SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 5
Baixar para ler offline
Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 1
A precariedade suprema no capitalismo do século XXI
A História decorre em ciclos longos. Depois da precariedade absoluta do século XIX
acompanhada pela miséria, pela doença, pelas migrações massivas e a repressão assassina -
tão bem expressa em Peterloo - a luta dos trabalhadores foi ganhando maturidade na teoria e
na organização.
As duas guerras mundiais geraram movimentações sociais e políticas bem como as lutas
anticoloniais; bem como a decadência da Europa, a preponderância global dos EUA. A ausência
de radicalidade e a conciliação com as forças do capitalismo, em pleno êxtase neoliberal,
coincidiram com o fim dos socialismos como objetivos salvíficos.
Vivem-se tempos em que se chama democracia a uma rotatividade de gangs políticos que
parasitam os orçamentos; em que a precariedade no trabalho e na vida campeia perante
sindicatos amorfos; em que uma gripe disseminada pelo planeta veio constituir um alicerce
para a criação de uma ordem global mais autoritária e rapace; em que o nariz, em
permanência, se situa a um palmo de um pequeno instrumento de evasão.
Considerem-se os aspetos técnicos da produção, distribuição e consumo vigentes hoje em dia,
completamente inseridos na lógica de um capitalismo globalizado e predador.
Observe-se a massa de trabalhadores, precarizados, mal pagos, manipulados pelos media e,
com os velhos direitos integrados no modelo keynesiano, deformados ou já esquecidos. E,
devidamente anestesiados por dificuldades várias, para aceitarem resultados eleitorais como
potencial alívio nas suas precárias existências.
Outro grande número de pessoas é constituído por um volume enorme de população, de
baixos rendimentos na sua grande maioria, como os reformados, os desempregados e outros,
fora do enquadramento no trabalho formal.
Essa massificação reproduz-se, no plano político e eleitoral, numa mole imensa da população
que fica de fora do pleno exercício dos seus direitos políticos, apenas com o solitário direito de
Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 2
poder votar em grupos de ungidos e, do não direito a qualquer forma de autogestão e decisão
efetiva; o direito de representação só é permitido aos quadros dos partidos, cuja qualidade e
idoneidade é, bastas vezes, duvidosa.
Hoje, o ambiente empresarial e mediático aponta para a rendabilidade, a competitividade, as
horas extraordinárias não pagas; e a aceitação, a incorporação, a submissão à “cultura” da
empresa. O mesmo ambiente, incorporando o social, aponta para a precariedade como um
incentivo ao empreendedorismo, à empresarialização, ao trabalho como independente. E,
para o papel do Estado, das suas estruturas de regulador “neutro”, com a redução da carga
fiscal das empresas, com incentivos para a produção, exportação ou redução de custos de
produção… Tudo isto, obviamente, no culto demente da competitividade, do crescimento,
cujos sacrificados são o ambiente e a Humanidade; com esta, distraída do envelhecimento
populacional, da quebra da natalidade, da insalubridade dos meios urbanos que são pasto do
sacrossanto automóvel, da mesma maneira que os meios rurais são pasto de produtos
químicos com que se pretende incrementar a produtividade.
Pretende-se um empreendedorismo dos empresários, ancorado numa massa de dívida que se
recicla, ao mesmo tempo que se acumula incessantemente, com o apoio de fundos públicos e
de uma massa fiscal sempre em crescimento. Segundo o FMI, a dívida global será da ordem
dos $ 226000 biliões; e que pode atingir cerca de um trilião, com a inclusão dos produtos
derivados. Isto é, uma dívida que se multiplica incessantemente, muito para além do razoável,
cujo único final terá de ser a sua anulação, no âmbito de um cataclismo financeiro que não
deixará incólume nenhum ser humano.
A entrega da resolução da questão da habitação ao “mercado” bem como o abandono do
transporte público conduzem a um endividamento prolongado junto do sistema financeiro,
por parte da população trabalhadora; um endividamento que contempla um bom negócio
para o sistema financeiro. Essa captura, em breve, será substancialmente aumentada com o
fim da moeda física e com o controlo total das pessoas pelo sistema financeiro globalizado; o
Big Brother somará vários pontos na captura dos seres humanos.
Sublinhe-se o papel tentacular dos Estados como estruturas de controlo social e de
reafectação de recursos para benefício dos capitalistas – nacionais ou multinacionais,
consoante o grau acumulado de desenvolvimento capitalista. Não esqueçamos que o Estado é
o monopolista nacional da aplicação da violência, com os seus militares, os seus polícias, os
seus tribunais, as suas prisões.
É nesse mesmo Estado onde atracam as classes políticas, gente sem escrúpulos, verdadeiros
vomitórios de mentiras e manipuladores de consciências, potencialmente corruptos e
traficantes de influências; e também inclui angélicas figuras que acreditam num Moisés que
fez o Mar Vermelho afogar o exército do faraó. Através de leis e despachos, processa-se a
canalização do dinheiro da punção fiscal para capitalistas, por troca com a colocação em
grupos empresariais, de mandarins habilitados no seu papel de traficantes de influências.
Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 3
Grupo parlamentar dos venturecos
Perto de uma classe política cirandam jornalistas, que têm de ser próximos do regime para
poderem viver da profissão. E, daí que tenham de estar sempre atentos ao que dimana das
suas chefias, veículos dos interesses da empresa jornalística a que pertencem e, dos grupos de
