SlideShare uma empresa Scribd logo
64º Congresso Nacional de Botânica

Belo Horizonte, 10-15 de Novembro de 2013

CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA
FAMÍLIA AMARYLLIDACEAE NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM
Antonio Campos-Rocha1,2*, José A.V. Monteiro1*, Harri Lorenzi1
1
Jardim Botânico Plantarum; 2 Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); *antonio@plantarum.org.br

Introdução
	 A perda da biodiversidade está ocorrendo em um ritmo
sem precedentes. Segundo a Lista Vermelha da União
Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN),
em 2013 de 70.294 espécies avaliadas, 20.934 foram
consideradas ameaçadas de extinção [1]. Em 2004 eram
8.321 em tal condição. Estima-se que mais de oitocentas
espécies tenham sido extintas nos últimos quinhentos
anos [2], e com estatísticas sugerindo taxas de extinção
cem a mil vezes superiores às taxas de referência [3],
esse número deve aumentar drasticamente no futuro.
	 Os jardins botânicos têm um longo histórico de
contribuição com a pesquisa e preservação de espécies
ameaçadas da flora, colocando-se hoje como instituições
estratégicas nos processos de conservação ex situ.
	 O Plano de Ação para os Jardins Botânicos Brasileiros
estabeleceu como meta a inclusão de, no mínimo, 50%
das espécies criticamente ameaçadas em acervos vivos
até 2014 [4]. Já a Estratégia Global para a Conservação de
Plantas, cujas diretrizes são parte da Convenção sobre
Diversidade Biológica, da qual o Brasil é signatário,
apresenta uma meta mais audaciosa; ao menos 75% das
espécies ameaçadas em coleções ex situ até 2020 [5].

Frutos e sementes
de Worsleya rayneri

Hippeastrum
brasilianum

Metodologia
	 As Amaryllidaceae são ervas bulbosas, de ampla distribuição,
ocorrendo sobretudo nas regiões tropicais e subtropicais. A família
reúne cerca de 80 gêneros e 1.600 espécies [6]. No Brasil, é representada
por 139 espécies distribuídas em 13 gêneros, sendo cinco endêmicos
[7].
	 O Jardim Botânico Plantarum (JBP) possui em sua coleção viva
mais de 3.600 espécies pertencentes a 185 famílias – as Amaryllidaceae
nativas correspondem a 11 gêneros e mais de cinquenta espécies.
O cultivo destas ocorre em casas de vegetação, com temperatura,
umidade e luminosidade controladas. As principais técnicas de
propagação empregadas são a multiplicação por sementes, através
de polinização manual das flores, e a separação de bulbilhos.

Griffinia liboniana

Resultados e Discussão
	 Para que as metas expostas sejam atingidas, serão necessárias em conservação
ex situ no país ao menos 236 espécies até 2014 e 355 até 2020 – considerando-se
aqui apenas o Anexo I da Lista Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas
de Extinção [8]. Neste momento, no entanto, o número é de somente 106 [9].
Com relação às Amaryllidaceae, todas as espécies presentes no Anexo I – Griffinia
liboniana, Hippeastrum brasilianum e Worsleya rayneri – estão em cultivo pelo
JBP. Tratam-se, à exceção de H. brasilianum, cultivado pelo Jardim Botânico
São Leopoldo, dos únicos registros no país. O JBP conta ainda com outras 49
espécies ameaçadas de extinção em sua coleção viva [9].
	 As Amaryllidaceae encontram-se bem adaptadas, completando ciclos
fenológicos com regularidade e demonstrando baixa suscetibilidade a doenças
e pragas. Todos os acessos estão adequadamente identificados e dispõem de
informações como procedência e cultivo, organizadas em banco de dados.

Conclusões
	 A conservação ex situ está entre os mais atuais e
relevantes objetivos dos jardins botânicos, sendo assim,
a documentação de suas coleções revela-se de essencial
importância, permitindo a pesquisadores o conhecimento
sobre sua existência e condição, além de fornecer subsídios
à elaboração de políticas conservacionistas.
Agradecemos aos pesquisadores J. Dutilh e M. Peixoto
pelo auxílio no conhecimento das espécies.
Worsleya rayneri

Referências Bibliográficas

[5] Convention on Biological Diversity - CBD. 2012. Global Strategy for Plant Conservation: 2011-2020. Richmond, Botanic Gardens Conservation International.

