SlideShare uma empresa Scribd logo
2. Cinematografia
DFCH454 – Linguagem do Cinema e do Audiovisual
Prof. Cristiano Canguçu
Definições de “plano”
Etimologia: a imagem projetada numa superfície plana
1. Camadas de profundidade em um campo (cf. definição
adiante) qualquer, em oposição às outras camadas mais
próximas ou distantes. Primeiro, segundo, terceiro planos...
2. Demarcação espacial: “quadro”, ou “enquadramento”.
Categorizado sob uma escala de planos;
3. Demarcação temporal: o segmento de duração entre dois
cortes, i.e., “tomada”.
AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico
de cinema. Campinas, SP: Papirus, 2003. Tradução
Plano e campo
Historiador da arte Ernst Gombrich (“Arte e Ilusão”): nossa
percepção simultaneamente apreende a tela da pintura e do
cinema enquanto espaços bidimensionais e tridimensionais:
• Plano – bidimensional, limitado pelo quadro ou moldura;
• Campo – espaço tridimensional imaginário, percebido pelo
espectador a partir da tela bidimensional do filme.
Outro espaço imaginário : o “fora-de-campo” é o espaço
ficcional não mostrado, porém suposto a partir de indícios do
campo. Ex: os personagens que não aparecem, em “Amor à flor
da pele” (Wong Kar-Wai).
Plano como duração (tomadas)
• Na película, o limite é em torno de 10 minutos (festim
diabólico). No cinema digital, uma tomada, pode durar de
centésimos de segundo a horas.
• Os planos duradouros costumam ser chamados de planos-
sequências, pois se construiria uma sequência (cena) inteira
em um único plano.
• Em geral, a duração dos planos tem ficado cada vez mais
curta, com filmes cada vez mais rápidos.
Plano como duração (tomadas)
• Medidas da Duração Média dos Planos (ASL – Average Shot
Lenght) de Hollywood, através das décadas, feitas pelos
historiadores do cinema Barry Salt & David Bordwell:
• 1920: 4-6 segundos (impacto do cinema soviético)
• 1930-50: 8-11 segundos (início do cinema sonoro)
• 1960: 6-8 segundos
• 1970: 5-8 segundos
• 1980: 5-7 segundos
• 1990: 3-6 segundos
• 2000: ainda mais rápidos, mas ainda não houve mensuração
exaustiva
Escala de planos
• A distância entre a câmera e o objeto enquadrado.
Consequentemente, o tamanho relativo dos objetos em
relação ao quadro.
• A figura humana é o parâmetro implícito das escalas de
planos, americana ou francesa.
Plano-geral
Spartacus(StanleyKubrick,EUA,
1960)
Plano-geral
• Plan général, em francês.
• Extreme long shot, em inglês.
• Cenário vasto e completo, frequentemente paisagens naturais.
• Pessoas vistas a grande distância.
• Geralmente usado para apresentar o espaço da ação, como no
início de 2001: Uma odisséia no espaço...
Plano-geral: 2001
• Exemplo: o início de 2001: Uma odisséia no espaço.
Plano-conjunto
Onascimentodeumanação(D.W.
Griffith,EUA,1915)
Plano-conjunto
• Plan d'ensemble, em francês
• Extreme long shot, em inglês (a escala americana não
distingue entre plano-geral e plano-conjunto).
• O plano-conjunto, ou plano de conjunto, mostra pessoas a
distância, descrevendo suas relações especiais em um cenário
ou ambiente específico.
• Atuação principalmente corporal, sem enfatizar o rosto.
• Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse
tipo de plano...
Plano-conjunto:
Paul Thomas Anderson
• Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse
tipo de plano.
Plano-médio
Glóriafeitadesangue(Stanley
Kubrick,EUA,1960)
Plano-médio
• Pessoa em pé por inteiro, ocupando aproximadamente a
altura do plano.
• Usado para retratar ações físicas, que envolvem o corpo
inteiro.
• Plan moyen, em francês.
• Long shot, em inglês.
Plano-médio: cenas de dança
• Boa parte das cenas de dança no cinema usam plano médio.
Plano-médio: Chaplin
• Atores de comédia física como sabem aproveitar os planos
médios, como em algumas esquetes de Chaplin.
Plano-americano
Trêshomensemconflito(Sergio
Leone,Itália,1966)
Plano-americano
• Plan américain, em francês.
• Medium long shot, em inglês.
• Pessoa enquadrada a meia-perna, acima do joelho. Permite a
atuação corporal e gesticulação livre dos atores.
• Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas
ou mais pessoas (4:3), podendo também retratar o cenário
mantendo o ator na frente (widescreen).
Plano-americano (4:3)
• Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas
ou mais pessoas (4:3).
Plano-americano (widescreen)
• Pode também retratar o cenário mantendo o ator na frente
(widescreen).
Plano-próximo (cintura)
