SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
GEOGRAFIA
PROFESSORA CAROLINA CORRÊA
Industrialização brasileira
pós Segunda Guerra
Até o séc. XVIII e o início do XIX, o
Brasil permaneceu atado aos interesses da
metrópole, sofrendo barreiras ao nosso
desenvolvimento industrial.
O café, porém, permitiu a acumulação
de capital que serviu para implantar toda
infra-estrutura necessária ao impulso da
atividade industrial.
Vários
foram
os
fatores
que
contribuíram para a intensificação da
indústria brasileira, dentre os principais:
crescimento acelerado dos grandes centros
urbanos derivado do fenômeno do êxodo
rural, promovido pela queda do café. A partir
dessa migração houve um grande aumento
de
consumidores,
apresentando
a
necessidade de produzir bens de consumo
para a população.
Havia também grande disponibilidade
de mão-de-obra imigrante liberada dos
cafezais e produção de energia elétrica.
Além disso, com o colapso econômico
mundial, diminuiu a entrada de mercadorias
que competiriam com as nacionais.
Estes fatores foram fundamentais para
o processo de industrialização de SP, além
de áreas dos estados do RJ, RS e MG.
A maior parte das indústrias era de
bens de consumo, com destaque para
indústrias têxteis e alimentícias.
A indústria de bens de produção
dedica-se à produção de máquinas e
equipamentos pesados destinados às
fábricas.
A produção de alimentos, vestuário,
utensílios
domésticos
e
aparelhos
eletrônicos cabe à indústria de bens de
consumo.
A indústria de produtos intermediários
transforma matérias-primas em produtos
para outras indústrias. É o caso da
siderúrgia, da petroquímica de base e da
indústria de materiais de construção. O
plástico, a borracha, o vidro, o papel e os
componentes eletrônicos, dentre outros, são
exemplos de produtos dessa indústria.
Em 1930 Getúlio Vargas adota uma
política industrializante, a substituição de
mão-de-obra imigrante pela nacional. Essa
mão-de-obra era formada no Rio de Janeiro
e São Paulo em função do êxodo rural e dos
movimentos migratórios de nordestinos.
De 1930 a 56 a industrialização
caracterizou-se
por
uma
estratégia
governamental de implantação de estatais
de bens de produção e infraestrutura. Ex.:
siderurgia (CSN),
Conselho nacional do
petróleo, extração
mineral (CVRD)
e produção de energia
hidrelétrica (Chesf).
Além de fornecer os bens de produção
e serviços as industrias privadas, o governo
prestava esse serviço por preços mais
baixos.
Essa medida visava o fortalecimento
do parque industrial brasileiro, uma política
fortemente nacionalista.
Foi no governo Getúlio Vargas (193045) que iniciou a adoção de medidas fiscais
e cambiais.

Que medidas foram estas???
As duas principais medidas foram a
desvalorização da moeda nacional em
relação ao dólar, encarecendo o produto
importado, e a implantação de leis e
tributos que restringiam ou proibiam a
importação de produtos que pudessem ser
fabricados internamente.
Ao final da Segunda Guerra Mundial o
Brasil dispunha de grandes reservas de
moeda estrangeira, divisas, fruto de ter
exportado mais do que importado.
Houve um crescimento de 8,9% de
1946 a 1950.
Em 1946 teve início a
produção de aço da CSN
(Companhia
Siderúrgica
Nacional), Volta Redonda,
que abriu perspectivas para
o
desenvolvimento
industrial do pais, já que o
aço constitui a base ou a
"matriz" para vários ramos
ou tipos de indústrias.
Depois da Guerra a Europa não tinha
condições
de
exportar
produtos
industrializados, pois todo o continente se
encontrava totalmente devastado pelo
confronto armado, então o Brasil teve que
incrementar o seu parque industrial e
realizar a conhecida industrialização por
substituição de exportação.
Com a saída de Getúlio Vargas,
Gaspar Dutra assumiu em 1946 e instituiu o
Plano Salte.

