SlideShare uma empresa Scribd logo
7.1 - Artropodes
Características Gerais
• Do grego arthros, articulação, e
  podos, pé, perna.

• É o filo mais diversificado do planeta.

• Os mais conhecidos são os insetos, crustáceos e
  aracnídeos.
• O sucesso da “estratégia artrópode” é atribuído
  principalmente ao esqueleto corporal externo,

• o exoesqueleto, que protege o corpo do animal
  como uma armadura articulada.
• Simetria bilateral.

• Celomados e com sistema digestório completo.

• Corpo segmentado.

• Na maioria dos artrópodes, ocorre a fusão de
  alguns segmentos
Classificação
• A classificação dos artrópodes reflete a grande
  diversidade do filo. O que veremos a seguir é uma
  simplificação desta classificação, na qual os
  artrópodes atuais podem ser divididos em:

•   Classe Insecta
•   Classe Arachnida
•   Classe Crustacea
•   Classe Chilopoda
•   Classe Diplopoda
Exoesqueleto
• O exoesqueleto é constituído de quitina

• A quitina é impregnada com grande quantidade de sais
  de cálcio, mas se mantém fina e flexível

• Ela    é    rígida   e     impermeável,     proporciona
  sustentação, proteção e atua contra a desidratação, uma
  importante adaptação à vida em meio terrestre.
Capítulo 07   invertebrados II
• Entretanto, o exoesqueleto é inflexível, e reveste
  completamente todo o corpo. Isso limita o crescimento
  do animal.

• Para que um artrópode possa crescer, o esqueleto antigo
  deve ser periodicamente eliminado e substituído por
  outro mais novo e maior.

• Esse processo é chamado de muda ou ecdise.
Capítulo 07   invertebrados II
Gráfico do crescimento de um
          artrópode
Sistema digestório
Respiração
Circulação
• O sistema circulatório dos artrópodes é do tipo
  aberto, no qual o sangue deixa os vasos e passa a fluir
  por espaços livres entre os tecidos,

• O coração muscular fica situado dorsalmente e bombeia
  o sangue para todo o corpo.
Sistema nervoso
Reprodução
• Os artrópodes, em geral, são dióicos.

• A maioria das formas apresenta estágio
  larval, sendo o estágio adulto atingido através de
  metamorfose.
7.2 – Classe Insecta
Características gerais
• Têm o corpo dividido        em 3 segmentos:
  cabeça, tórax e abdome.

• Apresentam 1 par de antenas e 3 pares de patas.

• Podem ter asas, sendo os únicos invertebrados
  capazes de voar.

• Representam cerca de 90% de todos os
  artrópodes (aproximadamente 900 mil espécies).
Capítulo 07   invertebrados II
Aparelho Bucal
• Na boca, podemos encontrar 3 tipos de aparelhos
  bucais:

  – Picador: No caso dos mosquitos e piolhos;

  – Mastigador      (ou    triturador):   no    caso   de
    gafanhotos, grilos, baratas e besouros:

  – Lambedor (ou sugador): No caso de abelhas, moscas e
    borboletas.
Capítulo 07   invertebrados II
Caracterização dos insetos

• O tórax, importante para a locomoção, onde
  teremos em anexo, 3 pares de patas e geralmente
  2 pares de asas (ou apenas um par ou nenhum).

• O abdome abriga os órgãos vitais do inseto (da
  digestão e excreção e reprodutores).
Classe insecta
Metamorfose nos insetos
• Chama-se metamorfose o conjunto de transformações
  externas e internas que o inseto sofre desde o ovo até o
  estágio adulto.
Os insetos e o ser humano
• Aspectos positivos
  – Algumas espécies têm papel fundamental na
    polinização de flores. Ex: abelhas.
  – Muitos insetos são usados em técnicas de controle
    biológico, auxiliam o homem no combate a espécies
    nocivas. Ex: joaninha.

• Aspectos negativos
  – Ataque a plantações. Exs: bicudo, pulgão, etc.
  – Transmissão de doenças.
  – Prejuízos domésticos. Exs: traças, cupins.
7.3 – Classe Crustacea
Crustáceos
• Os crustáceos são caracterizados principalmente
  pelo corpo protegido por uma crosta formada
  pelo exoesqueleto quitinoso (casca de camarão)

• Pode também ser impregnada de sais calcários
  (casca de siri).
Características dos crustáceos
• Divisão do corpo em dois segmentos: o
  cefalotórax (cabeça e tórax) e o abdome.
• Presença de dois pares de antenas

• Olhos pedunculados

• Número de patas variável de acordo com as
  espécies.
Patas Natatórias
Patas Andadoras
• Respiração realizada por brânquias

• Circulação aberta

• Reprodução sexuada e evolução por etapas com
  mudas periódicas.
Habitat dos crustáceos
• São         animais         predominantemente
  aquáticos, marinhos e de água doce.

• Podem viver na areia das faixas litorâneas
  (caranguejo), em terra úmida(tatuzinho-de-
  jardim), e algumas espécies, como as
  cracas, vivem fixas às rochas, pilares de
  pontes, cascos de navios, etc.
7.4 – Classe Aracnida
Aracnídeos
• Esta classe compreende artrópodes que são
  confundidos com os insetos. Mas distinguem-se
  deles nitidamente pela divisão do corpo, pelo
  número de patas e pela ausência de antenas.

