SlideShare uma empresa Scribd logo
Genética Básica
Aula: Herança Monogênica e Polimorfismos Genéticos ou do DNA
PADRÕES DE HERANÇA MONOGÊNICA
Herança Autossômica
Genes nos pares cromossômicos de 1-22
Genes nos cromossomos X e Y (23º par)
Herança Ligada ao Sexo
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA HEREDITARIEDADE
• Gregor Mendel estabeleceu os princípios básicos da herança e publicou suas descobertas em 1866. Boa parte do
sucesso de Mendel pode ser atribuída a 7 características que ele estudou.
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA HEREDITARIEDADE
PRINCÍPIOS BÁSICOS DA HEREDITARIEDADE
• Um conceito óbvio, mas
importante, é que apenas os
alelos do genótipo são herdados.
Embora o fenótipo seja
determinado, pelo menos em
parte, pelo genótipo, os
organismos não transmitem seus
fenótipos para a próxima
geração. A distinção entre
genótipo e fenótipo é um dos
princípios mais importantes da
genética moderna.
OS CRUZAMENTOS MONO-HÍBRIDOS REVELAM O PRINCÍPIO DA
SEGREGAÇÃO E O CONCEITO DE DOMINÂNCIA
• Mendel começou ao estudar os cruzamentos mono-híbridos –
cujos genitores tinham apenas uma única característica diferente.
Em um experimento, Mendel cruzou uma ervilha de geração pura
(homozigota) para sementes lisas com uma que era pura para
sementes rugosas. A primeira geração de um cruzamento é a
geração P (parental).
OS CRUZAMENTOS MONO-HÍBRIDOS REVELAM O PRINCÍPIO DA
SEGREGAÇÃO E O CONCEITO DE DOMINÂNCIA
OS CRUZAMENTOS MONO-HÍBRIDOS REVELAM O PRINCÍPIO DA
SEGREGAÇÃO E O CONCEITO DE DOMINÂNCIA
E O CRUZAMENTO DIHÍBRIDOS?
AS DUAS LEIS DE MENDEL
AS DUAS LEIS DE MENDEL
Se uma planta F1 descrita na fizer um cruzamento reversível com um genitor com sementes lisas, qual proporção dos
descendentes terá sementes rugosas? (Use um quadrado de Punnett.)
a. 3/4
b. 1/2
c. 1/4
d. 0
HERANÇA AUTOSSÔMICA DOMINANTE
É causado por uma mutação
em uma única cópia de um
gene situado em um dos
cromossomos. Uma pessoa
será afetada se tiver um gene
normal e um mutado.
DOMINANTE RECESSIVO
HERANÇA AUTOSSÔMICA DOMINANTE
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS:
• Tanto homens quanto mulheres podem ser
igualmente afetados, e ambos podem transmitir o
distúrbios para os filhos e filhas;
• O individuo afetado tem um dos genitores
afetados;
• O afetado tem 50% chance de ter filhos
afetados;
• Em uma família o distúrbio é transmitido ao
longo das gerações.
HERANÇA AUTOSSÔMICA DOMINANTE
HOMOZIGOSE
• A maioria das pessoas afetadas com um distúrbio autossômico
dominante são heterozigoto.
• Raramente ocorre em homozigose, mais comumente devido a
reprodução entre dois heterozigotos.
• Na maioria dos casos, o homozigoto resulta em um fenótipo muito
mais grave. Ex: acondroplasia, doença precoce de artéria coronariana,
Doença de Huntington.
• Acondroplasia
• Neurofibromatose (tipo 1 e 2)
• Retinobastoma
• Sindrome de Marfan
• Doença de Huntington
• Hipercolesterolemia familial
• Neuropatia motora e sensorial hereditária
• Distrofia miotonica
Sindrome de Marfan
HERANÇA AUTOSSÔMICA RECESSIVA
. Só se manifesta no estado de
homozigose, com as pessoas
afetadas tendo dois genes
mutantes.
HERANÇA AUTOSSÔMICA RECESSIVA
Principais Características:
• Homens e mulheres são igualmente afetados;
• Em geral, apenas os membros de uma única família são afetados;
• Os pais são obrigatoriamente heterozigotos e assintomáticos;
• A probabilidade de que um futuro irmão de uma pessoa afetada
seja portador é de 50% e 25% de ser homozigoto normal.
HERANÇA AUTOSSÔMICA RECESSIVA
• Anemia falciforme
• Fenilcetonúria
• Fibrose cística
• Talassemias (alfa e beta)
• Alcaptonuria
• Albinismos
• Quase todos os erros
hereditários do metabolismos
HERANÇA LIGADA AO SEXO
Herança Ligada ao X
- Herança é considera quando os genes
envolvidos se situam no cromossomo
X, em sua proporção não homóloga,
sem correspondência ao Y.
- Mulheres podem ser homozigotas ou
heterozigotas;
- Homens sempre serão hemizigotos.
HERANÇA LIGADA AO X
- As doenças relacionadas com genes do cromossomo X são classificadas como
doenças ligadas ao X.
- A grande maioria das doenças ligadas ao X é recessiva, contudo existem
algumas poucas que são dominantes.
- As características condicionadas pelos genes ligados ao X comportam de
maneira diferenciada nos sexos masculinos e femininos.
HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
- A doença é causada por uma mutação em um gene situado no cromossomo X, e