pressão que se exercem sobre os media. Tudo isso, num sector onde a precariedade é elevada,
tal como o dever de não molestar os “interesses”1
.
Na base, em Portugal, está uma população empobrecida, envelhecida, que vende os seus
filhos para a emigração, incapaz de se organizar para se libertar de um empresariato sem
gabarito, que enriquece com subsídios e favores estatais, no âmbito da intermediação
efetuada pelos gangs governamentais e autárquicos, com acesso ao “pote”. Em contrapartida,
nos segmentos da economia menos atrativos para a população local, recorre-se em Portugal a
mão-de obra importada, africana e brasileira que vive nas zonas urbanas; ou, asiática, semi-
escravizada, trabalhando no Sul, na agricultura, em regiões desertificadas e envelhecidas.
A dinâmica demográfica e a diferença nos perfis da instrução em Portugal e Espanha é
reveladora da pobreza lusa, do fosso de indigência económica e educativa que separa os dois
países2
… ; e que é, obviamente, muito superior na comparação entre Portugal e a Europa
transpirenaica.
1
Quando do referendo da regionalização em Portugal, a maioria da classe política era contrária, tal
como acontecia no seio do governo PS (Guterres). Quem escreve estas linhas colaborava num jornal
económico já extinto e era adepto da regionalização; e, nesse contexto perguntou ao diretor se podia
“bater” no governo e na classe política. A resposta foi lapidar: “sim, sem problemas, tenha apenas em
conta alguns empresários…”
2
Centro e periferias (3) – Portugal, uma periferia ibérica
http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-3-portugal-uma.html
Demografia na Europa – um mundo de desigualdades (2015-2020)
http://grazia-tanta.blogspot.com/2021/04/demografia-na-europa-um-mundo-de.html
A instrução e o modelo económico para o Sul da Europa (1)
http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/03/a-instrucao-e-o-modelo-economico-para-o.html
Salários e impostos – sua evolução no século XXI
https://grazia-tanta.blogspot.com/2020/06/salarios-e-impostos-sua-evolucao-no.html
Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 4
Ainda no referente a Portugal, a gestão estatal, entregue a mafias, tem duas facetas. Numa,
cabem, por exemplo, as condenações de autarcas de Figueiró dos Vinhos que pretenderam
utilizar os fundos destinados às vítimas dos fogos de 2017 para benefício próprio; ou o caso de
um tal Vara, ligado ao PS. Se tivessem outro estatuto político estariam presos? Na outra faceta,
prisão é o que se não prefigura para um burlão de alto quilate - Ricardo Salgado - que vive,
confortável, desde a falência do BES em 2014 e, tudo indica que nunca será preso; deverá
estar escudado nas muitas “estórias” que poderá revelar sobre os gangsters dos partidos do
“arco da governação”.
O papel das classes políticas, nomeadamente dos partidos do “arco da governação”, é o de
gangs concorrentes na captura dos apoios eleitorais que lhes permitam ter acessos mediáticos
e financeiros privilegiados e, de colocarem os seus membros em empresas públicas ou,
privadas; ou ainda, incluídos nas obscuras sociedades de advogados. Os gangs procuram
também enquadrar a população no seu apoio, face à concorrência, oferecendo espetáculos
televisivos de wrestling – mesmo que vazios ou imbecilizantes; e assim, angariar posições no
aparelho de estado ou, em algumas empresas de maior gabarito.
Nesse caldo de baixa cultura surgem vidinhas do espetáculo e do verbo redondo, como um tal
Ventura que passou do comentário futebolístico para führer de um partido fascista, o Chega3
;
uma emanação semelhante ao Vox espanhol, ao AfD alemão, ao Fidez húngaro, ao PiS polaco,
à União Nacional de Marine Le Pen, entre outras excrescências.
A pandemia tem sido um elemento aproveitado para o confinamento social da população,
para o isolamento, com a utilização das forças policiais e dos media para a geração de medo,
insegurança e todos os problemas próprios de um confinamento; um medo proporcional ao
alarmismo lançado pelas classes políticas em geral. No caso português (até dia 3/2) haviam
sido tocados pelos vírus 2.8 M de pessoas, das quais 23% são ainda casos ativos, 76% estão
curados, havendo a lamentar a morte de 0.7% do volume global dos infetados. Por outro lado,
os 20000 mortos imputados ao covid-19 nos dois anos da peste correspondem a uma média de
uns 10000 anuais; isto é 8% da mortalidade total.
Para além do medo do covid-19, paralisante, há a registar, segundo o economista Eugénio
Rosa, aumentos miseráveis das remunerações (0.9%) e das pensões (0.24% a 1%), num país
que tem um dos mais baixos níveis de remunerações da Europa; e ainda o desvio para
pagamento de despesas com o covid-19, da ordem dos € 624 M de descontos para a Segurança
Social dos trabalhadores; uma hábito do regime pós-fascista com muitas décadas de prática.
3
É, sem dúvida, significativo que o regime não tenha excluído o Chega e tenha esquecido as próprias
normas constitucionais. A evidente degenerescência do regime
Artº 46 nº 4 - Não são consentidas ... organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista.
Artº 160º - 1. Perdem o mandato os Deputados que: ... d) ...ou por participação em organizações racistas ou que
perfilhem a ideologia fascista.
Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 5
Perante estas atuações, não admira que tenha surgido um partido liberal (IL) preenchido por
empresários, obviamente pressionantes ansiosos para morder o Orçamento.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Emigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precáriasEmigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precáriasGRAZIA TANTA
 
