SlideShare uma empresa Scribd logo
GESTÃO DE RECURSOS FITOGENÉTICOS
18/09/2020
Dr. Renato Ferraz de Arruda Veiga
renatofav53@gmail.com
Curso: Pós-graduação em Agricultura Tropical e Subtropical.
Área: Genética, Melhoramento e Biotecnologia Vegetal.
Disciplina: Domesticação e Pré-Melhoramento.
Mara Fernandes Moura
UNIVERSO
13,5 Bilhões de anos
TERRA
4,6 Bilhões de anos
CONTINENTES
a 200 Milhões de anos
Homo sapiens sapiens
I - INTRODUÇÃO
Porém, bem depois
16 - 10 Mil anos
(após uma glaciação),
iniciaram-se a
DOMESTICACÃO
e a
AGROPECUÁRIA
O HOMO se multiplica em
oito espécies, até chegar na
no homem moderno, entre
800 - 300 Mil anos atrás, o
único sobrevivente!
1. NOSSOS “PRIMEIROS” HABITANTES
Os índios deixaram gradualmente o costume nômade de caçador-coletor e incrementaram o cultivo-criação, ao se fixarem por
períodos mais longos, em determinados territórios brasileiros.
DOMESTICAÇÃO: É um processo coevolutivo onde o homem seleciona os caracteres de seu interesse
(tamanho, cor, sabor, etc.), sem se preocupar com as características de sobrevivência da planta na natureza
(Clement, 1999). Pode ocorrem de duas formas:
Cultura primária: quando o progenitor silvestre foi coletado e cultivado ex situ pelo homem, sofrendo
modificações genéticas (Ex: milho);
Cultura secundária: se evoluiu a partir de plantas invasoras do entorno de residências ou nas culturas (Ex;
centeio, aveia, trigo,...) [Incidentalmente coevoluída (Clement, 2001) ou Mimetismo Vaviloviano (Vavilov, 1911)].
Kerr, W. E. (INPA-1986), afirmou que os índios DOMESTICARAM todas espécies nativas cultiváveis que
conhecemos, a partir de 9 a 12 mil anos atrás. Assim, se tornaram os pioneiros em RECURSOS
GENÉTICOS, séculos antes da chegada dos portugueses, cultivando espécies NATIVAS (arroz, babaçu,
caju (...23), além de introduzir EXÓTICAS (feijão-fava, milho, tabaco (...11).
2. AGROECOSSISTEMA E A COEVOLUÇÃO
O AGROECOSSISTEMA é um sistema que
integra as ciências agronômica, ecológica,
econômica e sociológica, em uma Agricultura
Sustentável, com preservação do meio ambiente,
e utilizando de técnicas de proteção ao solo, à
água, ao ar, e ao ser humano (Pimentel, 1973;
Hart, 1978; Altieri, 1989).
A COEVOLUÇÃO é um processo simbiótico-involuntário do
agroecossistema, onde duas ou mais espécies interagem ao evoluírem
podendo até não sobreviver uma sem a(s) outra(s) (Darwin, 1877; Ridley,
2006). Também é perceptível entre o homem e as plantas domesticadas [Ex.:
Amendoim, Milho, Cevada, ...].
A vespa e o Figo
Insetos e flores
3. CENTROS DE ORIGEM E DIVERSIDADE NO BRASIL
CENTRO DE ORIGEM: Área geograficamente isolada
onde ocorre a maior diversidade da espécie domesticada e de
suas parentes nativas.
CENTRO DE DIVERSIDADE: Área geográfica com alta
diversidade genética da espécie domesticada, fora do seu Centro
de Origem.
Pode-se citar a região Nordeste como sendo um CENTRO DE
DIVERSIDADE das espécies exóticas melancia-comum e de
melancia-forrageira (Citrullus lanatus var. citroides)
[ROMÃO, 1995].
Roberto Lisbôa Romão
Charles Roland Clement
4. BIO E MEGA DIVERSIDADE
BIODIVERSIDADE AGROFLORESTAL: Trata da diversidade das
plantas cultivadas e seus parentes silvestres, seus microrganismos e
animais associados, além das espécies nativas da área de preservação, e de
sua interação com o meio ambiente (solo, água e ar).
DIVERSIDADE AGROFLORESTAL: Refere-se apenas aos seus
recursos fitogenéticos, isto é, à sua variabilidade genética intraespecífica
(Arachis hypogaea L.) e interespecífica (Arachis spp.).
ÁSIA
China
Índia
Malásia
IndonésiaÁFRICA
Zaire
Madagascar
Quênia
OCEANIA
Austrália
AMÉRICA
LATINA
Brasil (20%)
Bolívia
Colômbia
Equador
México
Perú
Venezuela
MEGADIVERSIDADE: Refere-se a um grupo seleto de 15 países que
detêm juntos 70% de toda diversidade do planeta, com altos índices de
riqueza em espécies, endemismo, e de ameaças.
BIODIVERSIDADE
AGROFLORESTAL
DIVERSIDADE
AGRO-
FLORESTAL
MEGADIVERSIDADE
Ignácio José de Godoy
5. MAIS DEFINIÇÕES BÁSICAS
MANUTENÇÃO: É a atividade de guarda do material reprodutivo vegetal, a fim de perpetuar sua viabilidade a curto, médio e
longo prazos, para usos presente e futuro, pode ser desmembrada em Conservação ex situ e Preservação in situ.
Otto Frankel
(1900– 1998)
Erna K. Bennett
(1929–2011)
GERMOPLASMA: É a soma total dos Materiais
Hereditários de uma espécie. (Robert W. Allard, 1960).
RECURSOS FITOGENÉTICOS
RECURSOS: São os bens materiais e imateriais oriundos
dos vegetais, com valor para o ser humano.
GENÉTICOS: Refere-se ao material hereditário dos
organismos vivos.
RFG = “Germoplasma vegetal valorável”
GENE POOL TERCIÁRIO (GP3): Os cruzamentos
com GP1 geram progênies anômalas, com graus de
letalidade ou completamente estéreis. Espécies pouco
aparentadas, onde somente as ferramentas da
Biotecnologia solucionam o problema.
GENE POOL PRIMÁRIO (GP1): Cruzamentos são
comuns e geralmente geram progênies férteis, a
segregação de genes é praticamente normal.
GENE POOL QUATERNÁRIO (GP4): Os
cruzamentos com GP1 são impossíveis. Somente com
técnicas de transformação genética (Transgênicos).
GENE POOL SECUNDÁRIO (GP2): Os cruzamentos
com GP1 são possíveis, apesar de barreiras, geram
progênies com níveis variáveis de esterilidade ou
fertilidade, pareamento cromossômico pobre ou nulo,
com dificuldades de levar o híbrido à maturidade e às
gerações subsequentes.
No processo de exploração máxima da variabilidade
genética, tem sido considerado o conceito de POOL
GÊNICO [Harlan & De Wet,1971], como um guia prático
de cruzabilidade de espécies cultivadas e seus parentes
silvestres, onde os GENÓTIPOS (um gene ou grupo de
genes) de um germoplasma são classificados segundo sua
hibridização.
GENÉTICA: Ciência que estuda a
Hereditariedade (William Bateson, 1901).
São Petersburgo
Rússia
Ásia
1916
1922
1924
1927
1929
1930
1932
1933
1919
OrienteMédio&
ÁsiaCentral
AméricadoNorte
ÁsiaCentral,
ÁsiaCentral,
ExtremoOriente
Europa&África
AméricasdoNorte,
Central&Sul
Europa&
1931Europa
1917 Revoluções Russas
1921-22 Seca e Fome
AméricasdoNorte
&Central
Brasil
1908Cáucaso
1940
Ucrânia1939-45II
Cáucaso
6. Vavilov “o pai dos RFGs”
Hoje é o 5º. BAG
118 anos
325 mil acessos
São Petersburgo
Rússia
Mais de 100 expedições, em
cerca de 50 países, coletando
50.000 acessos.
NICOLAI IVANOVICH VAVILOV
Nesta teoria PROPÕE que nos locais de origens da domesticação e da agropecuária se formaram os Centros
de Origem da Diversidade das Plantas Cultivadas. Ex: Arroz na China, Cevada na Babilônia, Milho nas
Américas, Trigo no Egito, ...
CONSIDERADO: Pai dos Recursos Genéticos, Pai da Fitoimunologia, Pai da Agricultura Moderna, Primeiro Guardião da
Biodiversidade, e o Darwin do século XX.
II – GESTÃO (CURADORIAS) DOS RFGs
COORDENADOR DO SISTEMA DE CURADORIAS: É o profissional indicado pela instituição para gerir as
atividades das curadorias, e de orientar os curadores.
CURADORIA: É uma coleção ou grupo de coleções científicas ou de bancos ativos de
germoplasma institucional, sob a responsabilidade de um curador.
CURADOR: É o profissional oficialmente indicado pela Coordenação
do Sistema, ou Instituição, como o responsável pela gestão de um ou
mais BAG.
COMISSÃO COORDENADORA DO SISTEMA: É uma comissão indicada pelo Coordenador, ou
pela Instituição, para auxiliá-lo nos trabalhos de gestão.
Eliane Gomes Fabri
1. QUAIS SÃO AS CURADORIAS DE RFGs NO BRASIL?
Clara Oliveira Goedert
Além da Embrapa, outras instituições também possuem
curadorias, como o IAPAR, INPA, APTA, ...
47 BAGs
GESTÃO NACIONAL – Contamos com uma Diretoria da SBRG
responsável por apoiar os Sistemas de Curadorias Institucionais.
SBRG
Diretoria
Redes Regionais
e
Curadorias
2. AS CURADORIAS NA SBRG
Manoel Abilio Queróz Semíramis Rabelo
Ramalho Ramos
LEMBRANDO que no Brasil, temos também a Rede
Brasileira de Jardins Botânicos (RBJB) conservando
germoplasma ex situ e preservando áreas in situ, realizando a
educação ambiental e pesquisas científicas, além do apoio
vital aos ecossistemas naturais. Existem 89 jardins botânicos,
mas associados temos 65 no país.
João
Neves
3. ATRIBUIÇÕES DA COMISSÃO
1) DIVULGAR editais referentes a projetos com recursos para o manejo;
2) PLEITEAR da diretoria institucional e/ou de órgãos financiadores, recursos para infraestrutura centralizadora de BB de
conservação e preservação dos acessos na instituição (ou encontrar instituições parceiras para tal fim);
3) PROVIDENCIAR um sistema institucional para documentação e informatização de banco de dados relativos aos acessos (ou buscar
instituição parceira para tal fim);
4) FACILITAR institucionalmente na obtenção de mão-de-obra, ou recursos, para apoio à execução de todas atividades inerentes ao
manejo;
5) APOIAR publicações dos dados oriundos da aplicação de descritores e demais inventários;
6) VIABILIZAR institucionalmente o intercâmbio e a quarentena de germoplasma (ou encontrar instituição parceira para tal fim);
7) SOCORRER os BB, BAG, e CC em risco, e sugerir indicação e/ou substituição de curadores;
8) ASSESSORAR a diretoria institucional em assuntos referentes aos recursos genéticos.
A COMISSÃO DE COORDENAÇÃO executa a coordenação do sistema dos bancos de germoplasma (BG) e coleções científicas (CC)
afins, da instituição, visando facilitar o trabalho de cada curador, e solucionar problemas referentes ao relacionamento interno ou com as
demais instituições, bem como com a SBRG, através das seguintes ações:
Marília Lobo Burle
Os CURADORES são os especialistas na(s) espécie(s) indicados como responsáveis por viabilizar todas as atividades de
Recursos Genéticos, como a seguir:
4. ATRIBUIÇÕES DOS CURADORES
José Francisco Montenegro Valls
Dirceu de Mattos Jr
1) ZELAR pela Conservação ex situ e Preservação in situ do seu BG/CC;
2) PROVIDENCIAR a Sanidade do BG/CC;
3) COORDENAR o Manejo e viabilizar parcerias, para todas atividades;
4) MANTER e Atualizar os dados de Passaporte, de Identificação e de
Caracterização;
5) PROVIDENCIAR o Inventário e Publicação dos dados;
6) COORDENAR a Multiplicação e Regeneração do germoplasma, quando
necessário;
7) DISPONIBILIZAR o Material Propagativo para o Intercâmbio e para o
Herbário;
8) ASSESSORAR a Comissão de Coordenação em assuntos da sua
curadoria.
