SlideShare uma empresa Scribd logo
O cinema, do grego κίνημα "movimento" e γράϕω "escrever“, é a técnica de projetar fotogramas de forma rápida e sucessiva para criar a impressão de movimento, bem como a arte de se produzir obras estéticas, narrativas ou não, com esta técnica.
Vinte e oito de Dezembro de 1895 é considerada a data de nascimento do cinema, quando os irmão Lumiére promoveram no Grand Café, centro de París, a primeira sessão que contava com vinte minutos.
Antes dos irmão Lumiére muitas pessoas contribuíram para a invenção do cinema...
Pré-história  Registro de seqüências de imagens, desenhadas em cavernas, que dão a sensação de movimento. Teatro de sombras Começou a ser praticado na China, por volta de 5000 a.C, as personagens eram projetadas em telas de linho. Câmara Escura Anunciado por Leonardo da Vinci, consiste em uma caixa escura com um pequeno orifício,onde é projetada a imagem invertida Lanterna Mágica Caixa iluminada a vela que através de uma lâmina de vidro, amplia a imagem.  Thaumatrópio Inventado em 1825, consiste em um disco, preso a dois pedaços de barbante, com uma imagem em cada lado. Quando os barbantes são torcidos as imagens se fundem.
Persistência Retiniana  Peter Mark Roget estuda o fenômeno da retenção da imagem. Fenacistoscópio Inventado por Joseph Antoine Plateau, é um disco com desenhos de uma pessoa em diferentes posições, quando girado, dá-se a impressão de movimento. Zootrópio Máquina criada em 1834, composta por um tambor com frestas, da onde é possível ver imagens em movimento que estão fixadas no interior do tambor. Praxinoscópio  Inventado por Charles Émile Reynaud, consistia em um tambor com espelhos no centro e desenhos colados no interior. Ao girar o tambor é possível visualizar o movimento das imagens por meio dos espelhos.
Película  Em1878, Charles Benett fabrica a película fotográfica com celulóide. Fuziu fotográfico Criado na França, consiste em um tambor forrado por dentro com chapa fotográfica, que disparava 24 fotos. Cinetoscópio Aparelho de projeção, inventado pela equipe de Thomas Edison, consistia em uma caixa que projetava as imagens da película por meio de uma manivela. Cinematógrafo Cinetoscópio aperfeiçoado pelos irmão Lumiére, que torna possível a projeção do filme para mais de uma pessoa.
Thaumatrópio Fenacistoscópio Zootrópio Praxynoscópio Câmera escura Heliografia Fuzil fotográfico Cinetoscópio Cinematógrafo Lanterna mágica Sombras chinesas Pinturas Rupestres
Os primeiros filmes eram mudos, porém a trilha sonora era feita ao vivo, geralmente por um pianista. Havia também um narrador que explicava o filme e legendas com as falas das personagens
As produções dos irmãos Lumiére tratavam basicamente de registrar a realidade, como crianças brincando, utilizando de câmeras paradas. É em 1914, com O Nascimento de uma nação de David Wark Griffith que a linguagem cinematográfica se consolida, tendo importantes contribuições de Edwin Porter e Georges Méliès. Nessa época os filmes basicamente se dividiam em faroeste, comédias, e elegantes melodramas.
 
