENTO - PATROCÍNIO Com apoio à
cultura – em reais
(R$)
Sem apoio à
cultura – em
reais (R$)
1) Imposto de renda devido 1.000.000,00 1.000.000,00
2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00
3) dedução permitida pelo art. 18 da Lei
Rouanet (60% de 2)
30.000,00 0,00
4) Novo imposto a pagar 970.000,00 1.000.000,00
CONCLUSÃO: Verifica-se que a pessoa física, na modalidade patrocínio, ao patrocinar R$
50.000,00, teve uma redução tributária de 1.000.000,00 – 970.000,00 = R$ 30.000,00. Em resumo,
a pessoa utilizou R$ 30.000,00 de recursos de impostos (60 % do valor do patrocínio).
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Física - Doação
ABATIMENTO - DOAÇÃO Com apoio à
cultura – em reais
(R$)
Sem apoio à
cultura – em
reais (R$)
1) Imposto de renda devido 1.000.000,00 1.000.000,00
2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00
3) dedução permitida pelo art. 18 da Lei
Rouanet (80% de 2)
40.000,00 0,00
4) Novo imposto a pagar 960.000,00 1.000.000,00
CONCLUSÃO: Verifica-se que a pessoa física, na modalidade doação, ao doar R$ 50.000,00, teve
uma redução tributária de 1.000.000,00 – 960.000,00 = R$ 40.000,00. Em resumo, a pessoa
utilizou R$ 40.000,00 de recursos de impostos (80 % do valor da doação).
LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91)
Incentivo Fiscal – Comparativo Art. 18 x Art. 26
No mecanismo do art. 18, o valor máximo a ser aportado corresponde a 4% do Imposto de
Renda devido, ou seja, temos a seguinte fórmula: 4% IR = aporte máximo. Se a estimativa
para o exercício de 2012 do patrocinador for de R$ 100.000.000,00, por exemplo, o valor
máximo do aporte, para fins de abatimento fiscal, será de R$ 4.000.000,00.
Todavia, no âmbito do art. 26, o valor máximo do aporte é calculado por meio do
percentual de dedução possível. No caso de patrocínio, os 4% do IR correspondem aos 30%
do total de recursos que podem ser aportados: 4% IR = 30% patrocínio. Assim, o valor de
R$ 4.000.000,00 corresponde a 30% do aporte, o que nos leva, por meio de uma simples
conta matemática, ao aporte máximo R$ 13.333.333,33, em números aproximados.
*Abatimento real de
64%, em função do
lançamento como
despesa operacional.
Art. 26 (30%) Art. 18 (100%)
IR devido 100.000.000,00 100.000.000,00
4% do IR 4.000.000,00 4.000.000,00
Aporte Máximo 13.333.333,33 4.000.000,00
Abatimento 8.533.333,33 (*) 4.000.000,00
Contrapartida do
Patrocinador
4.800.000,00 0,00
LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06)
Mecanismo de Apoio
•Incentivo Fiscal
(ICMS)
•Fundo Estadual de Cultura – FEC
(Editais/Concursos)
LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06)
Fundo Estadual de Cultura – FEC
•Se dá através de editais/concursos: apoios por
meio da seleção pública de projetos, cuja
premiação é proveniente de recursos
orçamentários da Secretaria de Estado da Cultura
•Podem se inscrever pessoa físicas e jurídicas, com
ou sem fins lucrativos, contudo, a seleção pública
poderá, a depender do segmento, determinar o
tipo de proponente a que se destina.
LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06)
Incentivo Fiscal
O mecanismo de incentivo fiscal é uma forma de estimular o apoio da
iniciativa privada ao setor cultural. O proponente apresenta uma
proposta cultural a Secretaria de Estado da Cultura - Proac e, caso seja
aprovada, é autorizado a captar recursos junto a pessoas jurídicas
contribuintes do ICMS e habilitados na Secretaria da Fazenda.
Os incentivadores (patrocinadores) que apoiarem o projeto terão o
total do valor desembolsado deduzido do imposto devido, dentro dos
percentuais permitidos pela legislação tributária.
Proponente: pessoa física ou jurídica, com ou sem fins lucrativos. (2
anos no estado)
LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06)
Incentivo Fiscal – Aprovação de Projetos
Cadastramento do
Proponente e
Projeto – Site e
Físico
Cadastramento do
Proponente e
Projeto – Site e
Físico
Análise do cadastro de
proponente e do
projeto pela SEC
Análise do cadastro de
proponente e do
projeto pela SEC
Análise Técnica na Reunião
da Comissão de Análise de
Projetos - CAP
Análise Técnica na Reunião
da Comissão de Análise de
Projetos - CAP
Aprovado –
Publicação no
DOE
Aprovado –
Publicação no
DOE
Indeferido –
Recurso em 15
dias
Indeferido –
Recurso em 15
dias
Diligência –
Resposta em 60
dias
Diligência –
Resposta em 60
dias
LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06)
Incentivo Fiscal – Mecanismos
A Lei Estadual - Proac, através do incentivo fiscal, é mecanismo de patrocínio (aplica-se
recurso para retorno de marketing) que permite, independente da área cultural do projeto
(*) o abatimento integral dos valores aportados, respeitados o limite individual e o global.
(*) artes plásticas, visuais e design; bibliotecas, arquivos e centros culturais; cinema; circo;
cultura popular; dança; eventos carnavalescos e escolas de samba; “hip-hop”; literatura;
museu; música; ópera; patrimônio histórico e artístico; pesquisa e documentação; teatro;
vídeo; bolsas de estudo para cursos de caráter cultural ou artístico, ministrados em
instituições nacionais ou internacionais sem fins lucrativos; programas de rádio e de
televisão com finalidades cultural, social e de prestação de serviços à comunidade;
projetos especiais – primeiras obras, experimentações, pesquisas, publicações, cursos,
viagens, resgate de modos tradicionais de produção, desenvolvimento de novas
tecnologias para as artes e para a cultura e preservação da diversidade cultural;
restauração e conservação de bens protegidos por órgão oficial de preservação;
recuperação, construção e manutenção de espaços de circulação da produção cultural no
Estado.
- Valores: mínimo R$ 75 mil e máximo de R$ 1.5 milhão. (Pessoa Física – metade).
LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06)
Incentivo Fiscal – Abatimento
O limite de abatimento é fornecido pela Secretaria de Finanças com base no total
pago pelo contribuinte no exercício anterior.
O abatimento do ICMS do contribuinte (previamente cadastrado na SEFAZ) deve
respeitar os seguintes limites:
Percentual de Abatimento do ICMS Apuração de Imposto Anual
3% Igual ou inferior a R$ 50.000.000,00
Valor fixo de R$ 1.500.000,00,
acrescido do valor resultante da
aplicação do percentual de 0,05%
sobre o montante que exceder R$
50.000.000,00
Se o contribuinte tiver apurado imposto
anual a recolher superior a R$
50.000.000,00 e igual ou inferior a R$
100.000.000,00
Valor fixo de R$ 1.525.000,00,
acrescido do valor resultante da
aplicação do percentual de 0,01%
sobre o montante que exceder R$
100.000.000,00
Se o contribuinte tiver apurado imposto
anual a recolher superior a R$
100.000.000,00
LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei
10.923/90)
Mecanismo de Apoio
•Incentivo Fiscal
(IPTU OU ISS)
•Fundo Especial de Promoção das Atividades Culturais -
FECAP
(EDITAIS - Fomenta os seguintes programas: Programa
Municipal de Fomento ao Teatro, Programa Municipal de
Fomento à Dança, Programa Municipal de Fomento ao
Cinema e o Programa para a Valorização de Iniciativas
Culturais – VAI. )
LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei
10.923/90)
FECAP – FOMENTO
O fomento à cultura é uma atribuição da Secretaria Municipal de Cultura, que
apoia e financia projetos de grupos profissionais ou de jovens,
prioritariamente de baixa renda, que utilizam diferentes linguagens artísticas.
Há programas regulamentados por lei, como o Programa Municipal de
Fomento ao Teatro, Programa Municipal de Fomento à Dança e o Programa
para a Valorização de Iniciativas Culturais – VAI. A linha de fomento ao
cinema viabiliza projetos na área desde os anos 90.
Os editais de teatro e dança são semestrais, o do VAI é anual e os demais são
lançados de acordo com a demanda e disponibilidade de recursos. Por este
meio, os grupos que desenvolvem projetos culturais concorrem aos subsídios
e, quando selecionados, recebem recursos diretos do orçamento da
Prefeitura de São Paulo.
LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei
10.923/90)
Incentivo Fiscal
A Lei de Incentivo à Cultura do Município de São Paulo (Lei Mendonça) é a mais antiga das
leis de incentivo à cultura e serviu de inspiração para que outros municípios e Estados
também aprovassem as suas, possibilitando uma maior participação da iniciativa privada
no financiamento à cultura.
A Lei Mendonça analisa e aprova eventos culturais e iniciativas de preservação do
patrimônio históricos realizados dentro da cidade de São Paulo.
No ano de 2012 o investimento disponível será destinado à realização de projetos das
áreas de música; artes cênicas (teatro, circo e dança); audiovisual (cinema, vídeo e
multimídia); artes visuais (artes plásticas, artes gráficas e fotografia); literatura e
bibliotecas; patrimônio histórico e acervos; registro, inventário e conservação de tradições
culturais.
A aprovação do incentivo depende do atendimento às especificações do edital publicado
no exercício fiscal corrente e da apresentação da documentação exigida.
Proponente: pessoa física ou jurídica, com ou sem fins lucrativos. (2 anos no município)
LEI MUNICIPAL- MENDONÇA(Lei 10.923/90)
Incentivo Fiscal – Aprovação de Projetos
Cadastramento do
Projeto – Físico
(agendamento)
Cadastramento do
Projeto – Físico
(agendamento)
Análise do projeto pela Secretaria
Executiva da CAAPC (presença do
proponente), análise pelo Grupo de
Trabalho e análise pela CAAPC.
Análise do projeto pela Secretaria
Executiva da CAAPC (presença do
proponente), análise pelo Grupo de
Trabalho e análise pela CAAPC.
Aprovado – Pré-
qualificação –
Publicação no DOE
Aprovado – Pré-
qualificação –
Publicação no DOE
Indeferido –
Recurso em 15
dias
Indeferido –
Recurso em 15
dias
Apresentação de
incentivadores
(365 dias)
Apresentação de
incentivadores
(365 dias)
Não apresentação
de incentivador –
projeto declarado
prejudicado
Não apresentação
de incentivador –
projeto declarado
prejudicado
Projeto apto a captação de recurso
com os incentivadores
apresentados para qualificação
(ordem cronológica de
apresentação dos documentos)
Projeto apto a captação de recurso
com os incentivadores
apresentados para qualificação
(ordem cronológica de
apresentação dos documentos)
LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei 10.923/90)
Incentivo Fiscal – Mecanismos
A Lei Mendonça, através do incentivo fiscal, é mecanismo de patrocínio (aplica-se recurso para retorno
de marketing), doação (filantropia) ou investimento (transferência de recursos visando resultado
comercial sobre o projeto incentivado, além do retorno de marketing) a projetos previamente
qualificados (*), onde o contribuinte poderá utilizar 70% do valor de seu certificado para pagamento de
até 20% do imposto devido (IPTU ou ISS), sendo que os 30% restantes deverão ser contemplados com
recursos próprios.
A sistemática adotada pela Lei Mendonça pode ser considerada a mais complexa, no que tange à
fruição de incentivos pelas empresas contribuintes de Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza –
ISS ou Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana – IPTU, isto porque o processo de habilitação
refere-se à aprovação do incentivador e do aporte que pretende realizar. Trata-se de procedimento
prévio à emissão dos Certificados de Incentivo, indispensável à obtenção do benefício pelos
contribuintes (potenciais incentivadores).
(*) música; artes cênicas (teatro, circo e dança); audiovisual (cinema, vídeo e multimídia); artes visuais
(artes plásticas, artes gráficas e fotografia); literatura e bibliotecas; patrimônio histórico e acervos;
registro, inventário e conservação de tradições culturais.
- Valores: mínimo R$30 mil e máximo de R$ 600 mil (Exceções: patrimônio histórico e reforma de bem
imóvel protegido por legislação)
LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei 10.923/90)
Incentivo Fiscal – Abatimento
Abatimento do Imposto sobre a Propriedade Predial e
Territorial Urbana (IPTU) e Imposto sobre Serviços de
qualquer Natureza (ISS) de contribuinte que tenha transferido
recursos para a realização de projeto cultural por meio de
doação, patrocínio ou investimento.
-Limite do aporte: 20% do imposto devido (ISS ou IPTU).
-Abatimento: 70% do valor do certificado, respeitado o limite
do aporte.
-Contrapartida: 30% do valor do certificado.
LEGISLAÇÃO
• Lei Rouanet: Lei nº 8.313/91; Decreto nº 5.761 de 27 de
abril de 2006; Instrução Normativa nº 01 de 24/06/2013;
Legislação do Imposto de Renda (Decreto nº 3.000 de
1999); Portaria nº 219 de 04 de dezembro de 1997
(apresentação dos créditos da logomarca); Súmulas
Administrativas da CNIC; Portaria nº 116 de 29/11/11.
• ProAC/SP: Lei nº 12.268 de 20 de fevereiro de 2006,
Decreto nº 54.275 de 27/04/09, Resoluções nº 96/11,
48, 49, 50 E 51 DE 2012.
• Lei Mendonça: (Lei nº 10.923/90), Decreto nº 46.595/05
e Portaria Intersecretarial SF/SMC nº 001/2001
(alterações publicadas em 07/03/2002).
SITES DE REFERÊNCIA
WWW.CULTURA.GOV.BR
SITES DE REFERÊNCIA
www.cultura.sp.gov.br/portal/site/SEC
SITES DE REFERÊNCIA
www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/cultura/lei_de_incentivo
CONTATO
Flávia Ferraciolli Manso
flaviafmanso@cqs.adv.br
+55 11 36600300
www.cqs.adv.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cotas de Patrocínio - Micarrega
Cotas de Patrocínio - MicarregaCotas de Patrocínio - Micarrega
Cotas de Patrocínio - Micarrega
xvibe
 
