SlideShare uma empresa Scribd logo
INDUSTRIALIZAÇÃO DO
BRASIL
Autor: Prof. Mario Fernando De Mori
http://mariodemori.blogspot.com/
BRASIL,
• PAÍS SUBDESENVOLVIDO
• PAÍS INDUSTRIALIZADO,
• PAÍS DE INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA,
• PAÍS RICO, MAS DEPENDENTE,
• PAÍS DESIGUAL,
• PAÍS DE EXTREMOS NATURAIS E
SOCIAIS...
BRASIL... PAÍS QUE UM DIA SERÁ
DESENVOLVIDO ?
• SERÁ QUE ISSO É POSSÍVEL ?
• SERÁ QUE O BRASIL SE TORNARÁ UM
PAÍS DESENVOLVIDO?
• SERÁ QUE DEIXAREMOS NOSSO
SUBDESENVOLVIMENTO PARA
OUTROS LADOS ?
• O QUE NOS TORNA
SUBDESENVOLVIDOS ?
EQUÍVOCOS
Paises Desenvolvidos nunca foramPaises Desenvolvidos nunca foram
subdesenvolvidos no passado.subdesenvolvidos no passado.
• Não existia uma dependência econômica.
Não há uma oposição simétrica entre a realidade doNão há uma oposição simétrica entre a realidade do
norte e a do sulnorte e a do sul
• Não existe uma trajetória construída.
• Existe uma coexistência estável entre as duas formas
Subdesenvolvimento não significa apenas atrasoSubdesenvolvimento não significa apenas atraso
econômico e socialeconômico e social
• País Subdesenvolvido não é obrigatoriamente pobre , nãoPaís Subdesenvolvido não é obrigatoriamente pobre , não
industrializado.industrializado.
• Existe obrigatoriamente uma classe favorecida e desigualdade socialExiste obrigatoriamente uma classe favorecida e desigualdade social
“sustentada” , que favorece aos ganhadores.“sustentada” , que favorece aos ganhadores.
SER PAÍS DESENVOLVIDO É....
• Dominação econômica;
• Apresentam estrutura industrial completa, produzem todos os tipos de bens;
• Agropecuária moderna e intensiva, emprego de máquinas e mão-de-obra
especializada.
• Desenvolvimento científico e tecnológico elevado;
• Modernos e eficientes meios de transporte e comunicação;
• População urbana é maior que a população rural, são urbanizados. Exemplo:
Inglaterra, EUA, Alemanha, etc.
• População Ativa empregada, em principalmente, nos setores secundário e terciário.
Exemplo: Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha;
• Pequeno número de analfabetos;
• Elevado nível de vida da população;
• Boas condições de alimentação, habitação e saneamento básico;
• Reduzido crescimento populacional;
• Baixa taxa de natalidade e mortalidade infantil;
• Elevada expectativa de vida.
Diferenças no Nível de
Desenvolvimento
“O mundo tão desigual
Tudo é tão desigual
O, o, o, o...
De um lado esse carnaval
De outro a fome total
O, o, o, o... ”
Gilberto Gil.
CLASSIFICAÇÃO DA ESTRUTURA
MUNDIAL DAS NAÇÕES
Modelo 1
Norte – Rico
-------------------
Sul – Pobre
Modelo 2
-1º Mundo: desenvolvidos
capitalistas
-2º Mundo: países socialistas
-3º Mundo: países
subdesenvolvidos
-4º Mundo: a miséria extrema do
subdesenvolvimento
Modelo 3
-Países desenvolvidos
-Países subdesenvolvidos
emergentes (Brasil, China, Índia,
México, Tigres, R.S.A., Argentina,
Chile)
-Países subdesenvolvidos
periféricos, totalmente excluídos do
processo de globalização.
Modelo 4
Classificação histórica dos
subdesenvolvidos
POPULAÇÃO
MM
AUTOMÓVEIS/
HAB
TELEFONES/
HAB
TELEVISORES /
HAB
RADIOS /
HAB
ESTADOS UNIDOS 260 0,75 0,56 0,88 2,12
JAPÃO 125 0,50 0,54 0,62 0,80
GRÃ BRETANHA 58 0,43 0,55 0,52 1,00
FRANÇA 58 0,55 0,60 0,52 0,86
ITÁLIA 57 0,47 0,54 0,30 0,28
IRÃ 65 0,040 0,038 0,038 0,185
CHINA 1180 0,004 0,011 0,102 0,097
INDIA 940 0,004 0,005 0,021 0,062
MEXICO 90 0,111 0,133 0,144 0,200
POLONIA 38,8 0,168 0,134 0,258 0,284
NIGÉRIA 98 0,014 0,008 0,033 0,092
TANZANIA 28 0,007 0,007 0,004 0,143
COMPARATIVOS
AGRICULTURA MODERNA E
ULTRAPASSADA
CONTRASTES DE IMAGENS
SER SUBDESENVOLVIDO É....
• Passaram por um grande processo de exploração durante o período colonial.
Colônia de Exploração;
• Baixo nível de industrialização, com exceção de alguns países como: Brasil, México,
os Dragões de Exploração;
• Dependência econômica, política e cultural em relação às nações desenvolvidas;
• Deficiência tecnológica e baixo nível de conhecimento científico;
• Rede de transporte e meios de comunicação deficientes;
• Baixa produtividade na agricultura que geralmente emprega numerosa mão-de-obra;
• População Ativa empregada principalmente nos setores primários ou no setor
terciário em atividades marginais (camelôs, trabalhadores sem carteira assinada
etc). Exemplo: Brasil, Etiópia, Uruguai;
• Cidades com crescimento muito rápido e cercada por bairros pobres e miseráveis;
• Baixo nível de vida da maioria da população;
• Crescimento populacional elevado;
• Elevada taxa de natalidade e mortalidade infantil;
• Expectativa de vida baixa.
O SUBDESENVOLVIMENTO
A MENTALIDADE DO ATRASO
“Todo mundo rouba”
“Político é tudo igual”
“Rouba mas faz”
“Pobre, preto e nordestino é tudo igual”
“A voz dos pobres como eco dos ricos”
“Os Norte-Americanos são sempre melhores”
1º Noruega 26º Hong Kong, China
2º Islândia 28º Cingapura
3º Suécia 30º Coréiado Sul
4º Austrália 34º Argentina
5º Holanda 40º Uruguai
6º Bélgica 43º Chile
7º EstadosUnidos 52º Cuba
8º Canadá 55º México
9º Japão 63º Rússia
10º Suiça 64º Colômbia
11º Dinamarca 65º Brasil
12º Irlanda 84º Paraguai
13º Reino Unido 95º Albânia
14º Finlândia 98º Palestina
15º Luxemburgo 104º China
16º Áustria 114º Bolívia
17º França 127º Índia
18º Alemanha 150º Haiti
19º Espanha 173º BurkinaFasso
20º Nova Zelândia 174º Níger
------- ---------------------------- 175º Serra Leoa
I.D.H
Índice
de Desenvolvimento
Humano
ANO 2003
BREVE HISTÓRICO DA
INDÚSTRIA NO BRASIL
• Pensar na origem da indústria no Brasil, tem que se incluir
necessariamente, a economia cafeeira desenvolvida no pais
durante o século XlX e boa parte do XX, pois ela foi quem deu as
bases para o surgimento da indústria no país, que começou a
ocorrer ainda na Segunda metade do século XlX. Dentre as
contribuições da economia cafeeira para a industrialização,
podemos mencionar:
• a) Acumulação de capital necessário para o processo;
• b) Criação de infra-estrutura;
• c) Formação de mercado de consumo;