• Nos aracnídeos, são englobados as aranhas, os
  escorpiões, os carrapatos, os pseudo-escorpiões e
  os opiliões.
Capítulo 07   invertebrados II
Características Gerais
• Principais características

  – Corpo dividido em cefalotórax e abdome

  – Possuem quatro pares de patas

  – Ausência de antenas

  – Presença de palpos (apêndices semelhantes a
    patas, mas sem finalidade de locomoção; servem para
    prender vítimas e alimentos ou possuem função
    sexual).
• Principais características

  – Muitas espécies venenosas e perigosas. Outras são
    parasitas (sarna, acne, carrapatos), ocorrendo, através
    de algumas, a transmissão de doenças infecto-
    contagiosas.

  – São     a    maioria     terrestres,    vivendo   sob
    troncos, pedras, buracos no solo, em vários
    habitats, desde o nível do mar até altas montanhas.
• Araneídeos

  – Engloba todas as aranhas,

  – Corpo com cefalotórax.

  – Possuem quelíceras na boca (partes que injetam
    veneno)

  – Pulmões foliáceos ou pulmões-livro,
– Algumas produzem teia.

– Outras são errantes e vivem em buracos no solo ou
  sob pedras e paus podres. Habitam todos os
  climas, desde as praias, os desertos e as florestas até
  as montanhas,

– Há espécies com veneno de ação dolorosa, necrosante
  e, às vezes, mortal.
Aracnídeos




Quelíceras
                                   Palpos
                          Fiandeiras
• Escorpinídeos

  – O corpo é dividido em cefalotórax e abdome

  – Cefalotórax - onde se localizam as quelíceras, que
    servem para triturar o alimento, os pedipalpos, atuam
    como pinças preensoras, e quatro pares de patas.

  – Abdome - localizam-se as glândulas de veneno, numa
    dilatação denominada télson, portadora do aguilhão.

  – Respiração por traquéias.
– Comuns nos locais de clima quente ou temperado. Há
  diversas espécies com dimensões e coloridos muito
  variados.
– As espécies mais comuns são o Tytius bahiensis
  (escorpião preto) e o Tytius serrulatus (escorpião
  amarelo).
Capítulo 07   invertebrados II
Outros aracnídeos
• Os ácaros compreendem pequenos artrópodes de
  corpo mal delimitado, pois o cefalotórax e o
  abdome parecem fundidos

• Parasitam animais diversos, inclusive o homem.
  Ex: Sarcoptes scabiei (causador da sarna)
• Entre os ácaros hematófagos estão os
  carrapatos, que sugam o sangue de animais
  selvagens e domésticos e também do homem.
• Opiliões

• Artrópodes frágeis, com certa semelhança com as
  aranhas, mas dotado de corpo muito pequeno e
  pernas exageradamente longas.

• Inofensivos.

• Vivem em cantos das casas e nos banheiros
  velhos.
Opilião
Ácaros
Aranhas


• ESPÉCIES PERIGOSAS
         Phoneutria nigriventer (aranha armadeira) :

  – Coloração marrom, com pares de manchas ao longo
    da parte dorsal do abdômen; possuem oito olhos em
    três filas: 2:4:2; de 4 a 5 cm de corpo, podendo atingir
    até 12 cm, incluindo as pernas. Vivem em
    bananeiras, sob troncos caídos, bem como, próximo e
    dentro das moradias; não fazem teia e assumem
    posição de defesa quando se sentem ameaçadas.
Aranhas
• Loxosceles spp (aranha marrom) :

  – coloração marrom avermelhado; cefalotórax achatado;
    seis olhos em três pares; apresentam até 1 cm de
    corpo e 3 a 4cm incluindo as pernas. Costumam alojar-
    se em fendas de barrancos, pilhas de
    telhas, cavernas, sob cascas de árvores, bem
    como, próximo e dentro das moradias.
Capítulo 07   invertebrados II
ARANHAS
• Latrodectus curacaviensis (viúva-negra):

  – conhecida como flamenguinha e aranha barriga
    vermelha. Possui abdômen globoso de coloração preta
    com faixas vermelhas e, por vezes, alaranjada;
    apresenta no ventre uma mancha vermelha em forma
    de ampulheta; oito olhos em duas filas: 4:4; fêmeas
    com 1 cm de tamanho; machos muito menores com
    apenas alguns milímetros de corpo; constroem teias
    em        áreas     de      plantações,       vegetação
    rasteira,     sauveiros,     cupinzeiros,      materiais
    empilhados, objetos descartados, montes de
    lenha, beiras de barrancos e no interior das moradias.
ARANHAS
• Latrodectus curacaviensis (viúva-negra):
Quilópodes
• Conhecidos como lacraias ou centopéias, os
  quilópodes são animais terrestres agressivos. Seu
  veneno é muito doloroso.

• Têm corpo segmentado em numeroso anéis, nos
  quais se prendem as patas articuladas (um par
  para cada segmento).