Do que se tratava este plano???
Mas houve forte mudança na política
econômica do país com a abertura a
importação e boa parte das reservas
acumuladas ao longo da Segunda Guerra
foram
utilizadas.
Isso
levou
a
desvalorização do cruzeiro, dos salários e a
inflação.
Em 1951 Getúlio volta ao poder e
dedica-se a criação da Petrobrás e do
BNDES.
O próximo governo (56-61) de
Juscelino criou o Plano de Metas (50 anos
em 5). Neste plano 73% dos investimentos
foram para energia e transporte. Com o
crescimento da infra-estrutura veio o
ingresso
de
capital
estrangeiro
e
crescimento da produção industrial.
Houve um grande crescimento da
indústria de bens de produção que cresceu
370%
O crescimento da indústria de bens de
produção refletiu-se principalmente nos
seguintes setores:
siderúrgico e metalúrgico (automóveis);
químico e farmacêutico;
construção naval.
Foi nesse período que ocorreu em
maior escala a internacionalização da
economia brasileira com a participação de
empresas multinacionais, num processo de
substituição de importações.
O plano de metas resultou num
significativo aumento da inflação e da dívida
externa.
A concentração das indústrias no
sudeste fez o governo federal criar as
superintendências de desenvolvimento.
(sudene, sudam, sudeco, sudesul) todas
extintas ou transformadas em agências de
desenvolvimento a partir de 1990).
Durante o governo de João Goulart
(Jango, 61-64) houve aumento da inflação e
do desemprego e redução nas taxas de
crescimento que ocasionaram várias
greves.
O Estado investe preferencialmente em
setores que beneficiam as empresas
privadas como o da construção de usinas e
rodovias.
No período militar o Brasil foi de 43º
PIB para 9º PIB, houve um grande
crescimento do parque industrial e os
setores
de
energia,
transporte
e
comunicação se modernizaram.
Esse crescimento foi as custas de
empréstimos o que elevou a dívida externa
de 3,7 para 95 bilhões.
Concentração e
Desconcentração das
Indústrias
Conjunto de fatores que levam determinada
indústria a localizar-se em determinado ponto ou área
geográfica. Em termos gerais as indústrias tendem a
localizar-se em lugares onde o fornecimento, produção e
distribuição dos produtos acarretem os menores custos
possíveis.
1930: A concentração espacial da indústria
do Brasil encontrava-se na Região Sudeste.
Sudeste (80,7%), Sul (12%), Nordeste
(5,7%), Norte (1%) e Centro-Oeste (0,6%).

1970: Desconcentração no sentido das
capitais para o interior de cada Estado e no
sentido Sudeste para as outras regiões.
Sudeste e Sul (próximo à Argentina,
Paraguai e Uruguai) são as duas regiões
com o maior número de empresas e
trabalhadores empregados do Brasil.
Hoje: Sudeste (49,6%), Sul (28,9%),
Nordeste (12,1%), Norte (3,1%) e CentroOeste (6,3%).
A oferta de mão de obra qualificada fora
da Região Sudeste, geralmente com
menores salários.
Os incentivos fiscais ofertados por outros
estados e municípios (guerra fiscal);
O abandono de áreas tradicionais, de
elevados custos de produção;
Uma menor organização sindical dos
trabalhadores nas cidades de pequeno e
médio porte (o que permite manter baixos
salários ou concentração sem registro em
carteira de trabalho).
Referências
SENE, Eustáquio de & MOREIRA, João Carlos.
Geografia Geral e do Brasil, volume 3. são
Paulo: Scipione, 2010.
MARTINS,
Acácio.
Disponivel
em:
<http://www.slideshare.net/karolpoa/savedfiles
/?s_title=cap-4-a-industrializaobrasileira&user_login=profacacio>.
Acesso
em:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
eunamahcado
 
Divisão em norte e sul
Divisão em norte e sulDivisão em norte e sul
Divisão em norte e sul
TI Medianeira
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
Nilberte Correia
 