Em 1927 foi lançado “The Jazz Singer”, filme que consagrou o cinema sonoro, e aumentou consideravelmente o público.
Com o advento do som, vieram alguns problemas como a captação do som e movimento da câmera, já que esta era bastante barulhenta. Para resolve-los surgiram objetos como Boom, microfone de lapela, utilização de 2 microfones ligados a um mixer. Essa época é caracterizada por filmes policiais e musicais.
Em 1906 começaram as primeira experiências com filmes coloridos, mas essa técnica foi empregada apenas em 1935 com Vaidade e beleza de Rouben Mamoulian.
"The Power of Love" de 1922 é considerado o primeiro filme em 3D, mas com o surgimento da televisão, é que se passa a investir nesta técnica.
Material fotográfico feito a base de celulóide, sensível a luz Numeração de borda. Pista de som Perfurações Fotograma A Bitola é a medida da tira da película, ao longo da história, diversas bitolas foram fabricadas, atualmente são utilizadas as de 8mm, 16mm, 35mm e em alguns lugares a de 70mm. A qualidade da imagem é proporcional ao tamanho da bitola, maior a largura da película, maior o espaço reservado para fixação da imagem e maior o número de perfurações, o que impossibilita que uma câmera de 16mm comporte uma película de 35mm.
O formato é a medida da área útil da película, se dá pela razão entre altura e largura do espaço onde será fixada a imagem.O formato é variável de acordo com padrões já definidos, porém é necessário que o formato de captação seja o mesmo formato da projeção para não haver erros como corte da imagem.    
 
Vanguarda Russa é o  termo utilizado para se referir a um conjunto de movimentos artísticos que ocorreram na Rússia nos anos próximos a revolução de 1917.
O construtivismo Russo é um movimento artístico-político  bastante próximo da realidade revolucionária Arte do cotidiano Transformadora social Uso de novos materiais Formas geométricas Cores primárias Posicionamento político
É uma técnica utilizada inicialmente pelos artistas gregos, eles dividiam o quadro em quadrantes, horizontais e verticais e o ponto de interesse deveria ser colocado na intersecção dos pontos (pontos fortes) a fim de se obter equilíbrio visual. Ainda hoje é utilizada dessa técnica no meio audiovisual para compor a imagem: Divide-se a tela em três partes horizontais e verticais
 
Ferramenta ideal para os ideais construtivistas. Cinema dialético. Com recortes angulosos e contraposições que sugeriam ritmos e harmonias.
 
Forte influência do teatro (Meyerhold). Cinema como expressão Uso da tipagem, simbologia, incitação de debates
Montagem como construção da narrativa Montagem Intelectual Métrica Tonal  Atonal
 
Baseia-se em fatores puramente mecânicos, nos planos organizados em medidas cronométricas, caracterizados pelo comprimento, neste caso a tensão é obtida através da alteração da duração dos fragmentos do filme. O conteúdo dentro do quadro se submete ao comprimento do fragmento.  
É o movimento no quadro que determinam os cortes, neste caso o conteúdo dentro do quadro é tão relevante quanto o comprimento do fragmento, comprimento este que não é necessariamente matemático e depende do som emocional característico de cada fragmento. Sem clareza científica, pode ser baseada nas vibrações luminosas
Relaciona a concepção global de um filme, estabelece uma relação acontecimentos simultâneos as imagens, os efeitos sonoros, Eisenstein compara a relação vertical a pauta de uma partitura. Associa a imagem com a representação gráfica do som, o ritmo do som com os cortes
 