geralmente só se manifesta nos homens. As mulheres não são afetadas pois tem
dois cromossomos X.
Principais Características:
• Apenas os homens diretamente aparentados pela linhagem feminina são afetado;
• Todas as filhas de um homem afetado serão portadoras, a menos que por acaso
herdem também um gene mutante de sua mãe, em cujo caso serão afetadas;
HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
Principais Características:
• Como o homem transmite seu cromossomo Y para todos os seus filhos, todos
serão não afetados.
• As mulheres portadoras terão 50% de probabilidade de transmitir o gene
mutante para seus filhos e 50% de transmitir para suas filhas, que também
serão portadoras.
Hemofilia
• Doença hereditária causada por
uma falha na coagulação do
sangue;
• Alelo Dominante: H (produz
fator VIII);
• Alelo Recessivo: h (ausência do
fator VIII) – Induz a Hemofilia A;
• Homens XhY e mulheres XhXh
são hemofílicos;
• Homens XHY e mulheres
XHXH/XHXh são normais.
HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
Hemofilia
• Doença hereditária causada por
uma falha na coagulação do
sangue;
• Alelo Dominante: H (produz
fator VIII);
• Alelo Recessivo: h (ausência do
fator VIII) – Induz a Hemofilia A;
• Homens XhY e mulheres XhXh
são hemofílicos;
• Homens XHY e mulheres
XHXH/XHXh são normais.
HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
• Muito mais homens do que mulheres apresentam o fenótipo raro em estudo. A razão é que uma mulher só pode herdar o genótipo se
tanto sua mãe quanto seu pai tiverem o alelo (p. ex., XAXa e XaY), enquanto um homem pode herdar o fenótipo quando apenas a mãe
tem o alelo (XAXa e XAY). Se o alelo recessivo for muito raro, quase todas as pessoas que apresentam o fenótipo serão do sexo
masculino.
• Nenhum dos descendentes de um homem afetado apresenta o fenótipo, mas todas as suas filhas são “portadoras” que carregam o
alelo recessivo mascarado na condição heterozigota. Na geração seguinte, metade dos filhos dessas filhas portadoras apresentará o
fenótipo.
• Nenhum dos filhos de um homem afetado apresenta o fenótipo em estudo, nem passará a condição para seus descendentes. A razão
por trás dessa falta de transmissão de homem para homem é que um filho obtém seu cromossomo Y do pai; logo, ele normalmente
não pode herdar o cromossomo X do pai também. Por outro lado, a transmissão de um distúrbio de homem para homem é um
diagnóstico útil para uma condição herdada autossomicamente.
HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
Deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase
Daltonismo
Distrofias musculares de Duchenne e Becker
Hemofilias (A e B)
A DOENÇA PODE SER OBSERVADA EM MULHERES?
• Homozigose: se uma mulher é homozigota para uma mutação
recessiva ligada ao X, será afetada do mesmo modo que o homem. A
homozigose pode surgir se sua mãe for portadora e seu pai for afetado,
ou se apenas um de seus genitores tiver um alelo mutante e ocorrer
uma nova mutação no outro cromossomo.
A DOENÇA PODE SER OBSERVADA EM MULHERES?
• Inativação do cromossomo X: Se os cromossomos X com o gene
normal forem inativado em um pequeno numero de células, a mulher
apresentará um grande numero de células nas quais o cromossomo X
ativo contem o gene mutado e, portanto, poderá apresentar a doença.
HERANÇA DOMINANTE LIGADO AO X
• É causada por uma mutação em um gene no cromossomo X que se
manifesta em uma mulher heterozigota. Principais características:
• Tanto homens quanto mulheres são afetados, embora as mulheres sejam
em geral menos gravemente afetadas que os homens;
• Todas as filhas e nenhum dos filhos de um homem afetado serão afetados.
• As mulheres heterozigotas transmitem a condição para metade dos filhos
de ambos os sexos.
HERANÇA DOMINANTE LIGADO AO X
• Os homens afetados passam a condição para todas as filhas, mas para nenhum dos filhos.
• Mulheres heterozigotas afetadas que se casam com homens não afetados passam a condição para metade de seus filhos e
filhas.
• Esse modo de herança não é comum. Um exemplo é a hipofosfatemia, um tipo de raquitismo resistente à vitamina D.
Algumas formas de hipertricose (excesso de pelos corporais e faciais) mostram uma herança dominante ligada ao X.
HERANÇA DOMINANTE LIGADO AO X
(UFJF) Um homem possui uma anomalia dominante ligada ao cromossomo X e é casado com uma mulher normal. Em relação
aos descendentes deste casal é CORRETO afirmar que:
A) esta anomalia será transmitida a todos os filhos do sexo masculino.