Como Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos SociaisComo Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos Sociais
Rosane Domingues
 
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação   generos e formatos atualizadoTeoria da comunicação   generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
Anselmo Brandi
 
Dossier de patrocínio fpc
Dossier de patrocínio fpcDossier de patrocínio fpc
Dossier de patrocínio fpc
Rui Aguiar
 
Boa Pinta - Programa de TV
Boa Pinta - Programa de TVBoa Pinta - Programa de TV
Boa Pinta - Programa de TV
Roque Ronald Jr.
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Michel Freller
 
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Léo Dias
 
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Cultura e Mercado
 
Seminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraSeminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileira
Jaiza Nobre
 
Introdução à Engenharia Espacial
Introdução à Engenharia EspacialIntrodução à Engenharia Espacial
Introdução à Engenharia Espacial
Christopher Cerqueira
 
Pasta de patrocinio
Pasta de patrocinioPasta de patrocinio
Pasta de patrocinio
Cláudio Stegun
 
Trabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animaçãoTrabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animação
gasparlanca
 
O Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãOO Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãO
José A. Moreno
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
UNIP. Universidade Paulista
 
Manual projetos
Manual projetosManual projetos
Manual projetos
Eduardo Macedo
 
Espaço Cidadão Musical - Apresentação do projeto
Espaço Cidadão Musical - Apresentação do projetoEspaço Cidadão Musical - Apresentação do projeto
Espaço Cidadão Musical - Apresentação do projeto
Juliane Fiorezi
 
O cartaz
O cartazO cartaz
O cartaz
Sara Oliveira
 
Proposta Comercial | TomorrowLand
Proposta Comercial | TomorrowLandProposta Comercial | TomorrowLand
Proposta Comercial | TomorrowLand
Jonas Jaeger
 
fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...
fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...
fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...
ABCR
 
Banco de Projetos Culturais
Banco de Projetos CulturaisBanco de Projetos Culturais
Banco de Projetos Culturais
dramaturgiacarioca
 

Mais procurados (20)

Cotas de Patrocínio - Micarrega
Cotas de Patrocínio - MicarregaCotas de Patrocínio - Micarrega
Cotas de Patrocínio - Micarrega
 
Como Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos SociaisComo Elaborar Projetos Sociais
Como Elaborar Projetos Sociais
 
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação   generos e formatos atualizadoTeoria da comunicação   generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
 
Dossier de patrocínio fpc
Dossier de patrocínio fpcDossier de patrocínio fpc
Dossier de patrocínio fpc
 
Boa Pinta - Programa de TV
Boa Pinta - Programa de TVBoa Pinta - Programa de TV
Boa Pinta - Programa de TV
 
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel frellerLivro guia sobre_incentivos_michel freller
Livro guia sobre_incentivos_michel freller
 
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
Teoria do design aula 01 [conceitos basicos]
 
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
Projetos Culturais - Elaboração, planejamento e gestão (Daniele Torres) - Red...
 
Seminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileiraSeminário sobre a historia da música brasileira
Seminário sobre a historia da música brasileira
 
Introdução à Engenharia Espacial
Introdução à Engenharia EspacialIntrodução à Engenharia Espacial
Introdução à Engenharia Espacial
 
Pasta de patrocinio
Pasta de patrocinioPasta de patrocinio
Pasta de patrocinio
 
Trabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animaçãoTrabalho sobre a animação
Trabalho sobre a animação
 
O Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãOO Que é Um GuiãO
O Que é Um GuiãO
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
 
Manual projetos
Manual projetosManual projetos
Manual projetos
 
Espaço Cidadão Musical - Apresentação do projeto
Espaço Cidadão Musical - Apresentação do projetoEspaço Cidadão Musical - Apresentação do projeto
Espaço Cidadão Musical - Apresentação do projeto
 
O cartaz
O cartazO cartaz
O cartaz
 
Proposta Comercial | TomorrowLand
Proposta Comercial | TomorrowLandProposta Comercial | TomorrowLand
Proposta Comercial | TomorrowLand
 
fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...
fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...
fabcr22_apresentação_Plano de Ação de Sucesso para Captação com Leis de Incen...
 
Banco de Projetos Culturais
Banco de Projetos CulturaisBanco de Projetos Culturais
Banco de Projetos Culturais
 

Destaque

Lei Rouanet - Alguns detalhes
Lei Rouanet - Alguns detalhesLei Rouanet - Alguns detalhes
Lei Rouanet - Alguns detalhes
Chris Gar
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
Michel Freller
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
Vanguardia Interactive
 
Apresentação lei de incentivo ao esporte
Apresentação lei de incentivo ao esporteApresentação lei de incentivo ao esporte
Apresentação lei de incentivo ao esporte
guest5e552c
 
Captação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele TorresCaptação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele Torres
Cultura e Mercado
 
Fontes de Recursos II
Fontes de Recursos IIFontes de Recursos II
Fontes de Recursos II
Portal Voluntários Online
 
War on terror - BrassTacks Presentation
War on terror - BrassTacks PresentationWar on terror - BrassTacks Presentation
War on terror - BrassTacks Presentation
Mustansar Imtiaz
 
Cps 1
Cps 1Cps 1
Cocriação e Design de Inovação - Symentics
Cocriação e Design de Inovação - SymenticsCocriação e Design de Inovação - Symentics
Cocriação e Design de Inovação - Symentics
Symnetics Business Transformation
 
Ministério do esportes- Slides
Ministério do esportes- SlidesMinistério do esportes- Slides
Ministério do esportes- Slides
JanaaCunha
 
COAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETEC
COAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETECCOAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETEC
COAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETEC
Neusa Fialho
 
EstratéGia Nacional De Defesa Final
EstratéGia Nacional De Defesa   FinalEstratéGia Nacional De Defesa   Final
EstratéGia Nacional De Defesa Final
Luis Nassif
 
Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014
Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014
Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014
ForjasTaurus
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
Melissa Villanova
 
Relatório final - Lei do incentivo ao esporte
Relatório final - Lei do incentivo ao esporteRelatório final - Lei do incentivo ao esporte
Relatório final - Lei do incentivo ao esporte
João Pedro Monteiro
 
Direito ao Desporto
Direito ao DesportoDireito ao Desporto
Direito ao Desporto
Duarte Lopes
 
Marketing Político, Social, Esportivo e Cultural
Marketing Político, Social, Esportivo e CulturalMarketing Político, Social, Esportivo e Cultural
Marketing Político, Social, Esportivo e Cultural
Ana Cristina D Assumpcão
 
Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...
Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...
Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...
Cultura e Mercado
 
Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...
Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...
Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...
Cultura e Mercado
 
Inovação em Projetos Culturais - André Martinez
Inovação em Projetos Culturais - André MartinezInovação em Projetos Culturais - André Martinez
Inovação em Projetos Culturais - André Martinez
Cultura e Mercado
 

Destaque (20)

Lei Rouanet - Alguns detalhes
Lei Rouanet - Alguns detalhesLei Rouanet - Alguns detalhes
Lei Rouanet - Alguns detalhes
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
 
Apresentação lei de incentivo ao esporte
Apresentação lei de incentivo ao esporteApresentação lei de incentivo ao esporte
Apresentação lei de incentivo ao esporte
 
Captação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele TorresCaptação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele Torres
 
Fontes de Recursos II
Fontes de Recursos IIFontes de Recursos II
Fontes de Recursos II
 
War on terror - BrassTacks Presentation
War on terror - BrassTacks PresentationWar on terror - BrassTacks Presentation
War on terror - BrassTacks Presentation
 
Cps 1
Cps 1Cps 1
Cps 1
 
Cocriação e Design de Inovação - Symentics
Cocriação e Design de Inovação - SymenticsCocriação e Design de Inovação - Symentics
Cocriação e Design de Inovação - Symentics
 