Os conceitos envolvidos na etapa de filmagem, gravação ou captura de imagens também são exemplos da aplicabilidade da matemática no cinema. A seguir são listados alguns termos técnicos.
Plano: Trecho do filme entre dois cortes. Cena: Conjunto de planos que tem relação temporal ou espacial entre si.  Sequência: Conjunto de cenas relacionadas  Campo: Espaço visualizado pela câmera.  Quadro: Retângulo que compõem as imagens que serão exibidas.
Ângulo de visão.  É a área entre  duas semi-retas que possuem uma origem em comum, variam conforme a objetiva e se diferenciam  na visão horizontal, vertical e diagonal,  devido o quadro ser retangular. Eixo Visual. É o eixo do ângulo, ou seja, a  direção para qual a câmera  esta apontada.
Enquadramentos. Plano Geral: Abrange todo o ambiente da cena. Plano Conjunto: Abrange um grupo de pessoas. Plano Inteiro: Enquadra uma pessoa por inteiro. Plano Americano: Enquadra as personagens na altura das coxas para cima. Plano Médio: Enquadra a personagem da costela até a cabeça. Primeiro Plano: Enquadra o busto da personagem.  Close: Visualiza apenas o rosto.  Plano detalhe: Enquadra partes do corpo ou objeto.
Movimentos de câmera. Panorâmica: Rotação da câmera em torno de seu eixo. Travelling: Deslocamento da câmera em linha reta, na horizontal ou vertical.  Zoom: Aumento ou diminuição do ângulo de visão de um mesmo plano. Profundidade de campo. É a dimensão do campo, a extensão do ponto mais próximo e mais distante que as imagens são visualizadas.
Composição é a organização ou arranjo dos elementos da arte visual. A disposição, o tamanho, a cor, a luminosidade, o formato e demais fatores conjugados ao tema, geram uma mensagem, incitam atenção ou motivação para um determinado fim. A linguagem visual permite comunicar conceitos através de elementos visuais como...
Ponto. Menor sinal visual sem dimensão. porém com forte estímulo a percepção. Forma. É o resultado do movimento da linha. O círculo, o quadrado, e o triângulo são consideradas as formas básicas pelo fato de ser defendido que a combinação destas três originam qualquer outra forma geométrica. É associada à diversidade de ações e maneiras de ser, na direção de arte a forma possuem peso visual bastante significativo.
Linha. A linha é a sucessão de pontos tão próximos um do outro que é imperceptível a visualização destes isolados, um traço contínuo Quando disposta na horizontal, traz ao telespectador a sensação de sossego. Apresentada na vertical remete a elegância, seriedade.Quando são Divergentes, apresentam ao telespectador opções de centro de interesse, são utilizadas quando a intenção é distrair o telespectador, muito usada em cenas de suspense.As linhas Convergentes forçam o receptor a olhar para um determinado ponto. E por fim as curvas sugerem tranqüilidade, delicadeza, suavidade.
Dimensão. É a representação de uma forma por meio da coordenadas, eixos x, y e z (altura, largura e profundidade). Proporção. É definido principalmente pelo relacionamento entre o tamanho e peso, relativo ao contexto, remete a harmonia, pois há um relacionamento direto das partes com o todo. A dimensão de cada elemento deve estar em equilíbrio
Bruna Alves Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espaço plástico
Espaço plásticoEspaço plástico
Espaço plástico
Marcio Duarte
 
9 principios de composicao com cartier bresson
9 principios de composicao com cartier bresson9 principios de composicao com cartier bresson
9 principios de composicao com cartier bresson
felipefaux
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuais
Oswaldo Hernandez
 
Edição e Montagem - Aulas 8 e 9
Edição e Montagem - Aulas 8 e 9Edição e Montagem - Aulas 8 e 9
Edição e Montagem - Aulas 8 e 9
Mauricio Fonteles
 
PóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO TeoriaPóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO Teoria
dribas
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
Marcio Duarte
 
Edm 02 2016 aula 02
Edm 02 2016 aula 02Edm 02 2016 aula 02
Edm 02 2016 aula 02
Armando Bulcao
 
Montagem e edição no cinema
Montagem e edição no cinemaMontagem e edição no cinema
Montagem e edição no cinema
Bianca Pasetto
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
Viviane Calasans
 
Fotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramentoFotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramento
victormlcosta
 
Luz e Composição Fotográfica
Luz e Composição FotográficaLuz e Composição Fotográfica
Luz e Composição Fotográfica
Cid Costa Neto
 
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
videoparatodos
 
Representação e planos
Representação e planosRepresentação e planos
Representação e planos
Marcio Duarte
 
Elementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básicaElementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básica
Diego Avila
 
linguagem fotográfica
linguagem fotográficalinguagem fotográfica
linguagem fotográfica
Rogerio Flori
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Iga Almeida
 
A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...
A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...
A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...
Marcelo Ribeiro
 
