SlideShare uma empresa Scribd logo
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013
Ecologia
1) Conceitos Básicos
Indivíduo: exemplar de uma espécie qualquer que constitui uma unidade distinta.
Espécie: conjunto de indivíduos muito semelhantes entre si e aos seus ancestrais
que cruzam entre si, naturalmente, produzindo descendentes férteis.
População: conjunto de indivíduos da mesma espécie que ocupam uma
determinada área, num determinado período de tempo.
Comunidade ou biocenose: conjunto de populações diferentes que coexistem em
determinada região, interagindo direta ou indiretamente umas com as outras.
Ecossistema: conjunto formado pela comunidade (meio biótico) e o ambiente
físico (meio abiótico). Ex: Lagoa, Deserto, Floresta, etc.
Biosfera: conjunto de todos os ecossistemas do planeta; corresponde à porção da
Terra onde existe vida.
1) Conceitos Básicos
Hábitat: local onde o indivíduo ou a espécie pode ser encontrado. Corresponde a
seu “endereço” no ecossistema onde vive.
Nicho Ecológico: papel desempenhado pelo organismo no ecossistema. Define o
modo de vida único e particular que cada espécie explora no hábitat.
Ecótone: região de transição entre dois ecossistemas. Apresenta grande
biodiversidade.
Bioma: conjunto de ecossistemas com características relativamente uniformes de
clima, solo, fauna e flora. Exemplos de biomas brasileiros: Cerrado, Mata Atlântica,
Caatinga e Pampas.
Ecologia
Níveis de organização da Ecologia
Átomos  Moléculas  Organelas  Célula  Tecidos  Órgãos  Sistemas 
Organismos (indivíduos)  Populações  Comunidades  Ecossistemas 
Biosfera
Ecologia
1) Conceitos Prévios
a) Organismos Autótrofos
São organismos que possuem a capacidade de utilizar o CO2 como fonte de
carbono para produzir matéria orgânica.
Os organismos podem ser autótrofos de duas maneiras:
I) Realizando fotossíntese
• A fonte de energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica
provém da luz.
II) Realizando quimiossíntese
• A energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica
provém de reações químicas.
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
6CO2 + 12H2O  C6H12O6 + 6H2O + 6O2
1) Conceitos Prévios
a) Organismos Autótrofos
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
Algas Verdes Árvores
Bromélias
Cianobactérias
Algas unicelularesAlgas Pardas
1) Conceitos Prévios
a) Organismos Heterótrofos
São organismos que não são capazes de produzir matéria orgânica. Dessa
maneira, precisam obter a matéria orgânica pronta.
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
1) Conceitos Prévios
a) Importância dos autótrofos
Os autótrofos, por serem capazes de produzir matéria orgânica, são os grandes
produtores de nutrientes dos ecossistemas.
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
2) Cadeias Alimentares
a) Conceito
Relação alimentar entre organismos de um ecossistema. Representa a série de
organismos pela qual flui a energia inicialmente assimilada pelos produtores.
Luz
Capim  Gafanhoto  Sapo  Serpente
Decompositores
(bactérias e fungos)
Toda cadeia alimentar
possui 3 componentes:
I) Produtores
II) Consumidores
III)Decompositores
Os Produtores
São sempre
representados pelos
organismos autótrofos
(Fotossintetizantes ou
Quimiossintetizantes)
Os consumidores
São sempre
heterótrofos
São representados pelos
organismos carnívoros
ou herbívoros de um
ecossitema.
Os decompositores
são também
heterótrofos, porém são
os únicos capazes de
converter a matéria
orgânica em compostos
inorgânicos simples.
Na cadeia acima o capim
(autótrofo) é o
organismo produtor.
Gafanhoto, sapo e
serpente,
consumidores e
bactérias e fungos
decompositores
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
TEIA ALIMENTAR
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
FLUXO DE ENERGIA
Fluxo de energia
1 2
8
9
10
11
43
5
6
7
A ENERGIA DECRESCE A CADA
NÍVEL TRÓFICO
POR ISSO:
AS CADEIAS ALIMENTARES SÃO
NORMALMENTE COMPOSTA
DE POUCOS NÍVEIS TRÓFICOS
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
PIRÂMIDES ECOLÓGICAS
a) Pirâmide de Energia
É sempre direta!!!
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
PIRÂMIDES ECOLÓGICAS
b) Pirâmide de
números
Pode ser direta ou inversa
Se os produtores forem
organismos pequenos e os
consumidores relativamente
maiores, a pirâmide será
sempre direta.
Se os produtores forem de
grande tamanho (uma
árvore) e os herbívoros
pequenos (lagartas) a base da
pirâmide será estreita e o
gráfico não apresentará
forma de pirâmide.
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
PIRÂMIDES ECOLÓGICAS
b) Pirâmide de biomassa
Pode ser direta ou inversa
Produtores
Herbívoros
Carnívoros
Expressa a
quantidade de
substância viva
(“peso seco”) em
cada nível trófico.
Fitoplâncton
Zooplâncton
Peixes
Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
5) Relações Ecológicas
Ecologia
Relações Harmônicas
(Pelo menos uma das
espécies se beneficia e não
há prejuízo para nenhuma
das partes associadas)
Intra-Específica
(entre indivíduos de
uma mesma espécie.)
Colônias
Sociedades
Interespecífica
(entre indivíduos de
espécies diferentes.)
Mutualismo
Protocooperação
Comensalismo
Relações Desarmônicas
(Uma ou ambas as
espécies são prejudicadas)
Intra-Específica
(entre indivíduos de
uma mesma espécie.)
Competição intra-específica
Canibalismo
Interespecífica
(entre indivíduos de
espécies diferentes.)
Competição interespecífica
Predatismo
Parasitismo
Amensalismo
5) Relações Ecológicas
a) Relações Intra-específicas Harmônicas
I) Colônia: São associações entre indivíduos da mesma espécie, unidos fisicamente
entre si, podendo ou não ocorrer divisão de trabalho.
Ex: Corais, bactérias (estreptococos), caravela
II) Sociedade: São associações entre indivíduos da mesma espécie, organizados de
modo cooperativo e não ligados anatomicamente.
Ex: sociedade dos insetos: abelhas, formigas, vespas.
Obs.: Na sociedade das abelhas as funções dos indivíduos são bem definidas,
havendo três castas sociais: rainha, zangão e operárias.
Ecologia
5) Relações Ecológicas
a) Relações Intra-específicas Harmônicas
I) Colônia:
Ecologia
5) Relações Ecológicas
a) Relações Intra-específicas Harmônicas
II) Sociedade: Abelhas
Ecologia
5) Relações Ecológicas
a) Relações Interespecíficas Harmônicas
I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária à
sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos.
Ex:
o Líquens (associação entre algas ou cianobactérias e fungos)
o Bacteriorriza: Associação formada por bactérias do gênero Rhizobium com
raízes de leguminosas, como o feijão.
o Herbívoros e Protozoários.
Ecologia
5) Relações Ecológicas
a) Relações Interespecíficas Harmônicas
II) Protocooperação: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que
ambos se beneficiam, mas a existência não é obrigatória.
Ex:
o Paguro e anêmonas do mar
o Cervo e pássaro anu
o Pássaro palito e jacaré
o Insetos polinizadores e angiospermas
Ecologia
5) Relações Ecológicas
a) Relações Interespecíficas Harmônicas
III) Comensalismo: É a associação entre
espécies diferentes, na qual uma espécie é
beneficiada sem causar prejuízo ou benefício a
outra.
Comensalismo típico: Relação em que uma
espécie se alimenta de restos alimentares de
outra, sem prejudicá-la. Ex: Abutres, que
aproveitam restos das presas dos leões.
Inquilinismo: Relação ecológica em que uma
espécie inquilina vive sobre ou no interior de uma
espécie hospedeira, sem prejudicá-la. Nos
vegetais essa associação recebe o nome de
epifitismo. Ex: Bromélias.
Forésia: Relação na qual uma espécie usa a outra
como meio de transporte. Ex: Tubarão e rêmoras.
Ecologia
5) Relações Ecológicas
b) Relações Intra-específicas desarmônicas
I) Competição Intra-específica: Ocorre
entre indivíduos da mesma espécie, e é
motivada por disputas por território,
alimento e companheiro sexual.
Obs.: A competição é um fator que regula o
tamanho da população
II) Canibalismo: Relação na qual um
organismo se alimenta de outro da mesma
espécie.
Ex: Louva-Deus; Aranha viúva negra.
Ecologia
5) Relações Ecológicas
b) Relações Interespecíficas desarmônicas
II) Predatismo: Ocorre quando organismo
predadores matam indivíduos da população
de presas para deles se alimentarem.
Ex: Leões e girafas.
Ecologia
5) Relações Ecológicas
b) Relações Interespecíficas desarmônicas
III) Parasitismo: Relação na qual uma das espécies, o parasita, obtêm nutrientes e
moradia no corpo de indivíduos vivos da espécie hospedeira.
Endoparasitismo: O parasita vive no interior do corpo do hospedeiro.
Ex: Protozoários flagelados e cupim.
Ectoparasitismo: Quando o parasita vive na superfície do hospedeiro.
Ex: Piolho e homem.
Holoparasita: Planta parasita que obtém seiva bruta e elaborada as custas da planta
hospedeira. Ex: Cipó-chumbo.
Hemiparasita: Planta parasita que obtém somente seiva bruta as custas da planta
hospedeira. Ex: Erva de passarinho.
Obs.: O parasitismo pode ser um fator regulador do tamanho de uma população.
Obs2.: Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes
para sobreviverem.
Ecologia
5) Relações Ecológicas
b) Relações Interespecíficas desarmônicas
III) Parasitismo
Erva-de-passarinho Cipó chumbo
Pernilongo
Ecologia
5) Relações Ecológicas
b) Relações Interespecíficas desarmônicas
IV) Amensalismo: Também chamado de antibiose, uma espécie denominada
inibidora libera substâncias que impedem o crescimento e a reprodução de outra
denominada amensal.
Ex: Algas pirrófitas e animais marinhos (Maré vermelha).
Algas Pirrófitas
Ecologia
5) Relações Ecológicas
Formas especiais de adaptação
a) Camuflagem: Forma de adaptação na qual
um organismo se parece com o ambiente,
confundindo-se com ele na cor e/ou na
forma.
b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual
uma espécie se beneficia por assemelhar-se
a outras
Ecologia
5) Relações Ecológicas
Formas especiais de adaptação
b) Mimetismo
Ecologia
EU VIM DIZER
VOCÊS VÃO TER QUE ESCUTAR
E AGIR CONCIENTE EM PRO DO MEIO AMBIENTE
COM OS GASES ESTUFA
OU OUTROS MATERIAIS
HOJE EM DIA, POLUIR NÃO DÁ MAIS
VOCÊ DIZ NÃO SABER O QUE FEZ DE ERRADO
E O SEGREDO DEIXAR O AMBIENTE INTÁCTO, BASTARIA (BIS)
ERA SÓ RECICLAR, TODO DIA
NÃO PODEMOS PARAR TEMOS QUE PRESERVAR
MESMO QUERENDO EU NÃO VOU ME ENGANAR
E LIBERAR CARBONO PRA ACABAR COM O OZÔNIO
COM A MENTE ABERTA,
E A CERTEZA DE MUDAR,
O MUNDO NOVO NÓS FAREMOS DISPERTAR
PARÓDIA SUSTENTABILIDADE
(MEU ERRO – PARALAMAS DO SUCESSO)
1. Os personagens da figura estão representando uma situação hipotética de cadeia alimentar.
Disponível em: www.cienciasgaspar.blogspot.com.
Suponha que, em cena anterior à apresentada, o homem tenha se alimentado de frutas e grãos que
conseguiu coletar. Na hipótese de, nas próximas cenas, o tigre ser bem-sucedido e, posteriormente,
servir de alimento aos abutres, tigre e abutres ocuparão, respectivamente, os níveis tróficos de:
a) produtor e consumidor primário.
b) consumidor primário e consumidor secundário.
c) consumidor secundário e consumidor terciário.
d) consumidor terciário e produtor.
e) consumidor secundário e consumidor primário.
QUESTÃO 2
3. Os vaga-lumes machos e fêmeas emitem sinais luminosos para se
atraírem para o acasalamento. O macho reconhece a fêmea de sua
espécie e, atraído por ela, vai ao seu encontro. Porém, existe um
tipo de vaga-lume, o Photuris, cuja fêmea engana e atrai os machos
de outro tipo, o Photinus, fingindo ser desse gênero. Quando o
machoPhotinus se aproxima da fêmea Photuris, muito maior que
ele, é atacado e devorado por ela.
BERTOLDI, O.G.; VASCONCELOS, J.R. Ciências & Sociedade: a aventura da vida, a aventura
da tecnologia. São Paulo: Scipione, 2000 (adaptado).
A relação descrita no texto, entre a fêmea do gênero Photuris e o
macho do gênero Photinus, é um exemplo de:
a) comensalismo
b) inquilinismo
c) cooperação
d) predatismo
e) mutualismo
4. Observando a história em quadrinhos abaixo, que ilustra de forma bem
humorada como a natureza funciona, é correto concluir que:
a) Animais consumidores um dia se
tornarão presas.
b) As plantas podem agir como
consumidores finais da cadeia
alimentar.
c) Ocorre aumento do saldo energético
de um nível trófico para outro, dos
produtores aos decompositores.
d) O mimetismo é comum em vários
grupos animais como estratégia para
capturar as presas.
e) As relações entre os animais da cadeia
alimentar ilustrada são desarmônicas e
intraespecíficas.
Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de ecologia
Apostila de ecologiaApostila de ecologia
Apostila de ecologia
Paulo Lobo
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
Suely namaste
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidade
Luciara Andrade
 