Notas sobre a deriva fascizante em curso
Notas sobre a deriva fascizante em cursoNotas sobre a deriva fascizante em curso
Notas sobre a deriva fascizante em cursoGRAZIA TANTA
 
O volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraO volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraGRAZIA TANTA
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10GRAZIA TANTA
 
O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política GRAZIA TANTA
 
Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)
Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)
Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)GRAZIA TANTA
 
Portugal 2020, um povo pobre e aprisionado
Portugal 2020, um povo pobre e aprisionadoPortugal 2020, um povo pobre e aprisionado
Portugal 2020, um povo pobre e aprisionadoGRAZIA TANTA
 
Porque não há uma estratégia popular anticapitalista
Porque não há uma estratégia popular anticapitalistaPorque não há uma estratégia popular anticapitalista
Porque não há uma estratégia popular anticapitalistaGRAZIA TANTA
 
2106 - Europa – um continente que se transforma em península
2106 - Europa – um continente que se transforma em península2106 - Europa – um continente que se transforma em península
2106 - Europa – um continente que se transforma em penínsulaGRAZIA TANTA
 
Para um novo paradigma político; a re criação da democracia
Para um novo paradigma político; a re criação da democraciaPara um novo paradigma político; a re criação da democracia
Para um novo paradigma político; a re criação da democraciaGRAZIA TANTA
 
As últimas eleições autárquicas. observações e comparações
As últimas eleições autárquicas. observações e comparaçõesAs últimas eleições autárquicas. observações e comparações
As últimas eleições autárquicas. observações e comparaçõesGRAZIA TANTA
 
A miséria da esquerda que anda por aí. um “case study”, a cimeira da nato
A miséria da esquerda que anda por aí.  um “case study”, a cimeira da natoA miséria da esquerda que anda por aí.  um “case study”, a cimeira da nato
A miséria da esquerda que anda por aí. um “case study”, a cimeira da natoGRAZIA TANTA
 
33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadas
33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadas33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadas
33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadasSINTE Regional
 
A decrepitude periférica
A decrepitude periféricaA decrepitude periférica
A decrepitude periféricaGRAZIA TANTA
 
Geografia exercicios geopolitica_mundial
Geografia exercicios geopolitica_mundialGeografia exercicios geopolitica_mundial
Geografia exercicios geopolitica_mundialGerusa Calanzani
 
A Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesa
A Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesaA Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesa
A Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesaGRAZIA TANTA
 
Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)
Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)
Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)aroudus
 
Para que servem as forças armadas
Para que servem as forças armadasPara que servem as forças armadas
Para que servem as forças armadasGRAZIA TANTA
 
União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à solta
União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à soltaUnião dos Povos da Europa ou o nacionalismo à solta
União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à soltaGRAZIA TANTA
 
O futuro precário do estado nação - 3
O  futuro precário do estado nação - 3O  futuro precário do estado nação - 3
O futuro precário do estado nação - 3GRAZIA TANTA
 

Mais procurados (20)

Emigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precáriasEmigrações, imigrações, vidas precárias
Emigrações, imigrações, vidas precárias
 
Notas sobre a deriva fascizante em curso
Notas sobre a deriva fascizante em cursoNotas sobre a deriva fascizante em curso
Notas sobre a deriva fascizante em curso
 
O volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeiraO volátil domínio da riqueza financeira
O volátil domínio da riqueza financeira
 
Textos de circunstância - 10
Textos de circunstância  - 10Textos de circunstância  - 10
Textos de circunstância - 10
 
O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política O Estado e a mediação política
O Estado e a mediação política
 
Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)
Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)
Centro e periferias na europa – a dinâmica das desigualdades desde 1990 (1)
 
Portugal 2020, um povo pobre e aprisionado
Portugal 2020, um povo pobre e aprisionadoPortugal 2020, um povo pobre e aprisionado
Portugal 2020, um povo pobre e aprisionado
 
Porque não há uma estratégia popular anticapitalista
Porque não há uma estratégia popular anticapitalistaPorque não há uma estratégia popular anticapitalista
Porque não há uma estratégia popular anticapitalista
 
2106 - Europa – um continente que se transforma em península
2106 - Europa – um continente que se transforma em península2106 - Europa – um continente que se transforma em península
2106 - Europa – um continente que se transforma em península
 
Para um novo paradigma político; a re criação da democracia
Para um novo paradigma político; a re criação da democraciaPara um novo paradigma político; a re criação da democracia
Para um novo paradigma político; a re criação da democracia
 
As últimas eleições autárquicas. observações e comparações
As últimas eleições autárquicas. observações e comparaçõesAs últimas eleições autárquicas. observações e comparações
As últimas eleições autárquicas. observações e comparações
 
A miséria da esquerda que anda por aí. um “case study”, a cimeira da nato
A miséria da esquerda que anda por aí.  um “case study”, a cimeira da natoA miséria da esquerda que anda por aí.  um “case study”, a cimeira da nato
A miséria da esquerda que anda por aí. um “case study”, a cimeira da nato
 
33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadas
33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadas33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadas
33o Congresso CNTE caderno_de_resoluções-aprovadas
 
A decrepitude periférica
A decrepitude periféricaA decrepitude periférica
A decrepitude periférica
 
Geografia exercicios geopolitica_mundial
Geografia exercicios geopolitica_mundialGeografia exercicios geopolitica_mundial
Geografia exercicios geopolitica_mundial
 
A Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesa
A Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesaA Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesa
A Grécia, o Syriza e a esquerda menor portuguesa
 
Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)
Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)
Resolução de questões Geografia (ufpr, ufsm, ufsc)
 
Para que servem as forças armadas
Para que servem as forças armadasPara que servem as forças armadas
Para que servem as forças armadas
 
União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à solta
União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à soltaUnião dos Povos da Europa ou o nacionalismo à solta
União dos Povos da Europa ou o nacionalismo à solta
 
O futuro precário do estado nação - 3
O  futuro precário do estado nação - 3O  futuro precário do estado nação - 3
O futuro precário do estado nação - 3
 

Semelhante a 2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi

Decrescimento, capitalismo e democracia de mercado
Decrescimento, capitalismo e democracia de mercadoDecrescimento, capitalismo e democracia de mercado
Decrescimento, capitalismo e democracia de mercadoGRAZIA TANTA
 
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 1-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  1-Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  1-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 1-GRAZIA TANTA
 
O desenvolvimento do subdesenvolvimento
O desenvolvimento do subdesenvolvimentoO desenvolvimento do subdesenvolvimento
O desenvolvimento do subdesenvolvimentoSinapsa
 
Capitalismo e o espírito naif para a construção do futuro
Capitalismo e o espírito naif para a construção do futuroCapitalismo e o espírito naif para a construção do futuro
Capitalismo e o espírito naif para a construção do futuroGRAZIA TANTA
 
Nacionalização da banca piada ou mistificação
Nacionalização da banca   piada ou mistificaçãoNacionalização da banca   piada ou mistificação
Nacionalização da banca piada ou mistificaçãoGRAZIA TANTA
 
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1GRAZIA TANTA
 
O mundo pos-covid que chegará… um dia
O mundo pos-covid que chegará… um diaO mundo pos-covid que chegará… um dia
O mundo pos-covid que chegará… um diaGRAZIA TANTA
 
O brasil rumo à ingovernabilidade
O brasil rumo à ingovernabilidadeO brasil rumo à ingovernabilidade
O brasil rumo à ingovernabilidadeFernando Alcoforado
 
É o clima, estúpido!
É o clima, estúpido!É o clima, estúpido!
É o clima, estúpido!GRAZIA TANTA
 
