SlideShare uma empresa Scribd logo
Edição e Montagem 1
Universidade de Brasília




                                                      http://introtoediting.com/mm_entertainment_image1.jpg
Faculdade de Comunicação
Departamento de Audiovisuais e Publicidade
Bloco 1 de Audiovisual

Professor: Mauricio Fonteles
Professor Orientador: David Pennington



Aula 8

                                             mauriciofonteles.com
A Forma do Filme
  EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme - Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002
  Rio de Janeiro, 1978



A Escola Soviética
A Quarta Dimensão do Cinema
Métodos de Montagem




                                                                                mauriciofonteles.com
A Escola Soviética

• Período histórico: Após a revolução de 1917


• Os Bolcheviques liderados por Lênin tomam o poder




                                                                             http://www.brasilescola.com/upload/conteudo/images/361b082d6543ffbd545b3c3bad702af7.jpg
• Rússia recém industrializada e pós Primeira Guerra Mundial


• Grande massa de operários e camponeses
  trabalhando muito e ganhando pouco.


• A chegada dos filmes de Griffith


• Lênin reconhece o Cinema como uma nova Arte


                                                               mauriciofonteles.com
O Cinema Soviético

• Os filmes como parte da luta revolucionária.


• Usados para ensinar e fazer propaganda política.


• Dupla missão: 
  Instrução das massas para os movimentos políticos
  Formação de jovens realizadores cinematográficos


• A expressão de ideias pro meio do Cinema


• O desenvolvimento de uma teoria do Cinema


• Griffith era um homem de ação e por isso, não tinha tentado teorizar suas
  descobertas
                                                                   mauriciofonteles.com
mauriciofonteles.com




Os Teóricos / Cineastas

• Lev Kuleshov, Vsevolod Pudovkin, Sergei Eisenstein e Dziga Vertov


• Foram os cineastas mais famosos da União Soviética


• Estudos sobre as técnicas da montagem cinematográfica, expondo diversas
  teorias acerca das possibilidades narrativas, expressivas e plásticas deste recurso.




  http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/thumb/      http://www.carleton.edu/curricular/MEDA/                                                                 http://upload.wikimedia.org/wikipedia/
  1/16/Lev_Kuleshov.jpg/200px-Lev_Kuleshov.jpg      classes/media110/Severson/pics/eisenstein3.jpg   http://en.wikipedia.org/wiki/File:Vsevolod-Pudovkin.jpeg   en/e/ee/Dziga_Vertov_photograph.jpg
Lev Kuleshov

• O pioneiro de toda a estética da montagem soviética


• O Efeito Kuleshov




                                                        mauriciofonteles.com
Lev Kuleshov
                                                         Mr. West




• Provou que a significação de uma sequência pode depender exclusivamente
  da relação subjetiva que o espectador faz de diversos planos.

• Expressividade e significado através da associação.

• Um plano adquire significado em relação aos que o antecedem e lhe seguem.

• O confronto destes planos propicia um terceiro nível de significado que é
  criado na mente do público. Pode somar ou diferenciar.

• A matéria cinematográfica é constituída pelos fragmentos de película.

• O método de composição consistem em uni-los, descobrindo uma ordem
  criadora


                                                                     mauriciofonteles.com
Vsevold Pudovkin

• Para ele, tal como a língua, também a montagem tem a palavra (a imagem) e
  a frase (combinação das imagens)

• Deste modo, acreditava que o poder do cinema vinha da montagem como
  gramática.

• Pretendeu desenvolver uma teoria da montagem que permitisse ao cineasta
  ultrapassar a clássica montagem intuitiva de Griffith e encontrar um processo
  formal que pudesse transmitir ideias através da narrativa.

• Formulou a teoria da "montagem construtiva"
  1º - Matéria prima: fragmentos de película
  2º - O realizador só opera sobre os fragmentos onde são filmados os fatos e
  não em fatos reais
  3º - No processo de montagem, esses fragmentos podem ser modificados
  eliminando pontos de intervalo para concentrar a ação

                                                                    mauriciofonteles.com
Vsevold Pudovkin

• A montagem é um instrumento que é usado para dar forma, para destacar
  determinados acontecimentos da realidade.


