SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Capital Versus WikiLeaks<br />Pode o fenômeno WikiLeaks gerar uma nova investida do setor corporativo em uma possível primeira Cyberguerra?<br />Quando seu o Banco suíço te deixa de lado, é sinal que você fez alguns inimigos muito poderosos.<br />Famoso por esconder dinheiro de todos, desde nazistas, narcotraficantes,  ditadores e espiões, o banco do governo suíço decidiu que WikiLeaks /Julian Assange é uma batata muito quente até mesmo para ele segurar.<br />Atitude semelhante foi a de outro banco suíço, o PostFinance, que declarou no início de dezembro que quot;
terminou seu relacionamento comercial com o fundador WikiLeaks Paul Julian Assangequot;
, depois de acusar Assange de - pasmem! - Fornecer informações falsas sobre o seu local de residência.<br />Este movimento teve ações similares seguidas pelas empresas de cartão de crédito Visa e MasterCard, bem como PayPal e Amazon.com, para não pagar mais processo e WikiLeaks no caso da Amazon.com, para deixar de ceder seus dados.<br />O Bank of America juntou-se ao clube das corporações, tendo como objetivo desestabilizar WikiLeaks. Recusando-se a processar os pagamentos para o site de vazamentos justificando a causa quot;
 que o site pode estar envolvido em atividades que são, entre outras coisas, inconsistentes com a nossas políticas internas para o processamento de pagamentos. quot;
<br />E logo depois, ninguém menos que a Apple se juntou ao coro, e puxou o plugue em uma WikiLeaks app apenas alguns dias depois que ele foi posto à venda no site iTunes.Cada setor da economia, ao que parece, está contra WikiLeaks.<br />Acabando com  o quot;
neocorporativismoquot;
<br />Deveriam os agentes da CIA, chefes da máfia e de outros colegas de clientes dos bancos suíços, que provavelmente fizeram observações tão francas quanto as observações pessoais que Assange é acusado de ter feito, se preocuparem com a lealdade e discrição de seus banqueiros suíços?<br />Provavelmente não. E isso é porque o mundo dos criminosos, autocratas e “afins” formam grande parte do sistema político econômico mundial, mesmo que às vezes em lados opostos.<br />Mas WikiLeaks opera fora do sistema, buscando bem ao estilo quot;
Matrixquot;
, usar a tecnologia - a internet - para quot;
destruirquot;
 o “sistema” por abri-lo ao escrutínio público, expondo as conspirações constantes dos poderosos contra o resto da sociedade.<br />Essa tarefa, Assange argumenta, é a forma mais importante de ajudar a libertar o sistema que milhões de vezes é conivente – “se não completamente dispostos a gerar vítimas. Agindo assim a intenção é alterar ou remover esse tipo comportamento dos governo e das Corporações. quot;
<br />Como teórico político, Assange deixa algo a desejar. quot;
Neocorporativismoquot;
 descrevem  um sistema em que o capital e o trabalho são enredados, mas em última análise, depende do relacionamento integrado com um aparelho de Estado forte e autônoma - uma atualização da relação triangular, que permitiu um crescimento econômico sem precedentes e os ganhos para a classe operária no Ocidente décadas após a Segunda Guerra Mundial<br />Ideologicamente, esse tipo de relação de estreita de trabalho entre governo, grandes empresas e trabalhadores organizada é a antítese do sistema neoliberal que WikiLeaks visa combater.<br />Mas Assange está certo que há algo de quot;
neoquot;
 no ar, se não exatamente novo, algo na forma como o setor empresarial está se comportando hoje e em sua relação com o governo.Encontra-se dando um abraço - ou melhor, re-abraço - do capitalismo financeiro e do império militarista e do complexo militar-industrial que a sustenta.<br />Se focando consumidores desavisados no meio da América ou atacando supostos insurgentes no Oriente Médio, estes são dois dos setores mais secretos da economia americana. Eles dependem que o público saiba o mínimo possível sobre seu funcionamento interno, para assegurar a máxima liberdade e possível poder de ação, e obviamente os lucros.<br />O poder de sigilo<br />O abandono de Assange pelo sistema bancário suíço e seus primos americanos corporativos não é tão surpreendente assim. Poucas indústrias têm utilizado o sigilo e a falta de divulgação eficaz como os bancos, serviços financeiros e indústrias de cartão de crédito.<br />Na verdade, práticas de negócios secretos são centrais para a constante capacidade dessas empresas em arrecadar enormes lucros à custa de trabalho de americanos de classe média através de sistemas de negociação monopolistas, cobrando taxas de juros abusivas, e se envolvem em outras práticas que fariam mesmo o mais tubarão frio solitário de queixo caído.<br />Se o grande acordo entre os trabalhadores, capitalistas e governos permitiram os dois primeiros pós-II Guerra Mundial geração para mover da direita do ensino médio para a classe média, esta estrada foi irreparavelmente prejudicada na década de 1980, quando o Neoliberalismo chegou ao poder.<br />Enquanto os Estados Unidos entraram em sua longa e dolorosa era desindustrialização, a política externa americana se tornou mais agressiva e militarista, e assim,  ingressar nas Forças Armadas se tornou uma das poucas rotas para proteger qualquer tipo de futuro econômico estável. Não surpreendentemente, os lucros do setor financeiro superaram a produção do início de 1990 e desde então não caiu. Mas esses lucros e o crescimento econômico têm invocado desproporcionalmente uma dívida gerada no governo, no consumidor e um esvaziamento do setor manufatureiro, que juntos ajudaram a tornar os EUA o quot;