[6] Souza, V.C. & Lorenzi, H. 2012. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no
[1] International Union for Conservation of Nature - IUCN. 2013. The IUCN Red List of threatened species. http://www.iucnredlist.org (acesBrasil. Nova Odessa, Instituto Plantarum.
so em 03/07/2013).
[7] Dutilh, J.H.A. & Oliveira, R.S. Amaryllidaceae. 2013. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http://
[2] Bailey, J.E.M., Hilton-Taylor, C. & Stuart, S.N. (eds.). 2004. 2004 IUCN Red List of threatened species: a global species assessment. Gland,
floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB43 (acesso em 13/07/2013).
IUCN Publications Services Unit.
[3] Pimm, S.L.; Russell, G.J.; Gittleman, J.L. & Brooks, T.M. 1995. The future of biodiversity. Science 269(5222): 347-350.

[8] Ministério do Meio Ambiente - MMA. 2008. Instrução Normativa nº 6, de 23 de setembro de 2008. Brasília, MMA.

[9] Rede Brasileira de Jardins Botânicos. 2013. Sistema nacional de conservação ex situ da flora: cadastro de espécies ameaçadas de extin[4] Pereira, T.S.; Costa, M.L.M.N.; Jackson, P.W. 2004. Plano de Ação para os Jardins Botânicos Brasileiros. Rio de Janeiro, Rede Brasileira de
ção cultivadas em jardins botânicos. Rede Brasileira de Jardins Botânicos. http://www.inhotim.org.br/exsitu/ (acesso 29/07/2013).
Jardins Botânicos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Espécies invasoras de PE
Espécies invasoras de PEEspécies invasoras de PE
Espécies invasoras de PE
vfalcao
 
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Label-ha
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
Nathália Vasconcelos
 
Resgate de Flora UHE Teles Pires
Resgate de Flora UHE Teles PiresResgate de Flora UHE Teles Pires
Resgate de Flora UHE Teles Pires
herbam
 

Mais procurados (19)

Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
Diversidade de abelhas em área de ecótono para manguezal em estação quente em...
 
Espécies invasoras de PE
Espécies invasoras de PEEspécies invasoras de PE
Espécies invasoras de PE
 
PLANTAS ORNAMENTAIS APÍCOLAS NO SUL DO BRASIL
PLANTAS ORNAMENTAIS APÍCOLAS NO SUL DO BRASILPLANTAS ORNAMENTAIS APÍCOLAS NO SUL DO BRASIL
PLANTAS ORNAMENTAIS APÍCOLAS NO SUL DO BRASIL
 
Apifauna e seus recursos forrageiros ocorrentes em área de barragem hidrelétr...
Apifauna e seus recursos forrageiros ocorrentes em área de barragem hidrelétr...Apifauna e seus recursos forrageiros ocorrentes em área de barragem hidrelétr...
Apifauna e seus recursos forrageiros ocorrentes em área de barragem hidrelétr...
 
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASILPLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
PLANTAS APÍCOLAS EM SANTA CATARINA, BRASIL
 
Dossiê pe versão final 280309
Dossiê pe versão final 280309Dossiê pe versão final 280309
Dossiê pe versão final 280309
 
Artigo bioterra v21_n2_08
Artigo bioterra v21_n2_08Artigo bioterra v21_n2_08
Artigo bioterra v21_n2_08
 
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...Levantamento  Da  Apifauna  Em  Floresta  Ombrófila  Densa  De  Terras Baixas...
Levantamento Da Apifauna Em Floresta Ombrófila Densa De Terras Baixas...
 
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
Comunidades de abelhas e recursos florais em área de clima temperado no sul d...
 
Biogeografia - Plantas Em Extinção
Biogeografia - Plantas Em ExtinçãoBiogeografia - Plantas Em Extinção
Biogeografia - Plantas Em Extinção
 
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOVESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
ESPÉCIES APÍCOLAS DA FAMÍLIA ASTERACEAE MARTINOV
 
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
(IBGE) Indicadores de desenvolvimento sustentável - Biodiversidade e Saneamento
 
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai VoltaA malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
A malacofauna terrestre do distrito de Vai Volta
 
Resgate de Flora UHE Teles Pires
Resgate de Flora UHE Teles PiresResgate de Flora UHE Teles Pires
Resgate de Flora UHE Teles Pires
 
Coleção do Label
Coleção do LabelColeção do Label
Coleção do Label
 
Avaliação do potencial melífero e polinífero de Crotalaria juncea L. e Crotal...
Avaliação do potencial melífero e polinífero de Crotalaria juncea L. e Crotal...Avaliação do potencial melífero e polinífero de Crotalaria juncea L. e Crotal...
Avaliação do potencial melífero e polinífero de Crotalaria juncea L. e Crotal...
 