Democracia, democracia das empresas e wikileaks
Democracia, democracia das empresas e wikileaksDemocracia, democracia das empresas e wikileaks
Democracia, democracia das empresas e wikileaksGRAZIA TANTA
 
Dívida pública beneficiários e pagadores 1ª parte-
Dívida pública   beneficiários e pagadores  1ª parte-Dívida pública   beneficiários e pagadores  1ª parte-
Dívida pública beneficiários e pagadores 1ª parte-GRAZIA TANTA
 
Dívida pública – cancro não se trata com paracetamol
Dívida pública – cancro não se trata com paracetamolDívida pública – cancro não se trata com paracetamol
Dívida pública – cancro não se trata com paracetamolGRAZIA TANTA
 
Machete e a suspensão de direitos fundamentais
Machete e a suspensão de direitos fundamentaisMachete e a suspensão de direitos fundamentais
Machete e a suspensão de direitos fundamentaisGRAZIA TANTA
 
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vidaO Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vidaGRAZIA TANTA
 
Solidariedade com o povo grego
Solidariedade com o povo gregoSolidariedade com o povo grego
Solidariedade com o povo gregoGRAZIA TANTA
 
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUSArthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUSConceição Lemes
 
Capitalismo de mercado e capitalismo de estado
Capitalismo de mercado e capitalismo de estadoCapitalismo de mercado e capitalismo de estado
Capitalismo de mercado e capitalismo de estadoGRAZIA TANTA
 

Semelhante a 2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi (20)

Decrescimento, capitalismo e democracia de mercado
Decrescimento, capitalismo e democracia de mercadoDecrescimento, capitalismo e democracia de mercado
Decrescimento, capitalismo e democracia de mercado
 
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 1-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  1-Quando a dívida aumenta a democracia encolhe  1-
Quando a dívida aumenta a democracia encolhe 1-
 
O desenvolvimento do subdesenvolvimento
O desenvolvimento do subdesenvolvimentoO desenvolvimento do subdesenvolvimento
O desenvolvimento do subdesenvolvimento
 
Capitalismo e o espírito naif para a construção do futuro
Capitalismo e o espírito naif para a construção do futuroCapitalismo e o espírito naif para a construção do futuro
Capitalismo e o espírito naif para a construção do futuro
 
Nacionalização da banca piada ou mistificação
Nacionalização da banca   piada ou mistificaçãoNacionalização da banca   piada ou mistificação
Nacionalização da banca piada ou mistificação
 
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
Para uma constituição democrática com caráter de urgência – 1
 
O mundo pos-covid que chegará… um dia
O mundo pos-covid que chegará… um diaO mundo pos-covid que chegará… um dia
O mundo pos-covid que chegará… um dia
 
Igor grabois
Igor graboisIgor grabois
Igor grabois
 
O brasil rumo à ingovernabilidade
O brasil rumo à ingovernabilidadeO brasil rumo à ingovernabilidade
O brasil rumo à ingovernabilidade
 
É o clima, estúpido!
É o clima, estúpido!É o clima, estúpido!
É o clima, estúpido!
 
Democracia, democracia das empresas e wikileaks
Democracia, democracia das empresas e wikileaksDemocracia, democracia das empresas e wikileaks
Democracia, democracia das empresas e wikileaks
 
Dívida pública beneficiários e pagadores 1ª parte-
Dívida pública   beneficiários e pagadores  1ª parte-Dívida pública   beneficiários e pagadores  1ª parte-
Dívida pública beneficiários e pagadores 1ª parte-
 
Dívida pública – cancro não se trata com paracetamol
Dívida pública – cancro não se trata com paracetamolDívida pública – cancro não se trata com paracetamol
Dívida pública – cancro não se trata com paracetamol
 
Machete e a suspensão de direitos fundamentais
Machete e a suspensão de direitos fundamentaisMachete e a suspensão de direitos fundamentais
Machete e a suspensão de direitos fundamentais
 
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vidaO Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
O Pib, o Imi e outros modos de mercantilização da vida
 
Solidariedade com o povo grego
Solidariedade com o povo gregoSolidariedade com o povo grego
Solidariedade com o povo grego
 
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUSArthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
Arthur Chioro: O que será do Brasil e do SUS
 
Tribuna classista 23
Tribuna classista 23Tribuna classista 23
Tribuna classista 23
 
Capitalismo de mercado e capitalismo de estado
Capitalismo de mercado e capitalismo de estadoCapitalismo de mercado e capitalismo de estado
Capitalismo de mercado e capitalismo de estado
 
O brasil desgovernado
O brasil desgovernadoO brasil desgovernado
O brasil desgovernado
 