homem doente do mundoquot;
, como um funcionário idoso de uma empresa.<br />Por sua vez, GM, Ford e Chrysler simultaneamente concentraram a maior parte de suas energias na produção de carros beberrões, ao estabelecer o braço de serviços financeiros que rapidamente se tornou responsável por uma parte substancial dos seus lucros (em alguns anos para cima de 90 por cento dos lucros são derivados acima).<br />Suas práticas de empréstimo, valem a pena destacar, incluídos os tipos quot;
mentirososquot;
 de empréstimos à habitação, dado pouca preocupação sobre a capacidade dos mutuários a pagar-lhes, que precipitaram a crise econômica mundial de 2007 até hoje.<br />Financeirização e história<br />Nenhuma dessas práticas teria resistido à luz do escrutínio público, e foi só a privatização - em boa medida, a financeirização - da política americana que permitiu  florescer nos últimos 30 anos. Poucas empresas que ameaçam o sigilo quanto WikiLeaks e seu raio laser, o que de acordo com a visão de Washington como quot;
atingindo diretamente o coração da economia globalquot;
.<br />A quot;
financeirizaçãoquot;
 da economia representa o crescente domínio das indústrias financeiras na economia global, assumindo quot;
o papel dominante, econômico, político-cultural de uma economia nacionalquot;
.<br />Essencialmente, este processo não é exclusivo para os Estados Unidos, também aconteceu com os impérios anteriores, como o de Habsburgo, holandeses e dos impérios britânico, precisamente nas eras que perderam sua posição dominante no mundo.Em todos os casos, financialismo e o militarismo passou de mão em mão, como foi apontado pelo historiador britânico John Hobson em seu famoso livro de 1902. Imperialismo: Um Estudo.<br />Nele, Hobson argumentou que a monopolização do setor financeiro criou uma nova oligarquia, que integrava os bancos e grandes empresas industriais, juntamente com quot;
era  monges da guerra e especuladoresquot;
, que incentivou o imperialismo para garantir mercados para os produtos excedentes produzidos pelas corporações.<br />A ascensão da América no domínio global veio depois do fim da era imperial e por isso não poderia conquistar territóriod descaradamente para criar novos mercados. Mas no momento da ascensão, atores políticos pediram/sugeriram ao governo investirem em gastos militares elevados para assegurar um forte crescimento econômico.<br />Isso coincidiu com a rápida expansão do crédito de fácil obtenção, criando dois quot;
buracos negros gigantesquot;
 (nas palavras dos economistas Israelenses Shimshon Bichler Nitzan e Jonathan), cujo potencial de expansão foi limitada apenas pela vontade dos cidadãos para apoiar as políticas que lhes permitiram, Apesar dos danos a longo prazo para o desenvolvimento econômico e político bem-estar de suas sociedades.<br />Durante os primeiros 30 anos da era da Guerra Fria, a propensão para o militarismo foi equilibrada por uma economia industrial robusta e as relações comerciais, de trabalho pelo governo tripartite que garantido.<br />Isso começou a mudar na década de 1970, quando o extremamente caro e nada rentável investimento mililitar da Guerra do Vietnã começou a desenrolar.<br />Como Nitzan e Bichler descrevem em seu livro, o Global Political Economy of Israel, nesse período, quot;
houve uma crescente convergência de interesses entre o lideres petroleiros mundiais e as empresas de armamento. A politização do petróleo, juntamente com a comercialização paralela de exportações de armas, ajudaram a dar forma de arma-dólares e petro-dolares em uma incomoda coligação entre essas empresas quot;
.<br />O problema é que o site WikiLeaks sozinho, não pode virar o jogo neste conflito.<br />Assange poderia muito bem ser um quot;
terrorista de alta tecnologiaquot;
, como vice-presidente Americano, Joseph Biden, recentemente se referiu a ele, tendo em conta o terror que suas ações geraram ao atingir o coração do sistema político norte-americano<br />Mas os EUA são apenas um de um grupo de países-poderosos e líderes de corporações que compartilham um compromisso fundamental para garantir o maior lucro possível  e poder para si, por muito que os seus métodos e políticas sejam diferentes.<br />Para realmente ter um impacto, WikiLeaks deve inspirar toda uma geração de vazamento em outros países e culturas, que estão tão dispostos a arriscarem sua liberdade como Assange e as outras pessoas por trás Wikileaks. A cultura vazamento começou a enraizar-se, todavia, só o tempo dirá se ele resiste a forças que trabalham contra o seu desenvolvimento.<br />Se isso não acontecer - se Assange e seus camaradas forem transformados com sucesso em exemplos/bodes-expiatórios por seus inimigos políticos e corporativos deverão assustar aqueles que poderiam ser inspirados pelo seu exemplo – O Capital provavelmente vai ganhar a primeira quot;
guerra cibernéticaquot;
, assim como ele ganhou todas as guerras anteriores ao longo da história da modernidade, de forma longa, sangrenta e inimaginavelmente rentável.<br />Mark Levine é professor de história do Oriente Médio na Universidade da Califórnia, em Irvine.<br />As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não necessariamente refletem a política do WEBJURÍDICO.<br />
Capital vs WikiLeaks
Capital vs WikiLeaks