Enquadramento de câmera
Enquadramento de câmeraEnquadramento de câmera
Enquadramento de câmera
Renata Trindade
 
Composicao
ComposicaoComposicao
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Mauricio Fonteles
 

Mais procurados (20)

Espaço plástico
Espaço plásticoEspaço plástico
Espaço plástico
 
9 principios de composicao com cartier bresson
9 principios de composicao com cartier bresson9 principios de composicao com cartier bresson
9 principios de composicao com cartier bresson
 
Fotografia elementos visuais
Fotografia   elementos visuaisFotografia   elementos visuais
Fotografia elementos visuais
 
Edição e Montagem - Aulas 8 e 9
Edição e Montagem - Aulas 8 e 9Edição e Montagem - Aulas 8 e 9
Edição e Montagem - Aulas 8 e 9
 
PóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO TeoriaPóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO Teoria
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
 
Edm 02 2016 aula 02
Edm 02 2016 aula 02Edm 02 2016 aula 02
Edm 02 2016 aula 02
 
Montagem e edição no cinema
Montagem e edição no cinemaMontagem e edição no cinema
Montagem e edição no cinema
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
 
Fotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramentoFotografia composição enquadramento
Fotografia composição enquadramento
 
Luz e Composição Fotográfica
Luz e Composição FotográficaLuz e Composição Fotográfica
Luz e Composição Fotográfica
 
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
Aula 10 EdiçãO Rev2[1]
 
Representação e planos
Representação e planosRepresentação e planos
Representação e planos
 
Elementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básicaElementos da fotografia básica
Elementos da fotografia básica
 
linguagem fotográfica
linguagem fotográficalinguagem fotográfica
linguagem fotográfica
 
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de PlanosLinguagem audiovisual: Escala de Planos
Linguagem audiovisual: Escala de Planos
 
A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...
A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...
A fotografia, seus momentos icônicos, simbólicos e indiciários, suas dimensõe...
 
Enquadramento de câmera
Enquadramento de câmeraEnquadramento de câmera
Enquadramento de câmera
 
Composicao
ComposicaoComposicao
Composicao
 
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
 

Semelhante a Bruna Alves

Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013
Pedro Henrique Cacique Braga
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
Fabricio Marques
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
ladybru
 
Transcinemas
TranscinemasTranscinemas
Transcinemas
Vanessa Pereira
 
Impressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografiaImpressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografia
LuizRoberto8
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
Marco T. Fuse
 
Trabalho animação
Trabalho animaçãoTrabalho animação
Trabalho animação
joaompac
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
gabiimedeiros
 
A linguagem do cinema
A linguagem do cinema A linguagem do cinema
A linguagem do cinema
Sandro Bottene
 
Projeto stopmotion
Projeto  stopmotionProjeto  stopmotion
Projeto stopmotion
Maria Clara Magalhães
 
Projeto 5 s stopmotion
Projeto 5 s stopmotionProjeto 5 s stopmotion
Projeto 5 s stopmotion
Maria Clara Magalhães
 
FINAL.pptx
FINAL.pptxFINAL.pptx
FINAL.pptx
YuriLins4
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
videoparatodos
 
Pós Produção Teoria
Pós  Produção  TeoriaPós  Produção  Teoria
Pós Produção Teoria
dribas
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
Ana Roberta Souza
 
Cinema
CinemaCinema
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
olivia57
 
Introdução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e designIntrodução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e design
Anacatgarrido
 

Semelhante a Bruna Alves (20)

Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013Artigo cacique wcseit2013
Artigo cacique wcseit2013
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Eav aula 2 c
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
 
Transcinemas
TranscinemasTranscinemas
Transcinemas
 
Impressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografiaImpressionismo em fotografia
Impressionismo em fotografia
 
Apresentação
ApresentaçãoApresentação
Apresentação
 
Trabalho animação
Trabalho animaçãoTrabalho animação
Trabalho animação
 
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx   Cinema, filosofia e sociedade.pptx
Cinema, filosofia e sociedade.pptx
 