• A divisão do corpo é simples, compreendendo
  apenas a cabeça e o tronco.
Quilópodes
• Além do par de antenas, a cabeça é dotada de
  ferrões para a inoculação de veneno e um par de
  olhos simples.

• Na extremidade posterior do tronco, observa-se
  um     par    de     apêndices    que   simulam
  ferrões, freqüentemente enganando animais, que
  acham ali é o órgão injetor da peçonha.

• São dotados de sistema digestivo completo.

• Carnívoros, alimentam-se de insetos diversos.
Quilópodes
Diplópodes
• Conhecidos como gongolôs, embuás ou piolhos-
  de-cobra, são artrópodes terrestres.
• O corpo dividido em cabeça, um pequeno tórax e
  um abdome longo.
• Além de um par de antenas, a cabeça é dotada de
  peças bucais e dois ocelos.
• Possuem dois pares de patas em cada anel.
• São todos inofensivos, já que não possuem
  glândulas secretoras de peçonha.
• Vivem em buracos no solo. Enroscam-se quando
  agredidos.
Diferenciação entre quilópodes e
             diplópodes
       Quilópodes                     Diplópodes
• Apresentam movimentos        • Apresentam movimentos
  rápidos;                       lentos;
• São carnívoros;              • São herbívoros;
• Têm um par de antenas        • Têm um par de antenas
  longas;                        curtas;
• Produzem veneno;             • Não produzem veneno;
• Dotados de patas longas;     • Dotados de patas curtas;
• Incapazes de enrolar-se;     • Capazes de enrolar-se em
• Corpo mais achatado;           espiral;
• Menor      número       de   • Corpo mais circular;
  segmentos.                   • Maior número de
                                 segmentos.
Diferenciação das classes
Doenças
Berne
• O local de infecção fica
  suscetível a entrada de
  oportunistas: bactérias
• A infecção normalmente
  é benigna (inflamação
  localizada)
          (larva biontófaga)
Tratamento
• Passar uma camada de substância pastosa no topo do berne,
  ou remoção cirúrgica.
• Eventualmente, aplicação de um antibiotico
Doença: Bicheira
   Moscas varejeiras:
   Cochliomyia hominivorax (biontófaga)
   Cochliomyia macellaria (necrobiontófaga)
Capítulo 07   invertebrados II
Patogenia
• Larvas secretam enzimas proteolíticas
• Ferimento aumenta de tamanho
• Decomposição de material no ferimento

                  Atrai moscas




     Miíases secundárias    Miíases por necrobiontófagas
                            (Cochliomyia macellaria)
Tratamento:

•Limpar ferimento (com anestesia local)
•Remoção individual dos vermes (CAVE:          fluido
 corporal tóxico!)
•Aconselhavel: Aplicação de um antibiótico,

Controle:

•Zoonose: Tratamento também dos animais!
•Manipulações em gado (castração/descornas) no
 inverno
•Tratamento do gado com Ivermectina/Doramectina
 para diminuir a densidade populacional das moscas
– tratamento pode ser vantajoso no caso de
  resistência a antibióticos

– utilização larvas

– úlceras crônicas: pé diabético, estase venosa
  (forma de terapia milenar)
Bicho de pé

                              – pulga da areia
                              – “bicho do pé” ou
                                “bicho do porco”,
                                hospedeiro usual é o
                                porco (mas ataca
                                gatos, cachorros e
                                seres humanos)

As lesões passam a ser porta de entrada de micróbios como
Clostridium tetani (tétano).
Piolhos
Piolhos: habitats

•Pediculus capitis : cabeça
•P. humanus: na roupa, em áreas protegidas do
 corpo
•Pthirus pubis (ou “chato”): predominantemente
 na área pubiana.
•Os ovos são depositados em fios de cabelo ou de
 roupas
•Ciclo evolutivo: após 10 dias, a larva eclode do
 ovo e começa sugar sangue, estádio ninfa, após 14
 dias ficam maduros
Ácaros
• Carrapatos

  ‒ Podem transmitir febre maculosa em bovinos e seres
  humanos.
  ‒ Podem desencadear alergias em seres humanos
Ácaros
 Sarcoptes scabiei
 Doença:
 Escabiose ou Sarna


• Cosmopolita, democrático          dorsal      ventral
• 300 milhões de casos
• parasita de seres humanos e outros mamíferos (existem
  variedades com diferentes preferências: S. scabiei canis,
  S. scabiei cuniculi, S. scabiei ovis etc.)
Capítulo 07   invertebrados II

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

7º ano cap 23 mamíferos
7º ano cap 23  mamíferos7º ano cap 23  mamíferos
7º ano cap 23 mamíferos
ISJ
 
Ap amphibia
Ap amphibiaAp amphibia
Ap amphibia
henriqueneto
 
Noções de Química orgânica
Noções de Química orgânicaNoções de Química orgânica
Noções de Química orgânica
Giovanna Stefanello
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
Ana Maciel
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
3a-manha
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
Rebeca Vale
 
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochasRochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
s1lv1alouro
 
Fisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universo
Fisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universoFisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universo
Fisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universo
Olbera
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Carla Brígida
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
Arminda Malho
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
Lucas Castro
 
A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]
Roberto Bagatini
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
Bio
 
Mollusca para floresta
Mollusca para florestaMollusca para floresta
Filogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da VidaFilogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da Vida
Anderson Carvalho
 
Atividade avaliativa de biologia 1 ano
Atividade avaliativa de biologia 1 anoAtividade avaliativa de biologia 1 ano
Atividade avaliativa de biologia 1 ano
Fernanda Cruz DE Araújo
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
GabrielaMansur
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
Bio
 
Fisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos EstômatosFisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos Estômatos
Dailson Oliveira
 
Algas
AlgasAlgas

Mais procurados (20)

7º ano cap 23 mamíferos
7º ano cap 23  mamíferos7º ano cap 23  mamíferos
7º ano cap 23 mamíferos
 
Ap amphibia
Ap amphibiaAp amphibia
Ap amphibia
 
Noções de Química orgânica
Noções de Química orgânicaNoções de Química orgânica
Noções de Química orgânica
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
II.4 Reino Fungi
II.4 Reino FungiII.4 Reino Fungi
II.4 Reino Fungi
 
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochasRochas metamórficas e ciclo das rochas
Rochas metamórficas e ciclo das rochas
 
Fisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universo
Fisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universoFisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universo
Fisico-quimica 7ºano - Quimica e distâncias no universo
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Filo Mollusca
Filo MolluscaFilo Mollusca
Filo Mollusca
 
A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]A composição química dos seres vivos[1]
A composição química dos seres vivos[1]
 
Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1Cnidários ( Power Point ) 1
Cnidários ( Power Point ) 1
 
Mollusca para floresta
Mollusca para florestaMollusca para floresta
Mollusca para floresta
 
Filogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da VidaFilogenia e a Árvore da Vida
Filogenia e a Árvore da Vida
 
Atividade avaliativa de biologia 1 ano
Atividade avaliativa de biologia 1 anoAtividade avaliativa de biologia 1 ano
Atividade avaliativa de biologia 1 ano
 
Nematelmintos
NematelmintosNematelmintos
Nematelmintos
 
Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)Filo Nematoda (Power Point)
Filo Nematoda (Power Point)
 
Fisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos EstômatosFisiologia dos Estômatos
Fisiologia dos Estômatos
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 

Destaque

Capítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas ICapítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas I
Igor Brant
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Igor Brant
 
Capítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrinoCapítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrino
Igor Brant
 
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebradosCapítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Igor Brant
 
Capítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados ICapítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados I
Igor Brant
 
Capítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados IICapítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados II
Igor Brant
 
Capítulo 06 invertebrados I
Capítulo 06   invertebrados ICapítulo 06   invertebrados I
Capítulo 06 invertebrados I
Igor Brant
 
Capítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascularCapítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascular
Igor Brant
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Capítulo 03 sistema respiratório
Capítulo 03   sistema respiratórioCapítulo 03   sistema respiratório
Capítulo 03 sistema respiratório
Igor Brant
 
Capítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas IICapítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas II
Igor Brant
 
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriaisCapítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Igor Brant
 
Enzimas slid
Enzimas slidEnzimas slid
Enzimas slid
Porquinhabranca
 
Capítulo 01 a água e os seres vivos
Capítulo 01   a água e os seres vivosCapítulo 01   a água e os seres vivos
Capítulo 01 a água e os seres vivos
Igor Brant
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinário
Igor Brant
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
krirocha
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
Gabii Cardoso
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Igor Brant
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
Adna Myrella
 
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genéticaCapítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Igor Brant
 

Destaque (20)

Capítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas ICapítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas I
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
 
Capítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrinoCapítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrino
 
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebradosCapítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
 
Capítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados ICapítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados I
 
Capítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados IICapítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados II
 
Capítulo 06 invertebrados I
Capítulo 06   invertebrados ICapítulo 06   invertebrados I
Capítulo 06 invertebrados I
 
Capítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascularCapítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascular
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Capítulo 03 sistema respiratório
Capítulo 03   sistema respiratórioCapítulo 03   sistema respiratório
Capítulo 03 sistema respiratório
 
Capítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas IICapítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas II
 
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriaisCapítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
 
Enzimas slid
Enzimas slidEnzimas slid
Enzimas slid
 
Capítulo 01 a água e os seres vivos
Capítulo 01   a água e os seres vivosCapítulo 01   a água e os seres vivos
Capítulo 01 a água e os seres vivos
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinário
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
 
Enzimas
Enzimas Enzimas
Enzimas
 
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genéticaCapítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
 

Semelhante a Capítulo 07 invertebrados II

Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
tenenteleu123
 
Arthropoda 2
Arthropoda 2Arthropoda 2
Arthropoda 2
Fabio Santos Nery
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
deisebdias
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
Iuri Fretta Wiggers
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
Universidade Estadual de Maringá
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
jrz758
 
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
Joseane Pasini CB
 
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdfMÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
KotomiUzumaki
 
MÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptx
MÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptxMÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptx
MÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptx
MarcianaClaudioClaud
 
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Filipe Augusto Gonçalves de Melo
 
Aracnídeos
AracnídeosAracnídeos
Aracnídeos
Pedro Klein Garcia
 
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermosAnelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
amollaop
 
Arthropoda 1
Arthropoda 1Arthropoda 1
Arthropoda 1
Fabio Santos Nery
 
Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017
colegiodesafio
 
3 cordados
3 cordados3 cordados
Aracnídeos (2)
Aracnídeos (2)Aracnídeos (2)
Aracnídeos (2)
Melissa Neiva
 
Os vertebrados
Os vertebradosOs vertebrados
Os vertebrados
empaul_harris
 
Repteis 1210541306169163-9
Repteis 1210541306169163-9Repteis 1210541306169163-9
Repteis 1210541306169163-9
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
classe insecta.Bio
classe insecta.Bioclasse insecta.Bio
classe insecta.Bio
Malu Anacleto
 
Repteis
RepteisRepteis

Semelhante a Capítulo 07 invertebrados II (20)

Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Arthropoda 2
Arthropoda 2Arthropoda 2
Arthropoda 2
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Resumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo ArtrópodesResumo: Filo Artrópodes
Resumo: Filo Artrópodes
 
Artrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermosArtrópodes e equinodermos
Artrópodes e equinodermos
 
Artrópodos
ArtrópodosArtrópodos
Artrópodos
 
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdfMÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
 
MÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptx
MÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptxMÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptx
MÓDULO-19-E-20-ZOO ARTRÓPODES-22.08.16.pptx
 
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
 
Aracnídeos
AracnídeosAracnídeos
Aracnídeos
 
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermosAnelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
Anelídeos, moluscos, artrópodes, equinodermos
 
Arthropoda 1
Arthropoda 1Arthropoda 1
Arthropoda 1
 
Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017Aula de-artropodes 2017
Aula de-artropodes 2017
 
3 cordados
3 cordados3 cordados
3 cordados
 
Aracnídeos (2)
Aracnídeos (2)Aracnídeos (2)
Aracnídeos (2)
 
Os vertebrados
Os vertebradosOs vertebrados
Os vertebrados
 
Repteis 1210541306169163-9
Repteis 1210541306169163-9Repteis 1210541306169163-9
Repteis 1210541306169163-9
 
classe insecta.Bio
classe insecta.Bioclasse insecta.Bio
classe insecta.Bio
 
Repteis
RepteisRepteis
Repteis
 

Mais de Igor Brant

Prática 19
Prática 19Prática 19
Prática 19
Igor Brant
 
Capítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terraCapítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terra
Igor Brant
 
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidosCapítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Igor Brant
 
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03   reinos monera, fungo e protistaCapítulo 03   reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Igor Brant
 
Capítulo 03 matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03   matéria; transformações e estruturaCapítulo 03   matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03 matéria; transformações e estrutura
Igor Brant
 
Capítulo 06 a atmosfera
Capítulo 06   a atmosferaCapítulo 06   a atmosfera
Capítulo 06 a atmosfera
Igor Brant
 
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
Capítulo 02  alimentos e sistema digestórioCapítulo 02  alimentos e sistema digestório
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
Igor Brant
 
Capítulo 01 o corpo humano
Capítulo 01   o corpo humanoCapítulo 01   o corpo humano
Capítulo 01 o corpo humano
Igor Brant
 
Capítulo 07: o ar e os seres vivos
Capítulo 07: o ar e os seres vivosCapítulo 07: o ar e os seres vivos
Capítulo 07: o ar e os seres vivos
Igor Brant
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Igor Brant
 
Capítulo 02 a matéria; objeto de estudo da química
Capítulo 02   a matéria; objeto de estudo da químicaCapítulo 02   a matéria; objeto de estudo da química
Capítulo 02 a matéria; objeto de estudo da química
Igor Brant
 
Capítulo 01 introdução ao trabalho científico
Capítulo 01   introdução ao trabalho científicoCapítulo 01   introdução ao trabalho científico
Capítulo 01 introdução ao trabalho científico
Igor Brant
 
Capítulo 01 ecologia
Capítulo 01   ecologiaCapítulo 01   ecologia
Capítulo 01 ecologia
Igor Brant
 
Capítulo 02 classificação dos seres vivos
Capítulo 02   classificação dos seres vivosCapítulo 02   classificação dos seres vivos
Capítulo 02 classificação dos seres vivos
Igor Brant
 
Capítulo 04 a estrutura da terra
Capítulo 04   a estrutura da terraCapítulo 04   a estrutura da terra
Capítulo 04 a estrutura da terra
Igor Brant
 

Mais de Igor Brant (15)

Prática 19
Prática 19Prática 19
Prática 19
 
Capítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terraCapítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terra
 
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidosCapítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
 
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03   reinos monera, fungo e protistaCapítulo 03   reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
 
Capítulo 03 matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03   matéria; transformações e estruturaCapítulo 03   matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03 matéria; transformações e estrutura
 
