SlideShare uma empresa Scribd logo
Pneomonite de Hipersensibilidade, DM2 e HAS.

                      Estudo de caso 01
                            W.H



Aluna: Tuani Varella
Orientadoras: Vânia Passero e Daniele Hermes
Disciplina: Estágio supervisionado de Nutrição Clínica
Local de estágio: Hospital Regional de São José, 3º andar, Ala B
Patologias

Pneumonite por hipersensibilidade:

• A pneumonite de hipersensibilidade é uma inflamação que
atinge os diminutos sacos aéreos (alvéolos) pulmonares e
também em volta dos mesmos.
• Ela é causada por uma reação alérgica a poeiras orgânicas
inaladas ou, menos comumente, a substâncias químicas.

    Doença                          Origem das partículas

    Pulmão de criador de pássaros   Dejetos de periquitos, pombos,
                                    galinhas.
Patologias
Hipertensão Arterial
Uma definição mais geral da hipertensão é a pressão arterial sanguínea
persistentemente elevada.

Desenvolvimento:
• Interação entre predisposição genética e fatores ambientais.

• Alterações funcionais do sistema nervoso autônomo simpático, renais, do sistema
renina angiotensina, além de outros mecanismos humorais e disfunção endotelial.

• Assim a hipertensão resulta de várias alterações estruturais do sistema cardiovascular
que tanto amplificam o estímulo hipertensivo, quanto causam dano cardiovascular.
Patologias
Hipertensão Arterial
PAD (mm Hg) PAS (mm      Classificação
Hg)
< 85     < 130           Normal
85-89    130-139         Normal Limítrofe
90-99    140-159         Hipertensão Leve
                         (estágio 1)
100-109 160-179          Hipertensão Moderada
                         (estágio2)
> 110   > 180            Hipertensão Grave
                         (estágio 3)
< 90 > 140               Hipertensão Sistólica
                         Isolada

•Diabéticos, devem ser tratados para se manter uma pressão arterial < 130/80 mmHg2.
Patologias
Hipertensão Arterial
Fatores de Risco Maiores:

                                     Dislipidemia




                  História
                familiar de                             Tabagismo
                   DCV
                                   Hipertensão
                                     Arterial

                                                    Idade > 60
                              DM                       anos
Patologias
Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2)

• Compreende até 90%-95% de todos os casos diagnosticados
de diabetes.

• Caracteriza- se por defeitos na ação e na continua secreção da insulina pelo
pâncreas.

• O problema está na incapacidade de absorção das células musculares e adiposas.

• Em geral ambos os defeitos estão presentes quando a hiperglicemia se manifesta,
porem pode haver predomínio de um deles.
Patologias
Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2)
Principais Sintomas:

• Infecções freqüentes;

• Alteração visual (visão embaçada);
                                            Projeção   Habitantes no
                                                       mundo
• Dificuldade na cicatrização de feridas;
                                            1985       30 milhões
• Formigamento nos pés;
                                            1995       135 milhões

                                            2002       173 milhões

                                            2030       300 milhões
Patologias
Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2)
FATORES DE RISCO:
                                           -Hipertensão
-Idade 45 anos
                                           -Colesterol da lipoproteína de alta
-Obesidade (IMC 30 kg/m2)                  densidade
                                           -Síndrome do ovário policístico
-Histórico familiar de diabetes
                                           -Histórico de doença vascular
-Inatividade física habitual

-Raça/ etnia

-Glicemia de Jejum e Triglicérides total
alterados anteriormente

-Histórico de diabetes gestacional
Patologias
DM2 associada a Hipertensão arterial

A hipertensão aumenta o risco de complicações micro e
macrovasculares. O risco de eventos coronarianos aumenta 2x no
homem e 4x em mulheres e também aumentam as complicações
renais e retinianas.

A diminuição de 10 mmHg na PAS em diabéticos do tipo 2 reduz em
12% qualquer complicação relacionada ao diabetes, 11% de infarto
de miocárdio e 13% das complicações microvasculares.
Dados do paciente

W.H, Sexo Masculino            Altura: 1,67 cm
71 anos.                       IMC: 28,05


Data de Internação: 27/08/12
                               Circ. Braço: 30 cm
Data de Alta: 04/09/12
                               Cintura: 101 cm


                               Peso Atual: 78kg
Procedente de Santo Amaro
                               Peso Ideal: 61,4 kg
Aposentado e casado.
                               Peso Ajustado: 73,8 kg
DADOS DO PRONTUÁRIO
Trabalhou 22 anos numa laminadora de madeira
Atualmente cuida de 16 pássaros
Não pratica atividade física


Ex-fumante, parou a 8 anos
Mora com a esposa, que é quem prepara suas refeições
Faz uso de temperos industrializados, consome pouco líquido e usa de adoçante.




Dentição completa, mastigação rápida
Hábito intestinal e urinário normais, apresenta boa deglutição e digestão.




