SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 81
Baixar para ler offline
Capítulo 01:

1.1 – O que a ecologia estuda?
Ecologia: o estudo das
              interações
• A Ecologia estuda as interações dos seres vivos
entre eles e com o ambiente

• O ambiente é formado por fatores físicos (solo,
água, temperatura) e os seres vivos (macro e
microscópicos)
Ecologia: o estudo das
               interações
• As relações entre os diversos seres vivos
existentes num ecossistema também influencia na
distribuição e abundância deles próprios

• Há muitas aplicações práticas da ecologia, como a
biologia da conservação, gestão de rios e lagos,
gestão de recursos naturais (agricultura, pecuária e
pesca), planejamento da cidade e aplicações
na economia
Níveis de organização
• Para facilitar este estudo, organizamos os seres
vivos de acordo com as interações entre eles.

• Organismos podem ser agrupados em populações
e populações podem ser agrupadas em
comunidades

• O organismo é o nível mais básico de arrumação
que teremos
Níveis de organização
• População: conjunto de organismos da mesma
espécie que habitam a mesma região

• Comunidade: Conjunto de populações que
habitam a mesma área
Níveis de organização
• Ecossistema: Formado pela comunidade de seres
vivos, pelos fatores físicos do ambiente em que ela
vive e pelas relações que existem entre eles

• Biosfera: Conjunto de todos os ecossistemas
Um organismo e o meio
              ambiente
• Um organismo sozinho necessita de energia para
sobreviver e ao consumir essa energia, ele libera
resíduos. Assim modificam o ambiente à sua volta

• Os hábitos e comportamentos dos organismos
também modificam o meio ambiente
1.2 - Os organismos e seus
         ambientes
Um organismo e o meio
              ambiente
• Os variados tipos de ambientes que temos,
resultam em varados tipos de adaptações nos
organismos que vivem neles, ou seja o ambiente
também modifica

• Fatores como clima, localização, luminosidade,
disponibilidade de água, vegetação e temperatura,
influenciam na forma de vida dos organismos
Os habitantes
• Uma das características que garantem a
sobrevivência dos organismos é a tolerância às
mudanças ambientais

• Os organismos possuem diferentes tolerâncias
para os diversos fatores ambientais
Hábitat
• Hábitat é o local em que uma espécie vive

• O conceito hábitat inclui o espaço físico, clima, e
temperatura, que compõem um ecossistema.
Assim, determinam a distribuição das populações
de determinada comunidade

• Cada espécie tem um “endereço” determinado
Hábitat
• Mesmo tendo um “endereço” natural, alguns
organismos possuem uma grande capacidade em
colonizar novos ambientes

• O ser humano e os fungos são grandes exemplos
de colonização de novos ambientes
A população e o ambiente
• Podemos definir população como um grupo de
indivíduos que acasalam uns com os outros,
produzindo descendência

• O tamanho da população é definido pelas
condições de alimento e espaço do local, também
depende das taxas de natalidade e de mortalidade
e das migrações
A estrutura de comunidades
• Podemos dizer que comunidade é a totalidade
dos organismos vivos que fazem parte do mesmo
ecossistema e interagem entre si

• As comunidades possuem estrutura trófica (cadeia
alimentar, fluxo de energia, diversidade de
espécies, processos de sucessão, entre outros
componentes e propriedades.
A estrutura de comunidades
• Com o passar do tempo, as populações
aumentam, diminuem, migram ou desaparecem.
Ao mesmo tempo, outros organismos ou
populações podem colonizar o local

• Essa série de mudanças pelas quais a comunidade
passa se chama “Sucessão ecológica”. Quando
essas mudanças se estabilizam, chamamos isso de
“clímax”, ou “comunidade clímax”
Sucessão ecológica
Sucessão ecológica
Sucessão
ecológica
1.3 - Relações ecológicas entre
         os organismos
Relações ecológicas
• Dentro das comunidades acontecem interações
entre os membros das variadas espécies

• Os organismos competem pela energia disponível
no ambiente

• Quando sozinhos não conseguem atingir seus
objetivos, estabelecem colônias ou sociedades
Relações ecológicas
• Dentro das comunidades acontecem interações
entre os membros das variadas espécies

