Traducaoknox libre

295 visualizações

Publicada em

Estudo bíblico

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
295
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Traducaoknox libre

  1. 1. A FORMA DAS ORAÇÕES E MINISTRAÇÃO DOS SACRAMENTOS, usada na Congregação Inglesa em Genebra aprovada Pelo famoso e sábio homem de Deus, Sr. João Calvino TRADUÇÃO: Pb. Frank Penha 1 Cor“ntios 3 NENHUM HOMEM PODE COLOCAR outro fundamento, o qual já foi posto que é Cristo Jesus 1562
  2. 2. CONTEÚDO DESTE LIVRO 1. Da Confissão da Fé Cristã 2. Da maneira de eleição de Ministros, Presb“teros e Diáconos. 3. Da reunião semanal dos Ministros, Presb“teros e Diáconos. 4. De como lidar com a interpretação das Escrituras, de responder as dúvidas, observado a toda segunda- feira. 5. Sobre a confissão de nossos pecados usada antes do sermão, moldada para a ocasião e tempo presente. 6. De outra confissão para todas as Ocasiões e Tempos. 7. Da oração geral feita após o sermão pelo estado geral das Igrejas de Cristo. 8. Da ministração do Batismo e da Ceia do Senhor 9. Da forma do Matrimônio, da visitação aos enfermos e a forma do sepultamento. 10. Da ordem da Disciplina Eclesiástica.
  3. 3. 1. Da Confissão da Fé Cristã, aos que estão reunidos na Congregação Inglesa em Genebra. Eu creio e confesso meu Senhor Deus eterno, infinito, imensurável, incompreens“vel, invis“vel, um em essência, três em pessoa, Pai, Filho e Esp“rito Santo, o qual, pelo seu supremo poder e sabedoria, não apenas criou do nada os céus, terra e todas as coisas neles contidas, e o homem feito de Sua própria imagem, para que ele o pudesse glorificar, mas também pela sua paterna providência, governa mantêm e preserva a mesma de acordo com o propósito de sua vontade. Eu creio também e confesso Jesus Cristo o único Salvador e Messias, o qual sendo igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens, se tornou homem como nós (exceto em pecado) para nos assegurar a misericórdia e perdão. Porque assim como pela transgressão de Adão nosso Pai nós nos tornamos filhos da perdição, não outro meio de nos trazer do julgo do pecado e da condenação ao não ser por Jesus Cristo nosso Senhor, o qual nos dando por graça, a qual é dele por natureza, nos fez (por meio de fé) filhos de Deus, o qual na plenitude dos tempos veio, foi concebido pelo poder do Esp“rito Santo, nasceu da Virgem Maria (de acordo com a carne), e pregou na terra o evangelho da salvação, que também pela tirania dos sacerdotes foi condenado debaixo do poder de Poncio Pilatos, então presidente do Júri, e mais cruelmente foi colocado em uma cruz entre dois ladrões como se fosse notório transgressor, na qual caiu sobre ele a punição pelos nossos pecados, nos libertando assim da maldição da Lei. EU CREIO EM DEUS PAI TODO- PODEROSO, CRIADOR DO CÉU E DA TERRA E EM JESUS CRISTO SEU ÚNICO FILHO NOSSO SENHOR QUE FOI CONCEBIDO PELO ESPIRITO SANTO , NASCEU DA VIRGEM MARIA , PADECEU SOBRE PONCIO PILATOS, FOI CRUCIFICADO, MORTO E SEPULTADO
  4. 4. Sendo como Ele, sendo apenas Deus, não podendo sentir a morte, nem sendo ele apenas homem, podendo sobrepujar a morte, ele experimentou as duas coisas, sofrendo em sua humanidade sendo punido com a mais cruel morte, sentindo sobre si o mais terr“vel e severo julgamento de Deus, como se Ele estivesse nos mais extremos tormentos do inferno, e assim bradou com alta voz, Deus meu, Deus meu, porque me desamparaste? Através de sua livre graça, sem compulsão, ele ofereceu a si mesmo como o único sacrif“cio para purgar os pecados de todo o mundo, portanto todos os outros sacrif“cios por pecados são blasfemos e negam a suficiência de tão grande ato. Pela Sua morte foi feito tudo que era requerido e suficiente para nos reconciliar com Deus, e ainda as Escrituras comumente atribuem a nossa regeneração pela sua ressurreição, porque por sua ressurreição dos mortos ao terceiro dia, Ele conquistou a morte, assim a vitória da nossa fé permanece por sobre a Sua ressurreição, porque sem a mesma, nós não poder“amos sentir o beneficio de sua morte, pois assim como pela sua morte, os pecados foram levados embora, pela sua ressurreição nossa retidão foi restaurada. E porque Ele completou todas as coisas, e tomou possessão do Seu reino para nós, Ele ascendeu aos céus, para expandir este mesmo reino pelo poder do Seu Esp“rito, pelo qual nós estamos mais do que certos de sua continua intercessão por nós perante Deus Pai. Porém assim como ele está no céu no tocante a Sua presença corporal, o qual Deus Pai assentando-o a sua mão direita, comissionando-a Ele a administração de todas as coisas, tanto das que estão no Céu como as que estão na terra; Ele está também presente conosco seus membros, até o final dos tempos, nos preservando e nos governando com seu eficaz poder e graça, o qual (quando todas as coisas reveladas pelos profetas de Deus desde o principio do mundo forem cumpridas) irá retornar da mesma forma vis“vel que ascendeu, com uma indescrit“vel majestade, poder e honra, para separar as ovelhas dos bodes, os eleitos dos reprovados, assim nenhum, ainda que vivo ou já morto antes, escapará de Seu julgamento. DESCEU AO INFERNO RESSUCITOU DOS MORTOS AO TERCEIRO DIA ASSENTOU-SE A DIREITA DE DEUS API TODO- PODEROSO DE ONDE VIRÁ PARA JULGAR OS VIVOS E OS MORTOS ELE ASCENDEU AOS CÉUS
  5. 5. Eu creio e confesso o Esp“rito Santo, Deus igual com o Pai e o Filho, o qual nos regenera e nos santifica, nos rege e guia em toda a Verdade, persuadindo e nos dando convicção em nossas consciências que nós somos filhos de Deus, irmãos em Jesus Cristo, e participantes com Ele na vida eterna. No entanto não é suficiente acreditar que Deus é onipotente e gracioso; que Cristo fez esta satisfação; ou que o Esp“rito Santo tem poder e efeito; mas o importante é que estes benef“cios nos sejam aplicados, nos que somos os Eleitos de Deus. Eu creio e portanto confesso uma santa Igreja, a qual ( como membros de Jesus Cristo, sendo este o único cabeça) consente em fé, esperança, e caridade, usando os dons de Deus, sendo eles temporais ou espirituais, para edificação e manutenção da mesma. Esta Igreja que não é a que os olhos humanos vêem, mas unicamente conhecida por Deus, os quais dos filhos perdidos de Adão, têm ordenado alguns, como vasos de ira, para condenação e têm escolhidos outros, como vasos de misericórdia, para serem salvos, os quais no devido tempo, são chamados a uma integridade de vida e conversação piedosa, para fazer destes uma igreja gloriosa para Si mesmo. Mas esta Igreja a qual é vis“vel, e que pode ser vista pelos olhos, têm três distintivos, ou marcas, que podem ser discernidos. Primeiro a Palavra de Deus contida no Velho e Novo Testamento, a qual esta acima da autoridade desta Igreja e única suficiente para nos instruir em todas as coisas concernentes a salvação e assim deixada para todas os homens não importando seu n“vel lerem e entende-la. Pois sem esta palavra, nem igreja, nem concilio ou decreto pode estabelecer qualquer ponto concernente a salvação. A segunda é a respeito dos santos sacramentos, para testemunho, o Batismo e a Ceia do Senhor, os quais são Sacramentos que Cristo nos deixou como santos sinais e selos das promessas de Deus. Pois o Batismo uma vez recebido, simboliza que nós (tanto os infantes como homens de idade) que éramos estranhos a Deus pelo pecado original somos recebidos em Sua fam“lia e congregação com plena certeza, ainda que esta raiz do pecado por enquanto EU CREI O NO ESPIRITO SANTO NA SANTA IGREJA UNIVERSAL, NA COMUNHÃO DOS SANTOS