Antecedentes familiares: Mãe faleceu com CA de mama e o pai por um derrame.
Faz uso de medicamentos contínuos: Metformina 850 mg e Furosemida: 40 mg.
Exames Laboratoriais
Exame          Resultado          Referência
Glicose        70 mg/dL           70 a 110 mg/dL
Hemácia        4,93 milhões/mm3   4,5 a 6 milhões/mm3
Hemoglobina    13,4 g/dL          13 a 16 g/dL
Hematócrito    41,4               39 a 54
Plaquetas      199 u/L            140 a 400 u/L
Leucócitos     10,700 /mm3        4.300 a 11.000 /mm3
Linfócito      30%                22 a 40%
Eusinófilo     60%                1a5%
Uréia          27 mg/dL           10 a 50 mg/dL
Creatinina     0,85 mg/dL         0,7 a 1,2 mg/dL
Sódio          143 mEq/L          137 A 145 mEq/L
Potássio       1,6 mEq/L          3.5 a 5 mEq/L
Diagnóstico
Diagnóstico Clínico:

Pneomonite de Hipersensibilidade
História Patologia Pregressa: DM2 e Hipertensão

Diagnóstico Nutricional:

O paciente se encontra com sobrepeso, com IMC 28,05(Fonte: IMC
para idosos de Burr, Philips, 1984).
Quadro Clínico
Sinais e Sintomas   Fisiopatologia              Prescrição             Prescrição
                                                Dietoterápica          medicamentosa

Escarro             Aumento da P.A. nas         Consistência
Hematopoiético      veias pulmonares com        branda,
                    ruptura de pequenos         Fracionamento 6 a
                    vasos, acumulando           8 refeições por dia.
                    sangue nos brônquios e
                    excretado na tosse


Hipocalemia         Uso de diurético de alça,   Consistência
                    age na porção inicial do    normal, dieta
                    túbulo contornado distal    Hipercalemica,
                    e aumenta a excreção de     hipossódica(
                    potássio, causando          400mg/dia), Rica
                    hipocalemia.                em fibras( 31g/dia)
                                                e H20.
Sinais e Sintomas   Fisiopatologia              Prescrição            Prescrição
                                                Dietoterápica         medicamentosa
Pressão Arterial    Devido a fatores            Dieta                 -Furosemida
elevada             genéticos, ambientais e     hipossódica(400mg/
                    estilo de vida, o coração   dia),
                    exerce uma força maior      hipolipidica(20% do
                    do que o normal para        VCT), normocalorica,
                    fazer circular o sangue     normoproteica(até
                    através dos vasos           16%). Rica em fibras(
                    sanguíneos                  31g/dia) e H20.
Hiperglicemia       Diminuição da secreção      Dieta, hipoglicídica -Metformina
                    de insulina e ação da       (abaixo de 50% VCT),
                    insulina nas celulas        normocalórica,
                    causa um aumento da         normoproteica( até
                    glicose no sangue.          16%¨VCT),
                                                normolipidica(30 A
                                                35%), Rica em fibras(
                                                31g/dia) e H20.

 Referências Bibliográficas: ANDRADE, Jadelson Pinheiro de; NOBRE,
 Fernando,(2010); ASSUNÇÃO, Ângela Maria Polveiro, (2006); FAZAN
 JúNIOR, Rubens, (2005); LEITE, Mauricio Mello Roux et al., (2008).
CONDUTAS DIETOTERÁPICAS NO
        TRATAMENTO HOSPITALAR
Dieta normal para Diabetes Mellitus tipo 2, PGS e 4g sal.

Objetivo da Dietoterapia:

• Manter o estado nutricional, promover aceitação da dieta.

• A hidratação adequada, oferecer alimentos da sua preferência
seguindo a evolução dietoterápica.

• Controlar a glicemia e hipertensão, e contribuir na medida do
possível com a qualidade de vida.
Necessidades energéticas – dia 03/09
O cálculo de necessidade energética utilizado foi o herris-benedict onde analisa-se as
variáveis: peso, estatura, idade; fator atividade e fator injúria, sendo este escolhido por ser
adequado ao diagnóstico da paciente.


  Fatores                                         Necessidade Energética
  fator atividade: móvel. 1,3                     NE= TMB x fa x fi x ft
  fator injuria: 1,2                              NE =1429,26x1,2x1,3
  fator térmico: ausente.                         NE= 2.229,64
  peso utilizado: peso ajustado 73,8 kg           NE= 2.229,64 Kcal (78) ( 28,5 Kcal/kg/dia)
                                                  fase de recuperação 25 a 30 kcal/kg/dia

  Harris - Benedict                               Necessidades Proteicas
  TMB= 66 + (13,7x P) + (5x E) –(6,8x I)          NP= P x 1,2 g Proteína/dia
  TMB= 66+(13,7x 73,8) + (5x167) –(6,8x71)        NP= 78,3 x 1,2
  TMB= 66+1011,06+835-482,8                       NP= 93,96 g/ptn/dia
  TMB= 1429,26 kcal                               375,84 kcal = 16% de PTN
Exemplo de cardápio para 1 dia
Café da manhã 7:00
Café infusão – 1 xícara (50ml)
Torrada de pão integral – usar duas fatias ( 50g)
Azeite de oliva – 2 colheres de chá ( 20ml)
 Orégano – A gosto
Mamão – 1 fatia grande – 100g

Colação 9:00
Abacate - Metade Média – (120g)
Suco do limão – 1 unidade P – (40ml)
Uva passa – 1 punhado – ( 10g)

Almoço 12:30
Arroz integral 3 colheres de sopa (60g), Carne acém moída 2 CSC (40g) , alho 2 dentes (10g), ½ xíc. de manjericão
(21g), 2 CSC de cebola (28g), 1 concha de feijão preto cozido (86g), 1 tomate Médio (50g), ½ xíc. de agrião(21g),1
unidade pequena de cenoura (30g), suco de abacaxi 1 fatia grande ( 75g), com adoçante 1 colher de chá ( 5ml).

Lanche 14:30
Salada de frutas: ½ unidade de laranja (50g), 2 unidades Kiwi ( 70g), ½ Maça fuji ( 60g), ½ Pera Média ( 50g).
Lanche 16:30
Iogurte desnatado 1 unidade – (200ml), 2 colheres de sopa cheia de granola ( 60g).