A linguagem do cinema
A linguagem do cinema A linguagem do cinema
A linguagem do cinema
 
Projeto stopmotion
Projeto  stopmotionProjeto  stopmotion
Projeto stopmotion
 
Projeto 5 s stopmotion
Projeto 5 s stopmotionProjeto 5 s stopmotion
Projeto 5 s stopmotion
 
FINAL.pptx
FINAL.pptxFINAL.pptx
FINAL.pptx
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]Bem Te Vi   Aula 09 Animacao[1]
Bem Te Vi Aula 09 Animacao[1]
 
Pós Produção Teoria
Pós  Produção  TeoriaPós  Produção  Teoria
Pós Produção Teoria
 
Origem cinema
Origem cinemaOrigem cinema
Origem cinema
 
Cinema
CinemaCinema
Cinema
 
A origem do cinema
A origem do cinemaA origem do cinema
A origem do cinema
 
Introdução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e designIntrodução à fotografia, cinema e design
Introdução à fotografia, cinema e design
 

Bruna Alves

  • 1. O cinema, do grego κίνημα "movimento" e γράϕω "escrever“, é a técnica de projetar fotogramas de forma rápida e sucessiva para criar a impressão de movimento, bem como a arte de se produzir obras estéticas, narrativas ou não, com esta técnica.
  • 2. Vinte e oito de Dezembro de 1895 é considerada a data de nascimento do cinema, quando os irmão Lumiére promoveram no Grand Café, centro de París, a primeira sessão que contava com vinte minutos.
  • 3. Antes dos irmão Lumiére muitas pessoas contribuíram para a invenção do cinema...
  • 4. Pré-história Registro de seqüências de imagens, desenhadas em cavernas, que dão a sensação de movimento. Teatro de sombras Começou a ser praticado na China, por volta de 5000 a.C, as personagens eram projetadas em telas de linho. Câmara Escura Anunciado por Leonardo da Vinci, consiste em uma caixa escura com um pequeno orifício,onde é projetada a imagem invertida Lanterna Mágica Caixa iluminada a vela que através de uma lâmina de vidro, amplia a imagem. Thaumatrópio Inventado em 1825, consiste em um disco, preso a dois pedaços de barbante, com uma imagem em cada lado. Quando os barbantes são torcidos as imagens se fundem.
  • 5. Persistência Retiniana Peter Mark Roget estuda o fenômeno da retenção da imagem. Fenacistoscópio Inventado por Joseph Antoine Plateau, é um disco com desenhos de uma pessoa em diferentes posições, quando girado, dá-se a impressão de movimento. Zootrópio Máquina criada em 1834, composta por um tambor com frestas, da onde é possível ver imagens em movimento que estão fixadas no interior do tambor. Praxinoscópio Inventado por Charles Émile Reynaud, consistia em um tambor com espelhos no centro e desenhos colados no interior. Ao girar o tambor é possível visualizar o movimento das imagens por meio dos espelhos.
  • 6. Película Em1878, Charles Benett fabrica a película fotográfica com celulóide. Fuziu fotográfico Criado na França, consiste em um tambor forrado por dentro com chapa fotográfica, que disparava 24 fotos. Cinetoscópio Aparelho de projeção, inventado pela equipe de Thomas Edison, consistia em uma caixa que projetava as imagens da película por meio de uma manivela. Cinematógrafo Cinetoscópio aperfeiçoado pelos irmão Lumiére, que torna possível a projeção do filme para mais de uma pessoa.
  • 7. Thaumatrópio Fenacistoscópio Zootrópio Praxynoscópio Câmera escura Heliografia Fuzil fotográfico Cinetoscópio Cinematógrafo Lanterna mágica Sombras chinesas Pinturas Rupestres
  • 8. Os primeiros filmes eram mudos, porém a trilha sonora era feita ao vivo, geralmente por um pianista. Havia também um narrador que explicava o filme e legendas com as falas das personagens