Ministério do esportes- Slides
Ministério do esportes- SlidesMinistério do esportes- Slides
Ministério do esportes- Slides
 
COAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETEC
COAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETECCOAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETEC
COAPRENDIZAGEM E COCRIAÇÃO - PRAPETEC
 
EstratéGia Nacional De Defesa Final
EstratéGia Nacional De Defesa   FinalEstratéGia Nacional De Defesa   Final
EstratéGia Nacional De Defesa Final
 
Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014
Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014
Apresentação APIMEC SP - 18/12/2014
 
Lei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao EsporteLei de Incentivo ao Esporte
Lei de Incentivo ao Esporte
 
Relatório final - Lei do incentivo ao esporte
Relatório final - Lei do incentivo ao esporteRelatório final - Lei do incentivo ao esporte
Relatório final - Lei do incentivo ao esporte
 
Direito ao Desporto
Direito ao DesportoDireito ao Desporto
Direito ao Desporto
 
Marketing Político, Social, Esportivo e Cultural
Marketing Político, Social, Esportivo e CulturalMarketing Político, Social, Esportivo e Cultural
Marketing Político, Social, Esportivo e Cultural
 
Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...
Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...
Inovação em Projetos Culturais (Reinventar práticas e territórios culturais |...
 
Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...
Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...
Jornada Projetos Culturais - AULA 3 | Marketing | Kluk Neto - Setembro de 201...
 
Inovação em Projetos Culturais - André Martinez
Inovação em Projetos Culturais - André MartinezInovação em Projetos Culturais - André Martinez
Inovação em Projetos Culturais - André Martinez
 

Semelhante a Funcionamento das leis de incentivo no Brasil

Cemec 16.09.2012
Cemec 16.09.2012Cemec 16.09.2012
Cemec 16.09.2012
Cultura e Mercado
 
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Cultura e Mercado
 
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Cultura e Mercado
 
Projetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede Cemec
Projetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede CemecProjetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede Cemec
Projetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede Cemec
Cultura e Mercado
 
Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)
Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)
Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)
Cultura e Mercado
 
Workshop elaboracao projetos_culturais
Workshop elaboracao projetos_culturaisWorkshop elaboracao projetos_culturais
Workshop elaboracao projetos_culturais
Claudia Morais
 
Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014
Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014
Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014
Cultura e Mercado
 
OFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdfOFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdf
OscarDeLima3
 
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cultura e Mercado
 
Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)
Cultura e Mercado
 
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...
Cultura e Mercado
 
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Cultura e Mercado
 
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - SistemaCemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cultura e Mercado
 
Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual | Gilberto Toscano
Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual  | Gilberto Toscano Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual  | Gilberto Toscano
Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual | Gilberto Toscano
Cultura e Mercado
 
OFICINA LIC.pdf
OFICINA LIC.pdfOFICINA LIC.pdf
OFICINA LIC.pdf
OscarDeLima3
 
Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
Cultura e Mercado
 
Leis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e Culturais
Leis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e CulturaisLeis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e Culturais
Leis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e Culturais
Rede Minas
 
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
SurenoCultural
 
Lei rouanet apresentação 2018 - prof. ádamo
Lei rouanet   apresentação 2018 - prof. ádamoLei rouanet   apresentação 2018 - prof. ádamo
Lei rouanet apresentação 2018 - prof. ádamo
Ádamo da Cruz Barbosa
 
Cemec lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec   lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCemec   lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cultura e Mercado
 

Semelhante a Funcionamento das leis de incentivo no Brasil (20)

Cemec 16.09.2012
Cemec 16.09.2012Cemec 16.09.2012
Cemec 16.09.2012
 
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Sirlene Ciampi - Jul 2014 - Cemec
 
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
Jornada ProAC - Prestação de Contas - Sirlene Ciampi (Fevereiro 2015)
 
Projetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede Cemec
Projetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede CemecProjetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede Cemec
Projetos Culturais - Daniele Torres (Janeiro 2015) Rede Cemec
 
Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)
Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)
Projetos Culturais - Daniele Torres (Maio - 2015)
 
Workshop elaboracao projetos_culturais
Workshop elaboracao projetos_culturaisWorkshop elaboracao projetos_culturais
Workshop elaboracao projetos_culturais
 
Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014
Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014
Jornada ProAC - (Sistema) Elainy Mota - Jul 2014
 
OFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdfOFICINA LEI FEDERAL.pdf
OFICINA LEI FEDERAL.pdf
 
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCemec   jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec jornada pro ac - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
 
Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)
Jornada Proac - O Sistema - Elainy Mota (Fevereiro 2015)
 
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei  | Camila Alves | Setembro de 201...
Jornada ProAC AULA 2 | Funcionamento da Lei | Camila Alves | Setembro de 201...
 
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - CemecJornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
Jornad ProAC - Camila Alves - Jul 2014 - Cemec
 
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - SistemaCemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
Cemec - Jornada ProAC - Aula 3 - Felipe G. de Souza - Sistema
 
Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual | Gilberto Toscano
Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual  | Gilberto Toscano Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual  | Gilberto Toscano
Financiamento Audiovisual - AULA 3 | Lei do Audiovisual | Gilberto Toscano
 
OFICINA LIC.pdf
OFICINA LIC.pdfOFICINA LIC.pdf
OFICINA LIC.pdf
 
Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
Financiamento Audiovisual - Lei do Audiovisual - Gilberto Toscano - jul 2014
 
Leis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e Culturais
Leis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e CulturaisLeis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e Culturais
Leis de Incentivo à cultura - Oportunidades para as TVs Educativas e Culturais
 
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
Sureño - O que é Incentivo Fiscal?
 
Lei rouanet apresentação 2018 - prof. ádamo
Lei rouanet   apresentação 2018 - prof. ádamoLei rouanet   apresentação 2018 - prof. ádamo
Lei rouanet apresentação 2018 - prof. ádamo
 
Cemec lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec   lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da leiCemec   lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
Cemec lei rouanet - aula 2 - camila alves - funcionamento da lei
 

Mais de Cultura e Mercado

Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Cultura e Mercado
 
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de SouzaPalestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Cultura e Mercado
 
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata LoyolaMesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Cultura e Mercado
 
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo SalomãoMesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Cultura e Mercado
 
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane CostaMesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Cultura e Mercado
 
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo CarrenhoMesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Cultura e Mercado
 
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane GomesMesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Cultura e Mercado
 
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Cultura e Mercado
 
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Cultura e Mercado
 
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella HenriquesMesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Cultura e Mercado
 
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Cultura e Mercado
 
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Cultura e Mercado
 
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos EstigarrabiaMesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Cultura e Mercado
 
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Cultura e Mercado
 
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Cultura e Mercado
 
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo BrajtermanPalestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Cultura e Mercado
 
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Cultura e Mercado
 
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Cultura e Mercado
 
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
Cultura e Mercado
 
Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cultura e Mercado
 

Mais de Cultura e Mercado (20)

Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
 
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de SouzaPalestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
 
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata LoyolaMesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
 
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo SalomãoMesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
 
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane CostaMesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
 
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo CarrenhoMesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
 
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane GomesMesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
 
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
 
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
 
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella HenriquesMesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
 
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos EstigarrabiaMesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
 