Ecologia – Conceitos BáSicos
Ecologia – Conceitos BáSicosEcologia – Conceitos BáSicos
Ecologia – Conceitos BáSicos
Diego Yamazaki Bolano
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Marcos Santos
 
Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologia
Grupo UNIASSELVI
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
Marcionedes De Souza
 
Ecologia geral
Ecologia geralEcologia geral
Ecologia geral
Adrianne Mendonça
 
1o Ano Ecologia Humana
1o Ano   Ecologia Humana1o Ano   Ecologia Humana
1o Ano Ecologia Humana
SESI 422 - Americana
 
Especialidade de Ecologia - Aula PPT
Especialidade de Ecologia - Aula PPTEspecialidade de Ecologia - Aula PPT
Especialidade de Ecologia - Aula PPT
Pedro Henrique Araújo
 
Aula ecologia
Aula ecologiaAula ecologia
Aula ecologia
Clécio Bubela
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
Bio Sem Limites
 
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março 2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
Luiza Collet
 
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosferaNíveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Everson Carabolante
 
Conceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em EcologiaConceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em Ecologia
Bio Sem Limites
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
BIOGERALDO
 
Fundamentos em Ecologia
Fundamentos em EcologiaFundamentos em Ecologia
Fundamentos em Ecologia
Estude Mais
 
13 - ecologia II
13 - ecologia II13 - ecologia II
13 - ecologia II
Marcus Magarinho
 
conceitos em ecologia
conceitos em ecologiaconceitos em ecologia
conceitos em ecologia
Chiara Lubich
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
Werner Mendoza Blanco
 

Mais procurados (20)

Apostila de ecologia
Apostila de ecologiaApostila de ecologia
Apostila de ecologia
 
Ecologia power point
Ecologia   power pointEcologia   power point
Ecologia power point
 
Ecologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidadeEcologia e sustentabilidade
Ecologia e sustentabilidade
 
Ecologia – Conceitos BáSicos
Ecologia – Conceitos BáSicosEcologia – Conceitos BáSicos
Ecologia – Conceitos BáSicos
 
Conceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemasConceitos em ecologia e ecossistemas
Conceitos em ecologia e ecossistemas
 
Aula 1 conceitos de ecologia
Aula 1   conceitos de ecologiaAula 1   conceitos de ecologia
Aula 1 conceitos de ecologia
 