  6. 6. permaneça em nós, ela não será imputada aos eleitos de Deus. Pois em relação à Ceia, esta declara que Deus como o mais providente Pai, não apenas alimenta nossos corpos, mas também espiritualmente alimenta nossas almas com as graças e os benef“cios de Cristo Jesus (os quais a Escritura chama de comer a sua carne e beber do seu sangue), nem devemos nós na administração destes sacramentos seguir a fantasia humana mas como Cristo Ele mesmo têm ordenado eles devem ser ministrados e por aqueles os quais por vocação têm sido chamados. Portanto qualquer um que venera e adora estes sacramentos, ou contrariamente os despreza no tempo e no espaço, procura para sim danação. A terceira marca da Sua Igreja é a disciplina Eclesiástica a qual permanece para a admoestação e correção das faltas. O fim que pode chegar é a excomunhão, pelo consenso da determinada Igreja, no caso de o ofensor ser obstinado. E por trás desta censura eclesiástica, eu reconheço também o Magistrado Civil, o qual é ministro para qualquer justiça humana, defendendo os justos e punindo os “mpios, para o qual nós devemos obediência em todas as coisas que não são contrarias a Palavra de Deus. E assim como foi Moises, Ezequias, Josias, e outros pios regentes para purgar a igreja de Deus da superstição e idolatria, então é pertinente que os Magistrados Cristãos defendam a Igreja Cristã contra todos os heréticos e idolatras, como os Papistas, Anabatistas, os quais aos ministros do Anticristo, para semear doutrinas de homens e de demônios, como a Missa, o Purgatório, Limbus Patrum, oração para os Santos ou pelos mortos. Livre-arb“trio, distinção de alimentos, aparência e dias; voto de celibato, presença em culto idolatra, méritos humanos, e outras parecidas a estas as quais nos afastam na sociedade da Igreja Cristã, onde permanece em pé só pela remissão dos pecados, comprada pelo sangue de Cristo para todos aqueles que crêem, sejam eles judeus ou gentios, afastando-nos de colocarmos a nossas confiança em outras criaturas ou em nossas próprias imaginações. A punição freqüentemente varia ou tarda nesta vida, ainda que depois da ressurreição geral, NA REMISSÃO DOS PECADOS NA RESSUREIÇÃO DO CORPO
  7. 7. quando as nossas almas e corpos deverão ressurgir para a imortalidade, eles serão consumidos pelo fogo que nunca se apaga; então nós que esquecemos toda sabedoria humana por causa de Cristo iremos ouvir aquela voz jubilante, Venham benditos de meu Pai para o reino que vos foi preparado desde a fundação do mundo , e iremos triunfantes com Ele tanto em alma quanto corpo, para permanecer para sempre na gloria, onde nós veremos Deus face a face, e não haverá mais necessidade de outro instruir o seu semelhante porque todos O conheceram, do maior ao menor. À Aquele que com o Filho e o Esp“rito Santo, seja todo louvor, honra e gloria agora e sempre. Que assim seja. 2.Da maneira de eleição de Ministros, Presb“teros e Diáconos Dos Ministros e de sua Eleição. Das coisas que são principalmente requeridas nos Pastores e Ministros Primeiro deixe a Igreja diligentemente considerar que o Ministro o qual deva ser escolhido não deve ser encontrado culpado de nenhuma das faltas que São Paulo repreende num homem desta vocação, mas ao contrario que o mesmo tenha as virtudes, para que ele seja capaz de levar adiante este desafio e diligentemente executar o mesmo. Segundo, que ele passe corretamente a Palavra de Deus, ministre os sacramentos sinceramente, sempre cuidadoso não apenas para ensinar seu rebanho publicamente, mas também privativamente os admoestar; lembrando sempre que se alguma coisa perecer por sua negligência, o Senhor irá requerer isso de suas mãos. NA VIDA ETERNA
  8. 8. Do Oficio e Seus Deveres Porque o desafio da Palavra de Deus é de grande importância então não é qualquer homem que é habilitado por Deus a dispensa-la; e São Paulo exorta que devem ser estimados como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus; não tiranos sobre o rebanho como São Pedro disse. Portanto o dever chefe do ministro ou pastor é permanecer pregando a Palavra de Deus e ministrando os sacramentos. Então sobre consultas, julgamentos, eleições e outras incursões pol“ticas seu conselho ainda que não autoritativo deve ser tomado. E se a Congregação, em justo caso, concorda em excomungar, então deve ser apresentado o caso ao ministro, de acordo com a determinação geral, para pronunciar a sentença sem confusão. Da maneira de Eleger Pastores ou Ministros Os ministros e os presb“teros no devido tempo, quando se quiser um Ministro, devem convocar toda a Congregação, os exortando a meditar e considerar qual melhor servirá nesta fileira, neste of“cio. E se haver escolhas, a Igreja apontará dois ou três, para que em dia certo seja examinado pelos outros Ministros e Presb“teros. Primeiro, no tocante a sua doutrina, porque aquele que vai ser um ministro deve ter bom e sonoro conhecimento nas Sagradas Escrituras e provido, apto em dons de comunicar a mesma para a edificação do povo. Para testar o mesmo, eles devem propor um tema ou texto para ser tratado privativamente onde sua habilidade poderá se manifestar na presença deles. Segundo, eles devem inquirir sobre sua vida e conversação, se ele em tempos passados viveu sem
  9. 9. difamação e governou a si próprio neste nesta sorte, para que Palavra de Deus seja mantida em alto apreço ou não seja difamada através de alguma ocasião. Porque sendo assim atentamente feito eles serão apresentados para a Congregação, aqueles cujos os dons eles acharem mais excelentes e edificantes para o ministério. Apontando pelo consenso geral, no m“nimo oito dias antes, para que cada homem diligentemente inquira sobre seus modos e vida. A este tempo também o ministro exortará a eles para se humilharem a Deus jejuando e orando, para que tanto sua eleição seja de acordo com Sua vontade e também edificante para a Igreja. E se alguma razão sobre qualquer coisa for trazida contra ele, ou ele for achado não confiável por provas concretas e confiáveis então ele deve ser dispensando e algum outro deverá ser apresentado. Se nada foi alegado até o presente dia, um dos ministros, no sermão matutino deverá apresenta-lo outra vez, preparando seu sermão, ou parte dele para o colocar perante seus deveres. No final, o sermão findado, o ministro exortará a congregação para a Eleição com a Invocação do nome de Deus, dirigindo sua oração como o próprio Deus mover seu coração. Da mesma maneira, depois da eleição, o ministro dará graças a Deus, requerendo as coisas que devem ser necessárias ao seu oficio. Depois de ele ser nomeado ministro, o povo cantará um salmo e partirá. Dos Presb“teros no tocante ao Oficio e Eleição Os Presb“teros devem ser homens de boa vida e boa conversação sem culpa e sem qualquer suspeita; cuidadosos com o rebanho, sábios e acima de todas as coisas tementes a Deus. Em cujo oficio devem permanecer governando junto com o resto dos ministros, consultando, admoestando, corrigindo e ordenando todas as coisas pertinentes ao estado da congregação. Eles diferem dos ministros pois eles
  10. 10. não pregam a Palavra e nem ministram os Sacramentos. Em reunindo o povo, nem eles devem tentar nada sem os ministros, nem os ministros sem eles. E se algum nome justo desejar o presbiterato, o ministro, pelo consentimento dos demais, avisará o povo e finalmente observará a mesma ordem a qual foi usada na escolha dos Ministros. Dos Diáconos no tocante ao Oficio e Eleição Os diáconos devem ser homens de boa estima e informação, discretos, de boa consciência; caridosos, sábios e finalmente adornados com as virtudes que o Apóstolo Paulo requer neles. O seu oficio é guardar as ofertas diligentemente e fielmente as distribuir, com o consentimento dos Ministros e Presb“teros. Também prove-la para pessoas doentes e incapacitadas. Tendo sempre um cuidado diligente para que a caridade dos servos de Deus não seja desperdiçada com preguiçosos e desocupados vagabundos. A sua eleição é como dita antes no caso dos Ministros e Presb“teros. Nota de John Knox sobre o Quarto Oficial * Nós não somos ignorantes quando a Escritura menciona um quarto tipo de Ministro[oficial] deixado para a Igreja de Cristo o qual é muito salutar onde o tempo e lugar o permitem. Mas por falta de oportunidade nesta nossa dispersão e ex“lio, nós não podemos fazer o uso do mesmo. E queira Deus que ele não seja negligenciado onde a ocasião permita. Estes ministros são chamados Mestres ou Doutores, cujo oficio é instruir, ensinar os fiéis na salutar doutrina, provendo com toda diligência que a pureza do Evangelho não seja corrompida, nem por ignorância, nem por opiniões malignas. No entanto, considerando o presente estado das coisas, compreendemos por este titulo, como meios aos quais Deus tem em sua Igreja para não deixa-la desolada, nem ainda deixar a doutrina decair por falta dos ministros.