5. ATIVIDADES DAS CURADORIAS
Vânia Rennó - ICRISAT
INTA – Manfredi- AR
Ricardo Oscar Vanni, Antonio Krapovickas e Renato Pietrarelli
Embalagens hermeticamente vedadas.
Nossa apresentação sugere a “Gestão de Recursos Genéticos através de Curadorias”, como o instrumento para a organização dos Bancos de
Germoplasma e Coleções Científicas afins, essencial para gerir a área nas instituições de ensino, extensão rural, e pesquisa agrícolas.
III - IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
CAROLUS LINNAEUS
(1707-1778)
A IDENTIFICAÇÃO das novas espécie de plantas segue as normas definidas pelo Código Internacional de Nomenclatura para
Algas, Fungos e Plantas.
EFETIVOU , em 1753, a Designação Binomial criada
por Gaspar BAUHIN. Ex: Amendoim comum (Arachis
hypogaea L.)
1. EPÍTETO GENÉRICO
Substantivo, maiúscula, itálico (Arachis);
2. EPÍTETO ESPECÍFICO
Adjetivo, minúscula, itálico (Ex: A. hypogaea) [ou
maiúscula em homenagem (Ex: A. Pintoi)].
3. CLASSIFICADOR
Sigla do(s) nome(s) dos autor(es) da espécie, sem
itálico [Ex: Carolus Linaeus = L. ] .
VARIEDADE BOTÂNICA<ESPÉCIE<GÊNERO<FAMÍLIA<ORDEM<CLASSE<FILO<REINO
Trata-se das regras de denominação de novas cultivares, oriundas do melhoramento genético de plantas, segundo o Código
Internacional de Nomenclatura para Plantas Cultivadas.
1. NOMENCLATURA DAS PLANTAS CULTIVADAS
Luís Carlos
Bernacci
FORMAS ALTERNATIVAS PARA ESCREVER “CULTIVAR” EM UM MESMO PARÁGRAFO:
Ex.: 1) Coffea arabica L. ‘Obatã IAC 1669-20’, ou 2) Coffea arabica L. cv. Obatã IAC 1669-20,
ou 3) Coffea arabica L. cultivar Obatã IAC 1669-20.
Alisson Fernando
Chiorato
2. AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
“Visa conhecer as características dos acessos de uma coleção ou BAG, para fins de uso dos acessos.”
1. AGRONÔMICA: Ciclo de maturação, época da produção, produção por
planta, dados do pólen, autofertilidade, teor de óleo das sementes,
produtividade, resistência a fatores adversos;
2. BOTÂNICA: Organografia e Anatomia (Partes subterrâneas, caule,
ramos, folhas, flores, frutos e sementes).
3. GENÉTICA: Citologia, Isoenzimas, DNA, ...;
4. QUÍMICA: Metabólitos secundários;
5. TECNOLÓGICA: Aroma, sabor, açúcares, cidez, grau de conservação.
Carlos Augusto Colombo
TIPO DE DESCRITORES
1. DESCRITORES MÍNIMOS
Utilizados para distinção entre cultivares (SNPC);
2. DESCRITORES COMPLETOS
Utilizados para distinção entre acessos de uma
mesma espécie de um BAG.
DESCRITORES: São dados de avaliações que permitem distinguir os acessos de um BAG, por intermédio de
suas características diferenciais, transferíveis para próximas gerações.
3. APLICADAS COM O USO DE DESCRITORES
TIPO DE DADOS UTILIZADOS
1. QUANTITATIVOS (números – contagens, medições, etc.)
Notas: de 0 a 9.
Valores intermediários: 1,3,5,7 (dúvidas).
Amostragem: 4 medidas de estruturas em 20 plantas.
2. QUALITATIVOS (cor, brilho, aroma, etc.)
Presença (+)
Ausência (0)
PRINCIPAIS MÉTODOS DE ESTATÍSTICOS DE ORDENAÇÃO
DOS DADOS DA CARACTERIZAÇÃO
VARIÁVEIS
QUANTITATIVAS
DISTÂNCIA EUCLIDIANA ANÁLISES DE
COMPONTENTES
PRINCIPAIS
DISTÂNCIA DE
MOHALANOBIS
ANÁLISES CANÔNICAS DE
POPULAÇÕES
VARIÁVEIS
QUALITATIVAS
ÍNDICES DE SIMILARIDADE ANÁLISES DE COORDENDAS
PRINCIPAIS
DADOS DE FREQUÊNCIA
ORGANIZADOS EM
TABELAS DE
CONTINGÊNCIA. DISTÂNCIA
DO
QUI-QUADRADO
ANÁLISES FATORIAIS DE
COORDENADAS
AMBAS
AS VARIÁVEIS
ÍNDICES DE
DISSIMILARIDADE
ESCALAS
MULTIDIMENSIONAIS
(MDS)
4. INTERPRETAÇÃO DOS DADOS DOS DESCRITORES
IV - COLETA, INTERCÂMBIO E QUARENTENA
COLETA de recursos genéticos é a atividade que disponibiliza germoplasma de
plantas cultivadas e de suas parentes nativas, com ampla base genética, ao pré-
melhoramento e ao melhoramento genético.
IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO: São ações do
intercâmbio, segundo a legislação fitossanitária
internacional, a fim de atender às necessidades do
melhoramento genético e de pesquisas correlatas.
João Batista Curt
Ladislau Scorupa , Irenice Rodrigues, Wantuil.
Emílio Bruno Germek
QUARENTENA: Período de tempo de inspeção
fitossanitária (dependente dos ciclos da planta e da praga
quarentenária alvo), no qual as plantas permanecem
isoladas, em observação fitossanitária.
1. AMPLIANDO A VARIABILIDADE DAS PLANTAS
15 spp. constituem 90%
300.000 spp. identificadas e descritas;
30.000 potencialmente úteis;
7.000 alimentaram o mundo;
120 alimentam o mundo;
200 foram domesticadas;
(AS XV DA DIETA = frutíferas (banana e coco), cereais (arroz,
trigo, milho, sorgo e cevada); raízes e tubérculos (batata, batata-
doce e mandioca); leguminosas (amendoim, feijão e soja) plantas
açucareiras (cana-de-açúcar e beterraba).
“MONOCULTIVO e MONOCULTIVARES”.
SPP. SILVESTRES
CV. PRIMITIVAS
LINHAS MELH.
CV.
MUTAÇÕES
CV.OBSOLETAS
BASE GENÉTICADOMESTICAÇÃO
SPP.
SILVESTRES
Como reverter? Voltando à natureza!
O MAIS SURPREENDENTE: Somente arroz, batata, milho e
trigo, juntas correspondem a 60% da dieta humana
[HEYWOOD, 1995; FAO, 1996; NASS, 2008].
 EXPEDIÇÕES NO MUNDO: Em 2500 a.C,
Sumérios na Ásia Menor coletaram: uvas, figos e
rosas. Em 1495 a.C. do Egito na Somália, Etiópia e
Djibouti, árvore do insenso, e mirra., e no Iêmen de
canela e cássia.
 ESTRANGEIROS NO BRASIL: A primeira
expedição de que se tem notícia foi efetivada pelo
alemão GEORGE MARCGRAVE, a pedidos de
Nassau(1636) Zoobotânica e Astronômica (LIVRO).O
segundo foi o brasileiro ALEXANDRE RODRIGUES
FERREIRA, ente 1783 e 1792, pela coroa portuguesa.
 IAC: A 1ª. expedição oficial foi realizada pelo Dr.
Alcides Carvalho, 1940: Peru, Equador, Colômbia e
Bolívia, para Cinchona. Com outros pesquisadores
houve coletas para Arachis, no Paraguai e Goiás, em
1961. Um conjunto efetuadas para o Gossipium, em
1962: Nordeste, Brasil. A partir de 1969 uma série de
expedições foram feitas em SP para coleta de Manihot,
e em 1988, para o amendoim comum pelo Estado de
SP.
 EMBRAPA: A partir de 1974 assumiu esta tarefa no
País (Cenargen), e desde então realizou centenas de
expedições pelo Brasil e exterior.
Alcides Carvalho
OBJETIVAM: Disponibilizar germoplasma com alta variabilidade genética ao ensino, extensão e pesquisa, obtido de centros de
origem e dispersão, de áreas agrícolas tradicionais, e de áreas com risco potencial.
2. EXPEDIÇÕES CIENTÍFICAS NO BRASIL: BREVE HISTÓRICO
1. ESPÉCIES NATIVAS DOMESTICADAS: Abacaxi, amendoim-forrageiro, caju,
goiaba, guaraná, etc.
2. ESPÉCIES NATIVAS SEMIDOMESTICADAS OU INCIPIENTEMENTE
DOMESTICADAS: camu-camu, cupuaçú, feijoa, etc.
3. ESPÉCIES EXÓTICAS INTRODUZIDAS COM DIVERSIDADE LOCAL:
Melancia, melão, feijão-fava, etc.
4. ESPÉCIES NATIVAS NÃO DOMESTICADAS: Aromáticas, Condimentares e
Medicinais, Frutíferas (Especialmente Myrtaceae), Forrageiras, Ornamentais, etc.
3. COLETAS NO BRASIL: ESPÉCIES E ATIVIDADES
ATIVIDADES DE INTRODUÇÃO POR INTERMÉDIO DE COLETA
1. PRÉ COLETA
Elaboração do Projeto para obtenção de recursos: Com Planejamento Técnico e
Logístico (legislação, trajetos, reserva de transporte (embarcação, mulas, avião, etc.) e
hotel, materiais, equipamentos, equipe). Consulta à publicações, herbários, etc.
(informações sobre os locais de coleta, ambiente de ocorrência, etc.)
2. COLETA
Colocar em prática o planejamento coletando o germoplasma e suas exsicatas.
3. PÓS COLETA
Preparo do material para o BB e Herbário: introdução, identificação, quarentena,
manejo (mudas, sementes, exsicatas, etc.), documentação, informatização, conservação,
e relatório final.
4. INTERCÂMBIO E QUARENTENA
José Alberto Caram de
Souza Dias
Monsanto
Dupont
DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA
IMPORTAÇÃO
1. Requerimento para Importação de Material para Pesquisa;
2. Requerimento de Fiscalização de Produtos Agropecuários;
3. Certificado Fitossanitário do país de origem.
EXPORTAÇÃO
1. Certificado Fitossanitário do Brasil e Laudo de Isenção de Pragas;
2. Import Permit, do país importador (Permit Label);
3. Pedido de Autorização de Exportação;
4. Certificado Fitossanitário de Origem;
5. Requerimento de Fiscalização de Produtos Agropecuários.
TRÂNSITO INTERNO
1. Certificado de Origem;
2. Certificado de Origem Consolidado (espécies nativas em risco de
extinção).
5. ATIVIDADES DE QUARENTENA
1 mês
a) Deferimento do pedido de importação
b) Termo de Fiscalização
c) A Prescrição de Quarentena;
d) Checagem do aceite
e) É dado um número de controle
f) Emitido um aviso ao importador
a) Abertura sala especial
b) Check list
a) No. sequencial de introdução (I) .
b) No. Sequencial de entrada no quarentenário.
c) Cadastro Intranet “Germo”.
a) Nematoides, insetos, ácaros, patologia de
sementes, plantas daninhas.
b) Boletim de Análises.
c) Certificado Fitossanitário e Fiel depositário.
d) Registro do expurgo do material
a) Escolha do método e preparo do solo, substrato, ou nutrição de crescimento.
b) Identificação dos vasos ou vasilhames.
c) Amostragem: Se houver mais de 100 acessos, efetivar amostras compostas (bulk)
a cada 10 acessos, registrados para repetição
a) Fungos de plantas, vírus, insetos, ácaros e bactérias.
b) Checagem das folhas expandidas.
c) Boletim de Análises: metodologia empregada e resultado
obtido, observações e recomendações; .
a) Plantas: incineradas.
b) Substratos: Aplicação de Fosfina.
c) Vasos: Hipoclorito de Sódio a 2,4%.
d) Salas: Piretrinas e/ou Piretroides.
a) Laudo de Inspeção (LI): Após liberação dada pelos
especialistas.
b) Laudo de Eliminação (LE): Emitido, em conjunto com
o LI.
Fim
a) Recepção do pedido e emissão de aceite
b) Emissão do aceite pelo quarentenário
c) Pedido de importação pela empresa
Início
3 meses = anuais
6 meses = perenes
a) Aplicação do método de plantio ideal para a espécie ser mantida viva, se anual ou semi-perene
durante o seu ciclo de vida ou, se perene, durante o ciclo da praga quarentenária alvo.
11.
ENTREGA AO
IMPORTADOR
2.
RECEPÇÃO DO
MATERIAL
3.
CONFERÊNCIA
4.
INTRODUÇÃO
5.
INSPEÇÃO PRÉ-
PLANTIO
6.
AMOSTRAGEM
8
INSPEÇÃO
PÓS-PLANTIO
7.
PLANTIO
9.
EXPURGO
DESCARTE
10.
EMISSÃO DE
LAUDOS
1.
ACEITE
a) Comunicação ao importador.
b) Retirada da câmara fria.
c) Juntada dos documentos.
Embrapa Recursos Genéticos
e Biotecnologia
Centro de Quarentena
da Embrapa
Quarentenário Instituto Agronômico - IAC
Quarentenário Syngenta
CONSERVAÇÃO
IN SITU
PRESERVAÇÃO
EX SITU
V - MANUTENÇÃO
