SlideShare uma empresa Scribd logo
1www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
CURSO: QUÍMICA
QUIMICA ORGÂNICA TEÓRICA 1
Prof. Gustavo Pozza Silveira
gustavo.silveira@iq.ufrgs.br
Estrutura Eletrônica e Ligação
Química
2www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
• Localizar os elétrons e desenhar estruturas de Lewis.
• Atribuir carga formal.
• Descrever as ligações em termo de entrosamento de
orbitais e a formação de ligações δ e π.
• Perceber os efeitos de ligações diferentes nas
estruturas e propriedades das moléculas.
• Considerar as hibridizações de orbitais no C, H, N e O.
• Olhar para a ressonância e o movimento dos elétrons de
forma que a Q. Org. se torne mais amigável (setas curvas).
• Comparar a acidez e basicidade de moléculas orgânicas.
OBJETIVOS (Revisão)
3www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Tipos de Ligações
No mundo da Química Orgânica estuda-se como as ligações entre
átomos e moléculas são feitas e quebradas:
Mas o que significa ligação química e no que isso implica?
Ligaçoes Iônicas:
Um átomo tranfere um elétron para o outro.
Ligacao Ionica é formada pela atração entre cátions e ânions.
4www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligaçao Covalente
Dois elétrons são divididos por dois átomos.
Assim, a ligação (e a linha — ) representa dois elétrons.
• Compostos iônicos são formados quando um elemento eletropositivo
transfere elétron(s) para um elemento eletronegativo.
Observe que o NaCl encontra-se
como um retículo cristalino.
5www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
6www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Mapas dos Potenciais Eletrostáticos
7www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Configuração Eletrônica
8www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Configuração Eletrônica
9www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Elétrons de Valência
10www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Elétrons de Valência: estão na camada de mais alta
energia.
Nos dá uma boa idéia de como a molécula ou átomo
irá se ligar.
8 é um número mágico
11www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Estruturas de
Lewis
- Os átomos de carbono não estão carregados, embora estão dividindo os 4 e-
- Pares de elétrons livres são e- de valência que não estão divididos.
12www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Nos Íons os elétrons de valência foram ganhos (-) ou
perdidos (+)
Estruturas de Lewis
amônio
Boro-hidreto
13www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Carga Formal
- Até aqui vimos se uma molécula era carregado ou não e, na
realidade, sendo a carga espalhada sobre toda a molécula.
-É útil ‘localizar”/saber em que átamo a carga está
localizada, ou seja, atribuir a carga formal – CF (FC)
EX: NH4
+
14www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Carga Formal
-Etano ; Metano
-Cátion metíla (carbocátion)
-Radical metila
-Ânion metila (carbânion)
Exercícios: Atribuir a carga formal
para o C e O das moléculas abaixo
H2OH3O+ HO-
15www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Orbitais atômicos
- Até aqui tivemos uma idéia onde os elétrons (e ligações)
estão….
- Mas, como eles são formados ?
- Existe diferentes modelos….veremos uma versão bem
simplificada
- Somente dois elétrons por orbital (um de spin +½ e outro de
spin -½)
16www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
O Orbital S
Um orbital é uma região tridimensional em torno do núcleo
onde há graande probabilidade de se encontrar elétrons
(>90%).
Orbitais Atômicos
17www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
- Consideremos que os elétrons têm propriedades tanto de partículas
como de ondas.
- Nodo é a região onde uma onda estacionária tem amplitude zero.
Orbitais Atômicos
18www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
O Orbital p
Cargas + e –
apenas indicam
a fase do orbital
Orbitais atômicos p têm dois lobos que estão em fases opostas.
Existem três orbitais atômicos p (2px, 2py e 2pz)
19www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Orbitais Moleculares (OM)
• A teoria do orbital molecular (OM) articula a tendência dos
átomos em completar o octeto pelo compartilhamento de
elétrons (modelo de Lewis) com suas propriedades de onda
designando os elétrons para um volume do espaço chamado
orbital.
•Ligações covalentes resultam da combinação de orbitais
atômicos para formar orbitais moleculares
20www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Orbitais Moleculares (OM)
• Os OMs pertencem a molécula inteira.
• Ligação s: formada pela sobreposição de dois orbitais s
• Força da ligação/dissociação da ligação: energia requerida
para quebrar a ligação ou energia liberada quando uma ligação
é formada.
21www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Mudança na energia que ocorre quando dois orbitais atômicos 1s se
aproximam um do outro. A distância internuclear no mínimo de energia é o
comprimento da ligação covalente H-H.
repulsão
nuclear
22www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Orbitais atômicos podem se combinar de duas maneiras diferentes:
construtiva e destrutiva
Combinação construtiva: Sobreposição em fase forma um OM ligante.
Combinação destrutiva Sobreposição fora de fase forma um OM antiligante.
As funções de
onda de dois
átomos de
hidrogênio
podem interagir
para reforçar, ou
aumentar, uma à
outra (acima) ou
podem interagir
para cancelar
uma à outra
(LADO).
23www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Sobreposição em fase forma um OM, uma sobreposição
fora de fase forma um OM antiligante
Diagrama de orbital molecular
24www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
A ligação sigma (s) é formada através
sobreposição frontal de dois orbitais p
Uma ligação s é mais forte que uma p
25www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
A ligação pi (p) é formada através da sobreposição
