SlideShare uma empresa Scribd logo
A HERANÇA MONOGÊNICA
PADRÕES MENDELIANOS DE
HERANÇA
Estudo de características
genéticas na espécie humana
 Não é possível
controlar ou
manipular
cruzamentos
Definições importantes!
 Padrões de herança monogênicos
 Heredrograma
A construção de
heredogramas
 A informação obtida
de famílias através
do ato da
averiguação é
registrada na forma
de heredogramas
(pedigrees)
obedecendo sinais e
símbolos padrões.
21
Tipo de herança determinada por um único gene
Autossômica
Ligada ao sexo
Herança monogênica
Herança
monogênica
autossômica
Herança dominante ou recessiva????
Herança autossômica
dominante
1. O fenótipo aparece em todas as gerações, e toda pessoa
afetada tem um genitor afetado.
2. Qualquer filho de genitor afetado tem um risco de 50% de
herdar o fenótipo.
3. Familiares fenotipicamente normais não transmitem o
fenótipo para seus filhos.
4. Homens e mulheres têm a mesma probabilidade de transmitir
o fenótipo aos filhos de ambos os sexos.
O padrão de herança
autossômico dominante
 Em geral, o afetado é
heterozigoto, quando se
trata de um caráter raro
e seu parceiro(a) é
homozigoto para o alelo
normal. A probabilidade
de um filho ser afetado é
de 50% e independe do
sexo.
O padrão de herança
autossômico recessivo
 Em geral, os
progenitores são
normais e
heterozigotos.
Nos heterozigotos, com alelo normal e outro
mutante, a metade da quantidade normal do
produto gênico do alelo normal é suficiente
para efetuar uma determinada função?
SIM!!!!!
Alelo normal é dominante
Alelo mutante é recessivo
Distúrbio é recessivo
Em heterozigose, o fenótipo é normal
NÃO!!!!!
Alelo normal é recessivo
Alelo mutante é dominante
Distúrbio é dominante
Em heterozigose, o fenótipo é alterado
Dominância x recessividade
Exemplos de herança monogênica
autossômica dominante
Polidactilia Acondroplasia
Exemplos de herança monogênica
autossômica recessiva
Albinismo
BICO DE VIÚVA
Dominante
Recessivo
DOBRAR A LÍNGUA
Dominante
LÓBULOS ADERIDOS Á FACE
Dominante
Recessivo
POLEGAR DE “PONERO”
Algumas pessoas possuem a
capacidade de inclinar o
dedo polegarnum ângulo
maior que 45 graus –
RECESSIVO
O alelo DOMINANTE não
permite essa inclinação
Esquerdo sobre direito é
DOMINANTE
DEDOS ENTRELAÇADOS
Entrelace seus dedos...
Qual polegar ficou por cima?
Herança
monogênica
ligada ao sexo
• Ligada ao Sexo
Dominante
Recessiva



Herança monogênica ligada ao
sexo
DOMINANTE LIGADO AO X
 Homem afetado  todas as filhas afetadas e todos os
filhos normais
 Homem afetado  possui mãe afetada
 Mulher homozigota dominante  todos os filhos afetados
 Características não se distribuem igualmente entre os
sexos
Herança monogênica ligada ao
sexo
Herança dominante ligada ao
X
1. Os homens afetados
com companheiras
normais não têm
nenhum filho afetado
e nenhuma filha
normal.
2. Os filhos de ambos os
sexos de portadores
possuem um risco de
50% de herdar o
fenótipo.
Hipertricose: um exemplo de
herança ligada ao X dominante
 A hipertricose
generalizada pode
ser causada pela
mutação de um
gene localizado no
cromossomo X. O
fenótipo é
dominante.
RECESSIVO LIGADO AO X
 Homem afetado  filhas portadoras  50% dos netos
afetados
 Homem afetado  gen recebido da mãe
 Mais homens afetados do que mulheres
 Homem afetado + mulher normal  geralmente têm
filhos normais
 O caráter é transmitido aos filhos homens pelas mães
portadoras. As meninas só terão a caracterísitica se opai
também tiver
Herança monogênica ligada ao
sexo
Herança recessiva ligada ao sexo
O padrão de transmissão da
herança ligada ao X recessiva
A hemofilia A
 Distúrbio recessivo ligado ao
X clássico. É um distúrbio da
coagulação caracterizado por
tempo de sangramento
prolongado. Causado por
mutações no gene que
codifica o fator VIII,
componente da cascata da
coagulação. A deficiência do
fator VIII resulta numa
formação defeituosa de
fibrina, comprometendo a
capacidade de coagulação.
O daltonismo
 A mutação genética que
provoca o daltonismo
sobreviveu pela vantagem dada
aos daltônicos ao longo da
história evolutiva. Essa
vantagem advém, sobretudo,
do fato de os portadores desses
genes possuirem uma melhor
capacidade de visão noturna,
bem como maior capacidade de
reconhecerem elementos semi-
ocultos, como animais ou
pessoas disfarçadas pela sua
camuflagem.
 Estima-se que 8% dos homens
sejam afetados contra apenas
1 % das mulheres.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt

Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225
Viviane Martins Dos Reis
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
primeiroanocsl
 
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdfREVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
LedaMariadaSilva1
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Turma Olímpica
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
giovannimusetti
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
giovannimusetti
 
5 - Padrões de Herança
5 - Padrões de Herança5 - Padrões de Herança
5 - Padrões de Herança
Rodrigo Vianna
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
edu.biologia
 
Património genético - resumo
Património genético - resumoPatrimónio genético - resumo
Património genético - resumo
Isabel Lopes
 
Herancamonogenicanaotradicional
HerancamonogenicanaotradicionalHerancamonogenicanaotradicional
Herancamonogenicanaotradicional
Mariangela Santos
 
Herança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuaisHerança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuais
César Milani
 
PadrõEs De HerançA
PadrõEs De HerançAPadrõEs De HerançA
PadrõEs De HerançA
guestefaf76
 
Aula 3 primeira lei de mendel
Aula 3  primeira lei de mendelAula 3  primeira lei de mendel
Aula 3 primeira lei de mendel
Ana Claudia Cabral Chaves
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
Andrey Moreira
 
Heranca e sexo
Heranca e sexoHeranca e sexo
Heranca e sexo
URCA
 
Introdução à Genética
Introdução à GenéticaIntrodução à Genética
Introdução à Genética
Vinícia Becalli
 
Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
A genética do sexo e determinação
A genética do sexo e determinaçãoA genética do sexo e determinação
A genética do sexo e determinação
SEMED de Santarém/PA
 
Cromossomos sexuais
Cromossomos sexuaisCromossomos sexuais
Cromossomos sexuais
Douglas Barreto
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicos
JosEzequiel2
 

Semelhante a AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt (20)

Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225Herança mendeliana2014 20140520044225
Herança mendeliana2014 20140520044225
 
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
Biologia - Genetica geral (Kleber Sales)
 
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdfREVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
 
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre GenéticaSlides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
Slides da aula de Biologia (Marcelo) sobre Genética
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
Genetica
GeneticaGenetica
Genetica
 
5 - Padrões de Herança
5 - Padrões de Herança5 - Padrões de Herança
5 - Padrões de Herança
 
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-35 padres-de-herana-1194454006597063-3
5 padres-de-herana-1194454006597063-3
 
Património genético - resumo
Património genético - resumoPatrimónio genético - resumo
Património genético - resumo
 
Herancamonogenicanaotradicional
HerancamonogenicanaotradicionalHerancamonogenicanaotradicional
Herancamonogenicanaotradicional
 
Herança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuaisHerança dos cromossomos sexuais
Herança dos cromossomos sexuais
 
PadrõEs De HerançA
PadrõEs De HerançAPadrõEs De HerançA
PadrõEs De HerançA
 
Aula 3 primeira lei de mendel
Aula 3  primeira lei de mendelAula 3  primeira lei de mendel
Aula 3 primeira lei de mendel
 
Introdução à genética
Introdução à genéticaIntrodução à genética
Introdução à genética
 
Heranca e sexo
Heranca e sexoHeranca e sexo
Heranca e sexo
 
Introdução à Genética
Introdução à GenéticaIntrodução à Genética
Introdução à Genética
 
Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01Genetica 110513181400-phpapp01
Genetica 110513181400-phpapp01
 
A genética do sexo e determinação
A genética do sexo e determinaçãoA genética do sexo e determinação
A genética do sexo e determinação
 
Cromossomos sexuais
Cromossomos sexuaisCromossomos sexuais
Cromossomos sexuais
 
Genetica conceitos basicos
Genetica conceitos  basicosGenetica conceitos  basicos
Genetica conceitos basicos
 

Mais de HerminioMendes3

identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptxidentification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
HerminioMendes3
 
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptxOs Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
HerminioMendes3
 
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptxFORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
HerminioMendes3
 
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptgenetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
HerminioMendes3
 
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptAula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
HerminioMendes3
 
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdfaula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
HerminioMendes3
 
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIASSaúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
HerminioMendes3
 
celulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características decelulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características de
HerminioMendes3
 
Introdução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas característicasIntrodução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas características
HerminioMendes3
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
HerminioMendes3
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
HerminioMendes3
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
HerminioMendes3
 
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aulamapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
HerminioMendes3
 
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdfCONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
HerminioMendes3
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
HerminioMendes3
 

Mais de HerminioMendes3 (15)

identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptxidentification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
identification of new microorganisms with probiotic potential and.pptx
 
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptxOs Padrões e os Processos da Evolução.pptx
Os Padrões e os Processos da Evolução.pptx
 
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptxFORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
FORMAÇAO biossegurança e boas praticas MOMENTO 2.pptx
 
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptgenetica conceitos  basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
genetica conceitos basicos (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
 
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).pptAula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
Aula_5 Genetica e Embriologia (2020_03_19 15_11_22 UTC).ppt
 
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdfaula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
aula sobre SEDE E fisiologia da INGESTAO.pdf
 
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIASSaúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
Saúde Coletiva - Aula NASSAU - ESTRATEGIAS
 
celulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características decelulas do sistema imune e suas principais características de
celulas do sistema imune e suas principais características de
 
Introdução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas característicasIntrodução Anatomia Humana e suas características
Introdução Anatomia Humana e suas características
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais 2.pptx
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais.pptx
 
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptxFormação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
Formação em Biossegurança e Boas Práticas Laboratoriais - Copia.pptx
 
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aulamapa e mapeamento de riscos ambientais aula
mapa e mapeamento de riscos ambientais aula
 
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdfCONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
CONTEÚDO-PROGRAMÁTICO-IEMA-atualizado (2).pdf
 
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saudeaula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
aula sobre gametogenese e fertilização sistema saude
 

Último

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
LuFelype
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
barbosakennedy04
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
rosilenenunes9
 
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptxAtendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
VaniaTramontinPolla
 
Personalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalistaPersonalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalista
Nertan Dias
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
THIALYMARIASILVADACU
 

Último (6)

1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
1-A Organização do Sistema de Saúde e a Atenção Primária à Saúde (APS) no Bra...
 
Guia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudávelGuia completo para secar de maneira saudável
Guia completo para secar de maneira saudável
 
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tccPsicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
Psicologia hospitalar ansiedade e abordagens da tcc
 
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptxAtendimento Parada cardio respiratória.pptx
Atendimento Parada cardio respiratória.pptx
 
Personalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalistaPersonalidade - Teoria comportamentalista
Personalidade - Teoria comportamentalista
 
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipalDrogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
Drogas Vasoativas na UTI (1) (1).pptxvigilanciaprincipal
 

AULA SOBRE herancamonogenica-160830171513.ppt

  • 1. A HERANÇA MONOGÊNICA PADRÕES MENDELIANOS DE HERANÇA
  • 2. Estudo de características genéticas na espécie humana  Não é possível controlar ou manipular cruzamentos
  • 3. Definições importantes!  Padrões de herança monogênicos  Heredrograma
  • 4. A construção de heredogramas  A informação obtida de famílias através do ato da averiguação é registrada na forma de heredogramas (pedigrees) obedecendo sinais e símbolos padrões.
  • 5. 21 Tipo de herança determinada por um único gene Autossômica Ligada ao sexo Herança monogênica
  • 7. Herança dominante ou recessiva????
  • 8. Herança autossômica dominante 1. O fenótipo aparece em todas as gerações, e toda pessoa afetada tem um genitor afetado. 2. Qualquer filho de genitor afetado tem um risco de 50% de herdar o fenótipo. 3. Familiares fenotipicamente normais não transmitem o fenótipo para seus filhos. 4. Homens e mulheres têm a mesma probabilidade de transmitir o fenótipo aos filhos de ambos os sexos.
  • 9. O padrão de herança autossômico dominante  Em geral, o afetado é heterozigoto, quando se trata de um caráter raro e seu parceiro(a) é homozigoto para o alelo normal. A probabilidade de um filho ser afetado é de 50% e independe do sexo.
  • 10. O padrão de herança autossômico recessivo  Em geral, os progenitores são normais e heterozigotos.
  • 11. Nos heterozigotos, com alelo normal e outro mutante, a metade da quantidade normal do produto gênico do alelo normal é suficiente para efetuar uma determinada função?
  • 12. SIM!!!!! Alelo normal é dominante Alelo mutante é recessivo Distúrbio é recessivo Em heterozigose, o fenótipo é normal
  • 13. NÃO!!!!! Alelo normal é recessivo Alelo mutante é dominante Distúrbio é dominante Em heterozigose, o fenótipo é alterado
  • 15. Exemplos de herança monogênica autossômica dominante Polidactilia Acondroplasia
  • 16. Exemplos de herança monogênica autossômica recessiva Albinismo
  • 19. LÓBULOS ADERIDOS Á FACE Dominante Recessivo
  • 20. POLEGAR DE “PONERO” Algumas pessoas possuem a capacidade de inclinar o dedo polegarnum ângulo maior que 45 graus – RECESSIVO O alelo DOMINANTE não permite essa inclinação
  • 21. Esquerdo sobre direito é DOMINANTE DEDOS ENTRELAÇADOS Entrelace seus dedos... Qual polegar ficou por cima?
  • 23. • Ligada ao Sexo Dominante Recessiva    Herança monogênica ligada ao sexo
  • 24. DOMINANTE LIGADO AO X  Homem afetado  todas as filhas afetadas e todos os filhos normais  Homem afetado  possui mãe afetada  Mulher homozigota dominante  todos os filhos afetados  Características não se distribuem igualmente entre os sexos Herança monogênica ligada ao sexo
  • 25. Herança dominante ligada ao X 1. Os homens afetados com companheiras normais não têm nenhum filho afetado e nenhuma filha normal. 2. Os filhos de ambos os sexos de portadores possuem um risco de 50% de herdar o fenótipo.
  • 26. Hipertricose: um exemplo de herança ligada ao X dominante  A hipertricose generalizada pode ser causada pela mutação de um gene localizado no cromossomo X. O fenótipo é dominante.
  • 27. RECESSIVO LIGADO AO X  Homem afetado  filhas portadoras  50% dos netos afetados  Homem afetado  gen recebido da mãe  Mais homens afetados do que mulheres  Homem afetado + mulher normal  geralmente têm filhos normais  O caráter é transmitido aos filhos homens pelas mães portadoras. As meninas só terão a caracterísitica se opai também tiver Herança monogênica ligada ao sexo
  • 29. O padrão de transmissão da herança ligada ao X recessiva
  • 30. A hemofilia A  Distúrbio recessivo ligado ao X clássico. É um distúrbio da coagulação caracterizado por tempo de sangramento prolongado. Causado por mutações no gene que codifica o fator VIII, componente da cascata da coagulação. A deficiência do fator VIII resulta numa formação defeituosa de fibrina, comprometendo a capacidade de coagulação.
  • 31.
  • 32. O daltonismo  A mutação genética que provoca o daltonismo sobreviveu pela vantagem dada aos daltônicos ao longo da história evolutiva. Essa vantagem advém, sobretudo, do fato de os portadores desses genes possuirem uma melhor capacidade de visão noturna, bem como maior capacidade de reconhecerem elementos semi- ocultos, como animais ou pessoas disfarçadas pela sua camuflagem.  Estima-se que 8% dos homens sejam afetados contra apenas 1 % das mulheres.