Plano-próximo (busto)
Omeninodopijamalistrado(Mark
Herman,EUA,2008)
Plano-próximo
• Da cintura, ou do busto para cima.
• A possibilidade de gesticulação é reduzida, concentrando a
atuação no torso, nas mãos e no rosto.
• Muito usado para diálogos com pessoas sentadas.
• Plan rapproché, em francês.
• Em inglês, distingue-se o medium shot do medium close-up –
respectivamente, o enquadramento na cintura e no busto.
Primeiro-plano
Oiluminado(StanleyKubrick,UK,
1981)
Primeiro-plano
• Gros plan, em francês .
• Close-up, em inglês.
• Cabeça com pescoço e, possivelmente, parte dos ombros.
Objeto de perto.
• A atuação é concentrada na expressão facial e no olhar.
• Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de
cada vez, intercalando campo e contracampo.
• O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro-
plano para retratar gestos manuais.
Primeiro-plano: Casablanca
• Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de
cada vez.
Primeiro-plano:
Robert Bresson
• O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro-
plano para retratar gestos manuais.
Plano-detalhe
Réquiemparaumsonho(Darren
Aronofsky,EUA,2000)
Plano-detalhe
• Très gros plan, em francês
• Extreme close-up, em inglês.
• Objeto pequeno, pormenor de objeto ou do corpo humano.
• Atuação restrita à parte do corpo retratada.
• Muito usado para retratar o olhar.
• Também usado para chamar atenção para objetos e detalhes
cênicos.
• Diretores como Quentin Tarantino e Edgar Wright são
conhecidos pelo uso abundante do plano-detalhe...
Plano-detalhe: o olhar
• Muito usado para retratar o olhar...
Plano-detalhe:
Réquiem para um Sonho
• ...ou para chamar atenção para objetos e detalhes cênicos. Ex:
Réquiem para um sonho (Darren Aronofsky).
Plano-detalhe: Tarantino
• Diretores como Quentin Tarantino são conhecidos pelo uso
abundante do plano-detalhe.
Plano-detalhe: Edgar Wright
• Edgar Wright é um diretor conhecido pelo uso dos planos-
detalhes para fins cômicos.
Escala de planos
• Há duas escalas de planos principais: a americana (comum em
livros sobre TV) e a francesa (maioria dos livros sobre cinema).
• 1) o chamado “plano-médio”, que na escala americana significa
“plano-cintura” e na escala francesa, “plano-pessoa-inteira”;
• 2) o close-up que, em francês, significa “plano-detalhe” e em
inglês, “primeiro-plano”. Os americanos chamam o plano-detalhe
de “extreme close-up”.
• Traduções francesas não padronizadas: plan rapproché (plano-
próximo, plano aproximado); gros plan (primeiro-plano,
grande plano); très gros plan (plano-detalhe, primeiríssimo
plano)...
Escala de planos
• Toda escolha artística implica em rejeitar possibilidades
alternativas.
• Ex: a decupagem moderna, bastante fechada nos rostos,
controla o ritmo e a atenção de forma muito mais enérgica,
mas deixa de lado as possibilidades da encenação.
• Há também questões econômicas: aluguel do ator, mais
câmeras, picotar as atuações e escolher os melhores
momentos de várias tomadas.
Ângulosdecâmera
Ângulo ascendente
Guerradosmundos(Steven
Spielberg,EUA,2005)
Ângulo ascendente
Onomedarosa(Jean-Jacques
Annaud,1986)
Ângulo ascendente
Arizonanuncamais(Joel&Ethan
Coen,1987)
Ângulo ascendente
• Low angle shot, em inglês.
• Contre-plongée, em francês.
• Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de
baixo para cima.
• Em geral, cria sensação de imponência do tema retratado.
• Muito usado por cineastas como Tarantino e Yasujiro Ozu...
Ângulo ascendente: Tarantino
• Muito usado por cineastas como Tarantino...
Ângulo Ascendente: Ozu
• ...e Yasujiro Ozu.
Ângulo descendente
Opagadordepromessas(Anselmo
Duarte,1962)
Ângulo descendente
CidadãoKane(OrsonWelles,1941)
Ângulo descendente
Aonda(DennisGansel,2008)
Ângulo descendente
• High angle shot, em inglês.
• Plongée, em francês.
• Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de
cima para baixo.
• Diminui as pessoas retratadas.
Ângulo descendente:
A Conversação
• Exemplo: A conversação (Francis Ford Coppola).
Ângulo descendente (aéreo)
• Plano aéreo ou aerial shot: inclinação próxima de 90°
Ângulo descendente (aéreo)
• usada para ressaltar a espacialidade de uma ação...
Ângulo descendente (aéreo)
• ..também usado para chamar a atenção para objetos cênicos
(Wes Anderson)
Movimentosdecâmera
Panorâmica
• Movimento de rotação da câmera sobre sua base. Pode ser
horizontal ou vertical, fazendo um arco convexo do ponto de