lateral de dois orbitais p paralelos
26www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Exercício: Indique o tipo de orbital molecular (s, s*, p ou p*)
resultante da combinação dos orbitais conforme indicado abaixo:
27www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação no Metano e no Etano: Ligação Simples
Como explicar o carbono formar quatro ligações
covalentes?
28www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
HIBRIDIZAÇÕES!
ié, iéééééé
29www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Orbitais híbridos são orbitais mistos resultantes da combinação de
orbitais.
Hibridização de orbitais
2s
2px 2py 2pz
s
p p ppromoção
sp3
sp3 sp3
sp3hibridização
orbitais híbridos
Estado fundamental de um
átomo de carbono
1s
quatro orbitais
são hibridizados
O carbono no metano está ligado a quatro átomos com ligações semelhantes,
de modo que ele hibridiza quatro orbitais – um s e três p.
30www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
31www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Os orbitais usados na formação da ligação
determinam os ângulos da ligação
• Ângulo de ligação tetraédrico: 109,5°
• Os pares de elétrons espalham-se no espaço o mais
distante possível um dos outros.
32www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Orbitais Híbridos do Etano
33www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
2s
2px 2py 2pz
s
p p ppromoção
sp2
sp2 sp2
p
hibridização
orbitais híbridos
Estado fundamental de um
átomo de carbono
1s
Três orbitais
são hibridizados
Um Carbono Hibridizado sp2
Vista frontal Vista superior
O carbono no eteno está ligado a três átomos, de modo que ele
hibridiza três orbitais – um s e dois p.
34www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
• O ângulo de ligação no carbono sp2 é 120°
• O carbono sp2 é trigonal plano
Ligação no Eteno: Ligação Dupla
35www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Um Carbono Hibridizado sp
2s
2px 2py 2pz
s
p p ppromoção
sp sp
p
hibridização
orbitais híbridos
Estado fundamental de um
átomo de carbono
1s
p
dois orbitais
são
hibridizados
O carbono no etino está ligado a dois átomos, de modo que ele hibridiza
dois orbitais – um s e um p.
36www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação no Etino: Ligação Tripla
• Ângulo de ligação do carbono sp: 180°.
• Uma ligação tripla consiste em uma ligação s e duas p.
37www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Resumo
• Uma ligação p é mais fraca que uma ligação s.
• Quanto maior a densidade de elétrons na região de sobreposição dos
orbitais, mais forte a ligação.
• Quanto maior o caráter s, mais curta e mais forte a ligação.
• Quanto maior o caráter s, maior é o ângulo de ligação.
38www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Exercícios:
1- Qual das ligações em uma ligação dupla carbono-carbono tem
sobreposição de orbital mais efetiva: a ligação sigma ou a ligação pi?
2- Por que é esperado que uma ligação sigma C-C, formada pela
sobreposição sp2-sp2, seja mais forte que uma ligação sigma
formada pela sobreposição sp3-sp3?
3- Qual é a hibridização de cada átomo de carbono na substância
abaixo?
39www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Hibridização de Outros Átomos
40www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação na Água
Seria esperado um ângulo de 90º se os elétrons estivessem em orbital p. No
entanto o ângulo é de 105,5º indicando que houve hibridação.
41www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação na Amônia
42www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação no Íon Amônio
Todos os ângulos no íon amônio são de 109,5o, pois este íon
possui 4 ligações idênticas e nenhum par de elétrons livre.
43www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Algumas hibridações em átomos de C, N e O:
44www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Reativos de Carbono
(hibridizações)
45www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação no Cátion Metila
Carbocátion
46www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Quando a reação forma um intermediário carbocátion,
o carbocátion mais estável é sempre formado :
terciário > secundário > primário.
REGRA DE MARKOVNIKOFF
metil carbocation
primário carbocation
secundário carbocation
terciário carbocation
menos
favorável
mais
favorável
C
R
R
R+
R CH R
+
R CH2
+
CH3+
(menor energia)
47www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Se mais de um carbocátion pode
ser formado durante o decorrer de uma reação,
o produto formado majoritário será derivado do
carbocátion mais estável.
Quais hibridizações
são observadas
para cada
carbono?
48www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação no Radical Metila
Observe a hibridização do radical metila
49www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Ligação no Ânion Metila
Substituintes alquílicos desestabilizam o carbânion por
hiperconjugação de orbitais p.
Carbânion
50www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Uma ligação polar tem lados positivos e negativos
Momento de dipolo (D) = m = e x d
(e) : carga no átomo
(d) : distância entre duas cargas
Dipolo
51www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
1- Use os símbolos + e - para mostrar a direção da polaridade da ligação
indicada em cada uma das seguintes substâncias abaixo.
Exemplo: H3C-OH
+ -
A. HO-H
B. F-Br
C. H3C-NH2
D. H3C-Cl
E. HO-Br
F. H3C-MgCl
G. I-Cl
D. H2N-OH
Dipolo
52www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
A soma de todos os vetores individuais das ligações de dipolo
determina o momento de dipolo resultante da molécula
Momento de Dipolo Molecular
53www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
54www.iq.ufrgs.br/biolab
Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
Exercício: Qual das seguintes moléculas se espera que tenha
momento de dipolo zero?
A- CH3CH3
B- H2C=O
C- CH2Cl2
D- NH3
E- H2C=CH2
F- H2C=CHBr