1. PRESERVAÇÃO IN SITU
PRODUÇÃO
INTEGRAL
USO
SUSTENTÁVEL
1. Estação
Ecológica (EE)
2. Monumento
Natural (MN)
4. Refúgio de
Vida Silv.(REVIS)
3. Reserva
Biológica (ReBio)
5. Parque
Nacional (PN)
1. Área de Proteção
Ambiental (APA)
2. (RESSEX)
Reser. Extrativista
4. Reserva de
Fauna (REFAU)
6. (RDS) Reserva
de Desen. Susten.
7. (RPPN) Res.
Partic.Patrim.Natu.
3. Floresta
Nacional (FLONA)
5. (ARIE) Área de
Relevante Interesse
OBJETIVO: preservar espaços territoriais representativos de seus ecossistemas, previstos no SNUC
570 Áreas de Uso Indireto, desocupadas e
inexploradas
727 Áreas de Uso Direto, ocupadas e
exploradas racionalmente
BIOMAS
1.1. HERANÇA PRESERVACIONISTA
REFLORESTAR É URGENTE.
LEVY, M. IN: CHÁCARAS E QUINTAIS, 1952.
“Quem hoje em dia, percorre o nosso território imenso, há poucos séculos
densamente coberto de magníficas florestas e campos férteis, sulcado aqui e ali
por castos cursos d’água e semeado de miríades de borbulhantes nascentes, verá
que disto tudo, que constituía outrora o paraíso dos naturalistas e o notável
característico de nossa paisagem, pouca coisa resta!”.
Carl Friedrich Philipp Martius, 1817
RECUPERAR É POSSÍVEL
O BOM EXEMPLO DE D. Pedro II
Em 1861, quando começou a faltar água em determinada região do Rio de Janeiro,
D. Pedro tomou a decisão de reflorestá-la com 100 mil mudas arbóreas. Hoje
conhecemos tal área por “Floresta Nacional da Tijuca”. Alguém duvida do resultado
positivo?
Segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Brasil é o país que mais destina territórios à proteção da vegetação nativa e à
biodiversidade [563.736.030ha], 66,3% do território nacional.
1.2. TERRITÓRIO BRASILEIRO PRESERVADO
SNUC + Indígenas
24,2% Agropecuária
25,6%
Conclui-se que o Brasil cumpre muito bem sua missão preservacionista através do SNUC mais as Áreas indígenas, exército, e propriedades agropecuárias!
Evaristo de Miranda
CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA (1992)
1.3. ESTRATÉGIAS MUNDIAIS DE MANUTENÇÃO
TRATADO INTERNACIONAL SOBRE RFGs PARAALIMENTAÇÃO E
AGRICULTURA (2001)
 Tem por objetivos a “Conservação e o Uso Sustentável”
dos recursos fitogenéticos para a alimentação e agricultura:
5.1.d. Promover a preservação in situ dos parentes silvestres
das plantas cultivadas exóticas e as plantas nativas
alimentícias, inclusive em áreas protegidas, apoiando, entre
outros, os esforços das comunidades indígenas e locais;
7.2.b. Ampliar as atividades internacionais para promover na
conservação ex situ avaliação, documentação, potencial
genético, fitomelhoramento, multiplicação de sementes,
repartição, acesso e intercâmbio;
2018
2006
 Se baseia no desenvolvimento de
“Estratégias Nacionais” de preservação:
1. Na preservação da diversidade biológica;
2. No seu Uso Sustentável;
3. Na repartição justa e equitativa dos
benefícios.
Década da Restauração = 2021-2030. O Brasil se
comprometeu em regenerar 12 milhões de
hectares de áreas florestais (Desafio de Bonn,
2011), através da “Política Nacional de
Recuperação de Vegetação Nativa”.
No Brasil a experiência da RESTAURAÇÃO PAISAGÍSTICA com planta
nativas, na forma de coleções botânicas com suas variabilidades, veio com Roberto
Burle Marx, criador do Paisagismo Tropical, em 1934.
2. CONSERVAÇÃO
2.
IN VITRO
3.
CRIOCONSERVAÇÃO
4.
IN VIVO
4.1
PESQUISA
4.C
TELADO
4.2
ON FARM
4.D
RIPADO
4.B
C.V.
1.
REFRIGERAÇÃO
1.1
B. BASE
1.2
B. ATIVO
1.3
COLEÇÃO TRABALHO 4.A
CAMPO
1.4
COLEÇÃO NÚCLEO
2.1 (20/25)
TROPICAIS
2.2 (10/15)
TEMPERADAS
3.1 (-196)
LÍQUIDO
3.2 (-150)
VAPOR
ATIVIDADE: Manutenção ex situ dos RFGs fora do seu habitat original.
Capacidade
para 600 mil
acessos de
sementes,
in vitro, crio
e DNA.
1.5
COLEÇÃO GENÔMICA
CELSO
MORETTI
TEREZA
CRISTINA
JULIANO
PÁDUA Júlio César Mistro
2.1. A CONSERVAÇÃO
-10 a -20 oC e
5% UR
BB + CN
+5 a + 10oC e
12 a 18% UR
+18 ± 3oC e
15± 3% UR
longo
Exemplos conservados: Ervilha (130 anos), quiabo (125 anos), tomate (124 anos),...
Exemplos “mumificados”: Lotus indiano – solo (1.000 anos); Tremoço – ártico (10.000 anos),
CT
BAG
curto
médio
5
30
50 ou ∞
CLASSIFICAÇÃO DAS SEMENTES
1. RECALCITRANTES - Não toleram temperaturas sub zero e umidade fora do intervalo de 12-31% [Ex.: cacau, seringueira, manga];
2. INTERMEDIÁRIAS - Toleram a desidratação até 10% de umidade, mas Não suportam temperaturas negativas [Ex.: café, jenipapo, citros];
3. ORTODOXAS - Suportam a redução de umidade entre 3 e 7%, e temperaturas entre – 10 ºC e – 20 ºC (considera-se por tempo indeterminado)[Ex: trigo,
feijão, soja].
DEFINIÇÃO: Conservação é a manutenção ex situ de germoplasma, a curto, médio, e longo prazos, com poder germinativo e vigor, sob o controle de dois fatores: 1.
temperatura e 2. umidade.
MONITORAÇÃO: É realizada a cada 10 anos para os acessos
incorporados com viabilidade inicial acima de 85%, e quando
esta cai realiza-se a REGENERAÇÃO.
A cada REDUÇÃO
em 1% no grau de
UMIDADE [entre 5 e
14%], e de 5,5OC na
TEMPERATURA
ambiente [entre 0 e -
50oC] DUPLICA-SE
o tempo de
conservação das
sementes ortodoxas.
SALA DE SECAGEM DE SMENTES: Deve ser realizada em
ambiente controlado, com temperatura entre 5 a 20oC e umidade de
10 a 25%
2.2. CONSERVAÇÃO INTERNACIONAL
ACESSOS POR PAÍS
1. CHINA 300.000
2. EUA 268.000
3. ALEMANHA 160.000
4. BRASIL 150.000
PRIMEIROS BAGs
1. RÚSSIA 1917
2. EUA 1958
3. GHANA 1964
10. BRASIL 1974
Rosa Lia Barbieri
Svalbard Global Seed Vault - Noruega
CGIAR (15 centros, 108 países, 770
mil acessos)
CIAT - Feijão, Mandioca, Arroz
CIMMYT - Trigo, Milho
CIP - Batata, Batata Doce
ICARDA - Trigo, Aveia, Legumes
ICRAF - Agroflorestais
ICRISAT - Amendoim, Grão-de-bico,
Milheto, Sorgo
IITA - Milho, Caupi, Soja
ILRI - Forrageiras Tropicais
IPGRI - Banana, Plátano
IRRI e WARDA - Arroz
VI - INFORMATIZAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO
Segundo José Tomás Esquinas-Alcazar
FAO INTERNATIONAL (1993)
“Um bom sistema de documentação é a
chave para uma efetiva utilização dos acessos
mantidos nos bancos de germoplasma.”
1. DOCUMENTAÇÃO
DEFINIÇÃO: É a atividade de registro organizado do banco de dados em fichários,
livros ata, e/ou computador, disponibilizando informações adequadas e suficientes para
a Informatização e Gestão das Curadorias.
DADOS REGISTRADOS: a) Passaporte [Origem, Procedência, Denominações, Taxonomia, dados da Coleta ou do
Melhoramento, e Siglas]; b) Multiplicação; c) Intercâmbio; d) Quarentena; e) Conservação e Preservação; f) Descritores de
Caracterização; g) Descritores de Avaliação; h) Informações de Regeneração; e i) Informações de Uso.
2. INFORMATIZAÇÃO
OBJETIVA: o uso racional dos dados de Manejo dos RFGs. Isto é, através
de Programas de Computação abastecidos pelos bancos base, e bancos
ativos, faz a Gestão dos Dados para: a) Registro; b) Classificação; c)
Organização; e d) Interpretação.
PROGRAMAS MAIS UTILIZADOS: a) SINGER (CGIAR); b) pcGRIN
(IPGRI); c) BG-Recorder (BGCI); d) GENIS (alemão); e) EPGRIS
(europeu). No Brasil é o Programa ALELO (Embrapa).
CARACTERÍSTICAS DESEJÁVEIS AOS PROGRAMAS: a) seja
intercambiável; b) adaptado para proteger e disponibilizar; c) maleável para
aceitar novas inserções; d) rápido, de fácil uso, que permita cruzar dados; e
e) que viabilize publicações.
Ivo Sias Costa
VII – EXEMPLOS DE USO DE RFGs
Hermes Moreira de Souza
 ACLIMATAÇÃO: cultivares internacionais de novas
espécies introduzidas, aclimatadas e utilizadas
diretamente na agricultura;
 PRÉ-MELHORAMENTO: com espécies parentes da
cultivada sendo cruzadas com cultivares da espécie
domesticada;
 MELHORAMENTO GENÉTICO: germoplasma do
pré-melhoramento e acessos potenciais de espécies
cultivadas introduzidas na coleção de trabalho;
 PAISAGÍSMO: introduzindo variabilidade de espécies
ornamentais e de agrícolas com potencial de uso
ornamental (maracujá, abacaxi, etc.);
 REGENERAÇÃO: de áreas degradadas com espécies
nativas de rápido crescimento. (amendoim forrageiro,
centrozema, cudzu-tropical, estilosantes, mucuna,
bambu...).
VIII – PASSANDO A BANDEIRA
SBR
G
REDESREGIONAIS
SISTEMA
NACIONAL
DE
CURADORIAS
R
B
J
B
MAPAMMA
In situ Ex situ
“PROGRAMA BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS”
 O BRASIL se destaca mundialmente
pela excelência na Gestão da área de
recursos genéticos, com sua SBRG e
suas REDES REGIONAIS;
 Ainda temos o apoio dos Ministérios do
Meio Ambiente (MMA), na preservação
in situ,, e o da Agricultura e Pecuária
(MAPA), na conservação ex situ, além
da possível parceria com a RBJB;
 Falta implementar um SISTEMA
NACIONAL DE CURADORIAS, para
apoiar ainda mais os curadores e as
curadorias;
 A EMBRAPA também pode colaborar
com seu Programa Alelo e com seu BB;
 Sugere-se integrar tudo isto em um
PROGRAMA BRASILEIRO DE RG,
para reivindicar apoio: FINEP, CNPq,
CAPES, e I.E.Fomento, mais CONSEPA
além do internacional (FAO, CGIAR,...).
“SOMOS BONS, MAS PODEMOS SER MEHORES”
E
M
B
R
A
P
A
CONSEPA
TRAGAM SEUS PROJETOS
“QUE NÓS CUIDAMOS PARA VOCÊS!”
APOIEM
“PUBLIQUEM CONOSCO”!
PARTICIPEM “É O NOSSO
CONGRESSO!”
MEU CONTATO
renatofav53@gmail.com
MEUS TRABALHOS
https://www.researchgate.net/profile/Renato_Veiga
MINHAS PALESTRAS
https://pt.slideshare.net/RENATOFERRAZDEARRUDAVEIGA
IX - FIM
PÁGINAS RELEVANTES
• http://www.bgci.org/
• http://www.recursosgeneticos.org/
• http://www.cgiar.org/
• http://www.cenargen.embrapa.br/
ASSOCIEM-SE A NÓS
“AJUDEM A CONSERVAR NOSSOS RFGs!”
MUITO OBRIGADO!
MEU ABRAÇO
VIRTUAL
PARA VOCÊS!
RESPONDA DIANTE DA AULA DE HOJE:
?
[PERGUNTA] Como você iniciaria os seus projetos, em cada
cultura solicitada, pensando nos três itens abaixo?
1. A localização de seus centros de origem e de diversidade
genética;
2. O benefício da sua introdução e o risco de trazer junto uma
nova praga quarentenária;
3. Em quanto tempo conseguirei introduzir o germoplasma e
instalar os experimentos de campo.
ESTUDO DE CASO: Você acabou de ser contratado por uma
nova empresa. Ela te designou para desenvolver projetos de Pré-
melhoramento e Melhoramento Genético de: Oriza sativa L.,
Citrullus lanatus (Thumb.) Matsumura & Nakai, e Araucaria
angustifolia (Bertol.) Kuntze, mas a empresa ainda não possui
BAG destas espécies.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 protista
8 protista8 protista
8 protista
Ercio Novaes
 
Exploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosferaExploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosfera
Filipe Leal
 
Clonagem por micropropagação - Projeto Kyklos
Clonagem por micropropagação - Projeto KyklosClonagem por micropropagação - Projeto Kyklos
Clonagem por micropropagação - Projeto Kyklos
Paulo Filho
 
Av2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e físicaAv2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e física
emanuel
 
Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
Teste relações ecológicas
Teste relações ecológicasTeste relações ecológicas
Teste relações ecológicas
Cimá Ferreira
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Victorlobo Restos de Aborto
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
Fernanda Lopes
 
Cultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animaisCultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animais
Isabel Lopes
 
44.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais201344.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais2013
Leonor Vaz Pereira
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich VavilovAniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Oitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelhoOitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelho
Sheila Lorena Araujo Coelho
 
História e importância da microbiologia
História e importância da microbiologiaHistória e importância da microbiologia
História e importância da microbiologia
Francisco de Lima
 
Biologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitosesBiologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitoses
Alpha Colégio e Vestibulares
 
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1  - ciências humanas e naturais- II bimestreAV1  - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestre
emanuel
 
Introdução microbiologia
Introdução microbiologiaIntrodução microbiologia
Introdução microbiologia
Jefferson Queiroz da Silva
 
Pioneiros(2)
 Pioneiros(2) Pioneiros(2)
Humanure (português)
Humanure (português)Humanure (português)
Humanure (português)
Sarah Jorge Amorim
 
4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia
4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia
4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia
Cristiana Leal
 

Mais procurados (20)

8 protista
8 protista8 protista
8 protista
 
Exploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosferaExploração das potencialidades da biosfera
Exploração das potencialidades da biosfera
 
Clonagem por micropropagação - Projeto Kyklos
Clonagem por micropropagação - Projeto KyklosClonagem por micropropagação - Projeto Kyklos
Clonagem por micropropagação - Projeto Kyklos
 
Av2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e físicaAv2 de biologia,química e física
Av2 de biologia,química e física
 
Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02Artigo abmba v9_n1_2021_02
Artigo abmba v9_n1_2021_02
 
Teste relações ecológicas
Teste relações ecológicasTeste relações ecológicas
Teste relações ecológicas
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
 
Transgênicos
TransgênicosTransgênicos
Transgênicos
 
Cultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animaisCultivo de plantas e criação de animais
Cultivo de plantas e criação de animais
 
44.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais201344.cultivo de plantas criação de animais2013
44.cultivo de plantas criação de animais2013
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich VavilovAniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
Aniversário de 132 anos de Nicolai Ivanovich Vavilov
 
Oitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelhoOitavo plano de sheila coelho
Oitavo plano de sheila coelho
 
História e importância da microbiologia
História e importância da microbiologiaHistória e importância da microbiologia
História e importância da microbiologia
 
Biologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitosesBiologia aula 09 parasitoses
Biologia aula 09 parasitoses
 
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1  - ciências humanas e naturais- II bimestreAV1  - ciências humanas e naturais- II bimestre
AV1 - ciências humanas e naturais- II bimestre
 
Introdução microbiologia
Introdução microbiologiaIntrodução microbiologia
Introdução microbiologia
 
Pioneiros(2)
 Pioneiros(2) Pioneiros(2)
Pioneiros(2)
 
Humanure (português)
Humanure (português)Humanure (português)
Humanure (português)
 
4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia
4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia
4091602 apostila-ensino-fundamental-ceesvo-ciencias-02 cópia
 

Semelhante a Aula gestão RFGs 2020 no IAC

Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Plantas Domesticadas 2022 (novo).pptx
Plantas Domesticadas 2022 (novo).pptxPlantas Domesticadas 2022 (novo).pptx
Plantas Domesticadas 2022 (novo).pptx
RenatoFerrazdeArruda1
 
Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1
Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1
Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
osiasmartinsmagalhes
 
RFG solo, nascentes.pptx
RFG solo, nascentes.pptxRFG solo, nascentes.pptx
RFG solo, nascentes.pptx
RenatoFerrazdeArruda1
 
Ap ent basica kç
Ap ent basica kçAp ent basica kç
Ap ent basica kç
Érica Vasconcelos
 
Apostila entomologia basica
Apostila entomologia basicaApostila entomologia basica
Apostila entomologia basica
Karla Daniele Souza
 
Jornapis 3
Jornapis 3Jornapis 3
Jornapis 3
Talicia000
 
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.pptOs anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
CamilaSantana300186
 
entomologia 1C.docx
entomologia 1C.docxentomologia 1C.docx
entomologia 1C.docx
AntoniaValdianaFerna
 
CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...
CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...
CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...
José André
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia
Gregorio Leal da Silva
 
AULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptx
AULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptxAULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptx
AULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptx
MagnoSaSouza
 
Biodiversidade biologia
Biodiversidade   biologiaBiodiversidade   biologia
Biodiversidade biologia
Roberto Bagatini
 
Trabalho a campo - Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto FlorestalTrabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo - Horto Florestal
Maria Cristina Marques Mota
 
Trabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto FlorestalTrabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto Florestal
Maria Cristina Marques Mota
 
3.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-13.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-1
Felipe Seabra Mayer
 
Rel ec
Rel ecRel ec

Semelhante a Aula gestão RFGs 2020 no IAC (20)

Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptxRecursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
Recursos Fitogenéticos de Plantas Perenes 2024.pptx
 
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptxImportância dos recursos fitogenéticos.pptx
Importância dos recursos fitogenéticos.pptx
 
Plantas Domesticadas 2022 (novo).pptx
Plantas Domesticadas 2022 (novo).pptxPlantas Domesticadas 2022 (novo).pptx
Plantas Domesticadas 2022 (novo).pptx
 
Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1
Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1
Aula Manejo de Recursos Fitogenéticos - PARTE 1
 
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdfAulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
Aulão Enem 2020 Celio - Biologia.pdf
 
RFG solo, nascentes.pptx
RFG solo, nascentes.pptxRFG solo, nascentes.pptx
RFG solo, nascentes.pptx
 
Ap ent basica kç
Ap ent basica kçAp ent basica kç
Ap ent basica kç
 
Apostila entomologia basica
Apostila entomologia basicaApostila entomologia basica
Apostila entomologia basica
 
Jornapis 3
Jornapis 3Jornapis 3
Jornapis 3
 
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.pptOs anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
Os anfíbios para o equilíbrio ecológico do ambiente.ppt
 
entomologia 1C.docx
entomologia 1C.docxentomologia 1C.docx
entomologia 1C.docx
 
CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...
CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...
CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEA...
 