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Capital vs WikiLeaks

Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
guest2383c5
 
Grande depressão
Grande depressãoGrande depressão
Grande depressão
Auxiliadora
 
A crise de 1929 e fascismos; eva;certo
A crise de 1929 e fascismos; eva;certoA crise de 1929 e fascismos; eva;certo
A crise de 1929 e fascismos; eva;certo
Evanilde Chuva
 
37 o capitalismo-em-crise-i
37 o capitalismo-em-crise-i37 o capitalismo-em-crise-i
37 o capitalismo-em-crise-i
Joyce Silva
 
Brasil a revolução do vinagre
Brasil a revolução do vinagreBrasil a revolução do vinagre
Brasil a revolução do vinagre
denpaula
 

Semelhante a Capital vs WikiLeaks (20)

Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual   Itamaraty[1]
Maria Da Conceicao Tavares A Crise Financeira Atual Itamaraty[1]
 
Materiaaa
MateriaaaMateriaaa
Materiaaa
 
Crise 29
Crise 29Crise 29
Crise 29
 
A evolução do capitalismo e suas crises
A evolução do capitalismo e suas crisesA evolução do capitalismo e suas crises
A evolução do capitalismo e suas crises
 
Grande depressão
Grande depressãoGrande depressão
Grande depressão
 
Crise 1
Crise 1Crise 1
Crise 1
 
Crise de 1929.pptx
 Crise de 1929.pptx Crise de 1929.pptx
Crise de 1929.pptx
 
A crise de 1929 e fascismos; eva;certo
A crise de 1929 e fascismos; eva;certoA crise de 1929 e fascismos; eva;certo
A crise de 1929 e fascismos; eva;certo
 
CRISE DE 29/TOTALITARISMO
CRISE DE 29/TOTALITARISMOCRISE DE 29/TOTALITARISMO
CRISE DE 29/TOTALITARISMO
 
Depressão economica ou grande depressão
Depressão economica ou grande depressãoDepressão economica ou grande depressão
Depressão economica ou grande depressão
 