Aula de ecologia curso completo
Aula de ecologia   curso completoAula de ecologia   curso completo
Aula de ecologia curso completo
 
Ecologia geral
Ecologia geralEcologia geral
Ecologia geral
 
1o Ano Ecologia Humana
1o Ano   Ecologia Humana1o Ano   Ecologia Humana
1o Ano Ecologia Humana
 
Especialidade de Ecologia - Aula PPT
Especialidade de Ecologia - Aula PPTEspecialidade de Ecologia - Aula PPT
Especialidade de Ecologia - Aula PPT
 
Aula ecologia
Aula ecologiaAula ecologia
Aula ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março 2 estudos das relações entre os seres vivos - março
2 estudos das relações entre os seres vivos - março
 
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosferaNíveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
Níveis de organização ecológico população, comunidade, ecossistema e biosfera
 
Conceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em EcologiaConceitos Básicos em Ecologia
Conceitos Básicos em Ecologia
 
Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Fundamentos em Ecologia
Fundamentos em EcologiaFundamentos em Ecologia
Fundamentos em Ecologia
 
13 - ecologia II
13 - ecologia II13 - ecologia II
13 - ecologia II
 
conceitos em ecologia
conceitos em ecologiaconceitos em ecologia
conceitos em ecologia
 
Bases da ecologia
Bases da ecologiaBases da ecologia
Bases da ecologia
 

Destaque

Agrotóxicos - Boas Práticas de Manuseio
Agrotóxicos - Boas Práticas de ManuseioAgrotóxicos - Boas Práticas de Manuseio
Agrotóxicos - Boas Práticas de Manuseio
Fonte Comunicação
 
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola SustentávelSistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
AgriculturaSustentavel
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
igor-oliveira
 
Fatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticosFatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticos
Marcia Bantim
 
Ecossistemas agropecuarios
Ecossistemas agropecuariosEcossistemas agropecuarios
Ecossistemas agropecuarios
Joao Shenga
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
forumsustentar
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
Thamires Bragança
 
Edison sujii impacto a biodiversidade e sa
Edison sujii impacto a biodiversidade e sa Edison sujii impacto a biodiversidade e sa
Edison sujii impacto a biodiversidade e sa
Sofia Iba
 
Agricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasilAgricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasil
profleofonseca
 
Agroecologia (2)
Agroecologia (2)Agroecologia (2)
Agroecologia (2)
Heber Mello
 
Agroecologia ufrgs
Agroecologia ufrgsAgroecologia ufrgs
Agroecologia ufrgs
Geraldo Henrique
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
igor-oliveira
 
Características da Agricultura e Pecuária
Características da Agricultura e PecuáriaCaracterísticas da Agricultura e Pecuária
Características da Agricultura e Pecuária
Linguagem Geográfica
 

Destaque (13)

Agrotóxicos - Boas Práticas de Manuseio
Agrotóxicos - Boas Práticas de ManuseioAgrotóxicos - Boas Práticas de Manuseio
Agrotóxicos - Boas Práticas de Manuseio
 
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola SustentávelSistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
 
Fatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticosFatores bioticos e abioticos
Fatores bioticos e abioticos
 
Ecossistemas agropecuarios
Ecossistemas agropecuariosEcossistemas agropecuarios
Ecossistemas agropecuarios
 
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
Indicadores de Sustentabilidade em Agroecossistemas - ISA
 
Agricultura mundial
Agricultura mundialAgricultura mundial
Agricultura mundial
 
Edison sujii impacto a biodiversidade e sa
Edison sujii impacto a biodiversidade e sa Edison sujii impacto a biodiversidade e sa
Edison sujii impacto a biodiversidade e sa
 
Agricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasilAgricultura mundial e do brasil
Agricultura mundial e do brasil
 
Agroecologia (2)
Agroecologia (2)Agroecologia (2)
Agroecologia (2)
 
Agroecologia ufrgs
Agroecologia ufrgsAgroecologia ufrgs
Agroecologia ufrgs
 
Agroecologia hoje
Agroecologia hojeAgroecologia hoje
Agroecologia hoje
 
Características da Agricultura e Pecuária
Características da Agricultura e PecuáriaCaracterísticas da Agricultura e Pecuária
Características da Agricultura e Pecuária
 

Semelhante a Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013

Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
PatriciaZanoli
 
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
FranciscoSallas1
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
celembio
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
TainTeixeiraBiolouka
 
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsxAula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
FranciscoSallas1
 
Semi ecologia geral
Semi ecologia geralSemi ecologia geral
Semi ecologia geral
aulasdotubao
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
Evandro Batista
 
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Vida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivosVida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivos
Jolealpp
 
Biologia Relações Ecologicas
Biologia Relações EcologicasBiologia Relações Ecologicas
Biologia Relações Ecologicas
Eduardo Da Silva Sousa
 
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.pptAula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
RodrigoLucas51
 
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
Allef B. Santos
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vida
Sarah Lemes
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
URCA
 
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
agendab
 
Entendendo a Ecologia
Entendendo a EcologiaEntendendo a Ecologia
Entendendo a Ecologia
Carlos Eduardo
 
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
MenadeJesus
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
MenadeJesus
 
Aula 11 cadeia alimentar
Aula 11   cadeia alimentarAula 11   cadeia alimentar
Aula 11 cadeia alimentar
Jonatas Carlos
 

Semelhante a Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013 (20)

Aula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo anoAula Ecologia introdução para o setimo ano
Aula Ecologia introdução para o setimo ano
 