• Os organismos competem pela energia disponível
no ambiente

• Quando sozinhos não conseguem atingir seus
objetivos, estabelecem colônias ou sociedades
Relações harmônicas
• Mutualismo (cooperação):
Ocorre quando a relação é benéfica para as duas
espécies (pode ser obrigatória ou não)
Ex: pássaro-
               palito e um
               crocodilo




Ex: ave
búfaga-de-
bico-amarelo
e um
hipopótamo
Relações harmônicas
• Comensalismo:
Ocorre quando a relação é benéfica para uma
espécie e neutra para a outra
                            Ex: tubarão e rêmora
Relações harmônicas
• Inquilinismo:
Também ocorre quando a relação é benéfica para
uma espécie e neutra para a outra
                              Ex: pagurus e anêmona
Relações desarmônicas
• Predação:
Ocorre quando a relação é benéfica para uma
espécie e prejudicial para a outra
                            Ex: leão e zebra
Relações desarmônicas
• Parasitismo:
É uma relação positiva para o parasito mas negativa
para o hospedeiro, pode ou não chegar à morte
Ex: lombriga
                 (endoparasita)




Ex: carrapato
(ectoparasita)
Relações desarmônicas
• Competição:
É relação desarmônica na qual os organismos
disputam a mesma fonte de energia
                            Ex: chita e hiena
1.4 – Matéria e energia nos
       ecossistemas
Relações alimentares
• Todos os organismos precisam de energia e
matéria orgânica para se reproduzirem, e tudo isso
encontramos nos alimentos

• A energia encontrada nos alimentos foi produzida
a partir de elementos inorgânicos da natureza
(fotossíntese). Essa energia é passada através da
cadeia alimentar, para os outros organismos
Relações alimentares
• Alguns organismos produzem o que os outros
precisam, esses são os organismos autótrofos (ou
produtores): plantas, algas e cianobactérias

• Todos os outros organismos não sintetizam seu
próprio alimento, esses são os heterótrofos (ou .
Esses organismos precisam obter energia de
alguma fonte: dos autótrofos
Relações alimentares
• “A cadeia alimentar consiste em uma seqüência
de seres vivos que dependem uns dos outros para
se alimentar. É a maneira de expressar as relações
de alimentação entre os organismos de um
ecossistema “

• A cadeia alimentar se organiza em produtores e
consumidores (primário, secundário...), esses são os
níveis tróficos
Níveis tróficos
Consumidor Quaternário   Consumidor Terciário




                         Consumidor Secundário




        Produtor            Consumidor Primário
Essa representação está
        correta?
O quê está faltando?
Decompositores
Relações alimentares
• Os decompositores são aqueles que completam o
ciclo alimentar, são os “faxineiros” da natureza

• Os decompositores são formados por fungos e
bactérias,  também        são    heterótrofos e
fundamentais para o ciclo da matéria
Relações alimentares
• Na verdade, nem podemos falar “cadeia
alimentar”; as relações alimentares são tão
complexas que a melhor definição para elas seria a
de “Teia Alimentar”
Relações alimentares
• Mas essa energia produzida não é passada
integralmente ao longo da cadeia alimentar, ela vai
se perdendo e diminuindo
?
A matéria na natureza
• A matéria prima de todos os organismos vivos
circula, em algum momento, o solo, ar e água

• Para estudá-la, precisamos seguir o caminho de
um de seus elementos

• Por exemplo, o carbono
Seres Humanos X Alteração na
          cadeia alimentar
• A constante influência do ser humano na
natureza, pode acabar influenciando toda uma
cadeia, ou teia alimentar

• Veremos agora como isso pode acontecer
1.5 – Os biomas brasileiros
Biomas Brasileiros
• O Brasil é composto por 6 biomas: Amazônia,
Cerrado, Pantanal, Caatinga, Mata Atlântica e
Pampa

• Os limites entre esses biomas não são bem
definidos e são conhecidos como Áreas de
Transição
Floresta Amazônica
• A Amazônia é uma das três grandes florestas
tropicais do mundo (e é a maior entre elas).