Capítulo 06 a atmosfera
Capítulo 06   a atmosferaCapítulo 06   a atmosfera
Capítulo 06 a atmosfera
 
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
Capítulo 02  alimentos e sistema digestórioCapítulo 02  alimentos e sistema digestório
Capítulo 02 alimentos e sistema digestório
 
Capítulo 01 o corpo humano
Capítulo 01   o corpo humanoCapítulo 01   o corpo humano
Capítulo 01 o corpo humano
 
Capítulo 07: o ar e os seres vivos
Capítulo 07: o ar e os seres vivosCapítulo 07: o ar e os seres vivos
Capítulo 07: o ar e os seres vivos
 
Capítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do soloCapítulo 05: uso sustentável do solo
Capítulo 05: uso sustentável do solo
 
Capítulo 02 a matéria; objeto de estudo da química
Capítulo 02   a matéria; objeto de estudo da químicaCapítulo 02   a matéria; objeto de estudo da química
Capítulo 02 a matéria; objeto de estudo da química
 
Capítulo 01 introdução ao trabalho científico
Capítulo 01   introdução ao trabalho científicoCapítulo 01   introdução ao trabalho científico
Capítulo 01 introdução ao trabalho científico
 
Capítulo 01 ecologia
Capítulo 01   ecologiaCapítulo 01   ecologia
Capítulo 01 ecologia
 
Capítulo 02 classificação dos seres vivos
Capítulo 02   classificação dos seres vivosCapítulo 02   classificação dos seres vivos
Capítulo 02 classificação dos seres vivos
 
Capítulo 04 a estrutura da terra
Capítulo 04   a estrutura da terraCapítulo 04   a estrutura da terra
Capítulo 04 a estrutura da terra
 

Último

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
helenawaya9
 

Último (20)

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Festa dos Finalistas .
Festa dos Finalistas                    .Festa dos Finalistas                    .
Festa dos Finalistas .
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptxAdministração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
Administração Em Enfermagem.pptx caala - Cópia-1.pptx
 