• Plano como "tijolo" da construção


• A função essencial da montagem é a determinação de processos
  psicológicos no espectador. O realizador não deveria apresentar toda a
  realidade, mas reduzi-la ao essencial.


• Opôs-se teoricamente a Eisenstein…


• Ao contrário de Eisenstein, na montagem definida por Pudovkin não havia
  choque, mas uma fragmentação da cena em vários planos, preferindo, desta
  forma, uma ligação construtiva entre os diversos planos.

                                                                     mauriciofonteles.com
Dziga Vertov

• Apenas a verdade documentada poderia ser honesta o bastante para levar à
  verdadeira revolução

• Partindo da ideia de que a matéria-prima do cinema é a realidade, Vertov
  desenvolveu o anti-estúdio e o cine-olho, tendo como grande objetivo
  apresentar a realidade como ela é, rejeitando deste modo a ficção, as
  reconstituições e as encenações.

• Cine-Olho -> Kino-Glaz

• O cinema é uma instrumento de
  análise do mundo, mas que para
  se mostrar é necessário ter visto
  realmente.




                                                                     mauriciofonteles.com
Man with the movie

Dziga Vertov                                           camera




• Vertov concebeu o operador de câmera, o kinok, como uma espécie de super
  olho.


• Para ele, a câmera era mais perfeita que o olho humano.


• Capturava a verdade mecanicamente.


• Man With The Movie Camera - O
  propósito era mostar a dualidade entre
  a vida, tal como ela é, na realidade do
  olho humano, instrumento imperfeito
  devido à sua natureza e a realidade tal
  como é observada pelo olho da
  câmera.

                                                                            mauriciofonteles.com
Eisenstein e a Montagem Ortodoxa

• Relação com o teatro Kabuki - provocação dos sentidos dos sentidos


• Cenas isoladas - plano, fragmento de montagem


• Filmes em “Atos”




 http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/12/Odori_Keiy%C5%8D_Edo-e_no_sakae_by_Toyokuni_III.jpg/640px-Odori_Keiy   http://3.bp.blogspot.com/_pVFlTWVof0E/TKdjMgxvaLI/AAAAAAAAAWI/0YbaagSIiws/s1600/kabuki1.jpg
                                            %C5%8D_Edo-e_no_sakae_by_Toyokuni_III.jpg




                                                                                                                                                                                                       mauriciofonteles.com
Montagem Ortodoxa

• Montagem sobre a dominante


• Combinação de planos de acordo com suas indicações dominantes.


• Montagem de acordo com o tempo


• Montagem de acordo com o comprimento


• Montagem de acordo com a principal tendência dentro do quadro


• Montagem em conformidade com o que salta no primeiro plano

                                                                   mauriciofonteles.com
Dominante

• As indicações dominantes de dois planos lado a lado produzem uma ou
  outra inter-relação conflitante, resultando em um ou outro efeito expressivo
  (efeito puramente de montagem)




                        Planos de “Outubro”
                                                                      mauriciofonteles.com
Ideogramas
• As características da dominante são variáveis e profundamente relativas.
  Uma revelação de suas características depende da combinação dos planos,
  que depende da dominante!


• O quadro cinematográfico nunca pode ser uma inflexível letra do alfabeto,
  mas deve ser sempre um ideograma multissignificativo.


• Pode ser lido apenas em justaposição, exatamente como um ideograma
  adquire significação, significado e até  pronúncia específicos




                                                                   mauriciofonteles.com
A “Composição” da Montagem

• Comparação com a acústica e a formação musical


• Tons dominantes, cercados por harmônicos e vibrações


• Comparação com a ótica


• Distorções de percepção causadas pela própria lente da câmera
                                                   http://jessewalker717.files.wordpress.com/2011/02/sorabji_slurctxt.png




                                                                                                     mauriciofonteles.com
Fisiologia da Montagem

• Atrás da indicação geral do plano, está presente a soma fisiológica de suas
  vibrações como um todo, como uma unidade complexa de manifestações de
  todos os seus estímulos. Esta é a "sensação" peculiar do plano, produzida
  pelo plano como um todo.