vista da câmera.
• Pan (horizontal) ou tilt (vertical), em inglês.
• Exemplo: Thelma & Louise
Travelling
• Translação da câmera pelo espaço. Pode ser horizontal ou
vertical. Quando segue um personagem, chamamos de
travelling de acompanhamento; quando se aproxima de algo,
chama-se travelling-in; quando se afasta, travelling-out.
• Em inglês há inúmeras variedades: tracking shot, dolly shot,
crane shot, crab, boom, a depender da técnica utilizada e da
direção do movimento.
• Ex: travellings de seguimento em O Iluminado (Stanley
Kubrick) e em Darren Aronofsky; travelling lateral em
Weekend (Jean-Luc Godard).
Diferenças terminológicas
• Os anglófonos preferem termos mais técnicos, a depender de
como foi feito o movimento: “tilt” (travelling vertical) é feito
com tilt plates; tracking shot e dollying referem-se aos trilhos
(tracks) nos quais punha-se um carrinho (dolly) com a câmera;
fala-se também de “crane shot”, quando o plano é feito com
gruas (cranes).
• A classificação francesa é mais simples, sem deduzir como o
plano foi feito: panorâmica consiste em movimento de
rotação e travelling, de translação. Quando há ambos, fala-se
em pano-travelling.
Distância focal
• Distância, medida em milímetros, entre o centro
óptico da lente e o ponto de foco (a
película/sensor) para que a imagem projetada, de
um objeto no infinito, esteja focada.
Distância focal
• Distâncias focais em películas de 35mm
(ou sensores full frame, como a Canon
5D):
• grande-angular (<35mm)
• lente normal (35-50mm)
• teleobjetiva (>50mm).
• Padrões diferentes nos outros formatos de
película e em vídeo/digital.
Distância focal
Distância focal
• Quanto mais longa é a focal, mais estreito é o ângulo de
campo, ou seja, há menor área de visualização.
Profundidade de campo
• Medida entre a menor e a maior distância
em que a imagem é nítida.
• Aumentam a profundidade de campo:
• maior distância entre objetiva e objeto
fotografado
• menor abertura do diafragma
• (o que depende de maior quantidade de luz)
• menor distância focal
Lente normal
• Ângulos similares à visão humana
JejumdeAmor(HowardHawks,
1940)
Lente normal
• Porém, menor campo de visão que nossas retinas
Lente grande-angular
• Maior ângulo de visão
• Portanto, mais cenário visível [importante para planos-gerais]
• Maior sensação de distância do objeto que as outras lentes
Lente grande-angular
• Acentua a perspectiva: objetos mais próximos aparentam ser
muito maiores do que aparentariam na visão normal.
Pérfida(WilliamWyler,1941)
Lente grande-angular
• As linhas de convergência da perspectiva linear ficam mais
angulosas.
InvernodeSangueemVeneza
(NicolasRoeg,1973)
Lente grande-angular
• Closes distorcidos, muito mais volumosos que o normal.
Grandeangularvs.lentenormal
Lente grande-angular
• Criam escorços exagerados.
QuandoVoamasCegonhas
(MikhailKalatozov,1957)
Lente grande-angular
• Maior profundidade de campo que lentes com maior
distância focal.
CidadãoKane(OrsonWelles,1941)
Lente grande-angular
• Soy Cuba emprega sistematicamente a lente grande-angular.
SoyCuba(MikhailKalatozov,1964)
Lente teleobjetiva
• Imagem mais “próxima” que o ponto de onde foi tirada (muito
usada para “cobertura” das cenas.
Lente teleobjetiva
• Perspectiva mais achatada, comprimindo grupos de pessoas.
Tootsie(SydneyPollack,1982)
Lente teleobjetiva
• Efeito de “andar sem sair do lugar”.
Aprimeiranoitedeumhomem
(MikeNichols,1967)
Lente teleobjetiva
• Linhas convergentes ficam mais paralelas.
Aeternidadeeumdia(Theo
Angelopoulos,1998)
Lente teleobjetiva
• Objetos mais distantes não ficam tão pequenos quanto
deveriam, comprimindo primeiro e segundo planos.
Koyaanisqatsi(GodfreyReggio,
1982)
Lente teleobjetiva
• Menor profundidade de campo. Usa-se muito o efeito de
“foco móvel” em teleobjetivas, como meio expressivo para
guiar a atenção do espectador.
ÚltimoTangoemParis(Bernardo
Bertolucci,1972)
Distâncias focais (resumo)
• O fotógrafo Stephen Eastwood criou uma tabela de distorções
por lentes de diferentes distâncias focais, aplicadas a retratos.
• Um vídeo comparativo dos efeitos das mudanças de lentes.
Zoom-travelling
• O zoom-travelling (ou “dolly zoom”), usado em muitos filmes,
expõe claramente as distorções ópticas das pequenas e
grandes distâncias focais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano cinematógrafico
Plano cinematógraficoPlano cinematógrafico
Plano cinematógrafico
Camila Silva Fernandes
 
