SlideShare uma empresa Scribd logo
Ciclo do ácido cítrico –Ciclo de 
Krebs 
Professora: Andreza Martins
Ciclo do ácido cítrico 
• Onde paramos? Ah... o piruvato!! 
• Em situações anaeróbicas, a oxidação é incompleta e o piruvato sofre... 
• Fermentação alcoólica 
• Fermentação láctica 
Ocorre em leveduras e vários microorganismos 
Ocorre em vários microorganismos e em células de 
organismos superiores quando a quantidade de oxigênio é 
limitante
Ciclo do ácido cítrico 
• O processamento da glicose começa com a oxidação 
de derivados da glicose até o dióxido de carbono; 
• O Ciclo de Krebs é a via final comum para a oxidação 
de aminoácidos, carboidratos e ácidos graxos; 
• Entram no ciclo principalmente como acetil coenzima 
A (acetil CoA); 
• Ele ocorre na matriz mitocondrial; 
• O piruvato é internalizado por um transportador de 
membrana; 
• Lá ele é transformado em acetil- CoA, a molécula que 
interconecta a glicólise e o Ciclo de Krebs.
Ciclo do ácido cítrico 
• O complexo enzimático piruvato desidrogenase é formado por 3 enzimas; 
• Juntas catalizam a descarboxilação do piruvato e ligação de uma coenzima A; 
• Formação de acetil-CoA, com conseqüente liberação de 1 hidrogênio; 
•A oxidação dos ácidos tricarboxílicos no Ciclo de Krebs rende muito mais ATP do que a glicólise.
• Cada piruvato tem 3 carbonos, certo? 
• Mitocôndria – 1 carbono retirado – sai na forma de CO2 – 
restando o radical acetil 
• Este por sua vez e unido a Coenzima A – formando acetil 
coenzima A – Acetil CoA 
• Acetil foi oxidado – liberou eletrons que foram utilizados para 
produzir o NADH 
• Liberado um Co2 e um NADH 
• Continua o processo de obtenção de eletrons ricos em energia! 
• Isto será muito importante na última etapa da respiração celular! 
• Isto mostra que a mólecula de glicose vem sendo quebrada 
continuamente desde a glicólise, onde esta tinha 6 carbonos, foi 
quebrada em dois componentes com 3 carbonos(piruvato) que 
por sua vez perdeu mais um carbono para formar acetil coA e 
liberação de gás carbônico. 
• Agora o Acetil coA entra no ciclo de Krebs propriamente dito!
Ciclo do ácido cítrico 
Uma visão geral das etapas do Ciclo do Ácido Cítrico
• O mais importante a notar neste ciclo é que o 
Acetil-CoA não é um intermediário dele, mas 
apenas um ponto de entrada. 
• Só são intermediárias aquelas moléculas 
sintetizadas no próprio ciclo e continuamente 
regeneradas com o seu andamento.
Ciclo do ácido cítrico 
• Assim como com a glicólise, vamos passo a passo.... 
• Condensação. Produção do primeiro ácido tricarboxílico;
• Um composto de 4C (oxaloacetato) se 
condensa com um acetil, com 2C, originando 
um ácido tricarboxílico de 6C (citrato); 
• Um isômero do citrato é a seguir 
descarboxilado; 
• O composto resultante, com 5C (alfa-cetoglutarato) 
também sofre descarboxilação 
oxidativa, originando um composto de 4C; 
• O oxaloacetato é então regenerado a partir 
do succinato.
Ciclo do ácido cítrico 
• Irreversível. O alfa-cetoglutarato tem vários outros destinos.
Ciclo do ácido cítrico 
• 
•Equilíbrio é determinado pela disponibilidade de acetil-CoA
Ciclo do ácido cítrico 
• 2 átomos de carbono entram no ciclo como um acetil; 
• 2 átomos de carbono deixam o ciclo na forma de dióxido de carbono; OPS! os dois ultimos carbonos que restaram da glicose! 
• 8 elétrons e 8 prótons são transferidos para NAD+ (3) e FAD (1). 3NADH e 1 FADH2 
•Saída de GTP- a célula troca rapidamente a Guanina por adenina- ATP!!!
Relembrando... 
• O dinucleótido de flavina e adenina (FAD), também 