Atualidades
AtualidadesAtualidades
Atualidades
 
História - Intervencionismo
História - IntervencionismoHistória - Intervencionismo
História - Intervencionismo
 
A luta ideológica em torno da crise
A luta ideológica em torno da criseA luta ideológica em torno da crise
A luta ideológica em torno da crise
 
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
Crise de1929: Entreguerras (1918-1939)
 
Manuel castells
Manuel castellsManuel castells
Manuel castells
 
A Formação do Capitalismo Global e a Economia Política do Império Americano
A Formação do Capitalismo Global e a Economia Política do Império AmericanoA Formação do Capitalismo Global e a Economia Política do Império Americano
A Formação do Capitalismo Global e a Economia Política do Império Americano
 
37 o capitalismo-em-crise-i
37 o capitalismo-em-crise-i37 o capitalismo-em-crise-i
37 o capitalismo-em-crise-i
 
Brasil a revolução do vinagre
Brasil a revolução do vinagreBrasil a revolução do vinagre
Brasil a revolução do vinagre
 
Crise de 1929
Crise de 1929Crise de 1929
Crise de 1929
 
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi2201   a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi
 

Mais de WebJurídico

Advogar ou administrar por Eliane Girão
Advogar ou administrar por Eliane GirãoAdvogar ou administrar por Eliane Girão
Advogar ou administrar por Eliane Girão
WebJurídico
 
Apresentação WebJurídico - Público Geral
Apresentação WebJurídico - Público GeralApresentação WebJurídico - Público Geral
Apresentação WebJurídico - Público Geral
WebJurídico
 
Sobre o WebJurídico
Sobre o WebJurídicoSobre o WebJurídico
Sobre o WebJurídico
WebJurídico
 

Mais de WebJurídico (20)

Procedimento e Lides Internacionais na área de Família e Sucessões
Procedimento e Lides Internacionais na área de Família e SucessõesProcedimento e Lides Internacionais na área de Família e Sucessões
Procedimento e Lides Internacionais na área de Família e Sucessões
 
Advogar ou administrar por Eliane Girão
Advogar ou administrar por Eliane GirãoAdvogar ou administrar por Eliane Girão
Advogar ou administrar por Eliane Girão
 
Apresentação WebJurídico - Público Geral
Apresentação WebJurídico - Público GeralApresentação WebJurídico - Público Geral
Apresentação WebJurídico - Público Geral
 
Sobre o WebJurídico
Sobre o WebJurídicoSobre o WebJurídico
Sobre o WebJurídico
 
Finanças na Advocacia - OAB/DF
Finanças na Advocacia - OAB/DFFinanças na Advocacia - OAB/DF
Finanças na Advocacia - OAB/DF
 
Marketing e Inovação para Advogados - aula 3
Marketing e Inovação para Advogados - aula 3Marketing e Inovação para Advogados - aula 3
Marketing e Inovação para Advogados - aula 3
 
Marketing e Inovação para Advogados - aula 2
Marketing e Inovação para Advogados - aula 2Marketing e Inovação para Advogados - aula 2
Marketing e Inovação para Advogados - aula 2
 
Marketing e Inovação para Advogados - aula 1
Marketing e Inovação para Advogados - aula 1Marketing e Inovação para Advogados - aula 1
Marketing e Inovação para Advogados - aula 1
 
Fenalaw 8º edição - São Paulo
Fenalaw 8º edição - São PauloFenalaw 8º edição - São Paulo
Fenalaw 8º edição - São Paulo
 
Parecer do Ministério Público Federal sustenta que Exame de Ordem é inconstit...
Parecer do Ministério Público Federal sustenta que Exame de Ordem é inconstit...Parecer do Ministério Público Federal sustenta que Exame de Ordem é inconstit...
Parecer do Ministério Público Federal sustenta que Exame de Ordem é inconstit...
 
Case: Bichara, Barata, Costa e Rocha Advogados, uma estratégia de sucesso par...
Case: Bichara, Barata, Costa e Rocha Advogados, uma estratégia de sucesso par...Case: Bichara, Barata, Costa e Rocha Advogados, uma estratégia de sucesso par...
Case: Bichara, Barata, Costa e Rocha Advogados, uma estratégia de sucesso par...
 