B) esta anomalia será transmitida à metade dos filhos do sexo masculino.
C) esta anomalia será transmitida a todas as filhas.
D) esta anomalia será transmitida à metade das filhas.
E) esta anomalia não será transmitida a nenhum descendente.
HERANÇA RESTRITA AO SEXO (CROMOSSOMOY)
• Quando o gene envolvido se situa no cromossomo Y, na porção não homóloga
ao cromossomo X.
• Exemplo: hipertricose – presença de pelos grossos e longos nas orelhas
masculinas.
HIPERTRICOSE
HERANÇA LIGADO AO Y (HERANÇA HOLÂNDRICA)
• A transmissão de homem para homem, com apenas os homens sendo
afetados.
• As mutações de genes ligados ao Y manifestam-se primariamente
como infertilização masculina.
MUTAÇÃO NOVA
• Novas mutações, embora raras, surgem continuamente e ocorrem tanto em
células somáticas quanto nas germinativas, levando ao aparecimento de
doenças monogênicas em probandos cujos pais não são afetados.
• Podem ser causadas por fatores ambientais como radiação ou infecção.
• Se ocorreu em uma divisão mitótica avançada, logo antes da meiose, então o
risco de recorrência para um filho será improvável.
• Mas se surgir em uma mitose inicial na linhagem germinativa, então este
genitor quase que certamente produzirá outros gametas portadores da mutação.
POLIMORFISMO GENÉTICO OU DO DNA
MUTAÇÃO
• A palavra “mutação” é amplamente usada para comunicar qualquer diferença entre a sequência de bases no genoma de um indivíduo e a
sequência representada em um genoma de referência.
• Contudo, também é comumente interpretada como sinônimo de uma alteração que ‘causa uma doença’, por isso, tem uma conotação
historicamente negativa.
POLIMORFISMO GENÉTICO
VARIANTE
• Variante, no contexto de genética e genômica, significa
qualquer diferença entre a sequência do genoma de um
indivíduo em relação a um genoma de referência.
• As variantes podem ser classificadas com base no seu
impacto clínico ou de acordo com o tipo de alteração que
causam na sequência do DNA.
• As classificações clínicas refletem a probabilidade da variante
causar uma doença. Atualmente, as variantes são
classificadas seguindo as diretrizes internacionais do Colégio
Americano de Genética e Genômica (ACMG), que as dividem
em 5 categorias.
POLIMORFISMO GENÉTICO
STR OU MICROSSATÉLITES
• Esta classe de polimorfismo genético, também conhecida como
polimorfismo de microssatélite, é composta por unidades
repetitivas de nucleotídeos (tandems).
• Regiões polimórficas porque o número de vezes que se repetem
varia entre os indivíduos da população.
• Por exemplo, um tandem (repetição de um fragmento) ‘AATT’
pode se repetir cinco vezes em um determinado indivíduo
enquanto em outro a repetição acontece somente duas vezes.
• Dezenas de milhares de loci de STRs são conhecidos no genoma
humano, tornando a análise de tais repetições um método de
escolha nas ciências forenses. Isso acontece pois é muito
improvável que dois indivíduos (não gêmeos monozigóticos)
possuam o mesmo conjunto de alelos para dez ou quinze loci
diferentes.
TIPOS DE POLIMORFISMO GENÉTICO
Locus FGA Cromossomo 4 – TTTC (15 a mais de 51 vezes
SNPs
• As variantes de nucleotídeo único (SNPs) são alterações de um único nucleotídeo na sequência de DNA ou, em outras palavras, a troca
de um nucleotídeo por outro, como por exemplo, a substituição de uma Timina por uma Citosina (T>C).
• Os SNPs são a forma mais comum de variação genética em humanos e ocorrem cerca de uma vez em cada 1.000 nucleotídeos em
média, ou seja, uma pessoa possui cerca de 4 a 5 milhões de SNPs em seu genoma.
• A grande maioria dos SNPs explicam o funcionamento do corpo e as características físicas ligadas à ancestralidade, sendo os principais
responsáveis pela variabilidade genética entre as populações. Ainda, muitos SNPs são associados a doenças comuns, como diabetes
mellitus tipo 2, doença de Alzheimer e doenças cardíacas.
TIPOS DE POLIMORFISMO GENÉTICO
TIPOS DE POLIMORFISMO GENÉTICO
INDELS (INSERÇÃO OU DELEÇÃO)
• Inserções e deleções (InDels) são adições ou perdas de uma ou mais bases consecutivas na sequência do DNA. Indels são altamente
abundantes em genomas humanos, sendo o segundo tipo de variação genética mais comum, ficando atrás apenas dos SNPs.
TIPOS DE POLIMORFISMO GENÉTICO
TIPOS DE POLIMORFISMOS GENÉTICOS
...GGATTTCTAGGTAACTGAGTCGA
...GGATTTCTAGGTAACTGAGTCGA...
...GGATTTCCAGGTAACTCAGTCGA...
...GGATTTCTAGGTA ACTC AGTCGA...
...GGATTTCTAGGGTAACTGAGTCGA...
...GGATTTCT AGGT AACTGAGTCGA...
...GGAT- -CT AGGT AACTGAGTCG A...
SNP
Inserção
Deleção