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura atômica
Estrutura atômicaEstrutura atômica
Estrutura atômica
estead2011
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
fisicaatual
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010
Coc2010
 
Seminário química orgânica
Seminário química orgânicaSeminário química orgânica
Seminário química orgânica
Cristina Monteiro
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicos
Karol Maia
 
Circuito elétrico
Circuito elétricoCircuito elétrico
Circuito elétrico
deigojsm
 
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenosAula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Gustavo Silveira
 
Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...
Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...
Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...
romulb01
 

Mais procurados (20)

Estrutura atômica
Estrutura atômicaEstrutura atômica
Estrutura atômica
 
5. o átomo de dalton
5. o átomo de dalton5. o átomo de dalton
5. o átomo de dalton
 
Corrente elétrica
Corrente elétricaCorrente elétrica
Corrente elétrica
 
Química 9º ano
Química 9º anoQuímica 9º ano
Química 9º ano
 
Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010Estrutura Atomica Coc 2010
Estrutura Atomica Coc 2010
 
Seminário química orgânica
Seminário química orgânicaSeminário química orgânica
Seminário química orgânica
 
Ligações Químicas
Ligações QuímicasLigações Químicas
Ligações Químicas
 
Materiais Isolantes - Conceitos
Materiais Isolantes - ConceitosMateriais Isolantes - Conceitos
Materiais Isolantes - Conceitos
 
Imas magnetismo e etc
Imas magnetismo e etcImas magnetismo e etc
Imas magnetismo e etc
 
Campo eletrico
Campo eletricoCampo eletrico
Campo eletrico
 
Nomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicosNomenclatura dos compostos_organicos
Nomenclatura dos compostos_organicos
 
Circuito elétrico
Circuito elétricoCircuito elétrico
Circuito elétrico
 
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenosAula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
Aula 21 24 adição eletrofílica a alcenos
 
Radioatividade
RadioatividadeRadioatividade
Radioatividade
 
A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.
A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.
A presença dos compostos orgânicos em nossa vida.
 
Eletromagnetismo - Resumo
Eletromagnetismo - ResumoEletromagnetismo - Resumo
Eletromagnetismo - Resumo
 
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladasFunções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
Funções Orgânicas Oxigenadas não carboniladas
 
Átomos e Moléculas
Átomos e MoléculasÁtomos e Moléculas
Átomos e Moléculas
 
Amplificadores de potência
Amplificadores de potênciaAmplificadores de potência
Amplificadores de potência
 
Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...
Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...
Trabalho final de graduação - Métodos de redução de perdas elétricas em um si...
 

Destaque

Aula 11 - Reações de oxido-redução
Aula 11 -  Reações de oxido-reduçãoAula 11 -  Reações de oxido-redução
Aula 11 - Reações de oxido-redução
Maiquel Vieira
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
Flavio Cardoso Reis
 
El outsourcing
El outsourcingEl outsourcing
El outsourcing
disorg
 
Manual de relacionamento_com_a_imprensa
Manual de relacionamento_com_a_imprensaManual de relacionamento_com_a_imprensa
Manual de relacionamento_com_a_imprensa
Dragodragons
 
Apresentação De Nadai
Apresentação De NadaiApresentação De Nadai
Apresentação De Nadai
catiao
 
preguntas del III corte
preguntas del III cortepreguntas del III corte
preguntas del III corte
VilmaBracho
 

Destaque (20)

teoria do orbital
teoria do orbitalteoria do orbital
teoria do orbital
 
Aula 11 - Reações de oxido-redução
Aula 11 -  Reações de oxido-reduçãoAula 11 -  Reações de oxido-redução
Aula 11 - Reações de oxido-redução
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 
Prof.José Roberto - Estrutura atômica e tabela periódica
Prof.José Roberto - Estrutura atômica e tabela periódicaProf.José Roberto - Estrutura atômica e tabela periódica
Prof.José Roberto - Estrutura atômica e tabela periódica
 
Estrutura Atomica e tabela periódica
Estrutura Atomica e tabela periódicaEstrutura Atomica e tabela periódica
Estrutura Atomica e tabela periódica
 
Capitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e reduçãoCapitulo 5 oxidação e redução
Capitulo 5 oxidação e redução
 
Palestra Mandic no EPICENTRO
Palestra Mandic no EPICENTROPalestra Mandic no EPICENTRO
Palestra Mandic no EPICENTRO
 
El outsourcing
El outsourcingEl outsourcing
El outsourcing
 
Play penconsultoria
Play penconsultoriaPlay penconsultoria
Play penconsultoria
 
P1 s3 d1 baja
P1 s3 d1 bajaP1 s3 d1 baja
P1 s3 d1 baja
 
Universidades Públicas de São Paulo
Universidades Públicas de São PauloUniversidades Públicas de São Paulo
Universidades Públicas de São Paulo
 
Folha 106
Folha 106Folha 106
Folha 106
 
COELCE
COELCECOELCE
COELCE
 
Manual de relacionamento_com_a_imprensa
Manual de relacionamento_com_a_imprensaManual de relacionamento_com_a_imprensa
Manual de relacionamento_com_a_imprensa
 
2nd review
2nd review2nd review
2nd review
 
Edital Concurso SEFAZ PI
Edital Concurso SEFAZ PIEdital Concurso SEFAZ PI
Edital Concurso SEFAZ PI
 
Mall virtual visanet
Mall virtual visanetMall virtual visanet
Mall virtual visanet
 
PRUEBAS ICFES SABER 11
PRUEBAS ICFES SABER 11PRUEBAS ICFES SABER 11
PRUEBAS ICFES SABER 11
 
Apresentação De Nadai
Apresentação De NadaiApresentação De Nadai
Apresentação De Nadai
 
preguntas del III corte
preguntas del III cortepreguntas del III corte
preguntas del III corte
 

Semelhante a Aula2 3 estrutura e ligação química

Aula 2 3 estrutura, ligação, hibridização
Aula 2   3 estrutura,  ligação, hibridizaçãoAula 2   3 estrutura,  ligação, hibridização
Aula 2 3 estrutura, ligação, hibridização
Gustavo Silveira
 
Aula 08 química geral
Aula 08 química geralAula 08 química geral
Aula 08 química geral
Tiago da Silva
 
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais molecularesTeoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
Alex Junior
 
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdfintroducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
SemilleroGENUBA
 
Exercicios ligação quimica
Exercicios ligação quimicaExercicios ligação quimica
Exercicios ligação quimica
Amanda Guimarães
 

Semelhante a Aula2 3 estrutura e ligação química (20)

Aula 2 3 estrutura, ligação, hibridização
Aula 2   3 estrutura,  ligação, hibridizaçãoAula 2   3 estrutura,  ligação, hibridização
Aula 2 3 estrutura, ligação, hibridização
 
Aula i fbaiano_ligações químicas
Aula i fbaiano_ligações químicasAula i fbaiano_ligações químicas
Aula i fbaiano_ligações químicas
 
Unidade 01 Teoria Estrutural
Unidade 01   Teoria EstruturalUnidade 01   Teoria Estrutural
Unidade 01 Teoria Estrutural
 
Aula5 setas curvas-e_ressonancia
Aula5 setas curvas-e_ressonanciaAula5 setas curvas-e_ressonancia
Aula5 setas curvas-e_ressonancia
 
0708 f01
0708 f010708 f01
0708 f01
 
Ligacoes quimicas
Ligacoes quimicasLigacoes quimicas
Ligacoes quimicas
 
ligação quimica ifms.ppt
ligação quimica ifms.pptligação quimica ifms.ppt
ligação quimica ifms.ppt
 
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).pptAULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
AULA 2 GEOMETRIA MOLEC (1).ppt
 
Aula 08 química geral
Aula 08 química geralAula 08 química geral
Aula 08 química geral
 
Tomolecular
TomolecularTomolecular
Tomolecular
 
Química Geral Aula 07
Química Geral Aula 07Química Geral Aula 07
Química Geral Aula 07
 
Teoria estrutural 1
Teoria estrutural 1Teoria estrutural 1
Teoria estrutural 1
 
Teoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais molecularesTeoria dos orbitais moleculares
Teoria dos orbitais moleculares
 
Tlv bond valence theory
Tlv   bond valence theoryTlv   bond valence theory
Tlv bond valence theory
 
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdfintroducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
introducao_a_quimica_organica.ppt_modo_de_compatibilidade.pdf
 
Eco 09
Eco 09Eco 09
Eco 09
 
Unidade 02 - Análise Conformacional
Unidade 02 - Análise ConformacionalUnidade 02 - Análise Conformacional
Unidade 02 - Análise Conformacional
 
Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.
Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.
Fisica das radiações: Estrutura Atòmica.
 