Geografia do Paraná
Geografia do Paraná Geografia do Paraná
Geografia do Paraná
aroudus
 

Mais procurados (20)

INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
 
O Território Brasileiro
O Território BrasileiroO Território Brasileiro
O Território Brasileiro
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
INDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAISINDICADORES SOCIAIS
INDICADORES SOCIAIS
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 
Tópico 1 território e territorialidade
Tópico 1 território e territorialidadeTópico 1 território e territorialidade
Tópico 1 território e territorialidade
 
Unidade 1 6º ano
Unidade 1 6º anoUnidade 1 6º ano
Unidade 1 6º ano
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
Divisão em norte e sul
Divisão em norte e sulDivisão em norte e sul
Divisão em norte e sul
 
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
Era Vargas – 1937-1945 – O Estado Novo
 
Avaliação de História - Populismo no Brasil
Avaliação de História - Populismo no BrasilAvaliação de História - Populismo no Brasil
Avaliação de História - Populismo no Brasil
 
A formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º anoA formação do território brasileiro 7º ano
A formação do território brasileiro 7º ano
 
Populaçao brasileira
Populaçao brasileiraPopulaçao brasileira
Populaçao brasileira
 
História do ceará
História do cearáHistória do ceará
História do ceará
 
Café
CaféCafé
Café
 
A industrialização brasileira
A industrialização brasileiraA industrialização brasileira
A industrialização brasileira
 
Geografia do Paraná
Geografia do Paraná Geografia do Paraná
Geografia do Paraná
 

Destaque

A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO Brasileira
ProfMario De Mori
 
O pós guerra no Brasil
O pós guerra no BrasilO pós guerra no Brasil
O pós guerra no Brasil
Janayna Lira
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
Luciano Pessanha
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
profacacio
 
F1 módulo 27 - histórico da indústria no brasil
F1   módulo 27 - histórico da indústria no brasilF1   módulo 27 - histórico da indústria no brasil
F1 módulo 27 - histórico da indústria no brasil
ristf
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
Ninho Cristo
 
Aula 12 - Geografia das indústrias
Aula 12 - Geografia das indústriasAula 12 - Geografia das indústrias
Aula 12 - Geografia das indústrias
Gerson Coppes
 
Geografia das indústrias
Geografia das indústriasGeografia das indústrias
Geografia das indústrias
estevaolima
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃOINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
UEMA
 

Destaque (20)

Brasil pos 2ª guerra mundial
Brasil pos  2ª guerra mundialBrasil pos  2ª guerra mundial
Brasil pos 2ª guerra mundial
 
A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO Brasileira
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
O pós guerra no Brasil
O pós guerra no BrasilO pós guerra no Brasil
O pós guerra no Brasil
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasil
 
ERA VARGAS - Desenvolvimento Industrial
ERA VARGAS - Desenvolvimento IndustrialERA VARGAS - Desenvolvimento Industrial
ERA VARGAS - Desenvolvimento Industrial
 
F1 módulo 27 - histórico da indústria no brasil
F1   módulo 27 - histórico da indústria no brasilF1   módulo 27 - histórico da indústria no brasil
F1 módulo 27 - histórico da indústria no brasil
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileira Industrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
SLIDE TEMA: Mesopotâmia
SLIDE TEMA: MesopotâmiaSLIDE TEMA: Mesopotâmia
SLIDE TEMA: Mesopotâmia
 
O brasil no pós guerra (1945-1961).
O brasil no pós guerra (1945-1961).O brasil no pós guerra (1945-1961).
O brasil no pós guerra (1945-1961).
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Aula 12 - Geografia das indústrias
Aula 12 - Geografia das indústriasAula 12 - Geografia das indústrias
Aula 12 - Geografia das indústrias
 
A GEOGRAFIA DAS INDÚSTRIAS
A GEOGRAFIA DAS INDÚSTRIASA GEOGRAFIA DAS INDÚSTRIAS
A GEOGRAFIA DAS INDÚSTRIAS
 
Urbanização
UrbanizaçãoUrbanização
Urbanização
 
Geografia das indústrias
Geografia das indústriasGeografia das indústrias
Geografia das indústrias
 