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
 
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
 
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo BrajtermanPalestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
 
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
 
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
 
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
 
Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015Cemec aula carlaponte_ jun2015
Cemec aula carlaponte_ jun2015
 

Funcionamento das leis de incentivo no Brasil

  • 1. Leis de Incentivo – O funcionamento das leis de incentivo mais utilizadas no país Jornada Projetos Culturais - CEMEC
  • 2. Mecanismos de Financiamento à Cultura RECURSOS PÚBLICOS INCENTIVO FISCAL -Lei Rouanet - Mecenato (Lei nº 8.313/91) -Lei Mendonça – SP (Lei nº 10.923/90) -Lei Estadual de São Paulo – ProAC (Lei nº 12.268/06) - FNC (Lei nº 8.313/91) -Subvenções do Poder Público - Programas públicos em geral
  • 3. ETAPAS GERAIS DE UM PROJETO Propositura do projeto (apresentação) Propositura do projeto (apresentação) Exame documental Exame documental Análise do projeto Análise do projeto Reunião de aprovação Reunião de aprovação Publicação de aprovação (Portaria, Certificado ou Deliberação) Publicação de aprovação (Portaria, Certificado ou Deliberação) Captação de recursos Captação de recursos Gestão de recursos Incentivados (execução do projeto) Gestão de recursos Incentivados (execução do projeto) Prestação de ContasPrestação de Contas PC aprovada (arquivamento) PC aprovada (arquivamento) PC não aprovada: encaminhamento para TCU ( Tribunal de Contas da União) ou respectivo PC não aprovada: encaminhamento para TCU ( Tribunal de Contas da União) ou respectivo
  • 4. MECANISMOS DISPONÍVEIS • Mecanismos de Patrocínio ou Doação - interesse no retorno de marketing, no 1º caso e sem retorno de marketing no 2º (Rouanet, Leis Estaduais e Municipais); • Mecanismos de Investimento – o investidor tem interesse comercial (resultado) no projeto incentivado (Lei Municipal), além da exposição da marca; • Mecanismos de aporte direto pelo Poder Público – recursos exclusivos do “Estado” (Fundo Nacional de Cultura, Editais Públicos).
  • 5. LIMITES DE APORTE E PERCENTUAIS DE ABATIMENTO • Lei Rouanet (Lei Federal 8.313/91) – 4% Pessoa Jurídica e 6% Pessoa Física – IR devido. Para projetos enquadrados no artigo 18, o abatimento é de 100% do aporte, limitado a 4% do IR devido para pessoas jurídicas e 6% do IR devido para pessoas físicas. Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa jurídica, o abatimento é de 40% para doação e de 30% para patrocínio, do total do aporte. ---------------------------------------------------------- - Apenas no artigo 26 é permitido o lançamento, pela pessoa jurídica, do valor total do aporte como despesa operacional. - A dedução como despesa operacional REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do ADICIONAL DE IR. O que acarreta um abatimento até de 64% para o patrocínio e 74% para doação. ---------------------------------------------------------- Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa física, o abatimento é de 80% para doação e 60% para patrocínio, do total de aporte. ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- • Lei Estadual – Proac (Lei 12.268/06) – tabela progressiva para estabelecer limite de abatimento (apenas pessoa jurídica) – ICMS do período de apuração. Os incentivadores (patrocinadores) que apoiarem o projeto terão o total do valor desembolsado deduzido do imposto devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação tributária. ------------------------------------------------------------------------------------------------------------------ • Lei Municipal – Mendonça (10.923/90) – até 20% para Pessoa jurídica e física – IPTU ou ISS do período de apuração. O contribuinte poderá utilizar 70% do valor de seu certificado para pagamento de até 20% do imposto devido (IPTU ou ISS), sendo que os 30% restantes deverão ser contemplados com recursos próprios.
  • 6. PERÍODO DE PROPOSITURA DE PROJETOS LEI ROUANET •1º de fevereiro a 30 de setembro – Plano Anual de Atividades •1º de fevereiro a 30 de novembro – demais projetos PROAC •Inscrição conjunta de proponente e projetos: 1º de janeiro a 1º de novembro. LEI MENDONÇA •20 de março de 2012 a 31 de agosto de 2012 – Edital 2012
  • 7. QUANTIDADE DE PROJETOS POR PROPONENTE LEI ROUANET •Pessoa Física: até 2 projetos e, no caso de, ao menos, 1 dos projetos já ter captação de, no mínimo, 20%, até 4 projetos. •Pessoa Jurídica – Microempreendedor Individual (MEI): até 2 projetos e, no caso de, ao menos, 1 dos projetos já ter captação de, no mínimo, 20%, até 4 projetos. •Pessoa Jurídica: até 5 projetos e, no caso de, ao menos, 2 projetos já terem captação de, no mínimo, 20%, até 10 projetos. * Admite exceção: seleção pública, comprovada garantia de patrocínio e cooperativas que possuam no mínimo vinte pessoas físicas cooperadas e dois anos de atividades. PROAC •Pessoa Física: 1 projeto •Pessoa Jurídica: 2 projetos * Não admite exceção LEI MENDONÇA •06 projetos. * Exceto no caso de cooperativas, quando representarem seus associados.
  • 8. PROPONENTE LEI ROUANET •Pessoa física com atuação na área cultural •Pessoa jurídica de direito público ou privado, com ou sem fins lucrativos, cujo ato constitutivo ou instrumento congênere disponha expressamente sobre sua finalidade cultural. * Exige-se também a comprovação da capacidade técnico-financeira do proponente para execução do projeto apresentado. PROAC •Pessoa física, o próprio artista ou detentor de direitos sobre o seu conteúdo; •Pessoa física vinculada a cooperativa artística; •Pessoa jurídica que tenha como objeto atividades artísticas e culturais; •Instituições culturais sem fins lucrativos. * Para qualquer das modalidades, o proponente, deverá ter sua sede ou residência no Estado de São Paulo, há no mínimo 2 (dois) anos. LEI MENDONÇA • Pessoa física •Pessoa jurídica de direito privado, * Estabelecida no Município de São Paulo há pelo menos 2 (dois) anos, com objetivo e atuação prioritariamente culturais, diretamente responsável pela promoção e execução de projeto artístico-cultural a ser beneficiado pelo incentivo.
  • 9. FORMATAÇÃO DO PROJETO LEI ROUANET (digital) •Formulário (conteúdo do projeto) •Orçamento (elaborado de acordo com itens previamente definidos pelo MinC) •Documentos (gerais – todos os projetos e específicos – variam de acordo com a área cultural) PROAC (digital/física) •Formulário (conteúdo do projeto) •Orçamento (deverá respeitar os tetos estipulados pela Resolução SC nº 50/12) •Documentos (gerais – todos os projetos e específicos – variam de acordo com a área cultural) LEI MENDONÇA (física) •Formulário (conteúdo do projeto) •Orçamento (deverá respeitar os tetos estipulados no Edital 2012 ) •Documentos (gerais – todos os projetos e específicos – variam de acordo com a área cultural)