  11. 11. Portanto para nomear com uma palavra mais usual nestes nossos dias nós podemos chamar a Ordem dos Estudiosos , os quais em alta estima, e claramente anexado ao ministério e governo da Igreja, na Exposição da Palavra de Deus contida do Velho e Novo Testamento. Mas porque muitos não podem muito bem adquirir este conhecimento, exceto se eles forem educados nas l“nguas estrangeiras e ciências humanas, (porque Deus não utiliza comumente por milagres), é necessário que a semente seja plantada para o tempo que virá, com a pretensão que a Igreja não se deixe estéril e desolada para nossa posteridade, e também que Universidades sejam mantidas e Estudiosos sejam erigidos, com justos e suficientes estipêndios, onde a juventude seja treinada no conhecimento de Deus e no Seu temor, para que na sua idade madura eles provem ser membros corretos de nosso Senhor Jesus Cristo, seja no Governo Civil ou para servir no Ministério Espiritual ou viver em reverência e sujeição santa. 3.Da reunião semanal dos Ministros [Presb“teros e Diáconos]* Com a pretensão que o ministério da Palavra de Deus seja tido em reverência e que não seja trazida a contenda através de má conversação daqueles que são chamados para ele e que também as faltas e os v“cios não tenham oportunidade de sofrer um crescimento para extremos inconvenientes; é ordenado que cada quinta-feira, os ministros e os Presb“teros, na sua reunião ou Consistório diligentemente examinem todas as tais faltas e suspeitas quanto possam ser observadas, não apenas entre os outros, mas principalmente entre eles mesmos, para que eles não sejam culpáveis do que nosso Senhor Jesus Cristo reprovou nos fariseus, os quais podiam espiar um cisco no olho de
  12. 12. outro homem, mas não podiam ver uma trave na frente do seu próprio. E porque os olhos devem ser mais claros que o resto do corpo, o ministro não deve ser achado com nenhum v“cio, mas como grande difusor da Palavra de Deus cuja mensagem ele proclama. Portanto deve ser entendido que existem certas faltas as quais presente nos ministro, ele deve ser deposto; como a heresia, papismo, cisma, blasfêmia, perjúrio, fornicação, roubo, bebedice, usura, ser briguento, jogos de azar e coisas semelhantes a estas. Outros são mais toleráveis, se depois de uma admoestação fraternal ele considera sua falta como estranha e não prof“cua à pregação da Palavra; como: curiosidade em buscar por questões vãs, negligência tanto na preparação dos sermões como no estudo das Escrituras e outras coisas concernentes a sua vocação, fugindo, adulando, mentindo, caluniando, proferindo palavras torpes, decepcionando, sendo avarento, escarnecedor, dissoluto na aparência e em gesto ou outras ações de sua parte, e outros v“cios ainda que eles sejam odiosos em todos os homens, então naquele que deve ser exemplo para os outros de perfeição não é sábio encontrar estas coisas; especialmente se de acordo com a lei de Deus, sendo este fraternalmente admoestado não reconhecer sua transgressão e não se arrepender. 4.De como lidar com a interpretação das Escrituras, de responder as dúvidas, observado toda segunda-feira. Uma vez a cada semana, a Congregação será reunida para ouvir alguma parte da Escritura propriamente exposta. E a cada tempo, é salutar para todo homem falar ou inquirir, como Deus mover seu coração observando o texto ministrado na ocasião, sendo feito sem impertinência ou desdém, como alguns que ao invés de buscar a edificação buscam a contenda. E se alguma dificuldade surgir, que aqueles que foram apontados como moderadores não satisfaçam o partido, e este partido quiser se deter em sutilezas, exortar-se-á a ele para guardar em silêncio,
  13. 13. referindo que o julgamento disto para os ministros e presb“teros será determinado na reunião deles ou Consistório dantes mencionado. Quando a Congregação estiver reunida na hora apontada, o Ministro usando esta Confissão ou outra de mesmo efeito, exortará o povo diligentemente a examinarem- se a si mesmos, observando em seus corações o teor de suas palavras. 5. Sobre a confissão de nossos pecados usada antes do sermão, moldada para a ocasião e tempo presente. Baseado do Cap“tulo 9 de Daniel. Ah! Senhor! Deus grande e tremendo, que guardas a aliança e a misericórdia para com os que te amam e guardam os teus mandamentos; Pecamos, e cometemos iniqüidades, e procedemos impiamente, e fomos rebeldes, apartando-nos dos teus mandamentos e dos teus ju“zos; E não demos ouvidos aos teus servos, os profetas, que em teu nome falaram aos nossos reis, aos nossos pr“ncipes, e a nossos pais, como também a todo o povo da terra. A ti, ó Senhor, pertence a justiça, mas a nós a confusão de rosto, como hoje se vê em nosso miserável pa“s da Inglaterra, aos de perto e aos de longe, em todas as terras por onde os tens lançado, por causa das suas rebeliões que cometeram contra ti, por isso a maldição e o juramento, que estão escritos na lei, se derramaram sobre nós, confirmou a sua palavra, que falou contra nós, e contra os nossos ju“zes que nos julgavam, trazendo sobre nós um grande mal. E porque, tanto eles como nós procedemos em nossas iniqüidades e não cessamos em acrescentar pecado sobre pecado. Porque aqueles que uma vez foram bem instru“dos na doutrina do Evangelho, agora tornaram para trás da obediência da Tua verdade 1 e voltaram de novo a mais abominável idolatria, de onde os quais foram uma vez chamados pela pregação viva da Tua
  14. 14. Palavra. E nós, no entanto! Até esse dia, não temos anteriormente nos arrependido de nossa previa impiedade e nem temos nós corretamente considerado o teu divino desagrado. Assim é o Teu justo julgamento, Oh Senhor, que Tu punes pecado por pecado, e o homem pelas suas invenções, assim não pode haver nenhuma final para a iniqüidade, exceto quando Tu nos prevêem pela Tua graça imerecida. Portanto, converte-nos, Oh Senhor!, e seremos convertidos, porque nós não oferecemos nossas orações confiando em nossos próprios méritos mas em Tuas misericórdias. 1. Quão miserável é retornar ao seu próprio vômito. E Tu que uma vez pela graça especial nos libertaste do miserável julgo do erro e da cegueira e nos chamou muitas vezes para a doce liberdade do Evangelho, a qual, no entanto temos mui vergonhosamente abusado, obedecendo nossas cobiças e afeições ao invés das admoestações dos Teus profetas. Ouve então outra vez a oração, por amor ao Teu nome, para derramar sobre nós as tuas necessárias e consoladoras misericórdias; inclina, ó Deus meu, os teus ouvidos, e ouve; abre os teus olhos, através das grandes pragas de nosso pa“s, os cont“nuos clamores de nossos irmãos afligidos e nosso terr“vel banimento 2 . E permita que nossas aflições e justas punições sejam uma admoestação e aviso para outras nações entre as quais estamos inseridos, para que com toda reverência elas possam obedecer ao Teu santo Evangelho, para que no final não caiam pragas parecidas ou piores sobre elas. O Senhor, ouve; ó Senhor, perdoa; ó Senhor, atende-nos e age sem tardar; por amor de Teu filho Jesus Cristo seja misericordioso conosco e nos liberte. Que isso seja conhecido por todo o mundo, aqueles que tem o mesmo Deus o qual mostra misericórdia com todos os chamados pelo teu nome. 6. De outra confissão para todas as Ocasiões e Tempos.
  15. 15. O Eterno Deus, e mui misericordioso Pai, nós confessamos e reconhecemos aqui perante a Tua divina majestade, que nós somos miseráveis pecadores, concebidos e nascidos em pecado e iniqüidade, que em nós não existe nenhuma retidão. Porque em todo lugar se rebela a carne contra o Esp“rito, onde nós continuamente transgredimos os Teus santos preceitos e mandamentos, e assim compramos para nós mesmos, tendo em vista Teu justo julgamento, morte e condenação. No entanto, O Pai Celestial, continuando como nós estamos, desagradados com nós mesmos pelos pecados que temos cometido contra Ti e sinceramente arrependidos deles, nós nos humilhamos perante Ti, pelo nome de Jesus Cristo, para pedir que Tu mostres a Tua misericórdia sobre nós, perdoe todos os nossos pecados e nos fortaleça através do Teu Esp“rito Santo em nós. Para que nós possamos reconhecer do mais intimo dos nossos corações os deméritos, que possamos não apenas mortificar nossas pecaminosas cobiças e afeições, mas também trazer aqueles frutos que estão de acordo com o Teu abençoado querer; isso nos te pedimos não por alguma bondade provinda de nós, 2. Deixem que todo o povo tome direção pelo nosso exemplo. mas pelos méritos do Teu querido e amado Filho Jesus Cristo, nosso único Salvador, o qual já foi dado como oblação e oferta pelos nossos pecados e por cujo nome nós estamos convictamente persuadidos que Tu não nos negará o que pedirmos por este nome que esteja de acordo com a Tua vontade. Porque o Esp“rito assegura em nossas consciências que Tu és o nosso Pai misericordioso, e nos ama tanto como filhos através Dele que nada será capaz de remover a tua graça celestial e favor de nós. Então, portanto ao O Pai, Filho e Esp“rito Santo, seja toda honra e glória, por toda a eternidade. Que assim seja . Feito isto, o povo canta um salmo todos juntos, num tom afinado, tendo terminado o Ministro orará pela
  16. 16. assistência do Esp“rito Santo, como o seu coração for movido, e então se prossegue o sermão. Usando após o sermão a oração que se segue. 7. Da oração geral feita após o sermão l pela estado geral das Igrejas de Cristo. Todo Poderoso Deus e mais misericordioso Pai, nós humildemente submetemo-nos, prostrando-nos perante Tua majestade, buscando-te do fundo de nossos corações, que esta semente da Tua Palavra, agora plantada entre nós, possa fincar raiz tão profunda, que nem o fogo ardente da perseguição o possa extingui-lo, nem os espinhosos cuidados desta vida sufocá-lo, mas que a semente caia em bom solo, para que possa dar fruto um a cem, outro a sessenta e outro a trinta, como a celestial sabedoria apontar. E porque nós temos necessidade continuamente de suplicar muitas coisas das Tuas mãos, nós nos humilhamos perante Ti, O Pai Celestial, para nos proporcionar que através do Teu Esp“rito Santo dirijas nossas petições, para que elas procedam tanto de uma mente fervorosa assim como possam ser agradáveis ao Teu mais abençoado propósito. E observando que nossa fraqueza é capaz de fazer nada sem o Teu aux“lio e que não estamos ignorantes com quantas e tão grandes tentações, nós pobres infelizes estamos por todos os lados cercados e rodeados, permita que a Tua força, O Senhor, sustente a nossa fraqueza, e que nós sejamos defendidos pelo poder da Tua graça, que pode salvificamente livra-nos de todos os assaltos do Diabo que anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Aumenta-nos a fé, Ó Misericordioso Pai, para que não nos afastemos em nenhum instante de Tua divina Palavra, mas que aumente em nós a esperança e o amor, com o cuidadoso guardar dos Teus mandamentos e que nenhuma dureza de coração, nenhuma hipocrisia, nenhuma concupiscência dos olhos, nem cuidados do mundo possam nos tirar da Tua obediência. E vendo que vivemos agora nos mais perigosos tempos, deixe que Tua paternal providência
  17. 17. nos defenda contra a violência de todos os nossos inimigos, os quais em todo lugar nos perseguem; mas principalmente contra a perversidade violenta e furiosa que brada o Romanismo Idólatra, inimigo do Teu Cristo. Outrossim, continuando como pelo santo Apóstolo Paulo nós somos instru“dos a fazer orações e suplicas por todos os homens, não oramos apenas por nós mesmos aqui presentes, mas também por aqueles que estão fora, para reduzir a todos quantos estão ainda na ignorância, do miserável estado de cativeiro da cegueira e erro, para o puro entendimento e conhecimento da Tua verdade celestial, que nós todos, com uma só mente e pensamento possamos adorar a Ti somente nosso Deus e Salvador. E que todos os pastores, ministros a quem está confiada a dispensação da Tua santa Palavra para sustento de Teu povo eleito, que possam tanto em sua vida como doutrina serem achados fiéis, tendo só em vista unicamente a Tua glória; e que por meio deles todas as pobres ovelhas que estão vagando desencaminhadamente possam ser encontradas e trazidas para casa, para o Teu aprisco. Além disso, porque os corações dos ju“zes estão em Tuas mãos, nós pedimos que Tu direciones e governes os corações de todos os reis, pr“ncipes e magistrados os quais comissionaste com a espada; especialmente, Ó Senhor, de acordo com nosso dever, nós pedimos que Tua mantenhas e aumentes o honroso estado desta Cidade 3 , em cuja defesa nos acolheu, os magistrados, o Conc“lio, e todo o corpo de governantes. Permitas que o Teu favor paternal assim os preserve e pelo Teu Esp“rito Santo assim governe os seus corações e que eles possam desta forma exercer seu of“cio a fim de que a Tua religião possa ser puramente mantida, os costumes sejam reformados, os pecados punidos de acordo com a preciosa regra da Tua santa Palavra. E porque nós somos todos membros do corpo m“stico de Cristo Jesus, fazemos nossos pedidos a Ti, Ó Pai Celestial, por todos os que estão afligidos com toda sorte de cruz e tribulação, como guerras, pragas, fome, enfermidades, pobreza, prisões, perseguições, banimentos e qualquer outro tipo de vara, que possa ser tanto calamidade do corpo como vexação da mente, que Tu possas por favor dar-lhes
  18. 18. paciência e constância até que Tu lhes envies total libertação de todos os seus males. E porque nós fomos chamados para cuidar com amor e honra de nossos pais, fam“lia, amigos e Pa“s 4 , então, nós muito humildemente Te pedimos mostrar piedade sobre nossa miserável pátria da Inglaterra, a qual uma vez, pela Tua misericórdia, foi chamada à liberdade e agora pelos seus próprios pecados, foi trazida para a mais vil escravidão e cativeiro Babilônico. 3. Pela estado de prosperidade de Genebra 4. Pela Inglaterra Arranque fora pela raiz, Ó Senhor, todos os vorazes lobos os quais para encherem suas barrigas destroem o Teu rebanho. E mostre as Tuas grandes misericórdias sobre aqueles irmãos que estão perseguidos, atirados nas prisões e diariamente condenados a morte pelo testemunho da Tua Palavra. E embora eles estejam destitu“dos de toda ajuda humana, que o Teu doce consolo nunca se afaste deles, mas inflame-lhes o coração com o Teu Esp“rito Santo para que possam corajosamente e audaciosamente agüentar tal prova que a Tua divina sabedoria apontar. Que, portanto, no comprimento, seja da sua morte ou vida, o Reino de nosso Senhor Jesus Cristo possa crescer e brilhar por todo o mundo. Em cujo o nome nós fazemos estas humildes petições a Ti, como ele nos instruiu. Pai nosso que estas no céu, etc. Todo Poderoso e eterno Deus, o único que salva, nós pedimos a ti que nos conceda fielmente continuar com fé viva em Ti, aumenta-nos a cada dia, até que cheguemos a estatura de nossa perfeição em Cristo, perante o qual nós fazemos nossa confissão dizendo, Eu creio em Deus Pai, etc.