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
 
Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia Apostila Básica de Entomologia
Apostila Básica de Entomologia
 
AULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptx
AULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptxAULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptx
AULA_2_CLASSIFICAÇÃO E FILOGENIA ANIMAL.pptx
 
Biodiversidade biologia
Biodiversidade   biologiaBiodiversidade   biologia
Biodiversidade biologia
 
Trabalho a campo - Horto Florestal
Trabalho a campo -  Horto FlorestalTrabalho a campo -  Horto Florestal
Trabalho a campo - Horto Florestal
 
Trabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto FlorestalTrabalho de Campo - Horto Florestal
Trabalho de Campo - Horto Florestal
 
3.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-13.floresta atlantica-parte-1
3.floresta atlantica-parte-1
 
Rel ec
Rel ecRel ec
Rel ec
 

Mais de Renato Ferraz de Arruda Veiga

Questione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptxQuestione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptxQuestione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Questione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptxQuestione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Nomenclatura 6-2023.pptx
Nomenclatura 6-2023.pptxNomenclatura 6-2023.pptx
Nomenclatura 6-2023.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Nomenclatura 5-2023.pptx
Nomenclatura 5-2023.pptxNomenclatura 5-2023.pptx
Nomenclatura 5-2023.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Nomenclatura 4-2023.pptx
Nomenclatura 4-2023.pptxNomenclatura 4-2023.pptx
Nomenclatura 4-2023.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Nomenclatura 3-2023.pptx
Nomenclatura 3-2023.pptxNomenclatura 3-2023.pptx
Nomenclatura 3-2023.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Nomenclatura 2-2023.pptx
Nomenclatura 2-2023.pptxNomenclatura 2-2023.pptx
Nomenclatura 2-2023.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Nomenclatura 1- 2023.pptx
Nomenclatura 1- 2023.pptxNomenclatura 1- 2023.pptx
Nomenclatura 1- 2023.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Os RFG no planejamento agrícola.pptx
Os RFG no planejamento agrícola.pptxOs RFG no planejamento agrícola.pptx
Os RFG no planejamento agrícola.pptx
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Aula manejorg 2_2019
Aula manejorg 2_2019Aula manejorg 2_2019
Aula manejorg 2_2019
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Sistema Nacional de Curadorias
Sistema Nacional de CuradoriasSistema Nacional de Curadorias
Sistema Nacional de Curadorias
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 

Mais de Renato Ferraz de Arruda Veiga (20)

Questione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptxQuestione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 6.pptx
 
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptxQuestione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptx
Questione-se Meteorologia 2024 Slide 5.pptx
 
Questione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 4 FUNDAG.pptx
 
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptxQuestione-se Meteorologia  FUNDAG slide 3.pptx
Questione-se Meteorologia FUNDAG slide 3.pptx
 
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 2 2024.pptx
 
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptxQuestione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
Questione-se Meteorologia Slide 1 2024.pptx
 
Nomenclatura 6-2023.pptx
Nomenclatura 6-2023.pptxNomenclatura 6-2023.pptx
Nomenclatura 6-2023.pptx
 
Nomenclatura 5-2023.pptx
Nomenclatura 5-2023.pptxNomenclatura 5-2023.pptx
Nomenclatura 5-2023.pptx
 
Nomenclatura 4-2023.pptx
Nomenclatura 4-2023.pptxNomenclatura 4-2023.pptx
Nomenclatura 4-2023.pptx
 
Nomenclatura 3-2023.pptx
Nomenclatura 3-2023.pptxNomenclatura 3-2023.pptx
Nomenclatura 3-2023.pptx
 
Nomenclatura 2-2023.pptx
Nomenclatura 2-2023.pptxNomenclatura 2-2023.pptx
Nomenclatura 2-2023.pptx
 
Nomenclatura 1- 2023.pptx
Nomenclatura 1- 2023.pptxNomenclatura 1- 2023.pptx
Nomenclatura 1- 2023.pptx
 
Os RFG no planejamento agrícola.pptx
Os RFG no planejamento agrícola.pptxOs RFG no planejamento agrícola.pptx
Os RFG no planejamento agrícola.pptx
 
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
Historia brasileira das_e_qs_2021_(2)
 
Aula manejorg 2_2019
Aula manejorg 2_2019Aula manejorg 2_2019
Aula manejorg 2_2019
 
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
As Plantas Alimentícias Não Convencionais e as Plantas do Futuro da Agricultu...
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
 
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
Banco de germoplasma e o papel dos jb para a pesquisa e conservação1
 
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
Diálogos Sustentabilidade - Poços de Caldas - MG 2017
 
Sistema Nacional de Curadorias
Sistema Nacional de CuradoriasSistema Nacional de Curadorias
Sistema Nacional de Curadorias
 

Último

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
Estuda.com
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 

Último (20)

A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdfA Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
A Guerra do Presente - Ministério da Defesa.pdf
 
VIAGEM AO PASSADO -
VIAGEM AO PASSADO                        -VIAGEM AO PASSADO                        -
VIAGEM AO PASSADO -
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
17 Coisas que seus alunos deveriam saber sobre TRI para melhorar sua nota no ...
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdfRelatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
Relatório do Ministério da Defesa (MD) 2017.pdf
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 