Geografia da indústria introdução.ppt
Geografia da indústria introdução.pptGeografia da indústria introdução.ppt
Geografia da indústria introdução.ppt
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃOINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO
 

Semelhante a A industrialização brasileira pós 2ª guerra

Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
hsjval
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
Euna Machado
 
Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasil
Moacir E Nalin
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
Ninho Cristo
 
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médioO Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
ProfWellingtonAleixo
 
A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...
A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...
A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...
Joselaine
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
CADUCOC1
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
Bruna Azevedo
 
Indústria brasileira
Indústria brasileiraIndústria brasileira
Indústria brasileira
dobtumblr
 

Semelhante a A industrialização brasileira pós 2ª guerra (20)

A industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerraA industrialização pós 2ª guerra
A industrialização pós 2ª guerra
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
 
Brasil Industrializado
Brasil IndustrializadoBrasil Industrializado
Brasil Industrializado
 
Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2Induastrialização brasiledira 2
Induastrialização brasiledira 2
 
Brasil industrialização
Brasil industrializaçãoBrasil industrialização
Brasil industrialização
 
Indústria no brasil
Indústria no brasilIndústria no brasil
Indústria no brasil
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
A indústria no brasil ifpe
A indústria no brasil ifpeA indústria no brasil ifpe
A indústria no brasil ifpe
 
Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasil
 
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRAA INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
A INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
 
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médioO Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
O Brasil na era das maquinas. 2 Ano do ensino médio
 
A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...
A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...
A ORGANIZAÇÃO ESCOLAR NO CONTEXTO DA CRISE DO MODELO NACIONAL-DESENVOLVIMENTI...
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
 
Atividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasilAtividades economicas do brasil
Atividades economicas do brasil
 
Jucelino kubitschek
Jucelino kubitschekJucelino kubitschek
Jucelino kubitschek
 
Indústria brasileira
Indústria brasileiraIndústria brasileira
Indústria brasileira
 
O processo de substituição de importações na Argentina
O processo de substituição de importações na ArgentinaO processo de substituição de importações na Argentina
O processo de substituição de importações na Argentina
 
A grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudesteA grande concentração industrial na região sudeste
A grande concentração industrial na região sudeste
 
Obj geografia - industrialização brasileira 01
Obj   geografia - industrialização brasileira 01Obj   geografia - industrialização brasileira 01
Obj geografia - industrialização brasileira 01
 
A terceira república
A terceira repúblicaA terceira república
A terceira república
 

Mais de karolpoa

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
karolpoa
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
karolpoa
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
karolpoa
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
karolpoa
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
karolpoa
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
karolpoa
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
karolpoa
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
karolpoa
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
karolpoa
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
karolpoa
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
karolpoa
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
karolpoa
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
karolpoa
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
karolpoa
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
karolpoa
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
karolpoa
 

Mais de karolpoa (20)

Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticosAula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
Aula preocessos superficiais, conservação e uso de geossintéticos
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Minerais
MineraisMinerais
Minerais
 
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosferaOs ventos e a circulação geral da atmosfera
Os ventos e a circulação geral da atmosfera
 
Climatologia no brasil
Climatologia no brasilClimatologia no brasil
Climatologia no brasil
 
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
Sedimentos e rochas sedimentares 2014-2
 
Intemperismo e erosão
Intemperismo e erosãoIntemperismo e erosão
Intemperismo e erosão
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico4 ciclo hidrológico
4 ciclo hidrológico
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Agua nos solos
Agua nos solosAgua nos solos
Agua nos solos
 
Aula classificação dos solos
Aula classificação dos solosAula classificação dos solos
Aula classificação dos solos
 
Ciclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticasCiclodas rochas rochas magmaticas
Ciclodas rochas rochas magmaticas
 