• d) Mão de obra utilizada, especialmente os migrantes europeus
não portugueses, como os italianos.
BRASIL ECONÔMICO
TAMANHO ECONÔMICO DO BRASIL
• Brasil tem um mercado livre e uma
economia exportadora.
• Medido por paridade de poder de compra,
seu produto interno bruto ultrapassa 1.6
trilhão de dólares, fazendo-lhe a oitava
maior economia do mundo e a maior da
América Latina em 2006.
BRASIL ATUAL
• A economia contém uma indústria e agricultura mista,
que são cada vez mais dominadas pelo setor de
serviços. As recentes administrações expandiram a
competição em portos marítimos, estradas de ferro, em
telecomunicações, em geração de eletricidade, em
distribuição do gás natural e em aeroportos (embora a
crise área tenha atormentado o país) com o alvo de
promover o melhoramento da infra-estrutura. O Brasil
começou à voltar-se para as exportações em 2004,
atingindo em 2006 exportações de US$ 137.5 bilhões,
importações de US$ 91.4 bilhões e um saldo comercial
de quase US$ 46 bilhões.
CRISE ECONÔMICA E O BRASIL
• A crise no sistema bancário nos Estados
Unidos tem provocado quedas
generalizadas nas bolsas de todo mundo
e muitas dúvidas sobre a economia
global.
A Bolsa de Valores de São Paulo também
vem sofrendo com grandes quedas, o
valor do dólar voltou a subir e o crédito
internacional ficou mais difícil.
EFEITOS DA CRISE
• Atualmente a dívida externa brasileira é da ordem de US$ 200
bilhões, sendo que a maior parte está na mão de empresas
privadas. Mas o valor que vence até o final de 2008 é bem menor -
em torno de US$ 15 bilhões. Para especialistas, as empresas que
quiserem renovar essas dívidas terão que arcar com taxas mais
altas de juros.
Os bancos brasileiros também já estão encontrando taxas muito
altas para tomar empréstimos no exterior. A expectativa é que essa
situação afete o crescimento do crédito no Brasil, de forma geral, e
a capacidade de investimento das empresas, em particular. A falta
de crédito internacional também pode afetar empresas estrangeiras
que planejam fazer investimos diretos no Brasil.
A CRISE EM NOSSO DIA A DIA
• Nos últimos cinco anos, o Brasil tem tido grandes
superávits na balança comercial (exportações maiores
do que as importações) e um aumento crescente dos
valores vendidos no exterior. Segundo dados do Banco
Central, as exportações saltaram de US$ 73 bilhões, em
2003, para US$ 160 bilhões, no ano passado. Em 2006,
o Brasil teve um superávit recorde de mais de US$ 46
bilhões.
Uma parte desse aumento se deve à subida dos preços
dos produtos brasileiros no externo e não à venda de
mais produtos. Agora o preço das commodities agrícolas
e minerais, grande responsáveis pela melhora nos
valores, estão caindo.
FINALMENTE...
• Um dos poucos consensos entre os economistas em meio à atual
crise é que a economia brasileira deve diminuir seu ritmo de
crescimento. Para Antônio Madeira, da consultoria MCM, mesmo
com todas as mudanças, o PIB brasileiro deve subir por volta de
5,5% em 2008. Para 2009, ele acredita que esse número deve ficar
entre 3,8% e 3,5%.
Os números variam um pouco dependendo da fonte, mas a grande
maioria dos analistas trabalha com faixas parecidas.
O motivo da queda é que mesmo que o Brasil não seja muito
atingido pela crise externa, as diferentes fontes de contaminação
devem contribuir para derrubar a atividade econômica. Além disso,
o próprio BC brasileiro está com uma política de aumentos de juros
com o objetivo de reduzir o crescimento no ano que vem.
LINHA DO TEMPO
• Brasil colônia – 1534 a 1780
• Crise do sistema colonial – 1780 a 1840
• Economia cafeeira escravista – 1840 a 1888
• Economia cafeeira capitalista – 1888 a 1930
• Industrialização – 1930 a 1980
• Etapa 1: industrialização restringida – 1933-1955
• Etapa 2: Industrialização pesada – 1956-1980
• Década de 80: crise da dívida externa, inflação e estagnação econômica
• 1994 a 2006: Plano Real, aprofundamento da abertura e reformas
econômicas
• 2006 em diante: superação ou “convivência” com o modelo econômico
neoliberal?
1ª FASE: 1500-1808
• O Brasil foi impedido por Portugal de possuir indústrias
e as poucas que existiam, foram destruídas em 1785,
(com exceção dos engenhos.
• Economia Agro-exportadora, tudo o que é produzido
aqui, é voltado para agradar os interesses da Coroa
Portuguesa.
• Durante o período colonial, pelas regras da política
econômica mercantilista, não podem ser desenvolvidas
no Brasil quaisquer atividades produtivas que venham a
competir com as da metrópole, ou que venham a
prejudicar seus interesses comerciais.
2a
FASE: 1808 a 1930
• Período de reduzida atividade
industrial, dado a característica agrário-
exportadora do país. Nessa fase, no
entanto, ocorrem dois fatos que facilitam a
industrialização futura: a Abolição da
Escravatura e a entrada de imigrantes,
que vão servir e mão-de-obra.
FATO IMPORTANTE...
• A Revolução de 1930 foi um divisor de
águas no processo brasileiro de
industrialização. Com Getúlio Vargas na
Presidência da República tem início o
reconhecimento de uma realidade
industrial, traduzida na criação do
Ministério do Trabalho, das leis sociais e
de sindicalização.
3a
FASE: 1930 a 1955
• O ano de 1930 é considerado por alguns autores como o da
"Revolução Industrial" no Brasil. Efetivamente é o ano que marca o
início da industrialização (processo através do qual a atividade
industrial vai se tornar a mais importante do país) beneficiada pela
Crise de 1929 e pela Revolução de 1930).
• A Crise de 1929 determinou a decadência da cafeicultura e a
transferência do capital para a indústria, o que associado a
presença de mão-de-obra e mercado consumidor, vai justificar a
concentração industrial no Sudeste, especificamente em São Paulo.
• Esta fase, assim como a primeira, tem uma característica inicial de
quase exclusividade de indústrias de bens de consumo não
duráveis, definindo o período chamado de "Substituição de
importações". No entanto, a ação do Estado começa a alterar o