Mais de GRAZIA TANTA

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docGRAZIA TANTA
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfGRAZIA TANTA
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfGRAZIA TANTA
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfGRAZIA TANTA
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaGRAZIA TANTA
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight overGRAZIA TANTA
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfGRAZIA TANTA
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfGRAZIA TANTA
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfGRAZIA TANTA
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfGRAZIA TANTA
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UEGRAZIA TANTA
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUGRAZIA TANTA
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueGRAZIA TANTA
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemGRAZIA TANTA
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroGRAZIA TANTA
 
Glasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the looseGlasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the looseGRAZIA TANTA
 
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)GRAZIA TANTA
 
Structure and evolution of the various levels of education in the eu
Structure and evolution of the various levels of education in the euStructure and evolution of the various levels of education in the eu
Structure and evolution of the various levels of education in the euGRAZIA TANTA
 
Estrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ue
Estrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ueEstrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ue
Estrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ueGRAZIA TANTA
 

Mais de GRAZIA TANTA (20)

Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdfUcrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
Ucrânia – Uma realidade pobre e volátil.pdf
 
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.docAs desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
As desigualdades entre mais pobres e menos pobres.doc
 
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdfBalofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
Balofas palavras em dia de fuga para as praias.pdf
 
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdfAs balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
As balas da guerra parecem beliscar pouco as transações de energia.pdf
 
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdfUnião Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
União Europeia – diferenciações nos dinamismos sectoriais.pdf
 
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na EuropaAs desigualdades provenientes da demografia na Europa
As desigualdades provenientes da demografia na Europa
 
A BideNato flight over
A BideNato flight overA BideNato flight over
A BideNato flight over
 
Um sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdfUm sobrevoo do BideNato.pdf
Um sobrevoo do BideNato.pdf
 
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdfNATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
NATO in the wake of Hitler - Drang nach Osten.pdf
 
USA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdfUSA – A huge danger to Humanity.pdf
USA – A huge danger to Humanity.pdf
 
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdfEUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
EUA – Um perigo enorme para a Humanidade.pdf
 
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UENato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
Nato, Ucrânia e a menoridade política dos chefes da UE
 
Speculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EUSpeculative electricity prices in the EU
Speculative electricity prices in the EU
 
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ueOs especulativos preços da energia elétrica na ue
Os especulativos preços da energia elétrica na ue
 
Human beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial systemHuman beings, servants of the financial system
Human beings, servants of the financial system
 
Seres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiroSeres humanos, servos do sistema financeiro
Seres humanos, servos do sistema financeiro
 
Glasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the looseGlasgow – guinness mugs on the loose
Glasgow – guinness mugs on the loose
 
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
2110 - As últimas eleições autárquicas. Detalhe de um campeonato (2)
 
Structure and evolution of the various levels of education in the eu
Structure and evolution of the various levels of education in the euStructure and evolution of the various levels of education in the eu
Structure and evolution of the various levels of education in the eu
 
Estrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ue
Estrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ueEstrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ue
Estrutura e evolução dos vários níveis de habilitações na ue
 