3 atmosfera
3 atmosfera3 atmosfera
3 atmosfera
 
2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia2 paleoclimatologia
2 paleoclimatologia
 
1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima1 noções de tempo e clima
1 noções de tempo e clima
 
Aula 2
Aula 2Aula 2
Aula 2
 
3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica3.1 análise granulométrica
3.1 análise granulométrica
 
Aula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicasAula 3 propriedades morfológicas
Aula 3 propriedades morfológicas
 
Aula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solosAula 2 origem dos solos
Aula 2 origem dos solos
 

A industrialização brasileira pós 2ª guerra

  • 3. Até o séc. XVIII e o início do XIX, o Brasil permaneceu atado aos interesses da metrópole, sofrendo barreiras ao nosso desenvolvimento industrial.
  • 4. O café, porém, permitiu a acumulação de capital que serviu para implantar toda infra-estrutura necessária ao impulso da atividade industrial.
  • 5. Vários foram os fatores que contribuíram para a intensificação da indústria brasileira, dentre os principais: crescimento acelerado dos grandes centros urbanos derivado do fenômeno do êxodo rural, promovido pela queda do café. A partir dessa migração houve um grande aumento de consumidores, apresentando a necessidade de produzir bens de consumo para a população.
  • 6. Havia também grande disponibilidade de mão-de-obra imigrante liberada dos cafezais e produção de energia elétrica. Além disso, com o colapso econômico mundial, diminuiu a entrada de mercadorias que competiriam com as nacionais.
  • 7. Estes fatores foram fundamentais para o processo de industrialização de SP, além de áreas dos estados do RJ, RS e MG. A maior parte das indústrias era de bens de consumo, com destaque para indústrias têxteis e alimentícias.
  • 8. A indústria de bens de produção dedica-se à produção de máquinas e equipamentos pesados destinados às fábricas. A produção de alimentos, vestuário, utensílios domésticos e aparelhos eletrônicos cabe à indústria de bens de consumo.
  • 9. A indústria de produtos intermediários transforma matérias-primas em produtos para outras indústrias. É o caso da siderúrgia, da petroquímica de base e da indústria de materiais de construção. O plástico, a borracha, o vidro, o papel e os componentes eletrônicos, dentre outros, são exemplos de produtos dessa indústria.
  • 10. Em 1930 Getúlio Vargas adota uma política industrializante, a substituição de mão-de-obra imigrante pela nacional. Essa mão-de-obra era formada no Rio de Janeiro e São Paulo em função do êxodo rural e dos movimentos migratórios de nordestinos.
  • 11. De 1930 a 56 a industrialização caracterizou-se por uma estratégia governamental de implantação de estatais de bens de produção e infraestrutura. Ex.: siderurgia (CSN), Conselho nacional do petróleo, extração mineral (CVRD) e produção de energia hidrelétrica (Chesf).
  • 12. Além de fornecer os bens de produção e serviços as industrias privadas, o governo prestava esse serviço por preços mais baixos. Essa medida visava o fortalecimento do parque industrial brasileiro, uma política fortemente nacionalista.
  • 13. Foi no governo Getúlio Vargas (193045) que iniciou a adoção de medidas fiscais e cambiais. Que medidas foram estas???
  • 14. As duas principais medidas foram a desvalorização da moeda nacional em relação ao dólar, encarecendo o produto importado, e a implantação de leis e tributos que restringiam ou proibiam a importação de produtos que pudessem ser fabricados internamente.
  • 15. Ao final da Segunda Guerra Mundial o Brasil dispunha de grandes reservas de moeda estrangeira, divisas, fruto de ter exportado mais do que importado. Houve um crescimento de 8,9% de 1946 a 1950.
  • 16. Em 1946 teve início a produção de aço da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Volta Redonda, que abriu perspectivas para o desenvolvimento industrial do pais, já que o aço constitui a base ou a "matriz" para vários ramos ou tipos de indústrias.