Aula gestão RFGs 2020 no IAC

  • 1. GESTÃO DE RECURSOS FITOGENÉTICOS 18/09/2020 Dr. Renato Ferraz de Arruda Veiga renatofav53@gmail.com Curso: Pós-graduação em Agricultura Tropical e Subtropical. Área: Genética, Melhoramento e Biotecnologia Vegetal. Disciplina: Domesticação e Pré-Melhoramento. Mara Fernandes Moura
  • 2. UNIVERSO 13,5 Bilhões de anos TERRA 4,6 Bilhões de anos CONTINENTES a 200 Milhões de anos Homo sapiens sapiens I - INTRODUÇÃO Porém, bem depois 16 - 10 Mil anos (após uma glaciação), iniciaram-se a DOMESTICACÃO e a AGROPECUÁRIA O HOMO se multiplica em oito espécies, até chegar na no homem moderno, entre 800 - 300 Mil anos atrás, o único sobrevivente!
  • 3. 1. NOSSOS “PRIMEIROS” HABITANTES Os índios deixaram gradualmente o costume nômade de caçador-coletor e incrementaram o cultivo-criação, ao se fixarem por períodos mais longos, em determinados territórios brasileiros. DOMESTICAÇÃO: É um processo coevolutivo onde o homem seleciona os caracteres de seu interesse (tamanho, cor, sabor, etc.), sem se preocupar com as características de sobrevivência da planta na natureza (Clement, 1999). Pode ocorrem de duas formas: Cultura primária: quando o progenitor silvestre foi coletado e cultivado ex situ pelo homem, sofrendo modificações genéticas (Ex: milho); Cultura secundária: se evoluiu a partir de plantas invasoras do entorno de residências ou nas culturas (Ex; centeio, aveia, trigo,...) [Incidentalmente coevoluída (Clement, 2001) ou Mimetismo Vaviloviano (Vavilov, 1911)]. Kerr, W. E. (INPA-1986), afirmou que os índios DOMESTICARAM todas espécies nativas cultiváveis que conhecemos, a partir de 9 a 12 mil anos atrás. Assim, se tornaram os pioneiros em RECURSOS GENÉTICOS, séculos antes da chegada dos portugueses, cultivando espécies NATIVAS (arroz, babaçu, caju (...23), além de introduzir EXÓTICAS (feijão-fava, milho, tabaco (...11).
  • 4. 2. AGROECOSSISTEMA E A COEVOLUÇÃO O AGROECOSSISTEMA é um sistema que integra as ciências agronômica, ecológica, econômica e sociológica, em uma Agricultura Sustentável, com preservação do meio ambiente, e utilizando de técnicas de proteção ao solo, à água, ao ar, e ao ser humano (Pimentel, 1973; Hart, 1978; Altieri, 1989). A COEVOLUÇÃO é um processo simbiótico-involuntário do agroecossistema, onde duas ou mais espécies interagem ao evoluírem podendo até não sobreviver uma sem a(s) outra(s) (Darwin, 1877; Ridley, 2006). Também é perceptível entre o homem e as plantas domesticadas [Ex.: Amendoim, Milho, Cevada, ...]. A vespa e o Figo Insetos e flores
  • 5. 3. CENTROS DE ORIGEM E DIVERSIDADE NO BRASIL CENTRO DE ORIGEM: Área geograficamente isolada onde ocorre a maior diversidade da espécie domesticada e de suas parentes nativas. CENTRO DE DIVERSIDADE: Área geográfica com alta diversidade genética da espécie domesticada, fora do seu Centro de Origem. Pode-se citar a região Nordeste como sendo um CENTRO DE DIVERSIDADE das espécies exóticas melancia-comum e de melancia-forrageira (Citrullus lanatus var. citroides) [ROMÃO, 1995]. Roberto Lisbôa Romão Charles Roland Clement
  • 6. 4. BIO E MEGA DIVERSIDADE BIODIVERSIDADE AGROFLORESTAL: Trata da diversidade das plantas cultivadas e seus parentes silvestres, seus microrganismos e animais associados, além das espécies nativas da área de preservação, e de sua interação com o meio ambiente (solo, água e ar). DIVERSIDADE AGROFLORESTAL: Refere-se apenas aos seus recursos fitogenéticos, isto é, à sua variabilidade genética intraespecífica (Arachis hypogaea L.) e interespecífica (Arachis spp.). ÁSIA China Índia Malásia IndonésiaÁFRICA Zaire Madagascar Quênia OCEANIA Austrália AMÉRICA LATINA Brasil (20%) Bolívia Colômbia Equador México Perú Venezuela MEGADIVERSIDADE: Refere-se a um grupo seleto de 15 países que detêm juntos 70% de toda diversidade do planeta, com altos índices de riqueza em espécies, endemismo, e de ameaças. BIODIVERSIDADE AGROFLORESTAL DIVERSIDADE AGRO- FLORESTAL MEGADIVERSIDADE Ignácio José de Godoy
  • 7. 5. MAIS DEFINIÇÕES BÁSICAS MANUTENÇÃO: É a atividade de guarda do material reprodutivo vegetal, a fim de perpetuar sua viabilidade a curto, médio e longo prazos, para usos presente e futuro, pode ser desmembrada em Conservação ex situ e Preservação in situ. Otto Frankel (1900– 1998) Erna K. Bennett (1929–2011) GERMOPLASMA: É a soma total dos Materiais Hereditários de uma espécie. (Robert W. Allard, 1960). RECURSOS FITOGENÉTICOS RECURSOS: São os bens materiais e imateriais oriundos dos vegetais, com valor para o ser humano. GENÉTICOS: Refere-se ao material hereditário dos organismos vivos. RFG = “Germoplasma vegetal valorável” GENE POOL TERCIÁRIO (GP3): Os cruzamentos com GP1 geram progênies anômalas, com graus de letalidade ou completamente estéreis. Espécies pouco aparentadas, onde somente as ferramentas da Biotecnologia solucionam o problema. GENE POOL PRIMÁRIO (GP1): Cruzamentos são comuns e geralmente geram progênies férteis, a segregação de genes é praticamente normal. GENE POOL QUATERNÁRIO (GP4): Os cruzamentos com GP1 são impossíveis. Somente com técnicas de transformação genética (Transgênicos). GENE POOL SECUNDÁRIO (GP2): Os cruzamentos com GP1 são possíveis, apesar de barreiras, geram progênies com níveis variáveis de esterilidade ou fertilidade, pareamento cromossômico pobre ou nulo, com dificuldades de levar o híbrido à maturidade e às gerações subsequentes. No processo de exploração máxima da variabilidade genética, tem sido considerado o conceito de POOL GÊNICO [Harlan & De Wet,1971], como um guia prático de cruzabilidade de espécies cultivadas e seus parentes silvestres, onde os GENÓTIPOS (um gene ou grupo de genes) de um germoplasma são classificados segundo sua hibridização. GENÉTICA: Ciência que estuda a Hereditariedade (William Bateson, 1901).
  • 8. São Petersburgo Rússia Ásia 1916 1922 1924 1927 1929 1930 1932 1933 1919 OrienteMédio& ÁsiaCentral AméricadoNorte ÁsiaCentral, ÁsiaCentral, ExtremoOriente Europa&África AméricasdoNorte, Central&Sul Europa& 1931Europa 1917 Revoluções Russas 1921-22 Seca e Fome AméricasdoNorte &Central Brasil 1908Cáucaso 1940 Ucrânia1939-45II Cáucaso 6. Vavilov “o pai dos RFGs” Hoje é o 5º. BAG 118 anos 325 mil acessos São Petersburgo Rússia Mais de 100 expedições, em cerca de 50 países, coletando 50.000 acessos. NICOLAI IVANOVICH VAVILOV Nesta teoria PROPÕE que nos locais de origens da domesticação e da agropecuária se formaram os Centros de Origem da Diversidade das Plantas Cultivadas. Ex: Arroz na China, Cevada na Babilônia, Milho nas Américas, Trigo no Egito, ... CONSIDERADO: Pai dos Recursos Genéticos, Pai da Fitoimunologia, Pai da Agricultura Moderna, Primeiro Guardião da Biodiversidade, e o Darwin do século XX.
  • 9. II – GESTÃO (CURADORIAS) DOS RFGs COORDENADOR DO SISTEMA DE CURADORIAS: É o profissional indicado pela instituição para gerir as atividades das curadorias, e de orientar os curadores. CURADORIA: É uma coleção ou grupo de coleções científicas ou de bancos ativos de germoplasma institucional, sob a responsabilidade de um curador. CURADOR: É o profissional oficialmente indicado pela Coordenação do Sistema, ou Instituição, como o responsável pela gestão de um ou mais BAG. COMISSÃO COORDENADORA DO SISTEMA: É uma comissão indicada pelo Coordenador, ou pela Instituição, para auxiliá-lo nos trabalhos de gestão. Eliane Gomes Fabri
  • 10. 1. QUAIS SÃO AS CURADORIAS DE RFGs NO BRASIL? Clara Oliveira Goedert Além da Embrapa, outras instituições também possuem curadorias, como o IAPAR, INPA, APTA, ... 47 BAGs
  • 11. GESTÃO NACIONAL – Contamos com uma Diretoria da SBRG responsável por apoiar os Sistemas de Curadorias Institucionais. SBRG Diretoria Redes Regionais e Curadorias 2. AS CURADORIAS NA SBRG Manoel Abilio Queróz Semíramis Rabelo Ramalho Ramos LEMBRANDO que no Brasil, temos também a Rede Brasileira de Jardins Botânicos (RBJB) conservando germoplasma ex situ e preservando áreas in situ, realizando a educação ambiental e pesquisas científicas, além do apoio vital aos ecossistemas naturais. Existem 89 jardins botânicos, mas associados temos 65 no país. João Neves
  • 12. 3. ATRIBUIÇÕES DA COMISSÃO 1) DIVULGAR editais referentes a projetos com recursos para o manejo; 2) PLEITEAR da diretoria institucional e/ou de órgãos financiadores, recursos para infraestrutura centralizadora de BB de conservação e preservação dos acessos na instituição (ou encontrar instituições parceiras para tal fim); 3) PROVIDENCIAR um sistema institucional para documentação e informatização de banco de dados relativos aos acessos (ou buscar instituição parceira para tal fim); 4) FACILITAR institucionalmente na obtenção de mão-de-obra, ou recursos, para apoio à execução de todas atividades inerentes ao manejo; 5) APOIAR publicações dos dados oriundos da aplicação de descritores e demais inventários; 6) VIABILIZAR institucionalmente o intercâmbio e a quarentena de germoplasma (ou encontrar instituição parceira para tal fim); 7) SOCORRER os BB, BAG, e CC em risco, e sugerir indicação e/ou substituição de curadores; 8) ASSESSORAR a diretoria institucional em assuntos referentes aos recursos genéticos. A COMISSÃO DE COORDENAÇÃO executa a coordenação do sistema dos bancos de germoplasma (BG) e coleções científicas (CC) afins, da instituição, visando facilitar o trabalho de cada curador, e solucionar problemas referentes ao relacionamento interno ou com as demais instituições, bem como com a SBRG, através das seguintes ações: Marília Lobo Burle
  • 13. Os CURADORES são os especialistas na(s) espécie(s) indicados como responsáveis por viabilizar todas as atividades de Recursos Genéticos, como a seguir: 4. ATRIBUIÇÕES DOS CURADORES José Francisco Montenegro Valls Dirceu de Mattos Jr 1) ZELAR pela Conservação ex situ e Preservação in situ do seu BG/CC; 2) PROVIDENCIAR a Sanidade do BG/CC; 3) COORDENAR o Manejo e viabilizar parcerias, para todas atividades; 4) MANTER e Atualizar os dados de Passaporte, de Identificação e de Caracterização; 5) PROVIDENCIAR o Inventário e Publicação dos dados; 6) COORDENAR a Multiplicação e Regeneração do germoplasma, quando necessário; 7) DISPONIBILIZAR o Material Propagativo para o Intercâmbio e para o Herbário; 8) ASSESSORAR a Comissão de Coordenação em assuntos da sua curadoria.