Posicionamento de camera
Posicionamento de cameraPosicionamento de camera
Posicionamento de camera
Joaquim Borgato
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Thiago Assumpção
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
UNIP. Universidade Paulista
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Mauricio Mallet Duprat
 
A arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa Silva
A arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa SilvaA arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa Silva
A arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa Silva
Teresa Silva
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual
Vinícius Souza
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
Thiago Assumpção
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
UNIP. Universidade Paulista
 
Planos de câmera
Planos de câmeraPlanos de câmera
Planos de câmera
Josué Brazil
 
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPEDecoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
leticiag94
 
3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène
Cristiano Canguçu
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
profealbattaiola
 
Historia da Animação Digital
Historia da Animação DigitalHistoria da Animação Digital
Historia da Animação Digital
Dra. Camila Hamdan
 
Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02
Elizeu Nascimento Silva
 
Escala de planos
Escala de planosEscala de planos
Escala de planos
Horacio Guimaraes
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pedro Almeida
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
Marcio Duarte
 
Linguagem cinematográfica
Linguagem cinematográficaLinguagem cinematográfica
Linguagem cinematográfica
Venelouis Polar
 
Introdução ao cinema
Introdução ao cinemaIntrodução ao cinema
Introdução ao cinema
Daiane Pettine
 

Mais procurados (20)

Plano cinematógrafico
Plano cinematógraficoPlano cinematógrafico
Plano cinematógrafico
 
Posicionamento de camera
Posicionamento de cameraPosicionamento de camera
Posicionamento de camera
 
Características fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisualCaracterísticas fundamentais da linguagem audiovisual
Características fundamentais da linguagem audiovisual
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
 
A arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa Silva
A arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa SilvaA arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa Silva
A arte do cinema: Como se faz um filme - Teresa Silva
 
Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Processos de produção audiovisual pdf
 
Planos de câmera
Planos de câmeraPlanos de câmera
Planos de câmera
 
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPEDecoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
 
3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène
 
Animação 1 - Storyboard
Animação 1 - StoryboardAnimação 1 - Storyboard
Animação 1 - Storyboard
 
Historia da Animação Digital
Historia da Animação DigitalHistoria da Animação Digital
Historia da Animação Digital
 
Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02
 
Escala de planos
Escala de planosEscala de planos
Escala de planos
 
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e StoryboardPre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
Pre-produção AV - Guiões Literários, Técnicos e Storyboard
 
Planos e ângulos
Planos e ângulosPlanos e ângulos
Planos e ângulos
 
Linguagem cinematográfica
Linguagem cinematográficaLinguagem cinematográfica
Linguagem cinematográfica
 
Introdução ao cinema
Introdução ao cinemaIntrodução ao cinema
Introdução ao cinema
 

Destaque

01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
Cristiano Canguçu
 
07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema
Cristiano Canguçu
 
9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista
Cristiano Canguçu
 
8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"
Cristiano Canguçu
 
Como estudar
 Como estudar Como estudar
Como estudar
Cristiano Canguçu
 
6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa
Cristiano Canguçu
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Mauricio Fonteles
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Conrado Melo
 
Metodo japones
Metodo japonesMetodo japones
Metodo japones
Salma Islas
 
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueiraManual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Luara Schamó
 
Aprender com o Cinema
Aprender com o CinemaAprender com o Cinema
Aprender com o Cinema
Valéria Dias
 
Montagem
MontagemMontagem
Montagem
gbatista
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Andreia Filipa Cardoso
 
Aula de Fotografia
Aula de FotografiaAula de Fotografia
Aula de Fotografia
Joyce Gomes
 
Cinemas de vanguarda
Cinemas de vanguardaCinemas de vanguarda
Cinemas de vanguarda
André Conti Silva
 
5. Som e música
5. Som e música5. Som e música
5. Som e música
Cristiano Canguçu
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
crislautert
 
Cinema
Cinema Cinema
Teorias da montagem cinematográfica
Teorias da montagem cinematográficaTeorias da montagem cinematográfica
Teorias da montagem cinematográfica
Aline Wendpap
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
crislautert
 

Destaque (20)

01. O cinema como arte
01. O cinema como arte01. O cinema como arte
01. O cinema como arte
 
07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema07. Narrativa clássica no cinema
07. Narrativa clássica no cinema
 