Administrando o maior escritório de Advocacia da América Latina - Siqueira Ca...
Administrando o maior escritório de Advocacia da América Latina - Siqueira Ca...Administrando o maior escritório de Advocacia da América Latina - Siqueira Ca...
Administrando o maior escritório de Advocacia da América Latina - Siqueira Ca...
 
Conheça melhor o resultado do seu escritório de advocacia
Conheça melhor o resultado do seu escritório de advocaciaConheça melhor o resultado do seu escritório de advocacia
Conheça melhor o resultado do seu escritório de advocacia
 
Definição de honorários na advocacia
Definição de honorários na advocacia Definição de honorários na advocacia
Definição de honorários na advocacia
 
Formação de Preços na Advocacia
Formação de Preços na AdvocaciaFormação de Preços na Advocacia
Formação de Preços na Advocacia
 
Gestão de Contencioso de Massa
Gestão de Contencioso de Massa  Gestão de Contencioso de Massa
Gestão de Contencioso de Massa
 
O novo cenário da advocacia empresarial
O novo cenário da advocacia empresarialO novo cenário da advocacia empresarial
O novo cenário da advocacia empresarial
 
Planejamento e Controle Financeiro para Escritórios de Advocacia
Planejamento e Controle Financeiro para Escritórios de AdvocaciaPlanejamento e Controle Financeiro para Escritórios de Advocacia
Planejamento e Controle Financeiro para Escritórios de Advocacia
 
Palestra estruturar para conquistar
Palestra estruturar para conquistarPalestra estruturar para conquistar
Palestra estruturar para conquistar
 
Finanças na Advocacia - ExpoDireito 2011
Finanças na Advocacia - ExpoDireito 2011Finanças na Advocacia - ExpoDireito 2011
Finanças na Advocacia - ExpoDireito 2011
 