  • 10. ORÇAMENTO Para formatação de projetos, seguimos uma tabela orçamentária do Ministério da Cultura, que se divide basicamente em 6 itens: •1. Pré-Produção/Preparação - todas as despesas necessárias e preparatórias do projeto, como por exemplo pesquisas, produtor, serviços preliminares, etc; •2. Produção/Execução - todas as despesas relativas à execução do projeto propriamente dito. Ex: músicos, aluguel de estúdio de gravação e outros; •3. Divulgação/Comercialização - as peças de divulgação do projeto. Ex: mídia impressa, folder, convite, etc. - limite de 20%; •4. Custos Administrativos - Itens de administração para realização do projeto. Ex: contador, assessoria administrativa, jurídica, correios, coordenador do projeto, etc. - limite de 15%; •5. Impostos/Recolhimentos – Apenas INSS. Os demais impostos devem estar embutidos dentro das próprias rubricas; •6. Elaboração e Agenciamento - 10% da somatória dos itens de 1 a 5, até o limite de R$ 100.000,00.
  • 11. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal O mecanismo de incentivo fiscal é uma forma de estimular o apoio da iniciativa privada ao setor cultural. O proponente apresenta uma proposta cultural ao Ministério da Cultura (MinC) (de 1º de fevereiro a 30 de novembro de cada ano) e, caso seja aprovada, é autorizado a captar recursos junto a pessoas físicas pagadoras de Imposto de Renda (IR) ou empresas tributadas com base no lucro real visando à execução do projeto. Os incentivadores (doadores ou patrocinadores) que apoiarem o projeto poderão ter o total ou parte do valor desembolsado deduzido do imposto devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação tributária. Proponente: pessoa física ou jurídica, com ou sem fins lucrativos.
  • 12. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Aprovação de Projetos
  • 13. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Mecanismos A Lei Rouanet, através do mecenato, é mecanismo de patrocínio (aplica-se recurso para retorno de marketing) ou doação (filantropia) e possui dois formatos de abatimento distintos, a depender da área cultural do projeto: 1.Em linhas gerais o enquadramento é o do ART. 25 – abatimento parcial (ART. 26); 2.Para alguns casos específicos o enquadramento é o do ART. 18 – abatimento integral (artes cênicas; livros de valor artístico, literário ou humanístico; música erudita ou instrumental; exposições de artes visuais; doações de acervos para bibliotecas públicas, museus, arquivos públicos e cinematecas, bem como treinamento de pessoal e aquisição de equipamentos para a manutenção desses acervos; produção de obras cinematográficas e videofonográficas de curta e média metragem e preservação e difusão do acervo audiovisual; preservação do patrimônio cultural material e imaterial; construção e manutenção de salas de cinema e teatro, que poderão funcionar também como centros culturais comunitários, em Municípios com menos de 100.000 (cem mil) habitantes.)
  • 14. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Abatimento • Para projetos enquadrados no artigo 18, o abatimento é de 100% do aporte, limitado a 4% do IR devido para pessoas jurídicas e 6% do IR devido para pessoas físicas. • Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa jurídica, o abatimento é de 40% para doação e de 30% para patrocínio, do total do aporte. ---------------------------------------------------------- - Apenas no artigo 26 é permitido o lançamento, pela pessoa jurídica, do valor total do aporte como despesa operacional. - A dedução como despesa operacional REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do ADICIONAL DE IR. O que acarreta um abatimento até de 64% para o patrocínio e 74% para doação. ---------------------------------------------------------- • Para projetos enquadrados no artigo 26, no caso de investidor pessoa física, o abatimento é de 80% para doação e 60% para patrocínio, do total de aporte.
  • 15. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 18 – Pessoa Jurídica ABATIMENTO - DOAÇÃO OU PATROCÍNIO Com apoio à cultura – em reais (R$) Sem apoio à cultura – em reais (R$) 1) Lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00 2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00 3) Novo lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00 4) contribuição social (9% de 3) 900.000,00 900.000,00 5) IR devido (15% de 3) 1.500.000,00 1.500.000,00 6) adicional de IR (10% de 3 – R$ 240 mil) 976.000,00 976.000,00 7) dedução permitida pelo art. 18 da Lei Rouanet (100% de 2) 50.000,00 0,00 8) IR a ser pago (5+6-7) 2.426.000,00 2.476.000,00 9) total de impostos a ser pago (4+8) 3.326.000,00 3.376.000,00 CONCLUSÃO: Verifica-se que ao aplicar R$ 50.000,00 no projeto, a empresa tem redução tributária de 3.376.000,00 - 3.326.000,00 = R$ 50.000,00 . Ou seja, a empresa caba aplicando no projeto exclusivamente impostos, obtendo recuperação de 100% do valor do patrocínio ou da doação.
  • 16. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 18 – Pessoa Física ABATIMENTO - DOAÇÃO OU PATROCÍNIO Com apoio à cultura – em reais (R$) Sem apoio à cultura – em reais (R$) 1) Imposto de renda devido 1.000.000,00 1.000.000,00 2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00 3) dedução permitida pelo art. 18 da Lei Rouanet (100% de 2) 50.000,00 0,00 4) Novo imposto a pagar 950.000,00 1.000.000,00 CONCLUSÃO: Verifica-se que ao aplicar R$ 50.000,00 no projeto a pessoa tem redução tributária de R$ 1.000.000,00 – R$ 950.000,00 = R$ 50.000,00, de modo que aplica no projeto exclusivamente impostos, obtendo recuperação de 100% do valor do patrocínio ou da doação.
  • 17. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Patrocínio ABATIMENTO - PATROCÍNIO Com apoio à cultura – em reais (R$) Sem apoio à cultura – em reais (R$) 1) Lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00 2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00 3) Novo lucro líquido (*) 9.950.000,00 10.000.000,00 4) contribuição social (9% de 3) (**) 895.500,00 900.000,00 5) IR devido (15% de 3) 1.492.500,00 1.500.000,00 6) adicional de IR (10% de 3 – R$ 240 mil) (***) 971.000,00 976.000,00 7) dedução permitida pelo art. 26 da Lei Rouanet (30% de 2) 15.000,00 0,00 8) IR a ser pago (5+6-7) 2.448.500,00 2.476.000,00 9) total de impostos a ser pago (4+8) 3.344.000,00 3.376.000,00 (*) Abatimento como despesa operacional. (**) No caso de empresas financeiras (bancos, por exemplo) 15% de 3 (***) A alíquota de IR que incide sobre o Lucro Real é de 15%. O valor de Lucro Real que excede a R$ 240 mil sofre uma incidência adicional de 10%.
  • 18. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Patrocínio CONCLUSÕES: - Verifica-se assim que o empresário, na modalidade patrocínio, ao patrocinar R$ 50.000,00, teve uma redução tributária, de 3.376.000,00 – 3.344.000,00 = R$ 32.000,00. Em resumo, o empresário usou no seu marketing cultural R$ 32.000,00 de recursos de Impostos (64% do valor do patrocínio). - A dedução do valor patrocínio como despesa operacional da pessoa jurídica REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do ADICIONAL DE IR, fato que resulta em abatimento de 64% do total patrocinado (em não de apenas 30%).