• Ocupa a região norte e parte das regiões nordeste
(parte do Maranhão) e centro-oeste (parte do Mato
Grosso), estendendo-se também a alguns países
vizinhos (Venezuela, Guianas, Colômbia, Bolívia,
Equador e Suriname)
Floresta Amazônica
• O Clima é quente e úmido, com chuvas
abundantes durante o ano todo e temperatura
média anual de 26°C

• Possui arvores grandes e que mantêm suas folhas
durante o ano inteiro

• A Floresta Amazônica        abriga   a   maior
biodiversidade do planeta
Mata Atlântica
• Originalmente, ocupava uma grande área do
território brasileiro; em regiões litorâneas ou de
grande altitude

• Hoje, só há traços de mata atlântica na área
litorânea do Brasil
Mata Atlântica
• Dois ecossistemas muito presentes na mata
atlântica são a Floresta Tropical e a Mata de
Araucária apesar de também encontrarmos brejos,
mangue, restinga e campos de altitude
Mata Atlântica
• A mata atlântica é o bioma mais devastado do
Brasil

• Muitos brasileiros vivem em áreas originalmente
ocupadas por Mata Atlântica

• Atualmente, cerca de 260 espécies correm risco
de extinção
Cerrado
• As "savanas brasileiras" — o Cerrado é uma forma
de vegetação que tem diversas variações
fisionômicas ao longo das grandes áreas que
ocupam do território do país

• É o segundo maior bioma do Brasil, ocupando
cerca de 20% do território brasileiro
Cerrado
• O cerrado abriga uma grande variedade de fauna
e flora, apenas superada pela Floresta Amazônica e
pela Mata Atlântica

• Apesar de ocorrerem incêndios naturais, devido às
características da vegetação (seca), é cada vez
maior o número de queimadas provocadas pelo ser
humano (intencional ou não)
Caatinga
• É o único bioma genuinamente brasileiro,
ocupando cerca de 10% do território

• O clima é predominantemente seco e de
temperaturas elevadas

• A vegetação é arbustiva, com poucas folhas,
galhos retorcidos e presença de espinhos
Pantanal
• Ocupa parte do Mato Grosso e Mato Grosso do
Sul, norte do Paraguai e sul da Bolívia

• Suas terras, no verão, são naturalmente alagadas.
Esse alagamento é muito importante para a
manutenção do bioma

• Possui uma grande biodiversidade, apesar de
muitas de suas espécies não serem exclusivas
Campos Sulinos
• Também chamados de Pampas, possuem
vegetação herbácea

• São característicos do Rio Grande do Sul,
estendendo-se até Uruguai e Argentina

• É um bioma muito afetado pelo ser humano,
devido à atividade pecuária
Zona Costeira
• Representa toda a costa brasileira

• A principal característica da zona costeira é a
presença de manguezais (zona onde há o encontro
do rio com o mar)

• O solo é salino e pobre em oxigênio, por isso não
encontramos uma quantidade grande de espécies
Ambientes aquáticos
• Por causa de sua dimensão continental, o Brasil
apresenta todos, ou quase todos, os tipos de
ambientes aquáticos: rios, lagos e mares

• A variedade de indivíduos da vida marinha
depende da temperatura da água, proximidade do
continente e presença de deltas de rios

• Os ambientes de água doce variam mais ainda

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução à biologia 1º ano
Introdução à biologia   1º anoIntrodução à biologia   1º ano
Introdução à biologia 1º anoLuciana Mendes
 
Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)Ercio Novaes
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosJuliana Mendes
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosSESI 422 - Americana
 
Exercícios taxonomia
Exercícios taxonomiaExercícios taxonomia
Exercícios taxonomiaSheila Vieira
 
Seres vivos - células
Seres vivos - células Seres vivos - células
Seres vivos - células Mary Alvarenga
 
Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)joana71
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraLeonardo Kaplan
 
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicasSlide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicasGrazi! !!
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteRebeca Vale
 
Planejamento de ciências 6º ano
Planejamento de ciências 6º anoPlanejamento de ciências 6º ano
Planejamento de ciências 6º anoAgenario Silva
 
Pteridófitas & briofitas
Pteridófitas &  briofitasPteridófitas &  briofitas
Pteridófitas & briofitasAndrea Barreto
 
Teoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoTeoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoFelipe Haeberlin
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicasGabriela de Lima
 
7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivoscrisbassanimedeiros
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasSilvana Sanches
 