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
Efeito da adubação verde sobre o crescimento de kalanchoe pinnata (LAM.) PERS.
 
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de amta atlantica (piraí)
Diversidade de abelhas (hymenoptera  apidae) em área de amta atlantica (piraí)Diversidade de abelhas (hymenoptera  apidae) em área de amta atlantica (piraí)
Diversidade de abelhas (hymenoptera apidae) em área de amta atlantica (piraí)
 
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
Fauna de abelhas associada a plantas de manguezal na região da Baía da Babito...
 

Destaque

Jardim botânico rj
Jardim botânico   rjJardim botânico   rj
Jardim botânico rj
G. Gomes
 

Destaque (9)

Jardim botânico rj
Jardim botânico   rjJardim botânico   rj
Jardim botânico rj
 
Apresentação gran florence jardim botânico
Apresentação gran florence jardim botânicoApresentação gran florence jardim botânico
Apresentação gran florence jardim botânico
 
CONSERVAÇÃO DE Victoria amazonica (NYMPHEACEAE) NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM
CONSERVAÇÃO DE Victoria amazonica (NYMPHEACEAE) NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM CONSERVAÇÃO DE Victoria amazonica (NYMPHEACEAE) NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM
CONSERVAÇÃO DE Victoria amazonica (NYMPHEACEAE) NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM
 
Jardim Botânico Plantarum apresentação
Jardim Botânico Plantarum apresentaçãoJardim Botânico Plantarum apresentação
Jardim Botânico Plantarum apresentação
 
Revista Jardim das Perdizes
Revista Jardim das PerdizesRevista Jardim das Perdizes
Revista Jardim das Perdizes
 
Monteiro 2015 Conservação ex situ de espécies ameaçadas da flora brasileira: ...
Monteiro 2015 Conservação ex situ de espécies ameaçadas da flora brasileira: ...Monteiro 2015 Conservação ex situ de espécies ameaçadas da flora brasileira: ...
Monteiro 2015 Conservação ex situ de espécies ameaçadas da flora brasileira: ...
 
Jardim Botânico
Jardim BotânicoJardim Botânico
Jardim Botânico
 
2
22
2
 
Tcc luclecia impressão_final_revisado
Tcc luclecia impressão_final_revisadoTcc luclecia impressão_final_revisado
Tcc luclecia impressão_final_revisado
 

Semelhante a CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEAE NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM

Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Rural Pecuária
 
Espécies invasoras de Pernambuco
Espécies invasoras de PernambucoEspécies invasoras de Pernambuco
Espécies invasoras de Pernambuco
vfalcao
 

Semelhante a CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEAE NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM (20)

Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
 
Geografia1 eja.pptx
Geografia1 eja.pptxGeografia1 eja.pptx
Geografia1 eja.pptx
 
Aula gestão RFGs 2020 no IAC
Aula gestão RFGs 2020 no IACAula gestão RFGs 2020 no IAC
Aula gestão RFGs 2020 no IAC
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna BrasileiraAnfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
Anfíbios - livro vermelho fauna Brasileira
 
Biodiversidade biologia
Biodiversidade   biologiaBiodiversidade   biologia
Biodiversidade biologia
 
Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)Plantas medicinais-1-convertido (1)
Plantas medicinais-1-convertido (1)
 
biodiverdade
biodiverdade biodiverdade
biodiverdade
 
Claudia Inês da Silva - Biodiversidade no entorno floral
Claudia Inês da Silva - Biodiversidade no entorno floralClaudia Inês da Silva - Biodiversidade no entorno floral
Claudia Inês da Silva - Biodiversidade no entorno floral
 
Artigo bioterra v19_n2_03
Artigo bioterra v19_n2_03Artigo bioterra v19_n2_03
Artigo bioterra v19_n2_03
 