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ausencia de dominancia_e_codominancia
Ausencia de dominancia_e_codominanciaAusencia de dominancia_e_codominancia
Ausencia de dominancia_e_codominancia
URCA
 
Genes letais
Genes letaisGenes letais
Genes letais
URCA
 
Caracteristicas Hereditárias
Caracteristicas HereditáriasCaracteristicas Hereditárias
Caracteristicas Hereditárias
Francisco Pinheiro
 
Herancas quantitativa
Herancas quantitativaHerancas quantitativa
Herancas quantitativa
URCA
 
Aconselhamento genético
Aconselhamento genéticoAconselhamento genético
Aconselhamento genético
Lucas Fontes
 
Seleção Sexual e Reprodução
Seleção Sexual e ReproduçãoSeleção Sexual e Reprodução
Seleção Sexual e Reprodução
Diego Fernandes Souza
 
Testes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doençasTestes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doenças
Eduarda P.
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
emanuel
 
Acidentes domésticos em crianças
Acidentes domésticos em criançasAcidentes domésticos em crianças
Acidentes domésticos em crianças
Douglas Tedesco
 
Hemofilia
HemofiliaHemofilia
Hemofilia
Matheus Baldoino
 
Ligação, permuta, mapas genéticos 2010
Ligação, permuta, mapas genéticos 2010Ligação, permuta, mapas genéticos 2010
Ligação, permuta, mapas genéticos 2010
UERGS
 
Aula de genética 1 lei de mendel
Aula de genética   1 lei de mendelAula de genética   1 lei de mendel
Aula de genética 1 lei de mendel
Marcionedes De Souza
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Heredogramas genetica
Heredogramas genetica Heredogramas genetica
Heredogramas genetica
Raissa Araujo
 
A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica
SEMED de Santarém/PA
 
3 ano-aula-genetica
3 ano-aula-genetica3 ano-aula-genetica
3 ano-aula-genetica
Luzelena Aires
 
Desenvolvimento fisico e psíquico na adolescencia
Desenvolvimento fisico e psíquico na adolescenciaDesenvolvimento fisico e psíquico na adolescencia
Desenvolvimento fisico e psíquico na adolescencia
Mari Oldoni
 
A primeira lei de mendel e a espécie humana
A primeira lei de mendel e a espécie humanaA primeira lei de mendel e a espécie humana
A primeira lei de mendel e a espécie humana
BobGil
 
Aula de exames sorologia
Aula de exames sorologiaAula de exames sorologia
Aula de exames sorologia
Ramon Mendes
 
Aconselhamento Genético
Aconselhamento GenéticoAconselhamento Genético

Mais procurados (20)

Ausencia de dominancia_e_codominancia
Ausencia de dominancia_e_codominanciaAusencia de dominancia_e_codominancia
Ausencia de dominancia_e_codominancia
 
Genes letais
Genes letaisGenes letais
Genes letais
 
Caracteristicas Hereditárias
Caracteristicas HereditáriasCaracteristicas Hereditárias
Caracteristicas Hereditárias
 
Herancas quantitativa
Herancas quantitativaHerancas quantitativa
Herancas quantitativa
 
Aconselhamento genético
Aconselhamento genéticoAconselhamento genético
Aconselhamento genético
 
Seleção Sexual e Reprodução
Seleção Sexual e ReproduçãoSeleção Sexual e Reprodução
Seleção Sexual e Reprodução
 
Testes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doençasTestes genéticos no diagnóstico de doenças
Testes genéticos no diagnóstico de doenças
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Acidentes domésticos em crianças
Acidentes domésticos em criançasAcidentes domésticos em crianças
Acidentes domésticos em crianças
 
Hemofilia
HemofiliaHemofilia
Hemofilia
 
Ligação, permuta, mapas genéticos 2010
Ligação, permuta, mapas genéticos 2010Ligação, permuta, mapas genéticos 2010
Ligação, permuta, mapas genéticos 2010
 
Aula de genética 1 lei de mendel
Aula de genética   1 lei de mendelAula de genética   1 lei de mendel
Aula de genética 1 lei de mendel
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Heredogramas genetica
Heredogramas genetica Heredogramas genetica
Heredogramas genetica
 
A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica A herança autossômica monogênica
A herança autossômica monogênica
 
3 ano-aula-genetica
3 ano-aula-genetica3 ano-aula-genetica
3 ano-aula-genetica
 
Desenvolvimento fisico e psíquico na adolescencia
Desenvolvimento fisico e psíquico na adolescenciaDesenvolvimento fisico e psíquico na adolescencia
Desenvolvimento fisico e psíquico na adolescencia
 
