SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Asma
“Asma é uma condição inflamatória crônica das vias aéreas, cuja causa não
está completamente elucidada. Em consequência da inflamação, as vias
aéreas tornam-se hiperresponsivas e se estreitam facilmente em resposta a
inúmeros estímulos. Isso pode resultar em tosse, sibilos (chiados), sensação
de opressão torácica e dispnéia, sendo esses sintomas mais comuns a
noite. O estreitamento das vias aéreas é geralmente reversível, porém, em
pacientes com asma crônica, a inflamação pode determinar obstrução
irreversível ao fluxo aéreo. As características patológicas incluem a
presença de células inflamatórias nas vias aéreas, exsudação de plasma,
edema, hipertrofia muscular, rolhas de muco e descamação do epitélio.”
Denise Medeiros Selegato
Dados:
 Segundo o Ministério da Saúde, 10% da população brasileira tem asma e destes,
apenas 7% tem a doença controlada, evitando as crises.
 A asma é uma doença bastante comum em todo o mundo. A OMS estima que 100 a
150 milhões de pessoas sofram com este problema.
 Em média, 78% dos pacientes com asma também têm rinite alérgica.
 Em 2004, o SUS registrou 367.036 internações por asma.
 Em 2002, a doença matou mais de 2.500 brasileiros e foi a quinta maior causa de
internação em adultos.
 De acordo com a Associação Brasileira de Asmáticos, somente 5% dos pacientes com
asma apresentam sintomas contínuos, fazendo uso crônico de medicamentos.
 De 6% a 8% das crianças com asma têm crises desencadeadas por alimentos.
Epidemiologia
 Em muitos pacientes, pode ocorrer regressão espontânea. Porém, em um
terço persistirá na fase adulta.
 Os principais fatores para persistência são:
 Sexo Feminino;
 Início da doença com idade igual ou
superior a 02 anos;
 Pico de fluxo expiratório constantemente
baixo durante a infância;
 Pais com asma;
 Contínua exposição à alérgenos;
 História de eczaema e rinite.
Definição:
 A asma brônquica é a inflamação crônica dos brônquios e bronquíolos, que ficam
mais estreitos e dificultam a respiração do paciente. Esta inflamação faz com que
os músculos que envolvem os brônquios e bronquíolos se contraiam com maior
facilidade.
 A inflamação e a maior facilidade da contração dos músculos tornam os brônquios
muito sensíveis, e eles tendem a reagir fortemente com alérgenos ou substâncias
irritantes.
 Quando os brônquios reagem, eles
tornam-se mais estreitos e o ar passa com
maior dificuldade para dentro e para fora
dos pulmões, causando chiado, tosse,
aperto no peito e dificuldade para respirar.
É uma doença hereditária que
acontece principalmente em
famílias de indivíduos alérgicos
(atópicos).
Fisio-patologia: Células Dendríticas
 Na asma alérgica, as células dendríticas são as
principais células apresentadoras de antígeno (APC)
e as únicas capazes de ativar células T naive.
 As células dendríticas produzem um alto nível de
MHC-II e co-estimulador B7, estando em grande
número no epitélio e submucosa das vias aéreas
superiores e inferiores, isoladas do meio externo.
 Após o alérgeno atravessar o epitélio, este entra
em contato com as células dendríticas imaturas,
sendo captados por endocitose, macropinocitose
ou fagocitose particulada.
Fisio-patologia:
Poligenia
 Estímulos inflamatórios
(alérgenos, clima, substâncias
químicas, etc) aumentam o
número de fatores de
transcrição, que, por
consequências, ativam
determinados genes, levando
a formação de proteínas
envolvidas no processo
inflamatório.
 O aumento da expressão
destas proteínas, como
citocinas, quimiocinas e
enzimas que produzem
mediadores inflamatórios
induzem, por sua vez, à
ativação da cascata
inflamatória, desencadeando
as crises asmáticas.
Eicosanóides:
- PGH2: prostaglandina
- PGI2: prostacicina
- TX: tromboxano
- LT: leucotrieno
Fisio-patologia: Reação Inflamatória
 O ácido araquidônico é liberado na célula por hidrólise de fosfolipídeos de
membrana quando ocorre aumento da concentração plasmática de cálcio
(ativando a fosfolipase A2). Este pode ser enzimaticamente oxidado pelas:
 Cicloxigenase, gerando
prostaglandina e tromboxano;
 Lipoxigenase, gerando leucotrienos;
 Citocromo P450.
 Também podem sem novamente hidrolisados à liso-fosfolipídio, formando,
posteriormente, o fator de ativação de plaquetas (PAF).
Fisio-patologia: Prostanóides
 Dos prostanóides formados, cinco são implicados no processo asmático:
 Prostagladina PGD2: broncoconstritor;
 Prostagladina PGE2: efeito relaxante na musculatura lisa das vias aéreas e
efeitos dilatadores na circulação brônquica, potencializando o aumento da
permeabilidade vascular produzido por mediadores inflamatórios. Também
atua na asma induzida por AAS e na síntese e liberação de quimiocinas por
macrófagos;
 Prostagladina PGF2-alfa: broncoconstritor, vasoconstritor da circulação
brônquica e intensifica secreção de muco;
 Prostagladina PGI2: efeito relaxante na musculatura lisa das vias aéreas e
efeitos dilatadores na circulação brônquica, potencializando o aumento da
permeabilidade vascular produzido por mediadores inflamatórios;
 Tromboxano TXA2: broncoconstritor.
Fisio-patologia: Fator de Ativação Plaquetária
 Atuam em processos asmáticos, pois:
 Potente ação broncoconstritora;
 Potente fator quimiotáxicos para eosinófilos;
 Promove estimulação neutrofílica;
 Promove contração da musculatura lisa;
 Aumenta permeabilidade vascular, com formação de edema;
 Estimula secreção de muco;
 Diminui do movimento ciliar (diminui capacidade de transporte);
 Regula produção de citocinas em células mononucleares;
 Aumenta a produção de TNF-alfa.
Fisio-patologia: Leucotrienos
 Atuam em processos asmáticos, pois:
 Atuam em receptores específicos de neutrófilos, causando elevação de
cálcio intracelular e redução de AMPc, conduzindo à resposta quimitáxica.
 Atuam em receptores cys-LT, causando contração da musculatura lisa
brônquica (LTC4 e LTD4 são potentes broncoconstritores).
 Potentes secretagogos de muco em brônquios.
 LTC4 e LTD4 atuam no endotélio de vênulas pós-capilares, permitindo
extravasamento de macromoléculas, gerando edema; favorecem
marginalização de neutrófilos e constrição de veias pulmonares.
 Ação quimitáxica de atração de eosinófilos e polimorfonucleares.
Fisio-patologia: Ação dos Leucotrienos
 Os leucotrienos (LTs) exercem um papel importante em cada um dos
mecanismos de broncoconstricção (broncoespasmo). Os cistinil-leucotrienos
(LTC4, D4 e E4) agem em um receptor da musculatura lisa das vias aéreas
designado cys-LT. Sua ação in vitro é 1000 vezes maior que a da histamina, e
sua origem é principalmente celular, sendo gerado por eosinófilos, mastócitos
e basófilos, podendo ser detectado no lavado bronco-alveolar, sangue e urina
após o broncoespasmo.
 Os LTs estão envolvidos nas fases inicial e tardia da reação asmática. Na fase
inicial, são liberados juntamente com outros mediadores inflamatórios tais
como IgE, PAF, Pgs e superóxido. Essa fase, quando não tratada, pode
progredir para uma fase tardia caracterizada por edema perivascular,
secreção de muco, infiltração da parede brônquica mediada por eosinófilos,
monócitos e neutrófilos.
Desencadeantes de Inflamaçã Crônica:
 Exposição à determinados alérgenos nos primeiros anos de vida, em indivíduos
geneticamente susceptíveis;
 Infecções virais na infância;
 Ausência de amamentação com leite
materno;
 Exposição ambiental domiciliar
à fumaça do tabaco de pais fumantes;
 Poluição atmosférica;
 Dietas com baixos teores de antioxidantes ou AG poliinsaturados.
Tipos:
 Leve: Crises de baixa intensidade e esporádicas, que pouco influem na vida
diária do paciente. Os sintomas são discretos e o sono não é prejudicado. Às
vezes, tosse é o único sintoma.
 Moderada: Crises de média intensidade, ocorridas mais de uma vez por
semana, que atrapalham em parte o desenvolvimento de atividades como
estudo, trabalho e práticas esportivas. Os sintomas são mais fortes, com
chiado intenso, falta de ar, tosse e cansaço. A pessoa não dorme bem.
 Grave: Crises de grande intensidade e diárias, que afetam muito o
desempenho diário da pessoa. A falta de ar é grave, ocorre mal-estar, tosse e
chiado intenso. Em alguns casos, a respiração é pesada e rápida. O indivíduo
mal consegue falar ou caminhar.
Sintomas:
Os sintomas da asma brônquica
são episódios de:
 Falta de ar;
 Tosse;
 Cansaço;
 Chiado;
 Aperto no peito.
São agravados à noite e nas primeiras horas da manhã, ou durante a prática de
algum exercício, para o qual o paciente não esteja fisicamente preparado.
Agravantes:
Normalmente são desencadeada quando o paciente:
 Sofre infecções respiratórias, como gripe e pneumonia;
 É submetido a variações bruscas de temperatura.
 Entra em contato com:
 Alérgenos: pó, ácaros, pelo de animais, alimentos (principalmente
crianças), medicamentos, etc;
 Irritantes: fumaça de cigarro, poluição, produtos químicos, perfumes, etc;
 Variação de temperatura do ar inalado;
 Exercícios físicos intenso ou moderado;
 Alterações emocionais.
Diagnóstico:
 Análise do histórico clínico: tipo de sintomas, antecedentes pessoais de alergia,
causa, duração, grau de intensidade e se há padrões reconhecíveis de sintomas;
 Anáilise de histórico familiar para asma e alergias, explorando possíveis causas;
 Teste de Função Pulmonar (espirometria) ou Medição do Pico de Fluxo
Expiratório (FEP): mostra como está a capacidade pulmonar e os fluxos de ar do
paciente. Não é utilizado na clínica habitual.
Diagnóstico:
 Testes alérgicos: exame “in vivo” para determinar causa; podem ser por
puntura (gotas na pele) e/ou intradérmicos (injetado debaixo da pele);
 Exame de sangue ou de secreção nasal: dosagem sérica da IgE específica,
alérgenos específicos ou medidores inflamatórios; exames “in vitro” para
determinar causa, geralmente realizados para pesquisa médica;
 Citologia de secreção brônquica e Biópsia brônquica (raramente utilizados);
 Teste de exercício: verifica crise asmática depois de esforço físico.
Exames radiológicos não são definitivos.
Tratamento: Broncodilatadores Simpaticomiméticos
 Medicamento de Resgate ou
Aliviador: promovem alívio, mas
não tratam a causa da doença.
 Relaxamento determinado por:
o Redução da [Ca2+] celular pela
remoção ativa para depósitos
intracelulares do retículo
citolasmático;
o Desvio da quinase de cadeia leve da
miosina para sua forma menos ativa;
o Inibição na hidrólise do
fosfoinositide;
o Abertura do canal de repolarização
do músculo liso.
Tratamento:Broncodilatadores Simpaticomiméticos
 Adrenérgicos beta-2 de curta duração (Salbutramol, Terbutalina): tem
efeito rápido (entre 5 e 10 minutos) e de curta duração (4 e 6 horas). São
utilizados quando tem piora do quadro, em momento de crise o para
prevenção de crise antes de atividade física.
 Adrenérgicos beta-2 de longa duração (Salmeterol e Formaterol): tem
duração de 10 a 12 horas. O Formaterol tem início rápido (antes de 05
minutos), enquanto o Salmeterol tem início lento (de 20 a 30 minutos). São
uzados antes de dormir, para prevenir sintomas noturnos. Ou junto com
corticóides inalatórios duas vezes do dia.
 Formas farmacêuticas: aerossol com espaçador ou aerocâmara, aerossol,
inaladores de pó seco e nebulizadores .
Tratamento: Anticolinérgicos
 Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa
da doença.
 Atuam relaxando a musculatura bronquial (dilata as grandes vias aéreas) por
inibição competitiva com a acetilcolina.
 São utilizados principalmente em casos de broncoespasmos induziduzidos por
beta-bloqueadores ou para asma emergencial, em associação com adrenérgicos
beta-2 (anticolinérgicos facilitam a propragação dos beta-agonista até a periferia
da árvore brônquica).
 Bromuro de Ipratrópio, por nebulização.
 Tem efeito mais lento:
 Início de ação: 20-30 minutos;
 Pico: 2 horas;
 Duração: 4 a 6 horas.
Tratamento: Teofilinas Orais
 Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a
causa da doença.
 Estão em desuso e só são prescritas para tratamento de segunda escolha, por
ineficácia do broncodilatadores.
 Mecanismo de Ação: causa brondilatação pela inibição das enzimas
fosfodiesterases III, IV (causando aumento da concentração intracelular de
AMPc) e V (causando aumento da concentração intracelular de GMPc) nas
células musculares lisas brônquicas e antiinflamatórias.
 Portanto, reduz a responsividade brônquica à histamina, aeroalérgenos e etc.
Tratamento: Antagonistas de Receptor de Leucotrieno LTD4
 Medicamento Controlador,
porque reduzem a causa
(inflamação) da asma.
 Formas farmacêuticas:
comprimidos, comprimidos
mastigáveis e grânulos.
 Bloqueiam o receptor cys-LT1;
 Zafirlucaste, motelucaste
sódico, pranlucaste, etc
(antagonistas de segunda
geração).
Tratamento: Inibidores da Síntese de Leucotrienos
 Medicamento
Controlador, porque
reduzem a causa
(inflamação) da asma.
o Inibidores da 5-
lipoxigenase: zileuton
o Inibidores da proteína
ativadora da 5-
lipoxigenase (proteína
FLAP): Mk-886,MK-
0591, BAY-x-1005;
o Inibidores da
mobilização de cálcio.
Tratamento: Corticóides
 Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.
 Beclometasona, Budesonida, Fluticasona, etc;
 Habitualmente é administrado por via inalatória. Porém, para casos especiais
ou asma moderada ou grave, podem ser administrados por via oral
(comprimidos ou gotas) ou injetável.
 Mecanismo de ação:
 Atuam suprimindo múltiplos genes pela reversão da acetilação da histona.
 Inibem os fatores de transcrição que regulam a gene expressão anormal;
 Aumentam a transcrição de genes que codificam proteínas
antiinflamatórias.
Tratamento: Cromonas
 Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.
 Cromoglicato e Nedocromil Sódico.
 É mais utilizado em crianças, para prevenção da asma por esforço.
 Via de administração: inalatória.
 Tem açao antiinflamatória e antialérgica, pois atua por intervenção seletiva,
na inibição a degranulação do mastócito (inibe a liberação de citonas e
mediadores inflamatórios) em resposta a vários estímulos. Atuam localmente
e dificilmente são absorvidas sistematicamente.
Tratamento: Imunoterapia
 É efetiva no tratamento de asma alérgica, rinite alérgica e hipersensibilidade
por picada de inseto, não sendo recomendada para alergia alimentar,
urticária crônica e-ou angioedema.
 Ocorre administração de extratos de alérgenos por via subcutâneapurificados
e padronizados para modificação da resposta imune.
 É indicada para pacientes que:
 Manifestam sintomas durante todo o ano ou na maior parte dele;
 Tem relação indiscutível entre os sintomas e a exposição a um ou dois
alérgenos aos quais o paciente seja sensível, sem que ocorra a
possibilidade de um completo isolamento de contato;
 Tem sintomas compatíveis com provas cutâneas e não se consegue uma
resposta adequada com tratamento farmacológico e medidas de
prevenção corretas.
Tratamento: Resumo
 Tratamento de Resgate ou Aliviador:
 Broncodilatadores de curta e longa duração: Salbutamol, Terbutalina, Fenoterol, e Formoterol;
 Anticolinérgicos: Bromuro de Ipratropio;
 Teofilinas orais;
 Tratamento Crontrolador: reduzindo a inflamação das vias aéreas, diminuindo sua hiperreatividade ou
irritabilidade
 Esteróides (Cortisonas – via inalatória, oral ou injetável);
 Cromonas (Cromoglicato dissódico e Nedocromil – via inalatórial);
 Antagonistas de leucotrienos (Zafirlucast e Montelucaste - via oral).
 Tratamento emergencial: é fundamental altas doses de medicamentos broncodilatadores e de
medicamentos antiinflamatórios como os esteróides injetáveis ou ingeridos por via oral.
 Antihistamínicos: quando necessita tratamente concomitante para rinite alérgica;
 Inmunoterapia;
 Fisioterapia Respiratória;
 Oxigenoterapia.
Curiosidades:
 A asma ocorre em todas as idades, sendo mais comum na infância.
 Filhos de asmáticos têm maior probabilidade de desenvolver a doença.
 É possível prevenir a doença evitando-se certos
medicamentos, que agravam os sintomas. Alguns
adultos com asma têm crises ao usar beta-
bloqueadores (indicados para o tratamento de
hipertensão, arritmias e enxaqueca) ou o ácido
acetilsalicílico, por exemplo.
Referências Bibliográficas
 Crise de Asma. Disponível em:
http://www.crisedeasma.com.br/curiosidades.html. Acessado em:
11.11.2012
 Asma – Mori Med. Disponível em:
http://www.mori.med.br/pages/doenca_asma.asp. Acessado em: 11.11.2012
 21 de junho – Dia Nacional do Combate a Asma. Disponível em:
http://projetoapesaovicente.blogspot.com.ar/2011/06/21-de-junho-dia-
nacional-do-combate-da.html. Acessado em: 11.11.2012
 Asma Brônquica - Dr. Pierre d'Almeida Telles Filho. Dísponível em:
http://www.asmabronquica.com.br. Acessado em: 11.11.2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Asma - Doenças Crônicas
Asma - Doenças CrônicasAsma - Doenças Crônicas
Asma - Doenças Crônicas
 
Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013Pneumonia rnc 2013
Pneumonia rnc 2013
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Asma
Asma Asma
Asma
 
Aula sobre DPOC
Aula sobre DPOCAula sobre DPOC
Aula sobre DPOC
 
Asma Final0303
Asma Final0303Asma Final0303
Asma Final0303
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Pneumonia
PneumoniaPneumonia
Pneumonia
 
Asma na Infância
Asma na InfânciaAsma na Infância
Asma na Infância
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
 
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
Pneumonias Conceito Classificações Fisiopatologia Manifestações Clínicas Diag...
 
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva CronicaDPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
DPOC - Doenca Pulmonar Obstrutiva Cronica
 
Bronquite[1]
Bronquite[1]Bronquite[1]
Bronquite[1]
 
Asma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgicaAsma brônquica alérgica
Asma brônquica alérgica
 
Rinite E Sinusite
Rinite E SinusiteRinite E Sinusite
Rinite E Sinusite
 
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpocDoença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
Doença pulmonar-obstrutiva-crônica-dpoc
 
Dpoc pronto
Dpoc prontoDpoc pronto
Dpoc pronto
 
ASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
ASMA - Aula residência Pediatria Santa CasaASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
ASMA - Aula residência Pediatria Santa Casa
 
Bronquite
BronquiteBronquite
Bronquite
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
 

Semelhante a Asma: causas, sintomas e tratamento

0326 asma - Marion
0326 asma - Marion0326 asma - Marion
0326 asma - Marionlaiscarlini
 
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
Como tratar a asma
Como tratar a asmaComo tratar a asma
Como tratar a asmaTookmed
 
021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosse021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosseenzofaversani
 
Higiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudável
Higiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudávelHigiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudável
Higiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudávelRaquelOlimpio1
 
Ciências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais iiCiências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais iiAna Araujo
 
Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01rdgomlk
 
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptxAULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptxJoaoLucasSilva9
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratóriasescolacoxim
 
O sistema respiratório resumo
O sistema respiratório  resumoO sistema respiratório  resumo
O sistema respiratório resumoCleo Lima
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptxJessiellyGuimares
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteDafné José
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteDafné José
 

Semelhante a Asma: causas, sintomas e tratamento (20)

5.doc
5.doc5.doc
5.doc
 
0326 asma - Marion
0326 asma - Marion0326 asma - Marion
0326 asma - Marion
 
Asma CiêNcias
Asma   CiêNciasAsma   CiêNcias
Asma CiêNcias
 
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
03 Afecções Do Sistema Respiratório.pdf
 
Consenso asma 2006
Consenso asma 2006Consenso asma 2006
Consenso asma 2006
 
Iv Diretrizes Asma
Iv Diretrizes AsmaIv Diretrizes Asma
Iv Diretrizes Asma
 
Como tratar a asma
Como tratar a asmaComo tratar a asma
Como tratar a asma
 
021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosse021609 rec 38_manejo_tosse
021609 rec 38_manejo_tosse
 
Nocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asmaNocoes sobre a asma
Nocoes sobre a asma
 
Higiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudável
Higiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudávelHigiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudável
Higiene dos Hábitos, formas corretas de se manter saudável
 
Ciências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais iiCiências morfofuncionais ii
Ciências morfofuncionais ii
 
Felipe 7b
Felipe 7bFelipe 7b
Felipe 7b
 
Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01Síndromes Respiratórias PL-01
Síndromes Respiratórias PL-01
 
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptxAULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
 
Doenças respiratórias
Doenças respiratóriasDoenças respiratórias
Doenças respiratórias
 
O sistema respiratório resumo
O sistema respiratório  resumoO sistema respiratório  resumo
O sistema respiratório resumo
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptxCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO CLIENTE COM DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS 3.pptx
 
Asma
AsmaAsma
Asma
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquite
 
Lepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquiteLepra, coquiluche e bronquite
Lepra, coquiluche e bronquite
 

Mais de Denise Selegato

Nomenclatura – ácido carboxílico e derivados
Nomenclatura – ácido carboxílico e derivadosNomenclatura – ácido carboxílico e derivados
Nomenclatura – ácido carboxílico e derivadosDenise Selegato
 
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricasElucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricasDenise Selegato
 
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01Denise Selegato
 
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)Denise Selegato
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...Denise Selegato
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Denise Selegato
 
Clima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalClima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalDenise Selegato
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresDenise Selegato
 
Qualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas LimpasQualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas LimpasDenise Selegato
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarDenise Selegato
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaDenise Selegato
 

Mais de Denise Selegato (20)

Nomenclatura – ácido carboxílico e derivados
Nomenclatura – ácido carboxílico e derivadosNomenclatura – ácido carboxílico e derivados
Nomenclatura – ácido carboxílico e derivados
 
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricasElucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
Elucidação estrutural por técnicas espectroscópica e espectrométricas
 
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
Elucidação estrutural por métodos espectroscópicos e espectrométricos 01
 
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
Dapci (desorption atmospheric pressure chemical ionisation)
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina usando uma Abordagem Biot...
 
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
Proposição de uma Nova Vacina para Brucelose Bovina Usando uma Abordagem Biot...
 
Clima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacionalClima e cultura organizacional
Clima e cultura organizacional
 
GAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de FornecedoresGAFO e Qualificação de Fornecedores
GAFO e Qualificação de Fornecedores
 
Cefepima
CefepimaCefepima
Cefepima
 
Qualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas LimpasQualificações de Áreas Limpas
Qualificações de Áreas Limpas
 
Acreditação Hospitalar
Acreditação HospitalarAcreditação Hospitalar
Acreditação Hospitalar
 
Doenças da Tireoide
Doenças da TireoideDoenças da Tireoide
Doenças da Tireoide
 
Tireoide
TireoideTireoide
Tireoide
 
Hipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial SistêmicaHipertensão Arterial Sistêmica
Hipertensão Arterial Sistêmica
 
Diabetes
DiabetesDiabetes
Diabetes
 
Corticóides
CorticóidesCorticóides
Corticóides
 
Dislipidemias
DislipidemiasDislipidemias
Dislipidemias
 
Saúde Pública
Saúde PúblicaSaúde Pública
Saúde Pública
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 

Último

Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoMarianaAnglicaMirand
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfNelmo Pinto
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptAlberto205764
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaCristianodaRosa5
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 

Último (10)

Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástricoAnatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
Anatomopatologico HU UFGD sobre CA gástrico
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdfO mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
O mundo secreto dos desenhos - Gregg M. Furth.pdf
 
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.pptParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
ParasitosesDeformaResumida.finalissima.ppt
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãosAplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
Aplicativo aleitamento: apoio na palma das mãos
 
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e AnatomiaPrimeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
Primeiros Socorros - Sinais vitais e Anatomia
 
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 

Asma: causas, sintomas e tratamento

  • 1. Asma “Asma é uma condição inflamatória crônica das vias aéreas, cuja causa não está completamente elucidada. Em consequência da inflamação, as vias aéreas tornam-se hiperresponsivas e se estreitam facilmente em resposta a inúmeros estímulos. Isso pode resultar em tosse, sibilos (chiados), sensação de opressão torácica e dispnéia, sendo esses sintomas mais comuns a noite. O estreitamento das vias aéreas é geralmente reversível, porém, em pacientes com asma crônica, a inflamação pode determinar obstrução irreversível ao fluxo aéreo. As características patológicas incluem a presença de células inflamatórias nas vias aéreas, exsudação de plasma, edema, hipertrofia muscular, rolhas de muco e descamação do epitélio.” Denise Medeiros Selegato
  • 2. Dados:  Segundo o Ministério da Saúde, 10% da população brasileira tem asma e destes, apenas 7% tem a doença controlada, evitando as crises.  A asma é uma doença bastante comum em todo o mundo. A OMS estima que 100 a 150 milhões de pessoas sofram com este problema.  Em média, 78% dos pacientes com asma também têm rinite alérgica.  Em 2004, o SUS registrou 367.036 internações por asma.  Em 2002, a doença matou mais de 2.500 brasileiros e foi a quinta maior causa de internação em adultos.  De acordo com a Associação Brasileira de Asmáticos, somente 5% dos pacientes com asma apresentam sintomas contínuos, fazendo uso crônico de medicamentos.  De 6% a 8% das crianças com asma têm crises desencadeadas por alimentos.
  • 3. Epidemiologia  Em muitos pacientes, pode ocorrer regressão espontânea. Porém, em um terço persistirá na fase adulta.  Os principais fatores para persistência são:  Sexo Feminino;  Início da doença com idade igual ou superior a 02 anos;  Pico de fluxo expiratório constantemente baixo durante a infância;  Pais com asma;  Contínua exposição à alérgenos;  História de eczaema e rinite.
  • 4. Definição:  A asma brônquica é a inflamação crônica dos brônquios e bronquíolos, que ficam mais estreitos e dificultam a respiração do paciente. Esta inflamação faz com que os músculos que envolvem os brônquios e bronquíolos se contraiam com maior facilidade.  A inflamação e a maior facilidade da contração dos músculos tornam os brônquios muito sensíveis, e eles tendem a reagir fortemente com alérgenos ou substâncias irritantes.  Quando os brônquios reagem, eles tornam-se mais estreitos e o ar passa com maior dificuldade para dentro e para fora dos pulmões, causando chiado, tosse, aperto no peito e dificuldade para respirar.
  • 5. É uma doença hereditária que acontece principalmente em famílias de indivíduos alérgicos (atópicos).
  • 6. Fisio-patologia: Células Dendríticas  Na asma alérgica, as células dendríticas são as principais células apresentadoras de antígeno (APC) e as únicas capazes de ativar células T naive.  As células dendríticas produzem um alto nível de MHC-II e co-estimulador B7, estando em grande número no epitélio e submucosa das vias aéreas superiores e inferiores, isoladas do meio externo.  Após o alérgeno atravessar o epitélio, este entra em contato com as células dendríticas imaturas, sendo captados por endocitose, macropinocitose ou fagocitose particulada.
  • 7. Fisio-patologia: Poligenia  Estímulos inflamatórios (alérgenos, clima, substâncias químicas, etc) aumentam o número de fatores de transcrição, que, por consequências, ativam determinados genes, levando a formação de proteínas envolvidas no processo inflamatório.  O aumento da expressão destas proteínas, como citocinas, quimiocinas e enzimas que produzem mediadores inflamatórios induzem, por sua vez, à ativação da cascata inflamatória, desencadeando as crises asmáticas. Eicosanóides: - PGH2: prostaglandina - PGI2: prostacicina - TX: tromboxano - LT: leucotrieno
  • 8. Fisio-patologia: Reação Inflamatória  O ácido araquidônico é liberado na célula por hidrólise de fosfolipídeos de membrana quando ocorre aumento da concentração plasmática de cálcio (ativando a fosfolipase A2). Este pode ser enzimaticamente oxidado pelas:  Cicloxigenase, gerando prostaglandina e tromboxano;  Lipoxigenase, gerando leucotrienos;  Citocromo P450.  Também podem sem novamente hidrolisados à liso-fosfolipídio, formando, posteriormente, o fator de ativação de plaquetas (PAF).
  • 9. Fisio-patologia: Prostanóides  Dos prostanóides formados, cinco são implicados no processo asmático:  Prostagladina PGD2: broncoconstritor;  Prostagladina PGE2: efeito relaxante na musculatura lisa das vias aéreas e efeitos dilatadores na circulação brônquica, potencializando o aumento da permeabilidade vascular produzido por mediadores inflamatórios. Também atua na asma induzida por AAS e na síntese e liberação de quimiocinas por macrófagos;  Prostagladina PGF2-alfa: broncoconstritor, vasoconstritor da circulação brônquica e intensifica secreção de muco;  Prostagladina PGI2: efeito relaxante na musculatura lisa das vias aéreas e efeitos dilatadores na circulação brônquica, potencializando o aumento da permeabilidade vascular produzido por mediadores inflamatórios;  Tromboxano TXA2: broncoconstritor.
  • 10. Fisio-patologia: Fator de Ativação Plaquetária  Atuam em processos asmáticos, pois:  Potente ação broncoconstritora;  Potente fator quimiotáxicos para eosinófilos;  Promove estimulação neutrofílica;  Promove contração da musculatura lisa;  Aumenta permeabilidade vascular, com formação de edema;  Estimula secreção de muco;  Diminui do movimento ciliar (diminui capacidade de transporte);  Regula produção de citocinas em células mononucleares;  Aumenta a produção de TNF-alfa.
  • 11. Fisio-patologia: Leucotrienos  Atuam em processos asmáticos, pois:  Atuam em receptores específicos de neutrófilos, causando elevação de cálcio intracelular e redução de AMPc, conduzindo à resposta quimitáxica.  Atuam em receptores cys-LT, causando contração da musculatura lisa brônquica (LTC4 e LTD4 são potentes broncoconstritores).  Potentes secretagogos de muco em brônquios.  LTC4 e LTD4 atuam no endotélio de vênulas pós-capilares, permitindo extravasamento de macromoléculas, gerando edema; favorecem marginalização de neutrófilos e constrição de veias pulmonares.  Ação quimitáxica de atração de eosinófilos e polimorfonucleares.
  • 12. Fisio-patologia: Ação dos Leucotrienos  Os leucotrienos (LTs) exercem um papel importante em cada um dos mecanismos de broncoconstricção (broncoespasmo). Os cistinil-leucotrienos (LTC4, D4 e E4) agem em um receptor da musculatura lisa das vias aéreas designado cys-LT. Sua ação in vitro é 1000 vezes maior que a da histamina, e sua origem é principalmente celular, sendo gerado por eosinófilos, mastócitos e basófilos, podendo ser detectado no lavado bronco-alveolar, sangue e urina após o broncoespasmo.  Os LTs estão envolvidos nas fases inicial e tardia da reação asmática. Na fase inicial, são liberados juntamente com outros mediadores inflamatórios tais como IgE, PAF, Pgs e superóxido. Essa fase, quando não tratada, pode progredir para uma fase tardia caracterizada por edema perivascular, secreção de muco, infiltração da parede brônquica mediada por eosinófilos, monócitos e neutrófilos.
  • 13. Desencadeantes de Inflamaçã Crônica:  Exposição à determinados alérgenos nos primeiros anos de vida, em indivíduos geneticamente susceptíveis;  Infecções virais na infância;  Ausência de amamentação com leite materno;  Exposição ambiental domiciliar à fumaça do tabaco de pais fumantes;  Poluição atmosférica;  Dietas com baixos teores de antioxidantes ou AG poliinsaturados.
  • 14. Tipos:  Leve: Crises de baixa intensidade e esporádicas, que pouco influem na vida diária do paciente. Os sintomas são discretos e o sono não é prejudicado. Às vezes, tosse é o único sintoma.  Moderada: Crises de média intensidade, ocorridas mais de uma vez por semana, que atrapalham em parte o desenvolvimento de atividades como estudo, trabalho e práticas esportivas. Os sintomas são mais fortes, com chiado intenso, falta de ar, tosse e cansaço. A pessoa não dorme bem.  Grave: Crises de grande intensidade e diárias, que afetam muito o desempenho diário da pessoa. A falta de ar é grave, ocorre mal-estar, tosse e chiado intenso. Em alguns casos, a respiração é pesada e rápida. O indivíduo mal consegue falar ou caminhar.
  • 15. Sintomas: Os sintomas da asma brônquica são episódios de:  Falta de ar;  Tosse;  Cansaço;  Chiado;  Aperto no peito. São agravados à noite e nas primeiras horas da manhã, ou durante a prática de algum exercício, para o qual o paciente não esteja fisicamente preparado.
  • 16. Agravantes: Normalmente são desencadeada quando o paciente:  Sofre infecções respiratórias, como gripe e pneumonia;  É submetido a variações bruscas de temperatura.  Entra em contato com:  Alérgenos: pó, ácaros, pelo de animais, alimentos (principalmente crianças), medicamentos, etc;  Irritantes: fumaça de cigarro, poluição, produtos químicos, perfumes, etc;  Variação de temperatura do ar inalado;  Exercícios físicos intenso ou moderado;  Alterações emocionais.
  • 17. Diagnóstico:  Análise do histórico clínico: tipo de sintomas, antecedentes pessoais de alergia, causa, duração, grau de intensidade e se há padrões reconhecíveis de sintomas;  Anáilise de histórico familiar para asma e alergias, explorando possíveis causas;  Teste de Função Pulmonar (espirometria) ou Medição do Pico de Fluxo Expiratório (FEP): mostra como está a capacidade pulmonar e os fluxos de ar do paciente. Não é utilizado na clínica habitual.
  • 18. Diagnóstico:  Testes alérgicos: exame “in vivo” para determinar causa; podem ser por puntura (gotas na pele) e/ou intradérmicos (injetado debaixo da pele);  Exame de sangue ou de secreção nasal: dosagem sérica da IgE específica, alérgenos específicos ou medidores inflamatórios; exames “in vitro” para determinar causa, geralmente realizados para pesquisa médica;  Citologia de secreção brônquica e Biópsia brônquica (raramente utilizados);  Teste de exercício: verifica crise asmática depois de esforço físico. Exames radiológicos não são definitivos.
  • 19. Tratamento: Broncodilatadores Simpaticomiméticos  Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa da doença.  Relaxamento determinado por: o Redução da [Ca2+] celular pela remoção ativa para depósitos intracelulares do retículo citolasmático; o Desvio da quinase de cadeia leve da miosina para sua forma menos ativa; o Inibição na hidrólise do fosfoinositide; o Abertura do canal de repolarização do músculo liso.
  • 20. Tratamento:Broncodilatadores Simpaticomiméticos  Adrenérgicos beta-2 de curta duração (Salbutramol, Terbutalina): tem efeito rápido (entre 5 e 10 minutos) e de curta duração (4 e 6 horas). São utilizados quando tem piora do quadro, em momento de crise o para prevenção de crise antes de atividade física.  Adrenérgicos beta-2 de longa duração (Salmeterol e Formaterol): tem duração de 10 a 12 horas. O Formaterol tem início rápido (antes de 05 minutos), enquanto o Salmeterol tem início lento (de 20 a 30 minutos). São uzados antes de dormir, para prevenir sintomas noturnos. Ou junto com corticóides inalatórios duas vezes do dia.  Formas farmacêuticas: aerossol com espaçador ou aerocâmara, aerossol, inaladores de pó seco e nebulizadores .
  • 21. Tratamento: Anticolinérgicos  Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa da doença.  Atuam relaxando a musculatura bronquial (dilata as grandes vias aéreas) por inibição competitiva com a acetilcolina.  São utilizados principalmente em casos de broncoespasmos induziduzidos por beta-bloqueadores ou para asma emergencial, em associação com adrenérgicos beta-2 (anticolinérgicos facilitam a propragação dos beta-agonista até a periferia da árvore brônquica).  Bromuro de Ipratrópio, por nebulização.  Tem efeito mais lento:  Início de ação: 20-30 minutos;  Pico: 2 horas;  Duração: 4 a 6 horas.
  • 22. Tratamento: Teofilinas Orais  Medicamento de Resgate ou Aliviador: promovem alívio, mas não tratam a causa da doença.  Estão em desuso e só são prescritas para tratamento de segunda escolha, por ineficácia do broncodilatadores.  Mecanismo de Ação: causa brondilatação pela inibição das enzimas fosfodiesterases III, IV (causando aumento da concentração intracelular de AMPc) e V (causando aumento da concentração intracelular de GMPc) nas células musculares lisas brônquicas e antiinflamatórias.  Portanto, reduz a responsividade brônquica à histamina, aeroalérgenos e etc.
  • 23. Tratamento: Antagonistas de Receptor de Leucotrieno LTD4  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.  Formas farmacêuticas: comprimidos, comprimidos mastigáveis e grânulos.  Bloqueiam o receptor cys-LT1;  Zafirlucaste, motelucaste sódico, pranlucaste, etc (antagonistas de segunda geração).
  • 24. Tratamento: Inibidores da Síntese de Leucotrienos  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma. o Inibidores da 5- lipoxigenase: zileuton o Inibidores da proteína ativadora da 5- lipoxigenase (proteína FLAP): Mk-886,MK- 0591, BAY-x-1005; o Inibidores da mobilização de cálcio.
  • 25. Tratamento: Corticóides  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.  Beclometasona, Budesonida, Fluticasona, etc;  Habitualmente é administrado por via inalatória. Porém, para casos especiais ou asma moderada ou grave, podem ser administrados por via oral (comprimidos ou gotas) ou injetável.  Mecanismo de ação:  Atuam suprimindo múltiplos genes pela reversão da acetilação da histona.  Inibem os fatores de transcrição que regulam a gene expressão anormal;  Aumentam a transcrição de genes que codificam proteínas antiinflamatórias.
  • 26. Tratamento: Cromonas  Medicamento Controlador, porque reduzem a causa (inflamação) da asma.  Cromoglicato e Nedocromil Sódico.  É mais utilizado em crianças, para prevenção da asma por esforço.  Via de administração: inalatória.  Tem açao antiinflamatória e antialérgica, pois atua por intervenção seletiva, na inibição a degranulação do mastócito (inibe a liberação de citonas e mediadores inflamatórios) em resposta a vários estímulos. Atuam localmente e dificilmente são absorvidas sistematicamente.
  • 27. Tratamento: Imunoterapia  É efetiva no tratamento de asma alérgica, rinite alérgica e hipersensibilidade por picada de inseto, não sendo recomendada para alergia alimentar, urticária crônica e-ou angioedema.  Ocorre administração de extratos de alérgenos por via subcutâneapurificados e padronizados para modificação da resposta imune.  É indicada para pacientes que:  Manifestam sintomas durante todo o ano ou na maior parte dele;  Tem relação indiscutível entre os sintomas e a exposição a um ou dois alérgenos aos quais o paciente seja sensível, sem que ocorra a possibilidade de um completo isolamento de contato;  Tem sintomas compatíveis com provas cutâneas e não se consegue uma resposta adequada com tratamento farmacológico e medidas de prevenção corretas.
  • 28. Tratamento: Resumo  Tratamento de Resgate ou Aliviador:  Broncodilatadores de curta e longa duração: Salbutamol, Terbutalina, Fenoterol, e Formoterol;  Anticolinérgicos: Bromuro de Ipratropio;  Teofilinas orais;  Tratamento Crontrolador: reduzindo a inflamação das vias aéreas, diminuindo sua hiperreatividade ou irritabilidade  Esteróides (Cortisonas – via inalatória, oral ou injetável);  Cromonas (Cromoglicato dissódico e Nedocromil – via inalatórial);  Antagonistas de leucotrienos (Zafirlucast e Montelucaste - via oral).  Tratamento emergencial: é fundamental altas doses de medicamentos broncodilatadores e de medicamentos antiinflamatórios como os esteróides injetáveis ou ingeridos por via oral.  Antihistamínicos: quando necessita tratamente concomitante para rinite alérgica;  Inmunoterapia;  Fisioterapia Respiratória;  Oxigenoterapia.
  • 29. Curiosidades:  A asma ocorre em todas as idades, sendo mais comum na infância.  Filhos de asmáticos têm maior probabilidade de desenvolver a doença.  É possível prevenir a doença evitando-se certos medicamentos, que agravam os sintomas. Alguns adultos com asma têm crises ao usar beta- bloqueadores (indicados para o tratamento de hipertensão, arritmias e enxaqueca) ou o ácido acetilsalicílico, por exemplo.
  • 30. Referências Bibliográficas  Crise de Asma. Disponível em: http://www.crisedeasma.com.br/curiosidades.html. Acessado em: 11.11.2012  Asma – Mori Med. Disponível em: http://www.mori.med.br/pages/doenca_asma.asp. Acessado em: 11.11.2012  21 de junho – Dia Nacional do Combate a Asma. Disponível em: http://projetoapesaovicente.blogspot.com.ar/2011/06/21-de-junho-dia- nacional-do-combate-da.html. Acessado em: 11.11.2012  Asma Brônquica - Dr. Pierre d'Almeida Telles Filho. Dísponível em: http://www.asmabronquica.com.br. Acessado em: 11.11.2012