Jantar 19:00
Arroz integral 3 colheres de sopa (60g), alho 2 dentes( 10g), ½ xíc. de cebolinha (21g), 1 xíc. de brócolis cru (100g),
1 tomate Médio (50g), 1 prato raso de couve cru ( 22g), 1 unidade de sardinha em conserva ( 100g),

Ceia 21:00
1 banana, 1 colher de sopa de aveia, 1 colher de chá de canela.
Prescrita x Calculada
                                     DISTRIBUIÇÃO DOS MACRONUTRIENTES
                                     Prescrição                                Calculada                 Adequação

     Nutrientes   g/kg/dia        g/dia       Kcal    %VET        g/kg/dia   g/dia         Kcal   %VET      %

     ENERGIA                                2229,64    100                                 2243   100      100,6

         PTN        1,14          89,18     356,74      16          1,14     89,62     358,48      16     100,49

         CHO        4,28          334,4     1337,78     60          4,27     331,29    1325,16     59     100,93

         LIP        0,76          59,45     535,11      24          0,79     62,19     559,71      25      95,59

Nutriente                  Calculada                  Recomendação            Adequação

Fibras                     57,83 g                    20 – 30 g               192,7%
Vit. A                     470,15                     900                     52,23%
Vit. B1                    1,62                       1,2                     135%
Vit. B12                   10,33                      2,4                     430%
Vit. C                     400,22                     90                      444%
Vit. E                     9,44                       15                      62,4%
Ca                         1270                       1000                    127%
Mg                         592,43                     420                     141%
Zn                         11,91 mg                   11                      108,2%
Na                         1196,99                    2400                    49%
K                          5613,16 mg                 5000
Prescrita x Dia usual
                                   DISTRIBUIÇÃO DOS MACRONUTRIENTES
                                   Prescrição                                      Dia usual                  Adequação

     Nutrientes   g/kg/dia      g/dia       Kcal          %VET   g/kg/dia     g/dia            Kcal   %VET       %
     ENERGIA                              2229,64          100                             1906,47    100        85

         PTN        1,14        89,18      356,74          16      1,20       94,28        377,12      19      105,71

         CHO        4,28        334,4     1337,78          60      2,72      212,89        851,89     44,67      63

         LIP        0,76        59,45      535,11          24      0,96       75,31        677,79     35,55    126,66

Nutriente              Calculado Dia usual          Recomendação            Adequação

Fibras                 11,9 g                       20 – 30 g               39,6%
Vit. A                 136,4                        900                     15,5%
Vit. B1                0,58                         1,2                     48,3%
Vit. B12               3,26                         2,4                     135,8%
Vit. C                 100,2                        90                      111,3%
Vit. E                 11,9                         15                      79,3%
Ca                     1260,9                       1000                    126%
Mg                     152,1                        420                     36,2%
Zn                     3,3                          11                      30%
Na                     2092,4                       2400                    87%
K                      1567,8                       5000                    31,5%
Prescrita x Recordatório 24h
                                  DISTRIBUIÇÃO DOS MACRONUTRIENTES
                                  Prescrição                                Recordatório 24h              Adequação

Nutrientes         g/kg/dia    g/dia           Kcal    %VET      g/kg/dia    g/dia        Kcal    %VET       %
ENERGIA                                      2229,64   100                              1833,04   100       82,21

   PTN               1,14      89,18          356,74    16         1,99     155,30       621,2    33,89    174,13

  CHO                4,28      334,4         1337,78    60         2,98     232,58      930,32    50,75     69,54

   LIP               0,76      59,45          535,11    24          0,4      31,28      281,52    15,36     52,6


    Nutriente                 Calculado do R24               Recomendação            Adequação

         Fibras                        23,7                    20 – 30 g                 79%
         Vit. A                    1983,4                        900                    220%
         Vit. B1                       1,21                      1,2                    100,8%
     Vit. B12                          1,51                      2,4                    62,9%
         Vit. C                    315,4                          90                    350%
         Vit. E                        5,8                        15                    38,9%
           Ca                          462                       1000                   46,2%
          Mg                       152,8                         420                    38.2%
           Zn                          4,2                        11                    38,18%
           Na                      2036,8                        2400                   84,8%
           K                       1599,2                        5000                   31,9%
Orientações Nutricionais
-Consumir carnes magras, frango sem pele, retirar a gordura aparente das
carnes;

-Preferir sucos naturais sem açúcar, ingeridos logo após o preparo, para não
perder os nutrientes;

-Consumir frutas e verduras cruas, bem higienizadas;

-Não consumir frituras, optar por preparações assadas, grelhadas ou cozidas;

-Beber muita água durante o dia, de 6 a 8 copos;

-Praticar atividades físicas regulares;

-Temperos como alho, salsa, coentro, cebola, cebolinha, orégano, limão, louro no
lugar do sal;
Orientações Nutricionais
-Ler sempre o rótulo dos alimentos industrializados evitando sódio e cloreto de
sódio.

-Evite consumo excessivo de sal (máximo 4g ao dia, o que eqüivale a 2 colheres
rasas de café);

-Evitar embutido, enlatados, alimentos industrializados, temperos artificiais;

-Alimentos ricos em potássio (natriurético): inhame, feijão preto, lentilha,
abóbora, cenoura, chicória, couve-flor, vagem, espinafre, nabo, rabanete,
abacate, banana, ameixa, laranja, mamão, maracujá;

-Ler sempre o rótulo dos alimentos industrializados evitando sódio e cloreto de
sódio.
Orientações Nutricionais

Saiba a diferença entre Diet e Light.

•   Diet é um termo utilizado para alimentos que devem compor dietas
    específicas emque há necessidade de restrição ou exclusão de algum
    nutriente, tal como o açúcar, gorduras e o colesterol ou ainda o sódio.