• Qualidade fisiológica - “funcionamento do organismo”

• A Linha Geral é o primeiro filme montado sobre o princípio harmônico-visual

• A Montagem Atonal, em seus primeiros passos, teve de adotar uma linha de
  clara oposição a dominante

• A montagem de A Linha Geral segue a linha de trabalho sobre as vibrações
  psicofisiológicas de cada fragmento.


                                                                   mauriciofonteles.com
Harmonia

• Harmonia Visual e Harmonia Musical

• Não podem ser encontrada no quadro estático

• O fator “tempo”

• Conflitos harmônicos não escritos - vistos, ouvidos, sentidos




                       http://www.ucira.ucsb.edu/wp-content/files_flutter/1316807633bournemouth_symphony_orchestra11.jpg
                                                                                                                         mauriciofonteles.com
A Quarta Dimensão

• Está provado que a harmonia visual é uma peça real, um elemento real de -
  uma quarta dimensão!


• No espaço tridimensional, espacialmente inexpressivo, que só surge e existe
  na quarta dimensão (tempo acrescentado às três dimensões)


  • Declaração lugar comum de que o mundo em que vivemos é um
    continuum espaço-tempo quadridimensional


  • O cinema pode proporcionar uma facilidade de orientação concreta
    nesse continuum espaço-tempo quadridimensional




                                                                    mauriciofonteles.com
Contraponto Visual - Auditivo

• Método contrapontístico de misturar imagens visuais e auditivas.


• Não podemos reduzir percepções visuais e auditivas a um denominador
  comum. elas são valores de dimensões diferentes.


• Mas harmonia visual e harmonia sonora são valores de uma substância
  singularmente medida


• Se o quadro é uma percepção visual, e a tonalidade uma percepção auditiva,
  as tonalidades visuais, assim como auditivas, são uma sensação totalmente
  fisiológica


• Para ambos, uma nova fórmula uniforme deve entrar em nosso vocabulário:
  "Eu percebo"

                                                                     mauriciofonteles.com
Polifônia

• A Linha Geral inaugura o conceito de atonalidade visual.


• Do conflito polifônico entre as atonalidades visuais e auditivas nascerá a




                                                                                 http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/thumb/7/78/The_General_Line.jpg/220px-The_General_Line.jpg
  composição do cinema sonoro soviético.




           Trecho: O sentido do Filme - Sincronização dos Sentidos
                                                                      mauriciofonteles.com
Métodos de Montagem

• 1. Montagem Métrica (Revolta no Navio - Potemkin - 23min)
  Duração dos fragmentos


• 2. Montagem Rítmica (Escadaria de Odessa - 48min)
  Duração do conteúdo


• 3. Montagem Tonal (Porto Neblina - Potemkin - 33min)
  Composição da dominante


• 4. Montagem Atonal (O Velho e o Novo - Procissão - 25min)
  Soma de fragmentos, conteúdo e dominante - fisiológica


• 5. Montagem Intelectual (Outubro - Simbolos religiosos - 31min)
  Princípio intelectual de interpretação
                                                                    mauriciofonteles.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual
Vinícius Souza
 
Aula1 história da montagem
 Aula1 história da montagem Aula1 história da montagem
Aula1 história da montagem
ismaelfurtado
 
3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène
Cristiano Canguçu
 
2. Cinematografia
2. Cinematografia2. Cinematografia
2. Cinematografia
Cristiano Canguçu
 
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIROINTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
Fausto Coimbra
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Mauricio Mallet Duprat
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
Laércio Góes
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
Matheus Vieira
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
Viviane Calasans
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
UNIP. Universidade Paulista
 
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoProdução e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Pedro Almeida
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Mauricio Mallet Duprat
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização Audiovisual
Feliciano Novo
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
UNIP. Universidade Paulista
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
ladybru
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Mauricio Fonteles
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
Mauricio Mallet Duprat
 
Aula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros Filmes
Aula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros FilmesAula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros Filmes
Aula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros Filmes
ismaelfurtado
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
Thiago Assumpção
 
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPEDecoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
leticiag94
 

Mais procurados (20)

Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual Introdução ao Audiovisual
Introdução ao Audiovisual
 
Aula1 história da montagem
 Aula1 história da montagem Aula1 história da montagem
Aula1 história da montagem
 