2201 a precariedade suprema no capitalismo do século xxi

  • 1. Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 1 A precariedade suprema no capitalismo do século XXI A História decorre em ciclos longos. Depois da precariedade absoluta do século XIX acompanhada pela miséria, pela doença, pelas migrações massivas e a repressão assassina - tão bem expressa em Peterloo - a luta dos trabalhadores foi ganhando maturidade na teoria e na organização. As duas guerras mundiais geraram movimentações sociais e políticas bem como as lutas anticoloniais; bem como a decadência da Europa, a preponderância global dos EUA. A ausência de radicalidade e a conciliação com as forças do capitalismo, em pleno êxtase neoliberal, coincidiram com o fim dos socialismos como objetivos salvíficos. Vivem-se tempos em que se chama democracia a uma rotatividade de gangs políticos que parasitam os orçamentos; em que a precariedade no trabalho e na vida campeia perante sindicatos amorfos; em que uma gripe disseminada pelo planeta veio constituir um alicerce para a criação de uma ordem global mais autoritária e rapace; em que o nariz, em permanência, se situa a um palmo de um pequeno instrumento de evasão. Considerem-se os aspetos técnicos da produção, distribuição e consumo vigentes hoje em dia, completamente inseridos na lógica de um capitalismo globalizado e predador. Observe-se a massa de trabalhadores, precarizados, mal pagos, manipulados pelos media e, com os velhos direitos integrados no modelo keynesiano, deformados ou já esquecidos. E, devidamente anestesiados por dificuldades várias, para aceitarem resultados eleitorais como potencial alívio nas suas precárias existências. Outro grande número de pessoas é constituído por um volume enorme de população, de baixos rendimentos na sua grande maioria, como os reformados, os desempregados e outros, fora do enquadramento no trabalho formal. Essa massificação reproduz-se, no plano político e eleitoral, numa mole imensa da população que fica de fora do pleno exercício dos seus direitos políticos, apenas com o solitário direito de
  • 2. Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 2 poder votar em grupos de ungidos e, do não direito a qualquer forma de autogestão e decisão efetiva; o direito de representação só é permitido aos quadros dos partidos, cuja qualidade e idoneidade é, bastas vezes, duvidosa. Hoje, o ambiente empresarial e mediático aponta para a rendabilidade, a competitividade, as horas extraordinárias não pagas; e a aceitação, a incorporação, a submissão à “cultura” da empresa. O mesmo ambiente, incorporando o social, aponta para a precariedade como um incentivo ao empreendedorismo, à empresarialização, ao trabalho como independente. E, para o papel do Estado, das suas estruturas de regulador “neutro”, com a redução da carga fiscal das empresas, com incentivos para a produção, exportação ou redução de custos de produção… Tudo isto, obviamente, no culto demente da competitividade, do crescimento, cujos sacrificados são o ambiente e a Humanidade; com esta, distraída do envelhecimento populacional, da quebra da natalidade, da insalubridade dos meios urbanos que são pasto do sacrossanto automóvel, da mesma maneira que os meios rurais são pasto de produtos químicos com que se pretende incrementar a produtividade. Pretende-se um empreendedorismo dos empresários, ancorado numa massa de dívida que se recicla, ao mesmo tempo que se acumula incessantemente, com o apoio de fundos públicos e de uma massa fiscal sempre em crescimento. Segundo o FMI, a dívida global será da ordem dos $ 226000 biliões; e que pode atingir cerca de um trilião, com a inclusão dos produtos derivados. Isto é, uma dívida que se multiplica incessantemente, muito para além do razoável, cujo único final terá de ser a sua anulação, no âmbito de um cataclismo financeiro que não deixará incólume nenhum ser humano. A entrega da resolução da questão da habitação ao “mercado” bem como o abandono do transporte público conduzem a um endividamento prolongado junto do sistema financeiro, por parte da população trabalhadora; um endividamento que contempla um bom negócio para o sistema financeiro. Essa captura, em breve, será substancialmente aumentada com o fim da moeda física e com o controlo total das pessoas pelo sistema financeiro globalizado; o Big Brother somará vários pontos na captura dos seres humanos. Sublinhe-se o papel tentacular dos Estados como estruturas de controlo social e de reafectação de recursos para benefício dos capitalistas – nacionais ou multinacionais, consoante o grau acumulado de desenvolvimento capitalista. Não esqueçamos que o Estado é o monopolista nacional da aplicação da violência, com os seus militares, os seus polícias, os seus tribunais, as suas prisões. É nesse mesmo Estado onde atracam as classes políticas, gente sem escrúpulos, verdadeiros vomitórios de mentiras e manipuladores de consciências, potencialmente corruptos e traficantes de influências; e também inclui angélicas figuras que acreditam num Moisés que fez o Mar Vermelho afogar o exército do faraó. Através de leis e despachos, processa-se a canalização do dinheiro da punção fiscal para capitalistas, por troca com a colocação em grupos empresariais, de mandarins habilitados no seu papel de traficantes de influências.