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsxAula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
Aula_Ecologia_Geral Cetisa.ppsx
 
Aula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.pptAula Ecologia.ppt
Aula Ecologia.ppt
 
Aula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os anoAula Ecologia energia básico para os ano
Aula Ecologia energia básico para os ano
 
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsxAula_Ecologia_Geral.ppsx
Aula_Ecologia_Geral.ppsx
 
Semi ecologia geral
Semi ecologia geralSemi ecologia geral
Semi ecologia geral
 
Relações Ecológicas
Relações EcológicasRelações Ecológicas
Relações Ecológicas
 
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
Aularelaesecolgicas 120313120118-phpapp01
 
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
Aularelaesecolgicas 120313120118 phpapp01 (1)
 
Vida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivosVida e composição dos seres vivos
Vida e composição dos seres vivos
 
Biologia Relações Ecologicas
Biologia Relações EcologicasBiologia Relações Ecologicas
Biologia Relações Ecologicas
 
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.pptAula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
Aula 6º e 7º ano BOMM - Relações Ecologicas - Muito BOMMM.ppt
 
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
aula ecologia fluxo de energia nos ecossistemas.
 
Capítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vidaCapítulo 3 a diversidade da vida
Capítulo 3 a diversidade da vida
 
Relações ecológicas
Relações ecológicasRelações ecológicas
Relações ecológicas
 
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
Slide: Por favor, não defendam a natureza! Biologia. PARTE 1.
 
Entendendo a Ecologia
Entendendo a EcologiaEntendendo a Ecologia
Entendendo a Ecologia
 
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
Habitat, Nicho Ecológico, Componentes do Ecossistema, Cadeia e Teia Alimentar
 
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
Habitat, Nicho ecológico, Componentes do ecossistema, Cadeia e Teia alimentar
 
Aula 11 cadeia alimentar
Aula 11   cadeia alimentarAula 11   cadeia alimentar
Aula 11 cadeia alimentar
 

Mais de Esquadrão Do Conhecimento

Geral ingressantes sisu 2015-1
Geral   ingressantes sisu 2015-1Geral   ingressantes sisu 2015-1
Geral ingressantes sisu 2015-1
Esquadrão Do Conhecimento
 
UFRPE classificados 1 lista_UAST
UFRPE classificados 1 lista_UASTUFRPE classificados 1 lista_UAST
UFRPE classificados 1 lista_UAST
Esquadrão Do Conhecimento
 
Ufrpe Classificados 1 lista_UAG
Ufrpe Classificados 1 lista_UAGUfrpe Classificados 1 lista_UAG
Ufrpe Classificados 1 lista_UAG
Esquadrão Do Conhecimento
 
Resultado UAST UFRPE 2015
Resultado UAST UFRPE 2015Resultado UAST UFRPE 2015
Resultado UAST UFRPE 2015
Esquadrão Do Conhecimento
 
Resultado UAG UFRPE 2015
Resultado UAG UFRPE 2015Resultado UAG UFRPE 2015
Resultado UAG UFRPE 2015
Esquadrão Do Conhecimento
 
Resultado Recife UFRPE 2015
Resultado Recife UFRPE 2015Resultado Recife UFRPE 2015
Resultado Recife UFRPE 2015
Esquadrão Do Conhecimento
 
Listao vestibular 2015 upe
Listao vestibular 2015  upeListao vestibular 2015  upe
Listao vestibular 2015 upe
Esquadrão Do Conhecimento
 
Listao seriado 2015 UPE
Listao seriado 2015 UPEListao seriado 2015 UPE
Listao seriado 2015 UPE
Esquadrão Do Conhecimento
 
Edital ENEM 2014
Edital ENEM 2014Edital ENEM 2014
Edital ENEM 2014
Esquadrão Do Conhecimento
 
UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2
UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2
UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2
Esquadrão Do Conhecimento
 
UFPE SISU 2014 PESO ENEM
UFPE SISU 2014 PESO ENEMUFPE SISU 2014 PESO ENEM
UFPE SISU 2014 PESO ENEM
Esquadrão Do Conhecimento
 
Caderno ENEM 2013 DOMINGO AZUL
Caderno ENEM 2013 DOMINGO AZULCaderno ENEM 2013 DOMINGO AZUL
Caderno ENEM 2013 DOMINGO AZUL
Esquadrão Do Conhecimento
 
Caderno ENEM 2013 SÁBADO AZUL
Caderno ENEM 2013 SÁBADO AZULCaderno ENEM 2013 SÁBADO AZUL
Caderno ENEM 2013 SÁBADO AZUL
Esquadrão Do Conhecimento
 
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGOCADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
Esquadrão Do Conhecimento
 
PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)
Esquadrão Do Conhecimento
 
Gabarito Matemática CTG 2014
Gabarito Matemática CTG 2014Gabarito Matemática CTG 2014
Gabarito Matemática CTG 2014
Esquadrão Do Conhecimento
 
PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)
Esquadrão Do Conhecimento
 

Mais de Esquadrão Do Conhecimento (20)

Geral ingressantes sisu 2015-2
Geral   ingressantes sisu 2015-2Geral   ingressantes sisu 2015-2
Geral ingressantes sisu 2015-2
 
Geral ingressantes sisu 2015-1
Geral   ingressantes sisu 2015-1Geral   ingressantes sisu 2015-1
Geral ingressantes sisu 2015-1
 
UFRPE classificados 1 lista_UAST
UFRPE classificados 1 lista_UASTUFRPE classificados 1 lista_UAST
UFRPE classificados 1 lista_UAST
 