A primeira lei de mendel e a espécie humana
A primeira lei de mendel e a espécie humanaA primeira lei de mendel e a espécie humana
A primeira lei de mendel e a espécie humana
 
Aula de exames sorologia
Aula de exames sorologiaAula de exames sorologia
Aula de exames sorologia
 
Aconselhamento Genético
Aconselhamento GenéticoAconselhamento Genético
Aconselhamento Genético
 

Semelhante a Aula 05 Padrão de herança e polimorfismos.pdf

Heranças genéticas
Heranças genéticasHeranças genéticas
Heranças genéticas
Flávia Albuquerque
 
Herança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuaisHerança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuais
César Milani
 
Cap 6 a herança e o sexo
Cap 6 a herança e o sexoCap 6 a herança e o sexo
Cap 6 a herança e o sexo
Luciana Menezes de Oliveira
 
Heranca e sexo
Heranca e sexoHeranca e sexo
Heranca e sexo
URCA
 
Heranca monogenica
Heranca monogenicaHeranca monogenica
Heranca monogenica
Jamille Nunez
 
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.pptAULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
HerminioMendes3
 
Aula----de-----Herança-----Monogenica-pdf
Aula----de-----Herança-----Monogenica-pdfAula----de-----Herança-----Monogenica-pdf
Aula----de-----Herança-----Monogenica-pdf
jhennyferkerllen
 
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdfREVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
LedaMariadaSilva1
 
Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)
Chalu Tamura
 
AULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptx
AULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptxAULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptx
AULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptx
CleidianeVieira6
 
SEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptx
SEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptxSEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptx
SEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptx
MARINESADIERSALVESPE
 
Genética e doenças
Genética e doençasGenética e doenças
Genética e doenças
emanuel
 
B11_morgan.pptx
B11_morgan.pptxB11_morgan.pptx
B11_morgan.pptx
CatarinaGomes534756
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
edu.biologia
 
Cromossomos sexuais
Cromossomos sexuaisCromossomos sexuais
Cromossomos sexuais
Douglas Barreto
 
Autossomica dominante
Autossomica dominanteAutossomica dominante
Autossomica dominante
GEDRBRASIL_ESTUDANDORARAS
 
Genética - Daltonismo | Biologia 12º Ano
Genética - Daltonismo | Biologia 12º AnoGenética - Daltonismo | Biologia 12º Ano
Genética - Daltonismo | Biologia 12º Ano
Instituto Superior Técnico, UTL
 
Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225
Viviane Martins Dos Reis
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
primeiroanocsl
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
giovannimusetti
 

Semelhante a Aula 05 Padrão de herança e polimorfismos.pdf (20)

Heranças genéticas
Heranças genéticasHeranças genéticas
Heranças genéticas
 
Herança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuaisHerança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuais
 
Cap 6 a herança e o sexo
Cap 6 a herança e o sexoCap 6 a herança e o sexo
Cap 6 a herança e o sexo
 
Heranca e sexo
Heranca e sexoHeranca e sexo
Heranca e sexo
 
Heranca monogenica
Heranca monogenicaHeranca monogenica
Heranca monogenica
 
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.pptAULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt
 
Aula----de-----Herança-----Monogenica-pdf
Aula----de-----Herança-----Monogenica-pdfAula----de-----Herança-----Monogenica-pdf
Aula----de-----Herança-----Monogenica-pdf
 
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdfREVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
 
Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)Aula 26 03 (1)
Aula 26 03 (1)
 
AULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptx
AULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptxAULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptx
AULA 5 - HERANÇAS MONOGÊNICAS E POLIGÊNICAS.pptx
 
SEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptx
SEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptxSEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptx
SEXO E HERANÇA GENÉTICA .pptx
 
Genética e doenças
Genética e doençasGenética e doenças
Genética e doenças
 
B11_morgan.pptx
B11_morgan.pptxB11_morgan.pptx
B11_morgan.pptx
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
 
Cromossomos sexuais
Cromossomos sexuaisCromossomos sexuais
Cromossomos sexuais
 
Autossomica dominante
Autossomica dominanteAutossomica dominante
Autossomica dominante
 
Genética - Daltonismo | Biologia 12º Ano
Genética - Daltonismo | Biologia 12º AnoGenética - Daltonismo | Biologia 12º Ano
Genética - Daltonismo | Biologia 12º Ano
 
Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 

Último

A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
JoanaFigueira11
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
WilianeBarbosa2
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
ElinarioCosta
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 

Último (20)

A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
497417426-conheca-os-principais-graficos-da-radiestesia-e-da-radionica.pdf
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....pptA Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
A Núbia e o Reino De Cuxe- 6º ano....ppt
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica BasicaExercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
Exercicios de Word Básico para a aulas de informatica Basica
 