Exercicios ligação quimica
Exercicios ligação quimicaExercicios ligação quimica
Exercicios ligação quimica
 
E
EE
E
 

Mais de Pam Pires (10)

Aula5 enzimas e-receptores
Aula5 enzimas e-receptoresAula5 enzimas e-receptores
Aula5 enzimas e-receptores
 
Aula4 5 ácidos e bases
Aula4 5 ácidos e basesAula4 5 ácidos e bases
Aula4 5 ácidos e bases
 
Aula 11 13 estereoquimica
Aula 11   13 estereoquimicaAula 11   13 estereoquimica
Aula 11 13 estereoquimica
 
Medicamentos Homeopáticos Eduardo Eduardo Egisto
Medicamentos Homeopáticos Eduardo Eduardo EgistoMedicamentos Homeopáticos Eduardo Eduardo Egisto
Medicamentos Homeopáticos Eduardo Eduardo Egisto
 
Deprimido
DeprimidoDeprimido
Deprimido
 
El arte de convivir
El arte de convivirEl arte de convivir
El arte de convivir
 
Publicidade
PublicidadePublicidade
Publicidade
 
Relaxar
RelaxarRelaxar
Relaxar
 
China - Lexiaguo
China - LexiaguoChina - Lexiaguo
China - Lexiaguo
 
PREÇO DE UM FILHO
PREÇO DE UM FILHOPREÇO DE UM FILHO
PREÇO DE UM FILHO
 

Aula2 3 estrutura e ligação química

  • 1. 1www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira CURSO: QUÍMICA QUIMICA ORGÂNICA TEÓRICA 1 Prof. Gustavo Pozza Silveira gustavo.silveira@iq.ufrgs.br Estrutura Eletrônica e Ligação Química
  • 2. 2www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira • Localizar os elétrons e desenhar estruturas de Lewis. • Atribuir carga formal. • Descrever as ligações em termo de entrosamento de orbitais e a formação de ligações δ e π. • Perceber os efeitos de ligações diferentes nas estruturas e propriedades das moléculas. • Considerar as hibridizações de orbitais no C, H, N e O. • Olhar para a ressonância e o movimento dos elétrons de forma que a Q. Org. se torne mais amigável (setas curvas). • Comparar a acidez e basicidade de moléculas orgânicas. OBJETIVOS (Revisão)
  • 3. 3www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Tipos de Ligações No mundo da Química Orgânica estuda-se como as ligações entre átomos e moléculas são feitas e quebradas: Mas o que significa ligação química e no que isso implica? Ligaçoes Iônicas: Um átomo tranfere um elétron para o outro. Ligacao Ionica é formada pela atração entre cátions e ânions.
  • 4. 4www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligaçao Covalente Dois elétrons são divididos por dois átomos. Assim, a ligação (e a linha — ) representa dois elétrons. • Compostos iônicos são formados quando um elemento eletropositivo transfere elétron(s) para um elemento eletronegativo. Observe que o NaCl encontra-se como um retículo cristalino.
  • 5. 5www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
  • 6. 6www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Mapas dos Potenciais Eletrostáticos
  • 7. 7www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Configuração Eletrônica
  • 8. 8www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Configuração Eletrônica
  • 9. 9www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Elétrons de Valência
  • 10. 10www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Elétrons de Valência: estão na camada de mais alta energia. Nos dá uma boa idéia de como a molécula ou átomo irá se ligar. 8 é um número mágico
  • 11. 11www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Estruturas de Lewis - Os átomos de carbono não estão carregados, embora estão dividindo os 4 e- - Pares de elétrons livres são e- de valência que não estão divididos.
  • 12. 12www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Nos Íons os elétrons de valência foram ganhos (-) ou perdidos (+) Estruturas de Lewis amônio Boro-hidreto
  • 13. 13www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Carga Formal - Até aqui vimos se uma molécula era carregado ou não e, na realidade, sendo a carga espalhada sobre toda a molécula. -É útil ‘localizar”/saber em que átamo a carga está localizada, ou seja, atribuir a carga formal – CF (FC) EX: NH4 +
  • 14. 14www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Carga Formal -Etano ; Metano -Cátion metíla (carbocátion) -Radical metila -Ânion metila (carbânion) Exercícios: Atribuir a carga formal para o C e O das moléculas abaixo H2OH3O+ HO-
  • 15. 15www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Orbitais atômicos - Até aqui tivemos uma idéia onde os elétrons (e ligações) estão…. - Mas, como eles são formados ? - Existe diferentes modelos….veremos uma versão bem simplificada - Somente dois elétrons por orbital (um de spin +½ e outro de spin -½)
  • 16. 16www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira O Orbital S Um orbital é uma região tridimensional em torno do núcleo onde há graande probabilidade de se encontrar elétrons (>90%). Orbitais Atômicos
  • 17. 17www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira - Consideremos que os elétrons têm propriedades tanto de partículas como de ondas. - Nodo é a região onde uma onda estacionária tem amplitude zero. Orbitais Atômicos
  • 18. 18www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira O Orbital p Cargas + e – apenas indicam a fase do orbital Orbitais atômicos p têm dois lobos que estão em fases opostas. Existem três orbitais atômicos p (2px, 2py e 2pz)
  • 19. 19www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Orbitais Moleculares (OM) • A teoria do orbital molecular (OM) articula a tendência dos átomos em completar o octeto pelo compartilhamento de elétrons (modelo de Lewis) com suas propriedades de onda designando os elétrons para um volume do espaço chamado orbital. •Ligações covalentes resultam da combinação de orbitais atômicos para formar orbitais moleculares
  • 20. 20www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Orbitais Moleculares (OM) • Os OMs pertencem a molécula inteira. • Ligação s: formada pela sobreposição de dois orbitais s • Força da ligação/dissociação da ligação: energia requerida para quebrar a ligação ou energia liberada quando uma ligação é formada.
  • 21. 21www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Mudança na energia que ocorre quando dois orbitais atômicos 1s se aproximam um do outro. A distância internuclear no mínimo de energia é o comprimento da ligação covalente H-H. repulsão nuclear
  • 22. 22www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Orbitais atômicos podem se combinar de duas maneiras diferentes: construtiva e destrutiva Combinação construtiva: Sobreposição em fase forma um OM ligante. Combinação destrutiva Sobreposição fora de fase forma um OM antiligante. As funções de onda de dois átomos de hidrogênio podem interagir para reforçar, ou aumentar, uma à outra (acima) ou podem interagir para cancelar uma à outra (LADO).
  • 23. 23www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Sobreposição em fase forma um OM, uma sobreposição fora de fase forma um OM antiligante Diagrama de orbital molecular
  • 24. 24www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira A ligação sigma (s) é formada através sobreposição frontal de dois orbitais p Uma ligação s é mais forte que uma p
  • 25. 25www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira A ligação pi (p) é formada através da sobreposição lateral de dois orbitais p paralelos
  • 26. 26www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Exercício: Indique o tipo de orbital molecular (s, s*, p ou p*) resultante da combinação dos orbitais conforme indicado abaixo:
  • 27. 27www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação no Metano e no Etano: Ligação Simples Como explicar o carbono formar quatro ligações covalentes?
  • 28. 28www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira HIBRIDIZAÇÕES! ié, iéééééé
  • 29. 29www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Orbitais híbridos são orbitais mistos resultantes da combinação de orbitais. Hibridização de orbitais 2s 2px 2py 2pz s p p ppromoção sp3 sp3 sp3 sp3hibridização orbitais híbridos Estado fundamental de um átomo de carbono 1s quatro orbitais são hibridizados O carbono no metano está ligado a quatro átomos com ligações semelhantes, de modo que ele hibridiza quatro orbitais – um s e três p.
  • 30. 30www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
  • 31. 31www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Os orbitais usados na formação da ligação determinam os ângulos da ligação • Ângulo de ligação tetraédrico: 109,5° • Os pares de elétrons espalham-se no espaço o mais distante possível um dos outros.
  • 32. 32www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Orbitais Híbridos do Etano
  • 33. 33www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira 2s 2px 2py 2pz s p p ppromoção sp2 sp2 sp2 p hibridização orbitais híbridos Estado fundamental de um átomo de carbono 1s Três orbitais são hibridizados Um Carbono Hibridizado sp2 Vista frontal Vista superior O carbono no eteno está ligado a três átomos, de modo que ele hibridiza três orbitais – um s e dois p.
  • 34. 34www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira • O ângulo de ligação no carbono sp2 é 120° • O carbono sp2 é trigonal plano Ligação no Eteno: Ligação Dupla
  • 35. 35www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Um Carbono Hibridizado sp 2s 2px 2py 2pz s p p ppromoção sp sp p hibridização orbitais híbridos Estado fundamental de um átomo de carbono 1s p dois orbitais são hibridizados O carbono no etino está ligado a dois átomos, de modo que ele hibridiza dois orbitais – um s e um p.
  • 36. 36www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação no Etino: Ligação Tripla • Ângulo de ligação do carbono sp: 180°. • Uma ligação tripla consiste em uma ligação s e duas p.
  • 37. 37www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Resumo • Uma ligação p é mais fraca que uma ligação s. • Quanto maior a densidade de elétrons na região de sobreposição dos orbitais, mais forte a ligação. • Quanto maior o caráter s, mais curta e mais forte a ligação. • Quanto maior o caráter s, maior é o ângulo de ligação.
  • 38. 38www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Exercícios: 1- Qual das ligações em uma ligação dupla carbono-carbono tem sobreposição de orbital mais efetiva: a ligação sigma ou a ligação pi? 2- Por que é esperado que uma ligação sigma C-C, formada pela sobreposição sp2-sp2, seja mais forte que uma ligação sigma formada pela sobreposição sp3-sp3? 3- Qual é a hibridização de cada átomo de carbono na substância abaixo?
  • 39. 39www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Hibridização de Outros Átomos
  • 40. 40www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação na Água Seria esperado um ângulo de 90º se os elétrons estivessem em orbital p. No entanto o ângulo é de 105,5º indicando que houve hibridação.
  • 41. 41www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação na Amônia
  • 42. 42www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação no Íon Amônio Todos os ângulos no íon amônio são de 109,5o, pois este íon possui 4 ligações idênticas e nenhum par de elétrons livre.
  • 43. 43www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Algumas hibridações em átomos de C, N e O:
  • 44. 44www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Reativos de Carbono (hibridizações)
  • 45. 45www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação no Cátion Metila Carbocátion
  • 46. 46www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Quando a reação forma um intermediário carbocátion, o carbocátion mais estável é sempre formado : terciário > secundário > primário. REGRA DE MARKOVNIKOFF metil carbocation primário carbocation secundário carbocation terciário carbocation menos favorável mais favorável C R R R+ R CH R + R CH2 + CH3+ (menor energia)
  • 47. 47www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Se mais de um carbocátion pode ser formado durante o decorrer de uma reação, o produto formado majoritário será derivado do carbocátion mais estável. Quais hibridizações são observadas para cada carbono?
  • 48. 48www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação no Radical Metila Observe a hibridização do radical metila
  • 49. 49www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Ligação no Ânion Metila Substituintes alquílicos desestabilizam o carbânion por hiperconjugação de orbitais p. Carbânion
  • 50. 50www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Uma ligação polar tem lados positivos e negativos Momento de dipolo (D) = m = e x d (e) : carga no átomo (d) : distância entre duas cargas Dipolo
  • 51. 51www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira 1- Use os símbolos + e - para mostrar a direção da polaridade da ligação indicada em cada uma das seguintes substâncias abaixo. Exemplo: H3C-OH + - A. HO-H B. F-Br C. H3C-NH2 D. H3C-Cl E. HO-Br F. H3C-MgCl G. I-Cl D. H2N-OH Dipolo
  • 52. 52www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira A soma de todos os vetores individuais das ligações de dipolo determina o momento de dipolo resultante da molécula Momento de Dipolo Molecular
  • 53. 53www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira
  • 54. 54www.iq.ufrgs.br/biolab Química Orgânica Teórica 1B – Estrutura e Ligação Prof. Gustavo Pozza Silveira Exercício: Qual das seguintes moléculas se espera que tenha momento de dipolo zero? A- CH3CH3 B- H2C=O C- CH2Cl2 D- NH3 E- H2C=CH2 F- H2C=CHBr