Mais procurados (20)

Introdução à biologia 1º ano
Introdução à biologia   1º anoIntrodução à biologia   1º ano
Introdução à biologia 1º ano
 
Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)Aval 7 ano(artrop_vertebr)
Aval 7 ano(artrop_vertebr)
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
Animais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebradosAnimais invertebrdos e vertebrados
Animais invertebrdos e vertebrados
 
8 ano energia
8 ano energia8 ano energia
8 ano energia
 
Biomas - resumo
Biomas - resumoBiomas - resumo
Biomas - resumo
 
Exercícios taxonomia
Exercícios taxonomiaExercícios taxonomia
Exercícios taxonomia
 
Seres vivos - células
Seres vivos - células Seres vivos - células
Seres vivos - células
 
Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)Reforço de Ciências (Respostas)
Reforço de Ciências (Respostas)
 
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino MoneraAula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
Aula 7º ano - Os cinco reinos dos seres vivos/ Reino Monera
 
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicasSlide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
Slide sobre fotores abioticos, bioticos e relacoes ecologicas
 
Plano de ensino ciências 7º ano
Plano de ensino ciências 7º anoPlano de ensino ciências 7º ano
Plano de ensino ciências 7º ano
 
I.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambienteI.1 Os seres vivos e o ambiente
I.1 Os seres vivos e o ambiente
 
Planejamento de ciências 6º ano
Planejamento de ciências 6º anoPlanejamento de ciências 6º ano
Planejamento de ciências 6º ano
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Pteridófitas & briofitas
Pteridófitas &  briofitasPteridófitas &  briofitas
Pteridófitas & briofitas
 
Teoria sintética da evolução
Teoria sintética da evoluçãoTeoria sintética da evolução
Teoria sintética da evolução
 
Aula relações ecológicas
Aula relações ecológicasAula relações ecológicas
Aula relações ecológicas
 
7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos7 ano classificação dos seres vivos
7 ano classificação dos seres vivos
 
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicasFluxo de energia e pirâmides ecológicas
Fluxo de energia e pirâmides ecológicas
 

Destaque

Aula de Núcleo Celular e DNA
Aula de Núcleo Celular e DNAAula de Núcleo Celular e DNA
Aula de Núcleo Celular e DNAKristian Wessman
 
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínasII. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínasRebeca Vale
 
Seres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisSeres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisAndré Garrido
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosRebeca Vale
 

Destaque (8)

Nh 2.3 - lipídeos
Nh   2.3 - lipídeosNh   2.3 - lipídeos
Nh 2.3 - lipídeos
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Aula de Núcleo Celular e DNA
Aula de Núcleo Celular e DNAAula de Núcleo Celular e DNA
Aula de Núcleo Celular e DNA
 
Características gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivosCaracterísticas gerais dos seres vivos
Características gerais dos seres vivos
 
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínasII. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
 
Seres vivos; características gerais
Seres vivos; características geraisSeres vivos; características gerais
Seres vivos; características gerais
 
I.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivosI.2 características dos seres vivos
I.2 características dos seres vivos
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 

Semelhante a Ecologia: Interações entre seres vivos e ambiente

Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power pointSuely namaste
 
Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1bleckmouth
 
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosEcossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosCarlos Priante
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasinessalgado
 
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoAula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoLeonardo Kaplan
 
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokluanarodriguessh
 
Módulo 24 - 3COL Aula Dinâmica das populações.ppt
Módulo 24 - 3COL Aula  Dinâmica das populações.pptMódulo 24 - 3COL Aula  Dinâmica das populações.ppt
Módulo 24 - 3COL Aula Dinâmica das populações.pptPastoralUniSALESIANO
 
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoAula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoLeonardo Kaplan
 
ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptx
ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptxECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptx
ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptxMariaJlia363821
 
Ecologia
EcologiaEcologia
EcologiaAlinehl
 
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar MenadeJesus
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar MenadeJesus
 

Semelhante a Ecologia: Interações entre seres vivos e ambiente (20)

Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1Ciências C Barros 6.1
Ciências C Barros 6.1
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Nt6
Nt6Nt6
Nt6
 
Nt4
Nt4Nt4
Nt4
 
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticosEcossistema: Fatores bióticos e abióticos
Ecossistema: Fatores bióticos e abióticos
 