Fauna
Fauna Fauna
Fauna
 
Biodiversidade
BiodiversidadeBiodiversidade
Biodiversidade
 
Fauna brasileira
Fauna brasileiraFauna brasileira
Fauna brasileira
 
Aula Biodiversidade
Aula BiodiversidadeAula Biodiversidade
Aula Biodiversidade
 
Kinup
KinupKinup
Kinup
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
Acão degradadores de madeira
Acão  degradadores de madeiraAcão  degradadores de madeira
Acão degradadores de madeira
 
Itapua tripes artigo
Itapua tripes artigoItapua tripes artigo
Itapua tripes artigo
 
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucessoControle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
Controle biológico com joaninhas: uma tecnologia de sucesso
 
Espécies invasoras de Pernambuco
Espécies invasoras de PernambucoEspécies invasoras de Pernambuco
Espécies invasoras de Pernambuco
 

Mais de José André

Sala Verde Inhotim Informativo 13
Sala Verde Inhotim   Informativo 13Sala Verde Inhotim   Informativo 13
Sala Verde Inhotim Informativo 13
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 05
Sala Verde Inhotim   Informativo 05Sala Verde Inhotim   Informativo 05
Sala Verde Inhotim Informativo 05
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 01
Sala Verde Inhotim   Informativo 01Sala Verde Inhotim   Informativo 01
Sala Verde Inhotim Informativo 01
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 22
Sala Verde Inhotim   Informativo 22Sala Verde Inhotim   Informativo 22
Sala Verde Inhotim Informativo 22
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 09
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 09Sala  Verde  Inhotim    Informativo 09
Sala Verde Inhotim Informativo 09
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 10
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 10Sala  Verde  Inhotim    Informativo 10
Sala Verde Inhotim Informativo 10
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 02
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 02Sala  Verde  Inhotim    Informativo 02
Sala Verde Inhotim Informativo 02
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 12
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12
Sala Verde Inhotim Informativo 12
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 03
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 03Sala  Verde  Inhotim    Informativo 03
Sala Verde Inhotim Informativo 03
José André
 
Sala Verde Inhotim Informativo 07
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 07Sala  Verde  Inhotim    Informativo 07
Sala Verde Inhotim Informativo 07
José André
 

Mais de José André (20)

[Artigo] Implantação do Horto Escola Jardim Vital
[Artigo] Implantação do Horto Escola Jardim Vital[Artigo] Implantação do Horto Escola Jardim Vital
[Artigo] Implantação do Horto Escola Jardim Vital
 
[Artigo] benefícios da compostagem doméstica de resíduos orgânicos
[Artigo]   benefícios da compostagem doméstica de resíduos orgânicos[Artigo]   benefícios da compostagem doméstica de resíduos orgânicos
[Artigo] benefícios da compostagem doméstica de resíduos orgânicos
 
[Artigo] - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CONSERVAÇÃO DA FLORA BRASILEIR...
[Artigo] - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CONSERVAÇÃO DA FLORA BRASILEIR...[Artigo] - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CONSERVAÇÃO DA FLORA BRASILEIR...
[Artigo] - PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA CONSERVAÇÃO DA FLORA BRASILEIR...
 
[Artigo] Educação ambiental no âmbito familiar
[Artigo]   Educação ambiental no âmbito familiar[Artigo]   Educação ambiental no âmbito familiar
[Artigo] Educação ambiental no âmbito familiar
 
Sementes de conhecimento
Sementes de conhecimentoSementes de conhecimento
Sementes de conhecimento
 
O controle remoto está ao nosso alcance
O controle remoto está ao nosso alcanceO controle remoto está ao nosso alcance
O controle remoto está ao nosso alcance
 
Do mato ao prato [artigo]
Do mato ao prato [artigo]Do mato ao prato [artigo]
Do mato ao prato [artigo]
 
[Artigo] a pé onde a natureza acontece revista educação ambiental em ação 50
[Artigo]   a pé onde a natureza acontece revista educação ambiental em ação 50[Artigo]   a pé onde a natureza acontece revista educação ambiental em ação 50
[Artigo] a pé onde a natureza acontece revista educação ambiental em ação 50
 
A educação ambiental desenvolvida no jardim botânico plantarum em 2012 josé a...
A educação ambiental desenvolvida no jardim botânico plantarum em 2012 josé a...A educação ambiental desenvolvida no jardim botânico plantarum em 2012 josé a...
A educação ambiental desenvolvida no jardim botânico plantarum em 2012 josé a...
 