  • 19. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Doação ABATIMENTO - DOAÇÃO Com apoio à cultura – em reais (R$) Sem apoio à cultura – em reais (R$) 1) Lucro líquido 10.000.000,00 10.000.000,00 2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00 3) Novo lucro líquido (*) 9.950.000,00 10.000.000,00 4) contribuição social (9% de 3) (**) 895.500,00 900.000,00 5) IR devido (15% de 3) 1.492.500,00 1.500.000,00 6) adicional de IR (10% de 3 – R$ 240 mil) (***) 971.000,00 976.000,00 7) dedução permitida pelo art. 26 da Lei Rouanet (40% de 2) 20.000,00 0,00 8) IR a ser pago (5+6-7) 2.443.500,00 2.476.000,00 9) total de impostos a ser pago (4+8) 3.339.000,00 3.376.000,00 (*) Abatimento como despesa operacional. (**) No caso de empresas financeiras (bancos, por exemplo) 15% de 3 (***) A alíquota de IR que incide sobre o Lucro Real é de 15%. O valor de Lucro Real que excede a R$ 240 mil sofre uma incidência adicional de 10%.
  • 20. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Jurídica - Doação CONCLUSÕES: - Verifica-se assim que o empresário, na modalidade doação, ao doar R$ 50.000,00, teve uma redução tributária de 3.376.000,00 – 3.339.000,00 = R$ 37.000,00. Em resumo, o empresário utilizou R$ 37 mil de recursos de impostos (74 % do valor da doação). - A dedução do valor da doação como despesa operaciona da pessoa jurídica REDUZ a base de cálculo do IR, da CSLL e do ADICIONAL DE IR, fato que resulta em abatimento de 74% do total doado (e não de apenas 40%).
  • 21. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Física - Patrocínio ABATIMENTO - PATROCÍNIO Com apoio à cultura – em reais (R$) Sem apoio à cultura – em reais (R$) 1) Imposto de renda devido 1.000.000,00 1.000.000,00 2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00 3) dedução permitida pelo art. 18 da Lei Rouanet (60% de 2) 30.000,00 0,00 4) Novo imposto a pagar 970.000,00 1.000.000,00 CONCLUSÃO: Verifica-se que a pessoa física, na modalidade patrocínio, ao patrocinar R$ 50.000,00, teve uma redução tributária de 1.000.000,00 – 970.000,00 = R$ 30.000,00. Em resumo, a pessoa utilizou R$ 30.000,00 de recursos de impostos (60 % do valor do patrocínio).
  • 22. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Art. 26 – Pessoa Física - Doação ABATIMENTO - DOAÇÃO Com apoio à cultura – em reais (R$) Sem apoio à cultura – em reais (R$) 1) Imposto de renda devido 1.000.000,00 1.000.000,00 2) Valor da doação ou patrocínio 50.000,00 0,00 3) dedução permitida pelo art. 18 da Lei Rouanet (80% de 2) 40.000,00 0,00 4) Novo imposto a pagar 960.000,00 1.000.000,00 CONCLUSÃO: Verifica-se que a pessoa física, na modalidade doação, ao doar R$ 50.000,00, teve uma redução tributária de 1.000.000,00 – 960.000,00 = R$ 40.000,00. Em resumo, a pessoa utilizou R$ 40.000,00 de recursos de impostos (80 % do valor da doação).
  • 23. LEI FEDERAL - ROUANET (8.313/91) Incentivo Fiscal – Comparativo Art. 18 x Art. 26 No mecanismo do art. 18, o valor máximo a ser aportado corresponde a 4% do Imposto de Renda devido, ou seja, temos a seguinte fórmula: 4% IR = aporte máximo. Se a estimativa para o exercício de 2012 do patrocinador for de R$ 100.000.000,00, por exemplo, o valor máximo do aporte, para fins de abatimento fiscal, será de R$ 4.000.000,00. Todavia, no âmbito do art. 26, o valor máximo do aporte é calculado por meio do percentual de dedução possível. No caso de patrocínio, os 4% do IR correspondem aos 30% do total de recursos que podem ser aportados: 4% IR = 30% patrocínio. Assim, o valor de R$ 4.000.000,00 corresponde a 30% do aporte, o que nos leva, por meio de uma simples conta matemática, ao aporte máximo R$ 13.333.333,33, em números aproximados. *Abatimento real de 64%, em função do lançamento como despesa operacional. Art. 26 (30%) Art. 18 (100%) IR devido 100.000.000,00 100.000.000,00 4% do IR 4.000.000,00 4.000.000,00 Aporte Máximo 13.333.333,33 4.000.000,00 Abatimento 8.533.333,33 (*) 4.000.000,00 Contrapartida do Patrocinador 4.800.000,00 0,00
  • 24. LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06) Mecanismo de Apoio •Incentivo Fiscal (ICMS) •Fundo Estadual de Cultura – FEC (Editais/Concursos)
  • 25. LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06) Fundo Estadual de Cultura – FEC •Se dá através de editais/concursos: apoios por meio da seleção pública de projetos, cuja premiação é proveniente de recursos orçamentários da Secretaria de Estado da Cultura •Podem se inscrever pessoa físicas e jurídicas, com ou sem fins lucrativos, contudo, a seleção pública poderá, a depender do segmento, determinar o tipo de proponente a que se destina.
  • 26. LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06) Incentivo Fiscal O mecanismo de incentivo fiscal é uma forma de estimular o apoio da iniciativa privada ao setor cultural. O proponente apresenta uma proposta cultural a Secretaria de Estado da Cultura - Proac e, caso seja aprovada, é autorizado a captar recursos junto a pessoas jurídicas contribuintes do ICMS e habilitados na Secretaria da Fazenda. Os incentivadores (patrocinadores) que apoiarem o projeto terão o total do valor desembolsado deduzido do imposto devido, dentro dos percentuais permitidos pela legislação tributária. Proponente: pessoa física ou jurídica, com ou sem fins lucrativos. (2 anos no estado)
  • 27. LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06) Incentivo Fiscal – Aprovação de Projetos Cadastramento do Proponente e Projeto – Site e Físico Cadastramento do Proponente e Projeto – Site e Físico Análise do cadastro de proponente e do projeto pela SEC Análise do cadastro de proponente e do projeto pela SEC Análise Técnica na Reunião da Comissão de Análise de Projetos - CAP Análise Técnica na Reunião da Comissão de Análise de Projetos - CAP Aprovado – Publicação no DOE Aprovado – Publicação no DOE Indeferido – Recurso em 15 dias Indeferido – Recurso em 15 dias Diligência – Resposta em 60 dias Diligência – Resposta em 60 dias
  • 28. LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06) Incentivo Fiscal – Mecanismos A Lei Estadual - Proac, através do incentivo fiscal, é mecanismo de patrocínio (aplica-se recurso para retorno de marketing) que permite, independente da área cultural do projeto (*) o abatimento integral dos valores aportados, respeitados o limite individual e o global. (*) artes plásticas, visuais e design; bibliotecas, arquivos e centros culturais; cinema; circo; cultura popular; dança; eventos carnavalescos e escolas de samba; “hip-hop”; literatura; museu; música; ópera; patrimônio histórico e artístico; pesquisa e documentação; teatro; vídeo; bolsas de estudo para cursos de caráter cultural ou artístico, ministrados em instituições nacionais ou internacionais sem fins lucrativos; programas de rádio e de televisão com finalidades cultural, social e de prestação de serviços à comunidade; projetos especiais – primeiras obras, experimentações, pesquisas, publicações, cursos, viagens, resgate de modos tradicionais de produção, desenvolvimento de novas tecnologias para as artes e para a cultura e preservação da diversidade cultural; restauração e conservação de bens protegidos por órgão oficial de preservação; recuperação, construção e manutenção de espaços de circulação da produção cultural no Estado. - Valores: mínimo R$ 75 mil e máximo de R$ 1.5 milhão. (Pessoa Física – metade).