3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène3. Mise-en-scène
3. Mise-en-scène
 
2. Cinematografia
2. Cinematografia2. Cinematografia
2. Cinematografia
 
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIROINTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
INTRODUÇÃO À PRODUÇÃO DE ROTEIRO
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 2 (Ângulos e Efeitos Psicológicos)
 
Linguagem Cinematográfica
Linguagem CinematográficaLinguagem Cinematográfica
Linguagem Cinematográfica
 
Historia do cinema
Historia do cinema Historia do cinema
Historia do cinema
 
Linguagem cinematografica
Linguagem cinematograficaLinguagem cinematografica
Linguagem cinematografica
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
 
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produçãoProdução e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
Produção e Realização Audiovisual 1 - aula pré-produção
 
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
Elementos narrativos do cinema - Parte 1 (Planos e enquadramentos)
 
Produção e realização Audiovisual
Produção e realização AudiovisualProdução e realização Audiovisual
Produção e realização Audiovisual
 
Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1Eav cinema hq planos 1
Eav cinema hq planos 1
 
história_cinema
história_cinemahistória_cinema
história_cinema
 
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
Edição e Montagem - Aulas 4 e 5
 
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
CINEMA - Parte 2 (Desenvolvimento e indústria)
 
Aula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros Filmes
Aula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros FilmesAula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros Filmes
Aula 1 - Conceito de Montagem - Primeiros Filmes
 
Introdução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisualIntrodução à linguagem audiovisual
Introdução à linguagem audiovisual
 
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPEDecoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
Decoupagem do roteiro - VIDEOCLIPE
 

Destaque

Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Mauricio Fonteles
 
Aula 4 Griffith
Aula 4 GriffithAula 4 Griffith
Aula 4 Griffith
ismaelfurtado
 
Aula 5 - Pudovkin
Aula 5 - PudovkinAula 5 - Pudovkin
Aula 5 - Pudovkin
ismaelfurtado
 
The Filmic Fourth Demension
The Filmic Fourth DemensionThe Filmic Fourth Demension
The Filmic Fourth Demension
danwargo
 
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes SonorosAula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
ismaelfurtado
 
Aula 7 Vertov
Aula 7 VertovAula 7 Vertov
Aula 7 Vertov
ismaelfurtado
 
Projeto UCA - Ceará
Projeto UCA - CearáProjeto UCA - Ceará
Projeto UCA - Ceará
ismaelfurtado
 
Projeto de Aamário para arma
Projeto de Aamário para armaProjeto de Aamário para arma
Projeto de Aamário para arma
ismaelfurtado
 
Edição de vídeos
Edição de vídeosEdição de vídeos
Edição de vídeos
Marcio Rodrigues da Silva
 
Aula 12 - Estilo MTV
Aula 12 - Estilo MTVAula 12 - Estilo MTV
Aula 12 - Estilo MTV
ismaelfurtado
 
Montagem
MontagemMontagem
Montagem
gbatista
 
Apostila Edição De Video
Apostila Edição De VideoApostila Edição De Video
Apostila Edição De Video
vandersoft
 
Material de apoio para curso básico de edição de vídeo aula 1
Material de apoio para curso básico de edição de vídeo   aula 1Material de apoio para curso básico de edição de vídeo   aula 1
Material de apoio para curso básico de edição de vídeo aula 1
Diego Duenhas
 
Oficina de Roteiro - Miguel Nagle
Oficina de Roteiro - Miguel NagleOficina de Roteiro - Miguel Nagle
Oficina de Roteiro - Miguel Nagle
Fabiano Pereira
 
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISEVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
Tiago Lopes
 
Bitorpedo ingles
Bitorpedo inglesBitorpedo ingles
Bitorpedo ingles
bitorpedo
 
Pilares de sustentação do Projeto UCA
Pilares de sustentação do Projeto UCAPilares de sustentação do Projeto UCA
Pilares de sustentação do Projeto UCA
ismaelfurtado
 

Destaque (17)

Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
Edição e Montagem - Aulas 6 e 7
 