  • 3. Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 3 Grupo parlamentar dos venturecos Perto de uma classe política cirandam jornalistas, que têm de ser próximos do regime para poderem viver da profissão. E, daí que tenham de estar sempre atentos ao que dimana das suas chefias, veículos dos interesses da empresa jornalística a que pertencem e, dos grupos de pressão que se exercem sobre os media. Tudo isso, num sector onde a precariedade é elevada, tal como o dever de não molestar os “interesses”1 . Na base, em Portugal, está uma população empobrecida, envelhecida, que vende os seus filhos para a emigração, incapaz de se organizar para se libertar de um empresariato sem gabarito, que enriquece com subsídios e favores estatais, no âmbito da intermediação efetuada pelos gangs governamentais e autárquicos, com acesso ao “pote”. Em contrapartida, nos segmentos da economia menos atrativos para a população local, recorre-se em Portugal a mão-de obra importada, africana e brasileira que vive nas zonas urbanas; ou, asiática, semi- escravizada, trabalhando no Sul, na agricultura, em regiões desertificadas e envelhecidas. A dinâmica demográfica e a diferença nos perfis da instrução em Portugal e Espanha é reveladora da pobreza lusa, do fosso de indigência económica e educativa que separa os dois países2 … ; e que é, obviamente, muito superior na comparação entre Portugal e a Europa transpirenaica. 1 Quando do referendo da regionalização em Portugal, a maioria da classe política era contrária, tal como acontecia no seio do governo PS (Guterres). Quem escreve estas linhas colaborava num jornal económico já extinto e era adepto da regionalização; e, nesse contexto perguntou ao diretor se podia “bater” no governo e na classe política. A resposta foi lapidar: “sim, sem problemas, tenha apenas em conta alguns empresários…” 2 Centro e periferias (3) – Portugal, uma periferia ibérica http://grazia-tanta.blogspot.pt/2016/06/centro-e-periferias-3-portugal-uma.html Demografia na Europa – um mundo de desigualdades (2015-2020) http://grazia-tanta.blogspot.com/2021/04/demografia-na-europa-um-mundo-de.html A instrução e o modelo económico para o Sul da Europa (1) http://grazia-tanta.blogspot.pt/2013/03/a-instrucao-e-o-modelo-economico-para-o.html Salários e impostos – sua evolução no século XXI https://grazia-tanta.blogspot.com/2020/06/salarios-e-impostos-sua-evolucao-no.html
  • 4. Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 4 Ainda no referente a Portugal, a gestão estatal, entregue a mafias, tem duas facetas. Numa, cabem, por exemplo, as condenações de autarcas de Figueiró dos Vinhos que pretenderam utilizar os fundos destinados às vítimas dos fogos de 2017 para benefício próprio; ou o caso de um tal Vara, ligado ao PS. Se tivessem outro estatuto político estariam presos? Na outra faceta, prisão é o que se não prefigura para um burlão de alto quilate - Ricardo Salgado - que vive, confortável, desde a falência do BES em 2014 e, tudo indica que nunca será preso; deverá estar escudado nas muitas “estórias” que poderá revelar sobre os gangsters dos partidos do “arco da governação”. O papel das classes políticas, nomeadamente dos partidos do “arco da governação”, é o de gangs concorrentes na captura dos apoios eleitorais que lhes permitam ter acessos mediáticos e financeiros privilegiados e, de colocarem os seus membros em empresas públicas ou, privadas; ou ainda, incluídos nas obscuras sociedades de advogados. Os gangs procuram também enquadrar a população no seu apoio, face à concorrência, oferecendo espetáculos televisivos de wrestling – mesmo que vazios ou imbecilizantes; e assim, angariar posições no aparelho de estado ou, em algumas empresas de maior gabarito. Nesse caldo de baixa cultura surgem vidinhas do espetáculo e do verbo redondo, como um tal Ventura que passou do comentário futebolístico para führer de um partido fascista, o Chega3 ; uma emanação semelhante ao Vox espanhol, ao AfD alemão, ao Fidez húngaro, ao PiS polaco, à União Nacional de Marine Le Pen, entre outras excrescências. A pandemia tem sido um elemento aproveitado para o confinamento social da população, para o isolamento, com a utilização das forças policiais e dos media para a geração de medo, insegurança e todos os problemas próprios de um confinamento; um medo proporcional ao alarmismo lançado pelas classes políticas em geral. No caso português (até dia 3/2) haviam sido tocados pelos vírus 2.8 M de pessoas, das quais 23% são ainda casos ativos, 76% estão curados, havendo a lamentar a morte de 0.7% do volume global dos infetados. Por outro lado, os 20000 mortos imputados ao covid-19 nos dois anos da peste correspondem a uma média de uns 10000 anuais; isto é 8% da mortalidade total. Para além do medo do covid-19, paralisante, há a registar, segundo o economista Eugénio Rosa, aumentos miseráveis das remunerações (0.9%) e das pensões (0.24% a 1%), num país que tem um dos mais baixos níveis de remunerações da Europa; e ainda o desvio para pagamento de despesas com o covid-19, da ordem dos € 624 M de descontos para a Segurança Social dos trabalhadores; uma hábito do regime pós-fascista com muitas décadas de prática. 3 É, sem dúvida, significativo que o regime não tenha excluído o Chega e tenha esquecido as próprias normas constitucionais. A evidente degenerescência do regime Artº 46 nº 4 - Não são consentidas ... organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista. Artº 160º - 1. Perdem o mandato os Deputados que: ... d) ...ou por participação em organizações racistas ou que perfilhem a ideologia fascista.
  • 5. Grazia.tanta@gmail.com 7/2/2022 5 Perante estas atuações, não admira que tenha surgido um partido liberal (IL) preenchido por empresários, obviamente pressionantes ansiosos para morder o Orçamento.