Ecologia socorro
Ecologia socorroEcologia socorro
Ecologia socorro
 
Dinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemasDinâmica dos ecossistemas
Dinâmica dos ecossistemas
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemasFluxo de matéria e energia nos ecossistemas
Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas
 
ECOLOGIA conceitos.pptx
ECOLOGIA conceitos.pptxECOLOGIA conceitos.pptx
ECOLOGIA conceitos.pptx
 
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoAula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
 
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisokAula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
Aula 1 ecologia conceitos fundamentaisok
 
Módulo 24 - 3COL Aula Dinâmica das populações.ppt
Módulo 24 - 3COL Aula  Dinâmica das populações.pptMódulo 24 - 3COL Aula  Dinâmica das populações.ppt
Módulo 24 - 3COL Aula Dinâmica das populações.ppt
 
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º anoAula 7º ano   revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
Aula 7º ano revisão do 6º ano-introdução ao 7º ano
 
Resumos 8 ano
Resumos 8 anoResumos 8 ano
Resumos 8 ano
 
ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptx
ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptxECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptx
ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS.pptx
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
 

Mais de Igor Brant

Capítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados IICapítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados IIIgor Brant
 
Capítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados ICapítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados IIgor Brant
 
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genéticaCapítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genéticaIgor Brant
 
Capítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrinoCapítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrinoIgor Brant
 
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebradosCapítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebradosIgor Brant
 
Capítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terraCapítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terraIgor Brant
 
Capítulo 07 invertebrados II
Capítulo 07   invertebrados IICapítulo 07   invertebrados II
Capítulo 07 invertebrados IIIgor Brant
 
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriaisCapítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriaisIgor Brant
 
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidosCapítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidosIgor Brant
 
Capítulo 06 invertebrados I
Capítulo 06   invertebrados ICapítulo 06   invertebrados I
Capítulo 06 invertebrados IIgor Brant
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisIgor Brant
 
Capítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas IICapítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas IIIgor Brant
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioIgor Brant
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisIgor Brant
 
Capítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascularCapítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascularIgor Brant
 
Capítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas ICapítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas IIgor Brant
 
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03   reinos monera, fungo e protistaCapítulo 03   reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protistaIgor Brant
 
Capítulo 03 matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03   matéria; transformações e estruturaCapítulo 03   matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03 matéria; transformações e estruturaIgor Brant
 
Capítulo 03 sistema respiratório
Capítulo 03   sistema respiratórioCapítulo 03   sistema respiratório
Capítulo 03 sistema respiratórioIgor Brant
 

Mais de Igor Brant (20)

Capítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados IICapítulo 09 - vertebrados II
Capítulo 09 - vertebrados II
 
Capítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados ICapítulo 08 - vertebrados I
Capítulo 08 - vertebrados I
 
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genéticaCapítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
Capítulo 09 - sexualidade, reprodução e genética
 
Capítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrinoCapítulo 08 - sistema endócrino
Capítulo 08 - sistema endócrino
 
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebradosCapítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
Capítulo 09 - modos de ser e de viver dos vertebrados
 
Prática 19
Prática 19Prática 19
Prática 19
 
Capítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terraCapítulo 08 - o universo e o planeta terra
Capítulo 08 - o universo e o planeta terra
 
Capítulo 07 invertebrados II
Capítulo 07   invertebrados IICapítulo 07   invertebrados II
Capítulo 07 invertebrados II
 
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriaisCapítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
Capítulo 07 - Sistema nervoso e órgãos sensoriais
 
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidosCapítulo 19 e 20   funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
Capítulo 19 e 20 funções químicas ácidos, bases, sais e óxidos
 
Capítulo 06 invertebrados I
Capítulo 06   invertebrados ICapítulo 06   invertebrados I
Capítulo 06 invertebrados I
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
 
Capítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas IICapítulo 05 - reino das plantas II
Capítulo 05 - reino das plantas II
 
Capítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinárioCapítulo 05 - sistema urinário
Capítulo 05 - sistema urinário
 
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiaisCapítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
Capítulo 04 - classificação e estrutura dos materiais
 
Capítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascularCapítulo 04 - sistema cardiovascular
Capítulo 04 - sistema cardiovascular
 
Capítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas ICapítulo 04 - reino das plantas I
Capítulo 04 - reino das plantas I
 
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03   reinos monera, fungo e protistaCapítulo 03   reinos monera, fungo e protista
Capítulo 03 reinos monera, fungo e protista
 
Capítulo 03 matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03   matéria; transformações e estruturaCapítulo 03   matéria; transformações e estrutura
Capítulo 03 matéria; transformações e estrutura
 
Capítulo 03 sistema respiratório
Capítulo 03   sistema respiratórioCapítulo 03   sistema respiratório
Capítulo 03 sistema respiratório
 

Último

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturagomescostamma
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonRosiniaGonalves
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 

Último (20)

PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literaturaPizza_literaria.pdf projeto de literatura
Pizza_literaria.pdf projeto de literatura
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita PhytonAlgumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
Algumas Curiosidades do uso da Matemática na escrita Phyton
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 

Ecologia: Interações entre seres vivos e ambiente

  • 1. Capítulo 01: 1.1 – O que a ecologia estuda?
  • 2. Ecologia: o estudo das interações • A Ecologia estuda as interações dos seres vivos entre eles e com o ambiente • O ambiente é formado por fatores físicos (solo, água, temperatura) e os seres vivos (macro e microscópicos)
  • 3. Ecologia: o estudo das interações • As relações entre os diversos seres vivos existentes num ecossistema também influencia na distribuição e abundância deles próprios • Há muitas aplicações práticas da ecologia, como a biologia da conservação, gestão de rios e lagos, gestão de recursos naturais (agricultura, pecuária e pesca), planejamento da cidade e aplicações na economia
  • 4.
  • 5. Níveis de organização • Para facilitar este estudo, organizamos os seres vivos de acordo com as interações entre eles. • Organismos podem ser agrupados em populações e populações podem ser agrupadas em comunidades • O organismo é o nível mais básico de arrumação que teremos
  • 6.
  • 7. Níveis de organização • População: conjunto de organismos da mesma espécie que habitam a mesma região • Comunidade: Conjunto de populações que habitam a mesma área
  • 8. Níveis de organização • Ecossistema: Formado pela comunidade de seres vivos, pelos fatores físicos do ambiente em que ela vive e pelas relações que existem entre eles • Biosfera: Conjunto de todos os ecossistemas
  • 9. Um organismo e o meio ambiente • Um organismo sozinho necessita de energia para sobreviver e ao consumir essa energia, ele libera resíduos. Assim modificam o ambiente à sua volta • Os hábitos e comportamentos dos organismos também modificam o meio ambiente
  • 10. 1.2 - Os organismos e seus ambientes
  • 11.
  • 12. Um organismo e o meio ambiente • Os variados tipos de ambientes que temos, resultam em varados tipos de adaptações nos organismos que vivem neles, ou seja o ambiente também modifica • Fatores como clima, localização, luminosidade, disponibilidade de água, vegetação e temperatura, influenciam na forma de vida dos organismos
  • 13. Os habitantes • Uma das características que garantem a sobrevivência dos organismos é a tolerância às mudanças ambientais • Os organismos possuem diferentes tolerâncias para os diversos fatores ambientais
  • 14.
  • 15. Hábitat • Hábitat é o local em que uma espécie vive • O conceito hábitat inclui o espaço físico, clima, e temperatura, que compõem um ecossistema. Assim, determinam a distribuição das populações de determinada comunidade • Cada espécie tem um “endereço” determinado
  • 16. Hábitat • Mesmo tendo um “endereço” natural, alguns organismos possuem uma grande capacidade em colonizar novos ambientes • O ser humano e os fungos são grandes exemplos de colonização de novos ambientes
  • 17.
  • 18.