Último

O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 

Capital vs WikiLeaks

  • 1. Capital Versus WikiLeaks<br />Pode o fenômeno WikiLeaks gerar uma nova investida do setor corporativo em uma possível primeira Cyberguerra?<br />Quando seu o Banco suíço te deixa de lado, é sinal que você fez alguns inimigos muito poderosos.<br />Famoso por esconder dinheiro de todos, desde nazistas, narcotraficantes,  ditadores e espiões, o banco do governo suíço decidiu que WikiLeaks /Julian Assange é uma batata muito quente até mesmo para ele segurar.<br />Atitude semelhante foi a de outro banco suíço, o PostFinance, que declarou no início de dezembro que quot; terminou seu relacionamento comercial com o fundador WikiLeaks Paul Julian Assangequot; , depois de acusar Assange de - pasmem! - Fornecer informações falsas sobre o seu local de residência.<br />Este movimento teve ações similares seguidas pelas empresas de cartão de crédito Visa e MasterCard, bem como PayPal e Amazon.com, para não pagar mais processo e WikiLeaks no caso da Amazon.com, para deixar de ceder seus dados.<br />O Bank of America juntou-se ao clube das corporações, tendo como objetivo desestabilizar WikiLeaks. Recusando-se a processar os pagamentos para o site de vazamentos justificando a causa quot; que o site pode estar envolvido em atividades que são, entre outras coisas, inconsistentes com a nossas políticas internas para o processamento de pagamentos. quot; <br />E logo depois, ninguém menos que a Apple se juntou ao coro, e puxou o plugue em uma WikiLeaks app apenas alguns dias depois que ele foi posto à venda no site iTunes.Cada setor da economia, ao que parece, está contra WikiLeaks.<br />Acabando com  o quot; neocorporativismoquot; <br />Deveriam os agentes da CIA, chefes da máfia e de outros colegas de clientes dos bancos suíços, que provavelmente fizeram observações tão francas quanto as observações pessoais que Assange é acusado de ter feito, se preocuparem com a lealdade e discrição de seus banqueiros suíços?<br />Provavelmente não. E isso é porque o mundo dos criminosos, autocratas e “afins” formam grande parte do sistema político econômico mundial, mesmo que às vezes em lados opostos.<br />Mas WikiLeaks opera fora do sistema, buscando bem ao estilo quot; Matrixquot; , usar a tecnologia - a internet - para quot; destruirquot; o “sistema” por abri-lo ao escrutínio público, expondo as conspirações constantes dos poderosos contra o resto da sociedade.<br />Essa tarefa, Assange argumenta, é a forma mais importante de ajudar a libertar o sistema que milhões de vezes é conivente – “se não completamente dispostos a gerar vítimas. Agindo assim a intenção é alterar ou remover esse tipo comportamento dos governo e das Corporações. quot; <br />Como teórico político, Assange deixa algo a desejar. quot; Neocorporativismoquot; descrevem  um sistema em que o capital e o trabalho são enredados, mas em última análise, depende do relacionamento integrado com um aparelho de Estado forte e autônoma - uma atualização da relação triangular, que permitiu um crescimento econômico sem precedentes e os ganhos para a classe operária no Ocidente décadas após a Segunda Guerra Mundial<br />Ideologicamente, esse tipo de relação de estreita de trabalho entre governo, grandes empresas e trabalhadores organizada é a antítese do sistema neoliberal que WikiLeaks visa combater.<br />Mas Assange está certo que há algo de quot; neoquot; no ar, se não exatamente novo, algo na forma como o setor empresarial está se comportando hoje e em sua relação com o governo.Encontra-se dando um abraço - ou melhor, re-abraço - do capitalismo financeiro e do império militarista e do complexo militar-industrial que a sustenta.<br />Se focando consumidores desavisados no meio da América ou atacando supostos insurgentes no Oriente Médio, estes são dois dos setores mais secretos da economia americana. Eles dependem que o público saiba o mínimo possível sobre seu funcionamento interno, para assegurar a máxima liberdade e possível poder de ação, e obviamente os lucros.<br />O poder de sigilo<br />O abandono de Assange pelo sistema bancário suíço e seus primos americanos corporativos não é tão surpreendente assim. Poucas indústrias têm utilizado o sigilo e a falta de divulgação eficaz como os bancos, serviços financeiros e indústrias de cartão de crédito.<br />Na verdade, práticas de negócios secretos são centrais para a constante capacidade dessas empresas em arrecadar enormes lucros à custa de trabalho de americanos de classe média através de sistemas de negociação monopolistas, cobrando taxas de juros abusivas, e se envolvem em outras práticas que fariam mesmo o mais tubarão frio solitário de queixo caído.<br />Se o grande acordo entre os trabalhadores, capitalistas e governos permitiram os dois primeiros pós-II Guerra Mundial geração para mover da direita do ensino médio para a classe média, esta estrada foi irreparavelmente prejudicada na década de 1980, quando o Neoliberalismo chegou ao poder.<br />Enquanto os Estados Unidos entraram em sua longa e dolorosa era desindustrialização, a política externa americana se tornou mais agressiva e militarista, e assim, ingressar nas Forças Armadas se tornou uma das poucas rotas para proteger qualquer tipo de futuro econômico estável. Não surpreendentemente, os lucros do setor financeiro superaram a produção do início de 1990 e desde então não caiu. Mas esses lucros e o crescimento econômico têm invocado desproporcionalmente uma dívida gerada no governo, no consumidor e um esvaziamento do setor manufatureiro, que juntos ajudaram a tornar os EUA o quot; homem doente do mundoquot; , como um funcionário idoso de uma empresa.