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 

Aula 05 Padrão de herança e polimorfismos.pdf

  • 1. Genética Básica Aula: Herança Monogênica e Polimorfismos Genéticos ou do DNA
  • 2. PADRÕES DE HERANÇA MONOGÊNICA Herança Autossômica Genes nos pares cromossômicos de 1-22 Genes nos cromossomos X e Y (23º par) Herança Ligada ao Sexo
  • 3. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA HEREDITARIEDADE • Gregor Mendel estabeleceu os princípios básicos da herança e publicou suas descobertas em 1866. Boa parte do sucesso de Mendel pode ser atribuída a 7 características que ele estudou.
  • 4. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA HEREDITARIEDADE
  • 5. PRINCÍPIOS BÁSICOS DA HEREDITARIEDADE • Um conceito óbvio, mas importante, é que apenas os alelos do genótipo são herdados. Embora o fenótipo seja determinado, pelo menos em parte, pelo genótipo, os organismos não transmitem seus fenótipos para a próxima geração. A distinção entre genótipo e fenótipo é um dos princípios mais importantes da genética moderna.
  • 6. OS CRUZAMENTOS MONO-HÍBRIDOS REVELAM O PRINCÍPIO DA SEGREGAÇÃO E O CONCEITO DE DOMINÂNCIA • Mendel começou ao estudar os cruzamentos mono-híbridos – cujos genitores tinham apenas uma única característica diferente. Em um experimento, Mendel cruzou uma ervilha de geração pura (homozigota) para sementes lisas com uma que era pura para sementes rugosas. A primeira geração de um cruzamento é a geração P (parental).
  • 7. OS CRUZAMENTOS MONO-HÍBRIDOS REVELAM O PRINCÍPIO DA SEGREGAÇÃO E O CONCEITO DE DOMINÂNCIA
  • 8. OS CRUZAMENTOS MONO-HÍBRIDOS REVELAM O PRINCÍPIO DA SEGREGAÇÃO E O CONCEITO DE DOMINÂNCIA
  • 9. E O CRUZAMENTO DIHÍBRIDOS?
  • 10. AS DUAS LEIS DE MENDEL
  • 11. AS DUAS LEIS DE MENDEL Se uma planta F1 descrita na fizer um cruzamento reversível com um genitor com sementes lisas, qual proporção dos descendentes terá sementes rugosas? (Use um quadrado de Punnett.) a. 3/4 b. 1/2 c. 1/4 d. 0
  • 12. HERANÇA AUTOSSÔMICA DOMINANTE É causado por uma mutação em uma única cópia de um gene situado em um dos cromossomos. Uma pessoa será afetada se tiver um gene normal e um mutado.
  • 14. HERANÇA AUTOSSÔMICA DOMINANTE PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: • Tanto homens quanto mulheres podem ser igualmente afetados, e ambos podem transmitir o distúrbios para os filhos e filhas; • O individuo afetado tem um dos genitores afetados; • O afetado tem 50% chance de ter filhos afetados; • Em uma família o distúrbio é transmitido ao longo das gerações.
  • 15.
  • 16. HERANÇA AUTOSSÔMICA DOMINANTE HOMOZIGOSE • A maioria das pessoas afetadas com um distúrbio autossômico dominante são heterozigoto. • Raramente ocorre em homozigose, mais comumente devido a reprodução entre dois heterozigotos. • Na maioria dos casos, o homozigoto resulta em um fenótipo muito mais grave. Ex: acondroplasia, doença precoce de artéria coronariana, Doença de Huntington.
  • 17. • Acondroplasia • Neurofibromatose (tipo 1 e 2) • Retinobastoma • Sindrome de Marfan • Doença de Huntington • Hipercolesterolemia familial • Neuropatia motora e sensorial hereditária • Distrofia miotonica Sindrome de Marfan
  • 18. HERANÇA AUTOSSÔMICA RECESSIVA . Só se manifesta no estado de homozigose, com as pessoas afetadas tendo dois genes mutantes.
  • 19. HERANÇA AUTOSSÔMICA RECESSIVA Principais Características: • Homens e mulheres são igualmente afetados; • Em geral, apenas os membros de uma única família são afetados; • Os pais são obrigatoriamente heterozigotos e assintomáticos; • A probabilidade de que um futuro irmão de uma pessoa afetada seja portador é de 50% e 25% de ser homozigoto normal.
  • 21.
  • 22.
  • 23. • Anemia falciforme • Fenilcetonúria • Fibrose cística • Talassemias (alfa e beta) • Alcaptonuria • Albinismos • Quase todos os erros hereditários do metabolismos
  • 24. HERANÇA LIGADA AO SEXO Herança Ligada ao X - Herança é considera quando os genes envolvidos se situam no cromossomo X, em sua proporção não homóloga, sem correspondência ao Y. - Mulheres podem ser homozigotas ou heterozigotas; - Homens sempre serão hemizigotos.
  • 25. HERANÇA LIGADA AO X - As doenças relacionadas com genes do cromossomo X são classificadas como doenças ligadas ao X. - A grande maioria das doenças ligadas ao X é recessiva, contudo existem algumas poucas que são dominantes. - As características condicionadas pelos genes ligados ao X comportam de maneira diferenciada nos sexos masculinos e femininos.