  • 17. Depois da Guerra a Europa não tinha condições de exportar produtos industrializados, pois todo o continente se encontrava totalmente devastado pelo confronto armado, então o Brasil teve que incrementar o seu parque industrial e realizar a conhecida industrialização por substituição de exportação.
  • 18. Com a saída de Getúlio Vargas, Gaspar Dutra assumiu em 1946 e instituiu o Plano Salte. Do que se tratava este plano???
  • 19. Mas houve forte mudança na política econômica do país com a abertura a importação e boa parte das reservas acumuladas ao longo da Segunda Guerra foram utilizadas. Isso levou a desvalorização do cruzeiro, dos salários e a inflação.
  • 20. Em 1951 Getúlio volta ao poder e dedica-se a criação da Petrobrás e do BNDES. O próximo governo (56-61) de Juscelino criou o Plano de Metas (50 anos em 5). Neste plano 73% dos investimentos foram para energia e transporte. Com o crescimento da infra-estrutura veio o ingresso de capital estrangeiro e crescimento da produção industrial.
  • 21. Houve um grande crescimento da indústria de bens de produção que cresceu 370% O crescimento da indústria de bens de produção refletiu-se principalmente nos seguintes setores: siderúrgico e metalúrgico (automóveis); químico e farmacêutico; construção naval.
  • 22. Foi nesse período que ocorreu em maior escala a internacionalização da economia brasileira com a participação de empresas multinacionais, num processo de substituição de importações.
  • 23. O plano de metas resultou num significativo aumento da inflação e da dívida externa. A concentração das indústrias no sudeste fez o governo federal criar as superintendências de desenvolvimento. (sudene, sudam, sudeco, sudesul) todas extintas ou transformadas em agências de desenvolvimento a partir de 1990).
  • 24. Durante o governo de João Goulart (Jango, 61-64) houve aumento da inflação e do desemprego e redução nas taxas de crescimento que ocasionaram várias greves. O Estado investe preferencialmente em setores que beneficiam as empresas privadas como o da construção de usinas e rodovias.
  • 25. No período militar o Brasil foi de 43º PIB para 9º PIB, houve um grande crescimento do parque industrial e os setores de energia, transporte e comunicação se modernizaram. Esse crescimento foi as custas de empréstimos o que elevou a dívida externa de 3,7 para 95 bilhões.
  • 27. Conjunto de fatores que levam determinada indústria a localizar-se em determinado ponto ou área geográfica. Em termos gerais as indústrias tendem a localizar-se em lugares onde o fornecimento, produção e distribuição dos produtos acarretem os menores custos possíveis.
  • 28. 1930: A concentração espacial da indústria do Brasil encontrava-se na Região Sudeste. Sudeste (80,7%), Sul (12%), Nordeste (5,7%), Norte (1%) e Centro-Oeste (0,6%). 1970: Desconcentração no sentido das capitais para o interior de cada Estado e no sentido Sudeste para as outras regiões.
  • 29. Sudeste e Sul (próximo à Argentina, Paraguai e Uruguai) são as duas regiões com o maior número de empresas e trabalhadores empregados do Brasil. Hoje: Sudeste (49,6%), Sul (28,9%), Nordeste (12,1%), Norte (3,1%) e CentroOeste (6,3%). A oferta de mão de obra qualificada fora da Região Sudeste, geralmente com menores salários.
  • 30. Os incentivos fiscais ofertados por outros estados e municípios (guerra fiscal); O abandono de áreas tradicionais, de elevados custos de produção; Uma menor organização sindical dos trabalhadores nas cidades de pequeno e médio porte (o que permite manter baixos salários ou concentração sem registro em carteira de trabalho).
  • 31. Referências SENE, Eustáquio de & MOREIRA, João Carlos. Geografia Geral e do Brasil, volume 3. são Paulo: Scipione, 2010. MARTINS, Acácio. Disponivel em: <http://www.slideshare.net/karolpoa/savedfiles /?s_title=cap-4-a-industrializaobrasileira&user_login=profacacio>. Acesso em: