SlideShare uma empresa Scribd logo
Os órgãos dos sentidos fundamentais do corpo
humano constituem as funções que propiciam
o nosso relacionamento com o ambiente.


Por meio dos sentidos, o nosso corpo pode
perceber muita coisa do que nos rodeia
contribuindo para a nossa sobrevivência e
integração com o ambiente em que vivemos.
SIMPLIFICANDO


a) Nosso corpo recebe os estímulos externos;


b) Nervos locais conduzem impulsos nervosos
provocados por esses estímulos ao cérebro;


 c)    No    cérebro,    esses  impulsos são
"processados" (resultando na capacidade de
distinguir percepções diversas.
Para a percepção dos sentidos básicos,
funcionam três setores fundamentais:

Receptores:
 São estruturas ou órgãos especiais que
recebe o estímulo exterior. Os olhos, os
ouvidos, os sensoriais da pele e da língua,
as terminações nervosas da mucosa nasal

Condutores:
São os nervos que transmitem ao cérebro
os impulsos nervosos nascidos do estímulo
captado pelo receptor.
Transformadores:

São as áreas específicas do córtex cerebral,
cujos neurônios "interpretam" os impulsos
nervosos como percepção de sentidos.

Podemos distinguir o que é luz, do que é som, o
que é gosto, do que é cheiro, o que é tato
suave, do que é dor.

Essa capacidade de distinguir estímulos
ambientais de natureza diversa é o que
chamamos de sensibilidade.
ÓRGÃO DOS
   SENTIDOS

estão encarregados de
       receber

 estímulos externos.
SENTIDOS
OLHO HUMANO:
É o nosso olho que capta as imagens do mundo
externo → A luz chega à córnea →Através da
pupila →Ao atingir o cristalino, converge os raios
luminosos para um ponto focal sobre a retina →Na
retina, as células sensíveis transformam a luz em
impulsos eletroquímicos   →Estes    impulsos são
enviados ao cérebro pelo nervo óptico →Ali, no
córtex visual, se dá o processamento das imagens
recebidas pelos olhos direito e esquerdo,
completando nossa sensação visual.
AUDIÇÃO
na orelha interna, as vibrações
mecânicas se transformam em ondas
de pressão hidráulica → A vibração
provocada pela movimentação da
cadeia ossicular → move as células
ciliares do órgão de Corti → gerando
um potencial de ação que é transmitido
aos centros auditivos do tronco
encefálico e do córtex cerebral.
Os sentidos gustativo e olfativo são chamados
sentidos químicos, porque seus receptores são
excitados por estimulantes químicos.
- Os receptores gustativos são excitados por
substâncias químicas existentes nos alimentos,
enquanto que os receptores olfativos são excitados
por substâncias químicas do ar.
- Esses sentidos trabalham conjuntamente na
percepção dos sabores.
- O centro do olfato e do gosto no cérebro combina
a informação sensorial da língua e do nariz.
O receptor sensorial do paladar é a papila
gustativa.
É constituída por células epiteliais localizadas em
torno de um poro central na membrana mucosa
basal da língua.
Na superfície de cada uma das células gustativas
observam-se prolongamentos finos como pêlos,
projetando-se em direção da cavidade bucal;
são chamados microvilosidades.
Essas estruturas fornecem a superfície receptora
para o paladar.
Para que se possa sentir o gosto de uma substância, ela
deve primeiramente ser dissolvida no líquido bucal e
difundida através do poro gustativo em torno das
microvilosidades.


Portanto substâncias altamente solúveis e difusíveis,
como sais ou outros compostos que têm moléculas
pequenas, geralmente fornecem graus gustativos mais
altos do que substâncias pouco solúveis difusíveis, como
proteínas e outras que possuam moléculas maiores.
Quando o alimento é ingerido, o tipo de sensação
gustativa, atua através de reflexos às glândulas salivares
da boca para estimular a secreção salivar .
As Quatro Sensações Gustativas

Na superfície da língua existem dezenas de papilas
gustativas, cujas células sensoriais percebem os
quatro sabores primários, aos quais chamamos
sensações gustativas primárias: amargo, azedo ou
ácido , salgado e doce .
De sua combinação resultam centenas de sabores
distintos.
A distribuição dos quatro tipos de receptores
gustativos, na superfície da língua, não é
homogênea.
As papilas gustativas possuem
graus de sensibilidade para cada
uma das sensações gustativas
primárias.
O cérebro detecta o tipo de gosto
pela relação de estimulação
entre as diferentes papilas
gustativas.
o cérebro interpreta a sensação
como de salinidade, embora
outras papilas tenham sido
estimuladas, em menor extensão,
ao mesmo tempo.
Preparações Culinárias
Cada preparação ativa uma diferente combinação de
sabores básicos, ajudando a torná-la única.
Todas as receitas têm um sabor distinto como
resultado da soma de seu gosto e cheiro, percebidos
simultaneamente.


A sensação de dor também é essencial para
sentirmos o sabor picante e estimulante das comidas
apimentadas.
REGULAÇÃO PELAS SENSAÇÕES
            GUSTATIVAS
 As sensações gustativas obviamente auxiliam
           na regulação da dieta.
  Por exemplo, o sabor doce é normalmente
   agradável, o que faz com que procure
      preferentemente alimentos doces.
 Por outro lado, o gosto amargo é geralmente
 desagradável, fazendo com que os alimentos
amargos, que geralmente são venenosos, sejam
                   rejeitados.
 O gosto ácido é muitas vezes desagradável, o
   mesmo ocorrendo com o sabor salgado.
FISIOLOGIA DO SABOR


Isto é, a carência de um determinado tipo de nutriente
geralmente intensifica uma ou mais sensações
gustativas e faz com que a pessoa procure alimentos
que possuam o gosto característico do alimento de
que carece.
IMPORTÂNCIA DO OLFATO NO PALADAR


As sensações olfativas funcionam ao lado das
sensações gustativas, auxiliando no controle do
apetite e da quantidade de alimentos que são
ingeridos.
TRANSMISSÃO DE ESTÍMULOS AO SISTEMA
          NERVOSO CENTRAL
As vias de transmissão dos estímulos gustativos ao
tronco cerebral e daí ao córtex cerebral.
Os estímulos passam das papilas gustativas na
boca ao tracto solitário, localizado na medula
oblonga (bulbo).
Em seguida, os estímulos são transmitidos ao
tálamo; do tálamo passam ao córtex gustativo
primário    e,   subseqüentemente,   às   áreas
associativas gustativas circundantes e à região
integrativa comum que é responsável pela
integração de todas as sensações.
As informações recolhidas pelo nosso nariz e
boca seguem para o cérebro, onde são
interpretadas.


Os receptores olfativos são neurônios genuínos,
com receptores próprios que penetram no
sistema nervoso central.
OLFATO E PALADAR
O olfato tem importante papel na distinção dos
alimentos.
Enquanto mastigamos, sentimos simultaneamente o
paladar e o cheiro.
O olfato, como a visão, possui uma enorme
capacidade adaptativa.
No início da exposição a um odor muito forte, a
sensação olfativa pode ser bastante forte também,
mas, após um minuto, aproximadamente, o odor
será quase imperceptível.
Porém, ao contrário da visão, capaz de perceber um
grande número de cores ao mesmo tempo, o
sistema olfativo detecta a sensação de um único
odor de cada vez.
Contudo, um odor percebido pode            ser   a
combinação de vários outros diferentes.
 Se tanto um odor pútrido quanto um aroma doce
estão presentes no ar, o dominante será aquele que
for mais intenso, ou, se ambos forem da mesma
intensidade, a sensação olfativa será entre doce e
pútrida.
Você já deve ter sentido um cheiro que lhe
fez lembrar uma pessoa ou situação vivida.
Isso é memória olfativa.
“A memória olfativa é uma característica
tanto fisiológica quanto psicológica. As fibras
do nervo olfatório fazem conexões com
áreas do cérebro responsáveis pelos
processos      de    sentir   cheiro,   gosto,
comportamento alimentar.
Pele Humana
Em todos os seres vivos existe uma membrana que
serve de revestimento, separando o meio interno do
meio externo.
A pele é o maior órgão do corpo humano
é formada por duas camadas: a epiderme (mais
externa) e a derme (mais interna)
A pele também é um órgão sensorial, constituindo o
sentido do tacto. Ela apresenta numerosas
terminações nervosas
O sentido do tato não está na camada externa da
pele, mas na segunda.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
Silvyo Giffoni
 
Os cinco sentidos
Os cinco sentidosOs cinco sentidos
Os cinco sentidos
MariaIsabelRibeiro
 
Revisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os SentidosRevisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os Sentidos
Ediberg Moura
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
Fernando Graeff
 
Trabalho de fisiologia
Trabalho de  fisiologiaTrabalho de  fisiologia
Trabalho de fisiologia
Walquiria Silva
 
Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
Daniela José Arozi
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
Hospital Veterinário do Porto
 
Olfato 2
Olfato 2Olfato 2
Olfato 2
suzi.cristina
 
8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpo8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpo
Sarah Lemes
 
OS 5 SENTIDOS DO CORPO HUMANO
OS 5 SENTIDOS  DO CORPO HUMANOOS 5 SENTIDOS  DO CORPO HUMANO
OS 5 SENTIDOS DO CORPO HUMANO
Grazi Grazi
 
2a aula percepção
2a aula percepção2a aula percepção
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
Matheus Faria do Valle
 
Trabalho de informatica educativa cepja
Trabalho de informatica educativa cepjaTrabalho de informatica educativa cepja
Trabalho de informatica educativa cepja
Mariana Carvalho
 
Trabalho de Anatomia - Sistema Sensora
Trabalho de Anatomia - Sistema SensoraTrabalho de Anatomia - Sistema Sensora
Trabalho de Anatomia - Sistema Sensora
Mayara Felipe
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
Hospital Veterinário do Porto
 
Sensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razãoSensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razão
Alexandre Misturini
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
ClaudiaFael1
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
robioprof
 
La practica del sexo en los Animales .
La practica del sexo en los Animales .La practica del sexo en los Animales .
La practica del sexo en los Animales .
HUMOR
 

Mais procurados (19)

Aula de sistema limbico reduzida foa
Aula de sistema limbico reduzida   foaAula de sistema limbico reduzida   foa
Aula de sistema limbico reduzida foa
 
Os cinco sentidos
Os cinco sentidosOs cinco sentidos
Os cinco sentidos
 
Revisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os SentidosRevisão para bimestral: Os Sentidos
Revisão para bimestral: Os Sentidos
 
Sistema sensorial
Sistema sensorialSistema sensorial
Sistema sensorial
 
Trabalho de fisiologia
Trabalho de  fisiologiaTrabalho de  fisiologia
Trabalho de fisiologia
 
Órgãos dos Sentidos
Órgãos dos SentidosÓrgãos dos Sentidos
Órgãos dos Sentidos
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
 
Olfato 2
Olfato 2Olfato 2
Olfato 2
 
8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpo8 ano cap 7 o comando do corpo
8 ano cap 7 o comando do corpo
 
OS 5 SENTIDOS DO CORPO HUMANO
OS 5 SENTIDOS  DO CORPO HUMANOOS 5 SENTIDOS  DO CORPO HUMANO
OS 5 SENTIDOS DO CORPO HUMANO
 
2a aula percepção
2a aula percepção2a aula percepção
2a aula percepção
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
 
Trabalho de informatica educativa cepja
Trabalho de informatica educativa cepjaTrabalho de informatica educativa cepja
Trabalho de informatica educativa cepja
 
Trabalho de Anatomia - Sistema Sensora
Trabalho de Anatomia - Sistema SensoraTrabalho de Anatomia - Sistema Sensora
Trabalho de Anatomia - Sistema Sensora
 
Os 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cãoOs 5 sentidos do cão
Os 5 sentidos do cão
 
Sensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razãoSensação, percepção e razão
Sensação, percepção e razão
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
 
Órgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidosÓrgãos dos sentidos
Órgãos dos sentidos
 
La practica del sexo en los Animales .
La practica del sexo en los Animales .La practica del sexo en los Animales .
La practica del sexo en los Animales .
 