•   Já o produto light apresenta baixo valor calórico (redução das calorias de no
    mínimo 25% do valor calórico total do produto original) e deve ter no
    máximo 40 calorias por 100 g de produto sólido ou menos de 20 calorias por
    100 ml em alimentos líquidos.
Referências Bibliográficas
-ANDRADE, Jadelson Pinheiro de; NOBRE, Fernando. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão: Projeto Diretrizes. In: DIRETRIZES BRASILEIRAS DE
HIPERTENSÃO, 6., 2010, Rio de Janeiro.Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Rio de Janeiro: Arq Bras Cardiol, 2010. v. 1, p. 1 - 8.

- ANDRADE, Taise Leite de.Caracterização da associação entre Diabeter Mellitus e Hipertensão Arterial na atenção primária: Estudo quantativo no
município de Jeceaba - MG. 2010. 47 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista) - Curso de Atenção Básica em Saúde da Família, Ufmg, Belo
Horizonte, 2010. Cap. 1.

-ASSUNÇÃO, Ângela Maria Polveiro.HIPOCALEMIA EM PACIENTES COM SÍNDROME DA RESPOSTA DA FASE AGUDA. 2006. 58 f. Tese (Mestrado) -
Curso de Patologia Clínica, Departamento de Patologia Clínica, Uftm, Uberaba, 2006.

-CORRÊA, Gíldisse de Oliveira. Estudo de caso - Câncer no endométrio HAS e DM. 2006. 129 f. Trabalho Dirigido Ao Estágio em Nutrição Clínica
(Especialista) - Curso de Nutrição, Usjt, São Paulo, 2006. Cap. 1.

-FAZAN JúNIOR, Rubens. Variabilidade da Pressão Arterial. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA, 2., 2005, São Paulo. Revista Brasileira de
Hipertensão. São Paulo: Brasilian Jounal Of Hypertension, 2005. p. 1 - 72.

-GAMBA, Mônica Antar et al. Amputações de extremidades inferiores por diabetes mellitus: estudo caso-controle. Revista de Saúde Publica, São
Paulo, v. 3, n. 39, p.399-405, 03 set. 2004.

-LEITE, Mauricio Mello Roux et al. Pneumonite de hipersensibilidade. Revista da Amrigs: Relato de Casos, Porto Alegre, v. 52, n. 4, p.321-326, 08 ago.
2008.

-LUCENA, Joana Bezerra Da Silva.DIABETES MELLITUS TIPO 1 E TIPO 2 São Paulo. 2007. 74 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de
Farmácia, Fmu, São Paulo, 2007.

-NEFROLOGIA, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Sociedade Brasileira de. UM ESTUDO DE CASO SOBRE A EXPERIÊNCIA DA
DOENÇA DE DIABÉTICOS TIPO 2 USUÁRIOS DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE ARAGUARI-MG: Projeto Diretrizes. In: DIRETRIZES,
1., 2004, São Paulo.Diabetes Mellitus: Tratamento da Hipertensão Arterial. São Paulo: Ambcf1, 2004. v. 1, p. 1 - 8.

-REZENDE, Ms. Maria Fernanda da Cunha; SILVA, Dra. Denise Oliveira e. UM ESTUDO DE CASO SOBRE A EXPERIÊNCIA DA DOENÇA DE DIABÉTICOS
TIPO 2 USUÁRIOS DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE ARAGUARI-MG. In: CONGRESSO LUSO AFRO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS
SOCIAIS, Não use números Romanos ou letras, use somente números Arábicos., 2011, Salvador. Estudo de caso. Salvador: Conlab, 2011. v. 1, p. 1 –
16.
Obrigada a todos !!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
resenfe2013
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
Sérgio Franco - CDPI
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
Nome Sobrenome
 
Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
Vanessa Cunha
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
Mel Medina
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
Professor Robson
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
Amanda Thomé
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
ivanaferraz
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
Vanessa Paiva
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
Cíntia Costa
 
Nutrição e diabetes
Nutrição e diabetesNutrição e diabetes
Nutrição e diabetes
FACULDADE ESTACIO DE SÁ
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
Lilian Souza
 
Alimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e HipertensãoAlimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e Hipertensão
Ângela Patrícia Ramos
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
Edvaldo S. Júnior
 
Nutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão ArterialNutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão Arterial
yorana mendes
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
Andréa Dantas
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
Dessa Reis
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
guest30e4af
 

Mais procurados (20)

Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Apresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitusApresentação diabetes mellitus
Apresentação diabetes mellitus
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão
Hipertensão Hipertensão
Hipertensão
 
Hipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes oraisHipoglicemiantes orais
Hipoglicemiantes orais
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?Hipertensão o que é isso?
Hipertensão o que é isso?
 
DIABETES
DIABETESDIABETES
DIABETES
 
Diabetes no Idoso
Diabetes no IdosoDiabetes no Idoso
Diabetes no Idoso
 
Hipertensão Arterial
Hipertensão ArterialHipertensão Arterial
Hipertensão Arterial
 
Obesidade X Sociedade
Obesidade X SociedadeObesidade X Sociedade
Obesidade X Sociedade
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Nutrição e diabetes
Nutrição e diabetesNutrição e diabetes
Nutrição e diabetes
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Alimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e HipertensãoAlimentação saudável e Hipertensão
Alimentação saudável e Hipertensão
 
Alimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vidaAlimentação e qualidade de vida
Alimentação e qualidade de vida
 
Nutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão ArterialNutrição na Hipertensão Arterial
Nutrição na Hipertensão Arterial
 
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃODIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
DIABETE MELLITUS; TRATAMENTO E INTERVENÇÃO
 
Controle da diabetes
Controle da diabetesControle da diabetes
Controle da diabetes
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 

Semelhante a Diabetes 2 e HAS - Um estudo de caso

HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
Amanda Fernandes Carvalho
 
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptxDCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
LarissaNunes853369
 
diabetes
diabetesdiabetes
diabetes
vivianfasp
 
Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
Bioquímica ii 15   síndrome metabólicaBioquímica ii 15   síndrome metabólica
Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
Jucie Vasconcelos
 
Curso 50 ic
Curso 50 icCurso 50 ic
Curso 50 ic
Multiperfileventos
 
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitusPlano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
adrianomedico
 
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VIAula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
Professor Robson
 
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãOFatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
liaalima
 
Seminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitusSeminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitus
Artemosfera Cia de Artes
 
intro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptxintro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptx
GustavoWallace10
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animais
ReginaReiniger
 
Aula Anorexígenos Na Obesidade
Aula Anorexígenos Na ObesidadeAula Anorexígenos Na Obesidade
Aula Anorexígenos Na Obesidade
Fernanda Melo
 
Hipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdfHipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdf
juniorcef
 
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdfAula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Giza Carla Nitz
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
leidianerodrigues35
 
Diagnostico aula 3 obesidade
Diagnostico aula 3 obesidadeDiagnostico aula 3 obesidade
Diagnostico aula 3 obesidade
Guilherme Santos
 
5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx
5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx
5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx
JosMelo71
 
29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico
Thiago Paulino
 
Cbep hf
Cbep   hfCbep   hf
Cbep hf
gisa_legal
 
Doencas da tireoide
Doencas da tireoideDoencas da tireoide
Doencas da tireoide
washington carlos vieira
 

Semelhante a Diabetes 2 e HAS - Um estudo de caso (20)

HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdfHAS e DM- Saúde do idoso.pdf
HAS e DM- Saúde do idoso.pdf
 
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptxDCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
DCNT - DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSIVEIS.pptx
 
diabetes
diabetesdiabetes
diabetes
 
Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
Bioquímica ii 15   síndrome metabólicaBioquímica ii 15   síndrome metabólica
Bioquímica ii 15 síndrome metabólica
 
Curso 50 ic
Curso 50 icCurso 50 ic
Curso 50 ic
 
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitusPlano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
Plano de reorganização da atenção à hipertensão arterial e ao diabetes mellitus
 
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VIAula Síndrome Metabólica Paab VI
Aula Síndrome Metabólica Paab VI
 
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãOFatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
Fatores De Risco Cardiovascular ApresentaçãO
 
Seminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitusSeminário diabetes mellitus
Seminário diabetes mellitus
 
intro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptxintro Diabetes e Obesidade.pptx
intro Diabetes e Obesidade.pptx
 
Principais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animaisPrincipais endocrinopatias em pequenos animais
Principais endocrinopatias em pequenos animais
 
Aula Anorexígenos Na Obesidade
Aula Anorexígenos Na ObesidadeAula Anorexígenos Na Obesidade
Aula Anorexígenos Na Obesidade
 
Hipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdfHipertensao_para_Leigos.pdf
Hipertensao_para_Leigos.pdf
 
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdfAula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
Aula 5 - Doenças Cardiovasculares - HAS.pdf
 
Hipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.pptHipertensao Arterial.ppt
Hipertensao Arterial.ppt
 
Diagnostico aula 3 obesidade
Diagnostico aula 3 obesidadeDiagnostico aula 3 obesidade
Diagnostico aula 3 obesidade
 
5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx
5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx
5 Diabetes_ riscos e benefícios do exercício.ppsx
 
29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico29 04-11 - técnico
29 04-11 - técnico
 
Cbep hf
Cbep   hfCbep   hf
Cbep hf
 
Doencas da tireoide
Doencas da tireoideDoencas da tireoide
Doencas da tireoide
 

Diabetes 2 e HAS - Um estudo de caso

  • 1. Pneomonite de Hipersensibilidade, DM2 e HAS. Estudo de caso 01 W.H Aluna: Tuani Varella Orientadoras: Vânia Passero e Daniele Hermes Disciplina: Estágio supervisionado de Nutrição Clínica Local de estágio: Hospital Regional de São José, 3º andar, Ala B
  • 2. Patologias Pneumonite por hipersensibilidade: • A pneumonite de hipersensibilidade é uma inflamação que atinge os diminutos sacos aéreos (alvéolos) pulmonares e também em volta dos mesmos. • Ela é causada por uma reação alérgica a poeiras orgânicas inaladas ou, menos comumente, a substâncias químicas. Doença Origem das partículas Pulmão de criador de pássaros Dejetos de periquitos, pombos, galinhas.
  • 3. Patologias Hipertensão Arterial Uma definição mais geral da hipertensão é a pressão arterial sanguínea persistentemente elevada. Desenvolvimento: • Interação entre predisposição genética e fatores ambientais. • Alterações funcionais do sistema nervoso autônomo simpático, renais, do sistema renina angiotensina, além de outros mecanismos humorais e disfunção endotelial. • Assim a hipertensão resulta de várias alterações estruturais do sistema cardiovascular que tanto amplificam o estímulo hipertensivo, quanto causam dano cardiovascular.
  • 4. Patologias Hipertensão Arterial PAD (mm Hg) PAS (mm Classificação Hg) < 85 < 130 Normal 85-89 130-139 Normal Limítrofe 90-99 140-159 Hipertensão Leve (estágio 1) 100-109 160-179 Hipertensão Moderada (estágio2) > 110 > 180 Hipertensão Grave (estágio 3) < 90 > 140 Hipertensão Sistólica Isolada •Diabéticos, devem ser tratados para se manter uma pressão arterial < 130/80 mmHg2.
  • 5. Patologias Hipertensão Arterial Fatores de Risco Maiores: Dislipidemia História familiar de Tabagismo DCV Hipertensão Arterial Idade > 60 DM anos
  • 6. Patologias Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2) • Compreende até 90%-95% de todos os casos diagnosticados de diabetes. • Caracteriza- se por defeitos na ação e na continua secreção da insulina pelo pâncreas. • O problema está na incapacidade de absorção das células musculares e adiposas. • Em geral ambos os defeitos estão presentes quando a hiperglicemia se manifesta, porem pode haver predomínio de um deles.
  • 7. Patologias Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2) Principais Sintomas: • Infecções freqüentes; • Alteração visual (visão embaçada); Projeção Habitantes no mundo • Dificuldade na cicatrização de feridas; 1985 30 milhões • Formigamento nos pés; 1995 135 milhões 2002 173 milhões 2030 300 milhões
  • 8. Patologias Diabetes Mellitus Tipo 2 (DM2) FATORES DE RISCO: -Hipertensão -Idade 45 anos -Colesterol da lipoproteína de alta -Obesidade (IMC 30 kg/m2) densidade -Síndrome do ovário policístico -Histórico familiar de diabetes -Histórico de doença vascular -Inatividade física habitual -Raça/ etnia -Glicemia de Jejum e Triglicérides total alterados anteriormente -Histórico de diabetes gestacional
  • 9. Patologias DM2 associada a Hipertensão arterial A hipertensão aumenta o risco de complicações micro e macrovasculares. O risco de eventos coronarianos aumenta 2x no homem e 4x em mulheres e também aumentam as complicações renais e retinianas. A diminuição de 10 mmHg na PAS em diabéticos do tipo 2 reduz em 12% qualquer complicação relacionada ao diabetes, 11% de infarto de miocárdio e 13% das complicações microvasculares.
  • 10. Dados do paciente W.H, Sexo Masculino Altura: 1,67 cm 71 anos. IMC: 28,05 Data de Internação: 27/08/12 Circ. Braço: 30 cm Data de Alta: 04/09/12 Cintura: 101 cm Peso Atual: 78kg Procedente de Santo Amaro Peso Ideal: 61,4 kg Aposentado e casado. Peso Ajustado: 73,8 kg
  • 11. DADOS DO PRONTUÁRIO Trabalhou 22 anos numa laminadora de madeira Atualmente cuida de 16 pássaros Não pratica atividade física Ex-fumante, parou a 8 anos Mora com a esposa, que é quem prepara suas refeições Faz uso de temperos industrializados, consome pouco líquido e usa de adoçante. Dentição completa, mastigação rápida Hábito intestinal e urinário normais, apresenta boa deglutição e digestão. Antecedentes familiares: Mãe faleceu com CA de mama e o pai por um derrame. Faz uso de medicamentos contínuos: Metformina 850 mg e Furosemida: 40 mg.
  • 12. Exames Laboratoriais Exame Resultado Referência Glicose 70 mg/dL 70 a 110 mg/dL Hemácia 4,93 milhões/mm3 4,5 a 6 milhões/mm3 Hemoglobina 13,4 g/dL 13 a 16 g/dL Hematócrito 41,4 39 a 54 Plaquetas 199 u/L 140 a 400 u/L Leucócitos 10,700 /mm3 4.300 a 11.000 /mm3 Linfócito 30% 22 a 40% Eusinófilo 60% 1a5% Uréia 27 mg/dL 10 a 50 mg/dL Creatinina 0,85 mg/dL 0,7 a 1,2 mg/dL Sódio 143 mEq/L 137 A 145 mEq/L Potássio 1,6 mEq/L 3.5 a 5 mEq/L
  • 13. Diagnóstico Diagnóstico Clínico: Pneomonite de Hipersensibilidade História Patologia Pregressa: DM2 e Hipertensão Diagnóstico Nutricional: O paciente se encontra com sobrepeso, com IMC 28,05(Fonte: IMC para idosos de Burr, Philips, 1984).