9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista9. Narração histórico-materialista
9. Narração histórico-materialista
 
8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"8. Narração moderna ou "de arte"
8. Narração moderna ou "de arte"
 
Como estudar
 Como estudar Como estudar
Como estudar
 
6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa6. Forma e narrativa
6. Forma e narrativa
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
 
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de LenteEnquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
Enquadramento - Ângulos de Filmagem - Movimentos de Câmera - Movimentos de Lente
 
Metodo japones
Metodo japonesMetodo japones
Metodo japones
 
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueiraManual de cinema ii   gêneros cinematograficos - luis nogueira
Manual de cinema ii gêneros cinematograficos - luis nogueira
 
Aprender com o Cinema
Aprender com o CinemaAprender com o Cinema
Aprender com o Cinema
 
Montagem
MontagemMontagem
Montagem
 
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planosManual - Enquadramento, Ângulos e planos
Manual - Enquadramento, Ângulos e planos
 
Aula de Fotografia
Aula de FotografiaAula de Fotografia
Aula de Fotografia
 
Cinemas de vanguarda
Cinemas de vanguardaCinemas de vanguarda
Cinemas de vanguarda
 
5. Som e música
5. Som e música5. Som e música
5. Som e música
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 3 e 4
 
Cinema
Cinema Cinema
Cinema
 
Teorias da montagem cinematográfica
Teorias da montagem cinematográficaTeorias da montagem cinematográfica
Teorias da montagem cinematográfica
 
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
A narrativa cinematográfica - André Gaudreault e François Jost - capítulos 5 e 6
 

Semelhante a 2. Cinematografia

RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
UNIP. Universidade Paulista
 
Cinematografia Básica
Cinematografia BásicaCinematografia Básica
Cinematografia Básica
Arthur Pinto
 
Interface celtx
Interface celtxInterface celtx
Interface celtx
Armando Bulcao
 
Bruna Alves
Bruna AlvesBruna Alves
Bruna Alves
ladybru
 
Vídeo noções básicas
Vídeo   noções básicasVídeo   noções básicas
Vídeo noções básicas
Rebeca Esteves
 
Planos de gravação
Planos de gravaçãoPlanos de gravação
Planos de gravação
Ana Cristina D Assumpcão
 
Filmologia 1
Filmologia 1Filmologia 1
FINAL.pptx
FINAL.pptxFINAL.pptx
FINAL.pptx
YuriLins4
 
Trabalho cinema
Trabalho  cinemaTrabalho  cinema
Trabalho cinema
Franciscab25
 
Audiovisual
AudiovisualAudiovisual
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
Filipa Sousa
 
Definições de Planos.docx
Definições de Planos.docxDefinições de Planos.docx
Definições de Planos.docx
LucianoOliveira234869
 
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentosEstética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
Clara Ferreira
 

Semelhante a 2. Cinematografia (13)

RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual  3
RELAÇÕES PÚBLICAS criação e produção audiovisual 3
 
Cinematografia Básica
Cinematografia BásicaCinematografia Básica
Cinematografia Básica
 
Interface celtx
Interface celtxInterface celtx
Interface celtx
 
Bruna Alves
Bruna AlvesBruna Alves
Bruna Alves
 
Vídeo noções básicas
Vídeo   noções básicasVídeo   noções básicas
Vídeo noções básicas
 
Planos de gravação
Planos de gravaçãoPlanos de gravação
Planos de gravação
 
Filmologia 1
Filmologia 1Filmologia 1
Filmologia 1
 
FINAL.pptx
FINAL.pptxFINAL.pptx
FINAL.pptx
 
Trabalho cinema
Trabalho  cinemaTrabalho  cinema
Trabalho cinema
 
Audiovisual
AudiovisualAudiovisual
Audiovisual
 
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
Relatório da Curta-Metragem Documental "Ritmo"
 
Definições de Planos.docx
Definições de Planos.docxDefinições de Planos.docx
Definições de Planos.docx
 
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentosEstética,movimentos de câmara e enquadramentos
Estética,movimentos de câmara e enquadramentos
 

Mais de Cristiano Canguçu

Béla Balázs
Béla BalázsBéla Balázs
Béla Balázs
Cristiano Canguçu
 
André Bazin
André BazinAndré Bazin
André Bazin
Cristiano Canguçu
 
Siegfried Kracauer
Siegfried KracauerSiegfried Kracauer
Siegfried Kracauer
Cristiano Canguçu
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
Cristiano Canguçu
 
Realismo (introdução)
Realismo (introdução)Realismo (introdução)
Realismo (introdução)
Cristiano Canguçu
 
Hugo Münsterberg
Hugo MünsterbergHugo Münsterberg
Hugo Münsterberg
Cristiano Canguçu
 

Mais de Cristiano Canguçu (6)

