SlideShare uma empresa Scribd logo

Industrialização brasileira

As fases da Industrialização Brasileira

Industrialização brasileira

1 de 31
Baixar para ler offline
COLÉGIO MODELO LUÍS EDUARDO
           MAGALHÃES




INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA
    Prof: Socorro Aguiar
        Bonfim,2012
INDUSTRIALIZAÇÃO
BRASILEIRA
              base            siderúrgica,quimica
Industria
              Bens de consumo         duráveis
                                      não duráveis

                 proximidade de matéria primas
                 energia
 Fatores         Mao de obra
locacionais      mercado consumidor
                 Transporte
                 isenção de impostos legislação ambiental fraca
 O primeiro período   Proibição
      1500 a 1808;

 O segundo período    Implantação      primeira fases
    1808 a 1930,                        segunda fase


 O terceiro período   R.I.Brasileira
    1930 a 1956,

 O quarto período     internacionalização
    após 1956,         da economia
 
Proibição
 A metrópole        estabelecimento de indústrias na colônia.
 Riscos: concorrência, independência financeira e política


 Na segunda metade do século XVIII       algumas indústrias
  começaram a crescer: ferro ,têxtil.

 1785, D. Maria I      alvará, extinguindo todas as manufaturas
  têxteis da colônia, exceto escravos e trabalhadores.
implantação
                  Primeira fase (1808-1850)
 chegada da família real          revogação do alvará.
 Abertura dos Portos     o Brasil continua dependente do
  exterior.

 Em 1828       revogado o protecionismo, pois cobraria uma
  sobretaxa de 16% sobre os produtos estrangeiros.

 1844 Lei Alves Branco      20% não similares e 60% similares.

 Em 1846 a indústria têxtil obteve incentivos fiscais e, no ano
  seguinte, as matérias-primas necessárias à indústria do país
  receberam isenção das taxas alfandegárias
implantação
                Segunda fase (1850-1930)
 1850 Lei Eusébio de Queirós     capitais p/ setor industrial.
                                  Estimula de mão-de-obra
                                  assalariada a cafeicultura.
                                   (imigrantes)
 substituição de importações.


 Crescimento do setor alimentício (exportação de carne,
                                     ultrapassando o setor têxtil.)

 Continuidade, na dependente do setor agroexportador,
  especialmente o café, que respondia por aproximadamente 70%
  das exportações brasileiras

Recomendados

Aula Geopolitica
Aula GeopoliticaAula Geopolitica
Aula GeopoliticaItalo Alan
 
Formação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilFormação Territorial Do Brasil
Formação Territorial Do BrasilLuciano Pessanha
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoArtur Lara
 
Industrialização brasil
Industrialização brasilIndustrialização brasil
Industrialização brasiledsonluz
 
Industrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoIndustrialização e urbanização brasileira 7 ano
Industrialização e urbanização brasileira 7 anoEponina Alencar
 
Urbanização brasileira
Urbanização brasileiraUrbanização brasileira
Urbanização brasileiraAbner de Paula
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILAnderson Silva
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)Nefer19
 
A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)Paulo Alexandre
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1eunamahcado
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicosArtur Lara
 
Nova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialNova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialCarminha
 
Ciclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilCiclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilThiago Tavares
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesProfessor
 
Estratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América LatinaEstratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América LatinaOxana Marian
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasilProfessor
 

Mais procurados (20)

Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASILO PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO NO BRASIL
 
Capitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismoCapitalismo e socialismo
Capitalismo e socialismo
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
O Processo de Industrialização do Brasil - 7º Ano (2017)
 
A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)A Nova Ordem Mundial (PDF)
A Nova Ordem Mundial (PDF)
 
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais UrbanosModulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
Modulo 08 - Problemas Ambientais Urbanos
 
Demografia
DemografiaDemografia
Demografia
 
Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1Industrialização+brasileira 1
Industrialização+brasileira 1
 
População brasileira
População brasileiraPopulação brasileira
População brasileira
 
Blocos econômicos
Blocos econômicosBlocos econômicos
Blocos econômicos
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Nova Ordem Mundial
Nova Ordem MundialNova Ordem Mundial
Nova Ordem Mundial
 
Ciclos economicos brasil
Ciclos economicos brasilCiclos economicos brasil
Ciclos economicos brasil
 
Urbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópolesUrbanização, rede urbana e metrópoles
Urbanização, rede urbana e metrópoles
 
Migrações no brasil
Migrações no brasilMigrações no brasil
Migrações no brasil
 
Estratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América LatinaEstratégias de industrialização da América Latina
Estratégias de industrialização da América Latina
 
A indústria no brasil
A indústria no brasilA indústria no brasil
A indústria no brasil
 
Região Sudeste
Região SudesteRegião Sudeste
Região Sudeste
 

Destaque

Mascaras africanas
Mascaras africanasMascaras africanas
Mascaras africanasLena Dias
 
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o EnemA formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o EnemJoemille Leal
 
Cultura do brasil
Cultura do brasilCultura do brasil
Cultura do brasilPetronillio
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileiraEdvilson Itb
 
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...petecoslides
 
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015 Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015 Claudia Mascarenhas
 
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...iinterativa
 
CPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGOCPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGOfidef2015
 
Tutorial power point
Tutorial power pointTutorial power point
Tutorial power pointMarcia Mendes
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileirafernandesrafael
 
Como criar um power point
Como criar um power pointComo criar um power point
Como criar um power pointRui Cunha
 
A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraProfMario De Mori
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasilgeozecarlos
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaçoLuciano Pessanha
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraprofacacio
 
Influência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na culturaInfluência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na culturaJéssika Silva
 

Destaque (20)

Mascaras africanas
Mascaras africanasMascaras africanas
Mascaras africanas
 
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o EnemA formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
A formação da cultura brasileira/ Dicas para o Enem
 
Cultura do brasil
Cultura do brasilCultura do brasil
Cultura do brasil
 
A cultura brasileira
A cultura brasileiraA cultura brasileira
A cultura brasileira
 
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...Aula 27   a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
Aula 27 a previdência social sob a mira dos fundos de pensão (economia bras...
 
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015 Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
Teorias da aprendizagem Claudia Mascarenhas PUCRS pós graduação 2015
 
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
Soluções para Fundos de Pensão: Como melhorar o relacionamento com o particip...
 
CPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGOCPI Fundos de Pensão - 20 AGO
CPI Fundos de Pensão - 20 AGO
 
Tutorial power point
Tutorial power pointTutorial power point
Tutorial power point
 
Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Como criar um power point
Como criar um power pointComo criar um power point
Como criar um power point
 
A IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO BrasileiraA IndustrializaçãO Brasileira
A IndustrializaçãO Brasileira
 
Industrialização do brasil
Industrialização do brasilIndustrialização do brasil
Industrialização do brasil
 
Industrialização brasileira alterações no espaço
Industrialização brasileira   alterações no espaçoIndustrialização brasileira   alterações no espaço
Industrialização brasileira alterações no espaço
 
Apresentacao piajet
Apresentacao piajetApresentacao piajet
Apresentacao piajet
 
Cap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileiraCap. 4 - A industrialização brasileira
Cap. 4 - A industrialização brasileira
 
Influência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na culturaInfluência dos saberes africanos na cultura
Influência dos saberes africanos na cultura
 
Tomas de aquino
Tomas de aquinoTomas de aquino
Tomas de aquino
 
Africanidade
AfricanidadeAfricanidade
Africanidade
 
Vygotsky
VygotskyVygotsky
Vygotsky
 

Semelhante a Industrialização brasileira

Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileiraflornomandacaru
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRABruno Lima
 
Brasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoBrasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoSalageo Cristina
 
O processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do BrasilO processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do BrasilCristina Soares
 
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com  industrialização do tipo tardiaBrasil capitalista com  industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardiaSalageo Cristina
 
Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilMoacir E Nalin
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoAna Maciel
 
Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil ELTONDASILVARODRIGUE
 
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômicoFabíola de Medeiros
 
A dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográficaA dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográficaPedro Neves
 
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxUrbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxGabriellyReis7
 
Urbanização brasileira aulão enem
Urbanização brasileira   aulão enemUrbanização brasileira   aulão enem
Urbanização brasileira aulão enemSilmara Vedoveli
 
Notas sobre o processo da industrialização no Brasil
Notas sobre o processo da industrialização no BrasilNotas sobre o processo da industrialização no Brasil
Notas sobre o processo da industrialização no BrasilGabrieldibernardi
 
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...Ingrit Silva Sampaio
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileiraCADUCOC1
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileirahsjval
 

Semelhante a Industrialização brasileira (20)

Industrialização brasileira
Industrialização brasileiraIndustrialização brasileira
Industrialização brasileira
 
Urbanização do Rio de Janeiro
Urbanização do Rio de JaneiroUrbanização do Rio de Janeiro
Urbanização do Rio de Janeiro
 
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRAINDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
INDUSTRIALIZAÇÃO E URBANIZAÇÃO BRASILEIRA
 
Brasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrializaçãoBrasil capitalista , processo de industrialização
Brasil capitalista , processo de industrialização
 
O processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do BrasilO processo de industrialização e urbanização do Brasil
O processo de industrialização e urbanização do Brasil
 
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com  industrialização do tipo tardiaBrasil capitalista com  industrialização do tipo tardia
Brasil capitalista com industrialização do tipo tardia
 
Industrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasilIndustrializaçao no brasil
Industrializaçao no brasil
 
A industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completoA industrialização no Brasil - Material completo
A industrialização no Brasil - Material completo
 
Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil Urbanização e industrialização no Brasil
Urbanização e industrialização no Brasil
 
Prática curricular iv
Prática curricular ivPrática curricular iv
Prática curricular iv
 
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
(Brasil) Industrialização e desenvolvimento econômico
 
A dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográficaA dinâmica urbano industrial e demográfica
A dinâmica urbano industrial e demográfica
 
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptxUrbanização no Brasil Gaby.pptx
Urbanização no Brasil Gaby.pptx
 
Urbanização brasileira aulão enem
Urbanização brasileira   aulão enemUrbanização brasileira   aulão enem
Urbanização brasileira aulão enem
 
Unidade 4
Unidade 4Unidade 4
Unidade 4
 
Notas sobre o processo da industrialização no Brasil
Notas sobre o processo da industrialização no BrasilNotas sobre o processo da industrialização no Brasil
Notas sobre o processo da industrialização no Brasil
 
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
Geografia: Formação territorial e regionalismo do Brasil, O meio técnico-cien...
 
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileiraPARTE 2 da AULA 1 -  industria brasileira
PARTE 2 da AULA 1 - industria brasileira
 
Obj geografia - industrialização brasileira 01
Obj   geografia - industrialização brasileira 01Obj   geografia - industrialização brasileira 01
Obj geografia - industrialização brasileira 01
 
Industrializacao Brasileira
Industrializacao BrasileiraIndustrializacao Brasileira
Industrializacao Brasileira
 

Último

COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfalexandrerodriguespk
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Jean Carlos Nunes Paixão
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.azulassessoriaacadem3
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...azulassessoriaacadem3
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...azulassessoriaacadem3
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba InicialTeresaCosta92
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfkeiciany
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfalexandrerodriguespk
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdfkelvindasilvadiasw
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfAnaRitaFreitas7
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...azulassessoriaacadem3
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...manoelaarmani
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...azulassessoriaacadem3
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoPaula Meyer Piagentini
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...AaAssessoriadll
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIAHisrelBlog
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOColaborar Educacional
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfkeiciany
 

Último (20)

COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdfCOSMOLOGIA DA ENERGIA -  ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
COSMOLOGIA DA ENERGIA - ESTRELAS - MODELO DO UNIVERSO VOLUME 6.pdf
 
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
Atividades sobre as Fontes Históricas e Patrimônio.
 
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
1) Cite os componentes que devem fazer parte de uma sessão de treinamento.
 
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
1. Considerando todas as informações que você obteve, descritas acima, calcul...
 
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
1. Ciente das novas dinâmicas do mundo do trabalho, você deve pesquisar e des...
 
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba InicialDomínio da Linguagem  Oral Classificação Sílaba Inicial
Domínio da Linguagem Oral Classificação Sílaba Inicial
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 6º ANO.pdf
 
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdfCosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
Cosmologia Modelo Matemático do Universo 5.pdf
 
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
2° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
3° ENSINO MÉDIO PLANO ANUAL ARTES 2024.pdf
 
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdfLINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
LINKS 25 DE ABRIL TRABALHO DAC HISTORIA.pdf
 
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
5. ​Agora suponha que esse mesmo aluno é do sexo feminino, você irá utilizar ...
 
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
Minimalismo Fitness Simplifique sua Rotina de Exercícios e Maximize Resultado...
 
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptxSlides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
Slides Lição 8, CPAD, A Disciplina na Igreja, 1Tr24, Pr Henrique, EBD NA TV.pptx
 
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
5. Na sua opinião, em que medida os princípios da ORT de Taylor ainda são rel...
 
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e QuinhentismoTrovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
Trovadorismo, Humanismo, Classicismo e Quinhentismo
 
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
Quando iniciamos os estudos sobre a história da Educação de Jovens e Adultos,...
 
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIACOMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
COMTE, O POSITIVISMO E AS ORIGENS DA SOCIOLOGIA
 
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADOPROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
PROJETO DE EXTENSÃO I - SERVIÇO SOCIAL/SERVIÇO SOCIAL - BACHARELADO
 
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdfPLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
PLANO DE CURSO 2O24- ENSINO RELIGIOSO 8º ANO.pdf
 

Industrialização brasileira

  • 1. COLÉGIO MODELO LUÍS EDUARDO MAGALHÃES INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA Prof: Socorro Aguiar Bonfim,2012
  • 2. INDUSTRIALIZAÇÃO BRASILEIRA base siderúrgica,quimica Industria Bens de consumo duráveis não duráveis proximidade de matéria primas energia  Fatores Mao de obra locacionais mercado consumidor Transporte isenção de impostos legislação ambiental fraca
  • 3.  O primeiro período Proibição 1500 a 1808;  O segundo período Implantação primeira fases 1808 a 1930, segunda fase  O terceiro período R.I.Brasileira 1930 a 1956,  O quarto período internacionalização após 1956, da economia  
  • 4. Proibição  A metrópole estabelecimento de indústrias na colônia.  Riscos: concorrência, independência financeira e política  Na segunda metade do século XVIII algumas indústrias começaram a crescer: ferro ,têxtil.  1785, D. Maria I alvará, extinguindo todas as manufaturas têxteis da colônia, exceto escravos e trabalhadores.
  • 5. implantação Primeira fase (1808-1850)  chegada da família real revogação do alvará.  Abertura dos Portos o Brasil continua dependente do exterior.  Em 1828 revogado o protecionismo, pois cobraria uma sobretaxa de 16% sobre os produtos estrangeiros.  1844 Lei Alves Branco 20% não similares e 60% similares.  Em 1846 a indústria têxtil obteve incentivos fiscais e, no ano seguinte, as matérias-primas necessárias à indústria do país receberam isenção das taxas alfandegárias
  • 6. implantação Segunda fase (1850-1930)  1850 Lei Eusébio de Queirós capitais p/ setor industrial. Estimula de mão-de-obra assalariada a cafeicultura. (imigrantes)  substituição de importações.  Crescimento do setor alimentício (exportação de carne, ultrapassando o setor têxtil.)  Continuidade, na dependente do setor agroexportador, especialmente o café, que respondia por aproximadamente 70% das exportações brasileiras
  • 7. Revolução Industrial  Período marcado pela Revolução de 1930, ou seja, a Era Vargas  investimento na indústria de base e pela substituição da mão de obra imigrante pela nacional.  Destaca-se a criação de: Conselho Nacional do Petróleo (1938) Companhia Siderúrgica Nacional (1941) Companhia Vale do Rio Doce (1943) Companhia Hidrelétrica do São Francisco (1945) Petrobrás (1953)  Desenvolvimento industrial a partir de 1930: Êxodo rural  Redução de importações em decorrência da 2ª Guerra Mundial  Crescimento diminui  No segundo governo Vargas (1951-1954), os projetos de desenvolvimento baseados no capitalismo de Estado, através de investimentos públicos no extinto Instituto Brasileiro do Café (IBC, em 1951), BNDES, dentre outros J K Plano de Metas,
  • 8. Internacionalização Governo J K (1956 a 1961) Ao final da Segunda Guerra Mundial: grandes reservas de moeda estrangeira, divisas, fruto de ter exportado mais do que importado. crescimento de 8,9% de 1946 a 1950.  Deslanche industrial;  Plano de metas- 31 metas, voltadas para educação, transportes, vias de transporte, construir um parque automobilístico, infra-estrutura;  Crescer 50 anos em 5;  Capital nacional e estrangeiro;  Criou a UNB (Universidade de Brasília), investiu na EMBRATEL, CSN,Petrobras.
  • 9. Pontos positivos  Positivo- urbanização, mais acesso á saúde, educação e saneamento básico  Criação de inúmeras cidades;  O país deixa de ser agroexportador para exportador de produtos industrializados;  Criação de novos empregos.
  • 10. Pontos negativos  Forte endividamento externo;  Êxodo rural;  Favelização;  Aumento da violência urbana.
  • 11. Internacionalização Milagre econômico ou brasileiro (1967 a 1973)  General Médici- consolidou o crescimento industrial;  Recursos usados em empresas estatais, privadas, multinacionais principalmente no segmento industrial;  Crescimento do mercado externo (exportação);  Atraiu muitas multinacionais com mão de obra barata, redução de impostos, matéria prima em grande quantidade;  Qualquer manifestação por melhores salários eram duramente reprimidos pelo governo.  Ufanista de “Brasil potência”Copa 70 (México)“Brasil, ame-o ou deixe-o
  • 12. INDUSTRIALIZAÇÃO CONTEMPORÂNEA  Esta relacionada a evolução técnico-científica;  Maior qualificação da mão de obra;  Desconcentração industrial;  Holding- controle de várias empresas mediante a aquisição de suas ações
  • 13. Importante Cafeicultura Guerras mundiais Getulio Vargas –industria de base JK- indústria - bens de consumo duráveis - capital estrangeiro Ditadura militar
  • 14. Tecnopolos  São centro industriais ou cidades com conjunto de métodos industriais de inovações tecnológicas;  Capazes de criar, reciclar, difundir tecnologia de ponta;  Apoio de universidades e instituições de ensino;  Mão de obra de elevado padrão técnico-científico.
  • 16. SUDESTE  É responsável por mais da metade de toda a atividade industrial do país;  O Estado de São Paulo é o maior destaque: concentra cerca de 40% dos estabelecimentos industriais e 48% do pessoal ocupado nas industrias;  A grande São Paulo, sobretudo o ABC, Diadema, Osasco, Guarulhos e outras áreas metropolitanas, possui a maior concentração industrial da América Latina;
  • 17.  Minas Gerais- 1º lugar em produção de aço do país;  Vem aumentando a cada ano a produção industrial;  Esta posição esta apoiada na abundancia de recursos minerais;  Usiminas, Belgo-Mineira entre outras
  • 18.  RIO DE JANEIRO- Grande Rio Poli-industrial, construção naval, química, refino de petróleo, turismo entre outros;  CSN em Volta Redonda;  Siderúrgica Barra Mansa ;
  • 19. Região Sul  Segunda região mais industrializada;  As indústria mais importantes são as de bens de consumo: alimentícias, frigoríficos e vinícolas;  Forte colonização européia
  • 20. Região Centro-Oeste, Norte e Nordeste  A região Nordeste é a terceira mais industrializada, produtos minerais, alimentação, metalúrgica, refino de petróleo, fumo entre outros;  Região Norte- setor eletrônico em Manaus, Belém e Macapá;  Região Centro-Oeste- Mecanização da atividades primárias;  Regiões periféricas- enclaves industriais
  • 21. Produção do espaço urbano  A urbanização ocorre quando há aumento da porcentagem da população urbana e está relacionada ao conjunto de intervenção no espaço urbano para melhores infraestruturas.  No Brasil, o processo acelerado de urbanização ocorreu no período de intensa industrialização do pós-guerra, tendo se iniciado nas últimas décadas do século XX.  De acordo com as estatísticas oficiais produzidas em 2004 pelo IBGE, cerca de 81% da população brasileira estava concentrada nas cidades no ano 2000.
  • 22. Produção do espaço urbano Populações urbana e rural 3 O processo de urbanização
  • 23. O êxodo rural e suas causas O processo de urbanização brasileiro está relacionado com o êxodo rural. Repulsão da força de Atração da força de trabalho trabalho do campo nas cidades Formação de uma Empregos superpopulação relativa Surgimento do trabalho informal Latifúndio
  • 24. Urbanização e desigualdades regionais Evolução regional da urbanização 3 O processo de urbanização
  • 25. A rede urbana brasileira Brasil: hierarquia urbana
  • 26. Os espaços metropolitanos  Em 1950, o Brasil tinha três cidades de grande porte: Rio de Janeiro, São Paulo e Recife, que abrigavam mais de 500 mil habitantes.  Em 2000, 30 cidades já haviam ultrapassado a marca de meio milhão de habitantes, perfazendo um total de cerca de 57 milhões de pessoas.  O caráter pontual e concentrador da urbanização decorreu das condições em que ocorreu a modernização da economia do país.  A concentração econômica determinou a aglomeração espacial: o resultado foi a metropolização.
  • 27. As metrópoles e a gestão pública A expansão econômica das metrópoles produziu o crescimento demográfico do núcleo urbano central e dos demais situados no seu entorno. Integração física das manchas Separação das manchas urbanizadas urbanizadas por áreas rurais Conurbação Integração funcional Descompasso entre os limites municipais e a mancha urbanizada 3 O processo de urbanização
  • 28. As metrópoles e a gestão pública Estrutura territorial das megacidades
  • 29.  Megacidade – cidade populosa com uma população total de 10 milhões ou mais de habitantes;  Cidade Global – cidade que exerce influencia a nível mundial independente do número de habitantes.  No Brasil somente RJ e SP são cidades globais.
  • 30. As metrópoles e a gestão pública  A Grande São Paulo, terceira maior metrópole do mundo, abriga nos seus 39 municípios quase 18 milhões de habitantes, cerca de 10% da população nacional.  O lixo coletado diariamente está em torno de 16 mil toneladas.  O número de veículos supera 6 milhões na capital e 18 milhões no estado.  Ocorrem aproximadamente EARTH SATELLITE/LATINSTOCK 11,5 milhões de viagens/dia em transportes coletivos.  A população favelada é de cerca de 1 milhão de habitantes. Os 39 municípios da região metropolitana de São Paulo formam uma única e imensa mancha urbana. Imagem captada por satélite em 2001. 3 O processo de urbanização
  • 31. A megalópole e a metrópole expandida  São Paulo e Rio de Janeiro, separadas por apenas cerca de 400 km, configuram o principal eixo econômico do país.  A expansão das suas regiões metropolitanas e das cidades localizadas sobre o eixo de circulação que as conecta está conduzindo ao surgimento da primeira megalópole do país. A megalópole em formação

Notas do Editor

  1. Professor : o trecho que selecionamos do documentário Motoboys – Vida Loca traz a entrevista do urbanista Paulo Mendes da Rocha sobre a formação dos centros urbanos.
  2. Professor : o ritmo da transferência da população do meio rural para o meio urbano é bastante heterogêneo. No Sudeste, a população urbana ultrapassou a rural na década de 1950. A urbanização do Centro-Oeste foi impulsionada pela fundação de Brasília, em 1960. A região Sul, pelo contrário, conheceu urbanização lenta até o início da década de 1970. No Nordeste, a trajetória da urbanização permaneceu relativamente lenta. A estrutura agrária assentada sobre minifúndios familiares, na faixa do agreste, contribuiu para reter a força de trabalho no campo e controlar o ritmo do êxodo rural. A região Norte foi a segunda mais urbanizada há algumas décadas, tendo se transformado na menos urbanizada na década de 1980.
  3. Professor : a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo.
  4. Professor : a escala indicada se refere ao mapa impresso no módulo.