  • 26. HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X - A doença é causada por uma mutação em um gene situado no cromossomo X, e geralmente só se manifesta nos homens. As mulheres não são afetadas pois tem dois cromossomos X. Principais Características: • Apenas os homens diretamente aparentados pela linhagem feminina são afetado; • Todas as filhas de um homem afetado serão portadoras, a menos que por acaso herdem também um gene mutante de sua mãe, em cujo caso serão afetadas;
  • 27. HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X Principais Características: • Como o homem transmite seu cromossomo Y para todos os seus filhos, todos serão não afetados. • As mulheres portadoras terão 50% de probabilidade de transmitir o gene mutante para seus filhos e 50% de transmitir para suas filhas, que também serão portadoras.
  • 28.
  • 29. Hemofilia • Doença hereditária causada por uma falha na coagulação do sangue; • Alelo Dominante: H (produz fator VIII); • Alelo Recessivo: h (ausência do fator VIII) – Induz a Hemofilia A; • Homens XhY e mulheres XhXh são hemofílicos; • Homens XHY e mulheres XHXH/XHXh são normais. HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
  • 30. Hemofilia • Doença hereditária causada por uma falha na coagulação do sangue; • Alelo Dominante: H (produz fator VIII); • Alelo Recessivo: h (ausência do fator VIII) – Induz a Hemofilia A; • Homens XhY e mulheres XhXh são hemofílicos; • Homens XHY e mulheres XHXH/XHXh são normais. HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
  • 31. • Muito mais homens do que mulheres apresentam o fenótipo raro em estudo. A razão é que uma mulher só pode herdar o genótipo se tanto sua mãe quanto seu pai tiverem o alelo (p. ex., XAXa e XaY), enquanto um homem pode herdar o fenótipo quando apenas a mãe tem o alelo (XAXa e XAY). Se o alelo recessivo for muito raro, quase todas as pessoas que apresentam o fenótipo serão do sexo masculino. • Nenhum dos descendentes de um homem afetado apresenta o fenótipo, mas todas as suas filhas são “portadoras” que carregam o alelo recessivo mascarado na condição heterozigota. Na geração seguinte, metade dos filhos dessas filhas portadoras apresentará o fenótipo. • Nenhum dos filhos de um homem afetado apresenta o fenótipo em estudo, nem passará a condição para seus descendentes. A razão por trás dessa falta de transmissão de homem para homem é que um filho obtém seu cromossomo Y do pai; logo, ele normalmente não pode herdar o cromossomo X do pai também. Por outro lado, a transmissão de um distúrbio de homem para homem é um diagnóstico útil para uma condição herdada autossomicamente. HERANÇA RECESSIVA LIGADA AO X
  • 32. Deficiência de glicose-6-fosfato desidrogenase Daltonismo Distrofias musculares de Duchenne e Becker Hemofilias (A e B)
  • 33.
  • 34.
  • 35. A DOENÇA PODE SER OBSERVADA EM MULHERES? • Homozigose: se uma mulher é homozigota para uma mutação recessiva ligada ao X, será afetada do mesmo modo que o homem. A homozigose pode surgir se sua mãe for portadora e seu pai for afetado, ou se apenas um de seus genitores tiver um alelo mutante e ocorrer uma nova mutação no outro cromossomo.
  • 36. A DOENÇA PODE SER OBSERVADA EM MULHERES? • Inativação do cromossomo X: Se os cromossomos X com o gene normal forem inativado em um pequeno numero de células, a mulher apresentará um grande numero de células nas quais o cromossomo X ativo contem o gene mutado e, portanto, poderá apresentar a doença.
  • 37. HERANÇA DOMINANTE LIGADO AO X • É causada por uma mutação em um gene no cromossomo X que se manifesta em uma mulher heterozigota. Principais características: • Tanto homens quanto mulheres são afetados, embora as mulheres sejam em geral menos gravemente afetadas que os homens; • Todas as filhas e nenhum dos filhos de um homem afetado serão afetados. • As mulheres heterozigotas transmitem a condição para metade dos filhos de ambos os sexos.
  • 38. HERANÇA DOMINANTE LIGADO AO X • Os homens afetados passam a condição para todas as filhas, mas para nenhum dos filhos. • Mulheres heterozigotas afetadas que se casam com homens não afetados passam a condição para metade de seus filhos e filhas. • Esse modo de herança não é comum. Um exemplo é a hipofosfatemia, um tipo de raquitismo resistente à vitamina D. Algumas formas de hipertricose (excesso de pelos corporais e faciais) mostram uma herança dominante ligada ao X.