  • 19. A população e o ambiente • Podemos definir população como um grupo de indivíduos que acasalam uns com os outros, produzindo descendência • O tamanho da população é definido pelas condições de alimento e espaço do local, também depende das taxas de natalidade e de mortalidade e das migrações
  • 20. A estrutura de comunidades • Podemos dizer que comunidade é a totalidade dos organismos vivos que fazem parte do mesmo ecossistema e interagem entre si • As comunidades possuem estrutura trófica (cadeia alimentar, fluxo de energia, diversidade de espécies, processos de sucessão, entre outros componentes e propriedades.
  • 21. A estrutura de comunidades • Com o passar do tempo, as populações aumentam, diminuem, migram ou desaparecem. Ao mesmo tempo, outros organismos ou populações podem colonizar o local • Essa série de mudanças pelas quais a comunidade passa se chama “Sucessão ecológica”. Quando essas mudanças se estabilizam, chamamos isso de “clímax”, ou “comunidade clímax”
  • 25. 1.3 - Relações ecológicas entre os organismos
  • 26. Relações ecológicas • Dentro das comunidades acontecem interações entre os membros das variadas espécies • Os organismos competem pela energia disponível no ambiente • Quando sozinhos não conseguem atingir seus objetivos, estabelecem colônias ou sociedades
  • 27. Relações ecológicas • Dentro das comunidades acontecem interações entre os membros das variadas espécies • Os organismos competem pela energia disponível no ambiente • Quando sozinhos não conseguem atingir seus objetivos, estabelecem colônias ou sociedades
  • 28. Relações harmônicas • Mutualismo (cooperação): Ocorre quando a relação é benéfica para as duas espécies (pode ser obrigatória ou não)
  • 29. Ex: pássaro- palito e um crocodilo Ex: ave búfaga-de- bico-amarelo e um hipopótamo
  • 30. Relações harmônicas • Comensalismo: Ocorre quando a relação é benéfica para uma espécie e neutra para a outra Ex: tubarão e rêmora
  • 31. Relações harmônicas • Inquilinismo: Também ocorre quando a relação é benéfica para uma espécie e neutra para a outra Ex: pagurus e anêmona
  • 32. Relações desarmônicas • Predação: Ocorre quando a relação é benéfica para uma espécie e prejudicial para a outra Ex: leão e zebra
  • 33. Relações desarmônicas • Parasitismo: É uma relação positiva para o parasito mas negativa para o hospedeiro, pode ou não chegar à morte
  • 34. Ex: lombriga (endoparasita) Ex: carrapato (ectoparasita)
  • 35. Relações desarmônicas • Competição: É relação desarmônica na qual os organismos disputam a mesma fonte de energia Ex: chita e hiena
  • 36. 1.4 – Matéria e energia nos ecossistemas
  • 37. Relações alimentares • Todos os organismos precisam de energia e matéria orgânica para se reproduzirem, e tudo isso encontramos nos alimentos • A energia encontrada nos alimentos foi produzida a partir de elementos inorgânicos da natureza (fotossíntese). Essa energia é passada através da cadeia alimentar, para os outros organismos
  • 38. Relações alimentares • Alguns organismos produzem o que os outros precisam, esses são os organismos autótrofos (ou produtores): plantas, algas e cianobactérias • Todos os outros organismos não sintetizam seu próprio alimento, esses são os heterótrofos (ou . Esses organismos precisam obter energia de alguma fonte: dos autótrofos
  • 39. Relações alimentares • “A cadeia alimentar consiste em uma seqüência de seres vivos que dependem uns dos outros para se alimentar. É a maneira de expressar as relações de alimentação entre os organismos de um ecossistema “ • A cadeia alimentar se organiza em produtores e consumidores (primário, secundário...), esses são os níveis tróficos
  • 40. Níveis tróficos Consumidor Quaternário Consumidor Terciário Consumidor Secundário Produtor Consumidor Primário
  • 42. O quê está faltando?
  • 44. Relações alimentares • Os decompositores são aqueles que completam o ciclo alimentar, são os “faxineiros” da natureza • Os decompositores são formados por fungos e bactérias, também são heterótrofos e fundamentais para o ciclo da matéria
  • 45. Relações alimentares • Na verdade, nem podemos falar “cadeia alimentar”; as relações alimentares são tão complexas que a melhor definição para elas seria a de “Teia Alimentar”