  • 14. Quadro Clínico Sinais e Sintomas Fisiopatologia Prescrição Prescrição Dietoterápica medicamentosa Escarro Aumento da P.A. nas Consistência Hematopoiético veias pulmonares com branda, ruptura de pequenos Fracionamento 6 a vasos, acumulando 8 refeições por dia. sangue nos brônquios e excretado na tosse Hipocalemia Uso de diurético de alça, Consistência age na porção inicial do normal, dieta túbulo contornado distal Hipercalemica, e aumenta a excreção de hipossódica( potássio, causando 400mg/dia), Rica hipocalemia. em fibras( 31g/dia) e H20.
  • 15. Sinais e Sintomas Fisiopatologia Prescrição Prescrição Dietoterápica medicamentosa Pressão Arterial Devido a fatores Dieta -Furosemida elevada genéticos, ambientais e hipossódica(400mg/ estilo de vida, o coração dia), exerce uma força maior hipolipidica(20% do do que o normal para VCT), normocalorica, fazer circular o sangue normoproteica(até através dos vasos 16%). Rica em fibras( sanguíneos 31g/dia) e H20. Hiperglicemia Diminuição da secreção Dieta, hipoglicídica -Metformina de insulina e ação da (abaixo de 50% VCT), insulina nas celulas normocalórica, causa um aumento da normoproteica( até glicose no sangue. 16%¨VCT), normolipidica(30 A 35%), Rica em fibras( 31g/dia) e H20. Referências Bibliográficas: ANDRADE, Jadelson Pinheiro de; NOBRE, Fernando,(2010); ASSUNÇÃO, Ângela Maria Polveiro, (2006); FAZAN JúNIOR, Rubens, (2005); LEITE, Mauricio Mello Roux et al., (2008).
  • 16. CONDUTAS DIETOTERÁPICAS NO TRATAMENTO HOSPITALAR Dieta normal para Diabetes Mellitus tipo 2, PGS e 4g sal. Objetivo da Dietoterapia: • Manter o estado nutricional, promover aceitação da dieta. • A hidratação adequada, oferecer alimentos da sua preferência seguindo a evolução dietoterápica. • Controlar a glicemia e hipertensão, e contribuir na medida do possível com a qualidade de vida.
  • 17. Necessidades energéticas – dia 03/09 O cálculo de necessidade energética utilizado foi o herris-benedict onde analisa-se as variáveis: peso, estatura, idade; fator atividade e fator injúria, sendo este escolhido por ser adequado ao diagnóstico da paciente. Fatores Necessidade Energética fator atividade: móvel. 1,3 NE= TMB x fa x fi x ft fator injuria: 1,2 NE =1429,26x1,2x1,3 fator térmico: ausente. NE= 2.229,64 peso utilizado: peso ajustado 73,8 kg NE= 2.229,64 Kcal (78) ( 28,5 Kcal/kg/dia) fase de recuperação 25 a 30 kcal/kg/dia Harris - Benedict Necessidades Proteicas TMB= 66 + (13,7x P) + (5x E) –(6,8x I) NP= P x 1,2 g Proteína/dia TMB= 66+(13,7x 73,8) + (5x167) –(6,8x71) NP= 78,3 x 1,2 TMB= 66+1011,06+835-482,8 NP= 93,96 g/ptn/dia TMB= 1429,26 kcal 375,84 kcal = 16% de PTN
  • 18. Exemplo de cardápio para 1 dia Café da manhã 7:00 Café infusão – 1 xícara (50ml) Torrada de pão integral – usar duas fatias ( 50g) Azeite de oliva – 2 colheres de chá ( 20ml) Orégano – A gosto Mamão – 1 fatia grande – 100g Colação 9:00 Abacate - Metade Média – (120g) Suco do limão – 1 unidade P – (40ml) Uva passa – 1 punhado – ( 10g) Almoço 12:30 Arroz integral 3 colheres de sopa (60g), Carne acém moída 2 CSC (40g) , alho 2 dentes (10g), ½ xíc. de manjericão (21g), 2 CSC de cebola (28g), 1 concha de feijão preto cozido (86g), 1 tomate Médio (50g), ½ xíc. de agrião(21g),1 unidade pequena de cenoura (30g), suco de abacaxi 1 fatia grande ( 75g), com adoçante 1 colher de chá ( 5ml). Lanche 14:30 Salada de frutas: ½ unidade de laranja (50g), 2 unidades Kiwi ( 70g), ½ Maça fuji ( 60g), ½ Pera Média ( 50g). Lanche 16:30 Iogurte desnatado 1 unidade – (200ml), 2 colheres de sopa cheia de granola ( 60g). Jantar 19:00 Arroz integral 3 colheres de sopa (60g), alho 2 dentes( 10g), ½ xíc. de cebolinha (21g), 1 xíc. de brócolis cru (100g), 1 tomate Médio (50g), 1 prato raso de couve cru ( 22g), 1 unidade de sardinha em conserva ( 100g), Ceia 21:00 1 banana, 1 colher de sopa de aveia, 1 colher de chá de canela.
  • 19. Prescrita x Calculada DISTRIBUIÇÃO DOS MACRONUTRIENTES Prescrição Calculada Adequação Nutrientes g/kg/dia g/dia Kcal %VET g/kg/dia g/dia Kcal %VET % ENERGIA 2229,64 100 2243 100 100,6 PTN 1,14 89,18 356,74 16 1,14 89,62 358,48 16 100,49 CHO 4,28 334,4 1337,78 60 4,27 331,29 1325,16 59 100,93 LIP 0,76 59,45 535,11 24 0,79 62,19 559,71 25 95,59 Nutriente Calculada Recomendação Adequação Fibras 57,83 g 20 – 30 g 192,7% Vit. A 470,15 900 52,23% Vit. B1 1,62 1,2 135% Vit. B12 10,33 2,4 430% Vit. C 400,22 90 444% Vit. E 9,44 15 62,4% Ca 1270 1000 127% Mg 592,43 420 141% Zn 11,91 mg 11 108,2% Na 1196,99 2400 49% K 5613,16 mg 5000
  • 20. Prescrita x Dia usual DISTRIBUIÇÃO DOS MACRONUTRIENTES Prescrição Dia usual Adequação Nutrientes g/kg/dia g/dia Kcal %VET g/kg/dia g/dia Kcal %VET % ENERGIA 2229,64 100 1906,47 100 85 PTN 1,14 89,18 356,74 16 1,20 94,28 377,12 19 105,71 CHO 4,28 334,4 1337,78 60 2,72 212,89 851,89 44,67 63 LIP 0,76 59,45 535,11 24 0,96 75,31 677,79 35,55 126,66 Nutriente Calculado Dia usual Recomendação Adequação Fibras 11,9 g 20 – 30 g 39,6% Vit. A 136,4 900 15,5% Vit. B1 0,58 1,2 48,3% Vit. B12 3,26 2,4 135,8% Vit. C 100,2 90 111,3% Vit. E 11,9 15 79,3% Ca 1260,9 1000 126% Mg 152,1 420 36,2% Zn 3,3 11 30% Na 2092,4 2400 87% K 1567,8 5000 31,5%