  19. 19. Então o povo canta um salmo, o qual finalizado, o Ministro pronuncia uma dessas bênçãos e a Congregação pode partir. O Senhor te abençoe e te salve; o Senhor faça resplandecer sobre ti o Seu rosto e tenha misericórdia de Ti, que o Senhor sobre ti o levante o Seu rosto e te dê a paz . Que a graça do nosso Senhor Jesus Cristo o amor de Deus e a comunhão do Esp“rito Santo, sejam como todos vós. Que assim seja . Não é necessário que o Ministro sempre repita todas estas coisas acima mencionadas, mas começando com alguma forma de Confissão, ele procede para o Sermão, o qual terminado, ele tanto pode usar a oração feita para todas as ocasiões e tempos, ou se ele orar, assim como o Esp“rito de Deus mover seu coração, observando a mesma ordem de acordo com o tempo e a matéria da qual ele exporá. E se houver neste tempo alguma praga, fome, pestilência, guerra ou coisa parecida, a qual fica evidente ser toques do ju“zo de Deus; é propicio reconhecer nossos pecados na ocasião, e é então apontado pelas Escrituras para entregar-nos ao quebrantamento, jejum e oração, com formas de desviar o divino desagrado de Deus. Portanto é conveniente ao Ministro a este tempo não apenas admoestar o povo a respeito destas coisas, mas usar também alguma forma de oração, de acordo com a presente necessidade o requerer, a qual ele pode apontar, pelo consentimento comum, alguns outros dias após o sermão, semanalmente para serem observados. 8. Da forma do Batismo e da Ceia do Senhor Da Forma do Batismo
  20. 20. Note-se primeiro, que assim como não é permitido na Palavra de Deus, que as Mulheres não devem pregar ou ministrar os Sacramentos; e é evidente que os Sacramentos não são ordenados por Deus a fim de serem usados em lugares privativos como se fossem encantamentos ou feitiçarias, mas à vista da Congregação e necessariamente anexada a Palavra de Deus como selos da Mesma. Portanto os infantes que serão batizados, devem ser trazidos à Igreja em dia marcado com pregação e orações comuns acompanhados com seus Pais e Avós. Então, após o Sermão, a criança sendo apresentada ao Ministro, ele demandará a seguinte questão: Vocês apresentam esta criança para ser batizada, profundamente desejosos que ela possa ser enxertada no corpo m“stico de Jesus Cristo? Resposta : Sim, nós pedimos isso. O Ministro Procede Então consideremos, queridos e amados, como o Deus Todo- Poderoso não apenas têm nos feito seus filhos por adoção e nos recebido na membresia de Sua Igreja, mas também que têm nos prometido que Ele seria o nosso Deus e o Deus de nosso filhos por milhares de gerações. Estas coisas, têm sido confirmadas pelo Seu povo no Antigo Testamento pelo sacramento da circuncisão, então Ele também tem renovado o mesmo conosco no Seu Novo Testamento pelo sacramento do Batismo; fazendo-nos portanto testemunhar que nossos infantes pertencem a Ele por aliança e assim não devem ser desprovidos destes santos sinais e distintivos pelos quais as Suas crianças são distinguidas das dos Infiéis e Pagãos. Nem é requisito que todos os infantes que recebem este Sacramento têm que usar de entendimento e fé; mas principalmente que eles estão contidos de baixo do nome do Povo de Deus; por isso a remissão dos pecados pelo sangue
  21. 21. de Cristo, os alcançam pela promessa de Deus. Tal coisa é muito evidente por São Paulo, o qual pronuncia que as crianças concebidas e nascidas, qualquer um dos pais sendo crente, seriam santos. Também o nosso Cristo Salvador admitiu as crianças em Sua presença abraçando-as e abençoando-as. Com testemunhos o Esp“rito Santo nos assegura que os infantes são do número do povo de Deus e que a remissão dos pecados também os alcança em Cristo. Portanto, sem injúria, eles não podem ser impedidos do sinal comum dos filhos de Deus. No entanto ainda este sinal externo não é de necessidade tal que a falta do mesmo será prejudicial à salvação deles, se eles forem tomados pela morte e assim não serem convenientemente apresentados a Igreja. Mas nós (tendo respeito pela obediência a qual os Cristãos devem ter pela voz e ordenança de Cristo Jesus, o qual nos comanda a pregar e batizar a todos sem exceção) julgamos indignos de qualquer companheirismo os que se recusam e desprezam estes meios ordinários que pela Sua sabedoria têm sido apontados para a instrução de nossas entorpecidas consciências. Prosseguindo, é evidente que o Batismo foi ordenado para ser ministrado com um elemento, a água, para nos instruir que, da mesma forma que esta limpa externamente a imund“cie do corpo, então interiormente, dotada pela virtude do sangue de Cristo, purga nossas almas daquela corrupção e veneno mortal a qual por natureza nós somos infectados. Cujos sedimentos venenosos, embora eles continuem em nossa carne, eles pelos méritos da morte de Cristo não são imputados sobre nós, pela causa que a justiça de Jesus Cristo é feita nossa pelo Batismo. Não que nós pensemos que alguma virtude ou poder esteja inclu“da na água ou na ação externa,(porque muitos têm sido batizados e ainda nunca são interiormente purgados 5 ), mas que nosso Salvador Jesus, o qual ordenou que o batismo fosse ministrado, iria pelo poder do Seu Esp“rito Santo, efetivamente trabalhar nos corações dos seus eleitos (na presente aliança) tudo o que o batismo representa e significa. E isso a Escritura chama de nossa regeneração, a qual permanece sobre dois pontos 6 , na mortificação, ou seja, em resistir as cobiças rebeldes da
  22. 22. nossa carne e em novidade de vida, os quais continuamente nos esforçamos em andar na pureza e perfeição o que foi prefigurado no Batismo. 5. Como Judas, Simão Mago, Himeneu, Fileto, Alexandre. 6. Os frutos do batismo permanecem em dois pontos, mortificação e regeneração. E embora nós na jornada desta vida somos incumbidos com muitos inimigos, o quais no caminho nos atacam, ainda assim lutamos e não sem dar frutos. Porque esta batalha cont“nua a qual lutamos contra o pecado, a morte e o inferno, infalivelmente podemos argumentar, que Deus o Pai, cuidadoso de Sua promessa feita para nós em Cristo, não apenas nos dotará de forças e coragem para resisti-los, mas também nos assegura o sobrepujar e a obtenção da vitória. Assim, ó queridos e amados, não é apenas por necessidade que vocês foram uma vez batizados, mas porque é muito edificador a sua apresentação para a ministração do mesmo; precisamos ter em mente a união e aliança feita entre Deus e nós, que ser“amos o seu povo e Ele seria o nosso Deus, Ele nosso Pai e nós suas crianças; pode ser uma boa ocasião para examinar a nossa vida no passado, provar a nós mesmos se permanecemos firmes na fé que é dos Eleitos de Deus, ou contrariamente estamos afastados Dele pela incredulidade ou viver “mpio; portanto se a consciência nos acusa, ainda que ouvindo as promessas amorosas de nosso Pai Celestial (o qual chama todos os homens à misericórdia pelo arrependimento) nós podemos do presente momento andar mais de maneira digna de nossa vocação. Logo, ainda mais; os pais e mães podem tirar disto o mais singular conforto, vendo as suas crianças sendo recebidas no seio da Congregação Cristã, onde eles serão diariamente admoestados trazendo assim a estas crianças de Deus favor e misericórdia, sobre as quais a Sua paterna
  23. 23. providência cuidará continuamente. Este fato, é motivo de grande gozo para vocês, (sabendo que nada pode acontecer a elas sem o bom propósito de Deus), isso deve fazê-los diligentes e cuidadosos em nortear e instru“-las no verdadeiro conhecimento e no temor de Deus. Se vocês forem negligentes, vocês não apenas injuriam a seus próprios filhos, ocultando deles a boa vontade e agrado do Deus Todo Poderoso Seu Pai, mas também colhem danação para vocês mesmos, fazendo sofrer suas crianças, compradas com o precioso sangue de Seu amado Filho, tão traiçoeiramente (por falta de entendimento) tornarem as costas para Ele 7 . Portanto é o seu dever, com toda diligência, prover que as suas crianças, no tempo devido, sejam instru“das em toda doutrina necessária para o verdadeiro Cristão, principalmente que a eles deve ser dito e ensinado a descansarem na justiça de Cristo Jesus apenas e a aborrecer e fugir de toda superstição, papalolatria e idolatria. 7.Que perigo cerca aqueles pais, que são negligentes em trazer suas crianças pelas diretrizes de Deus. Finalmente a este intento nós podemos estar certos que você o pai esta seguro do consentimento para perfazer este ato, declarando aqui perante Deus e na face de toda essa congregação, a mesma fé a qual você crê e irá instruir esta criança. Então o pai, ou em sua ausência o avô, deverá recitar os artigos de sua fé; o qual feito, o ministro exortará o povo a se prostrarem em oração ou de forma parecida. Todo Poderoso e Eterno Deus, de qual infinita misericórdia e bondade são prometidas sobre nós que não és apenas nosso Deus, mas também o Deus e Pai de nossos filhos, nós pedimos a Ti, que assim como Tu nos vocacionaste para nos