MONTEIRO et al. Projeto Político Pedagógico do Jardim Botânico Plantarum
MONTEIRO et al. Projeto Político Pedagógico do Jardim Botânico PlantarumMONTEIRO et al. Projeto Político Pedagógico do Jardim Botânico Plantarum
MONTEIRO et al. Projeto Político Pedagógico do Jardim Botânico Plantarum
 
Sala Verde Inhotim Informativo 13
Sala Verde Inhotim   Informativo 13Sala Verde Inhotim   Informativo 13
Sala Verde Inhotim Informativo 13
 
Sala Verde Inhotim Informativo 05
Sala Verde Inhotim   Informativo 05Sala Verde Inhotim   Informativo 05
Sala Verde Inhotim Informativo 05
 
Sala Verde Inhotim Informativo 01
Sala Verde Inhotim   Informativo 01Sala Verde Inhotim   Informativo 01
Sala Verde Inhotim Informativo 01
 
Sala Verde Inhotim Informativo 22
Sala Verde Inhotim   Informativo 22Sala Verde Inhotim   Informativo 22
Sala Verde Inhotim Informativo 22
 
Sala Verde Inhotim Informativo 09
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 09Sala  Verde  Inhotim    Informativo 09
Sala Verde Inhotim Informativo 09
 
Sala Verde Inhotim Informativo 10
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 10Sala  Verde  Inhotim    Informativo 10
Sala Verde Inhotim Informativo 10
 
Sala Verde Inhotim Informativo 02
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 02Sala  Verde  Inhotim    Informativo 02
Sala Verde Inhotim Informativo 02
 
Sala Verde Inhotim Informativo 12
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12
Sala Verde Inhotim Informativo 12
 
Sala Verde Inhotim Informativo 03
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 03Sala  Verde  Inhotim    Informativo 03
Sala Verde Inhotim Informativo 03
 
Sala Verde Inhotim Informativo 07
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 07Sala  Verde  Inhotim    Informativo 07
Sala Verde Inhotim Informativo 07
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
ESCRIBA DE CRISTO
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
edjailmax
 

Último (20)

Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptxATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
ATPCG 27.05 - Recomposição de aprendizagem.pptx
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na IgrejaJunho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
Junho Violeta - Sugestão de Ações na Igreja
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdfEvangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
Evangelismo e Missões Contemporânea Cristã.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadessDesastres ambientais e vulnerabilidadess
Desastres ambientais e vulnerabilidadess
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 

CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEAE NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM

  • 1. 64º Congresso Nacional de Botânica Belo Horizonte, 10-15 de Novembro de 2013 CONSERVAÇÃO EX SITU DE ESPÉCIES AMEAÇADAS: O EXEMPLO DA FAMÍLIA AMARYLLIDACEAE NO JARDIM BOTÂNICO PLANTARUM Antonio Campos-Rocha1,2*, José A.V. Monteiro1*, Harri Lorenzi1 1 Jardim Botânico Plantarum; 2 Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); *antonio@plantarum.org.br Introdução A perda da biodiversidade está ocorrendo em um ritmo sem precedentes. Segundo a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), em 2013 de 70.294 espécies avaliadas, 20.934 foram consideradas ameaçadas de extinção [1]. Em 2004 eram 8.321 em tal condição. Estima-se que mais de oitocentas espécies tenham sido extintas nos últimos quinhentos anos [2], e com estatísticas sugerindo taxas de extinção cem a mil vezes superiores às taxas de referência [3], esse número deve aumentar drasticamente no futuro. Os jardins botânicos têm um longo histórico de contribuição com a pesquisa e preservação de espécies ameaçadas da flora, colocando-se hoje como instituições estratégicas nos processos de conservação ex situ. O Plano de Ação para os Jardins Botânicos Brasileiros estabeleceu como meta a inclusão de, no mínimo, 50% das espécies criticamente ameaçadas em acervos vivos até 2014 [4]. Já a Estratégia Global para a Conservação de Plantas, cujas diretrizes são parte da Convenção sobre Diversidade Biológica, da qual o Brasil é signatário, apresenta uma meta mais audaciosa; ao menos 75% das espécies ameaçadas em coleções ex situ até 2020 [5]. Frutos e sementes de Worsleya rayneri Hippeastrum brasilianum Metodologia As Amaryllidaceae são ervas bulbosas, de ampla distribuição, ocorrendo sobretudo nas regiões tropicais e subtropicais. A família reúne cerca de 80 gêneros e 1.600 espécies [6]. No Brasil, é representada por 139 espécies distribuídas em 13 gêneros, sendo cinco endêmicos [7]. O Jardim Botânico Plantarum (JBP) possui em sua coleção viva mais de 3.600 espécies pertencentes a 185 famílias – as Amaryllidaceae nativas correspondem a 11 gêneros e mais de cinquenta espécies. O cultivo destas ocorre em casas de vegetação, com temperatura, umidade e luminosidade controladas. As principais técnicas de propagação empregadas são a multiplicação por sementes, através de polinização manual das flores, e a separação de bulbilhos. Griffinia liboniana Resultados e Discussão Para que as metas expostas sejam atingidas, serão necessárias em conservação ex situ no país ao menos 236 espécies até 2014 e 355 até 2020 – considerando-se aqui apenas o Anexo I da Lista Oficial das Espécies da Flora Brasileira Ameaçadas de Extinção [8]. Neste momento, no entanto, o número é de somente 106 [9]. Com relação às Amaryllidaceae, todas as espécies presentes no Anexo I – Griffinia liboniana, Hippeastrum brasilianum e Worsleya rayneri – estão em cultivo pelo JBP. Tratam-se, à exceção de H. brasilianum, cultivado pelo Jardim Botânico São Leopoldo, dos únicos registros no país. O JBP conta ainda com outras 49 espécies ameaçadas de extinção em sua coleção viva [9]. As Amaryllidaceae encontram-se bem adaptadas, completando ciclos fenológicos com regularidade e demonstrando baixa suscetibilidade a doenças e pragas. Todos os acessos estão adequadamente identificados e dispõem de informações como procedência e cultivo, organizadas em banco de dados. Conclusões A conservação ex situ está entre os mais atuais e relevantes objetivos dos jardins botânicos, sendo assim, a documentação de suas coleções revela-se de essencial importância, permitindo a pesquisadores o conhecimento sobre sua existência e condição, além de fornecer subsídios à elaboração de políticas conservacionistas. Agradecemos aos pesquisadores J. Dutilh e M. Peixoto pelo auxílio no conhecimento das espécies. Worsleya rayneri Referências Bibliográficas [5] Convention on Biological Diversity - CBD. 2012. Global Strategy for Plant Conservation: 2011-2020. Richmond, Botanic Gardens Conservation International. [6] Souza, V.C. & Lorenzi, H. 2012. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no [1] International Union for Conservation of Nature - IUCN. 2013. The IUCN Red List of threatened species. http://www.iucnredlist.org (acesBrasil. Nova Odessa, Instituto Plantarum. so em 03/07/2013). [7] Dutilh, J.H.A. & Oliveira, R.S. Amaryllidaceae. 2013. In: Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. http:// [2] Bailey, J.E.M., Hilton-Taylor, C. & Stuart, S.N. (eds.). 2004. 2004 IUCN Red List of threatened species: a global species assessment. Gland, floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB43 (acesso em 13/07/2013). IUCN Publications Services Unit. [3] Pimm, S.L.; Russell, G.J.; Gittleman, J.L. & Brooks, T.M. 1995. The future of biodiversity. Science 269(5222): 347-350. [8] Ministério do Meio Ambiente - MMA. 2008. Instrução Normativa nº 6, de 23 de setembro de 2008. Brasília, MMA. [9] Rede Brasileira de Jardins Botânicos. 2013. Sistema nacional de conservação ex situ da flora: cadastro de espécies ameaçadas de extin[4] Pereira, T.S.; Costa, M.L.M.N.; Jackson, P.W. 2004. Plano de Ação para os Jardins Botânicos Brasileiros. Rio de Janeiro, Rede Brasileira de ção cultivadas em jardins botânicos. Rede Brasileira de Jardins Botânicos. http://www.inhotim.org.br/exsitu/ (acesso 29/07/2013). Jardins Botânicos.