Aula 4 Griffith
Aula 4 GriffithAula 4 Griffith
Aula 4 Griffith
 
Aula 5 - Pudovkin
Aula 5 - PudovkinAula 5 - Pudovkin
Aula 5 - Pudovkin
 
The Filmic Fourth Demension
The Filmic Fourth DemensionThe Filmic Fourth Demension
The Filmic Fourth Demension
 
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes SonorosAula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
Aula 10 - Primeiros Filmes Sonoros
 
Aula 7 Vertov
Aula 7 VertovAula 7 Vertov
Aula 7 Vertov
 
Projeto UCA - Ceará
Projeto UCA - CearáProjeto UCA - Ceará
Projeto UCA - Ceará
 
Projeto de Aamário para arma
Projeto de Aamário para armaProjeto de Aamário para arma
Projeto de Aamário para arma
 
Edição de vídeos
Edição de vídeosEdição de vídeos
Edição de vídeos
 
Aula 12 - Estilo MTV
Aula 12 - Estilo MTVAula 12 - Estilo MTV
Aula 12 - Estilo MTV
 
Montagem
MontagemMontagem
Montagem
 
Apostila Edição De Video
Apostila Edição De VideoApostila Edição De Video
Apostila Edição De Video
 
Material de apoio para curso básico de edição de vídeo aula 1
Material de apoio para curso básico de edição de vídeo   aula 1Material de apoio para curso básico de edição de vídeo   aula 1
Material de apoio para curso básico de edição de vídeo aula 1
 
Oficina de Roteiro - Miguel Nagle
Oficina de Roteiro - Miguel NagleOficina de Roteiro - Miguel Nagle
Oficina de Roteiro - Miguel Nagle
 
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAISEVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
EVOLUÇÃO DAS TECNOLOGIAS AUDIOVISUAIS
 
Bitorpedo ingles
Bitorpedo inglesBitorpedo ingles
Bitorpedo ingles
 
Pilares de sustentação do Projeto UCA
Pilares de sustentação do Projeto UCAPilares de sustentação do Projeto UCA
Pilares de sustentação do Projeto UCA
 

Semelhante a Edição e Montagem - Aulas 8 e 9

Dziga vertov
Dziga vertovDziga vertov
Dziga vertov
Luis Matos
 
Dziga vertov
Dziga vertovDziga vertov
Dziga vertov
Luis Matos
 
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
UNIP. Universidade Paulista
 
Cinema e melhor: Uma Jornada de Emoção
Cinema e melhor: Uma Jornada de EmoçãoCinema e melhor: Uma Jornada de Emoção
Cinema e melhor: Uma Jornada de Emoção
Marco Aurelio Morsch, MSc
 
Pós Produção Teoria
Pós  Produção  TeoriaPós  Produção  Teoria
Pós Produção Teoria
dribas
 
O intervalo de Vertov
O intervalo de VertovO intervalo de Vertov
O intervalo de Vertov
Antropologiavisualuff
 
Dissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptx
Dissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptxDissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptx
Dissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptx
AnaPaulaAlcanfor1
 
Transcinemas
TranscinemasTranscinemas
Transcinemas
Vanessa Pereira
 
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no CinemaDireção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Mauricio Mallet Duprat
 
O cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_iiO cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_ii
Juliette Vasconcelos
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
Fabricio Marques
 
Alexander Sokurov
Alexander Sokurov Alexander Sokurov
Alexander Sokurov
Maria João
 
Edição de vídeos
Edição de vídeosEdição de vídeos
Edição de vídeos
Lilianedersv
 
Artavazd pelechian
Artavazd pelechianArtavazd pelechian
Artavazd pelechian
Carlos Vaz
 
Dziga Vertov
Dziga VertovDziga Vertov
Dziga Vertov
Nuno Nogueira
 
Dziga vertov
Dziga vertovDziga vertov
Dziga vertov
Alex Martins
 
André Bazin
André BazinAndré Bazin
André Bazin
Cristiano Canguçu
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoria
atovirtual
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
PóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO TeoriaPóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO Teoria
dribas
 

Semelhante a Edição e Montagem - Aulas 8 e 9 (20)

Dziga vertov
Dziga vertovDziga vertov
Dziga vertov
 
Dziga vertov
Dziga vertovDziga vertov
Dziga vertov
 
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
EAV aula 1 [ Olhar, cinema e video game]
 
