Auditoria de Enfermagem

5.865 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.865
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
212
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Auditoria de Enfermagem

  1. 1. •Subsidiando o processo de planejamento das ações de saúde: •Ele se reveste das atividades de auditoria: •Desdobra-se nos três níveis de gestão que compõem o SUS: •Instituído pelo art. 6º da Lei 8.689, de 27 de julho de 1993: regulamentado pelo Decreto 1651, de 28 de setembro de 1995. Federal Estadual Municipal. sua execução, gerência técnica e avaliação qualitativa. suplementando outras instâncias de controle.
  2. 2. Segundo o Ministério da Saúde, Auditoria Consiste no exame sistemático e independente dos fatos obtidos através da observação, medição, ensaio ou outras técnicas apropriadas, de uma atividade, elemento ou sistema.
  3. 3. Segundo o Ministério da Saúde, Auditoria em Saúde é um instrumento de gestão para proteger e fortalecer o SUS contribuindo efetivamente para a locação e aplicação adequada dos recursos e para a qualidade da atenção oferecida aos cidadãos.
  4. 4. Segundo Seixas et al, Auditoria de Enfermagem é a avaliação sistemática da qualidade da assistência de Enfermagem, verificada através das anotações de Enfermagem no prontuário do paciente e/ou das próprias condições deste.
  5. 5. INDEPENDÊNCIA SOBERANIA IMPARCIALIDADE OBJETIVIDADE CONHECIMENTO TÉCNICO E CAPACIDADE PROFISSIONAL COMPORTAMENTO ÉTICO SIGILO E DISCRIÇÃO CAUTELA E ZELO PROFISSIONAL ATUALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS TÉCNICOS
  6. 6. RESOLVE: Art. 1º- Aprovar as atividades do Enfermeiro Auditor, dispostas no anexo do presente ato. Art. 2º- Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, revogando disposições em contrário. Rio de Janeiro, 05 de outubro de 2001.
  7. 7. Identificar as áreas (unidades) deficientes dos serviços de Enfermagem; Identificar as áreas de deficiência em relação a assistência de Enfermagem prestada;; Fornecer dados para a melhoria dos programas; Obter dados para a programação de processo de educação permanente do pessoal de Enfermagem; Fornecer dados para a melhoria da qualidade do cuidado de Enfermagem.
  8. 8. Instituição Equipe de Enfermagem Profissão Cliente Paciente
  9. 9.  Filosofia e estrutura administrativa compatível com a proposta de Enfermagem;  Padrão de assistência desejado, estabelecidos e reconhecidos por todo o pessoal do serviço de Enfermagem;  RH com adequados treinamentos técnicos e capacitação com o Auditor;  Instrumento contendo itens que devem ser observados.
  10. 10. AUDITORIA RETROSPECTIVA  É aquela realizada após a alta do paciente;  Onde se utiliza o prontuário do paciente para avaliação. AUDITORIA OPERACIONAL OU CONCORRENTE  O paciente ainda encontra-se hospitalizado ou em atendimento ambulatorial
  11. 11.  Quanto ao limite: Auditoria total e parcial.  Quanto a natureza: Auditoria normal e especifica;  Quanto ao tempo: Auditoria continua e periódica;  Quanto a forma de intenção: Auditoria interna e externa;
  12. 12. Recursos Humanos: A comissão de Auditoria deve esta ligada ao departamento de enfermagem; A comissão de Auditoria deve ser formada considerando a realidade da instituição Recursos Materiais: A comissão deve possuir um local no hospital; O local deve ter privacidade e possuir arquivos, escrivaninhas e outros materiais; Outros recursos são os formulários em seus vários modelos.
  13. 13. Nos serviços de Enfermagem o controle da qualidade tem se tornado condição indispensável à eficácia assistencial através do uso de processos avaliativos contínuos da assistência implementada. Um dos indicadores utilizados para verificação da qualidade da assistência é a forma como ela é prestada considerando-se a competência do profissional que a executa, a segurança e efetividade da ação de Enfermagem e a forma como ela é registrada.
  14. 14. Não avalia a assistência total ao paciente, pois o cuidado integral inclui outros profissionais; Não tem finalidade punitiva pois ele verifica o cuidado, detecta erros e analisa a sua natureza e significado; Não tem objetivo primordial em melhorar os registros de Enfermagem; Não tem finalidade de avaliar o desempenho de um individuo ou um grupo.
  15. 15. FERREIRA, TS; BRAGA, ALS; Auditoria em Enfermagem: O impacto das anotações de Enfermagem no contexto das glosas hospitalares; EEAAC/UFF. KURCGANT, Paulina; Et al; Administração em Enfermagem; São Paulo: EPU, 1991. MINISTERIO DA SAÚDE; Manual de normas de auditoria; Ministério da Saúde; Brasília; DF, 2008. SEIXAS, RS; VIANA, RB; SILVA, LR; Auditoria de enfermagem – um estudo na enfermaria pediátrica; UFF; Copacabana; RJ.

×