Semelhante a Aulasenacbh

Sentidos paladar
Sentidos paladarSentidos paladar
Sentidos paladar
Profissão Professor
 
PALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOSPALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOS
Danillo Rodrigues
 
Sentidos
SentidosSentidos
Paladar e Tato
Paladar e TatoPaladar e Tato
Paladar e Tato
nayslides Sobrenome
 
Apresentação de ciências
Apresentação de ciênciasApresentação de ciências
Apresentação de ciências
Reinaldo Baptista De Oliveira
 
Sentidos
SentidosSentidos
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdfSLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
JoyceSouza875857
 
sistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdfsistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdf
ThulioEwerton1
 
Orgãos dos Sentidos
Orgãos dos SentidosOrgãos dos Sentidos
Orgãos dos Sentidos
Yolanda Moura
 
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriaisSentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
julianaalkamin2
 
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdfRADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
Raissaalves67
 
Os Cinco Sentidos
Os Cinco SentidosOs Cinco Sentidos
Os Cinco Sentidos
Mari Anny Souza
 
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicosCaracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Learn English
 
ProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.pptProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.ppt
Paulo Pedro P. R. Costa
 
Corpo Humano
Corpo HumanoCorpo Humano
Corpo Humano
Goreth Moreira
 
orgãos dos sentidos do corpo humano.pptx
orgãos dos sentidos do corpo humano.pptxorgãos dos sentidos do corpo humano.pptx
orgãos dos sentidos do corpo humano.pptx
WelfeRocha
 
Paladar Biologia
Paladar BiologiaPaladar Biologia
Paladar Biologia
Nábila Quennet
 
Estímulos Nervosos
Estímulos NervososEstímulos Nervosos
Estímulos Nervosos
marco :)
 
Trabalho sistema sensorial
Trabalho sistema sensorialTrabalho sistema sensorial
Trabalho sistema sensorial
Juliana Simas
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
XaynulMazive
 

Semelhante a Aulasenacbh (20)

Sentidos paladar
Sentidos paladarSentidos paladar
Sentidos paladar
 
PALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOSPALADAR - SENTIDOS
PALADAR - SENTIDOS
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sentidos
 
Paladar e Tato
Paladar e TatoPaladar e Tato
Paladar e Tato
 
Apresentação de ciências
Apresentação de ciênciasApresentação de ciências
Apresentação de ciências
 
Sentidos
SentidosSentidos
Sentidos
 
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdfSLIDE OS SENTIDOS.pdf
SLIDE OS SENTIDOS.pdf
 
sistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdfsistema sensorial.pdf
sistema sensorial.pdf
 
Orgãos dos Sentidos
Orgãos dos SentidosOrgãos dos Sentidos
Orgãos dos Sentidos
 
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriaisSentindo o mundo os receptores sensoriais
Sentindo o mundo os receptores sensoriais
 
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdfRADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
RADIOLOGIA - MÓDULO II - ANATOMIA FISIO HUMANA II - SENSORIAL.pdf
 
Os Cinco Sentidos
Os Cinco SentidosOs Cinco Sentidos
Os Cinco Sentidos
 
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicosCaracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicos
 
ProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.pptProcessosPsicBasicos.ppt
ProcessosPsicBasicos.ppt
 
Corpo Humano
Corpo HumanoCorpo Humano
Corpo Humano
 
orgãos dos sentidos do corpo humano.pptx
orgãos dos sentidos do corpo humano.pptxorgãos dos sentidos do corpo humano.pptx
orgãos dos sentidos do corpo humano.pptx
 
Paladar Biologia
Paladar BiologiaPaladar Biologia
Paladar Biologia
 
Estímulos Nervosos
Estímulos NervososEstímulos Nervosos
Estímulos Nervosos
 
Trabalho sistema sensorial
Trabalho sistema sensorialTrabalho sistema sensorial
Trabalho sistema sensorial
 
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptxSEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
SEMINARIO 1 DE PSICOLOGIA.pptx
 

Mais de Anderson Silva

Auditoriateorica
AuditoriateoricaAuditoriateorica
Auditoriateorica
Anderson Silva
 
Sistemacomandas
SistemacomandasSistemacomandas
Sistemacomandas
Anderson Silva
 
Capital giro
Capital giroCapital giro
Capital giro
Anderson Silva
 
Treinamento cozinha
Treinamento cozinhaTreinamento cozinha
Treinamento cozinha
Anderson Silva
 