  • 46.
  • 47. Relações alimentares • Mas essa energia produzida não é passada integralmente ao longo da cadeia alimentar, ela vai se perdendo e diminuindo
  • 48. ?
  • 49. A matéria na natureza • A matéria prima de todos os organismos vivos circula, em algum momento, o solo, ar e água • Para estudá-la, precisamos seguir o caminho de um de seus elementos • Por exemplo, o carbono
  • 50.
  • 51. Seres Humanos X Alteração na cadeia alimentar • A constante influência do ser humano na natureza, pode acabar influenciando toda uma cadeia, ou teia alimentar • Veremos agora como isso pode acontecer
  • 52.
  • 53.
  • 54.
  • 55.
  • 56.
  • 57.
  • 58.
  • 59. 1.5 – Os biomas brasileiros
  • 60. Biomas Brasileiros • O Brasil é composto por 6 biomas: Amazônia, Cerrado, Pantanal, Caatinga, Mata Atlântica e Pampa • Os limites entre esses biomas não são bem definidos e são conhecidos como Áreas de Transição
  • 61.
  • 62. Floresta Amazônica • A Amazônia é uma das três grandes florestas tropicais do mundo (e é a maior entre elas). • Ocupa a região norte e parte das regiões nordeste (parte do Maranhão) e centro-oeste (parte do Mato Grosso), estendendo-se também a alguns países vizinhos (Venezuela, Guianas, Colômbia, Bolívia, Equador e Suriname)
  • 63. Floresta Amazônica • O Clima é quente e úmido, com chuvas abundantes durante o ano todo e temperatura média anual de 26°C • Possui arvores grandes e que mantêm suas folhas durante o ano inteiro • A Floresta Amazônica abriga a maior biodiversidade do planeta
  • 64.
  • 65. Mata Atlântica • Originalmente, ocupava uma grande área do território brasileiro; em regiões litorâneas ou de grande altitude • Hoje, só há traços de mata atlântica na área litorânea do Brasil
  • 66.
  • 67. Mata Atlântica • Dois ecossistemas muito presentes na mata atlântica são a Floresta Tropical e a Mata de Araucária apesar de também encontrarmos brejos, mangue, restinga e campos de altitude
  • 68.
  • 69. Mata Atlântica • A mata atlântica é o bioma mais devastado do Brasil • Muitos brasileiros vivem em áreas originalmente ocupadas por Mata Atlântica • Atualmente, cerca de 260 espécies correm risco de extinção
  • 70. Cerrado • As "savanas brasileiras" — o Cerrado é uma forma de vegetação que tem diversas variações fisionômicas ao longo das grandes áreas que ocupam do território do país • É o segundo maior bioma do Brasil, ocupando cerca de 20% do território brasileiro
  • 71.
  • 72. Cerrado • O cerrado abriga uma grande variedade de fauna e flora, apenas superada pela Floresta Amazônica e pela Mata Atlântica • Apesar de ocorrerem incêndios naturais, devido às características da vegetação (seca), é cada vez maior o número de queimadas provocadas pelo ser humano (intencional ou não)
  • 73. Caatinga • É o único bioma genuinamente brasileiro, ocupando cerca de 10% do território • O clima é predominantemente seco e de temperaturas elevadas • A vegetação é arbustiva, com poucas folhas, galhos retorcidos e presença de espinhos
  • 74.
  • 75. Pantanal • Ocupa parte do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, norte do Paraguai e sul da Bolívia • Suas terras, no verão, são naturalmente alagadas. Esse alagamento é muito importante para a manutenção do bioma • Possui uma grande biodiversidade, apesar de muitas de suas espécies não serem exclusivas
  • 76.
  • 77. Campos Sulinos • Também chamados de Pampas, possuem vegetação herbácea • São característicos do Rio Grande do Sul, estendendo-se até Uruguai e Argentina • É um bioma muito afetado pelo ser humano, devido à atividade pecuária
  • 78.
  • 79. Zona Costeira • Representa toda a costa brasileira • A principal característica da zona costeira é a presença de manguezais (zona onde há o encontro do rio com o mar) • O solo é salino e pobre em oxigênio, por isso não encontramos uma quantidade grande de espécies
  • 80.
  • 81. Ambientes aquáticos • Por causa de sua dimensão continental, o Brasil apresenta todos, ou quase todos, os tipos de ambientes aquáticos: rios, lagos e mares • A variedade de indivíduos da vida marinha depende da temperatura da água, proximidade do continente e presença de deltas de rios • Os ambientes de água doce variam mais ainda