  • 9. As produções dos irmãos Lumiére tratavam basicamente de registrar a realidade, como crianças brincando, utilizando de câmeras paradas. É em 1914, com O Nascimento de uma nação de David Wark Griffith que a linguagem cinematográfica se consolida, tendo importantes contribuições de Edwin Porter e Georges Méliès. Nessa época os filmes basicamente se dividiam em faroeste, comédias, e elegantes melodramas.
  • 10.  
  • 11. Em 1927 foi lançado “The Jazz Singer”, filme que consagrou o cinema sonoro, e aumentou consideravelmente o público.
  • 12. Com o advento do som, vieram alguns problemas como a captação do som e movimento da câmera, já que esta era bastante barulhenta. Para resolve-los surgiram objetos como Boom, microfone de lapela, utilização de 2 microfones ligados a um mixer. Essa época é caracterizada por filmes policiais e musicais.
  • 13. Em 1906 começaram as primeira experiências com filmes coloridos, mas essa técnica foi empregada apenas em 1935 com Vaidade e beleza de Rouben Mamoulian.
  • 14. "The Power of Love" de 1922 é considerado o primeiro filme em 3D, mas com o surgimento da televisão, é que se passa a investir nesta técnica.
  • 15. Material fotográfico feito a base de celulóide, sensível a luz Numeração de borda. Pista de som Perfurações Fotograma A Bitola é a medida da tira da película, ao longo da história, diversas bitolas foram fabricadas, atualmente são utilizadas as de 8mm, 16mm, 35mm e em alguns lugares a de 70mm. A qualidade da imagem é proporcional ao tamanho da bitola, maior a largura da película, maior o espaço reservado para fixação da imagem e maior o número de perfurações, o que impossibilita que uma câmera de 16mm comporte uma película de 35mm.
  • 16. O formato é a medida da área útil da película, se dá pela razão entre altura e largura do espaço onde será fixada a imagem.O formato é variável de acordo com padrões já definidos, porém é necessário que o formato de captação seja o mesmo formato da projeção para não haver erros como corte da imagem.    
  • 17.  
  • 18. Vanguarda Russa é o termo utilizado para se referir a um conjunto de movimentos artísticos que ocorreram na Rússia nos anos próximos a revolução de 1917.
  • 19. O construtivismo Russo é um movimento artístico-político bastante próximo da realidade revolucionária Arte do cotidiano Transformadora social Uso de novos materiais Formas geométricas Cores primárias Posicionamento político
  • 20. É uma técnica utilizada inicialmente pelos artistas gregos, eles dividiam o quadro em quadrantes, horizontais e verticais e o ponto de interesse deveria ser colocado na intersecção dos pontos (pontos fortes) a fim de se obter equilíbrio visual. Ainda hoje é utilizada dessa técnica no meio audiovisual para compor a imagem: Divide-se a tela em três partes horizontais e verticais
  • 21.  
  • 22. Ferramenta ideal para os ideais construtivistas. Cinema dialético. Com recortes angulosos e contraposições que sugeriam ritmos e harmonias.
  • 23.  
  • 24. Forte influência do teatro (Meyerhold). Cinema como expressão Uso da tipagem, simbologia, incitação de debates
  • 25. Montagem como construção da narrativa Montagem Intelectual Métrica Tonal Atonal
  • 26.  
  • 27. Baseia-se em fatores puramente mecânicos, nos planos organizados em medidas cronométricas, caracterizados pelo comprimento, neste caso a tensão é obtida através da alteração da duração dos fragmentos do filme. O conteúdo dentro do quadro se submete ao comprimento do fragmento.  
  • 28. É o movimento no quadro que determinam os cortes, neste caso o conteúdo dentro do quadro é tão relevante quanto o comprimento do fragmento, comprimento este que não é necessariamente matemático e depende do som emocional característico de cada fragmento. Sem clareza científica, pode ser baseada nas vibrações luminosas