quadro, com o Governo Vargas criando as empresas estatais do
setor de base, como a CSN (siderurgia), PETROBRÁS e a CVRD
(mineração).
4a
FASE: 1955 a 1964
• Constitui o período de maior crescimento industrial do país em
todos os tipos de indústria, tendo como base a aliança entre o
capital estatal e o capital estrangeiro. O governo Juscelino
Kubitschek dá início a chamada "Internacionalização da Economia",
com a entrada de empresas transnacionais, notadamente do setor
automotivo.
• O nacionalismo da Era Vargas é substituído pelo
desenvolvimentismo do governo Juscelino Kubitschek, de 1956 a
1961. Atraindo o capital estrangeiro e estimulando o capital
nacional com incentivos fiscais e financeiros e medidas de proteção
do mercado interno, JK implanta a indústria de bens de consumo
duráveis, sobretudo eletrodomésticos e veículos, com o objetivo de
multiplicar o número dessas indústrias e das fábricas de peças e
componentes. Amplia os serviços de infra-estrutura, como
transporte e fornecimento de energia elétrica.
5ª FASE: 1964-1985
• O processo iniciado por J.K. teve continuidade durante a
Ditadura Militar (1964 a 1985), destacando-se o
Governo Médici, período do "Milagre Brasileiro", que
determinou crescimento econômico, mas também
aumento da dívida externa e concentração de renda.
• Com um governo militar, fortemente centralizador e
estatal, as indústrias passam por uma nova fase. Após
1967, o crescimento industrial do Brasil supera 10% ao
ano, ficando conhecido como "milagre brasileiro",
encerrando esse ciclo em 1974. Devido a esse
crescimento acelerado, os militares formularam o projeto
"Brasil Potência", buscando transformá-lo em potência
econômica.
IMPORTANTE....
• Com um governo militar, fortemente centralizador e estatal, as
indústrias passam por uma nova fase. Após 1967, o crescimento
industrial do Brasil supera 10% ao ano, ficando conhecido como
"milagre brasileiro", encerrando esse ciclo em 1974. Devido a esse
crescimento acelerado, os militares formularam o projeto "Brasil
Potência", buscando transformá-lo em potência econômica.
• Temos que lembrar que em 1973, tivemos o Choque do Petróleo,
que de US$2,70 foi para US$ 12,00, obrigando os países a se
reestruturarem para essa nova realidade. A industrialização do
Brasil, esteve envolvido com os dinheiros emprestados das grandes
nações (petrodólares) que havia muito e era fácil de ser
emprestado.
IMPORTANTE...
• A "Dívida Externa" que era de US$ 3,7 bilhões em 1964, também
era 43ª economia, passou para aproximadamente US 95 bilhões
em 1985 e o Brasil já era então a 8ª economia do mundo. Esses
empréstimos financiaram obras como Itaipu, Angra dos Reis, Ponte
Rio Niterói, a fracassada Transamazônica. Muitas mudanças
estavam em curso , tanto política como econômica mundo, inclusive
no Brasil.
• Na década de 80, o despertar dos sindicatos, o grande dívida
externa, a inflação em alta, a busca do fim do governo militar,
mudanças nos meio de produção com a 3ª Revolução Industrial, a
dificuldade dos empresários de acompanhar essa nova fase, que
acaba por sucatear o parque industrial, o diminuição do
crescimento industrial, o aumento da população, o exôdo rural,
cujas propagandas vendiam a cidade como o paraíso, esses fatores
contribuíram no aumento do desemprego. Essa década é chamada
de "Década Perdida".
6a
FASE: 1984 a 2010
• Esta fase iniciada no Governo Collor com continuidade até o
Governo Fernando Henrique marca o avanço do Neoliberalismo no
país, com sérias repercussões no setor secundário da economia.
• O modelo neoliberal adotado determinou a privatização de quase
todas as empresas estatais, tanto no setor produtivo, como as
siderúrgicas e a CVRD, quanto no setor da infra-estrutura e
serviços, como o caso do sistema Telebrás.
• Além disso, os últimos anos marcaram a abertura do mercado
brasileiro, com expressivas reduções na alíquota de Importação.
Por outro lado, houve brutal aumento do desemprego, devido a
falência de empresas e as inovações tecnológicas adotadas, com a
utilização de máquinas e equipamentos industriais de última
geração, necessários para aumentar a competitividade e resistir à
concorrência internacional.
COMO É O COMÉRCIO
EXTERIOR BREASILEIRO ?
• CAP. 65, PÁG. 371:
• BALANÇA COMERCIAL
• DÉFICIT
• SUPERÁVIT
• O BRASIL NA DIT: COMO SEMPRE
ESTEVE O PAÍS ?
O BRASIL NA DIT
MODELO SUSBSTITUIÇÃO DE
IMPORTAÇÕES...
• As políticas de industrialização por substituição de importações
foram a
• coqueluche do Terceiro Mundo na década de 50 e meados dos 60,
• provocando profundas mudanças no quadro econômico e social.
• O protecionismo e a realocação induzida de fatores (via subsídios e
outros
• mecanismos de intervenção estatal), associados à estratégia de
substituição
• de importações, permitiram o surgimento de uma vasta gama de
ramos industriais.
BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA
PÁG. 372..COMÉRCIO
EXTERIOR BRASILEIRO
CONCLUSÕES...
• POR QUE SALDOS POSITIVOS ?
• QUAIS TEM SIDO NOSSOS PRINCIPAIS
PRODUTOS DE EXPORTAÇÕES ?
• O QUE MAIS IMPORTAMOS ?
• PODEMOS CONCLUIR QUE...
EXPORTAÇÕES
IMPORTAÇÕES
NOSSOS PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO E
IMPORTAÇÃO
ANALISANDO GRÁFICOS..
PÁG. 373
• PRINCIPAIS PARCEIROS DE
EXPORTAÇÃO DO BRASIL...
• PRINCIPAIS PARCEIROS DE
IMPORTAÇÃO DO BRASIL...
O BRASIL E O MERCOSUL
CORREDORES EXPORTAÇÃO
MODELOS PRODUTIVOS
• TAYLORISMO
• - Separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos.
• - Racionalização da produção.
• - Controle do tempo.
• - Estabelecimento de níveis mínimos de produtividade.
• FORDISMO
• - Produção e consumo em massa.
• - Extrema especialização do trabalho.
• - Rígida padronização da produção.
• - Linha de montagem.
• PÓS-FORDISMO
• - Estratégias de produção e consumo em escala planetária.
• - Valorização da pesquisa científica.
• - Desenvolvimento de novas tecnologias.
• - Flexibilização dos contratos de trabalho.
•

