SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
INSTITUTO MADRE TERESA
CURSO TECNICO DE
RADIOLOGIA TURMA TR3-
NOT-D
PROF-ESP. KARLOS EDUARDO POS GRADUADO EM RM/ANATOMIA
RADIOLOGICA
O PAINEL DE COMANDO
• O painel de comando é um constituinte do sistema computacional. É por meio dele que o profissional realiza
todos os procedimentos durante todo o exame.
• O painel de controle é constituído dos seguintes componentes:
 Teclado alfa-numérico;
 Mouse;
 Monitor destinado ao planejamento do exame;
 Monitor destinado à visualização das imagens;
 Microfones para comunicação com o paciente.
IMAGEM FÍSICA
• Como já dito anteriormente, os detectores são responsáveis em captar a
radiação e transformar os dados obtidos em sinais elétricos. Esses sinais são
digitalizados e processados pelo sistema computacional, por meio de um software
específico.
• A digitalização ocorre por meio da transformação dos sinais elétricos em
dígitos, pela natureza binária do sistema. Só assim é possível a concretização da
imagem física.
• As imagens são armazenadas no computador em formato DICOM (Digital
Imaging and Communication in Medicine). Todo o processo está envolvido no
• sistema PACS (Picture Archiving and Communication System), um sistema de geração
de imagens físicas.
• A interpretação das imagens com anatomicidade só é possível pelas projeções em
diferentes ângulos que são realizados pelo computador, representada em uma matriz de
imagem.
• Uma matriz de imagem é composta por pixels. Pixels são as unidades formadoras de
uma imagem digital. Portanto, a matriz é considerada um arranjo de pixels. Diante disso,
quanto maior a matriz, ou seja, quanto maior o número de pixels, melhor será a resolução
da imagem.
• Na atualidade, os padrões das matrizes são: 340 x 340, 512 x 512, 768 x 768 e
1024 x 1024 pixels. Na figura 40 está uma ilustração de um pixel.
ILUSTRAÇÃO DE UM PIXEL
O pixel, portanto, é uma unidade de medida bidimensional
(altura x comprimento). O voxel já é uma medida
tridimensional, já que adiciona a característica
profundidade no processo
ILUSTRAÇÃO DE UM VOXEL
Como citado anteriormente, todo aparelho de tomografia computadorizada
possui um sistema de geração de imagens, o PACS. Há dois sistemas de geração
de imagens: o convencional e o de impressão a laser. No convencional, as imagens
são impressas da mesma forma que nos diagnósticos de raios X, pela mesma
metodologia. Já no sistema de impressão a laser, selecionam-se as imagens de
forma organizada e essas são diretamente encaminhadas à impressora, sendo
impressas em papel próprio.
A qualidade das imagens está relacionada aos valores do coeficiente de
atenuação dos raios X (UH – Unidade de Hounsfield). Cada componente do corpo
humano apresenta uma faixa de UH característica, como pode ser observado na
tabela 1. Porém, esse valor vai depender da estrutura onde se encontra tal
Ruído
• O ruído é um efeito gerado pela flutuação dos elétrons. Quanto
mais eficiente os detectores, menores serão os ruídos gerados. Os
ruídos dificultam a interpretação das imagens de tomografia
computadorizada.
Resolução espacial de alto contraste
• É a capacidade de distinção entre dois pontos de alto contraste,
levando em consideração uma pequena distância entre eles. Muitos fatores
afetam essa capacidade como: a magnitude da matriz, a magnitude do
foco, a magnitude da abertura dos detectores, a espessura da porção
analisada, os movimentos de mesa durante o escaneamento.
artefatos de imagem
• Os artefatos de imagem são quaisquer estruturas ou padrões divergentes do
objeto de estudo. Os artefatos de imagem podem ser causados por uma
infinidade de fatores, os principais são: artefatos de movimento, causados tanto
por movimentos voluntários (Figura 42 A) quanto por movimentos involuntários do
corpo humano (Figura 42 B) e os artefatos de alta atenuação (Figura 43), como
obturações dentárias e outros objetos.
Artefatos de movimento
Artefatos de atenuação
aula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptx
aula painel de comando dia 30.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a aula painel de comando dia 30.pptx

Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
Luanapqt
 
Tomografia taxa de compressao
Tomografia   taxa de compressaoTomografia   taxa de compressao
Tomografia taxa de compressao
Luanapqt
 
Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...
Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...
Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...
Charles Silva
 

Semelhante a aula painel de comando dia 30.pptx (20)

Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
Desenvolvimento da interface computacional gráfica em estereotaxia.
 
radiologia digitalogia atualizado com su.pdf
radiologia digitalogia atualizado com su.pdfradiologia digitalogia atualizado com su.pdf
radiologia digitalogia atualizado com su.pdf
 
Radiologia Digital.pdf APOSTILA RADIOLOGIA
Radiologia Digital.pdf APOSTILA RADIOLOGIARadiologia Digital.pdf APOSTILA RADIOLOGIA
Radiologia Digital.pdf APOSTILA RADIOLOGIA
 
Tomografia fisica basica
Tomografia   fisica basicaTomografia   fisica basica
Tomografia fisica basica
 
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira Aula de tomografia  - Wendesor Oliveira
Aula de tomografia - Wendesor Oliveira
 
Aula de tomografia 2019
Aula de tomografia   2019Aula de tomografia   2019
Aula de tomografia 2019
 
Como Funciona o Ultrassom
Como Funciona o UltrassomComo Funciona o Ultrassom
Como Funciona o Ultrassom
 