  • 29. Relaciona a concepção global de um filme, estabelece uma relação acontecimentos simultâneos as imagens, os efeitos sonoros, Eisenstein compara a relação vertical a pauta de uma partitura. Associa a imagem com a representação gráfica do som, o ritmo do som com os cortes
  • 30.  
  • 31. Os conceitos envolvidos na etapa de filmagem, gravação ou captura de imagens também são exemplos da aplicabilidade da matemática no cinema. A seguir são listados alguns termos técnicos.
  • 32. Plano: Trecho do filme entre dois cortes. Cena: Conjunto de planos que tem relação temporal ou espacial entre si. Sequência: Conjunto de cenas relacionadas Campo: Espaço visualizado pela câmera. Quadro: Retângulo que compõem as imagens que serão exibidas.
  • 33. Ângulo de visão. É a área entre duas semi-retas que possuem uma origem em comum, variam conforme a objetiva e se diferenciam na visão horizontal, vertical e diagonal, devido o quadro ser retangular. Eixo Visual. É o eixo do ângulo, ou seja, a direção para qual a câmera esta apontada.
  • 34. Enquadramentos. Plano Geral: Abrange todo o ambiente da cena. Plano Conjunto: Abrange um grupo de pessoas. Plano Inteiro: Enquadra uma pessoa por inteiro. Plano Americano: Enquadra as personagens na altura das coxas para cima. Plano Médio: Enquadra a personagem da costela até a cabeça. Primeiro Plano: Enquadra o busto da personagem. Close: Visualiza apenas o rosto. Plano detalhe: Enquadra partes do corpo ou objeto.
  • 35. Movimentos de câmera. Panorâmica: Rotação da câmera em torno de seu eixo. Travelling: Deslocamento da câmera em linha reta, na horizontal ou vertical. Zoom: Aumento ou diminuição do ângulo de visão de um mesmo plano. Profundidade de campo. É a dimensão do campo, a extensão do ponto mais próximo e mais distante que as imagens são visualizadas.
  • 36. Composição é a organização ou arranjo dos elementos da arte visual. A disposição, o tamanho, a cor, a luminosidade, o formato e demais fatores conjugados ao tema, geram uma mensagem, incitam atenção ou motivação para um determinado fim. A linguagem visual permite comunicar conceitos através de elementos visuais como...
  • 37. Ponto. Menor sinal visual sem dimensão. porém com forte estímulo a percepção. Forma. É o resultado do movimento da linha. O círculo, o quadrado, e o triângulo são consideradas as formas básicas pelo fato de ser defendido que a combinação destas três originam qualquer outra forma geométrica. É associada à diversidade de ações e maneiras de ser, na direção de arte a forma possuem peso visual bastante significativo.
  • 38. Linha. A linha é a sucessão de pontos tão próximos um do outro que é imperceptível a visualização destes isolados, um traço contínuo Quando disposta na horizontal, traz ao telespectador a sensação de sossego. Apresentada na vertical remete a elegância, seriedade.Quando são Divergentes, apresentam ao telespectador opções de centro de interesse, são utilizadas quando a intenção é distrair o telespectador, muito usada em cenas de suspense.As linhas Convergentes forçam o receptor a olhar para um determinado ponto. E por fim as curvas sugerem tranqüilidade, delicadeza, suavidade.
  • 39. Dimensão. É a representação de uma forma por meio da coordenadas, eixos x, y e z (altura, largura e profundidade). Proporção. É definido principalmente pelo relacionamento entre o tamanho e peso, relativo ao contexto, remete a harmonia, pois há um relacionamento direto das partes com o todo. A dimensão de cada elemento deve estar em equilíbrio
  • 40. Bruna Alves Tecnologia e Mídias Digitais PUC SP