Béla Balázs
Béla BalázsBéla Balázs
Béla Balázs
 
André Bazin
André BazinAndré Bazin
André Bazin
 
Siegfried Kracauer
Siegfried KracauerSiegfried Kracauer
Siegfried Kracauer
 
História do conceito de arte
História do conceito de arteHistória do conceito de arte
História do conceito de arte
 
Realismo (introdução)
Realismo (introdução)Realismo (introdução)
Realismo (introdução)
 
Hugo Münsterberg
Hugo MünsterbergHugo Münsterberg
Hugo Münsterberg
 

Último

Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 

2. Cinematografia

  • 1. 2. Cinematografia DFCH454 – Linguagem do Cinema e do Audiovisual Prof. Cristiano Canguçu
  • 2. Definições de “plano” Etimologia: a imagem projetada numa superfície plana 1. Camadas de profundidade em um campo (cf. definição adiante) qualquer, em oposição às outras camadas mais próximas ou distantes. Primeiro, segundo, terceiro planos... 2. Demarcação espacial: “quadro”, ou “enquadramento”. Categorizado sob uma escala de planos; 3. Demarcação temporal: o segmento de duração entre dois cortes, i.e., “tomada”. AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Campinas, SP: Papirus, 2003. Tradução
  • 3. Plano e campo Historiador da arte Ernst Gombrich (“Arte e Ilusão”): nossa percepção simultaneamente apreende a tela da pintura e do cinema enquanto espaços bidimensionais e tridimensionais: • Plano – bidimensional, limitado pelo quadro ou moldura; • Campo – espaço tridimensional imaginário, percebido pelo espectador a partir da tela bidimensional do filme. Outro espaço imaginário : o “fora-de-campo” é o espaço ficcional não mostrado, porém suposto a partir de indícios do campo. Ex: os personagens que não aparecem, em “Amor à flor da pele” (Wong Kar-Wai).
  • 4. Plano como duração (tomadas) • Na película, o limite é em torno de 10 minutos (festim diabólico). No cinema digital, uma tomada, pode durar de centésimos de segundo a horas. • Os planos duradouros costumam ser chamados de planos- sequências, pois se construiria uma sequência (cena) inteira em um único plano. • Em geral, a duração dos planos tem ficado cada vez mais curta, com filmes cada vez mais rápidos.
  • 5. Plano como duração (tomadas) • Medidas da Duração Média dos Planos (ASL – Average Shot Lenght) de Hollywood, através das décadas, feitas pelos historiadores do cinema Barry Salt & David Bordwell: • 1920: 4-6 segundos (impacto do cinema soviético) • 1930-50: 8-11 segundos (início do cinema sonoro) • 1960: 6-8 segundos • 1970: 5-8 segundos • 1980: 5-7 segundos • 1990: 3-6 segundos • 2000: ainda mais rápidos, mas ainda não houve mensuração exaustiva
  • 6. Escala de planos • A distância entre a câmera e o objeto enquadrado. Consequentemente, o tamanho relativo dos objetos em relação ao quadro. • A figura humana é o parâmetro implícito das escalas de planos, americana ou francesa.
  • 8. Plano-geral • Plan général, em francês. • Extreme long shot, em inglês. • Cenário vasto e completo, frequentemente paisagens naturais. • Pessoas vistas a grande distância. • Geralmente usado para apresentar o espaço da ação, como no início de 2001: Uma odisséia no espaço...
  • 9. Plano-geral: 2001 • Exemplo: o início de 2001: Uma odisséia no espaço.
  • 11. Plano-conjunto • Plan d'ensemble, em francês • Extreme long shot, em inglês (a escala americana não distingue entre plano-geral e plano-conjunto). • O plano-conjunto, ou plano de conjunto, mostra pessoas a distância, descrevendo suas relações especiais em um cenário ou ambiente específico. • Atuação principalmente corporal, sem enfatizar o rosto. • Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse tipo de plano...
  • 12. Plano-conjunto: Paul Thomas Anderson • Paul Thomas Anderson é conhecido pela ênfase que dá nesse tipo de plano.
  • 14. Plano-médio • Pessoa em pé por inteiro, ocupando aproximadamente a altura do plano. • Usado para retratar ações físicas, que envolvem o corpo inteiro. • Plan moyen, em francês. • Long shot, em inglês.
  • 15. Plano-médio: cenas de dança • Boa parte das cenas de dança no cinema usam plano médio.
  • 16. Plano-médio: Chaplin • Atores de comédia física como sabem aproveitar os planos médios, como em algumas esquetes de Chaplin.
  • 18. Plano-americano • Plan américain, em francês. • Medium long shot, em inglês. • Pessoa enquadrada a meia-perna, acima do joelho. Permite a atuação corporal e gesticulação livre dos atores. • Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas ou mais pessoas (4:3), podendo também retratar o cenário mantendo o ator na frente (widescreen).
  • 19. Plano-americano (4:3) • Enquadramento comum para mostrar a interação entre duas ou mais pessoas (4:3).
  • 20. Plano-americano (widescreen) • Pode também retratar o cenário mantendo o ator na frente (widescreen).
  • 23. Plano-próximo • Da cintura, ou do busto para cima. • A possibilidade de gesticulação é reduzida, concentrando a atuação no torso, nas mãos e no rosto. • Muito usado para diálogos com pessoas sentadas. • Plan rapproché, em francês. • Em inglês, distingue-se o medium shot do medium close-up – respectivamente, o enquadramento na cintura e no busto.
  • 25. Primeiro-plano • Gros plan, em francês . • Close-up, em inglês. • Cabeça com pescoço e, possivelmente, parte dos ombros. Objeto de perto. • A atuação é concentrada na expressão facial e no olhar. • Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de cada vez, intercalando campo e contracampo. • O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro- plano para retratar gestos manuais.
  • 26. Primeiro-plano: Casablanca • Este tipo de plano usualmente contém apenas uma pessoa de cada vez.
  • 27. Primeiro-plano: Robert Bresson • O cineasta francês Robert Bresson usava muito o primeiro- plano para retratar gestos manuais.
  • 29. Plano-detalhe • Très gros plan, em francês • Extreme close-up, em inglês. • Objeto pequeno, pormenor de objeto ou do corpo humano. • Atuação restrita à parte do corpo retratada. • Muito usado para retratar o olhar. • Também usado para chamar atenção para objetos e detalhes cênicos. • Diretores como Quentin Tarantino e Edgar Wright são conhecidos pelo uso abundante do plano-detalhe...
  • 30. Plano-detalhe: o olhar • Muito usado para retratar o olhar...
  • 31. Plano-detalhe: Réquiem para um Sonho • ...ou para chamar atenção para objetos e detalhes cênicos. Ex: Réquiem para um sonho (Darren Aronofsky).
  • 32. Plano-detalhe: Tarantino • Diretores como Quentin Tarantino são conhecidos pelo uso abundante do plano-detalhe.
  • 33. Plano-detalhe: Edgar Wright • Edgar Wright é um diretor conhecido pelo uso dos planos- detalhes para fins cômicos.
  • 34. Escala de planos • Há duas escalas de planos principais: a americana (comum em livros sobre TV) e a francesa (maioria dos livros sobre cinema). • 1) o chamado “plano-médio”, que na escala americana significa “plano-cintura” e na escala francesa, “plano-pessoa-inteira”; • 2) o close-up que, em francês, significa “plano-detalhe” e em inglês, “primeiro-plano”. Os americanos chamam o plano-detalhe de “extreme close-up”. • Traduções francesas não padronizadas: plan rapproché (plano- próximo, plano aproximado); gros plan (primeiro-plano, grande plano); très gros plan (plano-detalhe, primeiríssimo plano)...
  • 35. Escala de planos • Toda escolha artística implica em rejeitar possibilidades alternativas. • Ex: a decupagem moderna, bastante fechada nos rostos, controla o ritmo e a atenção de forma muito mais enérgica, mas deixa de lado as possibilidades da encenação. • Há também questões econômicas: aluguel do ator, mais câmeras, picotar as atuações e escolher os melhores momentos de várias tomadas.
  • 40. Ângulo ascendente • Low angle shot, em inglês. • Contre-plongée, em francês. • Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de baixo para cima. • Em geral, cria sensação de imponência do tema retratado. • Muito usado por cineastas como Tarantino e Yasujiro Ozu...
  • 41. Ângulo ascendente: Tarantino • Muito usado por cineastas como Tarantino...
  • 42. Ângulo Ascendente: Ozu • ...e Yasujiro Ozu.
  • 46. Ângulo descendente • High angle shot, em inglês. • Plongée, em francês. • Enquadramento inclinado no eixo da profundidade, feito de cima para baixo. • Diminui as pessoas retratadas.
  • 47. Ângulo descendente: A Conversação • Exemplo: A conversação (Francis Ford Coppola).
  • 48. Ângulo descendente (aéreo) • Plano aéreo ou aerial shot: inclinação próxima de 90°
  • 49. Ângulo descendente (aéreo) • usada para ressaltar a espacialidade de uma ação...
  • 50. Ângulo descendente (aéreo) • ..também usado para chamar a atenção para objetos cênicos (Wes Anderson)
  • 52. Panorâmica • Movimento de rotação da câmera sobre sua base. Pode ser horizontal ou vertical, fazendo um arco convexo do ponto de vista da câmera. • Pan (horizontal) ou tilt (vertical), em inglês. • Exemplo: Thelma & Louise