Gestão de cardápios parte ii (2)
Gestão de cardápios parte ii (2)Gestão de cardápios parte ii (2)
Gestão de cardápios parte ii (2)
Anderson Silva
 
Conceito de restaurante
Conceito de restauranteConceito de restaurante
Conceito de restaurante
Anderson Silva
 
Conceito bares e restau ces2010
Conceito bares e restau ces2010Conceito bares e restau ces2010
Conceito bares e restau ces2010
Anderson Silva
 
Aula21 cesjf
Aula21 cesjfAula21 cesjf
Aula21 cesjf
Anderson Silva
 
Palestracarangola
PalestracarangolaPalestracarangola
Palestracarangola
Anderson Silva
 
Anexos 27 05_2010
Anexos 27 05_2010Anexos 27 05_2010
Anexos 27 05_2010
Anderson Silva
 
Hotelaria E GestãO
Hotelaria E GestãOHotelaria E GestãO
Hotelaria E GestãO
Anderson Silva
 
1ºAula De Vinhos Oficial
1ºAula De Vinhos Oficial1ºAula De Vinhos Oficial
1ºAula De Vinhos Oficial
Anderson Silva
 
Temperos
TemperosTemperos
Temperos
Anderson Silva
 
ApresentaçãO Do Curso De Cozinha
ApresentaçãO Do Curso De CozinhaApresentaçãO Do Curso De Cozinha
ApresentaçãO Do Curso De Cozinha
Anderson Silva
 
Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010
Anderson Silva
 
Identidade Coorporativa
Identidade CoorporativaIdentidade Coorporativa
Identidade Coorporativa
Anderson Silva
 
Sale Price
Sale PriceSale Price
Sale Price
Anderson Silva
 
Analise Demonst Financ2
Analise Demonst Financ2Analise Demonst Financ2
Analise Demonst Financ2
Anderson Silva
 
Conflitos Em Controladoria
Conflitos Em ControladoriaConflitos Em Controladoria
Conflitos Em Controladoria
Anderson Silva
 
Controladoria & Rh
Controladoria & RhControladoria & Rh
Controladoria & Rh
Anderson Silva
 

Mais de Anderson Silva (20)

Auditoriateorica
AuditoriateoricaAuditoriateorica
Auditoriateorica
 
Sistemacomandas
SistemacomandasSistemacomandas
Sistemacomandas
 
Capital giro
Capital giroCapital giro
Capital giro
 
Treinamento cozinha
Treinamento cozinhaTreinamento cozinha
Treinamento cozinha
 
Gestão de cardápios parte ii (2)
Gestão de cardápios parte ii (2)Gestão de cardápios parte ii (2)
Gestão de cardápios parte ii (2)
 
Conceito de restaurante
Conceito de restauranteConceito de restaurante
Conceito de restaurante
 
Conceito bares e restau ces2010
Conceito bares e restau ces2010Conceito bares e restau ces2010
Conceito bares e restau ces2010
 
Aula21 cesjf
Aula21 cesjfAula21 cesjf
Aula21 cesjf
 
Palestracarangola
PalestracarangolaPalestracarangola
Palestracarangola
 
Anexos 27 05_2010
Anexos 27 05_2010Anexos 27 05_2010
Anexos 27 05_2010
 
Hotelaria E GestãO
Hotelaria E GestãOHotelaria E GestãO
Hotelaria E GestãO
 
1ºAula De Vinhos Oficial
1ºAula De Vinhos Oficial1ºAula De Vinhos Oficial
1ºAula De Vinhos Oficial
 
Temperos
TemperosTemperos
Temperos
 
ApresentaçãO Do Curso De Cozinha
ApresentaçãO Do Curso De CozinhaApresentaçãO Do Curso De Cozinha
ApresentaçãO Do Curso De Cozinha
 
Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010Conceito Bares E Restau Senac2010
Conceito Bares E Restau Senac2010
 
Identidade Coorporativa
Identidade CoorporativaIdentidade Coorporativa
Identidade Coorporativa
 
Sale Price
Sale PriceSale Price
Sale Price
 
Analise Demonst Financ2
Analise Demonst Financ2Analise Demonst Financ2
Analise Demonst Financ2
 