Ufrpe Classificados 1 lista_UAG
Ufrpe Classificados 1 lista_UAGUfrpe Classificados 1 lista_UAG
Ufrpe Classificados 1 lista_UAG
 
Ufrpe Classificados 1 lista_Sede
Ufrpe Classificados 1 lista_SedeUfrpe Classificados 1 lista_Sede
Ufrpe Classificados 1 lista_Sede
 
Resultado UAST UFRPE 2015
Resultado UAST UFRPE 2015Resultado UAST UFRPE 2015
Resultado UAST UFRPE 2015
 
Resultado UAG UFRPE 2015
Resultado UAG UFRPE 2015Resultado UAG UFRPE 2015
Resultado UAG UFRPE 2015
 
Resultado Recife UFRPE 2015
Resultado Recife UFRPE 2015Resultado Recife UFRPE 2015
Resultado Recife UFRPE 2015
 
Listao vestibular 2015 upe
Listao vestibular 2015  upeListao vestibular 2015  upe
Listao vestibular 2015 upe
 
Listao seriado 2015 UPE
Listao seriado 2015 UPEListao seriado 2015 UPE
Listao seriado 2015 UPE
 
Edital ENEM 2014
Edital ENEM 2014Edital ENEM 2014
Edital ENEM 2014
 
UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2
UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2
UFPE PESO NOTAS DO ENEM 2
 
UFPE SISU 2014 PESO ENEM
UFPE SISU 2014 PESO ENEMUFPE SISU 2014 PESO ENEM
UFPE SISU 2014 PESO ENEM
 
Caderno ENEM 2013 DOMINGO AZUL
Caderno ENEM 2013 DOMINGO AZULCaderno ENEM 2013 DOMINGO AZUL
Caderno ENEM 2013 DOMINGO AZUL
 
Caderno ENEM 2013 SÁBADO AZUL
Caderno ENEM 2013 SÁBADO AZULCaderno ENEM 2013 SÁBADO AZUL
Caderno ENEM 2013 SÁBADO AZUL
 
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGOCADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
CADERNO ENEM 2012 AZUL DOMINGO
 
PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE PORTUGUÊS & MATEMÁTICA CTG 2014 (TIPO A)
 
Gabarito QUÍMICA & FÍSICA CTG 2014
Gabarito QUÍMICA & FÍSICA CTG 2014Gabarito QUÍMICA & FÍSICA CTG 2014
Gabarito QUÍMICA & FÍSICA CTG 2014
 
Gabarito Matemática CTG 2014
Gabarito Matemática CTG 2014Gabarito Matemática CTG 2014
Gabarito Matemática CTG 2014
 
PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)
PROVA DE QUÍMICA E FÍSICA CTG 2014 (TIPO A)
 

Último

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdfO Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
O Ministério da Defesa e a Sociedade no Tema de Defesa Nacional.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 