Cinema e melhor: Uma Jornada de Emoção
Cinema e melhor: Uma Jornada de EmoçãoCinema e melhor: Uma Jornada de Emoção
Cinema e melhor: Uma Jornada de Emoção
 
Pós Produção Teoria
Pós  Produção  TeoriaPós  Produção  Teoria
Pós Produção Teoria
 
O intervalo de Vertov
O intervalo de VertovO intervalo de Vertov
O intervalo de Vertov
 
Dissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptx
Dissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptxDissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptx
Dissertação Douglas da Silva - Apresentação.pptx
 
Transcinemas
TranscinemasTranscinemas
Transcinemas
 
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no CinemaDireção de Arte e Fotografia no Cinema
Direção de Arte e Fotografia no Cinema
 
O cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_iiO cinema em_sala_de_aula_ii
O cinema em_sala_de_aula_ii
 
História do cinema
História do cinemaHistória do cinema
História do cinema
 
Alexander Sokurov
Alexander Sokurov Alexander Sokurov
Alexander Sokurov
 
Edição de vídeos
Edição de vídeosEdição de vídeos
Edição de vídeos
 
Artavazd pelechian
Artavazd pelechianArtavazd pelechian
Artavazd pelechian
 
Dziga Vertov
Dziga VertovDziga Vertov
Dziga Vertov
 
Dziga vertov
Dziga vertovDziga vertov
Dziga vertov
 
André Bazin
André BazinAndré Bazin
André Bazin
 
Oficina teoria
Oficina teoriaOficina teoria
Oficina teoria
 
Eav aula 2 c
Eav aula 2 cEav aula 2 c
Eav aula 2 c
 
PóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO TeoriaPóS ProduçãO Teoria
PóS ProduçãO Teoria
 

Último

Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
SidneySilva523387
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 

Último (20)

Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou  co...
filosofia e Direito- É a teoria que explica como a sociedade se organizou co...
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 