  • 53. Travelling • Translação da câmera pelo espaço. Pode ser horizontal ou vertical. Quando segue um personagem, chamamos de travelling de acompanhamento; quando se aproxima de algo, chama-se travelling-in; quando se afasta, travelling-out. • Em inglês há inúmeras variedades: tracking shot, dolly shot, crane shot, crab, boom, a depender da técnica utilizada e da direção do movimento. • Ex: travellings de seguimento em O Iluminado (Stanley Kubrick) e em Darren Aronofsky; travelling lateral em Weekend (Jean-Luc Godard).
  • 54. Diferenças terminológicas • Os anglófonos preferem termos mais técnicos, a depender de como foi feito o movimento: “tilt” (travelling vertical) é feito com tilt plates; tracking shot e dollying referem-se aos trilhos (tracks) nos quais punha-se um carrinho (dolly) com a câmera; fala-se também de “crane shot”, quando o plano é feito com gruas (cranes). • A classificação francesa é mais simples, sem deduzir como o plano foi feito: panorâmica consiste em movimento de rotação e travelling, de translação. Quando há ambos, fala-se em pano-travelling.
  • 55. Distância focal • Distância, medida em milímetros, entre o centro óptico da lente e o ponto de foco (a película/sensor) para que a imagem projetada, de um objeto no infinito, esteja focada.
  • 56. Distância focal • Distâncias focais em películas de 35mm (ou sensores full frame, como a Canon 5D): • grande-angular (<35mm) • lente normal (35-50mm) • teleobjetiva (>50mm). • Padrões diferentes nos outros formatos de película e em vídeo/digital.
  • 58. Distância focal • Quanto mais longa é a focal, mais estreito é o ângulo de campo, ou seja, há menor área de visualização.
  • 59. Profundidade de campo • Medida entre a menor e a maior distância em que a imagem é nítida. • Aumentam a profundidade de campo: • maior distância entre objetiva e objeto fotografado • menor abertura do diafragma • (o que depende de maior quantidade de luz) • menor distância focal
  • 60. Lente normal • Ângulos similares à visão humana JejumdeAmor(HowardHawks, 1940)
  • 61. Lente normal • Porém, menor campo de visão que nossas retinas
  • 62. Lente grande-angular • Maior ângulo de visão • Portanto, mais cenário visível [importante para planos-gerais] • Maior sensação de distância do objeto que as outras lentes
  • 63. Lente grande-angular • Acentua a perspectiva: objetos mais próximos aparentam ser muito maiores do que aparentariam na visão normal. Pérfida(WilliamWyler,1941)
  • 64. Lente grande-angular • As linhas de convergência da perspectiva linear ficam mais angulosas. InvernodeSangueemVeneza (NicolasRoeg,1973)
  • 65. Lente grande-angular • Closes distorcidos, muito mais volumosos que o normal. Grandeangularvs.lentenormal
  • 66. Lente grande-angular • Criam escorços exagerados. QuandoVoamasCegonhas (MikhailKalatozov,1957)
  • 67. Lente grande-angular • Maior profundidade de campo que lentes com maior distância focal. CidadãoKane(OrsonWelles,1941)
  • 68. Lente grande-angular • Soy Cuba emprega sistematicamente a lente grande-angular. SoyCuba(MikhailKalatozov,1964)
  • 69. Lente teleobjetiva • Imagem mais “próxima” que o ponto de onde foi tirada (muito usada para “cobertura” das cenas.
  • 70. Lente teleobjetiva • Perspectiva mais achatada, comprimindo grupos de pessoas. Tootsie(SydneyPollack,1982)
  • 71. Lente teleobjetiva • Efeito de “andar sem sair do lugar”. Aprimeiranoitedeumhomem (MikeNichols,1967)
  • 72. Lente teleobjetiva • Linhas convergentes ficam mais paralelas. Aeternidadeeumdia(Theo Angelopoulos,1998)
  • 73. Lente teleobjetiva • Objetos mais distantes não ficam tão pequenos quanto deveriam, comprimindo primeiro e segundo planos. Koyaanisqatsi(GodfreyReggio, 1982)
  • 74. Lente teleobjetiva • Menor profundidade de campo. Usa-se muito o efeito de “foco móvel” em teleobjetivas, como meio expressivo para guiar a atenção do espectador. ÚltimoTangoemParis(Bernardo Bertolucci,1972)
  • 75. Distâncias focais (resumo) • O fotógrafo Stephen Eastwood criou uma tabela de distorções por lentes de diferentes distâncias focais, aplicadas a retratos. • Um vídeo comparativo dos efeitos das mudanças de lentes.
  • 76. Zoom-travelling • O zoom-travelling (ou “dolly zoom”), usado em muitos filmes, expõe claramente as distorções ópticas das pequenas e grandes distâncias focais.