  24. 24. chamar a ser participantes da Tua grande misericórdia na sociedade da fé. Então nós te pedimos por favor para santificar com o Teu Esp“rito e receber este infante no número de tuas crianças, a qual estamos batizando de acordo com a Tua Palavra, com o fim de que ela chegando a idade da razão , possa confessar a Ti como único Deus verdadeiro que mandou Jesus Cristo e servi-lo, ser proveitosa na Tua Igreja durante todo o curso de sua vida; que depois da sua vida se findar ela possa ser trazida ao número dos membros vivos do Teu corpo na plenitude do Teu gozo nos céus, onde o Teu Filho nosso Cristo reina num mundo eterno pelo qual nome nós oramos como Ele nos ensinou: Pai nosso, etc. Quando eles tiverem orado desta forma, o ministro irá requerer o nome da criança, o qual conhecido, irá dizer: N., Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Esp“rito Santo. E quando ele proferir estas palavras, tomando a água na mão e pondo sobre a fronte da criança, feito isso dará graças como se segue: Assim, mais santo e misericordioso Pai, como Tu nos dotas não apenas com os teus abençoados e formosos benef“cios comuns que derramas sobre toda a humanidade, mas também dispensas sobre nós abundantemente as mais raras e maravilhosas dádivas; portanto devemos erguer nossos olhos e mentes à Ti e darmos-Te as mais humildes graças por Tua infinita bondade, à qual não apenas nomeou-nos entre os Teus Santos, mas Tua livre misericórdia chamou as nossas crianças para Ti, fazendo-as com o Teu sacramento como um singular s“mbolo e distintivo do Teu amor. Onde, mais amoroso Pai, nós não sendo merecedores de tão grande beneficio (sim, porque se Tu nos tomasse de acordo com nossos méritos, ir“amos à punição da eterna morte e danação), ainda sim nós pelo nome de Cristo te pedimos isso, que Tu confirmes este Teu favor mais e mais entre nós e tome
  25. 25. esse infante em tua instrução e defesa, o qual nós oferecemos e apresentamos a Ti com súplica comum e jamais o permita que ele caia em tamanha descortesia, que ele venha a perder o vigor deste batismo, mas que ele possa perceber continuamente que Tu é o seu Pai misericordioso, que através do Teu Esp“rito Santo trabalhando no seu coração, por cujo divino poder ele possa prevalecer contra Satanás e que ao final obtendo a vitória ele possa ser exaltado na liberdade no Teu reino. Da Forma da Ceia Do Senhor No dia em que a Ceia do Senhor será ministrada, o qual comumente é uma vez a cada mês, ou tantas oportunidades o quanto a Congregação pense propicia, o ministro discorrerá como se segue: Vamos ressaltar, queridos irmãos, e considerar como Jesus Cristo ordenou para nós Sua Santa Ceia, de acordo como S.Paulo fez menção no cap“tulo 11 de Primeira Ep“stola aos Cor“ntios : Porque eu , diz ele, recebi do Senhor o que também vos ensinei, (para testemunho), que o Senhor Jesus, na noite em que foi tra“do, tomou o pão; E, tendo dado graças, o partiu e disse: Tomai, comei; isto é o meu corpo que é partido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente também, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo testamento no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de mim. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha. Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque o que come e bebe
  26. 26. indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Feito isso o ministro procede à exortação. Car“ssimos amados no Senhor, tendo nós agora nos reunido para celebrar a santa Comunhão do corpo e do sangue do nosso Salvador Cristo, consideremos estas palavras de S. Paulo, como ele exorta todas as pessoas a diligentemente a focar e examinar a elas mesmas antes de eles presumirem comer daquele pão e beber daquele cálice. Pois assim como o beneficio é grande se com um coração verdadeiramente penitente e uma fé viva nós recebermos este santo sacramento,(porque nós estamos espiritualmente comendo a carne de Cristo e bebendo do seu sangue, então nós estamos em Cristo e Cristo em nós, nós sendo um com Cristo e Cristo conosco), desta forma é de grande perigo se nós recebermos este sacramento indignamente, porque seremos réus do corpo e do sangue de Cristo nosso Salvador, nós comemos e bebemos para nossa própria condenação não considerando o corpo do Senhor; tendo assim a ira de Deus contra nós e provando-O a nos punir com diversos tipos de enfermidades e súbitas espécies de morte. Portanto se qualquer um de vocês for um blasfemo de Deus, um opositor ou empecilho à Sua Palavra, um adúltero, ou estiver em malicia ou inveja, ou em quaisquer outros graves crimes, mergulhado em seus pecados, não venha a esta santa Mesa, a menos que após tomar este santo sacramento, o Diabo entrará em você assim como entrou em Judas e enchendo-o com a plenitude de todas as iniqüidades, trazendo-o destruição tanto do corpo como da alma. Julguem, pois por vocês mesmos, irmãos, para que não sejamos julgados pelo Senhor, se arrependam verdadeiramente de seus pecados passados e tenham uma viva e firme fé em Cristo nosso Salvador, procurando apenas salvação nos méritos de sua morte e paixão, rechaçando e esquecendo assim toda mal“cia e debate, com o pleno propósito de vier fraternalmente em benevolência e pio falar todos os dias das suas vidas.
  27. 27. E ainda que nós sintamos em nós mesmos muita debilidade e miséria, e que nós não temos nossa fé tão proveitosa e constante como dever“amos, sendo muitas vezes prontos a desacreditar da bondade de Deus devido a nossa natureza corrupta, também que nós não estamos tão dados ao servir a Deus nem temos tão fervente zelo pela honra de Sua glória como nosso dever o requer, sentindo ainda tal rebelião em nós mesmos que necessitamos diariamente lutar contra as cobiças da nossa carne; ainda, contudo, observando que o nosso Senhor tem tratado-nos misericordiosamente que Ele têm imprimido Seu Evangelho em nossos corações, sendo assim preservados de cair em desespero e incredulidade; e vendo também o quanto tem nos favorecido com Sua vontade e o desejo de renunciar e resistir as nossas próprias afeições, com o anseio ardente pela Sua justiça e o guardar Seus mandamentos, nós podemos estar bem assegurados que estas faltas e multiformes imperfeições em nós não serão impedimento contra nós que cause Nele não nos aceitar, e nos imputar como dignos a vir a Sua Mesa espiritual. O fim de viermos desta forma não é para causar protesto que nós somos elevados e justos em nossas vidas, mas contrariamente, que possamos vir para buscar vida e perfeição em Jesus Cristo, reconhecendo no tempo devido, que nós, de nós mesmos somos filhos da ira e danação. Vamos então considerar pois que este Sacramento é singular remédio para todas as pobres e doentes criaturas, um ajuda reconfortante a nossas fracas almas e que o nosso Senhor requer nenhum outro mérito de nossa parte, mas que nós infalivelmente reconheçamos nossa imperfeição e o fato de não sermos nada. Então afim de que possamos ser dignos participantes de Seus méritos e mais confortáveis benef“cios (os quais são o verdadeiro comer da Sua carne e beber do Seu sangue) não deixemo-nos sofrer em nossas mentes, vagando a respeito da consideração destas coisas terrenas e corrupt“veis( que vemos presentemente com nossos olhos e sentimos com nossas mãos) procurando Cristo corporalmente presente nelas, como se Ele estivesse inclu“do no pão e no vinho, ou ainda se estes elementos mudaram ou se tornaram na substância de Sua carne e sangue 8 . Porque a único