Edição e Montagem - Aulas 8 e 9

  • 1. Edição e Montagem 1 Universidade de Brasília http://introtoediting.com/mm_entertainment_image1.jpg Faculdade de Comunicação Departamento de Audiovisuais e Publicidade Bloco 1 de Audiovisual Professor: Mauricio Fonteles Professor Orientador: David Pennington Aula 8 mauriciofonteles.com
  • 2. A Forma do Filme EISENSTEIN, Sergei. A forma do filme - Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002 Rio de Janeiro, 1978 A Escola Soviética A Quarta Dimensão do Cinema Métodos de Montagem mauriciofonteles.com
  • 3. A Escola Soviética • Período histórico: Após a revolução de 1917 • Os Bolcheviques liderados por Lênin tomam o poder http://www.brasilescola.com/upload/conteudo/images/361b082d6543ffbd545b3c3bad702af7.jpg • Rússia recém industrializada e pós Primeira Guerra Mundial • Grande massa de operários e camponeses trabalhando muito e ganhando pouco. • A chegada dos filmes de Griffith • Lênin reconhece o Cinema como uma nova Arte mauriciofonteles.com
  • 4. O Cinema Soviético • Os filmes como parte da luta revolucionária. • Usados para ensinar e fazer propaganda política. • Dupla missão:  Instrução das massas para os movimentos políticos Formação de jovens realizadores cinematográficos • A expressão de ideias pro meio do Cinema • O desenvolvimento de uma teoria do Cinema • Griffith era um homem de ação e por isso, não tinha tentado teorizar suas descobertas mauriciofonteles.com
  • 5. mauriciofonteles.com Os Teóricos / Cineastas • Lev Kuleshov, Vsevolod Pudovkin, Sergei Eisenstein e Dziga Vertov • Foram os cineastas mais famosos da União Soviética • Estudos sobre as técnicas da montagem cinematográfica, expondo diversas teorias acerca das possibilidades narrativas, expressivas e plásticas deste recurso. http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/thumb/ http://www.carleton.edu/curricular/MEDA/ http://upload.wikimedia.org/wikipedia/ 1/16/Lev_Kuleshov.jpg/200px-Lev_Kuleshov.jpg classes/media110/Severson/pics/eisenstein3.jpg http://en.wikipedia.org/wiki/File:Vsevolod-Pudovkin.jpeg en/e/ee/Dziga_Vertov_photograph.jpg
  • 6. Lev Kuleshov • O pioneiro de toda a estética da montagem soviética • O Efeito Kuleshov mauriciofonteles.com
  • 7. Lev Kuleshov Mr. West • Provou que a significação de uma sequência pode depender exclusivamente da relação subjetiva que o espectador faz de diversos planos. • Expressividade e significado através da associação. • Um plano adquire significado em relação aos que o antecedem e lhe seguem. • O confronto destes planos propicia um terceiro nível de significado que é criado na mente do público. Pode somar ou diferenciar. • A matéria cinematográfica é constituída pelos fragmentos de película. • O método de composição consistem em uni-los, descobrindo uma ordem criadora mauriciofonteles.com
  • 8. Vsevold Pudovkin • Para ele, tal como a língua, também a montagem tem a palavra (a imagem) e a frase (combinação das imagens) • Deste modo, acreditava que o poder do cinema vinha da montagem como gramática. • Pretendeu desenvolver uma teoria da montagem que permitisse ao cineasta ultrapassar a clássica montagem intuitiva de Griffith e encontrar um processo formal que pudesse transmitir ideias através da narrativa. • Formulou a teoria da "montagem construtiva" 1º - Matéria prima: fragmentos de película 2º - O realizador só opera sobre os fragmentos onde são filmados os fatos e não em fatos reais 3º - No processo de montagem, esses fragmentos podem ser modificados eliminando pontos de intervalo para concentrar a ação mauriciofonteles.com
  • 9. Vsevold Pudovkin • A montagem é um instrumento que é usado para dar forma, para destacar determinados acontecimentos da realidade. • Plano como "tijolo" da construção • A função essencial da montagem é a determinação de processos psicológicos no espectador. O realizador não deveria apresentar toda a realidade, mas reduzi-la ao essencial. • Opôs-se teoricamente a Eisenstein… • Ao contrário de Eisenstein, na montagem definida por Pudovkin não havia choque, mas uma fragmentação da cena em vários planos, preferindo, desta forma, uma ligação construtiva entre os diversos planos. mauriciofonteles.com
  • 10. Dziga Vertov • Apenas a verdade documentada poderia ser honesta o bastante para levar à verdadeira revolução • Partindo da ideia de que a matéria-prima do cinema é a realidade, Vertov desenvolveu o anti-estúdio e o cine-olho, tendo como grande objetivo apresentar a realidade como ela é, rejeitando deste modo a ficção, as reconstituições e as encenações. • Cine-Olho -> Kino-Glaz • O cinema é uma instrumento de análise do mundo, mas que para se mostrar é necessário ter visto realmente. mauriciofonteles.com
  • 11. Man with the movie Dziga Vertov camera • Vertov concebeu o operador de câmera, o kinok, como uma espécie de super olho. • Para ele, a câmera era mais perfeita que o olho humano. • Capturava a verdade mecanicamente. • Man With The Movie Camera - O propósito era mostar a dualidade entre a vida, tal como ela é, na realidade do olho humano, instrumento imperfeito devido à sua natureza e a realidade tal como é observada pelo olho da câmera. mauriciofonteles.com
