SlideShare uma empresa Scribd logo
Gisela Pelegrinelli (Org.)
OLHAR ACADÊMICO SOBRE OS
DIREITOS HUMANOS:
MULHERES NEGRAS QUE SOFREM VIOLÊNCIA
E RACISMO DE GÊNERO
MULHERESNEGRAS
QUESOFREMVIOLÊNCIA
ERACISMODEGÊNERO
UniProjeção
Brasília - 2016
Gisela Pelegrinelli (Org.)
Mulheres negras que sofrem violência e racismo de
gênero / Gisela Pelegrinelli (Org.) Brasília: UniProjeção,
2016.
	 48 p. : il. color - (Olhar acadêmico sobre os
direitos humanos, v. 2)
	 ISBN: 978-85-68518-90-8
	 1. Direitos Humanos. 2. Racismo de gênero.
3. Mulheres Negras. 4. Violência contra mulher.
I. Gisela Pelegrinelli II. Título.
						CDU 342.7
Copyright © 2017 Centro Universitário Projeção
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - É proibida à reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio. A violação dos direitos
de autor (Lei nº 9.610/98) é crimes estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal.
Serviço de Regulamentação e Normas Técnicas - Biblioteca Central / UniPro
Bibliotecário Luís Eduardo Gauterio Fonseca. CRB 01/1597
6
Expediente
Equipe Núcleo de Extensão
Ana Carolina dos Santos Silva
Elda Rodrigues de Barros
Maria Cleidiana Viana dos Santos
Tiago Soares de Almeida
 
Organização
Gisela Pelegrinelli
Coordenadora do Núcleo de
Extensão – Grupo Projeção.
Colaboradoras fotografadas
Bruna de Souza Correia Costa
Edimárcia Ramos de Araújo
Edna Baltazar
Lisléia Santos da Silva
Neuziane Lima Pereira 
Agradecimento
Professor MsC. Gerson Martins
de Souza
Coordenador do Núcleo de
Pesquisa e Produção Científica
NPPC - Serviço Social
Projeto Gráfico
Galo Canta Comunicação
 