  • 39. HERANÇA DOMINANTE LIGADO AO X (UFJF) Um homem possui uma anomalia dominante ligada ao cromossomo X e é casado com uma mulher normal. Em relação aos descendentes deste casal é CORRETO afirmar que: A) esta anomalia será transmitida a todos os filhos do sexo masculino. B) esta anomalia será transmitida à metade dos filhos do sexo masculino. C) esta anomalia será transmitida a todas as filhas. D) esta anomalia será transmitida à metade das filhas. E) esta anomalia não será transmitida a nenhum descendente.
  • 40. HERANÇA RESTRITA AO SEXO (CROMOSSOMOY) • Quando o gene envolvido se situa no cromossomo Y, na porção não homóloga ao cromossomo X. • Exemplo: hipertricose – presença de pelos grossos e longos nas orelhas masculinas.
  • 42. HERANÇA LIGADO AO Y (HERANÇA HOLÂNDRICA) • A transmissão de homem para homem, com apenas os homens sendo afetados. • As mutações de genes ligados ao Y manifestam-se primariamente como infertilização masculina.
  • 43. MUTAÇÃO NOVA • Novas mutações, embora raras, surgem continuamente e ocorrem tanto em células somáticas quanto nas germinativas, levando ao aparecimento de doenças monogênicas em probandos cujos pais não são afetados. • Podem ser causadas por fatores ambientais como radiação ou infecção. • Se ocorreu em uma divisão mitótica avançada, logo antes da meiose, então o risco de recorrência para um filho será improvável. • Mas se surgir em uma mitose inicial na linhagem germinativa, então este genitor quase que certamente produzirá outros gametas portadores da mutação.
  • 45. MUTAÇÃO • A palavra “mutação” é amplamente usada para comunicar qualquer diferença entre a sequência de bases no genoma de um indivíduo e a sequência representada em um genoma de referência. • Contudo, também é comumente interpretada como sinônimo de uma alteração que ‘causa uma doença’, por isso, tem uma conotação historicamente negativa. POLIMORFISMO GENÉTICO
  • 46. VARIANTE • Variante, no contexto de genética e genômica, significa qualquer diferença entre a sequência do genoma de um indivíduo em relação a um genoma de referência. • As variantes podem ser classificadas com base no seu impacto clínico ou de acordo com o tipo de alteração que causam na sequência do DNA. • As classificações clínicas refletem a probabilidade da variante causar uma doença. Atualmente, as variantes são classificadas seguindo as diretrizes internacionais do Colégio Americano de Genética e Genômica (ACMG), que as dividem em 5 categorias. POLIMORFISMO GENÉTICO
  • 47. STR OU MICROSSATÉLITES • Esta classe de polimorfismo genético, também conhecida como polimorfismo de microssatélite, é composta por unidades repetitivas de nucleotídeos (tandems). • Regiões polimórficas porque o número de vezes que se repetem varia entre os indivíduos da população. • Por exemplo, um tandem (repetição de um fragmento) ‘AATT’ pode se repetir cinco vezes em um determinado indivíduo enquanto em outro a repetição acontece somente duas vezes. • Dezenas de milhares de loci de STRs são conhecidos no genoma humano, tornando a análise de tais repetições um método de escolha nas ciências forenses. Isso acontece pois é muito improvável que dois indivíduos (não gêmeos monozigóticos) possuam o mesmo conjunto de alelos para dez ou quinze loci diferentes. TIPOS DE POLIMORFISMO GENÉTICO Locus FGA Cromossomo 4 – TTTC (15 a mais de 51 vezes
  • 48. SNPs • As variantes de nucleotídeo único (SNPs) são alterações de um único nucleotídeo na sequência de DNA ou, em outras palavras, a troca de um nucleotídeo por outro, como por exemplo, a substituição de uma Timina por uma Citosina (T>C). • Os SNPs são a forma mais comum de variação genética em humanos e ocorrem cerca de uma vez em cada 1.000 nucleotídeos em média, ou seja, uma pessoa possui cerca de 4 a 5 milhões de SNPs em seu genoma. • A grande maioria dos SNPs explicam o funcionamento do corpo e as características físicas ligadas à ancestralidade, sendo os principais responsáveis pela variabilidade genética entre as populações. Ainda, muitos SNPs são associados a doenças comuns, como diabetes mellitus tipo 2, doença de Alzheimer e doenças cardíacas. TIPOS DE POLIMORFISMO GENÉTICO
  • 50. INDELS (INSERÇÃO OU DELEÇÃO) • Inserções e deleções (InDels) são adições ou perdas de uma ou mais bases consecutivas na sequência do DNA. Indels são altamente abundantes em genomas humanos, sendo o segundo tipo de variação genética mais comum, ficando atrás apenas dos SNPs. TIPOS DE POLIMORFISMO GENÉTICO
  • 51. TIPOS DE POLIMORFISMOS GENÉTICOS ...GGATTTCTAGGTAACTGAGTCGA ...GGATTTCTAGGTAACTGAGTCGA... ...GGATTTCCAGGTAACTCAGTCGA... ...GGATTTCTAGGTA ACTC AGTCGA... ...GGATTTCTAGGGTAACTGAGTCGA... ...GGATTTCT AGGT AACTGAGTCGA... ...GGAT- -CT AGGT AACTGAGTCG A... SNP Inserção Deleção