Informática instrumental
Informática instrumentalInformática instrumental
Informática instrumental
 
Tomografia taxa de compressao
Tomografia   taxa de compressaoTomografia   taxa de compressao
Tomografia taxa de compressao
 
RADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITALRADIOLOGIA DIGITAL
RADIOLOGIA DIGITAL
 
Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia Meios de Contraste em Tomografia
Meios de Contraste em Tomografia
 
Tomografia computadorizada
Tomografia computadorizadaTomografia computadorizada
Tomografia computadorizada
 
Tcc.fernanda costa inca 2011
Tcc.fernanda costa inca 2011Tcc.fernanda costa inca 2011
Tcc.fernanda costa inca 2011
 
Processamento de Imagem - Campinho
Processamento de Imagem - CampinhoProcessamento de Imagem - Campinho
Processamento de Imagem - Campinho
 
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptxRADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA UNIDADE I.pptx
 
Anatomia
AnatomiaAnatomia
Anatomia
 
Cintilografia ossea instrumentação
Cintilografia  ossea instrumentaçãoCintilografia  ossea instrumentação
Cintilografia ossea instrumentação
 
Slides correção
Slides correçãoSlides correção
Slides correção
 
Medicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia DigitalMedicina nuclear e Radiologia Digital
Medicina nuclear e Radiologia Digital
 
Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...
Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...
Um estudo sobre segmentação automática de imagens bidimensionais de seções tr...
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 

Último (11)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 

aula painel de comando dia 30.pptx

  • 1. INSTITUTO MADRE TERESA CURSO TECNICO DE RADIOLOGIA TURMA TR3- NOT-D PROF-ESP. KARLOS EDUARDO POS GRADUADO EM RM/ANATOMIA RADIOLOGICA
  • 2. O PAINEL DE COMANDO • O painel de comando é um constituinte do sistema computacional. É por meio dele que o profissional realiza todos os procedimentos durante todo o exame. • O painel de controle é constituído dos seguintes componentes:  Teclado alfa-numérico;  Mouse;  Monitor destinado ao planejamento do exame;  Monitor destinado à visualização das imagens;  Microfones para comunicação com o paciente.
  • 3.
  • 4. IMAGEM FÍSICA • Como já dito anteriormente, os detectores são responsáveis em captar a radiação e transformar os dados obtidos em sinais elétricos. Esses sinais são digitalizados e processados pelo sistema computacional, por meio de um software específico. • A digitalização ocorre por meio da transformação dos sinais elétricos em dígitos, pela natureza binária do sistema. Só assim é possível a concretização da imagem física. • As imagens são armazenadas no computador em formato DICOM (Digital Imaging and Communication in Medicine). Todo o processo está envolvido no
  • 5. • sistema PACS (Picture Archiving and Communication System), um sistema de geração de imagens físicas. • A interpretação das imagens com anatomicidade só é possível pelas projeções em diferentes ângulos que são realizados pelo computador, representada em uma matriz de imagem. • Uma matriz de imagem é composta por pixels. Pixels são as unidades formadoras de uma imagem digital. Portanto, a matriz é considerada um arranjo de pixels. Diante disso, quanto maior a matriz, ou seja, quanto maior o número de pixels, melhor será a resolução da imagem. • Na atualidade, os padrões das matrizes são: 340 x 340, 512 x 512, 768 x 768 e 1024 x 1024 pixels. Na figura 40 está uma ilustração de um pixel.
  • 6. ILUSTRAÇÃO DE UM PIXEL O pixel, portanto, é uma unidade de medida bidimensional (altura x comprimento). O voxel já é uma medida tridimensional, já que adiciona a característica profundidade no processo
  • 7. ILUSTRAÇÃO DE UM VOXEL Como citado anteriormente, todo aparelho de tomografia computadorizada possui um sistema de geração de imagens, o PACS. Há dois sistemas de geração de imagens: o convencional e o de impressão a laser. No convencional, as imagens são impressas da mesma forma que nos diagnósticos de raios X, pela mesma metodologia. Já no sistema de impressão a laser, selecionam-se as imagens de forma organizada e essas são diretamente encaminhadas à impressora, sendo impressas em papel próprio. A qualidade das imagens está relacionada aos valores do coeficiente de atenuação dos raios X (UH – Unidade de Hounsfield). Cada componente do corpo humano apresenta uma faixa de UH característica, como pode ser observado na tabela 1. Porém, esse valor vai depender da estrutura onde se encontra tal
  • 8. Ruído • O ruído é um efeito gerado pela flutuação dos elétrons. Quanto mais eficiente os detectores, menores serão os ruídos gerados. Os ruídos dificultam a interpretação das imagens de tomografia computadorizada.
  • 9. Resolução espacial de alto contraste • É a capacidade de distinção entre dois pontos de alto contraste, levando em consideração uma pequena distância entre eles. Muitos fatores afetam essa capacidade como: a magnitude da matriz, a magnitude do foco, a magnitude da abertura dos detectores, a espessura da porção analisada, os movimentos de mesa durante o escaneamento.
  • 10. artefatos de imagem • Os artefatos de imagem são quaisquer estruturas ou padrões divergentes do objeto de estudo. Os artefatos de imagem podem ser causados por uma infinidade de fatores, os principais são: artefatos de movimento, causados tanto por movimentos voluntários (Figura 42 A) quanto por movimentos involuntários do corpo humano (Figura 42 B) e os artefatos de alta atenuação (Figura 43), como obturações dentárias e outros objetos.