Capítulo 07 invertebrados II

  • 2. Características Gerais • Do grego arthros, articulação, e podos, pé, perna. • É o filo mais diversificado do planeta. • Os mais conhecidos são os insetos, crustáceos e aracnídeos.
  • 3. • O sucesso da “estratégia artrópode” é atribuído principalmente ao esqueleto corporal externo, • o exoesqueleto, que protege o corpo do animal como uma armadura articulada.
  • 4. • Simetria bilateral. • Celomados e com sistema digestório completo. • Corpo segmentado. • Na maioria dos artrópodes, ocorre a fusão de alguns segmentos
  • 5. Classificação • A classificação dos artrópodes reflete a grande diversidade do filo. O que veremos a seguir é uma simplificação desta classificação, na qual os artrópodes atuais podem ser divididos em: • Classe Insecta • Classe Arachnida • Classe Crustacea • Classe Chilopoda • Classe Diplopoda
  • 6. Exoesqueleto • O exoesqueleto é constituído de quitina • A quitina é impregnada com grande quantidade de sais de cálcio, mas se mantém fina e flexível • Ela é rígida e impermeável, proporciona sustentação, proteção e atua contra a desidratação, uma importante adaptação à vida em meio terrestre.
  • 8. • Entretanto, o exoesqueleto é inflexível, e reveste completamente todo o corpo. Isso limita o crescimento do animal. • Para que um artrópode possa crescer, o esqueleto antigo deve ser periodicamente eliminado e substituído por outro mais novo e maior. • Esse processo é chamado de muda ou ecdise.
  • 10. Gráfico do crescimento de um artrópode
  • 13. Circulação • O sistema circulatório dos artrópodes é do tipo aberto, no qual o sangue deixa os vasos e passa a fluir por espaços livres entre os tecidos, • O coração muscular fica situado dorsalmente e bombeia o sangue para todo o corpo.
  • 15. Reprodução • Os artrópodes, em geral, são dióicos. • A maioria das formas apresenta estágio larval, sendo o estágio adulto atingido através de metamorfose.
  • 16. 7.2 – Classe Insecta
  • 17. Características gerais • Têm o corpo dividido em 3 segmentos: cabeça, tórax e abdome. • Apresentam 1 par de antenas e 3 pares de patas. • Podem ter asas, sendo os únicos invertebrados capazes de voar. • Representam cerca de 90% de todos os artrópodes (aproximadamente 900 mil espécies).
  • 19. Aparelho Bucal • Na boca, podemos encontrar 3 tipos de aparelhos bucais: – Picador: No caso dos mosquitos e piolhos; – Mastigador (ou triturador): no caso de gafanhotos, grilos, baratas e besouros: – Lambedor (ou sugador): No caso de abelhas, moscas e borboletas.
  • 21. Caracterização dos insetos • O tórax, importante para a locomoção, onde teremos em anexo, 3 pares de patas e geralmente 2 pares de asas (ou apenas um par ou nenhum). • O abdome abriga os órgãos vitais do inseto (da digestão e excreção e reprodutores).
  • 23. Metamorfose nos insetos • Chama-se metamorfose o conjunto de transformações externas e internas que o inseto sofre desde o ovo até o estágio adulto.
  • 24. Os insetos e o ser humano • Aspectos positivos – Algumas espécies têm papel fundamental na polinização de flores. Ex: abelhas. – Muitos insetos são usados em técnicas de controle biológico, auxiliam o homem no combate a espécies nocivas. Ex: joaninha. • Aspectos negativos – Ataque a plantações. Exs: bicudo, pulgão, etc. – Transmissão de doenças. – Prejuízos domésticos. Exs: traças, cupins.
  • 25. 7.3 – Classe Crustacea
  • 26. Crustáceos • Os crustáceos são caracterizados principalmente pelo corpo protegido por uma crosta formada pelo exoesqueleto quitinoso (casca de camarão) • Pode também ser impregnada de sais calcários (casca de siri).
  • 27. Características dos crustáceos • Divisão do corpo em dois segmentos: o cefalotórax (cabeça e tórax) e o abdome. • Presença de dois pares de antenas • Olhos pedunculados • Número de patas variável de acordo com as espécies.
  • 29. • Respiração realizada por brânquias • Circulação aberta • Reprodução sexuada e evolução por etapas com mudas periódicas.
  • 30. Habitat dos crustáceos • São animais predominantemente aquáticos, marinhos e de água doce. • Podem viver na areia das faixas litorâneas (caranguejo), em terra úmida(tatuzinho-de- jardim), e algumas espécies, como as cracas, vivem fixas às rochas, pilares de pontes, cascos de navios, etc.
  • 31. 7.4 – Classe Aracnida
  • 32. Aracnídeos • Esta classe compreende artrópodes que são confundidos com os insetos. Mas distinguem-se deles nitidamente pela divisão do corpo, pelo número de patas e pela ausência de antenas. • Nos aracnídeos, são englobados as aranhas, os escorpiões, os carrapatos, os pseudo-escorpiões e os opiliões.
  • 34. Características Gerais • Principais características – Corpo dividido em cefalotórax e abdome – Possuem quatro pares de patas – Ausência de antenas – Presença de palpos (apêndices semelhantes a patas, mas sem finalidade de locomoção; servem para prender vítimas e alimentos ou possuem função sexual).
  • 35. • Principais características – Muitas espécies venenosas e perigosas. Outras são parasitas (sarna, acne, carrapatos), ocorrendo, através de algumas, a transmissão de doenças infecto- contagiosas. – São a maioria terrestres, vivendo sob troncos, pedras, buracos no solo, em vários habitats, desde o nível do mar até altas montanhas.
  • 36. • Araneídeos – Engloba todas as aranhas, – Corpo com cefalotórax. – Possuem quelíceras na boca (partes que injetam veneno) – Pulmões foliáceos ou pulmões-livro,
  • 37. – Algumas produzem teia. – Outras são errantes e vivem em buracos no solo ou sob pedras e paus podres. Habitam todos os climas, desde as praias, os desertos e as florestas até as montanhas, – Há espécies com veneno de ação dolorosa, necrosante e, às vezes, mortal.
  • 38. Aracnídeos Quelíceras Palpos Fiandeiras
  • 39. • Escorpinídeos – O corpo é dividido em cefalotórax e abdome – Cefalotórax - onde se localizam as quelíceras, que servem para triturar o alimento, os pedipalpos, atuam como pinças preensoras, e quatro pares de patas. – Abdome - localizam-se as glândulas de veneno, numa dilatação denominada télson, portadora do aguilhão. – Respiração por traquéias.
  • 40. – Comuns nos locais de clima quente ou temperado. Há diversas espécies com dimensões e coloridos muito variados. – As espécies mais comuns são o Tytius bahiensis (escorpião preto) e o Tytius serrulatus (escorpião amarelo).
  • 42. Outros aracnídeos • Os ácaros compreendem pequenos artrópodes de corpo mal delimitado, pois o cefalotórax e o abdome parecem fundidos • Parasitam animais diversos, inclusive o homem. Ex: Sarcoptes scabiei (causador da sarna) • Entre os ácaros hematófagos estão os carrapatos, que sugam o sangue de animais selvagens e domésticos e também do homem.
  • 43. • Opiliões • Artrópodes frágeis, com certa semelhança com as aranhas, mas dotado de corpo muito pequeno e pernas exageradamente longas. • Inofensivos. • Vivem em cantos das casas e nos banheiros velhos.
  • 46. Aranhas • ESPÉCIES PERIGOSAS Phoneutria nigriventer (aranha armadeira) : – Coloração marrom, com pares de manchas ao longo da parte dorsal do abdômen; possuem oito olhos em três filas: 2:4:2; de 4 a 5 cm de corpo, podendo atingir até 12 cm, incluindo as pernas. Vivem em bananeiras, sob troncos caídos, bem como, próximo e dentro das moradias; não fazem teia e assumem posição de defesa quando se sentem ameaçadas.
  • 47. Aranhas • Loxosceles spp (aranha marrom) : – coloração marrom avermelhado; cefalotórax achatado; seis olhos em três pares; apresentam até 1 cm de corpo e 3 a 4cm incluindo as pernas. Costumam alojar- se em fendas de barrancos, pilhas de telhas, cavernas, sob cascas de árvores, bem como, próximo e dentro das moradias.
  • 49. ARANHAS • Latrodectus curacaviensis (viúva-negra): – conhecida como flamenguinha e aranha barriga vermelha. Possui abdômen globoso de coloração preta com faixas vermelhas e, por vezes, alaranjada; apresenta no ventre uma mancha vermelha em forma de ampulheta; oito olhos em duas filas: 4:4; fêmeas com 1 cm de tamanho; machos muito menores com apenas alguns milímetros de corpo; constroem teias em áreas de plantações, vegetação rasteira, sauveiros, cupinzeiros, materiais empilhados, objetos descartados, montes de lenha, beiras de barrancos e no interior das moradias.
  • 51. Quilópodes • Conhecidos como lacraias ou centopéias, os quilópodes são animais terrestres agressivos. Seu veneno é muito doloroso. • Têm corpo segmentado em numeroso anéis, nos quais se prendem as patas articuladas (um par para cada segmento). • A divisão do corpo é simples, compreendendo apenas a cabeça e o tronco.
  • 52. Quilópodes • Além do par de antenas, a cabeça é dotada de ferrões para a inoculação de veneno e um par de olhos simples. • Na extremidade posterior do tronco, observa-se um par de apêndices que simulam ferrões, freqüentemente enganando animais, que acham ali é o órgão injetor da peçonha. • São dotados de sistema digestivo completo. • Carnívoros, alimentam-se de insetos diversos.
  • 54. Diplópodes • Conhecidos como gongolôs, embuás ou piolhos- de-cobra, são artrópodes terrestres. • O corpo dividido em cabeça, um pequeno tórax e um abdome longo. • Além de um par de antenas, a cabeça é dotada de peças bucais e dois ocelos. • Possuem dois pares de patas em cada anel. • São todos inofensivos, já que não possuem glândulas secretoras de peçonha. • Vivem em buracos no solo. Enroscam-se quando agredidos.
  • 55. Diferenciação entre quilópodes e diplópodes Quilópodes Diplópodes • Apresentam movimentos • Apresentam movimentos rápidos; lentos; • São carnívoros; • São herbívoros; • Têm um par de antenas • Têm um par de antenas longas; curtas; • Produzem veneno; • Não produzem veneno; • Dotados de patas longas; • Dotados de patas curtas; • Incapazes de enrolar-se; • Capazes de enrolar-se em • Corpo mais achatado; espiral; • Menor número de • Corpo mais circular; segmentos. • Maior número de segmentos.
  • 58. Berne • O local de infecção fica suscetível a entrada de oportunistas: bactérias • A infecção normalmente é benigna (inflamação localizada) (larva biontófaga)
  • 59. Tratamento • Passar uma camada de substância pastosa no topo do berne, ou remoção cirúrgica. • Eventualmente, aplicação de um antibiotico
  • 60. Doença: Bicheira Moscas varejeiras: Cochliomyia hominivorax (biontófaga) Cochliomyia macellaria (necrobiontófaga)
  • 62. Patogenia • Larvas secretam enzimas proteolíticas • Ferimento aumenta de tamanho • Decomposição de material no ferimento Atrai moscas Miíases secundárias Miíases por necrobiontófagas (Cochliomyia macellaria)
  • 63. Tratamento: •Limpar ferimento (com anestesia local) •Remoção individual dos vermes (CAVE: fluido corporal tóxico!) •Aconselhavel: Aplicação de um antibiótico, Controle: •Zoonose: Tratamento também dos animais! •Manipulações em gado (castração/descornas) no inverno •Tratamento do gado com Ivermectina/Doramectina para diminuir a densidade populacional das moscas
  • 64. – tratamento pode ser vantajoso no caso de resistência a antibióticos – utilização larvas – úlceras crônicas: pé diabético, estase venosa (forma de terapia milenar)
  • 65. Bicho de pé – pulga da areia – “bicho do pé” ou “bicho do porco”, hospedeiro usual é o porco (mas ataca gatos, cachorros e seres humanos) As lesões passam a ser porta de entrada de micróbios como Clostridium tetani (tétano).
  • 67. Piolhos: habitats •Pediculus capitis : cabeça •P. humanus: na roupa, em áreas protegidas do corpo •Pthirus pubis (ou “chato”): predominantemente na área pubiana. •Os ovos são depositados em fios de cabelo ou de roupas •Ciclo evolutivo: após 10 dias, a larva eclode do ovo e começa sugar sangue, estádio ninfa, após 14 dias ficam maduros
  • 68. Ácaros • Carrapatos ‒ Podem transmitir febre maculosa em bovinos e seres humanos. ‒ Podem desencadear alergias em seres humanos
  • 69. Ácaros Sarcoptes scabiei Doença: Escabiose ou Sarna • Cosmopolita, democrático dorsal ventral • 300 milhões de casos • parasita de seres humanos e outros mamíferos (existem variedades com diferentes preferências: S. scabiei canis, S. scabiei cuniculi, S. scabiei ovis etc.)