  • 21. Prescrita x Recordatório 24h DISTRIBUIÇÃO DOS MACRONUTRIENTES Prescrição Recordatório 24h Adequação Nutrientes g/kg/dia g/dia Kcal %VET g/kg/dia g/dia Kcal %VET % ENERGIA 2229,64 100 1833,04 100 82,21 PTN 1,14 89,18 356,74 16 1,99 155,30 621,2 33,89 174,13 CHO 4,28 334,4 1337,78 60 2,98 232,58 930,32 50,75 69,54 LIP 0,76 59,45 535,11 24 0,4 31,28 281,52 15,36 52,6 Nutriente Calculado do R24 Recomendação Adequação Fibras 23,7 20 – 30 g 79% Vit. A 1983,4 900 220% Vit. B1 1,21 1,2 100,8% Vit. B12 1,51 2,4 62,9% Vit. C 315,4 90 350% Vit. E 5,8 15 38,9% Ca 462 1000 46,2% Mg 152,8 420 38.2% Zn 4,2 11 38,18% Na 2036,8 2400 84,8% K 1599,2 5000 31,9%
  • 22. Orientações Nutricionais -Consumir carnes magras, frango sem pele, retirar a gordura aparente das carnes; -Preferir sucos naturais sem açúcar, ingeridos logo após o preparo, para não perder os nutrientes; -Consumir frutas e verduras cruas, bem higienizadas; -Não consumir frituras, optar por preparações assadas, grelhadas ou cozidas; -Beber muita água durante o dia, de 6 a 8 copos; -Praticar atividades físicas regulares; -Temperos como alho, salsa, coentro, cebola, cebolinha, orégano, limão, louro no lugar do sal;
  • 23. Orientações Nutricionais -Ler sempre o rótulo dos alimentos industrializados evitando sódio e cloreto de sódio. -Evite consumo excessivo de sal (máximo 4g ao dia, o que eqüivale a 2 colheres rasas de café); -Evitar embutido, enlatados, alimentos industrializados, temperos artificiais; -Alimentos ricos em potássio (natriurético): inhame, feijão preto, lentilha, abóbora, cenoura, chicória, couve-flor, vagem, espinafre, nabo, rabanete, abacate, banana, ameixa, laranja, mamão, maracujá; -Ler sempre o rótulo dos alimentos industrializados evitando sódio e cloreto de sódio.
  • 24. Orientações Nutricionais Saiba a diferença entre Diet e Light. • Diet é um termo utilizado para alimentos que devem compor dietas específicas emque há necessidade de restrição ou exclusão de algum nutriente, tal como o açúcar, gorduras e o colesterol ou ainda o sódio. • Já o produto light apresenta baixo valor calórico (redução das calorias de no mínimo 25% do valor calórico total do produto original) e deve ter no máximo 40 calorias por 100 g de produto sólido ou menos de 20 calorias por 100 ml em alimentos líquidos.
  • 25. Referências Bibliográficas -ANDRADE, Jadelson Pinheiro de; NOBRE, Fernando. Diretrizes Brasileiras de Hipertensão: Projeto Diretrizes. In: DIRETRIZES BRASILEIRAS DE HIPERTENSÃO, 6., 2010, Rio de Janeiro.Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Rio de Janeiro: Arq Bras Cardiol, 2010. v. 1, p. 1 - 8. - ANDRADE, Taise Leite de.Caracterização da associação entre Diabeter Mellitus e Hipertensão Arterial na atenção primária: Estudo quantativo no município de Jeceaba - MG. 2010. 47 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialista) - Curso de Atenção Básica em Saúde da Família, Ufmg, Belo Horizonte, 2010. Cap. 1. -ASSUNÇÃO, Ângela Maria Polveiro.HIPOCALEMIA EM PACIENTES COM SÍNDROME DA RESPOSTA DA FASE AGUDA. 2006. 58 f. Tese (Mestrado) - Curso de Patologia Clínica, Departamento de Patologia Clínica, Uftm, Uberaba, 2006. -CORRÊA, Gíldisse de Oliveira. Estudo de caso - Câncer no endométrio HAS e DM. 2006. 129 f. Trabalho Dirigido Ao Estágio em Nutrição Clínica (Especialista) - Curso de Nutrição, Usjt, São Paulo, 2006. Cap. 1. -FAZAN JúNIOR, Rubens. Variabilidade da Pressão Arterial. In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE CARDIOLOGIA, 2., 2005, São Paulo. Revista Brasileira de Hipertensão. São Paulo: Brasilian Jounal Of Hypertension, 2005. p. 1 - 72. -GAMBA, Mônica Antar et al. Amputações de extremidades inferiores por diabetes mellitus: estudo caso-controle. Revista de Saúde Publica, São Paulo, v. 3, n. 39, p.399-405, 03 set. 2004. -LEITE, Mauricio Mello Roux et al. Pneumonite de hipersensibilidade. Revista da Amrigs: Relato de Casos, Porto Alegre, v. 52, n. 4, p.321-326, 08 ago. 2008. -LUCENA, Joana Bezerra Da Silva.DIABETES MELLITUS TIPO 1 E TIPO 2 São Paulo. 2007. 74 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Curso de Farmácia, Fmu, São Paulo, 2007. -NEFROLOGIA, Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Sociedade Brasileira de. UM ESTUDO DE CASO SOBRE A EXPERIÊNCIA DA DOENÇA DE DIABÉTICOS TIPO 2 USUÁRIOS DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE ARAGUARI-MG: Projeto Diretrizes. In: DIRETRIZES, 1., 2004, São Paulo.Diabetes Mellitus: Tratamento da Hipertensão Arterial. São Paulo: Ambcf1, 2004. v. 1, p. 1 - 8. -REZENDE, Ms. Maria Fernanda da Cunha; SILVA, Dra. Denise Oliveira e. UM ESTUDO DE CASO SOBRE A EXPERIÊNCIA DA DOENÇA DE DIABÉTICOS TIPO 2 USUÁRIOS DE UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DE ARAGUARI-MG. In: CONGRESSO LUSO AFRO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, Não use números Romanos ou letras, use somente números Arábicos., 2011, Salvador. Estudo de caso. Salvador: Conlab, 2011. v. 1, p. 1 – 16.