  28. 28. caminho para dispuser nossas almas para receber refrigério e avivamento de sua substância é elevar nossas mentes pela Fé sobre todas as coisas terrenas e sens“veis, e assim entrando no céu que nós poderemos encontrar e receber a Cristo 9 , onde Ele qual é indubitavelmente verdadeiro Deus e verdadeiro Homem, na incompreens“vel glória de Seu Pai, a quem seja todo louvor, honra e glória agora e sempre. Amém A Exortação terminada, o Ministro descendo do púlpito, e sentando na mesa, cada homem e mulher da mesma forma tomarão seus lugares como a ocasião melhor servir, então ele tomando o pão e dando graças, como as seguintes palavras ou de semelhante forma: Ò Pai de Misericórdia e Deus de toda a consolação, vede que todas as criaturas reconhecem e confessam a Ti como Governador e Senhor, isto é adequado a nós, manufatura de Tuas próprias mãos, a todo tempo reverenciar e magnificar Tua Majestade Divina, primeiro, por ter criado-nos a Tua própria imagem e semelhança; mas principalmente por Tu terno-nos libertado da morte e danação eternas, da escravidão, em quais Satanás empurrou a humanidade por meio do pecado, onde nem anjo nem homem seria capacitado a nós resgatar, mas Tu, Ò Senhor, rico em misericórdia e infinito em bondade, têm provido a redenção permanecer em Teu único e amado Filho, O qual foi dado verdadeiramente para ser feito homem, como nós(exceto em pecado), para que em Seu corpo Ele pudesse receber as punições de nossas transgressões, pela Sua morte trazer satisfação a Tua justiça e pela Sua ressurreição destruir aquele que é o autor do morte; e assim trazer vida outra vez ao mundo, para o qual toda a posteridade de Adão foi mui justamente exilada. ___________________________________________________________ 8. Transubstanciação, transmutação e transformação, como os Papistas a usam são doutrinas de demônios. 9. O verdadeiro comer a Cristo no sacramento. Ò Senhor, nós reconhecemos que nenhuma criatura é habilitada a compreender o comprimento e largura, a profundidade e altura do Teu amor excelente, o qual movido a mostrar misericórdia onde nada era merecido; prometer e dar
  29. 29. vida onde a morte tinha conseguido vitória; receber-nos na Tua graça quando não poder“amos fazer nada a não ser rebelar-nos contra a Tua justiça. Ò Senhor, os lerdos e cegos olhares de nossa natureza corrupta não irão suficientemente ver a trilha dos Teus mais amplos benef“cios; ainda , no entanto, ao mandamento de Jesus Cristo nosso Senhor, nós apresentamo-nos a esta que é a Sua mesa (a qual Ele deixou para ser usada em memória de Sua morte até Ele volte) para declarar e testemunhar perante o mundo que por Ele apenas temos recebido libertação e vida; que por Ele apenas Tu nos faz compreender que somos filhos e herdeiros Teus; que por Ele apenas nós temos acesso ao Teu trono da graça e que só por meio Dele temos em nosso reino espiritual o comer e o beber em Sua mesa; com quem nossa conversação presentemente no céu; e por meio do qual nossos corpos se levantaram do pó e serão colocados com Ele naquele gozo sem fim, o qual, o Pai de misericórdia, tem preparado para os Seus eleitos antes que viesse a fundação do mundo. E estes mui inestimáveis benef“cios, nós reconhecemos e confessamos ter recebido pela Tua livre graça e misericórdia, pelo Teu único e amado Filho Jesus Cristo, pelo qual portanto, nós a Tua congregação, é movida pelo Teu Esp“rito Santo a render todas as graças, louvores e glorias para sempre e sempre. Isto feito, o ministro partindo o pão o entregará ao povo, o qual distribuirá e dividirá o mesmo entre eles mesmos de acordo com que o nosso Salvador Cristo ordenou e da mesma forma dará o cálice. Durante o qual tempo alguma parte das Escrituras é lida, aquelas que falam vivamente da morte de Cristo, para o intento que nosso olhos e sentidos possam não estar ocupados com este s“mbolos externos, o pão e o vinho, os quais são invocados pela palavra vis“vel; mas que nossos corações e mentes também possam estar completamente fixados na contemplação da morte do Senhor, a qual este santo Sacramento representa. E depois ato estar completo, o ministro agradecerá dizendo:
  30. 30. Mais Misericordioso Pai, nós rendemos à Ti todo o louvor, graças e gloria porque Tu tem nos vocacionado e derramado sobre nós miseráveis pecadores tão excelente dádiva e tesouro, assim como recebeste-nos na fraternidade e companhia de Teu querido Filho Jesus Cristo nosso Senhor; pelo qual Tu enviastes para morrer por nós, e o deste à nós como comida necessária para a vida eterna. E agora nós Te pedimos, Ò Pai celestial, concede-nos o que foi requerido, que Tu nunca permita-nos experimentar nos tornarmos tão indiferentes ao ponto de esquecer tão dignos benef“cios, mas ao contrario imprima e ate eles seguramente em nossos corações, para que cresçamos e aumentemos diariamente mais e mais na verdadeira fé, a qual continuamente é exercitada em todas as formas de boas obras e também muito, Ò Senhor, nos confirme neste dias perigosos e violentos de Satanás, que possamos estar constantemente firmados confessando o mesmo para o avanço da Tua glória, pela qual o Deus sobre todas as coisas seja bendito para sempre. Que assim seja. Terminado este ação, o povo cantará o Salmo 103, Bendize ó minha alma , ou outra ação de graças, a qual terminada, uma das bênçãos já dantes mencionadas será recitada, então levantando-se da mesa, será despedida a Congregação. 9. Da forma do Matrimônio, da visitação aos enfermos e a forma do sepultamento. Da Forma do Matrimônio Depois de os cartazes ou o contrato terem sido publicados por vários dias na Congregação, (com o intento que se alguma pessoa tem interesse ou t“tulo para qualquer dos partidos, eles possam tem suficiente tempo para fazer sua
  31. 31. queixa), os partidos deverão ser reunidos no começo do sermão e o ministro no tempo conveniente dirá o que se segue: A Exortação Queridos e amados irmãos, nós estamos reunidos aqui juntos na presença de Deus e da Congregação, para fundir e unir estes partidos no honorável instituto do Matrimônio, o qual foi institu“do e autorizado por Deus, Ele mesmo no Para“so, quando o homem estava ainda em estado de inocência. Porque ao tempo em que Deus fez o céu e a terra e tudo o que neles há , quando criou o homem a Sua própria imagem e semelhança, sobre o qual deu autoridade para reger sobre todas as bestas da terra, os peixes do mar, as aves do céu; Ele disse, Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele. E Deus trouxe sobre um sono profundo sobre ele e tomou uma de suas costelas e formou à Eva; fazendo-nos então compreender que homem e esposa são um só corpo, uma só carne e um só sangue. Significando também a nós a união m“stica entre Cristo e Sua Igreja; pela qual causa o homem deixará a seu pai e sua mãe e tomará a sua esposa, para tomar e manter a companhia dela; a qual ele também deve amar, até como nosso Salvador amou a Sua Igreja, ou seja, Sua fiel e eleita congregação, pela qual Ele deu Sua vida. E semelhantemente também, é o dever das esposas agradar e obedecer seus maridos servindo-os em todas as coisas que forem santas e honestas; porque ela está em submissão e sobre o governo de seu marido até que ambos forem vivos. E este santo casamento, sendo uma coisa muito honrada, que o próprio marido não têm direito o poder sobre seu próprio corpo, mas a esposa e da mesma forma a esposa não têm o poder sobre o próprio corpo dela, mas o marido; portanto como Deus os têm de tal forma fundido nesta sociedade mutua para a procriação de Seus filhos, para que possam traze-los ao temor do Senhor e assim aumentar o Reino de Cristo.
  32. 32. Portanto, quando vocês que foram unidos por Deus, não podem ser divididos ou privados um do outro, a menos que seja por algum tempo, com o consentimento mutuo, com o fim de vos aplicardes mais fervorosamente ao jejum e à oração; dando diligente fim, no devido tempo, para que não estando muito tempo apartados sejam pegos na armadilha perigosa de Satanás pela incontinência. E para evitar a fornicação, cada homem é devido ter sua própria esposa e cada mulher seu próprio marido, então todos que não podem viver uma vida casta, são comandados pelo mandamento de Deus a casar, para que o templo santo de Deus, o qual são seus corpos, possam ser mantidos puros e sem mácula. Porque agora que nossos corpos tornaram-se os mesmos de Jesus Cristo, quão horr“vel e detestável coisa é faze-los membros de uma meretriz! Todos devem manter seus vasos em toda pureza e santidade; porque que polui e macula o templo de Deus, Deus o irá destruir. Aqui o ministro fala para os partidos que irmão casar, deste modo: Eu requeiro e cobro de vocês como vocês irão responder no dia do julgamento, quando os segredos de todos os corações serão revelados, se algum de vocês sabe de qualquer impedimento pelo qual não possam licitamente serem unidos em Matrimonio, que confessem agora, para que possamos estar seguros, pois tantos tem se casado de outra forma que não a Palavra de Deus permite, não são unidos por Deus, nem seu matrimônio é l“cito. Se nenhum impedimento for conhecido, então o ministro dirá: Eu tomo vocês que estão aqui presentes para testemunhar, pedindo de vocês todos que têm boa memória, que se alguém sabe que este partidos estão vinculados a alguém ou de algum outro impedimento leg“timo, que vocês façam declaração agora.
  33. 33. Se nenhum caso for alegado, o ministro procederá dizendo: Prosseguindo como nenhum homem se pronunciou contra, você, N., promete perante Deus e esta santa congregação, que você afirmando e tomando N, aqui presente, por sua legitima esposa e casa prometendo guarda-la, amá-la e respeita-la em todas as coisas de acordo o dever de um fiel marido, abandonando todas as outras mulheres durante a vida dela; e resumidamente , viver em santa conversação com ela, mantendo a fé em todos os pontos de acordo com a Palavra de Deus e o Seu Santo Evangelho assim o comanda? A Resposta: Mesmo assim, eu a tomo perante Deus e na presença de esta Sua Congregação. O ministro também dirá a esposa: Você, N., promete perante Deus e esta santa congregação, que você afirmando e tomando N, aqui presente, por seu legitimo marido, prometendo-lhe submissão e obediência, abandonando todos os outros homens durante a vida dele, e finalmente viver em santa conversação com ele, mantendo a fé em todos os pontos de acordo com o que a Palavra de Deus prescreve? A Resposta Mesmo assim, eu o tomo ela perante Deus e na presença de esta Sua Congregação. Então o ministro dirá: Dando diligente cuidado para as palavras do Evangelho, para que nós possamos entender como nosso Senhor quer que este santo contrato seja mantido e observado; e como seguramente e firmemente dever ser este ajuntamento, o qual de nenhum modo possa ser perdido, de acordo com o que
  34. 34. somos instru“dos no cap“tulo 19 do Evangelho de S. Mateus[vs. 3-6]: Então chegaram ao pé dele os fariseus, tentando-o, e dizendo-lhe: É l“cito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo? Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princ“pio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem. Se nós cremos seguramente nestas palavras as quais nosso Senhor e Salvador falou( de acordo como temos ouvido agora nós próprios de Seu santo Evangelho), então vocês podem estar certos que Deus irá sempre unir-los neste santo estado do matrimônio. Portanto apliquem-se a viverem juntos pura e santamente, em amor divino, em paz cristã e bom exemplo; sempre mantendo firmes a cinta da caridade sem nenhuma infração, mantendo a fé e a verdade um para com o outro, assim como a Palavra de Deus aponta. Então os recomendará a Deus desta ou de semelhante forma: Que o Senhor vós abençoe e santifique; que as riquezas das Suas graças estejam sobre vocês, que vocês possam agrada- lo e viverem juntos em santo amor até que a vida finde. Que assim seja Então é cantado o Salmo 128, Bem aventurado aquele que teme ao Senhor , ou algum outro pertinente ao mesmo propósito. Da visitação aos enfermos. Porque a visitação aos enfermos é uma coisa muito necessária, e ainda no entanto, é dif“cil prescrever todas as regras concernentes a ela, nós
  35. 35. referimos isto para a discrição do prudente ministro de Deus; o qual de acordo com o que vê no paciente afetado, tanto possa ergue-lo com as doces promessas de Deus através de Jesus Cristo se o ministro o perceber amedrontado com os julgamentos de Deus; ou contrariamente, se ele não estiver tocado com a sensação de seus pecados, possa então golpeá-lo com a justiça de Deus. Sempre tendo uma posição hábil, dispensando o remédio de acordo com o que a enfermidade requerer e se ele perceber que o enfermo quer alguma coisa necessária, ele não apenas suavizará de acordo com sua capacidade, mas também proverá por outros que ela seja satisfeita suficientemente. Além disso, o partido visitado, pode, a todo tempo, para o seu conforto, ser mandado ao ministro; o qual não apenas fará orações por ele ali presente, mas também, se isto o requer recomendará ele nas orações públicas para a Congregação. Do Sepultamento Os corpos devem reverentemente ser trazidos ao sepulcro, acompanhado coma Congregação, sem nenhuma outra cerimônia; o qual sepultado, o ministro irá para a igreja, se não for muito distante e fará alguma exortação consoladora para o povo, no tocante a morte e a ressurreição.
  36. 36. 10. Da ordem da Disciplina Eclesiástica. Como nenhuma cidade, vila, casa, ou a fam“lia pode manter o seu estado e prosperar sem direcionamento e governo, então para a igreja de Deus, que exige cada vez mais ser puramente regida do que qualquer outra cidade ou fam“lia, o que não pode ocorrer nem continuar, nem aumentar , e nem prosperar sem um direcionamento espiritual e uma disciplina eclesiástica E como a palavra de Deus é a vida e a alma desta igreja, assim para este fim piedoso é a disciplina como se fosse nervos no corpo, que une e junta os membros com fim digno e gracioso. Trata-se de um freio para os “mpios de sua estadia em meio aos erros. É um incentivo para avançar para aqueles que são lentos e negligentes e sim para todos os homens é o cajado do Pai está sempre pronto e dispon“vel para castigar suavemente a faltas cometidas, como o fim de lhes causar depois um viver mais piedoso, assim como temor e reverência. Por último, é uma ordem deixada por Deus para sua igreja, em que os homens aprendem a regular suas vontades, e afazeres, de acordo com a lei de Deus, instruindo e admoestando um ao outro, sim, e para corrigir e punir todos os obstinados rebeldes, e contendedores do mesmo. Existem três causas principais que movem a Igreja de Deus para a execução da disciplina. Em primeiro lugar, que os homens de conversação má não possam ser enumerados entre os filhos de
  37. 37. Deus para que seu Pai os repreenda, como se a igreja de Deus fosse um santuário para pessoas desobedientes e vis . O segundo aspecto é que os sadios não sejam infectados com o mal; coisa que Paulo já previa quando ele ordenou aos Corintios a banir, dentre eles o adúltero incestuoso, dizendo: Um pouco de fermento faz levedar todo a massa. O terceiro motivo é que um homem, assim, corrigido, ou excomungado, poderá ter vergonha de sua culpa, e, portanto, através de arrependimento chegar a emendar-se, a coisa que o apóstolo chama de entregar a Satanás , para que a sua alma possa ser guardada no dia do Senhor, o que significa que ele pode ser punido com a excomunhão, com a intenção de que sua alma não deva perecer para sempre. Em primeiro lugar, portanto, é de notar, que esta censura, correção ou disciplina, seja privada ou pública: privada, como se um homem cometesse quer de boas maneiras ou doutrina algo contra ti, vai e o adverte fraternalmente entre ti e ele. Se por ventura ele teimosamente resiste sua admoestação caridosa, ou então pela continuidade na sua culpa declara que ele não se arrepende, em seguida, depois que ele foi advertido pela segunda vez, na presença de duas ou três testemunhas, e continua obstinadamente no seu erro, ele deveria, como nosso Salvador Cristo ordena, ser exposto e dito à Igreja, de modo que de acordo com a disciplina pública, para que não tenha escolha além de ser recebido através de arrependimento, ou então ser punido como a culpa dele assim o requer.
  38. 38. E aqui, no tocante a disciplina privada, três coisas são para ser notadas: em primeiro lugar, que o nossas admoestações procedam de um devoto zelo e uma boa consciência, mais tentando ganhar nosso irmão do que punindo-o; que também lhe seja assegurado que a sua culpa é reprovada pela Palavra de Deus e, finalmente, que usemos de humildade e sabedoria, que, se tivermos alguma dúvida sobre o assunto que o estamos admoestando, ainda assim com exortações piedosas que ele pode ser levado ao conhecimento de sua culpa, ou se a culpa pertence a muitos, ou é conhecido de diversas pessoas, que a nossa exortação possa ser feita na presença deles. Resumidamente, se ela diz respeito a toda a Igreja, de tal sorte que os mesmos possam levar outros ao mesmo perigo, então que seja levada aos ministros e anciãos, a quem o direcionamento da Igreja dizem respeito. Também na disciplina pública, é de observar que este ministério não deve omitir nada, a qualquer momento com um ou outro tipo de punição. Se eles percebem alguma coisa na congregação, quer no mal exemplo, caluniador [escândalo] de boas maneiras, conveniente ou não a sua profissão, havendo qualquer pessoa cobiçosa , qualquer adúltero, ou fornicador, perjuro, ladrão, subornador, portador de falso testemunho, blasfemo, bêbado, caluniador, agiota, qualquer pessoa desobediente, sediciosa, ou dissoluta; qualquer heresia ou seita, tais como o papismo ou anabatismo: resumidamente, qualquer coisa que possa assaltar a nossa congregação cristã, sim,
  39. 39. qualquer coisa que não seja para edificação não deva escapar da admoestação ou punição. E porque isso acontece às vezes na igreja de Cristo, que, quando outros remédios analisados não resultam em nada, eles devem proceder à vara de correção apostólica, ou seja, a excomunhão (que é o maior e o último castigo que pertence ao ministério espiritual); e é ordenado que não seja tentada sem a determinação de toda a Igreja: onde também se deve ter cuidado e prestar bem atenção, que não se pareça mais disposto a expulsar da congregação do que receber novamente aqueles em que se perceba frutos dignos de arrependimento ; nem ainda se deve retirar o ouvir dos sermões, que embora esteja exclu“do dos sacramentos, e outros direitos da Igreja, que ele possa ter liberdade e oportunidade para arrepender-se. Por último, que todas as punições, correções, censuras e admoestações, não podem ir além do que a Palavra de Deus dispõem, nem, o que com misericórdia se possa legitimamente suportar.
  40. 40. The Works of John Knox, edited by David Laing (Edinburgh:James Thin, 1895), vol. 4, pp. 141- 214. The Form of Prayers and Ministration of the Sacraments, etc., Used in the English Congregation at Geneva, in Knox's Works, Vol. iv, pp. 143-48

×