Biologia Esquadrão do Conhecimento VIP 2013

  • 2. Ecologia 1) Conceitos Básicos Indivíduo: exemplar de uma espécie qualquer que constitui uma unidade distinta. Espécie: conjunto de indivíduos muito semelhantes entre si e aos seus ancestrais que cruzam entre si, naturalmente, produzindo descendentes férteis. População: conjunto de indivíduos da mesma espécie que ocupam uma determinada área, num determinado período de tempo. Comunidade ou biocenose: conjunto de populações diferentes que coexistem em determinada região, interagindo direta ou indiretamente umas com as outras. Ecossistema: conjunto formado pela comunidade (meio biótico) e o ambiente físico (meio abiótico). Ex: Lagoa, Deserto, Floresta, etc. Biosfera: conjunto de todos os ecossistemas do planeta; corresponde à porção da Terra onde existe vida.
  • 3. 1) Conceitos Básicos Hábitat: local onde o indivíduo ou a espécie pode ser encontrado. Corresponde a seu “endereço” no ecossistema onde vive. Nicho Ecológico: papel desempenhado pelo organismo no ecossistema. Define o modo de vida único e particular que cada espécie explora no hábitat. Ecótone: região de transição entre dois ecossistemas. Apresenta grande biodiversidade. Bioma: conjunto de ecossistemas com características relativamente uniformes de clima, solo, fauna e flora. Exemplos de biomas brasileiros: Cerrado, Mata Atlântica, Caatinga e Pampas. Ecologia
  • 4. Níveis de organização da Ecologia Átomos  Moléculas  Organelas  Célula  Tecidos  Órgãos  Sistemas  Organismos (indivíduos)  Populações  Comunidades  Ecossistemas  Biosfera Ecologia
  • 5. 1) Conceitos Prévios a) Organismos Autótrofos São organismos que possuem a capacidade de utilizar o CO2 como fonte de carbono para produzir matéria orgânica. Os organismos podem ser autótrofos de duas maneiras: I) Realizando fotossíntese • A fonte de energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica provém da luz. II) Realizando quimiossíntese • A energia necessária para converter o CO2 em matéria orgânica provém de reações químicas. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia 6CO2 + 12H2O  C6H12O6 + 6H2O + 6O2
  • 6. 1) Conceitos Prévios a) Organismos Autótrofos Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia Algas Verdes Árvores Bromélias Cianobactérias Algas unicelularesAlgas Pardas
  • 7. 1) Conceitos Prévios a) Organismos Heterótrofos São organismos que não são capazes de produzir matéria orgânica. Dessa maneira, precisam obter a matéria orgânica pronta. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 8. 1) Conceitos Prévios a) Importância dos autótrofos Os autótrofos, por serem capazes de produzir matéria orgânica, são os grandes produtores de nutrientes dos ecossistemas. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 9. 2) Cadeias Alimentares a) Conceito Relação alimentar entre organismos de um ecossistema. Representa a série de organismos pela qual flui a energia inicialmente assimilada pelos produtores. Luz Capim  Gafanhoto  Sapo  Serpente Decompositores (bactérias e fungos) Toda cadeia alimentar possui 3 componentes: I) Produtores II) Consumidores III)Decompositores Os Produtores São sempre representados pelos organismos autótrofos (Fotossintetizantes ou Quimiossintetizantes) Os consumidores São sempre heterótrofos São representados pelos organismos carnívoros ou herbívoros de um ecossitema. Os decompositores são também heterótrofos, porém são os únicos capazes de converter a matéria orgânica em compostos inorgânicos simples. Na cadeia acima o capim (autótrofo) é o organismo produtor. Gafanhoto, sapo e serpente, consumidores e bactérias e fungos decompositores Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 10. TEIA ALIMENTAR Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 11. FLUXO DE ENERGIA Fluxo de energia 1 2 8 9 10 11 43 5 6 7 A ENERGIA DECRESCE A CADA NÍVEL TRÓFICO POR ISSO: AS CADEIAS ALIMENTARES SÃO NORMALMENTE COMPOSTA DE POUCOS NÍVEIS TRÓFICOS Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 12. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 13. PIRÂMIDES ECOLÓGICAS a) Pirâmide de Energia É sempre direta!!! Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 14. PIRÂMIDES ECOLÓGICAS b) Pirâmide de números Pode ser direta ou inversa Se os produtores forem organismos pequenos e os consumidores relativamente maiores, a pirâmide será sempre direta. Se os produtores forem de grande tamanho (uma árvore) e os herbívoros pequenos (lagartas) a base da pirâmide será estreita e o gráfico não apresentará forma de pirâmide. Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 15. PIRÂMIDES ECOLÓGICAS b) Pirâmide de biomassa Pode ser direta ou inversa Produtores Herbívoros Carnívoros Expressa a quantidade de substância viva (“peso seco”) em cada nível trófico. Fitoplâncton Zooplâncton Peixes Cadeia Alimentar e Fluxo de Energia
  • 16. 5) Relações Ecológicas Ecologia Relações Harmônicas (Pelo menos uma das espécies se beneficia e não há prejuízo para nenhuma das partes associadas) Intra-Específica (entre indivíduos de uma mesma espécie.) Colônias Sociedades Interespecífica (entre indivíduos de espécies diferentes.) Mutualismo Protocooperação Comensalismo Relações Desarmônicas (Uma ou ambas as espécies são prejudicadas) Intra-Específica (entre indivíduos de uma mesma espécie.) Competição intra-específica Canibalismo Interespecífica (entre indivíduos de espécies diferentes.) Competição interespecífica Predatismo Parasitismo Amensalismo
  • 17. 5) Relações Ecológicas a) Relações Intra-específicas Harmônicas I) Colônia: São associações entre indivíduos da mesma espécie, unidos fisicamente entre si, podendo ou não ocorrer divisão de trabalho. Ex: Corais, bactérias (estreptococos), caravela II) Sociedade: São associações entre indivíduos da mesma espécie, organizados de modo cooperativo e não ligados anatomicamente. Ex: sociedade dos insetos: abelhas, formigas, vespas. Obs.: Na sociedade das abelhas as funções dos indivíduos são bem definidas, havendo três castas sociais: rainha, zangão e operárias. Ecologia
  • 18. 5) Relações Ecológicas a) Relações Intra-específicas Harmônicas I) Colônia: Ecologia
  • 19. 5) Relações Ecológicas a) Relações Intra-específicas Harmônicas II) Sociedade: Abelhas Ecologia