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
fernandesrafael
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
Ninho Cristo
 
Trabalho de geografia (1)
Trabalho de geografia (1)Trabalho de geografia (1)
Trabalho de geografia (1)
Gilberto Pires
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
joao paulo
 
Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasil
Moacir E Nalin
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
ProfMario De Mori
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
hsjval
 
Crise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasilCrise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasil
Lilian Damares
 
Cledionora brasil
Cledionora brasilCledionora brasil
Industria brasileira 2011
Industria  brasileira 2011Industria  brasileira 2011
Industria brasileira 2011
alfredo1ssa
 
Industrialização Brasileira Adm Univille 3 E
Industrialização Brasileira Adm Univille 3 EIndustrialização Brasileira Adm Univille 3 E
Industrialização Brasileira Adm Univille 3 E
Giovane Gaspar Benedet
 
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerraA industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
karolpoa
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
edsonluz
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completo
Ana Maciel
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
eunamahcado
 
O Período Militar - Geografia
O Período Militar - GeografiaO Período Militar - Geografia
O Período Militar - Geografia
Lucas Castro
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
Artur Lara
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
Professor
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
Sarinha Silva
 
Brasil industrialização
Brasil industrializaçãoBrasil industrialização
Brasil industrialização
Colégio Nova Geração COC
 

Mais procurados (20)

Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Trabalho de geografia (1)
Trabalho de geografia (1)Trabalho de geografia (1)
Trabalho de geografia (1)
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasil
 
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º VaA IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
A IndustrializaçãO Do Brasil Atividade 1º Va
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
 
Crise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasilCrise do café e industrialização do brasil
Crise do café e industrialização do brasil
 
Cledionora brasil
Cledionora brasilCledionora brasil
Cledionora brasil
 
Industria brasileira 2011
Industria  brasileira 2011Industria  brasileira 2011
Industria brasileira 2011
 
Industrialização Brasileira Adm Univille 3 E
Industrialização Brasileira Adm Univille 3 EIndustrialização Brasileira Adm Univille 3 E
Industrialização Brasileira Adm Univille 3 E
 
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerraA industrialização brasileira pós 2ª guerra
A industrialização brasileira pós 2ª guerra
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasil
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completo
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
O Período Militar - Geografia
O Período Militar - GeografiaO Período Militar - Geografia
O Período Militar - Geografia
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
 
Trabalho de geografia
Trabalho de geografiaTrabalho de geografia
Trabalho de geografia
 
Brasil industrialização
Brasil industrializaçãoBrasil industrialização
Brasil industrialização
 

Destaque

O cinema nas aulas de geografia
O cinema nas aulas de geografiaO cinema nas aulas de geografia
O cinema nas aulas de geografia
pibidgeouffs
 
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do BrasilEconomia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Vinicius Spader
 
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao DesenvolvimentoFactores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Pedui
 
A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO Brasileira
ProfMario De Mori
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
profacacio
 
Visitando a aldeia
Visitando a aldeiaVisitando a aldeia
Visitando a aldeia
emefpdtm
 
Fuvest 1999 - 2º fase - geografia
Fuvest   1999 - 2º fase - geografiaFuvest   1999 - 2º fase - geografia
Fuvest 1999 - 2º fase - geografia
Simone Rocha
 
Formação pais
Formação paisFormação pais
Formação pais
Myzer
 
Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)
Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)
Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Geo 7 º ano região norte
Geo 7 º ano região norteGeo 7 º ano região norte
Geo 7 º ano região norte
Paola Rezende Schettertt
 
Diarios demotocicleta
Diarios demotocicletaDiarios demotocicleta
Diarios demotocicleta
Juliana Tolêdo
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
eunamahcado
 
Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4
Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4
Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4
Jéssica Oliveira
 
BRASIL RURAL: Revisão 7º ano
BRASIL RURAL: Revisão 7º anoBRASIL RURAL: Revisão 7º ano
BRASIL RURAL: Revisão 7º ano
Josecler Rocha
 
Avaliação 8 ano geografia ii bimestre
Avaliação 8 ano geografia ii bimestreAvaliação 8 ano geografia ii bimestre
Diários de Motocicleta relação com a Geografia
Diários de Motocicleta relação com a GeografiaDiários de Motocicleta relação com a Geografia
Diários de Motocicleta relação com a Geografia
Duarte Nunes
 
Atividade de revisão 8º ano 2ª etapa
Atividade de revisão 8º ano 2ª etapaAtividade de revisão 8º ano 2ª etapa
Atividade de revisão 8º ano 2ª etapa
ProfessoresColeguium
 
Gabarito da revisão 4ª etapa 7º ano
Gabarito da revisão 4ª etapa 7º anoGabarito da revisão 4ª etapa 7º ano
Gabarito da revisão 4ª etapa 7º ano
Márcia Dutra
 
Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17
Fernando Monteiro D'Andrea
 
atividade de sociologia
atividade de sociologiaatividade de sociologia
atividade de sociologia
Andrea Parlen
 

Destaque (20)

O cinema nas aulas de geografia
O cinema nas aulas de geografiaO cinema nas aulas de geografia
O cinema nas aulas de geografia
 
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do BrasilEconomia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
Economia Brasileira - Aula 01 - Formação Econômica do Brasil
 
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao DesenvolvimentoFactores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
Factores Externos Que Constituem ObstáCulos Ao Desenvolvimento
 
A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO Brasileira
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Visitando a aldeia
Visitando a aldeiaVisitando a aldeia
Visitando a aldeia
 
Fuvest 1999 - 2º fase - geografia
Fuvest   1999 - 2º fase - geografiaFuvest   1999 - 2º fase - geografia
Fuvest 1999 - 2º fase - geografia
 
Formação pais
Formação paisFormação pais
Formação pais
 
Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)
Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)
Prova geo 7 ano 3 b tópico 7 (1)
 
Geo 7 º ano região norte
Geo 7 º ano região norteGeo 7 º ano região norte
Geo 7 º ano região norte
 
Diarios demotocicleta
Diarios demotocicletaDiarios demotocicleta
Diarios demotocicleta
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
 
Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4
Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4
Os Problemas do Desenvolvimento da América Latina - Grupo 4
 
BRASIL RURAL: Revisão 7º ano
BRASIL RURAL: Revisão 7º anoBRASIL RURAL: Revisão 7º ano
BRASIL RURAL: Revisão 7º ano
 
Avaliação 8 ano geografia ii bimestre
Avaliação 8 ano geografia ii bimestreAvaliação 8 ano geografia ii bimestre
Avaliação 8 ano geografia ii bimestre
 
Diários de Motocicleta relação com a Geografia
Diários de Motocicleta relação com a GeografiaDiários de Motocicleta relação com a Geografia
Diários de Motocicleta relação com a Geografia
 
Atividade de revisão 8º ano 2ª etapa
Atividade de revisão 8º ano 2ª etapaAtividade de revisão 8º ano 2ª etapa
Atividade de revisão 8º ano 2ª etapa
 
Gabarito da revisão 4ª etapa 7º ano
Gabarito da revisão 4ª etapa 7º anoGabarito da revisão 4ª etapa 7º ano
Gabarito da revisão 4ª etapa 7º ano
 
Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17Planos econômicos no brasil - Aula 17
Planos econômicos no brasil - Aula 17
 
atividade de sociologia
atividade de sociologiaatividade de sociologia
atividade de sociologia
 

Semelhante a Brasil industrialização e subdesenvolvimento

Aula novas tendências2012
Aula novas tendências2012Aula novas tendências2012
Aula novas tendências2012
ICE - instituto Cuiabano de Educação
 
O brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizadoO brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizado
marcosa1212
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
Conceição Fontolan
 
Tendências da era digital março 2012
Tendências da era digital março 2012Tendências da era digital março 2012
Tendências da era digital março 2012
ICE - instituto Cuiabano de Educação
 
Apostilas OS 4 BRASIS
Apostilas  OS 4 BRASISApostilas  OS 4 BRASIS
Diferentes niveis de desenvonvimentos copia
Diferentes niveis de desenvonvimentos   copiaDiferentes niveis de desenvonvimentos   copia
Diferentes niveis de desenvonvimentos copia
Maria Cledionora Tavares Tavares
 
A DíVida Externa Brasileira Grupo 1
A DíVida Externa Brasileira   Grupo 1A DíVida Externa Brasileira   Grupo 1
A DíVida Externa Brasileira Grupo 1
ProfMario De Mori
 
Crise econômica Européia
Crise econômica Européia Crise econômica Européia
Crise econômica Européia
Artur Lara
 
Livro a invenção de um novo brasil
Livro a invenção de um novo brasilLivro a invenção de um novo brasil
Livro a invenção de um novo brasil
Fernando Alcoforado
 
O brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizadoO brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizado
totonhodemorais
 
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Sintese Sergipe
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
alfredo1ssa
 
Aula1DesenEco.ppt
Aula1DesenEco.pptAula1DesenEco.ppt
Aula1DesenEco.ppt
LucasVideira1
 
Apresentação no XIII Encontro de Administração do IESPES
Apresentação no XIII Encontro de Administração do IESPESApresentação no XIII Encontro de Administração do IESPES
Apresentação no XIII Encontro de Administração do IESPES
Fernando Monteiro D'Andrea
 
Escola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - Subdesenvolvimento
Escola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - SubdesenvolvimentoEscola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - Subdesenvolvimento
Escola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - Subdesenvolvimento
Valter Batista de Souza
 
SUBDESENVOLVIMENTO.pptx
SUBDESENVOLVIMENTO.pptxSUBDESENVOLVIMENTO.pptx
SUBDESENVOLVIMENTO.pptx
Eliel Viscardis
 
Cap 5 6 7
Cap 5 6 7Cap 5 6 7
Cap 5 6 7
Christie Freitas
 
BRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADE
BRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADEBRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADE
BRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADE
amiltonp
 
Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014
Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014
Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014
João de Deus Dias Neto
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
Josielia neves
 

Semelhante a Brasil industrialização e subdesenvolvimento (20)

Aula novas tendências2012
Aula novas tendências2012Aula novas tendências2012
Aula novas tendências2012
 
O brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizadoO brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizado
 
PAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTESPAÍSES EMERGENTES
PAÍSES EMERGENTES
 
Tendências da era digital março 2012
Tendências da era digital março 2012Tendências da era digital março 2012
Tendências da era digital março 2012
 
Apostilas OS 4 BRASIS
Apostilas  OS 4 BRASISApostilas  OS 4 BRASIS
Apostilas OS 4 BRASIS
 
Diferentes niveis de desenvonvimentos copia
Diferentes niveis de desenvonvimentos   copiaDiferentes niveis de desenvonvimentos   copia
Diferentes niveis de desenvonvimentos copia
 
A DíVida Externa Brasileira Grupo 1
A DíVida Externa Brasileira   Grupo 1A DíVida Externa Brasileira   Grupo 1
A DíVida Externa Brasileira Grupo 1
 
Crise econômica Européia
Crise econômica Européia Crise econômica Européia
Crise econômica Européia
 
Livro a invenção de um novo brasil
Livro a invenção de um novo brasilLivro a invenção de um novo brasil
Livro a invenção de um novo brasil
 
O brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizadoO brasil em um mundo globalizado
O brasil em um mundo globalizado
 
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc   6.12.12
Apresentação conjuntura 4º congresso do fetrafesc 6.12.12
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
 
Aula1DesenEco.ppt
Aula1DesenEco.pptAula1DesenEco.ppt
Aula1DesenEco.ppt
 
Apresentação no XIII Encontro de Administração do IESPES
Apresentação no XIII Encontro de Administração do IESPESApresentação no XIII Encontro de Administração do IESPES
Apresentação no XIII Encontro de Administração do IESPES
 
Escola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - Subdesenvolvimento
Escola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - SubdesenvolvimentoEscola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - Subdesenvolvimento
Escola Pastor Paiva - 3° Ano A e B - Geografia - Subdesenvolvimento
 
SUBDESENVOLVIMENTO.pptx
SUBDESENVOLVIMENTO.pptxSUBDESENVOLVIMENTO.pptx
SUBDESENVOLVIMENTO.pptx
 
Cap 5 6 7
Cap 5 6 7Cap 5 6 7
Cap 5 6 7
 
BRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADE
BRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADEBRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADE
BRASIL: ECONOMIA E SOCIEDADE NA CONTEMPORANEIDADE
 
Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014
Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014
Países emergentes oportunidades & negócios anhanguera palestra jan2014
 
Subdesenvolvimento
SubdesenvolvimentoSubdesenvolvimento
Subdesenvolvimento
 

Último

Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
MarcoAurlioResende
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
ThiagoRORISDASILVA1
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
MiriamCamily
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 

Último (20)

Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdfA justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
A justiça divina segundo o Espiritismo (V2).pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdfsaid edward w - orientalismo. livro de história pdf
said edward w - orientalismo. livro de história pdf
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdfPROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
PROVA DE ARTE PARA IMPRESSÃO - CORRETA gabarito .pdf
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 

Brasil industrialização e subdesenvolvimento

  • 1. INDUSTRIALIZAÇÃO DO BRASIL Autor: Prof. Mario Fernando De Mori http://mariodemori.blogspot.com/
  • 2. BRASIL, • PAÍS SUBDESENVOLVIDO • PAÍS INDUSTRIALIZADO, • PAÍS DE INDUSTRIALIZAÇÃO TARDIA, • PAÍS RICO, MAS DEPENDENTE, • PAÍS DESIGUAL, • PAÍS DE EXTREMOS NATURAIS E SOCIAIS...
  • 3. BRASIL... PAÍS QUE UM DIA SERÁ DESENVOLVIDO ? • SERÁ QUE ISSO É POSSÍVEL ? • SERÁ QUE O BRASIL SE TORNARÁ UM PAÍS DESENVOLVIDO? • SERÁ QUE DEIXAREMOS NOSSO SUBDESENVOLVIMENTO PARA OUTROS LADOS ? • O QUE NOS TORNA SUBDESENVOLVIDOS ?
  • 4. EQUÍVOCOS Paises Desenvolvidos nunca foramPaises Desenvolvidos nunca foram subdesenvolvidos no passado.subdesenvolvidos no passado. • Não existia uma dependência econômica. Não há uma oposição simétrica entre a realidade doNão há uma oposição simétrica entre a realidade do norte e a do sulnorte e a do sul • Não existe uma trajetória construída. • Existe uma coexistência estável entre as duas formas Subdesenvolvimento não significa apenas atrasoSubdesenvolvimento não significa apenas atraso econômico e socialeconômico e social • País Subdesenvolvido não é obrigatoriamente pobre , nãoPaís Subdesenvolvido não é obrigatoriamente pobre , não industrializado.industrializado. • Existe obrigatoriamente uma classe favorecida e desigualdade socialExiste obrigatoriamente uma classe favorecida e desigualdade social “sustentada” , que favorece aos ganhadores.“sustentada” , que favorece aos ganhadores.
  • 5. SER PAÍS DESENVOLVIDO É.... • Dominação econômica; • Apresentam estrutura industrial completa, produzem todos os tipos de bens; • Agropecuária moderna e intensiva, emprego de máquinas e mão-de-obra especializada. • Desenvolvimento científico e tecnológico elevado; • Modernos e eficientes meios de transporte e comunicação; • População urbana é maior que a população rural, são urbanizados. Exemplo: Inglaterra, EUA, Alemanha, etc. • População Ativa empregada, em principalmente, nos setores secundário e terciário. Exemplo: Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha; • Pequeno número de analfabetos; • Elevado nível de vida da população; • Boas condições de alimentação, habitação e saneamento básico; • Reduzido crescimento populacional; • Baixa taxa de natalidade e mortalidade infantil; • Elevada expectativa de vida.
  • 6. Diferenças no Nível de Desenvolvimento
  • 7. “O mundo tão desigual Tudo é tão desigual O, o, o, o... De um lado esse carnaval De outro a fome total O, o, o, o... ” Gilberto Gil.
  • 8. CLASSIFICAÇÃO DA ESTRUTURA MUNDIAL DAS NAÇÕES Modelo 1 Norte – Rico ------------------- Sul – Pobre Modelo 2 -1º Mundo: desenvolvidos capitalistas -2º Mundo: países socialistas -3º Mundo: países subdesenvolvidos -4º Mundo: a miséria extrema do subdesenvolvimento Modelo 3 -Países desenvolvidos -Países subdesenvolvidos emergentes (Brasil, China, Índia, México, Tigres, R.S.A., Argentina, Chile) -Países subdesenvolvidos periféricos, totalmente excluídos do processo de globalização. Modelo 4 Classificação histórica dos subdesenvolvidos
  • 9. POPULAÇÃO MM AUTOMÓVEIS/ HAB TELEFONES/ HAB TELEVISORES / HAB RADIOS / HAB ESTADOS UNIDOS 260 0,75 0,56 0,88 2,12 JAPÃO 125 0,50 0,54 0,62 0,80 GRÃ BRETANHA 58 0,43 0,55 0,52 1,00 FRANÇA 58 0,55 0,60 0,52 0,86 ITÁLIA 57 0,47 0,54 0,30 0,28 IRÃ 65 0,040 0,038 0,038 0,185 CHINA 1180 0,004 0,011 0,102 0,097 INDIA 940 0,004 0,005 0,021 0,062 MEXICO 90 0,111 0,133 0,144 0,200 POLONIA 38,8 0,168 0,134 0,258 0,284 NIGÉRIA 98 0,014 0,008 0,033 0,092 TANZANIA 28 0,007 0,007 0,004 0,143 COMPARATIVOS
  • 12. SER SUBDESENVOLVIDO É.... • Passaram por um grande processo de exploração durante o período colonial. Colônia de Exploração; • Baixo nível de industrialização, com exceção de alguns países como: Brasil, México, os Dragões de Exploração; • Dependência econômica, política e cultural em relação às nações desenvolvidas; • Deficiência tecnológica e baixo nível de conhecimento científico; • Rede de transporte e meios de comunicação deficientes; • Baixa produtividade na agricultura que geralmente emprega numerosa mão-de-obra; • População Ativa empregada principalmente nos setores primários ou no setor terciário em atividades marginais (camelôs, trabalhadores sem carteira assinada etc). Exemplo: Brasil, Etiópia, Uruguai; • Cidades com crescimento muito rápido e cercada por bairros pobres e miseráveis; • Baixo nível de vida da maioria da população; • Crescimento populacional elevado; • Elevada taxa de natalidade e mortalidade infantil; • Expectativa de vida baixa.
  • 13. O SUBDESENVOLVIMENTO A MENTALIDADE DO ATRASO “Todo mundo rouba” “Político é tudo igual” “Rouba mas faz” “Pobre, preto e nordestino é tudo igual” “A voz dos pobres como eco dos ricos” “Os Norte-Americanos são sempre melhores”
  • 14. 1º Noruega 26º Hong Kong, China 2º Islândia 28º Cingapura 3º Suécia 30º Coréiado Sul 4º Austrália 34º Argentina 5º Holanda 40º Uruguai 6º Bélgica 43º Chile 7º EstadosUnidos 52º Cuba 8º Canadá 55º México 9º Japão 63º Rússia 10º Suiça 64º Colômbia 11º Dinamarca 65º Brasil 12º Irlanda 84º Paraguai 13º Reino Unido 95º Albânia 14º Finlândia 98º Palestina 15º Luxemburgo 104º China 16º Áustria 114º Bolívia 17º França 127º Índia 18º Alemanha 150º Haiti 19º Espanha 173º BurkinaFasso 20º Nova Zelândia 174º Níger ------- ---------------------------- 175º Serra Leoa I.D.H Índice de Desenvolvimento Humano ANO 2003