conhecido como flavina-adenina dinucleótido e dinucleótido 
de flavina-adenina, é um cofator capaz de sofrer ação redox, 
presente em diversas reações importantes no metabolismo. 
• O FAD pode existir em dois estados de oxidação e o seu papel 
bioquímico envolve frequentemente alternância entre esses dois 
estados. 
• O FAD é capaz de se reduzir a FADH2, estado em que aceita 
dois átomos de hidrogênio 
• Mesma função do NAD- carregar elétrons ricos em energia para 
a última etapa de respiração- cadeia respiratória!
• Além da produção de energia, este ciclo tem grande 
importância evolutiva para os animais que o 
desenvolveram pelo grande número de intermediários, 
que são utilizados em diversas outras reações. 
• Os principais desvios são: 
• -Utilização do citrato na síntese de ácidos graxos e 
esteróis; 
• -Desvio do a-cetoglutarato para formação de 
aminoácidos ou bases nitrogenadas; 
• -Utilização do succinil-coA na síntese de porfirinas; 
• -Formação de pirimidinas a partir de oxaloacetato via 
aspartato e asparagina; 
• -Neoglicogênese e síntese de aminoácidos a partir do 
oxaloacetato via piruvato.
• Há vantagem ainda porque aumentam as 
possibilidades de aproveitamento para diversas 
moléculas, que não precisam sempre ser 
degradadas totalmente a CO2 ou a compostos 
de excreção. 
• Muitas terminam sua via com a formação de um 
intermediário do ciclo, auxiliando ainda no 
número de ciclos funcionantes (disponibiliza 
material para o ciclo) e portanto, no 
aproveitamento de energia. 
• As reações que produzem intermediários do 
Ciclo do Ácido Cítrico são ditas anapleróticas.
• São importantes tanto na reposição do ciclo - 
dado o grande número de desvios citados - 
como no aumento do número de ciclos 
funcionantes na alta demanda de energia. 
• Além disso, quando se tratam de processos 
metabólicos, interessa ao organismo um grande 
número de passos para que a liberação de 
energia se dê gradualmente. 
• Com a oxidação direta de toda a molécula, a 
energia produzida seria muito grande, causando 
danos à célula e/ou prejudicando o 
aproveitamento eficaz da energia liberada.
Ciclo do ácido cítrico 
• Balanço do Ciclo de Krebs: 
Acetil-CoA + 3 NAD+ + FAD + GDP + Pi + 2 H2O ↔ 
3 CO2 + 3 NADH + FADH2 + GTP + 2 H+ + CoA 
• Indiretamente: 
Ops! 2 ATP- tudo 
em dobro
• Pronto! A glicose foi toda ela degradada desde 
a glicólise até a liberação dos ultimos 2 C na 
forma de Co2, mas este não tem hidrogênio 
nenhum...mas a glicose não é C6H12O6, logo 
todos os H da glicose fora retirados? Sim! 
• Pq até o final do ciclo de Krebs terá havido uma 
oxidação completa da glicose – oxida quem 
perde elétrons! Perdeu hidrogênio= oxidou 
• Sinal de que grande parte do que comemos sai 
do nosso corpo pelos pulmões... 
• Pq então atividade física emagrece?
• Vc precisa gerar mais energia para o músculo, 
respiração acelera, glicólise...ciclo de 
Krebs...precisamos de mais energia, a 
respiração celular se torna mais intensa! 
• E o que a respiração faz? Pega compostos 
orgânicos e oxida..até converte-los em Co2 
• Daí a gordura corporal é continuamente oxidada 
a co2 – então emagrece não pq transformamos 
gordura em energia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Jaqueline Almeida
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
MARCIAMP
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
Messias Miranda
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
Adrianne Mendonça
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
UERGS
 
Fotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celularFotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celular
gil junior
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Herbert Santana
 
Aula Proteinas
Aula ProteinasAula Proteinas
Aula Proteinas
Ronnie Carlos Lourenço
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Fernando Mori Miyazawa
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Messias Miranda
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
César Milani
 
Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )
Bio
 
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínasII. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
Rebeca Vale
 
Bioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínasBioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínas
Viviane Vasconcelos
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
Fábio Falcão
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Hamilton Nobrega
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
Levi Lopes
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
UERGS
 
Bioenergética
BioenergéticaBioenergética
Bioenergética
Adriana Quevedo
 

Mais procurados (20)

Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacterianaAula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
Aula de Microbiologia Clínica sobre Meios de cultura bacteriana
 
Metabolismo energético
Metabolismo energéticoMetabolismo energético
Metabolismo energético
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Fotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celularFotossintese e respiração celular
Fotossintese e respiração celular
 
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema RenalFisiologia Humana 6 - Sistema Renal
Fisiologia Humana 6 - Sistema Renal
 
Aula Proteinas
Aula ProteinasAula Proteinas
Aula Proteinas
 
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e FermentaçãoAula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
Aula 9 - Metabolismo energético - Respiração celular e Fermentação
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
Divisão celular mitose e meiose
Divisão celular  mitose e meioseDivisão celular  mitose e meiose
Divisão celular mitose e meiose
 
Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )
 
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínasII. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
II. 2 Carboidratos, lipídios e proteínas
 
Bioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínasBioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínas
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidadeAula  Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
Aula Bactérias - estrutura - morfologia e patogenicidade
 
Interpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriaisInterpretao de-exames-laboratoriais
Interpretao de-exames-laboratoriais
 
Meio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismosMeio de cultura em microorganismos
Meio de cultura em microorganismos
 
Bioenergética
BioenergéticaBioenergética
Bioenergética
 

Semelhante a Aula ciclo de krebs

Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdfMetabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
LorezzoGomez
 
Respiração celular e fermentação
Respiração celular e fermentaçãoRespiração celular e fermentação
Respiração celular e fermentação
Professora Raquel
 
Respiracao 240809
Respiracao 240809Respiracao 240809
Respiracao 240809
Ionara Urrutia Moura
 
1°Série Respiracao
1°Série Respiracao 1°Série Respiracao
1°Série Respiracao
Ionara Urrutia Moura
 
Síntese de lípides
Síntese de lípidesSíntese de lípides
Síntese de lípides
Beatriz Souza Lima
 
Respiração celular
Respiração celularRespiração celular
Tema 3 biologia pdf
Tema 3   biologia pdfTema 3   biologia pdf
Tema 3 biologia pdf
Silvia Couto
 
bioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantasbioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantas
JeanMarcelo21
 
Metabolismo De Lipídios Veterinária
Metabolismo De Lipídios    VeterináriaMetabolismo De Lipídios    Veterinária
Metabolismo De Lipídios Veterinária
Adriana Quevedo
 
Apostila i bioquímica iii
Apostila i   bioquímica iiiApostila i   bioquímica iii
Apostila i bioquímica iii
Leonardo Duarte
 
Parte escrita metabolismo
Parte escrita metabolismoParte escrita metabolismo
Parte escrita metabolismo
Professora Raquel
 
Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...
Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...
Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...
Ericlene Farias
 
2ª e 3ª etapas da Respiração Celular
2ª e 3ª etapas da Respiração Celular2ª e 3ª etapas da Respiração Celular
2ª e 3ª etapas da Respiração Celular
Adriana Quevedo
 
Respiração celular
Respiração celularRespiração celular
Respiração celular
Andrea Barreto
 
Bioquímica ii 10 lipogênese (arlindo netto)
Bioquímica ii 10   lipogênese (arlindo netto)Bioquímica ii 10   lipogênese (arlindo netto)
Bioquímica ii 10 lipogênese (arlindo netto)
Jucie Vasconcelos
 
Respiração e fermentação
Respiração e fermentação Respiração e fermentação
Respiração e fermentação
IaraCaldeira2
 
Respiração celular
Respiração celularRespiração celular
Respiração celular
Professora Raquel
 
Lipidos
LipidosLipidos
Lipidos
Luis Ribeiro
 
16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx
16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx
16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx
CncioPacheco
 
Lipídios - Geral
Lipídios - Geral Lipídios - Geral
Lipídios - Geral
Rodolfo Pimentel Oliveira
 

Semelhante a Aula ciclo de krebs (20)

Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdfMetabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
Metabolismo de Lipídeos. pdf.pdf
 
Respiração celular e fermentação
Respiração celular e fermentaçãoRespiração celular e fermentação
Respiração celular e fermentação
 
Respiracao 240809
Respiracao 240809Respiracao 240809
Respiracao 240809
 
1°Série Respiracao
1°Série Respiracao 1°Série Respiracao
1°Série Respiracao
 
Síntese de lípides
Síntese de lípidesSíntese de lípides
Síntese de lípides
 
Respiração celular
Respiração celularRespiração celular
Respiração celular
 
Tema 3 biologia pdf
Tema 3   biologia pdfTema 3   biologia pdf
Tema 3 biologia pdf
 
bioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantasbioenergética no metabolismo das plantas
bioenergética no metabolismo das plantas
 
Metabolismo De Lipídios Veterinária
Metabolismo De Lipídios    VeterináriaMetabolismo De Lipídios    Veterinária
Metabolismo De Lipídios Veterinária
 
Apostila i bioquímica iii
Apostila i   bioquímica iiiApostila i   bioquímica iii
Apostila i bioquímica iii
 
Parte escrita metabolismo
Parte escrita metabolismoParte escrita metabolismo
Parte escrita metabolismo
 
Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...
Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...
Anexo correiomensagem 531371_anexocorreiomensagem-528226-processos-bioenerget...
 