  • 20. 5) Relações Ecológicas a) Relações Interespecíficas Harmônicas I) Mutualismo: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes, necessária à sobrevivência dos participantes e que beneficia ambos. Ex: o Líquens (associação entre algas ou cianobactérias e fungos) o Bacteriorriza: Associação formada por bactérias do gênero Rhizobium com raízes de leguminosas, como o feijão. o Herbívoros e Protozoários. Ecologia
  • 21. 5) Relações Ecológicas a) Relações Interespecíficas Harmônicas II) Protocooperação: É a associação entre indivíduos de espécies diferentes em que ambos se beneficiam, mas a existência não é obrigatória. Ex: o Paguro e anêmonas do mar o Cervo e pássaro anu o Pássaro palito e jacaré o Insetos polinizadores e angiospermas Ecologia
  • 22. 5) Relações Ecológicas a) Relações Interespecíficas Harmônicas III) Comensalismo: É a associação entre espécies diferentes, na qual uma espécie é beneficiada sem causar prejuízo ou benefício a outra. Comensalismo típico: Relação em que uma espécie se alimenta de restos alimentares de outra, sem prejudicá-la. Ex: Abutres, que aproveitam restos das presas dos leões. Inquilinismo: Relação ecológica em que uma espécie inquilina vive sobre ou no interior de uma espécie hospedeira, sem prejudicá-la. Nos vegetais essa associação recebe o nome de epifitismo. Ex: Bromélias. Forésia: Relação na qual uma espécie usa a outra como meio de transporte. Ex: Tubarão e rêmoras. Ecologia
  • 23. 5) Relações Ecológicas b) Relações Intra-específicas desarmônicas I) Competição Intra-específica: Ocorre entre indivíduos da mesma espécie, e é motivada por disputas por território, alimento e companheiro sexual. Obs.: A competição é um fator que regula o tamanho da população II) Canibalismo: Relação na qual um organismo se alimenta de outro da mesma espécie. Ex: Louva-Deus; Aranha viúva negra. Ecologia
  • 24. 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas II) Predatismo: Ocorre quando organismo predadores matam indivíduos da população de presas para deles se alimentarem. Ex: Leões e girafas. Ecologia
  • 25. 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas III) Parasitismo: Relação na qual uma das espécies, o parasita, obtêm nutrientes e moradia no corpo de indivíduos vivos da espécie hospedeira. Endoparasitismo: O parasita vive no interior do corpo do hospedeiro. Ex: Protozoários flagelados e cupim. Ectoparasitismo: Quando o parasita vive na superfície do hospedeiro. Ex: Piolho e homem. Holoparasita: Planta parasita que obtém seiva bruta e elaborada as custas da planta hospedeira. Ex: Cipó-chumbo. Hemiparasita: Planta parasita que obtém somente seiva bruta as custas da planta hospedeira. Ex: Erva de passarinho. Obs.: O parasitismo pode ser um fator regulador do tamanho de uma população. Obs2.: Geralmente os parasitas não matam os hospedeiros, pois dependem destes para sobreviverem. Ecologia
  • 26. 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas III) Parasitismo Erva-de-passarinho Cipó chumbo Pernilongo Ecologia
  • 27. 5) Relações Ecológicas b) Relações Interespecíficas desarmônicas IV) Amensalismo: Também chamado de antibiose, uma espécie denominada inibidora libera substâncias que impedem o crescimento e a reprodução de outra denominada amensal. Ex: Algas pirrófitas e animais marinhos (Maré vermelha). Algas Pirrófitas Ecologia
  • 28. 5) Relações Ecológicas Formas especiais de adaptação a) Camuflagem: Forma de adaptação na qual um organismo se parece com o ambiente, confundindo-se com ele na cor e/ou na forma. b) Mimetismo: Forma de adaptação na qual uma espécie se beneficia por assemelhar-se a outras Ecologia
  • 29. 5) Relações Ecológicas Formas especiais de adaptação b) Mimetismo Ecologia
  • 30. EU VIM DIZER VOCÊS VÃO TER QUE ESCUTAR E AGIR CONCIENTE EM PRO DO MEIO AMBIENTE COM OS GASES ESTUFA OU OUTROS MATERIAIS HOJE EM DIA, POLUIR NÃO DÁ MAIS VOCÊ DIZ NÃO SABER O QUE FEZ DE ERRADO E O SEGREDO DEIXAR O AMBIENTE INTÁCTO, BASTARIA (BIS) ERA SÓ RECICLAR, TODO DIA NÃO PODEMOS PARAR TEMOS QUE PRESERVAR MESMO QUERENDO EU NÃO VOU ME ENGANAR E LIBERAR CARBONO PRA ACABAR COM O OZÔNIO COM A MENTE ABERTA, E A CERTEZA DE MUDAR, O MUNDO NOVO NÓS FAREMOS DISPERTAR PARÓDIA SUSTENTABILIDADE (MEU ERRO – PARALAMAS DO SUCESSO)
  • 31. 1. Os personagens da figura estão representando uma situação hipotética de cadeia alimentar. Disponível em: www.cienciasgaspar.blogspot.com. Suponha que, em cena anterior à apresentada, o homem tenha se alimentado de frutas e grãos que conseguiu coletar. Na hipótese de, nas próximas cenas, o tigre ser bem-sucedido e, posteriormente, servir de alimento aos abutres, tigre e abutres ocuparão, respectivamente, os níveis tróficos de: a) produtor e consumidor primário. b) consumidor primário e consumidor secundário. c) consumidor secundário e consumidor terciário. d) consumidor terciário e produtor. e) consumidor secundário e consumidor primário.
  • 33. 3. Os vaga-lumes machos e fêmeas emitem sinais luminosos para se atraírem para o acasalamento. O macho reconhece a fêmea de sua espécie e, atraído por ela, vai ao seu encontro. Porém, existe um tipo de vaga-lume, o Photuris, cuja fêmea engana e atrai os machos de outro tipo, o Photinus, fingindo ser desse gênero. Quando o machoPhotinus se aproxima da fêmea Photuris, muito maior que ele, é atacado e devorado por ela. BERTOLDI, O.G.; VASCONCELOS, J.R. Ciências & Sociedade: a aventura da vida, a aventura da tecnologia. São Paulo: Scipione, 2000 (adaptado). A relação descrita no texto, entre a fêmea do gênero Photuris e o macho do gênero Photinus, é um exemplo de: a) comensalismo b) inquilinismo c) cooperação d) predatismo e) mutualismo
  • 34. 4. Observando a história em quadrinhos abaixo, que ilustra de forma bem humorada como a natureza funciona, é correto concluir que: a) Animais consumidores um dia se tornarão presas. b) As plantas podem agir como consumidores finais da cadeia alimentar. c) Ocorre aumento do saldo energético de um nível trófico para outro, dos produtores aos decompositores. d) O mimetismo é comum em vários grupos animais como estratégia para capturar as presas. e) As relações entre os animais da cadeia alimentar ilustrada são desarmônicas e intraespecíficas.