  • 12. Eisenstein e a Montagem Ortodoxa • Relação com o teatro Kabuki - provocação dos sentidos dos sentidos • Cenas isoladas - plano, fragmento de montagem • Filmes em “Atos” http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/12/Odori_Keiy%C5%8D_Edo-e_no_sakae_by_Toyokuni_III.jpg/640px-Odori_Keiy http://3.bp.blogspot.com/_pVFlTWVof0E/TKdjMgxvaLI/AAAAAAAAAWI/0YbaagSIiws/s1600/kabuki1.jpg %C5%8D_Edo-e_no_sakae_by_Toyokuni_III.jpg mauriciofonteles.com
  • 13. Montagem Ortodoxa • Montagem sobre a dominante • Combinação de planos de acordo com suas indicações dominantes. • Montagem de acordo com o tempo • Montagem de acordo com o comprimento • Montagem de acordo com a principal tendência dentro do quadro • Montagem em conformidade com o que salta no primeiro plano mauriciofonteles.com
  • 14. Dominante • As indicações dominantes de dois planos lado a lado produzem uma ou outra inter-relação conflitante, resultando em um ou outro efeito expressivo (efeito puramente de montagem) Planos de “Outubro” mauriciofonteles.com
  • 15. Ideogramas • As características da dominante são variáveis e profundamente relativas. Uma revelação de suas características depende da combinação dos planos, que depende da dominante! • O quadro cinematográfico nunca pode ser uma inflexível letra do alfabeto, mas deve ser sempre um ideograma multissignificativo. • Pode ser lido apenas em justaposição, exatamente como um ideograma adquire significação, significado e até  pronúncia específicos mauriciofonteles.com
  • 16. A “Composição” da Montagem • Comparação com a acústica e a formação musical • Tons dominantes, cercados por harmônicos e vibrações • Comparação com a ótica • Distorções de percepção causadas pela própria lente da câmera http://jessewalker717.files.wordpress.com/2011/02/sorabji_slurctxt.png mauriciofonteles.com
  • 17. Fisiologia da Montagem • Atrás da indicação geral do plano, está presente a soma fisiológica de suas vibrações como um todo, como uma unidade complexa de manifestações de todos os seus estímulos. Esta é a "sensação" peculiar do plano, produzida pelo plano como um todo. • Qualidade fisiológica - “funcionamento do organismo” • A Linha Geral é o primeiro filme montado sobre o princípio harmônico-visual • A Montagem Atonal, em seus primeiros passos, teve de adotar uma linha de clara oposição a dominante • A montagem de A Linha Geral segue a linha de trabalho sobre as vibrações psicofisiológicas de cada fragmento. mauriciofonteles.com
  • 18. Harmonia • Harmonia Visual e Harmonia Musical • Não podem ser encontrada no quadro estático • O fator “tempo” • Conflitos harmônicos não escritos - vistos, ouvidos, sentidos http://www.ucira.ucsb.edu/wp-content/files_flutter/1316807633bournemouth_symphony_orchestra11.jpg mauriciofonteles.com
  • 19. A Quarta Dimensão • Está provado que a harmonia visual é uma peça real, um elemento real de - uma quarta dimensão! • No espaço tridimensional, espacialmente inexpressivo, que só surge e existe na quarta dimensão (tempo acrescentado às três dimensões) • Declaração lugar comum de que o mundo em que vivemos é um continuum espaço-tempo quadridimensional • O cinema pode proporcionar uma facilidade de orientação concreta nesse continuum espaço-tempo quadridimensional mauriciofonteles.com
  • 20. Contraponto Visual - Auditivo • Método contrapontístico de misturar imagens visuais e auditivas. • Não podemos reduzir percepções visuais e auditivas a um denominador comum. elas são valores de dimensões diferentes. • Mas harmonia visual e harmonia sonora são valores de uma substância singularmente medida • Se o quadro é uma percepção visual, e a tonalidade uma percepção auditiva, as tonalidades visuais, assim como auditivas, são uma sensação totalmente fisiológica • Para ambos, uma nova fórmula uniforme deve entrar em nosso vocabulário: "Eu percebo" mauriciofonteles.com
  • 21. Polifônia • A Linha Geral inaugura o conceito de atonalidade visual. • Do conflito polifônico entre as atonalidades visuais e auditivas nascerá a http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/thumb/7/78/The_General_Line.jpg/220px-The_General_Line.jpg composição do cinema sonoro soviético. Trecho: O sentido do Filme - Sincronização dos Sentidos mauriciofonteles.com
  • 22. Métodos de Montagem • 1. Montagem Métrica (Revolta no Navio - Potemkin - 23min) Duração dos fragmentos • 2. Montagem Rítmica (Escadaria de Odessa - 48min) Duração do conteúdo • 3. Montagem Tonal (Porto Neblina - Potemkin - 33min) Composição da dominante • 4. Montagem Atonal (O Velho e o Novo - Procissão - 25min) Soma de fragmentos, conteúdo e dominante - fisiológica • 5. Montagem Intelectual (Outubro - Simbolos religiosos - 31min) Princípio intelectual de interpretação mauriciofonteles.com