Coordenação
Élida Borges Rodrigues Gomes
Giorgia Barreto Lima Parrião
Direção de Arte
Giorgia Barreto Lima Parrião
Fernando Dias Pinheiro
Layout/Diagramação 
Fernando Dias Pinheiro
Revisão deTexto 
Élida Borges Rodrigues Gomes
Thauanny de Almeida Santos
Jornalista Responsável
Élida Borges Rodrigues Gomes
Fotografia
Murylo Marques
Impressão
Copy Express
7
Sumário
Projeto Conscientizar Projeção	 7
Apresentação	9
Bruna Costa	 13
Edimárcia de Araújo 	 19
Edna Baltazar	 25
Neuziane Pereira	 31
Lisléia da Silva	 39
8
Projeto Conscientizar Projeção
O
catálogo “Olhar Acadêmico Sobre os Direitos Humanos” com
o tema: Mulheres negras que sofrem violência e racismo de
gênero, surgiu a partir do Projeto Conscientizar Projeção e foi
concebido no intuito de fomentar, entre a comunidade acadêmica, a
consciência e o respeito pela diferença. Este catálogo apresenta, por
meio da abordagem clássica da fotografia, uma forma de discutir o
preconceito e a intolerância racial.
Toda a concepção artística e visual foi desenvolvida por alunos, docentes
e colaboradores do Centro Universitário e das Faculdades Projeção
que participaram de Edital aberto no 2º semestre de 2016. O referido
catálogo é composto por vinte e cinco imagens com variedades focais.
Ademais, contem textos e relatos das respectivas modelos negras
fotografadas.
A ideia foi transportar as imagens contemporâneas de forma que o
contexto abordado contemplasse qualidade, sensibilidade e expressão.
De acordo com Andre Rouillé¹ “fotografias não documentam objetos
ou pessoas, mas documentam situações e representações”.
1 André Rouillé é professor assistente na Universidade de Paris VIII (Unidade de Formação e de
Pesquisa em Arte, Estética e Filosofia). Publicou várias obras a respeito de fotografia e dirige o
site da internet http://www.paris-art.com, consagrado à arte contemporânea em Paris.
9
A fotografia é a entrega absoluta da sensibilidade. É o desligar do mundo
e de si mesmo, como se fosse absorver e sentir o instante do clique em
toda sua essência. Percebe-se que a magia da fotografia, permite que o
observador seja atraído para alguma cena e na sequência, ter o instinto
de fotografar.
Por fim, certas imagens nos fazem pensar muito nas diferenças e
respeito ao indivíduo, seja enquanto acadêmicos, indivíduos, e/ou
amantes da fotografia. Os caminhos fotográficos estão sempre livres à
espera de serem percorridos.
Faço o convite para desfrutarem deste magnífico catálogo e refletirem
sobre o que é visto, fotografado e sentido.
Gisela Pelegrinelli
Coordenadora do Núcleo de Extensão do Centro Universitário e
Faculdades Projeção.
10
Apresentação
O
Tema “Mulheres negras que sofrem violência e racismo de
gênero” faz parte do projeto “Conscientizar Projeção” e tem
como objetivo destacar a realidade acerca da desigualdade de
gênero e etnia, estruturantes da sociedade brasileira juntamente com a
luta e resistência efetuadas por essas respectivas mulheres.
Considerando as mudanças em relação à violência, não há como
discutir ações contra as mulheres sem discutir o racismo no Brasil.
Em diversos países, mulheres negras aparecem como a maioria das
vítimas em diversos indicadores de violações de direitos humanos – e
no Brasil não é diferente.
Percebe-se que, mesmo com as transformações na sociedade
contemporânea, a violência contra as mulheres é produto da
combinação de diversos marcadores sociais, além das desigualdades
associadas aos papéis atribuídos ao gênero masculino e feminino.
Outro fator relevante é a questão da miscigenação racial no Brasil, que
costuma ser bastante sucinta e amenizada. Constantemente, escuta-se
que o Brasil é um país mestiço e plural, e que, consequentemente, sua
população teve sua etnia inevitavelmente misturada em algum ponto
de sua ancestralidade. Mas, sob o axioma de um país miscigenado,
se esconde uma realidade violenta e racista: a generalização da
branquitude em um país predominantemente negro.
No Brasil, raça e etnia são elementos fundamentais para a compreensão
e enfrentamento ao processo de violação dos direitos das mulheres,
dentro e fora de casa. Todavia, em outros contextos, a herança deixada
pela escravidão a toda população negra é sentida na atualidade,
independente do gênero.
11
“A militância das
mulheres negras pode
ser entendida enquanto
uma consciência,
percepção e reflexão de
sua imersão no conjunto
das desigualdades de
gênero e sócio raciais
existentes na sociedade
brasileira.”
Contudo, o diálogo se estende ao longo da história do Brasil, e são
inegáveis as raízes históricas da atual situação da mulher negra
brasileira, principalmente a trabalhadora. “[...] desigualdades são
construídas historicamente, a partir de diferentes padrões de
hierarquização constituídos pelas relações de gênero e raça, que,
mediadas pela classe social, produzem profundas exclusões”¹.
A opressão sofrida pela mulher negra difere em número e grau se
comparada às mulheres brancas. Sem dúvida, existe uma constante
censura acerca da cor e desvalorização de traços característicos como:
lábios, nariz e cabelos, ou seja, a discriminação étnica e racial é somada
à sua condição social e intensificada. “[...] Há muitas evidências que
justificam o fato sobre identidade de raça e classe gerando diferenças
no status social, no estilo e qualidade de vida, prevalecendo sobre a
experiência que as mulheres compartilham [...]”².
A militância das mulheres negras pode ser entendida enquanto uma
consciência, percepção e reflexão de sua imersão no conjunto das
desigualdades de gênero e sócio raciais existentes na sociedade
brasileira. Essa consciência não foi fruto da visão feminista, mas sim
compreensão da sua própria experiência de vida, um cotidiano de
situações opressivas³.
1 RIBEIRO, Matilde. Mulheres negras: uma trajetória de criatividade, determinação e organização.
Estudos Feministas, Florianópolis, no 14, p.987-1004, jan./abr. 2008.
2 HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência
Política, Brasília, no. 16, p.193-210, mai./jul. 2015.
3 CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v.17, n.49, p. 117-
132, 1983.
12
“Reconhecer a violência de
gênero é ferramenta crucial
para enfrentá-la e entender a
necessidade de formulação
e correta implantação de
políticas de promoção de
igualdade de gênero.”
E
studiosos apontam que a possibilidade de novos horizontes,
direitos e respeito, além do reconhecimento e valorização de
sua diferença (cultural, histórica e étnica), são peças chaves nas
demandas dessa luta coletiva e em suas estratégias de mobilização.
Democraciaplenasupõeauniversalizaçãodacidadania,emesmosendo
inquestionáveis os avanços legislativos, estes são constantemente
desafiados pela lastimável realidade de violação dos direitos humanos.
Reconhecer a violência de gênero é ferramenta crucial para enfrentá-
la e entender a necessidade de formulação e correta implantação
de políticas de promoção de igualdade de gênero como dimensão
constituinte dos direitos humanos.
É fundamental para a continuação da luta feminista tentar dirimir ou
desfazer a mentalidade patriarcal, racista e discriminatória secular,
envolvendo concomitantemente um reconhecimento por parte da
sociedade civil a uma luta e articulação conjunta do Movimento de
Mulheres Negras, organizações não governamentais, Movimento
Negro e demais movimentos sociais.
Estas atividades devem apresentar um papel primordial na composição
das teorias feministas, especificamente no feminismo negro, vez que
a aceitação da diversidade em compor a mulher deve excluir padrões
e hierarquias, valorizando as especificidades de sua história e cultura.
Sem dúvida, para que o diálogo prevaleça e possa ter grande visibilidade
na causa, faz-se necessário que setores do Estado promovam ações
13
de valorização da mulher negra em sua totalidade, perpassando
por políticas sociais e afirmativas.
Diante de um tema tão complexo e de uma realidade que precisa
ser enfrentada, a oferta deste projeto faz parte das ações de
efetivação da função social do Centro Universitário Projeção,
com repercussão nas concepções de desenvolvimento no espaço
educativo e na ação docente.
Tendo como ponto de partida a responsabilidade com a
implantação e fortalecimento de políticas públicas promotoras de
direitos humanos e do desenvolvimento do potencial crítico das
pessoas, este projeto faz jus ao espirito social e academicamente
comprometido do Grupo Educacional Projeção em propiciar
espaços de luta e de transformação social.
Assim, este projeto ora apresentado configura-se como processo
de formação continuada que se propõe a ser transformador,
revisando e ressignificando as práticas cotidianas.
Esperamos que esta seja uma rica experiência não apenas
profissional, mas sobretudo pessoal, capaz de empoderar
todos(as) aqueles(as) que se dispõem a enfrentar a violência e o
racismo de gênero.
Gisela Pelegrinelli – Coordenadora do Núcleo de Extensão
Maria Yvelônia dos Santos Araujo Barbosa – Coordenadora do Curso de Serviço
Social - Unidade Ceilândia
14
L
iberdade. Nascer mulher e negra não é tarefa fácil. Sim, as
coisas melhoraram quanto a isso por um misto de motivos.
No entanto, uma reflexão que vez ou outra faço é sobre
certas pessoas questionarem a existência de coisas que nunca
passaram... Um dos maiores exemplos que me vem à cabeça sobre
o tema, é uma entrevista com Nina Simone: “Liberdade é apenas
um sentimento. É como tentar explicar para alguém como é estar
apaixonado. Como você vai explicar isso para alguém que nunca
sentiu? Você não consegue. [...]. Eu te digo o que liberdade significa
para mim: nenhum medo! Realmente nenhum medo. Se eu pudesse
ter isso por metade da minha vida.... É algo que realmente se sente.
Como um novo jeito de enxergar. ”
E é exatamente isso. Saber que posso exercer meu direito de ir
e vir, de qualquer modo e tempo, em qualquer lugar, sem medo;
de poder explorar meu cabelo afro sem comentários ridículos, de
poder ter filhos e não ter medo de estes sofrerem algo pela cor de
sua pele ou gênero, de eu ser representada de verdade pela mídia....
Ah, isso é liberdade.
Bruna CostaColaboradora e aluna do CST em Gestão de Recursos Humanos.
20
C
onsidero-me uma exceção à regra. Sou negra, fui adotada
aos 4 anos de idade por um casal branco, estudei em colégios
particulares, fiz a graduação em uma universidade privada e
hoje sou professora universitária. Mas me pergunto constantemente
por que não transformar a exceção em regra?
Sou um exemplo do quanto uma oportunidade vale na vida de
alguém, da capacidade que ela tem em transformar uma história
de vida.
Então, vamos à luta pela transformação?
Edimárcia de Araújo
Professora do curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda
26
O
que determina a inferioridade do ser humano não é a
cor da pele, essa é apenas uma questão de melanina, a
inferiorização vem do pensamento retrógrado de cada um.
A sociedade não é branca ou negra, alta ou baixa, mulher ou homem,
gorda ou magra, gay ou hétero, velha ou nova. Somos tudo isso ao
mesmo tempo, somos humanos!!!
Edna Baltazar
Aluna do curso de Direito
32
A
dupla discriminação às mulheres negras é um fato de
grande relevância e que deve ser pauta em projetos de
conscientização. Pode ser que a mulher negra não tenha
sofrido uma discriminação tão grande que a faça lembrar-se
do fato para sempre, porém, sofrem desde a infância pequenas
discriminações que podem alterar sua personalidade para sempre.
Nunca sofri uma grande discriminação, mas pequenas brincadeiras,
comentários, apelidos ou simplesmente o fato de ser deixado de
lado em uma conversa, por mais inofensivo que pareça, pode
mudar uma pessoa para sempre.
Não sou menor por causa da minha cor, mas descobri isso
recentemente. Desde a infância, somos tratadas como se fossemos
menores que os outros, como se devêssemos viver separados.
Recebemos apelidos que para os outros é super engraçado, mas
para quem sofre é doído.
Certas brincadeiras e comentários acerca da cor da pele ou o jeito do
cabelo, para os outros, podem soar inofensivos, mas, para nós, que
sofremos, são ofensivos e nos fazem sentir diminuídos. Brincadeiras
Neuziane Pereira
Colaboradora e aluna do curso de Direito
33
e comentários que ofendem e fazem o outro se sentir diminuído
não podem ser considerados lúdicos ou simples comentários, o
problema é que a maioria das pessoas que comentam e brincam
não entendem que brincadeiras e comentários ofendem.
Devido às brincadeiras, apelidos, comentários ou o fato de ser
deixada de lado em uma conversa entre amigos, fez com que eu me
sentisse na necessidade de agradar a todos, para, assim, ser aceita.
Ainda estou aprendendo que devo ter minhas próprias opiniões, e
que não tenho que ser como os outros querem ou seguir o padrão
imposto pelo outros.
O fato é que eu tenho personalidade, e ela não deve ser moldada por
um terceiro que sequer entende que as pessoas têm sentimentos e
que palavras e olhares podem feri-los.
40
I
nfelizmente, nos dias de hoje, ser mulher e negra no Brasil é uma
distinção, mas não na melhor definição do termo. Por exemplo:
“ah, se é negra, tem que se esforçar em dobro”, ou seja, realçando
a falta de oportunidades e jogando sobre os nossos ombros a
necessidade de reverter esse quadro, como se a desigualdade
fosse nossa culpa ou como se merecêssemos estar em situação
desigual. Tudo isso é muito cansativo.
É um grande desafio mudarmos esta concepção, vez que temos uma
sociedade machista e racista. O desafio é não cair na armadilha que
tentam criar em torno de nós e que busca tentar nos convencer de
que o nosso lugar não é o lugar do respeito moral, histórico, social
e estético. Constantemente, somos vítimas dessa tentativa covarde
de nos convencer de que somos feias, burras e descartáveis, mas
essas dificuldades estão sendo vencidas.
Estamos longe do ideal, mas a luta continuará sem dúvidas. O
exemplo é o mercado da Estética que tenta contemplar essa parcela
da população que também cuida do cabelo, da pele e que, portanto,
precisa de mais de uma prateleira do supermercado.
Nós, mulheres negras, estamos sendo ousadas desafiando
constantemente os pensamentos que pararam no período pré-
abolucionista. Na maioria das vezes somos tratadas de forma
diferente em todos os seguimentos, nos relacionamentos, no
mercado de trabalho, na saúde e, até mesmo, na justiça que por
inúmerasvezesnoscriamdificuldadesdeacesso,enfim,omachismo
Lisléia da Silva
Colaboradora e aluna do curso de Pedagogia
41
e o racismo se unem em todos os espaços, nos oprimindo.
Acredito que, um dia, eu não tenha mais que dar depoimentos e
palestras negativas a respeito de nós, que os atributos “mulher” e
“negra” não sejam mais vistos como uma barreira a ser transposta
ou uma diferença inconciliável para sermos aceitas socialmente.
Vai chegar o dia em que muitas de nós terão que provar, todo o
tempo, quem sou, quem digo que sou, o como a exemplo a advogada
que em toda audiência que participava tinha que responder 3 ou 4
vezes que sim, eu sou advogada, isso cansa, nossa capacidade é
questionada pela cor da nossa pele.
Recentemente, assistimos episódios de racismo contra famosas
comoTaísAraújoeMariaJúliaCoutinho.Taísfoialvodecomentários
racistas no Facebook. Na verdade, o problema não é a internet,
para mim, o problema é que racistas e machistas nunca aceitaram
mulheres negras em espaços de poder ou aparecendo mais do que
eles.
Obvio que a internet, por ser um espaço de disseminação de
informação de forma acelerada, faz com que o ódio se prolifere ainda
mais. É muito triste ainda nos deparamos com situações desse tipo,
e tenho  vergonha de ainda ter gente covarde e pequena neste país,
além do sentimento de pena dessa gente tão pobre de espírito. Por
fim, registro que não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça
diante de tanto preconceito.
48
Prof. Oswaldo Luiz Saenger
Presidente
Profª. Catarina Fontoura Costa
Diretora Executiva do Grupo Projeção
Prof. José Sérgio de Jesus
Reitor e Diretor de Educação do Grupo Projeção
Profª. Roberta Carolina Lima Montijo
Pró-Reitora e Diretora Acadêmica da Educação Superior
Prof. Thales José de Salomão Belém de Souza
Diretor Administrativo Financeiro
Prof. João Paulo Gomes Figueiredo
Vice-Diretor Administrativo Financeiro
Prof. Henrique Vinícius Ramos e Silva
Diretor de Tecnologia da Informação
Prof. Heron Renato Fernandes D’Oliveira
Diretor do Campus I - Centro Universitário
Prof. Emanuel Diego Cantuaria Lobo
Diretor do Campus II- Centro Universitário
Prof. Gilson Gomes das Neves
Diretor da Faculdade Projeção - Guará II
Prof. Ivan Calderon
Diretor da Faculdade Projeção - Ceilândia
Prof. Márcio de Morais de Sousa
Diretor da Faculdade Projeção - Sobradinho
Profª. Maria Sunes Pereira de Jesus
Vice-Diretora da Faculdade Projeção - Sobradinho
CENTRO UNIVERSITÁRIO E FACULDADES PROJEÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

14.11.2014 feminist theory bell hooks
14.11.2014   feminist theory bell hooks14.11.2014   feminist theory bell hooks
14.11.2014 feminist theory bell hooks
Zelinda Barros
 
Livro Mulheres Negras
Livro Mulheres NegrasLivro Mulheres Negras
Livro Mulheres Negras
Adeildo Vila Nova
 
07 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 201507 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 2015
ma.no.el.ne.ves
 
Redações nota 1000 no enem 2015 por Manoel Neves
Redações nota 1000 no enem 2015 por Manoel NevesRedações nota 1000 no enem 2015 por Manoel Neves
Redações nota 1000 no enem 2015 por Manoel Neves
ma.no.el.ne.ves
 
A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5
A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5
A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5
ContinenteAfrica
 
Exclusão de mulheres negras na enfermagem
Exclusão de mulheres negras na enfermagemExclusão de mulheres negras na enfermagem
Exclusão de mulheres negras na enfermagem
População Negra e Saúde
 
Racismo para debate e reflexão
Racismo para debate e reflexãoRacismo para debate e reflexão
Racismo para debate e reflexão
Adriana Gomes Messias
 
Newsletter obcig 8 de abril de 2021
Newsletter obcig 8 de abril de 2021Newsletter obcig 8 de abril de 2021
Newsletter obcig 8 de abril de 2021
António Pereira
 
Projeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e PreconceitoProjeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e Preconceito
WilsonRibeirodaSilva1
 
Violencia racial no brasil e no mundo
Violencia racial no brasil e no mundoViolencia racial no brasil e no mundo
Violencia racial no brasil e no mundo
Atividades Diversas Cláudia
 
Desigualdade De Género
Desigualdade De GéneroDesigualdade De Género
Desigualdade De Género
Instituto Monitor
 
Brasil nao reserva datas para herois negros
Brasil nao reserva datas para herois negrosBrasil nao reserva datas para herois negros
Brasil nao reserva datas para herois negros
Atividades Diversas Cláudia
 
Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.
Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.
Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.
Fábio Fernandes
 
Desigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordensDesigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordens
Aldenei Barros
 
"O fator social nos crimes de execução sumária"
"O fator social nos crimes de execução sumária""O fator social nos crimes de execução sumária"
"O fator social nos crimes de execução sumária"
Observatório Negro
 
Violência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedadeViolência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedade
realvictorsouza
 
VIOLENCIA URBANA
VIOLENCIA URBANAVIOLENCIA URBANA
VIOLENCIA URBANA
falecomabreu
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
roberto mosca junior
 
Tipos de racismo estrutural e institucional
Tipos de racismo estrutural e institucionalTipos de racismo estrutural e institucional
Tipos de racismo estrutural e institucional
Atividades Diversas Cláudia
 
Resenha do livro Violência Urbana
Resenha do livro Violência UrbanaResenha do livro Violência Urbana
Resenha do livro Violência Urbana
Franco Nassaro
 

Mais procurados (20)

14.11.2014 feminist theory bell hooks
14.11.2014   feminist theory bell hooks14.11.2014   feminist theory bell hooks
14.11.2014 feminist theory bell hooks
 
Livro Mulheres Negras
Livro Mulheres NegrasLivro Mulheres Negras
Livro Mulheres Negras
 
07 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 201507 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 2015
 
Redações nota 1000 no enem 2015 por Manoel Neves
Redações nota 1000 no enem 2015 por Manoel NevesRedações nota 1000 no enem 2015 por Manoel Neves
Redações nota 1000 no enem 2015 por Manoel Neves
 
A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5
A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5
A Mulher Negra na Publicidade Brasileira 5
 
Exclusão de mulheres negras na enfermagem
Exclusão de mulheres negras na enfermagemExclusão de mulheres negras na enfermagem
Exclusão de mulheres negras na enfermagem
 
Racismo para debate e reflexão
Racismo para debate e reflexãoRacismo para debate e reflexão
Racismo para debate e reflexão
 
Newsletter obcig 8 de abril de 2021
Newsletter obcig 8 de abril de 2021Newsletter obcig 8 de abril de 2021
Newsletter obcig 8 de abril de 2021
 
Projeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e PreconceitoProjeto - Racismo e Preconceito
Projeto - Racismo e Preconceito
 
Violencia racial no brasil e no mundo
Violencia racial no brasil e no mundoViolencia racial no brasil e no mundo
Violencia racial no brasil e no mundo
 
Desigualdade De Género
Desigualdade De GéneroDesigualdade De Género
Desigualdade De Género
 
Brasil nao reserva datas para herois negros
Brasil nao reserva datas para herois negrosBrasil nao reserva datas para herois negros
Brasil nao reserva datas para herois negros
 
Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.
Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.
Diferenças de gênero na organização social da vida pública e da vida privada.
 
Desigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordensDesigualdades de várias ordens
Desigualdades de várias ordens
 
"O fator social nos crimes de execução sumária"
"O fator social nos crimes de execução sumária""O fator social nos crimes de execução sumária"
"O fator social nos crimes de execução sumária"
 
Violência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedadeViolência: produto da sociedade
Violência: produto da sociedade
 
VIOLENCIA URBANA
VIOLENCIA URBANAVIOLENCIA URBANA
VIOLENCIA URBANA
 
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
Pobreza, exclusão social, desigualdade e violência.
 
Tipos de racismo estrutural e institucional
Tipos de racismo estrutural e institucionalTipos de racismo estrutural e institucional
Tipos de racismo estrutural e institucional
 
Resenha do livro Violência Urbana
Resenha do livro Violência UrbanaResenha do livro Violência Urbana
Resenha do livro Violência Urbana
 

Semelhante a Catalogo NEX - 2ªedição

Pequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracistaPequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracista
Jornal do Commercio
 
"Mulher Negra e Interseccionalidades"
"Mulher Negra e Interseccionalidades""Mulher Negra e Interseccionalidades"
"Mulher Negra e Interseccionalidades"
Observatório Negro
 
Racismo no brasil
Racismo no brasilRacismo no brasil
Racismo no brasil
Fabio Cruz
 
A GESTÃO E A RAÇA.pdf
A GESTÃO E A RAÇA.pdfA GESTÃO E A RAÇA.pdf
A GESTÃO E A RAÇA.pdf
anapaulaRufino4
 
MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.
MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.
MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.
Fábio Fernandes
 
Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...
Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...
Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...
Nathany Brito Rodrigues
 
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O RacismoAlgumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
guesta7e113
 
Racismo e Dicas Atinirracistas.docx
Racismo e Dicas Atinirracistas.docxRacismo e Dicas Atinirracistas.docx
Racismo e Dicas Atinirracistas.docx
Ana Carvalho
 
RACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASILRACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASIL
Zilrene
 
Manual Étnico-racial para o Jornalismo
Manual Étnico-racial para o JornalismoManual Étnico-racial para o Jornalismo
Manual Étnico-racial para o Jornalismo
Juliana Dias
 
Caid Brasil 2009 Cese
Caid Brasil 2009 CeseCaid Brasil 2009 Cese
Caid Brasil 2009 Cese
MarcStorms
 
Gt4 as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...
Gt4  as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...Gt4  as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...
Gt4 as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...
Andrea Cortelazzi
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
ANDI - Comunicação e Direitos
 
Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...
Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...
Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...
População Negra e Saúde
 
Afinal, existe racismo no Brasil?
Afinal, existe racismo no Brasil?Afinal, existe racismo no Brasil?
Afinal, existe racismo no Brasil?
André Santos Luigi
 
GEICAI - Documentos Google.pdf
GEICAI - Documentos Google.pdfGEICAI - Documentos Google.pdf
GEICAI - Documentos Google.pdf
PriscilaGualberto1
 
Movimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caôMovimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caô
Atividades Diversas Cláudia
 
Mulheres negras na primeira pessoa site
Mulheres negras na primeira pessoa siteMulheres negras na primeira pessoa site
Mulheres negras na primeira pessoa site
natielemesquita
 
Violência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidade
Violência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidadeViolência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidade
Violência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidade
UNEB
 
Trabalho de moral: racismo
Trabalho de moral: racismoTrabalho de moral: racismo
Trabalho de moral: racismo
António Alves
 

Semelhante a Catalogo NEX - 2ªedição (20)

Pequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracistaPequeno manual antirracista
Pequeno manual antirracista
 
"Mulher Negra e Interseccionalidades"
"Mulher Negra e Interseccionalidades""Mulher Negra e Interseccionalidades"
"Mulher Negra e Interseccionalidades"
 
Racismo no brasil
Racismo no brasilRacismo no brasil
Racismo no brasil
 
A GESTÃO E A RAÇA.pdf
A GESTÃO E A RAÇA.pdfA GESTÃO E A RAÇA.pdf
A GESTÃO E A RAÇA.pdf
 
MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.
MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.
MULHERES NEGRAS EM MOVIMENTO: INTELECTUAIS, ORGANIZAÇÕES E PROJETOS POLÍTICOS.
 
Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...
Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...
Do epistemicídio para práticas informacionais abolicionistas no espaço prisio...
 
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O RacismoAlgumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
Algumas Explicacoes De Termos Utilizados Na Luta Contra O Racismo
 
Racismo e Dicas Atinirracistas.docx
Racismo e Dicas Atinirracistas.docxRacismo e Dicas Atinirracistas.docx
Racismo e Dicas Atinirracistas.docx
 
RACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASILRACISMO NO BRASIL
RACISMO NO BRASIL
 
Manual Étnico-racial para o Jornalismo
Manual Étnico-racial para o JornalismoManual Étnico-racial para o Jornalismo
Manual Étnico-racial para o Jornalismo
 
Caid Brasil 2009 Cese
Caid Brasil 2009 CeseCaid Brasil 2009 Cese
Caid Brasil 2009 Cese
 
Gt4 as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...
Gt4  as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...Gt4  as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...
Gt4 as diferenças culturais e a educação na (re) construção da identidade ét...
 
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
Power Point "Racismo e Desigualdades Raciais no Brasil"
 
Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...
Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...
Biografias Femininas, racismo e subjetividade ativista: Um olhar sobre a saúd...
 
Afinal, existe racismo no Brasil?
Afinal, existe racismo no Brasil?Afinal, existe racismo no Brasil?
Afinal, existe racismo no Brasil?
 
GEICAI - Documentos Google.pdf
GEICAI - Documentos Google.pdfGEICAI - Documentos Google.pdf
GEICAI - Documentos Google.pdf
 
Movimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caôMovimento negro lei do caô
Movimento negro lei do caô
 
Mulheres negras na primeira pessoa site
Mulheres negras na primeira pessoa siteMulheres negras na primeira pessoa site
Mulheres negras na primeira pessoa site
 
Violência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidade
Violência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidadeViolência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidade
Violência contra a mulher em conceição do coité em busca por visibilidade
 
Trabalho de moral: racismo
Trabalho de moral: racismoTrabalho de moral: racismo
Trabalho de moral: racismo
 

Mais de Giorgia Barreto Lima Parrião

Conheça a Terapeuta Giorgia Barreto
Conheça a Terapeuta Giorgia BarretoConheça a Terapeuta Giorgia Barreto
Conheça a Terapeuta Giorgia Barreto
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...
059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...
059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
CirculoCromático.pdf
CirculoCromático.pdfCirculoCromático.pdf
CirculoCromático.pdf
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica em Design - Aula1
Semiótica em Design - Aula1Semiótica em Design - Aula1
Semiótica em Design - Aula1
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica em Design - Aula4
Semiótica em Design - Aula4Semiótica em Design - Aula4
Semiótica em Design - Aula4
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica em Design - Aula3
Semiótica em Design - Aula3Semiótica em Design - Aula3
Semiótica em Design - Aula3
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica em Design - Aula 2
Semiótica em Design - Aula 2Semiótica em Design - Aula 2
Semiótica em Design - Aula 2
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica - Aula 4
Semiótica - Aula 4Semiótica - Aula 4
Semiótica - Aula 4
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica - Aula 3
Semiótica - Aula 3Semiótica - Aula 3
Semiótica - Aula 3
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica - Aula 2
Semiótica - Aula 2Semiótica - Aula 2
Semiótica - Aula 2
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Semiótica - Aula 1
Semiótica - Aula 1Semiótica - Aula 1
Semiótica - Aula 1
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...
Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...
Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)
Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)
Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...
Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...
Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Introdução ao Illustrator
Introdução ao IllustratorIntrodução ao Illustrator
Introdução ao Illustrator
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Introdução ao Photoshop
Introdução ao PhotoshopIntrodução ao Photoshop
Introdução ao Photoshop
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Agência de Publicidade: áreas e setores
Agência de Publicidade:  áreas e setoresAgência de Publicidade:  áreas e setores
Agência de Publicidade: áreas e setores
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Processos de Comunicação
Processos de ComunicaçãoProcessos de Comunicação
Processos de Comunicação
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
Fundamentos imagem
Fundamentos imagemFundamentos imagem
Fundamentos imagem
Giorgia Barreto Lima Parrião
 
O que é propaganda???
O que é propaganda???O que é propaganda???
O que é propaganda???
Giorgia Barreto Lima Parrião
 

Mais de Giorgia Barreto Lima Parrião (20)

Conheça a Terapeuta Giorgia Barreto
Conheça a Terapeuta Giorgia BarretoConheça a Terapeuta Giorgia Barreto
Conheça a Terapeuta Giorgia Barreto
 
059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...
059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...
059 - Sistema de coleta on-line do Censo Escolar da Educação Básica - Educace...
 
CirculoCromático.pdf
CirculoCromático.pdfCirculoCromático.pdf
CirculoCromático.pdf
 
Semiótica em Design - Aula1
Semiótica em Design - Aula1Semiótica em Design - Aula1
Semiótica em Design - Aula1
 
Semiótica em Design - Aula4
Semiótica em Design - Aula4Semiótica em Design - Aula4
Semiótica em Design - Aula4
 
Semiótica em Design - Aula3
Semiótica em Design - Aula3Semiótica em Design - Aula3
Semiótica em Design - Aula3
 
Semiótica em Design - Aula 2
Semiótica em Design - Aula 2Semiótica em Design - Aula 2
Semiótica em Design - Aula 2
 
Semiótica - Aula 4
Semiótica - Aula 4Semiótica - Aula 4
Semiótica - Aula 4
 
Semiótica - Aula 3
Semiótica - Aula 3Semiótica - Aula 3
Semiótica - Aula 3
 
Semiótica - Aula 2
Semiótica - Aula 2Semiótica - Aula 2
Semiótica - Aula 2
 
Semiótica - Aula 1
Semiótica - Aula 1Semiótica - Aula 1
Semiótica - Aula 1
 
Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...
Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...
Avaliação da Interface do site da biblioteca do UniProjeção: Usabilidade e Ac...
 
Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)
Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)
Caderno de Referência - Pró-Conselho - MEC (2004)
 
Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...
Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...
Melhor idade conectada: um panorama da interação entre idosos e tecnologias m...
 
Introdução ao Illustrator
Introdução ao IllustratorIntrodução ao Illustrator
Introdução ao Illustrator
 
Introdução ao Photoshop
Introdução ao PhotoshopIntrodução ao Photoshop
Introdução ao Photoshop
 
Agência de Publicidade: áreas e setores
Agência de Publicidade:  áreas e setoresAgência de Publicidade:  áreas e setores
Agência de Publicidade: áreas e setores
 
Processos de Comunicação
Processos de ComunicaçãoProcessos de Comunicação
Processos de Comunicação
 
Fundamentos imagem
Fundamentos imagemFundamentos imagem
Fundamentos imagem
 
O que é propaganda???
O que é propaganda???O que é propaganda???
O que é propaganda???
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 

Catalogo NEX - 2ªedição

  • 1. Gisela Pelegrinelli (Org.) OLHAR ACADÊMICO SOBRE OS DIREITOS HUMANOS: MULHERES NEGRAS QUE SOFREM VIOLÊNCIA E RACISMO DE GÊNERO
  • 3. Mulheres negras que sofrem violência e racismo de gênero / Gisela Pelegrinelli (Org.) Brasília: UniProjeção, 2016. 48 p. : il. color - (Olhar acadêmico sobre os direitos humanos, v. 2) ISBN: 978-85-68518-90-8 1. Direitos Humanos. 2. Racismo de gênero. 3. Mulheres Negras. 4. Violência contra mulher. I. Gisela Pelegrinelli II. Título. CDU 342.7 Copyright © 2017 Centro Universitário Projeção TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - É proibida à reprodução total ou parcial, de qualquer forma ou por qualquer meio. A violação dos direitos de autor (Lei nº 9.610/98) é crimes estabelecido pelo artigo 184 do Código Penal. Serviço de Regulamentação e Normas Técnicas - Biblioteca Central / UniPro Bibliotecário Luís Eduardo Gauterio Fonseca. CRB 01/1597
  • 4.
  • 5. 6 Expediente Equipe Núcleo de Extensão Ana Carolina dos Santos Silva Elda Rodrigues de Barros Maria Cleidiana Viana dos Santos Tiago Soares de Almeida   Organização Gisela Pelegrinelli Coordenadora do Núcleo de Extensão – Grupo Projeção. Colaboradoras fotografadas Bruna de Souza Correia Costa Edimárcia Ramos de Araújo Edna Baltazar Lisléia Santos da Silva Neuziane Lima Pereira  Agradecimento Professor MsC. Gerson Martins de Souza Coordenador do Núcleo de Pesquisa e Produção Científica NPPC - Serviço Social Projeto Gráfico Galo Canta Comunicação   Coordenação Élida Borges Rodrigues Gomes Giorgia Barreto Lima Parrião Direção de Arte Giorgia Barreto Lima Parrião Fernando Dias Pinheiro Layout/Diagramação  Fernando Dias Pinheiro Revisão deTexto  Élida Borges Rodrigues Gomes Thauanny de Almeida Santos Jornalista Responsável Élida Borges Rodrigues Gomes Fotografia Murylo Marques Impressão Copy Express
  • 6. 7 Sumário Projeto Conscientizar Projeção 7 Apresentação 9 Bruna Costa 13 Edimárcia de Araújo 19 Edna Baltazar 25 Neuziane Pereira 31 Lisléia da Silva 39
  • 7. 8 Projeto Conscientizar Projeção O catálogo “Olhar Acadêmico Sobre os Direitos Humanos” com o tema: Mulheres negras que sofrem violência e racismo de gênero, surgiu a partir do Projeto Conscientizar Projeção e foi concebido no intuito de fomentar, entre a comunidade acadêmica, a consciência e o respeito pela diferença. Este catálogo apresenta, por meio da abordagem clássica da fotografia, uma forma de discutir o preconceito e a intolerância racial. Toda a concepção artística e visual foi desenvolvida por alunos, docentes e colaboradores do Centro Universitário e das Faculdades Projeção que participaram de Edital aberto no 2º semestre de 2016. O referido catálogo é composto por vinte e cinco imagens com variedades focais. Ademais, contem textos e relatos das respectivas modelos negras fotografadas. A ideia foi transportar as imagens contemporâneas de forma que o contexto abordado contemplasse qualidade, sensibilidade e expressão. De acordo com Andre Rouillé¹ “fotografias não documentam objetos ou pessoas, mas documentam situações e representações”. 1 André Rouillé é professor assistente na Universidade de Paris VIII (Unidade de Formação e de Pesquisa em Arte, Estética e Filosofia). Publicou várias obras a respeito de fotografia e dirige o site da internet http://www.paris-art.com, consagrado à arte contemporânea em Paris.
  • 8. 9 A fotografia é a entrega absoluta da sensibilidade. É o desligar do mundo e de si mesmo, como se fosse absorver e sentir o instante do clique em toda sua essência. Percebe-se que a magia da fotografia, permite que o observador seja atraído para alguma cena e na sequência, ter o instinto de fotografar. Por fim, certas imagens nos fazem pensar muito nas diferenças e respeito ao indivíduo, seja enquanto acadêmicos, indivíduos, e/ou amantes da fotografia. Os caminhos fotográficos estão sempre livres à espera de serem percorridos. Faço o convite para desfrutarem deste magnífico catálogo e refletirem sobre o que é visto, fotografado e sentido. Gisela Pelegrinelli Coordenadora do Núcleo de Extensão do Centro Universitário e Faculdades Projeção.
  • 9. 10 Apresentação O Tema “Mulheres negras que sofrem violência e racismo de gênero” faz parte do projeto “Conscientizar Projeção” e tem como objetivo destacar a realidade acerca da desigualdade de gênero e etnia, estruturantes da sociedade brasileira juntamente com a luta e resistência efetuadas por essas respectivas mulheres. Considerando as mudanças em relação à violência, não há como discutir ações contra as mulheres sem discutir o racismo no Brasil. Em diversos países, mulheres negras aparecem como a maioria das vítimas em diversos indicadores de violações de direitos humanos – e no Brasil não é diferente. Percebe-se que, mesmo com as transformações na sociedade contemporânea, a violência contra as mulheres é produto da combinação de diversos marcadores sociais, além das desigualdades associadas aos papéis atribuídos ao gênero masculino e feminino. Outro fator relevante é a questão da miscigenação racial no Brasil, que costuma ser bastante sucinta e amenizada. Constantemente, escuta-se que o Brasil é um país mestiço e plural, e que, consequentemente, sua população teve sua etnia inevitavelmente misturada em algum ponto de sua ancestralidade. Mas, sob o axioma de um país miscigenado, se esconde uma realidade violenta e racista: a generalização da branquitude em um país predominantemente negro. No Brasil, raça e etnia são elementos fundamentais para a compreensão e enfrentamento ao processo de violação dos direitos das mulheres, dentro e fora de casa. Todavia, em outros contextos, a herança deixada pela escravidão a toda população negra é sentida na atualidade, independente do gênero.
  • 10. 11 “A militância das mulheres negras pode ser entendida enquanto uma consciência, percepção e reflexão de sua imersão no conjunto das desigualdades de gênero e sócio raciais existentes na sociedade brasileira.” Contudo, o diálogo se estende ao longo da história do Brasil, e são inegáveis as raízes históricas da atual situação da mulher negra brasileira, principalmente a trabalhadora. “[...] desigualdades são construídas historicamente, a partir de diferentes padrões de hierarquização constituídos pelas relações de gênero e raça, que, mediadas pela classe social, produzem profundas exclusões”¹. A opressão sofrida pela mulher negra difere em número e grau se comparada às mulheres brancas. Sem dúvida, existe uma constante censura acerca da cor e desvalorização de traços característicos como: lábios, nariz e cabelos, ou seja, a discriminação étnica e racial é somada à sua condição social e intensificada. “[...] Há muitas evidências que justificam o fato sobre identidade de raça e classe gerando diferenças no status social, no estilo e qualidade de vida, prevalecendo sobre a experiência que as mulheres compartilham [...]”². A militância das mulheres negras pode ser entendida enquanto uma consciência, percepção e reflexão de sua imersão no conjunto das desigualdades de gênero e sócio raciais existentes na sociedade brasileira. Essa consciência não foi fruto da visão feminista, mas sim compreensão da sua própria experiência de vida, um cotidiano de situações opressivas³. 1 RIBEIRO, Matilde. Mulheres negras: uma trajetória de criatividade, determinação e organização. Estudos Feministas, Florianópolis, no 14, p.987-1004, jan./abr. 2008. 2 HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, no. 16, p.193-210, mai./jul. 2015. 3 CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v.17, n.49, p. 117- 132, 1983.
  • 11. 12 “Reconhecer a violência de gênero é ferramenta crucial para enfrentá-la e entender a necessidade de formulação e correta implantação de políticas de promoção de igualdade de gênero.” E studiosos apontam que a possibilidade de novos horizontes, direitos e respeito, além do reconhecimento e valorização de sua diferença (cultural, histórica e étnica), são peças chaves nas demandas dessa luta coletiva e em suas estratégias de mobilização. Democraciaplenasupõeauniversalizaçãodacidadania,emesmosendo inquestionáveis os avanços legislativos, estes são constantemente desafiados pela lastimável realidade de violação dos direitos humanos. Reconhecer a violência de gênero é ferramenta crucial para enfrentá- la e entender a necessidade de formulação e correta implantação de políticas de promoção de igualdade de gênero como dimensão constituinte dos direitos humanos. É fundamental para a continuação da luta feminista tentar dirimir ou desfazer a mentalidade patriarcal, racista e discriminatória secular, envolvendo concomitantemente um reconhecimento por parte da sociedade civil a uma luta e articulação conjunta do Movimento de Mulheres Negras, organizações não governamentais, Movimento Negro e demais movimentos sociais. Estas atividades devem apresentar um papel primordial na composição das teorias feministas, especificamente no feminismo negro, vez que a aceitação da diversidade em compor a mulher deve excluir padrões e hierarquias, valorizando as especificidades de sua história e cultura. Sem dúvida, para que o diálogo prevaleça e possa ter grande visibilidade na causa, faz-se necessário que setores do Estado promovam ações
  • 12. 13 de valorização da mulher negra em sua totalidade, perpassando por políticas sociais e afirmativas. Diante de um tema tão complexo e de uma realidade que precisa ser enfrentada, a oferta deste projeto faz parte das ações de efetivação da função social do Centro Universitário Projeção, com repercussão nas concepções de desenvolvimento no espaço educativo e na ação docente. Tendo como ponto de partida a responsabilidade com a implantação e fortalecimento de políticas públicas promotoras de direitos humanos e do desenvolvimento do potencial crítico das pessoas, este projeto faz jus ao espirito social e academicamente comprometido do Grupo Educacional Projeção em propiciar espaços de luta e de transformação social. Assim, este projeto ora apresentado configura-se como processo de formação continuada que se propõe a ser transformador, revisando e ressignificando as práticas cotidianas. Esperamos que esta seja uma rica experiência não apenas profissional, mas sobretudo pessoal, capaz de empoderar todos(as) aqueles(as) que se dispõem a enfrentar a violência e o racismo de gênero. Gisela Pelegrinelli – Coordenadora do Núcleo de Extensão Maria Yvelônia dos Santos Araujo Barbosa – Coordenadora do Curso de Serviço Social - Unidade Ceilândia
  • 13. 14 L iberdade. Nascer mulher e negra não é tarefa fácil. Sim, as coisas melhoraram quanto a isso por um misto de motivos. No entanto, uma reflexão que vez ou outra faço é sobre certas pessoas questionarem a existência de coisas que nunca passaram... Um dos maiores exemplos que me vem à cabeça sobre o tema, é uma entrevista com Nina Simone: “Liberdade é apenas um sentimento. É como tentar explicar para alguém como é estar apaixonado. Como você vai explicar isso para alguém que nunca sentiu? Você não consegue. [...]. Eu te digo o que liberdade significa para mim: nenhum medo! Realmente nenhum medo. Se eu pudesse ter isso por metade da minha vida.... É algo que realmente se sente. Como um novo jeito de enxergar. ” E é exatamente isso. Saber que posso exercer meu direito de ir e vir, de qualquer modo e tempo, em qualquer lugar, sem medo; de poder explorar meu cabelo afro sem comentários ridículos, de poder ter filhos e não ter medo de estes sofrerem algo pela cor de sua pele ou gênero, de eu ser representada de verdade pela mídia.... Ah, isso é liberdade. Bruna CostaColaboradora e aluna do CST em Gestão de Recursos Humanos.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19. 20 C onsidero-me uma exceção à regra. Sou negra, fui adotada aos 4 anos de idade por um casal branco, estudei em colégios particulares, fiz a graduação em uma universidade privada e hoje sou professora universitária. Mas me pergunto constantemente por que não transformar a exceção em regra? Sou um exemplo do quanto uma oportunidade vale na vida de alguém, da capacidade que ela tem em transformar uma história de vida. Então, vamos à luta pela transformação? Edimárcia de Araújo Professora do curso de Comunicação Social Publicidade e Propaganda
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. 26 O que determina a inferioridade do ser humano não é a cor da pele, essa é apenas uma questão de melanina, a inferiorização vem do pensamento retrógrado de cada um. A sociedade não é branca ou negra, alta ou baixa, mulher ou homem, gorda ou magra, gay ou hétero, velha ou nova. Somos tudo isso ao mesmo tempo, somos humanos!!! Edna Baltazar Aluna do curso de Direito
  • 26.
  • 27.
  • 28.
  • 29.
  • 30.
  • 31. 32 A dupla discriminação às mulheres negras é um fato de grande relevância e que deve ser pauta em projetos de conscientização. Pode ser que a mulher negra não tenha sofrido uma discriminação tão grande que a faça lembrar-se do fato para sempre, porém, sofrem desde a infância pequenas discriminações que podem alterar sua personalidade para sempre. Nunca sofri uma grande discriminação, mas pequenas brincadeiras, comentários, apelidos ou simplesmente o fato de ser deixado de lado em uma conversa, por mais inofensivo que pareça, pode mudar uma pessoa para sempre. Não sou menor por causa da minha cor, mas descobri isso recentemente. Desde a infância, somos tratadas como se fossemos menores que os outros, como se devêssemos viver separados. Recebemos apelidos que para os outros é super engraçado, mas para quem sofre é doído. Certas brincadeiras e comentários acerca da cor da pele ou o jeito do cabelo, para os outros, podem soar inofensivos, mas, para nós, que sofremos, são ofensivos e nos fazem sentir diminuídos. Brincadeiras Neuziane Pereira Colaboradora e aluna do curso de Direito
  • 32. 33 e comentários que ofendem e fazem o outro se sentir diminuído não podem ser considerados lúdicos ou simples comentários, o problema é que a maioria das pessoas que comentam e brincam não entendem que brincadeiras e comentários ofendem. Devido às brincadeiras, apelidos, comentários ou o fato de ser deixada de lado em uma conversa entre amigos, fez com que eu me sentisse na necessidade de agradar a todos, para, assim, ser aceita. Ainda estou aprendendo que devo ter minhas próprias opiniões, e que não tenho que ser como os outros querem ou seguir o padrão imposto pelo outros. O fato é que eu tenho personalidade, e ela não deve ser moldada por um terceiro que sequer entende que as pessoas têm sentimentos e que palavras e olhares podem feri-los.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38.
  • 39. 40 I nfelizmente, nos dias de hoje, ser mulher e negra no Brasil é uma distinção, mas não na melhor definição do termo. Por exemplo: “ah, se é negra, tem que se esforçar em dobro”, ou seja, realçando a falta de oportunidades e jogando sobre os nossos ombros a necessidade de reverter esse quadro, como se a desigualdade fosse nossa culpa ou como se merecêssemos estar em situação desigual. Tudo isso é muito cansativo. É um grande desafio mudarmos esta concepção, vez que temos uma sociedade machista e racista. O desafio é não cair na armadilha que tentam criar em torno de nós e que busca tentar nos convencer de que o nosso lugar não é o lugar do respeito moral, histórico, social e estético. Constantemente, somos vítimas dessa tentativa covarde de nos convencer de que somos feias, burras e descartáveis, mas essas dificuldades estão sendo vencidas. Estamos longe do ideal, mas a luta continuará sem dúvidas. O exemplo é o mercado da Estética que tenta contemplar essa parcela da população que também cuida do cabelo, da pele e que, portanto, precisa de mais de uma prateleira do supermercado. Nós, mulheres negras, estamos sendo ousadas desafiando constantemente os pensamentos que pararam no período pré- abolucionista. Na maioria das vezes somos tratadas de forma diferente em todos os seguimentos, nos relacionamentos, no mercado de trabalho, na saúde e, até mesmo, na justiça que por inúmerasvezesnoscriamdificuldadesdeacesso,enfim,omachismo Lisléia da Silva Colaboradora e aluna do curso de Pedagogia
  • 40. 41 e o racismo se unem em todos os espaços, nos oprimindo. Acredito que, um dia, eu não tenha mais que dar depoimentos e palestras negativas a respeito de nós, que os atributos “mulher” e “negra” não sejam mais vistos como uma barreira a ser transposta ou uma diferença inconciliável para sermos aceitas socialmente. Vai chegar o dia em que muitas de nós terão que provar, todo o tempo, quem sou, quem digo que sou, o como a exemplo a advogada que em toda audiência que participava tinha que responder 3 ou 4 vezes que sim, eu sou advogada, isso cansa, nossa capacidade é questionada pela cor da nossa pele. Recentemente, assistimos episódios de racismo contra famosas comoTaísAraújoeMariaJúliaCoutinho.Taísfoialvodecomentários racistas no Facebook. Na verdade, o problema não é a internet, para mim, o problema é que racistas e machistas nunca aceitaram mulheres negras em espaços de poder ou aparecendo mais do que eles. Obvio que a internet, por ser um espaço de disseminação de informação de forma acelerada, faz com que o ódio se prolifere ainda mais. É muito triste ainda nos deparamos com situações desse tipo, e tenho  vergonha de ainda ter gente covarde e pequena neste país, além do sentimento de pena dessa gente tão pobre de espírito. Por fim, registro que não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça diante de tanto preconceito.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44.
  • 45.
  • 46.
  • 47. 48
  • 48. Prof. Oswaldo Luiz Saenger Presidente Profª. Catarina Fontoura Costa Diretora Executiva do Grupo Projeção Prof. José Sérgio de Jesus Reitor e Diretor de Educação do Grupo Projeção Profª. Roberta Carolina Lima Montijo Pró-Reitora e Diretora Acadêmica da Educação Superior Prof. Thales José de Salomão Belém de Souza Diretor Administrativo Financeiro Prof. João Paulo Gomes Figueiredo Vice-Diretor Administrativo Financeiro Prof. Henrique Vinícius Ramos e Silva Diretor de Tecnologia da Informação Prof. Heron Renato Fernandes D’Oliveira Diretor do Campus I - Centro Universitário Prof. Emanuel Diego Cantuaria Lobo Diretor do Campus II- Centro Universitário Prof. Gilson Gomes das Neves Diretor da Faculdade Projeção - Guará II Prof. Ivan Calderon Diretor da Faculdade Projeção - Ceilândia Prof. Márcio de Morais de Sousa Diretor da Faculdade Projeção - Sobradinho Profª. Maria Sunes Pereira de Jesus Vice-Diretora da Faculdade Projeção - Sobradinho CENTRO UNIVERSITÁRIO E FACULDADES PROJEÇÃO