Conflitos Em Controladoria
Conflitos Em ControladoriaConflitos Em Controladoria
Conflitos Em Controladoria
 
Controladoria & Rh
Controladoria & RhControladoria & Rh
Controladoria & Rh
 

Aulasenacbh

  • 1. Os órgãos dos sentidos fundamentais do corpo humano constituem as funções que propiciam o nosso relacionamento com o ambiente. Por meio dos sentidos, o nosso corpo pode perceber muita coisa do que nos rodeia contribuindo para a nossa sobrevivência e integração com o ambiente em que vivemos.
  • 2. SIMPLIFICANDO a) Nosso corpo recebe os estímulos externos; b) Nervos locais conduzem impulsos nervosos provocados por esses estímulos ao cérebro; c) No cérebro, esses impulsos são "processados" (resultando na capacidade de distinguir percepções diversas.
  • 3. Para a percepção dos sentidos básicos, funcionam três setores fundamentais: Receptores: São estruturas ou órgãos especiais que recebe o estímulo exterior. Os olhos, os ouvidos, os sensoriais da pele e da língua, as terminações nervosas da mucosa nasal Condutores: São os nervos que transmitem ao cérebro os impulsos nervosos nascidos do estímulo captado pelo receptor.
  • 4. Transformadores: São as áreas específicas do córtex cerebral, cujos neurônios "interpretam" os impulsos nervosos como percepção de sentidos. Podemos distinguir o que é luz, do que é som, o que é gosto, do que é cheiro, o que é tato suave, do que é dor. Essa capacidade de distinguir estímulos ambientais de natureza diversa é o que chamamos de sensibilidade.
  • 5. ÓRGÃO DOS SENTIDOS estão encarregados de receber estímulos externos.
  • 7. OLHO HUMANO: É o nosso olho que capta as imagens do mundo externo → A luz chega à córnea →Através da pupila →Ao atingir o cristalino, converge os raios luminosos para um ponto focal sobre a retina →Na retina, as células sensíveis transformam a luz em impulsos eletroquímicos →Estes impulsos são enviados ao cérebro pelo nervo óptico →Ali, no córtex visual, se dá o processamento das imagens recebidas pelos olhos direito e esquerdo, completando nossa sensação visual.
  • 8. AUDIÇÃO na orelha interna, as vibrações mecânicas se transformam em ondas de pressão hidráulica → A vibração provocada pela movimentação da cadeia ossicular → move as células ciliares do órgão de Corti → gerando um potencial de ação que é transmitido aos centros auditivos do tronco encefálico e do córtex cerebral.
  • 9. Os sentidos gustativo e olfativo são chamados sentidos químicos, porque seus receptores são excitados por estimulantes químicos. - Os receptores gustativos são excitados por substâncias químicas existentes nos alimentos, enquanto que os receptores olfativos são excitados por substâncias químicas do ar. - Esses sentidos trabalham conjuntamente na percepção dos sabores. - O centro do olfato e do gosto no cérebro combina a informação sensorial da língua e do nariz.
  • 10. O receptor sensorial do paladar é a papila gustativa. É constituída por células epiteliais localizadas em torno de um poro central na membrana mucosa basal da língua. Na superfície de cada uma das células gustativas observam-se prolongamentos finos como pêlos, projetando-se em direção da cavidade bucal; são chamados microvilosidades. Essas estruturas fornecem a superfície receptora para o paladar.
  • 11.
  • 12. Para que se possa sentir o gosto de uma substância, ela deve primeiramente ser dissolvida no líquido bucal e difundida através do poro gustativo em torno das microvilosidades. Portanto substâncias altamente solúveis e difusíveis, como sais ou outros compostos que têm moléculas pequenas, geralmente fornecem graus gustativos mais altos do que substâncias pouco solúveis difusíveis, como proteínas e outras que possuam moléculas maiores. Quando o alimento é ingerido, o tipo de sensação gustativa, atua através de reflexos às glândulas salivares da boca para estimular a secreção salivar .
  • 13. As Quatro Sensações Gustativas Na superfície da língua existem dezenas de papilas gustativas, cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários, aos quais chamamos sensações gustativas primárias: amargo, azedo ou ácido , salgado e doce . De sua combinação resultam centenas de sabores distintos. A distribuição dos quatro tipos de receptores gustativos, na superfície da língua, não é homogênea.
  • 14. As papilas gustativas possuem graus de sensibilidade para cada uma das sensações gustativas primárias. O cérebro detecta o tipo de gosto pela relação de estimulação entre as diferentes papilas gustativas. o cérebro interpreta a sensação como de salinidade, embora outras papilas tenham sido estimuladas, em menor extensão, ao mesmo tempo.
  • 15. Preparações Culinárias Cada preparação ativa uma diferente combinação de sabores básicos, ajudando a torná-la única. Todas as receitas têm um sabor distinto como resultado da soma de seu gosto e cheiro, percebidos simultaneamente. A sensação de dor também é essencial para sentirmos o sabor picante e estimulante das comidas apimentadas.
  • 16. REGULAÇÃO PELAS SENSAÇÕES GUSTATIVAS As sensações gustativas obviamente auxiliam na regulação da dieta. Por exemplo, o sabor doce é normalmente agradável, o que faz com que procure preferentemente alimentos doces. Por outro lado, o gosto amargo é geralmente desagradável, fazendo com que os alimentos amargos, que geralmente são venenosos, sejam rejeitados. O gosto ácido é muitas vezes desagradável, o mesmo ocorrendo com o sabor salgado.
  • 17. FISIOLOGIA DO SABOR Isto é, a carência de um determinado tipo de nutriente geralmente intensifica uma ou mais sensações gustativas e faz com que a pessoa procure alimentos que possuam o gosto característico do alimento de que carece.
  • 18. IMPORTÂNCIA DO OLFATO NO PALADAR As sensações olfativas funcionam ao lado das sensações gustativas, auxiliando no controle do apetite e da quantidade de alimentos que são ingeridos.
  • 19. TRANSMISSÃO DE ESTÍMULOS AO SISTEMA NERVOSO CENTRAL As vias de transmissão dos estímulos gustativos ao tronco cerebral e daí ao córtex cerebral. Os estímulos passam das papilas gustativas na boca ao tracto solitário, localizado na medula oblonga (bulbo). Em seguida, os estímulos são transmitidos ao tálamo; do tálamo passam ao córtex gustativo primário e, subseqüentemente, às áreas associativas gustativas circundantes e à região integrativa comum que é responsável pela integração de todas as sensações.
  • 20. As informações recolhidas pelo nosso nariz e boca seguem para o cérebro, onde são interpretadas. Os receptores olfativos são neurônios genuínos, com receptores próprios que penetram no sistema nervoso central.
  • 21.
  • 22. OLFATO E PALADAR O olfato tem importante papel na distinção dos alimentos. Enquanto mastigamos, sentimos simultaneamente o paladar e o cheiro. O olfato, como a visão, possui uma enorme capacidade adaptativa. No início da exposição a um odor muito forte, a sensação olfativa pode ser bastante forte também, mas, após um minuto, aproximadamente, o odor será quase imperceptível.
  • 23. Porém, ao contrário da visão, capaz de perceber um grande número de cores ao mesmo tempo, o sistema olfativo detecta a sensação de um único odor de cada vez. Contudo, um odor percebido pode ser a combinação de vários outros diferentes. Se tanto um odor pútrido quanto um aroma doce estão presentes no ar, o dominante será aquele que for mais intenso, ou, se ambos forem da mesma intensidade, a sensação olfativa será entre doce e pútrida.
  • 24. Você já deve ter sentido um cheiro que lhe fez lembrar uma pessoa ou situação vivida. Isso é memória olfativa. “A memória olfativa é uma característica tanto fisiológica quanto psicológica. As fibras do nervo olfatório fazem conexões com áreas do cérebro responsáveis pelos processos de sentir cheiro, gosto, comportamento alimentar.
  • 25.
  • 26. Pele Humana Em todos os seres vivos existe uma membrana que serve de revestimento, separando o meio interno do meio externo. A pele é o maior órgão do corpo humano é formada por duas camadas: a epiderme (mais externa) e a derme (mais interna) A pele também é um órgão sensorial, constituindo o sentido do tacto. Ela apresenta numerosas terminações nervosas O sentido do tato não está na camada externa da pele, mas na segunda.