  • 15. BREVE HISTÓRICO DA INDÚSTRIA NO BRASIL • Pensar na origem da indústria no Brasil, tem que se incluir necessariamente, a economia cafeeira desenvolvida no pais durante o século XlX e boa parte do XX, pois ela foi quem deu as bases para o surgimento da indústria no país, que começou a ocorrer ainda na Segunda metade do século XlX. Dentre as contribuições da economia cafeeira para a industrialização, podemos mencionar: • a) Acumulação de capital necessário para o processo; • b) Criação de infra-estrutura; • c) Formação de mercado de consumo; • d) Mão de obra utilizada, especialmente os migrantes europeus não portugueses, como os italianos.
  • 17. TAMANHO ECONÔMICO DO BRASIL • Brasil tem um mercado livre e uma economia exportadora. • Medido por paridade de poder de compra, seu produto interno bruto ultrapassa 1.6 trilhão de dólares, fazendo-lhe a oitava maior economia do mundo e a maior da América Latina em 2006.
  • 18. BRASIL ATUAL • A economia contém uma indústria e agricultura mista, que são cada vez mais dominadas pelo setor de serviços. As recentes administrações expandiram a competição em portos marítimos, estradas de ferro, em telecomunicações, em geração de eletricidade, em distribuição do gás natural e em aeroportos (embora a crise área tenha atormentado o país) com o alvo de promover o melhoramento da infra-estrutura. O Brasil começou à voltar-se para as exportações em 2004, atingindo em 2006 exportações de US$ 137.5 bilhões, importações de US$ 91.4 bilhões e um saldo comercial de quase US$ 46 bilhões.
  • 19. CRISE ECONÔMICA E O BRASIL • A crise no sistema bancário nos Estados Unidos tem provocado quedas generalizadas nas bolsas de todo mundo e muitas dúvidas sobre a economia global. A Bolsa de Valores de São Paulo também vem sofrendo com grandes quedas, o valor do dólar voltou a subir e o crédito internacional ficou mais difícil.
  • 20. EFEITOS DA CRISE • Atualmente a dívida externa brasileira é da ordem de US$ 200 bilhões, sendo que a maior parte está na mão de empresas privadas. Mas o valor que vence até o final de 2008 é bem menor - em torno de US$ 15 bilhões. Para especialistas, as empresas que quiserem renovar essas dívidas terão que arcar com taxas mais altas de juros. Os bancos brasileiros também já estão encontrando taxas muito altas para tomar empréstimos no exterior. A expectativa é que essa situação afete o crescimento do crédito no Brasil, de forma geral, e a capacidade de investimento das empresas, em particular. A falta de crédito internacional também pode afetar empresas estrangeiras que planejam fazer investimos diretos no Brasil.
  • 21. A CRISE EM NOSSO DIA A DIA • Nos últimos cinco anos, o Brasil tem tido grandes superávits na balança comercial (exportações maiores do que as importações) e um aumento crescente dos valores vendidos no exterior. Segundo dados do Banco Central, as exportações saltaram de US$ 73 bilhões, em 2003, para US$ 160 bilhões, no ano passado. Em 2006, o Brasil teve um superávit recorde de mais de US$ 46 bilhões. Uma parte desse aumento se deve à subida dos preços dos produtos brasileiros no externo e não à venda de mais produtos. Agora o preço das commodities agrícolas e minerais, grande responsáveis pela melhora nos valores, estão caindo.
  • 22. FINALMENTE... • Um dos poucos consensos entre os economistas em meio à atual crise é que a economia brasileira deve diminuir seu ritmo de crescimento. Para Antônio Madeira, da consultoria MCM, mesmo com todas as mudanças, o PIB brasileiro deve subir por volta de 5,5% em 2008. Para 2009, ele acredita que esse número deve ficar entre 3,8% e 3,5%. Os números variam um pouco dependendo da fonte, mas a grande maioria dos analistas trabalha com faixas parecidas. O motivo da queda é que mesmo que o Brasil não seja muito atingido pela crise externa, as diferentes fontes de contaminação devem contribuir para derrubar a atividade econômica. Além disso, o próprio BC brasileiro está com uma política de aumentos de juros com o objetivo de reduzir o crescimento no ano que vem.
  • 23. LINHA DO TEMPO • Brasil colônia – 1534 a 1780 • Crise do sistema colonial – 1780 a 1840 • Economia cafeeira escravista – 1840 a 1888 • Economia cafeeira capitalista – 1888 a 1930 • Industrialização – 1930 a 1980 • Etapa 1: industrialização restringida – 1933-1955 • Etapa 2: Industrialização pesada – 1956-1980 • Década de 80: crise da dívida externa, inflação e estagnação econômica • 1994 a 2006: Plano Real, aprofundamento da abertura e reformas econômicas • 2006 em diante: superação ou “convivência” com o modelo econômico neoliberal?
  • 24. 1ª FASE: 1500-1808 • O Brasil foi impedido por Portugal de possuir indústrias e as poucas que existiam, foram destruídas em 1785, (com exceção dos engenhos. • Economia Agro-exportadora, tudo o que é produzido aqui, é voltado para agradar os interesses da Coroa Portuguesa. • Durante o período colonial, pelas regras da política econômica mercantilista, não podem ser desenvolvidas no Brasil quaisquer atividades produtivas que venham a competir com as da metrópole, ou que venham a prejudicar seus interesses comerciais.
  • 25. 2a FASE: 1808 a 1930 • Período de reduzida atividade industrial, dado a característica agrário- exportadora do país. Nessa fase, no entanto, ocorrem dois fatos que facilitam a industrialização futura: a Abolição da Escravatura e a entrada de imigrantes, que vão servir e mão-de-obra.
  • 26. FATO IMPORTANTE... • A Revolução de 1930 foi um divisor de águas no processo brasileiro de industrialização. Com Getúlio Vargas na Presidência da República tem início o reconhecimento de uma realidade industrial, traduzida na criação do Ministério do Trabalho, das leis sociais e de sindicalização.
  • 27. 3a FASE: 1930 a 1955 • O ano de 1930 é considerado por alguns autores como o da "Revolução Industrial" no Brasil. Efetivamente é o ano que marca o início da industrialização (processo através do qual a atividade industrial vai se tornar a mais importante do país) beneficiada pela Crise de 1929 e pela Revolução de 1930). • A Crise de 1929 determinou a decadência da cafeicultura e a transferência do capital para a indústria, o que associado a presença de mão-de-obra e mercado consumidor, vai justificar a concentração industrial no Sudeste, especificamente em São Paulo. • Esta fase, assim como a primeira, tem uma característica inicial de quase exclusividade de indústrias de bens de consumo não duráveis, definindo o período chamado de "Substituição de importações". No entanto, a ação do Estado começa a alterar o quadro, com o Governo Vargas criando as empresas estatais do setor de base, como a CSN (siderurgia), PETROBRÁS e a CVRD (mineração).