  • 29. LEI ESTADUAL – PROAC (Lei 12.268/06) Incentivo Fiscal – Abatimento O limite de abatimento é fornecido pela Secretaria de Finanças com base no total pago pelo contribuinte no exercício anterior. O abatimento do ICMS do contribuinte (previamente cadastrado na SEFAZ) deve respeitar os seguintes limites: Percentual de Abatimento do ICMS Apuração de Imposto Anual 3% Igual ou inferior a R$ 50.000.000,00 Valor fixo de R$ 1.500.000,00, acrescido do valor resultante da aplicação do percentual de 0,05% sobre o montante que exceder R$ 50.000.000,00 Se o contribuinte tiver apurado imposto anual a recolher superior a R$ 50.000.000,00 e igual ou inferior a R$ 100.000.000,00 Valor fixo de R$ 1.525.000,00, acrescido do valor resultante da aplicação do percentual de 0,01% sobre o montante que exceder R$ 100.000.000,00 Se o contribuinte tiver apurado imposto anual a recolher superior a R$ 100.000.000,00
  • 30. LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei 10.923/90) Mecanismo de Apoio •Incentivo Fiscal (IPTU OU ISS) •Fundo Especial de Promoção das Atividades Culturais - FECAP (EDITAIS - Fomenta os seguintes programas: Programa Municipal de Fomento ao Teatro, Programa Municipal de Fomento à Dança, Programa Municipal de Fomento ao Cinema e o Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais – VAI. )
  • 31. LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei 10.923/90) FECAP – FOMENTO O fomento à cultura é uma atribuição da Secretaria Municipal de Cultura, que apoia e financia projetos de grupos profissionais ou de jovens, prioritariamente de baixa renda, que utilizam diferentes linguagens artísticas. Há programas regulamentados por lei, como o Programa Municipal de Fomento ao Teatro, Programa Municipal de Fomento à Dança e o Programa para a Valorização de Iniciativas Culturais – VAI. A linha de fomento ao cinema viabiliza projetos na área desde os anos 90. Os editais de teatro e dança são semestrais, o do VAI é anual e os demais são lançados de acordo com a demanda e disponibilidade de recursos. Por este meio, os grupos que desenvolvem projetos culturais concorrem aos subsídios e, quando selecionados, recebem recursos diretos do orçamento da Prefeitura de São Paulo.
  • 32. LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei 10.923/90) Incentivo Fiscal A Lei de Incentivo à Cultura do Município de São Paulo (Lei Mendonça) é a mais antiga das leis de incentivo à cultura e serviu de inspiração para que outros municípios e Estados também aprovassem as suas, possibilitando uma maior participação da iniciativa privada no financiamento à cultura. A Lei Mendonça analisa e aprova eventos culturais e iniciativas de preservação do patrimônio históricos realizados dentro da cidade de São Paulo. No ano de 2012 o investimento disponível será destinado à realização de projetos das áreas de música; artes cênicas (teatro, circo e dança); audiovisual (cinema, vídeo e multimídia); artes visuais (artes plásticas, artes gráficas e fotografia); literatura e bibliotecas; patrimônio histórico e acervos; registro, inventário e conservação de tradições culturais. A aprovação do incentivo depende do atendimento às especificações do edital publicado no exercício fiscal corrente e da apresentação da documentação exigida. Proponente: pessoa física ou jurídica, com ou sem fins lucrativos. (2 anos no município)
  • 33. LEI MUNICIPAL- MENDONÇA(Lei 10.923/90) Incentivo Fiscal – Aprovação de Projetos Cadastramento do Projeto – Físico (agendamento) Cadastramento do Projeto – Físico (agendamento) Análise do projeto pela Secretaria Executiva da CAAPC (presença do proponente), análise pelo Grupo de Trabalho e análise pela CAAPC. Análise do projeto pela Secretaria Executiva da CAAPC (presença do proponente), análise pelo Grupo de Trabalho e análise pela CAAPC. Aprovado – Pré- qualificação – Publicação no DOE Aprovado – Pré- qualificação – Publicação no DOE Indeferido – Recurso em 15 dias Indeferido – Recurso em 15 dias Apresentação de incentivadores (365 dias) Apresentação de incentivadores (365 dias) Não apresentação de incentivador – projeto declarado prejudicado Não apresentação de incentivador – projeto declarado prejudicado Projeto apto a captação de recurso com os incentivadores apresentados para qualificação (ordem cronológica de apresentação dos documentos) Projeto apto a captação de recurso com os incentivadores apresentados para qualificação (ordem cronológica de apresentação dos documentos)
  • 34. LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei 10.923/90) Incentivo Fiscal – Mecanismos A Lei Mendonça, através do incentivo fiscal, é mecanismo de patrocínio (aplica-se recurso para retorno de marketing), doação (filantropia) ou investimento (transferência de recursos visando resultado comercial sobre o projeto incentivado, além do retorno de marketing) a projetos previamente qualificados (*), onde o contribuinte poderá utilizar 70% do valor de seu certificado para pagamento de até 20% do imposto devido (IPTU ou ISS), sendo que os 30% restantes deverão ser contemplados com recursos próprios. A sistemática adotada pela Lei Mendonça pode ser considerada a mais complexa, no que tange à fruição de incentivos pelas empresas contribuintes de Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza – ISS ou Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana – IPTU, isto porque o processo de habilitação refere-se à aprovação do incentivador e do aporte que pretende realizar. Trata-se de procedimento prévio à emissão dos Certificados de Incentivo, indispensável à obtenção do benefício pelos contribuintes (potenciais incentivadores). (*) música; artes cênicas (teatro, circo e dança); audiovisual (cinema, vídeo e multimídia); artes visuais (artes plásticas, artes gráficas e fotografia); literatura e bibliotecas; patrimônio histórico e acervos; registro, inventário e conservação de tradições culturais. - Valores: mínimo R$30 mil e máximo de R$ 600 mil (Exceções: patrimônio histórico e reforma de bem imóvel protegido por legislação)
  • 35. LEI MUNICIPAL - MENDONÇA(Lei 10.923/90) Incentivo Fiscal – Abatimento Abatimento do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana (IPTU) e Imposto sobre Serviços de qualquer Natureza (ISS) de contribuinte que tenha transferido recursos para a realização de projeto cultural por meio de doação, patrocínio ou investimento. -Limite do aporte: 20% do imposto devido (ISS ou IPTU). -Abatimento: 70% do valor do certificado, respeitado o limite do aporte. -Contrapartida: 30% do valor do certificado.
  • 36. LEGISLAÇÃO • Lei Rouanet: Lei nº 8.313/91; Decreto nº 5.761 de 27 de abril de 2006; Instrução Normativa nº 01 de 24/06/2013; Legislação do Imposto de Renda (Decreto nº 3.000 de 1999); Portaria nº 219 de 04 de dezembro de 1997 (apresentação dos créditos da logomarca); Súmulas Administrativas da CNIC; Portaria nº 116 de 29/11/11. • ProAC/SP: Lei nº 12.268 de 20 de fevereiro de 2006, Decreto nº 54.275 de 27/04/09, Resoluções nº 96/11, 48, 49, 50 E 51 DE 2012. • Lei Mendonça: (Lei nº 10.923/90), Decreto nº 46.595/05 e Portaria Intersecretarial SF/SMC nº 001/2001 (alterações publicadas em 07/03/2002).