2ª e 3ª etapas da Respiração Celular
2ª e 3ª etapas da Respiração Celular2ª e 3ª etapas da Respiração Celular
2ª e 3ª etapas da Respiração Celular
 
Respiração celular
Respiração celularRespiração celular
Respiração celular
 
Bioquímica ii 10 lipogênese (arlindo netto)
Bioquímica ii 10   lipogênese (arlindo netto)Bioquímica ii 10   lipogênese (arlindo netto)
Bioquímica ii 10 lipogênese (arlindo netto)
 
Respiração e fermentação
Respiração e fermentação Respiração e fermentação
Respiração e fermentação
 
Respiração celular
Respiração celularRespiração celular
Respiração celular
 
Lipidos
LipidosLipidos
Lipidos
 
16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx
16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx
16-Ciclo de Krebs Odalys 2022.pptx
 
Lipídios - Geral
Lipídios - Geral Lipídios - Geral
Lipídios - Geral
 

Aula ciclo de krebs

  • 1. Ciclo do ácido cítrico –Ciclo de Krebs Professora: Andreza Martins
  • 2. Ciclo do ácido cítrico • Onde paramos? Ah... o piruvato!! • Em situações anaeróbicas, a oxidação é incompleta e o piruvato sofre... • Fermentação alcoólica • Fermentação láctica Ocorre em leveduras e vários microorganismos Ocorre em vários microorganismos e em células de organismos superiores quando a quantidade de oxigênio é limitante
  • 3. Ciclo do ácido cítrico • O processamento da glicose começa com a oxidação de derivados da glicose até o dióxido de carbono; • O Ciclo de Krebs é a via final comum para a oxidação de aminoácidos, carboidratos e ácidos graxos; • Entram no ciclo principalmente como acetil coenzima A (acetil CoA); • Ele ocorre na matriz mitocondrial; • O piruvato é internalizado por um transportador de membrana; • Lá ele é transformado em acetil- CoA, a molécula que interconecta a glicólise e o Ciclo de Krebs.
  • 4. Ciclo do ácido cítrico • O complexo enzimático piruvato desidrogenase é formado por 3 enzimas; • Juntas catalizam a descarboxilação do piruvato e ligação de uma coenzima A; • Formação de acetil-CoA, com conseqüente liberação de 1 hidrogênio; •A oxidação dos ácidos tricarboxílicos no Ciclo de Krebs rende muito mais ATP do que a glicólise.
  • 5. • Cada piruvato tem 3 carbonos, certo? • Mitocôndria – 1 carbono retirado – sai na forma de CO2 – restando o radical acetil • Este por sua vez e unido a Coenzima A – formando acetil coenzima A – Acetil CoA • Acetil foi oxidado – liberou eletrons que foram utilizados para produzir o NADH • Liberado um Co2 e um NADH • Continua o processo de obtenção de eletrons ricos em energia! • Isto será muito importante na última etapa da respiração celular! • Isto mostra que a mólecula de glicose vem sendo quebrada continuamente desde a glicólise, onde esta tinha 6 carbonos, foi quebrada em dois componentes com 3 carbonos(piruvato) que por sua vez perdeu mais um carbono para formar acetil coA e liberação de gás carbônico. • Agora o Acetil coA entra no ciclo de Krebs propriamente dito!
  • 6. Ciclo do ácido cítrico Uma visão geral das etapas do Ciclo do Ácido Cítrico
  • 7. • O mais importante a notar neste ciclo é que o Acetil-CoA não é um intermediário dele, mas apenas um ponto de entrada. • Só são intermediárias aquelas moléculas sintetizadas no próprio ciclo e continuamente regeneradas com o seu andamento.
  • 8. Ciclo do ácido cítrico • Assim como com a glicólise, vamos passo a passo.... • Condensação. Produção do primeiro ácido tricarboxílico;
  • 9. • Um composto de 4C (oxaloacetato) se condensa com um acetil, com 2C, originando um ácido tricarboxílico de 6C (citrato); • Um isômero do citrato é a seguir descarboxilado; • O composto resultante, com 5C (alfa-cetoglutarato) também sofre descarboxilação oxidativa, originando um composto de 4C; • O oxaloacetato é então regenerado a partir do succinato.
  • 10. Ciclo do ácido cítrico • Irreversível. O alfa-cetoglutarato tem vários outros destinos.
  • 11. Ciclo do ácido cítrico • •Equilíbrio é determinado pela disponibilidade de acetil-CoA
  • 12. Ciclo do ácido cítrico • 2 átomos de carbono entram no ciclo como um acetil; • 2 átomos de carbono deixam o ciclo na forma de dióxido de carbono; OPS! os dois ultimos carbonos que restaram da glicose! • 8 elétrons e 8 prótons são transferidos para NAD+ (3) e FAD (1). 3NADH e 1 FADH2 •Saída de GTP- a célula troca rapidamente a Guanina por adenina- ATP!!!
  • 13. Relembrando... • O dinucleótido de flavina e adenina (FAD), também conhecido como flavina-adenina dinucleótido e dinucleótido de flavina-adenina, é um cofator capaz de sofrer ação redox, presente em diversas reações importantes no metabolismo. • O FAD pode existir em dois estados de oxidação e o seu papel bioquímico envolve frequentemente alternância entre esses dois estados. • O FAD é capaz de se reduzir a FADH2, estado em que aceita dois átomos de hidrogênio • Mesma função do NAD- carregar elétrons ricos em energia para a última etapa de respiração- cadeia respiratória!
  • 14. • Além da produção de energia, este ciclo tem grande importância evolutiva para os animais que o desenvolveram pelo grande número de intermediários, que são utilizados em diversas outras reações. • Os principais desvios são: • -Utilização do citrato na síntese de ácidos graxos e esteróis; • -Desvio do a-cetoglutarato para formação de aminoácidos ou bases nitrogenadas; • -Utilização do succinil-coA na síntese de porfirinas; • -Formação de pirimidinas a partir de oxaloacetato via aspartato e asparagina; • -Neoglicogênese e síntese de aminoácidos a partir do oxaloacetato via piruvato.
  • 15. • Há vantagem ainda porque aumentam as possibilidades de aproveitamento para diversas moléculas, que não precisam sempre ser degradadas totalmente a CO2 ou a compostos de excreção. • Muitas terminam sua via com a formação de um intermediário do ciclo, auxiliando ainda no número de ciclos funcionantes (disponibiliza material para o ciclo) e portanto, no aproveitamento de energia. • As reações que produzem intermediários do Ciclo do Ácido Cítrico são ditas anapleróticas.
  • 16. • São importantes tanto na reposição do ciclo - dado o grande número de desvios citados - como no aumento do número de ciclos funcionantes na alta demanda de energia. • Além disso, quando se tratam de processos metabólicos, interessa ao organismo um grande número de passos para que a liberação de energia se dê gradualmente. • Com a oxidação direta de toda a molécula, a energia produzida seria muito grande, causando danos à célula e/ou prejudicando o aproveitamento eficaz da energia liberada.
  • 17. Ciclo do ácido cítrico • Balanço do Ciclo de Krebs: Acetil-CoA + 3 NAD+ + FAD + GDP + Pi + 2 H2O ↔ 3 CO2 + 3 NADH + FADH2 + GTP + 2 H+ + CoA • Indiretamente: Ops! 2 ATP- tudo em dobro
  • 18. • Pronto! A glicose foi toda ela degradada desde a glicólise até a liberação dos ultimos 2 C na forma de Co2, mas este não tem hidrogênio nenhum...mas a glicose não é C6H12O6, logo todos os H da glicose fora retirados? Sim! • Pq até o final do ciclo de Krebs terá havido uma oxidação completa da glicose – oxida quem perde elétrons! Perdeu hidrogênio= oxidou • Sinal de que grande parte do que comemos sai do nosso corpo pelos pulmões... • Pq então atividade física emagrece?
  • 19. • Vc precisa gerar mais energia para o músculo, respiração acelera, glicólise...ciclo de Krebs...precisamos de mais energia, a respiração celular se torna mais intensa! • E o que a respiração faz? Pega compostos orgânicos e oxida..até converte-los em Co2 • Daí a gordura corporal é continuamente oxidada a co2 – então emagrece não pq transformamos gordura em energia