  • 14. 5. ATIVIDADES DAS CURADORIAS Vânia Rennó - ICRISAT INTA – Manfredi- AR Ricardo Oscar Vanni, Antonio Krapovickas e Renato Pietrarelli Embalagens hermeticamente vedadas. Nossa apresentação sugere a “Gestão de Recursos Genéticos através de Curadorias”, como o instrumento para a organização dos Bancos de Germoplasma e Coleções Científicas afins, essencial para gerir a área nas instituições de ensino, extensão rural, e pesquisa agrícolas.
  • 15. III - IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO CAROLUS LINNAEUS (1707-1778) A IDENTIFICAÇÃO das novas espécie de plantas segue as normas definidas pelo Código Internacional de Nomenclatura para Algas, Fungos e Plantas. EFETIVOU , em 1753, a Designação Binomial criada por Gaspar BAUHIN. Ex: Amendoim comum (Arachis hypogaea L.) 1. EPÍTETO GENÉRICO Substantivo, maiúscula, itálico (Arachis); 2. EPÍTETO ESPECÍFICO Adjetivo, minúscula, itálico (Ex: A. hypogaea) [ou maiúscula em homenagem (Ex: A. Pintoi)]. 3. CLASSIFICADOR Sigla do(s) nome(s) dos autor(es) da espécie, sem itálico [Ex: Carolus Linaeus = L. ] . VARIEDADE BOTÂNICA<ESPÉCIE<GÊNERO<FAMÍLIA<ORDEM<CLASSE<FILO<REINO
  • 16. Trata-se das regras de denominação de novas cultivares, oriundas do melhoramento genético de plantas, segundo o Código Internacional de Nomenclatura para Plantas Cultivadas. 1. NOMENCLATURA DAS PLANTAS CULTIVADAS Luís Carlos Bernacci FORMAS ALTERNATIVAS PARA ESCREVER “CULTIVAR” EM UM MESMO PARÁGRAFO: Ex.: 1) Coffea arabica L. ‘Obatã IAC 1669-20’, ou 2) Coffea arabica L. cv. Obatã IAC 1669-20, ou 3) Coffea arabica L. cultivar Obatã IAC 1669-20. Alisson Fernando Chiorato
  • 17. 2. AVALIAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO “Visa conhecer as características dos acessos de uma coleção ou BAG, para fins de uso dos acessos.” 1. AGRONÔMICA: Ciclo de maturação, época da produção, produção por planta, dados do pólen, autofertilidade, teor de óleo das sementes, produtividade, resistência a fatores adversos; 2. BOTÂNICA: Organografia e Anatomia (Partes subterrâneas, caule, ramos, folhas, flores, frutos e sementes). 3. GENÉTICA: Citologia, Isoenzimas, DNA, ...; 4. QUÍMICA: Metabólitos secundários; 5. TECNOLÓGICA: Aroma, sabor, açúcares, cidez, grau de conservação. Carlos Augusto Colombo
  • 18. TIPO DE DESCRITORES 1. DESCRITORES MÍNIMOS Utilizados para distinção entre cultivares (SNPC); 2. DESCRITORES COMPLETOS Utilizados para distinção entre acessos de uma mesma espécie de um BAG. DESCRITORES: São dados de avaliações que permitem distinguir os acessos de um BAG, por intermédio de suas características diferenciais, transferíveis para próximas gerações. 3. APLICADAS COM O USO DE DESCRITORES TIPO DE DADOS UTILIZADOS 1. QUANTITATIVOS (números – contagens, medições, etc.) Notas: de 0 a 9. Valores intermediários: 1,3,5,7 (dúvidas). Amostragem: 4 medidas de estruturas em 20 plantas. 2. QUALITATIVOS (cor, brilho, aroma, etc.) Presença (+) Ausência (0)
  • 19. PRINCIPAIS MÉTODOS DE ESTATÍSTICOS DE ORDENAÇÃO DOS DADOS DA CARACTERIZAÇÃO VARIÁVEIS QUANTITATIVAS DISTÂNCIA EUCLIDIANA ANÁLISES DE COMPONTENTES PRINCIPAIS DISTÂNCIA DE MOHALANOBIS ANÁLISES CANÔNICAS DE POPULAÇÕES VARIÁVEIS QUALITATIVAS ÍNDICES DE SIMILARIDADE ANÁLISES DE COORDENDAS PRINCIPAIS DADOS DE FREQUÊNCIA ORGANIZADOS EM TABELAS DE CONTINGÊNCIA. DISTÂNCIA DO QUI-QUADRADO ANÁLISES FATORIAIS DE COORDENADAS AMBAS AS VARIÁVEIS ÍNDICES DE DISSIMILARIDADE ESCALAS MULTIDIMENSIONAIS (MDS) 4. INTERPRETAÇÃO DOS DADOS DOS DESCRITORES
  • 20. IV - COLETA, INTERCÂMBIO E QUARENTENA COLETA de recursos genéticos é a atividade que disponibiliza germoplasma de plantas cultivadas e de suas parentes nativas, com ampla base genética, ao pré- melhoramento e ao melhoramento genético. IMPORTAÇÃO & EXPORTAÇÃO: São ações do intercâmbio, segundo a legislação fitossanitária internacional, a fim de atender às necessidades do melhoramento genético e de pesquisas correlatas. João Batista Curt Ladislau Scorupa , Irenice Rodrigues, Wantuil. Emílio Bruno Germek QUARENTENA: Período de tempo de inspeção fitossanitária (dependente dos ciclos da planta e da praga quarentenária alvo), no qual as plantas permanecem isoladas, em observação fitossanitária.
  • 21. 1. AMPLIANDO A VARIABILIDADE DAS PLANTAS 15 spp. constituem 90% 300.000 spp. identificadas e descritas; 30.000 potencialmente úteis; 7.000 alimentaram o mundo; 120 alimentam o mundo; 200 foram domesticadas; (AS XV DA DIETA = frutíferas (banana e coco), cereais (arroz, trigo, milho, sorgo e cevada); raízes e tubérculos (batata, batata- doce e mandioca); leguminosas (amendoim, feijão e soja) plantas açucareiras (cana-de-açúcar e beterraba). “MONOCULTIVO e MONOCULTIVARES”. SPP. SILVESTRES CV. PRIMITIVAS LINHAS MELH. CV. MUTAÇÕES CV.OBSOLETAS BASE GENÉTICADOMESTICAÇÃO SPP. SILVESTRES Como reverter? Voltando à natureza! O MAIS SURPREENDENTE: Somente arroz, batata, milho e trigo, juntas correspondem a 60% da dieta humana [HEYWOOD, 1995; FAO, 1996; NASS, 2008].
  • 22.  EXPEDIÇÕES NO MUNDO: Em 2500 a.C, Sumérios na Ásia Menor coletaram: uvas, figos e rosas. Em 1495 a.C. do Egito na Somália, Etiópia e Djibouti, árvore do insenso, e mirra., e no Iêmen de canela e cássia.  ESTRANGEIROS NO BRASIL: A primeira expedição de que se tem notícia foi efetivada pelo alemão GEORGE MARCGRAVE, a pedidos de Nassau(1636) Zoobotânica e Astronômica (LIVRO).O segundo foi o brasileiro ALEXANDRE RODRIGUES FERREIRA, ente 1783 e 1792, pela coroa portuguesa.  IAC: A 1ª. expedição oficial foi realizada pelo Dr. Alcides Carvalho, 1940: Peru, Equador, Colômbia e Bolívia, para Cinchona. Com outros pesquisadores houve coletas para Arachis, no Paraguai e Goiás, em 1961. Um conjunto efetuadas para o Gossipium, em 1962: Nordeste, Brasil. A partir de 1969 uma série de expedições foram feitas em SP para coleta de Manihot, e em 1988, para o amendoim comum pelo Estado de SP.  EMBRAPA: A partir de 1974 assumiu esta tarefa no País (Cenargen), e desde então realizou centenas de expedições pelo Brasil e exterior. Alcides Carvalho OBJETIVAM: Disponibilizar germoplasma com alta variabilidade genética ao ensino, extensão e pesquisa, obtido de centros de origem e dispersão, de áreas agrícolas tradicionais, e de áreas com risco potencial. 2. EXPEDIÇÕES CIENTÍFICAS NO BRASIL: BREVE HISTÓRICO
  • 23. 1. ESPÉCIES NATIVAS DOMESTICADAS: Abacaxi, amendoim-forrageiro, caju, goiaba, guaraná, etc. 2. ESPÉCIES NATIVAS SEMIDOMESTICADAS OU INCIPIENTEMENTE DOMESTICADAS: camu-camu, cupuaçú, feijoa, etc. 3. ESPÉCIES EXÓTICAS INTRODUZIDAS COM DIVERSIDADE LOCAL: Melancia, melão, feijão-fava, etc. 4. ESPÉCIES NATIVAS NÃO DOMESTICADAS: Aromáticas, Condimentares e Medicinais, Frutíferas (Especialmente Myrtaceae), Forrageiras, Ornamentais, etc. 3. COLETAS NO BRASIL: ESPÉCIES E ATIVIDADES ATIVIDADES DE INTRODUÇÃO POR INTERMÉDIO DE COLETA 1. PRÉ COLETA Elaboração do Projeto para obtenção de recursos: Com Planejamento Técnico e Logístico (legislação, trajetos, reserva de transporte (embarcação, mulas, avião, etc.) e hotel, materiais, equipamentos, equipe). Consulta à publicações, herbários, etc. (informações sobre os locais de coleta, ambiente de ocorrência, etc.) 2. COLETA Colocar em prática o planejamento coletando o germoplasma e suas exsicatas. 3. PÓS COLETA Preparo do material para o BB e Herbário: introdução, identificação, quarentena, manejo (mudas, sementes, exsicatas, etc.), documentação, informatização, conservação, e relatório final.
  • 24. 4. INTERCÂMBIO E QUARENTENA José Alberto Caram de Souza Dias Monsanto Dupont DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA IMPORTAÇÃO 1. Requerimento para Importação de Material para Pesquisa; 2. Requerimento de Fiscalização de Produtos Agropecuários; 3. Certificado Fitossanitário do país de origem. EXPORTAÇÃO 1. Certificado Fitossanitário do Brasil e Laudo de Isenção de Pragas; 2. Import Permit, do país importador (Permit Label); 3. Pedido de Autorização de Exportação; 4. Certificado Fitossanitário de Origem; 5. Requerimento de Fiscalização de Produtos Agropecuários. TRÂNSITO INTERNO 1. Certificado de Origem; 2. Certificado de Origem Consolidado (espécies nativas em risco de extinção).
  • 25. 5. ATIVIDADES DE QUARENTENA 1 mês a) Deferimento do pedido de importação b) Termo de Fiscalização c) A Prescrição de Quarentena; d) Checagem do aceite e) É dado um número de controle f) Emitido um aviso ao importador a) Abertura sala especial b) Check list a) No. sequencial de introdução (I) . b) No. Sequencial de entrada no quarentenário. c) Cadastro Intranet “Germo”. a) Nematoides, insetos, ácaros, patologia de sementes, plantas daninhas. b) Boletim de Análises. c) Certificado Fitossanitário e Fiel depositário. d) Registro do expurgo do material a) Escolha do método e preparo do solo, substrato, ou nutrição de crescimento. b) Identificação dos vasos ou vasilhames. c) Amostragem: Se houver mais de 100 acessos, efetivar amostras compostas (bulk) a cada 10 acessos, registrados para repetição a) Fungos de plantas, vírus, insetos, ácaros e bactérias. b) Checagem das folhas expandidas. c) Boletim de Análises: metodologia empregada e resultado obtido, observações e recomendações; . a) Plantas: incineradas. b) Substratos: Aplicação de Fosfina. c) Vasos: Hipoclorito de Sódio a 2,4%. d) Salas: Piretrinas e/ou Piretroides. a) Laudo de Inspeção (LI): Após liberação dada pelos especialistas. b) Laudo de Eliminação (LE): Emitido, em conjunto com o LI. Fim a) Recepção do pedido e emissão de aceite b) Emissão do aceite pelo quarentenário c) Pedido de importação pela empresa Início 3 meses = anuais 6 meses = perenes a) Aplicação do método de plantio ideal para a espécie ser mantida viva, se anual ou semi-perene durante o seu ciclo de vida ou, se perene, durante o ciclo da praga quarentenária alvo. 11. ENTREGA AO IMPORTADOR 2. RECEPÇÃO DO MATERIAL 3. CONFERÊNCIA 4. INTRODUÇÃO 5. INSPEÇÃO PRÉ- PLANTIO 6. AMOSTRAGEM 8 INSPEÇÃO PÓS-PLANTIO 7. PLANTIO 9. EXPURGO DESCARTE 10. EMISSÃO DE LAUDOS 1. ACEITE a) Comunicação ao importador. b) Retirada da câmara fria. c) Juntada dos documentos. Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia Centro de Quarentena da Embrapa Quarentenário Instituto Agronômico - IAC Quarentenário Syngenta
  • 27. 1. PRESERVAÇÃO IN SITU PRODUÇÃO INTEGRAL USO SUSTENTÁVEL 1. Estação Ecológica (EE) 2. Monumento Natural (MN) 4. Refúgio de Vida Silv.(REVIS) 3. Reserva Biológica (ReBio) 5. Parque Nacional (PN) 1. Área de Proteção Ambiental (APA) 2. (RESSEX) Reser. Extrativista 4. Reserva de Fauna (REFAU) 6. (RDS) Reserva de Desen. Susten. 7. (RPPN) Res. Partic.Patrim.Natu. 3. Floresta Nacional (FLONA) 5. (ARIE) Área de Relevante Interesse OBJETIVO: preservar espaços territoriais representativos de seus ecossistemas, previstos no SNUC 570 Áreas de Uso Indireto, desocupadas e inexploradas 727 Áreas de Uso Direto, ocupadas e exploradas racionalmente BIOMAS
  • 28. 1.1. HERANÇA PRESERVACIONISTA REFLORESTAR É URGENTE. LEVY, M. IN: CHÁCARAS E QUINTAIS, 1952. “Quem hoje em dia, percorre o nosso território imenso, há poucos séculos densamente coberto de magníficas florestas e campos férteis, sulcado aqui e ali por castos cursos d’água e semeado de miríades de borbulhantes nascentes, verá que disto tudo, que constituía outrora o paraíso dos naturalistas e o notável característico de nossa paisagem, pouca coisa resta!”. Carl Friedrich Philipp Martius, 1817 RECUPERAR É POSSÍVEL O BOM EXEMPLO DE D. Pedro II Em 1861, quando começou a faltar água em determinada região do Rio de Janeiro, D. Pedro tomou a decisão de reflorestá-la com 100 mil mudas arbóreas. Hoje conhecemos tal área por “Floresta Nacional da Tijuca”. Alguém duvida do resultado positivo?
  • 29. Segundo dados do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), o Brasil é o país que mais destina territórios à proteção da vegetação nativa e à biodiversidade [563.736.030ha], 66,3% do território nacional. 1.2. TERRITÓRIO BRASILEIRO PRESERVADO SNUC + Indígenas 24,2% Agropecuária 25,6% Conclui-se que o Brasil cumpre muito bem sua missão preservacionista através do SNUC mais as Áreas indígenas, exército, e propriedades agropecuárias! Evaristo de Miranda
  • 30. CONVENÇÃO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA (1992) 1.3. ESTRATÉGIAS MUNDIAIS DE MANUTENÇÃO TRATADO INTERNACIONAL SOBRE RFGs PARAALIMENTAÇÃO E AGRICULTURA (2001)  Tem por objetivos a “Conservação e o Uso Sustentável” dos recursos fitogenéticos para a alimentação e agricultura: 5.1.d. Promover a preservação in situ dos parentes silvestres das plantas cultivadas exóticas e as plantas nativas alimentícias, inclusive em áreas protegidas, apoiando, entre outros, os esforços das comunidades indígenas e locais; 7.2.b. Ampliar as atividades internacionais para promover na conservação ex situ avaliação, documentação, potencial genético, fitomelhoramento, multiplicação de sementes, repartição, acesso e intercâmbio; 2018 2006  Se baseia no desenvolvimento de “Estratégias Nacionais” de preservação: 1. Na preservação da diversidade biológica; 2. No seu Uso Sustentável; 3. Na repartição justa e equitativa dos benefícios. Década da Restauração = 2021-2030. O Brasil se comprometeu em regenerar 12 milhões de hectares de áreas florestais (Desafio de Bonn, 2011), através da “Política Nacional de Recuperação de Vegetação Nativa”. No Brasil a experiência da RESTAURAÇÃO PAISAGÍSTICA com planta nativas, na forma de coleções botânicas com suas variabilidades, veio com Roberto Burle Marx, criador do Paisagismo Tropical, em 1934.
  • 31. 2. CONSERVAÇÃO 2. IN VITRO 3. CRIOCONSERVAÇÃO 4. IN VIVO 4.1 PESQUISA 4.C TELADO 4.2 ON FARM 4.D RIPADO 4.B C.V. 1. REFRIGERAÇÃO 1.1 B. BASE 1.2 B. ATIVO 1.3 COLEÇÃO TRABALHO 4.A CAMPO 1.4 COLEÇÃO NÚCLEO 2.1 (20/25) TROPICAIS 2.2 (10/15) TEMPERADAS 3.1 (-196) LÍQUIDO 3.2 (-150) VAPOR ATIVIDADE: Manutenção ex situ dos RFGs fora do seu habitat original. Capacidade para 600 mil acessos de sementes, in vitro, crio e DNA. 1.5 COLEÇÃO GENÔMICA CELSO MORETTI TEREZA CRISTINA JULIANO PÁDUA Júlio César Mistro
  • 32. 2.1. A CONSERVAÇÃO -10 a -20 oC e 5% UR BB + CN +5 a + 10oC e 12 a 18% UR +18 ± 3oC e 15± 3% UR longo Exemplos conservados: Ervilha (130 anos), quiabo (125 anos), tomate (124 anos),... Exemplos “mumificados”: Lotus indiano – solo (1.000 anos); Tremoço – ártico (10.000 anos), CT BAG curto médio 5 30 50 ou ∞ CLASSIFICAÇÃO DAS SEMENTES 1. RECALCITRANTES - Não toleram temperaturas sub zero e umidade fora do intervalo de 12-31% [Ex.: cacau, seringueira, manga]; 2. INTERMEDIÁRIAS - Toleram a desidratação até 10% de umidade, mas Não suportam temperaturas negativas [Ex.: café, jenipapo, citros]; 3. ORTODOXAS - Suportam a redução de umidade entre 3 e 7%, e temperaturas entre – 10 ºC e – 20 ºC (considera-se por tempo indeterminado)[Ex: trigo, feijão, soja]. DEFINIÇÃO: Conservação é a manutenção ex situ de germoplasma, a curto, médio, e longo prazos, com poder germinativo e vigor, sob o controle de dois fatores: 1. temperatura e 2. umidade. MONITORAÇÃO: É realizada a cada 10 anos para os acessos incorporados com viabilidade inicial acima de 85%, e quando esta cai realiza-se a REGENERAÇÃO. A cada REDUÇÃO em 1% no grau de UMIDADE [entre 5 e 14%], e de 5,5OC na TEMPERATURA ambiente [entre 0 e - 50oC] DUPLICA-SE o tempo de conservação das sementes ortodoxas. SALA DE SECAGEM DE SMENTES: Deve ser realizada em ambiente controlado, com temperatura entre 5 a 20oC e umidade de 10 a 25%
  • 33. 2.2. CONSERVAÇÃO INTERNACIONAL ACESSOS POR PAÍS 1. CHINA 300.000 2. EUA 268.000 3. ALEMANHA 160.000 4. BRASIL 150.000 PRIMEIROS BAGs 1. RÚSSIA 1917 2. EUA 1958 3. GHANA 1964 10. BRASIL 1974 Rosa Lia Barbieri Svalbard Global Seed Vault - Noruega CGIAR (15 centros, 108 países, 770 mil acessos) CIAT - Feijão, Mandioca, Arroz CIMMYT - Trigo, Milho CIP - Batata, Batata Doce ICARDA - Trigo, Aveia, Legumes ICRAF - Agroflorestais ICRISAT - Amendoim, Grão-de-bico, Milheto, Sorgo IITA - Milho, Caupi, Soja ILRI - Forrageiras Tropicais IPGRI - Banana, Plátano IRRI e WARDA - Arroz
  • 34. VI - INFORMATIZAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO Segundo José Tomás Esquinas-Alcazar FAO INTERNATIONAL (1993) “Um bom sistema de documentação é a chave para uma efetiva utilização dos acessos mantidos nos bancos de germoplasma.”
  • 35. 1. DOCUMENTAÇÃO DEFINIÇÃO: É a atividade de registro organizado do banco de dados em fichários, livros ata, e/ou computador, disponibilizando informações adequadas e suficientes para a Informatização e Gestão das Curadorias. DADOS REGISTRADOS: a) Passaporte [Origem, Procedência, Denominações, Taxonomia, dados da Coleta ou do Melhoramento, e Siglas]; b) Multiplicação; c) Intercâmbio; d) Quarentena; e) Conservação e Preservação; f) Descritores de Caracterização; g) Descritores de Avaliação; h) Informações de Regeneração; e i) Informações de Uso.
  • 36. 2. INFORMATIZAÇÃO OBJETIVA: o uso racional dos dados de Manejo dos RFGs. Isto é, através de Programas de Computação abastecidos pelos bancos base, e bancos ativos, faz a Gestão dos Dados para: a) Registro; b) Classificação; c) Organização; e d) Interpretação. PROGRAMAS MAIS UTILIZADOS: a) SINGER (CGIAR); b) pcGRIN (IPGRI); c) BG-Recorder (BGCI); d) GENIS (alemão); e) EPGRIS (europeu). No Brasil é o Programa ALELO (Embrapa). CARACTERÍSTICAS DESEJÁVEIS AOS PROGRAMAS: a) seja intercambiável; b) adaptado para proteger e disponibilizar; c) maleável para aceitar novas inserções; d) rápido, de fácil uso, que permita cruzar dados; e e) que viabilize publicações. Ivo Sias Costa
  • 37. VII – EXEMPLOS DE USO DE RFGs Hermes Moreira de Souza  ACLIMATAÇÃO: cultivares internacionais de novas espécies introduzidas, aclimatadas e utilizadas diretamente na agricultura;  PRÉ-MELHORAMENTO: com espécies parentes da cultivada sendo cruzadas com cultivares da espécie domesticada;  MELHORAMENTO GENÉTICO: germoplasma do pré-melhoramento e acessos potenciais de espécies cultivadas introduzidas na coleção de trabalho;  PAISAGÍSMO: introduzindo variabilidade de espécies ornamentais e de agrícolas com potencial de uso ornamental (maracujá, abacaxi, etc.);  REGENERAÇÃO: de áreas degradadas com espécies nativas de rápido crescimento. (amendoim forrageiro, centrozema, cudzu-tropical, estilosantes, mucuna, bambu...).
  • 38. VIII – PASSANDO A BANDEIRA SBR G REDESREGIONAIS SISTEMA NACIONAL DE CURADORIAS R B J B MAPAMMA In situ Ex situ “PROGRAMA BRASILEIRO DE RECURSOS GENÉTICOS”  O BRASIL se destaca mundialmente pela excelência na Gestão da área de recursos genéticos, com sua SBRG e suas REDES REGIONAIS;  Ainda temos o apoio dos Ministérios do Meio Ambiente (MMA), na preservação in situ,, e o da Agricultura e Pecuária (MAPA), na conservação ex situ, além da possível parceria com a RBJB;  Falta implementar um SISTEMA NACIONAL DE CURADORIAS, para apoiar ainda mais os curadores e as curadorias;  A EMBRAPA também pode colaborar com seu Programa Alelo e com seu BB;  Sugere-se integrar tudo isto em um PROGRAMA BRASILEIRO DE RG, para reivindicar apoio: FINEP, CNPq, CAPES, e I.E.Fomento, mais CONSEPA além do internacional (FAO, CGIAR,...). “SOMOS BONS, MAS PODEMOS SER MEHORES” E M B R A P A CONSEPA
  • 39. TRAGAM SEUS PROJETOS “QUE NÓS CUIDAMOS PARA VOCÊS!” APOIEM “PUBLIQUEM CONOSCO”! PARTICIPEM “É O NOSSO CONGRESSO!” MEU CONTATO renatofav53@gmail.com MEUS TRABALHOS https://www.researchgate.net/profile/Renato_Veiga MINHAS PALESTRAS https://pt.slideshare.net/RENATOFERRAZDEARRUDAVEIGA IX - FIM PÁGINAS RELEVANTES • http://www.bgci.org/ • http://www.recursosgeneticos.org/ • http://www.cgiar.org/ • http://www.cenargen.embrapa.br/ ASSOCIEM-SE A NÓS “AJUDEM A CONSERVAR NOSSOS RFGs!” MUITO OBRIGADO! MEU ABRAÇO VIRTUAL PARA VOCÊS!
  • 40. RESPONDA DIANTE DA AULA DE HOJE: ? [PERGUNTA] Como você iniciaria os seus projetos, em cada cultura solicitada, pensando nos três itens abaixo? 1. A localização de seus centros de origem e de diversidade genética; 2. O benefício da sua introdução e o risco de trazer junto uma nova praga quarentenária; 3. Em quanto tempo conseguirei introduzir o germoplasma e instalar os experimentos de campo. ESTUDO DE CASO: Você acabou de ser contratado por uma nova empresa. Ela te designou para desenvolver projetos de Pré- melhoramento e Melhoramento Genético de: Oriza sativa L., Citrullus lanatus (Thumb.) Matsumura & Nakai, e Araucaria angustifolia (Bertol.) Kuntze, mas a empresa ainda não possui BAG destas espécies.