  • 28. 4a FASE: 1955 a 1964 • Constitui o período de maior crescimento industrial do país em todos os tipos de indústria, tendo como base a aliança entre o capital estatal e o capital estrangeiro. O governo Juscelino Kubitschek dá início a chamada "Internacionalização da Economia", com a entrada de empresas transnacionais, notadamente do setor automotivo. • O nacionalismo da Era Vargas é substituído pelo desenvolvimentismo do governo Juscelino Kubitschek, de 1956 a 1961. Atraindo o capital estrangeiro e estimulando o capital nacional com incentivos fiscais e financeiros e medidas de proteção do mercado interno, JK implanta a indústria de bens de consumo duráveis, sobretudo eletrodomésticos e veículos, com o objetivo de multiplicar o número dessas indústrias e das fábricas de peças e componentes. Amplia os serviços de infra-estrutura, como transporte e fornecimento de energia elétrica.
  • 29. 5ª FASE: 1964-1985 • O processo iniciado por J.K. teve continuidade durante a Ditadura Militar (1964 a 1985), destacando-se o Governo Médici, período do "Milagre Brasileiro", que determinou crescimento econômico, mas também aumento da dívida externa e concentração de renda. • Com um governo militar, fortemente centralizador e estatal, as indústrias passam por uma nova fase. Após 1967, o crescimento industrial do Brasil supera 10% ao ano, ficando conhecido como "milagre brasileiro", encerrando esse ciclo em 1974. Devido a esse crescimento acelerado, os militares formularam o projeto "Brasil Potência", buscando transformá-lo em potência econômica.
  • 30. IMPORTANTE.... • Com um governo militar, fortemente centralizador e estatal, as indústrias passam por uma nova fase. Após 1967, o crescimento industrial do Brasil supera 10% ao ano, ficando conhecido como "milagre brasileiro", encerrando esse ciclo em 1974. Devido a esse crescimento acelerado, os militares formularam o projeto "Brasil Potência", buscando transformá-lo em potência econômica. • Temos que lembrar que em 1973, tivemos o Choque do Petróleo, que de US$2,70 foi para US$ 12,00, obrigando os países a se reestruturarem para essa nova realidade. A industrialização do Brasil, esteve envolvido com os dinheiros emprestados das grandes nações (petrodólares) que havia muito e era fácil de ser emprestado.
  • 31. IMPORTANTE... • A "Dívida Externa" que era de US$ 3,7 bilhões em 1964, também era 43ª economia, passou para aproximadamente US 95 bilhões em 1985 e o Brasil já era então a 8ª economia do mundo. Esses empréstimos financiaram obras como Itaipu, Angra dos Reis, Ponte Rio Niterói, a fracassada Transamazônica. Muitas mudanças estavam em curso , tanto política como econômica mundo, inclusive no Brasil. • Na década de 80, o despertar dos sindicatos, o grande dívida externa, a inflação em alta, a busca do fim do governo militar, mudanças nos meio de produção com a 3ª Revolução Industrial, a dificuldade dos empresários de acompanhar essa nova fase, que acaba por sucatear o parque industrial, o diminuição do crescimento industrial, o aumento da população, o exôdo rural, cujas propagandas vendiam a cidade como o paraíso, esses fatores contribuíram no aumento do desemprego. Essa década é chamada de "Década Perdida".
  • 32. 6a FASE: 1984 a 2010 • Esta fase iniciada no Governo Collor com continuidade até o Governo Fernando Henrique marca o avanço do Neoliberalismo no país, com sérias repercussões no setor secundário da economia. • O modelo neoliberal adotado determinou a privatização de quase todas as empresas estatais, tanto no setor produtivo, como as siderúrgicas e a CVRD, quanto no setor da infra-estrutura e serviços, como o caso do sistema Telebrás. • Além disso, os últimos anos marcaram a abertura do mercado brasileiro, com expressivas reduções na alíquota de Importação. Por outro lado, houve brutal aumento do desemprego, devido a falência de empresas e as inovações tecnológicas adotadas, com a utilização de máquinas e equipamentos industriais de última geração, necessários para aumentar a competitividade e resistir à concorrência internacional.
  • 33. COMO É O COMÉRCIO EXTERIOR BREASILEIRO ? • CAP. 65, PÁG. 371: • BALANÇA COMERCIAL • DÉFICIT • SUPERÁVIT • O BRASIL NA DIT: COMO SEMPRE ESTEVE O PAÍS ?
  • 34. O BRASIL NA DIT
  • 35. MODELO SUSBSTITUIÇÃO DE IMPORTAÇÕES... • As políticas de industrialização por substituição de importações foram a • coqueluche do Terceiro Mundo na década de 50 e meados dos 60, • provocando profundas mudanças no quadro econômico e social. • O protecionismo e a realocação induzida de fatores (via subsídios e outros • mecanismos de intervenção estatal), associados à estratégia de substituição • de importações, permitiram o surgimento de uma vasta gama de ramos industriais.
  • 38. CONCLUSÕES... • POR QUE SALDOS POSITIVOS ? • QUAIS TEM SIDO NOSSOS PRINCIPAIS PRODUTOS DE EXPORTAÇÕES ? • O QUE MAIS IMPORTAMOS ? • PODEMOS CONCLUIR QUE...
  • 41. NOSSOS PRODUTOS DE EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO
  • 42. ANALISANDO GRÁFICOS.. PÁG. 373 • PRINCIPAIS PARCEIROS DE EXPORTAÇÃO DO BRASIL... • PRINCIPAIS PARCEIROS DE IMPORTAÇÃO DO BRASIL...
  • 43. O BRASIL E O MERCOSUL
  • 45. MODELOS PRODUTIVOS • TAYLORISMO • - Separação do trabalho por tarefas e níveis hierárquicos. • - Racionalização da produção. • - Controle do tempo. • - Estabelecimento de níveis mínimos de produtividade. • FORDISMO • - Produção e consumo em massa. • - Extrema especialização do trabalho. • - Rígida padronização da produção. • - Linha de montagem. • PÓS-FORDISMO • - Estratégias de produção e consumo em escala planetária. • - Valorização da pesquisa científica. • - Desenvolvimento de novas tecnologias. • - Flexibilização dos contratos de trabalho. •