<br />Por sua vez, GM, Ford e Chrysler simultaneamente concentraram a maior parte de suas energias na produção de carros beberrões, ao estabelecer o braço de serviços financeiros que rapidamente se tornou responsável por uma parte substancial dos seus lucros (em alguns anos para cima de 90 por cento dos lucros são derivados acima).<br />Suas práticas de empréstimo, valem a pena destacar, incluídos os tipos quot; mentirososquot; de empréstimos à habitação, dado pouca preocupação sobre a capacidade dos mutuários a pagar-lhes, que precipitaram a crise econômica mundial de 2007 até hoje.<br />Financeirização e história<br />Nenhuma dessas práticas teria resistido à luz do escrutínio público, e foi só a privatização - em boa medida, a financeirização - da política americana que permitiu  florescer nos últimos 30 anos. Poucas empresas que ameaçam o sigilo quanto WikiLeaks e seu raio laser, o que de acordo com a visão de Washington como quot; atingindo diretamente o coração da economia globalquot; .<br />A quot; financeirizaçãoquot; da economia representa o crescente domínio das indústrias financeiras na economia global, assumindo quot; o papel dominante, econômico, político-cultural de uma economia nacionalquot; .<br />Essencialmente, este processo não é exclusivo para os Estados Unidos, também aconteceu com os impérios anteriores, como o de Habsburgo, holandeses e dos impérios britânico, precisamente nas eras que perderam sua posição dominante no mundo.Em todos os casos, financialismo e o militarismo passou de mão em mão, como foi apontado pelo historiador britânico John Hobson em seu famoso livro de 1902. Imperialismo: Um Estudo.<br />Nele, Hobson argumentou que a monopolização do setor financeiro criou uma nova oligarquia, que integrava os bancos e grandes empresas industriais, juntamente com quot; era  monges da guerra e especuladoresquot; , que incentivou o imperialismo para garantir mercados para os produtos excedentes produzidos pelas corporações.<br />A ascensão da América no domínio global veio depois do fim da era imperial e por isso não poderia conquistar territóriod descaradamente para criar novos mercados. Mas no momento da ascensão, atores políticos pediram/sugeriram ao governo investirem em gastos militares elevados para assegurar um forte crescimento econômico.<br />Isso coincidiu com a rápida expansão do crédito de fácil obtenção, criando dois quot; buracos negros gigantesquot; (nas palavras dos economistas Israelenses Shimshon Bichler Nitzan e Jonathan), cujo potencial de expansão foi limitada apenas pela vontade dos cidadãos para apoiar as políticas que lhes permitiram, Apesar dos danos a longo prazo para o desenvolvimento econômico e político bem-estar de suas sociedades.<br />Durante os primeiros 30 anos da era da Guerra Fria, a propensão para o militarismo foi equilibrada por uma economia industrial robusta e as relações comerciais, de trabalho pelo governo tripartite que garantido.<br />Isso começou a mudar na década de 1970, quando o extremamente caro e nada rentável investimento mililitar da Guerra do Vietnã começou a desenrolar.<br />Como Nitzan e Bichler descrevem em seu livro, o Global Political Economy of Israel, nesse período, quot; houve uma crescente convergência de interesses entre o lideres petroleiros mundiais e as empresas de armamento. A politização do petróleo, juntamente com a comercialização paralela de exportações de armas, ajudaram a dar forma de arma-dólares e petro-dolares em uma incomoda coligação entre essas empresas quot; .<br />O problema é que o site WikiLeaks sozinho, não pode virar o jogo neste conflito.<br />Assange poderia muito bem ser um quot; terrorista de alta tecnologiaquot; , como vice-presidente Americano, Joseph Biden, recentemente se referiu a ele, tendo em conta o terror que suas ações geraram ao atingir o coração do sistema político norte-americano<br />Mas os EUA são apenas um de um grupo de países-poderosos e líderes de corporações que compartilham um compromisso fundamental para garantir o maior lucro possível  e poder para si, por muito que os seus métodos e políticas sejam diferentes.<br />Para realmente ter um impacto, WikiLeaks deve inspirar toda uma geração de vazamento em outros países e culturas, que estão tão dispostos a arriscarem sua liberdade como Assange e as outras pessoas por trás Wikileaks. A cultura vazamento começou a enraizar-se, todavia, só o tempo dirá se ele resiste a forças que trabalham contra o seu desenvolvimento.<br />Se isso não acontecer - se Assange e seus camaradas forem transformados com sucesso em exemplos/bodes-expiatórios por seus inimigos políticos e corporativos deverão assustar aqueles que poderiam ser inspirados pelo seu exemplo – O Capital provavelmente vai ganhar a primeira quot; guerra cibernéticaquot; , assim como ele ganhou todas as guerras anteriores ao longo da história da modernidade, de forma longa, sangrenta e inimaginavelmente rentável.<br />Mark Levine é professor de história do Oriente Médio na Universidade da Califórnia, em Irvine.<br />As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor e não necessariamente refletem a política do WEBJURÍDICO.<br />